Vous êtes sur la page 1sur 96

José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)

______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

José Ozildo dos Santos


Rosélia Maria de Sousa Santos
(Organizadores)

MEIO AMBIENTE
& PRÁTICA
EDUCATIVA

Campina Grande - PB
2018

0
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

1
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

2
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

MEIO AMBIENTE
&
PRÁTICA EDUCATIVA

3
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

4
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

SUMÁRIO
APRESENTAÇÃO 9
99
O SERTÃO NORDESTINO NOS LIVROS
DIDÁTICOS DE GEOGRAFIA DO ENSINO
FUNDAMENTAL
Antonio Izidro Sobrinho
Marco Túlio Mendonça Diniz
José Ronaldo de Lima
José Ozildo dos Santos
João Batista de Lima
Douglas dos Santos Oliveira
99
A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA VISÃO DE
ALUNOS DE UMA DE UMA ESCOLA PÚBLICA DO
INTERIOR PARAIBANO
José Ronaldo de Lima
Antonio Izidro Sobrinho
José Ozildo dos Santos
Rosélia Maria de Sousa Santos
João Batista de Lima
Ciro Leite Pires
99
A RELEVÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA
PERCEPÇÃO DE UM GRUPO DE PROFESSORES DO
ENSINO FUNDAMENTAL
José Ronaldo de Lima
Antonio Izidro Sobrinho
José Ozildo dos Santos
Rosélia Maria de Sousa Santos
João Batista de Lima
Douglas dos Santos Oliveira

A RECICLAGEM ENQUANTO PRÁTICA 99


SUSTENTÁVEL: Avaliando o conhecimento dos
alunos de uma escola pública do interior do estado da

5
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Paraíba
José Ronaldo de Lima
Antonio Izidro Sobrinho
José Ozildo dos Santos
Rosélia Maria de Sousa Santos
João Batista de Lima
Ciro Leite Pires

DISCUTINDO AS ESTRATÉGIAS PARA A 99


PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO
SUSTENTÁVEL
José Ozildo dos Santos
Rosélia Maria de Sousa Santos
João Batista de Lima
Antonio Izidro Sobrinho
José Ronaldo de Lima
Ciro Leite Pires

A CAATINGA ENQUANTO BIOMA: Uma discussão


no contexto da sala de aula na educação básica
Antonio Izidro Sobrinho 99
José Ronaldo de Lima
José Ozildo dos Santos
Rosélia Maria de Sousa Santos
João Batista de Lima
Ciro Leite Pires

OS EFEITOS DA SECA NO MUNICÍPIO DE NOVA 99


OLINDA - SERTÃO PARAIBANO
Antonio Izidro Sobrinho
José Ronaldo de Lima
José Ozildo dos Santos
Rosélia Maria de Sousa Santos
João Batista de Lima
Douglas dos Santos Oliveira

6
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

7
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

8
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

O SERTÃO NORDESTINO NOS


LIVROS DIDÁTICOS DE
GEOGRAFIA DO ENSINO
FUNDAMENTAL

9
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

10
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

O SERTÃO NORDESTINO NOS LIVROS DIDÁTICOS


DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL

Antonio Izidro Sobrinho


Marco Túlio Mendonça Diniz
José Ronaldo de Lima
José Ozildo dos Santos
João Batista de Lima

1 INTRODUÇÃO

Um livro didático deve apresentar-se de modo claro, com conceitos


corretos, sem estereótipos. E, sobretudo, deve retratar os espaços de forma
atualizada, citando suas características reais.
O presente trabalho visa analisar as diferentes formas em que o sertão
nordestino é retratado nos livros didáticos, utilizados no 7º ano do Ensino
Fundamental nas escolas do município de Nova Olinda, Sertão paraibano,
como forma de se verificar se esta representação é condizente com a realidade
atual vivida neste espaço de modo a proporcionar o conhecimento do local.
O território brasileiro atualmente encontra-se regionalizado em 5
(cinco) macrorregiões: Norte, Sul, Sudeste, Centro Oeste e Nordeste, cada qual
com características naturais e socioeconômicas muito diferentes e peculiares, o
que as fazem ser importantes dentro deste espaço tão grande que é o Brasil [que
por se tratar de um país com dimensões continentais], acaba limitando a
representação das características locais e/ou regionais, uma vez que estas não
são retratadas com fidelidade e abrangências nos livros didáticos.
No entanto, apesar de fazermos parte de um imenso país com
dimensões continentais, percebemos que as características sociais, naturais,
culturais das regiões brasileiras são retratadas de formas diferentes.
No caso da região Nordeste e do Sertão particularmente, é notória a
divulgação de fatos que tendem a difundir por meio de uma visão
estereotipada um lugar de pobreza, de famintos, de retirantes e eliminam dos
textos as nossas potencialidades naturais e sociais, sobretudo, culturais que são
enormes.
De tanto divulgarem imagens e ideias dessas regiões apresentando
apenas um ângulo – o negativo - no caso do Sertão nordestino - são criados
muitos estereótipos de modo que quando falamos em Nordeste de imediato nos
vem à mente pobreza e quando falamos em pobreza de imediato lembra-nos à
região Nordeste, bem descrito nas palavras de Andrighetti (1998, p. 7), quando
diz: “Nordeste/seca... Seca/pobreza... Pobreza/Nordeste... Parece que essas
palavras tornaram-se sinônimas”.

11
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Diante disso, utilizamos como método a análise de conteúdo em três


coleções de livros didáticos do 7º ano do ensino fundamental por meio da qual
percebemos que a grande maioria dos livros, que consistem no principal
material usado pelos professores para planejamento e realização de suas aulas,
têm reproduzido fatos que não fazem mais parte da realidade vivida no Sertão
nordestino. E, por isso, cometem alguns equívocos, sobretudo, quando
apresentam os problemas sociais como sendo gerados pelos problemas
naturais.
Vale alentar que o livro didático constitui-se numa ferramenta
indispensável para o atual estágio em que se encontra a educação básica
nacional e, portanto, não é nosso objetivo criticar a sua utilização em sala de
aula,
No entanto, entendemos que estes, principalmente no ensino de
Geografia, não devem constituir na única ferramenta, pois compreendemos que
os conhecimentos prévios dos alunos devem ser valorizados por meio do uso
de livros, poemas, músicas, repentes, cordéis, entre outros materiais que
retratem o seu espaço vivido, como bem propõem os Parâmetros Curriculares
Nacionais, quando afirmam que “a paisagem local, o espaço vivido pelos
alunos deve ser o objeto de estudo ao longo dos dois primeiros ciclos” (BRASIL,
2001, p. 77).
Vale destacar que o objeto de estudo da Geografia é o espaço
geográfico. Desse modo, não podemos deixar de analisar o espaço com o qual
os alunos mantêm uma relação mais próxima e estabelece alterações.
Nesse sentido, Castrogiovanni et al. (2000, p. 07) afirmam que “a
Geografia escolar, para dar conta desse objeto de estudo, deve lidar com as
representações da vida dos alunos, sendo necessário sobrepor o conhecimento
do cotidiano aos conteúdos escolares”.
É evidente que quando partimos de um objeto com o qual os alunos já
possuem um conhecimento prévio e podem ter o contato com ele, as aulas de
Geografia proporcionariam um maior interesse para aqueles. E, sem dúvida,
provocaria maior conhecimento em outras escalas. Pois, já são capazes de
realizar comparações com outros espaços.

2 METODOLOGIA

A região Nordeste do Brasil está dividida em quatro sub-regiões que se


seguem do litoral ao interior – Zona da Mata, Agreste, Sertão e Meio Norte. Esta
regionalização obedece a critérios socioeconômicos e ambientais (v. figura 1).

12
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Figura 1. Região Nordeste: sub-regiões

Disponível em: http://interna.coceducacao.com.br/ebook/content/pictures

O Semiárido constitui na maior sub-região desta região, inclusive,


atingindo até áreas litorâneas dos estados do Ceará e Rio Grande do Norte. E,
devido ao seu enorme tamanho apresenta-se muito diversificada tanto em
aspectos sociais quanto nos aspectos naturais. E, dentro deste espaço está
localizado o município de Nova Olinda, inserido na microrregião de Piancó do
estado da Paraíba, que se constitui como sendo o objeto de estudo desta
pesquisa (v. figura 2).
Para a realização deste estudo utilizamos a pesquisa exploratória onde
foram realizadas aplicações de questionários aos professores de Geografia das
três escolas analisadas, são elas: E. M. E. F. Genésio Pinto Ramalho, E. M. E. F
Maria Dionísia e E. E. F. M João Leite Neto, que têm o ensino fundamental. O
objetivo desse trabalho foi identificarmos as coleções que serão usadas por estes
professores no triênio 2017 a 2019 já selecionadas no segundo semestre de 2016.

13
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Identificadas as três coleções mais utilizadas pelos professores no


município, fizemos uma leitura criteriosa por meio do método da análise do
conteúdo, que segundo Moraes (1999, p. 9) constitui-se de uma metodologia de
pesquisa utilizada na descrição e interpretação de documentos e textos das mais
diversas classes. Através de descrições sistemáticas, ela ajuda o pesquisador a
reinterpretar as mensagens e atingir uma compreensão mais aprofundada
destas.

Figura 2. Localização do município de Nova Olinda – Sertão paraibano

Disponível em: http://www.valenewspb.com/news/va-olinda/

Assim, identificamos os diferentes modos de reprodução do Sertão de


modo a entender como este espaço aparece de forma explícita e implícita no
texto e nos títulos. Bem como observarmos as imagens que ilustram os capítulos
dedicados à sub-região. Pois, constituem em uma ferramenta que fixa a ideia,
que se quer difundir.

3 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

Falar da região Nordeste não é tarefa fácil, pois esta constitui em uma
grande região com características muito diversas. Andrade (1988, p. 5) diz que
“o conceito de Nordeste, a aceitação de que existe uma região nordestina, é
relativamente novo no Brasil. Durante o Império e a Primeira República, os
Estados hoje nordestinos eram chamados de “do Norte”, admitindo-se que o
país poderia ser dividido em duas porções: o Norte e o Sul, a primeira
contrapondo à segunda”.

14
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Essa diversidade - social e/ou natural - encontrada na sub-região do


Sertão contempla elementos de extrema dificuldade econômica, secas
prolongadas, altas temperaturas, muitos reservatórios de água se esvaziam, a
produção agropecuária diminui, muitos animais morrem, em fim, são inúmeros
os problemas aqui encontrados. Entretanto, “é isso mesmo que acontece? Ou
será que é só isso mesmo?” (ANDRIGHETTI, 1998, p. 7).
O que se nota nos livros didáticos de Geografia é uma insistência por
parte de muitos autores em divulgar, apresentar e representar o Sertão através
de textos e/ou imagens que narram e mostram uma área repulsiva, ou então,
falta coragem para analisá-la como o é na realidade o que os prende a manter
uma escrita voltada para o passado. Vale ressaltar que esta porção do espaço
também possui potencialidades - natural ou social, sobretudo, culturais que
precisam ser melhor exploradas e divulgadas.
No entanto, não precisamos ir muito longe para percebermos que os
livros didáticos de Geografia, que constituem no material mais usado pelos
professores em todo o país, não apresentam essas potencialidades. Pelo
contrário, há uma tendência muito forte da grande maioria dos autores e
editoras em divulgar uma região pobre, dependente das políticas
assistencialistas, que possui uma vegetação sem vida mascarando as diversas
realidades aqui encontradas.
Não queremos aqui apresentar os livros didáticos como sendo algo
negativo no processo de ensino aprendizagem, pelo contrário, apenas estamos
discutindo a respeito da sua supremacia na elaboração das aulas. Desse modo,
corroboramos com Kaercher (2014, p. 86) quando diz que [...] alguns mais do
que se baseiam nele, são quase dependentes, são “livros-dependentes”. O autor
ainda acrescenta:

É importante que se diga que o uso ou não do LD (livro didático) não é


indicativo de muita coisa. Já é superada, esperamos, a fase de prejulgar
os professores que o usam. Acreditamos que os LD de Geografia, em
geral são, no mínimo, uteis, já que apresentam de forma organizada uma
série de informações de que necessitamos [...] (KAERCHER, 2014, p. 86)
(grifos meus).

Nesta mesma linha de raciocínio Pontuschka et al (2009, p. 340)


chamam a atenção sobre os livros didáticos de Geografia quando dizem que “há
propostas mais avançadas que incluem, além de textos dos próprios autores,
textos de jornais e revistas e mesmo de outros autores, o que permite ao aluno o
contato com linguagens não exatamente didáticas que sejam ampliadoras da
capacidade de leitura dos estudantes [...]”.
Desse modo, passa a ser responsabilidade do professor fazer a escolha
do material que contempla todos esses aspectos.
Segundo Cavalcanti (2008, p. 81), “o ensino de Geografia contribui para
a formação da cidadania por meio da prática de construção e reconstrução de

15
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

conhecimentos, habilidades, valores que ampliam a capacidade de crianças e


jovens compreenderem o mundo em que vivem”.
Assim sendo, o estudo do local passa a ser extremamente necessário
para que o aluno adquira conhecimentos para compreender outros espaços em
escalas maiores. Estudo do local que exige muito mais do que meras conexões
entre texto e objeto, mas que levem os alunos a terem contato com o objeto
estudado.
De fato, as secas prolongadas constituem em um dos principais fatores
determinantes do modo de vida do sertanejo, se não for o primeiro. Ao longo
da história de ocupação e povoamento deste espaço já foram registrados
inúmeros períodos de estiagens prolongadas que são típicas do clima tropical
semiárido que predomina nessa região.
No entanto, esta visão de que o Sertão é constituído de pobreza e de
retirantes não é uma história de romance dramático retratado no século XIX
não, pelo contrário, ela ainda é reproduzida em pleno século XXI e são
erroneamente apresentados em diversos livros e nos programas televisivos
como sendo fatos que ocorrem na realidade.

4 RESULTADOS E DISCUSSÃO

Por meio da aplicação dos questionários identificamos os três livros


“ofertados” através do Plano Nacional do Livro Didático (PNLD) e escolhidos
pelos próprios professores por meio de uma seleção realizada no segundo
semestre de 2016 e que serão utilizados por professores e alunos no triênio 2017
a 2019.
Diante da análise dos questionários identificamos as três coleções
escolhidas para serem usadas nas três escolas do município de Nova Olinda
que têm o ensino fundamental em sua grade, são elas: Expedições geográficas
[da editora Moderna], Para viver juntos [da editora SM] e Geografia: espaço e
vivência [da Editora Saraiva].
Para análise desses três livros seguimos ao seguinte roteiro estratégico:
I. Divisão dos conteúdos em capítulos;
II. Títulos de abertura dos textos;
III. Características físicas;
IV. Características sociais;
V. O uso de imagens.
Assim, classificamos os livros analisados da seguinte forma: Expedições
geográficas da editora Moderna (A) (MELHEM ADAS; SÉRGIO ADAS, 2015);
Para viver juntos da editora SM (B) (SAMPAIO; MEDEIROS, 2015); Geografia:
espaço e vivência da editora Saraiva (C) (BOLIGIAN et al, 2015) só reforçando
que a referência bibliográfica de cada livro consta nas referências no final deste
artigo. Desse modo, temos as seguintes conclusões feitas a partir da análise de
cada livro supracitado:

16
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

I. Divisão dos conteúdos em capítulos

Percebemos que no livro A há um capítulo dedicado a cada sub-região


desse modo o Sertão aparece em destaque no percurso (capítulo) 19 das páginas
158 a 165, portanto, com sete (7) páginas dedicadas a retratá-lo o que pode ser
destacado como ponto positivo, uma vez que este aparece com mais
abrangência.
Nos livros B e C não há um capítulo dedicado ao Sertão este aparece
representado de forma conjunta com todas as outras sub-regiões aparecendo
em aproximadamente 4 páginas. Nestes dois livros não há um favorecimento ao
entendimento desta porção do espaço, uma vez que ele aparece junto às demais
sub-regiões.

II. Títulos de abertura dos textos

No livro A: aparecem em destaque os seguintes títulos que já em si


expressam uma visão estereotipada e uma reprodução negativa deste espaço:
Nem todo o Sertão é seco (p. 159) aqui os autores não poderiam só
enaltecer as belezas encontradas dos lugares úmidos do Sertão – como o cariri
cearense, por exemplo? Tinha que citar a parte seca?
Pobreza, migrações e seca (p. 164) não necessita nem de comentário, mas,
vamos lá. No texto os autores retratam um Sertão que já não existe mais
relatando o processo migratório que ocorria na primeira metade do século XX.
No livro B: Como o livro analisado não tem um capítulo dedicado ao
Sertão e este, por sua vez, aparece junto às demais sub-regiões, portanto, não
um título específico para esta sub-região e, desse modo, não títulos específicos
para serem analisados necessitando, pois analisarmos as entrelinhas dos textos.
No livro C: Por que chove pouco no Sertão? (p. 92); A seca no Sertão (p. 93)
A falta de água na vida do sertanejo (p. 103); A questão da seca: desafios para o Sertão
(p. 104). Só há um questionamento a fazer: não há mais nada a ser retratado no
Sertão não? Olha a quantidade de títulos que só narram à seca. Há uma
variedade de objetos para serem abordados, mas os autores priorizam sempre
em divulgar o lado negativo.

III. Características físicas

Em todos os livros A, B e C o clima tropical semiárido foi apresentado


corretamente como sendo de baixa pluviosidade onde as chuvas são escassas e
mal distribuídas e altas temperaturas, no entanto, apenas o livro A relata que
nem todo o Sertão é seco e quente, pois essas características dependem de
outros fatores como o relevo, por exemplo.
No tocante a vegetação ficou evidente em todos os livros o desinteresse
ou falta de conhecimento que muitos têm deste bioma onde é apresentada

17
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

apenas como sendo uma vegetação adaptada ao clima tropical semiárido sem se
quer citar sua grande biodiversidade.
O relevo, por sua vez, é retratado em todos os livros de forma muito
superficial apresentado apenas como sendo formado por diversas altitudes com
chapadas e depressões com destaque para a Depressão Sertaneja e do São
Francisco.
A hidrografia é apresentada apenas pelo rio São Francisco que consiste
no único rio perene da sub-região onde é retratada a sua “transposição de suas
águas para o Sertão”. Apenas o livro B faz referência aos açudes e represas
presentes nesta porção.
Fica notória a falta de informações mais detalhadas sobre os aspectos
físicos da sub-região, uma vez que o clima é caracterizado apenas como quente
e seco desprezando a existência de outras características como as regiões mais
elevadas que possuem temperaturas mais amenas. No tocante a vegetação as
informações são ainda resumidas apontando a caatinga como sendo adaptada
ao clima semiárido, porém não citam a sua enorme biodiversidade animal ou
vegetal.
No tocante ao relevo repete o mesmo erro cometido com os demais
pontos onde este aparece apenas como depressão e no livro C a Borborema
aparece como chapada quando na verdade se trata de um planalto. A
hidrografia da sub-região aparece dando destaque ao rio São Francisco como
único perene e apenas o livro B faz referência aos açudes e barragens que
constituem numa realidade de muitas cidades sertanejas.

IV. Características sociais

Em todos os livros a economia do Sertão é apresentada acertadamente


como sendo voltada para agropecuária, no entanto, chama a atenção para o fato
de que nesta porção do espaço há um número crescente de indústrias (de
pequeno e médio porte), que não são citadas em nenhum livro analisado, ou
seja, mesmo sendo atuais os autores tendem a reproduzir apenas o que já está
estereotipado e não há a busca por novas informações.
Os problemas sociais que ocorrem na sub-região são atribuídos às secas
prolongadas que assolam a sub-região, no entanto, os autores tiveram o
cuidado em apontar que não se trata apenas de uma questão natural, mas,
sobretudo, político-social onde há ausência de políticas públicas eficazes geram
muitos problemas sociais no local.

V. O uso de imagens

No livro A há imagens da caatinga no período de estiagem e no período


chuvoso destacando a sua biodiversidade (p. 159); Mostram uma imagem da
agricultura irrigada o que revela um desenvolvimento para a região (p. 162); no
entanto, os autores postam uma foto de retirantes nordestinos migrando para o

18
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Sudeste do país em pau-de-arara (caminhões cobertos com lonas) (p. 164) e o


texto erroneamente deixa a entender que é uma realidade ainda presente, no
entanto, isto é um fato totalmente ultrapassado.
No livro B há uma imagem que mostra um trecho de caatinga no
município de Angicos (SE), no entanto, a legenda deixa a entender que se trata
de algo morto, uma vez que diz: “solo pedregoso, vegetação rala, altas
temperaturas e chuvas escassas são aspectos da sub-região sertaneja” (p. 245).
Na mesma página mostra a fruticultura irrigada entre Bahia e Pernambuco o
que desfaz a ideia lançada na primeira imagem.
No Livro C traz imagens da caatinga no período de seca e de chuva
mostrando a resistência natural deste bioma (p. 94); Destaca a criação de
caprinos (p. 102).
A partir da análise da forma como o Sertão nordestino é retratado nos
livros do 7º ano do ensino fundamental nestas três (3) coleções percebemos que
os conteúdos abordam este espaço de forma discriminatória reduzindo-a a
problemas naturais (área seca, vegetação morta) e sociais (desemprego, fome)
sendo àqueles tidos como causadores destes.
Os atuais aspectos sejam eles de ordem física ou social presentes na
sub-região do Sertão não são retratados com fidelidade. Há uma tendência dos
diversos autores em propagar uma ideia de Sertão como sendo uma área
constituída somente de problemas sociais, onde sabemos que nenhum espaço é
homogêneo de tal modo que o Sertão tem suas dificuldades assim também
como tem belezas.

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Devido a alguns fatores como a grande dimensão territorial do Brasil, a


política de uma produção para um aluno nacional isso somado ao uso de
estereótipos construídos ao longo do tempo sobre o Sertão nordestino fica
notória a distância entre os conteúdos abordados nos livros didáticos com os
aspectos sociais e naturais encontrados no espaço vivido pelos alunos.
Vale se alentar de que o livro didático não é um “bicho papão” nem o
causador dos problemas do ensino da Geografia, no entanto, há a necessidade
urgente da utilização de materiais paradidáticos que retratem o lugar onde
estão inseridos os discentes, pois seus conteúdos se aproximam mais da
realidade vivida por eles, pois já têm um conhecimento prévio deste espaço.
Desse modo, o professor pode e deve utilizar o livro didático para
elaboração e execução de suas atividades, no entanto, deve-se sempre fazer
analogias entre o conteúdo abordado e os aspectos geográficos locais. Assim, a
utilização de novas metodologias para a sala de aula e extra-sala constitui numa
necessidade para a efetivação do conhecimento para os discentes, uma vez que
o livro didático constitui na ferramenta mais utilizada pelos professores, porém,
vale destacar que este não deve ser o único recurso.

19
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

O fato do uso de metodologias que privilegiam o livro didático e


despreza o espaço vivido pelos discentes tem gerado um grande desinteresse
por parte dos alunos nas aulas de Geografia que é ainda realizada por muitos
professores por meio do uso de métodos tradicionais que privilegiam a mera
descrição e se torna mnemônica gerando, assim, um estigma de ciência
desinteressante.
É evidente que a inserção de livros, jornais, músicas, poemas, cordéis,
aulas de campo no local, entre outros materiais e metodologias proporcionam
ao aluno a compreensão do seu próprio local construindo, desse modo, uma
leitura aprofundada do que considera essencialmente relevante para o seu
desenvolvimento integral enquanto estudante, mas, sobretudo, enquanto
cidadão.
Cabe, pois, ao professor de Geografia a transmissão das informações
sobre o Sertão nordestino de modo a revelar suas reais características sejam
físicas – clima semiárido, baixa precipitação, vegetação xerófila, entre outras.
Mas, também destacando que estes fatores são naturais e não constituem nos
causadores dos problemas sociais existentes e sim a ausência de políticas
públicas eficazes e apontar as nossas belezas que são enormes, sobretudo, no
campo da diversidade cultural.

6 REFERÊNCIAS

ADAS, M.; ADAS, S. Expedições Geográficas. 7º ano. 1ª Ed. São Paulo:


Moderna, 2015.

ANDRADE, M. C. de. O Nordeste e a questão regional. São Paulo: Editora


Ática, 1988.

ANDRIGHETTI, Y. Nordeste: mito e realidade. São Paulo: Moderna, 1998.

BOLIGIAN, L. et al. Geografia espaço e vivência. 7º ano. 5. ed. São Paulo:


Saraiva, 2015.
BRASIL, Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: História
e Geografia. Secretaria de Educação Fundamental. 3. ed. Brasília: A Secretaria,
2001.

CASTROGIOVANI, A. C. et al. Ensino de Geografia: práticas e textualizações


no cotidiano. Porto Alegre: Mediação, 2000.

CAVALCANTI, L. S. A Geografia escolar e a cidade: ensaios sobre o ensino de


Geografia para a vida urbana cotidiana. 3. ed. Campinas – SP: Papirus, 2008.

KAERCHER, N. A. Se a Geografia escolar é um pastel de vento o gato come a


Geografia crítica. Porto Alegre: Evangraf, 2014.

20
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

MORAES, R. Análise do Conteúdo. Revista Educação. Porto Alegre. Nº 37.


Março de 1999.

PONTUSCHKA, N. N.; PAGANELLI, T. I.; CACETE, N. H. Para ensinar e


aprender Geografia. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2009.

SAMPAIO, F. S.; MEDEIROS, M. C. Para viver juntos. 7º ano. 4. ed. São Paulo:
Edições SM, 2015.

21
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

22
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA
VISÃO DE ALUNOS DE UMA DE
UMA ESCOLA PÚBLICA DO
INTERIOR PARAIBANO

23
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

24
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA VISÃO DE ALUNOS


DE UMA DE UMA ESCOLA PÚBLICA DO INTERIOR
PARAIBANO

José Ronaldo de Lima


Antonio Izidro Sobrinho
José Ozildo dos Santos
Rosélia Maria de Sousa Santos
João Batista de Lima
Ciro Leite Pires

1 INTRODUÇÃO

No mundo atual, caracterizado pelo processo de globalização, no qual,


praticamente não existe outra preocupação há não ser aquela de natureza
econômica, o homem vem explorando de forma excessiva os recursos naturais,
colocando em risco a sua própria espécie. Hoje, mais do que nunca, é preciso
que o homem e a sociedade como um todo, adquira uma conscientização
ecológica, firmando no princípio de que é preciso preservar a natureza para que
a vida na terra continue existindo (GUIMARÃES, 1995).
Entretanto, deve-se registrar que a preocupação com a depredação do
Meio Ambiente natural é insuficiente se esta não estiver intimamente ligada à
mudança de posturas e a novas formas de desenvolvimento, em relação à
produção de suas necessidades e de sua relação com os homens.
Assim, diante da complexidade das questões ambientais, dos atuais
estilos de vida inseridos no processo de globalização, considera-se que a prática
pedagógica dos professores que atuam no ensino fundamental deva-se
fundamentar numa reflexão abrangente sobre as questões socioambientais. Para
isso, é patente a necessidade de uma abordagem interdisciplinar para se
trabalhar a Educação Ambiental (MARTINS et al., 2005).
Nesse sentido, a Educação Ambiental deve considerar o Meio Ambiente
em sua totalidade, levando em conta a interdependência entre o meio natural, o
socioeconômico e o cultural, sob o enfoque da sustentabilidade. Assim, a
Educação Ambiental deve promover o desenvolvimento de uma compreensão
integrada do Meio Ambiente, em suas múltiplas e complexas relações,
envolvendo todos os aspectos da vida humana (PEDRINI, 2000).
De acordo com Figueiredo (2004), a educação ambiental deverá ser
trabalhada na escola como processo educacional em todas as instâncias de
formação e disciplinas do currículo, pois ela se integra ao processo educacional
como um tema transversal que permeia os diferentes conteúdos disciplinares e
envolve a apropriação de conteúdos, formação de conceitos e a aquisição de
competências para agir na realidade de forma transformadora.

25
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Destaca Dias (2000) que entender do que trata a educação ambiental


(EA) é de fundamental importância para que se possa compreender melhor
tanto as inter-relações entre o homem e o ambiente como também suas
expectativas, satisfações e insatisfações, julgamentos e condutas.
Enfim, nota-se que a Educação Ambiental é um campo de
conhecimento em construção na prática cotidiana dos que realizam o processo
educativo e que há uma importante caminhada a ser realizada, visando a
despertar o interesse e desenvolver o conhecimento nesta área.
Esclarece Medina e Santos (2000), que não há como pensar educação
ambiental desvinculada de valores tais como cooperação, solidariedade,
respeito mútuo, responsabilidade individual e coletiva, participação,
comprometimento, coletividade.
Assim, ao estimular estes valores, a escola deverá propiciar condições
para que se produza no aluno o espírito crítico, a capacidade de fundamentar
suas escolhas, a entender e superar suas limitações e possibilidades de ação e,
principalmente, a compreender que atitudes isoladas e individualistas não se
sustentam.
Na concepção de Carvalho (2004), as dificuldades que se colocam para a
Educação Ambiental, enquanto prática dialógica e crítica, são a falta de
recursos, alegada pela maioria dos professores da escola pública e as falhas no
processo de formação para atuar como educadores ambientais, verificadas pelos
professores de ambas as redes de ensino.
Se toda comunidade escolar não se sensibilizar com as questões
socioambientais, vivenciadas cotidianamente, não haverá mudança de
comportamento. Este é o papel do educador ambiental: sensibilizar as pessoas
para que elas interiorizem os seus problemas mais próximos e adotem atitudes
para solucioná-los. No entanto, a Educação Ambiental não é a solução para
todos os problemas ambientais, pois estes têm suas raízes em questões
econômicas, políticas, dentre outras, e que há conflitos de interesses entre os
vários setores envolvidos (SORRENTINO, 1999).
Este trabalho tem por objetivo mostrar como Educação Ambiental vem
sendo trabalhada no contexto escolar, sob a percepção do aluno de uma escola
pública do sertão paraibano.

2 METODOLOGIA

Este trabalho foi realizado durante o mês de novembro de 2016, na


Escola Municipal de Ensino Fundamental CIEP 1 - José Genuíno e Napoleão
Nóbrega, localizada no município de Patos – Sertão paraibano. Este
estabelecimento de ensino comporta um total de 16 turmas, do 1º ano ao 9º ano,
tendo, 600 alunos matriculados no citado ano. O universo escolhido para
realização desta pesquisa foi todos os alunos da referida escola.
Destes, foi retirada uma amostragem constituída por vinte (20) alunos,
escolhidos aleatoriamente, dentre aqueles que estão regularmente matriculados
na referida escola pública.

26
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Para coleta dos dados foi utilizado como instrumento um questionário,


composto por perguntas subjetivas. Os dados foram coletados por meio das
questões referentes a: importância do meio-ambiente; origem das informações
sobre a necessidade de se preservar o meio ambiente, e o que é preciso se fazer
para preservar o meio ambiente.

3 RESULTADOS E DISCUSSÃO

Inicialmente, procurou-se saber dos alunos se é importante preservar o


Meio Ambiente. A esse questionamento, todos responderam sim. Fato que
dispensa a construção de um gráfico representativo.
Explica Carvalho (2004) que o processo de conscientização sobre a
necessidade de se preservar o meio ambiental é algo que tem que começar
ainda na infância. Pois, é nessa fase da vida, que a criança despertar para a vida
e absorve suas primeiras noções de mundo. Por isso, é importante que nesta
fase, ela seja preparada e conscientizada para preservar o meio ambiente e com
ele, viver em harmonia. Assim sendo, é de suma importância que na educação
básica se privilegie as questões direcionadas para o meio ambiente, mediante,
principalmente, o desenvolvimento da Educação Ambiental.
Num segundo momento, indagou-se dos entrevistados se onde eles
receberam ou aprenderam alguma informação quanto ao fato de que é preciso
preservar o meio ambiente. Os dados colhidos encontram-se apresentados no
Gráfico 1.

Gráfico 1. Distribuição dos alunos quanto à origem da informação de


que é preciso preservar o meio ambiente

70%
60%
60%
Televisão (n=5)
50%

40% Escola (n=12)

30% 25%
Conversando com
20% 15% amigos (n=3)

10%

0%

Pesquisa de campo: novembro/2016

27
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Os dados coletados demonstram que a maioria dos entrevistados (60%),


aprenderam na escola que é preciso preservar o meio ambiente, 25% afirmaram
que aprenderam tal lição através de informes divulgados através da televisão e
o restante (15%), disseram que aprenderam conservando com amigos.
Esclarecem Zeppone (1999), que o tema preservação do meio ambiente
é algo que na atualidade é abordado em todos os recantos da sociedade, seja em
conversas informais, conferências, discussões acadêmicas, estudos, informes
publicitários, etc. E essa dinâmica tem mudo o conceito que grande parte da
população tem sobre o meio ambiente.
Em informes divulgados através da televisão, percebe-se que as
grandes empresas - principalmente aquelas cujas atividades produtivas
degradam de forma direta ou indireta o meio ambiente - estão investindo em
publicidades como o objetivo de mostrar a sociedade, que também estão
fazendo alguma coisa para preservar o meio ambiente. Tal atitude é algo
definindo como responsabilidade social ambiental. (MARTINS et al., 2002).
Na escola, o referido tema nunca foi tão trabalhado como se faz no
presente. Além de parte dos conteúdos das ciências biológicas é também
abordado na Geografia, na Literatura, na Física e em Química, de forma
transversal ou como enfoque ilustrativo. E, é esta ampla abordagem que
justifica o fato da maioria dos entrevistados ter afirmado que aprendeu na
escola a ‘lição’ que ‘é preciso preservar o meio ambiente’ (PEREIRA, 2007).
Num terceiro momento, procurou-se saber dos entrevistados o que eles
acham que é preciso se fazer para preservar o meio ambiente. Os dados
colhidos foram esboçados no Gráfico 2.

Gráfico 2. Distribuição dos alunos quanto ao que é preciso


se fazer para preservar o meio ambiente

45%
45% Preservar as florestas
40% 35% (n=9)
35%
Explorar de forma
30% regular os recursos
25% 20% naturais (n=4)
20% Não poluir os rios e o ar
15% (n=7)

10%
5%
0%
Pesquisa de campo: novembro/2016

28
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Analisando a Tabela 3, percebe-se que todos os alunos entrevistados


(100%), saem que preservando as florestas está se preservando o meio ambiente
e a vida de milhares de espécies da fauna e da flora.
É importante que desde criança se tenha essa ideia. A escola, que
também tem como missão educar para a cidadania, deve explorar essa ideia de
maneira que tal processo de conscientização torne-se algo sólido entre os alunos
e produza conhecimento e espírito de responsabilidade, que permitam ao jovem
quando adulto exigir da sociedade medidas que colocadas em prática, possam
auxiliar na preservação da natureza (GADOTTI, 2000).
Como centro de transformação, a escola deve-se comprometer-se as
perspectivas e as decisões que os favoreçam o exercício da cidadania. Tal
transformação de envolver valores e conhecimentos, que permitam desenvolver
as capacidades necessárias para a participação social efetiva (FIGUEREDO,
2004).
Em outras palavras, a educação para a cidadania requer, portanto, que
questões sociais sejam apresentadas para a aprendizagem e a reflexão dos
alunos. Por isso, quando o professor aborda em sala de aula a necessidade de
que é preciso preservar a natureza, de forma construtiva, ele está educando
para a cidadania.
Através do quarto questionamento direcionado aos alunos, procurou-se
saber destes porque eles acham que é preciso preservar o meio ambiente. Todos
os dados colhidos foram apresentados n Gráfico 3.

Gráfico 3. Distribuição dos alunos quanto à razão pela qual


é preciso preservar o meio ambiente

40%
Por que dele depende
40% toda a vida na Terra
(n=3)
35%
Para sempre termos ar
30% 25% puro (n=4)
25%
20%
20% Para termos uma melhor
15% condição de vida na
15% Terra (n=8)
10% Todas as alternativas
anteriores estão corretas
5%
(n=5)
0%

Pesquisa de campo: Novembro/2016

29
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

A presente pesquisa demonstrou que segundo 15% dos alunos, é


preciso preservar por que dele depende toda a vida na Terra, 20% acham
porque é necessário para sempre termos ar puro; 40% afirmaram que é para
termos uma melhor condição de vida na Terra e 25% afirmaram que deve-se
preservar o meio ambiente porque dele depende toda a vida na Terra; é
necessário para sempre termos ar puro e para termos uma melhor condição de
vida na Terra.
Na concepção de Sorrentino (1999), se a natureza for ameaçada todas as
espécies que habitam a Terra sofrem as consequências dessa ameaça. Por isso, é
preciso que o homem tenha a consciência de que ao destruir um ecossistema e
ou degradada-lo, ele está poluindo a sua própria casa e colocando em risco a
sobrevivência da própria espécie humana.
Desta forma, é importante que a criança aprenda logo cedo, que a
qualidade de vida na Terra depende do meio ambiente e, que a única forma de
se ter uma vida melhor, é vivendo em harmonia com a natureza, preservando-a.
Mediante a quinta questão, indagou-se dos alunos o que eles fazem
para preservarem o meio ambiente. As respostas colhidas foram transformadas
em dados e apresentados no Gráfico 4.

Gráfico 4. Distribuição dos alunos quanto ao que eles


fazem para preservar o meio ambiente

40% Não polui as fontes de


40% água potável (n=3)
35%

30% Não danifica os


canteiros da Praça
25% 25% Pública (N=5)
20% Não caça os animais
20%
15% silvestres (n=4)
15%
10%
Procura não agredir o
5% meio ambiente e nem
contamina-lo (n=8)
0%

Pesquisa de campo: Novembro/2016

Analisando o Gráfico 4, percebe-se que 15% dos alunos para preservar o


meio ambiente, não poluem as fontes de água potável; 25% informaram que não
danificam os canteiros da Praça Pública; 20% destacaram que não caçam os
animais silvestres e 40%, procuram não agredir o meio ambiente e nem
contamina-lo.

30
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Desde o princípio, a criança deve ser educada para assumir


responsabilidade. Se na escola, em casa, entre os amigos, ela é preparada para
assumir uma posição responsável, principalmente no que diz respeito ao meio
ambiente, ela crescerá tendo a preocupação de que deve fazer a sua parte. Esta
preocupação o que se pode chamar de conscientização ecológica (PEDRINI,
2009).
Diante desta necessidade, o processo educativo deve contemplar essas
particularidades, para produzir uma educação significativa.
Através do sexto questionamento direcionado aos alunos, procurou-se
saber como o professor aborda a questão do meio ambiente em sala de aula. O
Gráfico 5 relaciona-se a esse questionamento.

Gráfico 5. Distribuição dos alunos quanto ao fato de como


professor aborda em sala de aula as questões do meio ambiente

60% Dentro da disciplina de


Ciências Naturais (n=11)
50% 55%

40% Fazendo palestras, feiras de


ciências e seminários (n=5)
30%

20% 25% Promovendo debates entre


20% classes distintas (n=4)
10%

0%

Pesquisa de campo: Novembro/2016

Analisando o Gráfico 5, verifica-se que segundo 55% dos alunos, o


professor aborda em sala de aula as questões do meio ambiente dentro da
disciplina de Ciências Naturais; 25% informaram que eles fazem isto através de
palestras, feiras de ciências e seminários, e, de acordo com 20%, promovendo
debates entre classes distintas.
Tomando por base os dados colhidos, pode-se afirmar que a escola que
serviu de campo para a presente pesquisa, vem trabalhando a educação
ambiental utilizando-se de uma metodologia de ensino fundada nos Parâmetros
Curriculares Nacionais, no que diz respeito ao meio ambiente. Pois, segundo
aquelas orientações pedagógicas, o meio ambiente é um tema que deve ser

31
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

trabalhado amplamente na escola, seja como conteúdo específico ou em forma


de tema transversal.
Explica Oliveira (2003), que utilizando-se da transversalidade, a escola
ganha um novo sentido, passando de um mero espaço de acesso a informações
para um espaço de formação socialmente relevante, no qual as informações são
um meio, mas nunca um fim em si mesmas.
Assim, como bem observam Medina e Santos (2000), para tornar isto
possível é preciso que o professor entenda que os temas transversais devem ser
o eixo em torno do qual deve girar a temática das áreas curriculares. Pois,
através de tais instrumentos pode-se inserir dentro do contexto escolar, as
atuais preocupações sociais.
Em síntese, é preciso que o professor aprenda que o melhor professor
de Matemática nem sempre é aquele que somente ensina a ciência matemática.
Mas, aquele que ensina o aluno a multiplicar o conhecimento e ter uma vida
melhor, de forma digna e responsável. Tal princípio também se aplica a tudo
aquilo que diz respeito ao meio ambiente.
Por último, perguntou-se aos entrevistados, se em relação ao meio
ambiente, você tem consciência de que é preciso preservá-lo. A esse
questionamento todos os alunos entrevistados responderam ‘sim’, fato dispensa
a construção de um gráfico representativo.
Tal processo de conscientização é importante e deve ser algo presente
em todo ser humano. Explica Sorrentino (1999) que o homem é o único animal
que pode mudar as condições de vida na Terra. Por isso, todas as suas ações
devem ser praticadas de forma responsável, evitando assim, prejuízos futuros.
Assim sendo, quanto mais sólida for a conscientização ecológica
presente no ser humano, melhores serão as condições de vida, no futuro, na
Terra, para o homem. Logo, para que essa consciência ecológica venha a ser
algo real, a escola deve cumprir a missão que constitucionalmente lhe foi
confiada.

4 CONCLUSÃO

A Educação Ambiental exige uma sensibilidade especial para as coisas


da natureza e para a melhoria da qualidade de vida da sociedade. Por isso, é
preciso que se efetive em nível local, regional, nacional para integrar, em
mosaico, o espaço planetário e assim colaborar com os diferentes níveis de
sanidade exigidos para se viver no planeta Terra.
Nesse sentido, a Educação Ambiental deve ser considerada uma prática
política, sendo essa uma de suas características mais marcantes, visando
proporcionar a organização coletiva na busca de soluções para os problemas
socioambientais. Além da dimensão coletiva, a Educação Ambiental apresenta
também a dimensão individual e se constitui como um processo de grande
abrangência, não se limitando aos princípios e às teorias cientificas.
No contexto escolar, a Educação Ambiental não pode se restringir
apenas aos conceitos ecológicos da natureza. Ela deve abordar também as

32
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

questões dos valores morais, da cidadania, da justiça, da saúde, da pobreza, da


igualdade e das diferenças de desenvolvimento, dentre muitos outras. Por isso,
a Educação Ambiental implica a triangulação das relações sociais entre as
pessoas, a sociedade e o meio, sendo um processo de construção de novos
conhecimentos e valores, que criam condições para que as pessoas consigam
atingir seu potencial como cidadãos ambientalistas e possam intervir na
realidade, sendo co-responsáveis pela melhoria da triangulação das relações.
Por outro lado, os problemas socioambientais precisam ser analisados e
discutidos por todos os professores das diferentes áreas e/ou disciplinas, uma
vez que a escola se constitui num espaço onde as crianças poderão aprender
valores de cidadania em defesa da vida.
Desta forma, os diferentes conteúdos não podem ficar alheios ao que
está acontecendo na sociedade, na natureza, na economia, na política. Enfim, os
professores precisam estar atentos às questões que envolvem os seres humanos,
em nível local e global, pois o aluno do ensino fundamental atua ativamente e
se envolve eficazmente nas atividades a que é chamado a participar. Ele sente-
se dono do processo educativo, aprende melhor, passando a criar e recriar.
Uma das contribuições mais importantes da Educação Ambiental é o
fato de que ela deve ser trabalhada de forma transversal, em todos os currículos
escolares, conforme orientação dos PCN, estimulando a luta pelos direitos
humanos e pelos direitos da vida, além de uma reflexão a respeito das relações
da sociedade com a natureza e com os seres humanos entre si.
Em síntese, é papel da Educação Ambiental preparar as pessoas do
presente e do futuro, dispostas e aptas a estabelecerem com o mundo natural
novas formas afetivas e vivenciais de educação, ou seja, pessoas capazes de
verem e sentirem o ambiente em que vivem.

5 REFERÊNCIAS

CARVALHO, I. C. M. Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. São


Paulo: Cortez, 2004.

DIAS, G. F. Educação Ambiental: Princípios e práticas. 3 ed. São Paulo: GAIA.


2000.

FIGUEREDO, Sandra Araújo. Proposta curricular: educação ambiental. Brasília:


MEC, 2004.

GADOTTI. M. Pedagogia da terra. 3. ed. São Paulo: Peirópolis, 2000 (Série


Brasil Cidadão).

GUIMARÃES, M. A dimensão ambiental na educação. 3. ed. Campinas:


Papirus, 1995.

MARTINS, A. [et al.]. Educação ambiental legal. Brasília: MEC, 2002.

33
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

MEDINA, N. M.; SANTOS, E. C. Educação ambiental: Uma metodologia


participativa de formação. Petrópolis: Vozes, 2000.

OLIVEIRA, R. C. F. Transversalidade no currículo escolar: ética e meio


ambiente. In: SANTOS, C. P. (Org.). Educação ambiental: ação e
conscientização para um mundo melhor. Belo Horizonte: SEE / MG. 2003. p.
61-68. (Lições de Minas, v. 17).

PEDRINI, A. de G. (Org.). Educação ambiental: reflexões e práticas


contemporâneas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

PEREIRA, Jaqueline Schwartz. Educação ambiental na educação infantil: um


compromisso social. Rev. Bras. Agroecologia, v.2, n.1, fev. 2007.

SORRENTINO, M. Crise Ambiental e Educação in QUINTAS, J. S. (Org.)


Pensando e praticando a educação ambiental na gestão do meio ambiente.
Coleção Meio Ambiente, 3. Brasília: IBAMA, 1999.

ZEPPONE, R. M. O. Educação ambiental: teoria e práticas escolares.


Araraquara: JM Editora,1999.

34
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

A RELEVÂNCIA DA
EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA
PERCEPÇÃO DE UM GRUPO DE
PROFESSORES DO ENSINO
FUNDAMENTAL

35
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

36
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

A RELEVÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA


PERCEPÇÃO DE UM GRUPO DE PROFESSORES
DO ENSINO FUNDAMENTAL

José Ronaldo de Lima


Antonio Izidro Sobrinho
José Ozildo dos Santos
Rosélia Maria de Sousa Santos
João Batista de Lima
Douglas dos Santos Oliveira

1 INTRODUÇÃO

Viver em uma sociedade capitalista onde as pessoas são levadas a


consumir de forma desordenada, onde os produtos são cada vez mais
descartáveis, onde os grandes empresários visam apenas o lucro faz com que o
meio ambiente de modo geral fique refém das suas “necessidades ambiciosas”.
Uma alternativa para a preservação ou conservação dos recursos
disponíveis no meio ambiente passa pela formação dos cidadãos, sobretudo,
aqueles que estão no ensino fundamental, pois crescerão com uma nova
mentalidade voltada para a preservação do meio ambiente, em busca de uma
sociedade cada vez mais justa e equilibrada.
A Política Nacional de Educação Ambiental - Lei nº 9795/1999, no seu
artigo 1º assim define a educação ambiental: "os processos por meio dos quais o
indivíduo e a coletividade constroem valores sociais, conhecimentos,
habilidades, atitudes e competências voltadas para a conservação do meio
ambiente, bem de uso comum do povo, essencial à sadia qualidade de vida e
sua sustentabilidade" (MOUSINHO, 2003).
Dentro desta mesma visão Quintas (2008) “A Educação Ambiental deve
proporcionar as condições para o desenvolvimento das capacidades
necessárias; para que grupos sociais, em diferentes contextos socioambientais
do país, intervenham, de modo qualificado.”
Corroborando com Quintas a consciência ecológica muitas vezes não é
claramente absorvida em função da força do sistema capitalista, mas a
problemática ambiental na atualidade vem ganhando, progressivamente,
contornos tão alarmantes que de forma gradativa vem se impondo nos debates
políticos, nos meios de comunicação e nos meios acadêmicos forçando a
diminuir a dicotomia entre o homem e a natureza, pois a coerência vem
forçando a um estudo cada vez mais integrado para entendermos e
solucionarmos os desequilíbrios entre o homem e a natureza interligando

37
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

desenvolvimento à busca por uma melhor qualidade ambiental e


consequentemente de vida do homem.
No mundo atual, caracterizado pelo processo de globalização, no qual,
praticamente não existe outra preocupação há não ser aquela de natureza
econômica, o homem vem explorando de forma excessiva os recursos naturais,
colocando em risco a sua própria espécie. Hoje, mais do que nunca, é preciso
que o homem e a sociedade como um todo, adquira uma conscientização
ecológica, firmando no princípio de que é preciso preservar a natureza para que
a vida na terra continue existindo (GUIMARÃES, 1995).
Assim, diante dos desafios inerentes às questões ambientais
contrapondo-se aos modos de vida das sociedades consumistas do mundo
globalizado, nota-se que a atuação da escola, principalmente, no ensino
fundamental deva-se promover reflexões sobre as questões socioambientais e o
modo de vida que se estrutura na busca pelo consumo desenfreado.
De acordo com Figueiredo (2004), a educação ambiental deverá ser
trabalhada na escola como processo educacional em todas as instâncias de
formação e disciplinas do currículo, pois ela se integra ao processo educacional
como um tema transversal que permeia os diferentes conteúdos disciplinares e
envolve a apropriação de conteúdos, formação de conceitos e a aquisição de
competências para agir na realidade de forma transformadora.
A Educação Ambiental é um campo de conhecimento desafiador pela
sua interdisciplinaridade de modo que todos os ramos do conhecimento se
envolvam nesta questão, pois não é responsabilidade apenas de uma disciplina
especifica – como geografia e ciências – mas, faz parte da grade curricular de
todas as disciplinas da educação básica.
Desse modo, o referido estudo teve como objetivo analisar as
perspectivas da educação ambiental no ensino fundamental como pré-requisito
para formação de um cidadão com menor pegada ecológica.

2 METODOLOGIA

Este trabalho foi realizado durante o primeiro semestre de 2016, na


Escola Municipal de Ensino Fundamental CIEP I - José Genuíno e Napoleão
Nóbrega, localizada no município de Patos, sertão paraibano.
Este estabelecimento de ensino comporta um total de 15 turmas, do 1º
ano ao 9º ano, tendo, 580 alunos matriculados no citado ano. O universo
escolhido para realização desta pesquisa foi de 20 professores num total de 30
professores que compõem a escola.
Para coleta dos dados foi utilizado como instrumento um questionário,
composto por perguntas objetivas e subjetivas. Buscou-se por meio deste
questionário entender os seguintes pontos: importância da educação ambiental;
metodologias usadas para trabalhar a educação ambiental em sala de aula, a
educação como uma alternativa de permanente de conscientização ambiental,

38
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

entre outros. Os dados coletados neste questionário foram transformados em


gráficos e tabelas para posterior quantificação e analise das informações que
serão analisadas e debatidas no ambiente escolar.

3 RESULTADOS E DISCUSSÃO

Procurou-se, em primeiro lugar, analisar o grau de conhecimento e


comprometimento dos professores do referido estabelecimento de ensino sobre
os conceitos e a divulgação dos temas relacionados à Educação Ambiental no
ambiente escolar.
Conforme explica Carvalho (2004) que o processo de conscientização
sobre a necessidade de se preservar o meio ambiental é algo que tem que
começar ainda na infância. Pois, é nessa fase da vida, que a criança despertar
para a vida e absorve suas primeiras noções de mundo.
Pensando nisso, procurou-se dar prioridade a conhecer as ações
educacionais na educação básica que enfatize uma convivência mais
harmoniosa dos cidadãos do futuro com o seu meio ambiente tentando, nesta
direção enfatizar o papel do professor e da comunidade escolar como
mecanismo de reorientação de um novo estilo de vida que vise o
desenvolvimento sem esquecer de atender aos serviços sociais básicos
respeitando a renovação de recursos e ficando clara a ideia de que todas as
instituições tem a obrigação de se engajar numa estratégia de desenvolvimento
que garanta a otimização das relações da sociedade e da natureza.

Gráfico 1. Você conhece o conceito de Educação Ambiental

1
0,9
0,8
0,7
Sabe
0,6
Não Sabe
0,5
0,4
0,3
0,2
0,1
0

Fonte: Pesquisa de campo, maio de 2016

Num segundo momento, pedimos aos entrevistados para que


colocassem o conceito que eles têm do termo Educação Ambiental cujas
respostas constam na quadro 1.

39
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Quadro 1. Conceitos de Educação Ambiental segundo os entrevistados


Conceito 1. Compreender a prática e o estudo de ações que promovam os
cuidados com o meio ambiente.
Conceito 2. É uma proposta de estudo relacionada ao meio ambiente
Conceito 3. É uma área de estudo que se preocupa com a preservação do meio
ambiente
Conceito 4. Campo de conhecimento dedicado ao estudo das questões que
envolvem o meio ambiente com o objetivo de promover sua sustentabilidade
Conceito 5. Conscientização do homem e preservação do meio ambiente
Fonte: Pesquisa de campo, maio de 2016

A Política Nacional de Educação Ambiental - Lei nº 9795/1999, Art 1º.


Assim classifica a EA: "Entendem-se por educação ambiental os processos por
meio dos quais o indivíduo e a coletividade constroem valores sociais,
conhecimentos, habilidades, atitudes e competências voltadas para a
conservação do meio ambiente, bem de uso comum do povo, essencial à sadia
qualidade de vida e sua sustentabilidade."
Os dados coletados demonstram que todos entendem a Educação
Ambiental como um passo importante para se promover a interação do homem
com o meio em que vive. Conforme esclarecem Zeppone (1999), que o tema
preservação do meio ambiente é algo que na atualidade é abordado em todos os
recantos da sociedade, seja em conversas informais, conferências, discussões
acadêmicas, estudos, informes publicitários, etc. E essa dinâmica tem mudo o
conceito que grande parte da população tem sobre o meio ambiente.

Gráfico 2. A escola desenvolve projetos na área ambiental?

90%

0,9

0,8

0,7

0,6
Não
0,5 Sim
0,4

0,3

0,2 10%

0,1

Fonte: Pesquisa de campo, maio de 2016

40
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Conforme consta no gráfico acima 90% dos professores entrevistados


consideram as pequenas práticas cotidianas da escola como manter a sala de
aula limpa, cultivar hortas, arborizar a escola como projetos que representam
ações de Educação Ambiental. Enquanto 10% consideram essas práticas
corriqueiras são pequenas ações que não se encaixariam como educação
ambiental, mas sim regras de convivência.

Gráfico 3. É importante a inserção da Educação Ambiental na grade curricular

90%

0,9
0,8
0,7
0,6
Não
0,5
Sim
0,4
0,3
0,2 10%

0,1
0

Fonte: Pesquisa de campo, maio de 2016

A educação ambiental deve ser trabalhada de forma transversal em


todas as disciplinas fazendo parte, inclusive das regras didáticas de
disciplinares da escola, assim, para 10% dos entrevistados não seria necessário a
inserção da Educação Ambiental como disciplina, mas deve ser trabalhada por
todas as disciplinas.
Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental, Art. 2°.
“A Educação Ambiental é uma dimensão da educação, é atividade intencional
da prática social, que deve imprimir ao desenvolvimento individual um caráter
social em sua relação com a natureza e com os outros seres humanos, visando
potencializar essa atividade humana com a finalidade de torná-la plena de
prática social e de ética ambiental.”
De acordo com Quintas (2005) A Educação Ambiental deve
proporcionar as condições para o desenvolvimento das capacidades
necessárias; para que grupos sociais, em diferentes contextos socioambientais
do país, intervenham, de modo qualificado tanto na gestão do uso dos recursos
ambientais quanto na concepção e aplicação de decisões que afetam a qualidade
do ambiente, seja físico-natural ou construído, ou seja, educação ambiental
como instrumento de participação e controle social na gestão ambiental pública.

41
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Gráfico 4. Grau de conhecimento dos alunos sobre Educação Ambiental

70%

60%

50%
Alto

40% Médio
Baixo
30%

20%

10%

0%

Fonte: Pesquisa de campo, maio de 2016

Preocupantemente, o maior percentual demonstrou o nível de


conhecimento por parte dos alunos médio ou baixo o que demonstra a
necessidade urgente da escola trabalhar uma ação conjunta e efetiva na direção
da Educação Ambiental para que esta transborde os limites do ambiente escolar
para que os discentes se transformem em agentes multiplicadores em sua
comunidade.

Gráfico 5. Locais usados para aulas práticas de Educação Ambiental

40%

35%

30% Parques

25% Córregos
Cagepa
20%
Lixão
15%

10%

5%

0%

Fonte: Pesquisa de campo, maio de 2016

42
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Para Sorrentino et al. (2005), “a Educação Ambiental nasce como um


processo educativo que conduz a um saber ambiental materializado nos valores
éticos e nas regras políticas de convívio social e de mercado, que implica a
questão distributiva entre benefícios e prejuízos da apropriação e do uso da
natureza. Ela deve, portanto, ser direcionada para a cidadania ativa
considerando seu sentido de pertencimento e co-responsabilidade que, por
meio da ação coletiva e organizada, busca a compreensão e a superação das
causas estruturais e conjunturais dos problemas ambientais.”
As respostas diversificadas demonstram a complexidade que envolve a
Educação Ambiental, pois em cada momento a atenção da comunidade escolar
se volta para aquele problema mais eminente. Merece destaque na cidade os
sucessivos incêndios no lixão que se transformou além de questão ambiental em
caso de polícia e a fumaça que provoca sérios danos respiratórios à população
daí a urgência da construção do aterro sanitário de Patos.

5 CONCLUSÃO

A Educação Ambiental é proposta consensual para que as estratégias


contra o consumismo desenfreado, a visão da natureza como mercadoria, sejam
gradualmente dissipadas dos ideais dos futuros cidadãos que estão herdando
um planeta em condições ambientais caóticas e tem por obrigação sobreviverem
neste caos e tentar através de medidas de controle ambiental e iniciativas que
envolva toda coletividade estas gerações e as futuras alcancem um futuro
desejado.
Nota-se que apesar de ser um tema amplamente discutido por vários
teóricos na prática cotidiana da escola de ensino fundamental o tema precisa ser
mais abordado de forma acadêmica, cientifica para que haja uma preparação
dos professores no sentido de qualifica-los para difundirem conscientemente as
bases da Educação Ambiental, pois até então o que ocorre na comunidade
escolar são iniciativas individuais ou de pequenos grupos ainda de forma
desconectadas e que não se transformam em ações plenas para que o aluno leve
esse conhecimento para mudar o comportamento em suas residências e em sua
comunidade.
O baixo nível de conhecimento dos alunos sobre as temáticas que
envolvem a Educação Ambiental é preocupante visto que um dos pilares do
desenvolvimento sustentável é a preocupação com as gerações futuras e esse
adolescente hoje no ensino fundamental é o presente e o futuro próximo da sua
comunidade, de sua cidade e um agente ambiental de suma importância para a
busca de uma relação harmoniosa entre homem-natureza.

6 REFERÊNCIAS

CARVALHO, I. C. M. Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. São


Paulo: Cortez, 2004.

43
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

FIGUEREDO, Sandra Araújo. Proposta curricular: educação ambiental. Brasília:


MEC, 2004.

GUIMARÃES, M. A dimensão ambiental na educação. 3. ed. Campinas:


Papirus, 1995.

QUINTAS, J. S. Salto para o Futuro, 2008.

MOUSINHO, P. Glossário. In: Trigueiro, A. (Coord.) Meio ambiente no século


21. Rio de Janeiro: Sextante. 2003.

SORRENTINO et all, Educação ambiental como política pública, 2005.

ZEPPONE, R. M. O. Educação ambiental: teoria e práticas escolares.


Araraquara: JMEditora,1999.

44
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

A RECICLAGEM ENQUANTO
PRÁTICA SUSTENTÁVEL:
Avaliando o conhecimento dos
alunos de uma escola pública do
interior da Paraíba

45
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

46
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

A RECICLAGEM ENQUANTO PRÁTICA


SUSTENTÁVEL: Avaliando o conhecimento dos alunos
de uma escola pública do interior da Paraíba

José Ronaldo de Lima


Antonio Izidro Sobrinho
José Ozildo dos Santos
Rosélia Maria de Sousa Santos
João Batista de Lima
Ciro Leite Pires

1 INTRODUÇÃO

Na atualidade, diante do fortalecimento do discurso em torno da


sustentabilidade, é cada vez maior o interesse pela reciclagem, que vem
assumindo a concepção de uma prática bastante estimulada no contexto escolar,
principalmente, quando se trabalha a Educação Ambiental.
É importante assinalar que Educação Ambiental tem por objetivo
despertar a consciência ecológica em cada ser humano, oportunizando-lhe o
conhecimento necessário a permitir uma mudança de comportamento,
conscientizando-se da necessidade de ser proteger/preservar a natureza como
um todo (SANTOS et al., 2013, p. 31).
De forma obrigatória, toda e qualquer ação de proteção ambiental deve
passar pela educação ambiental. E isto também ocorre com a reciclagem.
De acordo com James (2002, p. 59), por reciclagem entende todo e
qualquer processo que vise coletar e reprocessar um recurso já utilizado,
transformando-o em novos produtos secundários.
Deve-se também frisar que a importância da reciclagem reside no fato
de que através dela, é possível reduzir a retirada de matérias primas da
natureza, sejam estas classificadas como recursos naturais renováveis ou não.
Assim, estimulando a reciclagem, está se promovendo a preservação do
meio ambiente, primando pela sustentabilidade, visto que o fato de se reduzir a
retirada de matérias primas, implica que de certa forma está se garantindo às
gerações a oportunidade de também desfrutar dos recursos naturais ora
existentes (SANTOS et al., 2013, p 29).
É importante assinalar que a promoção da sustentabilidade também
deve ser uma das preocupações da escola, a quem cabe a missão de educar o
indivíduo para uma vida melhor, conscientizando-o a reduzir ao mínimo a
utilização dos recursos não renováveis (RIBEIRO et al., 2010, p. 4).
No contexto atual, vários fatores têm contribuído para incentivar a
reciclagem, principalmente, não somente a redução dos recursos naturais, mas

47
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

também a necessidade de se evitar a disposição inadequada dos resíduos no


meio ambiente.
Observa Wells (2005, p. 7) que “o reaproveitamento de matéria-prima
para a reciclagem sempre se estabeleceu por necessidades eventuais, em épocas
de crise e escassez, como as vividas nas duas últimas grandes guerras”.
A reciclagem dos resíduos sólidos urbanos é uma forma inteligente de
preservar o meio ambiente e melhorar a qualidade de vida. Reciclar é não jogar
fora, é inserir um determinado produto acabado e já utilizado para o seu fim
inicial em um novo processo de produção (RIBEIRO; LIMA, 2000).
Explica Andrietta (2002) que a reciclagem consiste em encontrar novas
formas de uso para o material previamente descartado. Trata-se de uma prática
que vem sendo desenvolvida em vários países, visando à economia de recursos
naturais e buscando a proteção do meio ambiente.
Acrescenta Valle (1995, p. 71), que “reciclar o lixo significa refazer o
ciclo, permite trazer de volta, à origem, sob a forma de matéria-prima aqueles
materiais que não se degradam facilmente e que podem ser reprocessados,
mantendo as suas características básicas”.
Na opinião de Torres (2003, p. 29), “a reciclagem é, na sua essência, uma
forma de educar e fortalecer nas pessoas o vínculo afetivo com o meio
ambiente, despertando o sentimento do poder de cada um para modificar o
meio em que vivem”.
No entanto, como toda atividade, a reciclagem possui um custo. E nesse
processo os maiores gastos dizem respeito à coleta do lixo, ao seu processo de
seleção e transporte (RIBEIRO; LIMA, 2000).
No contexto atual, a escola possui uma grande missão. Além de ensinar
o educando a ler e escrever, a ela também cabe a missão de preparar o aluno
para o exercício da cidadania, dotando-se de uma consciência crítica sobre o
mundo em sua.
E, como as questões ambientais estão sempre presentes nos debates
atuais, a escola também deve participar desses debates, conscientizando o aluno
sobre a importância da preservação do meio ambiente, da natureza como um
todo (TRINDADE, 2011).
Assim, é de suma importância que se promova um processo educativo
voltado para a criação de consciência ambiental, com o objetivo de se garantir a
sustentabilidade dos ecossistemas. E, no desenvolvimento de processo
educativo tão necessário, o professor assume um papel por demais importante.
Para estimular a formação da consciência ambiental entre os seus
educados, o professor poderá lançar de metodologias criativas, transformando
a sala de aula num cenário de debates e apresentação de pesquisas, realização
de seminário, etc., inclusive, a realização de projetos ambientais, abordando
diferentes temas, a exemplo da reciclagem (ALENCAR, 2005).
O presente trabalho tem por objetivo demonstrar a concepção que os
docentes de uma escola pública do município de Nova Olinda, Estado da
Paraíba, possuem sobre a reciclagem.

48
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

2 METODOLOGIA

A presente pesquisa foi realizada na Escola Municipal de Ensino


Fundamental Genésio Pinto Ramalho, localizada no município de Nova Olinda.
Este estabelecimento de ensino comporta um total de 16 turmas, do 1º ano ao 9º
ano, tendo, aproximadamente 480 alunos.
Dentro desse universo, foram investigados dez professores, escolhidos
de forma aleatória e que se dispuseram a participar desta pesquisa. Para a
coleta de dado foi elaborado um questionário composto por duas partes: a
primeira objetivando traçar o perfil da amostra e a seguinte, para atender aos
objetivos da pesquisa.
Tal instrumento de coleta de dados foi utilizado visando não causar
nenhum tipo de constrangimento aos participantes da amostra, que foram
deixados à vontade para que pudessem expressar suas ideias sobre o tema
reciclagem.

3 RESULTADOS E DISCUSSÃO

Inicialmente, procurou-se traçar o perfil dos professores do ensino


fundamental, que foram entrevistados para a presente pesquisa. Assim, colheu-
se dados relativos ao sexo, formação acadêmica, tempo de exercício do
magistério e em relação às disciplinas que lecionam. Tais dados encontram-se
apresentados na Tabela 1

Tabela 1: Distribuições da amostra quando aos dados pessoais


Variáveis Participantes %
Sexo
Masculino 04 40%
Feminino 06 60%
Formação Acadêmica
Superior Completo 06 60%
Superior + Especialização 04 40%
Tempo de exercício do magistério
Menos de um ano 01 10
Entre um e dois anos 04 40
Entre três e cinco anos 05 50%
Disciplina(s) que leciona
Ciências Naturais 04 40%
Matemática 02 20%
Português 02 20%
História 02 20%
Total 10 100%
Fonte: Pesquisa de campo (junho/2017)

49
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Quando se analisa os dados contidos na Tabela 1, verifica-se que 60%


dos professores do ensino fundamental que participaram da presente pesquisa
pertenciam ao sexo feminino (n = 6) e os demais (40%) pertenciam ao sexo
masculino (n = 4). No que diz respeito à formação acadêmica, os dados contidos
na Tabela 1 mostram todos os professores entrevistados tinham formação
superior, sendo que 60% tinham apenas a graduação e os outros 40% tinham a
graduação mais um curso de especialização.
Em relação ao tempo de exercício do magistério, verificou-se que 50%
os professores participantes possuíam entre 3 e 5 anos de efetivo exercício na
profissão docente, 10% declararam que tinham menos de um ano e 40%
afirmaram que tinham entre um e dois anos. No que diz respeito às disciplinas
lecionadas pelos professores entrevistados, analisando a Tabela 1, constata-se
que 40% lecionam Ciências Naturais, os demais, em três parcelas iguais de 20%
cada, lecionam, respectivamente, Matemática, Português e História.
Num primeiro momento, procurou-se saber dos professores que
participaram da presente pesquisas se eles, de forma direta ou indireta,
abordam o tema reciclagem em suas aulas. Os dados colhidos com esse
questionamento foram condensados e apresentados no Gráfico 1.

Gráfico 1 - Distribuição da amostra quanto ao fato de abordarem ou não o


tema reciclagem em suas aulas

80% 80%
70%

60% Sim (n=8)


50%

40% Não (n=2)


30%

20%
20%
10%

0%

Fonte: Pesquisa de campo (junho/2017)

Analisando-se os dados apresentados no Gráfico 1, verifica que 80% dos


professores entrevistados abordam o tema reciclagem em suas aulas; 20%
informaram que não abordam.
É consenso, entre os teóricos, que o ensino apresenta melhores
resultados, quando, de forma geral, trabalha-se em sala de aula a
interdisciplinaridade. Embora não sendo conteúdo específico das disciplinas
Língua Portuguesa e História, a reciclagem [que é uma temática da Educação

50
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Ambiental] pode e deve ser trabalhada em sala de aula pelo professor dessas
disciplinas, de forma criativa.
Se assim fizer, o professor estará dando uma excelente contribuição ao
ensino-aprendizagem, possibilitando aos seus alunos os conhecimentos
necessários para que os mesmos possam entender melhor o mundo que existe
em sua volta e consequentemente, tornem cidadãos mais conscientes.
Mostrando a importância de se discutir no contexto escolar temas
relacionados à vida do aluno e às questões que existem em sua volta, afirmam
os Parâmetros Curriculares Nacionais (BRASIL, 1997, p. 40), que o professor
deve assumir uma postura onde “o mais importante não seja o ensino, mas o
processo de aprendizagem. Em oposição à escola tradicional, a escola nova
destaca o princípio da aprendizagem por descoberta e estabelece que a atitude
de aprendizagem parte do interesse dos alunos, que por sua vez, aprendem
fundamentalmente pela experiência, pelo que descobre por si mesmo”.
Independentemente da disciplina, temas com reciclagem,
sustentabilidade, orientação sexual, cidadania e ética, devem ocupar espaços
privilegiados nas salas de aula, tanto no ensino fundamental como no ensino
médio.
Num segundo momento, procurou-se saber de que forma os
professores abordam o tema reciclagem em suas aulas. Entretanto,
considerando os dados colhidos no quesito anterior, apenas 4 professores foram
habilitados a responder o presente questionamento, de forma que a mostra
resumiu-se a esse professores (n = 4)
O Gráfico 2 apresenta as formas como os professores entrevistados
abordam o tema reciclagem em suas aulas.

Gráfico 2: Distribuição da amostra quanto às formas como os participantes


abordam o tema reciclagem em suas aulas

50%
50%
45% 50%
Trabalhando o próprio
40% conteúdo da disciplina
35% (n=4)

30%
25%
20%
15% Como tema transversal
(n=4)
10%
5%
0%

Fonte: Pesquisa de campo (junho/2017)

51
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Analisando Gráfico 2 verifica-se que a metade dos professores que


abordam o tema reciclagem em suas aulas, trabalham o referido tema no
próprio conteúdo da disciplina, enquanto que a outra metade, como tema
transversal.
A reciclagem é uma temática correlacionada ao meio ambiente. É
oportuno lembrar que no contexto escolar, “a opção pelo trabalho com o tema
meio ambiente traz a necessidade de aquisição de conhecimento e informação
por parte da escola para que se possa desenvolver um trabalho adequado junto
aos alunos” (BRASIL, 1997, p. 29).
Por outro lado, um dos objetivos dos Paramentos Curriculares
Nacionais, editados pelo Ministério da Educação, em 1997, é disciplinar o
processo de ensino, fixando diretrizes e estabelecendo conteúdos para cada
ciclo de ensino, bem como mostrando como prática pedagógica deve ser
conduzida, objetivando produzir sempre uma aprendizagem significativa.
Tal documento trouxe para a discussão pedagógica a necessidade de se
trabalhar em sala de aula a transversalidade, por entender que através da
interdisciplinaridade pode-se obter um melhor o rendimento escolar (BRASIL,
1997).
Posteriormente, procurou-se saber dos participantes como eles avaliam
o conhecimento de seus alunos quanto ao tema ‘reciclagem’. O Gráfico 3 esboça
os resultados colhidos para esse questionamento.

Gráfico 3: Distribuição da amostra quanto à forma como avaliam o


conhecimento de seus alunos em relação ao tema reciclagem

40%
40%
40% Bom (n=4)
35%

30%
Muito bom
25% (n=4)
20%
20% Regular (n=2)
15%

10%

5%

0%
Fonte: Pesquisa de campo (junho/2017)

De acordo com os dados contidos no Gráfico 3, 40% dos professores


entrevistados avaliam os conhecimentos de seus alunos quanto ao tema

52
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

reciclagem como sendo muito bom, 20% avaliam como regular e outros 40%
como bom.
Afirma o próprio Ministério da Educação (BRASIL, 2006, p. 39) que:

Para garantir que todos os alunos aprendam, a escola precisa ter uma
proposta pedagógica com orientações claras. É na proposta pedagógica
que ficam definidos quais os objetivos para cada etapa, que tipo de
atividade precisa ser realizado na sala de aula e na escola, como será a
avaliação. Orientados por essa proposta é que os professores planejam
suas aulas.

Partir desse princípio, a escola, em sua proposta pedagógica deve


priorizar questões atuais, a exemplo da problemática do meio ambiente,
possibilitando que seus alunos tenham melhores informações sobre o referido
tema e adquiriram os conhecimentos necessários para participarem das
discussões em sociedade, relacionadas ao referido tema. Atualmente, diante da
necessidade de se reduzir o consumo dos recursos naturais, a reciclagem se
apresenta como sendo uma alternativa que deve ser valorizada.
Através do quinto questionamento, procurou-se saber dos
entrevistados se em sua escola, existe algum projeto voltado para a promoção
da reciclagem. Por sua vez, os dados colhidos nesse questionamento
encontram-se apresentados no Gráfico 4.

Gráfico 4: Distribuição da amostra quanto à existência de projeto voltado


para a promoção da reciclagem em sua escola

80% 80%
70%
60% Sim (n=8)
50%
40% Não (n=2)
30%
20%
20%
10%
0%
Fonte: Pesquisa de campo (junho/2017)

Analisando o Gráfico 4, constata-se que segundo 80% dos professores


entrevistados, a escola onde trabalham desenvolvem projeto sobre reciclagem.

53
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

No entanto, 20% afirmaram que não tem. A metodologia de desenvolvimento


de projetos educativos proporciona um grande aprendizado para o educado.
Entretanto, exige do professor uma certa criatividade.
Nesse sentido, Trindade (2011, p. 2) destaca que:

A Escola deve favorecer o trabalho de questões ambientais,


promovendo ações de integração, divulgação e discussão das
atividades desenvolvidas, bem como elaborar uma política ambiental
para a instituição. O incentivo à reciclagem e a utilização de materiais
recicláveis são práticas que podem ser utilizadas pela direção, como
aliado no processo de sensibilização-conscientização.

Desenvolvendo um projeto no contexto da escola, o professor consegue


envolver não somente seu aluno, mas toda a comunidade escolar e é aí de onde
pode advir a grande contribuição de sua iniciativa: possibilitar a aquisição de
conhecimento e mudar de forma completa o pensamento da comunidade
escolar em relação a determinado assunto, a exemplo da importância e da
necessidade de se reciclar o lixo.
Através do quinto questionamento, procurou-se determina a opinião
dos entrevistados sobre qual seria a melhor forma para se trabalhar e se
promover a reciclagem na escola, ampliando o conhecimento dos alunos quanto
à importância dessa prática para a sustentabilidade. As respostas colhidas nesse
questionamento foram transformadas em dados e apresentados no Gráfico 5.

Gráfico 5 - Distribuição da amostra quanto à melhor forma para se trabalhar e


se promover a reciclagem na escola, ampliando o conhecimento dos alunos
quanto à importância dessa prática para a sustentabilidade

40% Realizando feiras de ciências


40%
(n=2)
35%

30% Desenvolvendo um projeto


envolvendo toda a comunidade
25% escolar (n=4)

20% Abordando o tema no contexto


20% 20% 20% da sala de aula (n=2)
15%

10% Promovendo palestras com


especialistas no assunto (n=2)
5%

0%

Fonte: Pesquisa de campo (junho/2017)

54
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Analisando os dados colhidos e apresentados no Gráfico 5, verifica-se


que segundo 40% dos professores entrevistados a melhor forma para se abordar
o tema reciclagem é desenvolvendo um projeto envolvendo toda a comunidade
escolar; os demais entrevistados, em três parcelas iguais de 20%,
respectivamente, entendem que a melhor forma é promovendo palestras com
especialista no assunto; abordando o tema no contexto da sala de aula e,
realizando feiras de ciências.
De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais (BRASIL, 1997, p.
191):

Para que um trabalho com educação ambiental possa atingir os


objetivos a que se propõe, é necessário que toda a comunidade escolar
(professores, funcionários, alunos e pais), assuma esses objetivos, pois
eles se concretizarão em diversas ações que envolverão todos, cada um
na sua função.

Assim sendo, é preferível que tema como ‘reciclagem’ seja


desenvolvidos no âmbito da escola, envolvendo, sempre que possível, toda a
comunidade escolar, seja mediante um ciclo de palestra, feiras de ciências ou
projetos específicos. Desta forma, percebe-se que existe inúmeras formas de se
trabalhar o tema ‘reciclagem’ no contexto escola, exigindo tão somente
criatividade por parte do professor.

4 CONCLUSÃO

Os dados colhidos através da presente pesquisa demonstram que a


maioria dos professores entrevistados aborda o tema reciclagem em suas aulas,
tanto de forma transversal como parte integrante do currículo das disciplinas
que lecionam. E, que segundo eles, a melhor forma para se abordar o referido
tema é desenvolvendo um projeto, envolvendo toda a comunidade escolar.
Constatou-se também que na opinião dos professores, a maioria de seus
alunos possui um conhecimento em relação ao tema reciclagem, que varia de
bom a muito bom. A presente pesquisa também revelou que para a maioria dos
professores participantes, o que mais dificulta o desenvolvimento de uma ação
educativa voltada para a promoção da sustentabilidade na escola é a falta de
recursos financeiros.
À escola cabe a missão de educar também para a cidadania, para uma
vida melhor em sociedade e num ambiente sustentável. Se o aluno sai da escola
sem uma consciência ecológica, ignorando suas responsabilidades para com o
meio ambiente, a referida unidade educativa não cumpriu o seu papel e nem
tão pouco a sua função socioambiental. Para que isto não ocorra, o professor
precisa desenvolver projetos voltados para a promoção da sustentabilidade. Na
escola que serviu de campo de pesquisa, essa ação ainda se mostra incapaz de
mudar a forma com os alunos pensam, por falta de ações concretas.

55
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

REFERÊNCIAS

ALENCAR, M. M. Reciclagem de lixo numa escola pública do município de


Salvador. Revista Candombá, v. 1, n. 2, p. 96-113, jul.-dez., 2005.

ANDRIETTA, A. J. Pneus e meio ambiente: Um grande problema requer uma


grande solução. Reciclar É Preciso, n. 14, set/2002.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental.


Parâmetros curriculares nacionais: meio ambiente e saúde. Brasília: MEC/SEF,
1997.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental.


Indicadores de qualidade do ensino. Brasília: MEC/SEF, 2006.

JAMES, Bárbara. Lixo e reciclagem. São Paulo. Scipione. 2002

RIBEIRO, J. A.; ALBUQUERQUE, J. L.; SILVA, D. M. C.; NAVAES, A. M.;


CALDAS, G. C. A reciclagem como uma ação econômica, social e ambiental: a
experiência da Associação dos Agentes de Reciclagem do Ipojuca. 48 Congresso
da SOBER, Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia
Rural, Anais... Campo Grande, 25 a 28 de julho de 2010.

RIBEIRO, T. F.; LIMA, S. C. Coleta seletiva de lixo domiciliar - estudo de casos.


Caminhos de Geografia, v. 1, n. 2, p. 50-69, dez., 2000.

SANTOS, R. M. S.; SANTOS, J. O. dos; DANTAS, D. S.; ARAÚJO, A. M. de;


FERNANDES, A. de A.; GOMES, M. A. D. A necessidade de uma nova
conscientização ambiental: A educação ambiental como prática. Revista Brasil
de Educação e Saúde, v. 3, n. 2, p. 28-33 abr.-jun., 2013.

TORRES, P. L. (org.). Uma leitura para os temas transversais. Curitiba:


SENAR-PR, 2003.

TRINDADE, N. A. D. Consciência ambiental: Coleta seletiva e reciclagem no


ambiente escolar. Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer - Goiânia,
v. 7, n. 12, p. 1-15, 2011.

VALLE, C. E. Qualidade ambiental: como ser competitivo protegendo o meio


ambiente. São Paulo: Pioneira, 1995.

WELLS, C. A reciclagem no Brasil e no mundo. Rio de Janeiro: CEMPRE,


2005.

56
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

DISCUTINDO AS ESTRATÉGIAS
PARA A PROMOÇÃO DO
DESENVOLVIMENTO
SUSTENTÁVEL

57
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

58
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

DISCUTINDO AS ESTRATÉGIAS PARA A


PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO
SUSTENTÁVEL

José Ozildo dos Santos


Rosélia Maria de Sousa Santos
João Batista de Lima
Antonio Izidro Sobrinho
José Ronaldo de Lima
Ciro Leite Pires

1 INTRODUÇÃO

Estruturado a partir de uma lógica consistente, o desenvolvimento


sustentável exige um modelo de gestão que tenha compromisso com a
racionalidade. As decisões relacionadas a esse tipo de desenvolvimento devem
ser sempre baseadas em decisões precedentes, tendo em vista o fato de que com
o mesmo compreende uma sequencia de atividades interativas, elaboradas a
partir de estratégias definidas (MUNCK; BORIM-DE-SOUZA, 2013).
Através do Desenvolvimento Sustentável busca-se melhorar a
qualidade de vida do ser humano, erradicando a miséria, promovendo-se um
resgate da dívida social que o Estado possui com grande parte de sua
população. No entanto, para cumprir esse papel, é necessário a definição de
estratégias bem claras (MATOS, 2008).
O aproveitamento racional dos recursos naturais visa garantir que as
gerações futuras tenham acesso aos recursos ora disponíveis. Quando se fala em
desenvolvimento e uso de tecnologias adequadas, está se buscando uma forma
de desenvolvimento que preserve a cultura local. Pois, a imposição de
tecnologias que não levem em consideração as particularidades locais podem
trazer desequilíbrio não somente para o ecossistema como também para a
economia local (VILANI; MACHADO, 2010).
De fato, as questões importantes vêm se apresentando emergem do que
diz respeito ao desenvolvimento sustentável. Porque se trata, em linhas gerais,
de binômio “economia versus meio ambiente” que ficam em choque ou em rota
de colisão nos multifacetados segmentos da sociedade, sem embargos é
premente fomentar o desenvolvimento econômico em harmonia com a
preservação e proteção ambiental (SILVA, 2007).
Outra particularidade que deve ser observada quando do
estabelecimento de estratégias para o desenvolvimento sustentável diz respeito
ao aproveitamento da mão de obra, em sua maior quantidade. Para tanto, os
projetos voltados para esse fim devem ser bem elaborados e adequados à

59
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

realidade local, possuindo a capacidade de serem desenvolvidos a longo prazo,


estabelecendo condições que garanta a preservação dos recursos naturais
existentes na região e a cultura local.
Por outro lado, acrescenta Munck (2013) que além de se preocupar com
a preservação dos recursos naturais, o desenvolvimento sustentável procura
estabelecer condições para uma gestão participativa, para a ocorrência da
inclusão de um maior contingente de mão de obra no cenário econômico.
O desenvolvimento sustentável se apresenta como um processo
democrático e como tal, necessita do estabelecimento de metas e compromisso
claros, que possuam natureza atingível.
Pelo demonstrado, não há como se falar no estabelecimento de
estratégias para o desenvolvimento sustentável, sem, contudo, levar em
consideração o envolvimento das instituições democráticas nesse processo. De
forma bem clara ficou demonstrado que não há desenvolvimento sem o
envolvimento da comunidade.
Para o fortalecimento das estratégias de desenvolvimento sustentável é
necessário oportunizar informações para todos os agentes envolvidos e mais,
que a comunidade, de forma consciente, exerça o controle social, fortalecendo a
gestão participativa, tendo em vista os princípios democráticos que conduzem
tal modalidade de desenvolvimento (MUNCK; BORIM-DE-SOUZA, 2013).
É impossível se pensar em desenvolvimento sustentável, sem levar em
consideração o estabelecimento de estratégias para a sua condução. Para ser
concretizado, esse tipo de desenvolvimento exige a definição de algumas
funções consideradas como sendo ‘chaves’ e indispensáveis no processo de
construção de um meio ambiente sustentável.
Dissertando sobre essa necessidade, Matos (2008) afirmam que um
projeto voltado para a promoção do desenvolvimento sustentável requer vários
procedimentos diferenciados, que podem ser ordenados nas seguintes funções:
articulação institucional; planejamento estratégico; provimento e gestão dos
fundos públicos; planejamento microrregional; administração de projetos e,
avaliação, acompanhamento e controle.
Desta forma, percebe-se que o desenvolvimento sustentável deve ser
previamente pensado, exigindo a definição de estratégias para a sua condução.
Tal processo inicia-se com a articulação institucional, etapa em que é delimitada
a área em que o projeto de desenvolvimento ser executado. Sabendo-se quais os
agentes sociais que farão parte dessa ação, inicia-se a segunda fase, que diz
respeito ao planejamento estratégico.
Entretanto, no contexto da sala de aula, principalmente, nos cursos de
Engenharia Ambiental o tema ‘desenvolvimento sustentável’, seja algo sempre
presente, as estratégias necessárias para a promoção desse tipo de
desenvolvimento ainda é algo muito pouco discutido.
Nesse sentido, mostrar a necessidade de se discutir em sala de aula
estratégias para que o desenvolvimento sustentável seja promovido.

60
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

2 REVISÃO DE LITERATURA
2.1 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: Conceito e importância

A necessidade de se conter os avanços dos impactos ambientais e dos


danos causados ao meio ambiente, produzidos pelo desenvolvimento
econômico, levou à formulação do conceito e dos princípios ora aplicados ao
desenvolvimento sustentável, que, em momento algum, deve ser visto como
uma ameaça ao progresso.
Dissertando sobre a dicotomia desenvolvimento econômico versus
desenvolvimento sustentável, Matos (2008, p. 13) chama atenção para o
seguinte ponto:

[...] a contradição entre crescimento e preservação é, não apenas natural,


mas indissociável na dialética da natureza e dos sistemas sociais. O par
contraditório ‘crescimento (X) preservação’ não apenas coexiste, mas é
indispensável no desenvolvimento: não há crescimento sem
preservação, da mesma forma que não haverá preservação sem
crescimento.

Pelo demonstrado, é possível existir desenvolvimento econômico e


conjuntamente se ter a preservação dos recursos naturais. O que é necessário, é
que exista responsabilidade e comprometimento, que devem ser fruto de uma
consciência ecológica e embasados em princípios éticos.
Assim sendo, o desenvolvimento sustentável visa determinar meios
capazes de promoverem a superação dos modelos clássicos de crescimento
econômico. Tais meios devem privilegiar os aspectos socioeconômicos e ao
mesmo tempo promover a inclusão social, tendo compromisso com a
permanência das ações voltadas para a preservação dos recursos naturais, de
forma a garanti-los às gerações futuras.
Desta forma, por possuir uma ampla abordagem, alguns autores, dentre
os quis Guimarães (2001), ressaltam que o desenvolvimento sustentável tem
que possuir uma base ética. Pois, dele deve demandar uma solidariedade social,
capaz de subordinar a dinâmica econômica aos interesses da sociedade e às
condições do meio ambiente.
Nesse mesmo sentido, observa Caffé (2002, p. 73) que:

O planejamento do desenvolvimento sustentável tem a região como


espaço de referência e como foco da organização social, sendo, essa a
relação que os atores sociais estabelecem entre si e o meio ambiente,
definidos como protagonistas do processo de desenvolvimento. Fazer o
planejamento sustentável é uma tarefa coletiva, multidisciplinar e
interativa, e nisto consiste uma das diferenças básicas em relação ao
planejamento tradicional, que era focada exclusivamente na economia e
suas ‘externalidades’.

61
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Contudo, é importante destacar que na construção dessa solidariedade


é necessária uma mudança radical nos valores da sociedade, bem como nas
práticas e atitudes dos agentes que promovem o desenvolvimento.
Em resumo, o desenvolvimento sustentável visto e definido como um
novo padrão de desenvolvimento, leva em consideração o crescimento da
economia e a geração de riquezas. Ele procura integrar esses segmentos à
preservação do ambiente, bem como ao manejo adequado dos recursos
naturais. Sem, contudo, deixar de garantir aos indivíduos o direito à cidadania e
a uma melhor qualidade de vida.

2.2 PARTICULARIDADES DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Estruturado a partir de uma lógica consistente, o desenvolvimento


sustentável exige um modelo de gestão que tenha compromisso com a
racionalidade. As decisões relacionadas a esse tipo de desenvolvimento devem
ser sempre baseadas em decisões precedentes, tendo em vista o fato de que com
o mesmo compreende uma sequencia de atividades interativas, elaboradas a
partir de estratégias definidas.
Através do Desenvolvimento Sustentável busca-se melhorar a
qualidade de vida do ser humano, erradicando a miséria, promovendo-se um
resgate da dívida social que o Estado possui com grande parte de sua
população. No entanto, para cumprir esse papel, é necessário a definição de
estratégia bem claras.
De acordo com Matos (2008, p. 19) um modelo de desenvolvimento
sustentável deve levar em consideração as seguintes estratégias:

– aproveitamento racional dos recursos naturais, sem depredação da


natureza, garantindo o equilíbrio do ecossistema, tanto para preservar
as condições de vida atuais, como por solidariedade às gerações
futuras;
– desenvolvimento e uso de tecnologias adequadas, que superem o
obsoletismo que comprometem a competitividade da região, mas que
respeitem a cultura e o equilíbrio do ecossistema e da economia local;
– maior autonomia das economias geradas com relação à dependência
de outros centros, em decorrência da máxima mobilização de recursos e
mão de obra locais;
– geração de economias com capacidade de incorporação progressiva
de grandes contingentes de mão de obra, inclusive pela capacidade de
gerar efeitos de dispersão para frente e para trás;
– permanência, adequação e evolução dos projetos ao longo do tempo,
adaptando-se às contingências dos mercados, da cultura da
disponibilidade dos recursos.

62
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

O aproveitamento racional dos recursos naturais visa garantir que as


gerações futuras tenham acesso aos recursos ora disponíveis. Quando se fala em
desenvolvimento e uso de tecnologias adequadas, está se buscando uma forma
de desenvolvimento que preserve a cultura local. Pois, a imposição de
tecnologias que não levem em consideração as particularidades locais podem
trazem desequilíbrio não somente para o ecossistema como também para a
economia local.
Outra particularidade que deve ser observada quando do
estabelecimento de estratégias para o desenvolvimento sustentável diz respeito
ao aproveitamento da mão de obra, em sua maior quantidade. Para tanto, os
projetos voltados para esse fim devem ser bem elaborados e adequados à
realidade local, possuindo a capacidade de serem desenvolvidos a longo prazo,
estabelecendo condições que garanta a preservação dos recursos naturais
existentes na região e a cultura local.
Por outro lado, acrescenta Carvalho (1995, p. 204) que a
sustentabilidade depende da participação em diferentes planos sociais para:

[...] aconselharem, acompanharem, avaliarem e controlarem as políticas


públicas, pelo menos a sustentabilidade social da participação
consentida que se expressaria na capacidade, maior ou menor, das
pessoas, em situação de pobreza crônica, estabelecerem processos
econômicos sociais, políticos e ideológicos de superação da
subalternidade.

Assim sendo, percebe-se que além de se preocupar com a preservação


dos recursos naturais, o desenvolvimento sustentável procura estabelecer
condições para uma gestão participativa, para a ocorrência da inclusão de um
maior contingente de mão de obra no cenário econômico.
O desenvolvimento sustentável se apresenta como um processo
democrático e como tal, necessita do estabelecimento de metas e compromisso
claros, que possuam natureza atingível.
Dissertando sobre essa condição apresentada pelo desenvolvimento
sustentável, Matos (2008, p. 34), afirma que esse tipo de desenvolvimento deve
estabelecer processos que digam respeito:

– ao investimento permanente no reforço da evolução e da estabilidade


das instituições democráticas;
– à participação dos agentes envolvidos e, particularmente, das
comunidades a quem se destina o programa;
– ao acesso às oportunidades e transparência das informações e dos
controles;
– à fiscalização e ao controle social sobre as ações do programa em
diversos níveis e, particularmente, a nível das comunidades locais.

63
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Pelo demonstrado, não há como se falar no estabelecimento de


estratégias para o desenvolvimento sustentável, sem, contudo, levar em
consideração o envolvimento das instituições democráticas nesse processo. De
forma bem clara ficou demonstrado que não desenvolvimento sem o
envolvimento/comprometimento da comunidade.
Para o fortalecimento das estratégias de desenvolvimento sustentável é
necessário oportunizar informações para todos os agentes envolvidos e mais,
que a comunidade, de forma consciente, exerça o controle social, fortalecendo a
gestão participativa, tendo em vista os princípios democráticos que conduzem
tal modalidade de desenvolvimento.
Assim sendo, é impossível se pensar em desenvolvimento sustentável,
sem levar em consideração o estabelecimento de estratégias para a sua
condução. Para ser concretizado, esse tipo de desenvolvimento exige a
definição de algumas funções consideradas como sendo ‘chaves’ e
indispensáveis no processo de construção de um meio ambiente sustentável.
Dissertando sobre essa necessidade, Matos (2008) afirma que um
projeto voltado para a promoção do desenvolvimento sustentável requer vários
procedimentos diferenciados, que podem ser ordenados nas seguintes funções
chaves:
a) Articulação Institucional;
b) Planejamento Estratégico;
c) Provimento e Gestão dos Fundos Públicos;
d) Planejamento Microrregional;
e) Administração de Projetos;
f) Avaliação, Acompanhamento e Controle.
Desta forma, percebe-se que o desenvolvimento sustentável deve ser
previamente pensado, exigindo a definição de estratégias para a sua condução.
Tal processo inicia-se com a articulação institucional, etapa em que é delimitada
a área em que o projeto de desenvolvimento ser desenvolvido. Sabendo-se
quais os agentes sociais que farão parte dessa ação, inicia-se a segunda fase, que
diz respeito ao planejamento estratégico.
Havendo a garantia dos recursos necessários ao desenvolvimento do
referido projeto, procura-se conduzi-lo de forma que seus resultados possam
contribuir também para a melhoria das condições regionais. Em momento
algum, para que a iniciativa possa cumprir suas funções chaves, deve-se
desprezar o acompanhamento e o controle das ações desenvolvidas. No final, a
avaliação do que foi feito é produzido em prol da sustentabilidade deve ser
avaliado, procurando identificar os pontos positivos e negativos, corrigindo
aquilo que for necessário.
Ademais, a ética da sustentabilidade baseia-se na solidariedade com as
gerações futuras. Ao se buscar mecanismos que garantam a preservação dos
recursos naturais, se está sendo solidário com as gerações futuras.
Afirma Bursztyn (2001), que sem ética a sustentabilidade não existe. E,
que a mesma é apoiada num tripé (economia, social e ambiental), que precisa
está em perfeito equilíbrio.

64
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

A preocupação quanto à preservação do meio ambiente para que as


gerações futuras tenham acesso aos recursos naturais ora existentes, deve ser
real e constante. Por isso, a necessidade de se desenvolver ações que se
privilegia a sustentabilidade.
Por outro lado, quando se fala em estratégias para o desenvolvimento
sustentável, estas devem privilegiar, segundo o governo do Estado de São
Paulo (2012) dentre outras, as seguintes particularidades:
a) a agricultura sustentável,
b) a criação de investimentos sustentáveis,
c) a destinação adequada dos resíduos sólidos,
d) a economia verde,
e) a promoção da habitação sustentável,
f) as discussões sobre a adaptação às mudanças climáticas,
g) as melhorias no saneamento básico,
h) o incentivo à energia renovável,
i) o incentivo à pesquisa e ao desenvolvimento (p&d),
j) uma maior promoção da biodiversidade e dos recursos naturais,
m) uma melhor utilização dos recursos hídricos,
No contexto da administração pública, já existe o entendimento de que
se deve privilegiar as compras públicas sustentáveis como uma estratégia para
a promoção do desenvolvimento sustentável, aplicando critérios
socioambientais nas licitações.

3 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Na busca do equilíbrio necessário, o desenvolvimento sustentável


interliga o que é para ser desenvolvido com o que é para ser sustentado. Existe
no desenvolvimento sustentável uma preocupação com o ‘renovar’, de forma
que prega-se a exploração de determinado recurso, sem, contudo, exauri-lo,
deixando-o num limite onde o mesmo possa se restabelecer.
Vários estudos mostram que os projetos voltados para a promoção do
desenvolvimento sustentável não devem somente se limitar ao contexto
regional e social. Para que haja êxito nesses processos é necessário que, por um
longo tempo, exista compromisso com a permanência das soluções mobilizadas.
Isto por que o objetivo da sustentabilidade não diz respeito apenas à
preservação dos recursos naturais.
Ela também leva em consideração o desencadeamento dos processos
históricos resultantes dessa preservação e mostra a necessidade da evolução de
alternativas tecnológicas que permitam que tal preservação aconteça.
Para a promoção do desenvolvimento sustentável, várias estratégias
podem ser levadas em consideração, gerando emprego e renda, promovendo,
assim, uma melhor qualidade de vida. Assim, o estabelecimento de estratégias
para desenvolvimento sustentável é algo patente, pois ele exige além de uma

65
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

articulação previa um planejamento estratégico, que leva em consideração a


realidade local e os atores sociais nela inseridos. Não há como se falar em
desenvolvimento sustentável sem a participação consciente da sociedade, sem o
envolvimento desta e de forma plena.
Entretanto, tem-se notado que muito pouco de aborda a necessidade de
estratégias para se colocar em prática o desenvolvimento sustentável. E, a
ausência dessa discussão, de certa forma, contribui para dificulta o
entendimento acadêmico sobre o desenvolvimento sustentável.

4 REFERÊNCIAS

BURSZTYN, M. (org.). Ciência, ética e sustentabilidade. 2 ed. São Paulo:


Cortez/Brasília: UNESCO, 2001.

CAFFÉ, J. T. D. A retomada do planejamento regional e o desenvolvimento


sustentável. Bahia Análise & Dados, Salvador, v. 12, n. 2, p. 71-73, setembro
2002.

COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO E AÇÃO REGIONAL. Programa de


desenvolvimento regional sustentável - PDRS: Sul da Bahia. Salvador: CAR-
BA, 2001.

CARVALHO, H. M. Projeto Áridas: Uma estratégia de desenvolvimento


sustentável para o nordeste. In: SAGREDO, G. (coord.). Fortalecimento
institucional, descentralização e microrregionalização. Santiago do Chile:
PROCODER – IICA, 1995.

GUIMARÃES, R. P. A ética da sustentabilidade e a formulação de políticas de


desenvolvimento: Um debate sócio ambiental no Brasil. São Paulo: Fundação
Perseu Abrano, 2001.

MATOS, A. G. de. Bases referenciais para um modelo de gestão do


desenvolvimento sustentável do nordeste. 3 ed. Brasília: Ministério da
Integração Nacional/Projeto Áridas, 2008.

MUNCK, L. Gestão da sustentabilidade em contexto organizacional: um novo


agir frente à lógica das competências. São Paulo: Cengage, 2013.

MUNCK, L.; BORIM-DE-SOUZA, R. Compreensão do desenvolvimento


sustentável em contextos organizacionais a partir do estabelecimento de tipos
ideais. Organ. Soc., v. 20, n. 67, p. 651-674, 2013.

66
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

SÃO PAULO (Estado). Desenvolvimento sustentável do Estado de São Paulo:


40 metas. São Paulo: Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento
Regional/Fundação SEADE/Secretaria de Meio Ambiente, 2012.

SILVA, C. B. P. da. Desenvolvimento sustentável: uma abordagem em


construção no transporte público. INTERFACEHS - Revista de Gestão
Integrada em Saúde do Trabalho e Meio Ambiente, v. 2, n. 4, p. 1-8, ago., 2007.

VILANI, R. M.; MACHADO, C. J. S. A competência da união para a elaboração


de "plano nacional das atividades de exploração de petróleo e gás natural" no
Brasil. Ambient. Soc., v. 13, n. 1, p. 187-206, 2010.

67
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

68
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

A CAATINGA ENQUANTO
BIOMA: Uma discussão no
contexto da sala de aula na
educação básica

69
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

70
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

A CAATINGA ENQUANTO BIOMA: Uma discussão no


contexto da sala de aula na educação básica

Antonio Izidro Sobrinho


José Ronaldo de Lima
José Ozildo dos Santos
Rosélia Maria de Sousa Santos
João Batista de Lima
Douglas dos Santos Oliveira

1 INTRODUÇÃO

As problemáticas atuais que envolvem os chamados desequilíbrios


ambientais não são novas na história da civilização ocidental. Desde a Grécia
antiga já se registrava uma preocupação com o uso do meio ambiente de forma
desordenada e também em relação às suas consequências resultantes do mau
uso dos recursos naturais.
No que diz respeito ao semiárido brasileiro, a Caatinga tem se
constituído um tema bastante discutido, principalmente, por ser considerado
um dos biomas brasileiros mais degradados, tendo mais de 45% de sua
cobertura original alterada pela ação do homem e também por localizar-se em
uma região conhecida como Polígono das Secas, onde se encontra ecossistemas
mais vulneráveis ao processo de desertificação (CASTELLETTI et al., 2005).
Um estudo desenvolvido por Araújo e Sousa (2011) abordando o estado
de conservação da Caatinga nordestina, destaca que a situação atual
apresentada por esse bioma é resultante de fatores favoráveis a situação de
vulnerabilidade, das condições do clima, dos solos, com também da exploração
inadequada dos recursos naturais e devido ao superpastoreio, o que tem
contribuído para diminuição da fauna original, ameaçando de extinção uma
grande variedade de organismos.
Quando se analisa os ‘Desequilíbrios Ambientais’ dessa região, dentre
as maiores preocupações, pode-se destacar o processo de desertificação, que
tem se intensificado pela ocupação e intervenção humana desordenada,
provocando a perda de solos férteis, a extinção de vários espécimes da fauna e
da flora, afetando a biodiversidade e a população humana (ABÍLIO;
FLORENTINO, 2011).
Por outro lado, o Estado da Paraíba, onde o presente estudo foi
realizado, é a unidade federativa que possui o maior percentual de área com
nível de desertificação em nível muito grave, afetando o dia-a-dia de mais de
653 mil pessoas residentes em seu território (ABÍLIO; FLORENTINO, 2011).

71
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Nesse cenário, o bioma Caatinga é considerado um tema emergente, já


que a exploração de recursos naturais realizada de forma indiscriminada
provoca danos irreparáveis no âmbito ambiental, social e econômico, afetando,
assim, a sustentabilidade desse ecossistema.
É importante destacar que os problemas vivenciados na Caatinga são
reflexos de uma longa ação predatória, que não tem levado em consideração os
parâmetros de sustentabilidade, impossibilitando que o meio se recomponha de
forma natural.
A partir do estudo da percepção ambiental é possível compreender as
diferentes formas de ver e sentir o ambiente, possibilitando um maior
envolvimento com as especificidades de cada comunidade, de maneira que
possa ser desenvolvida uma educação ambiental participativa, capaz de
valorizar o contexto ambiental, social, cultural, econômico e ético, elementos
estes importantes para o processo relacional homem-sociedade e natureza.
Assim sendo, levando em consideração o fato de que a Caatinga é o
único bioma exclusivamente brasileiro, com biodiversidade composta por fauna
e flora peculiar, mas que lamentavelmente é desvalorizada e pouco explorada
cientificamente, como também marginalizada no processo educativo, este
trabalho objetiva analisar a percepção ambiental dos docentes de uma escola do
município de Nova Olinda, Estado da Paraíba, correlacionando-a com as
características evidenciadas no bioma Caatinga.

2 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

A pesquisa foi realizada com 10 professores da Escola Estadual de


Ensino Fundamental João Leite Neto, localizada no município de Nova Olinda,
sertão do Estado da Paraíba, durante os meses de fevereiro e março de 2017.
O estudo caracterizou como sendo uma pesquisa de cunho quali-
quantitativo, onde utilizou-se os pressupostos teórico-metodológicos elementos
da etnografia escolar. Segundo Chizzotti (1995, p. 104), “a pesquisa qualitativa
objetiva provocar o esclarecimento de uma situação para uma tomada de
consciência pelos próprios pesquisados dos seus problemas e das condições que
os geram, a fim de elaborar os meios e estratégias de resolvê-los”.
Para esta pesquisa, utilizou-se também medidas quantitativas
associadas às qualitativas, buscando representar a intenção de garantir a
precisão dos resultados, evitar distorções de análise e interpretação, e,
possibilitado uma margem de segurança quanto as inferências (RICHARDSON,
2010).
Como instrumentos de coletas de dados utilizou-se questionários
estruturados, contendo questões conceituais sobre à Biodiversidade e relativas
ao Bioma Caatinga, com a finalidade de conhecer a percepção ambiental e
aspectos relacionados a práticas pedagógicas do professor no campo da
Educação ambiental. A escolha pela utilização de questionários se deu,

72
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

principalmente, pela facilidade de se descrever as características e por permitir


uma melhor medição das variáveis dos grupos sociais estudados (GIL, 1999).

3 RESULTADOS E DISCUSSÃO

Inicialmente, procurou-se sabe dos professores entrevistados o que é


para eles a Educação Ambiental? Os dados obtidos com esse questionamento
encontram-se apresentados no Gráfico 1.

Gráfico 1. Distribuição dos participantes quanto ao que é Educação


Ambiental
80%
Uma proposta educativa inovadora,
70% voltada para as questões relacionadas
70%
ao meio ambiente (n=2)

60%

50%
Uma forma de se discutir as questões
ambientais, levando em consideração
40% apenas os impactos econômicos (n=1)

30%
20%
20% Um processo que visa formar uma
população mundial consciente e
10% preocupada com o ambiente e com os
10%
problemas que lhe dizem respeito
(n=7)
0%
Fonte: pesquisa de campo. Fevereiro-Março de 2017

Analisando-se o Gráfico 1 verifica-se que de acordo com 20% dos


professores entrevistados, a Educação Ambiental é vista como sendo uma
proposta educativa inovadora, voltada para as questões relacionadas ao meio
ambiente, 10% entendem tal disciplina como sendo uma forma de se discutir as
questões ambientais, levando em consideração apenas os impactos econômicos.
No entanto, 70% definem a Educação Ambiental como sendo um processo que
visa formar uma população mundial consciente e preocupada com o ambiente e
com os problemas que lhe dizem respeito.
Embora existam várias definições para a Educação Ambiental, utiliza-se
com uma maior frequência a definição apresentada durante o Congresso de
Belgrado, promovido pela UNESCO em 1975, oportunidade em que a EA foi
definida como sendo um processo que visa:

73
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

[...] formar uma população mundial consciente e preocupada com o


ambiente e com os problemas que lhe dizem respeito, uma população
que tenha os conhecimentos, as competências, o estado de espírito, as
motivações e o sentido de participação e engajamento que lhe permita
trabalhar individualmente e coletivamente para resolver os problemas
atuais e impedir que se repitam [...] (MARCATTO, 2002, p. 14).

Assim sendo, constata-se que a EA é um processo que objetiva


promover a conscientização coletiva da sociedade em relação à necessidade de
preservar o meio ambiente como um todo, formando cidadãos conscientes
quanto ao seu papel nesse processo de preservação. Assim, pelo demonstrado, a
EA é um processo que busca mudar a forma de como o ser humano ver o meio
ambiente, envolvendo-o nas discussões sobre os problemas ambientais,
tornando-o responsável pela construção de um mundo no qual se garanta
condições dignas de vida para as gerações futuras, de forma que estas possam
desfrutar também dos recursos naturais hoje existentes.
Num segundo momento, procurou-se saber dos professores que
participaram a presente pesquisa, como eles definiriam a Caatinga, enquanto
bioma. O Gráfico 2 sintetiza os dados colhidos nesse questionamento.

Gráfico 2. Distribuição dos participantes quanto ao à definição de Caatinga


45%
40% Como uma região árida que possui
40%
uma vegetação à base de cactáceas
(n=3)
35%
30% 30%
30%
Um bioma diversificado e único no
25% mundo (n=4)

20%

15%
Um bioma que possui suas
10% singularidades mas que ainda não foi
estudado de forma completa (n=3)
5%

0%
Fonte: estudo de campo. Fevereiro - Março de 2017

De acordo com os dados apresentados no Gráfico 2, 30% dos


professores entrevistados definem a caatinga como sendo uma região árida que
possui uma vegetação à base de cactáceas; 40% conceituam a Caatinga como
sendo um bioma diversificado e único no mundo. E, os demais (30%), como um

74
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

bioma que possui suas singularidades, mas que ainda não foi estudado de
forma completa.
Duque (2004, p. 31) define a Caatinga como sendo “um conjunto de
árvores e arbustos espontâneos, densos, baixos, retorcidos, leitosos, de aspecto
seco, de folhas pequenas e caducas, no verão seco, para proteger a planta contra
a desidratação pelo calor e pelo vento”.
A Caatinga é o único bioma exclusivamente brasileiro. Por isso, grande
parte do patrimônio biológico dessa região não é encontrada em outro lugar do
planeta, além do nordeste do Brasil (ANDRADE, 2001).
Informam Ferreira et al. (2007) que a Caatinga cobre quase todo o
nordeste brasileiro, atingindo uma área de quase 10% do território nacional,
abrangendo os Estados do Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco,
Sergipe, Alagoas e Bahia, sul e leste do Piauí e norte de Minas Gerais.
Entretanto, essa vegetação única, constitui-se no terceiro bioma mais
degradado ambientalmente, no Brasil, perdendo apenas para Floresta Atlântica
e para o Cerrado. Nesse sentido, afirmam Rocha et al. (2007, p. 2629) que:

Dentre os biomas brasileiros, é o menos conhecido cientificamente e


vem sendo tratado com baixa prioridade, não obstante ser um dos mais
ameaçados, devido ao uso inadequado e insustentável dos seus solos e
recursos naturais, e por ter cerca 1% de remanescentes protegidos por
unidades de conservação.

Ao longo de quase quinhentos anos, a Caatinga é explorada. De forma


inconsciente, o homem utilizando-se de queimadas, devastou grandes
extensões desse bioma, objetivando plantar pastagens e outras culturas, a
exemplo do algodão, sem, contudo, preocupar-se com o desequilíbrio ecológico
proveniente de suas ações impensadas.
Em ato continuo, indagou-se dos professores entrevistados quais as
plantas típicas da Caatinga que apresentam um maior destaque.

Quadro 1 - Espécies Vegetais típicas da Caatinga citadas pelos docentes


Famílias Espécimes (Nome popular) Percentual (%)
Braúna 20%
Anacardiaceae Umbuzeiro 80%
Palmatória 10%
Cactaceae Mandacaru 30%
Xique-xique 60%
Caesalpinioideae Catingueira 60%
Jucá 40
Burseraceae Imburama 100%
Bromeliaceae Macabira 100%
Angico 60%

75
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Mimosaceae Jurema 40%


Marmeleiro preto 70%
Euphorbiaceae Pinhão 30%
Urticaceae Urtiga 100%
Apocynaceae Pereiro 100%
Fonte: pesquisa de campo. Fevereiro - Março de 2017

Analisando o Quadro 1 verifica-se que o pereiro, a urtiga, o marmeleiro


preto, o angico, a imburana, a catingueira, o xique-xique, a macambira e o
umbuzeiro, encontram-se entre as espécies vegetais mais citadas pelos
professores entrevistados na presente pesquisa.
Algumas dessas espécies possuem uso medicinal tanto na etnobotânica
quanto na etnoveterinária, como é o caso do pereiro, angico, pinhão, urtiga,
jurema e catingueira (RODRIGUES et al., 2002). Outras, porém, são utilizadas
na alimentação tão do homem, quanto de animais, com destaque para o
umbuzeiro e o mandacaru, para a alimentação humana e o xique-xique, a
palmatória, macambira, o marmeleiro para alimentação animal, principalmente,
durante o período de estiagens (ALBUQUERQUE et al., 2010).
Já em relação ao uso da madeira, dentre as espécies vegetais da caatinga
citadas pelos professores, destacam-se o pereiro, o angico e a imburana. No
entanto, tem-se que reconhecer que a exploração desordenada desses recursos,
principalmente, para a produção de carvão vegetal, tem comprometido a
sustentabilidade do bioma Caatinga (ALBUQUERQUE et al., 2010).
Indagou-se ainda dos professores da Escola Estadual de Ensino
Fundamental Simeão Leal, quais as espécies de animais nativos da Caatinga
que eles mais conheciam. Os resultados obtidos foram condensados e
apresentados no Quadro 2.

Quadro 2 - Animais típicos da Caatinga citados pelos docentes


Classe Espécies (Nome popular) Percentual (%)
Préa 60%
Mamífero Tatu 30%
Gato do Mato (Maracajá) 10%
Cobra 40%
Repteis Camaleão 20%
Lagartixa 40%
Carcará 10%
Aves Rolinha 70%
Anum 20%
Abelha jandaira 20%
Insetos Formiga 50%
Besouro do cão 30%
Fonte: pesquisa de campo. Fevereiro - Março de 2017

76
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Quando se analisa o Quadro 2, constata-se que segundo os professores


entrevistados, as espécies de animais típicos da Caatinga que são por eles
conhecidas são: o preá (mamífero), a cobra e a lagartixa (repteis), a rolinha (ave)
e as formigas (insetos).
Alguns dos animais relacionados no Quadro 2, são com grande
frequência abatidos e consumidos pelo sertanejo como forma de alimento, com
destaque para preá, o tatu, o gato maracajá, o carcará, a rolinha e o anum. Este
último, a espécie mais consumida é o anum branco. No que diz respeito à
abelha jandaira, popularmente conhecida como uma abelha sem ferrão, produz
um excelente mel que além de ser consumido como alimento, possui uma
utilização medicinal, sendo adicionado a algumas plantas medicinais a exemplo
do mastruz, do limão, da laranja, da hortelã, da romã, bem como o e alho,
principalmente, no sertão paraibano (ANDRADE et al., 2012).
Posteriormente, perguntou-se aos professores que integram a amostra,
o que vem a ser meio ambiente. As respostas colhidas nesse questionamento
foram transformadas em dados e apresentadas no Gráfico 3.

Gráfico 3. Distribuição dos participantes quanto ao que vem a ser Meio


Ambiente
60% É o espaço que reúne as condições
necessárias à sobrevivência dos
50% seres vivos (n=2)
50%

40% É o conjunto dos elementos físico-


químicos, ecossistemas naturais e
30% sociais em que se insere o Homem,
30% individual e socialmente (n=3)
20%
20% É o conjunto de condições, leis,
influências e interações de ordem
física, química e biológica que
10% permite, abriga e rege a vida em
todas as suas formas (n=5)
0%
Fonte: pesquisa de campo. Fevereiro - Março de 2017

Com base nos dados apresentados no Gráfico 3, para 20% dos


professores entrevistados, meio ambiente é o espaço que reúne as condições
necessárias à sobrevivência dos seres vivos; 30% entendem como sendo o
conjunto dos elementos físico-químicos, ecossistemas naturais e sociais em que
se insere o Homem, individual e socialmente. Contudo, 50% definem o termo
meio ambiente como sendo o conjunto de condições, leis, influências e
interações de ordem física, química e biológica que permite, abriga e rege a vida
em todas as suas formas.
O próprio IBGE (2004, p. 210) define meio ambiente como sendo o
“conjunto dos agentes físicos, químicos, biológicos e dos fatores sociais

77
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

susceptíveis de exercerem um efeito direto ou mesmo indireto, imediato ou a


longo prazo, sobre todos os seres vivos, inclusive o homem”.
Vários são os conceitos existentes para o termo meio ambiente. No
entanto, a noção básica que se tem sobre o mesmo é a de trata-se de tudo que
existe em volta dos seres vivos, incluindo também aquilo que não possui vida,
além das manifestações socioculturais. Por outro lado, o meio ambiente diz
respeito aos fatores bióticos, edáficos e climáticos que determina a
sobrevivência dos seres vivos sobre a Terra.
Através do 4º questionamento, indagou-se dos professores
participantes, como eles caracterizam o Semiárido. Nesse foram encontrados os
dados relativos a esse questionamento.
Verifica-se que 30% dos professores entrevistados, caracterizam o
Semiárido como sendo uma região que apresenta clima quente, possuindo
também baixas precipitações distribuídas de forma irregular; 40% afirmaram
que o Semiárido apresenta rede de drenagem formada por riachos e rios
temporários, enquanto que os demais (30%) declararam que tal região se
caracteriza por apresentar solos pedregosos e pobres em matéria orgânica.
O Semiárido nordestino caracteriza-se por possuir uma vegetação que
apresenta um aspecto agressivo, havendo uma predominância de cactáceas
colunares a exemplo do mandacaru e do facheiro, além de outros arbustos e
árvores com espinhos. Nessa região, o solo é bastante pedregoso e pouco
profundo. E, por isso, não consegue armazenar a água que cai, durante o
período chuvoso (DUQUE, 2004).
Posteriormente, indagou-se dos professores participantes, de que forma
eles trabalham a temática ambiental em suas disciplinas. O Gráfico 4, por sua
vez, sintetizam os dados relativos a esse questionamento.

Gráfico 4. Distribuição dos participantes quanto à forma como trabalham a


temática ambiental em suas disciplinas
70%
60% Como tema transversal (n=6)
60%

50%

40% Mediante a realização de


palestras/seminários (n=2)
30%
20% 20%
20%
Através de aulas de campo (n=2)

10%

0%
Fonte: pesquisa de campo. Fevereiro - Março de 2017

78
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Quando se analisa o Gráfico 4, verifica-se que 60% dos professores


entrevistados trabalham a temática ambiental como um tema transversal; 20%
declararam que exploram a referida temática mediante a realização de palestras
ou seminários e outros 20% informaram que utilizam-se de aulas de campo
para trabalharem a temática meio ambiente.
De acordo com Sato (2002, p. 37):

Há diferentes formas de incluir a temática ambiental nos currículos


escolares, como atividades artísticas, experiências práticas, atividades
fora de sala de aula, produção de materiais locais, projetos ou qualquer
outra atividade que conduza os alunos a serem reconhecidos como
agentes ativos no processo que norteia a política ambientalista. Cabe
aos professores, por intermédio de prática interdisciplinar, proporem
novas metodologias que favoreçam a implementação da Educação
Ambiental, sempre considerando o ambiente imediato, relacionado a
exemplos de problemas atualizados.

Diante da necessidade se trabalhar a Educação Ambiental, cabe à escola


a missão de procurar a melhor maneira objetivando tornar possível uma
aprendizagem significativa. Assim, em toda e qualquer ação desenvolvida, ela
deve proporcionar a participação de todas os seus alunos nesse processo,
revendo o currículo de forma a garantir um melhor desenvolvimento da
interdisciplinaridade.
De acordo com Marcatto (2002, p. 19):

[...] propõe-se que as questões ambientais não sejam tratadas como uma
disciplina específica, mas sim que permeie os conteúdos, objetivos e
orientações didáticas em todas as disciplinas. A educação ambiental é
um dos temas transversais dos Parâmetros Curriculares Nacionais do
Ministério da Educação e Cultura.

Independente da disciplina que leciona, o professor em sua sala de aula


deve abordar a saúde e os questionamentos a ela relacionados, seja como parte
dos conteúdos didáticos ou em forma de tema transversal.
Nesse sentido, expressam os Parâmetros Curriculares Nacionais
(BRASIL, 1997, p. 64), que a transversalidade:

[...] pressupõe um tratamento integrado das áreas e um compromisso


das relações interpessoais e sociais escolares com as questões que estão
envolvidas nos temas, a fim de que haja uma coerência entre os valores
experimentados na vivência que a escola propicia aos alunos e o contato
intelectual com tais valores.

Analisando a citação transcrita acima, percebe-se que a transversalidade


é um recurso que em muito enriquece a aula. Através de tal recurso, é possível

79
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

o professor de Matemática, por exemplo, abordar em sala de aula as questões


ambientais, discutindo quanto do território brasileiro encontra-se vem sofrendo
com a degradação ambiental, transformando tal fenômeno em números,
exprimindo percentuais, etc.
Ao utilizar tal recurso o professor consegue melhor contextualizar suas
aulas, fazendo com que as mesmas sejam facilmente compreendidas por seus
alunos. Em síntese, através dos Temas Transversais pode obter o resgate da
dignidade da pessoa humana, a igualdade de direitos, a participação ativa na
sociedade.

4 CONSIDERAÇÕES FINAIS

A revisão de literatura promovida demonstrou a importância das


questões ambientais e sobre como se deve promover uma maior discussão no
contexto escolar sobre a temática ambiental, privilegiando-se a Educação
Ambiental, levando-se em consideração os objetivos traçados para esta
disciplina, que primam pela construção de uma sociedade ecologicamente
consciente e responsável com as futuras gerações.
No que diz respeito à pesquisa de campo promovida esta possibilitou
concluir que a maioria dos professores entrevistados entende a Educação
Ambiental como um processo que tem por objetivo construir uma sociedade
consciente sobre a necessidade de se preservar o meio e de se discutir as
questões a ele relacionadas. E, que o meio ambiente diz respeito a um conjunto
de condições, que permitem a existência dos seres vivos na Terra.
É consenso entre a maior parte dos entrevistados de que a Caatinga
constitui um bioma único no mundo, possuindo suas singularidades, sendo
formado por uma vegetação à base de cactáceas. Especificamente em relação ao
Semiárido, os entrevistados possuem o entendimento de que se trata de uma
região, que em razão das condições climáticas, é formada por riachos e rios
temporários, apresentando ainda solos pedregosos e pobres em matéria
orgânica.
Uma significativa conclusão proporcionada por esta pesquisa diz
respeito ao fato de que a escola a qual encontram-se vinculados os
entrevistados, vem desenvolvendo um projeto ambiental, demonstrando uma
certa preocupação com o meio ambiente, possibilitando a formação de uma
melhor percepção ambiental e dando os primeiros passos para sua
transformação em escola promotora da sustentabilidade.
Os dados coletados também demonstraram que todos os professores
entrevistados, independentemente da disciplina que lecionam, trabalham a
temática ambiental em suas salas de aulas, e, que a maioria faz isto de forma
transversal, embora considere difícil trabalhar tal temática.
Essa dificuldade alegada pela maioria dos professores entrevistados em
trabalhar a Educação Ambiental, traz implicações para o processo de

80
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

contextualização do ensino, no que diz respeito à necessidade de se focalizar o


Semiárido nas discussões promovidas no contexto escolar. E, como tal temática
não é abordada de forma ampla, vem contribuindo para limitar o conhecimento
sobre a região Semiárida, apresentado pelos alunos da maioria dos professores
entrevistados.
Este fato demonstra a necessidade de uma maior capacitação por parte
dos professores em torno das questões ambientais, bem como a necessidade de
uma definição de novas metodologias que proporcionem uma maior aquisição
de conhecimento por parte dos alunos, proporcionando, assim, uma
aprendizagem significativa e a formação de cidadãos ecologicamente
conscientes.
Em resumo, existe a necessidade de se investir na formação continuada
destes professores, de maneira que sejam trabalhados aspectos de
instrumentação de seus conhecimentos, de forma a desenvolver cada vez mais a
Educação Ambiental para o desenvolvimento sustentável de Semiárido
nordestino.

5 REFERÊNCIAS

ABÍLIO, F. J. P.; FLORENTINO, H. S. Educação Ambiental e o Ensino de


Geografia na Educação básica. In: ABÍLIO, F. J. P.; SATO, M. (Org.). Educação
ambiental: do currículo da educação básica às experiências educativas no
contexto do semiárido paraibano. João Pessoa: EDUFPB, 2011.

ALBUQUERQUE, U. P. [et al.]. Caatinga: biodiversidade e qualidade de vida.


Bauru-SP: Canal6, 2010.

ANDRADE, M. C. de. Nordeste semiárido: limitações e potencialidades. In:


FILHO, Malaquias Batista. Viabilização do semiárido nordestino. Recife: IMIP,
2001.

ANDRADE, S. E. O. et al. Estudo etnoveterinário de plantas medicinais na


comunidade Várzea Comprida dos Oliveiras, Pombal, Paraíba, Brasil. Revista
Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v. 7, n. 2, p 193-198,
abr-jun, 2012.

ARAUJO, C. S. F.; SOUSA, A. N. Estudo do processo de desertificação na


Caatinga: uma proposta de educação ambiental. Ciênc. Educ. Bauru, v. 17, n. 4,
2011.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares


nacionais: primeiro e segundo ciclos do ensino fundamental (Tema

81
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Transversal Saúde). Secretaria de Educação Fundamental - Brasília: MEC/SEF,


1997.

CASTELLETTI, C. H. M.; SANTOS, A. M. M.; TABARELLI, M.; SILVA, J. M. C.


Quanto ainda resta da Caatinga? Uma estimativa preliminar. In: LEAL, I. R.;
TABARELLI, M.; SILVA, J. M. C. (eds.). Ecologia e conservação da caatinga.
Recife: EDUFPE, 2005.

CHIZZOTI, A. A pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais:


evolução desafios. Revista Portuguesa de Educação. Braga, v. 16, n. 2, p. 221-
236, 2006.

DUQUE, G. Solo e água no polígono das secas. Fortaleza: Banco do Nordeste


do Brasil, 2004.

FERREIRA, L. M. R. [et al]. Análise fitossociológica comparativa de duas áreas


serranas de caatinga no cariri paraibano. VIII Congresso de Ecologia do Brasil,
23 a 28 de Setembro de 2007. Anais...,Caxambu-MG.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Vocabulário básico de


recursos naturais e meio ambiente. 2 ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2004.

MARCATTO, C. Educação ambiental: conceitos e princípios. Belo Horizonte:


FEAM, 2002.

RICHARDSON, R. H. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas,


2010.

ROCHA, W. F. Levantamento da cobertura vegetal e do uso do solo do Bioma


Caatinga. XIII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Florianópolis,
Brasil, 21-26 abril 2007, INPE. Anais..., p. 2629-2636.

RODRIGUES, L. A. et al. Espécies vegetais nativas usadas pela população


local em Luminárias, MG. Lavras: UFLA, 2002. 34 p. (Boletim Agropecuário,
52).

SATO, M. Educação ambiental. São Carlos-SP: Rima, 2002.

SILVA, T. S.; CÂNDIDO, G. A.; FREIRE, E. M. X. Conceitos, percepções e


estratégias para conservação de uma estação ecológica da caatinga nordestina
por populações do seu entorno. Sociedade & Natureza, v. 21, n. 2, p. 23-37,
ago., 2009.

82
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

OS EFEITOS DA SECA NO MUNICÍPIO DE NOVA


OLINDA - SERTÃO PARAIBANO

Antonio Izidro Sobrinho


José Ronaldo de Lima
José Ozildo dos Santos
Rosélia Maria de Sousa Santos
João Batista de Lima
Douglas dos Santos Oliveira

1 INTRODUÇÃO

A seca pode ser definida como sendo um fenômeno natural, que se


caracteriza pelo atraso na precipitação de chuvas ou ainda por sua distribuição
de forma irregular. Independentemente da forma com se apresenta, a seca
causa prejuízos ao desenvolvimento das culturas agrícolas e compromete a
disponibilidade de água que é destinada ao consumo humano e animal (SILVA
et al., 2011).
É importante ressaltar que não trata-se, apenas, de um fenômeno
exclusivo da região nordestina. A seca é também um problema que atinge
outras partes do mundo, a exemplo da África e da Austrália, bem como do
Oriente Médio. Especificamente no nordeste brasileiro, o problema da seca se
agrava devido a diversos fatores, dentre os quais se destaca a ausência de
políticas públicas eficazes (CAMPOS; STUDART, 2004).
Os efeitos sociais produzidos pela seca têm uma maior repercussão
sobre as famílias, cuja atividade é a agricultura familiar, pois estas geralmente
possuem menor poder aquisitivo. O fenômeno atinge, também, com maior
rigor, os pequenos e médios proprietários, sem condições de capital para
investir numa infraestrutura produtiva resistente à estiagem. Os problemas
resultantes das secas não são maiores do que a negligência dos governantes em
se aproveitar dos recursos destinados às famílias que realmente sofrem com o
problema da seca (ANDRADE, 1999).
No Brasil, as secas são conhecidas desde o século XVI. Na região
semiárida do Nordeste brasileiro, ela é resultado da interação de vários fatores,
tanto de ordem externa quanto interna, a exemplo da vegetação pouco robusta
e da topografia da região (ARAÚJO, 2002).
Afirmam Campos e Studart (2004), para o enfrentamento do problema
da seca faz-se necessário que vários aspectos sejam privilegiados. Sem essa
visão, as ações apresentadas estão sempre condenadas ao fracasso. Quando as
ações públicas privilegiarem os múltiplos aspectos relacionados a esse
fenômeno, o homem nordestino aprenderá a conviver com seca.

83
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

O semiárido nordestino é a região no Brasil onde se registram os


períodos mais frequentes de seca. Historicamente, o Nordeste é uma região
marcada pela estiagem. Na região, como uma grande frequência, é possível se
ouvir falar em três grandes secas, que ocorreram nos anos de 1877, 1915 e de
1932 (GARCIA 1999).
No Nordeste, as alternativas das secas e dos invernos nunca deixam de
suceder-se com desconcertantes irregularidades. E, assim, surgem as secas,
quando menos se espera. Desta forma, a inconstância das chuvas, o temor das
secas e a ausência de um serviço meteorológico eficiente geram no povo
nordestino grande inquietação, tanto maior quanto mais se aproxima a época
das precipitações pluviais.
No semiárido nordestino, a irregularidade das chuvas desestabiliza a
agricultura, ameaça a sustentabilidade na região, deixando mais vulneráveis
suas populações, principalmente, aquelas que residem nas zonas rurais, onde a
pobreza e a miséria são mais persistente. Nessa região, as secas se manifestam
com maior intensidade na região do sertão, atingindo também o agreste.
Essa área forma o que se denomina de ‘polígono das secas’,
apresentando uma grande diversidade climática, destacando-se áreas muito
secas, áridas em certos pontos, como no Cariri e Sertão paraibanos, onde as
precipitações pluviais totalizam menos de 300 mm anuais. Essas precipitações,
além de pouco expressivas, se concentram em poucos meses, fazendo com que
a uma curta estação chuvosa se siga uma longa estação seca (MELO;
RODRIGUEZ, 2004).
A seca traz para o problema da falta d’água, penalizando ainda mais as
populações do sertão paraibano. O flagelo torna-se maior porque não somente
as lavouras são afetadas e os rebanhos reduzir. É a sobrevivência da população
que está em jogo, que corre risco.
Durante as estiagens, a falta de água no sertão paraibano obriga as
populações do meio rural a “caminhar um ou mais quilômetros uma ou mais
vezes ao dia, sob um sol escaldante e suportando o peso do vasilhame com
água é uma tarefa que se soma ao quadro de privações por que passam os
flagelados da seca” (DUARTE, 2001, p. 432).
É importante destacar que o drama do povo do sertão paraibano não se
resume à dificuldade de encontrar água para beber. Grande parte desse líquido
precioso que é consumida durante os períodos das longas estiagens, é de má
qualidade, trazendo uma série de doenças para as populações que tem acesso a
essa água.
Nos últimos anos, várias alternativas têm sido apresentadas pelos
órgãos públicos, objetivando minimizar o problema da falta d’água junto às
populações do sertão nordestino, no qual se insere o sertão paraibano. Dentre
essas alternativas se destaca à construção de cisternas e o fornecimento de
d’água através do Programa Operação Carro-Pipa, custeado pelo governo
federal. Entretanto, nem sempre a qualidade da água disponibilizada à
população do sertão paraibano através dos carros-pipas é de boa qualidade. Em
muitos casos, trata-se de um produto impróprio ao consumo humano,

84
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

contribuindo para o surgimento de uma série de doenças parasitárias e


crônicas.

2 METODOLOGIA

Este estudo tem como base uma pesquisa bibliográfica, seguida de uma
pesquisa de campo, que foi realizada junto à população do município de Nova
Olinda, no Estado da Paraíba no período de agosto a dezembro de 2016.
Na oportunidade, utilizando de um questionário previamente
elaborado, entrevistou-se 25 (vinte e cinco) moradores sendo que todos eles
realizam atividades ligadas ao uso da água da chuva, tais como, agricultores,
fazendeiros, vaqueiros, que constituem no público-alvo desta pesquisa, sendo
que, destes 15 moram na zona rural e 10 na zona urbana, de diferentes idades e
profissões, objetivando avaliar o conhecimento sobre os efeitos produzidos pela
seca no âmbito municipal.
O referido questionamento foi composto por duas partes. A primeira
era destinada a colher dados para traçar o perfil da amostra entrevistada e a
segunda, dizia respeito aos objetivos estabelecidos para a pesquisa visando
identificar os danos provocados ao desenvolvimento das atividades agrícolas
no município.
Desta forma, este trabalho foi do tipo exploratório com uma abordagem
quali-quantitativa. No referido estudo, o método utilizado foi o indutivo, que
parte do específico para o geral.
Assim, utilizou-se essa modalidade de pesquisa para estimar quanto da
população de Nova Olinda, de forma representativa, possui uma opinião
formada quanto aos reais efeitos produzidos pela seca no município.

3 RESULTADOS E DISCUSSÃO

Inicialmente, colheu os dados relativos ao sexo, ao estado civil, ao grau


de escolaridade e à ocupação, com o objetivo de traçar o perfil das pessoas que
integraram a amostra utilizada na presente pesquisa.
De acordo com a tabela a seguir pode-se observar os dados relativos ao
perfil dos entrevistados de acordo com o gênero, estado civil, escolaridade e a
ocupação.

Tabela 1 - Distribuição da Amostra quanto aos dados sociodemográficos


Variáveis Participantes %
Sexo
Masculino 13 52%
Feminino 12 48%

85
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Estado Civil
Menos de 20 anos 04 16%
Entre 26 e 30 anos 05 20%
Entre 31 e 35 anos 01 4%
Entre 36 e 40 anos 03 12%
Entre 46 e 50 anos 05 20%
Entre 51 e 55 anos 01 4%
Entre 56 e 60 anos 03 12%
Entre 61 e 65 anos 02 8%
Entre 66 e 70 anos 01 4%
Escolaridade
Alfabetizado (a) 07 28%
Ensino Fundamental Incompleto 04 16%
Ensino Fundamental Completo 01 4%
Ensino Médio Completo 11 44%
Ensino Superior incompleto 01 4%
Ensino Superior completo 01 4%
Ocupação
Agricultor 11 44%
Pescador 02 8%
Empregada doméstica 02 8%
Fazendeiro 01 4%
Vaqueiro 01 4%
Pedreiro 01 4%
Agente Comunitário de saúde 01 4%
Estudante 03 12%
Do lar 03 12%
25 100%
Fonte: Pesquisa de campo (Dezembro/2016)

Os dados contidos na Tabela 1 demonstram que 52% das pessoas que


participaram desta pesquisa eram do sexo masculino e 48% pertenciam ao sexo
feminino.
No que diz respeito à idade, 16% dos participantes tinham menos de 20
anos de idade (n = 4); 20% tinham idades entre 26 e 30 anos (n = 5); 4% tinham
entre 31 e 35 anos (n = 1); 12% tinham entre 36 e 40 anos (n = 3); 20% tinham
entre 46 e 50 anos (n = 5); 4% informaram que tinham idades entre 51 e 55 anos
(n = 1); 12% ressaltaram que tinham idades entre 56 a 60 anos (n = 1); 12%
tinham entre 61 e 65 anos e os demais (8%), tinham entre 66 e 70 anos (n = 2).
Em relação ao grau de escolaridade, de acordo com os dados
apresentados na Tabela 1, 28% dos participantes eram alfabetizados (n = 7); 16%
tinham o Ensino Fundamental Incompleto (n = 4); 4% tinham o Ensino
Fundamental Completo (n = 1); 44% tinham o Ensino Médio Completo (n = 11);

86
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

4% tinham concluído o Ensino Superior (n = 1) e outros 4% ainda não concluir


essa última modalidade de ensino.
Num primeiro momento, procurou-se saber dos entrevistados como
eles classificam os efeitos produzidos pela seca no município de Nova Olinda.
Gráfico 1 apresenta os resultados colhidos.

Gráfico 1 - Distribuição dos participantes quanto a opinião sobre os efeitos


produzidos pela seca
120%

100% 96%

80% Muito prejudiciais à


população (n = 24)

60%
Pouco prejudiciais à
população (n = 1)
40%

20%
4%
0%
Fonte: Pesquisa de campo (Dezembro/2016)

De acordo com os dados apresentados no Gráfico 1, na opinião de 96%


dos participantes desta pesquisa, os efeitos produzidos pela seca no município
de Nova Olinda-PB, são muito prejudiciais à população (n = 24). No entanto,
4% acham que tais efeitos são poucos prejudiciais à população (n = 1).
De acordo com Guerra (1981), “é consenso, que uma seca, por menor
que seja, traz sempre efeitos negativos para a população, seja esta rural ou
urbana, viva esta da agricultura ou não”.
Assim sendo, por menor que seja uma seca sempre produzir efeitos
negativos, contribuindo para o êxodo rural, para o racionamento da água para o
consumo humano, obrigando o poder público a instituir programas especiais de
abastecimentos.
Mediante o segundo questionamento, perguntou-se aos participantes
da presente pesquisa como eles classificam os efeitos produzidos pela seca no
município de Nova Olinda, no Estado da Paraíba. As respostas fornecidas
foram transformadas nos dados que se encontram apresentados no Gráfico 2.

87
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Gráfico 2 - Distribuição dos participantes quanto ao fato como classificam os


efeitos produzidos pela seca no município de Nova Olinda
90%
80%
80%

70% Muito prejudiciais à


população (n = 20)
60%

50%

40% São suportáveis,


embora alterem a
30%
produção agrícola
20%
20% (n=5)

10%

0%
Fonte: Pesquisa de campo (Dezembro/2016)

Analisando os dados apresentados no Gráfico 2, na opinião de todos os


participantes (100%), os efeitos produzidos pela seca na agricultura são
desastrosos, pois reduzem significativamente a produção agrícola.
De acordo com Duarte (1994), com a seca, os pastos bons tornam-se
escassos, o que leva o fazendeiro a transformar a área destinada ao cultivo de
xerófilas em pastagem para o gado. No entanto, a estiagem provoca, sobretudo,
o colapso da produção das lavouras de subsistência.
É importante destacar que com a seca, as culturas são completamente
destruídas, gerando grandes transtornos de ordem econômica e social. A
escassez de alimentos faz os preços subirem e tudo fica mais difícil. Por isso, os
efeitos produzidos pela seca na região do semiárido nordestinos são
considerados como desastrosos.
Através do terceiro questionamento, procurou-se saber qual a opinião
dos entrevistados sobre os programas do governo para o enfrentamento dos
efeitos da seca. Tais dados encontram-se esboçados no Gráfico 3.

88
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Gráfico 3 - Distribuição dos participantes quanto à opinião sobre os


programas do governo para o enfrentamento dos efeitos da seca
80% 76%
São insignificantes
70%
diante dos
60% problemas da seca
porque não
50% contempla toda a
população (n = 19)
40%

30% Podem ser


24%
considerados como
20% simples paliativos (n
= 6)
10%

0%
Fonte: Pesquisa de campo (Dezembro/2016)

Analisando os dados apresentados no Gráfico 3, verifica-se que 76% das


pessoas entrevistadas (n = 19), consideram os programas do governo federal
como sendo insignificantes, diante dos problemas da seca porque não
contemplam toda a população. Para os demais participantes (24%), tais
programas Podem ser considerados como simples paliativos (n = 6).
Na concepção de Passador e Passador (2010, p. 70):

A intervenção do Estado no Nordeste foi sempre marcada pela


centralização e fragmentação das ações, e se concretizava com a criação
de órgãos nacionais para o combate à seca, os quais se transformavam
em objeto de disputas políticas entre os diversos segmentos da elite
rural. A ação desenvolvida por esses órgãos limitava-se à construção de
grandes açudes públicos, perenizando grandes extensões de rios,
sobretudo a construção de milhares de pequenos e médios açudes
dentro de propriedades privadas, de forma a assegurar água para a
produção agropecuária e o funcionamento de agroindústrias.

Desta forma, verifica-se que o problema da seca no nordeste até o


presente não foi enfrentado pelo governo de uma forma integrada e com
vontade política. A grande parte das ações desenvolvidas nesse sentido pode
ser considerada como medidas voltadas para atender aos interesses da política
local e nunca como forma de reduzir efetivamente os problemas da seca na
região.

89
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Mediante o penúltimo questionamento, procurou-se saber dos


entrevistados qual, na visão deles, seria a solução mais imediata para reduzir os
efeitos da seca no município de Nova Olinda. No Gráfico 4 encontram-se
representados os resultados colhidos mediante este questionamento.

Gráfico 4 - Distribuição dos participantes quanto à opinião sobre qual seria a


solução mais imediata para reduzir os efeitos da seca no município de Nova
Olinda
80%

70% 68%
A construção de
um número maior
60% de cisternas no
município (n = 8)
50%

40%
32%
A construção de
30%
novos reservatórios
d’água no
20%
município (n = 17)
10%

0%
Fonte: Pesquisa de campo (Dezembro/2016)

Quando se analisando os dados apresentados no Gráfico 4 verifica-se


que na opinião de 68% dos participantes desta pesquisa (n = 17), a construção
de novos reservatórios d’água no município, aproveitando o máximo os cursos
d’águas existentes, seria a solução mais imediata para conter os efeitos da seca
no município de Nova Olinda, no Estado da Paraíba. No entanto, outros 32%
entendem que esta solução seria a construção de um número maior de cisternas
no município (n = 8).
Ainda de acordo com Passador e Passador (2010, p. 74):

No Semiárido Nordestino, armazenar e usar a água das chuvas


adequadamente também é um desafio, uma vez que esse terreno se
caracteriza por solos rasos e com baixa capacidade de retenção de água
subterrânea [...]. A construção de cisternas acompanhada por um
processo educativo de gerenciamento de uso da água captada tem se
mostrado eficiente no combate à seca nordestina.

90
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Nesse sentido, constata-se que as condições geológicas da região


nordestina também constituem um obstáculo ao armazenamento da água, de
forma que nem sempre a construção de um reservatório de água se apresenta
como uma alternativa plenamente viável, pois muitos destes solos apresentam-
se com alto grau de porosidade.
Assim, diante dessas considerações vem se estimulando a construção
de cisternas em toda região, iniciativa esta que vem se mostrando como
eficiente na luta contra a seca.
Através do último questionamento, perguntou-se aos entrevistados se
as ações desenvolvidas pelos governos federal, estadual e municipal, têm
contribuído para amenizar os problemas enfrentados pela população local,
durante os períodos de seca. As respostas apresentadas a esse questionamento
foram condensadas em dados e apresentadas no Gráfico 5.

Gráfico 5 - Distribuição dos participantes quanto ao fato se as ações


desenvolvidas pelos governos federal, estadual e municipal, têm ou não
contribuído para amenizar os problemas enfrentados pela população local,
durante os períodos de seca
80%

70% 68%

60% Sim (n = 8)

50%

40%
32%
30%
Não (n = 17)
20%

10%

0%
Fonte: Pesquisa de campo (Dezembro/2016)

Os dados apresentados no Gráfico 5 demonstram que segundo 68% dos


participantes, as ações desenvolvidas pelos governos, seja nos âmbitos federal,
estadual ou municipal, não têm contribuído para amenizar os efeitos da seca no
município de Nova Olinda. Entretanto, 32% dos entrevistados entendem que
sim.
De acordo com Suassuna (2005, p. 35) o comportamento climatológico
da região Nordeste apresenta variações na intensidade e distribuição espacial

91
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

das precipitações pluviais. Nos estados e municípios onde este fenômeno se


manifesta em percentual menor do que as condições normais esperadas (as que
são capazes de garantir o abastecimento com água doce e potável para as
populações e seus animais e, ainda, garantir as plantações agrícolas e suas
respectivas colheitas).
O fenômeno se caracteriza como seca e seu nível de qualidade (mais
graves e/ou menos grave) vai depender das condições socioeconômicas das
populações atingidas. Quando a variação climática se caracteriza como seca em
um município ou parte do um estado, individualmente ou em conjunto com
outros, os governos em nível municipal, estadual e federal dão início a um
conjunto de ações, tendo em vista a prestação de socorro às populações.
Basicamente, as ações dos governos têm sido a de distribuição de água
em carros-pipas, de distribuição de alimentos e de criação de frentes de trabalho
nas zonas rurais para atendimentos das populações mais atingidas.
Entretanto, deve-se reconhecer que tais ações tem se mostrado
insignificantes diante da dimensão que representa o problema da falta de água,
não somente município de Nova Olinda, mas em todos os municípios do
Semiárido.

4 CONCLUSÃO

Quase todas as pessoas entrevistadas, entendem que os efeitos da seca


no município de Nova Olinda-PB são muito desastrosos, pois reduzem
significativamente a produção agrícola, provoca uma redução na criação do
gado devido a falta de pasto, diminui a produção de leite, entre outros aspectos
desencadeados.
Constatou-se que na visão de uma significativa parcela dos
entrevistados, a população do referido município faz mal uso da água,
desperdiçando-a. Diante disso, percebe-se que, há uma falta de conhecimento
por parte do entrevistados a respeito do uso racional da água, pois estes
mesmos que sentem sua falta durante o período de seca, são aqueles que usam
de forma exagerada.
Entretanto, existe entre a maioria dos entrevistados o entendimento de
que as ações desenvolvidas pelos governos, não têm contribuído para amenizar
os efeitos da seca no âmbito municipal.
É importante destacar que o problema da falta d’água no Nordeste
brasileiro é algo que afeta toda sua população, gerando transtornos de ordem
social e econômica. As longas estiagens trazem prejuízos à agricultura e
reduzem de forma significativa a criação do gado bovino, limitando até o viver
do ser humano nessa região.
Entretanto, apesar de ser um fator limitante ao desenvolvimento
socioeconômico da zona semiárida, através da presente pesquisa foi possível
identificar que a percepção das pessoas quanto que vivem no semiárido quanto

92
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

à seca, e colocada que até o presente não foi ainda tratada com uma prioridade
por parte do governo central.
Os dados coletados na presente pesquisa demonstram que a população
reconhece que as ações e programas até então executados pelos governos em
suas três esferas, são verdadeiros paliativos, isto porque as políticas públicas
elaboradas para reduzirem os impactos causados pela seca não possuem
durabilidade, cessando seu desenvolvimento tão logo a estiagem seja
amenizada.
Por um longo tempo, as ações desenvolvidas no Nordeste priorizavam
o enfrentamento da seca, enquanto problema de ordem climática, quando
deveriam ser voltadas para orientar/mostrar ao homem nordestino a conviver
melhor com esse fenômeno.
Desta forma, além de necessidade de políticas públicas de caráter
duradouro, existem também a necessidade de se estabelecer um processo de
capacitação das famílias residentes no semiárido, privilegiando a questão da
convivência com a região, bem como orientando quanto ao gerenciamento de
recursos hídricos, como forma de se evitar o desperdiço e se promover a
educação e a conscientização da população.
Aliada a essas ações também existe a necessidade de se privilegiar a
disseminação de tecnologias apropriadas para a região, bem como a orientação
para a recuperação e preservação dos recursos naturais.

5 REFERÊNCIAS

ANDRADE, Manuel Correia. A problemática da seca. Recife: Líber Gráfica,


1999.

ARAÚJO, Tânia Bacelar. Ensaios sobre o desenvolvimento brasileiro: heranças


e urgências. 2 ed. Rio de Janeiro: Revan, 2002.

CAMPOS, José Nilson B.; STUDART, Ticiana Marinho de Carvalho. Secas no


nordeste do Brasil: origens, causas e soluções. In: Boletim Trimestral do
Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental/UFCE, n. 14, nov-dez.
2004.

DUARTE, Damásio. Proposta de dimensionamento do semiárido brasileiro.


Fortaleza: BNB, 1994.

DUARTE, Renato. Seca, pobreza e políticas públicas no nordeste do Brasil. In:


ZICARDI, Alicia (Comp.). Pobreza, desigualdad social y ciudadanía: los
límites de las políticas sociales en América Latina. Buenos Aires, CLACSO,
2001, p. 425-440.

93
José Ozildo dos Santos & Rosélia Maria de Sousa Santos (organizadores)
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

GARCIA, Carlos. O que é nordeste brasileiro. 9. ed. São Paulo: Brasiliense,


1999.

GUERRA, Paulo de Brito. A civilização da seca. Fortaleza: DNOSC, 1981.

MALHOTRA, Naresh K. Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. 3.


ed. Porto Alegre: Bookman 2001

MELO, Antônio Tavares de; RODRIGUEZ, Janete Lins. Paraíba:


desenvolvimento econômico e a questão ambiental. João Pessoa: Grafset, 2004.

PASSADOR, Claudia Souza; PASSADOR, João Luiz. Apontamentos sobre as


políticas públicas de combate à seca no Brasil: Cisternas e cidadania? Cadernos
Gestão Pública e Cidadania, v. 15, n. 56, p. 65-86, 2010.

SILVA, Virgínia Mirtes de Alcântara; PATRÍCIO, Maria da Conceição


Marcelino; RIBEIRO, Victor Herbert de A.; MEDEIROS, Raimundo Mainar de.
O desastre da seca no nordeste brasileiro. Polêmica, v. 12, n. 2, abr-jun., 2013.

SUASSUNA, João. Como morrer de sede com água no joelho. Recife:


Associação Brasileira de Águas Subterrâneas, 2005.

94
Meio ambiente & prática educativa
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

95