Vous êtes sur la page 1sur 31

Prof. Dra.

Lisandra Ferreira de Lima

CONSERVAÇÃO DE
ALIMENTOS
CALOR/FRIO
PROPRIEDADES TÉRMICAS DOS
ALIMENTOS
CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS

Objetivos
 Inibir ou retardar o desenvolvimento
microbiano e enzimático.
 Proteger e destruir os microrganismos.

 Prolongar o tempo de prateleira.

 Melhorar ou manter as características


higiênicas e organolépticas.
 Aumentar o número de produtos disponíveis
para a alimentação.

Prof. Dra. Lisandra Ferreira de Lima


ESTRATÉGIAS DE CONSERVAÇÃO DOS
ALIMENTOS

 Evitar acesso
 Eliminar presença
 Controlar crescimento
MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO

 Aplicação de calor
 Redução de temperatura
 Redução da atividade de água e pH
 Adição de agentes conservantes
 Barreiras físicas (embalagem)
 Uso de atmosfera modificada ou aplicação de
vácuo

Prof. Dra. Lisandra Ferreira de Lima


FATORES IMPORTANTES PARA A
CONSERVAÇÃO
 Temperatura (calor, frio) – PROPRIEDADES
TÉRMICAS
 Irradiação
 Oxigênio – CINÉTICA DAS REAÇÕES DE
OXIDAÇÃO
 Adição de conservantes (sal, açúcar) –
PROPRIEDADES COLIGATIVAS
 Desidratação – ATIVIDADE DE ÁGUA

Prof. Dra. Lisandra Ferreira de Lima


Prof. Dra. Lisandra Ferreira de Lima
TEMPERATURA
Temperaturas de Refrigeração
Zona de Perigo
 -1 e +8°C
Temperaturas de Congelamento
 -40°C (equipamentos industriais)
70°C cocção  -18°C (equipamentos domésticos)
60°C  Acima de –10°C deterioração por
leveduras osmofilas, mofos e bactérias
halófilas
Zona de Perigo

Resolução MA/MS nº 10 de 1984


Instruções para conservação nas fases
5°C de transporte, cemercialização e
consumo de perecíveis
 Alimentos resfriados: até 10°C
 Alimentos Congelados: até –8°C
TEMPERATURA

 Leite e creme: Abaixo de 5°C


 Frutas e vegetais
 Carne crua: -1 a +2 (90%UR)
 Deterioração: física, fisiológica,
Maior que 95% crescimento estimulado química, microbiana
 Condições de estocagem
Menor que 85% Evaporação excessiva devem reduzir: taxa de
respiração e de transpiração
 Derivados cárneos: (evaporação)
±7°C e boa circulação de ar  Geralmente 0-2°C e 90% UR
5°C ou menos quando com
recheio  Frutas tropicais como banana e
-1 e +1maximiza a vida prateleira
abacaxi: 10°C a 13°C para
de salsichas por ex. evitar injúria pelo frio
 Alimentos cozidos e refrigerados
0°C a 3°C (risco Listeria,
Yersinia)
CONCEITOS

Refrigeração: -1 a 10oC
Congelamento: < -1oC
Liofilização (congela e desidrata).
Princípio da aplicação do frio:
retardar as alterações pela multiplicação
microbiana e reações enzimáticas
Prof. Dra. Lisandra Ferreira de Lima
REFRIGERAÇÃO

 VELOCIDADE DE REFRIGERAÇÃO DEPENDE:

 Calor específico (relação carnes magras e gordura)

 Peso

 Quantidade de gordura externa: perda de peso

 Temperatura da câmara frigorífica

 Velocidade de circulação do ar

Prof. Dra. Lisandra Ferreira de Lima


CONGELAMENTO

Conservação de alimentos entre -18 a -300C


Ocorre paralisação da atividade microbiana e a
atividade enzimática
Excelente método de conservação para a maioria dos
alimentos
Alimento congelado também possui prazo de validade

Prof. Dra. Lisandra Ferreira de Lima


CONGELAMENTO

Cristais de gelo:
Abaixo da temperatura de congelamento: formação de cristais de gelo

Congelação lenta: formação de cristais extracelulares

maiores = rompimento de membranas e maior perda de

fluidos na descongelação

Congelação rápida: formação de cristais menores

(intracelulares) e menor perda de fluidos na descongelação


Prof. Dra. Lisandra Ferreira de Lima
CONGELAMENTO DESCONGELAMENTO

CONGELAMENTO RÁPIDO

PEQUENOS CRISTAIS DE GELO PAREDE CELULAR INTACTA

CONGELAMENTO LENTO

GRANDES CRISTAIS DE GELO ROMPIMENTO DA PAREDE


DANOS NA PAREDE CELULAR CELULAR
DESCONGELAMENTO

 Descongelar os produtos em geladeiras. (Não


descongelar os produtos em água parada sem
que as embalagens originais estejam íntegras!!!)

 Refrigerar ou congelar produtos em porções


pequenas.

Prof. Dra. Lisandra Ferreira de Lima


PROPRIEDADES TÉRMICAS
TRANSFERENCIA DE CALOR (FRIO/

CONDUTIVIDADE TÉRMICA (k)


PROPRIEDADES RELEVANTES NA

 CAPACIDADE CALORIFICA (c)

 DIFUSIVIDADE TÉRMICA (α)


CALOR)

Prof. Dra. Lisandra Ferreira de Lima


CONDUTIVIDADE TÉRMICA (K)

Prof. Dra. Lisandra Ferreira de Lima


CONDUTIVIDADE TÉRMICA

ÁGUA LIQUIDA

Prof. Dra. Lisandra Ferreira de Lima


CONDUTIVIDADE TÉRMICA

GELO

Prof. Dra. Lisandra Ferreira de Lima


CONDUTIVIDADE TERMICA
 DEPENDE:
 MATERIAL
 ESTRUTURA CELULAR
 POROSIDADE
 UMIDADE DO MATERIAL
 MASSA MOLAR
 TEMPERATURA E PRESSÃO DO MEIO

Prof. Dra. Lisandra Ferreira de Lima


Prof. Dra. Lisandra Ferreira de Lima
CALOR ESPECÍFICO
 QUANTIDADE DE ENERGIA NECESSÁRIA
PARA AUMENTAR 1oC DE 1 g DA
SUBSTÂNCIA

Prof. Dra. Lisandra Ferreira de Lima


CALCULO DO CALOR
ESPECÍFICO

Prof. Dra. Lisandra Ferreira de Lima


CALOR ESPECÍFICO

Prof. Dra. Lisandra Ferreira de Lima


LEITE

Prof. Dra. Lisandra Ferreira de Lima


ALIMENTO CONGELADO

- Que parte congela primeiro?


- Que parte descongela primeiro?
- O que é melhor para transferir calor:
- Água liquida ou gelo?

Kw= 0,6 W/mK Cw=4.184 J/kgK


Kgelo=2,33 W/mK Cgelo=2000 J/kgK
Prof. Dra. Lisandra Ferreira de Lima
VELOCIDADES DE CONGELAMENTO

 Lenta (0,05oC/min)
 Temperatura próxima do ponto de congelamento por muito
tempo
 Maior período de formação de cristais extracelulares
 Maior perda de exsudato na descongelação

 Rápida (0,5oC/min)
 Menor tempo de cristalização
 Menor formação de cristais

Prof. Dra. Lisandra Ferreira de Lima


EXEMPLO
 Com a transferência de calor de 1000 W ,
quanto tempo demora para congelar 1kg de
água? E descongelar?

Prof. Dra. Lisandra Ferreira de Lima


DIFUSIVIDADE TÉRMICA

Prof. Dra. Lisandra Ferreira de Lima


Prof. Dra. Lisandra Ferreira de Lima
Prof. Dra. Lisandra Ferreira de Lima