Vous êtes sur la page 1sur 2

Universidade Anhembi Morumbi

Escola de Artes, Arquitetura, Design e Moda Curso: Design de Moda 6º período Marina Pimentel | RA 20637961

1. A arte transforma um objeto em um comentário sobre os hábitos de vida de uma época, pode-se dizer o mesmo do design? Por que?

R: Sim. O que torna o design diferente da arte é o uso, uma vez que ambos são ferramentas para intervenção e crítica da sociedade em que estão inseridos. Diferentemente da arte, que pode ser observada, vivenciada ou interagir com o público, o design serve para ser usado, serve para facilitar a vida e o cotidiano de um público, é, ao mesmo tempo que uma forma de se expressar e modificar o olhar alheio (como a arte), um retrato da vida de um determinado indivíduo pertencente à um determinado grupo. Uma vez que o design busca, entre outros objetivos, solucionar problemas e ultrapassar obstáculos, ele acaba por registrar e opinar as situações vividas pelo público à quem é destinado, tornando-se mais um registro de como determinado grupo de comporta na sociedade em que está inserido em um determinado período, denunciando suas tecnologias, prioridades, dificuldades e estilo de vida.

2. O que significa dizer que a sociedade de massa transformou o valor de uso de um produto em valor de posse?

R: Significa afirmar que o valor antes agregado à função e utilidade de um produto agora foi transferido para a importância de possuí-lo, ou seja, o que antes era valorizado pela função que desempenhava e pelas soluções que trazia, passa a ser valorizado pelo status que representa, pelos signos sociais que expressa.

3. O design é ligado ao crescimento da economia capitalista? Por que?

R: Sim. O design é uma ferramenta para a mudança de olhares no que diz respeito ao projeto de um produto, uma vez que o desenvolvimento do mesmo passa a ser focado no usuário, suas necessidades e seus anseios, o produto se torna uma representação física dos desejos de um público. Dessa forma, é possível dizer que o design muitas vezes percebe necessidades que o indivíduo que não sabia que tinha e, criando um produto que as

soluciona, gera sentimento de desejo, levando o público a consumir. A mudança na forma de produzir acarreta, também, na mudança na forma de consumir, impulsionando e reinventando o capitalismo sucessivamente, uma vez que o design se inova e reinventa à medida que a sociedade e o meio em que está inserido também muda.

4. Desde os anos 1980 do século XX o termo design tem sido apropriado pela mídia e pela indústria da propaganda. O que isso provocou?

R: Provocou a banalização do conceito de design, fazendo uso do termo da mesma forma como se utiliza o “Gourmet”. Através do uso continuo do termo design para expressar que um serviço é diferenciado seu verdadeiro significado se perde e acaba por ser somente mais uma forma de aumentar o valor agregado de um produto ou serviço, como por exemplo o “Design de Sobrancelhas” que nada mais é do que o Desenho das Sobrancelhas. Enquanto o design deveria ser utilizado como ferramenta de intervenção e desenvolvimento de produtos que alterem e reorientem o olhar do público, através da propagação errônea de seu conceito pela mídia, acaba se tornando um adorno para auxiliar na diferenciação de um produto dentro do mercado competitivo.

5. Nos Estados Unidos um estilo de design ficou conhecido como ‘streamlined'. Em que consiste esse movimento?

R: Consiste na utilização de formas aerodinâmicas e futuristas na carcaça de um produto para passar a sensação de avanço, desenvolvimento e evolução. O movimento em questão passa a valorizar a forma do produto, e utilizar a carcaça para esconder os mecanismos dos objetos, fazendo uso de novas tecnologias vindas da guerra e de uma estética que se aproximava da ficção científica para passar um falso sentimento de mudança, ajudando na propagação da ideia do Sonho Americano, estimulando o consumo e estimulando o sentimento de uma falsa esperança e crescimento à uma população atingida por uma forte depressão econômica.

Centres d'intérêt liés