Vous êtes sur la page 1sur 21

CURSO DE LICENCIATURA EM MÚSICA – UEMAnet

Disciplina Prática Curricular na Dimensão Político Social

UNIDADE IV

Prof. Ivan Veras Gonçalves

São Luís
SUMÁRIO

1 O que é pesquisa?............................................................................................... 01

2 Estrutura de um Projeto de Pesquisa................................................................... 02

3 Execução do Projeto............................................................................................ 06

4 Relatório Final..................................................................................................... 06

5 Apresentação Oral............................................................................................... 07

6 Sobre a Pesquisa de Campo................................................................................. 08

7 O Projeto............................................................................................................. 11

8 Termo de Consentimento........................................................................................ 16

Conclusão................................................................................................................ 17

Glossário................................................................................................................. 17

Referências............................................................................................................. 19
1 O que é pesquisa?

Quando nos propomos a responder à pergunta sobre: O que é pesquisa? Muitos teóricos nos oferecem
respostas, definições e opiniões sobre esta indagação. Segundo Gil (2007, p.17), a pesquisa pode ser
definida como “ [...] procedimento racional e sistemático que tem como objetivo proporcionar respostas
aos problemas que são propostos”. O interessante é que começamos o nosso trabalho com uma
pergunta e só iniciamos uma pesquisa com uma pergunta. Em suma quando fazemos uma indagação,
buscamos uma resposta e, mais que isso, buscar elucidar uma dúvida sobre algo. Portanto, uma pesquisa
segue um percurso específico, que vai da formulação de um problema (uma interrogação ou uma
particularidade que caracteriza um fato, uma situação) até a análise dos dados (compactação), a
discussão e a apresentação dos resultados.

As questões que motivam uma pesquisa podem ser as mais diversas possíveis, sejam elas intelectuais
(pelo desejo de conhecer, pelo prazer e satisfação em adquirir conhecimento) e por razões práticas
(aprender para produzir algo eficaz). Mas pesquisar não é algo trivial onde basta querer fazer algo e
pronto, alguns pré-requisitos e uma preparação adequada são necessários:

-Ter conhecimento do assunto alvo da pesquisa;

-Recursos humanos: prever quem estará envolvido na pesquisa, facilitando e


agilizando a coleta de informações;

-Prever que recursos materiais serão necessários na pesquisa, além dos custos
que o trabalho demandará.

É comum ouvirmos que basta querer e você irá pesquisar, inventar teorias espetaculares e
promover grandes descobertas, elaborar trabalhos geniais, embora o pesquisador possa ter amplos
conhecimentos e recursos, um domínio forte e bem embasado sobre o objeto a ser pesquisado, ao se
lançar no universo da pesquisa ele precisa delimitar seus limites dentro do trabalho para que os
resultados sejam os melhores possíveis. Planejar bem tudo o que será trabalhado, os processos a serem
utilizados é o primeiro passo da pesquisa. Na fase do planejamento, é que todos os elementos que
envolvem uma pesquisa serão definidos:

*Tema;
*Problema;
*Objetivos;
*Hipóteses;
*Operacionalização dos métodos.

1
2 Estrutura de um Projeto de Pesquisa

Vamos aqui, de forma sucinta, explanar sobra a estrutura básica que um projeto de
pesquisa deve ter, vamos tratar dos elementos mais importantes para o trabalho.

2.1 Título do projeto

Procure usar conceitos simples, claros. O título não é algo pétreo, se necessário o mesmo
poderá ser alterado no decorrer do trabalho. Não é necessário a utilização de subtítulo, ele se faz
desnecessário caso não haja necessidade de tornar claro o título. Segundo Gerhardt & Silveira (2009,
p.65) “Um bom título é conciso; não entra em detalhes; provoca e atrai, por meio da síntese de ideias”.

2.2 Introdução

Neste item podem estar contidos vários elementos da pesquisa tais como: o tema, a
justificativa, problema específico (o que será pesquisado, a “pergunta”). Todos os elementos devem ser
expostos de forma compreensível (que se percebam bem) com clara mesmo para neófitos nos assuntos
em cujo o contexto a pesquisa se realiza.

2.3 Revisão Bibliográfica

Aqui serão expostas as principais ideias já tratadas por outros teóricos acerca do problema,
comentando e criticando quando for pertinente. E, principalmente, fazer conhecer a todos em que
medida a sua pesquisa irá se diferenciar de outros trabalhos já produzidos sobre o problema e como o
seu trabalho pode contribuir para um melhor conhecimento sobre o assunto.

2.4 Procedimentos Metodológicos

Nesta etapa, vamos verificar as hipóteses (questões de pesquisa), aqui e incluem tanto os
tipos de pesquisa, bem como as técnicas de coleta e análise de dados. Esses procedimentos indicarão
como realizar a pesquisa, suas etapas e os métodos que usaremos ao longo da mesma.

2
2.4.1 Tipos de Pesquisa

Em geral é o que se pretende esclarecer, o objetivo do trabalho, e irá definir o tipo de


pesquisa: exploratória, descritiva ou explicativa. Indica também que método deverá ser adotado. As
características de cada tipo de pesquisa segundo Doxsey & De Riz (2002 – 2003, p.25) são:
*Pesquisas Exploratórias – Investigam o fenômeno pelo levantamento de informações que
podem levar o pesquisador a conhecer mais sobre ele;
*Pesquisas Descritivas – Tem o intuito de descrever as características do fenômeno;
*Pesquisas Explicativas – O pesquisador procura explicar causas e consequências da
ocorrência do fenômeno.
Ainda segundo Doxsey & De Riz (2002 – 2003, p.26 - 27), o pesquisador iniciante mais
explora do que explica “ pesquisadores iniciantes, como é o caso dos estudantes de graduação e de pós-
graduação lato sensu, geralmente realizam pesquisas de caráter exploratório”.

2.4.2 Estabelecer Público-alvo.

Aqui será definido o universo de estudo e a forma como será selecionada a amostra e o
tratamento que os dados irão receber.

2.5 Cronograma

É como o próprio nome diz: Chróno =tempo + Grámma = letra, a escrita do tempo. É o
planejamento adequado do tempo em que a pesquisa se efetivará. No cronograma, o pesquisador
detalhará especificamente as atividades a serem cumpridas. As características de cada tipo de pesquisa
possuem definições diferentes no que se refere às atividades e os períodos de efetivação. Ele pode ser
dividido em: dias, semanas, quinzenas, meses, semestres, anos etc.
Segue abaixo algumas ideias de modelos de cronograma:

3
MODELO 1:

CRONOGRAMA
FASES ATIVIDADES 1 2 3 4 5 6
Os números
1 abcdefghijklm
serão
2 abcdefghijklm substituídos
3 abcdefghijklm por semanas
4 abcdefghijklm ou meses
conforme o
5 abcdefghijklm caso.
Fonte: Ivan Veras, 2018

Os números serão
substituídos pelas
fases do projeto

MODELO 2:

2.6 Recursos

Esse item do projeto de pesquisa se refere ao orçamento do projeto como um todo, além
de elencar as pessoas envolvidas e os materiais necessários para que o mesmo ocorra a contento.

2.6.1. Humanos

Essa parte do projeto se refere à quantidade de pessoas envolvidas e que vão auxiliar o
pesquisador, mesmo que não estejam envolvidas diretamente no campo, mas auxiliam em outras
etapas.

4
2.6.2 Material Permanente

Aqui deve ser incluído os materiais que o pesquisador irá precisar para desenvolver sua
pesquisa, equipamentos tipo: computador PC e/ou notebook, equipamentos de filmagem ou similar
(Smartphone ou Tablet) etc.

2.6.3 Material de Consumo

Todos os materiais que o pesquisador irá consumir ao longo da pesquisa. Esses materiais
são os mais diversos desde materiais de escritório aos de higiene pessoal. Pode envolver até mesmo
alimentação caso seja uma pesquisa em tempo integral.

2.7 Análise e Compactação dos Resultados.

Aqui deverá ser demonstrado como serão analisados e avaliados os dados obtidos. Essa
fase é um dos pontos altos da pesquisa, pois representa a culminância da mesma. Nessa fase da pesquisa
vai ser definido que método será usado, se os resultados estão bons ou não, se os mesmos serão
comparados com alguma pesquisa similar já realizada ou não ou comparado com a obras de algum autor
(SOUSA & ROMERO, 2013, p.29).

2.8 Referências

Nas referências devem ser citados todos os documentos e autores citados no projeto,
usados como embasamento no decorrer da pesquisa e também na compactação dos resultados, ao se
produzir o relatório, autores podem ser citados.

2.9 Anexo e Apêndices

Anexo é um documento que não é de autoria do pesquisador. É um texto de autoria de


outra pessoa que o pesquisador usa como complementação ou comprovação de fatos observados, mas
que só devem ser usados no relatório final se tiverem essa função. Não são necessários por si só. Evitar
criar anexos para fotos e tabelas, o mais prático é que estejam no corpo do relatório final, criando um
contexto para o que se está lendo.

5
Apêndice é um texto de autoria do pesquisador, que ele usa para complementar suas ideias.
Aqui, também, devemos evitar criar apêndices para fotos e tabelas, o mais prático é que estejam no
corpo do relatório final criando um contexto para o que se está lendo.

3 Execução do Projeto

Nesta fase, o pesquisador/aluno deverá iniciar a execução do seu projeto sempre com
orientação na medida do possível. É preciso prestar toda a atenção e verificar possíveis ocorrências de
situações críticas na execução da pesquisa, essas situações podem ser caracterizadas como:
Conflitos no campo da pesquisa envolvendo o pesquisador e o público-alvo;

O pesquisador deve se colocar como um observador ativo nas suas propostas, mas sempre
neutro em relação ao que estiver se desenvolvendo e sendo observado, salvo em situações em que seja
convidado a participar e/ou a participação esteja prevista no projeto de pesquisa.
Um item importante nessa fase da pesquisa é que se tenha um Caderno de Campo (diário
de bordo) onde o pesquisador irá registrar tudo o que foi pensado, escrito e executado no decorrer da
pesquisa de campo. Nada deve ser descartado, mesmo depois de digitados, qualquer material (seja a
observação mais simples) deve ser guardado numa pasta de documentos com o título, ou qualquer um
de escolha do pesquisador aqui estamos apenas sugerindo, “Memória da Pesquisa”, essas memórias, às
vezes, ajudam a compor um novo cenário na hora da compactação.

4 O Relatório Final

O relatório final além de apresentar o resultado final da pesquisa, deve descrever todas as
etapas do projeto, relatando tudo o que foi trabalhado durante a pesquisa, bem como os resultados e
conclusões finais da pesquisa.
Segundo as regras da ABNT NBR 14724: 2005, a cerca de teses, dissertações, TCC e outros
trabalhos acadêmicos similares se dividem em elementos pré-textuais, textuais e pós-textuais. Seguindo
essa regra a estrutura do relatório deverá conter:
*Elementos pré-textuais:
-Folha de rosto;
-Dedicatória (opcional);
-Agradecimentos (opcional);
-Resumo em português;
-Resumo em língua estrangeira;

6
-Sumário.
*Elementos textuais:
-Introdução - nesse item o autor irá iniciar o leitor no conteúdo do trabalho de forma
sucinta;
-Desenvolvimento - aqui está o texto com o conteúdo da pesquisa em si;
-Conclusão.
*Elementos pós-textuais:
-Referências;
-Glossário (opcional);
-Anexo (opcional);
-Apêndice (opcional).
No relatório um item importante é o resumo, além de obrigatório, é uma descrição do que
se propõe o projeto, os procedimentos que serão seguidos e as conclusões. Deve ser em um parágrafo
e segundo a norma ABNT NBR 6028: 2003 deve ter:
-de 150 a 500 quando se referir a relatórios científicos;
-deve ser escrito na forma de frases sem utilização de tópicos;
-utilizar a 3ª pessoa do singular;
-verbos na ativa e evitando o uso de expressões negativas;
-recomenda-se que seja digitado em Arial ou Times New Roman 12, espaço simples.
No desenvolvimento em geral usa-se Arial ou Times New Roman 12, espaço 1,5. Deve
conter o relato de todas as etapas do projeto. Divide-se em capítulos ou seções cuja a forma se adequa
em função da natureza do conteúdo.

5 Apresentação oral

Segundo Souza & Romeiro (2013, p.38), a apresentação oral é uma peça fundamental na
divulgação do projeto/pesquisa, para uma boa apresentação o pesquisador deve ter:
-Domínio do assunto: o expositor demonstra conhecimento pleno do assunto
pesquisado;
-Clareza e Desenvoltura;
-Uso adequado da linguagem;
-Disposição para a defesa do trabalho: o quanto o expositor demonstra entusiasmo na
apresentação do trabalho.

7
Evite na exposição oral apresentar um texto decorado ou lido na integra dos slides que
estiverem sendo apresentados, isso demonstra pouca familiaridade com o relatório. O pesquisador
precisa abrir espaço para perguntas e respostas.

6 Sobre a Pesquisa de Campo

Podemos definir a pesquisa de campo como um trabalho voltado para o estudo de


indivíduos, grupos, comunidades, instituições, entre outros campos. Os objetivos dessa pesquisa devem
sempre ser a tentativa de conter em si os diversos aspectos do campo de estudo da pesquisa, obter
informações e/ou conhecimentos acerca de um problema e descobrir novos fenômenos ou ocorrências
que sejam passíveis de observação e suas relações com outros campos.

6.1 Fases da Pesquisa

Antes de iniciar sua pesquisa (na fase do projeto) algumas coisas precisam ser definidas.

6.1.1 Pesquisa Bibliográfica

O pesquisador precisa a partir da definição do campo e do problema a se observar, ter uma


bibliografia de apoio que embasará todo o trabalho.

6.1.2 Técnicas de Pesquisa

Determinar, de acordo com a natureza da pesquisa, as técnicas que serão empregadas na


coleta de dados e na seleção das amostras.

6.1.3 Registro e Compactação

Decidir quais as técnicas para registro dos dados e de como (técnicas) esses dados serão
compactados, o que será utilizado no processo de análise final desses dados.

6.2 Qual a importância de se realizar pesquisas?

Aqui nós voltamos ao começo, onde a pergunta sobre a necessidade de pesquisar se faz
recorrente, mas essa recorrência vem muitas vezes da dúvida que o aluno/pesquisador tem acerca da

8
importância dessa prática e de como ela poderá transformar sua vida profissional. Nesse momento de
incerteza sobre o que fazer é que surgem as perguntas: preciso pesquisar? Como pesquisar ajuda minha
prática docente futura? Vamos tentar (eu disse, tentar!!) esclarecer essa necessidade. Como bem
enfatizou Pedro Demo no vídeo “Educar pela Pesquisa” (in:
https://www.youtube.com/watch?v=bOVAIwuiEBg) “ O aluno que se mete em pesquisa aprende. O que
ouve aula se perde na vala comum”.
Em algumas áreas acadêmicas (música é uma delas) os alunos são resistentes quando o
assunto é pesquisar. Aqui vemos uma coisa interessante que é: só o fato de aluno de música não ser
afeito à pesquisa já seria um bom tema para uma pesquisa. Mas respondendo à pergunta sobre a
necessidade da pesquisa, vemos que a sua importância é nos levar a perceber e compreender a
diferença entre os indivíduos de um grupo e/ou grupos diferentes, nos levar a ver as oportunidades para
inovar e, acima de tudo, nos dar segurança sobre nossas práticas, nos manter sempre seguros e realistas
sobre a realidade do universo educacional.

6.2.1 Métodos de Coleta de Material de Pesquisa

Em geral esses métodos vão depender do que você busca com a pesquisa e o que quer
alcançar. Se o pesquisador busca uma observação direta e intensiva ele irá ter que optar pelo Método
Qualitativo. Nesse método a observação é determinada (sistemática) e sem um formato exato
(assistemática), colaborador, não-colaborador, individual, em equipe etc. As entrevistas no método
qualitativo podem ser estruturadas, focalizadas, dirigidas ou não. Já no Método Quantitativo a
observação é direta extensiva e realizada por meio da aplicação de questionários e / ou formulários.
Na coleta de dados quando estamos no campo alguns cuidados precisam ser observados.
Uma forma de coletar dados no campo e que é usada por muitos pesquisadores é o que chamamos de
“sombrear”, as características dessa forma de coleta são:

Acompanhar o entrevistado ou estar presente no campo em todos os momentos


relevantes;
Observar tudo atentamente;
Pouca interferência o que estiver acontecendo;
Investigar todos os pormenores que passam despercebidos no dia a dia.

Como bem ilustram as imagens a seguir, nunca fotografar ou gravar sem autorização
(quando for preciso), pois muitas pessoas e / ou instituições não permitem.

9
Imagem: nº Fonte: http://iphotochannel.com.br

Imagem nº Fonte: http://itafortnet.com.br

Sempre que for registrar algo fique fora do campo de visão do objeto pesquisado, evitar
fotos posadas ou frases e textos ensaiados, sempre ter muitas fotos para na compactação escolheras
melhores, fique sempre com a câmera a postos (mas não no olho), pois nada substitui a observação
direta do pesquisador, use câmeras silenciosas e com ajuste automático de foco e disparo rápido, anote
o essencial, mas evite abreviações, de preferências anote o contexto pois isso ajuda a lembrar.

10
7 O Projeto

Uma das etapas mais importantes da pesquisa como já falamos anteriormente, onde
praticamente tudo o que será desenvolvido, pensado e planejado é o Projeto. Esse projeto possui uma
série de características que devem ser seguidas, cabendo pequenas modificações e todas baseadas na
área de pesquisa em estejamos envolvidos. Nesse tópico vamos listar e comentar todos os itens
constantes de um projeto de pesquisa para que assim o aluno/pesquisador possa elaborar um projeto
equilibrado e sucinto.

7.1 CAPA E CONTRACAPA

Universidade....
Centro.......
CURSO.....

FULANO DE TAL.....

TÍTULO O PROJETO.....
O SUBTÍTULO (se houver).......

Cidade.....

Ano.....

11
REPITA SEU NOME

TÍTULO O PROJETO.....
O SUBTÍTULO (se houver).......

Projeto de pesquisa apresentado ao Curso...., do


Centro.... da Universidade..., para a obtenção de
nota sob a orientação do Prof./Tutor FULADO
DE TAL

Cidade....
Ano...

12
7.2 INTRODUÇÃO

*CONTEXTUALIAZAÇÃO DO TEMA (obrigatório): Aqui será explicado com clareza e fluidez


do que se trata a pesquisa.
*MOTIVAÇÃO (opcional): O que levou o aluno / pesquisador a se interessar por esse tema.
*PROBLEMA (obrigatório): Qual a problemática do seu projeto, quais as questões da sua
pesquisa. Pode ser apresentada na forma interrogativa ou não.
*OBJETIVOS (obrigatório): Aqui já se começa a evidenciar o que vai ser investigado e o que
pretende alcançar com a mesma. É interessante que se coloque dentro de um limite conceitual e
espacial o universo da pesquisa:

*REVISÃO BIBLIOGRÁFICA (obrigatório e importante): É onde o aluno / pesquisador irá


apresentar os conhecimentos e o embasamento sobre o objeto da pesquisa. É necessário que se faça
uma pesquisa prévia para saber o que já foi produzido sobre o seu objeto de pesquisa. Deve segui o
seguinte roteiro:

-Consulta bibliográfica preliminar: livros, teses, artigos (não pode ser baseada só em
sites);
-Marco teórico: teoria de base;
-Definições de conceitos.

Com essa pesquisa o aluno / pesquisador terá uma visão geral e atualizada do tema a ser
trabalhado.
*JUSTIFICATIVA 1 (obrigatório): ligada à situação atual do objeto da pesquisa.
*JUSTIFICATIVA 2 (obrigatório): destacar a relevância social e / ou cultural da pesquisa.

13
7.3 OBJETIVOS

São notas que se pretende constatar, verificar e analisar.

7.3.1 Objetivo Geral

Uma frase (no máximo duas linhas), sempre iniciado com um verbo, que irá expor o que vai
ser investigado.

7.3.2 Objetivos Específicos

Expresso em tópicos. Formado de frases curtas, sempre iniciado com um verbo,


apresentando as metas que você busca atingir enquanto busca o objetivo geral.
OBSERVAÇÃO: Optamos por construir o glossário deste trabalho elaborando uma pequena
lista de verbos que podem ser usados na construção os objetivos.

7.4 METODOLOGIA E ESTRATÉGIA DE AÇÃO

Aqui será justificado o porquê da escolha de determinada estratégia para a pesquisa do


problema e qual o método que irá fundamentar o seu processo de pesquisa.

7.5 PROCEDIMENTOS

Conforme o objeto de pesquisa escolhido você pode optar por um procedimento que se
adeque ao seu trabalho.

7.5.1 Pesquisa documental

a) Fontes Primárias (documentos originais): Trata-se em geral de material que não recebeu
ainda nenhum tipo de análise e que pode ser reelaborado de acordo com o que propõe a
sua pesquisa;
b) Fontes Secundárias (pesquisa bibliográfica): trabalhos que auxiliem na interpretação das
fontes primárias.

14
7.5.2 Pesquisa de Campo

Essa é a pesquisa adequada para o que estamos propondo nesta disciplina, pois consiste na
observação direta dos fenômenos a serem pesquisados, observando as circunstâncias em que ocorrem
os fatos. Ela pode ter caráter:
-Exploratório;
-Descritivo;
-Interpretativo;
-Reflexivo crítico;
-Explicativo;
-Avaliativo.

As técnicas comumente usadas em pesquisas são:


-Entrevista: estruturada, semiestruturada, livre narrativa;
-Questionários;
-Gravação de Áudio;
-Filmagem;
-Fotografia;
-Desenhos etc.

O pesquisador no decorrer da pesquisa pode usar uma dessas técnicas ou várias ao mesmo
tempo.

7.6 ORGANIZAÇÃO E CRUZAMENTO DOS DADOS

Serão organizados os resultados até o momento obtidos em outras etapas e, havendo


necessidade e / ou possibilidade, cruzar esses dados com outra pesquisa da mesma natureza feita no
campo de pesquisa onde você está atuando ou em outro campo com as mesmas características.

7.7 ANÁLISE E COMPACTAÇÃO DOS DADOS

Neste ponto é onde o aluno / pesquisador dará sua maior contribuição a todo o trabalho.
Aqui os dados serão analisados e interpretados para que assim, o autor da pesquisa possa elaborar o

15
relatório final da mesma. Deverá ser detalhado como essa parte do projeto será realizado para que se
atinja o objetivo principal.

7.8 APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS

Neste ponto será detalhado como o resultado da pesquisa será apresentado, como será
levado a público as conclusões que o aluno / pesquisador chegou ao fim do trabalho. Essa apresentação
pode se dar através de: artigo, palestra, slides etc.

7.9 SUMÁRIO

Coloque no sumário o provável índice do trabalho.

7.10 CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO

Descreva todas as fases do projeto e sua duração.

7.11 REFERÊNCIAS

Aponte todas as obras utilizadas para referencias seu trabalho.

8 TERMO DE CONSENTIMENTO

Sempre será necessário pedir um consentimento para adentrar em determinada instituição


e acompanhar as atividades que lá se desenrolam. Em alguns casos, o consentimento pode ser verbal,
dado pela direção da instituição, mas caso queiram saber o teor da pesquisa e o destino que será dado
aos dados, pode se fazer necessário a elaboração de um documento detalhando tudo sobre a pesquisa.
Esse termo comumente chamado de “Termo de Consentimento Livre e Esclarecido” (o nome varia
dependendo da instituição), talvez exista na UEMA voltado para este fim, busque informação com a
direção do curso sobre a existência do mesmo. Caso não exista, elabore um junto com o seu Tutor
(Orientador) que atenda às suas necessidades.

16
CONCLUSÃO

Não vamos finalizar esta Unidade com pleonasmos acerca da pesquisa e sua importância.
A pesquisa é algo onipresente em todas as universidades e em todos os cursos de graduação e pós-
graduação, o que evidencia sua importância para a solidez do futuro professor, esse meio profissional
hoje exige mais do educador, que ele não tenha apenas conhecimentos teóricos, mas exige dela que
seja capaz de produzir novas ideias e conhecimentos.

Bons Estudos!!!

GLOSSÁRIO

Verbos para objetivos

A correta definição de objetivos gerais e de objetivos específicos é essencial para o sucesso de projetos
de pesquisa, estudos científicos, planos de aula, trabalhos acadêmicos. De forma a assegurar que a
transmissão de mensagem seja clara e assertiva, os objetivos devem ser iniciados por um verbo no
infinitivo.
Objetivos gerais
Para a definição de objetivos gerais, é recomendado o uso de verbos com significado abrangente. Deve
englobar a totalidade do problema, definindo de forma clara o que se pretende no final do projeto.
Verbos para objetivos gerais que se focam em conceitos

• conhecer;
• compreender;
• entender;
• identificar;
• reconhecer;
• generalizar.

Verbos para objetivos gerais que se focam em procedimentos

• desenvolver;
• estabelecer;
• organizar;
• capacitar;
• demonstrar.
17
Verbos para objetivos gerais que se focam em atitudes

• contribuir;
• colaborar;
• valorizar;
• interiorizar;
• mostrar.

Objetivos específicos
Para a definição de objetivos específicos, é recomendado o uso de verbos com significado mais restrito
e direcionado. Os objetivos específicos contribuem para a concretização do objetivo geral,
pormenorizando-o. Estão relacionados com as áreas específicas nas quais se desenvolvem.
Verbos usados em objetivos específicos para indicar análise

• analisar;
• investigar;
• comprovar;
• classificar;
• comparar;
• contrastar;
• diferenciar;
• distinguir.

Verbos usados em objetivos específicos para indicar avaliação

• avaliar;
• pesquisar;
• selecionar;
• precisar;
• decidir;
• estimar;
• medir;
• validar.

Verbos usados em objetivos específicos para indicar compreensão

• concluir;
• inferir;
• deduzir;
• interpretar;
• determinar;
• descrever;

18
• ilustrar.

Verbos usados em objetivos específicos para indicar conhecimento

• registrar;
• definir;
• identificar;
• nomear;
• especificar;
• exemplificar;
• enumerar;
• citar.

Verbos usados em objetivos específicos para indicar síntese

• esquematizar;
• organizar;
• constituir;
• estruturar;
• generalizar;
• documentar;
• desenvolver.

Verbos usados em objetivos específicos para indicar aplicação

• aplicar;
• praticar;
• empregar;
• operar;
• usar.

REFERÊNCIAS

DOXSEY J. R.; DE RIZ, J. Metodologia da pesquisa científica. ESAB – Escola Superior Aberta do Brasil,
2002-2003. Apostila.

DEMO, Pedro. Educar pela pesquisa. São Paulo: vídeo, 2003. Disponível em:
<https://www.youtube.com/watch?v=bOVAIwuiEBg>. Acesso em: 20 abr. 2018

MARTINS, Ronaldo. Projeto de pesquisa: o que é e como se faz. Macapá: artigo, CEAP, 2011.
Disponível em: <http://www.ceap.br/ material/>
MAT12112011104918.pdf>. Acesso em: 20 abr. 2018

19