Vous êtes sur la page 1sur 15

O Ronda do Quarteirão – relatos

de uma experiência
Artigos

César Barreira
César Barreira é doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo, professor titular da Universidade Federal do Ceará e

UMUJZWLW4IJWZI\ÏZQWLM-[\]LW[LI>QWTÆVKQI4->=.+8M[Y]Q[ILWZ)LW+WV[MTPW6IKQWVITLM,M[MV^WT^QUMV\W+QMV\ÉßKWM
O Ronda do Quarteirão – relatos de uma experiência
César Barreira e Mauricio Bastos Russo

Tecnológico e do INCT, projeto “Democracia, violência e Segurança Cidadã”. Atualmente é diretor-geral da Academia Estadual de

;MO]ZIVÃI8ÖJTQKILW+MIZ½

Universidade Federal do Ceará - Fortaleza- CE- Brasil


lev@ugc.br

Mauricio Bastos Russo


Mauricio Bastos Russo é doutorando em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará, pesquisador do Grupo de Pesquisa
Violência e Cidadania (IFCH/UFRGS), do Laboratório de Estudos da Violência (LEV/UFC) e do INCT, projeto “Democracia, Violência
M ;MO]ZIVÃI +QLIL¿u )\]ITUMV\M Å KWWZLMVILWZ LI +ÅT]TI LM )T\W[ -[\]LW[ MU ;MO]ZIVÃI 8ÖJTQKI LI )KILMUQI -[\IL]IT LM

;MO]ZIVÃI8ÖJTQKILW+MIZ½

Universidade Federal do Ceará - Fortaleza- CE- Brasil

mbr.russo@gmail.com

Resumo
O objetivo deste artigo é discutir a implantação do Programa Ronda do Quarteirão no Estado do Ceará e analisar a
recepção por parte dos meios de comunicação e, principalmente, pela população de Fortaleza, bem como seus efeitos
práticos nas taxas de criminalidade e violência. O Ronda do Quarteirão constituiu uma das principais propostas na
½ZMI LM [MO]ZIVÃI XÖJTQKI LW MV\¿W KIVLQLI\W I OW^MZVILWZ +QL .MZZMQZI /WUM[ KWV\ZQJ]QVLW NWZ\MUMV\M XIZI []I
^Q\ÏZQIVIMTMQÿWLM;]IQUXTIV\IÿW\M^MQVÉKQWKWUWXZWOZIUIXQTW\WVWU]VQKÉXQWLM)Y]QZIbMURIVMQZW
LMMXW[\MZQWZUMV\MNWQIUXTQILIXIZI.WZ\ITMbIM[]I:MOQ¿W5M\ZWXWTQ\IVIQVKT]QVLWU]VQKÉXQW[LMUIQ[LM
mil habitantes. A proposta deste programa foi criar uma polícia de proximidade, com viaturas modernas, atuando em
]UI½ZMILMTQUQ\ILILMI\Å\ZÆ[Y]QTÐUM\ZW[Y]ILZILW[-[\MI[XMK\WZMNWZÃI^IIM[\ZI\ÅOQILM]UXWTQKQIUMV\WLM
XZW`QUQLILM)Y]ITQßKIÿW[MXZWXÑMI[MZLQNMZMVKQILILW[LMUIQ[XWTQKQIQ[[WJZM\]LWKWV[QLMZIVLWWZM[XMQ\WIW[
direitos humanos. Porém, antes mesmo de começar a funcionar, o programa recebeu críticas pelo alto custo das viaturas
adquiridas e por adotar um uniforme diferente do utilizado pela Polícia Militar do Ceará, criando uma divisão dentro da
Corporação entre aqueles que são do Ronda do Quarteirão e os que não são. Apesar disso, o programa contou com apoio
da população, resultando na diminuição da sensação de insegurança dos fortalezenses.

Palavras-Chaves
+MIZ½#:WVLILW9]IZ\MQZ¿W#8WTÉKQI5QTQ\IZ#>QWTÆVKQI

282 Rev. bras. segur. pública | São Paulo v. 6, n. 2, 282-297 Ago/Set 2012
Artigos
O programa Ronda do Quarteirão foi
a principal proposta na área de segu-
rança pública na campanha para o governo do
de”. Nesse sentido, os debates buscam a adesão
dos eleitores, significando que, além da escolha
de um representante, é também feita a opção
Estado do Ceará de 2006, do então candida- por determinado lado da sociedade. No debate

O Ronda do Quarteirão – relatos de uma experiência


César Barreira e Mauricio Bastos Russo
to Cid Ferreira Gomes, contribuindo para a sobre a segurança pública, surgem os defensores
sua vitória. Este programa apresentava como e guardiões da moralidade e da implantação da
focos prioritários: a criação de uma “polícia lei e da ordem.
de proximidade, a utilização do uso legal e
proporcional da força, por meio do irrestrito Oportunamente, o discurso político busca
respeito aos direitos humanos e aos princípios explorar momentos de insegurança e de au-
de cidadania. Buscava-se a qualificação pro- mento da criminalidade no “tempo da políti-
fissional em consonância com a utilização de ca”, muitas vezes mediante casos emblemáti-
tecnologia avançada e, principalmente, com a cos de homicídios, classificados como atos de
interação com a comunidade”.1 Tratava-se de “crueldade”. Este jogo político, no entanto,
uma proposta inovadora, que pretendia criar contribui para dois movimentos − o de triviali-
uma “nova polícia” que atendesse às demandas zação da violência e o incremento exaustivo de
da população em termos de segurança pública. visibilidade −, que, em boa parte, impossibi-
litam uma explicação dos fatores do aumento
Naquele ano eleitoral, o Estado do Ceará vi- da criminalidade e da violência nas sociedades
via um clima de grande insegurança e intranqui- contemporâneas, bem como subvertem a apli-
lidade e os órgãos responsáveis pela segurança cação da lei e da ordem dentro dos princípios
pública demonstravam um intenso descrédito de respeito à cidadania e aos direitos humanos.
junto à população. Os períodos que antecedem
os momentos eleitorais refletem, de maneira ge- Esta forma de publicidade das práticas vio-
ral, os problemas sociais e trazem à baila o acir- lentas e do aumento da criminalidade mobili-
ramento das contradições e conflitos políticos, za as opiniões dos mais diversos grupos sociais
possibilitando um desvendamento das práticas convocados, nessas circunstâncias, a emitir ou
e dos mecanismos sociais. Este momento, de- revalidar um julgamento de valor. O Progra-
finido por Beatriz Herédia e Moacir Palmeira ma Ronda do Quarteirão surgiu neste cenário
(2006) como o “tempo da política”, é marcado com forte apelo social, bem como com grande
pelas renhidas disputas políticas, cujo objetivo aceitação popular, corroborando intensiva-
não é só vencer a eleição, mas “fazer com que a mente para a vitória expressiva de Cid Ferreira
facção confunda-se com o conjunto da socieda- Gomes. Com a proposta de um policiamento

Rev. bras. segur. pública | São Paulo v. 6, n. 2, 282-297 Ago/Set 2012


283
moderno, expressivamente marcado pelo lado publicitário. O uniforme dos policiais, criado por
comunitário e de proximidade, o Ronda do renomeados estilistas, e as sofisticadas viaturas, da
Quarteirão buscava diminuir a intranquilidade marca Hilux, modernas e bem equipadas, deram
Artigos

e a insegurança na população cearense. os ingredientes do embate político e de opiniões


da população. Se, por um lado, esses aspectos
Nesta perspectiva, pode-se dizer que a legi- deram grande visibilidade ao programa, possi-
timidade de um governo, em grande parte me- bilitando colocá-lo na frente do debate político,
dida por sua capacidade de manter a ordem, com seus acertos e fissuras, por outro, dividiram
foi novamente confirmada. Sob este aspecto, a opinião pública entre aqueles a favor e contra
David Bayley (2001), estudioso das práticas a proposta. A vitória eleitoral do candidato pro-
O Ronda do Quarteirão – relatos de uma experiência
César Barreira e Mauricio Bastos Russo

policiais e dos órgãos de segurança, traz exce- positor da matéria, instigando no imaginário po-
lente reflexão, ao ensinar que, pular uma polícia mais moderna, racional e bem
a manutenção da ordem é a função essencial equipada, mostrou que a maioria estava a favor.
do governo. Não apenas a própria legitimi- O círculo vicioso “violência, insegurança, medo
dade do governo é em grande parte determi- e mais violência” foi afetado positivamente, ha-
nada por sua capacidade de manter a ordem, vendo sensível diminuição na sensação de inse-
mas também a ordem funciona como critério gurança por parte da população, bem como uma
para se determinar se existe ou não governo. melhoria na relação polícia e comunidade.
Tanto conceitual quanto funcionalmente, go-
verno e ordem andam juntos. [...] As ativida- Com este cenário político, o presente artigo
des policiais também determinam os limites tenta analisar a implantação do Programa Ronda
da liberdade em uma sociedade organizada, do Quarteirão no Estado do Ceará, a recepção
algo essencial para se determinar a reputação pelos meios de comunicação e os impactos no
de um governo. Embora governos imponham seio da população, bem como os efeitos práticos
restrições de outras maneiras, a maneira pela nas taxas de criminalidade e violência em For-
qual eles mantêm a ordem certamente afeta taleza. Como fonte foram utilizados dados da
de modo direto a liberdade real. Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social
(SSPDS) do Ceará, para o período de 2007 a
Os problemas ligados à área de seguridade 2009. Embora a qualidade das informações ofi-
pública são politizados na medida em que a legi- ciais seja contestada pela literatura sociológica,2
timidade dos governos é predominantemente de- é impossível negar sua importância, pois possi-
terminada por sua capacidade de manter a ordem bilitam, mesmo que minimamente, ter um pa-
e uma possível “paz pública”. Em outras palavras, a norama da violência no Brasil.
“presença” ou a “ausência” do governo é avaliada e
mensurada, no imaginário da população, pela ca- Em adição aos “dados oficiais”, trabalhou-se
pacidade de manter a ordem e a segurança pública. com informações veiculadas nos jornais O Povo
e o Diário do Nordeste, principais diários do Es-
O Programa Ronda do Quarteirão foi confi- tado do Ceará. Embora as informações presentes
gurado e concebido dentro de um preciso marco na mídia sigam uma lógica própria, muitas vezes

284 Rev. bras. segur. pública | São Paulo v. 6, n. 2, 282-297 Ago/Set 2012
pautada por temáticas que tenham maior apelo na região metropolitana: Aldeota/Meireles/Praia
social ou repercussão junto à população, as “fon- de Iracema, Centro, Bom Jardim, Jangurussu e
tes não oficiais” cumprem duplo papel. Primeiro Conjunto Jereissate I, II e III, no município de

Artigos
permitem contrapor os “dados oficiais”, com a Maracanaú. Em fevereiro de 2008, o Programa
ressalva de que a contabilidade dos indicadores foi ampliado para 76 áreas, chegando a quase to-
pela mídia segue uma metodologia própria, que dos os bairros de Fortaleza, que possui um total
não é necessariamente a mesma utilizada pelos de 91 áreas. Em junho de 2008, 20 novas áreas
órgãos de segurança pública. No segundo mo- de atuação foram incluídas, abrangendo assim as
mento, e que é mais importante, as informações regiões de Fortaleza, bem como dos municípios
disponibilizadas pela mídia ajudam na (re)cons- de Caucaia e Maracanaú. Um ano depois, em

O Ronda do Quarteirão – relatos de uma experiência


César Barreira e Mauricio Bastos Russo
trução da “atmosfera” no período da implantação junho de 2009, o Ronda do Quarteirão che-
do Programa Ronda do Quarteirão (RQ). Este gou ao interior do Estado, nas cidades de So-
estudo ficou restrito ao primeiro período (2007 a bral, Juazeiro do Norte e Eusébio, este último
2010) de implantação do programa, o qual cor- pertencente à grande Região Metropolitana de
responde a um mandato político. Esta opção se Fortaleza. Em julho, o Programa foi ampliado
deu pelo fato de esse programa ser uma experi- para os municípios de Pacatuba, Itaitinga e Ma-
ência recente e que está passando por mudanças, ranguape e, em agosto, para Barbalha, Crato,
podendo implicar outros aspectos de análise. Canindé, Iguatu e Itapipoca. No mês de setem-
bro, o Ronda do Quarteirão chegou a Crateús,
A implantação e a repercussão na mídia Horizonte, Pacajus, Chorozinho e São Gonçalo
do Ronda do Quarteirão do Amarante. Em dezembro de 2009, toda a Re-
O programa-piloto do Ronda do Quartei- gião Metropolitana de Fortaleza, composta por
rão iniciou em 10 de janeiro de 2007, no Porto 23 municípios (divididos em 193 áreas), já fazia
das Dunas, região litorânea, a qual concentra parte do programa Ronda do Quarteirão.
um polo de lazer turístico e uma zona de ve-
raneio de classe média alta. Esta área pertence É importante destacar o fato de que, de
ao município de Aquiraz, Região Metropoli- acordo com o governo do Ceará,3 o programa
tana de Fortaleza. Esta operação contou com Ronda do Quarteirão (RQ)
20 policiais, duas moto-patrulhas, uma viatura [...] elegeu como centro de confluência dos
e três cavalarianos. Inicialmente estava pla- interesses comuns de segurança um núcleo
nejado que em dez dias o programa também urbano geo-referenciado, com uma área de
começaria no bairro Vila Velha, em Fortaleza, 1,5 a 3 quilômetros quadrados, onde existe
mas, em razão de um atraso, isto só ocorreu um número de telefone que corresponde ao
efetivamente em 1º de fevereiro de 2007, com número da viatura (2009).
um efetivo semelhante ao do Porto das Dunas.
Este aspecto mostra que o programa tem
Posteriormente, o Ronda do Quarteirão como filosofia de atuação a polícia de proximi-
foi implantado, em novembro de 2007, em dade, reforçando a possibilidade de construção
quatro áreas-piloto de Fortaleza e uma situada de laços sociais mais amiúde.

Rev. bras. segur. pública | São Paulo v. 6, n. 2, 282-297 Ago/Set 2012


285
Com a disseminação do programa pelo Es- perientes e, por não terem tido treinamento mi-
tado do Ceará, algumas questões vieram à tona. litar adequado, não tinham compromisso com
A primeira refere-se ao processo licitatório para a tropa nem valores militares introjetados, como
Artigos

obtenção das viaturas. O pregão eletrônico exigiu os princípios basilares de hierarquia e disciplina.
que os automóveis tivessem câmbio automático
e tração 4x4 permanente, requisitos que apenas Estas questões foram acompanhadas de
uma das montadoras podia oferecer. O principal perto pela mídia cearense. A violência e a
ponto da discórdia foi a tração 4x4 permanente, criminalidade são grandes temas tratados
que, segundo as montadoras concorrentes, era diariamente pelos meios de comunicação e
desnecessária para o patrulhamento de uma área as instituições policiais fazem parte da pauta
O Ronda do Quarteirão – relatos de uma experiência
César Barreira e Mauricio Bastos Russo

urbana como a de Fortaleza. Após diversas tenta- diária. Assim, o Ronda do Quarteirão rece-
tivas de cancelar o pregão, via judicial, o modelo beu grande atenção da mídia. Elisabeth Ron-
escolhido, único que exibiu as condições exigidas delli (1998) destaca que a grande marca das
no edital, foi adquirido a custo unitário de apro- notícias é a “espetaculosidade”, demarcando
ximadamente R$ 150.000. O modelo mais bara- todos os elementos para tornar um fato jor-
to foi oferecido por cerca de R$ 116.000, porém, nalístico, escandaloso, cruel ou inusitado. As
por não possuir tração 4x4 permanente, apenas notícias se enquadram nos “episódios cuja re-
como opcional, foi desqualificado. percussão justifica-se pela revelação de outras
questões que não estão propriamente neles”
A segunda questão estava relacionada ao (RONDELLI, 1998), como é possível perce-
uniforme dos seus componentes, concebido de ber nos dois exemplos seguintes.
maneira diferenciada da farda até então utiliza-
da pela Polícia Militar do Ceará: foi criado por Nesse sentido, ao mesmo tempo em que
um estilista, com detalhes modernos e cor azul chegavam as novas viaturas, a mídia ressaltava a
anil, diferenciando os policiais do Ronda do precariedade das existentes, conforme matéria
Quarteirão dos demais policiais militares cea- vinculada pelo jornal Diário do Nordeste, inti-
renses. Se, por um lado, a troca do uniforme tulada “Viaturas de luxo, outras sem pneu”:4
facilitava, para a população, a rápida identifi- Viaturas paradas nos pátios das delegacias
cação dos policiais do Ronda, por outro, criou da Polícia Civil e nas companhias da Polícia
uma divisão dentro da Corporação, entre os Militar em Fortaleza e Região Metropolitana.
que usam azul anil e os que usam cáqui. Motivo: falta de pneus. Outras continuam tra-
fegando com pneus “carecas” (lisos), causando
A “divisão da tropa” levantou a terceira ques- sérios riscos aos policiais e presos que nelas via-
tão: o tempo de formação dos policiais do Ron- jam e aos demais motoristas e pedestres (DIÁ-
da do Quarteirão. Em razão da urgência de que RIO DO NORDESTE, 09/08/2007).
os policiais entrassem logo em serviço, o tempo
de formação foi diminuído de 180 para 90 dias. Embora o período de formação dos poli-
Este fato contribuiu para que os policiais mili- ciais do Ronda do Quarteirão tenha sido re-
tares “antigos” considerassem os “novatos” inex- duzido para que entrassem logo em serviço,

286 Rev. bras. segur. pública | São Paulo v. 6, n. 2, 282-297 Ago/Set 2012
somando-se, assim, imediatamente ao efeti- gura, fortemente, no cenário urbano, com a
vo policial, isso não resolveu o problema do circulação constante das viaturas, criando um
contingente da Polícia Militar. A reportagem efeito no campo visual e simbólico.

Artigos
“Ceará tem baixo efetivo policial”,5 do jornal
supracitado, apontou, dois anos depois de ini- O “efeito” Ronda do Quarteirão?
ciado o programa, a grande insuficiência no Em fevereiro de 2008, o programa Ronda
número de policiais: do Quarteirão havia sido implantado em todos
O Ceará é um dos Estados brasileiros que apre- os bairros de Fortaleza. O aumento no patru-
sentam maior carência de efetivo policial. So- lhamento ostensivo motorizado, aliado ao fato
mados os atuais contingentes das polícias Civil de a população poder acionar diretamente o

O Ronda do Quarteirão – relatos de uma experiência


César Barreira e Mauricio Bastos Russo
e Militar, são apenas 16.274 operadores da Se- serviço de segurança que patrulha o bairro, re-
gurança Pública (14.357 integrantes da Polícia duziu o tempo de atendimento nas chamadas,
Militar e 1.917 da Polícia Civil), para um Es- resultando em aumento do número de prisões,
tado com população estimada em 8.183.880 conforme constatou a reportagem do jornal O
habitantes, conforme o último censo feito pelo Povo (21/02/2008):6
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Cento e dois presos superlotam as dependên-
(IBGE). Desse modo, o Ceará fica ainda longe cias da Delegacia de Capturas (Decap), que
da média recomendada pela Organização das possui capacidade para pouco mais de 30
Nações Unidas (ONU), que preconiza como homens. Para o titular da Decap, delegado
ideal um policial para cada 250 habitantes. As- Antunes Teixeira, o efeito Ronda do Quartei-
sim, somando os efetivos das duas instituições, rão contribuiu para o aumento no número de
chega-se à média de um policial para 502 ha- presos na Capturas e nos outros 34 distritos
bitantes, o dobro do recomendado (DIÁRIO em Fortaleza e Região Metropolitana. “Toda
DO NORDESTE, 14/09/2009). semana, a gente manda cerca de 50 presos
para os presídios, mas a medida que sai é a
Os problemas constatados não foram su- medida que entra. Os distritos [34 delega-
ficientes para diminuir a confiança da popu- cias] também estão superlotados. Me parece
lação no Ronda do Quarteirão. Ao contrário, que há uma demanda de mais de 500 pre-
o programa contribuiu para que o governador sos. Talvez 650. Mas o Ronda do Quarteirão
Cid Ferreira Gomes fosse reeleito no primei- está nas ruas para efetuar prisões, mesmo”,
ro turno, em 2010, para um novo mandato comentou o delegado, que concentra o fluxo
contando com mais de 60% dos votos válidos. de presos dos distrito e das delegacias especia-
A confiança da população pode ser explicada, lizadas. “Nenhum preso vai para o presídio
em parte, pelos bons resultados obtidos pelo sem antes passar por aqui”, ressaltou.
programa nos dois primeiros anos de atuação.
Embora o alcance destes resultados não seja Se, por um lado, o aumento do número de
consensual, é inegável que existiu o “efeito” do prisões pode ser atribuído ao programa, por
Ronda do Quarteirão no Estado e, principal- outro, constataram-se falhas na sua logística.
mente, em Fortaleza. Este resultado se confi- Como a viatura não pode sair da sua área de

Rev. bras. segur. pública | São Paulo v. 6, n. 2, 282-297 Ago/Set 2012


287
atuação, é preciso esperar que outro veículo ve- Ronda do Quarteirão teve como efeito mais vi-
nha recolher os presos, caso não exista delega- sível o aumento no quantitativo de viaturas em
cia na área. Esta determinação, provavelmente, circulação, mas também a ampliação no efeti-
Artigos

acarretou a morte de um preso, que, necessi- vo total da Polícia Militar do Ceará, há muito
tando de cuidados médicos, não foi encami- defasado. Foram incorporados 900 novos po-
nhado ao hospital, mas sim para a delegacia, liciais militares. Deste modo, foi possível dis-
conforme apontou a reportagem do jornal O tribuir melhor o efetivo, o que inibe as ações
Povo (12/03/2008): criminosas, uma vez que, para os delinquentes,
Os procedimentos adotados durante a prisão aumentam os riscos na ação.
de [...], que morreu dentro de uma viatura do
O Ronda do Quarteirão – relatos de uma experiência
César Barreira e Mauricio Bastos Russo

Ronda do Quarteirão em Maracanaú, no úl- O número de roubos em Fortaleza, confor-


timo sábado, foram questionados ontem pelo me mostra o Gráfico 2, também teve redução
Sindicato dos Delegados de Polícia Civil do significativa nos casos registrados: decréscimo
Estado do Ceará (Sindepol-CE). Segundo o de 11,97%, entre 2007 e 2008; e queda ainda
órgão, como o preso estava ferido por causa maior, de 17,56%, em 2009, quando comparado
de uma queda durante a fuga, era necessário a 2008. Ao final do período analisado, a redução
conduzi-lo ao hospital antes mesmo de levá-lo do número de roubos foi de 27,43%, desde o iní-
à delegacia. “Por que os policiais não o levaram cio das atividades do Ronda do Quarteirão.
ao hospital? O Ronda não pode sair da área de
cobertura e é preciso esperar o ônibus específico Isto aponta que a estratégia adotada pelo
da Polícia Militar para isso”, disse ontem o pre- programa Ronda do Quarteirão, de estabelecer
sidente do Sindepol, Lusimar Moura, durante um perímetro de atuação das viaturas em até
entrevista coletiva realizada na sede da entidade. três quilômetros quadrados, podendo ser solici-
tada diretamente pela população, foi, em parte,
Entre erros e acertos, o aumento do nú- exitosa. A rapidez no deslocamento das viaturas
mero de prisões contribuiu para a redução foi parte importante para o aumento das pri-
dos furtos e roubos na Capital alencarina. O sões, o que levou à superlotação das delegacias.
Gráfico 1 mostra uma redução efetiva no total
de furtos registrados nos dois anos seguinte à Ao mesmo tempo em que os dados oficiais
implantação do Ronda do Quarteirão. apontavam queda nos crimes contra o patri-
mônio, a imprensa cearense noticiava, ao con-
Entre 2007 e 2008, os furtos diminuíram trário, um aumento nestes mesmos delitos. A
11,57%. No ano seguinte, em 2009, o total matéria intitulada “81,2% mais roubos em
de furtos registrados pela Polícia Civil teve re- quatro anos”,7 do Diário do Nordeste, baseada
dução de 2,96% em relação ao ano anterior. em dados da Coordenadoria de Inteligência
Comparado ao primeiro ano, em 2009, o nú- (Coin) da Secretaria de Segurança Pública e
mero de furtos registrados foi 14,19% menor, Defesa Social (SSPDS), registrava crescimen-
mantendo, assim, a tendência de queda verifi- to, em 2008, de 34,40% no número de furtos
cada no período. A implantação do programa à pessoa, em relação ao ano anterior. A dife-

288 Rev. bras. segur. pública | São Paulo v. 6, n. 2, 282-297 Ago/Set 2012
rença pode ser explicada pela forma como os Centro, Papicu, Edson Queiroz, Messejana,
dados são contabilizados e demonstrados. A Maraponga, Jangurussu e Itaperi são as áreas
Secretaria de Segurança contabiliza o total de em que mais acontecem esse tipo de crime.

Artigos
furtos (furtos de veículos, a pessoas, ao co- Na Região Metropolitana, a situação tam-
mércio, por exemplo), enquanto a matéria ou bém é grave. O aumento chegou a 25,37%
a reportagem trabalha apenas com “furtos à na comparação entre os sete primeiros meses
pessoa”. Esta mesma lógica pode ser aplicada de 2008 e 2009. Do total de 257 casos regis-
para explicar o aumento no número de roubos trados este ano, 82 aconteceram em Aquiraz.
à pessoa, que, conforme a reportagem citada,
cresceu 82,1% entre 2004 e 2008. Embora a dimensão dos “efeitos” do Ronda

O Ronda do Quarteirão – relatos de uma experiência


César Barreira e Mauricio Bastos Russo
do Quarteirão na redução dos furtos e roubos
A imprensa também relatava um cresci- varie de acordo com a fonte de dados, é possí-
mento dos roubos a residências, como mostrou vel afirmar, em virtude da situação crítica em
a reportagem do jornal O Povo (14/08/2009) que se encontrava a segurança pública no Esta-
− “Três registros de assalto à residência por dia” do do Ceará antes de sua implantação, que este
−8 destacando que: programa obteve resultados importantes. Ao
Só nos sete primeiros meses de 2009 foram privilegiar o policiamento reativo, isto é, aquele
registrados 676 roubos à residência em For- que a polícia responde ao chamado do cidadão,
taleza, uma média de três ocorrências por após a ocorrência de um crime, diferentemente
dia. O número é quase 7% maior do que o do policiamento pró-ativo, quando os policiais,
registrado no mesmo período do ano passa- por iniciativa própria, procuram conter práticas
do, quando houve 632 casos. Bairros como o criminosas, a nova política de segurança estadu-

Gráfico 1 - Furtos - Números Absolutos


Fortaleza − 2007-2009
41000
40284
40000

39000

38000

37000

36000 35620

35000 34565
34000

33000

32000

31000
2007 2008 2009

Fonte: SSPDS/CE.

Rev. bras. segur. pública | São Paulo v. 6, n. 2, 282-297 Ago/Set 2012


289
al seguiu o padrão considerado, por diversos au- munidades. Apesar destes aspectos, foi possível
tores, como a melhor estratégia para controle do constatar uma pequena queda nos homicídios
crime. Para Stanley Vanagunas (2002), “mais de em Fortaleza em 2008. Conforme o Gráfico 3,
Artigos

90% de todas as prisões efetuadas, por exemplo, percebe-se uma redução de 2,36% no total de
ocorrem quando os policiais estão responden- homicídios neste ano, porém, em 2009, houve
do a denúncias de crimes feitos pelos cidadãos”. um aumento de 13,71% em relação ao ano an-
Essa interação da polícia com a comunidade terior. Ou seja, se a queda do número de homi-
concorre também para a melhoria no padrão de cídios entre 2007 e 2008 está relacionada com a
cidadania, e a população passa a exigir melhores implantação do Ronda do Quarteirão, e estamos
condições de segurança. falando apenas em termos de hipótese, seu efeito
O Ronda do Quarteirão – relatos de uma experiência
César Barreira e Mauricio Bastos Russo

foi passageiro, pois, no ano seguinte, o total de


Quando se busca entender os efeitos de de- homicídios indicou aumento significativo.
terminado tipo de policiamento na redução das
taxas de homicídios, o primeiro aspecto que A redução dos homicídios ocorreu num
deve ser ressaltado é que não existem respostas cenário que apontava em outra direção. Em
com única receita. Outro fator importante é a meados de 2008, a reportagem “Ronda do
necessidade de ter que contemplar diferentes Quarteirão, após seis meses de implantação,
dimensões do fenômeno. Relacionando, no en- homicídios aumentam”9, do Diário do Nordes-
tanto, diretamente com o programa Ronda do te (24/06/2008), utilizando dados da Secreta-
Quarteirão, é possível destacar a importância ria de Segurança, informava que os homicídios
de políticas preventivas e a necessidade de ser em Fortaleza e Região Metropolitana aumen-
estabelecido um diálogo constante com as co- taram em mais de 5% em relação ao mesmo

Gráfico 2 - Roubos - Números Absolutos


Fortaleza − 2007-2009

40000 39204

35000 34512

30000 28450

25000

20000

15000

10000

5000

0
2007 2008 2009

Fonte: SSPDS/CE.

290 Rev. bras. segur. pública | São Paulo v. 6, n. 2, 282-297 Ago/Set 2012
período do ano anterior. Estas tendências de Assim sejamos honestos: quem exige violên-
aumento ou mesmo de redução levam a outra cia da polícia é a sociedade. Se o policial não
reflexão, que é a necessidade de considerar ta- for um bom profissional, um especialista em

Artigos
xas longitudinais de médio ou de longo prazo. segurança pública, se deixar-se usar, como
marionete, pela sede de vingança e pela tru-
Sem dúvida, no entanto, a redução dos índi- culência social, se não estiver consciente da
ces de violência e criminalidade é fundamental nobreza e da dignidade da missão para qual
para atestar a eficiência em qualquer progra- foi instituído, será ele a primeira vítima da ci-
ma de segurança pública. Neste sentido, tendo randa de violência e discriminação da própria
como base os dados oficiais, o programa Ronda sociedade que o deseja para o “serviço sujo”

O Ronda do Quarteirão – relatos de uma experiência


César Barreira e Mauricio Bastos Russo
do Quarteirão mostrou resultados, em princí- mas que, depois, não aceita facilmente con-
pio, satisfatórios, levando, fundamentalmente, viver com ele.
em conta as tendências das últimas décadas.
Outro ponto que segue velhas fórmulas é a
A tentativa, no entanto, de criar uma “nova jornada de trabalho. A reportagem “Carga ex-
polícia”, ainda esbarra em “velhas práticas” das cessiva deixa os policiais militares no limite”,10
instituições policiais militares. Por exemplo, a do Diário do Nordeste (22/06/2009), aponta-
reportagem de O Povo (13/07/2009) − “Ronda va que os policiais do Ronda do Quarteirão
sob investigação” – apontava que 210 policiais trabalhavam 44 horas semanais em Fortaleza
do Ronda do Quarteirão foram denunciados e em alguns casos 90 horas no interior do Es-
por violações dos direitos dos cidadãos (90 tado. A jornada pode ser maior de acordo com
delas relacionadas a torturas, espancamentos, a necessidade de gratificação ou os turnos esta-
abuso de poder e invasão de domicílio) e a belecidos pelo comando.
ocorrência de casos comprovados de destrui- Em Fortaleza, os policiais do Batalhão de Po-
ção dos computadores das patrulhas ou a obs- liciamento Comunitário, o “Ronda do Quar-
trução, com sacos plásticos e papelão, das áreas teirão”, afirmam também que estão no limite.
de ventilação dos equipamentos, ocasionado a “A vida social e conjugal desses policiais foi
“queima” dos equipamentos. embora. Os policiais do Ronda estão sendo
escravizados pela necessidade de receberem a
É preciso destacar o fato de que, no início da gratificação”, explica [...], vice-presidente da
implantação do programa, os policiais do Ronda Associação dos Cabos e Soldados da PM do
do Quarteirão eram elogiados pela sua “educação Ceará. “Não há critérios para as jornadas de
no trato com a população”. Esta atitude, no en- trabalho. Os policiais ficam à mercê do que
tanto, foi pouco a pouco sendo reprimida, pelos decidirem seus comandantes”, completa.
meios de comunicação ou por setores da popu-
lação, sob o argumento de que as ações policiais Apesar dos problemas surgidos, a implan-
contra os criminosos devem ser mais “vigorosas”. tação do Ronda do Quarteirão produziu efeito
Isto apenas reproduz um circulo vicioso já desta- positivo na população. Uma pesquisa de ava-
cado em Ricardo Balestreri (2003): liação feita pelo governo do Estado do Ceará,

Rev. bras. segur. pública | São Paulo v. 6, n. 2, 282-297 Ago/Set 2012


291
Gráfico 3 - Homicídios - Números Absolutos
Fortaleza − 2007-2009
Artigos

937
940

920

900

880

860

840 844
O Ronda do Quarteirão – relatos de uma experiência
César Barreira e Mauricio Bastos Russo

820 824

800

780

760
2007 2008 2009

Fonte: SSPDS/CE.

entre 13 e 15 de maio de 2009, nas cidades ticas, 26% consideram os policiais agressivos
de Fortaleza, Caucaia e Maracanaú, consta- e violentos, mas, 30% os veem como educa-
tou que 83% dos entrevistados aprovavam o dos e gentis. Para 44%, a Hilux chega rapi-
Ronda do Quarteirão, somente 16% não per- damente ao ser chamada, mas 22% dizem a
cebiam melhora na segurança pública e 1% viatura demora.
não soube ou não quis responder. A pesquisa,
reproduzida pelo jornal O Povo (17/07/2009), Um dado importante é que, provavelmen-
apontou ainda que, te, nenhum outro programa de segurança pú-
Por uma escala de notas de 1 a 5 (onde 1 blica no Estado do Ceará havia sido tão discu-
é a pior e 5 a melhor), o Ronda recebeu 4 tido pela sociedade anteriormente. O Ronda
e 5 de 42%. A nota 3 foi dada por 31% e do Quarteirão iniciou de modo midiático e
outros 27% deram 1 e 2. Na avaliação geral, segue sendo pauta na mídia cearense.
o programa é avaliado como ótimo ou bom
por 60%. É regular para 30% e 10% acham Conclusões
a proposta ruim ou péssima. O POVO ob- O programa Ronda do Quarteirão teve um
teve, com exclusividade, o teor da última efeito positivo na população, aumentando a
consulta popular sobre o Ronda, guardada a sensação de segurança, em decorrência, prin-
sete chaves pelo Palácio Iracema. Melhoras, cipalmente, da maior presença de viaturas nas
pioras, qualidades, defeitos, elogios, críticas, ruas da Cidade, bem como da presteza nos
expectativas e frustrações. Algumas respostas atendimentos demandados. Dois fatos de-
se confrontam sobre o mesmo tema. Nas crí- vem ser destacados. Primeiro, percebe-se uma

292 Rev. bras. segur. pública | São Paulo v. 6, n. 2, 282-297 Ago/Set 2012
melhoria no grau de confiança da população do suas práticas discursivas e midiáticas. Este
no que concerne aos órgãos de segurança pú- programa representa, neste universo cogniti-
blica, na medida em que esta acredita num vo, o novo, o moderno, mas não necessaria-

Artigos
retorno positivo da ação policial. Segundo, o mente o racional e o mais eficaz. Esta situ-
aumento do número de pessoas retidas leva a ação, aparentemente contraditória, significa,
uma reflexão sobre a maior presença dos poli- em última instância, uma intensa dificuldade
ciais nos locais dos crimes e a possibilidade de para uma real avaliação deste programa. Isto,
haver ocorrido detenções, principalmente de provavelmente, decorre não só da dificuldade
pessoas que cometeram “pequenos delitos”. de compreender que tipo de polícia a popula-
Este fato pode ter colaborado, intensivamen- ção almeja ou necessita, mas também de uma

O Ronda do Quarteirão – relatos de uma experiência


César Barreira e Mauricio Bastos Russo
te, para reduzir a sensação de insegurança por indefinição deste programa como polícia de
parte da população. proximidade ou ostensiva. Estas ambiguida-
des são configuradas no fato de a população
Os efeitos práticos das ações policiais do destacar os “bons modos ou a educação” dos
Ronda do Quarteirão, no entanto, variam con- componentes do Ronda, mas, por outro lado,
forme a base de dados utilizada e o tipo de cri- exigir um comportamento mais enérgico e re-
me. Por um lado, temos os homicídios, em que soluto por parte dos policiais desse programa.
os efeitos do Ronda do Quarteirão não regis- Provavelmente a indefinição do real papel
traram resultados efetivos em curto prazo; po- do programa Ronda do Quarteirão − se seria
rém, nos crimes contra o patrimônio, aqui no uma polícia comunitária ou uma polícia os-
caso de furtos e roubos, restou demonstrada tensiva – reforça esta ambiguidade.
uma tendência de queda desde a implantação
do programa, segundo os dados da Secretaria O programa Ronda do Quarteirão man-
de Segurança e Defesa Social. Por outro lado, tém, em princípio, uma grande aceitação so-
as matérias dos jornais apontam um cresci- cial, no entanto, esta é maculada por alguns
mento no número de furtos e roubos em For- desvios de conduta dos seus profissionais,
taleza. Obviamente, esses periódicos buscam como foram publicizados pela imprensa local.
transformar os “fatos” em “notícias” na busca Estes desvios são naturalmente enquadrados,
de um número maior de leitores. Não pode- pela população, como um retorno de práticas
mos deixar de levar em conta, porém, que um atrasadas que historicamente sempre foram
“fato” pode ser “notícia” sem, no entanto, virar utilizadas pelas polícias. Apesar disso, para uma
uma denúncia na delegacia de polícia; isso de- boa parcela da população, o programa Ronda
penderá da confiança que a população tem em do Quarteirão mantém um quadro de con-
uma ou na outra instituição. fiança, demonstrado na recorrência de chama-
das para que seus policiais resolvam ou atuem
Um dado importante para entendermos como mediadores em conflitos sociais. Neste
sociologicamente o programa Ronda do sentido, o programa deveria trabalhar cada vez
Quarteirão refere-se aos seus efeitos simbóli- mais com aspectos de prevenção, proximida-
cos, no universo da população, corroboran- de e diálogo com a comunidade. O programa

Rev. bras. segur. pública | São Paulo v. 6, n. 2, 282-297 Ago/Set 2012


293
aponta para uma necessidade de uma perfeita Nesta perspectiva, uma questão é expressa,
simbiose entre um policiamento pró-ativo e re- em termos de consolidação do programa Ronda
ativo, reforçando constantemente uma prática do Quarteirão: como defini-lo ou situá-lo no
Artigos

de policiamento comunitário. interior de uma política de segurança pública?

1. ,Q[XWVÉ^MTMU"$P\\X"___OIJOW^KMOW^JZQVLM`XPXOW^MZVWLWKMIZIXZWRM\W[M[\Z]\]ZIV\M[ZWVLILWY]IZ\MQZIW&
)KM[[WMU"R]V

2. >MZXWZM`MUXTW+IVWM;IV\W[

3. ,Q[XWVÉ^MTMU"$P\\X"___KMIZIOW^JZXWZ\ITGOW^KMKMIZIOW^MZVWXZWRM\W[M[\Z]\]ZIV\M[ZWVLILWY]IZ\MQZIW&)KM[[W
O Ronda do Quarteirão – relatos de uma experiência
César Barreira e Mauricio Bastos Russo

MU"UIQW!

4. ,Q[XWVÉ^MTMU"$P\\X"LQIZQWLWVWZLM[\MOTWJWKWUUI\MZQII[X'KWLQOW%!&)KM[[WMU"UIQW

5. ,Q[XWVÉ^MTMU"$P\\X"LQIZQWLWVWZLM[\MOTWJWKWUUI\MZQII[X'KWLQOW%!!&)KM[[WMU"UIQW

6. ,Q[XWVÉ^MTMU"$P\\X"___WXW^WKWUJZWXW^WNWZ\ITMbIP\UT&)KM[[WMU" IJZ

7. ,Q[XWVÉ^MTMU"$P\\X"LQIZQWLWVWZLM[\MOTWJWKWUUUI\MZQII[X'KWLQOW% !&)KM[[WMU" IJZ

8. ,Q[XWVÉ^MTMU"$P\\X"___[VVKWUJZVW\QKQI! \ZM[ZMOQ[\ZW[LMI[[IT\WIZM[QLMVKQIXWZLQIMUNWZ\ITMbIP\UT&
)KM[[WMU" IJZ

9. ,Q[XWVÉ^MTMU"$P\\X"^MZLM[UIZM[OTWJWKWU^KIVIQ[VW\QKQI[I[X'KWLQOW%UWL]TW%!&)KM[[WMU"IJZ

10. ,Q[XWVÉ^MTMU"$P\\X"LQIZQWLWVWZLM[\MOTWJWKWUUI\MZQII[X'KWLQOW% &)KM[[WMU"!IJZ

294 Rev. bras. segur. pública | São Paulo v. 6, n. 2, 282-297 Ago/Set 2012
Referências bibliográficas

BALESTRERI, R. B. Direitos humanos: coisa de polícia. M. G.; BATITUCCI, E. C. (Orgs.). Homicídios no Brasil. Rio

Artigos
Passo Fundo: Edições CAPEC, Gráfica Editora Berthier, de Janeiro: Editora FGV, 2007.
2003.
CANO, I.; SANTOS, N. Violência letal, renda e desigual-
BARREIRA, C. Cotidiano despedaçado − cenas de uma dade social no Brasil. Rio de Janeiro: 7Letras, 2001.
violência difusa. Campinas: Pontes Editores, 2008.
PALMEIRA, M.; HEREDIA, B. O voto como adesão. Teoria
BARREIRA, C. (Org.). Questão de segurança – políti- e Cultura. Revista do Programa de Pós-Graduação em
cas governamentais e práticas policiais. Rio de Janeiro: Ciências Sociais da UFJF, v. 1, n. 1, 2006.

O Ronda do Quarteirão – relatos de uma experiência


César Barreira e Mauricio Bastos Russo
Relume-Dumará, 2004.
RONDELLI, E. Imagens da violência: práticas discursivas.
BAYLEY, D. H. Padrões de policiamento: uma análise in- Tempo Social, v.10, n.2, p.145-157, 1998.
ternacional comparativa. Trad. Renê Alexandre Belmonte.
São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2001. VANAGUNAS, S. Planejamento dos serviços policiais ur-
banos. In: GREENE, J. R. (Org.). Administração do tra-
CANO, I.; RIBEIRO, E. Homicídios no Rio de Janeiro e no balho policial: questões e análises. São Paulo: Editora
Brasil: dados, políticas públicas e perspectivas. In: CRUZ, da Universidade de São Paulo, 2002.

Rev. bras. segur. pública | São Paulo v. 6, n. 2, 282-297 Ago/Set 2012


295
O Ronda do Quarteirão – relatos de uma
experiência
Artigos

César Barreira e Mauricio Bastos Russo

Resumen Abstract
El Ronda del Barrio. Relatos de una experiencia The Block Patrol Program: accounts of an experience.
O Ronda do Quarteirão – relatos de uma experiência
César Barreira e Mauricio Bastos Russo

El objetivo de este artículo es discutir la implantación del <PQ[XIXMZIQU[\WLQ[K][[\PM*TWKS8I\ZWT8ZWOZIU\PI\_I[


Programa Ronda del Barrio en el Estado de Ceará y analizar implemented in the State of Ceará, Brazil, and to provide
la recepción por parte de los medios de comunicación y, an analysis of the reaction of the media and, above all,
principalmente, por la población de Fortaleza, así como sus the citizens of Fortaleza, the state capital, to the program.
efectos prácticos en las tasas de criminalidad y violencia. El 1V ILLQ\QWV Q\[ QUXIK\ WV KZQUM IVL ^QWTMVKM ZI\M[ _I[
Ronda del Barrio constituyó una de las principales propuestas M`IUQVML *TWKS 8I\ZWT _I[ WVM WN \PM UIRWZ XZWXW[IT[
MV MT ½ZMI LM [MO]ZQLIL XÖJTQKI LMT MV\WVKM[ KIVLQLI\W I in public safety in Cid Ferreira Gomes’ campaign for state
gobernador, Cid Ferreira Gomes, contribuyendo fuertemente OW^MZVWZIVLIUIRWZKWV\ZQJ]\WZ\WPQ[^QK\WZaQV\PM
I[]^QK\WZQIMVTI[MTMKKQWVM[LM;]QUXTIV\IKQÏV\]^W elections. The program started as a pilot project in the city
inicio, como programa-piloto, en el municipio de Aquiraz, en WN )Y]QZIb QV 2IV]IZa  ;]J[MY]MV\Ta Q\ _I[ M`\MVLML
MVMZWLMaXW[\MZQWZUMV\MN]MIUXTQILII.WZ\ITMbIa to the Metropolitan Region of Fortaleza, to municipalities
su Región Metropolitana, incluyendo municipios de más de _Q\PW^MZ\PW][IVLQVPIJQ\IV\[<PMIQUWN\PMXZWOZIU
cincuenta mil habitantes. La propuesta de este programa fue _I[ \W [M\ ]X I KWUU]VQ\a XWTQKM NWZKM MY]QXXML _Q\P
crear una policía de proximidad, con vehículos modernos, UWLMZV XWTQKM KIZ[ IVL _WZSQVO _Q\PQV IV IZMI WN ]X \W
actuando en una área, delimitada, de hasta tres kilómetros three square kilometers. As a result, community policing
cuadrados. Este aspecto reforzaba la estrategia de una _I[ [\ZMVO\PMVML )VL \PM XWTQKM WNßKMZ[ QV \PM XZWOZIU
IK\Q^QLILXWTQKQITLMXZW`QUQLIL4IK]ITQßKIKQÏV[MXZWXWVM stood out for high Human Rights standards. Nevertheless,
ser diferenciada de los policías, sobre todo considerando el \PMXZWOZIU_I[KZQ\QKQbMLM^MVJMNWZMQ\_I[X]\QV\WXTIKM
respeto a los Derechos Humanos. Antes, sin embargo, incluso +ZQ\QKQ[U_I[LQZMK\ML\W_IZL\PMXZQKMWN\PMXWTQKMKIZ[IVL
al empezar a funcionar, el programa recibió críticas por el alto \W\PMM`KT][Q^M]VQNWZU[_WZVJa*TWKS8I\ZWTWNßKMZ[_PQKP
coste de los vehículos adquiridos y por adoptar un uniforme _I[\PW]OP\\WTMIL\WIZ]X\]ZMIUWVO\PM5QTQ\IZa8WTQKM
diferente al utilizado por la Policía Militar de Ceará, creando of the State of Ceará. In spite of the criticism, the program
una división dentro de la corporación entre aquellos que son ZMKMQ^ML []XXWZ\ NZWU \PM X]JTQK _PW ZMXWZ\ML PI^QVO I
del Ronda del Barrio y los que no lo son. A pesar de ello, el perception of greater safety.
programa contó con el apoyo de la población, teniendo como
resultado la disminución de la sensación de inseguridad de Keywords:+MIZ½#*TWKS8I\ZWT#5QTQ\IZa8WTQKM#>QWTMVKM
los vecinos de Fortaleza.

Palabras clave: +MIZ½# :WVLI LMT *IZZQW# 8WTQKÉI 5QTQ\IZ#


Violencia.

Data de recebimento: 11/06/2012


Data de aprovação: 31/07/2012

296 Rev. bras. segur. pública | São Paulo v. 6, n. 2, 282-297 Ago/Set 2012