Vous êtes sur la page 1sur 33

DIARREIA AGUDA

UFPA- 2008
DEFINIÇÃO DE
“AumentoDIARR
do número É
deIA
evacuações
e/ou diminuição da consistência das
fezes”
„ Diarréia Aguda: duração até 14 dias

„ Diarréia Persistente: diarréia que se prolonga


por mais de 14 dias e que leva à instabilidade
hidroeletrolítica e ao comprometimento do
estado geral, principalmente em lactentes.

„ Diarréia Crônica: diarréia com duração


superior a 30 dias ou a ocorrência de 3
epsódios de diarréia no período de 60 dias.
Fatores pré disponentes

População vulnerável:
Menores que 5 anos, pp.
lactentes
Periferia dos centros urbanos
Área sem saneamento básico
Moradias insalubres
Desnutridos
ETIOLOGIA

 Vírus (Rotavírus e Adenovírus): 20 a 30%


 Bactérias: 67 a 79%
 Parasitas: ?
 Associação de agentes: 20 a 30%
 Transmissão:
 Feco-oral
 Contato direto
 Veiculação por água e alimentos
FISIOPATOLOGIA
FISIOPATOLOGIA
* BACTÉRIAS ENTEROTOXIGENICAS

ENTEROTOXINA

ADERE A MUCOSA SEM CAUSAR LESÃO

ESTIMULA O AMP CÍCLICO

Criptas da secreção de água e eletrólitos


Vilosidades da absorção nas cel do topo
DIARRÉIA
*Bactérias Citotoxigenicas
enterotoxina

adere a mucosa causando lesão

estimula o AMP- cíclico

Criptas da secreção de água e


eletrólitos
Vilosidades da absorção nas cel do topo
DIARREIA
*BACTÉRIAS ENTEROINVASIVAS

INVASÃO DA MUCOSA

DESTRUIÇÃO DA CÉLULA

REAÇÃO INFLAMATÓRIA

DIARRÉIA COM MUCO /PUS/ E


SANGUE
* VIRUS

PENETRAÇÃO / MULTIPLICAÇÃO NO ENTERÓCITO

DESTRUIÇÃO DO ENTEROCITO

SUBSTITUIÇÃO POR ENTEROCITO IMATUROS

PRODUZIR DISSACARIDASES
INAPTOS PARA

ABSORVER NUTRIENTES
ATIVOS NA SECREÇÃO DE ÁGUA
E ELETRÓLITOS

DIARREIA
Intoxicação Alimentar
Ingestão direta da toxina
Toxinas estafilococicas

Bacillus cereus

Clostridium perfringes
„ Alimentos envolvidos
„ carne de vaca, aves, peixes,derivados de
leite e salada de vegetais
Intoxicação alimentar
Período de incubação : 1 à 8h

Náuseas, vômitos,cólicas e
diarréia

Evolução : 2 dias
QUADRO CLINICO
ENTEROTOXIGÊNICA:
Localização: Intestino delgado
Diarréia aquosa com grande volume de fezes
“ausência”de hemácias e leucócitos nas fezes
Dor abdominal em cólica
ENTEROINVASIVA:
Agentes: Shigella sp, Campylobacter
sp,Salmonella sp, E. coli enteroinvasora
Localização: em geral, intestino grosso
Presença de hemácias e leucócitos nas fezes
Pequeno volume de fezes
Dor no quadrante inferior esquerdo
VIRAL
- MAIOR PREVALÊNCIA EM
CRIANÇAS DE 6 À 24 MESES

- INÍCIO SÚBITO DE DIARRÉIA E


VÔMITO

- INFECÇÃO SUBCLÍNICA
EXAMES COMPLEMENTARES
- HEMOGRAMA,VHS, AVALIAÇÃO
HIDROELETROLÍTICA / ÁCIDO
BÁSICA

- EXAME DE FEZES
* PESQUISA DE LEUCÓCITOS
* PESQUISA DE PARASITOS
* CULTURA DE FEZES
* PESQUISA DE ROTAVIRUS
TRATAMENTO
- DIETA
„ Manter a mesma alimentação

(80% a 95% dos hc. E 50% a 70% das gorduras e


proteinas são absorvidas)
„ Hipofermentativa (pobre em lactose e sacarose)

„ Hipoalergênica

„ Isenta de fibra

„ Inicio precoce
TERAPIA DA REIDRATAÇÃO ORAL
„ CRIANÇA COM DIARRÉIA SEM

DESIDRATAÇÃO
a) Observe: alerta, parece estar bem
olhos normais
boca e língua úmidas
não tem sede
b) Examine: sinal da prega desaparece
rapidamente
c) Decida: não tem sinal de desidratação
PLANO A
QUANTIDADE DE LÍQUIDOS A SEREM
ADMINISTRADOS
* Administrar maior quantidade de líquidos que o
normal:
* Após cada evacuação diarréica:
< 1 ano .... 50- 100ml
> 1 ano ..... 100-200ml
*MAIORES & ADULTOS ...TUDO O QUE
DESEJAR !
CRIANÇA COM DIARRÉIA E
DESIDRATAÇÃO
* OBSERVE: irritado e inquieto
olhos fundos
boca e língua secas
bebe com avidez
* EXAMINE: sinal da prega desaparece lentamente
* DECIDA: se apresentar 2 ou mais sinais, tem
desidratação
PLANO B

* QUANDO SE PODE PESAR O PACIENTE:


administrar 50-100ml/kg
para 4 horas

* QUANDO NÃO SE PODE PESAR O


PACIENTE: Administrar continuamente
com colher ou copo
„ ANTIBIÓTICOS

9 São desnecessários, pois a diarréia é


autolimitada
9 O uso deve ser avaliado em casos mais
graves de diarréia invasiva, com febre alta
e > repercussão sobre o estado geral, em
desnutridos graves, em RN, em lactentes
pequenos e nos imunodeprimidos
A OMS sugere quatro indicações
específicas para o uso de
antimicrobianos nas diarréias
agudas:
„ Cólera
„ Disenteria grave por Shigella
„ Disenteria amebiana
„ Giardíase aguda
„ PRÓBIOTICOS OU AGENTE BIOTERAPEUTICO
„ Microorganismo vivo que contribui para aumentar
a saúde do hospedeiro ou prevenir infecções
causadas por cepas patogenias

„ ABT bacterianos-------Lactobacilo
„ ABT levedos------------S Boulardi
„ ANTIEMÉTICOS: São desnecessários. As
náuseas e os vômitos regridem com a
reidratação. Seu efeito sedativo pode prejudicar
a TRO
„ ANTITÉRMICOS: Geralmente são
desnecessários, pois a febre pode desaparecer
após a reidratação. Indicar se houver febre
elevada com desconforto evidente. Dar
preferência a medicamentos que não causem
sedação
„ ANALGÉSICOS: São úteis no desconforto
abdomiNAL
„ ANTIESPASMÓDICOS: São contra-indicados
INDICAÇÕES DE INTERNAÇÃO

„ Desidratação grave ou sinais de choque


„ Crianças com desidratação moderada que
não toleram a TRO
„ Desnutrição grave
„ Toxemia grave, suspeita de sepse ou
infecção grave associada
„ Crianças de famílias muito pobres sem
condições sociais de garantir o tratamento
ambulatorial
Diarréia Aguda
Prevenção
„ Promover o aleitamento materno exclusivo até
os 4-6 meses de vida
„ Introduzir práticas adequadas de desmame –
alimentos de boa qualidade nutritiva e
preparados com boa higiene
„ Seguir o esquema básico de vacinação
„ Incentivar o saneamento básico
Diarréia Aguda
Bibliografia
„ Marcondes, E; Vaz, FAC; Ramos, JLA; Okay, Y.
Pediatria Básica. Tomo I – Pediatria Geral e
Neonatal. Nona Edição.São Paulo: Sarvier, 2002.
„ Murahovschi, J. Pediatria: Diagnóstico +
Tratamento. Sexta edição, São Paulo: Sarvier, 2003.
„ Oliveira, RG. Blackbook-Pediatria. Terceira edição,
Belo Horizonte: Black Book Editora, 2005.
„ Rego, CFR; Pires, LAA.. Diarréia aguda. Manual de
Gastroenterologia pediátrica, 2002; 49-52.
Lopes,FA;Junior,DC. Tratado de Pediatria.
Sociedade Brasileira de Pediatria. 2007
UM MINUTO DE
INTERVALO!
SERÁ QUE DÁ ??