Vous êtes sur la page 1sur 3

Peça 35

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ CORREGEDOR DO TRIBUNAL


REGIONAL DO TRABALHO DA ___ REGIÃO.

nome do Autor, nacionalidade, estado civil, profissão,


nome da mãe, data de nascimento, número do RG, número do CPF, número e
série da CTPS, número do PIS, endereço completo com CEP, representado por
seu advogado que esta subscreve (mandato procuratório incluso), vem,
respeitavelmente, perante Vossa Excelência, com fulcro no art. 682, XI da CLT,
propor a presente

CORREIÇÃO PARCIAL

Pelo rito especial, em face do Meritíssimo Senhor


Doutor Juiz de Federal da 70ª Vara do Trabalho de Maringá/PR, pelos motivos
de fato e de direito a seguir elencados.

I – HISTÓRICO PROCESSUAL

O Reclamante interpôs reclamação Trabalhista em


face do Empregador __________, sendo a ação protocolada em __/__/____.
II – DO ABUSO PROCESSUAL

O Reclamante requereu na inicial trabalhista o


depoimento pessoal e a oitiva das testemunhas, sendo que tais meios de prova
restaram indeferidos pelo Meritíssimo, sob o fundamento de que o depoimento
pessoal não mais subsiste, pois foi substituído pelo interrogatório, sendo este
realizado somente quando o juiz entender necessário. A oitiva de testemunhas
foi indeferida sob a alegação de que estas têm Reclamação Trabalhista contra
o mesmo empregador.

Ocorre que, no tocante às testemunhas, não pode


ser considerado válido o fundamento que indefere a produção de tal meio de
prova, uma vez que a Súmula 357 do TST estabelece que “Não torna suspeita
a testemunha o simples fato de estar litigando ou ter litigado contra o mesmo
autor”.

No que tange ao depoimento pessoal, tal meio de


prova é de fundamental importância para o processo, pois dificilmente a parte
deixa de confessar algum ou muitos aspectos da controvérsia. No mesmo
sentido é a lição do insigne Valentin Carrion em sua CLT Comentada, 33ª ed.,
Saraiva, p. 700:

“O depoimento dos litigantes é a mais pura e direta fonte


de informação e convicção: o ônus da prova que pesa
sobre cada uma das partes não pode depender da
disposição do juiz em ouvir ou não o adversário, e seu
indeferimento constitui gravíssimo cerceamento de
defesa”

Ademais, houve também o indeferimento do


requerimento de consignação de protestos pelo Réu, que destacou a
inexistência de previsão legal do Protesto requerido.

Frise-se que mencionado protesto têm previsão legal


insculpida no caput do art. 795 da CLT, que estabelece que “As nulidades não
serão declaradas mediante a provocação das partes, as quais deverão argüi-
las à primeira vez que tiverem de falar em audiência ou nos autos.

Desta forma, esses fatos demonstram o mau


procedimento do Réu no trato da marcha processual, constituindo abuso
processual o indeferimento das provas e do protesto requerido, não restando
outra solução necessária, senão o deferimento da Correição Parcial.
III – DO PEDIDO

Diante do exposto, requer o Autor seja determinado


o exercício da Correição Parcial em face do Réu, com a conseqüente produção
das provas indeferidas, além da consignação do protesto no relatório da
audiência de instrução e julgamento.

IV – DOS REQUERIMENTOS

Requer provar o alegado por todos os meios de


prova em direito admitidos, especialmente o depoimento pessoal da
Consignada, prova testemunhal, documentos, e tudo o que se mostrar
necessário ao justo deslinde do feito.

Requer, ainda, a notificação da consignada para


comparecer em juízo, a fim de que possa contestar os pedidos contra ela
formulados, sob pena de serem admitidos como verdadeiros, o que,
certamente, ao final, restará demonstrado.

Requer, por fim, seja a ação determinada


TOTALMENTE PROCEDENTE, condenando a Correita à integralidade do
pedido, além de custas, honorários advocatícios e demais ônus processuais
advindos da causa.

Dá-se à causa o valor de R$ __________


(_____________).

Nestes termos,
Pede deferimento.

Local e data:________________

Nome e assinatura do Advogado.

OAB/____ nº ________.