Vous êtes sur la page 1sur 16

12/12/2018 O sociólogo na ação coletiva contra o risco

Desenvolvimento
sustentável e territórios
Economia, geografia, política, direito, sociologia

Varia (2004-2010)
2009

O sociólogo na ação coletiva


contra o risco
M M

sumários
Français English
O risco é um componente central das sociedades industriais modernas que organizaram seu
gerenciamento por meio de uma série de dispositivos complexos. As questões ambientais trazem
os novos riscos chamados modernos porque escapam desses sistemas de avaliação e
gerenciamento. Além das atitudes de negação desses riscos, vêem-se dinâmicas que são vistas
como dispositivos para a captura de medos que têm o efeito de dar um forte apoio àqueles que
podem colocar em ação dispositivos de controle, que podem destruir coletivos organizados em
torno de práticas vivas. O sociólogo não pode mais ficar satisfeito em responder a um pedido de
análise das percepções de risco;

O risco é um componente central das sociedades industriais modernas que organizaram sistemas
complexos para lidar com eles. Esses problemas podem ser descritos como riscos modernos,
porque podem ser tratados por sistemas convencionais de avaliação e gerenciamento de riscos. Se
estes ainda são riscos, é importante observar que eles são mais propensos a fornecer sistemas de
controle. Esses sistemas podem ser destrutivos de muitas práticas originais e criativas. Sociólogo
não pode ser confinado na análise da percepção de risco, ele tem que estar envolvido na ação
coletiva

Entradas de índice
Palavras-chave: coordenação , medo , coletiva , pesquisa intervenção , risco
Palavras-chave: coordenação , medo , pesquisa de intervenção , organização , risco

Texto completo
1 O risco tornou-se uma preocupação para a sociologia. A questão colocada aqui é a do
papel da análise sociológica na consideração e gestão de riscos. Começaremos
https://journals.openedition.org/developpementdurable/8235 1/16
12/12/2018 O sociólogo na ação coletiva contra o risco

lembrando que o risco é um componente de empresas industriais que desenvolveram


vários sistemas de gerenciamento de risco. Mas os chamados riscos ambientais
"modernos" estão além desses sistemas de avaliação e gestão racionalizados. Enquanto
alguns atores econômicos e políticos continuam a negar esses riscos, chama-se a
atenção para novas dinâmicas que dependem de medos para propor dispositivos de
controle. Alguns exemplos são descritos para mostrar que esses dispositivos de controle
podem ter efeitos destrutivos em práticas sociais significativas. Supõe-se então que
esses riscos, nem os riscos clássicos podem ser reduzidos por métodos de objetivação
que negam ao público um papel ativo, porque o gerenciamento de risco é de fato
sempre dependente das convenções que ligam os coletivos vivos. A questão é tratada
pela noção de coordenação e pelas múltiplas formas que ela pode assumir de acordo
com a configuração das relações sociais. Em conclusão, postula-se que a sociologia, ao
invés de responder a uma demanda de objetivação (percepções) de riscos, seria
utilmente incluída na participação ativa em uma reconfiguração de coletivos e seus
relacionamentos. Pesquisa de intervenção é proposta como um possível caminho.
porque a gestão de risco é, de fato, sempre dependente das convenções que ligam os
coletivos vivos. A questão é tratada pela noção de coordenação e pelas múltiplas formas
que ela pode assumir de acordo com a configuração das relações sociais. Em conclusão,
postula-se que a sociologia, ao invés de responder a uma demanda de objetivação
(percepções) de riscos, seria utilmente incluída na participação ativa em uma
reconfiguração de coletivos e seus relacionamentos. Pesquisa de intervenção é proposta
como um possível caminho. porque a gestão de risco é, de fato, sempre dependente das
convenções que ligam os coletivos vivos. A questão é tratada pela noção de coordenação
e pelas múltiplas formas que ela pode assumir de acordo com a configuração das
relações sociais. Em conclusão, postula-se que a sociologia, ao invés de responder a
uma demanda de objetivação (percepções) de riscos, seria utilmente incluída na
participação ativa em uma reconfiguração de coletivos e seus relacionamentos.
Pesquisa de intervenção é proposta como um possível caminho. postula-se que a
sociologia, em vez de responder a uma demanda de objetivação (percepções) de riscos,
seria utilmente incluída na participação ativa em uma reconfiguração de coletivos e
seus relacionamentos. Pesquisa de intervenção é proposta como um possível caminho.
postula-se que a sociologia, em vez de responder a uma demanda de objetivação
(percepções) de riscos, seria utilmente incluída na participação ativa em uma
reconfiguração de coletivos e seus relacionamentos. Pesquisa de intervenção é proposta
como um possível caminho.

1. A sociedade de risco
2 Quando U. Beck publicou The Society of Risk, em 1986, introduziu no debate social e
na sociologia a questão do risco "moderno"; abre uma perspectiva de pesquisa
sociológica e uma interpretação das transformações da modernidade. Dois argumentos
sobre a U. Beck apresenta a seguinte análise. F. Ewald (1976) mostrou no estado de
bem-estar social como as sociedades industriais eram, de fato, sociedades seguráveis,
ou seja, um dos fundamentos e dinâmicas mais importantes de seu desenvolvimento
tinha sido criar sistemas de seguros em relação aos riscos, principalmente aqueles do
trabalho inicial, induzidos pelo próprio desenvolvimento industrial. No final, as
empresas industriais há muito tempo são empresas de risco. isto é, empresas onde
coletivos produtivos se organizam em torno da gestão de risco. Nesta interpretação da
sociedade industrial, o risco está no âmago da realidade social, mas a sociedade
industrial desenvolveu, desenvolveu e expandiu progressivamente o campo dos riscos
que são induzidos e apoiados pelos sistemas de seguro. E esse sistema de seguros tem
sido virtuoso porque criou não apenas segurança, mas também uma dinâmica de
progresso técnico e expansão das esferas da atividade econômica. desenvolveu e
expandiu progressivamente o campo de riscos que são induzidos e apoiados pelos
sistemas de seguros. E esse sistema de seguros tem sido virtuoso porque criou não
apenas segurança, mas também uma dinâmica de progresso técnico e expansão das

https://journals.openedition.org/developpementdurable/8235 2/16
12/12/2018 O sociólogo na ação coletiva contra o risco

esferas da atividade econômica. desenvolveu e expandiu progressivamente o campo de


riscos que são induzidos e apoiados pelos sistemas de seguros. E esse sistema de
seguros tem sido virtuoso porque criou não apenas segurança, mas também uma
dinâmica de progresso técnico e expansão das esferas da atividade econômica.
3 A assunção de responsabilidade pelo risco, no modelo clássico da sociedade
industrial, faz parte da própria dinâmica do desenvolvimento, em pelo menos dois
sentidos. Por um lado, a criação de sistemas de seguros coletivos e compulsórios,
juntamente com a noção-chave de responsabilidade sem culpa (ou responsabilidade
objetiva), cria um sistema de "ética sem moralidade" para usar a expressão de F. Ewald.
. Os empregadores são, de fato, encorajados a fazer a prevenção em seu próprio
interesse e as obrigações impostas (para garantir coletivamente) evitar, tanto quanto
possível , os comportamentos de free-riding .. Aqui temos um belo modelo "histórico"
de ação coletiva. Por outro lado, este sistema de seguros não se baseia apenas em um
paradigma de interesse bem compreendido: o princípio da responsabilidade objetiva
também se baseia em um princípio de eqüidade, ou seja, a proteção devida aos mais
fracos. em um relatório de salário social necessariamente muito desigual.
4 Uma conclusão importante do ponto de vista da interpretação histórica parece-nos
ser que, ao contrário de uma visão generalizada, o risco é constitutivo das relações
sociais da sociedade industrial: está no cerne dos coletivos de trabalho e das relações
sociais. . O risco não é externo às relações sociais, é um constituinte dinâmico. É a
extensão gradual dos sistemas de seguro para todas as áreas da vida que permite falar
sobre companhias de seguros.
5 O que está mudando, com o surgimento do que a U. Beck chama de "sociedade de
risco", é que várias novas ameaças estão surgindo, ameaças que não podem mais ser
tratadas por esses sistemas virtuosos de seguro. Estado de Providence. Os riscos
ambientais são obviamente exemplares do que ele chama de "riscos modernos". Se eles
escapam da mecânica do seguro, é por duas razões: por um lado, dizem respeito a
escalas de espaço e tempo que tornam impossível calcular os danos também (o custo de
Chernobyl pode ser avaliado?) o cálculo das probabilidades. No entanto, um sistema de
seguro moderno baseia-se precisamente nesses dois dados que permitem conter o risco:
instrumentos estatísticos de mensuração para prever, métodos de avaliação de danos
para avaliar a compensação. Os riscos que a U. Beck dirá "modernos" escapam a essas
medidas; eles saem do segurável. Além disso, as populações afetadas por esses riscos
não são ou são mais identificáveis e representáveis no sistema de seguros (gerações
futuras, populações do Terceiro Mundo, etc.) e não podem agir ou ser compensadas.
Porque os riscos clássicos, avaliáveis, são sempre objeto de uma negociação social
complexa. O risco de acidente de trabalho leva à negociação entre empregadores e
empregados, tanto do salário (o prêmio de risco), o valor do dano (a compensação da
vítima) e as medidas preventivas (que afetam o empregador). indivíduo no trabalho,
seu know-how, sua identidade). No entanto, novas ameaças não (ainda) têm espaço
para negociação. Essa deficiência é crucial porque impede efetivamente a formação de
coletivos de negociação e gerenciamento de risco. Essas ameaças, portanto, implicam a
construção de novos espaços de negociação sem precedentes. Em resumo, e este é o
argumento central de U. Beck, a sociedade industrial cria novos riscos em larga escala
com conseqüências não calculáveis, e para os quais eles não podem criar sistemas de
seguro que manteriam tanto a coesão1 e as dinâmicas de criação de serviços e inovação
que fluem a partir dele e que são um dos motores do desenvolvimento. Na verdade, eles
não são mais riscos no sentido técnico (calculável), mas ameaças que escapam à lógica
do risco segurável e negociável.
6 Esse é o primeiro argumento de U. Beck: as empresas industriais estão
sobrecarregadas por novas ameaças, externalidades que não são mais tratáveis e
integráveis em sua própria dinâmica. E isso leva ao segundo argumento, essas ameaças
não resultam em riscos naturais, mas na própria dinâmica da sociedade industrial, na
disseminação de objetos técnicos, na emissão de poluentes etc., enfim, na própria
atividade das sociedades industriais.
7 O segundo argumento de U. Beck, que liga suas análises à sociologia da ciência e da
tecnologia, é o dilema que esses novos riscos enfrentam em nossas sociedades. Esses
novos riscos são os efeitos inesperados, inesperados e frequentemente surpreendentes
https://journals.openedition.org/developpementdurable/8235 3/16
12/12/2018 O sociólogo na ação coletiva contra o risco

de nossos sistemas técnico-científicos, pois são integrados como componentes de nosso


desenvolvimento. Se estes efeitos são inesperadas e não planejadas, é também porque a
lógica da racionalidade instrumental no trabalho em nossos sistemas científicos e
técnicos são muitas vezes a lógica reducionista interessado em eficiência sectorial e não
a impactos longos técnicas a termo ou secundárias. Portanto, ele considera e, dessa
maneira, junta B. Latour de certa forma, que é a própria lógica da racionalidade
científica e técnica, que é o princípio do surgimento de novos riscos, porque cega os
efeitos que não são imediatamente buscados pela tecnologia. Mas o dilema é que esses
novos riscos são cognoscíveis e apreensíveis apenas por meio de ferramentas técnicas e
científicas. Estaríamos presos a riscos que só podemos descobrir e apreender através
das próprias ferramentas que ajudaram a criá-los. Não podemos, por exemplo,
compreender os efeitos reais e potenciais e proteger-nos das consequências de
Chernobyl apenas através das ferramentas científicas e técnicas das ciências nucleares.
Além disso, o conhecimento dos riscos potenciais está embutido nos sistemas
institucionais que os enquadram e orientam, de modo que a desconfiança, que se
tornou legítima em relação às instituições, também se refere legitimamente à ciência e à
tecnologia. Este argumento é muito importante porque coloca no centro as formas e
dispositivos de conhecimento e gestão de risco e, portanto, a dimensão cognitiva.
8 Em seu trabalho subsequente, U. Beck (1992) destacará a necessidade de revisar os
arranjos que ligam ciência e ação pública para desenvolver sua capacidade reflexiva,
isto é, sua capacidade de pensar sobre os efeitos dos construtos. cognitivo e integrar na
produção do conhecimento a consideração desses efeitos. Isso implicaria uma ciência
mais reflexiva e aberta sobre as expectativas sociais e culturais da pesquisa, temática
desenvolvida por B. Wynne (1991, 1995, 2001), por exemplo, na Inglaterra.
9 Muitos riscos ambientais, ao contrário dos riscos industriais convencionais, são,
portanto, riscos que não encontram seus interlocutores para entrar na negociação e
gestão, pois há dúvidas sobre as ferramentas cognitivas para contar sua realidade, sua
magnitude e in finequem está preocupado e de que maneira. A incerteza diz respeito
não apenas às características "objetivas" dos riscos, mas também às instituições
responsáveis por objetivá-las, instituições nas quais os cientistas participam. Esta dupla
incerteza não pode ser reduzido e, portanto, é difícil construir as ações coletivas de
gestão desses riscos, como ação coletiva e negociação pressupõem poder contar com
uma definição estável de risco e confiança aos modos de objetivação do risco.

2. Os riscos de uma empresa de


controle
10 Não se trata aqui de atribuir à U. Beck ou à sua noção de sociedade de risco o
questionamento expresso na análise que se segue, mas revelar as lógicas sociais que se
desenvolvem a partir da ideia de que nossa empresa se tornou uma empresa de risco. A
ideia de que estamos ameaçados por riscos potencialmente catastróficos não é, na
verdade, apenas um conceito sociológico, uma ideia de filósofo; essa ideia se espalhou,
está presente no mundo social e, principalmente, nos discursos de alguns ativistas
ambientais; gradualmente se torna consistente, com razão, a partir do diagnóstico de
riscos globais, como mudanças climáticas, proliferação nuclear, pandemias
antropogênicas, novas tecnologias, etc. É reforçado pela observação de numerosos
fracassos das instituições responsáveis pelos riscos (sangue contaminado, etc.). O medo
ou a desconfiança de produções científicas e técnicas, se não generalizadas, estão
presentes em nossas sociedades por meio de questões como os OGMs.
11 A disseminação da ideia de uma sociedade perigosa não é sem conseqüência. A
questão que surge da emergência pública desses riscos ambientais é, então, a de como
as dinâmicas sociais e políticas, depois científicas e técnicas, são enxertadas nessas
"representações" difusas. Nossa hipótese é que, se pudermos observar os primórdios da
reflexividade através de várias iniciativas de diálogo entre a ciência e os atores sociais
(conferências de consenso, vários processos dialógicos para usar o termo de Callon),
observamos também uma outra dinâmica que Chamo dinâmico de captura do medo,
https://journals.openedition.org/developpementdurable/8235 4/16
12/12/2018 O sociólogo na ação coletiva contra o risco

dinâmica de construção de dispositivos de controle (Deleuze, 1990) que pretendem


propor uma resposta técnico-científica aos receios que esses novos riscos despertam.
12 Essa dinâmica é claramente visível, em minha opinião, em questões de segurança
alimentar. Os acidentes que se repetiram nos últimos anos neste setor (doença das
vacas loucas, etc.) desencadeiam uma dinâmica de captura da ameaça que a reenquadra
nos modos de ação que são os de controle. Essa dinâmica envolve uma combinação de
processos de mídia, mercado, políticos e científicos que se alinham entre si em um
processo que pode ser estilizado da seguinte maneira. 0: ocorre um acidente ou um
alerta grave. 1: A mídia assume a história ou o caso e propaga uma visão
potencialmente catastrófica que não importa se for confirmada nos fatos depois, porque
o negócio é bem-sucedido e reabastece a máquina. 2: os atores econômicos mais
poderosos, Em particular, a indústria e os varejistas de massa se sentem ameaçados no
curto prazo (os mercados colapsam) e tomam iniciativas. A curto prazo, eles buscam
tranquilizar e levar o Estado a medidas radicais de resseguro (por exemplo, o abate de
milhões de animais), o que produz novos eventos de mídia. 3: os mesmos atores
recorrem a cientistas e laboratórios para desenvolver novas técnicas e especialmente
para desenvolver dispositivos de prevenção que são dispositivos de informação. 4: mais
rápido que o estado, porque está dividido entre os interesses em jogo, eles colocam em
prática novos mecanismos de controle que ajudarão a evitar tais crises, por exemplo
sentir-se ameaçado a curto prazo (colapso dos mercados) e tomar iniciativas. A curto
prazo, eles buscam tranquilizar e levar o Estado a medidas radicais de resseguro (por
exemplo, o abate de milhões de animais), o que produz novos eventos de mídia. 3: os
mesmos atores recorrem a cientistas e laboratórios para desenvolver novas técnicas e
especialmente para desenvolver dispositivos de prevenção que são dispositivos de
informação. 4: mais rápido que o estado, porque está dividido entre os interesses em
jogo, eles colocam em prática novos mecanismos de controle que ajudarão a evitar tais
crises, por exemplo sentir-se ameaçado a curto prazo (colapso dos mercados) e tomar
iniciativas. A curto prazo, eles buscam tranquilizar e levar o Estado a medidas radicais
de resseguro (por exemplo, o abate de milhões de animais), o que produz novos eventos
de mídia. 3: os mesmos atores recorrem a cientistas e laboratórios para desenvolver
novas técnicas e especialmente para desenvolver dispositivos de prevenção que são
dispositivos de informação. 4: mais rápido que o estado, porque está dividido entre os
interesses em jogo, eles colocam em prática novos mecanismos de controle que
ajudarão a evitar tais crises, por exemplo A curto prazo, eles buscam tranquilizar e levar
o Estado a medidas radicais de resseguro (por exemplo, o abate de milhões de animais),
o que produz novos eventos de mídia. 3: os mesmos atores recorrem a cientistas e
laboratórios para desenvolver novas técnicas e especialmente para desenvolver
dispositivos de prevenção que são dispositivos de informação. 4: mais rápido que o
estado, porque está dividido entre os interesses em jogo, eles colocam em prática novos
mecanismos de controle que ajudarão a evitar tais crises, por exemplo A curto prazo,
eles buscam tranquilizar e levar o Estado a medidas radicais de resseguro (por exemplo,
o abate de milhões de animais), o que produz novos eventos de mídia. 3: os mesmos
atores recorrem a cientistas e laboratórios para desenvolver novas técnicas e
especialmente para desenvolver dispositivos de prevenção que são dispositivos de
informação. 4: mais rápido que o estado, porque está dividido entre os interesses em
jogo, eles colocam em prática novos mecanismos de controle que ajudarão a evitar tais
crises, por exemplo os mesmos atores vão aos cientistas e laboratórios para desenvolver
novas técnicas e, especialmente, para desenvolver dispositivos de prevenção que são
dispositivos de informação. 4: mais rápido que o estado, porque está dividido entre os
interesses em jogo, eles colocam em prática novos mecanismos de controle que
ajudarão a evitar tais crises, por exemplo os mesmos atores vão aos cientistas e
laboratórios para desenvolver novas técnicas e, especialmente, para desenvolver
dispositivos de prevenção que são dispositivos de informação. 4: mais rápido que o
estado, porque está dividido entre os interesses em jogo, eles colocam em prática novos
mecanismos de controle que ajudarão a evitar tais crises, por exemploatravés de
rastreabilidade generalizada e através de rigoroso controle de práticas agrícolas que
são agora líderes no final da cadeia. 5: os produtores, aqui agricultores, não têm escolha
senão submeter-se a estes dispositivos que são socialmente legítimos e fortemente
https://journals.openedition.org/developpementdurable/8235 5/16
12/12/2018 O sociólogo na ação coletiva contra o risco

equipados em técnicas e formas de coordenação (certificação, rastreabilidade, sistemas


de informação, procedimentos, etc.).
13 É esta dinâmica que eu quero perguntar porque ele também compartilha muitas
características do que eu chamo uma holding que é uma sociedade em que controlar o
fluxo de tráfego, tornou-se a chave, e esta empresa de controle já não tem como alvo a
disciplina profissional ou pessoal, mas apenas flui. Esta empresa de controle (Deleuze,
1990) realiza o controle via informação e leva a padronizar as práticas com base nesses
requisitos de informação. Essa sociedade de controle tende a organizar práticas
baseadas nos requisitos de segurança dos organizadores.
14 Eu vou dar dois exemplos. O primeiro é anedótico. A cooperativa de Isigny produz
centenas de milhares de tabelas de pizza por ano, incluindo uma proporção significativa
de queijos de leite cru. Essa produção específica é muito apreciada pelos gastrônomos, e
lembramos que ela sobreviveu a um regulamento europeu que queria, por razões de
higiene, proibir toda a produção de leite cru. Lembramos também a posição do Príncipe
Charles em favor deste leite cru Camembert. É um produto original, baseado em um
método de produção original, e que muitos consideram um patrimônio gastronômico e
agrícola. Este queijo é protegido por uma Appellation d'Origine Contrôlée (AOC). No
início de 2007, um acidente ocorre; várias crianças foram infectadas com uma bactéria
desconhecida (nova?) presente nesses gráficos de pizza. Estes acidentes são limitados,
incluindo bebês de pouca idade (8 meses). O caso é altamente divulgado e muito
rapidamente a cooperativa de Isigny suspende a fabricação. A parte preocupante dessa
dinâmica é que a decisão é baseada no medo do ciclo mencionado acima. O medo
desencadeia um mecanismo que leva à destruição final de um sistema de produção. Nós
não questionamos as responsabilidades dos consumidores. Nós não perguntamos aos
produtores o que pode ser feito. A dinâmica do medo está a caminho. O caso é
altamente divulgado e muito rapidamente a cooperativa de Isigny suspende a
fabricação. A parte preocupante dessa dinâmica é que a decisão é baseada no medo do
ciclo mencionado acima. O medo desencadeia um mecanismo que leva à destruição
final de um sistema de produção. Nós não questionamos as responsabilidades dos
consumidores. Nós não perguntamos aos produtores o que pode ser feito. A dinâmica
do medo está a caminho. O caso é altamente divulgado e muito rapidamente a
cooperativa de Isigny suspende a fabricação. A parte preocupante dessa dinâmica é que
a decisão é baseada no medo do ciclo mencionado acima. O medo desencadeia um
mecanismo que leva à destruição final de um sistema de produção. Nós não
questionamos as responsabilidades dos consumidores. Nós não perguntamos aos
produtores o que pode ser feito. A dinâmica do medo está a caminho. Nós não
perguntamos aos produtores o que pode ser feito. A dinâmica do medo está a caminho.
Nós não perguntamos aos produtores o que pode ser feito. A dinâmica do medo está a
caminho.
15 Meu segundo exemplo é menos restrito, menos anedótica. A questão dos pesticidas é
tipicamente um desses novos riscos. E a União Européia (UE) instou os Estados
Membros a implementarem um programa de ação nessa área. Diferentes estratégias
são possíveis. Por exemplo, a Dinamarca decidiu estabelecer metas rígidas para reduzir
a quantidade de pesticidas na agricultura. A Bélgica tomou outra opção muito
significativa de redução de riscorelacionadas ao uso de pesticidas. Objetivo mais
relevante na aparência, pois é mais preciso e parece direcionar melhor as
conseqüências, os resultados a serem alcançados. Mas este objetivo, à primeira vista
generoso, supõe uma avaliação de risco. Mas os pesticidas são numerosos, usados de
maneira diferente dependendo da cultura, dependendo do clima, de acordo com as
estratégias individuais etc. Eles são, portanto, muito diferentes no espaço e no tempo.
Quanto aos efeitos destes pesticidas, apenas estão disponíveis indicações muito parciais
dos seus efeitos no ambiente ou na saúde quando são difundidas cronicamente e em
doses baixas. Seus efeitos a longo prazo ao longo das cadeias tróficas são muito difíceis
de analisar. Mas essas dificuldades não param a máquina técnico-científica: Propõe-se
desenvolver um "modelo" de avaliação de risco. Por modelo entende-se aqui um banco
de dados que avaliará o risco em qualquer parte do território. Como fazer isso?
Encadeando o modelo de uma gama de informação, por um lado, as quantidades de
pesticidas de cada tipo vendido no mercado (fracamente dados confiáveis por causa de
https://journals.openedition.org/developpementdurable/8235 6/16
12/12/2018 O sociólogo na ação coletiva contra o risco

uso privado, o comércio transfronteiriço, a relutância dos produtores para tornar essa
informação); Por outro lado, os dados de toxicidade dos dossiês de registo destes
pesticidas no momento da sua comercialização, mas estes dados são dados laboratoriais
e dizem respeito a aplicações pontuais de dose elevada: é necessário extrapolar isso
para o meio ambiente; e finalmente, dados estatísticos sobre a distribuição de culturas
nas comunas, assumindo práticas uniformes e padronizadas para a aplicação de
pesticidas no cultivo de trigo, arboricultura, etc. de acordo com as instruções dos
fabricantes ou do conselho agrícola. Isso é seguido por uma série de dados pouco
confiáveis que o modelo reunirá de maneira probabilística para definir um nível de
risco. Através disso, esperamos definir medidas que possam ir à proibição de tal
pesticida em tal produção ... Este modelo não é apenas fracamente confiável em termos
científicos, mas seu uso na avaliação de risco implica escolhas que não são baseadas em
ciência; como por exemplo privilegiar as doses altas, mas que são raras ou, pelo
contrário, as exposições muito frequentes, mesmo que as doses sejam fracas. De fato, a
construção de um modelo técnico-científico incluinecessariamente conhecimento, mas
também escolhas éticas. Mas a própria prática da modelagem é que o debate está
trancado no modelo que se torna uma caixa preta, cientificamente e socialmente.
Produtores, bem como consumidores, estão excluídos.
16 Este modelo também é baseado em uma expectativa implícita, uma crença extra-
científica, de que a indústria será gradualmente capaz de substituir os pesticidas atuais
por pesticidas menos tóxicos, o que preserva os interesses dos produtores de pesticidas.
Isso prejudica os agricultores porque implicará um aumento de custos para eles ..., os
novos pesticidas sendo necessariamente mais caros, uma vez que é necessário pagar o
esforço de inovação.
17 Menos dramático que o caso do camembert de leite cru, o caso ilustra uma dinâmica
típica de gerenciamento de risco. Procede-se a priorizar as apostas econômicas,
procede-se pela construção de uma caixa-preta técnico-científica, e leva a uma
padronização das práticas. Também tem a característica de ignorar completamente as
práticas dos produtores agrícolas e isso é o que me parece problemático, na medida em
que prossegue ignorando as práticas e impondo aos produtores (e aos consumidores)
escolhas que são feitas com o risco de destruir essas práticas e torná-las cegas para si
mesmas.
18 Estes dispositivos, esses processos levam em conta o risco, na minha opinião ilustrar
a dinâmica de uma sociedade que coloca o risco como categoria organizadora da ação
pública. Esta dinâmica parece-me potencialmente cega para os seus próprios efeitos
(neste caso a dinâmica dos pesticidas nas cadeias alimentares permanece
desconhecida) e destruindo as práticas agrícolas e alimentares mais ricas pela sua
diversidade e pelo seu know-how. Mas a destruição da diversidade de práticas agrícolas,
práticas de processamento e práticas culinárias associadas é uma ameaça muito mais
séria, uma vez que leva a outros desastres de saúde.
19 diz respeito à noção de sociedade de risco de U. Beck, a questão é quais são as
No conseqüências do surgimento desses novos riscos. A dinâmica descrita acima é uma
que maneira de alguns aproveitarem isso. Consiste em confiar no medo para constituir risco
como justificativa para uma organização assimétrica de relacionamentos. O medo cria,
nos casos mencionados, um imaginário vítimas potenciais coletivos, mas aberto para
capturar por atores poderosos e a criação de controle coletivo e padronização de
práticas. Para desenvolver uma alternativa, pode-se desenvolver uma abordagem para a
ação coletiva aberto à questão do conhecimento sociológico (ciências sociais em geral)
para se desenvolver.

3. Coletivos de gerenciamento de risco


20 Um sistema de rastreabilidade dos alimentos é uma maneira de fazer um coletivo,
que incluem o efeito de transferir a responsabilidade para o agricultor.

https://journals.openedition.org/developpementdurable/8235 7/16
12/12/2018 O sociólogo na ação coletiva contra o risco

3.1. Ação coletiva: conceito


21 A ação coletiva pode ser definida de várias maneiras. A partir de uma perspectiva
sociológica concentra-se em movimentos sociais, refere-se acima de todas as formas de
mobilização social em torno de um objetivo de uma reclamação. Do ponto de vista da
ação organizada, é bastante as regras de produção, um jogo de negociação e delegação,
o que levará a uma hierarquia organizacional. Esta visão é perto da análise econômica
da ação coletiva que também postula indivíduos com interesse, representações de
recursos. Mas a análise econômica coloca mais ênfase na coordenação de ações
individuais do que em jogos estratégicos. Sem entrar em uma longa discussão teórica,
apresentaremos o conceito de coordenação na medida em que é relativamente neutro
quanto às diferentes maneiras pelas quais a coordenação pode ser feita, pelo cálculo da
eficiência (economia), por valores ou objetivos. compartilhada (sociologia), por
tradições (etnologia) ou por interações espacializadas (geografia). Cada disciplina, de
fato, privilegia um modo de coordenação como constitutivo da ação coletiva e, portanto,
um número de categorias (interesse, valor) explicativas. É verdade que as relações de
mercado são uma forma de coordenação que forma um tipo específico de ação coletiva,
mas essa lei ou tradição são outras formas de coordenação que funcionam de outro
modo.

3.2. Ação coletiva e coletiva definida por uma


prática
22 A ação coletiva é aqui conceituada como o processo de formação de coletivos de
várias formas e naturezas, mas onde esses coletivos são construídos em torno de
práticas finalizadas e sensatas (ou seja, para aqueles que elas associam). A ação coletiva
é então definida de forma diferente, deixando o dilema individual / coletivo, por um
lado, e concentrando-se nos objetos da prática, por outro lado. A ideia de coletivos
organizados em torno de práticas que lidam com objetos especificados por essas
práticas muda um pouco o foco da única questão das relações e regras sociais (típica
das abordagens sociológicas e econômicas da ação coletiva) para a das relações. entre a
ação coletiva e o tratamento das realidades em que se trata a ação coletiva. Para
resumir, a ação coletiva não é organizada da mesma maneira para regular o tráfego nas
estradas ou para produzir uma obra de arte em uma sala de concertos. O objeto da ação
coletiva é importante.
23 Nesta perspectiva, o risco assume outro significado que na leitura anterior ou, mais
exatamente que cresce a questionar a relação entre práticas e risco. O risco, na
dinâmica mencionada acima, parece ser uma realidade imposta de fora aos coletivos
humanos, que tende a estabelecer uma relação de externalidade do evento ameaçador.
As sociedades pré-industriais tratavam a ameaça no modo de punição ou destino que,
pela mediação de deuses ou mitos, definia o humano coletivo, direcionava sua ação. Era
uma construção do risco, isto é, uma produção da representação do risco e ao mesmo
tempo da forma de tratá-lo para dar vida à comunidade que o confrontava.
24 O risco, independentemente do contexto, é necessariamente sujeitos à construção. De
fato, uma simples epistemologia permite postular que o risco não é real, não é da ordem
do que é, mas do que poderia acontecer, portanto, de uma representação de um evento
futuro, possível, mas permanece virtual. E essa representação é necessariamente uma
construção que passa por procedimentos, ferramentas, instrumentos, juízos sobre o que
importa e o que importa.
25 Nas sociedades tradicionais, este procedimento de construção é muitas vezes da
ordem do religioso, o mítico, de modo a imputar causas e explicações das forças
externas. sociedade industrial como temáticos por F. Ewald é uma maneira de
internalizar esta construção a partir da perspectiva de um mestre, mas isso implica a
internalização de tornar objectivado e procedimento questionável, ou, mais
precisamente negociáveis entre o ser humano (e não com a deuses). Portanto, o risco é
construído como uma representação por meio de um processo de negociação entre as

https://journals.openedition.org/developpementdurable/8235 8/16
12/12/2018 O sociólogo na ação coletiva contra o risco

partes interessadas para as causas e conseqüências do risco, de modo que o risco seja
indissociavelmente um componente do coletivo que o suporta. Deste ponto de vista,
26 O processo de construção do risco é, portanto, inseparável, mas não idêntico, ao
processo de construção coletiva. Em outras palavras, e nós o conhecemos bem, nós
"negociamos" ao mesmo tempo o risco e nosso relacionamento com os outros
envolvidos. Na sociedade industrial havia, na linha de F. Ewald, uma delegação de
certos aspectos da construção do risco aos procedimentos científicos: as estatísticas e o
cálculo das probabilidades, a avaliação dos danos poderia, não sem tensões e conflitos,
sejam delegados a especialistas, tecnologia e ciência, e não poderiam ser de outra
forma, por exemplo, para avaliar o dano potencial de uma inundação ou, até certo
ponto, doença ocupacional. Muitos estudos mostraram que a configuração ou o
enquadramento dessas avaliações foi socialmente construído. Mas então é preciso
perguntar por que o risco não é completamente objetificável.

3.3. A ação coletiva envolve coordenação


27 É aqui que se pode fazer a ligação entre a ação coletiva como constitutiva de coletivos
orientados por práticas com risco como construção por procedimentos negociados de
objetivação. O risco como fato virtual tem duas funções em particular: projeta os atores
no futuro e, portanto, questiona sua existência ou sua permanência, mas também
questiona as relações entre os que estão preocupados como atores, responsáveis ou
vítimas. , relativamente. A definição do risco de contaminação de alimentos refere-se
necessariamente às responsabilidades distribuídas entre produtores, distribuidores e
consumidores: na cadeia de frio, todos podem falhar e devemos pensar nessa
distribuição de responsabilidades.
28 A gestão de risco, ou a sua consideração nas práticas, implicará, portanto, uma
relação específica e nova entre os atores envolvidos. Envolve coordenação, ação coletiva
e ação coletiva, na medida do possível ou não, na medida em que altera as relações
entre os atores, reage necessariamente à representação do risco. Estou pensando aqui
nos camponeses que vivem nas encostas do vulcão Galeras, na Colômbia (Adant e
Mormont, 1996). A vontade das autoridades para evitar o risco de condução para mover
alguns deles para outras terras, para organizar um sistema de tráfego para evacuar os
outros, e tudo isso, proposto por governos autoritários, só poderia ser percebido como
assalto, desvios para expropriar ou as tornam mais vulneráveis aos ladrões, bem como
militar ... A negação de risco, apoiada por crenças e ritos religiosos de convivência com
o vulcão, era inseparável do seu medo de serem despojados e expropriada e para ver
suas comunidades espalhadas. Aceitar a existência do risco teria sido aceitar submeter-
se a um perigo ainda maior, o de confiar totalmente em poderes muito mais concretos e
ameaçadores do que os ocasionais ruídos do sinal da montanha.
29 Em outras palavras, a construção do risco é necessariamente a construção de uma
relação social entre quem designa, gerencia, previne e organiza tudo isso.
30 De forma mais neutra, para não dramatizar a encenação, o risco existe apenas por
meio de um procedimento, instrumentos, inclusive os da prevenção, mas esses
instrumentos postulam-se relações entre os atores. O saldo é entre os custos de levar
em conta o risco e os riscos dos eventos. A ação coletiva, então, atua como o processo
pelo qual a construção do risco é feita para que seja levada em conta pelos atores que
estão preocupados com o risco, pois afeta suas práticas. A coordenação é possível, mas
ao custo da consideração simultânea de custos de um lado para o outro. Isto é afirmado
aqui em termos de custos e benefícios, na linguagem econômica dominante que facilita
a compreensão;
31 Número de pesquisas (Pécaud, 2005 ou para exemplos Tornatore, 2000; Duchene,
2008) mostrou, a partir deste ponto de vista, a definição de riscos no mundo do
trabalho industrial, incluída esta dimensão da negociação multidimensional, c isto é,
misturando questões de identidade e interesses. As características de segurança são o
resultado de uma negociação (curso desigual) entre o que é economicamente aceitável,
que é tecnicamente viável, o que é suportável para o trabalhador e que preserva o seu

https://journals.openedition.org/developpementdurable/8235 9/16
12/12/2018 O sociólogo na ação coletiva contra o risco

know-how e identidade. O gerenciamento de riscos é baseado em uma coordenação que


leva em conta essas múltiplas dimensões.
32 Os novos riscos ambientais (clima, perda de biodiversidade, etc.) só podem ser objeto
de uma ação coletiva de assunção de responsabilidade, se forem adquiridas as
condições da coordenação, a saber, um instrumento cognitivo de definição do risco e
um instrumento normativo ou princípio de coordenação. O que torna sua originalidade
ou seu caráter crítico é precisamente que essas condições não são dadas, elas devem ser
o assunto de uma construção.

3.4. Norma ou princípio de coordenação e gestão


de risco
33 A coordenação ou ação coletiva é baseada em um princípio organizador ou na
combinação de vários princípios organizadores. Pense na segurança no trânsito. A
coordenação, instrumentada por um código regulador e por várias ferramentas
materiais (voltaremos a ela), é uma coordenação pragmática (não é importante
contanto que todos respeitem a regra), mas é uma coordenação que é ainda complexo.
Não pode confiar inteiramente no interesse bem entendido de usuários logicamente
interessados por si mesmos em evitar acidentes e, portanto, na única lógica da
agregação espontânea de interesses: supõe uma convenção no sentido mais básico.
Também deve contar com uma fonte que não pode ser justificada pelo único imperativo
de eficiência para cada indivíduo, precisa de uma justificativa diferente quando chega à
escala da ação pública que vai reivindicar um interesse maior, a saber, a segurança
pública como um interesse coletivo ou o bom desempenho do tráfego por razões de
eficiência. coletiva. É este princípio de coordenação que autorizará e justificará várias
medidas de coordenação e, em particular, a coerção de atividades individuais.através
de um ator público 2 .
34 Existem diferentes princípios de ação pública como quadros organizadores de ação
coletiva. Por exemplo, o princípio da eqüidade assumiu recentemente um lugar
(modesto) na coordenação do tráfego ao atribuir responsabilidade objetiva aos
motoristas de automóveis para usuários fracos (pedestres, ciclistas). Esse princípio de
coordenação é, além dos precedentes, que, dando aos motoristas maior
responsabilidade, desencadeia mudanças nos sistemas de seguro e, por fim, espera-se,
nas práticas dos motoristas no campo. aproximação de faixas de pedestres. Por outro
lado, ao distribuir os custos dos sinistros incorridos por habitantes em áreas propensas
a inundações em todos os segurados, há pouco incentivo para que esses habitantes ou
as autoridades responsáveis pelas autorizações para construir,
35 A maioria dos sistemas têm se estabilizado como a definição de sistemas e gestão de
risco combinam fatos diversos princípios de coordenação e, muitas vezes atribuir a
diferentes instâncias cuidado de preservar todos os princípios em um equilíbrio
pragmático. Alguns riscos podem ser totalmente comercializados e sujeitos à lei da
oferta e da demanda, outros podem ser atribuídos exclusivamente às autoridades
públicas, mas a maioria faz a diferença ao tentar combinar princípios diferentes em
dispositivos relativamente eficazes.
36 Em resumo, a ação coletiva de gerenciamento de riscos sempre envolve referência a
um ou mais princípios de coordenação que definem a forma coletiva normativamente.
A escolha de princípios muitas vezes resulta de uma longa história de constituição
social das práticas envolvidas, o que explica a variabilidade observada entre as
sociedades.

3.5. Instrumentos de coordenação


37 Os instrumentos e procedimentos dependem fortemente estas construções. Os
exemplos são múltiplos. Por exemplo, como impor carros mais seguros aos fabricantes
de carros se não soubermos avaliar sua resistência ao impacto e as conseqüências

https://journals.openedition.org/developpementdurable/8235 10/16
12/12/2018 O sociólogo na ação coletiva contra o risco

desses choques nos ocupantes? O desenvolvimento de um método de teste (EuroNcap)


e a sua cobertura mediática num contexto competitivo levou à adaptação de produtos e
ao desenvolvimento de padrões públicos. O método técnico de medição e comparação,
implicitamente associado a um jogo de mercado, funcionou bem aqui como um
instrumento para a apreensão de riscos e o gerenciamento de riscos (neste caso,
redução de riscos).
38 instrumentos de avaliação, diagnóstico e medição desempenham um papel essencial
Os como instrumentos de coordenação, pois moldam o risco e permitem vincular sua
definição a possíveis ações. A maioria dos riscos não pode ser tratada sob a única figura
do bem comum, isto é, uma ameaça que diz respeito a todos e que pressupõe apenas
uma simples mobilização e coordenação.
39 Vamos a este respeito o exemplo da erosão costeira (Herbert and Small, 2008).
Ameaça várias casas erguidas perto de praias ou falésias. Três estratégias são possíveis;
realizar o trabalho de defesa, que é oneroso para as autoridades públicas, de modo a
adiar a erosão; realizar ações preventivas limitando a possibilidade de construir em
áreas de risco, recuar, isto é, mover prédios. Para o economista 3a escolha entre essas
estratégias poderia ser feita racionalmente se os custos dessas estratégias pudessem ser
estimados. Mas a avaliação dessas estratégias requer a previsão da taxa de erosão no
médio prazo, pelo menos, e também a capacidade de atualizar os custos dos edifícios
perdidos ao longo do tempo. Se possível, isso poderia ser feito através de uma análise
de custo-benefício, por exemplo, escolhendo, em alguns casos, compensar alguns
proprietários (em nome de um princípio de equidade) movendo-os em vez de
empreender um trabalho de proteção. muito caro, que já não corresponderia a um
princípio de eficiência. Poderíamos também definir melhor os custos da prevenção, mas
isso deve ser comparado com os benefícios do desenvolvimento do turismo. A incerteza
é tanto "natural" quanto social.
40 Nesse tipo de situação, a ação coletiva não tem apenas princípios de coordenação,
mas também ferramentas cognitivas para definir risco. É claro que os princípios de
coordenação não são óbvios; Deveríamos deixar a responsabilidade por suas escolhas
para os indivíduos, para os construtores e deixar que a lei de mercado e o cálculo
individual se desenvolvessem? Ou deveria o princípio da eqüidade ser aplicado e as
vítimas compensadas, pelo menos aquelas que se estabeleceram antes do processo de
avaliação de risco? Ou devemos também ter em conta os interesses colectivos locais,
nomeadamente os interesses do sector do turismo, principal fonte de renda para a
região? A escolha do princípio de coordenação ou a combinação de princípios de
arbitragem refere-se, de fato, à composição de coletivos interessados no risco e seu
gerenciamento. No entanto, a composição do coletivo ou coletivos levados em conta é
susceptível de modificar o instrumento, ou seja, o cálculo dos custos das estratégias.
Medir os impactos indiretos de uma limitação do desenvolvimento turístico sobre a
região amplia, espacialmente, temporalmente e socialmente, o coletivo envolvido ...
Essas diferentes hipóteses sugerem qual é o argumento defendido aqui: não há lógica
necessária que vá da natureza de um risco aos padrões de sua gestão, não há isto é,
calculando os custos das estratégias. Medir os impactos indiretos de uma limitação do
desenvolvimento turístico sobre a região amplia, espacialmente, temporalmente e
socialmente, o coletivo envolvido ... Essas diferentes hipóteses sugerem qual é o
argumento defendido aqui: não há lógica necessária que vá da natureza de um risco aos
padrões de sua gestão, não há isto é, calculando os custos das estratégias. Medir os
impactos indiretos de uma limitação do desenvolvimento turístico sobre a região
amplia, espacialmente, temporalmente e socialmente, o coletivo envolvido ... Essas
diferentes hipóteses sugerem qual é o argumento defendido aqui: não há lógica
necessária que vá da natureza de um risco aos padrões de sua gestão, não háUm melhor
caminho . A maneira pela qual o risco é definido cognitivamente depende do que é
levado em conta na operação de definição; mas, inversamente, o conhecimento do risco
contribuirá para definir os limites dos coletivos envolvidos e se prestará ao uso desse ou
daquele princípio de coordenação. Se falamos sobre a construção social do risco, é para
indicar esse processo que faz interagir ferramentas cognitivas, normas de coordenação
e coletivas.

https://journals.openedition.org/developpementdurable/8235 11/16
12/12/2018 O sociólogo na ação coletiva contra o risco

41 Há duas conseqüências importantes. A construção do risco é feita através de


instrumentos que dependem dos coletivos envolvidos, mas esses instrumentos,
associados aos princípios de coordenação, possibilitam ou não definir um coletivo capaz
de assumir o risco responsável, de "administrá-lo". Um dos processos importantes aqui
são as antecipações que os atores farão referindo-se tanto ao conhecimento do risco
quanto aos padrões estabelecidos.
42 Isto posiciona a abordagem científica à medição e avaliação: por um lado isso
depende de grupos que estão a ter em conta, e em segundo lugar, fornece ferramentas
para criar ou reconfigurar ação coletiva. Surgem então cenários diferentes, dependendo
de o risco emergir de uma ação coletiva de mobilização de vítimas, ou de o risco vir de
fora para se propor como um requisito a ser considerado pelos coletivos existentes;
dependendo se os coletivos envolvidos são organizados por este ou aquele princípio de
coordenação. Qualquer processo científico de objetivação do risco constitui, então, um
elemento que pode intervir na construção do risco e isso levanta a questão dos modos
de intervenção da ciência e, em particular, de sua parte das ciências humanas.

4. A intervenção do sociólogo
43 A especificidade dos riscos ambientais, na teorização de U. Beck, é que eles são
ameaças que, induzidas pela atividade humana, não são, no entanto, incluídas no
funcionamento dos coletivos. Resultam de externalidades, efeitos esquecidos ou
negligenciados pelo coletivo. Eles transbordam. Nem o produtor de amianto, nem o
mercado, nem os consumidores viram ou quiseram ver este risco. Organizados coletivos
emergem de fora, muitas vezes de vítimas que se organizam ou de alertas científicos. O
caso, então, geralmente é o dos coletivos aos quais nos opomos ao risco, pois é
construído de fora por procedimentos técnico-científicos. E frequentemente nos
deparamos com atitudes que variam da negação do risco à ampliação do risco.
44 Na maioria das vezes o que é necessário para o sociólogo é trabalhar para esclarecer
as percepções de risco, ou as representações de risco. Essa demanda, muitas vezes
advinda de atores poderosos (estado, empresas, cientistas organizados), geralmente se
baseia no postulado de uma irracionalidade popular em face do risco, sendo essa
irracionalidade oposta à definição objetiva de risco pela ciência. Já reflete uma
estruturação do campo social que torna o públicoum corpo particular de ferramentas de
conhecimento de risco. Esse pedido, então, atribui ao sociólogo um papel de
objetivação: ele deve dizer o que os atores estão errados e as razões objetivas para o erro
que podemos esperar corrigir. Essa maneira de fazer as coisas ajuda a naturalizar as
audiências, para torná-las objetos simples que podem ser explicados (e esperamos que
possam ser resolvidos). Mas a maioria dos estudos de representações de risco tem sido
fracassados e não resultaram em políticas robustas. É precisamente porque,
naturalizando as relações com os riscos 4 , são frágeis e muitas vezes sem efeito na ação
coletiva que continua e que transforma a relação com o risco que nunca é apenas uma
relação de representação.
45 Podemos tentar definir a intervenção do conhecimento sociológico de forma
diferente, admitindo precisamente a forte ligação entre constituição coletiva e risco. A
hipótese pode ser formulada da seguinte forma: conhecimento sociológico pode agir
como um constituinte do conhecimento coletivo (como auto-conhecimento e
conhecimento dos outros) isto é, como tendo potencial para contribuir para
reconfigurar o coletivo, em determinadas condições e dentro de certos limites. Não se
trata de fazer do sociólogo o demiurgo da sociedade de risco, mas de imaginar como o
conhecimento que os coletivos têm de si mesmos (ou podem adquirir) pode agir. Nesta
hipótese, o sociólogo deve considerar-se como intervindo e não como explicativo,
46 É perfeitamente possível aceitar como ponto de partida que, em qualquer situação, os
atores já estão organizados, isto é, já possuem um princípio e ferramentas de
coordenação que lhes são disponibilizadas pelos múltiplos equipamentos disponíveis
nas nossas sociedades. Tomemos o caso de um grupo de moradores que enfrentam
poluição acidental ou crônica revelada a eles por um alerta ou pela mídia: a referência à

https://journals.openedition.org/developpementdurable/8235 12/16
12/12/2018 O sociólogo na ação coletiva contra o risco

saúde fortemente ligada a um princípio de equidade e a comunicação da mídia formam


os primeiros recursos sobre que iniciam a ação; pode então ser implantado através da
mobilização de relações de vizinhança, a comunidade política local, mobilizando assim
outros princípios de coordenação e usando outros instrumentos (eventos, folhetos).
Estrategicamente, é lógico que essas potenciais vítimas de um risco imposto a elas o
realimentem, amplifiquem e abracem qualquer tentativa e tentação de negação por
parte do industrial ou da autoridade política. Assim, um coletivo de ação, uma ação
coletiva, se você quiser, que vai se estabilizar em uma forma de organização (um comitê
local, uma associação de defesa). Qualquer outra é provavelmente a forma de ação
coletiva de um grupo de trabalhadores que realiza trabalhos perigosos em qualquer
empresa. É provável que tal coletivo, que de outra forma enfrenta um risco, concilie um
princípio de eficiência no trabalho e um princípio de solidariedade grupal (essencial ao
seu trabalho).5 , às práticas de ritualização, ritos de iniciação do novo, etc, como muitos
instrumentos de coordenação da ação coletiva no trabalho.
47 Nestes dois exemplos, fica claro que a análise sociológica que pode ser feita não pode
permanecer sem efeito nos grupos envolvidos. No primeiro caso, se focar, por exemplo,
no apoio da ação coletiva dos moradores locais, pode facilmente enfraquecê-lo,
mostrando a fragilidade das informações científicas que justificam a ação. No segundo
caso, revelar as táticas pelas quais os trabalhadores se organizam informalmente para
manter sua autonomia de trabalho, mesmo ignorando as medidas de segurança, pode
muito bem dar poder a um poder para realinhar suas práticas. Os atores têm
(felizmente) táticas para evitar essas queixas em sua ação. Mas isso levanta a questão
do possível efeito do conhecimento sociológico sobre situações "em risco".
Similarmentevia avaliações contingentes ou métodos de preços hedônicos) pode estar
sujeito a interpretações que serão mobilizados na ação coletiva. Por exemplo, a análise
das flutuações dos preços das casas pela distância até a fonte de poluição pode ser um
argumento para aqueles que reivindicam compensação econômica (se eles se referirem
a um princípio de coordenação de mercado) ou, inversamente, que pedem cuidados de
saúde (se eles mobilizam um argumento de eqüidade social). O conhecimento científico
não produz necessariamente um efeito por si só, mas pode ser um recurso para a ação
coletiva.
48 Portanto, a intervenção sociológica, aqui dado um significado amplo ao termo para
descrever qualquer forma de engajamento sociólogo na situação, que exige um
posicionamento do pesquisador nesta ação coletiva. O posicionamento da pesquisa-
ação representa uma solução. Neste caso, o sociólogo se concentra em uma ação
coletiva, um grupo e ele se concentra em uma transformação do grupo e sua relação
com outros atores. A pesquisa-intervenção é outra via em que o sociólogo se
posicionará mais como mediador, intermediário entre os atores na busca de outras
formas de coordenação.
49 Na pesquisa-intervenção (Stassart e Mormont, 2008) como a entendemos, a tarefa
do sociólogo é, então, menos levar em conta as formas que as coordenações e os
instrumentos tomam do que buscar, com os atores, novas formas de coordenação.
quem pode mudar a situação. Essa postura de pesquisa posiciona o sociólogo como
coautor de um diagnóstico realizado com atores de uma situação. Esse diagnóstico
consiste em expor os diferentes pontos de vista sobre a situação, explicitando diferenças
ou mesmo tensões, por exemplo, na definição de risco ou responsabilidades. A
intervenção, portanto, tem uma dimensão cognitiva de atualização dessa situação e um
diagnóstico compartilhado. Mas também tem uma dimensão prática que é transformar
as relações entre os protagonistas. O trabalho, então, é para desenvolver um programa
de acção e de investigação no qual os jogadores podem concordar: é para a produção de
conhecimento, mas também para mudar o relacionamento entre os atores, as duas
abordagens são inseparáveis. O que está envolvido é, portanto, produzir capacidades
coletivas (o que não significa comum) para tomar conta do problema. Neste processo há
mais para o sociólogo disse, numa perspectiva determinista, a verdade dos atores, suas
motivações ou determinações, mas sim para explorar o que a redefinição de suas
práticas, suas habilidades e suas relações são possível e sob que condições. O trabalho,
então, é para desenvolver um programa de acção e de investigação no qual os jogadores
podem concordar: é para a produção de conhecimento, mas também para mudar o
https://journals.openedition.org/developpementdurable/8235 13/16
12/12/2018 O sociólogo na ação coletiva contra o risco

relacionamento entre os atores, as duas abordagens são inseparáveis. O que está


envolvido é, portanto, produzir capacidades coletivas (o que não significa comum) para
tomar conta do problema. Nesse processo, não é mais uma questão para o sociólogo
dizer, numa perspectiva determinista, a verdade dos atores, suas motivações ou
determinações, mas explorar quais redefinições de suas práticas, habilidades e
relacionamentos possível e sob que condições. O trabalho, então, é para desenvolver um
programa de acção e de investigação no qual os jogadores podem concordar: é para a
produção de conhecimento, mas também para mudar o relacionamento entre os atores,
as duas abordagens são inseparáveis. O que está envolvido é, portanto, produzir
capacidades coletivas (o que não significa comum) para tomar conta do problema.
Nesse processo, não é mais uma questão para o sociólogo dizer, numa perspectiva
determinista, a verdade dos atores, suas motivações ou determinações, mas explorar
quais redefinições de suas práticas, habilidades e relacionamentos possível e sob que
condições. é uma questão de produzir conhecimento, mas também de modificar as
relações entre os atores, sendo as duas abordagens inseparáveis. O que está envolvido é,
portanto, produzir capacidades coletivas (o que não significa comum) para tomar conta
do problema. Neste processo há mais para o sociólogo disse, numa perspectiva
determinista, a verdade dos atores, suas motivações ou determinações, mas sim para
explorar o que a redefinição de suas práticas, suas habilidades e suas relações são
possível e sob que condições. é uma questão de produzir conhecimento, mas também de
modificar as relações entre os atores, sendo as duas abordagens inseparáveis. O que
está envolvido é, portanto, produzir capacidades coletivas (o que não significa comum)
para tomar conta do problema. Nesse processo, não é mais uma questão para o
sociólogo dizer, numa perspectiva determinista, a verdade dos atores, suas motivações
ou determinações, mas explorar quais redefinições de suas práticas, habilidades e
relacionamentos possível e sob que condições.

conclusão
50 Como, como em muitos riscos ambientais, os limites dos coletivos envolvidos não são
mais fixos e não podem ser fixados, a questão da ação coletiva é colocada como um
desafio para as ciências sociais, que não podem mais se contentar com as ciências
sociais. a posição do observador.
51 Estar satisfeito com a posição do observador consistiria em simplesmente observar os
processos de assumir o controle desses riscos, um processo cuja dinâmica é tão
preocupante quanto os riscos que lhes dão origem. Pode-se até mesmo imaginar se a
dinâmica do medo, que tem a hipótese de se desenvolver em nossas sociedades
independentemente da avaliação de risco, nem mesmo se refere a riscos bastante
convencionais (isto é, avaliáveis e seguráveis) como certos riscos alimentares. Tal
dinâmica de medo, se começar a invadir o campo social, é uma dinâmica virtuosa se
focar nas ameaças, mas é uma dinâmica perversa e perigosa se levar a privar os atores
de qualquer decisão. sobre o risco. Mas eu hipotetizei o que chamei de captura do medo
para indicar que alguns atores podem confiar nele para impor formas de controle que,
tendo ou não uma real tomada de risco, levam normalizar (na melhor das hipóteses) ou
destruir práticas significativas. Há uma dinâmica de ação coletiva, dominada pelas
relações de mercado, onde o indivíduo (consumidor) é a referência, o chamado tomador
de decisão a quem a segurança é devida por todos os meios. Este indivíduo privado (de
qualquer competência) torna possível justificar um controle de autoridades de controle
que prometem, pela tecnologia Há uma dinâmica de ação coletiva, dominada pelas
relações de mercado, onde o indivíduo (consumidor) é a referência, o chamado tomador
de decisão a quem a segurança é devida por todos os meios. Este indivíduo privado (de
qualquer competência) torna possível justificar um controle de autoridades de controle
que prometem, pela tecnologia Há uma dinâmica de ação coletiva, dominada pelas
relações de mercado, onde o indivíduo (consumidor) é a referência, o chamado tomador
de decisão a quem a segurança é devida por todos os meios. Este indivíduo privado (de

https://journals.openedition.org/developpementdurable/8235 14/16
12/12/2018 O sociólogo na ação coletiva contra o risco

qualquer competência) torna possível justificar um controle de autoridades de controle


que prometem, pela tecnologia6 combinado com o mercado, esta segurança.
52 Se pelo menos compartilhamos essa preocupação com essa dinâmica, o
conhecimento sociológico não pode se limitar a desmantelar e denunciar essa dinâmica,
correndo o risco de sempre chegar tarde demais para confirmar as hipóteses
pessimistas que poderíamos fazer. O desenvolvimento sustentável exige outro
posicionamento, especialmente a escolha, se comprovado um risco sério, de
desenvolver conhecimento para criar a ação coletiva capaz de impedir essa virtualidade.
Isso requer não apenas um posicionamento ético, mas também outra epistemologia do
risco. Em suma, não podemos chegar à conclusão do desvio do medo e do desamparo
diante das ameaças coletivas,

bibliografia
Adant I. e Mormont M. (1998), "Quando a prevenção rima com ameaça: o vulcão Galeras na
Colômbia", Ambiente e Sociedade, n ° 21: 27-60
Beck U. (2001, 1986) A Sociedade do Risco. No caminho para outra modernidade , Paris,
Edições Aubier; primeira edição: Risikogesellschaft , Frankfurt, Suhrkamp Verlag
Beck U. (1992), Da Sociedade Industrial à Sociedade de Risco: Questões de Sobrevivência,
Estrutura Social e Iluminação Ecológica, Teoria, Cultura e Sociedade , vol. 9: 97-123
DOI: 10.1177 / 026327692009001006
Deleuze G. (1990), Post-scriptum sobre sociedades de controle, em Paris, Talks : Midnight
Editions: 240-247
Duchene F. (2008), "A subsidência na bacia de Lorraine ferriferous: quando o território re-
politizar a gestão de risco," Desenvolvimento sustentável e territórios [online], 11 pasta:
Desastres e Territórios, Acessado em 21 de janeiro de 2009 URL:
http://sustainabledevelopment.revues.org/index7073.html
DOI: 10.4000 / sustainabledevelopment.7073
Ewald F. (1976), O Estado da Providência , Paris: Grasset
Herbert V. e Petit O. (2008), Risco Ambiental e Ação Coletiva. Aplicação aos riscos industriais e
erosão costeira em Pas-de-Calais, Lille: IFRESI, julho, p 122
Pecaud D. (2005) Riscos e precauções. A interminável racionalização do social, Paris: The
Dispute, 314 p
Stassart P. e Mormont M. (2008), "Pesquisa-intervenção para uma transição para o
desenvolvimento sustentável", Economia Rural .
DOI: 10.4000 / economicurale.432
Tornatore J.-L. (2000), "Lição de sociologia de camponeses-mineiros de Briançonnais", em
Rabier J.-C. (2000), Antropologia da bacia de mineração. Formas de mobilização . Proceedings
da conferência internacional de Béthune, Lille, IFRESI: 309-334
Wynne B. (1991), "Conhecimentos no Contexto". Ciência, Tecnologia e Valores Humanos 16 (1):
111-121
Wynne B. (1995), "Avaliação de Tecnologia e Aprendizagem Social Reflexiva: Observações do
Campo de Risco", em Rip, A., Misa, Th. E Schot, J. (Eds.) (1995), Gerenciando Tecnologia em
Sociedade. A Abordagem da Avaliação da Tecnologia Construtiva, Pinter Publishers, Londres
Wynne B. (2001), "Gerenciando a Incerteza Científica em Políticas Públicas", trabalho
apresentado em " Biotecnologia e Conferência Global: Crise e Oportunidade " (26-28 de abril),
Cambridge

notas
1 Não se trata de negar que os riscos ocupacionais foram e continuam a ser objeto de intensas
lutas sociais, mas essas lutas fazem parte da dinâmica de desenvolvimento das sociedades
industriais.
2 A acção colectiva assim entendida, portanto, compreende diversos dispositivos aninhados: um
primeiro nível é o de coordenar o comportamento individual em trânsito, o que é possível devido
aos instrumentos de coordenação (convencional) na parte inferior de um interesse implícito
padrão No entanto, a falta de disciplina espontânea exige um segundo mecanismo para a
delegação de supervisão ao estado e à polícia, com base em padrões coletivos.
3 Deve-se reconhecer que a economia identificou e manteve como agenda de pesquisa a questão
da coordenação. No entanto, é necessário recorrer às chamadas economias "heterodoxas" para
https://journals.openedition.org/developpementdurable/8235 15/16
12/12/2018 O sociólogo na ação coletiva contra o risco
encontrar uma análise da coordenação através de princípios e instrumentos que não os
comerciantes.
4 Por outro lado, alguns estudos mostraram, pelo menos, que não foi a incompetência ou a
ignorância que levou à rejeição de certas inovações, especialmente na controvérsia sobre os
OGMs.
5 Sabemos por experiência comum que o domínio prático de situações de risco assumido, na
prática, a atenção aos gestos que envolve a definição do fundo do próprio risco.
6 Deve-se ressaltar que essas “tecnologias” não requerem uma base científica sólida, elas
precisam apenas processar dados, correlações para se darem uma possibilidade de controle. Eles
estão alinhados com as novas tecnologias do genoma.

Para citar este artigo


Referência eletrônica
Marc Mormont , " O Sociólogo em Ação Coletiva Contra o Risco ", Desenvolvimento
Sustentável e Territórios [Online], Varia (2004-2010), postado em 22 de julho de 2014, acessado
em 12 de dezembro de 2018. URL: http: //journals.openedition.org/sustainability/8235; DOI:
10.4000 / sustainabledevelopment.8235

Este artigo é citado por


Bally, Frederic. (2015) Rumo a uma transição energética cidadã. Margens do
Mediterrâneo . DOI: 10.4000 / rives.4940

Vallette, Cloé. (2015) A Abordagem do Risco de Vulnerabilidade: Quais os


Impactos na Gestão do Rio Quebrada Seca (Grande Área Metropolitana de San
Jose, Costa Rica)? O Ordinário das Américas . DOI: 10.4000 / orda.1865

Delhoume, Catherine. Caroux, Delphine. (2015) Qual o papel dos agricultores na


transição energética? Aceitação social e controvérsias emergentes a partir do
exemplo de uma caldeira de biomassa coletiva na Picardia. VertigO . DOI:
10.4000 / vertigo.15647

autor
Marc Mormont
Marc Mormont é pesquisador em sociologia na SEED / Universidade de Liège

Artigos do mesmo autor


Sylvia Becerra, Anne Peltier (orgs.), 2009, Riscos e meio ambiente: pesquisa
interdisciplinar sobre a vulnerabilidade das sociedades , Paris, L'Harmattan, coll.
Sociologias e meio ambiente, 575 p. [Texto completo]
Publicado em Desenvolvimento Sustentável e Territórios , Leituras (2002-2010) , Publicação de 2009

Direitos autorais

O Desenvolvimento Sustentável e os Territórios está licenciado sob uma Licença Internacional


Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 .

https://journals.openedition.org/developpementdurable/8235 16/16