Vous êtes sur la page 1sur 8

Alergia

infantil
O exército em alerta
O
sistema imune pode ser consi-
derado como um grande exército
capaz de reconhecer e defender
nosso corpo de possíveis agressores,
cujas células (soldados) executam seu
trabalho de maneira organizada e coor-
denada. Em determinadas situações,
nosso sistema imune pode reagir exces-
sivamente a pequenos estímulos não-pe-
rigosos e nosso exército, que deveria
simplesmente nos proteger, por este
excesso de reação, gera um processo
alérgico que pode nos prejudicar.

2
E quando o sistema imune detecta um alérgeno eles indicam a probabilidade, mas este mecanismo
(substância que provoca uma reação alérgica em precisa ser ativado pelo ambiente. Acredita-se que
certos indivíduos), inicia-se a produção de uma a incidência de alergia infantil seja causada pelo
imunoglobulina na tentativa de proteger o corpo. Esta conjunto genética mais fatores ambientais.¹
imunoglobulina (a mais famosa é a IgE, mas IgG, IgM
e IgA também são importantes), liga-se ao alérgeno Dados disponibilizados pela Associação Brasileira
e, em contato com as células de defesa, denomi- de Alergia e Imunopatologia (ASBAI, 2015) apontam
nadas mastócitos, desencadeia um tipo de reação que cerca de 30% da população tsofre de alguma
conhecida como degranulação, que libera histamina alergia, e dessas, 20% são crianças.2 A prevalência
e outras substâncias que chamam todo o “exército” tem aumentado no decorrer dos anos e preocupa os
para combater este alérgeno. profissionais da saúde. Diversas hipóteses tentam
explicar esse efeito. Este artigo apresentará algumas
Essas substâncias, por sua vez, geram um processo delas, comprovadas, para explicar este fenômeno.3-5
de inflamação resultando nos sintomas tipicamente
conhecidos da alergia, como coceira, vermelhidão, COMO O INTESTINO
inchaço e, em determinados casos, pode chegar a INFLUENCIA NA ALERGIA?
um choque anafilático (rápido fechamento das vias
Nos últimos anos, o intestino tem sido foco de
aéreas podendo levar à morte).
múltiplos estudos. Cada vez mais percebe-se que o
A predisposição genética é a causa mais documen- intestino é muito mais do que um simples órgão que
tada sobre os casos de reações alérgicas. Cerca de 50 metaboliza e excreta alimentos, e que ele pode estar
a 80% dos pacientes diagnosticados possuem histó- envolvido em inúmeros processos patológicos, inclu-
rico familiar de alergia. A probabilidade de um filho sive alergia. O intestino é capaz de abrigar até 100
nascer alérgico se os pais possuem alguma sensibi- trilhões de bactérias, valor esse que supera o número
lidade é de cerca de 75%. Mas os fatores genéticos de células presentes em um indivíduo; nele encon-
não podem ser responsabilizados de forma isolada; tram-se de 60 a 70% das células imunológicas, e
acredita-se que a rotina e alimentação atual têm alte-
rado drasticamente essa população microscópica.6-8
mastócitos: A flora intestinal apresenta funções importantes,
como a síntese e defesa do orga-
nismo. Uma vez desregulada, ocorre
IgE ALÉRGENO um processo denominado disbiose
intestinal cujo órgão não consegue
absorver adequadamente as vitami-
desgranulação nas, quebrar os peptídeos, e acaba
receptor reabsorvendo as toxinas causando
inúmeros processos patológicos
como a desregulação autoimune e,
consequentemente, a alergia.6 Em um
processo de disbiose, a falta de equilí-
brio entre os microrganismos presen-
tes na flora intestinal faz com que haja
declínio das bactérias benéficas com
consequente predomínio de bacté-
rias patogênicas, além de fungos,
que produzem subprodutos químicos
histaminas

3
Alergia Infantil

e altamente tóxicos que são absorvidos pelo trato


intestinal até a corrente sanguínea. Esses organis-
mos maléficos, juntamente com os subprodutos
formados, são capazes de destruir o revestimento
no TGI (trato gastrointestinal) abrindo verdadeiros Em seguida, a amamentação influi diretamente
“buracos” no epitélio intestinal. Dessa forma, molécu- na formação da microbiota de uma criança, pois o
las dos alimentos não digeridas são capazes de atra- leite humano contém algumas bactérias probióti-
vessar esses orifícios, e com isso, o sistema imune cas naturais, além de ser rico em oligossacarídeos
as reconhece como invasoras, gerando anticorpos e (prebióticos) que auxiliam no desenvolvimento da
causando a alergia alimentar.9 flora da criança.7 Um estudo, publicado no Journal of
Pediatric Gastroenterology and Nutrition, avaliou as
A transferência dos microrganismos da mãe para o
amostras de fezes de recém-nascidos nos primeiros
feto ocorre desde a gravidez. A microbiota infantil e
20 dias, alimentados com fórmulas ou leite materno,
seus genes passam por diversas mudanças durante
e concluiu que a espécie de Bifidobacterium (umas
seu desenvolvimento que ocorre até os 3 anos. Todo
das bactérias benéficas mais importantes do TGI)
esse processo sofre influência direta da genética,
é dominante nas crianças alimentadas por leite
fatores ambientais, uso de medicamentos como anti-
materno.6 Ainda, relacionando o desequilíbrio da
bióticos e a própria amamentação.8
microbiota com doenças alérgicas, um estudo, publi-
O tipo de parto já é a primeira grande influência cado na Clinical Exp. Allergy, mostrou que nos lactan-
sobre a constituição da flora da futura criança: bebês tes (objetos do estudo) que apresentavam alergias
nascidos de parto normal são mais colonizados por alimentares havia um desequilíbrio na sua micro-
bactérias benéficas que os nascidos por cesariana. biota, com menor quantidade das bactérias benéfi-
Crianças nascidas por cesarianas terão uma quanti- cas e predomínio de maléficas como Stafilococcus
dade maior de bactérias do tipo Clostridium difficile, aureus12 e, inclusive, em crianças com eczemas
por exemplo, e poderão ter mais cólicas abdominais atópicas também foi evidenciado um desequilíbrio
que crianças de parto normal.10,11 na microbiota intestinal.13

4
ALIMENTOS COMO
ALÉRGENOS
É difícil estimar a precisão do número de crianças Com alterações da permeabilidade intestinal cada
alérgicas bem como a predominância exata da aler- vez maiores (orifícios no intestino que permitem
gia por determinado alimento. Acredita-se que cerca que os alimentos entrem em contato com o sistema
de 4% a 8% das crianças sofram de alguma alergia imune), estamos diante de uma situação nova, além
alimentar sendo que o leite, ovos, amendoim, nozes, da situação clássica de alergia aguda mediada por
soja, trigo, peixes e crustáceos são os alimentos IgE. Existe uma produção crônica de IgG pelo corpo
com maior potencial alergênico descrito.14, 15 exposto a determinados alimentos, e o “excesso”
de IgG leva à formação de complexos imunes que
Para avaliar a incidência das reações de alergia podem se depositar em qualquer parte do corpo.
alimentar, um estudo britânico, realizado com 13 Essa reação é chamada de reação de hipersensibili-
milhões de crianças do Reino Unido e Irlanda, entre dade tipo III (hipersensibilidade imune complexa), e
1998 e 2000, mostrou uma taxa de internação por explica porque as pessoas não têm reações agudas
episódios de alergia alimentar de 0,89 para cada a alguns alimentos, mas quando excluem estes
100.000 crianças, e concluiu que os alérgenos prin- mesmos alimentos de sua dieta, melhoram alergias
cipais eram o amendoim (21%), seguido de nozes que vinham tendo há anos. Quando se melhora da
(16%), leite (10%) e ovos (7%). Estudos mais atuais rinite ou da asma pela retirada do leite ou do trigo,
têm mostrado que a incidência tem aumentado e muitas vezes isto se dá por esse mecanismo. Já se
que a alergia ao leite, que muitas vezes resolvia-se criou uma nova categoria para a hipersensibilidade
por conta própria até os 5 anos, tem se mantido no ao glúten para englobar esse fenômeno: Hipersen-
decorrer da vida.15,16 Dados divulgados pelo Centro sibilidade ao Glúten Não-Celíaca. Isso significa
de Controle e Prevenção de Doenças, nos Esta- que se pode ser hipersensível ao glúten sem ter a
dos Unidos, 2013, revelou que o índice de alergia doença celíaca. Qualquer alimento usado de forma
alimentar em crianças aumentou cerca de 50% contínua e repetitiva pode causar o fenômeno de
desde 1997.17 hipersensibilidade.18, 19

saúde intestinal
x
alergia

A flora intestinal
apresenta funções
importantes, como a
defesa do organismo. Uma
vez desregulada, ocorre
um processo denominado
disbiose intestinal cujo
órgão não consegue
absorver adequadamente
as vitaminas, quebrar
os peptídeos, e acaba
reabsorvendo as toxinas,
podendo ocorrer
a alergia.6

5
Alergia Infantil

HIGIENE DEMAIS FAZ MAL


»» A vida moderna nos fez buscar a
higiene muitas vezes de maneira
exagerada. Produtos de limpeza e
assepsias constantes com álcool ou
outros desinfetantes buscam manter a
criança em um ambiente quase estéril,
impossibilitando o contato delas com
microrganismos e, consequentemente,
o desenvolvimento do seu sistema
imune. Poderíamos fazer uma analogia
com a atividade física: o sistema
imune está ficando cada vez mais
sedentário. Um artigo, publicado em
2014 na revista Pediatrics, realizado
com 1.000 crianças suecas, mostra,
por exemplo, que lavar a louça à mão
reduz o risco de alergia pela metade
quando comparado às famílias que
lavam a louça com máquina de lavar.
Isso ocorre pois o equipamento atinge
altas temperaturas e elimina grande
parte dos microrganismos presentes.20
É relatado inclusive que crianças que
vivem nas grandes cidades têm mais
chance de desenvolver alergia do que
as que vivem no interior, justamente
porque as crianças que vivem em
zonas rurais têm contato direto com a
terra, com animais e grande parte da
alimentação é à base de produtos não
processados, fazendo que seus sistemas
imunes estejam em constante atividade
e bem exercitados.

6
TESTES DE DIAGNÓSTICO
O diagnóstico de alergia alimentar
ainda é baseado principalmente maior tempo possível. A carga de microrganismos
em um histórico clínico detalhado e benéficos e os nutrientes é repassada da mãe para
exame físico completo. o filho, e por isso é crucial uma boa alimentação
Os testes clínicos ou de laboratório servem apenas com uma flora intestinal equilibrada durante todo
como uma ferramenta para confirmar o diagnóstico. esse período. A introdução dos alimentos sólidos
As técnicas convencionais incluem o teste cutâneo e também deve ser muito bem selecionada com frutas,
ensaios in vitro para anticorpos IgE específicos e desa- verduras e carnes orgânicas, evitando os alimentos
fios alimentares (dieta de eliminação). Feito correta- processados, e deve ser mantida até pelo menos 3
mente, os desafios alimentares orais continuam a ser anos.22
o padrão ouro na investigação diagnóstica. Recente- As fibras (chamadas de prebióticas, pois alimentam
mente, métodos de diagnóstico não-convencionais o crescimento bacteriano intestinal) são as maiores
são cada vez mais utilizados. Estes, incluem alimen- aliadas na regulação da microbiota intestinal. Um inte-
tos IgG específicos, o anticorpo antígeno leucocitário ressante trabalho científico, elaborado por pesquisa-
e testes de provocação intradérmicas/sublinguais, dores da Universidade de Lausana, Suíça, e publicado
bem como alimentos citotóxicos, cinesiologia apli- na renomada revista Nature Medicine, mostrou que
cada e triagem eletrodermal. Mas esses métodos uma dieta rica em fibras foi capaz de alterar a micro-
carecem de fundamentação científica, padronização biota do intestino e do pulmão protegendo contra
e reprodutibilidade e, até o momento, não há estudos inflamações alérgicas no pulmão quando comparado
bem projetados para suportá-los, havendo diversos ao teste controle (sem ingestão de fibras).23
autores que refutam a sua utilidade.
Quanto aos probióticos, inúmeros estudos também
PREVENÇÃO PARA associam o seu uso com a redução de episódios de
ALERGIAS alergia.21, 24 Crianças podem ter menos cólicas abdo-
minais se for dado probióticos nos primeiros meses
Como já descrito no decorrer do artigo, os processos
de vida. Mães que fizeram uso de probióticos na gesta-
alérgicos, sejam de origem alimentar, respiratória ou
ção terão filhos com menos eczemas alérgicos.25, 26
tópica, são decorrentes do desequilíbrio do sistema
imune. Asma, rinite, urticária, não importa a forma O uso de alguns insumos como betaglucana, timo-
que a alergia possa tomar, o sistema imune alterado modulina e epicor, vitamina C, magnésio e ômega-3
pode reagir de forma excessiva, e sabe-se que ele se podem ser usados para estimular o sistema imune
relaciona diretamente com o trato gastrointestinal. além de evitar a liberação de histamina. A vitamina D
Assim, alimentos e um desequilíbrio da microbiota também se mostra aliada como potente moduladora
intestinal podem estar alimentando esse processo. O de imunidade, há estudos inclusive que sugerem que
ideal é uma modificação na dieta procurando a inges- pessoas com menor dosagem de vitamina D são mais
tão de produtos fermentados não pasteurizados, suscetíveis a processos alérgicos.27
ricos em lactobacilos, com fonte de fibras e orgâ-
nicos, bem como a retirada de alimentos contendo Assim como um exército, o sistema imune precisa ser
agrotóxicos e antibióticos, e produtos processados muito bem liderado para reconhecer os verdadeiros
repletos de açúcar, corante, conservante e soja.21 inimigos. Para isso, você precisa fornecer subsídio e
treinamento a ele optando por bons hábitos alimen-
A prevenção na criança inicia-se com os bons hábi- tares e uma melhor qualidade de vida. Pequenas
tos alimentares da mãe durante a vida intrauterina decisões, mas com grandes resultados capazes de
e prossegue com o estímulo da amamentação por reorganizar seu exército enfraquecido.

7
Referências
1. HONG, X.; TSAI, H.; WANG, X. 15. JOSHUA, A. B.; AMAL, A.; WESLEY, B.; STACIE,
Genetics of food allergy. Curr Opin M. J.; HUGH, A. S.; ROBERT, A. W.; MARSHALL,
Pediatr., v. 21, n. 6, p. 770-776, 2009. P.; SUSAN, F. C.; Matthew J. F. Guidelines
for the Diagnosis and Management of Food
2. ASBAI – Associação Brasileira de alergia e Allergy in the United States: Summary of the
Imunologia. Disponível em: http://www.sbai.org. NIAIDSponsored Expert Panel Report. J ALLERGY
br/secao.asp?id=633&s=51. Acesso em: 09/12/15. CLIN IMMUNOL, v. 126, n. 6, p. 1105-1118, 2010.

3. DANA V. W.; MARK S. D. The diagnosis 16. COLVER, A.F.; NEVANTAUS, H.; MACDOUGALL,
and management of rhinitis: an update C.F,; CANT, A.J. Severe food allergic reactions in
practice parameter. Journal Allergy Clin children across the UK and Ireland, 1998–2000.
Immunol., v. 122, n. 2, p. S01 – S83, 2008. Acta Paediatr, v. 94, p. 689–695, 2005.

4. CORSINI, E.; SOKOOTI, M.; GALLI, C. 17. JACKSON, K. D.; HOWIE, L. D.; AKINBAMI,
L.; MORETTO, A. COLOSIO, C. Pesticide L. J. Trends in Allergic Conditions Among
induced immunotoxicity in humans: A Children: United States, 1997-2011. National
comprehensive review of the existing Center for helth statistics, n. 121, 2013.
evidence. Toxicology, v. 307, p. 123-135, 2013.
18. ZAR, S.; MINCHER, M.J. Food-specific IgG4
5. WEISS, S. T. Eat dirt — the hygiene hypothesis antibody-guided exclusion diet improves symptoms
and allergic diseases. The New England and rectal compliance in irritable bowel syndrome.
Journal of Medicine, v.. 347, n. 12, 2002. Scand J Gastroenterol. v. 40, n.7, p. 800-807, 2005.

6. HARMSEN H. J. M, WILDEBOER-VELOO, A. 19. MANSUETO, P.; SEIDITA, A. Non-celiac


C. M., RAANGS, G. C. Analysis of Intestinal gluten sensitivity: literature review. J
Flora Development in Breast-Fed and Am Coll Nutr. v. 33, n.1, p. 39-54, 2014.
Formula-Fed Infants by Using Molecular
Identification and Detection Methods. J Pediatr 20. HESSELMAR, B.; HICKE-ROBERTS, A.;
Gastroenterol Nutr, v.30, p. 61-67, 2000. WENNERGREN, G. Allergy in children in hand Versus
machine dishwashing. Pediatrics, v. 135, n.3, 2015.
7. VANDENPLAS, Y.; VEEREMAN-WAUTERS,
G.; DEGREEF, E. Probiotcs and prebiotics in 21. VERNOCCHI, P.; CHIERICOA, F. D.; FIOCCHI,
prevention and treatment of diseases in infants A. G.; HACHEM, M.; DALLAPICCOLA, B.;
and children. J Pediatr, v. 87, n. 4, p. 292-300, 2011. ROSSI, P.; PUTIGNANI, L. Understanding
probiotics’ role in allergic children: the clue
8. WEST, C. E.; JENMALM, M. C., PRESCOTT, S. L. of gut microbiota profiling. Curr Opin Allergy
The gut microbiota and its role in the development Clin Immunol, v. 15, n. 5, p. 495-503, 2015.
of allergic disease: a wider perspective. Clinical
& Experimental Allergy, v. 45, p. 43–53, 2014. 22. Nancy Elazab, Angelico Mendy, Janvier
Gasana, Edgar R. Vieira, Annabelle Quizon,
9. SHAW, W. BIOLOGICAL TREATMENTS FOR Erick Forno. Probiotic Administration in Early
AUTISM AND PDD - LEARN 618.92 SHA. Life, Atopy, and Asthma: A Meta-analysis of
Clinical Trials. Pediatrics, v. 132, n. 3, 2013.
10. NEU, J; RUSHING, J.Cesarean versus 23. TROMPETTE, A.; GOLLWITZER, E. S.;
Vaginal Delivery: Long term infant outcomes YADAVA, K.; SICHELSTIEL, A. K.; SPRENGER,
and the Hygiene Hypothesis. Clinical N.; NGOM-BRU, C.; BLANCHARD, C.; JUNT,
Perinatology, v. 38, n. 2, p. 321-331, 2011. T.; NICOD, L. P.; HARRIS, N. L.; MARSLAND,
B. J. Gut microbiota metabolism of dietary
11. PANDEY P. K.; VERMA, P. Comparative fiber influences allergic airway disease and
analysis of fecal microflora of healthy full-term hematopoiesis. Nature medicine, v. 20, n. 2, 2014.
Indian infants born with different methods of
delivery (vaginal vs cesarean): Acinetobacter 24. Fats and fatty acids in human nutrition
sp. prevalence in vaginally born infants. Journal Report of an expert consultation, FAO Food
of Biosciences, v. 37, n. 6, p. zZz 9-998, 2012. and Nutrition Paper 91, FAO, Rome, 2010.

12. BJORKSTEN, B.; NAABER, P.; SEPP, E.; 25. INDRIO, F; DI MAURO, A. Prophylactic
MIKELSAAR, M. The intestinal microflora in Use of a Probiotic in the Prevention of
allergic Estonian and Swedish 2-year-old children. Colic, Regurgitation, and Functional
Clin. Exp. Allergy, v. 29, p. 342-346, 1999. Constipation - A Randomized Clinical Trial.
JAMA Pediatr. v. 168, n. 3, p. 228-233, 2014.
13. KIRJAVAINEN, P.V.; APOSTOLOU, E.;
ARVOLA, T. Characterizing the composition 26. KALLIOMÄKI, M; SALMINEN, S.
of intestinal microflora as a prospective Probiotics in primary prevention of atopic
treatment target in infant allergic disease. FEMS disease: a randomised placebo-controlled
Immunol. Med. Microbiol. v. 32, p. 1-7, 2001. trial. Lancet. v. 357, p.1076-1079, 2001.

14. LONGO, G.; BERTI, I.; BURKS, A. W.; KRAUSS, 27. OSBORNE, N. J.; UKOUMUNNE, O. C.; WAKE, M.,
B.; BARBI, E. IgE-mediated foos allergy in ALLEN, K.J. Prevalence of eczema and food allergy
children. The lancet, v. 382, p. 1656 – 1664, 2013. is associated with latitude in Australia. J Allergy
Clin Immunol. v. 129, n.3, p.865-867, 2012.

BAIXE NOSSOS OUTROS E-BOOKS NA PÁGINA www.polivitaminicoinfantil.com.br