Vous êtes sur la page 1sur 7

FACULDADE EVANGÉLICA DE TÉCNOLOGIA, CIÊNCIAS

E BIOTECNOLOGIA DA CGADB

ISRAEL MENDES DOS SANTOS

RIO DE JANEIRO
2018
ISRAEL MENDES DOS SANTOS
COMENTÁRIO DE 2 JOÃO

Trabalho, apresentado ao Mestre Esdras


Costa Bentho, da cadeira de
Hermenêutica Do Curso de Bacharel em
Teologia da Faecad.

Rio de Janeiro
2018
Comentário de 2 João

1. Título: 2 João

2. Autor: O Ancião

Ancião é um substantivo usado no emprego dos judeus e cristãos, um título de


dignidade, um ancião; no plural, anciãos, o termo significava pessoas com maturidade e
experiência com idade avançada que eram responsáveis por tratar de assuntos públicos.
Eram encarregados da administração e governo de igrejas individuais.

3. Destinatário: Senhora eleita e seus filhos

Em função da perseguição sofrida pela igreja nos primeiros séculos, parece


ser unanime a ideia entre os pesquisadores que para postagens específicas, era
comum o uso de símbolos entre os cristãos e outras técnicas de comunicação que
eram feitas principalmente através do uso de cartas. Senhora eleita ou kyria era
uma forma usual para o autor poder fazer referência a uma congregação cristã local,
fazendo uso do termo simbólico que a princípio parecia ser direcionado a uma
mulher. Porém é possível verificar na bíblia uma série de passagens que citam o
termo apontando para uma igreja. Uma dessas passagens bem conhecidas está
registrada na primeira epístola de Pedro 5.13 em forma de saudação. À “Igreja que
está em Babilônia, eleita convosco”. A alternância do uso da segunda pessoa do
singular (2 Jo 1.5) e da segunda pessoa do plural (vv. 6-12) reforça a ideia do uso
simbólico para indicar a igreja.

4. Data da composição: (85-90 d.C)

5. Objetivos:

5.1. Aconselhar a comunidade cristã viver na verdade


5.2. Instrui-los contra os falsos mestres.

6. Contexto Histórico

De acordo com o Dicionário Bíblico Wycliffe (2000, p 1057) Era provável que
existia uma razão para escrever uma carta tão objetiva, possivelmente o
destinatário estaria localizado em Pérgamo (Ap. 2,12-17), e as orientações eram
claras! Não deveriam receber os falsos mestres visitantes que não estivessem à

1
altura da confissão da Igreja em relação a vinda de Jesus em carne (vv. 7-11),
confissões estas que desqualificariam a humanidade de Cristo.

7. Palavras-chave: Amor, verdade e mandamento.

7.1. Amor

ἀγάπη (agápē) afeição ou benevolência; especialmente (plural) uma festa de amor,


festa de caridade, de amor caridoso e querido.

7.2. Verdade

αλήθεια (alētheia) verdadeiro, verdadeiramente, verdade, veracidade, aquilo que não


está oculto mas pode ser aberto e pode ser conhecido; por isso, verdade.

7.3. Mandamento

εντολή (entolē), “mandamento”, “ordem”; ἐντέλλομαι (entellomai), “mandar”, “dar


ordens”, “ordenar”.

8. Gênero literário: Epistolar

Este gênero literário encontramos em grande parte do Novo Testamento, são


ao todo 21 cartas, a maioria de Paulo, mas também de Pedro, Judas, e a aqui
tratada sendo de João. Quando se trata do uso de carta, sua finalidade é para a
comunicação mútua entre um remetente e o destinatário, ambos conhecidos, se
caracterizando pelo vínculo de uma situação específica. Já as epístolas têm seu alvo
mais abrangente, apesar de sua composição técnica como é característico de cartas
como destinatário, saudação, interlocução e despedida, a epístola é direcionada a
remetentes específicos tendo um público maior para se atingir.

9. Estrutura:

I. Prefácio e Saudação (1-3)

II. Exortação a permanecer na verdade (4-6)

III. Exortação contra os falsos ensinadores (7-11)

2
IV. Anseio em estar com os irmãos (12)

V. Saudação da eleita (13)

10. Comentário:

10.1. Prefácio e Saudação (1-3)

A carta é iniciada com o remetente identificando-se como ancião, sendo esta


a forma de tratamento para com uma autoridade daquele período, fruto da cultura
judaica desde os tempos de Moisés (cf ex 3:16-18). Nos primeiros versículos, o
autor, declara com muito amor e intimidade a destinatária suas considerações a bem
do amor e da verdade. Existem duas linhas de interpretação mais populares onde os
primeiros pesquisadores afirmam que a "senhora eleita" ou "Kyria" fazia parte da
comunidade cristã em Éfeso, e sua casa servia de congregação local. Já a segunda
teoria (mais sólida pelo contexto da carta nos próximos versículos) informa que essa
senhora, juntamente com seus filhos, representam a figura de uma mulher,
apontando à igreja local, seus filhos sendo os membros.

10.2. Exortação a permanecer na verdade (4-6)

O autor declara sua alegria por achar que alguns dos filhos da “senhora
eleita” se encontram no caminho da verdade. Seu apelo ao fazer um pedido
baseado no conhecimento comum à igreja, acerca dos mandamentos bíblicos
parece resolver parcialmente a questão da identidade da destinatária. Desenvolve a
ideia central do texto evocando a obediência ao mesmo mandamento que no
passado não muito distante já o faziam juntos, amando-se uns aos outros. Aqui
parece ser revelado o amor como fruto das intenções do Pai e do Filho em forma de
sacrifício que gerou graça no ser humano e para com todo crente em Cristo,
gerando misericórdia (perdão dos pecados), resultando a cruz (sacrifício) para
redenção.

10.3. Exortação contra os falsos ensinadores (7-11)

3
O autor faz um alerta à igreja local com o intuito de preservar sua integridade
confessional, alertando-os quanto aos riscos iminentes de serem persuadidos pelos
falsos ensinadores, os quais são chamados de anticristos

10.4. Anseio em estar com os irmãos (12)

De forma prática, fica claro, nesse contexto, que o assunto que o autor
precisava de fato tratar com aquela comunidade era muito sigiloso, fundamentando
a ideia de muitos estudiosos a respeito da perseguição que a igreja sofria naquele
período. Ele resume o texto deste versículo informando a impossibilidade de
registrar tais informações, limitando-os a recebê-las pessoalmente, um por um (boca
a boca), para que pudesse ser o mais claro e objetivo possível, já que eram muitos
assuntos a serem tratados.

10.5. Saudação da eleita (13)

O versículo final expressa a importância da fraternidade entre os cristãos


finalizando a carta com uma saudação por parte dos filhos (membros) da irmã, a
eleita, concretizando a ideia de se tratar de fato de uma igreja ligada a uma
comunidade cristã local.

11. Referências Bibliográficas

4
ALMEIDA, João Ferreira, A Bíblia Sagrada Revista e Corrigida 4ª Ed, 2009, CPAD,
RJ.

ALMEIDA, João Ferreira, Bíblia de Estudo Palavra Chave, 4ª Ed, 2009, CPAD, RJ.

R.N. Champlin, O Novo Testamento Interpretado Versículo por Versículo. Ed.


Hagnos, SP.

BENTHO, Esdras Costa. Hermenêutica Fácil e Descomplicada, 20ª impressão 2017,


RJ. CPAD.

HORTON, Stanley M. ed. Teologia Sistemática, 1ª Ed, 1996, RJ. CPAD.

WYCLIFFE, John. Dicionário Bíblico, 4ª Ed 2000, CPAD, RJ.

GRAY, Daniel. Dicionário Teológico do Novo Testamento, 1ª Ed, 2012, VIDA NOVA,
SP

CESARÉIA, Eusébio de, História Eclesiástica, 1ª Ed, 1999, RJ, CPAD.

NORONHA, Lailah de Manual Bíblico SBB, 2ª Ed, 2000, SP, SBB.

COLIN BROWN, Lothar, Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento,


2ª Ed, 2000, SP, VIDA NOVA

WEGNER, Uwe, Exegese do Novo Testamento, 8ª Ed, 2016, RS, SINODAL