Vous êtes sur la page 1sur 11

Fisioterapia em Cardiologia II Eletrocardiografia (ECG)

Determina o diagnóstico

NOÇÕES BÁSICAS DE Quantifica a gravidade


ELETROCARDIOGRAFIA
Monitoriza a resposta ao tratamento

É o registro da atividade
Profa Cristiane Contato elétrica do coração

O Eletrocardiograma no Diagnóstico das


Cardiopatias

Insuficiência cardíaca +
Hipertensão Arterial +
Uma pessoa hígida pode
ter um ECG alterado
Arritmias Cardíacas ++++
e um cardiopata pode ter
Bloqueios Cardíacos ++++
um ECG normal
Infarto Agudo do Miocárdio ++++
Isquemia Miocárdica ++

1
Sistema de Condução Ondas do ECG

Despolarização
dos ventrículos

Repolarização dos
Despolarização ventrículos
dos átrios

2
Derivações eletrocardiográficas
Derivações eletrocardiográficas
Derivações precordiais Derivações bipolares:

DI (BE+ , BD-)
DII (PE+ , BD-)
DIII (PE+ , BE-)

Derivações eletrocardiográficas ECG


Derivações unipolares
aVr (braço D )
aVl (braço E )
aVf (perna E )

Triângulo de Einthoven

3
Vetores
- +

- -

+ +

Derivações eletrocardiográficas

Interpretação do
Eletrocardiograma

4
Gráfico do ECG
5mmx5mm
0,20 seg
1mV 1mmx1mm
0,5mV
0,04 seg
0,1mV

5mm
0,5mv

0,20 s

Ritmo sinusal normal Ritmo sinusal normal


ONDA P
Frequência atrial e ventricular: 60 a Arredondada
80 bpm
Duração: até 0,11 seg
Ritmos regulares
Amplitude: até 0,25 mV
Sempre positiva em D1

5
Ritmo sinusal normal Ritmo sinusal normal

Segmento PR Complexo QRS


Duração: entre 0,12 e 0,20 seg Duração: 3mm ou 0,12 seg
Amplitude variável

Ritmo sinusal normal


Ritmo sinusal normal
Segmento ST: linha plana

Onda T: arredondada e perpendicular


Não se mede a amplitude e duração

6
Interpretação do ECG Interpretação do ECG

Informações do paciente
Identificar as derivações Identificar a onda P, o complexo QRS
e a onda T
Observar a qualidade do traçado
Identificar o ritmo cardíaco
sinusal

Ausência de
Ausência de
Tremores
Calcular a frequencia cardíaca: 60 a
interferência
elétrica musculares 80 bpm

Dividir 1500 pelo n° de quadradinhos

Interprete o seguinte ECGs:


Cálculo da frequência cardíaca

FC = 1500 = 75 bpm
20

7
Alterações eletrocardiográficas
Bloqueio A/V de 1° grau: intervalo
PR > 0,20 seg
ALTERAÇÕES
ELETROCARDIOGRÁFICAS
> 0,20

Alterações eletrocardiográficas Alterações eletrocardiográficas


Anormalidade no sistema
de condução QRS > Lesão miocárdica
0,12 seg Supradesnivelamento
Bloqueio de ramo D ou E (início de IAM) de ST
(2° grau)
Pericardite aguda
Ramo E:
Ausência de Q em
avL, V1,V5, V6

ST normal Supradesnivelamento de ST

8
Alterações eletrocardiográficas Alterações eletrocardiográficas

Lesão miocárdica (início de IAM ) Isquemia sub-endocárdica

Infradesnivelamento de ST Onda T positiva apiculada

ST normal

Onda T normal Isquemia sub-endocardica


Infradesnivelamento de ST

Alterações eletrocardiográficas Alterações eletrocardiográficas

Isquemia sub-epicárdica Flutter atrial


(despolarização rápida dos átrios)
Onda T negativa e apiculada

- Coronariopatias
- Estresse
- Cardiopatias
reumáticas

Onda T normal Isquemia sub-epicárdica

9
Alterações eletrocardiográficas Alterações eletrocardiográficas
Fibrilação atrial Arritmia sinusal
Ausência de onda P verdadeira

Semelhante ao Flutter

Alterações eletrocardiográficas Alterações eletrocardiográficas


Taquicardia ventricular Fibrilação ventricular
QRS anormais / ausência de onda P Ritmo ventricular irregular /
QRS em zigue-zague

IAM / coronariopatias /
Cardiopatia hipertensiva Defeitos do miocárdio

10
Alterações eletrocardiográficas Alterações eletrocardiográficas
Extra-sístoles Assistolia ventricular
Alargamento do QRS /
ausência de onda P

Parada cardíaca
Estrese / cafeína / nicotina /
isquemia miocárdica

Quais as alterações dos ECGs? Quais as alterações dos ECGs?

11