Vous êtes sur la page 1sur 17

Carlos Corrêa – Luminescência química

Luminescência
química

Carlos Corrêa
Departamento de Química (FCUP)
Centro de Investigação em Química (CIQ)
Carlos Corrêa – Luminescência química

Qualquer partícula (átomo ou molécula), quando


recebe energia, fica excitada... podendo, depois,
ocorrer variados fenómenos, tais como:

+E
* +
*
+E

- Reagir com outras partículas;


- Decompor-se;
- Desexcitar-se,
a) passando a energia a outras partículas;
b) emitindo radiação.
Carlos Corrêa – Luminescência química

Os átomos, quando excitados, passam


a estados de maior energia (um dos E
seus electrões é promovido a um nível
de energia superior).

Energia Energia

Como os átomos tendem a passar


aos estados de menor energia
possível, este átomo vai libertar a
energia que absorveu e o electrão
regressa ao nível energético inicial.

Se o átomo estiver isolado (longe de outros corpos)


perde este excesso de energia sob a forma de radiação.
Carlos Corrêa – Luminescência química

O que se passa com os átomos, passa-se, também,


com as moléculas; neste caso as transições
electrónicas dão-se entre orbitais moleculares.

Seja a molécula de di-hidrogénio, H2:

. . H–H
H H H : H H: H

Orbital
Orbitais
molecular
atómicas
(OM)
(OA)

A partir de duas orbitais atómicas formam-se duas


orbitais moleculares. Como é a outra orbital molecular?
Carlos Corrêa – Luminescência química

Duas OM
E OM antiligante
H H
. .
H H H2*

H :H
Duas OA
OM ligante
Molécula H2

Quando a molécula H2 recebe energia conveniente (UV)


é excitada, sendo um electrão promovido da OM ligante
para a OM antiligante; a ligação fica mais fraca.

A molécula, neste estado excitado,


H*, pode emitir energia radiante.
Carlos Corrêa – Luminescência química

É possivel efectuar reacções que produzem moléculas


em estados excitados que, por desexcitação, emitem
luz.

E Molécula excitada, M*
Pode obter-se M* por duas vias:
a) A partir de M* + Energia
+ Energia

b) A partir de reagentes

Reagentes

Molécula, M
Carlos Corrêa – Luminescência química

Um dos casos mais conhecidos é a reacção de oxidação do


luminol, que origina produtos em estados excitados, que
emitem luz por desexcitação (Luminescência química).

O O *

N - H+ O N
+ O2
N O N

NH2 O Em DMSO NH2 O

O Desexcitação
O
N2 + + h (502 nm)
O
NH2 O

Luminescência química dos produtos de oxidação do Luminol


Carlos Corrêa – Luminescência química

Prepara-se uma mistura de DMSO (10 mL) e hidróxido de


potássio (cerca de 10 contas) e faz-se borbulhar
dioxigénio na mistura.

O2

DMSO

KHO
Carlos Corrêa – Luminescência química

CLICAR
Carlos Corrêa – Luminescência química

Junta-se um pouquito de Luminol (ponta de uma


microespátula), rolha-se o recipiente e agita-se.

Se escurecer a sala o efeito é fantástico:


Carlos Corrêa – Luminescência química
Carlos Corrêa – Luminescência química

Pode, também, realizar-se a


reacção numa seringa.
Carlos Corrêa – Luminescência química

- Preparar O2 em seringa (cerca de 80 mL).

- Noutra seringa, colocar:


- 10 mL de DMSO com gotas de água;
- 10-15 contas de KHO;
- Ponta de uma microespátula de luminol.

- Colocar a seringa horizontalmente, depois


verticalmente com o bico para cima, e expulsar o
ar.

Ar

- Passar o O2 da outra seringa para esta.


Carlos Corrêa – Luminescência química

Agitar.

Vamos ver o resultado.

CLICAR
Carlos Corrêa – Luminescência química

O O

N - H+ O N
+ O2
N O N

NH2 O NH2 O
Luminol
O O *

O O
h (502 nm) + N2 +
O O
NH2 O NH2 O

Luminescência química do luminol oxidado


Carlos Corrêa – Luminescência química
Carlos Corrêa – Luminescência química