Vous êtes sur la page 1sur 41

Administração Financeira e Orçamentária

Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público


Prof. Vitor Silva

AULA 00

Orçamento Público
Introdução ao Orçamento Público

Professor Vitor Silva

www.pontodosconcursos.com.br

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 1


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

Aula 00 – Aula Demonstrativa

Aula Conteúdo Programático Data


Orçamento Público: conceitos básicos, orçamento
00 como instrumento do planejamento governamental; 07/08
Atividade financeira do Estado
Evolução e tipos de orçamento; princípios
01 11/08
orçamentários;
Instrumentos de planejamento: PPA, LDO e LOA;
02 18/08
Orçamento na CF/88;
Ciclo e proposta orçamentária: elaboração, discussão,
03 25/08
votação e aprovação da proposta orçamentária.
Orçamento Público na Lei nº 4.320/1964: lei de
04 orçamento, receita, despesa, créditos adicionais e 13/09
execução orçamentária;
Lei Complementar nº 101/2000 (Lei de
05 Responsabilidade Fiscal): do Planejamento; da 20/09
despesa; da transparência, controle e fiscalização;
Novo Regime Fiscal; propostas de discursiva com
Bônus 29/09
resolução;

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 2


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

SUMÁRIO
1. Orçamento público .................................................................................................... 5
1.1. Conceito ............................................................................................................ 5
1.2. Aspectos do orçamento ........................................................................................ 9
1.3. Natureza jurídica do orçamento .......................................................................... 11
1.4. Orçamento nas constiuições brasileiras ................................................................ 18
2. Atividade financeira do estado .................................................................................. 20
2.1. Características .................................................................................................. 21
2.2. Finalidades ....................................................................................................... 21
3. Questões comentadas .............................................................................................. 26
4. Mapa mental .......................................................................................................... 40

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 3


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

Olá, futuro servidor!!

Vamos iniciar essa caminhada juntos em busca dessa tão sonhada aprovação.
Uma coisa eu posso te afirmar: todo o esforço vale a pena. Com certeza você
já deu o passo mais importante, que foi dar início a esse projeto. Agora
precisamos de foco e disciplina.

Primeiramente, sou Analista da Agência Nacional Civil e, desde o início da minha


preparação para concursos, a disciplina Administração Financeira e Orçamentária
(AFO) me despertou um interesse particular muito grande, então fui me
especializando cada vez mais nessa matéria. E isso foi muito bom, porque muitas
pessoas, principalmente no início, criam uma espécie de bloqueio a ela. Acham
muito difícil, complicada e etc. Porém, a minha missão é ensiná-la da forma mais
simples, objetiva e dinâmica possível.

Portanto, saiba que essa matéria pode ser um diferencial na sua preparação!
Além disso, grande parte das questões discursivas nos concursos recentes tem
sido extraída dessa disciplina, o que lhe concede ainda mais importância. Dessa
forma, digo que, sem dúvida, AFO é uma matéria primordial, ao lado de direito
administrativo, constitucional e administração pública, para qualquer concurso da
área de gestão.

O CESPE foi confirmado para a realização do concurso, então focaremos nas


questões da banca com a resolução de, no mínimo, 500 questões comentadas.
Em alguns casos específicos, como o dessa aula, veremos algumas questões de
outras bancas apenas para consolidar a matéria. Aproveite ao máximo o banco
de questões que formaremos nas aulas, pois a melhor forma de se resolvê-las é
essa: questão + comentário + gabarito. Evite ao máximo fazer listas extensas de
questões com a verificação das repostas apenas ao final da bateria.

Ao final de cada aula, teremos um mapa mental bem sintético para que você
possa fazer a revisão constante do conteúdo, ok?

Dessa forma, você poderá seguir os fundamentos básicos para a preparação para
concursos: revisão + questões.

Antes de darmos início, quero que saiba de uma coisa: se você acredita que é
capaz, ou não, de qualquer forma, você está certo!!!

Mãos à obra!

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 4


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

1. ORÇAMENTO PÚBLICO

1.1. CONCEITO

O estudo do orçamento público teve seu início, de acordo com a doutrina,


em 1.217, na Inglaterra, e vem se desenvolvendo e ganhando relevância desde
então. Mas o que exatamente é orçamento público? Vejamos algumas
conceituações:
Pedrosa → “O orçamento público é um plano de trabalho governamental
expresso em termos monetários que evidencia a política econômico-
financeira do Governo.”

Teixeira → “O orçamento é um plano que expressa em termos de dinheiro, para


um período de tempo definido, o programa de operações do governo e os
meios de financiamento desse programa.”

Baleeiro → “Orçamento é o ato pelo qual o Poder Legislativo prevê e autoriza


ao Poder Executivo, por certo período e em pormenor, as despesas destinadas
ao funcionamento dos serviços públicos e outros fins adotados pela política
econômica ou geral do país, assim como a arrecadação das receitas já criadas
em lei”
Podemos extrair muitas informações importantes dos conceitos expostos.
Primeiramente, é importante ressaltar que o orçamento pode ser classificado da
seguinte forma:

É a conceituação tradicional, conforme aquelas expostas acima. Em seu sentido lato


sensu, o orçamento é um instrumento de intervenção planejada que evidencia a política
de trabalho e o plano do governo, mediante autorização legislativa para a realização de
Lato Sensu receitas e despesas, e é materializado pelos instrumentos de planejamento: Plano
Plurianual (PPA); Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO); e Lei Orçamentária Anual
(LOA).

Em sentido estrito, o orçamento é a Lei Orçamentária (Anual) – LOA - propriamente


dita. Estudaremos, em momento oportuno, cada um dos instrumentos de planejamento,
Stricto Sensu mas basta saber que há uma lei aprovada anualmente pelo Poder Legislativo, de inciativa
do Poder executivo, que estima a receita e fixa a despesa para o período de um ano.

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 5


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

As bancas, quando falam em orçamento, podem estar se


referindo tanto à sua acepção lato quanto stricto sensu; e

São INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PPA; LDO e LOA

Q1 (FCC – 2011 – TER-AP) São instrumentos de planejamento do setor público,


previstos na Constituição Federal e elaborados por leis de iniciativa:

A) do Poder Executivo: o plano plurianual, as diretrizes orçamentárias e os


orçamentos anuais.

B) da Administração Direta e da Indireta: o plano plurianual, as diretrizes


orçamentárias e os orçamentos fiscal, da seguridade social e das empresas
estatais.

C) do Poder Executivo: o plano plurianual, as diretrizes orçamentárias e os


relatórios Resumidos da Execução Orçamentária e Gestão Fiscal.

D) do Poder Executivo e Legislativo: os planos, orçamentos e as diretrizes


orçamentárias e os relatórios Resumidos da Execução Orçamentária e Gestão
Fiscal.

E) de qualquer um dos Poderes: o plano plurianual, as diretrizes orçamentárias


e os orçamentos anuais.

Como já vimos, os instrumentos de planejamento do governo são: plano


plurianual, diretrizes orçamentárias e orçamentos anuais. Note que a
questão não os tratou como leis, mas todos eles são efetivamente e
formalmente LEIS! Veja bem, esses instrumentos são comumente
chamados da forma como a questão apresenta, não é necessário que
sempre sejam referidos como leis.

Gabarito: A

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 6


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

Q2 (FCC – 2010 – MPA) O processo orçamentário encontra-se definido na


Constituição de 1988, que estabeleceu como instrumentos de planejamento
governamental

a) Lei do Plano Plurianual, Lei de Organizações Orçamentárias e Lei do


Orçamento Plurianual.

b) Lei do Plano Anual, Lei de Diretrizes Orçamentárias e Lei do Orçamento


Anual.

c) Lei do Plano Plurianual, Lei do Orçamento Plurianual e Lei de Organizações


Orçamentárias.

d) Lei de Diretrizes Orçamentárias, Lei do Orçamento Plurianual e Lei do Plano


Anual.

e) Lei do Plano Plurianual, Lei de Diretrizes Orçamentárias e Lei do Orçamento


Anual.

Os instrumentos de planejamento são as leis do Plano Plurianual,


Diretrizes Orçamentárias e Orçamento Anual.

Gabarito: E

Q3 (CESPE – 2015 – STJ) O orçamento, instrumento de planejamento de


qualquer entidade pública, é utilizado para demonstrar o fluxo fixado de receitas
e despesas.

O orçamento é um instrumento de planejamento de qualquer entidade


pública, e ESTIMA A RECEITA e FIXA A DESPESA. Essa é uma pegadinha
clássica. Os termos são bastante lógicos, uma vez que não é possível se
fixar exatamente o montante que irá se arrecadar, e são cobrados nas
provas de forma literal.

Gabarito: ERRADO

Q4 (CESPE – ANCINE – 2012) Consoante o princípio da periodicidade, o exercício


financeiro corresponde ao período de tempo ao qual se referem a previsão das
receitas e a fixação das despesas.

Como vimos, a Lei Orçamentária ANUAL corresponde ao exercício


financeiro e estima (prevê) as receitas e fixa as despesas. Trataremos
dos princípios em momento oportuno.

Gabarito: CERTO

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 7


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

Q5 (CESPE – MJ – 2013) Acerca dos princípios orçamentários, da técnica e da


classificação orçamentária, julgue os itens seguintes.

A técnica orçamentária adotada no setor público brasileiro é a do orçamento


clássico, com ênfase no objeto do gasto, por meio da fixação da despesa sem
vinculação ao planejamento.

Na próxima aula, trataremos dos tipos e técnicas de orçamento e a sua


evolução. Contudo, já sabemos que o orçamento, conforme vimos no
início da aula, é um plano de trabalho governamental, por meio da qual
é externalizada a política do governo. Logo, está vinculado ao
planejamento, por meio do Plano Plurianual e Diretrizes Orçamentárias.
Essa é uma das características dos conceitos modernos de orçamento
público.

Gabarito: ERRADO

Q6 (IF-TO – 2015 – Adaptada) A Lei Orçamentária Anual compreende o


orçamento fiscal, o orçamento de investimentos e o orçamento da seguridade
social.

É correto afirmar que a Lei Orçamentária Anual tratará, também, da fixação da


receita e estimativa da despesa.

Novamente a questão trouxe a inversão entre ESTIMATIVA da RECEITA


e FIXAÇÃO da DESPESA.

Gabarito: ERRADO

A Lei orçamentária anual ESTIMA A RECEITA e

FIXA A DESPESA para um período do ano.

Ela é o orçamento propriamente dito, em sentido estrito.

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 8


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

1.2. ASPECTOS DO ORÇAMENTO

Muito bem, futuro servidor! Agora que já abordamos os conceitos iniciais do


orçamento público, vamos aprofundar um pouco mais. De acordo com Giacomoni,
principal referência doutrinária das bancas, o orçamento público possui distintas
naturezas (ou aspectos), quais sejam:

Política →“Ao ver o orçamento como o resultado do processo de avaliação de


demandas e de escolha entre alternativas ressalta-se a sua natureza política”. É
a parte do orçamento que, como vimos, reflete o plano do governo, retrata a
característica do grupo partidário com maior poder. Por exemplo: se um partido
acredita mais em investimentos, mas outro, detentor da maioria do parlamento,
prefere uma alocação maior em benefícios sociais, o orçamento privilegiará a
característica de preferência deste último. Isso porque, como vimos, todos os
instrumentos de planejamento – PPA; LDO e LOA (orçamento propriamente dito)
são aprovados pelo Poder Legislativo.

Econômica →“se destacadas as questões fiscais – receitas, despesas, déficits e


dívidas – é a natureza econômica que aflora”. É o aspecto que reflete a
intervenção do Estado na economia, buscando racionalizar o gasto em busca
dos melhores resultados para a sociedade.

Administrativa →“Ver o orçamento como plano das realizações da


administração pública é chamar atenção para o seu importante papel como
instrumento de gestão, de administração”. Pessoal, se o orçamento está
diretamente ligado ao planejamento, ele é um importante aliado e instrumento
da administração na prestação de serviços à sociedade.

Jurídica →“Orçamento como a lei que estima a receita e autoriza tetos de


despesa”. Pessoal, esse aspecto tem detalhes muito importantes, nos
aprofundaremos nele no próximo tópico.

Financeiro →“Ao antecipar os fluxos de arrecadação (de receita) e de


pagamento (despesa), o orçamento é, portanto, um instrumento financeiro”.
Como o orçamento é aprovado, em regra, prevendo todas as receitas e fixando
todas as despesas, é possível avaliar a situação do fluxo monetário, isto é,
entrada de receitas e realização de despesas do governo. Isso evidencia a
execução do orçamento. Servidor, veremos isso em mais detalhes mais à
frente do curso, mas podemos adiantar que, ao ser aprovado mediante lei, o
orçamento gera um crédito, da mesma forma como funciona um cartão de

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 9


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

crédito com limite aprovado pelo banco. Na lei é definido um limite, e o órgão
começa a realizar despesas, ou seja, executar o orçamento. Dessa forma, o
dinheiro, cash, só entra em cena nesse momento. O importante de se saber
agora é que existe uma grande diferença entre orçamento (crédito aprovado,
limite de gasto) e execução (parte financeira, que envolve dinheiro).

Contábil →“Quando, por meio das contas, antecipa o resultado patrimonial e


global da gestão.” Galera, aqui há diversos termos técnicos de contabilidade, mas
o que o autor preceitua é que, assim como no aspecto financeiro, é possível se
fazer uma previsão (antecipar) do resultado no campo contábil também, trazendo
previsibilidade e servindo como instrumento de gestão, também, para o trato do
patrimônio público.

Essas são as diversas naturezas tratadas pelo autor. Podemos acrescentar, ainda,
o aspecto técnico, que representa o conjunto de regras técnicas e legais
exigidas nas distintas etapas do ciclo orçamentário.

Q7 (FGV – 2013 – CONDER) Assinale a afirmativa que indica o aspecto


orçamentário que se refere ao fluxo equilibrado entre a receita arrecadada
e a despesa executada.

a) Aspecto orçamentário fiscal.


b) Aspecto orçamentário tributário.
c) Aspecto orçamentário contábil.
d) Aspecto orçamentário financeiro.
e) Aspecto orçamentário de competência.

Questões de múltipla escolha às vezes podem conter mais de uma


resposta correta, ou nenhuma, e muitas vezes temos que escolher a
“menos pior” ou “mais certa”. No caso, o termo fiscal poderia estar de
fato relacionado ao fluxo equilibrado entre receita e despesa. Porém,
além de não ser citado diretamente na doutrina como um aspecto, caso
fosse abordado no contexto econômico faltaria a característica de
intervenção econômica.

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 10


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

Gabarito: D

Q8 (UFRJ 2010) O aspecto econômico do orçamento constitui a apresentação das


características do plano de governo ou programação de ação definido pelo partido
que detém o poder.

Esse é o aspecto político do orçamento.

Gabarito: ERRADO

Q9 (FGV – 2013 – INEA-RJ) O orçamento é um instrumento utilizado para


previsão de receitas e despesas. Na prática, sem a previsão orçamentária de
receitas não há a possibilidade de realização de despesas.

Dadas as suas características, o orçamento é:

a) um elemento jurídico, político e econômico.


b) um elemento fiscal, contábil e econômico.
c) um elemento fiscal, político e financeiro.
d) um elemento fiscal, contábil e financeiro.
e) um elemento jurídico, fiscal e financeiro.

Galera, mesmo ponto da outra questão: fiscal. Essa, inclusive,


poderíamos acertar mesmo que não soubéssemos a resposta através de
uma técnica simples, basta ver que o elemento “fiscal” só não consta em
uma resposta. Meio óbvio, não?
Gabarito: A

1.3. NATUREZA JURÍDICA DO ORÇAMENTO

Antes de retomarmos o conceito, precisamos saber a diferença das leis em


sentido formal e material.

Quando tratamos dos aspectos formais de uma lei, não importa o conteúdo
que a integra. Interessa-nos saber, portanto, se a lei seguiu o trâmite
constitucional de aprovação das leis, se foi aprovada pelo órgão que detém a
competência legislativa (no caso da União, o Congresso Nacional), pelo

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 11


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

quórum necessário, entre outros. A nossa carta magna possui uma seção (VIII)
inteira, do artigo 59 ao 69, tratando do processo legislativo.

Contudo, quando tratamos do sentido material de uma lei, não


observamos os aspectos que a revestem, a forma como foi aprovada, o trâmite
e os requisitos a que a norma foi submetida. Nesse caso, o que nos interessa é o
seu conteúdo. Uma lei material é aquela que goza de abstração e
generalidade, isto é, possui aplicabilidade indistinta, não é destinada a uma
pessoa ou grupo específico. Um ato normativo pode ser materialmente legal ainda
que não seja emanado de órgão detentor da competência legislativa, ou seja,
externalizado mediante função atípica. O necessário é saber se o seu conteúdo
possui abstração e generalidade.

Por fim, podemos então dizer que a LOA é formalmente legal. Isto porque
é aprovada pelo Poder Legislativo sob a forma de lei ordinária e possui rito
especial (próprio) definido na CF/88, assim como os outros instrumentos de
planejamento (PPA e LDO). Veja alguns exemplos do texto constitucional que nos
remetem a essa conclusão:

Art. 165. Leis de iniciativa do Poder Executivo estabelecerão:

I - o plano plurianual;
II - as diretrizes orçamentárias;
III - os orçamentos anuais.
ADCT, art. 35, § 2º. Até a entrada em vigor da lei complementar (essa lei ainda não existe) a que
se refere o art. 165, § 9º, I e II, serão obedecidas as seguintes normas:

I - o projeto do plano plurianual, para vigência até o final do primeiro exercício financeiro do
mandato presidencial subseqüente, será encaminhado até quatro meses antes do encerramento do
primeiro exercício financeiro e devolvido para sanção até o encerramento da sessão legislativa;
II - o projeto de lei de diretrizes orçamentárias será encaminhado até oito meses e meio
antes do encerramento do exercício financeiro e devolvido para sanção até o encerramento do
primeiro período da sessão legislativa;
III - o projeto de lei orçamentária da União será encaminhado até quatro meses antes do
encerramento do exercício financeiro e devolvido para sanção até o encerramento da sessão
legislativa.

Com essa breve leitura, podemos ver que a CF prevê um rito próprio para
as leis orçamentárias, diferente das comuns. Entraremos nesses detalhes quando
formos estudar cada um dos instrumentos de planejamento em separado.

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 12


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

Importante ressaltar que as leis orçamentárias, leis de efeitos concretos


(pois não possuem abstração e generalidade), podem ser objeto de Ação
Direta de Constitucionalidade (ADI) perante o STF. Isso ocorre apenas em
virtude da sua forma (aprovação pelo Legislativo e sanção pelo executivo) de lei
em sentido estrito.

Contudo, embora haja divergências doutrinárias, o orçamento não é


materialmente legal. Entende-se que ele é apenas um pré-requisito para a
realização das despesas, não cria direitos subjetivos, tão pouco tributos ou
obrigações. A lei orçamentária estima a receita e fixa a despesa. É uma
autorização para o dispêndio governamental. Mas o que significa tudo isso na
prática? Vamos analisar novamente a definição da natureza jurídica de
Giacomoni:

Natureza Jurídica →“Orçamento como a lei que estima a receita e autoriza tetos
de despesa”.

Primeiramente, o termo “lei” nos remete ao fato de que o orçamento é uma


lei propriamente dita, ou seja, é formalmente legal. Em segundo lugar, ele
“autoriza tetos de despesa”, mas não obriga a realização da despesa. A
palavra autorizar não é utilizada à toa. No que tange a sua execução, o orçamento
pode ser classificado de duas formas:

Autorizativo

• Sua execução não é obrigatória. Isso significa que o


governo pode avaliar, segundo critérios de
oportunidade e conveniência, se realiza ou não a
despesa. Ou seja, sua execução é discricionária.

Impositivo

• Ao contrário do primeiro, nesse tipo, quando a despesa


é consignada no orçamento, sua execução é
obrigatória.

Orçamento brasileiro é considerado autorizativo. Dessa forma, o


governo pode ponderar se realiza ou não o gasto, que deve estar autorizado até
determinado limite (valor) na lei, por isso o termo “teto” utilizado pelo autor. É

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 13


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

por isso que o orçamento, no Brasil, não é considerado materialmente legal, uma
vez que não gera direitos, isto é, o fato de uma despesa estar autorizada na LOA
não garante que ela será executada. Se há uma previsão (uma consignação) na
lei para a construção de pontes, por exemplo, o governo não estará obrigado a
construí-las, podendo avaliar se é oportuna e conveniente para o país a execução
dessa despesa.

Porém, muito embora essa seja atribuição que a doutrina dá ao nosso caso,
há despesas que são obrigatórias, as quais o governo não decide se as
executa ou não, como por exemplo: salário dos servidores, emendas
parlamentares obrigatórias, previdência pública, entre outros. Então é necessário
ter muita atenção neste ponto. Verifique sempre se a questão apenas aborda a
regra ou suas exceções.

Embora seja autorizativo, o nosso orçamento possui despesas


obrigatórias, tais como: salário dos servidores, previdência,
emendas parlamentares impositivas*

Estudaremos essas emendas em nível detalhado em aula


específica, mas, em síntese, elas decorrem da Emenda
Constitucional nº 86/2015, que define um percentual para que
deputados e senadores proponham emendas ao orçamento
que, uma vez aprovadas na lei, serão de execução obrigatória.
Essa é a famosa PEC do orçamento impositivo. Que, apesar do
nome, NÃO TORNOU O ORÇAMENTO BRASILEIRO
IMPOSITIVO.

Q10 (CESPE – 2012 – TJ-RR) O orçamento público fixado na Lei Orçamentária


Anual não determina os gastos de modo impositivo ou obrigatório.

Já vimos que o nosso orçamento, via de regra, é autorizativo.

Gabarito: CERTO

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 14


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

Q11 (CESPE – 2012 – ANAC) A LOA, que tem caráter impositivo, é composta
pelos orçamentos fiscal, de investimentos e da seguridade social.

Pessoal, apesar de não termos visto ainda a composição da LOA (os


orçamentos citados na questão), já podemos matar a questão. Nosso
orçamento é autorizativo!

Gabarito: ERRADO

Q12 (CESPE – 2015 – Procurador do Município de Salvador – adaptada) A CF


estabelece que a LOA possua caráter meramente autorizativo, ou seja, inexiste
a obrigatoriedade de o Poder Executivo exaurir a verba orçamentária prevista nas
diferentes dotações. Dessa forma, a CF não acolheu em seus dispositivos a
hipótese de orçamento impositivo.

Servidor, veja bem: o primeiro trecho da questão está perfeito, mas,


como vimos, a previsão do “orçamento impositivo” está prevista na CF,
logo ela acolhe essa hipótese, veja só o que diz o art. 166:

§ 9º As emendas individuais ao projeto de lei orçamentária serão aprovadas no limite de


1,2% (um inteiro e dois décimos por cento) da receita corrente líquida prevista no projeto
encaminhado pelo Poder Executivo, sendo que a metade deste percentual será destinada a ações
e serviços públicos de saúde. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 86, de 2015)

§ 11. É obrigatória a execução orçamentária e financeira das programações a que se


refere o § 9º deste artigo, em montante correspondente a 1,2% (um inteiro e dois décimos por
cento) da receita corrente líquida realizada no exercício anterior, conforme os critérios para a
execução equitativa da programação definidos na lei complementar prevista no § 9º do art.
165. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 86, de 2015)

Não se preocupe com os detalhes. Sei que é confusa a leitura, o intuito é


apenas mostrar que essa despesa obrigatória (orçamento impositivo)
está prevista na CF e se refere a uma pequena parte do orçamento, o que
mantém a natureza autorizativa.

Gabarito: ERRADO

Q13 (CESPE – 2015 – MPOG) Acerca das normas e dos procedimentos relativos
ao orçamento público no Brasil, julgue o item seguinte.

A autorização orçamentária para despesas discricionárias está condicionada ao


atendimento prioritário das despesas obrigatórias, nos termos de disposições
constitucionais e legais. Entre as despesas discricionárias, consideram-se

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 15


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

prioritárias as destinadas a projetos, em detrimento das atividades e operações


especiais.

Pessoal, questão boa! É claro que haverá prioridade no atendimento das


despesas obrigatórias, uma vez que não podem deixar de serem
cumpridas, com exceção das emendas parlamentares individuais em
alguns casos, previstos na própria constituição, que veremos em aula
específica. Contudo, não há prioridade de execução para as despesas
discricionárias, uma vez que são executadas segundo a oportunidade e
conveniência do governo, fator que caracteriza o orçamento autorizativo.

Gabarito: ERRADO

O renomado autor Baleeiro classifica as despesas contidas na LOA como fixas ou


variáveis, sendo aquelas referentes às obrigatórias e estas às discricionárias,
conforme as características que já vimos.

Pessoal, chamo a atenção que, com relação à obrigatoriedade de execução


do orçamento (autorizativo ou impositivo) há uma grande divergência
doutrinária no contexto mundial. Além disso, a emenda constitucional que
convencionamos chamar de orçamento impositivo (que não tornou todo o
orçamento obrigatório) é bastante recente e pode culminar em novas posições
futuras com relação à natureza do nosso orçamento. Contudo, a provável maior
referência brasileira no tema, James Giacomoni, em sua mais nova obra (2017),
faz críticas à supracitada emenda. O ator apresenta diversas posições
doutrinárias que majoritariamente atribuem ao Poder Legislativo a competência
para autorizar a realização de gastos pelo Executivo, caracterizando o
orçamento público como uma lei meramente formal, mas com conteúdo de ato
(não cria direitos) administrativo. Ou seja, a doutrina mundial tem entendido que
não cabe ao Poder Legislativo fazer imposições em matéria orçamentária,
devendo apenas aprovar o planejamento do executivo e fiscalizar sua execução,
mantendo-se, dessa forma, a função típica de ambos os poderes.

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 16


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

A natureza jurídica do orçamento está diretamente ligada à obrigatoriedade de


execução deste. Se tivéssemos um orçamento impositivo (completamente),
teríamos uma lei tanto em sentido formal quanto material, uma vez que a
obrigatoriedade de execução cria o direito de exigir a realização da despesa.

Por fim, cabe dizer que o orçamento brasileiro é misto porque tanto Poder
Executivo quanto Legislativo participam do seu ciclo. Em síntese, aquele elabora
e executa o orçamento, enquanto este aprova e fiscaliza-o. Veja:

Q14 (CESPE – 2013 – TCE-RO) No Brasil, adota-se o orçamento misto, visto que
sua elaboração é competência do Poder Executivo, e sua votação e controle são
competências do Poder Legislativo.

Gabarito: CERTO

Q15 (CESPE – 2014 – TCDF) Denomina-se orçamento misto o orçamento público


elaborado pelo Poder Executivo e que preveja que parte dos recursos seja
executada por empresas do setor privado.

Galera, mais fácil que roubar doce de criança, né?

Gabarito: ERRADO

Q16 (COSEAC – 2017 – UFF) O orçamento público se caracteriza pela


multiplicidade de aspectos: político, jurídico, contábil, econômico, financeiro,
administrativo, etc. O seu conceito tem sido alterado ao longo do tempo, em
decorrência das modificações de sua função, além de sua forma de elaboração,
e tem relação com o regime de governo. Atualmente, o Brasil adota o
orçamento do tipo:

A) executivo.
B) misto.
C) legislativo.
D) padronizado.
E) institucional.
O orçamento executivo seria aquele em que apenas esse poder é
responsável por todas as suas etapas, já o legislativo possuiria a mesma
sistemática, porém ele seria o detentor de tal competência.

Gabarito: B

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 17


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

1.4. ORÇAMENTO NAS CONSTIUIÇÕES BRASILEIRAS

Agora que já vimos muitas características do orçamento, vejamos,


sinteticamente, como eles foram moldados nas constituições pretéritas:

CONSITUIÇÃO CARACTERÍSTICAS ELABORAÇÃO APROVAÇÃO


Imperial Somente a lei poderia autorizar o EXECUTIVO LEGISLATIVO
gasto e tal lei deveria ser votada (ASSEMBLÉIA-GERAL)
pelo parlamento

1824 Em 1827 foi aprovada a


primeira lei orçamentária, mas
sua aplicação fracassou em
virtude de diversas dificuldades.
Em 1830 foi publicado o
primeiro orçamento brasileiro,
que fixava a despesa e estimava
a receita.
* Apesar da competência da LEGISLATIVO LEGISLATIVO
Republicana Câmara, a proposta partia
informalmente do ministro da * Iniciativa da
fazenda, que orientava a Câmara dos
1891 comissão parlamentar de Deputados
finanças na elaboração.
* Criação constitucional do TCU
* Pós revolução de 1930, EXECUTIVO LEGISLATIVO
Outorgada expectativa de mudanças.
Resultado: concentração dos Presidente da
serviços a nível federal. República
1934
*O Legislativo encarregava-se do
julgamento das contas do
Presidente, com auxílio do TCU.
* Proposta elaborada pelo DASP EXECUTIVO CÂMARA DOS
Estado Novo – Departamento Administrativo DEPUTADOS
do Serviço Público (Muito importante E
na matéria Administração Pública). CONSELHO FEDERAL
1937 (espécie de senado
Argumenta-se que, na verdade, o com membros
Conselho Federal nunca foi indicados pelo
instalado e o orçamento sempre executivo)
foi elaborado e decretado pelo
Executivo.
A constituição passou a EXECUTIVO LEGISLATIVO
Redemocratização prever princípios básicos:

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 18


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

unidade, universalidade, *com possibilidade


exclusividade e especificação, de emendas, que
1946 além de evidenciar de forma acabaram saindo do
clara o papel do Tribunal de controle.
Contas. (ainda estudaremos os
princípios)
Retirou as prerrogativas do EXECUTIVO LEGISLATIVO
Regime Militar Legislativo quanto à iniciativa de
leis ou emendas que criem ou
aumentem despesas, inclusive
1967 emendas ao projeto de lei do
orçamento. Dessa forma, o
legislativo passou a ser um mero
homologador do orçamento.

Q16 (CESPE – 2015 – TCU) Com referência aos aspectos doutrinários e históricos
da administração financeira e orçamentária, julgue o item a seguir.

Considerando a evolução conceitual da terminologia usada em referência ao


orçamento, o Brasil utilizou o orçamento legislativo, o executivo e o misto ao
longo de sua história.

Pessoal, como vimos, experimentamos os três tipos de orçamento ao


longo da nossa história, com atenção especial ao executivo, decorrente
da Constituição do Estado Novo, que ocorreu efetivamente na prática, a
despeito de sua estrutura prever a participação do legislativo.

Gabarito: CERTO

Q17 (CESPE – 2008 – MTE) Sabendo que, de acordo com a forma como o
orçamento é elaborado e aprovado, há três tipos de orçamento — o legislativo,
elaborado e aprovado apenas pelo Poder Legislativo; o executivo, em que a
exclusividade da elaboração e aprovação é do Poder Executivo; e o misto, em
que os dois poderes participam do processo orçamentário —, é correto afirmar
que o Brasil já experimentou os três tipos de orçamento.

Mesma coisa da outra questão.

Gabarito: CERTO

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 19


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

2. ATIVIDADE FINANCEIRA DO ESTADO

A Atividade Financeira do Estado (AFE) é aquela por meio da qual o


estado arrecada, gerencia e aplica os recursos públicos com o objetivo de
atender às necessidades públicas e de prover os serviços tipicamente
estatais. De acordo com Baleeiro, ela consiste em obter, criar, gerir e despender
o dinheiro indispensável às necessidades, cuja satisfação o Estado assumiu ou
cometeu àqueloutras pessoas de direito público. Quando falamos em “recursos”,
associamos o termo diretamente a dinheiro. Logo, a AFE não se relaciona à
captação de outros objetos que não sejam o recurso propriamente dito, a
exemplo de bens e serviços.

Essa atribuição é disciplinada pelo direito financeiro, um dos ramos do


direito público. Antes de entendermos as razões pelas quais o Estado a realiza,
vejamos os dois períodos distintos em que a AFE é estudada.

A economia era regida pelo liberalismo


econômico, cujo principal expoente, Adam
Smith, acreditava na auto-regulação do
mercado. É a teoria da “mão invisível”.

O Estado arrecadava e aplicava recursos


PERÍODO CLÁSSICO apenas para a sua manutenção, que
englobava somente serviços que não
pudessem ser exercidos pela iniciativa
privada, como segurança pública, justiça e etc.
Expostas as distorções econômicas e sociais
geradas pela auto-regulação dos mercados, o
Estado passou, a partir do início do século XIX,
a intervir na economia em busca do
tratamento daquelas distorções. A tributação
PERÍODO MODERNO deixa de cumprir o papel apenas fiscal
(arrecadação de recurso para aplicação) e
passa a ter atribuição extrafiscal,
caracterizada pela interferência do domínio
econômico.
Essa mudança é corolária da escola
keynesiana (de Maynard Keynes), que veio a
contrapor as propsições e Adam Smith.

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 20


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

Portanto, pessoal, o Estado, no contexto atual, arrecada receitas e as aplica


em busca da interferência no domínio econômico para a consecução dos serviços
públicos e atendimento das necessidades sociais. Portanto, tem como objetivo
o atendimento do interesse público. Vejamos então todas as características da
AFE.

2.1. CARACTERÍSTICAS

A Atividade Financeira do Estado é um instrumento pelo qual o Estado arrecada e


aplica recursos em busca do atendimento ao interesse público. Tem por natureza a
INSTRUMENTALIDADE gestão direta do recurso, mas isso, por si só, sem um objetivo claramente definido,
não tem qualquer utilidade. Por isso diz-se que a moeda não é um fim em si
mesma, ressaltando a instrumentalidade da AFE.

A AFE pode ter duas naturezas, quais sejam:

NATUREZA FISCAL quando trata-se apenas da arrecadação de receita e realização de


despesa; e

EXTRAFISCAL É evidenciada quando o objetivo for a intervenção no domínio


econômico, produzindo um resultado além (extra) da simples arrecadação de receita
e realização de despesa, como por exemplo o fomento à economia, distribuição de
renda, regulação do mercado e etc.

A Atividade Financeira do Estado somente se realiza com a presença de uma pessoa


PESSOA JURÍDICA DE jurídica de direito público. Dessa forma, não há que se falar em AFE apenas entre
DIREITO PÚBLICO particulares. Logo, o Estado sempre figurará em pelo menos um dos polos, podendo
ela ocorrer apenas entre órgãos públicos ou entre estes e particulares.

A Atividade Financeira do Estado está diretamente associada à captação de dinheiro.


CONTEÚDO MONETÁRIO
Nada além disso engloba o seu escopo.

2.2. FINALIDADES

Levando em consideração o caráter instrumental do orçamento, é


necessário ter atenção às finalidades da AFE, quais sejam a obtenção de
receita, criação de crédito, gestão de recursos e o dispêndio deles, e o

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 21


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

seu objetivo, que é o atendimento do interesse público: prestação de


serviços públicos e tipicamente estatais. Isto é, permite o desempenho das
finalidades precípuas do Estado, como: atividades políticas, sociais,
econômicas e administrativas.
A criação de crédito público que citamos acima refere-se à assunção de
empréstimos pelo Estado com vistas à obtenção de receita, tendo como
contrapartida o incremento do endividamento público.
Aproveito para lembrar que estamos tratando de um assunto bastante
conceitual, o que pode culminar em uma cobrança nas provas de forma um pouco
subjtetiva, o que requer atenção especial.

Q18 (CESPE – FUB - 2013) A atividade financeira do Estado, em sua maior parte,
compreende o desenvolvimento das atividades políticas, sociais, econômicas e
administrativas, que constituem sua finalidade precípua.

Veja que a questão tratou o desempenho de funções do Estado como a


finalidade precípua da AFE, por isso são temas bastante relacionados.
Além disso, essa questão nega, de certa forma, o caráter instrumental
dela, uma vez que deveria server apenas de instrumento (forma) pelo
qual o Estado desempenha suas funções. Mas o que importa é que temos
que acertar as questões. Então (isso vale para todas as matérias) é
preciso saber que as bancas têm posições diferentes e, além disso, é
sempre necessário entender “o que o examinador quer”, isto é, qual o
ponto central da cobrança. Veja o comando da próxima questão.
Gabarito: CERTO

Q19 (FUNRIO – 2009 - MJ) A atividade financeira do Estado diz respeito ao


desempenho de funções que constituem sua finalidade precípua, como atividades
políticas, sociais, econômicas e administrativas. O ingresso definitivo de recursos

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 22


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

ao patrimônio público, sem qualquer compromisso ou obrigatoriedade,


aumentando as disponibilidades do tesouro, denomina-se.
A) Despesa Pública.
B) Orçamento Público.
C) Receita Pública.
D) Crédito Público.
E) Plano de Contas Públicas

Pessoal, como vimos, o crédito público gera o incremento da dívida


pública em contrapartida. Portanto, a resposta só pode ser uma, né?
Gabarito: C

Q20 (FCC – 2009 – TCE-GO) A atividade financeira do Estado


a) consiste na instituição e na arrecadação de tributos, bem assim na
fiscalização sobre a arrecadação.
b) tem como característica a instrumentalidade, porque arrecadação não é a
finalidade do Estado, mas o meio para atingir seus objetivos.
c) exige a presença de pessoa jurídica de direito público ou privado
concessionário de serviço público.
d) compreende unicamente a atividade de elaborar o orçamento público.
e) não tem conteúdo econômico.

A AFE não está relacionada à instuição de tributos, uma vez que essa
atividade situa-se no âmbito do direito tributário. Como vimos, é sempre
necessária a presença de uma pessoa jurídica de direito público e tem
conteúdo apenas monetário.
Gabarito: B

Q21 (FCC – 2012 – TCE-AP) A atividade financeira do Estado compreende


a) apenas a obtenção de receitas originárias.
b) apenas a obtenção de receitas, tanto originárias como derivadas.
c) a obtenção de receitas e a realização de despesas.

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 23


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

d) a prestação de serviços públicos e a realização de obras públicas.


e) apenas a geração das despesas.

Letra A, B e E incorretas em razão da palavra apenas. Merce atenção a


letra D, em confronto com as questões 18 e 19, em que já abordamos a
questão da instrumentalidade.
Gabarito: C

Q22 (2011 – Prefeitura RJ – TCM-RJ) Quanto à atividade financeira do Estado,


entende-se que:
a) relaciona-se com a obtenção de recursos e a realização de gastos pela
Fazenda Pública, sendo neutra quanto a princípios jurídicos e valores ligados aos
direitos fundamentais
b) é o conjunto de competências relacionadas à fiscalidade, não envolvendo
atribuições ligadas à extrafiscalidade
c) engloba as administrações tributárias da União, dos Estados, do Distrito
Federal e dos Municípios, sendo vedado o compartilhamento de cadastros e de
informações fiscais
d) diz respeito às normas relacionadas ao orçamento público
e) é uma atividade puramente instrumental, sem um fim em si mesma

A AFE não é neutra a princípios jurídicos e valores ligados a direitos


fundamentais, uma vez que eles direcionam o Estado na consecução do
interesse público. Como vimos, existe uma grande distinção entre
orçamento (planejamento) e sua execução, que é onde entra de fato a
parte financeira, na qual se situa a atividade que tratamos agora.
Gabarito: E

Q23 (FEPESE – 2014 – MPE-SC) Assinale a alternativa que apresenta o conceito


de Atividade Financeira do Estado.
a) Conjunto de atos voltados para satisfazer as necessidades públicas.
b) Conjunto de atos voltados para a prestação de serviços públicos demanda
recursos.
c) Conjunto de atos que o Estado pratica no exercício de sua soberania.

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 24


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

d) Conjunto de atos que o Estado pratica na obtenção, na gestão e na aplicação


dos recursos financeiros de que necessita para atingir seus fins.
e) Conjunto de atos voltados para identificar as necessidades públicas, carência
que tem um interesse geral em determinado grupo social e é satisfeita pelo
processo de serviço público.

Já vimos que em questões de múltipla escolha temos que optar pela mais
correta, embora seja discutível se outras também podem ser. Sabendo
disso, fica fácil responder, uma vez que apeas uma das alternativas está
completa, da forma como estudamos.
Gabarito: D

Q24 (AOCP – 2012 – TCE-PA) Preencha a lacuna e assinale a alternativa correta.


O direito _______________ tem por objeto a disciplina jurídica de toda a
atividade financeira do Estado e abrange receitas, despesas e créditos públicos.
a) Tributário
b) Fiscal
c) Financeiro
d) Público
e) Orçamentário

Questão bem simples, só para reforçar.


Gabarito: C

Q25 (CESPE – MPU - 2015) No que diz respeito aos sistemas e processos
orçamentários e à evolução do planejamento no Brasil, julgue o item seguinte.

A atividade financeira do Estado, caracterizada pela presença constante de uma


pessoa jurídica de direito público, tem como principal finalidade a arrecadação de
recursos.

Pessoal, como vimos, a arrecadação de recursos é, de fato, uma das


finalidades da AFE. Entretanto, não é a finalidade precípua, que consiste

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 25


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

no atendimento do interesse público mediante a prestação de serviços.


Viu como temos que ter cuidado?
Gabarito: ERRADO
Q26 (CESPE – 2015 – TCU - ADAPTADA) A atividade financeira do Estado é
caracteristicamente instrumental, pois destina-se à obtenção dos recursos
necessários à satisfação das necessidades públicas e, por isso, envolve a
arrecadação, a gestão e a aplicação desses recursos.

Pessoal, questão bastante conceitual da AFE.


Gabarito: CERTO

Não deixem de fazer as questões comentadas! Há outras adicionais na lista


abaixo.

3. QUESTÕES COMENTADAS

Q1 (FCC – 2011 – TER-AP) São instrumentos de planejamento do setor público,


previstos na Constituição Federal e elaborados por leis de iniciativa:

A) do Poder Executivo: o plano plurianual, as diretrizes orçamentárias e os


orçamentos anuais.

B) da Administração Direta e da Indireta: o plano plurianual, as diretrizes


orçamentárias e os orçamentos fiscal, da seguridade social e das empresas
estatais.

C) do Poder Executivo: o plano plurianual, as diretrizes orçamentárias e os


relatórios Resumidos da Execução Orçamentária e Gestão Fiscal.

D) do Poder Executivo e Legislativo: os planos, orçamentos e as diretrizes


orçamentárias e os relatórios Resumidos da Execução Orçamentária e Gestão
Fiscal.

E) de qualquer um dos Poderes: o plano plurianual, as diretrizes orçamentárias


e os orçamentos anuais.

Como já vimos, os instrumentos de planejamento do governo são: plano


plurianual, diretrizes orçamentárias e orçamentos anuais. Note que a

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 26


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

questão não os tratou como leis, mas todos eles são efetivamente e
formalmente LEIS! Veja bem, esses instrumentos são comumente
chamados da forma como a questão apresenta, não é necessário que
sempre sejam referidos como leis.

Gabarito: A

Q2 (FCC – 2010 – MPA) O processo orçamentário encontra-se definido na


Constituição de 1988, que estabeleceu como instrumentos de planejamento
governamental

a) Lei do Plano Plurianual, Lei de Organizações Orçamentárias e Lei do Orçamento


Plurianual.

b) Lei do Plano Anual, Lei de Diretrizes Orçamentárias e Lei do Orçamento Anual.

c) Lei do Plano Plurianual, Lei do Orçamento Plurianual e Lei de Organizações


Orçamentárias.

d) Lei de Diretrizes Orçamentárias, Lei do Orçamento Plurianual e Lei do Plano


Anual.

e) Lei do Plano Plurianual, Lei de Diretrizes Orçamentárias e Lei do Orçamento


Anual.

Os instrumentos de planejamento são as leis do Plano Plurianual,


Diretrizes Orçamentárias e Orçamento Anual.

Gabarito: E

Q3 (CESPE – 2015 – STJ) O orçamento, instrumento de planejamento de


qualquer entidade pública, é utilizado para demonstrar o fluxo fixado de receitas
e despesas.

O orçamento é um instrumento de planejamento de qualquer entidade


pública, e ESTIMA A RECEITA e FIXA A DESPESA. Essa é uma pegadinha
clássica. Os termos são bastante lógicos, uma vez que não é possível se
fixar exatamente o montante que irá se arrecadar, e são cobrados nas
provas de forma literal.

Gabarito: ERRADO

Q4 (CESPE – ANCINE – 2012) Consoante o princípio da periodicidade, o exercício


financeiro corresponde ao período de tempo ao qual se referem a previsão das
receitas e a fixação das despesas.

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 27


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

Como vimos, a Lei Orçamentária ANUAL corresponde ao exercício


financeiro e estima (prevê) as receitas e fixa as despesas. Trataremos
dos princípios em momento oportuno.

Gabarito: CERTO

Q5 (CESPE – MJ – 2013) Acerca dos princípios orçamentários, da técnica e da


classificação orçamentária, julgue os itens seguintes.

A técnica orçamentária adotada no setor público brasileiro é a do orçamento


clássico, com ênfase no objeto do gasto, por meio da fixação da despesa sem
vinculação ao planejamento.

Na próxima aula, trataremos dos tipos e técnicas de orçamento e a sua


evolução. Contudo, já sabemos que o orçamento, conforme vimos no
início da aula, é um plano de trabalho governamental, por meio da qual
é externalizada a política do governo. Logo, está vinculado ao
planejamento, por meio do Plano Plurianual e Diretrizes Orçamentárias.
Essa é uma das características dos conceitos modernos de orçamento
público.

Gabarito: ERRADO

Q6 (IF-TO – 2015 – Adaptada) A Lei Orçamentária Anual compreende o


orçamento fiscal, o orçamento de investimentos e o orçamento da seguridade
social.

É correto afirmar que a Lei Orçamentária Anual tratará, também, da fixação da


receita e estimativa da despesa.

Novamente a questão trouxe a inversão entre ESTIMATIVA da RECEITA


e FIXAÇÃO da DESPESA.

Gabarito: ERRADO

Q7 (FGV – 2013 – CONDER) Assinale a afirmativa que indica o aspecto


orçamentário que se refere ao fluxo equilibrado entre a receita arrecadada
e a despesa executada.

a) Aspecto orçamentário fiscal.


b) Aspecto orçamentário tributário.

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 28


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

c) Aspecto orçamentário contábil.


d) Aspecto orçamentário financeiro.
e) Aspecto orçamentário de competência.

Questões de múltipla escolha às vezes podem conter mais de uma


resposta correta, ou nenhuma, e muitas vezes temos que escolher a
“menos pior” ou “mais certa”. No caso, o termo fiscal poderia estar de
fato relacionado ao fluxo equilibrado entre receita e despesa. Porém,
além de não ser citado diretamente na doutrina como um aspecto, caso
fosse abordado no contexto econômico faltaria a característica de
intervenção econômica.

Gabarito: D

Q8 (UFRJ 2010) O aspecto econômico do orçamento constitui a apresentação das


características do plano de governo ou programação de ação definido pelo partido
que detém o poder.

Esse é o aspecto político do orçamento.

Gabarito: ERRADO

Q9 (FGV – 2013 – INEA-RJ) O orçamento é um instrumento utilizado para


previsão de receitas e despesas. Na prática, sem a previsão orçamentária de
receitas não há a possibilidade de realização de despesas.

Dadas as suas características, o orçamento é:

a) um elemento jurídico, político e econômico.


b) um elemento fiscal, contábil e econômico.
c) um elemento fiscal, político e financeiro.
d) um elemento fiscal, contábil e financeiro.
e) um elemento jurídico, fiscal e financeiro.

Galera, mesmo ponto da outra questão: fiscal. Essa, inclusive,


poderíamos acertar mesmo que não soubéssemos a resposta através de
uma técnica simples, basta ver que o elemento “fiscal” só não consta em
uma resposta. Meio óbvio, não?
Gabarito: A

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 29


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

Q10 (CESPE – 2012 – TJ-RR) O orçamento público fixado na Lei Orçamentária


Anual não determina os gastos de modo impositivo ou obrigatório.

Já vimos que o nosso orçamento, via de regra, é autorizativo.

Gabarito: CERTO

Q11 (CESPE – 2012 – ANAC) A LOA, que tem caráter impositivo, é composta
pelos orçamentos fiscal, de investimentos e da seguridade social.

Pessoal, apesar de não termos visto ainda a composição da LOA (os


orçamentos citados na questão), já podemos matar a questão. Nosso
orçamento é autorizativo!

Gabarito: ERRADO

Q12 (CESPE – 2015 – Procurador do Município de Salvador – adaptada) A CF


estabelece que a LOA possua caráter meramente autorizativo, ou seja, inexiste
a obrigatoriedade de o Poder Executivo exaurir a verba orçamentária prevista nas
diferentes dotações. Dessa forma, a CF não acolheu em seus dispositivos a
hipótese de orçamento impositivo.

Servidor, veja bem: o primeiro trecho da questão está perfeito, mas,


como vimos, a previsão do “orçamento impositivo” está prevista na CF,
logo ela acolhe essa hipótese, veja só o que diz o art. 166:

§ 9º As emendas individuais ao projeto de lei orçamentária serão aprovadas no limite de


1,2% (um inteiro e dois décimos por cento) da receita corrente líquida prevista no projeto
encaminhado pelo Poder Executivo, sendo que a metade deste percentual será destinada a ações
e serviços públicos de saúde. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 86, de 2015)

§ 11. É obrigatória a execução orçamentária e financeira das programações a que se


refere o § 9º deste artigo, em montante correspondente a 1,2% (um inteiro e dois décimos por
cento) da receita corrente líquida realizada no exercício anterior, conforme os critérios para a
execução equitativa da programação definidos na lei complementar prevista no § 9º do art.
165. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 86, de 2015)

Não se preocupe com os detalhes. Sei que é confusa a leitura, o intuito é


apenas mostrar que essa despesa obrigatória (orçamento impositivo)
está prevista na CF e se refere a uma pequena parte do orçamento, o que
mantém a natureza autorizativa.

Gabarito: ERRADO

Q13 (CESPE – 2015 – MPOG) Acerca das normas e dos procedimentos relativos
ao orçamento público no Brasil, julgue o item seguinte.

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 30


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

A autorização orçamentária para despesas discricionárias está condicionada ao


atendimento prioritário das despesas obrigatórias, nos termos de disposições
constitucionais e legais. Entre as despesas discricionárias, consideram-se
prioritárias as destinadas a projetos, em detrimento das atividades e operações
especiais.

Pessoal, questão boa! É claro que haverá prioridade no atendimento das


despesas obrigatórias, uma vez que não podem deixar de serem
cumpridas, com exceção das emendas parlamentares individuais em
alguns casos, previstos na própria constituição, que veremos em aula
específica. Contudo, não há prioridade de execução para as despesas
discricionárias, uma vez que são executadas segundo a oportunidade e
conveniência do governo, fator que caracteriza o orçamento autorizativo.

Gabarito: ERRADO

Q14 (CESPE – 2013 – TCE-RO) No Brasil, adota-se o orçamento misto, visto que
sua elaboração é competência do Poder Executivo, e sua votação e controle são
competências do Poder Legislativo.

Gabarito: CERTO

Q15 (CESPE – 2014 – TCDF) Denomina-se orçamento misto o orçamento público


elaborado pelo Poder Executivo e que preveja que parte dos recursos seja
executada por empresas do setor privado.

Galera, mais fácil que roubar doce de criança, né?

Gabarito: ERRADO

Q16 (COSEAC – 2017 – UFF) O orçamento público se caracteriza pela


multiplicidade de aspectos: político, jurídico, contábil, econômico, financeiro,
administrativo, etc. O seu conceito tem sido alterado ao longo do tempo, em
decorrência das modificações de sua função, além de sua forma de elaboração,
e tem relação com o regime de governo. Atualmente, o Brasil adota o
orçamento do tipo:

A) executivo.
B) misto.

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 31


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

C) legislativo.
D) padronizado.
E) institucional.
O orçamento executivo seria aquele em que apenas esse poder é
responsável por todas as suas etapas, já o legislativo possuiria a mesma
sistemática, porém ele seria o detentor de tal competência.

Gabarito: B

Q17 (CESPE – 2008 – MTE) Sabendo que, de acordo com a forma como o
orçamento é elaborado e aprovado, há três tipos de orçamento — o legislativo,
elaborado e aprovado apenas pelo Poder Legislativo; o executivo, em que a
exclusividade da elaboração e aprovação é do Poder Executivo; e o misto, em
que os dois poderes participam do processo orçamentário —, é correto afirmar
que o Brasil já experimentou os três tipos de orçamento.

Mesma coisa da outra questão.

Gabarito: CERTO

Q18 (CESPE – FUB - 2013) A atividade financeira do Estado, em sua maior parte,
compreende o desenvolvimento das atividades políticas, sociais, econômicas e
administrativas, que constituem sua finalidade precípua.

Veja que a questão tratou o desempenho de funções do Estado como a


finalidade precípua da AFE, por isso são temas bastante relacionados.
Além disso, essa questão nega, de certa forma, o caráter instrumental
dela, uma vez que deveria server apenas de instrumento (forma) pelo
qual o Estado desempenha suas funções. Mas o que importa é que temos
que acertar as questões. Então (isso vale para todas as matérias) é
preciso saber que as bancas têm posições diferentes e, além disso, é
sempre necessário entender “o que o examinador quer”, isto é, qual o
ponto central da cobrança. Veja o comando da próxima questão.
Gabarito: CERTO

Q19 (FUNRIO – 2009 - MJ) A atividade financeira do Estado diz respeito ao


desempenho de funções que constituem sua finalidade precípua, como atividades
políticas, sociais, econômicas e administrativas. O ingresso definitivo de recursos

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 32


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

ao patrimônio público, sem qualquer compromisso ou obrigatoriedade,


aumentando as disponibilidades do tesouro, denomina-se.
A) Despesa Pública.
B) Orçamento Público.
C) Receita Pública.
D) Crédito Público.
E) Plano de Contas Públicas

Pessoal, como vimos, o crédito público gera o incremento da dívida


pública em contrapartida. Portanto, a resposta só pode ser uma, né?
Gabarito: C

Q20 (FCC – 2009 – TCE-GO) A atividade financeira do Estado


a) consiste na instituição e na arrecadação de tributos, bem assim na
fiscalização sobre a arrecadação.
b) tem como característica a instrumentalidade, porque arrecadação não é a
finalidade do Estado, mas o meio para atingir seus objetivos.
c) exige a presença de pessoa jurídica de direito público ou privado
concessionário de serviço público.
d) compreende unicamente a atividade de elaborar o orçamento público.
e) não tem conteúdo econômico.

A AFE não está relacionada à instuição de tributos, uma vez que essa
atividade situa-se no âmbito do direito tributário. Como vimos, é sempre
necessária a presença de uma pessoa jurídica de direito público e tem
conteúdo apenas monetário.
Gabarito: B

Q21 (FCC – 2012 – TCE-AP) A atividade financeira do Estado compreende


a) apenas a obtenção de receitas originárias.
b) apenas a obtenção de receitas, tanto originárias como derivadas.
c) a obtenção de receitas e a realização de despesas.

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 33


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

d) a prestação de serviços públicos e a realização de obras públicas.


e) apenas a geração das despesas.

Letra A, B e E incorretas em razão da palavra apenas. Merce atenção a


letra D, em confronto com as questões 18 e 19, em que já abordamos a
questão da instrumentalidade.
Gabarito: C

Q22 (2011 – Prefeitura RJ – TCM-RJ) Quanto à atividade financeira do Estado,


entende-se que:
a) relaciona-se com a obtenção de recursos e a realização de gastos pela
Fazenda Pública, sendo neutra quanto a princípios jurídicos e valores ligados aos
direitos fundamentais
b) é o conjunto de competências relacionadas à fiscalidade, não envolvendo
atribuições ligadas à extrafiscalidade
c) engloba as administrações tributárias da União, dos Estados, do Distrito
Federal e dos Municípios, sendo vedado o compartilhamento de cadastros e de
informações fiscais
d) diz respeito às normas relacionadas ao orçamento público
e) é uma atividade puramente instrumental, sem um fim em si mesma

A AFE não é neutra a princípios jurídicos e valores ligados a direitos


fundamentais, uma vez que eles direcionam o Estado na consecução do
interesse público. Como vimos, existe uma grande distinção entre
orçamento (planejamento) e sua execução, que é onde entra de fato a
parte financeira, na qual se situa a atividade que tratamos agora.
Gabarito: E

Q23 (FEPESE – 2014 – MPE-SC) Assinale a alternativa que apresenta o conceito


de Atividade Financeira do Estado.
a) Conjunto de atos voltados para satisfazer as necessidades públicas.
b) Conjunto de atos voltados para a prestação de serviços públicos demanda
recursos.
c) Conjunto de atos que o Estado pratica no exercício de sua soberania.

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 34


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

d) Conjunto de atos que o Estado pratica na obtenção, na gestão e na aplicação


dos recursos financeiros de que necessita para atingir seus fins.
e) Conjunto de atos voltados para identificar as necessidades públicas, carência
que tem um interesse geral em determinado grupo social e é satisfeita pelo
processo de serviço público.

Já vimos que em questões de múltipla escolha temos que optar pela mais
correta, embora seja discutível se outras também podem ser. Sabendo
disso, fica fácil responder, uma vez que apeas uma das alternativas está
completa, da forma como estudamos.
Gabarito: D

Q24 (AOCP – 2012 – TCE-PA) Preencha a lacuna e assinale a alternativa correta.


O direito _______________ tem por objeto a disciplina jurídica de toda a
atividade financeira do Estado e abrange receitas, despesas e créditos públicos.
a) Tributário
b) Fiscal
c) Financeiro
d) Público
e) Orçamentário

Questão bem simples, só para reforçar.


Gabarito: C

Q25 (CESPE – MPU - 2015) No que diz respeito aos sistemas e processos
orçamentários e à evolução do planejamento no Brasil, julgue o item seguinte.

A atividade financeira do Estado, caracterizada pela presença constante de uma


pessoa jurídica de direito público, tem como principal finalidade a arrecadação de
recursos.

Pessoal, como vimos, a arrecadação de recursos é, de fato, uma das


finalidades da AFE. Entretanto, não é a finalidade precípua, que consiste

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 35


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

no atendimento do interesse público mediante a prestação de serviços.


Viu como temos que ter cuidado?
Gabarito: ERRADO
Q26 (CESPE – 2015 – TCU - ADAPTADA) A atividade financeira do Estado é
caracteristicamente instrumental, pois destina-se à obtenção dos recursos
necessários à satisfação das necessidades públicas e, por isso, envolve a
arrecadação, a gestão e a aplicação desses recursos.

Pessoal, questão bastante conceitual da AFE.


Gabarito: CERTO

Q27 (CESPE – MDIC - 2014) No que se refere ao orçamento público como


ferramenta de atuação do governo nas finanças públicas, julgue os próximos
itens.

A função política do orçamento diz respeito ao estabelecimento do fluxo de


entrada de recursos obtidos por meio da arrecadação de tributos, bem como da
saída de recursos provocada pelos gastos governamentais

A função política do orçamento diz respeito à formulação desde de


acordo com a característica do grupo partidário com maior poder. A
questão relata a função financeira.
Gabarito: ERRADO

Q28 (CESPE – 2015 - MPOG) A função econômica do orçamento corresponde ao


controle do fluxo financeiro gerado pelas entradas de recursos obtidos com a
arrecadação da receita e pelos dispêndios gerados com as saídas de recursos
para as despesas.

Assim como a questão anterior, esta apresenta a natureza financeira do


orçamento. A natureza econômica é a que visa à intervenção no domínio
econômico.
Gabarito: ERRADO

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 36


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

Q29 (CESPE – 2013 -MME) A dimensão econômica do orçamento pode ser


definida como :

a) o estudo do orçamento como lei de meios, a qual propicia a geração de


emprego e renda em função de investimentos públicos.
b) o estudo que considera o orçamento uma lei formal, que se define no
conjunto de leis do país ou a ele se integra.
c) o estudo do fluxo financeiro gerado pela entrada de recursos obtidos com a
arrecadação de receitas e os dispêndios subsequentes.
d) o estudo da definição de prioridades, com vistas à inclusão e à realização de
programas governamentais no plano de ação do orçamento.
e) o estudo do conjunto de regras e formalidades técnicas e legais exigidas na
elaboração, aprovação, execução e controle do orçamento.

Pessoal, como veremos na aula sobre a evolução do orçamento, a LOA é


conhecida como a Lei de Meios, uma vez que ela é o meio pelo qual o
Estado financia suas atividades, muito embora no orçamento moderno
essa não seja a atribuição principal dela. Quando o governo propicia a
geração de emprego e renda em consequência do investimento público
(ou seja, uma despesa), ele está intervindo no domínio econômico,
realizando uma atividade extrafiscal, correto?
Gabarito: A

Q30 (CESPE – 2014 - CADE) O orçamento público constitui o reflexo das escolhas
ideológicas feitas pelo partido político ou pelo grupo político que se encontra no
poder.

Pessoal, essa é a definição da natureza política do orçamento.


Gabarito: CERTO

Q31 (CESPE – 2013 - MPU) Com relação ao orçamento público, julgue o item
seguinte.

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 37


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

Por meio do orçamento, o governante seleciona prioridades, decide onde e como


gastar os recursos extraídos da sociedade e como distribuí-los entre os diferentes
grupos sociais, conforme o peso ou a força política de tais grupos. Portanto, nas
decisões orçamentárias, os problemas centrais de uma ordem democrática, como
representação e accountability, estão presentes.

Pessoal, o termo accountability está em grande evidência e não possui


uma tradução literal para o português. Contudo, ele refere-se, em
síntese, à prestação de contas e responsabilização dos governantes. A
questão expõe a natureza política do orçamento, uma vez que a decisão
se dará de acordo com a posição política frente aos problemas centrais
apresentados na questão. Resumindo, o orçamento é, também, uma
decisão política.
Gabarito: CERTO

Q32 (CESPE -2013 – MI) Com a evolução do orçamento como instrumento de


planejamento, ampliaram-se as atribuições econômicas governamentais voltadas
para a promoção de ajustamentos na alocação de recursos, na distribuição de
renda e na manutenção da estabilidade econômica.

A questão tem relação com o assunto da próxima aula, mas podemos


responder com base na distinção entre os períodos em que se analisa a
AFE: clássico e moderno. Conforme vimos, a partir do início do século XIX
o Estado passou a intervir na economia, não mais deixando que o
mercado se auto-regule.
Gabarito: CERTO

Q33 (CESPE – 2012 - MI) O Estado é um ente ordenador da economia e


garantidor dos processos de reprodução do capital.

Mesmo tema já tratado na questão anterior.

Gabarito: CERTO

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 38


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

Q34 (CESPE – 2012 – TRE) O orçamento prevê determinado volume de receitas


e, baseado nessa previsão, fixa o montante total de despesas que o governo pode
realizar, mas o orçamento não gera recursos públicos.

Como vimos, o orçamento é um planejamento, que, por si só, não gera


recursos públicos. Ele estima a receita e fixa a despesa. Ele pode até
prever a geração de crédito, que será obtida quando da execução do
orçamento.
Gabarito: CERTO

Q35 (CESPE – 2006 – ANATEL) A natureza impositiva das leis orçamentárias


brasileiras constitui importante instrumento de planejamento governamental

As leis orçamentárias brasileiras são leis apenas em sentido formal, mas


em caráter material têm conteúdo de ato administrativo, conhecidas
como leis de efeito concreto. Dessa forma, nosso orçamento caracteriza-
se como autorizativo.
Gabarito: ERRADO

Q36 (CESPE – 2013 – ANTT) A CF em vigor confere ao orçamento a natureza


jurídica de lei formal e material. Por esse motivo, a lei orçamentária pode prever
receitas públicas e autorizar gastos.
Nossa orçamento é lei apenas em sentido formal.
Gabarito: ERRADO

Pessoal, por enquanto é só. Revise sempre o mapa mental e refaça os exercícios
comentados.

Abraços e bons estudos!!! =D

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 39


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

4. MAPA MENTAL

Em seu sentido lato sensu, o orçamento é um instrumento de intervenção


planejada que evidencia a política de trabalho e o plano do governo, mediante
Lato Sensu autorização legislativa para a realização de receitas e despesas, e é materializado
pelos instrumentos de planejamento: Plano Plurianual (PPA); Lei de Diretrizes
Orçamento Orçamentárias (LDO); e Lei Orçamentária Anual (LOA).

Público
Em sentido estrito, o orçamento é a Lei Orçamentária (Anual) – LOA -
propriamente dita. Estudaremos, em momento oportuno, cada um dos
Stricto Sensu instrumentos de planejamento, mas basta saber que há uma lei aprovada
anualmente pelo Poder Legislativo, de inciativa do Poder executivo, que estima a
receita e fixa a despesa para o período de um ano.

POLÍTICA: reflete o plano de governo, a característica do grupo partidário com maior


poder.

ECONÔMICA: evidencia a intervenção do Estado na economia


NATUREZAS
ADMINISTRATIVA: revela o orçamento como um instrumento de gestão.
(ASPECTOS)
JURÍDICA: abrange o orçamento como lei. No caso brasileiro, somente em sentido
formal.

FINANCEIRA: reflete o fluxo de receitas e despesas.

CONTÁBIL: provê uma previsão do resultado geral do setor público.

TÉCNICA: representa o conjunto de regras técnicas e legais a que se submete o


orçamento público.

AUTORIZATIVO Formalmente: Lei


REGIME DE BRASIL
Materialmente: Ato administrativo
EXECUÇÃO Lei ordinária e especial
TIPO
HÁ DESPESAS OBRIGATÓRIAS, ex:
(ELABORAÇÃO)
Salário servidores;
Orçamento Impositivo*;
EXECUTIVO ATUAL, envolve a IMPOSITIVO Previdência;
participação dos dois *Refere-se à EC nº 86/2015 que torna
MISTO poderes.
uma pequena parte do orçamento,
* O Brasil já teve os três
referente às emendas individuais à
LEGISLATIVO tipos.
LOA, de execução obrigatória.

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 40


Administração Financeira e Orçamentária
Aula 00 – Introdução ao Orçamento Público
Prof. Vitor Silva

Aquela por meio da qual o estado arrecada, gerencia e


ATIVIDADE FINANCEIRA
aplica os recursos públicos com o objetivo de atender
DO ESTADO
às necessidades públicas e de prover os serviços
tipicamente estatais.

INSTRUMENTALIDADE: AFE é um instrumento pelo qual o Estado arrecada e


aplica recursos.

NATUREZA – FISCAL: quando o Estado visa apenas arrecadar receita e realizar


despesa
CARACTERÍSTICAS
NATUERZA – EXTRAFISCAL: quando o objetivo é a intervenção no domínio
econômico

PJ de DIREITO PÚBLICO: sempre envolve, pelo menos, uma PJ de direito público

CONTEÚDO MONETÁRIO: refere-se à gestão de dinheiro, não bens ou serviços

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Vitor Silva 41