Vous êtes sur la page 1sur 6

DIACONATO

1. COMPOSIÇÃO DO GRUPO

1.1. Coordenador (a) Nacional


José Marcos Rosque, pastor titular na IEQ – Vila Formosa, em São Paulo, iniciou
seu ministerio em 1988, na cidade de Limeira, intrior de São Paulo. Em 2012, foi
nomeado coordenador Nacinal do Diaconato.

1.2. Introdução Histórica do Diaconato


É muito comum, atualmente, a ouvir o termo “diaconato” ligado ao Novo
Testamento, principalmente, baseado em Atos 6.1-7( o registro histórico da
escolha dos setes primeiros diáconos),em I Tim 3-8 ( que lista os registros e
deveres dos diácocnos e diaconosas). Essa palavra vem do grego e está associada
a “servirço”. Tomando esse sentido, podemos relacioná-lo ao Antigo Testamento,
especialmente ao ministério exercido pela tirbo de Levi – Nm 1 . 50-53

1.3. Importância do Grupo Missionário de Diaconato para Igreja


O Diaconato é um ministério auxiliar da igreja constituído por homens e
mulheres apresentandos pelo pastor titular à Assembleia Geral e que, para
exeserce em seu ministério, deverão etender ao padrão biblico registrado no livro
de Atos 6. 1-7.
A figura do diretor do Diaconato é importante e influente na igreja local,
fazendo parte, inclusive, do Conselho Diretor Local (CDL). É pessoa de confiança
do pastor e o ajuda na condução da igreja, instruindo o corpo diaconal, dando-lhe
atribuições e providenciando a sua escala de trabalho.

1.4. Funções Específicas da Liderança Diaconal


O Corpo Diaconal é composto por volúntarios e faz parte da Igreja desde a sua
fundação, misturando sua história com a da IEQ no Brasil. No início, o Diaconato
compunha o departamento de evangelismo Quadrangular chamado Cruzada
Nacional de Evangelização. Mas seu trabalho era organizar o lugar e recapcionar o
grande número de pessoas que afluíam para reuniões no templo, em joão da Boa
Vista (SP), cidade em que a igreja foi fundada, e nas tendas de lona, os núcleos
embrionário que contribuíam para a formação de novas IEQs.
Ao longo dos anos, a obra crescendo e multiplicando-se, chegando aos estados
brasileiros, em quase todos os municípios; com isso, aumentou também o número
de diáconos e diaconisa, chegando hoje ao total expressivo de mais de 150 mil.
Em 1998, o enrome contingente de diáconos e diaconisas forçou a IEQ a criar
uma administrativa do Corpo diaconal, ficando da sequinte forma: Coordenadoria
Nacional, Coordenadoria Estadual, Coodenadoria Regional e Diretoria Local. Em
alguns estados, a critério do presidente Estadual, existe a figura do Coordenador
Distrital todos os cargos são de confiança, não eletivos, ficando a escolha a
critérios das respectivas instáncias hierárquicas.
Ao Coordenador Nacional compete administra o diaconato em todo o Brasil,
providenciando suporte para o seu crescimento em todos os aspectos. Seu
principal objetivo é criar estratégias para subsidiar o trabalho do Diaconato local.
Ao Coodenador Estadual cabe realizar o mesmo trabalho do nascional, em
âmbito estadual, reunindo os Coordenadores Regionais, auxiliando-os no exercício
do seu trabalho com os Diretores Locais.
O Coordenador Regional é o elo entre o Diaconato Local e o coordenador
Estadual: ele tem contato direto com todos os diretores das igrejas locais. Seu
principal objetivo é reuni-los a fim de treiná-los e motivá-los para o crescimento
do Diaconato, capacitando-os para o exercício do ministério.

1.5. Datas Comemorativas


1º de Maio – Dia Nacional do Diácono Quadrangular.

2. Perfil do Diconato

2.1. Zelo
“(...), pois o zelo pela tua casa me consome (...) – Sl 69 . 9”.
Quem exerce o diaconato deve ter zelo pela casa de Deus em todos os aspectos:
pela reputação, oranização e limpeza. Inclui-se, aqui, zelar pelo nome da igreja,
defendendo-a, bem como aos seus líderes, de difamação e calúnia, e cuidar dos
seus bens, impedidos que sejam destruídos ou danificados, comunicando um
responsável assim que o fato ocorre, para que providências sejam tomadas.
Existem igrejas em que o diaconato local cuida da manutenção e limpeza.
Outras têm zeladores e faxineiros profissionais que exerce essa tarefa. Nesse
casos, os Diáconos e as diaconosas cumprem a função de mantenedores d
organização, da ordem e do asseio.
O zelo pela casa de Deus inclui os mínimos detalhes e, até mesmo, aqueles
ambientes que se costuma deixar de lado, como é o caso dos banheiros, que não
deixa de ser um cartão de visitas. Um banheiro limpo, perfumado e bem arejado
revela o cuidado por um ambiente que deve primar pela exelência. Por isso, quem
exerce o diaconato deve verificar se esse espaço está limpo, se tem papel, toalhas
e água, providenciando o que for necessário.
Outro espaço igualmente importante é a nave do templo, que deve ser
inspecionada. Quando os menbros e frenquentadores chegarem, devem encontra
tudo pronto e preparado, um ambiente limpo e organizado.
É necessário também conferir a plataforma do púlpito, verificando se está
tudo em ordem e asseado.
Esse zelo também exige a verificação e necessidade de pequenos
consertos, como trocar uma lâmpada, um reparo de torneira, um botijão de gás
ou apertar um parafuso de uma porta.

2.2. Transporte
“ Sempre que o tabernáculo tiver que ser removido, os levitas o desmontarão e,
sempre que tiver que ser armado, os levitas o farão”. – Nm 1. 51 Hoje a igreja
não é nomade, como o povo hebreu no deserto, mas, periodicamente, realiza
cultos ao ar livre, batismo em sítios ou rios que exigem o transporte de púlpitos,
cadeiras e utensílios necessários para a realização do evento. O Diaconato,
antenado com a modernidade, conhece a palavra “logistica”, isto é a
organização e gestão de meios e materiais para uma atividade,uma ação ou um
evento. E essa é uma atribuição do Diaconato de suma importância, como era a
dos levitas naqueles dias.

2.3. Preparação
“No primeiro dia da Festa dos Pães sem Fermento, os discípulos dirigiramse
a Jesus e lhe perguntaram: Onde queres que preparemos a refeição da Páscoa?”.
Mt 26. 17.
O Diaconato exige que se tenha a mesma disposição do discípulos antes da
Última ceia: preparação. É um ministério linha de frente, que prepara o caminho
para que a pregação da Palavra possa produzir o seu efeito na vida dos ouvintes.
Lembre-se de que faz parte da função diaconal cuidar do serviço para que os
ministros se dedique à pregação da Palavra e à oração.
E dever de um bom diácono chegar com antecedência mínima de 30
minutos (bom que seja mais), com o objtivode arrumar o local do culto,
observando o alinhamento das cadeiras ou bancos, se tem água para o pregador e
os músicos e se para receber as pessoas.
Em eventos extraordinários, é de suma importância que o Diaconato se
informe sobre o que será preciso e se posicione, a fim de ser preperar para que a
parte organizacional do acontecimento ocorra sem problemas. Tudo deve estar
em ordem:a preparação do local, a disposição das mesas e cadeiras ( quando
necessário), os arranjos e equipamentos que serão utilizados etc.

3. Atributos do Diaconato
3.1. Santidade
“Amados, visto que temos essas promessas, purifiquemo-nos de tudo o que
contamina o corpo e o espiríto, aperfeiçoando a santidade no temor de Deus”. – II
Co 7. 1
Santidade é um dos atributos comunicáveis de Deus, pelo qual Ele é
moralmente puro e perfeito, separado e acima do que é mau e perfeito. É desejo
d’Ele que todos sejam santos como Ele é Santo.
“Mas, assim como é santo aquele que os chamou, sejam santos vocês
também em tudo o que fizerem, pois está escrito: Sejam santos, porque eu sou
santo”. – I Pe 1.15-16.
“Nossos pais nos disciplinavam por curto período,segundo lhes parecia
melhor; mas Deus nos disciplina para o nosso bem, para que participemos da sua
santidade”. – Hb 12.10.
Disso decorre outra aplicação de santidade: é a qualidade do indivíduo que
o leva a ser separados ímpios, a não seguir os maus costumes deste mundo, a
pertencer somente a Deuse a ser completamente fiel a Ele. É o que depreende
desta passagem bíblica:
Que ele fortaleça o coração de vocês para serem irrpreensíveis em
santidade diante de nosso Deus e Pai, na vida de nosso Senhor Jesus com todos os
seus santos”. – I Ts 3.13.
No Antigo Testemento, é vista a separação de toda tribo. Levi, para o
trabalho do Senhor, assim como vemos a consagração de utensílios que levaram a
inscrição ou selo “Consagrado ao Senhor” (Êxado 39.30), que na prática
significava: separado para ouso exclusivo do Senhor. Com relação ao diaconato,
esse homens e mulheres são separados por Deus para um trabalho de grande
importância para o bom andamento das coisa espirituais da igreja do Senhor
Jesus Cristo. Como se separados é ser “santo”, a santificação se torna uma
exigência para exercer esse ofício sagarado. Este texto deve nortea a vida do
Diaconato da IEQ: “Esforcem-se para viver em paz com todos e para serem santos;
sem sanntidade ninquém verá o Senhor. Cuidem que ninquém se exclua da graça
de Deus; que nenhuma rais de amargura brote em cause
pertubação,contaminando muitos; que não haja nehum imoral ou profano, como
Esaú, que por única refeição vendeu os seus dieritos de herança como filho mais
velho. Como vocês sabem, posteriormente, quando quis herdar a benção, foi
rejeitado; e não teve como alterar a sua descisão, embora buscasse a benção com
lagrimas”. – Hb 12. 14-17.
Aqui tem-se uma visão abrangente do que é santificar-se, bem como a
nescessidade da santificação como uma virtude indispensável para a presença de
Deus na vida de todos. A santificação opera no crescimento progressivo da vida do
cristão, levando-o à maturidade. Um cristão pode ser mais salvo, mais nascido de
novo ou mais filho de Deus hoje do que foi ontem, mas pode ser santo a cada dia ,
examinado-se do mal e buscando ascoisas que vêm do alto, do Pai das luzes,
tornando-se zeloso pela vida espiritual, permanecendo fiel, consagrado ao Senhor
e cheio do Espírito. Não se trata de buscar a perfeição neste presente século, mas
um gradual e progressivo aperfeiçoamento ao caréter em Cristo, como atesta esta
passagem da bíblia:”E todos nós, com o rosto desvendado, comtemplando, como
por espelho, a glória do Senhor, somos transformados, de glória em glória, na sua
própria imagem, como pelo Senhor, o Espiríto”. – II Co 3.18.
Diáconos e Diaconosas deve levar essas questões muito sério e sua vida.
3.2. Compromisso
“Deu-lhes ordem, dizendo: assim, andai no temor do Senhor, com fidelidade e
inteireza de coração”. – II Co 19.9.
O comprometimento está relacionado a ser ter responsabilidade, a ser estar
obrigado ou sujeito por palavras ou por escrito. No sistema global atual, a palavra
compromisso está cada vez mais em desuso. Infelismente, esse comportamento
tem chegado a igreja do Senhor Jesus Cristo, onde as pessoas, de tanto não
quererem se comprometer, estão aderindo aos cultos pela internet, pelo rádio e
pela televisão, deixando, assim, de cumprir um mandamento bíblico: “Não
deixamos de congregar-nos, como é costume de alguns; antes façamos
admoestações e tanto mais quanto vedes que o dia se aproxima”. – Hb 10.25.
Por esse motivo, o Diaconato, como agente modelador,tem uma função
especial na igreja: restaurar o sentido de compromisso, como foi desde o
princípio, pois os primeiros diáconos deviam ser “homens de boa reputação”. – At
6.3.

Sequem alguns compromissos necessários ao Daiconato:


a) Compromisso com a verdade – “Seja, porém, a tua palavara: sim, sim; não, não. O
que disto passar vem do maligno”. - Mt 5.37. em um mundo em que a impera a
mentira, muitas vezes, falar a verdade parece ser demérito, mas esse é um
princípio inegociável do Cristianismo. Jesus foi categórigo:o que passa disso e
proveniente do maligno.

b) Compromisso com a denominação – “Quem não é por mim é contra mim; e


quem comigo não ajunta, espalha”. – Lc 11.23. As denominações são permitidas
por Deus para arregimentar o seu exército e agrupá-lo de maneira organizada. A
IEQ nasceu no coração de Deus e militar pelo Seu Reino com toda a sinceridade e
temor. Por isso, espera que seus menbros e ministérios exereçam suas funções,
proclamando em alto, claro e bom som que Jesus Cristo é o Senhor que salva,
batiza com o Espírito Santo, cura e voltará nas nuvens com poder e grande glória
para levar os seus escolhodos aos céus!

c) Compromisso com a Ação Social – “Meus irmãos, qual é o proveito, se alquem


disser que tem fé, mas não tiver obras? Pode, acaso, semelhante fé salvá-lo? Se
um irmão ou irmã estiverem carecidos de roupa e necessitados de alimento
cotididno, e qualquer dentre vós lhes disser: Ide em paz, aquecei-vos e fartai-vos,
sem, contudo, lhes dar o necessário para o corpo, qual é o proveito disso? Assim,
também é a fé, se não tiver obras, por si só está morta”. – Tg 2.14-17. Esses versos
bíblicos falam por si só, a igreja é uma organização espiritual que atua num
mundo real, com dificuldades reais. A prioridade é o pão que perece, mas não
podemos fechar os olhos para as necessidades do próximo.

d) Compromisso com a Palavra – “Errais, não conhecendo as escrituras nem o poder


de Deus”. – Mt 22.29. Se, para um simples menbro já é um erro ignorar as
escrituras, imagine para um diácono ou diaconisa? Ela e o alimento para o dia a
dia, e nimquém jamais chegará ao pleno conhecimento da vontade de Deus se
não conhecer a Sua Palavra. Deve-se estar sempre preparado, pois nunca se sabe
quando surgirá a oportunidade de ser trazer a luz para uma pessoa que está em
trevas, como diz o apóstolo Pedro: “Antes, santificai a Cristo, como Senhor, em
vosso coração, estando sempre preparados para responder a todo aquele que vos
pedir razão da esperança que há em vós”. I pedro 3.15.

e) Compromisso com o horário – “ Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo


para todo propósito debaixo do céu”. Ecl 3.1. Atualmente, é concorde dizer:
“tempo e dinheiro”. No entanto, se vê as pessoas negligenciando de maneira
contínua, sem se importarem de remi-lo e aproveitá-lo para Deus da melhor
maneira possível. Estão sempre correndo e, o que é pior sempre atrassadas! Onde
fica o pensamento: para Deus o melhor?

Um bom diácono chega antes, cumprindo com fidelidade a sua escala. Na


eventualidade de um impedimento, liga para seu diretor e comunica sua falta e,
de preferência, arruma outro para substituí-lo no serviço. A isso damos o nome de
responsabilidade, que nada mais é do que cumprimento do compromisso.
f) Compromisso com o altar – “Mas os leviatas farão o serviço da tenda da
consagração e responderão por suas faltas; estatuto perpétuo é este para todas
as vossas gerações. E não terão eles nehuma herança no meio dos filhos de
Israel”. Nm 18.23. Embora na igreja contextual muitos se fale em ministério
levítico relacionado à música a ao louvor,os levitas do Antigo Testamento
podem ser considerados os primeiros diáconos a serviço do altar, pois tinham a
responsabilidade do transporte e conservação dos utensílios e todo ritual de
montagem e desmontagem do tabernáculo. Tudo ficava ao seu encargo, e
fazuam tudo com dedicação e esmero, reconhecendo que o ministério que
exerciam era a sua herança no Senhor. A responsabilidade para com o altar nos
dias de atuais abrange tanto a parate física, como todo o seu contexto de
limpeza e preparação para o culto, quanto a parte espiritual de oração,
intercessão e contribuição financeira com dízimo e ofertas. O Diaconato e
exemplo!
g) Compromisso com a oração – “Antes de tudo, pois, exorto que se use a prática de
súplica, orações, interceções,ações de graças, em favor de todos od homens” . I
Tm 2.1. Não existe práticas cristã que não seja baseada na oração. O cristão que
não ora está fadado ao fracasso. O diácono que não ora nunca consequirá exerce
o seu ministério de maneira agradavel ao Senhor, pois a luta não é contra carne e
sanque, mas hostes espirituais. Portanto, as armas não podem ser carnais e sim
espirituais, e Paulo nos diz que são poderas para essa querra. Se o Diaconato
quiser cumpri o seu papel de agente purificador na igreja, antes de tudo, devem
estar purificado pela oração e súplica, pois nimquem pode dar o que não possui!
h) Compromisso com a missão da igreja – “Portanto, vão e façam dicípulos em
todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, e
ensinando-as a obedecer a tudo o que lhes ordenei. Eu estarei sempre com vocês,
até o fim dos tempos”. Mt 28.19-20. O Diaconato, como parte da igreja, não
devem ficar omisso à sua tríplice missão, que é a adoração, comunhão e
avangelização. A princípio, “fomos chamados para sermos adoradores, são estes
que o Pai busca...”(João 4.23). Deve-se buscar a Deus, olhando para Seu rosto,
comtemplando-O e amando-O de todo o coração, não somente olhando para Suas
mãos, esperando o que Ele pode dar, mas pelo que Ele é. A comunhão transcede
o dever social e a amizade. É maior que isso, é o compromisso que se tem de se
colocar no lugar do irmão, sentir o que ele sentee não fazer ou desejar a ele o que
não se quer para si mesmo. Como Jesus ensinou, é o segundo maior
mandamento: “(...)e amar ao próximo como a si mesmo excede a todos os
holocaustos e sacrifícios” (Marcos 12.33b). O evangelismo é a maior prova de
amor ao próximo que mudou a vida de todos os que aceitam seu sacrifício.
Quando se anucia o evangelho, está se cumprindo o papel que o Senhor espera de
cada um, proclamar a sua morte até que ele volte.
Como agente purificador, o diácono tem que adorar, ter comunhão
com os irmãos e apregoar as boas novas do Reino.