Vous êtes sur la page 1sur 14

LIVRO DIDÁTICO DE HISTÓRIA DE ENSINO MÉDIO E EDUCAÇÃO

AMBIENTAL: UMA RELAÇÃO EXISTENTE?

ROBLEDO, FELIPE M.

SEEDUC-RJ –C.E.REPÚBLICA ARGENTINA


Boulevard 28 de setembro, 125
Felipe.robledo@gmail.com

RESUMO
Este artigo tem por objetivo contribuir para a discussão acerca da relação existente entre o livro didático de
História para o Ensino Médio e a Educação Ambiental, a partir do paradigma da teoria crítica. Conferências
internacionais, iniciadas na segunda metade do século XX, discutem a relação entre modelo de
desenvolvimento e preservação ambiental na perspectiva da sustentabilidade, atribuindo papel central à
educação ambiental neste processo. No Brasil, a inserção da temática ambiental nos espaços formal e
não-formal de ensino é destacada na seguinte legislação: Política Nacional do Meio Ambiente (1981),
Constituição Federal (1988) e Política Nacional de Educação Ambiental (1999), que determinam a Educação
Ambiental em todos os níveis e modalidades de ensino, de modo transversal e interdisciplinar, o que foi
incorporado pela política educacional, que atribui importância à produção de material didático.
Compreendemos que o livro didático é muitas vezes a única ferramenta para professores e alunos e, sendo
assim, a inserção, ou não, da temática ambiental nestes materiais é fundamental para uma visão crítica da
relação homem/natureza dialeticamente. Assim, este estudo pretende contribuir com a área de conhecimento
de História ao discutir a importância da inserção da temática ambiental em livros didáticos da disciplina.

Palavras-chave: Livro didático de História, Ensino Médio, Educação Ambiental, Sustentabilidade.

II CONINTER – Congresso Internacional Interdisciplinar em Sociais e Humanidades


Belo Horizonte, de 8 a 11 de outubro de 2013
1. INTRODUÇÃO
Atualmente, a Educação Ambiental vem ganhando cada vez mais espaço na sociedade.
Expressões como sustentabilidade, responsabilidade socioambiental e ecologia fazem parte
atualmente de conversas informais a propagandas de governos e de empresas públicas e privadas.
Desta forma, não é difícil imaginarmos que tais expressões e conceitos tão caros para a nossa
sociedade devam ser trabalhados de forma clara e constante dentro do ambiente escolar de forma
crítico e emancipatória.
A partir desta perspectiva crítica, Loureiro (2007, p.1) se questiona sobre o que esta trouxe
de contribuição aos processos educativos ambientais? O que ela representa para
educadores-educandos na atividade escolar? Como tem sido trabalhada nas escolas? A estas
questões some-se: Como se insere a Educação Ambiental nos livros didáticos de História do Ensino
Médio?
Este artigo tem como objetivo discutir a relação, existente ou não, entre Educação Ambiental
e o livro didático de História no ensino médio, analisando neste percurso as Conferências
Internacionais sobre Educação Ambiental, sua inserção nas políticas públicas nacionais e o papel
do livro didático para a prática docente. Tal questionamento se deve em parte a minha práxis de
professor nas redes pública e privada e sendo assim, um utilizador de livros didáticos como recurso
metodológico para as aulas ministradas.
Defendemos neste artigo uma análise desta relação entre livro didático de História e
Educação Ambiental, pautado no paradigma da teoria crítico social (FRIGOTTO, 1997), crítico
dialético (GAMBOA, 1997) ou ainda teoria crítica de acordo com Alves-Mazotti (2001), pautado no
materialismo histórico dialético (MARX, 1982) no qual a realidade do conhecimento se dá através de
uma relação dialética, através da qual ao conhecimento se da na e pela práxis (FRIGOTTO, 1997).
Ainda sobre esta questão, concordando com Gamboa (1997), este paradigma questiona a visão
estática da realidade, uma vez que sua preocupação está em buscar/analisar os conflitos entre
interesses público e privado nas relações sociais e, a partir daí, buscar uma transformação da
realidade a que se propõe estudar. Ainda segundo Gamboa, “as propostas nelas contidas
(paradigma crítico dialético) se caracterizam por destacar o dinamismo da práxis transformadora
dos homens como agentes históricos” (Ibidem, p. 97).

2. A EDUCAÇÃO AMBIENTAL E AS CONFERÊNCIAS INTERNACIONAIS E


POLÍTICAS PÚBLICAS NACIONAIS
Encontramos na literatura preocupações com questões ambientais anteriores ao século XX.
No Brasil, entre 1786 e 1888, alguns intelectuais e políticos, como André Rebouças, Joaquim
Nabuco e José Bonifácio, já criticavam a destruição da natureza pela exploração indiscriminada dos
recursos naturais (PÁDUA, 2002, p. 272).
Internacionalmente, Thomas Huxley, no seu livro “Evidências sobre o lugar do homem na
natureza”, de 1863, já apontava para a interdependência existente entre os homens e outros seres
vivos. George Perkin Marsh, em seu livro “O homem e a natureza: ou geografia física modificada
pela ação do homem”, publicado em 1864, já atentava para a degradação ambiental no século XIX,
alertando para as consequências que o uso indiscriminado dos recursos naturais poderia trazer
para o desenvolvimento das sociedades (DIAS, 2003, p.75). Ainda neste século, Patrick Geddes já
denunciava os efeitos nocivos da Revolução Industrial sobre o meio ambiente (DIAS, 2003, p.76).
Porém é a partir da segunda metade do século XX que as questões sobre a relação entre ser
humano e meio ambiente ganham força, com as Conferências internacionais a respeito do tema.
Em 1972, o Clube de Roma produziu um relatório intitulado “Os Limites do Crescimento
Econômico”, no qual indicava a necessidade de uma redução do consumo frente às prioridades
sociais para a obtenção de um equilíbrio global. Ainda no mesmo ano, realizou-se a “Conferência da
ONU sobre o Ambiente Humano”, ou “Conferência de Estocolmo” com a participação de 113 países
tendo por objetivo “estabelecer uma visão global e princípios comuns que servissem de orientação à
humanidade, para a preservação e melhoria do ambiente humano” (DIAS, 2003, p.79). Desta
reunião resultou o documento “Declaração sobre o ambiente humano” que reconhecia em sua
recomendação nº 96 a urgência do desenvolvimento de programas de Educação Ambiental como
fator primordial para o combate à crise ambiental.
Em 1975, a UNESCO promoveu o encontro Internacional de Educação Ambiental, em
Belgrado, com especialistas de 65 países. Nesta conferência foram formulados princípios
orientadores para o Programa Internacional de Educação Ambiental (PIEA) recomendando que
esta deveria ser continuada, multidisciplinar, integrada às diferenças regionais e voltada para os
interesses nacionais. Deste encontro resultou a Carta de Belgrado “na qual se expressava a
necessidade do exercício de uma nova ética global, que proporcionasse a erradicação da pobreza,
da fome, do analfabetismo, da poluição e da dominação e exploração da raça humana” (DIAS,
2003, p.80).
Em 1977, realizou-se a mais importante conferência internacional sobre Educação
Ambiental – “Conferência Intergovernamental de Tbilisi sobre Educação Ambiental”, na Geórgia,
realizada pela UNESCO e pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).
Nesta Conferência definiu-se entre outras no seu documento base
A Educação Ambiental teria como finalidade promover a compreensão da existência e da
importância da interdependência econômica, política, social e ecológica da sociedade;
proporcionar a todas as pessoas a possibilidade de adquirir conhecimentos, o sentido dos
valores, o interesse ativo e as atitudes necessárias para proteger e melhorar a qualidade
ambiental; induzir novas formas de conduta nos indivíduos, nos grupos sociais e na
sociedade em seu conjunto, tornando-a apta a agir em busca de alternativas de soluções
para os seus problemas ambientais, como forma de elevação da sua qualidade de vida
(DIAS, 2003, p.83).
Recomendava-se ainda
A elaboração de programas de estudos escolares compatíveis com as
necessidades do meio, a níveis local, regional e mundial; preparação de livros e
obras de referência científicas necessárias ao plano de melhorias dos estudos;
determinação de métodos e meios pedagógicos para fazer popular os planos de
estudo e explicar os projetos ambientais; que se formulem princípios básicos para
preparar modelos de manuais e de materiais de leitura para sua utilização em todos
os níveis dos sistemas de educação formal e não formal (DIAS, 2003, p.77).

Devemos destacar que esta recomendação vem de encontro ao que entendemos como
ideal na elaboração de livros didáticos que tratem das questões ambientais de uma forma
crítica-emancipatória capaz de “vincular os processos ecológicos aos sociais na leitura de mundo,
na forma de intervir na realidade e de existir na natureza. Reconhece, portanto, que nos
relacionamos na natureza por mediações que são sociais, ou seja, por meio de dimensões que
criamos na própria dinâmica de nossa espécie e que nos formam ao longo da vida (cultura,
educação, classe social, instituições, família, gênero, etnia, nacionalidade etc.). Somos sínteses
singulares de relações, unidade complexa que envolve estrutura biológica, criação simbólica e ação
transformadora da natureza” (LOUREIRO, 2007,p.1)
Em 1992, realizou-se a “Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e
Desenvolvimento (CNUMAD)”, no Rio de Janeiro, reunindo representantes de 170 países que, além
de corroborarem as decisões de Tbilisi e Moscou, enfatizaram a necessidade de se “erradicar o
analfabetismo ambiental” (DIAS, 2003, p.90). Deste encontro, também conhecido como Rio-92,
originou-se a “Agenda 21”, caracterizada por um programa de ação para o desenvolvimento
sustentável, na qual destacamos:
36.3 (...) O ensino é também fundamental para conferir consciência ambiental e
ética, valores e atitudes, técnicas e comportamentos em consonância com o
desenvolvimento sustentável e que favoreçam a participação pública efetiva nas
tomadas de decisão (CNUMAD, 2001)

promover a educação sobre meio ambiente e desenvolvimento e a consciência


pública... (CNUMAD, 2001).

Percebe-se nestas recomendações a necessidade de uma Educação Ambiental que busque


a formação de cidadãos críticos em relação a sua consciência ambiental corroborando o que foi
proposto por Tbilisi.
Em 2007, em Ahmedabad – Índia, ocorreu a IV Conferência Internacional de
Educação Ambiental – Educação Ambiental para um Futuro Sustentável - Parceiros para a Década
da Educação para o Desenvolvimento Sustentável – ou ainda, Tbilisi +30 no qual foi novamente
recomendado artigo IV, item 2, a importância na elaboração de:

materiais de divulgação deste tratado e de seus desdobramentos em ações


educativas, sob a forma de textos, cartilhas, cursos, eventos culturais, programas
na mídia, férias de criatividade popular, correio eletrônico e outros
(AHMEDABAD,2008,p.11).
Em 2002, a Conferência Internacional Rio +20, no seu documento final, “O Futuro que queremos”
determinou que

6. We recognize that people are at the centre of sustainable development and in this
regard we strive for a world that is just, equitable and inclusive, and we commit to
work together to promote sustained and inclusive economic growth, social
1
development and environmental protection and thereby to benefit all . (p.2)
235. We underscore the importance of supporting educational institutions, especially
higher educational institutions in developing countries, to carry out research and
innovation for sustainable development, including in the field of education, to
develop quality and innovative programmes, including entrepreneurship and
business skills training, professional, technical, and vocational training and lifelong
learning, geared to bridging skills gaps for advancing national sustainable
2
development objectives (p.44)

Percebemos neste breve histórico, no qual não abarcamos todas as Conferências, a


recorrência nas recomendações a respeito da necessidade de inserção da temática ambiental na
educação e em produção de conhecimento, no qual os materiais didáticos e o livro se inserem.
No que diz respeito ao caso brasileiro, os ordenamentos jurídicos a respeito da questão
ambiental tem início durante o regime militar (1964-1985) quando foi sancionada a Lei nº 6938/81
que dispunha sobre a Política Nacional de Meio Ambiente (PNMA), considerando o meio ambiente
como patrimônio público e instituindo a Educação Ambiental em todos os níveis de ensino.
No período conhecido como Nova República (1985 aos dias atuais) o Conselho Federal de
Educação, em 1987, determinou a inclusão da Educação Ambiental nos ensinos fundamental e
médio (na época conhecidos como 1º e 2º graus). Um ano depois, a Constituição Federal
consideraria como papel do poder público “promover a educação ambiental em todos os níveis de
ensino e a conscientização pública para a preservação do meio ambiente” (BRASIL, 1988 apud:
DIAS, 2003, p.419).
A Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) promulgada em 1996, sob a lei nº 9394/96
deu continuidade a inserção da temática ambiental no ensino formal, ao determinar a partir dos
Parâmetros Curriculares Nacionais o meio ambiente como Tema Transversal, procurando evitar

1
Reconhecemos que as pessoas estão no centro do desenvolvimento sustentável e, nesse sentido nós nos esforçamos
para um mundo que é justo, equitativo e inclusivo, e nos comprometemos a trabalhar juntos para promover o crescimento
económico sustentado e inclusivo, desenvolvimento social e proteção ambiental e, assim, beneficiar a todos (tradução
livre do autor)

2
Ressaltamos a importância de apoiar as instituições de ensino, instituições de ensino superior, especialmente nos
países em desenvolvimento, para a realização de pesquisa e inovação para o desenvolvimento sustentável, inclusive no
campo da educação, para desenvolver programas de qualidade e inovadores, incluindo o empreendedorismo e a
formação de competências profissionais, empresariais formação técnica e profissional e de aprendizagem ao longo da
vida, voltado para preencher as lacunas de competências para avançar os objetivos nacionais de desenvolvimento
sustentável.
que a Educação Ambiental ficasse restrita a uma determinada disciplina, permitindo, desta forma,
uma abordagem mais ampla de sua temática.
A lei n° 9795 (BRASIL, 1999, p.1) instituiu a Política Nacional de Educação Ambiental/PNEA,
significando um componente essencial e pe rmanente da educação nacional, determinando no seu
artigo 1° que a educação ambiental (EA) deve possibilitar que o indivíduo e a coletividade
construam valores sociais, conhecimentos específicos, habilidades, atitudes e competência
voltadas para a conservação do meio ambiente, e o uso comum do povo dos recursos naturais
visando a qualidade de vida e sustentabilidade. Mais além no seu artigo 2° determina que esta
Educação Ambiental deve ser articulada, considerando todos os níveis e modalidades de ensino do
processo educativo, em caráter formal e não-formal.
Com a promulgação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação – LDB no 9394/96 deu-se
continuidade a inserção da temática ambiental ao ensino formal. Esta se deu através dos
Parâmetros Curriculares Nacionais através do qual o meio ambiente passou a ser tratado como
Tema Transversal.
Desde 2007, o Ministério da Educação discute uma “Proposta de Diretrizes Curriculares
Nacionais para a Educação Ambiental” onde entre suas recomendações de diretrizes nacionais
relativas a todos os níveis e modalidades de ensino (III.1) destacamos o:

4. Incentivo à pesquisa e à apropriação de instrumentos técnicos e metodológicos


que aprimorem a cidadania ambiental [grifo nosso], com a participação ativa nas
tomadas de decisões, com responsabilidade individual e coletiva (pública e privada)
em relação ao meio ambiente local, regional e global (MEC, 2007,p.14).

Entendemos que o livro didático insere-se no que pode ser chamado de recurso
metodológico, embora o texto o trate por “instrumento”, uma vez que, junto a aula expositiva, faz
parte do desenvolvimento escolar do aluno.
Como vimos então até este ponto, desde a Conferência de Estocolmo, em 1972, que se
reconhece oficialmente a importância de ações educacionais voltadas para as questões ambientais.
No Brasil, a inclusão do tema transversal, meio ambiente, nos Parâmetros Curriculares Nacionais
(PCN) foi à maneira encontrada para inserir a temática ambiental no ensino formal. Desta maneira
procurou-se evitar que a Educação Ambiental ficasse restrita a uma determinada disciplina,
permeando o conteúdo de todas as matérias e permitindo uma abordagem ampla da temática
ambiental:
O texto do PCN reitera que o ensino de educação ambiental deve considerar a esfera
global e local, favorecendo tanto a compreensão dos problemas ambientais em termos
macros (político, econômico, social, cultural) como em termos regionais. Desse modo, os
conteúdos de educação ambiental se integram ao currículo escolar, a partir de uma
relação de transversalidade, de modo a impregnar a prática educativa, exigindo do
professor uma readaptação dos conteúdos abordados na sua disciplina, o que condiz com
as resoluções do Conselho Federal de Educação e de conferências nacionais e
internacionais, que reconhecem a educação ambiental como uma temática a ser inserida
no currículo de modo diferenciado, não se configurando como uma nova disciplina
(CASTRO; SPAZZIANI; SANTOS, 2000, p.168).
Ainda de acordo com o documento (tema transversal meio ambiente), a Educação Ambiental
proposta é àquela que:
Está longe de ser uma atividade tranquilamente aceita e desenvolvida, (...) quando bem
realizada a Educação Ambiental leva a mudanças de comportamento pessoal e atitudes e
valores de cidadania que podem ter importantes consequências sociais (...) Nessa
concepção, a educação ambiental é algo essencialmente oposto ao adestramento ou à
simples transmissão de conhecimentos, de experiências, de sentimentos e energia
(MEC/SEF, 1998, p.182)

Vale destacar que os PCN/Tema Transversal Meio Ambiente comete um equívoco


conceitual ao reconhecer a existência de uma “crise ambiental” (MEC/SEF, 1998, p.169) e não uma
“crise socioambiental”, uma vez que entendemos que homem e meio ambiente relacionam-se de
forma dialética. Percebemos nesta recomendação a necessidade de uma educação voltada para a
formação de cidadãos conscientes dos problemas socioambientais e de sua responsabilidade pela
melhoria e preservação das condições de vida a qual estão inseridos.
Destacamos, ainda de acordo com o MEC, o objetivo do Tema Transversal Meio Ambiente:
Objetiva levar o aluno a superar o cartesianismo (dualismo Homem-natureza),
percebendo-se como parte da natureza; a desenvolver uma visão global dos problemas
ambientais, relacionando a preservação da biodiversidade à preservação da diversidade
cultural/sociocultural; a estabelecer uma relação entre os problemas locais e globais; a
efetuar uma abordagem crítica e participativa pela conscientização da importância de sua
participação no processo decisório; a desenvolver uma postura ética diante do meio
ambiente; ao entendimento da importância dos procedimentos de manejo e conservação
dos recursos naturais. Enfim, proporcionar uma educação “para” o meio ambiente
(SOARES, 2005, p.52).

Uma vez que entendemos que Homem e meio ambiente se encontram dialeticamente
relacionados, percebemos a necessidade de se desenvolver esta proposta em livros didáticos de
História, possibilitando a busca de soluções para problemas globais, desta forma estabelecendo as
relações sugeridas pelo PCN/Tema Transversal Meio Ambiente.

3. O LIVRO DIDÁTICO
Para Oliveira, Guimarães e Bomény (1984, p.11) o livro didático assume três importantes
aspectos: o pedagógico, o econômico e o político-ideológico e, sendo assim:
a importância do livro didático não se restringe aos seus aspectos pedagógicos e ‘as suas
possíveis influências na aprendizagem e no desempenho dos alunos. O ‘mercado’ criado
em torno do livro didático faz dele importante mercadoria econômica, cujos custos muito
influem na possibilidade de acesso a ele, de expressivo contingente da população
escolarizada. O livro didático também é importante por seu aspecto político e cultural, na
medida em que reproduz e representa os valores da sociedade em relação ‘a sua visão da
ciência, da história, da interpretação dos fatos e do próprio processo de transmissão do
conhecimento.

Devemos destacar que uma avaliação negativa do livro didático, pode ocasionar problemas
financeiros que na pior das hipóteses pode culminar com o fechamento de editoras ou fusões de
grupos editoriais (MIRANDA, LUCA, 2004, p.128).
Para Choppin (2000), os livros didáticos funcionam para além de ferramentas
metodológicas, adquirindo uma função de suporte de seleção cultural variável. A produção de livros
envolve uma relação entre os saberes de referência, autores e editoras, já seu consumo se dá
mediante a relação entre mercado, projetos escolares, compradores e leitores finais.
Para Silva (1998), o livro didático se tornou uma matéria tão cultuada que o professor perde
a capacidade de deslocar sua análise para outra que não seja a que se faz presente no material
didático. Desta maneira, atribui-se ao livro a autoridade suprema no que diz respeito ao
conhecimento em sala de aula.
Sabendo do papel do livro didático no cotidiano escolar, o MEC em seu documento
“Programa Nacional do Livro Didático: histórico e perspectivas”, afirma que o “novo” livro didático
teria uma “função estruturadora do trabalho pedagógico” e deveria “apresentar um desenvolvimento
dos conteúdos curriculares e ser um caderno de atividades para expor, desenvolver, fixar e, em
alguns casos, avaliar o aprendizado”, ou seja, “um material que condiciona, orienta e organiza a
ação docente, determinando a seleção de conteúdos, um modo de abordagem desses conteúdos,
uma forma de progressão, em suma, uma metodologia de ensino, no sentido amplo da palavra”
(BRASIL, 2000, p. 25).

4. HISTÓRIA E A EDUCAÇÃO AMBIENTAL

No que diz respeito ao Ensino Médio e a disciplina de História para o Ensino Médio, seu
objetivo é enquanto etapa final da Educação Básica: a) conter os elementos indispensáveis ao
exercício da cidadania e não apenas no sentido político de uma cidadania formal, mas também na
perspectiva de uma cidadania social [grifo nosso], extensiva as relações de trabalho, dentre outras
relações sociais. b) valorizar as produções coletivas, compreendendo que o conhecimento não se
constrói pelo esforço meramente individual e isolado.c) compreender que as sociedades são
produtos das ações de diferentes sujeitos sociais, sendo constituídas e transformadas em razão da
intervenção de diferentes fatores. d) compreender que as ações dos sujeitos sociais são realizadas
no tempo e no espaço, criando relações e desdobramentos variados, sem determinismos. e)
apropriar-se de diferentes linguagens e instrumentais de análise e ação para aplicar na vida social
os conhecimentos que construiu de forma autônoma e cooperativa. (isso significa conceber as
ciências humanas enquanto conhecimento e prática social). (MEC/SEB,2006, p.40).
Relacionado especificamente ao ensino de História, os PCN para o ensino médio (PCNEM)
propõem como objetivos:

- O Ensino Médio, enquanto etapa final da Educação Básica deve conter os


elementos indispensáveis ao exercício da cidadania e não apenas no sentido
político de uma cidadania formal, mas também na perspectiva de uma cidadania
social [grifo nosso], extensiva as relações de trabalho, dentre outras relações
sociais.
- Valorizar as produções coletivas, compreendendo que o conhecimento não se
constrói pelo esforço meramente individual e isolado.
- Compreender que as sociedades são produtos das ações de diferentes sujeitos
sociais, sendo constituídas e transformadas em razão da intervenção de diferentes
fatores.
- Compreender que as ações dos sujeitos sociais são realizadas no tempo e no
espaço, criando relações e desdobramentos variados, sem determinismos.
- Apropriar-se de diferentes linguagens e instrumentais de análise e ação para
aplicar na vida social os conhecimentos que construiu de forma autônoma e
cooperativa. (isso significa conceber as ciências humanas enquanto conhecimento
e prática social). (MEC/SEB,2006, p.40).

Aliado ao que foi proposto como blocos de conteúdo acima expostos, percebemos que o
ensino médio enquanto etapa transitória entre o Ensino Fundamental e Superior é responsável pelo
desenvolvimento dos conceitos propostos pelos três blocos, pois ao discutir como função
“compreender que as sociedades são produtos de ações de diferentes sujeitos sociais, sendo
constituídas e transformadas em razão da intervenção de diferentes fatores” (MEC/SEB, 2006,p.40)
percebemos a adequação ao segundo e terceiro blocos de conteúdos.
No que diz respeito aos conteúdos a serem trabalhados em Hstória no Ensino Médio e sua
relação com a temática ambiental, a Secretaria de Estado de Educação (SEE-RJ) indicou para a
segunda série do Ensino Médio uma interface com a Gografia ao se relacionar “a Revolução
Industrial e suas consequências no meio ambiente” (SEE-RJ, 2006, p.62) e com a Bologia ao tratar
de “industrialização e meio ambiente” (Ibid, p.62). No que tange a esta interface no 3º ano, sua
relação se faz com a Química em “industrialização e poluição industrial” na relação natureza/meio
ambiente (p.64) e Geografia no:
uso inadequado da terra no Brasil, a desertificação e as alterações climáticas provocadas
pela destruição da vegetação nativa; urbanização na cidade do Rio de Janeiro: processo
de favelização; os conflitos étnicos e políticos, as desigualdades como fatores de grande
deslocamentos populacionais (guerras civis, secas no Nordeste). (SEE-RJ, 2006, p.65).

Estas interfaces surgem ao se abordar onteúdos que na maioria dos casos se encontram
para alunos e professores nos livros didáticos que servirão de base para pesquisas, exercícios e
planos de aula.
Segundo Cardoso; Vainfas
“a história é um discurso mutável e problemático – ostensivamente a respeito de
um aspecto do mundo, o passado – produzido por um grupo de trabalhadores cujas
mentes são de nosso tempo e que fazem seu trabalho em modalidades
mutuamente reconhecíveis que são posicionadas epistemológica, ideológica e
praticamente; cujos produtos, uma vez em circulação, estão sujeitos a uma série de
usos e abusos, não há História, há histórias. Não se pretende criar modelos
explicativos, menos ainda modelos explicativos globais, o que se privilegia no
paradigma pós-moderno é a multiplicidade de interpretação” (1997, p. 45).

Mesmo diante de todas as transformações nos estudos de História, ainda hoje, percebemos
a pouca relevância dada a este tema nos livros didáticos de História para Ensino Médio,
(CARDOSO; VAINFAS, 1997, p.45)
Homem e natureza são elementos que não devem estar dissociados, uma vez que devemos
nos perceber como natureza, porém ao longo da História esta relação de pertencimento passou por
períodos de afastamentos e aproximações, que perpassam os estudos e as relações sociais até os
dias atuais. Entendemos que o ambiente escolar é um dos locus no qual a discussão a respeito
desta relação se faz presente, porém percebemos também que a educação desenvolve o que,
alguns autores definem como “educação reprodutora” da correlação de forças presentes na
sociedade (MÉSZÁROS, 2005) e “educação não-ambiental” (GRÜN, 1996; BRÜGGER, 1994).
Acselrad (2001, p.27) identifica nos discursos a respeito de um desenvolvimento sustentável
a existência de cinco matrizes teóricas (eficiência, da auto-suficiência, da equidade, da escala e da
ética) embora as discussões em relação ao livro didático orbitem nas três primeiras. Segundo o
autor
A matriz da eficiência pretende combater o desperdício da base material do
desenvolvimento, estendendo a racionalidade econômica ao ‘espaço não-mercantil
planetário’; (...) da equidade, que articula analiticamente princípios de justiça e ecologia;
da auto-suficiência, que prega a desvinculação de economias nacionais e sociedades
tradicionais dos fluxos de mercado mundial como estratégia apropriada a assegurar a
capacidade de auto-regulação comunitária das condições de reprodução da base material
do desenvolvimento (ACSELRAD, 2001, p.27). O desenvolvimento de discursos de
desenvolvimento sustentável que se adequem a cada uma destas matrizes irá
contribuir para o desenvolvimento de uma visão de Educação Ambiental pautada
nas relações existentes entre ser humano e natureza.

Arthur Soffiati, na década de 1980 já criticava a pouca produção de estudos históricos sobre
meio ambiente no Seminário “Perspectivas do Ensino de História”, já apontando para a
necessidade da inclusão nos livros didáticos e nas aulas de História de conteúdos que abordassem
criticamente o relacionamento das sociedades humanas com o meio ambiente, bem como suas
representações mentais, inserindo de modo transversal e interdisciplinar, na História ensinada no
cotidiano da sala de aula, a Educação Ambiental (SOFFIATI, 1988), respondendo desta forma ao
ordenamento jurídico brasileiro sobre Educação Ambiental.

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Posso afirmar que, de uma maneira geral, os livros didáticos com o qual me deparei ao longo
de minha prática docente e minha dissertação de mestrado oscilam entre as matrizes discursivas da
eficiência e da equidade (e em um breve momento da auto-suficiência), a respeito do
desenvolvimento sustentável. Esta oscilação entre as matrizes não se mostra clara, uma vez que, a
própria defesa destas não se faz de forma transparente, cabendo aos professores a sua
identificação. Como destaca Guimarães (2004), a formação docente dos autores contribui para o
discurso presente no material produzido e acreditamos que esta oscilação deriva de uma não
formação ambiental dos autores, o que tem por conseqüência uma abordagem conservadora da
Educação Ambiental.
Embora em determinados momentos possamos perceber uma visão relacionada à matriz da
equidade (ACSELRAD, 1999), em grande parte, os livros de História tendem a dar um maior
enfoque a relação entre homem e natureza baseada na dominação da segunda pelo primeiro, em
que a natureza aparece como dissociada dos seres humanos, impondo necessidades que só
podem ser resolvidas a partir do desenvolvimento tecnológico, entendido com única ferramenta
para a “libertação” do homem dos “problemas” gerados pela natureza.
Os livros didáticos constituem-se em veículo responsável pela determinação de conceitos de
um público em formação, e desta forma de fácil manipulação. Buscar uma análise temática do
discurso presente nos materiais didáticos significa buscar os conceitos de mundo que irão formar as
novas gerações. São estes conceitos que, ao serem trabalhados de forma clara e responsável,
formarão uma sociedade consciente do seu lugar no mundo e sua relação com a natureza,
buscando, ao se perceber como elemento pertencente ao meio ambiente, uma melhoria nas
condições socioambientais, permitindo a educação ambiental adquirir seu caráter de
crítico-transformador em oposição a um “adestramento ambiental” (BRÜGGER, 1994).
Por fim, assim como diversos outros meios de comunicação, os livros didáticos trazem
conceitos para um público cativo e em fase de formação, possibilitando a manipulação. Analisar
como o livros didáticos de História e, de outras disciplinas de uma maneira geral, tratam questões
como a temática ambiental nos permite identificar a visão de mundo presente, buscando desta
forma, dirimir pré-conceitos ou concepções que podem significar mudanças significativas para as
futuras gerações. melhor.

6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ACSELRAD, H.; LEROY, J. Novas premissas da sustentabilidade democrática. Rio de Janeiro :


Projeto Brasil Sustentável e Democrático: FASE, 1999.
ACSELRAD, H. A duração das cidades: sustentabilidade e risco nas políticas urbanas. Rio de
Janeiro: DP&A, 2001.
AHMEDABAD, IV Conferência Internacional de Educação Ambiental Ahmedabad, 2008
Disponível em:: htpp//www.scribd.com/doc967446/Relatos_Ahmedabad, acessado em: 2 de março
de 2009.
ALVES-MAZZOTTI, Alda J. O método nas Ciências Sociais. In: ALVES-MAZZOTTI, A. J.;
GEWANDSZNAJDER, F. O método nas Ciências Naturais e Sociais: pesquisa quantitativa e
qualitativa. 2ª ed. São Paulo: Pioneira, 2001
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988.
São Paulo: Saraiva, 2000.

BRASIL. Lei 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente,
seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Bra sília: Imprensa
Nacional, 1981.
BRASIL. Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação
nacional. Brasília: Imprensa Nacional, 1996.
BRASIL. Lei 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política
Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Brasília: Imprensa
Nacional, 1999.
BRASIL, RIO +20, “O futuro que queremos” In:
http://www.rio20.gov.br/documentos/documentos-da-conferencia/o-futuro-que-queremos/at_downl
oad/the-future-we-want.pdf In: 12 de julho de 2013
BRÜGGER, P. Educação ou adestramento ambiental? Florianópolis: Letras Contemporâneas,
1994.

CARDOSO, C. F. S.; VAINFAS, R. Domínios da História: ensaios da teoria e da metodologia. Rio


de Janeiro: Campos, 1997.
CASTRO, R. S.; SPAZZIANI; M. L.; SANTOS, E. P. Universidade, meio ambiente e parâmetros
curriculares nacioais. In: LOUREIRO, C. F. B.; LAYRARGUES, P. P.; CASTRO, R. S. (Org.)
Sociedade e meio ambiente: a educação ambiental em debate. São Paulo: Cortez, 2000
CHOPPIN, A. Pasado y presente de los manuales escolares. In: BERRIO, J. R. La cultura escolar
de Europa: tendencias historicas emergentes. Madrid: Biblioteca Nueva, 2000.
DIAS, G. F. Educação ambiental: princípios e práticas. São Paulo: Gaia, 2003.
FRIGOTTO, G. Enfoque da dialética materialista histórica na pesquisa educacional.In: FAZENDA, I
(org), Metodologia da pesquisa educacional. 4ª ed. São Paulo: Cortez, 1997.
FOLADORI, G. Limites do desenvolvimento sustentável. Campinas: Ed. Unicamp, 2001
GAMBOA, S. A dialética na pesquisa em educação: elementos de contexto. .In: FAZENDA, I. (org),
Metodologia da pesquisa educacional. 4ª ed. São Paulo: Cortez, 1997 .
GUIMARÃES, M. A Formação de Educadores Ambientais. Campinas, S.P: Papirus, 2004
GRÜN, M. Ética e educação ambiental: a conexão necessária. 3. ed. São Paulo: Papirus, 1996.
LOUREIRO, C.F.B. Educação Ambiental Crítica: contribuições e desafios in: MEC/MMA.
Vamos cuidar do Brasil: conceitos e práticas em educação ambiental na escola. Brasília, 2007
Leis de Diretrizes e Bases. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/ldb.pdf acessado
em 20 de Agosto de 2007.
MARX, K. O capital: crítica da economia política. São Paulo: Difel, 1982.

MEC/SEB, Proposta de Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental,


Disponível em: http://www.mma.gov.br/estruturas/educamb/_arquivos/ca_propresolcne.pdf.,
acessado em: 3 de fevereiro de 2009
MEC/SEF (Secretaria da Educação Fundamental/MEC). Guia de livros didáticos - PNLD 2003.
Brasília: MEC/SEF, 2002.
MEC/SEF (Secretaria da Educação Fundamental/MEC). Parâmetros curriculares nacionais:
introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1997.
MEC/SEF (Secretaria da Educação Fundamental/MEC). Parâmetros curriculares nacionais:
temas transversais. Brasília: MEC/SEF, 1998
MEC/SEF. (Secretaria da Educação Fundamental/MEC). Parâmetros curriculares nacionais
terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: introdução aos parâmetros curriculares nacionais.
Brasília: MEC/SEF, 1998a.

MEC/SEF. (Secretaria da Educação Fundamental/MEC). Parâmetros curriculares nacionais:


História. Brasília: MEC/SEF, 1998b.
MEC/SEF. (Secretaria da Educação Fundamental/MEC). Recomendações para uma política
pública de livros didáticos. Brasília: MEC/SEF, 2001.
MEC/SEF (Secretaria da Educação Fundamental/MEC). Programa parâmetros em ação, meio
ambiente na escola: guia para atividades em sala de aula. Brasília: MEC;SEF, 2001a.
MÉSZÁROS, István. Marx: a teoria da alienação. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.
MEC/SEB (Secretaria de Educação Básica). Parâmetros curriculares nacionais para ensino
médio: volume 3 ciências humanas e suas tecnologias. Brasília: MEC/SEB, 2006.
______ Programa Nacional do livro didático para o ensino médio Disponível em:
http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/port907_pnlem.pdf acessado em: 30 de Novembro de
2007.
MEC/SEMT (Secretaria de Educação Média e Tecnológica /MEC). Parâmetros curriculares
nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC/SEMT, 2000.
_______ Parâmetros curriculares nacionais: temas transversais. Brasília: MEC/SEMT, 2000.
_______ Recomendações para uma política pública de livros didáticos. Brasília: MEC/SEMT,
2000.
______ Programa parâmetros em ação, meio ambiente na escola: guia para atividades em sala
de aula. Brasília: MEC/SEMT, 2000

MEC (Ministério da Educação e Cultura). Proposta de diretrizes curriculares nacionais para a


educação ambiental. Brasília-DF: CGEA/SECAD/MEC, 2007.
MÉSZÁROS, I. Marx: a teoria da alienação. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.
________________. A educação para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2005.
MIRANDA, S.R. LUCA, T. R de. O livro didático de história hoje: um panorama a partir do PNLD. In:
Revista Brasileira de História. São Paulo: Associação Nacional de História, 2004.
OLIVEIRA, J. B. A.; GUIMARÃES, S. D. P.; BOMÉNY, H. M. B. A política do livro didático. São
Paulo: Sumus/Editora da UNICAMP, 1984.
PÁDUA, J.A. Natureza e projeto nacional: as origens da ecologia política no Brasil. In: Ecologia &
Política no Brasil. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo: IUPERJ (Coleção Pensando o Brasil), 1987.
SEE/RJ Livro III Ciências Humanas in: Reorientação Curricular. Rio de Janeiro, 2006.
SEE/RJ Curso de atualização para professores regentes: História ensino fundamental e ensino
médio in: Reorientação Curricular. Rio de Janeiro, 2006.
SILVA, L. B. A escrita em questão: Concepções teóricas e sala de aula. In: SEMINÁRIOS DO GEL
XXVI. Campinas: Unicamp/Fapesp, 1998.
SOARES, A. A. R. Temáticas Ambiental e do Trabalho nos Livros de História do Ensino
Fundamental: rede municipal de ensino do Rio de Janeiro.UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ.
Dissertação (Mestrado em Educação), 2005.
SOFFIATI, A. Meio Ambiente e ensino de História In: Seminário Perspectivas do Ensino de História,
1988, São Paulo. Anais do Seminário Perspectivas do Ensino de História. São Paulo:
Faculdade de Educação, 1988.