Vous êtes sur la page 1sur 31

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA

CENTRO DE TECNOLOGIA
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA

Fernanda Meneghetti Pedroso

PROJETO DE CABINE DE PINTURA PARA EQUIPAMENTOS DE


CONSTRUÇÃO CIVIL

PROJETO DE ESTÁGIO EXTRACURRICULAR

Santa Maria, RS, Brasil


2018
ii

LISTA DE FIGURAS

Figura 1: Exaustor axial de transmissão direta trifásico. ........................................... 4

Figura 2: Tabela de fórmulas de número de trocas para um exaustor axial .............. 4

Figura 3: Dados técnicos de exaustores da marca ventisila ...................................... 5

Figura 3: Filtro e manta de carvão ativado ................................................................ 6

Figura 5: Exaustor com filtro acoplado ..................................................................... 7

Figura 6: Sistema de filtro por tanque d’água ........................................................... 8

Figura 7: Esboço da localização dos equipamentos na cabine de pintura ............... 10

Figura 8: Máquina de jateamento de areia .............................................................. 11

Figura 9: Equipamento para pintura spray com bomba, mangueira, tanque de tinta e
pistola. 13

Figura 10: Óculos contra impactos de partículas volantes e respingos de produtos


químicos. ........................................................................................................................ 19

Figura 11 : Equipamento para proteção auditiva. .................................................... 19

Figura 12: Equipamento para proteção respiratória contra poeiras, névoas e fumos.
20

Figura 13: Vestimenta com resistência química. ..................................................... 20


iii

LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS

ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas


ABPEX Associação Brasileira para Prevenção de Explosões
ANTT Agência Nacional de Transportes Terrestres
APR Análise Preliminar de Riscos
CA Certificado de Aprovação
CETESB Companhia de Ambiental do Estado de São Paulo
EPC Equipamento de Proteção Coletiva
EPI Equipamento de Proteção Individual
EPR Equipamento de Proteção Respiratória
INMETRO Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial
MTE Ministério do Trabalho e Emprego
NBR Normas Técnicas Brasileiras
NR Normas Regulamentadora
OIT Organização Internacional do Trabalho
OS Ordens de Serviço
PT Permissão para Trabalho
SPDA Sistema de Proteção contra Atmosferas Explosivas
iv

SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO ...................................................................................................... 1

2. OBJETIVOS ........................................................................................................... 2

3. PROJETO DA CABINE DE PINTURA ................................................................ 3

3.1. CABINE DE PINTURA A SECO ......................................................................... 3

3.2 EXAUSTORES ...................................................................................................... 3

3.3 FILTROS ................................................................................................................ 6

3.4 ILUMINAÇÃO E PARTE ELETRICA DA CABINE........................................... 9

3.5 MONTAGEM DA CABINE DE PINTURA PARA PEÇAS ................................ 9

4. TRATAMENTO DAS PEÇAS ............................................................................. 10

5. MÉTODOS DE PINTURA ................................................................................... 11

5.1 TANQUE DE IMERSÃO ..................................................................................... 12

5.1.2 Dimensionamento do tanque ......................................................................... 12

5.2 PINTURA SPRAY POR PISTOLA ..................................................................... 12

5.3 DESVANTAGENS DO TANQUE DE IMERSÃO ............................................. 14

6. TIPOS DE TINTAS PARA PINTURA DE EQUIPAMENTOS .......................... 14

6.1 DEFINIÇÃO DA TINTA DE PINTURA DE IMERSÃO ................................... 14

6.2 DEFINIÇÃO DA TINTA PARA PULVERIZAÇÃO .......................................... 15

7. TRATAMENTO DE EFLUENTES ..................................................................... 15

8. NORMAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA OPERAÇÃO DE


CABINES DE PINTURA .............................................................................................. 16

8.1 EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA (EPC) E EQUIPAMENTOS


DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI) ....................................................................... 18

8.2 PROCEDIMENTOS DE TRABALHO ................................................................ 21

9. RESULTADOS E DISCUSÕES .......................................................................... 23

CONCLUSÃO ................................................................................................................ 24

REFERÊNCIAS ............................................................................................................. 25
1

1. INTRODUÇÃO

O objetivo de uma cabine de pintura é remover contaminantes provenientes dos


produtos de pintura para o meio ambiente, criar um fluxo de ar ideal para que o over-
spray, fração de tinta que não fica na superfície do objeto e se junta ao ar, seja
conduzido para sua retenção e ou lavagem antes de ser exaurido para atmosfera.
Este over-spray pode não só influir na qualidade da pintura, por permanecer no recinto
da cabine um tempo maior do que o aceitável, como também causa poluição atmosférica
caso escape para o ambiente externo.
A cabine de pintura aumenta a qualidade do produto acabado, proporcionando
um ambiente seguro de trabalho, além de seguir as normas que regulamentam os locais
de pintura. A cabine é caracterizada conforme o tipo de pintura, que pode ser líquida ou
a pó. Para a pintura liquida, coloca-se com sistema de filtragem a seco ou via úmida, de
modo que o fluxo de ar pode ser crossdraft (horizontal) ou down-draft (vertical). Dessa
forma, a cabine pode ser aberta ou fechada, com insuflamento de ar filtrado ou até
climatizado com controle de umidade e temperatura. Já a pintura a pó possui suas
características próprias de pintura, fluxo de ar, filtragem do ar contaminado com tinta,
sistema de recuperação da tinta e algumas outras características.
2

2. OBJETIVOS

O presente projeto visa elaborar o processo de montagem de uma cabine de


pintura e de um tanque de imersão para peças e equipamentos para a construção civil.
Esse projeto será realizado de acordo com as normas e legislações brasileiras vigentes.
A cabine será projetada para as seguintes características: dimensões de 2,5
metros de altura; 3,5 metros de comprimento e 2 metros de largura. Em material de
madeira, alvenaria ou em aço galvanizado, com um exaustor e dois filtros de pó. O
tanque de pintura de imersão para peças grandes terá dimensões de aproximadamente
2,5 metro de comprimento; 2 metros de largura e 40 cm de profundidade. Será
apresentada também uma opção de pintura para peças grandes, o sistema para
tratamento dos resíduos gerados e as condições de segurança do trabalho necessárias
para a operação dos sistemas.
3

3. PROJETO DA CABINE DE PINTURA

Quando a oficina exercer atividades de pintura deverá, obrigatoriamente,


implantar uma cabine de pintura com ventilação/exaustão, equipada com sistema
adequado ao controle das emissões de material particulado e emissões gasosas. O ar
contaminado com pigmentos, solventes e partículas em suspensão é aspirado para
garantir uma pintura adequada e um ambiente mais limpo ao pintor. Esse ar
contaminado e aspirado nunca deve ser lançado à atmosfera sem antes passar por
filtragem.

O sistema de limpeza apresenta, basicamente, uma etapa de filtração dos


pigmentos e partículas em suspensão e uma etapa de purificação do ar, na qual são
removidos os vapores de solventes e odores.

Conforme pesquisa bibliográfica e técnica, entre os dois tipos de cabines


existentes, a molhada (por cortina d’agua) e a seca (que utiliza filtros de papel), a cabine
ideal para as características exigidas pelo cliente é a cabine de pintura a seco.

3.1. CABINE DE PINTURA A SECO

Escolheu-se para o projeto a cabine de pintura a seco, pois, esse modelo de


cabine apresenta maior custo benefício. Essa cabine é mais indicada para até 4 horas
diárias de uso.
Para o projeto serão necessários:
 Um exaustor do tipo axial
 Filtros de pó
 Placas em aço galvanizado, madeiras ou alvenaria nas medidas da cabine
 Iluminação

3.2 EXAUSTORES

As cabines de pintura são ambientes que promovem a proliferação de partículas


no ar do ambiente que são tóxicas e não devem ser aspiradas por pessoas que estejam no
local. Para que isso não aconteça, é necessária a utilização de exaustor para cabine de
pintura.
4

Os exaustores axiais podem ter transmissão tanto direta quanto indireta. Na


transmissão direta, o motor fica atrás da hélice. Já na transmissão indireta, o motor fica
localizado do lado externo, sendo conectado às hélices por meio de polias e correias. O
pó das tintas pode prejudicar as correias do motor, logo, o ideal é utilizar um motor de
transmissão direta, onde o motor deve ser blindado (totalmente fechado) e trifásico.

 Sua fabricação pode ser em chapa de aço carbono ou fibra de vidro.

Figura 1: Exaustor axial de transmissão direta trifásico.

Para avaliar o tamanho e a potência necessária do exaustor que melhor se


encaixa para o processo, leva-se em consideração a vazão necessária de retirada de ar de
dentro da cabine, calculada a partir do volume da cabine e do número de trocas de ar
para uma cabine de pintura.

Os cálculos serão realizados de acordo com os valores indicados na Figura 2.

Figura 2: Tabela de fórmulas de número de trocas para um exaustor axial


5

Fonte: http://www.santoro.com.br/assistencias/tron/calindexau.pdf

O primeiro passo é calcular o volume da cabine por meio da equação 3.2.1, em


que C representa o comprimento, L representa a largura e H representa a altura da
cabine de pintura.

𝑉=𝐶𝑥𝐿𝑥𝐻 (3.2.1)
Portanto, para o estudo de caso temos 𝑉 = 3,5 𝑥 2 𝑥 2,5 = 17,5 𝑚³ .
De acordo com a Figura 2, deve-se usar o número de trocas de ar para cabine de
pintura igual a 50. Assim, foi calculada a vazão de ar de acordo com a equação 3.2.2,
em que N representa o número de trocas de ar.
𝑡𝑟𝑜𝑐𝑎𝑠
𝑉𝑎𝑧ã𝑜 = 𝑉 𝑥 𝑁 = 17,5 𝑥 50 = 875 (3.2.2)
ℎ𝑜𝑟𝑎

Figura 3: Dados técnicos de exaustores da marca ventisilva

Fonte:

Segundo as características da ficha técnica apresentadas na Figura 3, o exaustor


de 30 cm, modelo E30M8 da marca ventisilva supre as necessidades de vazão da cabine,
6

uma vez que o exaustor apresenta uma de vazão 20 m³/min (1200 m³/h). Portanto, será
necessário um exaustor de 30 cm, modelo E30M8.

3.3 FILTROS

Cada sistema de exaustor necessita de filtro para retenção do material trabalhado


no lugar, por exemplo: pó, gordura, poeira, fumaça, odores e outros.
O filtro ideal para cabine de pintura líquida é o filtro de cartão plissado,
composto em celulose (100%), excelente produto para a filtração de excesso de névoa
de tinta nas cabines de pintura via seca. A vantagem do filtro de cartão plissado é o
tempo de troca, que é de até 6 vezes maior do que outros tipos de filtros existentes no
mercado. Além disso, é um filtro de fácil instalação, estocagem e utilização. Porém, em
diversos casos, são muito utilizados os filtros de carvão ativado, poliéster e lã de vidro.
É recomendada a troca dos filtros após 500-600 horas de uso da cabine.

Há no mercado os seguintes tipos de filtros:

 Filtro de carvão ativado

O filtro de carvão ativado é amplamente usado para adsorver substâncias


odoríferas, ou coloridas de gases ou líquidos. Na maioria dos casos o filtro de carvão
ativado serve mais para que fixe o odor e para que substâncias poluentes não sejam
lançadas em outros ambientes. Após o tempo necessário de uso, é feita a troca da manta.

Figura 3: Filtro e manta de carvão ativado


7

 Filtro G0 e G4 (filtros de lã de vidro)

Os filtros de lã de vidro são classificados do G0 ao G4. Essa classificação é feita de


forma gradual e em escala, representando o tamanho da partícula mínima a ser filtrada.
O G0 representa o filtro responsável por impedir a passagem das maiores partículas e o
G4 representa o responsável por filtrar as partículas mais finas.

As mantas filtrantes são fabricadas em fibra sintética ou fibra de vidro, são


interligadas e termofixadas com resina inodora. Leves e de fácil manuseio, são
fornecidas em bobinas (rolos) ou cortadas sob medida.

Figura 4: Filtro de lã de vidro

Uma opção oferecida pelo mercado é o exaustor que já vem com o filtro
acoplado, conforme Figura 5.

Figura 5: Exaustor com filtro acoplado

Fonte: https://www.luftmaxi.com.br/exaustor-com-filtro.html
8

O segundo filtro que será instalado na cabine de pintura é o filtro de teto/entrada


de ar. Tal filtro pode ser instalado no teto ou na parede, de modo que o mais importante
é que seja instalado em diagonal ao exaustor. O ar externo passará por esse filtro,
entrando na cabine já limpo e arrastará as partículas de tinta até o filtro do exaustor,
fazendo com que esse ar seja expelido para o exterior da cabine. Esse filtro deve ter
comprimento igual ao dobro do diâmetro do exaustor.
Uma desvantagem encontrada para o pré-filtro do exaustor é devido a tinta PU
(poliuretano) ser muito densa, o que fará com que os filtros se sobrecarreguem
rapidamente e haja a necessidade de ser trocados com maior frequência. Uma solução
seria fazer um modelo de filtragem com tanque de água.
A filtragem com tangue que água, conforme Figura 6, é feita por meio da
montagem de uma tubulação ligada à parte externa do exaustor, que deverá estar
instalado em uma parede. Assim, o ar é levado até um tanque de água, na parte externa
da cabine, e entra em contato com a água, de modo que a água consegue reter a tinta em
sua superfície, fazendo com que o ar escoe limpo para a atmosfera.
Essa camada de tinta deve ser retirada e destinada conforme descrito no item 6,
tratamento de efluentes, deste projeto.

Figura 6: Sistema de filtro por tanque d’água


9

3.4 ILUMINAÇÃO E PARTE ELÉTRICA DA CABINE

Normalmente são utilizadas luminárias de luz fluorescente em cabines de


pintura, acopladas aos painéis da cabine. Painéis de vidro, ou de materiais transparentes
semelhantes, servem como iluminação em áreas para pulverização nas cabines de
pintura e as unidades de iluminação devem ser fixas. Há também a possibilidade de se
instalar as luminárias nas paredes e tetos da cabine para iluminação.
A norma ABNT NBR IEC 60079 estabelece os requisitos específicos para o
projeto e avaliação de sistemas elétricos intrinsecamente seguros, tipo de proteção “i”,
destinados a ser utilizados, integralmente ou em parte, em locais onde a utilização de
equipamento dos Grupos I, II ou III seja requerida. Como as tintas se encaixam no
Grupo I, essa norma deverá ser seguida

3.5 MONTAGEM DA CABINE DE PINTURA PARA PEÇAS

Seguindo as dimensões requeridas pelo cliente, a cabine terá 3,5 metros de


comprimento, 2 metros de largura e 2,5 metros de altura. As chapas de aço galvanizado
deverão ser confeccionadas nesses tamanhos. Caso seja feita em madeira, elas devem
possuir essas dimensões.
O sistema de exaustão será composto por um exaustor do tipo axial, coberto por
um pré-filtro, onde os pintores deverão trabalhar virados de frente para o sistema de
exaustão, o qual permanecerá ligado durante toda a operação. O ideal é montar uma
mesa, logo abaixo do exaustor, para que se possa produzir em cima da mesma, de forma
que os pintores estejam sempre de frente para o exaustor.
Com o intuito de colocar um pré-filtro no exaustor, o exaustor deve ser
dimensionado com sobra para compensar a perda de carga. O ideal é que o exaustor
sempre puxe o ar do filtro e depois descarregue o ar livremente. A instalação do
exaustor pode ser feita em alvenaria, telhado ou até mesmo na cabine, dependendo
sempre do formato da cabine de pintura. Pode ser instalado tanto na horizontal quanto
na vertical. O ruído maior será do lado de fora da cabine, onde é descarregado o ar. Para
diminuir esse impacto, poderá ser instalado atenuador de ruído na saída.
10

O segundo filtro (entrada de ar) será instalado em diagonal ao exaustor. O ar


externo passará por esse filtro, entrando na cabine já limpo e arrastará as partículas de
tinta até o filtro do exaustor e, então, esse ar será expulsado para o exterior da cabine.
Esse filtro deve ter comprimento igual ao dobro do diâmetro do exaustor.

Caso a tinta PU impregne demasiadamente no pré-filtro do exaustor, pode-se


montar o projeto com o filtro de tanque d’água.
A disposição ideal dos equipamentos na cabine de pintura está demonstrada
conforme figura 7.

Figura 7: Esboço da localização dos equipamentos na cabine de pintura

Fonte: Próprio autor

4. TRATAMENTO DAS PEÇAS


O tratamento das peças, antes de receberem a pintura, que apresenta maior
praticidade e viabilidade a longo prazo é o jateamento. É o processo de tratamento de
superfícies que consiste em propulsionar um fluxo de material abrasivo contra uma
superfície em alta velocidade, de maneira a limpar, dar formas e remover os
contaminantes. O meio propulsor mais usado é o ar comprimido utilizando compressor
de ar.

Necessita-se de um compressor para comprimir o ar, ao qual se liga uma


máquina de jato que contém o abrasivo. Da máquina de jato sai a mangueira que está
11

acoplada ao bico de jateamento, sendo este uma peça construída em Carboneto de


Tungstênio que direciona o fluxo e velocidade do jato abrasivo.

Neste tipo de operação o trabalhador terá que possuir os seguintes equipamentos


de proteção individual:

 Capacete integral com alimentação a pressão positiva de ar;


 Fato de proteção integral, o qual deverá ser em lona pesada quando se usa
granalha de aço;
 Botas de proteção;
 Luvas de proteção;
 Protetores auriculares;

Dentro de um pavilhão de pintura, a operação é executada numa cabina com


sistemas de ventilação, tratamento de poeiras e reciclagem de abrasivos. Quando se
pretende executar esta operação numa estrutura ao ar livre (Ponte) ela terá que ser
completamente envolvida em lona ou outro material similar de modo a impedir a
contaminação do ar e dos solos com os resíduos da operação.

Figura 8: Máquina de jateamento de areia

Fonte:

5. MÉTODOS DE PINTURA
Na pintura industrial os métodos mais usuais para aplicação de tintas são:
 Trincha
12

 Rolo
 Pistola convencional
 Pistola sem ar (“airless spray”)
 Tanque de imersão

5.1 TANQUE DE IMERSÃO

A pintura por imersão pode ser dividida em imersão eletroforética e imersão


simples. Na imersão eletroforética, a peça a ser pintada é mergulhada em um banho de
tinta contida em um tanque, de modo que entre o tanque e a peça é estabelecida uma
diferença de potencial em torno de 300 volts. O banho deve ser mantido com agitação
constante. Já na imersão simples, não é estabelecida a diferença de potencial entre a
peça e o tanque, havendo simplesmente o banho de tinta com agitação constante.
O método de aplicação conhecido como “Flooding” pode substituir a pintura por
imersão. Faz-se um esguicho com mangueira, dando banho de tinta na peça. Este
método é utilizado para a pintura de transformadores elétricos.
Como principal vantagem da pintura por imersão pode-se citar a minimização de
perdas. Entretanto, esta técnica possui a desvantagem de gerar muitos problemas de
escorrimento.

5.1.2 Dimensionamento do tanque

Conforme informações do cliente, as maiores peças para imersão são peças de


andaime, sendo a maior peça de 2 metros de comprimento; 1,20 de largura e 40 mm de
altura. Sendo assim, definimos a dimensão do tanque como: 2,5 metros de
comprimento; 2 metros de largura e 40 cm de profundidade. O tanque será
confeccionado em chapas de aço galvanizado e deverá conter uma tampa, nas medidas
fornecidas, para maior durabilidade da tinta.

5.2 PINTURA SPRAY POR PISTOLA

A alternativa encontrada para a pintura de peças grandes é utilizar um tanque de


tinta com mangueira ligada a pistola spray, no qual é utilizada uma bomba de
13

alimentação. Esse método é utilizado para pintar peças grandes como carrocerias de
caminhões. Outra vantagem é que esse método é feito dentro da cabine de pintura.
Nesse método uma das tintas utilizadas é a de poliuretano (PU), já que é mais barata
e mais densa.

Figura 9: Equipamento para pintura spray com bomba, mangueira, tanque de tinta e
pistola.

Este método de aplicação é o mais eficaz e produtivo devido à forma como é


projetada e depositada a tinta sobre o substrato, promovendo uma boa uniformidade e
alastramento do filme ao longo da superfície aplicada. Pode ser feita de duas formas:

- Convencional - Na pintura por pulverização a alimentação da tinta pode ser por


sucção, pressão e gravidade. Os mais comuns na pintura industrial são alimentação por
pressão (tanques) e por sucção (caneca). A alimentação por sucção, conhecido como
pistola de caneca, é feita criando-se vácuo com a passagem de ar comprimido na capa
de ar que succiona a tinta contida num recipiente de um quarto de galão aberto para o
exterior. São ideais quando são necessárias trocas frequentes de cores e pintura de
pequenas áreas.

- Air Less Spray - A pintura com pistola “airless spray” ou pistola sem ar, também
conhecida como pistola hidráulica, é um método de aplicação por pulverização indicado
para pintura de grandes áreas, como cascos de navios e tanques de armazenamento de
petróleo devido ao elevado rendimento produtivo. Tal método é ideal para uma pintura
por pulverização de tintas com elevada viscosidade.
14

5.3 DESVANTAGENS DO TANQUE DE IMERSÃO

Conforme pesquisado, a tinta que fica no tanque de imersão deve ser tratada para
aumentar seu tempo de vida útil e não apodrecer, pois, devido o contato das peças com
sujeiras, óleo e outras substâncias, essa tinta acaba contaminada e seu tratamento se
torna mais difícil. Isso acarreta uma grande perda de tinta e faz com que o processo seja
economicamente menos viável.

6. TIPOS DE TINTAS PARA PINTURA DE EQUIPAMENTOS

As tintas mais utilizadas para cobrir peças de construção civil são as de


poliuretano, que podem ser utilizadas no sistema de pulverização. Para o sistema de
imersão recomenda-se dois tipos: AQUAVERTI 3700 WB e WEGLACK HPP 135 PFD
g, que são indicados por fabricantes de tintas.

6.1 DEFINIÇÃO DA TINTA DE PINTURA DE IMERSÃO

Conforme pesquisas previamente realizadas, foram encontradas duas marcas e


dois tipos de tintas que melhor se adaptam à pintura por imersão em equipamento de
aço carbono.

- AQUAVERTI 3700 WB: É indicado para aplicação direta sobre aço na


indústria de autopeças, estruturas metálicas, máquinas e manutenção em geral. É um
produto desenvolvido com objetivo de proteção ao meio ambiente substituindo as tintas
à base de solventes orgânicos por tintas formuladas à base de água. Suas principais
características são a fácil aplicação, a excelente aderência e o acabamento brilhante com
ótima estabilidade ao tempo. A principal vantagem é poder ficar estocada sem risco de
inflamabilidade.

- WEGLACK HPP 135 PFD g: Segundo catalogo da WEG tintas automotivas, a


WEGLACK HPP 135 PFD g é Primer nitro?? sintético monocomponente de secagem
rápida. Com excelente resistência a salt spray (144 horas) é recomendada para aplicação
por pulverização ou imersão em peças de ferro fundido e aço carbono.
15

6.2 DEFINIÇÃO DA TINTA PARA PULVERIZAÇÃO

As principais características da tinta para pulverização são o acabamento poliuretano


acrílico alifático de alto desempenho bicomponente, a boa resistência química ao
intemperismo contínuo, a boa aderência em variados substratos e primers (sob
recomendação), excelente retenção de cor e brilho, alta resistência a agentes
atmosféricos e também a alguns solventes. Também pode-se destacar o alto
desempenho quanto à dureza, impacto e abrasão. Essa tinta é densa e pode ser utilizada
no sistema de pintura por pistola, airless e sua principal vantagem é ser mais barata em
relação às outras.

7. TRATAMENTO DE EFLUENTES

Os efluentes gerados pelas cabines de pintura são decorrentes dos filtros utilizados,
emissões de poluentes oriundos das tintas de pintura, solventes, entre outros. Conforme
as normas ambientais, deve-se dar a seguinte destinação aos poluentes:

 ter sistema de controle para as emissões, de resíduos gasosos e partículas,


provenientes das cabines de pintura;
 no caso de geração de efluentes líquidos provenientes do equipamento de
controle, deverão ser adicionados coagulantes antes do seu descarte;
 os solventes utilizados para limpeza das peças e a borra gerada no sistema de
controle de emissões gasosas da cabine de pintura deverão ser acondicionados
em bombonas, de no mínimo 100 (cem) litros e abrigados em área coberta da
empresa.
 acondicionar os resíduos provenientes da cabine de pintura (carvão saturado e
borra de tinta) em recipientes dotados de tampa e estocá-los em área abrigada,
até o seu envio ao sistema de destinação licenciado pelo órgão ambiental,
mantendo os comprovantes à disposição da fiscalização; e
 minimizar as perdas de solventes e, quando saturados, se não forem passíveis de
reciclagem, acondicioná-los em recipientes dotados de tampas e estocá-los em
área abrigada até o seu envio a sistemas de destinação de resíduos licenciados
pelo órgão ambiental, mantendo os comprovantes à disposição da fiscalização;
16

A empresa Taborda Ambiental realiza a coleta de resíduos na região de Curitiba.

8. NORMAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA OPERAÇÃO DE


CABINES DE PINTURA

Para manter o ambiente dentro das normas de segurança do trabalho, deve-se


obedecer às seguintes regras:
a. Armazenamento dos produtos:
De acordo com a NBR 17505 (Armazenamento de líquidos inflamáveis e
combustíveis) e NR 20 (Segurança e saúde no trabalho com inflamáveis e
combustíveis), grandes quantidades de líquidos inflamáveis devem ser armazenados em
um depósito adequado, projetado apenas para este fim.

De acordo com essas normas, uma cópia da Ficha de Informações Segurança


de Produtos Químicos (FISPQ), de cada produto armazenado deve ficar no próprio
depósito à disposição dos funcionários.
Os líquidos inflamáveis devem ser armazenados em edificação separada de
outros tipos de ocupação, destinada apenas para este fim.
Para cumprir os requisitos dessas normas sugere-se que:

 os materiais armazenados devem ficar a uma distância mínima de 50 cm


das paredes laterais do armazém;
 não armazenar diretamente sobre o chão para evitar risco de derramamento
no solo;
 os produtos químicos devem estar devidamente rotulados e sinalizados para
sua armazenagem;
 os FISPQ´s devem estar acessíveis para todos os funcionários, na área de
armazenamento;
 o piso do armazém deve possuir desnível para facilitar o escoamento de
líquidos para as canaletas de contenção;
 o armazém deve possuir proteção contra eletricidade estática e contra
descargas atmosféricas, SPDA (Sistema de Proteção contra Descargas
Atmosféricas), conforme estabelecido pela NBR IEC 60079.
Para o armazenamento no setor de pintura, recomenda-se:
17

 armazenar produtos químicos inflamáveis em armários especiais


(sinalizados e com resistência ao fogo de 10 minutos), conforme requisitos
estabelecidos pela NBR 17505-4;
 não armazenar nesses armários volume superior a 450 litros, no total, de
inflamáveis, conforme preconiza a NBR 17505-5 item 6.4.1, e não exceder
a instalação de três armários em ambiente com risco de incêndio;
 que a quantidade de líquido inflamável em estoque deve ser a mínima
necessária, sendo que grandes quantidades de inflamáveis devem ser
armazenados em almoxarifados específicos;
 que quando os líquidos não estiverem em uso, os recipientes devem ser
mantidos fechados;
 que os recipientes de produtos inflamáveis usados tanto na estocagem,
quanto para transferência desses produtos, preferencialmente, devem ser
metálicos;
 realizar inspeções nos recipientes regularmente para detecção de possíveis
vazamentos;
 manter o local em ordem e limpo, inclusive com a remoção de tambores ou
outros recipientes vazios;

b. Proteção da edificação:
Conforme a NBR 5419 – Proteção de estruturas contra descargas atmosféricas
– as edificações destinadas ao armazenamento de gases ou líquidos inflamáveis
possuem maior propensão a explosões. Para a proteção dessas edificações deve-se
utilizar o Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas (SPDA) e também dar as
especificações técnicas para o projeto e instalação desse sistema de proteção.

c. Instalação elétrica em área classificada:


Conforme a NR 10, item 10.9.2, os materiais e equipamentos destinados à
aplicação em instalações elétricas em atmosferas explosivas devem ter um certificado
de conformidade emitido pelo Sistema Brasileiro de Certificação (BRASIL, 2013).
A NBR IEC 60079-14 – Projeto, seleção e montagem de instalações elétricas
em atmosferas explosivas – estabelece que, os equipamentos elétricos devem ser
selecionados de tal modo, que sua temperatura máxima de superfície não exceda a
18

temperatura de ignição do gás ou vapor que possa estar presente na atmosfera onde
estes serão instalados (ABNT, 2013).

8.1 EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA (EPC) E EQUIPAMENTOS DE


PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI)

As medidas de proteção contra inflamáveis devem ser feitas prioritariamente


nas fases de projeto de uma instalação e por boas práticas operacionais, porém, podem
ser complementadas pelo uso de equipamentos de proteção individual (ARAÚJO,
2005).
a. Equipamento de proteção coletiva
No Glossário da NR 10 (1978), Equipamento de Proteção Coletiva (EPC), está
definido nos seguintes termos: “dispositivo, sistema, ou meio, fixo ou móvel de
abrangência coletiva, destinado a preservar a integridade física e a saúde dos
trabalhadores, usuários e terceiros”.

b. Equipamento de proteção individual


Conforme apresenta a NR 10 (1978), quando as medidas de proteção
coletiva não forem suficientes ou exequíveis, deve-se optar por Equipamentos de
Proteção Individual (EPI’s).
A NR 6 (2011) lista os equipamentos de proteção individual, sendo que a
correta identificação e avaliação dos riscos é essencial para seleção do EPI
adequado às atividades desenvolvidas (SALIBA, 2004).
Especificamente para atividades em cabine de pintura, os exemplos de
EPI’s necessários e de acordo com o que dispõe a NR 6 (2011) - Anexo I, são os
seguintes:
• Equipamentos para proteção dos olhos e face – Óculos para proteção dos
olhos, conforme figura 10.
19

Figura 10: Óculos contra impactos de partículas volantes e respingos de produtos


químicos.

• Equipamentos para proteção auditiva – Para proteção auditiva devem-se


observar os níveis de pressão sonora conforme NR 15 (1978), Anexos 1 e
2. A figura 11 mostra um exemplo deste EPI

Figura 11 : Equipamento para proteção auditiva.

• Equipamento para proteção respiratória – Respiradores ou máscaras, que


protegem os trabalhadores contra a inalação de contaminantes gerados por
agentes químicos como poeiras, névoas, fumos, gases e vapores e também
usados em caso de deficiência de oxigênio. É ideal as máscaras com dois
filtros devido a tinta PU ser grossa. As Normas Regulamentadores NR 6
(EPI) e NR (PPRA) exigem que o respirador seja adequado, sempre
observando o fator de proteção (FPA), um número atribuído pela NIOSH
(National Institute of Occupational Safety and Health), que indica a
capacidade de um respirador oferecer um certo grau de proteção. A Figura
12 representa um exemplo de máscara para proteção respiratória.
20

Figura 12: Equipamento para proteção respiratória contra poeiras, névoas e fumos.

• Equipamentos para proteção dos membros superiores – Para a proteção das


mãos, são necessárias luvas que demandam impermeabilidade e resistência
a cortes, furos e à abrasão.

• Equipamentos para proteção do corpo inteiro – Vestimentas para o corpo


inteiro com resistência química, permeabilidade ou penetração, ilustradas
pela Figura 13 abaixo.

Figura 13: Vestimenta com resistência química.

• Equipamentos para proteção de membros inferiores – O contato com


produtos químicos com membros inferiores deve ser eliminado com o uso
de botas especiais, exemplificado na Figura 8.
21

8.2 PROCEDIMENTOS DE TRABALHO

Conforme a NR10, a disponibilidade de procedimentos de trabalho visa diluir


dúvidas sobre a execução dos serviços. Para os procedimentos de trabalho serem
efetivos devem conter no mínimo: objetivo, base técnica especificada, qual o campo de
aplicação, competências e responsabilidades, medidas de controle, disposições gerais e
orientações finais.
Especificamente em relação a produtos inflamáveis e combustíveis, a NR 20,
item 20.7, dispõe que o empregador deve elaborar, documentar, implementar, divulgar
e manter atualizados procedimentos operacionais que contemplem aspectos de
segurança e saúde no trabalho, em conformidade com as recomendações das análises
de risco.

a. Ordem de Serviço – OS
Conforme a Norma Regulamentadora nº1 (NR 1), cabe ao empregador a
elaboração de Ordens de Serviço (OS), com o objetivo de instruir sobre segurança e
saúde no trabalho (BRASIL, 2009).
Também está incluída esta obrigatoriedade no Decreto-Lei 5452 de 01.05.1943,
artigo 157, inciso II da CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas), que diz: instruir os
empregados, através de ordens de serviço, quanto às precauções a tomar no sentido de
evitar acidentes do trabalho ou doenças ocupacionais.
A ordem de serviço não apresenta uma formatação padronizada, portanto
compete a cada empresa adotar um modelo observando todos os itens exigidos na NR
1 – Disposições gerais (BARROS, 2010).

b. Permissão para Trabalho – PT


A Permissão para Trabalho (PT) é uma autorização fornecida em documento
próprio da empresa, para a execução de serviços com riscos potenciais de acidente
com lesão pessoal, danos à saúde, danos materiais ou descontinuidade operacional.
A elaboração de uma PT deve estar vinculada a identificação de riscos através
da Análise Preliminar de Riscos (APR), objetivando definir ou aprimorar os
procedimentos para a execução de um determinado serviço, visando eliminar ou
reduzir os riscos de acidentes.
22

c. Capacitação
A NR 20 em seu item 20.11 estabelece critérios quanto à capacitação dos
funcionários envolvidos em trabalhos com líquidos inflamáveis e combustíveis.
23

9. RESULTADOS E DISCUSÕES

Como resultado final do projeto para a montagem da cabine de pintura tem-se:

 Dimensão da cabine: de 2,5 metros de altura; 3,5 metros de comprimento e 2


metros de largura. Em material de madeira ou em aço galvanizado.
 Um exaustor do tipo axial de 30 cm, confeccionado em aço carbono. (tipo de
motor? Trifásico?)
 Filtros de pó de lã de vidro e carvão ativado. (um de cada?)
 Iluminação do ambiente.
 Sistema de pintura por spray do tipo airless com tinta PU (poliuretano)
 Sistema para tratamento dos resíduos gerados:
acondicionar os resíduos provenientes da cabine de pintura, os solventes
utilizados para limpeza das peças e a borra gerada no sistema de controle de
emissões gasosas da cabine de pintura, em recipientes dotados de tampa e
estocá-los, deverão ser acondicionados em bombonas, de no mínimo 100 (cem)
litros, em área abrigada, até o seu envio ao sistema de destinação licenciado pelo
órgão ambiental, mantendo os comprovantes à disposição da fiscalização;

 Normas para segurança do trabalho: EPC e EPI a serem utilizados.


24

CONCLUSÃO
25

REFERÊNCIAS

(http://www.cifrarepresentacoes.net/catalog/secaxumida.pdf)

http://www.tech-air.com.br/produtos/a-seco/)

(https://www.exaustoresbrasil.com/exaustores-para-cabine-de-pintura/)
http://www.santoro.com.br/assistencias/tron/calindexau.pdf
http://www.inovante.com.br/produtos/exaustores-industriais-axiais/exaustores-
industriais-axiais-ventisilva-monofasico.php
http://www.cifrarepresentacoes.net/catalog/secaxumida.pdf

(http://www.acciindustrial.com.br/filtro-ar-cabine-pintura

http://www.acciindustrial.com.br/filtro-carvao-ativado-cabine-pintura

http://www.acciindustrial.com.br/filtro-cartucho-poliester

. http://catalogo.exausfibra.com.br/viewitems/cabine-de-pintura/filtros-cabine-de-
pintura-seca

http://www.exaustoresventisilva.com.br/?p=522
http://www.galtec.com.br/pintura-eletroforetica-imersao
A pintura de imersão pode ser dividida em dois processos:

http://www.coverti.com.br/tintas-vernizes/produto/imersao-a-base-dagua/aquaverti-wb-
3700.htm

http://ecatalog.weg.net/files/wegnet/WEG-apostila-curso-dt-12-pintura-industrial-com-
tintas-liquidas-treinamento-portugues-br.pdf

http://wwwo.metalica.com.br/acos-zincados-por-imersao-a-quente-versus-acos-
pintados-com-tintas-liquidas
http://injermac.com/jateamento-de-areia/

http://www.mma.gov.br/estruturas/sqa_pnla/_arquivos/feema1.pdf
https://www.legisweb.com.br/legislacao/?id=175155
https://www.legisweb.com.br/legislacao/?id=261744
http://www.inea.rj.gov.br/cs/groups/public/documents/document/zwew/mdmx/~edisp/in
ea0031338.pdf
26

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 5419 –


Proteção de
Estruturas contra Descargas Atmosféricas. Rio de Janeiro, 2005.

______. NBR 17505 – Armazenamento de Líquidos Inflamáveis e


Combustíveis. Rio de
Janeiro, 2013

______. NBR 17505-4 – Armazenamento de líquidos inflamáveis


combustíveis – Armazenamento em recipientes e tanques portáteis. Rio de Janeiro,
2013.

______. NBR 60079 – Atmosferas Explosivas. Rio de Janeiro, 2013.

______. NBR 60079-14 – Atmosferas explosivas – Projeto, seleção e


montagem de instalações elétricas. Rio de Janeiro, 2013.

BRASIL. Ministério dos Transportes. Resolução n. 420, de 12 de fevereiro


de 2004 – ANTT.
Aprova Instruções Complementares ao Regulamento do Transporte
Terrestre de Produtos Perigosos. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 13 de mai.
2004. Disponível em:
<http://www.antt.gov.br/index.php/content/view/1420/Resolucao_420.html>.
Acesso em 24 de fev. de 2014.

BRASIL. Inmetro/MDIC. Portaria n. 326, de 11 de dezembro de 2006.


Aprova o Regulamento de Avaliação da Conformidade para Embalagens
27

Utilizadas no Transporte Terrestre de Produtos Perigosos. Diário Oficial da


União, Brasília, DF, 13 de dezembro de 2006. Disponível em:
<http://www.inmetro.gov.br/rtac/pdf/RTAC001079.pdf>. Acesso em: 13 de mar.
2014.

NR 6 – Norma Regulamentadora Nº 6 – Equipamentos de Proteção


Individual – EPI.

NR 10 – Norma Regulamentadora Nº 10 – Segurança em Instalações e


Serviços em Eletricidade.

NR 11 – Norma Regulamentadora Nº 11 – Transporte, Movimentação,


Armazenagem e Manuseio de Materiais.

NR 16 – Norma Regulamentadora Nº 16 – Atividades e Operações


Perigosas.

NR 20 – Norma Regulamentadora Nº 20 – Segurança e Saúde no Trabalho


com Inflamáveis e Combustíveis.