Vous êtes sur la page 1sur 87

1º SEMESTRE

Matemática

Carga Horária

67 h

Objetivos

São objetivos principais da disciplina:

- identificar, representar e utilizar o conhecimento geométrico apresentado para o


desenvolvimento de soluções do cotidiano;

- reconhecer, traçar e interpretar gráficos das diversas funções estudadas para soluções
de problemas na engenharia;

- aplicar conhecimentos matemáticos, científicos, tecnológicos e instrumentais à


engenharia;

- promover a capacidade para desenvolver e utilizar novas ferramentas e técnicas.

Ementa

Relações; Funções: Função do 1º Grau, Função do 2º Grau, Função Modular, Função


Exponencial, Função Logarítmica, Funções Trigonométricas.

Conteúdo Programático

Relações: Par ordenado, sistema cartesiano ortogonal, produto cartesiano, relação


binária, relação inversa. Funções: Conceitos e definições, notação de função, domínio e
imagem. Função do 1º Grau: Função constante, função identidade, função linear, função
afim, gráficos, raiz, domínio e imagem. Função do 2º Grau: Definição, raízes, vértice,
gráfico, domínio, imagem, sinal da função, inequação do 2º grau. Função Modular:
Definição e gráficos. Função Exponencial: Potenciação, radiciação, definição e gráficos.
Função Logarítmica - Definição de logaritmo e função logarítmica e gráficos da função
logarítmica. Funções Trigonométricas: Definição das funções: seno, cosseno, tangente,
secante, cotangente, cossecante; gráfico das funções, sinal das funções, círculo
trigonométrico, relações fundamentais.
Metodologia de ensino

Aulas analítico-expositivas e aplicações dos conceitos abordados no campo da


engenharia através de exercícios. Listas de exercícios propostos como aticidade
complementar.

Avaliação

Provas de avaliação discursivas, avaliação de exercícios resolvidos em sala de aulas e


entrega de listas de exercícios resolvidas

Bibliografia Básica

STEWART, James. Cálculo v.1. SP: Thomson Learning, Pioneira, 4ª edição, 2001.

BOULOS, P, Pré Cálculo, SP, Pearson Education, Makron Books, 2006.

Bibliografia Complementar

AYRES JR., F, MENDELSON E., Cálculo Diferencial e Integral, SP, Makron Books,
1999.

GUIDORIZZI, H. L. Um curso de cálculo. v. 1. RJ: LTC, 2004.

Expressão Gráfica

Carga Horária

67 h

Objetivos

Capacitar o discente ao estudo das técnicas do desenho de projeções normalizado para a


eficiente leitura e interpretação do desenho técnico. Desenvolver habilidades motoras
adequadas na execução de desenhos e no uso do respectivo instrumental. Possibilitar
exercitar e desenvolver o raciocínio espacial e a criatividade.

Ementa

Construções Fundamentais - Fundamentos do desenho geométrico, Sistemas de


Representação Gráfica: Projeções Ortogonais e Perspectivas segundo as normas da
ABNT.
Conteúdo Programático

Construções Fundamentais do Desenho Geométrico. Normas ABNT (Escalas, formato


de papel, tipos de linha, cortes, cotagem). Perspectivas Isométricas, cavaleira e militar.
Vistas Ortogonais.

Metodologia de Ensino

Aulas expositivas e desenvolvimento de atividade projetuais em sala de pranchetas.

Avaliação

Acompanhamento individual dos alunos em sala de pranchetas na execução de


exercícios projetuais. Provas de avaliação com exercícios de projeto.

Bibliografia Básica

French, T. E.; Vierck, C. J. Desenho Técnico e Tecnologia gráfica. 5a, Globo, 1999.

MANDARINO, D. Curso Progressivo de Desenho Técnico. Plêiade, 1999.

Bibliografia Complementar

SILVA, G. S. Curso de Desenho Técnico. Porto Alegre, Editora Sagra 1993.

MANFÉ, G. Desenho Técnico Mecânico. São Paulo, Editora Hemus, 1997.

Física Geral e Experimental I

Carga Horária

67 h

Objetivos

A disciplina tem como objetivos:

- propiciar competência para a aplicação de conhecimentos físicos à engenharia;

- tornar o aluno capaz e hábil em projetar e conduzir experimentos e interpretar


resultados;

- desenvolver no discente a capacidade e habilidade de comunicar-se eficazmente nas


formas gráfica e escrita através da elaboração de relatórios científicos;

- preparar o aluno para ter conhecimento em analisar um fenômeno físico, modelá-lo e


analisá-lo matematicamente;
- fornecer ferramentas para o entendimento da realidade dos fenômenos mecânicos
descritos em uma representação vetorial.

Ementa

Movimentos; Movimento Uniforme; Movimento Uniformemente Variado; Movimentos


Variados; Vetores.

Conteúdo Programático Teórico

MOVIMENTOS - Sistema de referência, móvel, ponto material, trajetória, velocidade


de média, deslocamento escalar, movimento progressivo, movimento regressivo,
sistema internacional de unidades.

MOVIMENTO UNIFORME - Velocidade escalar instantânea, função horária da


posição, gráficos, cálculos gráficos.

MOVIMENTO UNIFORMEMENTE VARIADO - Aceleração média aceleração escalar


instantânea, função horária da velocidade, função horária da posição, equação de
Torricelli, gráficos, cálculos gráficos, movimentos acelerados, movimentos retardados,
aceleração da gravidade, peso dos corpos, queda livre, lançamento vertical, lançamento
oblíquo (projéteis).

MOVIMENTOS VARIADOS - Derivação das equações, equação da trajetória,


movimentos relativos.

VETORES - Operações com vetores, decomposição de um vetor, cinemática vetorial,


coordenadas retangulares, movimentos em uma, duas e três dimensões, vetor posição,
vetor velocidade e vetor aceleração.

Conteúdo Programático Prático

Algarismos significativos. Aplicação dos algarismos significativos.

Teoria dos Erros. Aplicação da Teoria dos Erros. Propagação de Erros.

Instrumentos de medida: Paquímetro e Micrômetro. Aplicação da Propagação de Erros.

Movimento Retilíneo Uniforme e Movimento Retilíneo Uniformemente Variado.

Movimento num campo de forças uniforme - Queda Livre.


Metodologia de ensino

Aulas teóricas analítico-expositivas e discussão sobre ética científica e temas pertinentes


à aplicação dos conceitos estudados na área de conhecimento do curso
concomitantemente com aulas práticas em laboratório.

Avaliação

Prova discursiva e dissertativa compondo 70% da nota máxima. Elaboração de


relatórios científicos sobre os experimentos realizados compondo 30% da nota máxima.

Bibliografia Básica

Tipler Paul A. Física para cientistas e engenheiros. V.1. 5 a. Ed. Rio de Janeiro LTC
2006.

HALLIDAY, D.; RESNICK, R.; LUZ; Fundamentos de Física. V.1. Tradução de


Antonio Máximo R Luz. 5. ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 2003.

Bibliografia Complementar

Resnick, S.; Halliday, D.; Krane, K. S. Física. F.1. Tradução de Antonio Maximo R Luz.
2. ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1996. 4 v.

SCHAUM, D. Física Geral. Coleção Schaum. São Paulo: Mac Graw-Hill, 1986.

Leitura e Produção Textual I

Carga Horária

34 h

Objetivos

Desenvolver no aluno competências para o uso da língua escrita e falada, as habilidades


e estratégias de leitura e o uso de coerência e coesão nos textos escritos.

Ementa

O curso explora os aspectos lingüístico – gramático – discursivos, focando


especificamente o uso da língua, as estratégias de leitura, a articulação dos parágrafos
nos textos e os aspectos da coerência e da coesão.

Metodologia de Ensino
Aulas analítico-expositivas e exercícios de aplicação

Avaliação

Exercícios de aplicação em sala de aula e provas de avaliação dircursivas

Bibliografia Básica

VANOYE, F. Usos da linguagem: problemas e técnicas de produção oral e escrita.


Martins Fontes, 1998.

TRAVAGLIA, L. C. Gramática: ensino plural. Cortez, 2003.

Bibliografia Complementar

ABREU, A. S. Como ordenar as idéias. 11a., Ática, 2001.

BOAVENTURA, E. Como ordenar as idéias. 8a., Ática, 2002.

WHITAKER, P. J. R. A técnica da comunicação humana. Pioneira, 1999.

Introdução à Engenharia

Carga Horária

34 h

Objetivos

Possibilitar que o estudante compreenda os conceitos de Engenharia, suas possibilidades


e aplicações. Conceituar a diferenças entre formação e informação.

Ementa

Introdução. O curso de Engenharia Civil. Conceituação da Engenharia Civil.. O sistema


profissional. O processo de estudo e de pesquisa. Metodologia da solução de problemas.
Aplicações

Conteúdo Programático

Introdução. Concepção do Curso. Perfil do Egresso. O Curso de Engenharia Civil da


Uninove. Bases legais. Regulamentação Profissional. Ética. Sociabilidade Humana.
Obrigações e Responsabilidade. Cidadania. Controle do Exercício Profissional: O
Sistema Confea-CREA. Legislação Profissional. Lei n° 5.194 de 1966. Resolução 218
de 1973 e Resolução 1.010 de 2005. Código de Ética da Profissão. Visão sistêmica e
empreendedora. Metodologias de análise e Solução de problemas.da Engenharia de
Produção. Seminários sobre as linhas de pesquisa do curso.

Metodologia

Aulas analíticos expositivas e discussão de seminários apresentados pelos próprios


alunos

Avaliação

Apresentação de seminários e provas de avaliação discursivas.

Bibliografia Básica

BAZZO, W. A. ; PEREIRA, L. T. V. Introdução à engenharia. Editora da UFSC, 1997.

CHALMERS, A. F. O que é ciência afinal? Editora Brasiliense, 1993.

Bibliografia Complementar

CHALMERS, A. F. A fabricação da ciência. EDUNESP, 1994.

CHASSOT, A. A ciência através dos tempos. 7 ed.Moderna, 1997.

FERRAZ, H. A formação do engenheiro: um questionamento humanístico. Ática, 1983.

Algoritmos aplicados à Engenharia I

Carga Horária

34 h

Objetivos

Apresentar ao estudante as mais variadas formas de utilização de ferramentas


computacionais e redes em Engenharia. Desenvolver o raciocínio para que o estudante
consiga desenvolver algoritmo que correspondam a resolução de problemas da
Engenharia. Implementar programas de computador correspondentes aos algoritmos
construídos utilizando o sistema o Sistema Pascal.
Ementa

Histórico. Classificação dos computadores. Organização. Operadores lógicos.


Proposições lógicas. Álgebra das proposições. Ambiente do sistema pascal/C++.

Conteúdo Programático

Introdução à lógica de programação: Pseudocódigos, fluxograma e programas. Estrutura


e a lógica de um programa, símbolos de representação no fluxograma. Desenvolvimento
da lógica usando fluxograma: Conexão seqüencial. Comandos de atribuição. Comandos
de entrada e saída. Desenvolvimento da lógica usando fluxograma: Conexão
condicional. Comandos condicionais: if-then e if-then-else. Desenvolvimento da lógica
usando fluxograma: conexão repetitiva genérica com avaliação a priori (REPITA-
ENQUANTO). Comandos repetitivos while-do e repeat-until. Desenvolvimento de
projeto de avaliação usando programa Tpascal. Desenvolvimento da lógica usando
fluxograma: conexão repetitiva genérica com avaliação a posteriori (REPITA-ATÉ
QUE). Comando repetitivo automático for-to e for-down-to. Desenvolvimento da lógica
usando fluxograma: conexão repetitiva com número de repetições conhecido (REPITA-
PARA). Desenvolvimento da lógica usando fluxograma: conexão seletiva múltipla.
Comandos seletivos case-of.

Metodologia

Aulas analítico-expositivas e de aplicação realizadas em laboratórios de informática.

Avaliação

Exercícios de aplicação em sala de aula, desenvolvimento programas e provas de


avaliação práticas

Bibliografia Básica

ASCENCIO, A. F. G. Lógica de programação com pascal. SP: Makron Books, 2004.

RINALDI, R. Turbo pascal 7.0: comandos e funções. SP: Érica, 2003.

Bibliografia Complementar
KERNIGMAN, B. W. Ferramentas para programação e pascal. RJ: Campus, 1988.

MANZANO, J. A. N. G.; MENDES, S. S. V. Estudo dirigido de Delphi 5. São Paulo:


Érica 1999.

2º SEMESTRE
Cálculo Diferencial e Integral I

Carga Horária

67 h

Objetivos

São objetivos principais da disciplina:

- compreender o sistema simbólico da linguagem matemática;

- utilizar procedimentos e estratégias adequados para a resolução de situações problema;

- apropriar-se dos conhecimentos da disciplina e aplicá-los para o planejamento e


execução de ações no campo da engenharia;

- aplicar os conhecimentos e metodologia matemática nas situações científicas e


cotidianas.

Ementa

Intervalos Lineares; Princípio da Indução Finita; Estudo de Limites; Limites


Fundamentais; Continuidade; Taxa Média de Variação; Derivada no Ponto; Regras de
Derivação ; Estudo Da Variação das Funções; Problemas Envolvendo Máximos e
Mínimos; Regra de L’hospital.

Conteúdo Programático

Intervalos Lineares. Princípio da Indução Finita. Estudo de Limites: Limites de uma


função. Continuidade: Noção de continuidade, propriedades da função contínua, limite
da função composta, propriedades do limite da função, composta. Taxa Média de
Variação: Representações geométricas, demonstrações analíticas. Aplicações em
problemas. Derivada no Ponto: Definição, interpretação geométrica, interpretação
cinemática. Derivadas: Derivadas das funções elementares. Regras de Derivação:
Derivada da soma, do produto, do quociente, da tangente, da cotangente, da secante, da
função composta, da função inversa, da função logarítmica, da potência com expoente
real, do arco seno, do arco co-seno, do arco tangente, do arco cotangente, derivadas
sucessivas. Estudo da Variação das Funções: Crescimento e decrescimento de uma
função, concavidade, máximos e mínimos, assíntotas e gráficos de função de uma
variável. Problemas envolvendo máximos e mínimos. Regra de L'Hospital.
Metodologia de ensino

Aulas teóricas e expositivas, demonstrações dos conceitos ministrados aplicados na


engenharia.

Avaliação

Exercícios em sala de aulas, listas de exercícios propostos e provas de avaliação


discursivas.

Bibliografia Básica

STEWART, James. Cálculo v.1. SP: Thomson Learning, Pioneira, 4ª edição, 2001.

BOULOS, P, ABUD Z. I, Cálculo Diferencial e Integral, v. 1. SP, Pearson Education,


Makron Books, 2006.

Bibliografia Complementar

SWOKOWSKI, E. W. Cálculo com geometria analítica. v. 1. SP: Makron Books, 1995.

GUIDORIZZI, H. L. Um curso de cálculo. v. 1. RJ: LTC, 2004.

AYRES JR., F, MENDELSON E., Cálculo Diferencial e Integral, SP, Makron Books,
1999.

Física Geral e Experimental II

Carga Horária

67 h

Objetivos

São objetivos da disciplina:

- propiciar competência para a aplicação de conhecimentos físicos à Engenharia;

- tornar o aluno capaz e hábil em projetar e conduzir experimentos e interpretar


resultados;

- desenvolver no discente a capacidade e habilidade de comunicar-se eficazmente nas


formas gráfica e escrita através da elaboração de relatórios científicos;

- preparar o aluno para ter conhecimento em analisar um fenômeno físico, modelá-lo e


analisá-lo matematicamente;
- fornecer ferramentas para o entendimento da realidade dos fenômenos mecânicos
descritos em uma representação vetorial;

- adquirir habilidades para o entendimento das formas de energia do universo


preparando-o para compreender a sua geração e utilização racional buscando uma
formação sistêmica.

Ementa

Dinâmica; movimento harmônico simples, ondas, movimento linear; energia; gravitação


universal.

Conteúdo Programático Teórico

DINÂMICA - Conceito de força, equilíbrio estático, equilíbrio dinâmico, força


resultante, força de equilíbrio. Primeira Lei de Newton, princípio da inércia, sistemas de
referências inerciais, massa inercial, massa gravitacional. Segunda Lei de Newton,
princípio fundamental da dinâmica, peso de um corpo, dinamômetros. Terceira Lei de
Newton, princípio da ação e reação plano inclinado, roldanas. Aplicações das Leis de
Newton, forças de atrito (estático e dinâmico), coeficientes do ativo, resistência do ar,
força centrípeta.

MOVIMENTO HARMÔNICO SIMPLES - Conceito, equação horária do MHS,


elongação e amplitude, fase e pulsação, gráfico do MHS, gráfico da velocidade do
MHS, equação da velocidade do MHS, gráfico da aceleração do MHS, equação da
aceleração do MHS, velocidades e acelerações máximas e mínimas.

ONDAS - Conceitos gerais, ondas transversais e longitudinais ondas mecânicas, ondas


magnéticas, comprimento da onda, - Fase, concordância de fase e oposição de fase,
propagação de um pulso transversal, velocidade de propagação dos pulsos, reflexão e
refração de pulsos, interferência construtiva e destrutiva.

MOMENTO LINEAR - Quantidade de momento, impulso e teorema, colisões.

ENERGIA - Trabalho motor e resistente, energia potencial e mecânica, conservação de


energia.

GRAVITAÇÃO UNIVERSAL - Constante de atração, campo gravitacional, energia


potencial gravitacional.
Conteúdo Programático Prático

Gráficos. Lei que define uma função. Anamorfose.

Leis de Newton.

Lei de Hooke.

Pêndulo Simples.

Equilíbrio do ponto material.

Máquinas Simples.

Metodologia de ensino

Aulas teóricas analítico-expositivas e discussão sobre ética científica e temas pertinentes


à aplicação dos conceitos estudados na área de conhecimento do curso
concomitantemente com aulas práticas em laboratório.

Avaliação

Prova discursiva e dissertativa compondo 70% da nota máxima. Elaboração de


relatórios científicos sobre os experimentos realizados compondo 30% da nota máxima.

Bibliografia Básica

Tipler Paul A. Física para cientistas e engenheiros. V.1. 5a. Ed. Rio de Janeiro LTC
2006.

HALLIDAY, D.; RESNICK, R.; LUZ; Fundamentos de Física. Tradução de Antonio


Máximo R Luz. 5. ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 2003.

Bibliografia Complementar

Resnick, S.; Halliday, D.; Krane, K. S. Física. Tradução de Antonio Maximo R Luz. 2.
ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1996. 4 v.

SCHAUM, D. Física Geral. Coleção Schaum. São Paulo: Mac Graw-Hill, 1973.

Leitura e Produção Textual II

Carga Horária

34 h
Objetivos

Desenvolver no aluno as competências necessárias para o planejamento de textos de


diferentes organizações macro-estruturais, usando com proficiência a argumentação nos
textos escritos.

Ementa

O curso articula-se em seqüências didáticas que enfocam a progressão do repertório de


textos representativos de cada modalidade, argumentação do texto e o seu planejamento,
contemplando sua revisão, refacção e avaliação.

Metodologia

Aulas analítico-expositivas e exercícios de aplicação

Avaliação

Exercícios de aplicação em sala de aula e provas de avaliação dircursivas

Bibliografia Básica

VANOYE, F. Usos da linguagem: problemas e técnicas de produção oral e escrita.


Martins Fontes, 1998.

TRAVAGLIA, L. C. Gramática: ensino plural. Cortez, 2003.

Bibliografia Complementar

ABREU, A. S. Como ordenar as idéias. 11a, Ática, 2001.

BOAVENTURA, E. Como ordenar as idéias. 8a, Ática, 2002.

WHITAKER, P. J. R. A técnica da comunicação humana. Pioneira, 1999.

Metodologia de Pesquisa em Engenharia

Carga Horária

34 h

Objetivos

Proporcionar uma adequada formação cultural e profissional. Desenvolver a autonomia


do corpo discente, através da motivação a participação, da conscientização e do
pensamento científico. Valorizar, orientar e divulgar a produção acadêmica discente.
Educar para a cidadania.

Ementa

Autonomia e produção acadêmica. Pensamento científico. Importância da teoria e da


prática. Encaminhamento dos assuntos decididos pela área e colegiado para Projetos de
Iniciação à Pesquisa Científica.

Conteúdo Programático

Introdução. Relação entre Iniciação à Produção Acadêmica I e Iniciação à Produção


Acadêmica II. Conceito de Pesquisa e o que é Projeto de Pesquisa. Etapas para
elaboração do Projeto de Pesquisa: tema, estudos preliminares, título, introdução,
justificativa, hipótese e objetivo e referencial teórico. Tipos de pesquisa. Técnicas de
pesquisa. Apresentação de projetos de pesquisa. Redação de textos acadêmico.
Elementos pré-textuais. Elementos pós-textuais. Trabalho Interdisciplinar com base nas
linhas de pesquisa do curso.

Metodologia

Aulas analítico-expositivas e apresentação e discussão dos trabalhos aprese nados

Avaliação

Apresentação de seminários e trabalhos monográficos além de provas de avaliação


discursivas.

Bibliografia Básica

SEVERINO, A.J. Metodologia do Trabalho Científico. 21 ed. São Paulo: Cortez, 2000.

CERVO, A. L; BERVIAN, P. A. Metodologia científica. 4 ed. São Paulo: Makron, 1996.

Bibliografia Complementar

JARDILINO, J. R.; ROOSI, G.; SANTOS, G. T. Orientações Metodológicas para


Trabalhos Acadêmicos. São Paulo: Gion, 2000.

LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 4. ed. São Paulo: Atlas,


2001.

MARCONI, M. A., LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa. 4. ed.São Paulo: Atlas,


1999.
Álgebra Linear, Geometria Analítica e Cálculo Vetorial

Carga Horária

34 h

Objetivos

São objetivos da disciplina:

- possibilitar ao educando conceituar os espaços e subespaços vetoriais, transformações


lineares e ortogonais que servirão de ferramenta durante o curso;

- aplicar os conhecimentos de álgebra linear em situações científicas;

- identificar, analisar e aplicar os conhecimentos de álgebra linear para a interpretação e


desenvolvimento de situações problema;

- aplicar os conceitos vetoriais no contexto científico.

aplicar, identificar e compreender os cálculos vetoriais e aplicá-los nas situações


diversas no contexto da engenharia;

- reconhecer e utilizar os cálculos vetoriais para a solução de problemas;

- entender os princípios da comunicação vetorial e associá-las aos conhecimentos


correlatos no campo do curso;

- identificar informações que tenham relevância em situações problema e selecionar


métodos ou técnicas científicas adequadas para a resolução.

Ementa

Espaços vetoriais; subespaços vetoriais; transformações lineares; transformações


ortogonais.
Conteúdo Programático
Espaços vetoriais: definição, exemplos, base de um espaço vetorial, dimensão,
combinação linear, dependência e independência linear. Subespaços vetoriais: definição,
exemplos, interseção entre subespaços vetoriais, soma direta. Transformações lineares:
definição, exemplos, mudança de base, autovalores e autovetores. Transformações
ortogonais: exemplos.
Vetores: Segmento de reta, segmento orientado, módulo de um segmento, segmentos
equipolentes, definição de vetor, soma de vetores (representação gráfica), multiplicação
de um vetor por um escalar. Coordenadas Cartesianas: Sistema de coordenadas
cartesianas no plano e no espaço, representação cartesiana do vetor, vetores diretores,
combinação linear, dependência e independência linear. Produtos entre Vetores: Produto
escalar, projeções; produto vetorial, cálculo de áreas; produto misto, cálculo de
volumes; duplo produto vetorial. A Equação da Reta: Equação geral de uma reta,
equações paramétricas da reta, equações simétricas da reta, equações reduzidas da reta,
posição relativa entre duas retas. A Equação do Plano: Equação geral do plano,
equações paramétricas do plano, posição relativa entre reta e plano, plano e plano.
Distâncias: Distância entre dois pontos, distância de um ponto a uma reta, distância
entre ponto e plano, distância entre duas retas. As Seções Cônicas: Parábola, Elipse e
Hipérbole: equações reduzidas e paramétricas (com centro na origem do plano
cartesiano e fora da origem).

Metodologia de ensino

Aulas teóricas e aulas expositivas, demonstrações da aplicação de vetores no campo da


engenharia.

Avaliação

Exercícios em sala de aulas, listas de exercícios propostos e provas de avaliação


discursivas.

Bibliografia Básica

LEON, S. Álgebra linear com aplicações. 6. ed. RJ: Guanabara, 1999.

BOLDRINI, J. L.; COSTA, S. I. R.; FIGUEIREDO, V. L.; WETZIER, H. G. Álgebra


linear. SP: Harper & Row, 1980.

Bibliografia Complementar

EDWARDS, C.; PENNEY, D. Introdução à álgebra linear. 3. ed. RJ: Prentice-Hall,


1998.

Algoritmos Aplicados à Engenharia II


Carga Horária

34 h

Objetivos

Desenvolver a lógica computacional utilizando o VBA (Visual Basic Aplication) da


planilha Excel. Desenvolver aplicativos utilizando a lógica e os objetos do VBA no
ambiente Windows.

Ementa

Introdução ao Excel. Barras de ferramentas e menus. Exemplos. Ferramentas avançadas


do Excel. Solver. VBA. Projeto de avaliação com VBA.

Conteúdo Programático

Introdução ao Excel. Barras de ferramentas e menus. Formatações no Excel. Fórmulas


no Excel. Cópias com referências absolutas. Usando porcentagens. Raiz quadrada.
Planilhas 3D. Criando fórmulas com endereços em outras guias. Criando listas
personalizadas. Filtrando dados. Critérios personalizados. Filtro avançado. Parâmetros
para o filtro avançado. Conceitos da validação de dados. Cálculos usando datas.
Número serial. Formato horas. Cálculos usando horas. Funções DIA, MÊS e ANO.
Formatos personalizados para datas. Tabela Dinâmica. Assistente da tabela dinâmica.
Incluindo e removendo dados na tabela dinâmica. Alterando parâmetros. Exibindo
páginas em planilhas separadas. Campos calculados. Gráficos dinâmicos. Gerenciador
de cenários. Criando e exibindo cenários. Gerando relatórios de cenários. Solucionando
problemas. Atingindo metas. Utilizando o solver. Tabelas com uma e duas entradas.
Funções. Mensagens de erros em funções. Funções de texto, lógicas, estatísticas,
matemáticas, financeiras, de banco de dados e de procura PROCV. Usando o VBA.
Formulários. Criando controles giratórios. Formatando controles. Caixas de
combinação. Grupos de opções. Botões de opções. Barra de rolagem. Caixa de seleção.
Macros. Gravador de macros. Escrevendo uma macro. Objetos no VBA. A janela do
editor do Visual Basic. Módulos. Objetos. Métodos e propriedades.. Desenvolvimento
de projeto de avaliação usando o VBA e o Excel.

Metodologia

Aulas analítico-expositivas e de aplicação realizadas em laboratórios de informática.


Avaliação

Exercícios de aplicação em sala de aula, desenvolvimento programas e provas de


avaliação práticas

Bibliografia Básica

HADDAD, R.; HADDAD, P. Crie planilhas inteligentes com o microsoft office excel
2003 – avançado. SP: Érica, 2003.

FRAGA, S. Programando com excel 2000. SC: Visual Books, 2001.

Bibliografia Complementar

MANZANO, J. A. N. G.; MENDES, S. S. V. Estudo dirigido de Delphi 5. São Paulo:


Érica 1999.

SATO, M. T. Excel 5.0 para windows: guia prático. SP: Érica, 1994

Geometria Descritiva

Carga Horária

34 h

Objetivos

Permitir ao estudante desenvolver o raciocínio gráfico e espacial levando em


consideração os entes geométricos e sólidos.

Ementa

Conceitos fundamentais; definições - nomenclatura; estudo do ponto e suas projeções;


estudo da reta; estudo do plano; segmentos e figuras planas; retas de planos não
definidas por seus traços. poliedros; noções de perspectiva; projeções cotadas.

Conteúdo Programático

Desenho Projetivo - Entes primitivos, postulados e teoremas; o sistema e seus elementos


próprios e impróprios; os entes de fuga; as representações projetivas sob a influência do
espaço-tempo.

Descritiva Mongeana - O ponto, a reta e o plano; rebatimento; pertinência; interseção de


planos, rotação, mudança de plano, visibilidade (determinação de linhas Invisíveis);
verdadeira grandeza: de segmentos, áreas, ângulos; seções de cones e de quaisquer
objetos em tridimensionais.

Metodologia de ensino

Possibilitar ao educando compreender métodos para a resolução de problemas,


mostrando a inter-relação com outras disciplinas. Desenvolver habilidades na resolução
de problemas matemáticos relacionados com Engenharia.

Avaliação

Exercícios de aplicação em sala de aula, desenvolvimento programas e provas de


avaliação práticas

Bibliografia Básica

MICELI, Maria Tereza; FERREIRA, Patrícia. Desenho básico básico. Rio de Janeiro:
Ao Livro Técnico. 2001.

BORGES, Gladys Cabral de Mello; BARRETO, Deli Garcia Olle; MARTINS, Enio,
Zago. Noções de geometria descritiva. 7 ed., Porto Alegre: Sagra-Luzzato, 2002.

Bibliografia Complementar

SARAGOSA, O. Geometria descritiva. SP: Uninove, 2007

LACOURT,H. Noções e fundamentos de geometria descritiva. Rio de Janeiro: LTC,


1995.

3º SEMESTRE

Probabilidade e Estatística

Carga Horária

34 h

Objetivos

São objetivos essenciais da disciplina:

- compreender o aleatório e não determinado de diversos fenômenos e utilizar de


instrumentos adequados para a medição e cálculos probabilísticos;

- identificar, selecionar e organizar dados relevantes para a resolução de problemas;


- analisar qualitativamente dados quantitativos representados por sua forma gráfica ou
algébrica relacionados ao cotidiano da engenharia;

- utilizar o instrumental estatístico e probabilístico, de forma a permitir a aplicação


desse conhecimento no curso.

Ementa

A Estatística. Estatística Descritiva. Probabilidades.

Conteúdo Programático

Introdução à Estatística. Estatística Descritiva: tabelas e gráficos, tabelas de distribuição


de freqüência, gráficos de barras, colunas e setores; medidas de posição, médias,
mediana, moda, medidas de dispersão, desvio médio, desvio padrão, coeficiente de
variação; introdução à teoria da amostragem. Probabilidades: definições básicas de
probabilidade, eventos mutuamente exclusivos e não exclusivos, eventos independentes,
dependentes e probabilidade condicional, teoremas de cálculo de probabilidade, teorema
da soma, teorema do produto, diagrama de Venn. Variáveis aleatórias discretas;
equiprovável; Bernoulli; binomial; Poisson; geométrica; hipergeométrica; Pascal.
Variáveis aleatórias contínuas; distribuição uniforme; distribuição normal; distribuição
exponencial. Tabelas estatísticas.

Metodologia de ensino

Aulas teóricas; aulas expositivas; análise de dados divulgados por órgãos oficiais.

Avaliação

Exercícios em sala de aulas, listas de exercícios propostos e provas de avaliação


discursivas.

Bibliografia Básica

NETO, P. L. O. C. Estatística. SP: Edgard Blücher, 2003

SPIEGEL, M. R. Probabilidade e Estatística . RJ: Mcgraw-Hill, 2004

Bibliografia Complementar

BRAIO, A. A.; MUSETTI, A. V.; SCHNEIDERMAN, B. Introdução à estatística. SP:


Edgard Blücher, 2005.
Cálculo Diferencial e Integral II

Carga Horária

67 h

Objetivos

São objetivos principais da disciplina:

- entender e aplicar os métodos e procedimentos de derivação de múltiplas variáveis;

- proporcionar o domínio dos conceitos e aplicações do conteúdo ministrado;

- entender, analisar e aplicar os conhecimentos abordados no campo da engenharia;

- utilizar os conhecimentos e métodos em situações científicas para a solução de


problemas;

- compreender a linguagem matemática.

Ementa

Derivação de função definida na forma implícita; derivadas de funções dadas na forma


paramétrica.; Funções de múltiplas variáveis; aplicações de derivadas parciais; a regra
de cadeia.

Conteúdo Programático

Derivação de função definida na forma implícita. Derivadas de funções dadas na forma


paramétrica. Funções de várias variáveis: Definição, domínio, derivadas parciais de 1ª
ordem, derivadas parciais de 2ª ordem. Aplicações de derivadas parciais - Regra de
Laplace, diferencial total, vetor gradiente, derivada direcional, jacobiano, máximos e
mínimos de funções de duas variáveis. A Regra da Cadeia: A regra da cadeia, derivada
total, plano tangente, troca de variável, lei da conservação.

Metodologia de ensino

Aulas teóricas, aulas expositivas, aplicação dos exercícios teóricos no campo da


engenharia.

Avaliação

Exercícios em sala de aulas, listas de exercícios propostos e provas de avaliação


discursivas.
Bibliografia Básica

STEWART, James. Cálculo v.1. e v.2 SP: Thomson Learning, Pioneira, 4ª edição, 2001.

BOULOS, P, ABUD Z. I, Cálculo Diferencial e Integral, v. 1. e v.2; SP, Pearson


Education, Makron Books, 2006.

Bibliografia Complementar

SWOKOWSKI, E. W. Cálculo com geometria analítica. v. 1. e v.2, SP: Makron Books,


1995.

GUIDORIZZI, H. L. Um curso de cálculo. v. 1. e v.2 RJ: LTC, 2004.

AYRES JR., F, MENDELSON E., Cálculo Diferencial e Integral, SP, Makron Books,
1999.

Física Geral e Experimental III

Carga Horária

67 h

Objetivos

São objetivos da disciplina:

- propiciar competência para a aplicação de conhecimentos físicos à Engenharia;

- tornar o aluno capaz e hábil em projetar e conduzir experimentos e interpretar


resultados;

- desenvolver no discente a capacidade e habilidade de comunicar-se eficazmente nas


formas gráfica e escrita através da elaboração de relatórios científicos;

- preparar o aluno para ter conhecimento em analisar um fenômeno físico, modelá-lo e


analisá-lo matematicamente;

- fornecer ferramentas para o entendimento da realidade dos fenômenos


termodinâmicos analisando-os técnica e conceitualmente;

- adquirir habilidades para o entendimento das formas de energia do universo


preparando-o para compreender a sua geração e utilização racional buscando uma
formação sistêmica.
Ementa

Termologia; termômetros; dilatação térmica; calorimetria; calor específico, capacidade


térmica; condução do calor; calor e trabalho, Primeira Lei da Termodinâmica; Ciclo de
Carnot; 2ª Lei da Termodinâmica.

Conteúdo programático Teórico

Termologia - Temperatura e calor, Lei Zero da Termodinâmica, medidas de temperatura,


termômetros, escalas termométricas, escala absoluta (Kelvin), dilatação térmica, linear,
superficial e volumétrica, coeficientes de dilatação, calorimetria, quantidade de calor,
calor específico, capacidade térmica, equivalente em água, condução do calor,
equivalente mecânico do calor, calor e trabalho, Primeira Lei da Termodinâmica,
transformações, expansão isotérmica, expansão isobárica, expansão adiabática, Ciclo de
Carnot, 2ª Lei da Termodinâmica, rendimento, entropia.

Conteúdo Programático Prático

Dilatação térmica dos sólidos.

Dilatação térmica de líquidos.

Capacidade térmica de um calorímetro.

Calor específico de um sólido.

Calor específico de um líquido.

Metodologia de ensino

Aulas teóricas analítico-expositivas e discussão sobre ética científica e temas pertinentes


à aplicação dos conceitos estudados na área de conhecimento do curso
concomitantemente com aulas práticas em laboratório.

Avaliação

Prova discursiva e dissertativa compondo 70% da nota máxima. Elaboração de


relatórios científicos sobre os experimentos realizados compondo 30% da nota máxima.

Bibliografia Básica

Tipler Paul A. Física para cientistas e engenheiros. V.1. 5 a. Ed. Rio de Janeiro LTC
2006.
HALLIDAY, D.; RESNICK, R.; LUZ; Fundamentos de Física. V.2. Tradução de
Antonio Máximo R Luz. 5. ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 2003. 2 v.

Bibliografia Complementar

Resnick, S.; Halliday, D.; Krane, K. S. Física. V.2. Tradução de Antonio Maximo R Luz.
2. ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1996. 4 v.

Química Geral e Experimental

Carga Horária

67 h

Objetivos

Fornecer ao aluno conhecimentos básicos de processos químicos e físico químicos, que


servirão como suporte prático-conceitual para a aplicação das disciplinas química
tecnológica, materiais de construção e termodinâmica através de experimentos em
laboratório.

Ementa

Estrutura da matéria; Ligações químicas: iônicas, covalente, metálica. Estudos dos


compostos inorgânicos e orgânicos.

Conteúdo Programático Teórico

ESTRUTURA DA MATÉRIA: número atômico, número de massa, elemento químico.

LEIS PONDERADAS: Leis de Lavoisier, Proust, Dalton e Ritcher-Wenzel.

FÓRMULAS: símbolos dos elementos, íons, fórmula percentual, fórmula mínima e


fórmula molecular.

ESTEQUIOMETRIA: Relação do consumo de reagentes e produção de produtos.

REAÇÕES QUÍMICAS: Realidade da reações, rendimento, pureza, reagente em


excesso.

GÁS IDEAL: Grandezas direta e inversamente proporcionais. Relação entre as


variáveis de estado. Equação de Clapeyron.

MISTURAS GASOSAS: Pressão e volume parciais.


SOLUÇÕES: Coeficiente de solubilidade. Classificação. Concentração e diluição;
expressões físicas de concentração de soluções.

DISPERSÕES COLOIDAIS E PROPRIEDADES COLIGATIVAS: tonoscopia;


ebulioscopia; crioscopia; osmocopia.

OXIDAÇÃO E REDUÇÃO: Variação do número de oxidação e reações.

Conteúdo Programático Prático

Normas de conduta e segurança nos laboratórios de química.

Apresentação de equipamentos utilizados no laboratório.

Identificação de sólidos metálicos.

Tipos de reações químicas.

Solubilidade de substâncias.

Determinação do grau de dissociação iônica pela ebuliometria.

Reações de óxido-redução.

Metodologia de Ensino

Aulas analítico-expositivas, realização de experimentos no laboratório de Química e


exercícios de complementação à teoria, realizados em sala de aula.

Avaliação

Acompanhamento de exercícios realizados em sala, entrega de relatório dos


experimentos realizados e provas de avaliação com questões discursivas.

Bibliografia Básica

ATKINS, P.; JONES, L. Princípios de Química: questionando a vida moderna e o meio


ambiente. São Paulo: Bookman, 2001.

RUSSEL, J. B.; BROTTO, M. E. Química Geral. Tradução de Márcia Guekezian; 2ª.


Ed. São Paulo: Makron Books, 1994.

CASTELLAN, G. Fundamentos de Físico-Química. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e


Científicos, 1995.

Bibliografia Complementar
BRADY, J. E.; HUMISTON, G. E. Química Geral. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e
Científicos, 1998.

CARVALHO, G. C. D. Química Moderna: Introdução à Atomística, Química Geral


Qualitativa e Química Geral Quantitativa. São Paulo: Scipione, 1995.

REIS, M. Química Integral. São Paulo, FTD, 1993

TRINDADE, D. F.; OLIVEIRA, F. D; BANUTH, G. S. L.; BISPO, J. G. Química


Básica Experimental. São Paulo: Ícone, 1993.

DE OLIVEIRA, E. A. Aulas Práticas de Química. São Paulo: Moderna, 1993.

4º Semestre

Cálculo Diferencial e Integral III

Carga Horária

67 h

Objetivos

São objetivos principais da disciplina:

- entender, aplicar métodos e procedimentos correlacionados a disciplina no campo da


engenharia;

- proporcionar o domínio dos conceitos e aplicações do cálculo;

- aplicar os conhecimentos de cálculo para planejar, avaliar e executar ações no campo


profissional;

- utilizar procedimentos e estratégias para resolução de problemas;

- identificar, analisar e aplicar os conceitos da disciplina no campo da engenharia;

- resolução de situações problema utilizando o cálculo como ferramenta.

Ementa

Fórmulas fundamentais de integração. Integral indefinida. Métodos de integração.


Integral definida - aplicações da integral definida ; integrais duplas e triplas.

Conteúdo Programático
Fórmulas fundamentais de integração. Integral indefinida. Integração dos artifícios.
Integrais trigonométricas. Integração por partes. Integral definida:- Definição, operações
e propriedades. Aplicações da integral definida: Cálculo de áreas, comprimento de arco,
área de superfície de revolução, volume de sólido de revolução. Integrais duplas e
triplas.

Metodologia de ensino

Aulas teóricas, aulas expositivas, proposição de situações problemas no campo da


engenharia.

Avaliação

Exercícios em sala de aulas, listas de exercícios propostos e provas de avaliação


discursivas.

Bibliografia Básica

STEWART, James. Cálculo v.1. v.2 SP: Thomson Learning, Pioneira, 4ª edição, 2001.

BOULOS, P, ABUD Z. I, Cálculo Diferencial e Integral, v. 1. e v.2; SP, Pearson


Education, Makron Books, 2006.

Bibliografia Complementar

SWOKOWSKI, E. W. Cálculo com geometria analítica. v. 1. e v.2, SP: Makron Books,


1995.

GUIDORIZZI, H. L. Um curso de cálculo. v. 1. e v.2 RJ: LTC, 2004.AYRES JR., F,


MENDELSON E., Cálculo Difer. e Integral, SP, Makron Books, 1999.

Física Geral e Experimental IV

Carga Horária

67 h

Objetivos

A disciplina tem como objetivo:

- propiciar competência para a aplicação de conhecimentos físicos à Engenharia;


- tornar o aluno capaz e hábil em projetar e conduzir experimentos e interpretar
resultados;

- desenvolver no discente a capacidade e habilidade de comunicar-se eficazmente nas


formas gráfica e escrita através da elaboração de relatórios científicos;

- preparar o aluno para ter conhecimento em analisar um fenômeno físico, modelá-lo e


analisá-lo matematicamente;

- fornecer ferramentas para que possa entender a realidade dos fenômenos elétricos e
visualizar sua correlação com o fenômenos atômicos e moleculares;

- fornecer ferramentas para o entendimento da realidade dos fenômenos elétricos


analisando-os técnica e conceitualmente;

- adquirir habilidades para o entendimento das formas de energia do universo


preparando-o para compreender a sua geração e utilização racional buscando uma
formação sistêmica.

Ementa

Eletrização; interação eletrostática; campo elétrico; fluxo elétrico; potencial


eletrostático; capacitores; eletrodinâmica; eletromagnetismo.

Conteúdo Programático Teórico

ELETRIZAÇÃO - Noção da carga elétrica, cargas positivas e negativas, princípio de


atração e repulsão, matéria e carga elétrica, eletrização dos corpos, princípio de
conservação das cargas, condutores e isolantes.

INTERAÇÃO ELETROSTÁTICA - Cargas puntiformes, forças entre cargas


puntiformes, Lei de Coulomb, capacidade dielétrica do meio, força agindo em uma
carga puntiforme devido a várias cargas puntiformes, condutor em estado neutro.

CAMPO ELÉTRICO - Conceito de campo elétrico, vetor campo elétrico, campo


elétrico em um ponto devido a uma carga puntiforme, campo elétrico devido a várias
cargas puntiformes, linhas de força, campo elétrico devido a um corpo eletrizado e em
equilíbrio eletrostático, rigidez dielétrica.

FLUXO ELÉTRICO - Conceito de fluxo, densidade elétrica linear, superficial e


volumétrica, Lei de Gauss, cálculo do campo elétrico mediante aplicação da Lei de
Gauss, campos produzidos por um fio elétrico retilíneo e infinito, por uma superfície
plana e infinita, por duas películas eletrizadas planas e paralelas.

POTENCIAL ELETROSTÁTICO - Campo conservativo, diferença de potencial entre


dois pontos, energia potencial de uma partícula em um ponto, potencial elétrico em um
ponto, variação do potencial ao longo de uma linha de força. CAPACITORES -
Capacitância, energia armazenada por um capacitor eletrizado e isolado, capacitor,
associação de capacitores.

ELETRODINÂMICA - Cargas elétricas, corrente elétrica, resistores, associação de


resistores, medidas elétricas, geradores e receptores, circuitos elétricos.
ELETROMAGNETISMO - Ondas eletromagnéticas, campo magnético, força
magnética, momento magnético, indução eletromagnética, geração de corrente
alternada, transmissão e recepção de ondas eletromagnéticas.

Conteúdo Programático Prático

Medidas Elétricas I - Resistores.

Associação de resistores.

Medidas Elétricas II - Amperímetro.

Medidas Elétricas III - Voltímetro.

Carga e descarga de capacitor. Associação de capacitores.

Circuito RC.

Metodologia de ensino

Aulas teóricas analítico-expositivas e discussão sobre ética científica e temas pertinentes


à aplicação dos conceitos estudados na área de conhecimento do curso
concomitantemente com aulas práticas em laboratório.

Avaliação

Prova discursiva e dissertativa compondo 70% da nota máxima. Elaboração de


relatórios científicos sobre os experimentos realizados compondo 30% da nota máxima.

Bibliografia Básica

SEARS, F. W.; ZEMANSKY, M. W. Física III - Eletromagnetismo. 10 ed. São Paulo:


Pearson Brasil. 2003.
WALKER, J.; HALLIDAY, D.; RESNICK, R. Fundamentos de Física. v.3; 5 ed. São
Paulo: LTC. 2003. 282 p.

Bibliografia Complementar

RESNICK, S.; HALLIDAY, D.; KRANE, K. S.; Física. V.3. Tradução de Antonio
Maximo R. Luz. 2. ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1996.

TIPLER, P. Física. V.2. Tradução de Horácio Macedo. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara
Dois, 2000. 2 v.

Estática dos Sólidos

Carga Horária

67 h

Objetivos

Desenvolver no aluno os conceitos básicos da estática, componente da mecânica geral,


para permitir a compreensão correta dos fenômenos mecânicos e fornecer subsídios para
as disciplinas afins da Engenharia.

Ementa

Grandezas vetoriais; equilíbrio de corpos extensos; momento de uma força: teorema de


Varignon; centro de massa. Equilíbrio de esforços.

Conteúdo Programático Teórico

Vetores e Forças. Escalares e Vetores. Operações com vetores. Adição de um sistema de


forças coplanares. Vetores Cartesianos. Vetores-posição. Produto escalar. Equilíbrio de
uma partícula. Condições para o equilíbrio da partícula. Diagramas de Corpo Livre.
Sistemas de Forças Coplanares e Sistemas de Forças Tridimensionais. Momento de uma
força. Formulação Escalar e Vetorial para momento. Princípios dos Momentos.
Momento de uma força em relação a um eixo específico. Momento de um binário.
Resultante de um sistemas de forças e momentos. Redução de um sistema simples de
cargas distribuídas. Equilíbrio do corpo rígido em duas e três dimensões. Restrições ao
movimento de um corpo rígido. Análise de treliças pelo método dos nós e pelo método
das secções. Estruturas e máquinas. Introdução a diagramas de forças cisalhantes e
momentos fletores. Centro de gravidade, centro de massa e centróide de um corpo.
Definição dos momentos de inércia de área. Teorema dos eixos paralelos e raio de
giração.

Conteúdo Programático Prático

Aulas práticas de laboratório com simulação computacional utilizando-se o software


(MdSolids). Desenvolvimento de experimentos para construção de treliças planas.

Metodologia de Ensino

Aulas analítico-expositivas e resolução de exercícios conceituais

Avaliação

Avaliação dos exercícios resolvidos em sala de aula, das listas de exercícios propostos e
provas de avaliação discursivas.

Bibliografia Básica

HIBBELER, R. C. Mecânica Estática. 10 ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil,


2005, 540p.

SCHMIDT, R. J.; BORESI, A. P. Estática. São Paulo: Pioneira Thomson Learning Ltda,
2003, 674p.

BEDFORD & FOWLER. Engineering Mechanics – Statics 3ª ed. New Jersey: Prentice
Hall, 2002, 583p.

Bibliografia Complementar

BEER, F. P.; JOHNSTON JR, E. R. Mecânica Vetorial para Engenheiros: Estática.5.ed.


São Paulo: Makron Books, 1991. 980p.

SHAMES, I. H. Estática: Mecânica para Engenharia. 4 ed. São Paulo: Prentice Hall
Brasil, 2002, 470p.

RILEY, W. F.; STURGES, L. D. Engineering Mechanics - Statics. New York: John


Wiley & Sons, Inc., 1993, 600p.

Desenho aplicado à Engenharia Civil


Carga Horária

34 h

Objetivos

Capacitar o aluno na utilização de um programa para computação gráfica (Auto-CAD),


utilizando as técnicas já estudadas em Expressão Gráfica.

Ementa

Sistemas de coordenadas, comandos fundamentais, comandos de visualização,


comandos de impressão; desenho de conjunto no Autocad.

Conteúdo Programático

Sistemas de coordenadas absolutas, sistema de coordenada polar, sistema de coordenada


incremental ou relativa. Comandos draw: line, circle, arc. Comandos modify: erase,
trim, off set. Comandos Osnap: midpoint, endpoint, centerpoint. Comandos zoom: zoom
all, zoom window. Comando plot. Desenho de conjunto.

Metodologia

Aula teórico expositivas e práticas realizadas diretamente no laboratório de infomática.

Avaliação

Acompanhamento de projetos auxiliados por computados em laboratório de informática


e prova de avaliação prática.

Bibliografia Básica

MANDARINO, D. G. Curso progressivo de desenho técnico.SP: Ed. Plêiade, 2000.

MATSUMOTO, E. Y. AutoCAD 2000 - fundamentos 2D e 3D. 5.ed. SP: Ed. Érica,


2000.

OMURA, G. Dominando o Autocad: Versão 12. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e


Científicos, 1992. 963 p.

Bibliografia Complementar

MANDARINO, D.; ROCHA, A. J. F.; FÁVARO, H. A. R.; NIETO, T. F.; Desenho


Geométrico e Introdução ao Projeto. 2. ed., São Paulo: Plêiade, [s.d.]1093 p.
Cálculo Numérico

Carga horária

67 h

Objetivo

Fornecer ao educando conhecimento dos métodos numéricos e seus elementos para


resolução de problemas, interagindo com demais disciplinas da Engenharia.

Ementa

Elementos do cálculo matricial; solução numérica de um sistema linear; cálculo de uma


matriz inversa; sistemas lineares; resolução de equações algébricas e transcendentais;
localização gráfica das raízes de funções algébricas; determinação de raízes de uma
equação pelo método de newton-raphson.

Conteúdo

Elemento do calculo matricial: Definição e notação, classificação, álgebra


matricial.Solução numérica de um sistema linear. Cálculo da matriz inversa. Sistemas
Lineares: Resolução de sistemas, Método de Gauss-Jordan. Resolução de Equações
Algébricas e transcendentais. Localização gráfica das raízes de funções algébricas.
Determinação das raízes de uma equação pelo método de Newton-Raphson.

Metodologia de ensino

Aulas teóricas, aulas expositivas, proposição de situações problemas no campo da


engenharia.

Avaliação

Exercícios em sala de aulas, listas de exercícios propostos e provas de avaliação


discursivas.

Bibliografia Básica

PUGGIERO, M. A. G. Cálculo numérico: aspectos teóricos e computacionais. SP:


Makron Books, 1996.

ROQUE, W. L. Introdução ao cálculo numérico. SP: Atlas, 2000.

Bibliografia Complementar

SADOSKY, Manuel. Cálculo Numérico e Gráfico. Rio de Janeiro Interciência.1980


5º Semestre

Ciências do Ambiente

Carga Horária

34 h

Objetivos

Dotar o futuro profissional de Engenharia do conhecimento das principais


características concernentes ao meio ambiente, ecologia e impactos das atividades da
engenharia sobre o meio ambiente, a fim de buscar-se a utilização adequada dos
recursos naturais.

Ementa

Ecologia, poluição ambiental e seu controle. Aspectos legais e institucionais do controle


ambiental, Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental
(EIA/RIMA) e Gerenciamento ambiental.

Conteúdo Programático

Ecologia: conceito de ecologia; divisões da ecologia; espécie, população e comunidade;


biosfera e ecossistema (equilíbrio e desequilíbrio); habitat e nicho ecológico;

Fatores Ecológicos: fatores climáticos (luz, temperatura e solo);

Níveis tróficos;

Fluxo de energia e circulação de materiais;

Ciclos biogeoquímicos: nitrogênio, carbono, oxigênio, água e cálcio;

Poluição: conceito de poluição e tipos (das águas, do ar, do solo, sonora, vibração e
radiações);

Controle das poluições: tratamentos e equipamentos de controle;

ISO 14001 e o Gerenciamento Ambiental.

Conteúdo Programático Prático

Análise de diversos parâmetros da Água Sabesp e Mineral.


Teste de Coagulação e Floculação de amostras de Esgoto Doméstico.

Identificação de microorganismos utilizados para o tratamento de esgotos, por meio de


análise microscópica.

Visita técnica à uma Estação de Tratamento de Água ou Esgotos.

Metodologia

Aulas teórico expositivas e de laboratórios

Avaliação

Exercícios de avaliação e motivação em sala de aula, relatórios de experimentos


realizados em laboratório de Química.

Bibliografia Básica

BRAGA, B. et al. Introdução à Engenharia Ambiental. São Paulo: Prentice Hall, 2002.

DERÍSIO, J. C. Introdução ao controle de Poluição Ambiental. São Paulo: Signus.

Bibliografia Complementar

MARCONDES, A. C. Ecologia. São Paulo: Atual, 1992.

ANZA, D. Ecologia Objetiva. São Paulo: Nobel, 1983.

ODUM, E. P. Ecologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1988.

Fenômenos de Transporte

Carga Horária

67 h

Objetivos

Permitir ao educando a compreensão e domínio dos conceitos e métodos de Fenômenos


de Transporte de forma a efetuar a sua devida aplicação nas disciplinas
profissionalizantes.

Ementa

Propriedades dos fluidos; teorema de Stevin; lei de Pascal; equação manométrica;


número de Reynolds; equação da continuidade; balanço em massa e de energia;
condução de calor.
Conteúdo Programático

Similaridade de equações de Mecânica dos Fluidos e Transferência de Calor. Fluido:


conceituação e propriedades. Fluido Newtoniano. Viscosidade dinâmica. Fluidostática.
Teorema de Stevin. Equação Manométrica. Aplicações. Regimes de escoamento:
laminar e turbulento. Número de Reynolds. Vazões. Velocidade média do escoamento.
Balanço de Massa. Equação da continuidade. Balanço de Energia. Condução de Calor.
Isolamento térmico. Espessura ótica de isolamento.

Metodologia de Ensino

Aulas teóricas analítico-expositivas e de laboratório para a realização dos ensaios


relacionados ao conteúdo teórico para consolidação dos conceitos.

Avaliação

Realização de exercícios em sala de aula, relatório de experimentos realizados em


laboratório e provas de avaliação discursivas.

Bibliografia Básica

BRUNETTI, FRANCO, Mecânica dos fluidos, Editora Pearson Prentice Hall, 409 p. :
São Paulo il. c2005

ROMA, W. N. L. Fenômenos de Transporte para Engenharia. Editora Rima. São Carlos.


SP. 2006.

MUNSON, B. Fundamentos de Mecânica dos Fluidos. Editora Edgard Blucher. São


Paulo. 2004.

Bibliografia Complementar

Fox, Robert W. Introdução a Mecânica dos Fluidos. Editora McGraw Hill. São Paulo,
2001.

STREETER, V. L. ; Wylies, E. B. Mecânica dos Fluidos. 7ª edição. São Paulo, McGraw


Hill, 1982, 585 p.

Hidráulica I

Carga horária

67 h
Objetivo

A partir dos conceitos básicos da Mecânica dos Fluídos, abordar problemas


concernentes ao transporte de água. Transmitir aos alunos conceitos básicos para
entendimento dos princípios gerais da hidráulica e dos tipos de escoamento

Ementa

Princípios gerais da hidráulica, orifícios bocais e vertedores. Perda de carga, estudo de


orifícios, tipos de escoamentos uniformes e variados.

Conteúdo Programático

PRINCÍPIOS GERAIS DA HIDRÁULICA,definições movimento laminar e movimento


turbulento, movimento uniforme e movimento variado.Hidrostática; conceitos de
pressão e de empuxo; calculo de esforços hidrostáticos. Perda de carga distribuída e
localizada Orifícios, bocais e vertedouros. Escoamento em canais. Escoamento
uniforme. Carga específica.Escoamento gradualmente variado. Escoamento
bruscamente variado.

Conteúdo Teórico

Realização de experimentos em laboratório, ilustrativo dos pontos abordados na teoria

Metodologia de Ensino

Aulas analítico-expositivas e de laboratório, exercícios de aplicação.

Avaliação

Provas de avaliação. Avaliação do aproveitamento através de exercícios em sala de


aula , relatórios dos experimentos realizados e visitas técnicas.

Bibliografia Básica

PORTO, Rodrigo de Melo. Hidráulica Básica. Ed. Departamento de Hidráulica da


Escola de Engenharia de São Carlos / USP. Ed. EPUSP, 1998. 519p.

AZEVEDO NETO, J. M. Manual de Hidráulica. 8ª ed. Edgar Blücher, 2000 (16 Mem –
4 VM)

Bibliografia Complementar

GARCEZ, Lucas Nogueira Elementos de Engenharia Hidráulica e Sanitária. 2ª ed.


Edgar Blücher 1999
CIRILO, J.A., BAPTISTA, M. B., COELHO, M. M. L. P.; Hidráulica Aplicada, Porto
Alegre: ABRH, 2001

Engenharia Econômica

Carga horaria

34 h

Objetivo

Fornecer condições para que o aluno entenda o processo de raciocínio econômico,


através da perspectiva histórica e social e visualize globalmente a ciência econômica,
indispensável ao endereçamento dos fatos econômicos, suas causas e
conseqüências.Preparar o aluno para o conhecimento de noções básicas da ciência
econômica e do macro econômico.

Ementa

Macro e Micro Economia; Oferta e Procura; Economia Brasileira

Conteúdo

Conceitos básicos de macro e micro economia.Sistema econômico.A renda


nacional.Moedas e bancos.Teoria na determinação da renda.Oferta e procura. Teoria do
consumidor.Teoria da firma.Discussão de tópicos especiais a economia brasileira.

Metodologia de Ensino

Aulas analítico-expositivas e estudos de casos. Dinâmica de grupo realizada em sala de


aula.

Avaliação

Provas de avaliação com questões discursivas. Avaliação da participação

Bibliografia Básica

MONTORO FILHO, André Franco; GREMAUD, Amaury Patrick; PINHO, Diva


Benevides; VASCONCELLOS, Marco Antonio Sandoval De. Manual de Economia.; 3.
ed. São Paulo: Saraiva, 1998. 653 p.

MOCHON, Morcillo Francisco; TROSTER, Roberto Luis; Introdução à Economia.; São


Paulo: Makron Books, 1994. 391 p.
Bibliografia Complementar

CASTRO, Antonio Barros De; CARLOS, Francisco Less; Introdução à


economia : uma abordagem estruturalista.36. ed. Rio de Janeiro:
Forense, 2000, 1999. 162 p

SINGER, Paul,;. Curso de introdução à economia política. 17. ed. Rio


de Janeiro: Forense, 2000. 186 p.

Topografia

Carga horária

67 h

Objetivo

Capacitar o aluno a planejar, coordenar e executar levantamentos planimétricos,


considerados no âmbito da topografia. Oferecer subsídios ao desenvolvimento de outras
disciplinas da área de transportes, hidráulica e construção civil.

Ementa

Critérios. Definições. Levantamento de detalhes. Norte Magnético e Norte Verdadeiro.


Erros. Levantamento e cálculo de poligonal. Cálculo de área. Curvas horizontais.

Conteúdo

Medidas de Distâncias Lineares e Angulares;Levantamento de Detalhes;Norte


Magnético e Norte Verdadeiro; Erros;Levantamento e Cálculo de Poligonal;Cálculo de
Áreas; Curvas Horizontais;Levantamento Planialtimétrico;

Metodologia de Ensino

Aulas analítico-expositivas, aulas de campo complementares, desenvolvimento de


projetos e aplicações em sala de aula.

Avaliação

Provas de avaliação teórica e avaliação de projetos desenvolvidos em sala de aula.

Bibliografia Básica

BORGES, A. C. Topografia Aplicada a Eng. Civil - São Paulo, Edgard Blücher.1994


BORGES, A. C. Exercícios de Topografia 3.ed. São Paulo, Edgard Blücher 1997.

Bibliografia Complementar

DOMINGUES, Felipe A. Aranha. Topografia e Astronomia de Posição. São Paulo. Mc


Grow-Hill, 1979.

Associação Brasileira de Normas Técnicas, Rio de Janeiro. NBR 13133; Execução e


Levantamento Topográfico, São Paulo, 1996

Mecânica dos Sólidos I

Carga horária

67 h

Objetivo

Fornecer ao educando subsídios para análise de tensões e deformações. Identificação


dos esforços atuantes em peças. Dimensionamento de elementos estruturais sujeitos
esforços normais e cisalhamento.

Ementa

Vínculos; cálculo de treliças; equilíbrio do ponto; Ritter e Cremona; Esforços internos


solicitantes; Pórticos Isostáticos; Tensão Normal, Tensão de cisalhamento;
características geométricas de figuras planas.

Conteúdo

Conceitos gerais – definições. Reações de apoio.Treliças.Esforços internos solicitantes –


diagramas.Pórticos isostáticos.Tração - compressão. Tensão – deformação.Cisalhamento
puro.Uniões rebitadas e soldadas.Características geométricas de figuras planas

Metodologia de Ensino

Aulas teóricas analítico-expositivas para a realização dos ensaios relacionados ao


conteúdo teórico para consolidação dos conceitos.

Avaliação

Provas de avaliação discursivas

Bibliografia Básica
HIBBELER, Russell Charles. Resistência dos Materiais. 3ª ed. Rio de Janeiro: LTC,
2000. 701p.

GERE, JAMES M. - Mecânica dos Materiais, Pioneira Thomson Learning Ltda., São
Paulo 2003.

BEER, FERDINAND P. & JOHNSTON, E. RUSSEL - Resistência dos Materiais,


Pearson Education do Brasil, São Paulo 2002.

Bibliografia Complementar

TIMOSHENKO, Stephen e Gere, James. Mecânica dos Sólidos. Rio de Janeiro: LTC,
1989. 450p.

POPOV, Igor. Introdução à Mecânica dos Sólidos. 4a ed. São Paulo: Edgard
Blucher,1982. 534p.

CRAIG JR, ROY R. - Mecânica dos Materiais, Livros Técnicos e Científicos Editora
S.A., Rio de Janeiro 2003.

NASH, WILLIAM A. - Resistência dos Materiais, Editora McGraw-Hill Ltda., São


Paulo 1990.

MELCONIAN, SARKIS - Mecânica Técnica e Resistência dos Materiais, Editora Érica,


São Paulo 1999.

ALVES, AVELINO FILHO - Elementos Finitos, Editora Érica, São Paulo 2000.

Arquitetura e Urbanismo e Legislação sobre Construções

Carga horária

34 h

Objetivo

Transmitir conhecimentos básicos sobre a história da evolução da Arquitetura e do


Urbanismo. Mostrar as diferenças entre a prática de projetos do engenheiro e do
arquiteto, visando:a maior compreensão e interação entre os dois profissionais;mostrar a
influência do trabalho do engenheiro sobre o projeto; permitir ao engenheiro o
questionamento da idéia geral do projeto (o partido arquitetônico) em função do seu
conhecimento específico.
Ementa

Síntese da evolução da arquitetura e do urbanismo, o engenheiro e os projetos de


edificações, a influência das formas arquitetônicas, regras básicas para a aprovação de
plantas de acordo com legislação sobre as construções e o zoneamento urbano

Conteúdo

Fatores condicionantes para a elaboração de um projeto de arquitetura (meio ambiente,


clima, legais, urbanísticas, econômicos, históricos, culturais, programa de
edificação).Processo de urbanização brasileira (produção apropriações consumo do
espaço das cidades),Estruturas urbanas e padrões de uso e ocupação do
solo.Instrumentos de planejamento urbano (planos, leis de zoneamento, ocupações
urbanas, Leis de planejamento do solo, etc.).

Metodologia de Ensino

Aulas analítico-expositivas e estudos de casos.

Avaliação

Provas de avaliação com questões discursivas, seminários com temática aplicada.

Bibliografia Básica

FRAMPTON, Kenneth; História crítica da arquitetura moderna.


Tradução de Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins
Fontes, 2003,470 p.

NEUFERT, E. ; Arte de Projetar em arquitetura. São Paulo Gustavo Gili do Brasil,


1976.

Bibliografia Complementar

GRAEFF, E. A. Edifício. São Paulo, Projeto, 1986.

FERRAZ, J. C. F. Urbs Nostra. Arquitetura e Tecnologia. Pini, 1991.

MASCARÓ, J. L. O custo das decisões arquitetônicas. 2.ed. Porto Alegre, Sagra


Luzzato, 1998.

Projeto Integrado – Levantamento Topográfico

Carga horária
67 h

Objetivo

Capacitar o aluno a planejar, coordenar e executar levantamentos planimétricos,


considerados no âmbito da topografia. Oferecer subsídios ao desenvolvimento de outras
disciplinas da área de transportes, hidráulica e construção civil.

Ementa

Altimetria. Nivelamento geométrico. Curvas de nível. Levantamento planialtimétrico.


Taqueometria. Desenho topográfico.

Conteúdo

Altimetria. Nivelamento geométrico. Curvas de nível. Levantamento planialtimétrico.


Taqueometria. Desenho topográfico.

Metodologia de Ensino

Análise de projetos e estudo de casos, trabalho em grupo e estudo dirigido

Avaliação

Entrega de projetos e relatórios técnicos

Bibliografia Básica

BORGES, A. C. Topografia Aplicada a Eng. Civil. São Paulo, Edgard Blücher.1994

BORGES, A. C. Exercícios de Topografia. 3.ed. São Paulo, Edgard Blücher 1997.

Bibliografia Complementar

DOMINGUES, Felipe A. Aranha. Topografia e Astronomia de Posição. São Paulo. Mc


Grow-Hill, 1979.

Associação Brasileira de Normas Técnicas, Rio de Janeiro. NBR 13133; Execução e


Levantamento Topográfico. São Paulo, 1996.

Materiais de Construção Civil I

Carga horária

67 h

Objetivo
Capacitar os alunos a selecionar os materiais de construção para a execução de
concretos para as mais variadas aplicações estruturais, de acordo com a normalização
técnica vigente.

Ementa

Estudo e análise dos materiais de construção, visando o entendimento de seu


comportamento do ponto de vista macroscópico. Agregados, aglomerantes. Produção de
concretos e seu controle tecnológico.

Conteúdo Programático Teórico

1. Aglomerantes aéreos e hidráulicos: Caracterização tecnológica

2. Agregados pétreos: Caracterização tecnológica;

3. Estudos de Dosagem racional de concretos e argamassas.

4. Controle tecnológico da produção de concreto.

Conteúdo Programático Prático

Ensaios de caracterização de materiais componentes do concreto

Estudos de dosagem

Ensaios de resistência à compressão

Metodologia de Ensino

Aulas teóricas analítico-expositivas e de laboratório para a realização dos ensaios


relacionados ao conteúdo teórico para consolidação dos conceitos.

Avaliação

Apresentação de seminários temáticos, relatório de ensaios realizados no laboratório de


materiais e provas de avaliação discursivas

Bibliografia Básica

BAUER, L. A. F. Materiais de construção. São Paulo: Livros Técnicos e Científicos,


2005. v.1 e v.2.

MEHTA, K.; MONTEIRO, P. Concreto: estrutura, propriedades e materiais. São Paulo:


Pini, 1994.
HELENE, Paulo R. & TERZIAN P. Manual de dosagem e controle de concreto. São
Paulo: Pini, SENAI. 1992.

Bibliografia Complementar

CECHELLA, I. at al., editor. Concreto: ensino, pesquisas e realizações. São Paulo


IBRACON; 2005. 2 v.

PETRUCCI, E. G. Materiais de construção. Porto Alegre: Globo, 1975

6º SEMESTRE

Mecânica dos Solos, das Rochas e Elementos de Geologia I

Carga horária

67 h

Objetivo

Permitir ao educando a compreensão e domínio dos conceitos e métodos da propriedade


da mecânica dos solos de forma a efetuar a sua devida aplicação nas disciplinas
profissionalizantes

Ementa

Elementos de mecânica das rochas. Origem, formação e pedologia dos solos.


Composição química e mineralógica dos solos. Propriedades das partículas sólidas do
solo. Índices físicos. Análise granulométrica dos solos. Estrutura dos solos. Plasticidade
e consistência dos solos. Compactação dos solos.

Conteúdo Programático Teórico

Noções de Geologia; Índices Físicos, Índices de Consistência dos Solos, Limites de


Atterberg, Distribuição granulométrica dos solos, Sistemas de Classificação Unificada,
Genética e HRB, Estrutura das argila e das areias, Solos colapsíveis, Princípio das
Tensões Geostáticas, Teoria das pressões neutras efetivas, Propagação de tensões no
solo, Teoria da Compactação.

Conteúdo Programático Prático.

Identificação Táctil Visual, Determinação da curva de distribuição granulométrica,


Determinação dos Limites de Liquidez e Plasticidade, Determinação da umidade
higroscópica, Ensaios de compactação Proctor Normal e Modificado, Determinação da
compacidade relativa das areias.

Metodologia de Ensino

Aulas analítico-expositivas e de laboratório; exercícios de aplicação resolvidos em sala


de aula, estudos de casos de obras

Avaliação

Avaliações contínuas, relatórios de aulas práticas e participação em sala de aula e uma


avaliação integrada com o conteúdo cumulativo de todas as disciplinas do semestre
atual.

Bibliografia Básica

PINTO, C.S. Curso Básico de Mecânica dos Solos em 16 lições. São Paulo. Editora
Oficina de Textos, 2000. v1.

FIORE, A,P.; CARMIGNANI, L. Fundamentos de mecânica dos solos e das rochas –


Aplicação na Estabilidade de Taludes . Alberto Pio Fiore e Luigi Carmignani. Ed. UFPR
2001. 550p. Curitiba.

Bibliografia Complementar

CAPUTO, H. P. Mecânica dos Solos e suas Aplicações : Fundamentos. Rio de Janeiro,


Livros Técnicos e Científicos, 1988. v.1

CAPUTO, H. P. Mecânica dos Solos e suas Aplicações: Mecânica das Rochas,


Fundações, Obras de Terra. Rio de Janeiro, Livros Técnicos e Científicos, 1987. v.2

CAPUTO, H. P. Mecânica dos Solos e suas Aplicações. Exercícios e problemas


resolvidos. Rio de Janeiro, Livros Técnicos e Científicos, 1987. v.3

Seminário de Engenharia de Fundações Especiais e Geotecnia. Anais (...) V Seminário


de Engenharia de Fundações Especiais e Geotecnia, Simpósio Brasileiro de
Investigação de Campo - BIC 2004, São Paulo, 22 - 24, nov/2004. São Paulo ABEF
ABMS 2004.

Maciel Filho, C. L. Introdução à geologia de engenharia / Carlos Leite Maciel filho.


Brasília, DF UnB 1997. 283 p

Ortigao, J. A. R..: Introdução a mecânica dos solos dos estados criticos / J. A. R.


Ortigao. Rio de Janeiro LTC 1993. 368 p.
Vargas, M. Introdução a mecânica dos solos. São Paulo McGraw-Hill 1977. 509 p

Hidrologia Aplicada

Carga horária

34 h

Objetivo

A finalidade principal da disciplina é ensinar aos alunos os métodos e processos de


cálculo de áreas e de vazão de água. Também tratar da distribuição e ocorrência da água
e de sua relação com o homem.

Ementa

Ciclo hidrológico. Bacia hidrográfica. Recursos Hídricos. Dimensionamento e Operação


de Reservatórios. Hidrologia Urbana. Reservatórios.

Conteúdo

Ciclo hidrológico. Características físicas das bacias hidrográficas. Aproveitamento de


recursos hídricos. Precipitação. Infiltração. Escoamento superficial. Determinação de
vazões. Análise estatística de vazões e precipitações. Regime dos cursos de água.
Escoamento subterrâneo. Cheias em canais e reservatórios.

Metodologia de Ensino

Aulas analítico-expositivas e estudos de casos de obras, em sala de aula.

Avaliação

Provas de avaliação e exercícios de aplicação para a sala de aula e listas


complementares de exercícios propostos.

Bibliografia Básica

GARCEZ, L. N. ; COSTA, A. G. - Hidrologia 2.ed. São Paulo, Edgard Blücher, 1988 (5


VM - 6 VERG.)

JACCON, Gilbert. Hidrologia –Brasilia - UNB, 1997 (4 VM)

Bibliografia Complementar
MARTINS, J. A et al. - Hidrologia Básica - São Paulo, Edgard Blücher, 1990 (10 VM –
10 VER)

TUCCI, C. E. M. Hidrologia – Ciência e Aplicação Ed. Da Universidade Federal do Rio


Grande do Sul (EPUSP) 1993 (s/ nenhuma cópia)

Hidráulica II

Carga horária

67 h

Objetivo

Prover o educando de conhecimentos teóricos e práticos para o dimensionamento de


condutos sistemas de recalques e bombas hidráulicas.Transmitir conhecimentos teóricos
e práticos sobre dimensionamento e operação de sistemas hidráulicos.

Ementa

Movimentos uniformes e variados. Escoamento em condutos forçados, Cálculo dos


condutos forçados, Perdas localizadas.Vertedouros e canais.Temas diversos a respeito
dos condutos forçados, Condutos equivalentes, Redes de condutos, Hidráulica dos
sistemas de recalque, Bombas, Cavitação, Curvas características das tubulações, Curvas
características das bombas centrífugas, Associação de bombas centrífugas, Transitório
hidráulico (Golpe de Aríete).

Conteúdo

Teórico: Cálculo de condutos forçados;Perdas de carga localizadas;Temas diversos a


respeito de condutos forçados;Condutos equivalentes;Redes de condutos;Hidráulica dos
sistemas de recalque;Tipos de bombas - classificação;Cavitação – NPSH;Curvas
características das tubulações;Curvas características das bombas centrífugas;Associação
de bombas centrífugas.Prático: Experimento de Reynolds: Regime laminar e turbulento
Experimento de Diafragma: Calculo de vazão em conduto forçado. Utilização de
aplicativo (software) para simulação de sistemas de abastecimento de água.

Metodologia de Ensino

Aulas analítico-expositivas e de laboratório, exercícios de aplicação.

Avaliação
Provas de avaliação. Avaliação do aproveitamento através de exercícios em sala de
aula , relatórios dos experimentos realizados e visitas técnicas.

Bibliografia Básica

PORTO, Rodrigo de Melo. Hidráulica Básica. Ed. Departamento de Hidráulica da


Escola de Engenharia de São Carlos / USP. Ed. EPUSP, 1998. 519p.

AZEVEDO NETO, J. M. Manual de Hidráulica. 8ª ed. Edgar Blücher, 2000

Bibliografia Complementar

GARCEZ, Lucas Nogueira Elementos de Engenharia Hidráulica e Sanitária. 2ª ed.


Edgar Blücher, 1999.

CIRILO, J.A., BAPTISTA, M. B., COELHO, M. M. L. P.; Hidráulica Aplicada, Porto


Alegre: ABRH, 2001.

Mecânica dos Sólidos II

Carga Horária

67 h

Objetivos

Fornecer ao aluno subsídios para que proceda à análise de tensões e dimensionamento


de peças sujeitas à flexão e à flambagem. Conhecimento dos critérios de resistência e
determinação dos esforços solicitantes em uma viga.

Ementa

Torção; Flexão simples; Flexão oblíqua; Flexão composta; Linha Elástica;


Determinação de Vigas hiperestáticas através da Linha Elástica; Flambagem; Critérios
de Resistência.

Conteúdo Programático Teórico

Conceitos gerais: definições de tensão de flexão.

Flexão simples em vigas. Flexão pura e flexão não-uniforme. Curvatura de uma viga.
Deformações longitudinais em uma viga. Centróides e Momento Estático (primeiro
Momento de área) e de Inércia (segundo momento de área). Tensões normais em vigas
(materiais linearmente elásticos).
Projeto de vigas em tensões de flexão. Tensões de cisalhamento em vigas de secção
transversal retangular. Vigas com carregamento axial.

Flexão oblíqua em vigas duplamente simétricas com cargas inclinadas.

Deflexões de vigas. Equações diferenciais da curva de deflexão. Cálculo de deflexão


pelo método da integração. Cálculo de deflexão pelo método da superposição. Análise
de tensão e deformação. Tensão plana. Tensões principais e tensões de cisalhamento
máximas. Círculo de Mohr para tensões planas. Flambagem e estabilidade em colunas.

Conteúdo Programático Prático

Aulas práticas de laboratório com simulação computacional utilizando-se o software


(MdSolids). Desenvolvimento de experimentos para dimensionamento de estruturas
sujeitas a flexão.

Metodologia de Ensino

Aulas teóricas analítico-expositivas para a realização dos ensaios relacionados ao


conteúdo teórico para consolidação dos conceitos.

Avaliação

Provas de avaliação discursivas

Bibliografia Básica

HIBBELLER, R. C. Resistência dos Materiais. 5 ed. São Paulo: Pearson Education do


Brasil., 2004, 670p.

GERE, J. M. Mecânica dos Materiais. São Paulo: Pioneira Thomson Learning Ltda.,
2003, 698p.

CRAIG JR, R. R. Mecânica dos Materiais. 2 ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e
Científicos Editora S.A., 2002, 552p.

Bibliografia Complementar

BEER, F. P.; JOHNSTON JR., E. R. Resistência dos Materiais. 3. ed. Sao Paulo:
Makron Books, 1995, 1255p.

NASH, W. A. Resistência dos Materiais. Tradução de Giorgio e o Giacaglia; 2. ed. São


Paulo: Mc-Graw-Hill do Brasil, 1990. 521p.
Materiais de Construção Civil II

Carga horária

67 h

Objetivo

Capacitar os alunos a especificar materiais de construção para execução de


revestimentos, vedações, impermeabilizações e estruturas de concreto armado.

Ementa

Materiais de construção existentes no mercado. Normalização, potencial de utilização.


Plásticos madeiras e materiais cerâmicos e materiais de acabamentos. Tintas e vernizes.
Metais ferrosos e não ferrosos.

Conteúdo

Teórico: argamassas e sua produção, materiais cerâmicos, propriedade dos metais, aço
de construção, de estruturas e revestimentos. Principais erros - construtivos e de projetos
Prático: Ensaios para caracterização da cal. Ensaios mecânicos para determinação das
propriedades dos aços.

Metodologia de Ensino

Aulas teóricas analítico-expositivas e de laboratório para a realização dos ensaios


relacionados ao conteúdo teórico para consolidação dos conceitos.

Avaliação

Apresentação de seminários temáticos, relatório de ensaios realizados no laboratório de


materiais e provas de avaliação discursivas

Bibliografia Básica

BAUER, L. A. F. Materiais de construção. São Paulo: Livros Técnicos e Científicos,


2005. v.1 e v.2.

Thomaz, Ercio. Trincas em edifícios: causa, prevenção e recuperação.


São Paulo : Pini, 1989. 194 p.

Bibliografia Complementar

PETRUCCI, Eládio G. Materiais de construção. Porto Alegre: Globo, 1975.


Notas de aula e Catálogos de fornecedores

Gerência e Planejamento de Empresas e Empreendimentos de Construção

Carga Horária

34 h

Objetivos

Transmitir aos alunos os conceitos fundamentais que devem ser aplicados na


formulação de análises de caráter econômico-financeiro, para empresas e
empreendimentos no setor da Construção Civil. Apresentação de técnicas de
planejamento. Transmitir as alunos as técnicas para composições de preços e
orçamentos de serviços de engenharia.

Ementa

O setor da construção civil e suas características. Gerenciamento de Empresas de


construção civil. Técnicas de planejamento, cronogramas redes PERT/CPM,
cronograma de barras. Composições de preços e orçamentos.

Conteúdo

Os sistemas de decisões na empresa.

Os sistemas de programação, controle, planejamento.

Análise de qualidade de empreendimentos: técnicas, modelos, estudo de casos.

Técnicas de planejamento, cronogramas redes PERT/CPM, cronograma de barras

Formação de preços de serviços e produtos.

Metodologia de Ensino

Aulas expositivas. Seminários. Estudo de casos. Exercícios em grupo com


acompanhamento pelo professor para esclarecimento de dúvidas.

Avaliação:

Provas de avaliação discursivas, notas de exercícios e seminários

Bibliografia Básica
HALPIN, DANIEL W.; WOODHEAD, RONALD W. Administração da Construção
Civil. Rio de Janeiro, LTC, 2004.

TISAKA, MAÇAHICO. Orçamento na Construção Civil. São Paulo, PINI, 2006.

Bibliografia Complementar

DIAS, PAULO ROBERTO VILELA. Engenharia de Custos. Rio de Janeiro, Hoffmann,


2005.

ESCRIVÃO FILHO, EDMUNDO. Gerenciamento na Construção Civil. São Carlos,


EESC/USP, 1998

BERNARDES, MAURICIO MOREIRA E SILVA. Planejamento e Controle da


Produção para Empresas de Construção Civil. Rio de Janeiro, LTC, 2003

DIAS, PAULO ROBERTO VILELA. Preços de Serviços de Engenharia e Arquitetura


Consultiva. Rio de Janeiro, Hoffmann, 2005.

Construção de Edifícios - EAD

Carga Horária

67 h

Objetivos

Dar ao aluno uma conscientização dos problemas em relação ao desenvolvimento de


uma obra. Transmitir conceitos e informações relacionadas com a tecnologia de
construção de edifícios, com ênfase na evolução tecnológica e na racionalização dos
processos de produção. Formar uma base tecnológica que possibilite ao futuro
profissional gerenciar o processo de produção de edifícios.

Ementa

Edifícios residências, edifícios industriais, instalação do canteiro, cronograma de obras,


movimentação dos materiais, estruturas contratação de serviços de terceiros, obras de
alvenaria e concreto, serviços de acabamento, impermeabilizações

Conteúdo

Panorama atual da construção de edifícios no Brasil. O sistema tradicional de


construção.
Serviços preliminares. Movimento de terra. Locação. Subsistema Estruturas:
caracterização, elementos, classificação, funções e tecnologia de execução. Subsistema
Estruturas: caracterização, elementos, classificação, funções e tecnologia de execução.
Subsistema Vedações: caracterização, elementos, classificação, funções e tecnologia de
execução.

Subsistema Esquadrias: caracterização, elementos, classificação, funções e tecnologia


de execução. Subsistema Revestimentos: caracterização, elementos, classificação,
funções e tecnologia de execução. Coberturas, impermeabilização e isolamento térmico:
tecnologia de execução.

Patologia, recuperação e manutenção dos edifícios.

Racionalização e industrialização da Construção Civil. Sistemas Construtivos


racionalizados e industrializados.

Metodologia de Ensino

Aulas em EAD c/discussões em chat-rooms, estudos de caso apresentados pelo


professor em ambiente virtual, pesquisas em sites recomendados pelo professor.

Avaliação

Provas de avaliação discursiva, avaliação dos trabalhos e atividades enviadas.

Bibliografia Básica

Yazigi, W. Técnica de Edificar, São Paulo, PINI, 1998.

Azeredo, Hélio Alves de. O edifício até sua cobertura. 2. ed. São Paulo : Edgard
Blücher, 2004, c1997. 182 p.

Bibliografia Complementar

Borges, Alberto de Campos; Montefusco, Elizabeth; Leite, Jaime Lopes; Prática das
pequenas construções. 8. ed. , rev. e ampl. São Paulo: Edgard Blücher, 1998, c 1996. 2
v. :. p&b, plantas, tab

Projeto Integrado – Gerenciamento de Projetos

Carga horária

67 h
Objetivo. Formar uma base de conhecimento que possibilite ao futuro profissional o
gerenciamento de projetos civis

Ementa

Estudo e viabilidade de projetos, Legislação sobre construções, Impacto ambiental,


planejamento urbano

Conteúdo:

Definição do projeto. Definição dos grupos de trabalho e detalhamento do projeto.


Elaboração, planejamento e viabilidade econômica. Execução do projeto.. Elaboração
do relatório parcial. Reparos e modificações. Elaboração do relatório final.
Apresentação.

Metodologia de Ensino

Análise de projetos, estudo de casos, estudo dirigido,

Avaliação

Avaliação de projetos e relatórios técnicos

Bibliografia Básica

BRAGA, B. et al. Introdução à Engenharia Ambiental. São Paulo: Prentice Hall, 2002.

FRAMPTON, Kenneth; História crítica da arquitetura moderna. Tradução de


Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 2003,470 p.

Bibliografia Complementar

GRAEFF, E. A. Edifício. São Paulo, Projeto, 1986.

7º SEMESTRE

Eletrotécnica Geral

Carga horária

67 h

Objetivo

Capacitar os discentes através de conceitos básicos de eletrotécnica, a fim de propiciar


o desenvolvimento do raciocínio em projetos de instalações elétricas.
Ementa

Circuitos elétricos em CC: leis de Kirchoff; análise modal; circuitos elétricos em CA:
ressonância; filtros passivos; potência em CA; correção de fator de potência;
transformadores; instalações elétricas; sistemas trifásicos; motores elétricos.

Conteúdo

Circuitos elétricos em c.c.Bipolos e Associações. Leis de Kirchoff.Análise modal e de


malhas.Teorema de Thevenin e Portan - Superposição.Circuitos elétricos em
c.a.Circuitos, RL, RC, RLC.Ressonância.Resposta em freqüência.Filtros
passivos.Potência em C.A.Correção do fator de potência, trifásicos
equilibrados.Instrumentos básicos de medidas elétricas.Dispositivos de proteção e
segurança.Transformação de energia em luminosa.Transformadores.Instalações
elétricas.Correção do fator de potência.Sistemas trifásicos.Motores elétricos.Prático
Normas de conduta de segurança em laboratórios. Instalações elétricas. Acionamento de
motor trifásico. Comandos Elétricos.

Metodologia de Ensino

Aulas analítico-expositivas, exercícios de aplicação, realização de experimentos


demonstrativos em laboratório.

Avaliação

Provas de avaliação, relatórios dos experimentos realizados, desenvolvimento de


projetos em sala de aula.

Bibliografia Básica

GUSSOW, MILTON; Eletricidade Básica.; São Paulo: McGraw-Hill, 2004. 566 p.

EDMINISTER, JOSEPH A; Circuitos Elétricos.; Rio de Janeiro: McGraw-Hill do


Brasil, 1971. 447 p.

Bibliografia Complementar

ORSINI, LUIZ DE QUEIROZ; Circuitos Elétricos.; 2. ed. São Paulo: Edusp, 1971. 2v.

Teoria das Estruturas

Carga horária
67 h

Objetivo

Fornecer ao aluno os elementos necessários para a determinação de esforços


solicitantes, bem como o traçado de diagramas de estado, para estruturas hiperestáticas,
visando aplicação em estruturas de concreto armado.

Ementa

Cálculo de deformações em estruturas isostáticas pelo princípio dos trabalhos virtuais.


Processo dos deslocamentos aplicado a estruturas hiperestáticas. Teoremas
complementares: de Betti, de Maxwell e de Castigliano . Processo dos esforços aplicado
a estruturas hiperestáticas. Método de Cross aplicado em estruturas de vigas contínuas,
pórticos sem deslocabilidade externa e pórticos com deslocabilidade externa

Conteúdo

Vigas contínuas. Pórticos Hiperestáticos indeslocáveis. Pórticos Hiperestáticos


deslocáveis. Energia de deformação. Teoremas gerais. Processos dos esforços. Cálculo
matricial de estruturas. Pórticos planos hiperestáticos. Solução dos problemas de
instabilidade pelo método de energia.

Metodologia de Ensino

Aulas teóricas analítico-expositivas para a realização dos ensaios relacionados ao


conteúdo teórico para consolidação dos conceitos.

Avaliação

Provas de avaliação discursivas.

Bibliografia Básica

SUSSEKIND, J, C. Curso de Análise Estrutural. Estruturas Isostáticas 5.ed. Porto


Alegre. Globo. 1980, (série enciclopédia técnica Universal Globo).

SILVA, Jr., J. F. Método de Cross. São Paulo, McGraw-Hill do Brasil, 1979. ROCHA,
A. M. - Teoria e Prática das Estruturas. Cursos Práticos de Concreto Armado, 21.ed. São
Paulo, Nobel, 1995, v. 2,3.

Bibliografia Complementar

HIBBELER,Russel C.-Structural Analysis-Prentice Hall-2001


GERE,Weaver -Analise das Estruturas Reticuladas-Edit.Guanabara

ELTON,Lewis P.-Matrix Structural Analysis- IE-Willey-1996

TARANATH,Bungale S.-Structural Analysis and Design of Tall Buildings-Willey 1999

Estrutura de Concreto Armado I

Carga horária

67 h

Objetivo

Propiciar ao educando o entendimento dos conceitos e métodos de cálculo aplicados aos


projetos de estruturas de concreto armado. Estudo das estruturas, com ênfase às
estruturas hiperestáticas.

Ementa

Histórico. Características dos materiais isolados e associados. Domínios de


dimensionamento. Dimensionamento e detalhamento de Lajes retangulares e
Triangulares. Punção em Lajes. Dimensionamento e detalhamento de Reservatórios e
Escadas.

Conteúdo

Estudo das propriedades do concreto e do aço ESTUDO DOS MATERIAIS


ISOLADOS : CONCRETO. Segurança das estruturas: critérios básicos. Estudo dos
materiais associados: vantagens e desvantagens, normas, propriedade. Lajes: Condições
de apoio. Cargas permanentes e acidentais. Rebaixos. Domínios de dimensionamento.
Lajes armadas em uma direção: dimensionamento. Efeito da punção em lajes:
considerações para dimensionamento. Reservatórios: cargas, dimensionamento e
detalhamento. Aplicação ao projeto: dimensionamento e detalhamento do reservatório
do edifício.

Metodologia de Ensino

Aulas teóricas analítico-expositivas para a realização dos ensaios relacionados ao


conteúdo teórico para consolidação dos conceitos.

Avaliação
Desenvolvimento de projetos e provas de avaliação discursivas.

Bibliografia Básica

BOTELHO, Manuel Henrique C. Concreto Armado Eu Te Amo. Ed. Edgard Blücher


Ltda. Vol 1 e 2. São Paulo, 2004.

CUNHA, A. J. P.; SOUZA, V. C. M. Lajes em concreto armado e protendido. Rio de


Janeiro: EDUFF,1998. 580 p.

FUSCO, P. B. Estruturas de concreto: solicitações normais. Rio de Janeiro:LTC, 1985.

Bibliografia Complementar

FUSCO, P.B. Estruturas de concreto: Solicitações Normais, Rio de Janeiro, Editora


Guanabara Dois, 1981. - ROCHA, A. M. Concreto Armado. São Paulo, Editora Nobel,
1995, vol. 1, 2 e 3 . –

SANCHEZ, E. Nova normalização brasileira para o concreto estrutural. Rio de Janeiro:


Interciência, 1999. 334 p.

CARVALHO, Roberto Chust; FIGUEIREDO FILHO, Jasson Rodrigues de. Cálculo e


Detalhamento de Estruturas Usuais de Concreto Armado. Ed. UFSCar. 2001.

MULTIPLUS Roteiro prático para a elaboração do projeto de um edifício no


CYPECAD LT2000. São Paulo, 2002. 119 p.

Saneamento Básico

Carga horária

67 h

Objetivo

Desenvolver o conceito de saneamento básico, mostrando o papel do homem na


preservação do ambiente. Transmitir conhecimentos sobre qualidade de água,
dimensionamento de unidades de captação ,tratamento, distribuição e armazenamento
de água para consumo humano, obedecendo as exigências da legislação. Transmitir
conhecimentos sobre características de esgotos, sistema de coleta , tratamento e destino
final e drenagem urbana.

Ementa
Características das Águas de Abastecimento, Captação das Águas de Abastecimento,
Redes de Distribuição de Água, Sistemas de Esgotos Sanitários - Redes e Unidades de
Tratamento, Saneamento Rural, Drenagem Urbana, Aspectos legais e institucionais em
Saneamento Básico.

Conteúdo

Saneamento Básico. Sistemas urbanos de abastecimento.Captação de águas superficiais.


Caracteres das águas de abastecimento.Sistemas de esgotos sanitários
urbanos.Saneamento rural. Drenagem urbana.Problemas legais e institucionais.

Metodologia de Ensino

Aulas analítico-expositivas, exercícios de fixação em sala de aula e visitas técnicas.

Avaliação

Provas de avaliação com questões discursivas, avaliação da participação em sala de aula


e relatório de participação na visitas técnicas programadas.

Bibliografia Básica

TSUTIYA, M. T. . Abastecimento de Água. 01. ed. EPUSP - São Paulo: , 2004. v. 01.
643

TSUTIYA, M. T. ; ALEM SOBRINHO, P. . Coleta e Transporte de Esgotos Sanitários.


1. ed. São Paulo: Winner Graph, 1999. v. 1. 547 p

AZEVEDO NETTO, J. M. D. ; RICHTER, C. A. Tratamento de água: tecnologia


atualizada. São Paulo: Edgard Blücher, 2000.

Bibliografia Complementar

IMHOFF, K. R.; IMHOFF, K. Manual de tratamento de águas residuárias. São Paulo:


Edgard Blücher, 2004.

GARCEZ, Lucas Nogueira. Elementos de Engenharia - Hidráulica e Sanitária. São


Paulo, Edgard Blücher, 1999, 56p.

Mecânica dos Solos , das Rochas e Elementos de Geologia II


Carga horária

67 h

Objetivo

A disciplina objetiva transmitir conhecimentos sobre os conceitos de mecânica dos


solos, e o entendimento sobre a aplicação de mecânica dos solos em outras áreas
relacionadas como: Fundações e Obras de Terra. Além de capacitar os alunos para
análise, cálculos, desenvolvimento experimental e teórico em mecânica dos solos.

Ementa

Permeabilidade dos solos. Compressão de solos e seu carregamento, carga deformação.


Teoria de adensamento. Cálculo de recalques. Cisalhamento. Ensaios laboratorias.

Conteúdo Programático Teórico

Permeabilidade dos Solos, Fatores que influem na permeabilidade, Coeficiente de


Permeabilidade. Lei de Darcy. Permeâmetros de carga variável e constante, Ensaio
Permeabilidade. Rede de Fluxo. Rebaixamento do Nível D’ água, Compressibilidade
dos solos, relação carga-deformação, processo de adensamento.Analogia mecânica de
Terzaghi, Teoria do Adensamento, Cálculos dos Recalques, evolução do recalque em
função do tempo, Carregamento lento durante o período de Construção, Resistência ao
Cisalhamento dos Solos. Atrito interno e coesão. Tipos de Ensaios de Cisalhamento,
Fenômeno da areia movediça.

Conteúdo Programático Prático

Permeabilidade a carga variável e constante, determinação de perdas de carga, Ensaio


de Cisalhamento Direto.

Avaliação

Avaliações contínuas, relatórios de aulas práticas e participação em sala de aula e uma


avaliação integrada com o conteúdo cumulativo de todas as disciplinas do semestre
atual.

Bibliografia Básica

PINTO, C.S. Curso Básico de Mecânica dos Solos em 16 lições. São Paulo. Editora
Oficina de Textos, 2000. v1.
FIORE, A,P.; CARMIGNANI, L. Fundamentos de mecânica dos solos e das rochas –
Aplicação na Estabilidade de Taludes . Alberto Pio Fiore e Luigi Carmignani. Ed. UFPR
2001. 550p. Curitiba.

Bibliografia Complementar

CAPUTO, H. P. Mecânica dos Solos e suas Aplicações : Fundamentos. Rio de Janeiro,


Livros Técnicos e Científicos, 1988. v.1

CAPUTO, H. P. Mecânica dos Solos e suas Aplicações: Mecânica das Rochas,


Fundações, Obras de Terra. Rio de Janeiro, Livros Técnicos e Científicos, 1987. v.2

CAPUTO, H. P. Mecânica dos Solos e suas Aplicações. Exercícios e problemas


resolvidos. Rio de Janeiro, Livros Técnicos e Científicos, 1987. v.3

Vargas, M. Introdução a mecânica dos solos. São Paulo McGraw-Hill 1977. 509 p

Projeto Integrado de Recursos Hídricos

Carga horári

67 h

Objetivo

Capacitar o aluno para a utilização racional de recursos hídricos e elaboração de


projetos hidráulicos

Ementa

Delimitação de bacias hidrográficas. Levantamento de dados hidrológicos disponíveis.


Aplicação de modelos matemáticos e estatísticos para o estabelecimento da vazão
disponível na bacia hidrográfica.

Conteúdo:

Definição do estudo. Definição dos grupos de trabalho e detalhamento do projeto.


Levantamento de dados, Elaboração, planejamento e viabilidade hidríca. Elaboração do
relatório parcial. Reparos e modificações. Elaboração do relatório final. Ajustes finais.
Apresentação.

Metodologia de Ensino

Análise de projetos, estudo de casos, estudo dirigido,


Avaliação
Avaliação de projetos e relatórios técnicos

Bibliografia Básica

GARCEZ, L. N. ; COSTA, A. G. - Hidrologia 2.ed. São Paulo, Edgard Blücher, 1988 (5


VM - 6 VERG.)

JACCON, Gilbert. Hidrologia –Brasilia - UNB, 1997 (4 VM)

DAEE – Departamento de Águas e Energia Elétrica, Guia Prático para pequenas obras
hidráulica.

Bibliografia Complementar

MARTINS, J. A et al. - Hidrologia Básica - São Paulo, Edgard Blücher, 1990 (10 VM –
10 VER)

TUCCI, C. E. M. Hidrologia – Ciência e Aplicação Ed. Da Universidade Federal do Rio


Grande do Sul (EPUSP) 1993

8º SEMESTRE

Projeto de Instalações Elétricas

Carga horária

67 h

Objetivo

Proporcionar ao aluno a capacidade de decisão entre a segurança mínima e economia,


observando normas de segurança vigentes. Detalhar processos de instalações para
influenciar no meio ambiente de forma mais harmoniosa possível Prover o estudante de
conhecimentos fundamentais à resolução de situações cotidianas nas instalações hidro-
sanitárias.

Ementa
Planejamento e execução de um projeto de instalações hidráulicas e elétricas, para
residenciais. Cálculo e dimensionamento de instalações hidro-sanitárias

Conteúdo

Sistema domiciliar de abastecimento de água:Conceitos, normalização e materiais


hidráulicos.Sistema de distribuição de água fria. e quente ,Projeto de redes de água fria.
Critérios de dimensionamento.Sistema de escoamento de águas pluviais.Sistema de
coleta de esgoto na edificação.

Metodologia de Ensino

Aulas analítico-expositivas, desenvolvimento de projeto em sala de aula e demonstração


de experimentos no laboratório.

Avaliação

Provas de avaliação com questões discursivas, acompanhamento de projeto e relatórios


de experiências realizadas no laboratório

Bibliografia Básica

CREDER, Hélio. Instalações Elétricas Prediais. Rio de Janeiro, Livros Técnicos e


Científicos S/A, 1995.

CORTIM, ABM Ademaro. Instalações Elétricas. São Paulo. Ed. Makron, Books, 3 ed.,
1992, 874p.

Bibliografia Complementar

BOSSI, Antonio & SESTO, Ezio, Instalações Elétricas. São Paulo. Hemus Editora
LTDA. São Paulo 6 ed., 1994, 1071 p.

Estruturas Especiais de Concreto I

Carga Horária

67 h

Objetivos
Capacitar o educando a conceber e detalhar elementos de fundações, muros de
contenção e reservatórios, fornecendo-lhe subsídios para determinar as seções de
concreto e a armadura necessária de acordo com especificações preconizadas pela
Norma Brasileira.

Ementa

Dimensionamento e cálculo de estruturas de concreto armado, sapatas vigas alavancas,


blocos de fundação, tubulões, muros de contenção, estruturas de reservatórios - NBR
6118

Conteúdo

Cálculo e dimensionamento: sapatas isoladas, associadas e de divisa.

Tubulão isolado, associado e de divisa. Vigas de equilíbrio e travamento. Detalhamento


da armação.

Cálculo e dimensionamento de blocos sobre estacas sobre tubulões detalhamento da


armação.

Obras de infra-estrutura.

Muros de contenção, dimensionamento.

Metodologia de Ensino

Aulas teóricas analítico-expositivas para a realização dos ensaios relacionados ao


conteúdo teórico para consolidação dos conceitos.

Avaliação

Desenvolvimento de projetos e provas de avaliação discursiva.

Bibliografia Básica

CARVALHO, Roberto Chust; FIGUEIREDO FILHO, Jasson Rodrigues de. Cálculo e


Detalhamento de Estruturas Usuais de Concreto Armado. Ed. UFSCar. 2001.

ROCHA, A. M. Concreto Armado. São Paulo, Nobel. 1995. v.1,2,3

PFEIL, Walter. Concreto Armado. 5ª edição, Rio de Janeiro, LTC, 1988

Bibliografia Complementar

FUSCO, Péricles Brasiliense - Solicitações Normais - Editora Guanabara Dois.


FUSCO, P. B. Estruturas de Concreto 1988. Solicitações normais.

LEONHARDT F. MOENNING E. - Construções de Concreto (vol. 1,3) - Editora


Interciência.

Barras e Fios de Aço para Armadura de Peças de Concreto Armado - NBR 6120/80 -
ABNT;

Estrutura de Concreto Armado II

Carga Horária

67 h

Objetivos

Capacitar o aluno a conceber e detalhar todos os elementos de um projeto estrutural,


fornecendo-lhe subsídios para determinar as seções de concreto e a armadura necessária
dentro das especificações preconizadas pela Norma Brasileira.

Ementa

Dimensionamento e cálculo de estruturas de concreto armado, vigas lajes e pilares,


elementos especiais - NBR 6118

Conteúdo

Solicitações tangenciais: cortante, torção.

Solicitações normais: flexão simples e composta, compressão normal.

Estados limites de utilização: fissuração e deformações.

Dimensionamento de vigas

Dimensionamento de pilares

Dimensionamento de lajes

Flambagem

Ancoragem de armaduras

Metodologia de Ensino

Aulas teóricas analítico-expositivas para a realização dos ensaios relacionados ao


conteúdo teórico para consolidação dos conceitos.
Avaliação

Desenvolvimento de projetos e provas de avaliação discursivas.

Bibliografia Básica

BOTELHO, Manuel Henrique C. Concreto Armado Eu Te Amo. Ed. Edgard Blücher


Ltda. Vol 1 e 2. São Paulo, 2004.

FUSCO, P. B. Estruturas de Concreto 1988. Editora Guanabara Dois. Solicitações


normais.

Bibliografia Complementar

CARVALHO, Roberto Chust; FIGUEIREDO FILHO, Jasson Rodrigues de. Cálculo e


Detalhamento de Estruturas Usuais de Concreto Armado. Ed. UFSCar. 2001.

ROCHA, A. M. Concreto Armado. São Paulo, Nobel. 1995. v.1,2,3

SUSSEKIND, José Carlos - Curso de Concreto (2 volumes) - Editora Globo.

Barras e Fios de Aço para Armadura de Peças de Concreto Armado - NBR 6120/80 -
ABNT;

Cálculo e Execução de Obras de Concreto Armado - NBR 6118/1992 - ABNT;

Cargas para o Cálculo de Estruturas de Edificações - NBR 6120/80 – ABNT.

Fundações e Obras de Terra

Carga Horária

67 h

Objetivo

Prover os alunos dos conhecimentos básicos a respeito da Engenharia de Fundações.


Descrever os principais tipos de fundações em uso no país, suas características
construtivas, aspectos importantes de sua execução e controle construtivo. Discutir as
aplicações, contra-indicações, vantagens e desvantagens técnicas e econômicas dos
diversos tipos de fundações. Capacitar os alunos a projetar e executar obras de
fundações.

Ementa
Teoria da capacidade de carga, principais tipos de fundações, recalques. Vantagens e
desvantagens técnicas dos diversos tipos de fundações.

Conteúdo Programático

Investigação do subsolo para fundações (sondagens, amostragem e ensaios laboratoriais


e de campo). Fundações por sapatas rasas: tipos, aplicações e aspectos construtivos.
Capacidade de carga e recalques de fundações diretas. Fundações por tubulões e por
estacas: tipos, aplicações e contra-indicações, aspectos construtivos.

Estacas: prova de carga axial e distribuição da carga entre atrito e ponta.


Comportamento de grupos de estacas sob carregamento axial.Estacas e tubulões
submetidos a carregamentos não axiais e ao arrancamento. Recalques de fundações e
deformações admissíveis.Reforço de fundações e subfundação.

Metodologia de Ensino

Aulas analítico-expositivas, exercícios e estudos de casos em sala de aula.. Visitas


técnicas.

Avaliação

Avaliações contínuas, avaliação integrada com o conteúdo cumulativo de todas as


disciplinas do semestre atual. Execução de projeto e relatório de visita à obras de
fundações.

Bibliografia Básica

VELLOSO, Dirceu. LOPES, Francisco. Fundações volumes I e II. Editora Oficina de


Textos, 2004.

ALONSO, U. R. Fundações: Exercícios de Fundações, São Paulo, Edgard Blücher,


2002.

HACHICH, W. et al. Fundações : Teoria e Prática, São Paulo, PINI, 1996

Bibliografia complementar

SCHNAID,F. Ensaios de Campo e suas Aplicações na à Engenharia de Fundações. Ed.


Oficina de Textos. 2000. São Paulo.190p

PRESA, Erundino Pousada; POUSADA, Manuela Carreiro. Retrospectiva e técnicas


modernas de fundações em estacas. ABMS – Associação Brasileira de Mecânica dos
Solos. 2004.
Manual de Especificações de produtos e procedimentos da ABEF. Editora Pini/ABEF.
2004.

Portos e Obras Hidráulicas I

Carga Horária

67 h

Objetivos

A disciplina propõe-se a apresentar as principais obras fluviais de regularização e a


proteção de margens dos rios visando a drenagem urbana e/ou navegação fluvial, com
ênfase em seus benefícios e impactos ambientais. Pretende-se também sob o ponto de
vista dos benefícios e impactos ambientais, dar uma visão geral sobre a implantação de
Barragens para Usinas Hidrelétricas e para outros fins.

Ementa

Obras Fluviais. Projeto e implantação de grandes canais de drenagem. Implantação de


Barragens e seu impacto ambiental. Projeto dos componentes de uma Barragem.
Detalhamento das obras civis de Usinas Hidrelétricas. Dimensionamento hidráulico de
suas principais estruturas típicas.

Conteúdo

Hidráulica fluvial. Conceitos básicos. Níveis de base. Captura fluvial.

Morfologia fluvial. Formação e evolução dos cursos De água.

Estudo de forças erosivas. Conceito de velocidade erosiva crítica e tensão erosiva


crítica. Equações.

Transporte de material sólido. Equações de transporte. Erosão em pilar de ponte.

Meandros. Corte de meandros. Lei de Ripley. Leis de Fargue.

Obras de proteção de margens. Proteção direta. Espigões.

Usinas hidrelétricas. Projeto e planejamento. Obras de desvio.

Barragem hidrelétrica. Órgãos componentes.

Vertedores e comportas: dimensionamento.


Dissipação de energia. Tipos. Bacias tipo USBR. Bacias russas.

Metodologia de Ensino

Aulas analítico-expositivas, exercícios e estudos de casos em sala de aula. Pesquisas


dirigidas

Avaliação

Provas de avaliação dircursivas e entrega de trabalhos e participação das atividades em


sala de aula.

Bibliografia Básica

LINSLEY, Ray K. ; FRANZINI, J. Engenharia de Recursos Hídricos. Editora da USP /


McGraw-Hill do Brasil, 1978.

SCHREIBER, Gerhard P. Usinas hidrelétricas. São Paulo, Edgard Blücher, 1977.

Bibliografia Complementar

Santos, Sérgio Rocha. Notas de aula da disciplina Eclusas e Navegação interior (Pós-
Graduação) da EPUSP, 1994

USSAMI, H. Comportamento Hidráulico dos Sistemas de Enchimento e Esgotamento


de Eclusas de navegação. Dissertação de Mestrado apresentada à EPUSP, 1980

Projeto de Instalações Hidráulicas

Carga Horária

67 h

Objetivos

Proporcionar ao aluno a capacidade de decisão entre a segurança mínima e economia,


observando normas de segurança vigentes. Detalhar processos de instalações para
influenciar no meio ambiente de forma mais harmoniosa possível Prover o estudante de
conhecimentos fundamentais à resolução de situações cotidianas nas instalações hidro-
sanitárias.

Ementa
Planejamento e execução de um projeto de instalações hidráulicas e elétricas, para
residenciais. Cálculo e dimensionamento de instalações hidro-sanitárias

Conteúdo

Sistema domiciliar de abastecimento de água:

Conceitos, normalização e materiais hidráulicos.

Sistema de distribuição de água fria. e quente

Projeto de redes de água fria. Critérios de dimensionamento.

Sistema de escoamento de águas pluviais:

Sistema de coleta de esgoto na edificação:

Metodologia de Ensino

Aulas analítico-expositivas e acompanhamento de projetos desenvolvidos em sala de


aula.

Avaliação

Provas de avaliação, realização e acompanhamento de projetos, em sala de aula.

Bibliografia Básica

MACINTYRE, Archibald J. – Manual de Instalações Hidráulicas. Rio de Janeiro,


Guanabara, 1990.

CREDER, Hélio. Instalações Hidráulicas Prediais. Rio de Janeiro, Livros Técnicos e


Científicos , 1982, 198p.

Bibliografia Complementar

PINI. Manual Técnico de Instalações Hidráulicas e Sanitárias. – São Paulo, PINI, 1987.

Normas ABTN (NBR 8160; NBR 7229; NBR10.844; NBR10.897; NBR5626;


NBR13.714; NBR 7198)

9º SEMESTRE
Estruturas de Aço e Madeira

Carga Horária

67 h

Objetivos

Fornecer aos alunos, subsídios para análise prática e conceitual sobre estruturas de aço
e madeira. Conhecimento de critérios para dimensionamento.

Ementa

Dimensionamento de peças e elementos estruturais em madeira e aço, esforços


solicitantes, flexão, compressão, flambagem

Conteúdo

Tração - área líquida, bruta. Compressão - Flambagem. Flexão - Perda de estabilidade


lateral, deformação, etc.

Flexão compressão - efeito de 2ª ordem. Conexões. Parafusos, rebites, solda. Estruturas


de madeiras: Dimensionamento, tração, compressão e flexão.

Norma NB 8800 - Conceito e dimensionamento.

Ação de vento em estruturas. (NBR 6123).

Projeto: cobertura metálica, edifício metálico.

Metodologia de Ensino

Aulas teóricas analítico-expositivas para a realização dos ensaios relacionados ao


conteúdo teórico para consolidação dos conceitos.

Avaliação

Desenvolvimento de projetos e provas de avaliação discursivas.

Bibliografia Básica

BELLEI, Ildony H. Edifícios Industriais em Aço. 2.ed.: Projeto e Cálculo, São Paulo,
Pini, 1998.

MOLITERNO, A. Caderno de Projetos de Telhados em Estruturas de Madeira, 2ª


edição São Paulo, Edgard Blücher, 1982

Bibliografia Complementar
SÜSSEKIND, José Carlos. Curso de Análise Estrutural: Processo de Cross, 4.ed. Porto
Alegre, Globo, 1980. v.3.

TIMOSHENKO, S. P. Resistência dos Materiais , Rio de Janeiro, Livros Técnicos e


Científicos, 1971.

Estradas e Transportes I

Carga horária

67 h

Objetivo

Iniciar o aluno em projetos viários. (Vias urbanas, rodovias, ferrovias, pistas de


aeroportos, etc.). Expor o inter-relacionamento dos estudos e atividades que compõe um
projeto viário completo. Dar conhecimentos fundamentais sobre pavimentação,
materiais e dimensionamento, e sobre os principais temas ligados ao movimento de
terra, de cortes e aterros.

Ementa

Projeto de vias urbanas, rodovias, ferrovias, e aeroportos. Terraplanagem e


Pavimentação, materiais e dimensionamento

Conteúdo Programático

Projeto Geométrico de Rodovias e Ferrovias características técnicas. Condicionantes


topográficos, geotécnicos e de uso do solo. Aspectos ecológicos. Fazes de elaboração do
projeto viário. Reconhecimento. Exploração. Locação. Projeto Planimétricos: planta,
cálculo de elementos de locação de curva circular e de transição. Projeto Altimétrico:
perfil longitudinal e fixação do greide: curvas de concordância vertical parabólica,
estudo de visibilidade. Cálculo da terraplenagem: distribuição das massas e notas de
computação. Características geométricas do projeto: velocidade de projeto ou diretriz;
velocidade de operação; comprimento crítico de rampa: raio mínimo de curvatura
horizontal; super elevação. Interseções. Rodoviários. Noções de projeto de Vias
Urbanos. Noções de projeto geométrico de ferrovias e aeródromos. Terraplanagem:
Organização das obras rodoviárias. Equipamentos de construção; rendimentos;
produtividade; ciclo de produção. Classificação dos materiais escavados. Cubagem e
distribuição dos materiais. Controle geotécnico e topográfico. Pavimentação:
Terminologia de Pavimentos. Caracterização geotécnica de sub-leitos e jazidas.
Materiais de construção: solos; granulares; misturas betuminosas. Métodos construtivos
e controle tecnológico. Composição da frota de veículos. Projeto de pavimentos rígidos
e flexíveis. Aplicações: vias urbanas, rodovias, aeródromos.

Metodologia de Ensino

Aulas expositivas. Incentivo à pesquisa bibliográfica. Seminários. Realização de projeto


em sala de aula com acompanhamento pelo professor para esclarecimento de dúvidas.

Avaliação

Provas de avaliação com questões discursivas, avaliaçã e realização de projeto em sala


de aula, estudos de casos.

Bibliografia Básica

PONTES FILHO, Glauco- Estradas de rodagem - Projeto geométrico

FONTES, L.C. Engenharia de Estradas. Projeto Geométrico. UFBA

Bibliografia Complementar

ARMSTRONG, Wrigth, A. Urban Transit Systems: Guidelines for Word Bank, 1986.

DENATRAN – Interseções em Nível Não Semaforizadas em Áreas Urbanas: Manual de


Projeto, Brasília, Ministério da Justiça, 1984.

MERCEDEZ BENZ DO BRASIL. Sistemas de Transporte Coletivo Urbano por


Ônibus: Planejamento e Operação. MBB, 1987.

TRANSPORTATION RESEARCH BOARD – Highway Capacity Manual. Special


Report 209, Washington, TRB, 1985 e 1997.

Estruturas Especiais de Concreto II

Carga Horária

67 h

Objetivos
Apresentar ao educando os elementos e nomenclaturas utilizadas em projetos de
estruturas de concreto protendido. Fornecer subsídios para cálculo e execução de peças
protendidas.

Ementa

Conceitos. Critérios de Projeto. Perdas de Protensão. Estados Limites Últimos:


Solicitações normais e solicitações tangenciais.

Conteúdo

O que se entende por protensão; a protensão no concreto; ilustração numérica;

Definições; Materiais: Concreto e aço; Noções sobre as diferenças tecnológicas entre


concreto armado e concreto protendido.

Critérios de projeto: Verificação da segurança; Grau de protensão; Tipologias;


Estimativa da força de protensão (Po); Valores representativos da força de protensão.

Valores limites das tensões; Determinação da força Pi; Determinação da força Pa;
Determinação da força Po; Determinação da força Po; Estados Limites Últimos:
Solicitações Normais:

Hipóteses de cálculo; Procedimentos de cálculos; E.L.U. de ruptura no ato da protensão;

Análise pelas curvas limites; Análise de tensões do cabo curvo; Análise de tensões c/
cabo reto; Cálculo da armadura transversal.

Metodologia de Ensino

Aulas teóricas analítico-expositivas para a realização dos ensaios relacionados ao


conteúdo teórico para consolidação dos conceitos.

Avaliação

Desenvolvimento de projetos e provas de avaliação discursivas.

Bibliografia Básica

PFEIL, W. Concreto Protendido: Processos Construtivos, Perdas de Protensão. Rio de


Janeiro, Editora Didática e Científica, 1991.

AGOSTINI, L.R.S. Concreto Protendido: Estudo de Vigas Isostáticas, São Paulo,


Livraria Ciência e Tecnologia Editora Ltda., 1983.

Bibliografia Complementar
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, Rio de Janeiro, NBR 7197.
Concreto Protendido, Rio de Janeiro, 1989

Estruturas de Pontes I

Carga Horária

67 h

Objetivos

Apresentar aos alunos as grandes obras mais significativas: pontes e viadutos, com
grandes vãos e em balanço. Teoria de Cálculo: As teorias seriam apresentadas logo após
o tipo estrutural correspondente, procurando amarrar as hipóteses da teoria às
características do tipo estrutural.

Ementa

Apresentação de grandes obras, pontes e viadutos, concepção princípios de cálculo e


noções de métodos construtivos.

Conteúdo

Introdução às pontes e grandes estruturas. Evolução histórica. Noções de concepção.

Superestrutura das pontes. Tipos estruturais. Tabuleiros e vigas de pontes.

Meso e infra-estrutura das pontes.

Cálculos de pontes em arco e pórtico.

Projeto de uma estrutura em grelha. Projeto da meso e infra-estrutura de uma ponte


celular.

Metodologia de Ensino

Aulas teóricas analítico-expositivas para a realização dos ensaios relacionados ao


conteúdo teórico para consolidação dos conceitos.

Avaliação

Desenvolvimento de projetos e provas de avaliação discursivas.

Bibliografia Básica
CUNHA, Albino Joaquim P. da; SOUZA; Vicente Custódio M. de. Lajes em concreto
armado e protendido. Ed. Niterói: EDUFF; Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 1998.

ALLONSO, Urbano Rodriguez. Dimensionamento de Fundações Profundas. Ed.


Edgard Blücher Ltda. 2003

MASON. Pontes de Concreto Armado e Protendido, Rio de Janeiro, Livros Técnicos e


Científicos, 1977.

Bibliografia Complementar

O' CONNOR, Colin. Pontes. Superestruturas. Trad. Maria de Lourdes Campos


Campello, Rio de Janeiro, Livros Técnicos e Científicos, 1975.

PFEIL, Walter. Pontes em Concreto Armado. Rio de Janeiro, Livros Técnicos e


Científicos. S.A, , 1979.

Portos e Obras Hidráulicas II

Carga Horária

67 h

Objetivos

A disciplina propõe-se a apresentar noções de Hidráulica Fluvial visando


dimensionamento de canais para Navegação Interior. Pretende apresentar ainda aspectos
gerais de Transporte de Carga por via fluvial, para efeito de Planejamento e Projeto de
Hidrovias. Visa também apresentar noções básicas de Oceanografia e Meteorologia para
previsão das solicitações provocadas por ondas e correntes e dar subsídios para o
projeto de proteção de estruturas portuárias e estruturas off-shore.

Ementa

Melhoramentos nos cursos de água visando a Navegação Interior. Noções de


Planejamento e Projeto de Hidrovias. Critérios para desenvolvimento e implantação de
projetos de obras portuárias. Noções de Oceanografia e Meteorologia para previsão de
ondas e correntes marítimas. Dimensionamento e projeto de obras de proteção
portuárias, marítimas e fluviais

Conteúdo
Morfologia fluvial. Velocidade erosiva crítica.

Evolução dos Cursos de Água. Leis de Fargue

Obras fluviais.

Melhoramentos dos Cursos de Água para Navegação.

Obras de Normalização. Regularização de rios.

Obras de Dragagem. Derrocamento.

Navegação interior. Canalização dos Cursos de Água.

Obras de transposição de desnível.

Noções de Meteorologia e Oceanografia.

Estudo das Ondas e dos Movimentos do Mar.

Portos fluviais e marítimos.

Ação de vento e do mar. Obras de Proteção.

Obras portuárias. Estruturas marítimas típicas. Estruturas Off-Shore.

Metodologia de Ensino

Aulas analítico-expositivas, exercícios e estudos de casos em sala de aula. Pesquisas


dirigidas

Avaliação

Provas de avaliação dircursivas e entrega de trabalhos e participação das atividades em


sala de aula.

Bibliografia Básica

ALFREDINI, P.: Obras e Gestão de Portos e Costas: A técnica aliada ao enfoque


logístico e Ambiental .

BRIGHETTI, G.; ALMEIDA, C.E. - Notas de Aula PHD-522 - Navegação Interior e


Portos Marítimos - Fascículos I e II. Departamento de Engenharia Hidráulica e Sanitária
da Escola Politécnica da USP.

Bibliografia Complementar

SMITH, C.S. ; DOW, R.S. Advances in Marine Structures-2, London, Elsevier Applied
Science, 1991.
Chryssostomidis, C. Behavior of Offshore Structures, New York, Pergamon Press, 1994.

Marine Structures, Journal published by Elsevier Applied Science, London.

Estágio Supervisionado I

Carga Horaria

125 h

Objetivos

Proporcionar ao educando a integração de conhecimentos obtidos através das disciplinas


com a prática, de forma a estabelecer a necessária interação entre o saber e o saber fazer.

Ementa

Prática profissional.

Conteúdo

Ao longo do estágio, deverá desenvolver atividades que serão apresentadas em forma de


relatório, podendo optar por qualquer uma das quatro grandes áreas da engenharia civil.

Estudo: aprendizagem de técnica especifica.

Pesquisa: produção de conhecimento, por meio de informações coletadas na empresa.

Projeto: análise da implantação de uma determinada técnica ou reformulação de um


dado sistema produtivo.

Metodologia

Acompanhamento pelo professor responsável pelo estágio e pelo profissional


responsável no local do estágio

Avaliação

Apresentação de relatórios e documentos comprobatórios

Bibliografia Básica

SEVERINO, A.J. Metodologia do Trabalho Científico. 21 ed. São Paulo: Cortez, 2000.

CERVO, A. L; BERVIAN, P. A. Metodologia científica. 4 ed. São Paulo: Makron, 1996.


Bibliografia Complementar

JARDILINO, J. R.; ROOSI, G.; SANTOS, G. T. Orientações Metodológicas para


Trabalhos Acadêmicos. São Paulo: Gion, 2000.

LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 4. ed. São Paulo: Atlas,


2001.

MARCONI, M. A., LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa. 4. ed.São Paulo: Atlas,


1999.

Trabalho de Conclusão de Curso I

Carga Horária

30 h

Objetivos

Proporcionar ao educando a orientação na pesquisa em Engenharia, levando em


consideração o aspecto metodológico e planejado de um trabalho acadêmico.

Ementa

Elaboração das etapas de um trabalho técnico e cientifico. Realização,


acompanhamento, orientação, crítica.

Conteúdo

Formação de grupos de dois ou três alunos. Apresentação do tema. Estabelecimento de


cronograma.

Execução parcial das atividades propostas.

Entrega de um relatório parcial sobre o desenvolvimento das atividades realizadas até o


momento.

Metodologia

Acompanhamento pelos professores responsáveis e sessões de orientação por um


orientador de área correlata ao projeto de pesquisa

Avaliação

Avaliação de todas as fases de conclusão da monografia.


Bibliografia Básica

SEVERINO, A.J. Metodologia do Trabalho Científico. 21 ed. São Paulo: Cortez, 2000.

CERVO, A. L; BERVIAN, P. A. Metodologia científica. 4 ed. São Paulo: Makron, 1996.

Bibliografia Complementar

JARDILINO, J. R.; ROOSI, G.; SANTOS, G. T. Orientações Metodológicas para


Trabalhos Acadêmicos. São Paulo: Gion, 2000.

LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 4. ed. São Paulo: Atlas,


2001.

MARCONI, M. A., LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa. 4. ed.São Paulo: Atlas,


1999.

10º SEMESTRE

Construção Pesada

Carga Horária

67 h

Objetivos

Consolidar e integrar conhecimentos adquiridos em outras disciplinas do curso de


Engenharia Civil, através de atividades de campo e teórica desenvolvidas em grupo e
voltadas à capacitação dos alunos para conhecimento das tecnologias e métodos
construtivos utilizados na produção de obras de construção pesadas.

Ementa

Tecnologia e novos métodos de construção, estudo de casos em obra atuais. Obras de


superfície, subterrâneas, grandes estruturas. Equipamentos para construção pesada.

Conteúdo

Aspectos Organizacionais: regime de contratação, organização da empresa e do canteiro


de obras pesadas, logística, impacto ambiental, etc.;

Obras de Superfície: terraplenagem, pavimentação, etc.;


Obras Subterrâneas: valas a céu aberto, túneis em solo e rocha, obras de contenção,
técnicas de reforço e controle, etc.;

Grandes Estruturas: produção de fundações e superestrutura de pontes, viadutos, torres,


estações elevatórias, etc.;

Equipamentos para Obras Pesadas: características, uso e manutenção.

Metodologia de Ensino

Aulas analítico-expositivas, apresentação de seminários pelos alunos e estudos de caso


apresentados em sala de aula

Avaliação

Provas de avaliação discursiva, avaliação dos seminários e da participação em sala de


aula

Bibliografia Básica

CIMINO Remo; Planejar para Construir. São Paulo, Pini, 1999.

DAY, D. A. & BENJAMIN, N.B. H. Construction Equipment Guide. 2.ed. Wiley. USA.
1991. (series of practical construction guides)

Bibliografia Complementar

HARRIS, F. Modern construction and ground engineering equipment and methods. 2nd
Longman Scientific and Technical. UK. 1994.

Estradas e Transportes II

Carga Horária

67 h

Objetivos

Apresentar ao aluno os problemas e políticas dos transportes urbanos e públicos.


Abordar aspectos da engenharia de tráfego, assim como tratar dos sistemas de
planejamento e das possíveis melhorias operacionais e dotá-lo de conhecimentos
técnicos que o capacitem solucionar problemas relativos a qualquer modalidade de
transportes.
Ementa

Transporte urbano, transporte público, custo de tarifas, sistemas operacionais de


transportes, fluxo de tráfego. Desempenho de Sistemas expressos

Conteúdo

Problemas e Políticas no Transporte Urbano: Os problemas do Transporte Público.


Qualidade do Serviço. Programação de Oferta. Custos e Tarifas.

Planejamento e Melhorias Operacionais. Modalidades de Transportes Coletivos.


Engenharia de Tráfego: Os problemas do Tráfego Urbano. Hierarquização Funcional
das Vias.

Teoria do Fluxo de Tráfego. Capacidade e Desempenho em Sistemas Expressos.

Capacidade e Desempenho em Interseções Semaforizadas e Não Semaforizadas.

Segurança e Tráfego. Administração do Transporte Urbano: GUTS:

Demanda e Oferta de Transportes. Opções de Intervenção. Objetivos e Resultados.

Metodologia de Ensino

Aulas analítico-expositivas, realização de seminários e visitas técnicas. Apresentação de


estudos de casos em sala de aula.

Avaliação

Provas de avaliação discursivas, apresentação e entrega de seminários e avaliação da


participaçao em sala de aula e visitas técnicas programadas.

Bibliografia Básica

GONZALEZ, Roldan, VALDES, A . Ingenieria de tráfico. Madrid, Libreria Editorial


Bellisco, 1988.

DENATRAN – Interseções em Nível Não Semaforizadas em Áreas Urbanas: Manual de


Projeto, Brasília, Ministério da Justiça, 1984.

MERCEDEZ BENZ DO BRASIL. Sistemas de Transporte Coletivo Urbano por


Ônibus: Planejamento e Operação. MBB, 1987.

Bibliografia Complementar

ARMSTRONG, Wrigth, A. Urban Transit Systems: Guidelines for Word Bank, 1986.
TRANSPORTATION RESEARCH BOARD – Highway Capacity Manual. Special
Report 209, Washington, TRB, 1985 e 1997.

Estruturas de Pontes II

Carga horária

67 h

Objetivo

Apresentar aos alunos as grandes obras mais significativas: coberturas reservatórios,


galerias e túneis. Discussão de alternativas: para cada tipo de obra serão discutidas
alternativas de método construtivo, materiais de construção e tipo estrutural. Teoria de
cálculo: As teorias serão apresentadas logo após o tipo estrutural correspondente,
procurando amarrar as hipóteses da teoria às características do tipo estrutural.

Ementa

Apresentação de grandes obras, coberturas, reservatórios, galerias e túneis e coberturas,


concepção princípios de cálculo e métodos construtivos.

Conteúdo

Superestrutura de reservatórios galerias e túneis. Tipos estruturais.

Métodos construtivos. Materiais de construção. Comportamento estrutural e teorias de


cálculo. Apresentação e detalhamento de métodos construtivos.

Projeto de uma estrutura em grelha.

Metodologia de Ensino

Aulas teóricas analítico-expositivas para a realização dos ensaios relacionados ao


conteúdo teórico para consolidação dos conceitos.

Avaliação

Desenvolvimento de projetos e provas de avaliação discursivas.

Bibliografia Básica

CUNHA, Albino Joaquim P. da; SOUZA; Vicente Custódio M. de. Lajes em concreto
armado e protendido. Ed. Niterói: EDUFF; Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 1998.
ALLONSO, Urbano Rodriguez. Dimensionamento de Fundações Profundas. Ed.
Edgard Blücher Ltda. 2003

MASON - Pontes de Concreto Armado e Protendido. Rio de Janeiro, Livros Técnicos e


Científicos, 1977.

Bibliografia Complementar

LEONHARDT - Construções de Concreto. São Paulo, Interciência, 1979. v.6.

PFEIL, Walter. Pontes em Concreto Armado. Rio de Janeiro, Livros Técnicos e


Científicos, 1979

Estágio Supervisionado II

Carga Horária

125 h

Objetivos

Proporcionar ao educando a integração de conhecimentos obtidos através das disciplinas


com a prática, de forma a estabelecer a necessária interação entre o saber e o saber fazer.

Ementa

Prática profissional.

Conteúdo

Ao longo do estágio, deverá desenvolver atividades que serão apresentadas em forma de


relatório, podendo optar por qualquer uma das quatro grandes áreas da engenharia civil.

Estudo: aprendizagem de técnica especifica.

Pesquisa: produção de conhecimento, por meio de informações coletadas na empresa.

Projeto: análise da implantação de uma determinada técnica ou reformulação de um


dado sistema produtivo.

Metodologia

Acompanhamento pelo professor responsável pelo estágio e pelo profissional


responsável no local do estágio

Avaliação
Apresentação de relatórios e documentos comprobatórios

Bibliografia Básica

SEVERINO, A.J. Metodologia do Trabalho Científico. 21 ed. São Paulo: Cortez, 2000.

CERVO, A. L; BERVIAN, P. A. Metodologia científica. 4 ed. São Paulo: Makron, 1996.

Bibliografia Complementar

JARDILINO, J. R.; ROOSI, G.; SANTOS, G. T. Orientações Metodológicas para


Trabalhos Acadêmicos. São Paulo: Gion, 2000.

LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 4. ed. São Paulo: Atlas,


2001.

MARCONI, M. A., LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa. 4. ed.São Paulo: Atlas,


1999.

Trabalho de Conclusão de Curso II

Carga Horária

30 h

Objetivos

Proporcionar ao educando a orientação na pesquisa em Engenharia, levando em


consideração o aspecto metodológico e planejado de um trabalho acadêmico.

Ementa

Elaboração das etapas de um trabalho técnico e cientifico. Realização,


acompanhamento, orientação, crítica.

Conteúdo

Formação de grupos de dois ou três alunos. Apresentação do tema Estabelecimento de


cronograma. Execução parcial das atividades propostas. Entrega de um relatório parcial
sobre o desenvolvimento das atividades realizadas até o momento.

Metodologia

Acompanhamento pelo professores responsável e sessões de orientação por um


orientador de área correlata ao projeto de pesquisa
Avaliação

Avaliação de todas as fases de conclusão da monografia.

Bibliografia Básica

SEVERINO, A.J. Metodologia do Trabalho Científico. 21 ed. São Paulo: Cortez, 2000.

CERVO, A. L; BERVIAN, P. A. Metodologia científica. 4 ed. São Paulo: Makron, 1996.

Bibliografia Complementar

JARDILINO, J. R.; ROOSI, G.; SANTOS, G. T. Orientações Metodológicas para


Trabalhos Acadêmicos. São Paulo: Gion, 2000.

LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 4. ed. São Paulo: Atlas,


2001.

MARCONI, M. A., LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa. 4. ed.São Paulo: Atlas,


1999.