Vous êtes sur la page 1sur 14

Laboratório de Circuitos Elétricos CA

Experimento 03

Amanda de Assis Vieira DRE 114147378


Rafael Correa Alfradique DRE 114083053
Mauricio Augusto de Aragon DRE 116109130
Introdução

Este estudo analisa a correção do fator de potência em instalações elétricas. O


fator de potência nada mais é que uma medida de quanto da potência elétrica
consumida de fato está sendo convertida em trabalho útil. Isso significa que quanto
maior o fator de potência, menor o trânsito de energia reativa nas linhas de
transmissão, subtransmissão e distribuição e melhor o aproveitamento do sistema
elétrico.
O sistema utilizado neste relatório foi um motor modelado por um resistor em
série com um indutor. Depois de calcular o fator de potência em diversas condições do
motor, analisamos como corrigi-lo através de bancos de capacitores. Os resultados
estão apresentados a seguir.

Desenvolvimento

6.1 Determinação do fator de potência do motor (modelado por um circuito RL


série) na condição do item 5.2

Os valores obtidos experimentalmente estão na tabela a seguir:

Valores medidos a vazio 145W

V(V) It(A) Im(A) Ic(A) P(W)

127,7 5 5 0 160

As condições foram obedecidas conforme o item 5.2. Observa-se nos dados que a
corrente no motor (Im) é igual a corrente total (It).

A partir dos dados podemos determinar o fator de potência do motor e os valores de R


e L do modelo.

S = V * I = 127, 7 * 5 = 638, 5V A

Q=
√(638, 5² − 160²) = 618, 12 V Ar
P 160
F P = cosφ = |V |*|I| = |127,7|*|5| = 0, 2506

P 160
R= 2 = = 6, 4Ω
I 52
Q 618,12
X= 2 = = 24, 72Ω
I 52

X 24,72
L= 2*π *f = 2*π *60 = 65, 5mH

6.2 Determinação do fator de potência da carga nas condições do item 5.3

Neste item utilizamos o motor em vazio com a chave 2 fechada. Ao fechar essa chave,
incluímos o banco de capacitores e determinaremos o fator de potência da carga para
cada caso a seguir.

● Para o banco de capacitores de 35 μF .

Os valores obtidos experimentalmente estão na tabela a seguir:

Valores medidos a vazio 145W

V(V) It(A) Im(A) Ic(A) P(W)

127,9 3,4 5 1,675 160

S = V * I = 127, 9 * 3, 4 = 434, 86V A

Q = √(S² − P ²) = √(434, 86² − 160²) = 404, 36V Ar

P 160
F P = cosφ = |V |*|I| = |127,9|*|3,4| = 0, 3679

Para determinarmos se o fator de potência é indutivo ou capacitivo, diminuiremos a


potência reativa da carga antes da inclusão do banco de capacitores da potência
reativa da carga depois da inclusão do banco de capacitores . Se o valor obtido for
maior que zero, o fator de potência da carga é indutivo, se for menor que zero, é
capacitivo. Obteríamos o mesmo resultado se tivéssemos colocado as potências
reativas em um triângulo de potências.

Q ct = X c * i2c = 1
2*π *f *C
2
* ic =
1
2*π *60*35μ
2
* 1, 675 = 212, 63V Ar

sendo Q ct a potência reativa teórica, já que fizemos o cálculo utilizando o valor teórico
da capacitância.
A potência reativa real do banco de capacitores é dada pela diferença entre a potência
reativa total Q antes da inclusão do banco de capacitores e a potencia reativa total Q
depois da inclusão do banco de capacitores, que é dada por:

Q cr = 618, 12 − 404, 36 = 213, 76 V Ar > 0

Logo, o fator de potência da carga é indutivo.

A nossa capacitância real é dada por:

1 2 1 2
C = 2*π *f *Q cr * ic = 2*π *60*213,76 * 1, 675 = 34, 8μF

● Para o banco de capacitores de 70 μF .

Os valores obtidos experimentalmente estão na tabela a seguir:

Valores medidos a vazio 145W

V(V) It(A) Im(A) Ic(A) P(W)

127,8 2,05 5 3,325 160

S = V * I = 127, 8 * 2, 05 = 261, 99V A

Q = √(S² − P ²) = √(261, 99² − 160²) = 207, 45V Ar

P 160
F P = cosφ = |V |*|I| = |127,8|*2,05| = 0, 6107

Para descobrir se o fator de potência da carga é indutivo ou capacitivo, faremos o


mesmo procedimento do item anterior.

Potência reativa teórica do banco de capacitores:


Q ct = X c * i2c = 1
2*π *f *C
2
* ic =
1
2*π *60*70μ
2
* 3, 325 = 418, 94V Ar

Potência reativa real do banco de capacitores:

Q cr = 618, 12 − 207, 45 = 410, 67 V Ar > 0


Logo, o fator de potência da carga é indutivo.

Valor real da capacitância utilizada:

1 2 1 2
C = 2*π *f *Q cr * ic = 2*π *60*410,67 * 3, 325 = 71, 4μF

● Para o banco de capacitores de 105 μF .

Os valores obtidos experimentalmente estão na tabela a seguir:

Valores medidos a vazio 145W

V(V) It(A) Im(A) Ic(A) P(W)

128 1,6 5 5 160

S = V * I = 128 * 1, 6 = 204, 8V A

Q = √(S² − P ²) = √(204, 8² − 160²) = 127, 83V Ar


P 160
F P = cosφ = |V |*|I| = |128|*|1,6| = 0, 7813

Para descobrir se o fator de potência da carga é indutivo ou capacitivo, faremos o


mesmo procedimento do item anterior.

Potência reativa teórica do banco de capacitores:

Q ct = X c * i2c = 1
2*π *f *C
2
* ic =
1
2*π *60*105μ
2
* 5 = 631, 56V Ar

Potência reativa real do banco de capacitores:

Q cr = 618, 12 − 127, 83 = 490, 29 V Ar > 0

Logo, o fator de potência da carga é indutivo.

Valor real da capacitância utilizada:

1 2 1 2
C = 2*π *f *Q cr * ic = 2*π *60*490,29 * 5 = 135, 26μF
É importante notar que, nesse caso, se fôssemos considerar a potência reativa teórica
do banco de capacitores, o fator de potência seria capacitivo, já que subtraindo o valor
da potência reativa sem o banco de capacitores de Q ct , obteríamos um valor
negativo, o que não ocorre na prática. Através disso podemos observar a importância
de distinguir a potência reativa teórica da real e determinar se o fator de potência é
indutivo e capacitivo com base na potência reativa real.

6.3 Determinação do fator de potência do motor na condição do


item 5.4.

Neste item, com a chave 2 aberta, acionamos o dispositivo de frenagem do motor e


aumentamos a ação do freio de forma a obter a leitura do wattímetro próxima de
300W. Os dados coletados estão listados na tabela a seguir:

Valores medidos para carga 300W

V(V) It(A) Im(A) Ic(A) P(W)

126,3 5 5 0 300

A partir dos dados podemos determinar o fator de potência do motor e os valores de R


e L do modelo.

S = V * I = 126, 3 * 5 = 631, 5V A

Q = √(S² − P ²) = √(631, 5² − 300²) = 555, 69 V Ar


P 300
F P = cosφ = |V |*|I| = |126,3|*|5| = 0, 4750

P 300
R= 2 = = 12Ω
I 52

Q 555,69
X= 2 = = 22, 23Ω
I 52

X 22,23
L= 2*π *f = 2*π *60 = 60mH

6.4 Determinação do fator de potência do motor nas condições do


item 5.5.
Neste item novamente utilizamos o motor em vazio com a chave 2 fechada. Ao fechar
essa chave, incluímos o banco de capacitores e determinaremos o fator de potência
da carga para cada caso a seguir.

● Para o banco de capacitores de 35 μF .

Os valores obtidos experimentalmente estão na tabela a seguir:

Valores medidos para carga 300W

V(V) It(A) Im(A) Ic(A) P(W)

126,7 3,65 5 1,65 300

S = V * I = 126, 7 * 3, 65 = 462, 46V A

Q = √(S² − P ²) = √(462, 46² − 300²) = 351, 95V Ar

P 300
F P = cosφ = |V |*|I| = |126,7|*|3,65| = 0, 6487

Para descobrir se o fator de potência da carga é indutivo ou capacitivo, faremos o


mesmo procedimento do tópico 6.2.

Potência reativa teórica do banco de capacitores:


Q ct = X c * i2c = 1
2*π *f *C
2
* ic =
1
2*π *60*35μ
2
* 1, 65 = 206, 33V Ar

Potência reativa real do banco de capacitores:

Q cr = 555, 69 − 351, 95 = 203, 74 V Ar > 0

Logo, o fator de potência da carga é indutivo.

Valor real da capacitância utilizada:

1 2 1 2
C = 2*π *f *Q cr * ic = 2*π *60*203,74 * 1, 65 = 35, 45μF

● Para o banco de capacitores de 70 μF .

Os valores obtidos experimentalmente estão na tabela a seguir:


Valores medidos para carga 300W

V(V) It(A) Im(A) Ic(A) P(W)

126,7 2,8 5 3,3 300

S = V * I = 126, 7 * 2, 8 = 354, 76V A

Q = √(S² − P ²) = √(354, 76² − 300²) = 189, 35V Ar

P 300
F P = cosφ = |V |*|I| = |126,7|*|2,8| = 0, 8456

Fazendo o mesmo procedimento do item anterior:

Potência reativa teórica do banco de capacitores:


Q ct = X c * i2c = 1
2*π *f *C
2
* ic =
1
2*π *60*70μ
2
* 3, 3 = 412, 67V Ar

Potência reativa real do banco de capacitores:

Q cr = 555, 69 − 189, 35 = 366, 34 V Ar > 0

Logo, o fator de potência da carga é indutivo.

Valor real da capacitância utilizada:

1 2 1 2
C = 2*π *f *Q cr * ic = 2*π *60*366,34 * 1, 65 = 19, 71μF

● Para o banco de capacitores de 105 μF .

Os valores obtidos experimentalmente estão na tabela a seguir:

Valores medidos para carga 300W

V(V) It(A) Im(A) Ic(A) P(W)

126,6 2,75 5 4,95 300

S = V * I = 126, 6 * 2, 75 = 348, 15V A


Q = √(S² − P ²) = √(348, 15² − 300²) = 176, 66V Ar

P 300
F P = cosφ = |V |*|I| = |126,6|*|2,75| = 0, 8617

Fazendo o mesmo procedimento do item anterior:

Potência reativa teórica do banco de capacitores:


Q ct = X c * i2c = 1
2*π *f *C
2
* ic =
1
2*π *60*105μ
2
* 4, 95 = 619V Ar

Potência reativa real do banco de capacitores:

Q cr = 555, 69 − 176, 66 = 379, 03 V Ar > 0

Logo, o fator de potência da carga é indutivo.

Valor real da capacitância utilizada:

1 2 1 2
C = 2*π *f *Q cr * ic = 2*π *60*379,03 * 4, 95 = 171, 47μF

É importante notar que, nesse caso, se fôssemos considerar a potência reativa teórica
do banco de capacitores, o fator de potência seria capacitivo, já que subtraindo o valor
da potência reativa sem o banco de capacitores de Q ct , obteríamos um valor
negativo, o que não ocorre na prática. Através disso podemos observar a importância
de distinguir a potência reativa teórica da real e determinar se o fator de potência é
indutivo e capacitivo com base na potência reativa real.

6.5 Determinar o fator de potência do motor (modelado por um


circuito RL série) segundo item 5.6.

Valores medidos para carga 350W

V(V) It(A) Im(A) Ic(A) P(W)

126,2 5,15 5,15 0 360

As condições foram obedecidas conforme o item 5.6, observa-se nos dados


que a corrente que passa pelos capacitores (Ic) é zero e a corrente no motor (Im) é
igual a corrente total (It).
Admitindo que o modelo do motor é um circuito RL série podemos determinar
seus parâmetros com base nos dados extraídos do experimento.
A corrente que passa pelo motor é a corrente total e, portanto utilizaremos a
seguinte fórmula para encontrar o valor de R:

P = R * I²
R = P ÷ I²
R = 360 ÷ 5, 15² = 13, 57 Ω

Já para o cálculo de L, encontraremos a potência Q para encontrarmos X​L e



assim encontramos o valor de L.
S = V *I
S ² = P ² + Q²
Q = √(S² − P ²) = √(649, 93² − 360²) = 541, 12 V Ar

Assim, teremos:
Q = X L * I²
X L = Q ÷ I²
X L = 541, 12 ÷ 5, 15² = 20, 40 Ω
Portanto:
XL = 2 * π * f * L
XL 20,40
L = 2*π *f = 2*π *60
L = 54, 11 mH
Fator de potência:

cos φ = P ÷ (|V | * |I |)

cos φ = 0, 5539

6.6 Determinar o fator de potência da carga, segundo o item 5.7

Neste tópico, utilizamos o mesmo procedimento do tópico 6.2.

● Para o banco de capacitores de 35 μF .

Os valores obtidos experimentalmente estão na tabela a seguir:

Valores medidos a vazio 350W

V(V) It(A) Im(A) Ic(A) P(W)

126,8 3,9 5,15 1,65 360

S = V * I = 126, 8 * 3, 9 = 494, 52 V A
Q = √(S² − P ²) = √(494, 52² − 360²) = 339, 04V Ar

P 360
F P = cosφ = |V |*|I| = |126,8|*|3,9| = 0, 7279

Verificando se a carga é indutiva ou capacitiva:

Q ct = X c * i2c = 1
2*π *f *C
2
* ic =
1
2*π *60*35μ
2
* 1, 65 = 206, 33V Ar

Q ct é a potência reativa teórica.

A potência reativa real do banco de capacitores é dada pela diferença entre a potência
reativa total Q antes da inclusão do banco de capacitores e a potencia reativa total Q
depois da inclusão do banco de capacitores, que é dada por:

Q cr = 541, 12 − 206, 33 = 334, 79 V Ar > 0

Logo, o fator de potência da carga é indutivo.

A nossa capacitância real é dada por:

1 2 1 2
C = 2*π *f *Q cr * ic = 2*π *60*334,79 * 1, 65 = 21, 6μF

● Para o banco de capacitores de 70 μF .

Os valores obtidos experimentalmente estão na tabela a seguir:

Valores medidos a vazio 350W

V(V) It(A) Im(A) Ic(A) P(W)

127,2 3,15 5,15 3,3 360

S = V * I = 127, 2 * 3, 15 = 400, 68V A

Q = √(S² − P ²) = √(400, 68² − 360²) = 175, 91 V Ar


P 360
F P = cosφ = |V |*|I| = |127,2|*|3,15| = 0, 8984

Para descobrir se o fator de potência da carga é indutivo ou capacitivo, faremos o


mesmo procedimento do item anterior.

Potência reativa teórica do banco de capacitores:


Q ct = X c * i2c = 1
2*π *f *C
2
* ic =
1
2*π *60*70μ
2
* 3, 3 = 412, 66 V Ar

Potência reativa real do banco de capacitores:

Q cr = 541, 12 − 412, 66 = 128, 46 V Ar > 0

Logo, o fator de potência da carga é indutivo.

Valor real da capacitância utilizada:

1 2 1 2
C = 2*π *f *Q cr * ic = 2*π *60*128,46 * 3, 3 = 224, 87μF

● Para o banco de capacitores de 105 μF .

Os valores obtidos experimentalmente estão na tabela a seguir:

Valores medidos a vazio 350W

V(V) It(A) Im(A) Ic(A) P(W)

127,2 3,2 5,15 4,95 360

S = V * I = 127, 2 * 3, 2 = 407, 64V A

Q = √(S² − P ²) = √(407, 64² − 360²) = 191, 23V Ar

P 360
F P = cosφ = |V |*|I| = |127,2|*|3,2| = 0, 8844

Para descobrir se o fator de potência da carga é indutivo ou capacitivo, faremos o


mesmo procedimento do item anterior.

Potência reativa teórica do banco de capacitores:


Q ct = X c * i2c = 1
2*π *f *C
2
* ic =
1
2*π *60*105μ
2
* 4, 95 = 619, 00V Ar

Potência reativa real do banco de capacitores:

Q cr = 541, 12 − 619 = − 77, 88 V Ar < 0

Logo, o fator de potência da carga é capacitivo.

Valor real da capacitância utilizada:

1 2 1 2
C = 2*π *f *Q cr * ic = 2*π *60*77,88 * 4, 95 = 834, 35μF

6.7 Gráficos

Gráfico 1: P(potência) em Watts em função de R(resistência) em ohms.


Gráfico 2: P(potência) em Watts em função de L(indutância) em mH

Conforme consta nos tópicos 6.1, 6.3 e 6.5. A potência aparente do circuito
modelo do motor praticamente se mantém (corrente e tensão se mantém), como o
modelo é um circuito RL série, para que haja uma maior perda na potência ativa desse
motor a resistência(R) precisa ser maior para que a potência consumida seja maior,
enquanto que L deve diminuir a fim de manter a potência aparente constante. Com
isso, comprova-se os gráficos 1 e 2 acima.

Conclusão

Durante esse estudo, pudemos ver os efeitos dos resistores, indutores e


capacitores nas potências do circuito, e a importância de conhecer essas relações.
Vimos que adicionando capacitores em paralelo à uma carga, podemos corrigir
o fator de potência dela, diminuindo a potência aparente do circuito, o que torna o
sistema mais eficiente.
Nos casos 2 e 3 aumentamos a potência ativa do motor. Essa potência, é a
dissipadas nos elementos resistivos do circuito. Sabendo que o fator de potência é a
razão da potência ativa pela aparente, podemos ver que o aumento no denominador,
resultará num fator de potência mais próximo de 1.