Vous êtes sur la page 1sur 50

Bioengenharia

1
Bioengenharia
¤ O que é bioengenharia?

¤ Consiste em técnicas em que plantas, ou parte


destas, são usadas como material vivo de
construção;
¤ Sozinhos, ou combinadas com materiais inertes,
tais plantas devem proporcionar estabilidade às
áreas em tratamento.

2
Bioengenharia
¤ Como fazer uso da bioengenharia?
¤ Combinando vegetação como componente
construtivos;

¤ Madeiras;
¤ Pedras;
¤ Geotêxteis;
¤ Estruturas de metais;
¤ Concreto.

3
Bioengenharia
¤ Onde pode ser aplicada:

¤  Recuperação de áreas degradadas;

¤  Projetos em mineração, hidroelétricas, aeroportos, indústrias e


residências;

¤  Proteção em margens de cursos d´água e reservatórios;

¤  Taludes de corte e aterro, de qualquer inclinação, em


estradas e ferrovias;

¤  Reforço em locais de instabilidade geotécnica.

4
Vantagens
¤ Menor requerimento de maquinário:

¤ Trabalho-técnico intensivo, pois requer maior


utilização de mão-de-obra, porem têm custo final
menor;

¤ Também oferecem maior retorno social do que as


práticas tradicionais de engenharia civil, pois
precisam de maior quantidade de mão de obra
braçal, com menor qualificação.

5
Utilização de materiais naturais e locais: 

¤ São utilizados, na maioria das vezes materiais


locais, como madeira, pedras, composto
orgânico, dentre outros, que reduzem os custos
de transporte, além de gerarem benefícios
locais.

6
Relação Custo x Benefício: 

7
Vantagens
¤ Compatibilidade Ambiental:
¤ Geralmente requerem a utilização mínima
de equipamentos e da movimentação de
terra;
¤ Menor perturbação durante a execução de
obra de proteção de taludes e controle de
erosão;
¤ Estas características do serviço são atributos
favoráveis em áreas sensíveis.

8
Vantagens
¤ Características de auto-reparação:

¤ Ao contrário dos sistemas tradicionais, as técnicas


de bioengenharia de solos são mais resistentes,
devido à habilidade da vegetação de crescimento
e regeneração. 

¤  O que é regeneração natural?

9
Vantagens
¤ Execução em locais de
acesso precário: 

¤ Em locais de difícil acesso,


ou inacessíveis para o
maquinário;
¤ Única alternativa técnica
viável para a execução
de obras de proteção de
taludes e controle de
erosão.

10
Bioengenharia
¤  Estabilidade do solo (água x solo)

¤  Recurso natural instável

è desestabilização (remoção da cobertura vegetal protetora,


(agricultura, pastagens e a ocupação urbana).

¤  Perda da camada superficial

è ação de fatores naturais (água è arraste das partículas


constituintes è assoreamento e alteração dos níveis de turbidez
de cursos d'água.

11
Estabilidade do solo (água x solo)

Água è principal agente dos processos de


è Erosão è influi na estabilidade das encostas;
As margens dos cursos d'água è ação do processo
natural de erosão è solo erodido é transportado e
depositado em outro local;
Aumento da velocidade da erosão nas margens de
cursos d'água è remoção da vegetação, aumento
da vazão dos rios e à ação de ondas.

12
Bioengenharia
¤ Estabilidade do solo (água x solo)
¤ Intensificação dos processos erosivos è alta
velocidade do fluxo d'água e baixa resistência do
material das margens dos cursos d'água è
desagregação e transporte do material erodido.

13
Bioengenharia
¤ Estabilidade do solo (água x solo)

14
Bioengenharia
¤ Estabilidade do solo (água x solo)

15
Bioengenharia

susceptibilidade é maior quanto


maior é a pluviosidade local,
mais acidentado o relevo e
maior o grau de inclinação das
encostas.
16
Bioengenharia

¤ Importância da vegetação:
Alteração do ciclo hidrológico da água
ü  interfere na infiltração da água no solo;
ü  interfere no escoamento superficial;
ü  interfere na evapotranspiração (ETP);

17
Bioengenharia

18
Espécie com enraizamento a partir de partes
da planta
Espécie com enraizamento a partir de partes
da planta

Salix humboldtiana var. martiana (Leyb.)


Disarz, 2011
Espécie com
enraizamento a partir
de partes da planta

Disarz, 2011
Espécie com
enraizamento a partir
de partes da planta

Material: Fibra de coco, palha de buriti, restos de madeira


Cola: PVA e latéx Disarz, 2011
DRENAGEM DE
VÁRZEAS

DIMINUIR A EROSÃO DO
SOLO

LIMPEZA DA
ÁGUA
BIOENGENHARIA DE SOLOS

Figura 1- Margem
erodida
Figura 2- Margem
recuperada
Uso de Galhos – Trança
Viva
Uso de Bambús -
Patamares
Uso de Bambús -
Patamares
Uso de Bambús -
Patamares
Uso de Estacas -
Paliçadas
Uso de Estacas -
Paliçadas
Uso de Estacas - Grade
Uso de Estacas - Grade
Uso com telas
Uso de Estacas
E Pedras
Telhados Verde

Conhecido também como


cobertura verde ou jardim
suspenso é um sistema
construtivo que consiste
em uma cobertura vegetal
feita com grama ou plantas,
pode ser instalada em lajes
ou sobre telhados
c o n v e n c i o n a i s e
proporcionam conforto
térmico e acústico nos
ambientes
internos.
Telhados Verde
Telhado Verde
¤  C o n h e c i d o t a m b é m c o m o
cobertura verde ou jardim
suspenso;

¤  É um sistema construtivo que


consiste em uma cobertura
vegetal feita com grama ou
plantas;

¤  Pode ser instalada em lajes ou


sobre telhados convencionais e
proporcionam conforto térmico
e acústico nos ambientes.

40
Telhado Verde

Fonte: Silva, 2014


41
Telhado Verde
¤  Impermeabilização, para evitar a infiltração de
água, especialmente nos cantos. A vida útil da
cobertura verde depende especialmente da correta
instalação do impermeabilizante (líquido ou manta),
uma vez que é de difícil manutenção;

¤  Barreira anti-raízes  (física ou química), que irá


prevenir danos à estrutura da laje;

¤  Drenagem, sendo porosa, de tapete ou placas, com


o objetivo de acumular água e filtrar o excesso. É
interessante levar em consideração a possibilidade
de reaproveitamento da água drenada;

¤  Substrato  – a camada dos nutrientes – necessitando


ser leve e podendo ser enriquecido com minerais e
húmus. Sua composição e espessura irão variar de
acordo com o tipo de vegetação utilizada e
tamanho das raízes;

42
Telhado Verde
¤  V e g e t a ç ã o , c o m e s p é c i e s
adequadas. Elas devem ser definidas
de acordo com a orientação solar, o
clima, o vento, sua resistência a
excesso ou falta de água, variações
de temperatura, manutenção
exigida, inclinação do telhado, etc.
Quanto mais densa essa camada,
melhor seu efeito térmico.

¤  É necessária ainda  proteção anti-


deslizamento, caso a laje seja
inclinada, com a utilização de raiz
densa ou materiais anti-deslizantes,
como mantas onduladas de alumínio
e agregados de argila expandida
(LAZZARIN, CASTELLOTI, BUSATO, 2005;
MINKE, 2004).

43
Telhado Verde

Extensivos :
•  são espelhada em
u m p a r q u e
gramado.
•  T e m c o m o
p r i n c i p a l
característica o
cultivo de plantas
rasteiras de
pequeno porte;
•  Necessitam de um
volume de água
menor e pouca
manutenção.

Fonte: Silva, 2014


44
Telhado Verde

45
Telhado Verde

Intensivo:
•  A vegetação varia desde
pequenas plantas a árvores
frutíferas;
•  M a n u t e n ç ã o e x i g e
cuidados específicos,
similares à aos empregados
num jardim comum.
•  Neste tipo de vegetação, o
telhado verde também
protege a cobertura da
radiação ultravioleta
aumentando sua vida útil.
Fonte: Silva, 2014
46
Telhado Verde

FONTE: http://axelgrael.blogspot.com.br/2011/02/grandes-cidades-se-rendem-aostelhados.
47
Telhado Verde
¤  Benefícios
¤  Diminuição do “stress” térmico da cobertura da edificação;

¤  Diminuição da recepção da radiação UV;

¤  Aumento da conservação do material da cobertura;

¤  Aumento da conservação da impermeabilização;

¤  Diminuição da carga térmica da edificação reduzindo a demanda


de ar condicionado;

¤  Filtragem do ar poluído;

48
Telhado Verde
¤  Benefícios
¤  Melhoria do microclima da região e arredores;

¤  Retenção de águas pluviais;

¤  Diminuição dos excedentes do esgoto nas redes de águas pluviais;

¤  Absorção da radiação solar e transferência do CO2 em O2 pela


fotossíntese;

¤  Absorção do ruído; e

¤  Diminuição da carga térmica do telhado

49
Telhado Verde

50