Vous êtes sur la page 1sur 4

Estruturas Pedagógicas

Área disciplinar de Biologia e Geologia


Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares
Direção de Serviços da Região Centro Ano letivo 2018 / 2019
Ficha de Trabalho de Biologia e Geologia – 11º ano Fev. / 2019

Ocupação Antrópica e Ordenamento do Território

NOTA: Nas respostas aos itens de escolha múltipla, seleciona a opção que completa corretamente a afirmação.

I - Análise de uma situação problema - Bacias hidrográficas

1 - Na tabela I estão discriminados valores estimados do material transportado pelos principais rios de Portugal
Continental, em regime natural e após a construção das barragens.

Tabela I
REGIME NATURAL APÓS A CONSTRUÇÃO DE BARRAGENS
RIOS T.F. T.S. T.F. T.S.
(x103 m3/ano) (x103 m3/ano) (x103 m3/ano) (x103 m3/ano)
Minho 185,2 1 549,2 30,4 254,2
Cávado 16,8 146,9 8,4 73,5
Douro 1 646,2 9 597,6 329,2 1 919,5
Mondego 230,8 1 165,6 79,9 403,4
Tejo 1 310,1 11 035,4 300,1 1 887,8
Guadiana 763,7 6 432,4 220,2 1 854,4
Legenda:
T.F. – Transporte de sedimentos no fundo; T.S. – Transporte de sedimentos em suspensão.

1.1 - Com base nos dados da tabela,


1.1.1 - indique qual o rio que em regime natural transporta:
a) mais sedimentos em suspensão.
b) mais sedimentos no fundo.
1.1.2 - indique qual o rio que após a construção das barragens transporta:
a) mais sedimentos em suspensão.
b) mais sedimentos no fundo.

1.2 - Com base nos dados da tabela, calcule:


a) a quantidade total de sedimentos transportados pelo rio Minho, em regime natural e após a construção de
barragens.
b) a percentagem total de sedimentos que o rio Guadiana perdeu com a construção de barragens.

2 – Analise o seguinte documento.


O principal processo de fornecimento de materiais para o
litoral encontra-se associado aos rios. De facto, uma grande
quantidade dos sedimentos que se deposita no litoral é de
origem fluvial. No entanto, a construção de grandes barragens
para fins turísticos, hidroelétricos e agrícolas induz a
diminuição drástica do fluxo de partículas sedimentares para o
litoral. As barragens servem de barreiras artificiais ao trânsito
de sedimentos, com uma consequente acumulação a montante
e uma deficiente sedimentação a jusante. As albufeiras acabam
por se converter em áreas de deposição de inertes. Por vezes, e
em resultado desta acumulação artificial de sedimentos em
determinados troços de um rio, é possível observar uma
atividade económica geradora de alguma controvérsia: a extração de areias do leito de um rio.
FIGURA 1 – Efeitos da construção de uma barragem no curso do rio.
2.1 – Mencione as vantagens e os problemas associados à construção de barragens.

1
3 - Os esquemas da figura 2 procuram evidenciar as
transformações que ocorrem no perfil longitudinal de um rio em
consequência da construção de uma barragem.
No esquema I, o perfil longitudinal do rio está regularizado e
corresponde a um estado hipotético em que a energia das suas
águas é praticamente toda utilizada no transporte de
sedimentos.
3.1 - Refira uma alteração, na dinâmica sedimentar, responsável
por cada uma das seguintes transformações evidenciadas no
esquema III:
a) Elevação do leito, a montante da barragem.
b) Abaixamento do leito, a jusante da barragem.

3.2 - Esclareça em que medida a transformação representada no


esquema III interfere com a estabilidade de uma ponte,
construída a jusante da barragem e cujas fundações se
encontram no leito do rio.
FIGURA 2

3.3 - Explique a relação entre a existência de barragens, nos


leitos dos rios, e a ação destrutiva do mar no litoral.

4 - Observe com atenção a carta de Portugal, que representa o recuo


médio anual da faixa litoral.
4.1 - Indique duas zonas da costa portuguesa onde o recuo seja:
a) grande;
b) médio a pequeno.

4.2 - Indique as zonas onde ocorre o avanço da faixa litoral.

4.3 - Como explica que na costa ocidental o recuo seja maior que na costa
algarvia?

4.4 – Indique dois impactes negativos que podem ocorrer nas praias
arenosas e nas arribas em resultado da elevação do nível médio das águas
do mar.

FIGURA 3
II - A extração de inertes

5 – Leia o seguinte texto.


“Em Portugal, a extração de inertes de um rio parece constituir um negócio fácil e muito rentável. De facto, os
sedimentos que se depositam no leito e nas margens de um rio constituem uma importante matéria-prima. (...) A
extração descontrolada e irracional das areias de um rio pode causar alterações nas correntes e noutros aspetos
hidráulicos; redução na quantidade de sedimentos que chegam à foz de um rio, redução da fertilidade de algumas
espécies de peixes nos estuários fluviais e modificações irreversíveis a nível dos ecossistemas. Esta extração pode ter
consequências graves, em especial a perda de vidas humanas. (...) Um dos principais fatores que contribuiu para a
queda da ponte Hintze-Ribeiro, no dia 4 de março de 2001, foi a extração de areias que se efectuava a jusante da
mesma. (...) Os peritos concluíram que o rebaixamento do leito do rio Douro se deveu em 80% à extração de inertes e
em 20% a fenómenos naturais (cheias). A exploração de inertes naquela zona parece ter favorecido a erosão na base de
um dos pilares que assentava no leito do rio Douro e que sustentava o tabuleiro da ponte. Este grave acidente provocou
a morte a 59 pessoas.

5.1 – Mencione os problemas levantados pela extração descontrolada de areias.

2
III - As cheias

6 - Leia com atenção o seguinte texto, sobre o risco de inundações.

A inundação é a perigosidade mais frequente em Portugal. Assume formas distintas, desde inundações de zonas planas
(Ex.: bacia do vale do Tejo, 6 de nov./1997) até cheias torrenciais como as que se verificaram no Alentejo, em 1998. É
uma perigosidade de que há muitos registos históricos, dando lugar a controvérsia sobre as políticas de ordenamento
do território e a respectiva influência no desenvolvimento.
O conhecimento da perigosidade de inundação assente no progresso científico alcançado em inúmeras disciplinas
intimamente relacionadas:
 A Hidrologia, ciência do ciclo da água, que está intimamente relacionada com a climatologia, com a escala das
bacias e com a meteorologia;
 A formação dos escoamentos superficiais e subterrâneos dependendo da geomorfologia e geologia, assim
como da cobertura dos solos;
 O funcionamento de um curso de água está ligado ao ecossistema e não basta conhecer o comportamento
hidráulico de um curso de água para estimar a perigosidade da inundação.
O ordenamento dos cursos de água e a gestão de obras hidráulicas podem modificar apreciavelmente a evolução e o
impacte das cheias.
Os materiais sólidos transportados pelas correntes alteram de forma considerável as condições naturais de escoamento,
provocando frequentemente a movimentação de lamas em escoamento torrencial. Os fenómenos de erosão e de
assoreamento dos leitos dos cursos de água, evoluindo no tempo, devem ser considerados ao mesmo nível dos que se
referem à dinâmica da cobertura vegetal ao longo das respectivas margens.
A possibilidade de prever as cheias em tempo real constitui, portanto, o dispositivo essencial de prevenção do risco de
inundação. Uma boa prevenção contra as inundações apoia-se também numa boa gestão do espaço, integrando aí a
gestão ao nível da bacia de descarga.
A planificação e ordenamento são as palavras-chave. A limpeza dos rios e ribeiras, a conservação do campo de expansão
das cheias, assim como a construção de obras de proteção em locais já construídos são tarefas de prevenção eficazes. A
política de prevenção do risco de inundações deve apoiar-se, sobretudo:
 No ordenamento do território e gestão dos espaços;
 Na prevenção e alerta de cheias para reduzir as perdas de vidas;
 Na cultura individual deste risco e respectiva difusão, por forma a tornar eficazes quer o ordenamento, quer a
eficácia do alerta.
(Adaptado de V., Mendes, Riscos associados a fenómenos naturais, Colóquio de Ciências, n.º25)

6.1 - Uma bacia hidrográfica corresponde…


A. ao conjunto dos cursos de água ligados a um C. a um rio e respetivo leito de cheio.
rio principal. D. à área do território cuja água é drenada para
B. ao conjunto dos afluentes de um rio. uma rede fluvial.

6.2 - A ocorrência de uma inundação fluvial dá-se quando o curso de água…


A. ocupa o leito normal. C. ocupa o leito de estiagem.
B. se estende pelo leito de cheia. D. apresenta um declive no leito.

6.3 - No nosso clima, a perigosidade de uma inundação depende…


A. da precipitação atmosférica. D. da precipitação atmosférica e da falta de
B. da falta de barragens. ordenamento do território.
C. da existência de cobertura vegetal.

6.4. A carga sólida transportada por um curso de água pode fazer aumentar…
A. o risco de inundações. C. a quantidade de água escoada.
B. a perigosidade da cheia. D. a velocidade da corrente.

6.5 - Refira três medidas citadas no texto que podem prevenir o efeito catastrófico de certas cheias fluviais.

6.6 - Sugira uma relação entre a formação dos escoamentos superficiais e uma das seguintes características:
a) a geologia da região.
b) a geomorfologia.
c) o estado da cobertura vegetal dos solos.

3
7 - Leia com atenção os excertos de algumas notícias publicadas na imprensa relativas às cheias do Inverno 2000/2001.

“Um dique não aguentou a intempérie e tudo se precipitou. A fúria das águas do Mondego pôs em risco a segurança de
um dos pilares de um viaduto na auto-estrada, em Coimbra, ao quilómetro 191. O rebentamento do dique, na margem
esquerda do designado "rio novo" (canal construído, nos anos 80, no âmbito das obras de regularização do Baixo
Mondego e Barragem da Aguieira) foi o princípio de vários dias de dilúvio.”
(in: http://dn.sapo.pt/inicio/interior.aspx?content_id=634807)

“Os principais problemas da bacia do rio Mondego surgem nos campos agrícolas do seu troço a jusante de Coimbra e
devem-se não só ao próprio Mondego como também à contribuição dos seus principais afluentes (Alva, Ceira, Arunca,
Ega). A regularização feita na barragem da Aguieira permite atenuar os principais problemas de cheias, através da
laminação de caudais…” (in: http://www.prociv.pt/)

“Continua a não ser pacífico o papel da Barragem da Aguieira na gestão dos caudais do Mondego. Cinco anos depois das
cheias, o director dos Serviços de Recursos Hídricos do Instituto da Água, Rui Rodrigues, e o geógrafo Fernando Rebelo
são unânimes em criticar os que pensam que aquela barragem seja a válvula de segurança contra as cheias. No
seminário "O Baixo Mondego - cinco anos depois", (…), Rui Rodrigues assume que os factores que induziram a rotura do
dique na madrugada de 26 para 27 de janeiro de 2001 foram, sobretudo, os caudais da bacia do Mondego que não é
dominada pelo homem, fruto das fortes chuvas. Ao analisar as ocorrências excepcionais, diz mesmo que a rotura do
dique junto à auto-estrada do Norte - na margem esquerda do designado "rio novo" (canal construído, nos anos 80, no
âmbito das obras de regularização do Baixo Mondego), se deu "antes da descarga da Aguieira". Por isso, (...) o que
correu mal foi o dique, as previsões meteorológicas erradas e o sistema de vigilância e alerta de cheias". Alerta: "a
Aguieira não pode fazer milagres e, de 20 em 20 anos, poderá passar da cota dos mil metros cúbicos por segundo...". Se
é certo que com as cheias de 2001, os níveis de alerta foram alterados, o geógrafo Fernando Rebelo sublinha que as
populações ribeirinhas devem estar conscientes que as cheias são "uma inevitabilidade" e que devem estar preparadas
para semelhantes ocorrências. "A natureza não vai modificar-se e a população cada vez mais se aproxima do perigo,
construindo habitações, empresas e indústrias nas zonas de risco". “a principal explicação para o sucedido tem a ver
com a situação excepcional de temporal, de precipitação continuada e intensa, associado aos falhanços das estruturas
de emergência da obra, mas também à verificação de que a capacidade de suporte de enchentes do novo caudal do
Mondego não é, afinal, suficiente…”
(in: http://dn.sapo.pt/)

7.1 - Indique algumas das consequências das cheias do rio Mondego no inverno de 2000/2001.

7.2 – Indique quais as principais causas das cheias referidas.

7.3 – Refira as medidas que foram tomadas para a regularização do Baixo Mondego.

7.4 – Faça uma análise crítica sobe a regularização dos caudais dos rios e a possível resolução de todos os problemas
relativos às cheias.

7.5 - De modo a prevenir e controlar os possíveis danos de uma cheia, é necessário adotar uma série de atitudes, a
médio e longo prazo. Indique-as.

7.6 – Por que motivo(s) são as populações continuamente afetadas pelas cheias já que, como refere um dos excertos
”as populações ribeirinhas devem estar conscientes que as cheias são "uma inevitabilidade" e que devem
estar preparadas para semelhantes ocorrências” ?