Vous êtes sur la page 1sur 142

Engenharia da Produção

Graduação em Engenharia Mecânica


Gerenciamento da Cadeia de
Suprimentos
Terminologia
• Cadeia logística
• Cadeia de suprimentos
• Cadeia logística e suprimentos
• Cadeia de abastecimento
• Logística
• Gestão de materiais
• Gestão de compras ou abastecimento
• Produção como elo da cadeia logística
Logística
• Arte dos militares
• Planejamento de itens
• Armazenamento de itens
• Distribuição de itens
• Manutenção sistemática
Gestão de Materiais

Recursos Processo Bens/Serviços


Recursos materiais são indispensáveis.
A administração de materiais lida com
o gerenciamento dos recursos
materiais de um sistema produtivo
para que a operação seja um sucesso.
Prover o material certo, no local de
operação certo, no instante correto,
em condição adequada e a um custo
mínimo.
Administração de Materiais
• O cliente da administração de
materiais é o sistema de operações
• Conhecer as necessidades da
produção para atender seus
requisitos
Gestão de Compras e Fornecimento
• Suprimento
• Abastecimento
• Obtenção de materiais
Gerenciamento da interconexão de organizações
que se relacionam umas com as outras por meio de
vínculos upstream e downstream
entre os processos que produzem valor
para o consumidor final na forma de produtos e serviços.
Abordagem holística para gerenciar os limites da empresa.
Na cadeia de suprimentos, os produtos são processados por
diferentes operações na cadeia e também armazenados em
pontos diferentes.
Cada operação na cadeia deve estar satisfazendo seu
próprio cliente, mas também garantindo que,
eventualmente, o cliente final também esteja satisfeito.
Slack
Objetivos
• Prover o material certo
• No local certo
• No instante correto
• Em condição adequada
• Custo mínimo
• Requisitos dos clientes finais
• Objetivos de desempenho
Objetivos de Desempenho
• Qualidade
• Função de cada operação na cadeia
• Pode produzir erros em cadeia
• Rapidez
• Tempo gasto pelos bens e serviços
para percorrer a cadeia
• Excesso de recursos ou excesso de
estoque na cadeia de suprimentos
• Giro
Objetivos de Desempenho
• Confiabilidade
• Garantir a entrega no prazo
• Pedidos excessivos ou pedidos
antecipadamente
• Flexibilidade
• Capacidade da cadeia de lidar com
mudanças e distúrbios
• Demanda do cliente x capacidades
de fornecimento das operações
dentro da cadeia.
Objetivos de Desempenho
• Custos
• Encontrar fornecedores
apropriados
• Monitorar o desempenho do
suprimento
• Transporte do produtos entre
operações
• Manter estoques
• Acordos de parceria
• Redução do número de
fornecedores
Atividades Principais
• Adquirir
• Transportar
• Armazenar
Desafios e Decisões
• Tipos de Sistemas de
Produção
• Capacidade
• Estratégias empresariais
• Transição físico x virtual
• Pulmão (estoques)
• Localização
• Custos relacionados
• Tamanhos de lote
Atividades Principais
Atividades Principais
• Aquisição (compras)
• Roteiro e Localização
• Transporte
• Armazenamento
Aquisição (compras)
• Ordens de compra, pedidos (despesas com
pessoal)
• Baixo custo de aquisição (economia de escala)
• Entrega com rapidez adequada
• Continuidade de fornecimento
• Consistência de qualidade
• Relação favorável com fornecedor
• Ganha-ganha
• Múltiplos fornecedores
• Desenvolvimento de fornecedores
• Bons registros
• Acompanhamento e monitoramento
Roteiro, calculo de localização
• Transporte próprio
• Rota ou plano de viagem
• Roteirização e programação de
veículos
• Balanceamento de viagens com e
sem carga
• Localização dos depósitos:
dimensionamento do local de
armazenagem
• Controle de estoques
Transporte
• A movimentação e chegada dos
materiais acontecem
coordenadas com as exigências
da operação.
• Modais e seus riscos
• Método de transporte
• Roteiros
• Utilização da capacidade dos
veículos
Armazenamento
• Não há entregas ou consumos
instantâneos
• Amortecedores entre oferta e
demanda
• Não atender a produção por excesso
ou escassez
• Envolve empatar o capital de giro
• Custos decorrentes da armazenagem
(obsolescência, custo com pessoal,
custo do armazenamento)
• Envolve clientes insatisfeitos (falta) -
compra desastrosa
Armazenamento
• Recebimento (inspeção de
qualidade)
• Manutenção de estoques
• Local do estoque, perto dos
fornecedores ou consumidores
• Administração cuidadosa,
manter estoque baixo
garantindo a disponibilidade.
Embalagem do Produto
• Facilitar manuseio e
armazenamento
• Promover melhor utilização do
equipamento de transporte
• Proteger o produto
• Promover venda do produto
• Alterar a densidade do produto
• Facilitar o uso do produto
• Prover valor de reutilização
Localização
Decisões em Localização
• Afetam custos de uma operação
• Envolvem a capacidade de atender clientes (receitas)
• Difíceis de desfazer (custo e riscos)
• Nem sempre possui justificativas lógicas
• Razões históricas
• Afetadas pela localização da demanda por seus bens e serviços
• Afetadas pela localização de seus fornecedores
• Afetadas pela variações no volume
• Afetadas por outros fatores (geográficos, alteração de ciclo de vida ou fase
do ciclo)
Objetivos
• Minimizar custos de variáveis geográficas
• Maximizar receita
• Maximizar atendimento ao cliente
Pontos de vista
• Lado da Oferta
• custo do trabalho
• custo da terra
• custo da energia
• custo do transporte
• fatores comunitários
• Lado da demanda
• habilidade dos trabalhadores
• adequação do site
• imagem
• conveniência para os consumidores
Fatores comunitários
• Derivam do ambiente social, político e econômico de seu site
• taxas de imposto locais
• restrições de movimentação de capital
• assistência financeira do governo
• ajuda de planejamento de governo
• estabilidade política
• atitudes locais em relação ao "investimento interno"
• idioma
• comodidades locais (escolas, teatros, lojas, etc.)
• disponibilidade de serviços de suporte
• história de relações de trabalho e comportamento
• restrições ambientais e eliminação de resíduos
• procedimentos e restrições de planejamento.
Técnicas de localização
• técnicas sistemáticas e quantitativas
• Apoio a decisão
Método da Ponderação Qualitativa
• Identificação de critérios de avaliação
• Avaliação de cada localização de acordo com cada critério
• Estabelecimento de importância relativa entre critérios
• Escala de pontuação arbitrária

• = ponderação final para a localidade
• =fatores
• =valor do Fator j para a localidade i
• = peso relativo do fator j
1) Exercício
Três localidades estão sendo consideradas
para instalação de uma determinada Critério Peso A Peso B
organização e alguns fatores estão sendo Mão-de-obra 3 2
ponderados para que os gestores possam
decidir. Para cada fator, uma equipe de Clima 1 2
análise, atribui notas, para cada instalação por
fator, de 1 a 5, sendo 5 muito favorável e 1 Transporte 3 2
muito desfavorável, conforme tabela ao lado. Atitudes da 1 3
A mesma equipe de análise definiu que o fator comunidade
energia, transporte e mão-de-obra são mais Água 5 2
importantes (classificação máxima), o clima e
a água teriam importância mediana e a Energia 5 4
atitude da comunidade, importância mínima.
Usando o método da ponderação qualitativa,
verifique qual a melhor localização.
Método da Análise Dimensional
• Semi-qualitativo
• Custos e Qualitativo
• Identificação de critérios de avaliação
• Avaliação de cada localização de acordo com cada critério qualitativo
• Identificar valores para cada localização (critério quantitativo)
• Estabelecimento de importância relativa entre critérios
• Escala de pontuação arbitrária
• ,
, ,
..... ,
, , ,
• = Coeficiente de mérito
• =valor do Fator j para a localidade i
• = peso relativo do fator j
• Regra geral se , Localização 1 é preferível
2) Exercício Critério
Custo fixo
A
7.000 8.200
B C
6.000
Custo variável 0,36 0,23 0,42
Uma fábrica de alumínio deseja Transporte 1 2 1
estabelecer-se em algumas localidades Serviços de infra 1 1 2
pré-escolhidas, das quais conhecemos as estrutura
informações da tabela ao lado. Energia 2 1 1
Uma equipe de analistas avaliou a
importância entre os critérios e atribuiu Critério Importância relativa
pesos. Custo fixo 4

Usando o método da análise dimensional, Custo variável 4


verifique qual a melhor localização. Transporte 2
Serviços de infra 1
estrutura
Energia 1
Método do Centro de Gravidade
• Rede de instalações ou mercados já existentes
• Localização das instalações (coordenadas x, y)
• Volume transportado
• Critério de minimização dos custos
• Analogia física do centro de gravidade
• Utiliza Demanda de transporte (peso ou unidade)
Método do Centro de Gravidade
• Coordenadas horizontal e vertical para cada instalação/mercado
• Pode usar ponto médio
• Identificar custo do transporte na direção da instalação/mercado
• Identificar volume transportado para a instalação/mercado
∑ ∑
• ∑
ou ∑
∑ ∑
• ∑
ou ∑
• , = coordenada da instalação/mercado
• = custo de transporte na direção da instalação/mercado
• =volume transportado na direção da instalação/mercado
3) Exercício
Uma empresa que opera quatro centros de
jardinagem de fora da cidade decidiu manter
todos seus estoques de produtos em um
único depósito. Cada centro de jardinagem,
em vez de manter grandes estoques de
produtos, enviará seus pedidos por fax para
a equipe do armazém, que fará o
reabastecimento do estoque para cada
centro de jardinagem, se necessário.
A localização de cada centro de jardinagem
é mostrada no mapa ao lado e cada centro
possui diferentes volumes de vendas
semanais: o centro A com 5 cargas de
caminhão/ semana, o centro B com 10, o C
com 12 e o D com 8.
Usando o método de centro de gravidade
qual a melhor localização para o depósito.
Cadeia de Suprimentos
Gestão de Materiais

• Transporte interno
• Armazenamento
• Atividades que agregam valor no
sistema produtivo
Estoques - Definição
• Acumulação armazenada de
recursos materiais em um sistema
de transformação
• Quaisquer quantidades de bens
físicos que sejam conservados, de
forma improdutiva, por algum
intervalo de tempo.
Estoques - Definição
• Acumulação armazenada de
recursos materiais em um sistema
de transformação
• Quaisquer quantidades de bens
físicos que sejam conservados, de
forma improdutiva, por algum
intervalo de tempo.
Gestão de Materiais

Recursos Processo Bens/Serviços


Gestão de Materiais
• Matéria-prima
• Material de terceiro
• Produto em fabricação
(material em processo)
• Produtos acabados
Gerenciar estoques
• Identificar
• Estrutura de custos
• Outros fatores
• Tomada de decisão
Gerenciar estoques
• Identificar
• Estrutura de custos
• Outros fatores
• Tomada de decisão
Relação entre volume x
variedade e estoques
Relação Volume x Variedade
• Tipos de Processos
Tradicionais

Volume
• Sistemas contínuo
• Sistemas intermitentes
• Sistemas por projetos
• Definição do arranjo
físico

Variedade
Arranjo físico
• Definição
• Localização física dos recursos de transformação – instalações, máquinas,
equipamentos, pessoal de produção. Esta localização determina a
maneira em que os recursos transformados – materiais, informação e
clientes - fluem através do processo.
Vacinação em massa
Tipos de Arranjo Físico
• Recursos de transformação Contínuo x por produto, em fluxo, linha

segundo a melhor conveniência


do recurso transformado.
Roteiro pré-definido.
Vantagens e Desvantagens
• Tendem a ser automatizados
• Fácil controle
• Grandes volumes
• Alta produtividade
• Baixos custos unitários
• Baixa quantidade de estoque em
processamento
• Bastante vulnerável a falhas
• Tarefas altamente repetitivas
• Rigidez no sistema
Exames de análise
clínica
Tipos de Arranjo Físico
• As necessidades e Intermitente x por processo, lotes, bateladas

conveniências dos recursos de


transformação dominam a
decisão, processos similares
localizados juntos.
Vantagens e Desvantagens
• Flexibilidade do sistema
• Equipamentos mais baratos
• Manuseio de materiais tende a ser
ineficiente
• Estoques em processo
• Custos variáveis maiores
• Mão-de-obra mais especializada
Exame de
Hemodinâmica
Tipos de Arranjo Físico
Por projetos x fixo, posicional
• Os recursos transformados não
se movem, as instalações,
maquinarias, pessoas movem-
se para a cena do
processamento na medida do
necessário.
Vantagens e Desvantagens
• Dificuldade gerencial
• Baixa produção
• Baixo grau de padronização
• Alto custo
• Alta flexibilidade
• Estoques baixos
Tipos de Arranjo Físico
Estoques
• Por produto

Volume
• Por processo
• Fixo
• Misto
• Áreas nebulosas
• Celular

Variedade
Áreas Nebulosas
• Critérios de decisão Custo
Custo Total

• Custos
Custo variável
• Por produto

Custo fixo

Volume
Áreas Nebulosas
• Critérios de decisão Custo Custo Total

• Custos Custo variável

• Por produto
• Fixo ou posicional

Custo fixo

Volume
Áreas Nebulosas
• Critérios de decisão Custo

• Custos Custo Total


• Por produto Custo variável

• Fixo ou posicional
• Por processo

Custo fixo

Volume
Áreas Nebulosas
• Critérios de decisão Custo Custo Total
Custo Total

• Custos Custo variável


Custo Total
Custo variável
• Por produto Custo variável

• Fixo ou posicional
• Por processo
Custo fixo

Custo fixo

Custo fixo

Volume
Áreas Nebulosas
• Critérios de decisão Custo Projeto
Contínuo

• Custos Intermitente

• Por produto
• Fixo ou posicional Intermitente ou Contínuo?

• Por processo
Projeto ou Intermitente ?

Volume
Áreas Nebulosas
• Critérios de decisão Custo Projeto
Contínuo

• Objetivos de Desempenho Intermitente

• Qualidade
• Custo Intermitente ou Contínuo?
• Flexibilidade
• Rapidez
Projeto ou Intermitente ?
• Confiabilidade

Volume
Tipos de Arranjo Físico
• Por produto
• Por processo
• Fixo
• Misto
• Áreas nebulosas
• Celular
Arranjo Físico Celular
• É aquele em que os recursos
transformados são pré-
selecionados para
movimentar-se em uma
parte específica da operação
(célula) na qual todos os
recursos de transformação
necessários se encontram.
Arranjo Físico Celular
• Cara re-configuração
• Motivação
• Pode requerer capacidade
adicional
• Utilização de recursos
reduzidos
• Custos x flexibilidade bons
para variedade maior
• Atravessamento rápido
• Baixos estoques em
processamento
• Lotes menores
Gerenciar estoques
• Identificar
• Estrutura de custos
• Outros fatores
• Tomada de decisão
Estrutura de Custos
• Pontos de vista financeiro
• Investimento
• Quanto maior o estoque menor a taxa
de retorno
Estrutura de Custos
• Ponto de vista operacional
• Incentivar economias na produção
(economia de escala usando
grandes lotes)
• Permitir economias de escala nas
compras e transportes
• Proteção contra alteração de
preços
• Proteção contra contingências
Estrutura de Custos
• Ponto de vista operacional
• Proteção contra oscilação na
demanda ou no tempo de
ressuprimento
• Proteção contra dificuldade de
abastecimento
• Influência de campanhas
promocionais.
• Proteger contra incertezas
Estrutura de Custos
• Custo do item
• Custo unitário ou preço unitário, custo
de comprar ou produzir.
• Custo de pedir
• Custo da manutenção de toda a
estrutura da área de compras
• Custo de pessoal
• Aluguel
• Despesas de escritório
• Custo de transporte da mercadoria
• Custo de preparação das máquinas.
Estrutura de Custos
• Custo de manutenção
• Custo do capital de giro
• Custo de armazenagem
• Seguro
• Taxas
• Perdas
• Obsolescência
• Deterioração
• Furto
• Custo da falta de estoque ( perda ou atraso)
• Lucro perdido na venda e em vendas potenciais
• Custos extraordinários com transporte e
manuseio.
Lote Econômico de Compra
Lote Econômico de Compra (LEC)
• Sistema de controle de estoques
• Mais de 80 anos (comum)
• Hipóteses
• Introduz conceitos relevantes
• Equilibra vantagens e desvantagens
• Responde baseado nos custos
• Quando comprar
• Quanto comprar
Exercício 1
Um atacadista de materiais de construção obtém seu cimento de um
fornecedor único. A demanda de cimento é razoavelmente constante
ao longo do ano. No último ano, a empresa vendeu 2.000 toneladas de
cimento. Seus custos estimados de colocação de um pedido são de
cerca de R$ 25,00 cada vez que um pedido é colocado, e seus custos
anuais de manutenção de estoque são de 20% do custo de aquisição. A
empresa adquire cimento a R$ 60,00 por tonelada. Quanto cimento
deveria a empresa pedir por vez? Calcule uma faixa econômica de
compra de 5%.
Exercício 2
O departamento de compras de uma empresa está estudando um esquema
de descontos por quantidade, proposto por um dos fornecedores para um
componente utilizado na montagem de um certo produto. Esse esquema
prevê que, se a compra for feita em quantidade igual ou inferior a 2.000
unidades, o preço unitário será de R$700,00; para quantidades compradas
acima de 2.000 e 3.000 unidades, o preço unitário passa a R$ 690,00 e,
finalmente, para quantidades acima de 3.000 unidades, o preço baixa a R$
685,00.
O custo de processar o pedido para o item em questão é de R$ 15.000,00. A
demanda anual é estimada em cerca de 20.000 unidades e as taxas de juros
e armazenagem, juntas, sobem a 50%. Qual é a quantidade a ser
encomendada de cada vez? Qual o custo total anual em estoque que
acarreta? E o custo total do sistema?
Exercício 3
O departamento de montagem de uma companhia utiliza 50.000 peças
por ano, produzidas no departamento de fabricação. O custo unitário
da peça é de R$ 12.000 e os custos de armazenagem sobem a 50% do
custo unitário da peça. São gastos na preparação das máquinas R$
200.000,00. O departamento de montagem necessita de 200 peças por
dia, enquanto que o departamento de fabricação pode entrega-las à
razão de 400 unidades por dia. Determine o lote econômico de
fabricação.
Gráfica Dente Serra LEC
Estoque

Qc Qc Qc Qc

QMED

QRES

tp te tp te tp te tp te tp te
Tempo
Representação Gráfica do LEC
Custos
CT

CM’

CM

CP

Quantidade
Prioridade em Estoques
• Sistema ABC
• Movimentação de valor
• (taxa de uso x valor
individual)
Exercício 4
A Encadernadora de Livros Booker’s
classifica os itens de estoque em
três classes de acordo com o seu Peça n Descrição Unidade Qtde/ano Valor unitário (R$)
valor de consumo. Calcule o valor 1 Caixas Unidade 500 3
de consumo dos seguintes itens do
estoque e determine quais são os 2 Cartões Pés quadrados 18.000 0,02
mais aptos a serem classificados 3 Capas Unidade 10.000 0,75
como itens tipo A. Considerando 4 Cola Galões 75 40
que existe apenas um fornecedor
para as fitas de reforço e que nos 5 Capas internas Unidade 20.000 0,05
últimos meses a empresa tem 6 Fita de reforço Metros 3.000 0,15
passado sérios problemas de 7 Marcador unidade 150.000 0,45
fornecimento como ficaria a
classificação ABC?
MRP
Tipos de demanda Em declínio
Permanente
Dependente
Sazonal
Irregular
Demanda

Tempo
Demanda Dependente
• Assegurar que os recursos necessários para produzir bens acabados
ou serviços encontrem-se disponíveis na ocasião certa.
• milhares de subconjuntos
• componentes
• matérias-primas
MRP
• Sistema Computadorizado
• Anos 60
• Filosofia MRP
• Planejamento das necessidades materiais
Definição
• Sistema de informações computadorizado que auxilia as empresas na
administração do estoque de demanda dependente e na
programação de pedidos de reposição.
Plano mestre Outras
de produção fontes de
demanda

Registros de Explosão do Lista de Estrutura do


estoque MRP materiais produto
(lead time) (BOM)

Plano de necessidades de materiais


MRP – Insumos Necessários
• Plano mestre de produção: Declaração da quantidade e momento em que
os produtos finais devem ser produzidos.
• Estrutura do produto: Descreve todas as relações pai-filho, entre itens que
são componentes de um mesmo produto final
• Lista de materiais: Lista estruturada de todos os componentes do produto.
• Mostra a relação hierárquica entre o produto e os componentes – quanto
de cada componente é preciso para se ter uma unidade do produto.
• Lead Time: Tempo de espera entre o pedido e a entrega do produto.
• Registros de Estoques
• Movimentação
MRP – Princípio Básico
• Calculo das necessidades
• Brutas
• Líquidas (estoques)
• Parte-se das necessidades de entrega dos produtos finais
(quantidades e datas)
• Calculam-se, para trás, no tempo, as datas em que as etapas do
processo de produção devem começar e acabar
• Determinam-se os recursos, e respectivas quantidades, necessários
para que se execute cada etapa.
MRP - Resultados
• Tabela do Plano Mestre de Produção
• Ordens planejadas
• Aviso de liberação de ordens
• Mudanças nas datas de entrega
• Cancelamento ou suspensões de ordens
MRP –Objetivos
• Cria programas identificando as peças específicas e os materiais
necessário para produzir os itens finais requeridos - o número exato
necessário e as datas que estes pedidos deveriam ser feitos.
• Permite o cumprimento dos prazos de entrega com mínima formação
de estoques.
• Auxiliam as empresas a planejar e controlar suas necessidades de
recursos com o apoio de sistemas de informação computadorizados.
Exercício Uma fábrica de móveis possui o Plano Mestre de
Produção a seguir, para uma mesa do seu portfolio
Semana 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10

Demanda 500 400 600 600 200 300

Conhecendo-se as informações abaixo, desenvolver a


programação para cada um deles, mostrando as
necessidades brutas e líquidas, os estoques disponíveis
ao início de cada semana e a liberação de ordens para
as várias fabricações e a montagem final da mesa.

Tempo de Estoque disponível Lote de montagem ou


Item
espera (semana 1) fabricação (pç)

Mesa 1 200 600


Tampo 1 300 600
Ventosas 2 2400 1500
pés 2 1000 500
Estrutura 1 600 300
Placas menores 1 200 400
Placas maiores 1 400 400
Processador de lista de materiais
que convertia um plano de
produção de um produto final
(demanda independente) em um
plano de compras ou produção de
seus itens, componentes (demanda
dependente).
Pedidos dos Previsões
clientes

Plano mestre de produção

Registros de estoque Explosão do Lista de materiais


Transações de estoque MRP Processo de produção
Tempos-padrão

Plano de Necessidades de Materiais

Custos e dados
Plano de Necessidades de manufatura financeiros

Relatórios diversos
Definição MRP II
O MRP II consiste em auxiliar o gerenciamento dos recursos de uma empresa
fornecendo informações baseadas no plano de produção para todas as áreas.
Permite que os gerentes testem cenários “e se” usando a simulação, e as
informações geradas pelo MRP II são usadas pelos gerentes nas áreas de
manufatura, compras, marketing, finanças, contabilidade e engenharia.
Entradas no Sistema
• Marketing
• Previsões da demanda de curto prazo
• Finanças/ contabilidade
• Disponibilidade de caixa
• Diretrizes do estoque
• Produção
• Restrições a capacidade
• Desenvolvimento do MPS
• Desenvolvimento do MRP
Entradas no Sistema
• Engenharia
• Mudar projetos de produto
• Manter atualizado a estrutura do produto
• Pessoal
• Disponibilidade de empregados
• Compras
• Previsão de demanda
Evolução da
Filosofia
MRP
Planejamento é a atividade de estabelecer
metas e estabelecer os meios necessários à
realização destas metas.
Planejar não é adivinhar e não se restringe
às previsões e nem elaboração de
orçamentos.
Ele é um processo de reflexão que leva a
tomar decisões hoje sobre as coisas que
ele quer que aconteça no futuro.
O exercício de definir caminhos.
Planejamento da Produção

Bens
Unidade Produtiva Serviços

Capacidade produtiva
Limitações
Demanda atual
e potencial
Classificação
Longo Prazo Curto Prazo

Previsão de Previsão Demanda


Demanda Agregada Real

Recursos Gerais Contigência

Objetivos Financeiros/
Financeiros Operacionais
Classificação
• Planejamento da Capacidade
• Planejamento Agregado
• Plano Mestre de Produção
Planejamento da Capacidade
“Atualmente, as empresas dos Estados
Unidos investem mais de 600 bilhões de
dólares a cada ano em novas fábricas e
equipamentos. As indústrias de serviço
são responsáveis por mais de 68% do total.
Esses investimentos consideráveis exigem a
participação e a aprovação da alta
administração, porque eles não são
facilmente revertidos.”
Por que planejar a capacidade?

• Alto investimento
• Retorno do investimento
• Decisão estratégica
• Envolve previsão de demanda e pesquisa de mercado
• Longo prazo
Definição
• “Capacidade é a quantidade máxima de produtos e serviços que
podem ser produzidos numa unidade produtiva, num dado intervalo
de tempo.” Moreira
• “ Máximo nível de atividade de valor adicionado em determinado
período de tempo, que o processo pode realizar sob condições
normais de operação” Slack
• “Capacidade é o maior nível de produção que uma empresa pode
manter razoavelmente empregando horários de trabalho realistas dos
funcionários e o equipamento atualmente instalado”. Federal Reserve
Board – Census Bureau
Unidades de Medida
Lugares por espetáculo
Fogão, refrigerador
Eletricistas, mecânicos
Unidades de medida
• Insumos
• Produtos
• Fatores
• Produto/serviço personalizado
• Variedade do mix de produção
• Ciclo de vida do produto
Como medir a capacidade da produção?
• Produto
• Capacidade de equipamentos
• Capacidade de RH
• Gargalos
• Serviço
• Duração do atendimento
• Mix de serviço
1. Exercício
Uma central de cópias em um prédio de escritórios prepara relatório encadernados
para dois clientes. A central faz cópias múltiplas (tamanho do lote) de cada
relatório. O tempo de processamento para reproduzir, juntar e encadernar cada
cópia depende, entre outros fatores, do número de páginas. A copiadora opera 250
dias por ano, em um turno de 8 horas. A administração acredita que uma reserva
de capacidade de 15 por cento (além da quantidade incluída no tempo padrão) é
melhor. Ela possui atualmente três máquinas. Com base na tabela a seguir,
determine quantas máquinas são necessárias na central de cópias.

Item Cliente X Cliente Y


Previsão de demanda anual (n de copias) 2000 6000
Tempo básico de processamento ( 0.5 0.7
hora/cópia)
Tamanho de lote médio (cópias p/ relatório) 20 30
Tamanho básico de preparação (horas) 0.25 0.40
2. Exercício
Um fábrica de aparelhos de ar condicionado produz três modelos
diferentes de aparelho: o luxo, o padrão e o econômico. O luxo pode
ser montado em 1,5 h, o padrão em uma hora e o econômico em
0,75horas. A área de montagem da fábrica tem disponibilidade de 800
horas de pessoal de montagem por semana.
Se a demanda para unidades de luxo, padrão e econômico estiver na
proporção 2:3:2, o tempo necessário para montar sete unidades,
conforme proporção será? Calcule o número de unidades produzidas
por semana?
Se mudar a proporção de demanda de unidades de luxo, padrão e
econômica para 1:2:4 quantas unidades serão produzidas por semana?
Qual a capacidade adequada?

Bens
Unidade Produtiva Serviços

Capacidade produtiva = Demanda atual


<< ou >> Demanda potencial
Custos associados

unitário
unitário
Custo

p
Custo

m g

Volume dedeprodução
Volume produção
Custos associados
Receita

Custo

Custo unitário
Custo Total

Custo variável

Custo fixo

Volume de produção
Volume
3. Exercício
• Uma planta industrial apresenta custos fixos de R$ 100.000,00
mensais e custos diretos médios de produção da ordem de R$ 15,00
por unidade produzida. O custo médio refere-se a uma linha de
produtos semelhantes, cuja composição deverá permanecer
aproximadamente constante. O preço médio de venda do produto
pode ser assumido como R$ 19,00 a unidade. Determinar:
a. Ponto de equilíbrio para a planta
b. Produção necessária para proporcionar um lucro mensal de R$
16.000,00
Qual a capacidade adequada?
• Economia de escala
• Utilização
• índice de produção média/ capacidade x 100%
4. Exercício
Penelope e Peter Legume possuem um pequeno escritório de
contabilidade e um computador pessoal. Se seus clientes mantiverem
registros organizados, qualquer um dos donos poderá usar o
computador para preparar uma declaração de imposto de renda por
hora, em média. Os sócios normalmente trabalham das 9 as 19 horas,
cinco dias por semana. Qual é a capacidade efetiva medida em
declarações por semana?
Durante a terceira semana de janeiro, o casal Legume processou 40
declarações. Qual é a sua utilização, medida como percentagem da
capacidade efetiva?
Estratégias de capacidade
• Determinar a oportunidade da expansão
• Determinar o tamanho da expansão
Estratégias de capacidade
• Capacidade antecipada à demanda
• Capacidade acompanhada a demanda
Estratégia de Antecipação a demanda
• Vantagens e Desvantagens
• Capacidade suficiente
• Receita maximizada
• Clientes atendidos
• Absorção de demanda não prevista
• Amenizam problemas operacionais
• Utilização baixa
• Custos altos
• Antecipação de desembolso de capital
Estratégia de Acompanhamento da demanda
• Vantagens e desvantagens
• Demanda suficiente
• Custos unitários minimizados
• Desembolso de capital adiado
• Capacidade insuficiente
• Redução de receita
• Inabilidade p/ atender aumentos de demanda de curto prazo
• Agrava problemas operacionais
Fatores que influenciam a capacidade

Bens
Unidade Produtiva Serviços

Capacidade produtiva < ou > Demanda atual


Demanda potencial
Fatores que Influenciam a capacidade
• Instalações
• arranjos físicos
• Composição dos produtos e serviços
• Diversidade x Padronização
• Projeto do processo
• Fatores externos
Fatores que Influenciam a capacidade
• Fatores Humanos
• Treinamento contínuo x treinamento esporádico
• Habilidade de RH
• Motivação
• Fatores Operacionais
• Qualidade de insumos
• Manutenção inadequada
• Gargalos
Teoria das Restrições
• A meta - Eliyahu Goldratt
• 1. IDENTIFICAR a restrição do sistema
• 2. EXPLORAR a restrição do sistema
• 3. SUBORDINAR tudo o mais à decisão acima
• 4. ELEVAR a restrição do sistema
• 5. Se num passo anterior a restrição for
quebrada, volte ao passo 1
MAS não deixe que a INÉRCIA se torne a
restrição do sistema