Vous êtes sur la page 1sur 3

O Que é a Língua dos Anjos? É Possível Falar a Língua dos Anjos?

O apóstolo Paulo para se referir a inutilidade dos dons espirituais quando exercidos sem o
amor, escreve: “Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor,
seria como o metal que soa ou como o sino que tine” (1 Corintios 13:1).

Qual é a lingua dos anjos?


Sabemos que nossos primeiros pais, Adão e Eva, e muitos das primeiras gerações falavam com
Deus em sua linguagem pura, o primeiro idioma da Terra. E que essa foi considerada nos livros
apócrifos como a língua dos anjos.

A escritura porém não esclarece a respeito de uma linguagem específica em que os anjos se
comunicam, ou seja, não há relevância sobre qual é a língua dos anjos, e se tal língua se
constitui num padrão de comunicação sobrenatural entre Deus, seus anjos e os homens. No
texto bíblico há relevância sobre a fé, a esperança e o amor, e o maior deles é o amor.

Apontando para a experiencia do próprio apóstolo Paulo quando foi arrebatado ao Paraíso e
ouviu "palavras inefáveis, que ao homem não e lícito falar", não sugere a existência de uma
linguagem celestial humanamente impossível de entender, mas de uma linguagem de
profundo teor espiritual (2 Corintios 12:4).

Deve ter sido a mesma sensação dos Nefitas quando escutaram Cristo orar por eles.

15 - E depois de haver proferido estas palavras, ele também se ajoelhou e eis que orou ao Pai;
e as coisas que disse em sua oração não podem ser escritas e a multidão que o ouviu deu
testemunho.

16 E desta forma testemunham: Os olhos jamais viram e os ouvidos jamais ouviram, até agora,
coisas tão grandes e maravilhosas como as que vimos e ouvimos Jesus dizer ao Pai;

17 E não há língua que possa expressar nem homem que possa escrever nem pode o coração
dos homens conceber coisas tão grandes e maravilhosas como as que vimos e ouvimos Jesus
dizer; e ninguém pode calcular a extraordinária alegria que nos encheu a alma na ocasião em
que o vimos orar por nós ao Pai.

18 E aconteceu que após haver terminado a sua oração ao Pai, Jesus se levantou; mas tão
grande era o júbilo da multidão, que ficaram prostrados.

O que se sabe nas Escrituras é que os anjos são seres inteligentes e pessoais, e, portanto, se
comunicam, e que quando os anjos se comunicam com as pessoas, eles o fazem em termos
humanos, ou seja, fazendo uso da própria linguagem humana compreensível a uma pessoa,
tanto no Antigo quanto no Novo Testamento e nas Escrituras modernas.
Mesmo quando o profeta Isaías ou o apóstolo João contemplaram seres angelicais adorando a
Deus, eles puderam compreender o que esses seres falavam em sua própria língua (Isaías 6;
Apocalípse 5).

O que significa então falar a língua dos anjos?


O apóstolo Paulo usa a expressão "língua dos anjos" dentro de um texto onde ele fala sobre a
importância do amor. Esse texto foi direcionado a igreja de Corinto, uma igreja onde os dons
espirituais estavam presentes, mas o amor, pelo menos aos leitores, parece ausente.

Acredito que por isso esse texto sobre o amor está posicionado exatamente entre os dois
textos em que ele faz uma exposição detalhada acerca dos dons espirituais, ensinando sobre a
distribuição de tais dons, as funções que eles possuem e a atitude correta com que eles são
aplicados para a edificação da igreja, e, para tanto, o amor e pré-requisito indispensável.

Antes de mencionar a língua dos anjos, o apóstolo introduz sua reflexão falando das Iínguas
dos homens. O apóstolo está simplesmente falando de um suposto domínio das Iínguas
humanas, no sentido de expressar a possibilidade, de forma exagerada, de alguém falar todas
as diferentes Iínguas.

É evidente que o texto tem em mente esse exagero intencional, visto que ninguém pode falar
todas as Iínguas humanas que existem. No entanto, respeitando o contexto e que essa
argumentação está inserida na discussão sobre os dons espirituais, o apóstolo também está se
referindo ao dom de variedade de Iínguas, isto é, o dom concedido pelo Espírito Santo que
capacita alguém a falar em línguas estrangeiras de forma milagrosa, assim como ocorreu no
Pentecostes (Atos 2:4-11).

Outra Escritura, dessa vez no Livro de Mórmon, pode nos ajudar a responder a pergunta: o
que significa então falar na língua de anjos? Em 2 Néfi 32, esse conceito é ampiado:

2 - Não vos lembrais de que eu vos disse que depois de haverdes recebido o Espírito Santo
poderíeis falar a língua de anjos? E então, como poderíeis falar a língua de anjos se não fosse
pelo Espírito Santo?

3 - Os anjos falam pelo poder do Espírito Santo; falam, portanto, as palavras de Cristo. Por isto
eu vos disse: Banqueteai-vos com as palavras de Cristo; pois eis que as palavras de Cristo vos
dirão todas as coisas que deveis fazer.

5 - Pois eis que vos digo novamente que, se entrardes pelo caminho e receberdes o Espírito
Santo, ele vos mostrará todas as coisas que deveis fazer.

6 - Eis que esta é a doutrina de Cristo e nenhuma doutrina mais será dada até depois de ele se
manifestar a vós na carne. E quando ele se manifestar na carne, devereis fazer as coisas que
ele vos disser.

A escritura revela que falar na língua de anjos significa falar sob a inspiração Espirito Santo. É
falar as palavras de Cristo, sobre o Evangelho. E o Espirito Santo vos mostrará todas as coisas
que deveis fazer. Percebem que no texto não só há admoestação para falar, mas agir como um
anjo.

Muitos profetas, anônimos nas Escrituras, são chamados de anjos no cumprimento de suas
designações, como por exemplo os “anjos” que visitaram a casa de Ló, conduzindo-os para for
a de Sodoma. E, “Os únicos anjos que ministram nesta Terra são os que pertencem [ ou
pertenceram ] a ela”, como registrado em D&C 130:5.

Sem amor eu nada seria.


Dessa forma, se o amor não estiver presente, por maior eloquência que uma pessoa possa ter
ao falar a língua dos homens ou até mesmo propagar a língua dos anjos, suas palavras serão
ocas e sem sentido. Do que adianta alguém dominar os idiomas humanos se de sua boca, pela
ausência do amor, so saírem sons que agridem, irritam e cansam as pessoas? Como um sino
monofônico ou um instrumento desafinado e não harmônico. E exatamente esse o ponto
tratado pelo apóstolo Paulo.

Qualquer discurso, por mais habilidoso que seja, inclusive advogando ser uma manifestação
espiritual, sem o verdadeiro amor não é superior ao confuso som de uma língua estrangeira.

Aqui vale saber que não se trata de qualquer tipo de amor. O apóstolo não está falando do
amor baseado em sensualidade ou motivos egoistas, mas do amor que não tem origem
humana, o amor ágape, cuja fonte é o próprio Deus.

O objetivo do apóstolo Paulo não era explicar a língua dos anjos, e muito menos aconselhar a
alguém a falar tal língua. Em seu texto ele utiliza uma cláusula condicional, deixando claro que
ele esta falando hipoteticamente, ou seja, em nenhum momento ele afirma falar a língua dos
anjos, mas apenas diz "ainda que eu falasse".

“E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e
ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor,
nada seria.” - 1 Coríntios 13:2.

Espero que os irmãos tenham compreendido também, que o propósito desse discurso não é
falar de uma misteriosa língua dos anjos, mas de enfatizar que sem o sublime dom do amor as
línguas não passam de confusão, como nos dias de Babel, que o testemunho e o
conhecimento de todos os mistérios e ciência de nada valem, e que as boas intenções são
inúteis (1 Corintios 13:1-8).

“Nesta vida só há dois tipos de pessoas, as que nós amamos e as que não conhecemos.”