Vous êtes sur la page 1sur 5

III

- EPISTEMOLOGIA:
O CONHECIMENTO

III
III - EPISTEMOLOGIA: O CONHECIMENTO

III
1
DESCRIÇÃO E INTERPRETAÇÃO DA
ATIVIDADE COGNOSCITIVA
RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE INTERPRETAÇÃO DE TEXTO E FICHAS
III - 1- DESCRIÇÃO E INTERPRETAÇÃO DA ATIVIDADE COGNOSCITIVA

TEXTO 01 (Manual, Página 140: análise interpretativa do texto) CENÁRIO DE RESPOSTA


1Q- A relação entre o sujeito e o objeto no ato de conhecer é uma correlação. Ambos são o que são em função do outro. A função do
sujeito é apreender o objeto e a função do objeto é ser apreendido pelo sujeito. é uma relação irreversível, isto é, sujeito e objeto não
podem trocar de função.

2Q- Os momentos do ato de conhecer são três: no primeiro momento, o sujeito sai da sua esfera e dirige-se ao objeto para o apreender;
no segundo momento, o sujeito entra na esfera do objeto para recolher as suas propriedades; finalmente, no terceiro momento, o sujeito
regressa a si com os dados recolhidos no objeto.

3Q- O conhecimento traduz-se numa imagem ou representação do objeto que o sujeito constrói. Em resultado do conhecimento, o
sujeito, e não o objeto, sofre uma alteração, na medida em que possui agora algo que não possuía antes de empreender este processo.
Visto pelo lado do objeto, o conhecimento é uma transferência das suas propriedades para o sujeito. O sujeito é determinado pelo objeto.
O que fica dessa determinação é uma imagem do objeto na consciência do sujeito.

TEXTO 02 (Manual, Página 142: análise interpretativa do texto) CENÁRIO DE RESPOSTA


1Q- O autor do texto nega que exista conhecimento, pois o apostador apenas está confiante que o seu cavalo vai ganhar, tem uma crença
que julga verdadeira, mas, na realidade, falta-lhe a justificação dessa crença para que ela possa ser considerada conhecimento.

TEXTO 03 (Manual, Página 143: análise interpretativa do texto) CENÁRIO DE RESPOSTA


1Q- O autor considera a justificação necessária, pois só com ela podemos explicar como sabemos o que cremos saber. O autor enumera as
três condições necessárias para que se possa falar em conhecimento: “A ideia que formamos acerca do objeto da nossa
compreensão” (crença); “A hipótese que esse modelo mental corresponde aos atributos do objeto” (verdade); “Além de termos uma ideia
e de crermos corretamente que a nossa ideia corresponde à realidade, conseguirmos também explicar como o sabemos” (justificação).

TEXTO 04 (Manual, Página 144: análise interpretativa do texto) CENÁRIO DE RESPOSTA


1Q- Os contraexemplos de Gettier colocam em causa a teoria tradicional do conhecimento, pois vêm mostrar que podemos ter crenças
verdadeiras justificadas, fundadas em boas razões, e, ainda assim, não termos conhecimento. A definição de conhecimento, tida como
resolvida desde a Antiguidade, converte-se assim, com Gettier, num problema filosófico.

P R A T I C A R PAG. 148 - 149 EXERCÍCIOS VERIFICAÇÃO DE CONHECIMENTO

GRUPO I:
C- Conhecimento por contacto: [A], [F], [H], [J]
SF- Saber-fazer: [D], [E], [I]
P- Conhecimento proposicional: [B], [C], [G]

GRUPO II: 1-[C]; 2-[D]; 3-[A]; 4-[D]; 5-[D];

GRUPO III - 1Q: A análise fenomenológica do conhecimento diz que este se traduz numa relação entre um sujeito e um objeto, em que o
primeiro tem por função apreender o segundo. Nessa relação, o papel de cada um dos polos não é intermutável, isto é, a relação que
estabelecem entre si é irreversível. Só ao sujeito compete apreender o objeto e só o objeto é apreendido pelo sujeito. Por isso se diz que
é uma correlação.
Dessa relação o sujeito sai modificado, na medida em que traz consigo as determinações do objeto, e o objeto permanece o mesmo. As
determinações do objeto no sujeito resultam numa imagem, numa representação do objeto, construída pelo sujeito, que é o
conhecimento.

GRUPO IV - 1Q: As objeções colocadas à definição tripartida do conhecimento estão relacionadas com as condições exigidas para que o
conhecimento seja definido dessa forma. Aparentemente, parecem ser condições necessárias para definir o conhecimento, pois o
conhecimento terá de ser necessariamente uma crença verdadeira e justificada. O problema reside em saber se, em conjunto, estas
condições são suficientes para o definir.

1/1
III - EPISTEMOLOGIA: O CONHECIMENTO

III
2
DUAS TEORIAS EXPLICATIVAS DO
CONHECIMENTO
RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE INTERPRETAÇÃO DE TEXTO E FICHAS
III - 2- DUAS TEORIAS EXPLICATIVAS DO CONHECIMENTO

TEXTO 05 (Manual, Página 150: análise interpretativa do texto) CENÁRIO DE RESPOSTA


1Q- A experiência revela-nos que um fenómeno (a pedra iluminada) se segue ao outro (luz do sol). O pensamento acrescenta-lhe a
relação causal, que não está na experiência: a pedra iluminada é um efeito da luz do sol.

TEXTO 06 (Manual, Página 152: análise interpretativa do texto) CENÁRIO DE RESPOSTA

1Q- O racionalismo vê a razão como fonte de todo o conhecimento, pois só ela garante um conhecimento logicamente necessário e
universalmente válido.

2Q- Segundo os racionalistas, estes juízos são produto da razão porque se assim não fosse a razão entrava em contradição. Que todos os
corpos possuem extensão e que o todo é maior do que a parte é algo que se percebe recorrendo apenas à razão, sem auxílio da
experiência.

TEXTO 07 (Manual, Página 155: análise interpretativa do texto) CENÁRIO DE RESPOSTA


1Q-

2Q-

3Q-

v em
resto
TEXTO 08 (Manual, Página 156: análise interpretativa do texto)
lta, o
CENÁRIO DE RESPOSTA
M a ste
1Q-
p r óx i m o te
p a r a o
u m a t ivo.
TEXTO 09 (Manual, Página 158: análise interpretativa do texto)
s da
CENÁRIO DE RESPOSTA
e ç a m
1Q-
ã o s e esqu e II.
N i d a d
r i a da Un
TEXTO 10 (Manual, Página 159: análise interpretativa do texto)
t é CENÁRIO DE RESPOSTA
ma
1Q-

TEXTO 11 (Manual, Página 162: análise interpretativa do texto) CENÁRIO DE RESPOSTA

1Q-

2Q-

CONTINUA 1/2