Vous êtes sur la page 1sur 310

Didier Anzieu

O Eu-pele
Psicanálise
Coleção dirigida por Latife Yazigi

Tradutoras:
Zakie Yazigi
Rizkallah Rosaly Mahfuz

Revisora Técnica:
Latife Yazigi

Casa do Psicólogo ®
© 2000 Casa do Psicólogo Livraria e Editora Ltda.
© 1985 Bordas, Paris
É proibida a reprodução total ou parcial desta publicação, para qualquer finalidade, sem
autorização por escrito dos editores.

1ª edição
1988
2ª edição
2000
Produção Gráfica Valquiría
Fúrias dos Sumos
Capa
Gérard David, Le Supplice du Sisammès (1498-1499) do painel
“La Justice de Cambyse” Groeningemuseum, Bruges - Ph. (c) do museu

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)


(Câmara Brasileira do Livro, SR Brasil)
_______________________________________________________________________________________________________________
Anzieu, Didier

O eu-pele / Didier Anzieu; tradutoras Zakie Yazigi, Rosali Mahfuz;


revisora técnica Latife Yazigi. — São Paulo: Casa do Psicólogo, 1989.
Bibliografia:
ISBN 85-851141-11-5

1. Ego (Psicologia) 2. O eu 3. Pele – Aspectos psicológicos 4.


Sentidos e sensações 5. Psiquiatria
CDD - 155.2
- 152.1
- 152.182
- 154.22
89-0769 - 616.89

Índices para catálogo sistemático

1. Ego Psicologia 154.22


2. O eu interior: Psicologia individual 155.2
3. Pele: Contatos: Psicologia 152.182
4. Sentidos e sensações: Psicologia 152.1
5. Psiquiatria Medicina 616.89
_______________________________________________________________________________________________________________
Impresso no Brasil
Printed in Brazil

Reservados todos os direitos de publicação em língua portuguesa à


Casa do Psicólogo® Livraria e Editora Ltda.
Rua Alves Guimarães, 436 Pinheiros
05410-000 São Paulo SP Brasil
Tel.: (11) 3062.4633
e-mail: casapsi@uol.com.br
http://www.casapsicologo.com.br
Notas sobre a Tradução

Patrocinada pelo Ministério da Cultura e da Comunicação da


França - Direção do Livro e da Leitura, esta tradução foi feita com
grande preocupação de fidedignidade ao espírito e ao teor da obra
original “LE MOI-PEAU”.
Duas pessoas trabalharam cuidadosamente na passagem do tex-
to francês para o português: entre elas uma médica.
Houve sempre um esforço para que os mesmos termos no fran-
cês tivessem a mesma tradução. O Vocabulário de Psicanálise de
Laplanche e Pontalis serviu como fonte de referência para os ter-
mos psicanalíticos que foram cuidadosamente respeitados. Assim,
sempre que o autor usou a palavra “étayage”, em português usou-se
“apoio”; “Cure psychanalytique” foi sempre traduzida por “cura psi-
canalítica” já que às vezes é empregada a palavra “thérapie”,
traduzida fielmente por “terapia".
Esse critério não foi observado na tradução para o inglês que,
por exemplo, usa o termo “anaclitic" indiferentemente para “étayage”
ou “anaclitique”. Ainda a edição inglesa foi a única a optar pela ex­
pressão “Ego-skin” quando as demais seguiram as indicações do au­
tor para o “Eu-pele". O “Id” (“ça” em francês) e o “Superego”
(“surmoi”) permanecem.
Palavras como “reverie”, “ersatz”, “voyeur”,“feedback”,“élan”,“com-
posite”, “leitmotiv”, “imprinting” foram conservadas como no texto ori-
ginal - são termos já incorporados à linguagem psicanalítica corrente.
A redundância caracteriza o estilo do autor. Procurou-se respeitá-
lo (por exemplo, “representante representativo”).
Para facilitar o leitor interessado nas múltiplas possibilidades que
esta leitura oferece, organizou-se um glossário de tradução.
Glossário da Tradução

Accolement união, contato


Affect Afecto
Brouillard nebulosidade, névoa, confusão
Brouiller confundir, misturar
Se Brouiller aborrecer-se
But Alvo, meta
Coiffe coifa
Coiffer envolver
Contenant continente
Conteneur contentor
Contrainte de répétition princípio de inércia
Déferlement irrupção
Détresse desamparo
Écart distanciamento
Effondrement desmoronamento
Effraction agressão, invasão, choque
Emboîtement encaixe, inserção
Enchevêtrement emaranhado
Étayage apoio
Familial familial (relativo à família)
Familier familiar (relativo ao já conhecido)
Fourrure capa de pele, pêlo
Jouissance fruição
Morcellement fragmentação
Pulsion d’agrippement pulsão de agarramento
Pulsion d’emprise pulsão de dominação
8 Didier Anzieu

Poussée força, ímpeto


Raté falha
Refoulé recalcado
Refoulement recalque
Sumário

Primeira Parte
Descoberta

1. Preliminares epistemológicos..........................................................17
Alguns princípios gerais……………………………………….......17
1. Cérebro ou pele; 2. Gênese ou estrutura; 3. Desenvolvimento
lógico ou renovação metafórica; 4. Inquietação atual na civili-
zação; 5. Casca ou núcleo; 6. Conteúdo ou Continente.
O universo tátil e cutâneo...............................................................27
1. Abordagem linguística; 2. Abordagem fisiológica; 3. Aborda-
gem evolucionista; 4. Abordagem histológica; 5, Abordagem
psicofisiológica; 6. Abordagem interacionista; 7. Abordagem psi-
canalítica.
2. Quatro séries de dados……………………………………………39
Dados etotógicos…………………………………………………..41
Dados grupais……………………………………………………...47
Dados projetivos…………………………………………………..50
Dados dermatológicos.....................................................................52
3. A noção de Eu-pele.........................................................................57
Seio-boca e seio-pele.......................................................................57
A idéia de Eu-Pele...........................................................................61
A fantasia de uma pele comum e suas variantes
narcísicas e masoquistas…………………………………………..63
4. O Mito Grego de Marsias...............................................................69
Quadro sóciocultural......................................................................69
Primeira parte do mito...................................................................71
Segunda parte: os nove mitemas....................................................72
8 Didier Anzieu

5. Psicogênese do Eu-pele. ................................................................79


O duplo “feedback”: no sistema diádico mãe-filho,......................79
Divergências entre os pontos de vista cognitivo e psicanalítico
...................................................................................83
Particularidades do Eu-pele considerado como interface. ...........87
Dois exemplos clínicos .................................................................90
Observação de Juanito, o menino dos papéis colados. ............ 90
Observação de Eleonora, a menina da
cabeça-escorredor .................................................................... 92

Segunda Parte
Estrutura , Funções, Superação

6. Dois precursores do Eu-pele: Freud, Federn. .............................. 97


Freud e a estrutura topográfica do Eu. ......................................... 97
O aparelho da linguagem. ....................................................... 98
O aparelho psíquico. ............................................................... 101
As barreiras de contato. .......................................................... 103
O Eu como interface. .............................................................. 110
Aperfeiçoamentos do esquema topográfico do
aparelho psíquico.......................................................................115
Federn: sentimentos do Eu, sentimentos de flutuação
das fronteiras do Eu......................................................................117
Originalidade de Federn............................................................117
Os sentimentos do Eu................................................................120
Os sentimentos das fronteiras do Eu.........................................123
Observação de Edgar..................................................................124
Os sentimentos de flutuação das fronteiras do Eu....................125
Recalque dos estados do Eu........................................................126
7. Funções do Eu-pele.........................................................................127
As nove funções do Eu-pele...........................................................129
1. Manutenção; 2. Continência; 3. Pára-excitação; 4.
Individuação; 5. Intersensorialidade; 6. Sustentação da ex-
citação sexual; 7- Recarga libidinal; 8. Inscrição dos tra-
ços; 9. Autodestruição.
Um caso de masoquismo perverso.................................................142
Observação do Sr. M..................................................................142
O envelopamento úmido: o “pack”; as cavernas.........................145
O “pack”. .............................................................................. 145
Três observações. ................................................................. 146
8. Distúrbios das distinções sensório-motoras de base.................149
Sobre a confusão respiratória do pleno e do vazio. ..................149
Observação de Pandora. .......................................................... 152
9. Alterações da estrutura do Eu-pele nas personalidades
narcísicas e nos estados-limite .................................................. 159
Diferença estrutural entre personalidade narcísica
e estado-limite .......................................................................... 159
Um exemplo literário de personalidade narcísica,
L'invention de Morel de Bioy Casares.......................................163
A fantasia de uma parede dupla.................................................167
Distúrbios da crença e estado-limite.........................................169
Observação de Sebastiana, ou um caso de
comunicação oblíqua. .......................................................... 170
10. O duplo interdito do tocar, condição de superação
do Eu-pele................................................................................. 175
Um interdito do tocar implícito em Freud .............................. 176
O interdito explícito de Cristo....................................................181
Três problemáticas do tocar. .................................................... 184
Os interditos e suas quatro dualidades.......................................185
l. Sexualidade e/ou agressividade; 2. Interdição exógena, inter-
dito endógeno; 3. Interdito da união, interdito do tocar manu-
al; 4. Bilateralidade.
Observação de Janete.............................................................190
Do Eu-pele ao Eu-pensante ..................................................... 191
O acesso à intersensorialidade e a constituição do
senso comum. ........................................................................... 195

Terceira Parte
Principais Configurações
11. O envelope sonoro.....................................................................199
Observação de Marsias…………………………………............200
Audição e fonação no bebê. ...................................................... 206
O sonoro segundo Freud. .......................................................... 210
A semiofonia.............................................................................. 211
O espelho sonoro. ...................................................................... 213
8 Didier Anzieu

Observação de Marsias (fim) ..................................................... 216

12. O envelope térmico......................................................................219


O envelope de calor................................................................... 219
O envelope de frio ...................................................................... 220
Observação de Errônea, ou a desqualificaçâo da
experiência térmica................................................................ 221
13. O envelope olfativo......................................................................225
A secreção da agressividade pelos poros da pele. .......................225
Observação de Gethsêmani. .......................................................225
14- A confusão das qualidades gustativas............................................239
O amor da amargura e a confusão dos tubos digestivo
e respiratório. ........................................................................... 239
Observação de Rodolfo. ....................................................... 239
15. A segunda pele muscular. ......................................................... 247
A descoberta de Esther Bick..................................................... 247
Observação de Alice ................................................................. 248
Observação de Mary ................................................................. 249
Duas novelas de Sheckley. ....................................................... 250
Observação de Gérard .............................................................. 252
16. O envelope de sofrimento..........................................................255
A psicanálise e a dor. ................................................................ 255
Os grandes queimados............................................................257
Observação de Armand.......................................................... 258
Observação de Paulette.......................................................... 259
Do corpo em sofrimento ao corpo de sofrimento,
segundo M. Enriquez. ............................................................... 261
Observação de Fanchon. .......................................................263
17. A película do sonho.....................................................................267
O sonho e sua película. ..............................................................267
Retorno à teoria freudiana do sonho........................................ 268
Observação de Zenóbia: do envelope de angústia
à pele de palavras pela película dos sonhos........................... 273
O envelope de excitação, fundo histérico
de toda neurose. ....................................................................... 281
18. Complementos……………………………………………….....285
Configurações mistas. ................................................................ 286
Observação de Estéfano ........................................................ 286
Os envelopes psíquicos no autismo. .......................................... 288
Da pele ao pensamento. ............................................................ 292
Para terminar. .......................................................................... 293
Índice de Observações..........................................................................295
Bibliografia............................................................................................297
Primeira Parte

Descoberta
1
Preliminares epistemológicos

Alguns princípios gerais

1. A dependência do pensamento e da vontade em relação ao


córtex, a dependência da vida afetiva em relação ao tálamo são
conhecidas e comprovadas. A pesquisa psicofarmacológica atual
completa, e mesmo renova, nossos conhecimentos nestas áreas. Os
sucessos alcançados, no entanto, levaram a um retraimento no cam-
po da observação e também no campo teórico: o psicofisiologista
tende a reduzir o corpo vivo ao sistema nervoso e o comportamen-
to às atividades cerebrais que o programariam por captação, análi-
se e síntese das informações. Tal modelo, que tem se mostrado fe-
cundo para os biólogos, vem sendo cada vez mais imposto, nos ór-
gãos governamentais de pesquisa, à psicologia, destinada a se tor-
nar a parente pobre da neurofisiologia cerebral - e frequentemente
é imposto, com autoritarismo por “cientistas” que, em seu campo
de trabalho, fazem uma inversão, defendendo com ardor a liberda-
de da pesquisa e, sobretudo, da pesquisa básica. Dando destaque à
pele como dado de origem orgânica e ao mesmo tempo imaginária,
como sistema de proteção de nossa individualidade, assim como
primeiro instrumento e lugar de troca com o outro, procuro fazer
surgir um outro modelo, com fundamento biológico assegurado,
onde a interação com o meio encontre seu fundamento e que res-
peite a especificidade dos fenômenos psíquicos em relação às reali-
dades orgânicas como também em relação aos fatos sociais – em resumo
18 Descoberta

um modelo que me pareça apto a enriquecer a psicologia e a


psicanálise em sua teoria e em sua prática.
2. O funcionamento psíquico consciente e inconsciente tem suas
leis próprias. Uma delas é que uma parte dele visa a independência
enquanto ele é, originária e duplamente dependente: do funciona-
mento do organismo vivo que lhe serve de suporte; das estimulações,
das crenças, das normas, dos investimentos, das representações que
emanam dos grupos dos quais faz parte (começando pela família e
indo até o meio cultural). Uma teoria do psiquismo deve procurar
manter juntas estas duas vertentes, evitando limitar-se à mera justapo-
sição de determinismos simplistas. Eu postulo, pois, com René Kaés
(1979 b; 1984) uma dupla sustentação para o psiquismo: sobre o
corpo biológico e sobre o corpo social; por outro lado, uma sustenta-
ção mútua: a vida orgânica e a vida social, pelo menos em relação ao
homem, têm ambas tanta necessidade de um apoio quase constante
sobre o psiquismo individual (como fica evidente na abordagem
psicossomática das doenças físicas e o estudo da fomentação dos mitos
ou da inovação social) como este último tem necessidade de um apoio
recíproco sobre um corpo vivo e sobre um grupo social vivo.
No entanto, a perspectiva psicanalítica se distingue fundamen-
talmente das perspectivas psicofisiológica e psicossociológica por
considerar a existência e a importância permanentes da fantasia in-
dividual consciente, pré-consciente e inconsciente e seu papel de
ligação e de tela intermediária entre a psique e o corpo, o mundo, as
outras psiques. O Eu-pele é uma realidade de tipo fantasmático: fi-
gurada ao mesmo tempo nas fantasias, nos sonhos, na linguagem
corrente, nas atitudes corporais, nas perturbações de pensamento; e
fornecedora do espaço imaginário que é o componente da fantasia,
do sonho, da reflexão, de cada organização psicopatológica.
O pensamento psicanalítico é marcado por um conflito interno
entre uma orientação empirista, pragmática, psicogenética (mais acen-
tuada entre os anglo-saxões), segundo a qual a organização psíquica
resulta das experiências infantis inconscientes (notadamente aque-
las das relações de objeto) e uma orientação estruturalista (domi-
nante na França nas últimas décadas), a qual refuta que a estrutura
seja um produto da experiência, afirmando, pelo contrário, que não
há experiência que não seja organizada por uma estrutura preexistente.
Eu me recuso a tomar partido neste conflito. São estas duas atitudes
Preliminares epistemológicos 19

complementares cujo antagonismo deve ser preservado enquanto ali-


mente a pesquisa psicanalítica. O Eu-pele é uma estrutura interme-
diária do aparelho psíquico: intermediária cronologicamente entre a
mãe e o bebê, intermediária estruturalmente entre a inclusão mútua
dos psiquismos na organização fusional primitiva e a diferenciação
das instâncias psíquicas que corresponde à segunda tópica freudiana.
Sem as experiências adequadas no momento oportuno, a estrutura
não é adquirida ou, com maior freqüência, encontra-se alterada. Mas
as diversas configurações do Eu-pele (que descrevo na terceira par-
te) são variantes de uma estrutura topográfica de base, cujo caráter
universal pode levar a pensar que ela se inscreve sob forma virtual
(pré-programada) no psiquismo nascente e cuja atualização se encon-
tra implicitamente proposta a este psiquismo como um objetivo a
atingir (neste sentido, eu me aproximo da teoria conhecida como
epigênese1 ou da espiral interativa).
Freud propôs um “modelo” (não formalizado) do aparelho psí­
quico como sistema de subsistemas regidos respectivamente por prin-
cípios distintos de funcionamento: princípio de realidade, princípio
do prazer-desprazer, princípio de inércia, princípio de constância,
princípio de Nirvana. O Eu-pele obriga a levar também em conside-
ração um princípio de diferenciação interna e um princípio de conten-
ção, ambos pressentidos por Freud (1895). As mais graves patologias
do Eu-pele (os envelopes autísticos, por exemplo) parecem mesmo
oferecer a possibilidade de trazer para a psicanálise o princípio de auto-
organização dos sistemas abertos em face dos “ruídos", popularizado
pelos teóricos dos sistemas (cf. H. Atlan, 1979). No entanto, este
princípio que favorece a evolução dos seres vivos parece se inverter
quando se passa da biologia para a psicologia, onde ele aparece
sobretudo como criador de organizações psicopatológicas.
3. As ciências progridem por tentativas entre duas atitudes epis-
temológicas, variáveis segundo a personalidade dos sábios e as neces-
sidades ou os impasses de uma ciência em um momento dado de sua
história. Ora uma ciência dispõe de uma boa teoria cujas confirma-
ções, aplicações, desenvolvimentos ocupam e estimulam a inteligên- 1

1. Teoria fisiológica segundo a qual a constituição dos seres se inicia a partir de célula sem
estrutura e se faz mediante sucessiva formação e adição de novas partes que, previamente,
não existem no ovo fecundado.
20 Descoberta

cia, a paciência, a engenhosidade dos trabalhadores de laboratório,


teoria que permanece útil enquanto sua fecundidade não é contesta-
da e seus enunciados maiores não são refutados, ora uma ciência se
renova pelas luzes de um pesquisador (algumas vezes vindo de uma
outra disciplina), que questiona os enunciados tidos como aceitos,
as noções consideradas evidentes; sua intuição decorre mais da ima-
ginação criadora do que de raciocínios ou de cálculos; ele é movido
por uma espécie de mito interior, despojado de seus excessos
fantasmáticos (com o risco de projetar tais excessos nas crenças reli-
giosas, em uma reflexão filosófica, nas atividades conexas de criação
literária ou artística) e de onde ele tira conceitos enunciáveis em
fórmulas simples, verificáveis sob certas condições, transformáveis e
transportáveis em alguns outros domínios. No estudo do funciona-
mento psíquico individual, Freud concretizou esta segunda atitude
(não foi por acaso que na juventude me tenha interessado nos cami-
nhos de sua imaginação criadora durante a auto-análise - cf. D.
Anzieu, 1975 a - pela qual ele, em sua própria juventude, descobriu
a psicanálise). No quadro definido por Freud desta nova disciplina,
as duas tendências epistemológicas continuaram a se opor. M. Klein,
Winnicott, Bion, Kohut, por exemplo, inventaram novos conceitos
(posições esquizo-paranóide e depressiva, fenômenos transicionais,
ataques contra os vínculos, transferências em espelho e grandiosas)
específicos de novos domínios: a criança, o psicótico, os estados-
limite, as personalidades narcísicas, aos quais permitiam estender a
teoria e a prática psicanalíticas. Mas a maioria dos psicanalistas se
prendem cada vez mais à primeira atitude: retorno a Freud, comen-
tários inesgotáveis, quase talmúdicos, de seus textos, aplicações me-
cânicas de suas idéias, ou seu remanejamento à luz, não de um novo
campo da prática, mas dos “progressos" da filosofia e das ciências do
homem e da sociedade, particularmente daquelas da linguagem
(Lacan foi na França um exemplo típico). Nas últimas décadas do
século XX, a psicanálise parece necessitar mais de pensadores por
imagens do que de eruditos, de escoliastas, de espíritos abstratos e
formalistas. Antes de ser um conceito, minha idéia do Eu-pele é,
intencionalmente, uma vasta metáfora - para ser mais exato, ela pa-
rece decorrer desta oscilação metafórico-metonímica judiciosamente
descrita por Guy Rosolato (1978). Espero que esta idéia possa esti-
Preliminares epistemológicos 21

mular a liberdade de pensar dos psicanalistas e enriquecer a gama de


suas intervenções junto de seus pacientes em suas curas. Pode esta
metáfora levar a enunciados operatórios dotados de uma coerência
regional, verificáveis de fato, refutáveis de direito: cabe a este livro
convencer o leitor a respeito,
4. Toda pesquisa se inscreve em um contexto pessoal e se situa
em um contexto social que deve agora ser precisado. Os Ideólogos
trouxeram para a França e para a Europa, no fim do século XVIII, a
idéia de progresso indefinido: do espírito, da ciência e da civilização.
Foi por muito tempo uma idéia geradora. Foi preciso mudar. Se eu
devesse resumir a situação dos países ocidentais e talvez de toda a
humanidade neste final de século XX, eu destacaria a necessidade
de colocar limites: à expansão demográfica, à corrida aos armamen-
tos, às explosões nucleares, à aceleração da história, ao crescimento
econômico, a um insaciável consumo, ao crescente distanciamento
entre os países ricos e o terceiro mundo, ao gigantismo dos projetos
científicos e dos empreendimentos econômicos, à invasão da esfera
privada pelos meios de comunicação de massa, à obrigação de conti-
nuadamente bater os recordes à custa de um supertreinamento, do
“doping", à ambição de ir cada vez mais depressa, mais longe, cada
vez mais caro à custa das aglomerações, da tensão nervosa, das doen-
ças cardiovasculares, do desprazer de viver. De colocar limites tam-
bém à violência exercida sobre a natureza e também sobre os huma-
nos, à poluição do ar, da terra, das águas, ao desperdício de energia, à
necessidade de fabricar tudo aquilo de que se é tecnicamente capaz,
sejam monstros mecânicos, arquitetônicos, biológicos, ao relaxamento
das leis morais, das regras sociais, a absoluta afirmação dos desejos
individuais, sob as ameaças que os avanços tecnológicos fazem à in-
tegridade dos corpos, à liberdade dos espíritos, à reprodução natural
dos humanos, à sobrevivência da espécie.
Para me restringir a um domínio que não me diz respeito ape-
nas como simples cidadão, mas do qual faço a experiência profissi-
onal quase quotidiana, a mudança na natureza do sofrimento dos
pacientes que procuram uma psicanálise é significativa nestes trin-
ta anos em que exerço esta terapêutica e tem sido confirmada por
meus colegas. No tempo de Freud e das duas primeiras gerações de
seus continuadores, os psicanalistas se ocupavam de neuroses
22 Descoberta

caracterizadas, histéricas, obsessivas, fóbicas ou mistas. Hoje, mais


da metade da clientela psicanalítica é constituída pelo que se cha-
ma estados-limite e/ou personalidades narcísicas (se se admite como
Kohut a distinção destas duas categorias). Etimologicamente, trata-se
de estados no limite da neurose e da psicose e que reúnem traços
destas duas categorias tradicionais. Na verdade, estes doen- tes
sofrem de uma falta de limites: incertezas sobre as fronteiras entre o
Eu psíquico e o Eu corporal, entre o Eu realidade e o Eu ideal, entre
o que depende do Self e o que depende do outro, bruscas flutuações
destas fronteiras, acompanhadas de quedas na depressão,
indiferenciação das zonas erógenas, confusão das experiências
agradáveis e dolorosas, não distinção pulsional que faz sentir a
emergência de uma pulsão como violência e não como desejo (o que
F. Gantheret chama as "incertezas de Eros", 1984), vulnerabilidade à
ferida narcísica devido à fraqueza ou às falhas do envelope psíquico,
sensação difusa de mal-estar, sentimento de não habitar sua vida, de
ver de fora funcionar seu corpo e seu pensa- mento, de ser o espectador
de alguma coisa que é e que não é sua própria existência. A cura
psicanalítica dos estados-limite e das personalidades narcísicas requer
disposições técnicas e uma renovação conceitual que permitam uma
melhor compreensão clínica e aos quais a expressão de psicanálise
transicional, emprestado de R. Kaês (1979 a), parece adequada (D.
Anzieu, 1979).
Não é de se admirar uma civilização que cultiva ambições des-
medidas, que louva a exigência de uma responsabilidade global do
indivíduo pelo casal, pela família, pelas instituições sociais, o que
encoraja passivamente a abolição de todo sentimento dos limites nos
êxtases artificiais procurados nas drogas químicas e de outros tipos, o
que expõe a criança, cada vez mais filho único, à concentração
traumatizante sobre ele do inconsciente de seus pais nos limites de
um lar cada vez mais restrito em número de participantes e em esta-
bilidade — não é de se admirar, portanto, que uma tal cultura favo-
reça a imaturidade e suscite uma proliferação de perturbações psí-
quicas limites. Ao que se acresce a impressão pessimista de que, por
não colocar limites a nada, os humanos se encaminham a catástro-
fes, que pensadores e artistas contemporâneos se esforçam, como
que se antecipando ao pior, em representar como inevitáveis.
Preliminares epistemológicos 23

Assim, uma tarefa urgente, psicológica e socialmente, parece


ser a de reconstruir limites, refazer fronteiras, reconhecer territóri-
os habitáveis e onde se possa viver - limites, fronteiras que ao mes-
mo tempo instituam diferenças e permitam mudanças entre as re-
giões (do psiquismo, do saber, da sociedade, da humanidade) assim
delimitadas. Sem ter uma clara consciência da finalidade do con-
junto, os sábios aqui e lá começaram esta tarefa, localizando-a em
seu campo de competência próprio. O matemático René Thom es-
tudou as interfaces que separam abstratamente regiões diferentes
do espaço e não foi por acaso que ele chamou “teoria das catástro­
fes” a descrição e a classificação das bruscas mudanças de forma
destas interfaces: devo muito a ele. O olho e o ouvido do astrôno-
mo através de instrumentos cada vez mais aperfeiçoados tentam
reunir os confins do universo: este teria limites no espaço, limites
em continuada expansão onde a matéria que compõe os quasares,
aproximando-se da velocidade da luz, se tornaria energia; limites
no tempo, com o bigue-bangue2 original, cujo eco persistiría no
ruído de fundo do universo e cuja deflagração teria produzido a
nebulosa primitiva. Os biólogos conduzem seu interesse do núcleo da
célula para a membrana na qual descobrem como um cérebro ativo
que programa as trocas de íons entre o protoplasma e o exte- rior, as
falhas do código genético podendo explicar a predisposição às
doenças graves cada vez mais disseminadas: a hipertensão arte- rial, a
diabetes, talvez algumas formas de câncer. A noção do Eu- pele, que
eu proponho em psicanálise, tem o mesmo sentido. Como se formam
os envelopes psíquicos, quais são suas estruturas, seus encaixes, suas
patologias, como, através de um procedimento psicanalítico
“transicional”, podem elas ser reinstauradas no indivíduo (e até
estendidas aos grupos e às instituições), tais são as questões que eu me
coloco e às quais este trabalho propõe respostas.
5. Desde o Renascimento o pensamento ocidental é obnubilado
por um tema epistemológico: conhecer é romper a casca para atingir o
núcleo. Este tema chega à exaustão, depois de ter produzido alguns
bons resultados, mas também graves perigos: a física do núcleo não

2. Em cosmologia, teoria do bigue-bangue é a teoria segundo a qual o Universo, em seu


estado inicial, se apresentava sob forma bastante condensada e que sofreu violenta explosão.
É atualmente a teoria mais aceita para explicar a formação do Universo.
24 Descoberta

conduziu sábios e militares até a explosão atômica? A neurofisiologia,


desde o século XIX, deu uma parada brusca que não foi de pronto
notada. O cérebro é efetivamente a parte anterior e superior do encé-
falo. Por sua vez, o córtex - palavra latina que quer dizer casca, passa-
da em 1907 para a linguagem da anatomia - designa a camada externa
de substância cinzenta que envolve a substância branca. Eis-nos em
presença de um paradoxo: o centro está situado na periferia. O des-
contente Nicolas Abraham (1978) esboçou em um artigo e depois em
um livro que traz este título a dialética que se estabelece entre “a casca
e o núcleo”. Sua argumentação se confirmou em minha própria pes­
quisa e dá sustentação à minha hipótese: e se o pensamento fosse uma
questão tanto de pele quanto de cérebro? E se o Eu, definido agora
como Eu-pele, tivesse uma estrutura de envelope?
A embriologia pode nos ajudar a nos desligar de certos hábi-
tos de nosso pensamento chamado lógico. No estágio da gástrula,
o embrião toma a forma de um saco por “invaginação" de um de
seus pólos e apresenta dois folhetos: o ectoderma e o endoderma.
E, aliás, um fenômeno biológico quase universal: toda casca ve-
getal, toda membrana animal, salvo exceções, comporta duas ca-
madas, uma interna, outra externa. Voltemos ao embrião: este
ectoderma forma por sua vez a pele (incluindo os órgãos dos sen-
tidos) e o cérebro. O cérebro, superfície sensível protegida pela
caixa craniana, está em contato permanente com esta pele e seus
órgãos, epiderme sensível protegida pelo espessamento e pelo en-
durecimento de suas partes mais superficiais. O cérebro e a pele
são seres de superfície, a superfície interna (em relação ao corpo
tomado em seu conjunto) ou córtex estando em relação com o
mundo exterior pela mediação de uma superfície externa, ou pele,
e cada uma dessas cascas comportando pelo menos duas cama-
das: uma protetora, a mais externa, e outra, sob a precedente ou
nos seus orifícios, suscetíveis de recolher informação, filtrar mu-
danças. O pensamento, seguindo o modelo da organização ner-
vosa, aparece não mais como uma segregação, uma justaposição e
uma associação de núcleos, mas como uma questão de relações
entre superfícies, com um jogo de encaixes entre elas, como já
assinalara N. Abraham que as faz tomar, uma em relação à outra,
ora uma posição de casca, ora uma posição de núcleo.
Preliminares epistemológicos 25

Invaginação, diz a linguagem da anatomofisiologia. É nos lem-


brar judiciosamente que a vagina não é um órgão de uma contextura
particular, mas uma dobra da pele, como os lábios, como o ânus,
como o nariz, como as pálpebras, sem camada mais dura ou córnea
protetora fazendo o papel de pára-excitação e onde a mucosa está
exposta e a sensibilidade e a erogeneidade estão à flor da pele e atin-
gem seu ponto máximo com o friccionar contra uma superfície tam-
bém sensível: a da glande masculina próxima da ereção. E todos sa-
bem que, a não ser que estejam se divertindo em reduzir o amor ao
contato de duas epidermes, o que nem sempre leva ao pleno prazer
esperado, o amor apresenta este paradoxo de trazer ao mesmo tempo
com o mesmo ser o contato psíquico mais profundo e o melhor con-
tato epidérmico. Assim, os três alicerces do pensamento humano, a
pele, o córtex, o acoplamento dos sexos, correspondem a três confi-
gurações da superfície: o envelope, a coifa, o bolso.
Toda célula é envolvida por uma membrana citoplasmática. A
célula vegetal possui também uma membrana celulósica crivada de
poros para as trocas esta membrana duplica a precedente e assegura;
uma certa rigidez à célula e, consequentemente, às plantas (por exem-
plo, a noz possui uma casca externa dura e uma pele fina que envolve
o cerne). A célula animal é flexível; ela se deforma facilmente em
contato com um obstáculo e garante aos animais a mobilidade. É
através da membrana citoplasmática que se efetuam as trocas físico-
químicas necessárias à vida.
As pesquisas recentes têm posto em evidência a estrutura em
duplo folheto desta membrana (o que vem de encontro à intuição de
Freud (1925), em “Notícia sobre o Bloco mágico”, sobre a dupla pelí-
cula do Eu, uma como pára-excitação, outra como superfície de ins-
crição). No microscópio eletrônico, os dois folhetos aparecem dis-
tintos e, talvez, separados por um vazio intermediário. Conhece-se
dois tipos de cogumelos, uns cuja pele é difícil de desdobrar, outros
com duas peles distintas. Outra estrutura que se pode observar é
uma superposição de membranas “encaixadas” como a pele da cebo­
la, tema retomado por Annie Anzieu (1974).
6. A psicanálise se apresenta, ou é geralmente apresentada, como
uma teoria dos conteúdos psíquicos inconscientes e pré-conscientes.
Decorre daí uma concepção da técnica psicanalítica que visa tomar
26 Descoberta

tais conteúdos respectivamente pré-conscientes e conscientes. Mas


um conteúdo não poderia existir sem relação a um continente. A teo-
ria psicanalítica do psiquismo como continente, sem ser inexistente,
permanece mais fragmentária, aproximativa, esparsa. No entanto, as
formas contemporâneas de patologia às quais a psicanálise cada vez
mais tem de se confrontar em sua prática decorrem em grande parte
de uma perturbação da relação continente-conteúdo e o desenvolvi-
mento das reflexões pós-freudianas sobre a situação psicanalítica leva
a que se tome em consideração, de preferência, a relação entre o qua-
dro analítico e o processo analítico e leva a examinar quando e como
as variáveis do quadro são suscetíveis de organizações pelo psicanalis-
ta, quando e como elas são substituídas pelo paciente na possibilidade
de um processo e transformadas em não-processo (cf. J. Bleger, 1966).
As consequências técnicas deste retomo epistemológico são impor-
tantes: o psicanalista deve agora não apenas interpretar na transferên-
cia as falhas e os superinvestimentos defensivos do continente e “cons­
truir" as usurpações precoces, os traumatismos acumulativos, as
idealizações protéticas responsáveis por tais falhas e por tais
superinvestimentos, mas também oferecer a seu paciente uma disposi-
ção interior e um modo de comunicar que representam para o pacien-
te a possibilidade de uma função continente e que lhe permitam uma
interiorização suficiente. De minha parte, centrei este remanejamento
teórico em torno da noção do Eu-pele e do reajuste técnico que decor-
re da noção, já citada, de análise transicional.
Assim, a teoria psicanalítica requer complementos e extensões.
Entre outros, cinco pontos seriam desejáveis:
— Completar a perspectiva tópica sobre o aparelho psíquico
através de uma perspectiva mais estritamente topográfica, isto é, em
relação à organização espacial do Eu corporal e do Eu psíquico.
— Completar o estudo das fantasias relativas aos conteúdos
psíquicos pelo estudo das fantasias em relação aos continentes
psíquicos.
— Completar a compreensão do estágio oral como tendo por
base a atividade de sucção pela tomada em consideração do contato
corpo a corpo entre o bebê e a mãe ou a pessoa maternante, isto é,
ampliar a relação seio-boca para relação seio-pele.
— Completar o duplo interdito edipiano por um duplo interdito
do tocar, que o precede.
Preliminares epistemológicos 27

— Completar o “setting” psicanalítico tipo não apenas por


arranjos eventuais (cf. a psicanálise transicional), mas por se tomar em
consideração a disposição do corpo do paciente e de sua representação
do espaço analítico no interior do dispositivo analítico.
Um sexto ponto é a questão da pulsão: as concepções de Freud
sobre a pulsão, sabe-se, variaram. Ele sucessivamente opôs as pulsões
de auto-conservação às pulsões sexuais, depois a libido de objeto à
libido do Eu e, enfim, as pulsões de vida às pulsões de morte. Ele hesi-
tou sobre a maneira de articular a pulsão com o princípio de constân-
cia e depois com o princípio de inércia ou de Nirvana. Se sempre con-
servou os quatro parâmetros da pulsão (a fonte, a força, o alvo, o obje-
to), sempre repetiu que a lista das pulsões não era fechada e que se
poderia descobrir novas pulsões. Isto me autoriza a considerar uma
pulsão de apego (segundo Bowlby) ou de agarramento (segundo
Hermann) não como uma coisa provada, mas como uma hipótese de
trabalho útil. Se necessário situá-la de qualquer maneira em relação às
classificações freudianas, eu a anexaria preferivelmente às pulsões de
autoconservação. Freud também descreveu uma pulsão de dominação,
ambígua e intermediária em relação aos pares de opostos lembrados
acima. Na medida em que ela é sustentada pela musculatura e mais
particularmente pela atividade da mão, a pulsão de dominação me
parece dever completar a pulsão de apego, que visa a elaboração de
uma imagem da pele como superfície continente e passivamente sen-
sível. Compreende-se que tais dificuldades teóricas (nem todas por
mim lembradas) conduzem os analistas a se interrogarem mais e mais
sobre a oportunidade de conservar ou não o conceito de pulsão.³

O universo tátil e cutâneo

As sensações cutâneas introduzem as crianças da espécie huma-


na, mesmo antes do nascimento, em um universo de uma grande
riqueza e de uma grande complexidade, universo ainda difuso, mas
que desperta o sistema percepção-consciência, que subentende um 3

3. Cf. as atas, editadas pela Associação Psicanalítica da França, do colóquio “A Pulsão por quê?”
(1984), sobretudo o artigo crítico de D. Widlöcher, "Que uso fazemos do conceito de pulsão?".
28 Descoberta

sentimento global e episódico de existência e que fornece a possibili-


dade de um espaço psíquico originário. A pele permanece um sujeito
de pesquisas, de cuidados e de discurso quase inesgotável. Comece-
mos por uma síntese dos conhecimentos que lhe dizem respeito:
1. A linguagem, corrente ou erudita, é particularmente prolixa
no que se relaciona com a pele. Examinemos primeiro o domínio
lexical: todo ser vivo, todo órgão, toda célula, tem uma pele ou uma
casca, túnica, envelope, carapaça, membrana, meninge, armadura,
película, pleura... Quanto à lista dos sinônimos de membrana, ela é
considerável: âmnio, aponeurose, blastoderma, córion, coifa, cútis,
diafragma, endocárdio, endocarpo, epêndima, franja, frese, hímen,
manto, opérculo, pericárdio, pericôndrio, periósteo, peritônio... Um
caso significativo é o da “pia-máter”, que envolve os centros nervo­
sos; é a mais profunda das meninges; contém os vasos destinados à
medula e ao encéfalo: etimologicamente, o termo designa a “mãe-
pele”: a linguagem transmite bem a noção pré-consciente que a pele
da mãe é a pele primeira. No grande dicionário francês Robert, os
verbetes pele, mão, tocar, tomar estão entre os mais extensos, concor-
rendo (em ordem quantitativa decrescente) com fazer, cabeça e ser.
O verbete tocar é o mais longo do Oxford English Dictionary.
Abordemos agora o domínio semântico. Numerosas expressões da
linguagem falada fazem referência à maior parte das funções con-
juntas da pele e do Eu. Vejamos uma pequena seleção:4
— “Alisar alguém”, “Ele tem a mão boa” (função de prazer tátil)
(“Caresser quelqu'un dans le sens du poil”, “Il a eu la main heureuse”)
— “Suar a camisa” (função de eliminação) (“Tu me fais suer”)
— “Ele é um casca-grossa”, “Tirar a pele de alguém” (função de-
fensiva-agressiva) (“C’est une peau de vache”, “Se faire crever la peau”)
— “Entrar na pele de um personagem”, “Trocar de pele” (fun­
ção de identificação) (“Entrer dans la peau d’un personnage”, “Faire
peau neuve”)
— “Tocar a realidade com o dedo” (função de experienciar a
realidade) (“Toucher la réalité du doigt”)
— “Entrar em contato”, “Meu dedinho me contou” (função de
comunicação) (“Entrer en contact”, “Mon petit doigt me l’a dit”)

4. Foi feita uma adaptação a expressões idiomáticas. (N.T.)


Preliminares epistemológicos 29

Duas palavras que têm sentidos vagos e múltiplos designam a


ressonância subjetiva das coisas sobre nós, dizem respeito em sua
origem a um contato com a pele: sentir e impressão.
Não vou fazer um estudo das representações da pele nas artes
plásticas ou nas sociedades diferentes da nossa. A obra ricamente
ilustrada de Thevoz (1984) “Le Corps peint”, esboça esta pesquisa.
2. Por sua estrutura e por suas funções, a pele é mais do que um
órgão, é um conjunto de órgãos diferentes. Sua complexidade ana-
tômica, fisiológica e cultural antecipa no plano do organismo a com-
plexidade do Eu no plano psíquico. De todos os órgãos dos sentidos,
é o mais vital: pode-se viver cego, surdo, privado de paladar e de
olfato. Sem a integridade da maior parte da pele, não se sobrevive. A
pele tem mais peso (20% do peso total do corpo no recém-nascido;
18% no adulto) e ocupa uma superfície muito maior (2.500 cm 2 no
recém-nascido, 18.000 cm² no adulto) do que qualquer outro órgão
dos sentidos. Ela aparece no embrião antes dos outros sistemas sen-
soriais (em torno do fim do segundo mês de gestação precedendo os
dois outros sistemas mais próximos, o olfativo e o gustativo, o siste-
ma vestibular, e os dois mais distantes, o auditivo e o visual) em
virtude da lei biológica segundo a qual quanto mais precoce é uma
função, maior probabilidade de ser fundamental. Ela comporta uma
grande densidade de receptores (50 por 100 milímetros quadrados).
A pele, sistema com muitos órgãos dos sentidos (tato, pressão,
dor, calor...) está ela própria em estreita conexão com os outros órgãos
dos sentidos externos (ouvido, vista, cheiro, gosto) e com as sensibi-
lidades cinestésicas e de equilibração. A completa sensibilidade da
epiderme (tátil, térmica, dolorosa) permanece por muito tempo difusa
e indiferenciada na criança pequena. Ela transforma o organismo em
um sistema sensível, capaz de experimentar outros tipos de sensações
(função de iniciativa), de ligá-las às sensações cutâneas (função
associativa) ou de diferenciá-las e localizá-las como se fossem figuras
emergindo do pano de fundo de uma superfície corporal global (fun-
ção de tela). Uma quarta função aparece em seguida, da qual a pele
fornece o protótipo e a base de referência, mas que se estende pela
maior parte dos órgãos dos sentidos, da postura e, quando for o mo-
mento, da motricidade: a troca de sinais com o meio ao redor, sob a
forma de um duplo "feedback" que eu examinarei mais adiante.
30 Descoberta

A pele aprecia o tempo (não tão bem quanto a orelha) e o espa-


ço (não tão bem quanto o olho) mas só ela combina as dimensões
espaciais e temporais. A pele avalia as distâncias na superfície com
maior precisão do que a orelha situa a distância dos sons distantes.
A pele reage a estímulos de natureza diferente: foi possível co-
dificar o alfabeto sob forma de pulsões elétricas sobre a pele e ensiná-lo
aos cegos. A pele está quase sempre disponível para receber sinais,
aprender códigos, sem que eles interfiram com outros. A pele não
pode recusar um sinal vibrotátil ou eletrotátil: ela não pode fechar
os olhos ou a boca nem tapar os ouvidos ou o nariz. A pele também
não é sobrecarregada de uma loquacidade excessiva como a palavra e a
escrita.
A pele não é apenas órgão(s) dos sentidos. Ela preenche papéis
anexos de muitas outras funções biológicas: ela respira e perspira, ela
secreta e elimina, ela mantém o tônus, ela estimula a respiração, a
circulação, a digestão, a excreção e certamente a reprodução; ela
participa da função metabólica.
Ao lado destas funções sensoriais específicas e desta função de
auxiliar todas as áreas em relação aos diversos aparelhos orgânicos, a
pele preenche uma série de funções essenciais em relação ao corpo
vivo considerado agora em seu conjunto, em sua continuidade espaço-
temporal, em sua individualidade: manutenção do corpo em torno do
esqueleto e de sua verticalidade, proteção (por sua camada córnea
superficial, por seu verniz de queratina, por seus coxins de gordura)
contra as agressões exteriores, captação e transmissão de excitações ou
de informações úteis.
3. Em numerosos mamíferos, principalmente os insetívoros5,
encontra-se, pela descrição dos fisiologistas, a existência de dois ór-
gãos distintos e complementares reunidos no mesmo aparelho:
— A capa de pele, que recobre a quase totalidade do corpo e
que assegura, segundo Freud, o que se pode chamar a função de pára-
excitação, tem a mesma função que a plumagem para os pássaros ou
as escamas para os peixes, mas possui também qualidades táteis, tér-
micas e olfativas que a toma um dos suportes anatômicos da pulsão

5. Animais mamíferos da ordem Insectívora, de pequeno porte, que têm boca em forma
de focinho, dentes longos e afiados, pêlos às vezes espíneos, como o porco-espinho e a
talpa. (N.T.)
Preliminares epistemológicos 31

de agarramento ou de apego tão importante entre os mamíferos; o


que faz também dos lugares onde sobrevive o sistema piloso, uma das
zonas erógenas favoritas da pulsão sexual entre os humanos.
— Os folículos pilosos, ou vibrissas, em relação direta com uma
terminação nervosa que os dota de uma grande sensibilidade tátil.
Sua distribuição sobre o corpo varia segundo as espécies, os indi-
víduos, os estágios de desenvolvimento. Entre os primatas, as vibris-
sas estão em regressão; desaparecem nos homens, pelo menos no
estado adulto, mas as encontramos nos fetos ou no recém-nascido;
neles, é a epiderme que assegura a dupla função de pára-excitação e
de sensibilidade tátil, graças a uma anastomose com a camada mais
dura ou córnea, protetora das terminações nervosas. “O estudo da
estrutura da pele, principalmente dentro da ordem dos Primatas,
permite atribuir um valor filogenético a vários caracteres: a implan-
tação dos pêlos, a espessura da epiderme, o estado de desenvolvimento
das pregas epidérmicas e a maior ou menor complexidade dos capila-
res subepidérmicos” (F. Vincent, 1972).
A pele de um ser humano apresenta, a um observador exterior,
características físicas variáveis conforme a idade, o sexo, a etnia, a
história pessoal etc. e que, assim como as roupas que a duplicam,
facilitam (ou confundem) a identificação da pessoa: pigmentação;
pregas, dobras, sulcos, padrão dos poros; pêlos, cabelos, unhas, cica-
trizes, espinhas, “sardas”; sem falar de sua textura, de seu odor (re­
forçado ou modificado pelos perfumes), de sua suavidade ou de sua
aspereza (acentuada pelos cremes, bálsamos, tipo de vida)...
4. A análise histológica faz aparecer uma complexidade ainda
maior, um emaranhado considerável de tecidos de diferentes estru-
turas, cuja íntima superposição contribui para assegurar a manuten-
ção global do corpo, a pára-excitação e a riqueza da sensibilidade.
a) A epiderme superficial, ou estrato córneo, compõe-se de uma
fusão compacta (análoga à alvenaria de uma parede) de quatro cama-
das de células onde a queratina produzida por algumas delas envolve
as outras, reduzidas a se tomar cascas vazias mais e mais sólidas.
b) A epiderme subjacente, ou corpo mucoso, é uma estratificação
de seis a oito camadas de grandes células poliédricas de protoplasma
espesso, ligadas entre si por numerosos filamentos (estrutura em rede
de malha), tendo a última camada uma estrutura em palissada.
32 Descoberta

c) A derme superficial compreende numerosas papilas, ricamente


vascularizadas e que absorvem ativamente certas substâncias que
podem ser encontradas no fígado, nas supra-renais...: elas se articu-
lam com o corpo mucoso precedente por uma estrutura em engrena-
gem. O conjunto b e c (corpo mucoso e corpo capilar) garante uma
função regeneradora dos machucados e de luta contra o envelheci-
mento (esvaziando-se de seu protoplasma, elas repelem sem parar
para o exterior as camadas subjacentes que se desgastam).
d) A derme ou cório é um tecido de sustentação bem constituí-
do. Apresenta uma estrutura em feltragem resistente e elástica, “ci­
mento amorfo” feito de feixes entrecruzados de fibrilas.
e) A hipoderme é um isolante; tem uma estrutura em esponja,
permitindo a passagem dos vasos sanguíneos e dos nervos para a derme
e separando (sem uma clara linha de demarcação) os tegumentos
dos tecidos subjacentes.
A pele conta igualmente com diferentes glândulas (que secretam
respectivamente odores, o suor e o sebo lubrificador); nervos sensi-
tivos com terminações livres (dor, contato) ou terminando em corpús-
culos especializados (calor, frio, pressão...); nervos motores (que co-
mandam a mímica) e nervos vasomotores (que comandam o funcio-
namento glandular).
5. Se se considera agora sua psicofisiologia, não mais sua anato-
mia, a pele fornece numerosos exemplos de um funcionamento para-
doxal, de tal maneira que se pode perguntar se a paradoxalidade psí-
quica não encontra na pele uma parte de sua sustentação. A pele
protege o equilíbrio de nosso meio interno das perturbações exógenas,
mas em sua forma, sua textura, sua coloração, suas cicatrizes, ela
conserva as marcas destas perturbações. Por sua vez, este estado inte-
rior, que se espera que ela preserve, é bastante revelado em grande
parte externamente; ela é aos olhos dos outros um reflexo de nossa
boa ou má saúde orgânica e um espelho de nossa alma. Além disso,
estas mensagens não verbais emitidas espontaneamente pela pele são
intencionalmente desviadas ou invertidas pelos cosméticos, pelo
bronzeamento, pelas pinturas, os banhos e mesmo pela cirurgia esté-
tica. Poucos órgãos atraem os cuidados ou o interesse de um número
tão grande de especialistas: cabeleireiros, perfumistas, esteticistas,
cinesioterapeutas, fisioterapeutas, sem contar os publicitários, os hi-
Preliminares epistemológicos 33

gienistas, os quiromancistas, os curandeiros, os dermatologistas, os


alergistas, as prostitutas, os ascetas, os eremitas, os policiais de iden-
tificação judiciária (por causa das impressões digitais), o poeta à pro-
cura de uma pele de palavras para tecer sobre a página em branco ou
o romancista revelando a psicologia de seus personagens a partir da
descrição dos rostos e dos corpos e - se se inclui as peles animais - os
curtidores, os peleteiros, os fabricantes de pergaminho.
Outros paradoxos: a pele é permeável e impermeável. Ela é su-
perficial e profunda. É veraz e enganadora. E regeneradora, em vista
de permanente ressecamento. E elástica, mas um pedaço de pele re-
tirado do conjunto se retrai consideravelmente. Ela atrai investi-
mentos libidinais tanto narcísicos como sexuais. É o lugar do bem-
estar e também da sedução. Ela nos oferece a mesma quantidade de
dor e de prazer. Ela transmite ao cérebro as informações provenien-
tes do mundo exterior, inclusive mensagens “impalpáveis” já que uma
de suas funções é justamente “apalpar" sem que o Eu disso tome
conhecimento. A pele é sólida e frágil. Está a serviço do cérebro, mas
ela se regenera enquanto as células nervosas não o podem fazer. Ela
materializa, por sua nudez, nosso despojamento, mas também nossa
excitação sexual. Ela traduz, por sua finura, sua vulnerabilidade, nosso
desamparo originário, maior que o de todas as outras espécies e, ao
mesmo tempo, nossa flexibilidade adaptativa e evolutiva. Ela separa
e une os diferentes sensórios. Tem, em todas estas dimensões que
acabo de revisar de forma incompleta, um papel de intermediária, de
entremeio, de transicionalidade.
6. Em seu bem documentado trabalho "A Pele e o Tocar", Mon-
tagu (1971) põe sobretudo em evidência três fenômenos gerais:
— A influência precoce e prolongada das estimulações táteis sobre o
funcionamento e o desenvolvimento do organismo. Do que decorrem as
etapas seguintes, durante a evolução dos mamíferos, do contato tátil
das mães sobre os filhos como estimulação orgânica e como comuni-
cação social: o lamber com a língua, o pentear o pêlo com os dentes,
o catar insetos com os dedos, agrados e carícias humanas. Estas
estimulações favorecem o desenvolvimento das atividades novas, a
partir do nascimento, e que são a respiração, a excreção, as defesas
imunológicas, a vigília, em seguida a sociabilidade, a confiança, o
sentimento de segurança.
34 Descoberta

—Os efeitos das trocas táteis sobre o desenvolvimento sexual (bus-


ca do parceiro, disponibilidade para a excitação, prazeres preliminares,
desencadear do orgasmo ou do aleitamento),
— A grande gama das atitudes culturais em relação à pele e o tocar.
O bebê esquimó é carregado nu preso às costas da mãe, a barriga direto
sobre seu calor, envolto pela roupa de pele da mãe, suspenso por uma
tira de pano amarrada em volta dos dois corpos. A mãe e o filho se
falam pela pele. Quando sente fome, o bebê arranha as costas de sua
mãe e chupa sua pele; ela o traz para frente e lhe dá o seio. A necessi-
dade de se movimentar se satisfaz pela atividade da mãe. A eliminação
urinária e intestinal se faz sem deixar as costas da mãe; ela o retira e o
limpa para evitar o desconforto mais dele do que dela. Ela se antecipa
a todas as suas necessidades, pressentindo-as pelo tato. Ele raramente
chora. Ela lhe lambe o rosto e as mãos para limpá-los, porque é demo-
rado derreter a água gelada. Daí a serenidade subsequente do esquimó
diante da adversidade; sua capacidade de viver, com uma confiança
de base fundamental, em um meio físico hostil; seu comportamento
altruísta; suas excepcionais aptidões espaciais e mecânicas.
Em muitos países, os tabus de tocar são estabelecidos para prote-
ger da excitação sexual, para obrigar a renunciar ao contato epidér-
mico total e terno, ao mesmo tempo em que são valorizadas a rudeza
dos contatos manuais e musculares, as pancadas, os castigos físicos
aplicados sobre a pele. Certas sociedades infligem, mesmo sistema-
ticamente, sobre a pele das crianças, práticas dolorosas (das quais
Montagu dá uma lista impressionante), seja sob o pretexto de rituais
de iniciação, seja para provocar um aumento de estatura e/ou um
embelezamento do corpo, o que, de qualquer maneira, leva a uma
elevação do “status” social.
7. A pele tem interessado pouco os psicanalistas. Um artigo bas-
tante documentado do americano Barrie B. Biven (1982),“The role of
skin in normal and abnormal development,with a note on the poet Syl-
via Plath", faz um inventário bastante útil das publicações psicanalíticas
sobre este assunto. Não traz uma verdadeira idéia central, mas enu-
mera um bom número de dados, de interpretações ou de observações;
as mais interessantes delas serão resumidas nas páginas seguintes.
— A pele fornece um núcleo fantasmático a pacientes que so-
.freram privações precoces, O suicídio, por exemplo, pode ser um meio
de restabelecer um envelope comum com o objeto do amor.
Preliminares epistemológicos 35

— A boca serve, para os pequeninos, tanto para tocar os objetos


como para absorver o alimento, contribuindo assim para o senso de
identidade e para a distinção entre o animado e o inanimado. A incor-
poração do objeto pela pele é talvez anterior à sua absorção pela
boca. O desejo de ser incorporado desta maneira é tão frequente
quanto o desejo de se incorporar pela pele.
— O Self não coincide necessariamente com o aparelho psíqui-
co: para muitos pacientes, as partes de seus corpos e/ou de seu
psiquismo são vivenciadas como estranhas.
— A pele que o recém-nascido aprende a conhecer melhor é a
das mãos e dos seios de sua mãe.
— A projeção da pele sobre o objeto é um processo comum
entre os pequeninos. Pode ser encontrado em pinturas, quando a
tela (muitas vezes sobrecarregada ou sombreada) nos dá uma pele
simbólica (muitas vezes frágil) que serve ao artista como uma barrei-
ra contra a depressão. O investimento auto-erótico de sua própria
pele aparece mais precocemente entre os bebês separados muito cedo
de sua mãe.
— A Bíblia assinala as chagas puentas de Job, expressão de sua
depressão, e a artimanha de Rebeca que cobre com pele de cabra as
mãos e a nuca de seu filho imberbe, Jacó, para que ele se faça passar
por seu irmão peludo, Esaú, junto a Isaac, seu pai cego.
— Helen Keller e Laura Bridgman, cegas e surdas afastadas do
mundo, puderam aprender a se comunicar pela pele.
— O tema da pele é dominante na obra da poetisa e romancista
americana Sylvia Plath, que se suicidou em 1963 aos 31 anos. Eis a
lembrança de infância que ela evoca quando sua mãe volta para casa
com um bebê:

“Eu detestava os bebês. Eu que, durante dois anos e meio,


tinha sido o centro de um universo de ternura, senti como
uma punhalada, e um frio polar imobilizou meus ossos...
oprimindo meu rancor... malvada e cheia de remorsos, como
um pequenino ursinho triste, parti, puxando a perna triste-
mente, completamente sozinha, em direção oposta, em
direção à prisão do esquecimento. Senti então, fria e sobria-
mente, como se estivesse longe sobre uma estrela, separada
36 Descoberta

de tudo... Senti o muro de minha pele. Eu sou Eu. Esta


pedra é uma pedra: a fusão maravilhosa que havia entre
mim e as coisas do mundo não existia mais.”

E ainda: “A pele se descasca facilmente, como se fosse tirada


do papel”.

— Quanto às afecções da pele, o arranhar-se é uma das formas


arcaicas do retomo da agressividade sobre o corpo (em lugar
de voltá-la sobre o Eu, o que supõe a instauração de um
Superego mais evoluído). A vergonha consequente decorre
do sentimento de que, uma vez que se comece a coçar, não se
pode mais parar, que se é levado por uma força incontrolável
e oculta, que se está perto de abrir uma brecha sobre a
superfície da pele. A vergonha por sua vez tende a ser apagada
pela volta da excitação erótica encontrada no coçar, conforme
uma reação circular cada vez mais patológica.

— As mutilações da pele - às vezes reais, mais frequente-


mente imaginárias - são tentativas dramáticas de manter os
limites do corpo e do Eu, de restabelecer o sentimento de
estar intacto e coeso. O artista vienense Rudolf Schwarzkogler
que sentia seu próprio corpo como objeto de sua arte,
amputou sua própria pele, pedaço por pedaço, até morrer.
Foi fotografado durante toda esta operação e as fotos foram
objeto de uma exposição em Kassel, na Alemanha.

— As fantasias de mutilação da pele se exprimem livremente


na pintura ocidental a partir do século XV, sob a capa de
arte anatômica. Um personagem de Jean Valverde traz sua
pele cobrindo os braços. Outro de Joachim Remmelini
(1619) traz sua pele enrolada em volta de seu ventre como
uma tanga. Outro ainda de Felice Vecq d’Azy (1786) tem o
escalpo caindo sobre o rosto. O personagem de Van Der
Spiegel (1627) destaca a pele de seus fêmures para delas
fazer polainas. O de Benetini é cegado pelos pedaços de sua
própria pele. A mulher pintada por Bidloo (1685) tem os
pulsos cobertos por pedaços de pele de suas costas.
Preliminares epistemológicos 37

Termino meu resumo do artigo de B.B. Biven assinalando


que, muito antes dos escritores e dos pesquisadores, os
pintores apreenderam e representaram a relação específica
entre o masoquismo perverso e a pele.
2
Quatro séries de dados

O que era reprimido no tempo de Freud, nos discursos individu-


ais e nas representações coletivas, era o sexo: foi esta a razão de ori-
gem externa (a outra razão foi sua auto-análise) que levou o inven-
tor da psicanálise a dar destaque à sexualidade. Durante quase todo
o terceiro quarto do século XX, o corpo - o grande ausente, o despre-
zado, o negado no ensino, na vida quotidiana, na eclosão do estru-
turalismo, no psicologismo de muitos terapeutas e por vezes mesmo
na puericultura; isto aconteceu, e permanece em grande parte, como
dimensão vital da realidade humana, como dado global pré-sexual e
irredutível, como aquilo sobre o qual as funções psíquicas encon-
tram toda sua sustentação. Não é por acaso que a noção de imagem
do corpo, inventada pelo psicanalista vienense P. Schilde (1950),
está ausente do “Vocabulário da Psicanálise” de Laplanche e Pontalis
(1968), aliás muito bem documentado, e que a civilização ocidental
contemporânea é marcada pelo massacre dos equilíbrios naturais, a
deterioração do meio ambiente, a ignorância das leis da vida. Não é
igualmente por acaso que o teatro de vanguarda dos anos sessenta se
fez um teatro de gesto e não mais de texto, que o sucesso dos méto-
dos de grupos nos Estados Unidos a partir desta mesma época, e na
Europa em seguida, deve-se não mais às mudanças verbais inspira-
das no procedimento psicanalítico das associações livres, mas aos
contatos corporais e às comunicações pré-verbais então instauradas.
Durante este período, que progressos em sua volta às origens do
funcionamento psíquico realizou o saber psicanalítico?
40 D escoberta

A indagação psicanalítica sobre os efeitos psíquicos das carên-


cias maternas explica o fato de pesquisadores que, antes de serem
analistas ou ao mesmo tempo em que o são, eram, permaneceram ou
se tornaram psiquiatras de crianças ou pediatras: Bowlby a partir de
1940, Winnicott a partir de 1945, Spitz a partir de 1946, isso para me
ater às datas de suas primeiras publicações sobre este tema (sem falar
dos trabalhos anteriores dos dois primeiros analistas de crianças -
não médicos - Melanie Klein e Ana Freud). Desde estas datas, eles
constatam que a maneira como uma criança se desenvolve depende,
em boa parte, do conjunto dos cuidados que ela recebe durante sua
infância, não apenas da relação de alimentação; que a libido não
percorre a série de estágios descritos por Freud quando o psiquismo
do bebê sofreu violências; e que um desvio maior das primeiras rela-
ções mãe-filho provoca neste último graves alterações de seu equilí-
brio econômico e de sua organização tópica. A metapsicologia
freudiana não lhes basta para tratar das crianças com carências. Spitz,
nos Estados Unidos, designa com o termo pouco feliz de hospitalismo
as regressões graves e rapidamente irreversíveis que ocorrem em cri-
anças quando uma hospitalização precoce as separa de suas mães e
que são objeto de cuidados rotineiros, mesmo excessivos por parte
do pessoal, mas sem calor afetivo, sem o livre jogo das comunicações
olfativas, auditivas, táteis, habitualmente exercidas como manifesta-
ções do que Winnicott chamou "solicitude primária" materna.
A constatação dos fatos em um domínio não pode levar a um
progresso científico se não se dispuser de uma grade de observação
que permita a localização dos aspectos essenciais (frequentemente
até então desprezados) destes fatos, e também se as conjecturas
levantadas neste domínio por um lado se componham com certas
constatações já alcançadas em outros domínios e, por outro, encon-
trem aplicações ou transposições fecundas em novos domínios. Qua-
tro séries de dados alimentaram, orientaram, questionaram então a
pesquisa psicanalítica sobre a gênese e as alterações precoces do
aparelho psíquico.
Quatro séries de dados 41

Dados etológicos
Por volta de 1950, são publicadas em inglês as obras maiores dos
etologistas Lorenz (1949) e Tinbergen (1951). Bowlby (1961), psi-
canalista inglês, toma então conhecimento do fenômeno do
“imprinting”: entre a maior parte das aves e entre alguns mamíferos,
os filhotes são geneticamente predispostos a manter a proximidade
com um indivíduo particular, diferenciado desde as horas ou os dias
que se seguem ao seu nascimento e preferido entre todos. Geralmen-
te é a mãe, mas a experimentação mostra que pode ser uma mãe de
uma outra espécie, um balão de espuma, uma caixa de papelão ou o
próprio Lorenz. O interesse da experiência, para o psicanalista, é que
o filhote nada mais faz que ficar junto de sua mãe ou a segue em sua
movimentação, mas que ele a busca quando não a encontra e a cha-
ma no maior desespero. Este desespero da avezinha ou do filhote de
mamífero é análogo à angústia da separação da mãe entre as crianças
e cessa assim que o contato com a mãe se restabelece. Bowlby se
impressiona pelo caráter primário desta manifestação e pelo fato que
ela não está ligada à problemática oral entendida em seu sentido
mais limitado (alimentação, desmame, perda e depois alucinação do
seio), à qual os psicanalistas em geral se restringiam depois de Freud,
com relação aos pequeninos. Estima que Bowlby, Spitz, Melanie Klein
e Ana Freud, prisioneiros do aparelho teórico freudiano, não pude-
ram ou não souberam assumir esta consequência e, ao se referir aos
trabalhos da escola húngara sobre o instinto filial e a pulsão de agar-
ramento (I. Hermann, 1930, retomado na França por Nicolas
Abraham, 1978) e sobre o amor primário (A. e M. Balint, 1965), ele
propõe sua teoria de uma pulsão de apego. Lembro resumidamente a
idéia de Hermann: os filhotes dos mamíferos se agarram aos pêlos da
mãe para encontrar uma dupla segurança, física e psíquica. O desa-
parecimento quase completo da capa de pêlo sobre a superfície do
corpo humano facilita as trocas táteis primárias significativas entre a
mãe e o bebê e prepara o acesso dos humanos à linguagem e aos
outros códigos semióticos, mas torna mais aleatória a satisfação da
pulsão de agarramento entre os pequenos humanos. É se agarrando
ao seio, às mãos, ao corpo inteiro e às roupas da mãe que ele desen-
42 D escoberta

cadearia, como resposta, condutas até então atribuídas a um utópico


instinto maternal. A catástrofe que persegue o psiquismo nascente
do bebê humano seria a do separar-se: e depois - assinala mais tarde
Bion de quem retomo a expressão - isso o mergulha em “um terror
sem nome".
A clínica psicanalítica se encontra, nestas últimas décadas, con-
frontada com a necessidade de introduzir novas categorias nosoló-
gicas, entre as quais a de estados-limite seria a mais prudente e a
mais corrente. Pode-se considerar que se trata aí de pacientes com
experiência de separação ruim, mais precisamente de pacientes que
experimentaram alternâncias contraditórias precoces e repetidas -
de agarramentos excessivos e de desprendimentos bruscos e imprevi-
síveis que foram uma violência ao seu Eu corporal e/ou a seu Eu
psíquico. Daí decorrem certas características de seu funcionamento
psíquico: eles não mais estão seguros do que sentem; ficam muito
mais preocupados com o que supõem ser os desejos e os afetos dos
outros; vivem no aqui e agora e comunicam sobre o modo da narra-
ção; não têm a disposição de espírito que permita, segundo a expres-
são de Bion (1962), aprender pela experiência vivida pessoal, repre-
sentar esta experiência, dela retirar uma perspectiva nova, cuja idéia
lhes permanece sempre inquietante; têm dificuldade em se despren-
der intelectualmente deste vivido difuso, misto deles próprios e de
outros, em abandonar o contato pelo tocar, em reestruturar suas re-
lações com o mundo ao redor de sua vista, em alcançar uma “visão”
conceitual das coisas e da realidade psíquica e um raciocínio abstra-
to; permanecem grudados aos outros em sua vida social, grudados às
sensações e às emoções em sua vida mental; temem a penetração,
seja ela do olhar ou do coito genital.
Retomemos a Bowlby. Em um artigo de 1958, "The nature of the
child ties to his mother", ele apresenta a hipótese de uma pulsão de ape-
go, independente da pulsão oral e que seria uma pulsão primária não-
sexual. Distingue cinco variáveis fundamentais na relação mãe-filho:
a sucção, o abraçar, o choro, o riso e o acompanhamento. Este último
estimula os trabalhos dos etologistas que se dirigiam por seu lado para
uma hipótese análoga e que vinham por terminar na célebre e elegan-
te demonstração experimental de Harlow nos Estados Unidos,
publicada também em 1958 em um artigo intitulado "The nature of the
Quatro séries de dados 43

love”. Comparando as reações de bebês-macacos às reações de mães


artificiais constituídas por um suporte revestido de tecidos macios,
amamentadoras ou não (isto é, apresentando ou não uma mamadeira),
e de mães artificiais igualmente amamentadoras ou não, mas feitas
apenas de fios metálicos, constata que, eliminada a variável
amamentação, a mãe-pele é sempre preferida à mãe-fio metálico como
objeto de apego e que, considerada a variável amamentação, esta não
introduz uma diferença estatisticamente significativa.
A partir daí, as experiências de Harlow e de sua equipe por volta
dos anos sessenta tentam avaliar o peso respectivo dos fatores no
apego do filhote e a sua mãe. O reconforto trazido pelo contato com
a maciez de uma pele ou de uma capa de pêlos mostra-se o mais
importante. O reconforto é encontrado nos três outros fatores ape-
nas de maneira secundária: no aleitamento, no calor físico experi-
mentado no contato, no acalanto do bebê pelos movimentos de sua
mãe quando ela o carrega ou quando ele se mantém agarrado a ela.
Se o reconforto do contato é mantido, os macaquinhos preferem uma
mãe artificial os amamentando a uma mãe artificial que não os ama-
menta, e isto durante cem dias; preferem igualmente um substituto
que balance a um substituto parado durante cento e cinqüenta dias.
Apenas a pesquisa do calor se mostrou em alguns casos mais forte do
que a pesquisa do contato: um bebê reso colocado em contato com
uma mãe artificial de tecido macio mas sem calor não a abraçou se-
não uma vez e correu para a outra extremidade da gaiola durante
todo o mês da experiência; um outro preferiu uma mãe de fio metá-
lico aquecida eletricamente a uma mãe de pano com temperatura
ambiente (cf. igualmente Kaufman I.C., 1961).
Como a observação clínica das crianças normais tem constata-
do, há muito fenômenos análogos. Bowlby (1961) dedica-se agora a
uma reelaboração da teoria psicanalítica que possa explicá-los. Ele
adota como modelo a teoria do controle, nascida na mecânica e
desenvolvida na eletrônica e depois na neuropsicologia. A conduta é
definida não mais em termos de tensão e de redução das tensões,
mas de fins estabelecidos para se atingir, de processos levando a tais
fins e de sinais ativando ou inibindo tais processos. O apego é por ele
considerado nesta perspectiva como uma forma de homeostase. O
fim para a criança é manter a mãe a uma distância que a deixe aces-
44 D escoberta

sível. Os processos são o que conserva ou aumenta a proximidade


(deslocar-se para, chorar, abraçar) ou que encoraja a mãe a fazê-lo
(sorrir e outras amabilidades). A função é de proteção do pequenino,
particularmente diante dos predadores. Uma prova disso é que o
comportamento de apego se observa com relação não apenas à mãe,
mas também ao macaco macho que defende o grupo contra os pre-
dadores e protege os filhotes contra os grandes. O apego da mãe pelo
filho se modifica à medida que este cresce, mas a reação de incerteza
quando ele a perde permanece a mesma. A criança suporta as ausên-
cias cada vez mais prolongadas da mãe, mas fica sempre da mesma
maneira perturbada se ela não retorna no momento esperado. O ado-
lescente conserva esta reação, interiorizando-a, pois ele tem tendên-
cia a escondê-la dos outros, até dele mesmo.
Bowlby dedicou sob o título genérico “Attachement and Loss” três
volumes para o desenvolvimento de sua tese. Acabo de dar um resu-
mo sumário do primeiro, “L'Attachement” (1969). O segundo, “La
Séparation” (1973), explica a superdependência, a ansiedade e a fo-
bia. O terceiro, “La perte, tristesse et dépression” (1975), trata dos pro-
cessos inconscientes e dos mecanismos de defesa que os conservam
inconscientes.
Winnicott (1951) não comparou os pequeninos dos huma-
nos aos pequeninos dos animais nem procurou teorizar de manei-
ra também sistemática, mas os fenômenos transicionais que ele
descreveu e o espaço transicional que a mãe estabelece para a
criança entre ela e o mundo poderíam perfeitamente ser entendi-
dos como efeitos do apego. A observação de Helena, relatada por
Monique Douriez-Pinol (1974), é ilustrativa: Helena pisca os olhos
e franze o nariz com um ar de contentamento pleno quando, per-
to de adormecer, ela explora com o dedo seus cílios, depois esten-
de esta reação à exploração dos cílios de sua mãe, de sua boneca,
ao esfregar em seu nariz a orelha do urso de pelúcia e, enfim, ao
contato ou com a evocação verbal de sua mãe quando retorna
depois de uma ausência ou à aproximação de outros bebês, de um
gato, de sapatos forrados, de um pijama macio. O autor descreve
aí, com razão, um fenômeno transicional. Eu acrescento de mi-
nha parte que o denominador comum a todos estes comporta-
mentos de Helena é a busca do contato com partes do corpo ou
Quatro séries de dados 45

com objetos caracterizados pela presença de pêlos, particularmente


macios de tocar ou de uma matéria que passe uma sensação tátil
análoga. Este contato a envolve em um contentamento cuja na-
tureza erógena é difícil de afirmar: o prazer encontrado na satisfa-
ção da pulsão de apego parece de qualidade diferente do prazer
de satisfazer a pulsão sexual oral e fica claro que ele ajuda Helena
primeiro a dormir tranqüilamente, depois a ter confiança no re-
torno de sua mãe e, enfim, a proceder a uma classificação dos
seres e dos objetos nos quais ela pode ter confiança.
Winnicott preferiu trabalhar sob uma perspectiva etiológica e
articular, com mais precisão que seus predecessores, a gravidade da
perturbação mental com a precocidade da carência materna. Reporte-
mos o resumo que ele nos dá em "L'Enfant en bonne santé et l’enfant en
période de crise. Quelques propos sur les soins requis" (1962 b, pp. 22-
23): se a carência ocorre antes que o bebê se tenha tornado uma
pessoa, ela acarreta a esquizofrenia infantil, as perturbações mentais
não orgânicas, a predisposição a perturbações clínicas mentais pos-
teriores; se a carência engendra um trauma em um ser suficiente-
mente desenvolvido para ser suscetível de ser traumatizado, ela pro-
duz a predisposição às perturbações afetivas e tendências anti-soci-
ais; se ela sobrevêm quando a criança busca conquistar sua inde-
pendência, ela provoca a dependência patológica, a oposição patoló-
gica, as crises de cólera.
Winnicott (1962 a) precisou igualmente a diversidade das ne-
cessidades do recém-nascido, o que aliás subsiste em todo ser huma-
no. Ao lado das necessidades do corpo, o pequenino apresenta ne-
cessidades psíquicas que são satisfeitas por uma mãe “suficientemente
boa”; a insuficiência das respostas dos que estão à sua volta a estas
necessidades psíquicas leva às perturbações da diferenciação do Eu e
do não-Eu; o excesso de resposta predispõe a um hiperdesenvol-
vimento intelectual e fantasmático defensivo. Ao lado de uma ne-
cessidade de comunicar, o bebê experimenta a necessidade de não se
comunicar e de viver episodicamente o bem-estar da não-integração
do psiquismo e do organismo.
Depois desta evocação histórica, tentemos refletir. Comecemos
por inventariar os fatos estabelecidos. No que concerne à etologia,
eles podem assim se resumir:
46 D escoberta

1. A busca do contato corporal entre a mãe e o bebê é um fator essen-


cial do desenvolvimento afetivo, cognitivo e social deste último.
2. É um fator independente do dom da alimentação: um macaquinho
ao qual se deixa livre acesso a uma mamadeira, colocada sobre
um suporte metálico, não se aproxima dela e parece assustado; se
se coloca sobre o suporte tecidos macios ou uma capa de pêlos
(não obrigatoriamente de pêlo de macaco), ele se enrasca nela e
seu comportamento manifesta calma e confiança.
3. A privação da mãe ou de seu substituto acarreta perturbações que
podem se tomar irreversíveis. Assim, o jovem chimpanzé, privado
do contato físico com seus companheiros, não consegue se
acasalar mais tarde. Os macacos de todas as espécies não assu-
mem a atitude adequada em presença dos estímulos sociais emi-
tidos pelos semelhantes, o que desencadeia de parte deles toda
sorte de brutalidades e, nele, acessos de violência.
4. As perturbações do comportamento podem ser prevenidas em gran-
de parte se o bebê-macaco privado de sua mãe está em contato com
semelhantes também privados de suas mães: o grupo dos compa-
nheiros é um substituto materno. A pesquisa etnológica sobre as
civilizações negro-africanas já chegara ao mesmo resultado: a classe
de idade substitui e reveza a mãe. Entre os macacos, o desenvolvi-
mento do indivíduo favorece mais os pequenos, que se beneficiam
sucessivamente do contato materno e do contato grupal.
5. Na idade certa, o bebê-macaco - em seu "habitat", assim como em
laboratório - deixa sua mãe e explora o mundo a sua volta. Ele é
amparado e guiado por ela neste seu comportamento. Ao menor
perigo, real ou imaginário, ele se joga em seus braços ou se
agarra a seus pêlos. O prazer do contato com o corpo da mãe e do
agarramento é então a base ao mesmo tempo do apego e da
separação. Se os estímulos externos são levemente hostis, o bebê
se familiariza com eles e tem, cada vez mais, menos necessidade
do consolo da mãe. Se são aterrorizadoras (em uma experiência
de Harlow, trata-se de um cão mecânico ou de um urso mecâni-
co batendo um tambor), o bebê-macaco continua sempre a pro-
curar o reconforto da mãe, mesmo quando acontece de tocar e
Quatro séries de dados 47

explorar estes monstros. Uma vez estabelecida a confiança da


criança no mundo a seu redor, a separação definitiva da mãe
acontece, tanto da parte dela quanto da parte da criança.
6. Entre os macacos, o acesso à vida sexual se faz em três etapas: a
primeira é uma experiência de apego satisfatória - de caráter não-
sexual - na infância com a mãe. Depois vem a possibilidade de
praticar, no grupo dos companheiros, manipulações do corpo do
parceiro de caráter cada vez mais sexual (descoberta da
sexualidade infantil). Este apego e depois estes jogos preparam
e, entre certas espécies, condicionam o acesso à sexualidade
adulta. Entre os macacos, entre muitos mamíferos e pássaros, a
mãe nunca é o objeto de manifestações sexuais por parte de seus
filhos. Os etólogos explicam este tabu do incesto pelo fato de
que a mãe é - e permanece — o animal dominante para o jovem
macho. O macaco que se toma chefe de um bando do qual sua
mãe continua a fazer parte tem o direito de possuir todas as fê-
meas do grupo e ele, em geral, prefere deixar o bando do que
copular com ela. A entrada na sexualidade adulta é marcada
pelo fim da educação bastante permissiva dada pelo bando em
matéria de jogos sexuais infantis e pela introdução de restrições
brutais por parte dos que dominam e que se reservam, repartin-
do-as, a possessão das fêmeas do bando1.

Dados grupais
A observação dos grupos humanos ocasionais, considerando a
formação ou a psicoterapia, oferece uma segunda série de fatos, de-
pois que esta observação se fez sobre um grupo de trinta a sessenta
pessoas (não mais sobre o único grupo restrito) focalizando a manei-

1. As duas primeiras resenhas desta questão, publicadas por autores de língua francesa, são de F.
Duyckaerts, "L'Objet d'attachement: médiaieturentre l'enfant el le milieu", in Milieu et Développ-
ement(1972), e de R. Zazzo, "L'Attachment. Une nouvelle théorie sur les origines de l'affectivité".
Dois volumes coletivos se juntam às contribuições francesas e estrangeiras sobre diversos problemas
relacionados ao apego: "Modeles animaux du comportament humain" Colóquio do C.N.R.S. dirigido
por R. Chauvin (1970): "l'Attachement'",volume dirigido por R. Zazzo (1974).
48 D escoberta

ra como o grupo habita seu lugar e que espaço imaginário os mem-


bros do grupo projetam sobre este lugar. Já no grupo pequeno se ob-
serva a tendência dos participantes a ocupar os espaços vazios (eles
se juntam em uma parte da peça se esta é grande, eles dispõem mesas
no meio se adotaram uma disposição circular) e a tapar os buracos
(não gostam de deixar cadeiras vazias entre eles, amontoam os as-
sentos excedentes em um canto do local, a cadeira vazia de uma
pessoa ausente é mal suportada, as portas e janelas são fechadas,
com o risco de tomar a atmosfera fisicamente asfixiante). No grupo
grande, onde o anonimato é acentuado, onde as angústias de fragmen-
tação são reavivadas, onde a ameaça de perda da identidade egóica é
forte, o indivíduo se sente perdido e tende a se preservar voltando-se
sobre si mesmo e em silêncio. Os três principais mecanismos de defe-
sa da posição esquizo-paranóide se encontram. A divagem do obje-
to: o mau objeto é projetado sobre o grupo grande em seu conjunto,
sobre os monitores ou sobre um participante tratado como vítima
emissária; o objeto bom é projetado sobre os grupos pequenos onde
favorece a instauração da ilusão grupal. A projeção da agressividade:
os outros são percebidos por mim como devoradores quando falam
sem que se possa identificar quem fala, ou me olham, sem que eu os
veja me olhar. A busca do elo: se se deixa os participantes livres para
se sentar sem disposição preestabelecida dos assentos, a maioria de-
les tende a se aglutinar. E mais tarde, ou defensivamente, que eles
adotam uma disposição em um ou em vários círculos ovais concên-
tricos: ovo fechado, segurança reconstituída de um envelope narcísico
coletivo. Turquet (1974) observou que a possibilidade de um partici-
pante emergir como sujeito fora do estado de indivíduo anônimo e
isolado passa pelo estabelecimento de um contato (visual, gestual,
verbal) com seu vizinho ou seus dois vizinhos mais próximos. Assim
se constitui o que Turquet denomina “a fronteira de relação do Eu
com a pele de meu vizinho”. “No grupo grande, a ruptura da frontei­
ra da ‘pele de meu vizinho’ é uma ameaça sempre presente e isto não
só pela ação das forças centrífugas já mencionadas que causam o
retraimento do Eu, levando-o a ficar em suas relações cada vez mais
isolado, idiossincrático e alienado. A continuidade com a pele de seu
vizinho está também em perigo, pois o grupo grande levanta proble-
mas numerosos como: onde? quem? de que tipo? são os vizinhos do
Quatro séries de dados 49

Eu, sobretudo quando seus lugares pessoais mudam no espaço, como


ocorre constantemente, outro participante estando próximo, depois
afastado, ora adiante, ora atrás, dantes à esquerda, agora à direita e
assim por diante. Essas repetidas mudanças de lugar fazem surgir per-
guntas: por que esta mudança? em que base? em que direção foi meu
vizinho? para que lugar? onde ir? etc. Uma das características do
grupo grande é a ausência de estabilidade; a ela se substitui uma
experiência caleidoscópica. O resultado para o Eu é a experiência de
uma pele distendida, presa ao último vizinho que falou mas que está
longe. Uma tal extensão pode atingir o limiar do rompimento da pele;
para evitá-lo, o Eu deixa de ser solidário e renuncia, torna-se então
um ‘solitário’ e assim um desertor.”
Ainda que Turquet não faça referências sobre isso, sua descrição
vem apoiar a teoria de Bowlby, mostrando como a pulsão de apego
opera entre os homens: pela busca de um contato (no duplo sentido
corporal e social do termo) que garante uma dupla proteção contra os
perigos exteriores e contra o estado psíquico interno de desamparo, e
que torna possíveis as mudanças de sinais em uma comunicação recí-
proca onde cada parceiro se sente reconhecido pelo outro. O desen-
volvimento, nos grupos, das técnicas de contatos corporais, de expres-
são física, de massagens mútuas, acompanha o mesmo sentido. Como
nas variáveis anexas de Harlow para os macacos, a busca do calor e do
movimento acalentador desempenha igualmente um papel. Os estagi-
ários se queixam do “frio” - físico e moral - que reina no grupo grande.
No psicodrama ou nos exercícios corporais há sempre uma mímica
coletiva de vários participantes cotados uns aos outros, balançando
juntos seus corpos. Sua fusão se completa às vezes com uma estimulação
de uma explosão vulcânica, figuração da descarga comum da tensão
tônica acumulada em cada um, diante da imagem do recém-nascido
acarinhado ritmicamente, do qual Wallon gostava de falar, e que des-
carrega o excesso de tônus nos risos cada vez mais agudos, e que po-
dem, ultrapassado um certo limiar, tornarem-se soluços.
Turquet assinala que a principal conseqüência do estabeleci-
mento pelo Eu psíquico em vias de reconstituição de uma pele-fron-
teira com seu vizinho é a possibilidade de viver por delegação: o su-
jeito reemergindo como tal “deseja que um outro membro do grupo
grande fale por ele a fim de ouvir dizer alguma coisa que lhe pareça
50 D escoberta

semelhante ao que ele pensa ou sente e de observar ou perceber,


substituindo o outro a si mesmo, qual destino pode ter no grupo o
que o outro falou por mim”. A mesma evolução com relação ao olhar:
um participante relata que estava sentado diante de um “rosto sua­
ve” e que isto o tranquilizou. Suavidade de um rosto, suavidade do
olhar, suavidade também da voz: “A qualidade da voz dos monitores
tem mais efeito do que o conteúdo do que tentam dizer, seu tom
suave, calmo, tranqüilizador é introjetado enquanto as próprias pala-
vras são deixadas de lado”. Reconhece-se aí a qualidade típica visa-
da pela pulsão de apego: a suavidade, o macio, o forro de pele, o
peludo, qualidade de origem tátil e metaforicamente estendida de-
pois aos outros órgãos dos sentidos.
Lembremos que, na teoria de Winnicott (1962 a, pp.12-13), a
integração do Eu no tempo e no espaço depende da maneira da mãe
“segurar” (holding) o recém-nascido, que a personalização do Eu de-
pende da maneira de o “tratar" (handling) e que a instauração pelo
Eu da relação de objeto depende da apresentação pela mãe dos obje-
tos (seio, mamadeira, leite...), graças aos quais o recém-nascido vai
poder encontrar a satisfação de suas necessidades. E o segundo pro-
cesso que nos interessa aqui: “O Eu se funde ao Eu corporal, mas é
apenas quando tudo se passa bem que a pessoa do recém-nascido
começa a se ligar ao corpo e às funções corporais, sendo a pele a
membrana-fronteira”. E Winnicott traz uma prova a contrário: a
despersonalização ilustra “a perda de uma união sólida entre o Eu e o
corpo, incluindo as pulsões do Id e os prazeres instintivos".

Dados projetivos
Tomo uma terceira série de dados de trabalhos que tratam de tes-
tes projetivos. Durante pesquisas sobre a imagem do corpo e a per-
sonalidade, os americanos Fischer e Cleveland (1958) isolaram, nas
respostas ao teste de borrões de tinta de Rorschach, duas variáveis
novas que têm mostrado sua importância: a do Envelope e a de Pene-
tração. A variável Envelope é classificada para toda resposta abran-
gendo uma superfície protetora, membrana, concha ou pele, e que
Quatro séries de dados 51

poderia simbolicamente ser relacionada com a percepção das frontei-


ras da imagem do corpo (roupas, peles animais onde se acentua o cará-
ter granuloso, penugento, manchado ou rajado da superfície, buracos
na terra, ventres proeminentes, superfícies protetoras ou salientes,
objetos dotados de uma blindagem ou de uma forma de conter, seres
ou objetos cobertos por alguma coisa ou escondidos anãs de alguma
coisa). A variável Penetração se opõe à precedente por ela dizer res-
peito a toda resposta que pode ser a expressão simbólica de um senti-
mento subjetivo segundo o qual o corpo tem apenas um débil valor
protetor e pode ser facilmente penetrado. Fischer e Cleveland estabe-
leceram três tipos de representações da penetração:
a. Perfuração, rompimento ou esfolamento de uma superfície corporal
(ferimento, fratura, escoriação, esmagamento, sangramento).
b. Vias e modos de penetração no interior ou de expulsão do interior
para o exterior (boca aberta, orifício do corpo ou da casa, abertura
na terra deixando jorrar substâncias líquidas, radiografias ou
secções de órgãos que permitam ver diretamente o interior).
c. Representação da superfície de uma coisa como permeável e frágil
(coisas inconsistentes, moles, sem fronteiras palpáveis, transpa-
rências, superfícies manchadas, desbotadas, deterioradas, em
degenerescência).

Aplicando o teste de Rorschach a doentes psicossomáticos,


Fischer e Cleveland assinalaram que aqueles cujo sintoma se rela-
cionava com a parte externa do corpo imaginavam um corpo bem
delimitado por uma parede defensiva, enquanto aqueles cujo sin-
toma dizia respeito às vísceras representavam seu corpo como facil-
mente penetrável e desprovido de barreira protetora. Os autores con-
sideram provado o fato de que estas representações imaginárias
preexistiam à aparição dos sintomas e têm pois valor etiológico. Con-
sideram que tratamentos que mobilizem o corpo (massagens, rela-
xamento etc.) podem ajudara liberar estas representações imaginárias.
Assim definida por estas duas variáveis, a noção de imagem do
corpo não poderia substituir a do Eu, mesmo apresentando a vanta-
gem de acentuar o que diz respeito ao conhecimento do próprio cor-
po sobre a percepção das fronteiras deste. Os limites da imagem do
52 D escoberta

corpo (ou a imagem dos limites do corpo) são adquiridos durante o


processo de desfusão da criança em relação a sua mãe e apresentam
alguma analogia com as fronteiras do Eu e que Federn (1952) mos-
trou serem desinvestidas no processo de despersonalização. Se se quer
ter a imagem do corpo, não por uma instância ou uma função psíqui-
cas, mas apenas por uma representação elaborada muito precoce-
mente pelo próprio Eu em plena estruturação, pode-se afirmar com
Angelergues (1975) que se trata de um “processo simbólico de re­
presentação de um limite que tem função de 'imagem estabilizadora'
e de envelope protetor. Este procedimento coloca o corpo como o
objeto de investimento e sua imagem como produto deste investi-
mento, um investimento que conquista um objeto não intercambiável,
salvo no delírio, um objeto que deve ser a qualquer preço mantido
intacto. A função dos limites se junta ao imperativo de integridade.
A imagem do corpo é situada na ordem da fantasia e da elaboração
secundária, representação agindo sobre o corpo”.

Dados dermatológicos
Um quarto conjunto de dados é fornecido pela dermatologia.
Excetuando-se as causas acidentais, as afecções da pele mantêm es-
treitas relações com os estresses da existência, com as crises emocio-
nais e, o que mais diz respeito a meu propósito, com as falhas narcí-
sicas e as insuficiências de estruturação do Eu. Estas afecções, es-
pontâneas na origem, são freqüentemente mantidas e agravadas por
compulsões de coçar que as transformam em sintomas que o sujeito
não pode mais evitar. Quando são localizadas nos órgãos que
correspondem às diversas fases da evolução libidinal, fica evidente
que o sintoma acrescenta um prazer erótico à dor física e à vergonha
moral necessárias ao apaziguamento da necessidade de punição que
emana do Superego. Mas ocorre, nas patomimias, que a lesão da pele
seja voluntariamente provocada e desenvolvida, por exemplo, por
uma raspagem quotidiana com cacos de garrafa (cf. com o trabalho
de Corraze, 1976, sobre esta questão). Aqui, o benefício secundário
é a obtenção de uma pensão por invalidez; o benefício primário, não-
Quatro séries de dados 53

sexual, consiste na tirania exercida sobre os que estão em volta pelo


doente considerado incurável, e no insucesso prolongado do saber e
do poder médico; a pulsão de dominação começa então a funcionar,
mas não só ela. A agressividade inconsciente é dissimuladamente
subjacente a esta conduta, agressividade reacional a uma constante
necessidade de dependência, cuja presença o simulador sente como
insuportável. Ele tenta desviar esta necessidade tornando seus de-
pendentes as pessoas que reproduzem os primeiros objetos visados
por sua pulsão de apego, objetos anterionnente frustrantes e que,
desde então, exigem sua vingança. Esta intensa necessidade de de-
pendência é correspondente à fragilidade e à imaturidade da organi-
zação psíquica do pitiático, assim como a uma insuficiência da dife-
renciação tópica, da coesão do Self e do desenvolvimento do Eu em
relação às outras instâncias psíquicas. Estes doentes são decorrentes,
também, da patologia da pulsão de apego. Devido à fragilidade de
seu Eu-pele, as patomimias oscilam entre uma angústia de abandono,
se o objeto de apego não mais está em contato próximo, e uma an-
gústia de perseguição, se ele está em grande proximidade com ele.
A abordagem psicossomática das dermatoses generalizou este
resultado. O prurido é sempre ligado a desejos sexuais envolven-
do culpabilidade, em um jogo circular entre o auto-erotismo e a
autopunição. E também, e antes de mais nada, uma maneira de
atrair a atenção sobre si, mais especialmente sobre a pele na me-
dida em que ela não pode ter, nos primeiros anos de vida, por
parte do meio materno e familiar, os contatos suaves, quentes,
firmes e tranquilizadores, e sobretudo significativos, menciona-
das anteriormente. O comichão é desejo premente de ser com-
preendido pelo objeto amado. Pelo automatismo de repetição, o
sintoma físico reaviva, sob a forma primária da “linguagem”
cutânea, as frustrações antigas, com seus sofrimentos exibidos e
suas cóleras reprimidas: a irritação da epiderme se confunde, de-
vido à indiferenciação somato-psíquica à qual tais pacientes per-
manecem fixados, com a irritação mental, e a erotização da parte
machucada do corpo sobrevêm tardiamente para tornar tolerável
a dor e a cólera e para tentar reverter o desprazer cm prazer. O
eritema considerado pudico não é apenas angustiante porque a
pele do doente, desempenhando seu pape! de “espelho da alma”
54 D escoberta

em prejuízo do de fronteira, permite ao interlocutor ler direta-


mente os desejos sexuais e agressivos dos quais o doente se enver-
gonha, mas também porque a pele se revela então ao outro como
um envelope frágil e que convida às penetrações físicas e às
intrusões psíquicas.
O eczema generalizado poderia traduzir uma regressão ao esta-
do infantil de completa dependência, uma conversão somática da
angústia de desmoronamento psíquico, o apelo mudo e desespera-
do a um Eu auxiliar que forneça um apoio total. O eczema de cri-
anças de menos de dois anos representaria a falta de um contato
físico terno e envolvente por parte da mãe. Spitz (1965) hesita so-
bre a interpretação: “Nós nos perguntamos se as perturbações
cutâneas eram uma tentativa de adaptação ou, ao contrário, uma
reação de defesa. A reação da criança sob forma de eczema talvez
seja uma exigência dirigida à mãe para incitá-la a tocá-la mais ve-
zes; talvez seja um modo de isolamento narcísico, na medida em
que, pelo eczema, a criança busca ela mesma, no domínio somático,
os estímulos que a mãe lhe recusa. Nós não podemos saber". Eu
mesmo fico nesta dúvida, desde meu primeiro estágio como jovem
psicólogo, nos anos cinqüenta, no serviço de dermatologia do pro-
fessor de Graciansky, no Hospital Saint-Louis em Paris. Haveria
afecções da pele típicas de pacientes que, precocemente, se benefi-
ciaram e sofreram em sua infância de uma superestimulação da pele
durante os cuidados maternos, em oposição a outras tentativas que
repetiriam os resultados ou os traços de uma carência antiga dos
contatos com o corpo e a pele da mãe? Nos dois casos, entretanto,
a problemática inconsciente giraria em torno desta proibição pri-
mária do tocar de que falarei mais adiante: a carência da carícia e
do abraço maternos seria inconscientemente vivida pelo nascen-
te psiquismo como a aplicação excessiva, prematura e violenta da
proibição de se colar ao corpo do outro; a superestimulação em
matéria de contatos maternos seria desagradável fisicamente na
medida em que ultrapassa a pára-excitação, ainda pouco assegu-
rada da criança e seria inconscientemente perigosa por transgre-
dir e afastar o interdito do tocar, necessário ao aparelho psíquico
para que se constitua em um envelope psíquico que lhe pertença
como propriedade particular.
Quatro séries de dados 55

A hipótese mais simples e mais certa, à luz das observações clí-


nicas reunidas, é até o momento a seguinte: “A profundidade da al­
teração da pele é proporcional à profundidade do dano psíquico”. 2
Prefiro de minha parte reformular esta hipótese, introduzindo
minha noção do Eu-pele que vou agora apresentar: a gravidade da
alteração da pele (que se mede com a resistência crescente colocada
pelo doente aos tratamentos quimioterápicos e/ou psicoterápicos)
está em relação com a importância quantitativa e qualitativa das fa-
lhas do Eu-pele.

2. Cf. os artigos de Danièle Pomey-Rey; dermatologista, psiquiatra, psicanalista, professor-


adjunto de consulta de psicodermatologia no Hospital Sain-Louis, sobretudo “Pour mourir
guérie”, Cutis, 3, Fevereiro 1979, que expõe um caso trágico, o da Srta. P.
3
A noção de Eu-pele

As quatro séries de dados - etológicos, grupais, projetivos e


dermatológicos - que acabo de apresentar, me conduziram à hipóte-
se, publicada desde 1974, na “Nouvelle Revue de Psychanalyse”, de
um Eu-pele. Antes de retomá-la e de completá-la, parece conveni-
ente repensar a noção de fase oral.

Seio-boca e seio-pele
Freud não limitava a fase que ele qualificava de oral à experiên-
cia da zona bucofaríngea e ao prazer da sucção. Sempre sublinhou a
importância do prazer consecutivo da repleção. Se a boca fornece a
primeira experiência, viva e breve, de um contato diferenciador, de
um lugar de passagem e de uma incorporação, a repleção alimentar
dá ao recém-nascido a experiência mais difusa, mais durável, de uma
massa central, de uma plenitude, de um centro de gravidade. Não é
de admirar que a psicopatologia contemporânea tem sido levada a
atribuir cada vez mais importância ao sentimento, entre alguns doen-
tes, de um vazio interior, nem que um método de relaxamento como
o de Schulz sugira que se sinta, em primeiro lugar e simultaneamente
em seu corpo, o calor (= a passagem do leite) e o peso (= a repleção,
a satisfação alimentar).
Quando da amamentação e dos cuidados com ele, o bebê tem
uma terceira experiência concomitante às duas precedentes: ele é
58 D escoberta

segurado nos braços, apertado contra o corpo da mãe de quem ele


sente o calor, o cheiro e os movimentos; é carregado, manipulado,
esfregado, lavado, acariciado, e tudo geralmente acompanhado por
um banho de palavras e de cantarolar. Encontramos aí reunidas as
características da pulsão de apego descritas por Bowlby e Harlow e
aquelas que, em Spitz e Balint, evocam a idéia de cavidade primitiva.
Estas atividades conduzem progressivamente a criança a diferenciar
uma superfície que comporte uma face interna e uma face externa,
isto é, uma interface que permite a distinção do de fora e do de den-
tro, e um volume ambiente no qual ela se sente mergulhada, superfí-
cie e volume que lhe trazem a experiência de um continente.
O seio é o vocábulo normalmente utilizado pelos psicanalistas
para designar a realidade completa então vivida pela criança, onde
se misturam quatro características que, a exemplo do bebê, o psica-
nalista é, por vezes, tentado a confundir: seio por um lado nutridor,
por outro lado “preenchedor”, pele suave e quente ao contato, recep­
táculo ativo e estimulador. O seio materno global e sincrético é o
primeiro objeto mental, e o duplo mérito de Melanie Klein é de ter
mostrado que ele está apto às primeiras substituições metonímicas:
seio-boca, seio-cavidade, seio-fezes, seio-urina, seio-pênis, seio-be-
bês rivais, e que ele atrai os investimentos antagonistas das duas
pulsões fundamentais. A fruição que ele proporciona às pulsões de
vida - fruição de participar de sua criatividade - atrai a gratidão. Em
compensação, a inveja destrutiva visa este seio em sua própria
criatividade, quando ele frustra o bebê dando a um outro que não ele
a fruição. Mas, ao acentuar assim exclusivamente a fantasia, Melanie
Klein negligencia as qualidades próprias da experiência corporal (é
em reação contra esta negligência que Winnicott (1962 a) privile-
giou o holding e o handling da mãe real) e, ao insistir sobre as relações
entre certas partes do corpo e seus produtos (leite, esperma, excre-
mentos) em uma dinâmica criativa-destrutiva, ela negligencia o que
liga estas partes entre si em um todo unificador: a pele. A superfície
do corpo está ausente da teoria de Melanie Klein, ausência tanto
mais surpreendente por um dos elementos essenciais desta teoria; a
oposição de introjecção (sobre o modelo do aleitamento) e da proje-
ção (sobre o modelo da excreção) pressupõe a constituição de um
limite diferenciando o de dentro do de fora. Compreendesse melhor,
A noção de Eu-pele 59

a partir daí, certas reservas suscitadas pela técnica kleiniana: o bom-


bardeio interpretativo pode tirar do Eu não apenas suas defesas, mas
seu envelope protetor. É certo que falando de “mundo interior” e de
“objetos internos”, Melanie Klein pressupõe a noção de um espaço
interno (cf. D, Houzel, 1985 a).
Muitos de seus discípulos, sensíveis a esta falta, elaboraram, para
atenuá-la, novos conceitos (na linha dos quais o Eu-pele encontra
naturalmente seu lugar): introjecção pelo recém-nascido da relação
mãe-lactente enquanto relação continente-conteúdo e constituição
consecutiva de um “espaço emocional” e de um “espaço do pensa­
mento" (o primeiro pensamento, de ausência do seio, toma tolerável
a frustração devida a esta ausência), terminando em um aparelho de
pensar os pensamentos (Bion, 1962); representações respectivas de
um Eu-polvo, mole e flácido, e de um Eu-crustáceo, rígido nas duas
formas, primária anormal e secundária com carapaça, do autismo
infantil (Francês Tustin, 1972); segunda pele muscular como coura-
ça defensivo-ofensiva entre os esquizofrênicos (Esther Bick, 1968);
constituição de três fronteiras psíquicas, com o espaço interno dos
objetos externos, com o espaço interno dos objetos internos, com o
mundo exterior, mas que deixam subsistir um “buraco negro” (por
analogia com a astrofísica) onde submerge todo elemento psíquico
que dele se aproxima (delírio, turbilhão autista) (Meltzer, 1975).
Devo igualmente citar aqui sem mais delongas quatro psicana-
listas franceses (os dois primeiros de origem húngara, os outros dois
de origem italiana e egípcia) cujas intuições clínicas e as elaborações
teóricas, convergentes com as minhas, me trouxeram esclarecimen-
tos, estímulo, conforto. Todo conflito psíquico inconsciente se de-
senvolve não só em relação a um eixo edipiano como também em
relação a um eixo narcísico (B. Grunberg, 1971). Cada subsistema
do aparelho psíquico e o sistema psíquico em seu conjunto obede-
cem a uma interação dialética entre casca e núcleo (N. Abraham,
1978). Existe um funcionamento originário, de natureza pictogra-
mática, do aparelho psíquico, mais arcaico que os funcionamentos
primário e secundário (P. Castoriadis-Aulagnier, 1975). Um espaço
imaginário se desenvolve a partir da relação de inclusão mútua dos
corpos da mãe e do filho, por um duplo processo de projeção senso-
rial e fantasmática (Sami-Ali, 1974).
60 D escoberta

Toda figura supõe um fundo sobre o qual ela aparece como figu-
ra: esta verdade elementar é facilmente desprezada, pois a atenção
normalmente é atraída pela figura que emerge e não pelo fundo so-
bre o qual esta se destaca. A experiência vivida pelo bebê dos orifí-
cios que permitem a passagem no sentido da incorporação ou no
sentido da expulsão é certamente importante, mas só há orifício per-
ceptível quando em relação a uma sensação, seja ela vaga, de super-
fície e de volume. O infans adquire a percepção da pele como super-
fície quando das experiências de contato de seu corpo com o corpo
da mãe e no quadro de uma relação de apego com ela tranqüilizadora.
Ele assim chega não apenas à noção de um limite entre o exterior e o
interior, mas também à confiança necessária para o controle progres-
sivo dos orifícios, já que não pode se sentir tranquilo quanto a seu
funcionamento a não ser que possua, por outro lado, um sentimento
de base que lhe garanta a integridade de seu envelope corporal. A
clínica confirma o que Bion (1962) teorizou com a noção de um
“continente” psíquico (container): os riscos de despersonalização
estão ligados à imagem de um envelope, que pode ser perfurado, e à
angústia - primária, segundo Bion - de um escoamento da substân-
cia vital pelos buracos, angústia não de fragmentação, mas de esvazi-
amento, muito bem metaforizada por certos pacientes que se descre-
vem como um ovo com a casca perfurada, esvaziando-se de sua cla-
ra, e mesmo de sua gema. A pele é, aliás, o lugar das sensações
proprioceptivas, cuja importância no desenvolvimento do caráter e
do pensamento foi assinalada por Henri Wallon: é um dos órgãos
reguladores do tônus. Pensar em termos econômicos (acumulação,
deslocamento e descarga da tensão) pressupõe um Eu-pele.
A superfície do conjunto de seu corpo com o de sua mãe pode
proporcionar ao bebê experiências tão importantes, por sua qualidade
emocional, por sua estimulação da confiança, do prazer e do pensa-
mento, quanto as experiências ligadas à sucção e à excreção (Freud)
ou à presença fantasmática de objetos internos representando os pro-
dutos do funcionamento dos orifícios (M. Klein). Os cuidados da mãe
produzem estimulações involuntárias da epiderme, quando o bebê é
banhado, lavado, esfregado, carregado, abraçado. Além do que, as mães
conhecem bem os prazeres de pele do bebê - e os seus - e, com suas
carícias, suas brincadeiras, elas os provocam deliberadamente. O bebê
A noção de Eu-pele 61

recebe esses gestos matemos primeiro como uma estimulação e depois


como uma comunicação. A massagem se toma uma mensagem. A
aprendizagem da palavra requer principalmente o estabelecimento pré-
vio de tais comunicações pré-verbais precoces. O romance e o filme
"Johnny s'en va-t-en guerre” ilustram bem esse fato: um soldado grave-
mente ferido perdera a visão, a audição e o movimento; uma enfermei-
ra consegue se comunicar, desenhando com sua mão letras sobre o
peito e o abdômen do ferido - depois lhe proporcionando, em resposta
a um pedido mudo, através de uma masturbação benéfica, o prazer da
descarga sexual. Reencontra assim, o enfermo, o gosto pela vida, pois
se sente sucessivamente reconhecido e satisfeito em sua necessidade
de comunicação e em seu desejo viril. É inegável que há, com o desen-
volvimento da criança, erotização da pele; os prazeres da pele são inte-
grados como preliminares da atividade sexual adulta; conservam um
papel primordial na homossexualidade feminina. A sexualidade genital,
e mesmo auto-erótica, só é acessível àqueles que adquiriram o senti-
mento mínimo de uma segurança de base em sua própria pele. Além
disso, como sugeriu Federn (1952), a erotização das fronteiras do cor-
po e do Eu acomete de recalque e de amnésia os estados psíquicos
originários do Self.

A idéia de Eu-pele

A instauração do Eu-pele responde à necessidade de um enve-


lope narcísico e assegura ao aparelho psíquico a certeza e a constân-
cia de um bem-estar de base. Correlativamente, o aparelho psíquico
pode se exercitar nos investimentos sádicos e libidinais dos objetos;
o Eu psíquico se fortifica com as identificações com tais objetos e o
Eu corporal pode gozar os prazeres pré-genitais e, mais tarde, genitais.
Por Eu-pele designo uma representação de que se serve o Eu
da criança durante fases precoces de seu desenvolvimento para se
representar a si mesma como Eu que contém os conteúdos psíqui-
cos, a partir de sua experiência da superfície do corpo. Isto
corresponde ao momento em que o Eu psíquico se diferencia do Eu
corporal no plano operativo e permanece confundido com ele no
62 D escoberta

plano figurativo. Tausk (1919) mostrou muito bem que a síndrome


do aparelho a influenciar só podia ser compreendida a partir da
distinção desses dois Eu; o Eu psíquico continua a ser reconhecido
como seu pelo sujeito (também esse Eu aciona mecanismos de de-
fesa contra as pulsões sexuais perigosas e interpreta logicamente os
dados perceptíveis que lhe chegam), enquanto o Eu corporal não
mais é reconhecido pelo sujeito como pertencente a ele e as sensa-
ções cutâneas e sexuais que dele emanam são atribuídas à engrena-
gem de um aparelho influenciador, comandado pelas maquinações
de um sedutor-perseguidor.
Toda atividade psíquica se estabelece sobre uma função bioló-
gica. O Eu-pele encontra seu apoio sobre as diversas funções da pele.
Esperando proceder adiante a seu estudo sistemático, assinalo aqui
brevemente três funções (às quais me limitava em meu primeiro arti-
go de 1974); a pele, primeira função, é a bolsa que contém e retém
em seu interior o bom e o pleno aí armazenados com o aleitamento,
os cuidados, o banho de palavras.
A pele, segunda função, é a interface que marca o limite com o
de fora e o mantém no exterior, é a barreira que protege da penetra-
ção pela cobiça e pelas agressões vindas dos outros, seres ou obje-
tos. A pele, enfim, terceira função, ao mesmo tempo que a boca e,
pelo menos, tanto quanto ela, é um lugar e um meio primário de
comunicação com os outros, de estabelecimento de relações
significantes; é, além disso, uma superfície de inscrição de traços
deixados por tais relações.
Desta origem epidérmica e proprioceptiva, o Eu herda a dupla
possibilidade de estabelecer barreiras (que se tornam mecanismos de
defesa psíquicos) e de filtrar as trocas (com o Id, o Superego e o
mundo exterior). É, para mim, a pulsão de apego que, se precoce e
suficientemente satisfeita, dá ao bebê a base sobre a qual pode se
manifestar o que Luquet (1962) chamou de “élan integrativo do Eu”.
Consequência: o Eu-pele cria a possibilidade do pensamento.
A noção de Eu-pele 63

A fantasia de uma pele comum e suas


variantes narcísicas e masoquistas
A noção discutida de masoquismo primário encontraria aqui
argumentos para apoiá-la e defini-la. O sofrimento masoquista, an-
tes de ser secundariamente erotizado e antes de conduzir ao maso-
quismo sexual ou moral, se explica primeiro por alternâncias brus-
cas, repetidas e quase traumáticas, antes do andar, da fase do espelho
e da palavra, de superestimulações e de privações do contato físico
com a mãe ou seus substitutos, e portanto de satisfações e frustra-
ções da necessidade de apego.
A constituição do Eu-pele é uma das condições da dupla passa-
gem do narcisismo primário ao narcisismo secundário e do maso-
quismo primário ao masoquismo secundário,
Nas curas psicanalíticas de pacientes apresentando comporta-
mentos sexuais masoquistas ou uma fixação parcial a uma posição
masoquista perversa, frequentemente encontrei o seguinte elemen-
to: eles apresentaram, em sua primeira infância, um episódio de agres-
são física real à sua pele, episódio que forneceu um material decisivo
para sua organização fantasmática. Pode ser uma intervenção cirúr-
gica superficial: refiro-me a que tenha sido principalmente realizada
na superfície do corpo. Pode ser uma dermatose, uma perda de pêlos.
Pode ser um choque ou uma queda acidental em que uma parte im-
portante da pele tenha sido arrancada. Podem ainda ser sintomas
precoces de conversão histérica.
A fantasia inconsciente que essas diferentes observações não per-
mitiram esclarecer não é a do corpo '‘desmembrado”, conforme hipó­
tese formulada por alguns psicanalistas: essa última fantasia me parece
mais típica das organizações psicóticas. E, para mim, a fantasia do cor-
po “esfolado” que sustenta a conduta do masoquismo perverso.
Freud evoca, a propósito do homem dos ratos, “o horror de um
gozo ignorado”. O gozo do masoquismo atinge o grau máximo de
horror quando o castigo corporal aplicado à superfície da pele (açoi-
te, flagelação, agulhadas) é levado ao ponto em que pedaços de pele
são rasgados, perfurados, arrancados. A volúpia masoquista, como se
sabe, requer a possibilidade para o sujeito de imaginar que os golpes
64 Descoberta

deixaram uma marca sobre a superfície de seu corpo. Entre os praze-


res pré-genitais que normalmente acompanham o gozo sexual genital,
encontra-se com muita frequência aquele de deixar sobre a pele do
parceiro marcas de mordida ou de unhadas: aí está o indício de um
elemento fantasmático anexo que, no masoquista, passa para o pri-
meiro plano.
Como iremos ver no capítulo seguinte, dedicado ao mito grego
de Marsias, a fantasia originária do masoquismo é constituída pela
representação: 1º) que uma mesma pele pertence à criança e a sua
mãe, pele figurativa de sua união simbiótica, e 2 a) que o processo de
desfusão e de acesso da criança à autonomia leva a uma ruptura e a
um esfacelamento desta pele comum. Essa fantasia de ser esfolado é
reforçada pelas observações feitas sobre animais domésticos mortos
e preparados para consumo ou sobre si mesmo, quando submetido a
palmadas ou a cuidados a machucados ou feridas.
A maioria dos pacientes, entre os quais encontrei uma fixação
masoquista notável, apresentavam fantasias mais ou menos cons-
cientes de fusão cutânea com a mãe. A ligação entre a fantasia incons-
ciente de corpo esfolado e fantasia pré-consciente de fusão me pare-
ce esclarecedora. A união simbiótica com a mãe é representada na
linguagem do pensamento arcaico por uma imagem tátil (e aparen-
temente olfativa) onde os dois corpos, o da mãe e o da criança, têm
uma superfície comum. A separação da mãe é representada pelo arran-
car dessa pele comum. Elementos de realidade dão crédito a essa
representação fantasmática. Quando, por causa de uma doença, de
uma operação ou acidente que provocaram um ferimento, a atadura
cola na carne, a mãe ou seu substituto arranca ou é imaginada poder
arrancar pedaços de epiderme com a atadura: aquela que atende é
também a que esfola, mas aquela que rasgou o envelope comum é
também a que pode repará-lo.
Na fantasia masoquista, a capa de pele (cf. “La Vênus à la fourrure”
de Sacher-Masoch) traz a representação figurada do retomo a um con-
tato de pele a pele, macio, voluptuoso, perfumado (nada é mais forte
que o cheiro de uma capa de pele nova), a essa união dos corpos que
constitui um dos prazeres colaterais do gozo genital. Que a Vênus
flagelante de Sacher-Masoch - em sua vida como em seu romance -
esteja nua sob uma capa de pele, confirma o valor primário da pele-
A noção de Eu-pele 65

capa de pele como objeto de apego antes que adquira um valor


denotativo do objeto sexual. Seria preciso lembrar que uma capa de
pele é na verdade uma pele de animal e que sua presença remete a um
animal escorchado e esfolado? A criança Séverin, fascinada por Vênus
ou Wanda vestida de capas de pele, imagina sua mãe coberta com uma
pele que significa ao mesmo tempo a fusão e o arrancar. Essa capa de
pele representa a doçura física, a ternura sensual, vivida no contato
com uma mãe que dispensa amorosamente seus cuidados à criança;
mas a Vênus com a capa de pele representa também a mãe que a criam
ça procurou ver nua ou que tentou seduzir, exibindo-lhe real ou imagi-
nariamente seu pênis, a mãe que a puniu na realidade ao lhe bater, na
imaginação ao escorchá-la viva até arrancar-lhe a pele, e que veste
agora, vitoriosa, a pele do vencido, como os heróis caçadores da mito-
logia antiga onde sociedades ditas primitivas se vestem com a pele dos
animais selvagem ou dos inimigos mortos.
É momento de introduzir uma distinção fundamental entre os
dois tipos de contatos exercidos pela mãe e o círculo maternante
sobre o corpo e a pele do bebê. Certos contatos comunicam uma
excitação (por exemplo, uma excitação fortemente libidinalizada da
mãe, durante os cuidados corporais que ela dá à criança, pode trans-
mitir a esta uma estimulação erógena tão prematura e tão excessiva
em relação a seu grau de desenvolvimento psíquico que ela vive essa
estimulação como uma sedução traumática). Outros contatos co-
municam uma informação (em relação, por exemplo, às necessidades
vitais do bebê, aos perigos provenientes do mundo exterior, à mani-
pulação dos objetos, à manipulação diferente conforme sejam ani-
mados ou inanimados...). Esses dois tipos de contatos são, a princí-
pio, indiferenciados para o bebê e tendem a assim permanecer por
tanto mais tempo enquanto a mãe e o círculo maternante os inver-
tam, os confundam, os misturem. Entre os histéricos, essa confusão
tende a subsistir permanentemente: ele, ou ela, emite para o parcei-
ro, sob aparência de excitações, informações de tal forma veladas
que o parceiro tem todas as chances de procurar responder à excita-
ção, não à informação, provocando assim a decepção, o rancor, as
lamentações do histérico. Em certas formas de depressão, a dinâmica
é inversa: o bebê recebeu cuidados corporais necessários e suficien-
tes, com a habitual sequência de excitações pulsionais, mas a mãe,
66 Descoberta

abatida pela perda de um parente próximo, pela perturbação de uma


ruptura conjugal, por uma depressão pós-parto, não se interessou
suficientemente em captar o sentido dos sinais emitidos pelo bebê
nem em devolvê-los por sua vez. Quando adulta, a pessoa se depri-
me cada vez que recebe um alimento material ou espiritual não acom-
panhado por trocas significantes e cuja absorção faz com que sinta
mais intensamente seu vazio interior.
Os destinos destes dois tipos de contatos - excitantes e signifi-
cantes - referem-se respectivamente ao masoquismo e ao narcisismo.
O paradoxo dos contatos excitantes consiste no fato de que a
mãe, que serve para o bebê de pára-excitação originária contra as
agressões do meio exterior, provoca nele, pela qualidade e intensida-
de libidinais desses cuidados corporais, uma superexcitação pulsional
de origem interna cujo excesso se mostra mais ou menos rapidamen-
te desagradável. A construção do Eu-pele se encontra então prejudi-
cada pela instauração durável de um envelope psíquico, ao mesmo
tempo envelope de excitação e envelope de sofrimento (em lugar de
um Eu-pele ao mesmo tempo pára-excitação e envelope de bem-es-
tar). Aí reside a base econômica e topográfica do masoquismo, com a
compulsão em repetir as experiências que reativam, ao mesmo tem-
po, o envelope de excitação e o de sofrimento.
O paradoxo dos contatos significantes está no fato de que a mãe,
atenta às necessidades não apenas corporais mas também psíquicas
do bebê, não só satisfaz tais necessidades, mas mostra, pelos ecos
sensoriais que devolve e pelas ações concretas que realiza, que inter-
pretou corretamente essas necessidades. O bebê fica satisfeito em
suas necessidades e, sobretudo, tranqüilizado quanto a sua necessi-
dade de que se compreendam suas necessidades. Daí a construção
de um envelope de bem-estar, narcisicamente investido, suporte da
ilusão, necessário para estabelecer o Eu-pele, ao qual um ser colado
do outro lado desse envelope reage imediatamente em simetria com-
plementar a seus sinais: ilusão tranqüilizadora de um duplo narcísico
omnisciente a sua permanente disposição.
Subjacente aos dois casos, do narcisismo secundário e do maso-
quismo secundário, encontra-se a fantasia de uma superfície de pele
comum à mãe e à criança; superfície onde domina, num, a troca
direta das excitações e, no outro, a troca direta das significações.
A noção de Eu-pele 67

Quando o Eu-pele se desenvolve, sobretudo sobre a vertente


narcísica, a fantasia originária de uma pele comum se transforma em
fantasia secundária de uma pele reforçada e invulnerável (caracte-
rizada por sua dupla parede grudada, cf. p. 158). Quando o Eu-pele
se desenvolve principalmente sobre o plano masoquista, a pele co-
mum é fantasiada como pele arrancada e ferida. As diversas fantasias
da pele, segundo a mitologia, permite fazer um inventário (cf. D.
Anzieu, 1984), indicando essas duas vertentes: pele-escudo (a égide
de Zeus), pele ouripel (as roupas celestes e a capa animal de Pele de
Asno), para a primeira vertente; pele machucada, pele esfolada, pele
machucadora, para a segunda vertente.
S. Consoli1 expôs o caso de um paciente (masoquista) que gosta
de se imaginar vítima das humilhações impostas por uma mulher nas
seguintes condições: ela fica em pé, vestida com uma pele de car-
neiro ou de vaca, e ele mesmo, de quatro aos pés da mulher, se iden-
tifica com o carneiro ou com a vaca. Existe, portanto, representação
de uma pele comum ao homem (transformado em animal) e à mu-
lher que o doma, portadora da pele do mesmo animal, em uma
complementaridade dos papéis que acentua a ilusão de uma conti-
nuidade narcísica. Neste corpo a corpo, cada um é mais do que o
“prolongamento” do outro (como pensa S. Consoli), uma das duas
faces respectivas dessa interface cutânea comum que procurei ressal-
tar. É preciso acrescentar que, em inúmeros cenários perversos ou
em simples fantasias eróticas, a capa de peles desempenha um papel
de fetiche, por analogia aos pêlos que mascaram a percepção dos
órgãos genitais e, portanto, da diferença dos sexos.

1. Exposto na jornada "Peau et Psychisme” (Hôpital Tarnier, 19, Fevereiro 1983).


4
O Mito Grego de Marsias

Quadro sociocultural
O mito de Marsias (nome que deriva etimologicamente do ver-
bo grego marnamai e designa “aquele que combate”) reflete, de acor-
do com os historiadores das religiões, os combates dos gregos para
submeter a Frígia e sua cidadela Celena (estado da Ásia Menor situ-
ado à leste de Tróia) e para impor aos habitantes o culto dos deuses
gregos (representados por Apolo) em troca da conservação dos cul-
tos locais, notadamente os de Cibele e de Marsias. À vitória de Apolo
sobre Marsias (que toca a flauta de dois tubos abertos) segue-se a
vitória do deus grego sobre Pan (o inventor da flauta de um só tubo
ou siringe)1 em Arcádia. “As vitórias de Apolo sobre Marsias e sobre
Pan comemoram as conquistas helênicas sobre a Frígia e sobre a
Arcádia, assim como a substituição dos instrumentos de sopro por
instrumentos de corda nessas regiões, excetuando a região dos cam-
poneses. O castigo de Marsias se refere, talvez, ao rei sagrado que era

1. Marsias teria um irmão, Babis, que tocava a flauta de um só tubo tão mal que teria sido
poupado por Apolo: encontra-se aí o tema dos montanheses, estranhos, grosseiros, ridículos,
aos quais os gregos, civilizados e conquistadores, toleram a conservação de suas crenças antigas
na condição de honrarem igualmente os deuses gregos. Pan, com sua flauta e seu ramo de
pinheiro, é um dublê mitológico de Marsias: é um deus da Arcádia, região montanhosa no
centro do Peloponeso; Pan simboliza os pastores ágeis e peludos, de costumes rudes e grosseiros
como os de seu rebanho, com formas animalescas, gostos simples por sestas sob as árvores, por
uma música ingênua, por uma sexualidade polimorfa (Pan quer dizer ''tudo" em grego; o deus
Pan é tido por desfrutar indiferentemente das prazeres homossexuais, heterossexuais e solitários;
uma lenda tardia supõe que Penélope teria dormido sucessivamenre com todos os pretendentes
antes do retorno de Ulisses e que Pan teria nascido desses amores múltiplos.
70 Descoberta

esfolado ritualmente - assim como Atenas retira de Palas sua égide


mágica - ou à casca de um broto de amieiro que se corta para fabri-
car uma flauta de pastor, sendo o amieiro a personificação de um
deus ou de um semideus” (Graves R., 1958, p. 71).
A competição musical entre Marsias e Apolo reúne toda uma
série de oposições: a dos bárbaros e dos gregos; a dos pastores mon-
tanheses de costumes semi-animais e dos habitantes cultivados da ci-
dade; dos instrumentos de sopro (a flauta de um ou dois tubos) e os
instrumentos de corda (a lira possui sete cordas); de uma sucessão
monárquica e cruel do poder político (pela periódica condenação à
morte do rei ou do grande sacerdote e por seu escorchamento) e de
uma sucessão democrática; dos cultos dionisíacos e dos cultos apolí-
neos; da arrogância da juventude ou das crenças ultrapassadas da ve-
lhice, chamadas cada uma delas a se inclinar perante o domínio e a lei
da maturidade. Marsias é representado, com efeito, ora como um sileno,
isto é, um velho sátiro, ora como um jovem companheiro da grande
deusa-mãe da Frígia, Cibele, inconsolável pela morte de seu servidor e,
sem dúvida, filho e amante Átis2. Marsias abranda seu sofrimento to-
cando a flauta. Esse poder reparador-sedutor de Marsias sobre a mãe
dos deuses o torna ambicioso e pretencioso, o que incita Apolo a desafiá-
lo para saber qual dos dois produzirá a mais bela música com seu ins-
trumento. Cibele deu seu nome ao Monte Cibele, donde jorra o rio
Marsias e no topo do qual estava a cidadela Frígia Celena.
Um mito - enunciei anteriormente esse princípio (D. Anzieu,
1970) - obedece a uma dupla codificação, uma codificação da reali-
dade externa, botânica, cosmológica, sociopolítica, toponímica, re-
ligiosa etc., e uma codificação da realidade psíquica interna por sua
correspondência com os elementos codificados da realidade externa.
Na minha opinião, o mito de Marsias é uma codificação desta reali-
dade psíquica peculiar que eu chamo o Eu-pele.
O que chama minha atenção no mito de Marsias e que denota sua
especificidade em relação aos outros mitos gregos é primeiramente a
passagem do envelope sonoro (proporcionado pela música) ao envelope
tátil (proporcionado pela pele), e, em segundo lugar, o retomo de um

2. É Frazer no “Le Rameau d’or" (1890-1915, tr. fr., tomo 2, capítulo V) que teve a idéia de
relacionar Marsias a Átis (e também a Adonis e a Osíris). O tema comum é o destino trágico
do filho preferido de uma mãe que quet guardá-lo amorosamente só para ela.
O Mito Grego de Marsias 71

destino, maléfico (que se inscreve sobre e pela pele esfolada) em um


destino benéfico (esta pele conservada preserva a ressurreição de Deus,
a conservação da vida e o retomo da fecundidade no país). Em minha
análise desse mito grego, me aterei somente aos elementos de base, ou
mitemas que se relacionam diretamente à pele (e que se encontram
representados nas expressões correntes da língua atual: um adversário é
completamente vencido quando se tem sua pele; uma pessoa está bem
em sua pele quando a conserva inteira, e, ainda, as mulheres podem ser
melhor fecundadas pelos homens que elas têm na pele). A comparação
com outros mitos gregos onde a pele intervém somente de maneira aces-
sória me permitirá verificar e completar a lista dos mitemas fundamen-
tais da pele e fazer entrever a possibilidade de uma classificação estrutu-
ral desses mitos de acordo com a presença ou a ausência desse ou daque-
le mitema e de acordo com sua sucessão e combinação.

Primeira parte do mito


Evoco primeiro brevemente a história de Marsias antes de a pele
entrar em cena, história bastante comum de rivalidade aberta e de
desejos incestuosos velados: o que parece manifestar o fato de que as
funções originárias do Eu-pele são, na ontopsicogênese, encobertas,
ocultadas e alteradas pelos processos primários e depois secundários
ligados ao desenvolvimento pré-genital e genital e a edipificação do
funcionamento psíquico.
Um dia, Atena fez uma flauta de dois tubos com ossos de cervo e
tocou a flauta num banquete dos deuses. Ela se perguntava por que
Hera e Afrodite riam em silêncio, o rosto escondido atrás das mãos,
enquanto os outros deuses estavam maravilhados pela música. Ate-
nas retirou-se sozinha para um bosque da Frígia, à beira de um ria-
cho, e olhou sua imagem na água enquanto tocava a flauta: suas
bochechas infladas e seu rosto congestinado lhe davam um aspecto
grotesco³. Atenas atirou a flauta, lançando uma maldição sobre quem
a recolhesse. Marsias tropeçou sobre esta flauta e, nem bem a colo-

3. Este episódio ilustra o que, em contraste com a inveja do pênis, conviria chamar o
horror do pênis na mulher. A virgem e guerreira Atenas se horroriza diante de seu rosto
transformado em um par de nádegas, com um pênis que pende ou que se levanta no meio.
72 Descoberta

cou na boca, a flauta, lembrando-se da música de Atenas, pôs-se a


tocar sozinha. Assim ele percorreu a Frígia como seguidor de Cibele,
a quem consolava do luto de Átis, encantando os camponeses que
afirmavam que nem mesmo Apolo com sua lira podia tocar melhor.
Marsias teve a imprudência de não os contradizer. Daí a cólera de
Apolo, que lhe propôs o desafio já citado, no qual o vencedor infligi-
ria ao vencido o castigo de sua escolha. O orgulhoso Marsias acei-
tou. O júri era composto pelas Musas4.
A competição se desenrolou sem que se impusesse um vence-
dor; as Musas se encantavam pelos dois instrumentos. Então Apolo
desafiou Marsias a fazer como ele: virar seu instrumento ao contrá-
rio, tocar e cantar ao mesmo tempo. Marsias evidentemente fracas-
sou, enquanto Apolo tocava sua lira invertida e cantava hinos tão
maravilhosos em honra aos deuses de Olimpo que as Musas só podi-
am lhe dar o prêmio (Graves, Op. cit., pp. 67-68). Começa então a
segunda parte do mito, que diz respeito especificamente à pele. Aqui,
eu sigo o relato dado por Frazer (Op. cit., pp. 396-400) do qual eu
destaco, aos poucos, os mitemas subjacentes.

Segunda parte: os nove mitemas


Primeiro mitema: Marsias é pendurado em um pinheiro por Apolo.
Não se trata de suspensão pelo pescoço provocando a morte por es-
trangulamento, mas de suspensão pelos braços a um galho de árvore,
permitindo que a vítima fosse facilmente esquartejada ou sangrada.
Frazer reuniu uma série impressionante de exemplos de deuses pendu-
rados (haja vista sacerdotes ou mulheres que se penduram voluntária
ou ritualmente). Esses sacrifícios, humanos na origem, foram pouco a
pouco substituídos por sacrifícios de animais e depois de efígies.

4. De acordo com certas versões, o júri era presidido pelo Deus do monte Tmolos (lugar do
desafio) e compreendia igualmente Midas, o rei da Frígia, introdutor do culto de Dionísio
naquele pais. Quando Tmolos deu o prêmio a Apolo, Midas teria contestado a decisão. Para puni-
lo, Apolo lhe teria feito crescer as famosas orelhas de asno (castigo apropriado a qualquer um que
não tivesse orelha musical!); escondidas em vão sob o boné frígio, as orelhas acabaram por ser
motivo de vergonha para o portador delas (Graves, op. cit., p. 229). De acordo com outras
versões, é o desafio seguinte, entre Apolo e Pan, que Midas teria arbitrado.
O Mito Grego de Marsias 73

Esse mitema me parece relacionado com a verticalidade do ho-


mem, em oposição à horizontalidade do animal. Saído da infância e da
animalidade, o homem fica de pé se apoiando no solo (como o bebê se
apóia sobre a mão de sua mãe para se levantar). E a verticalidade posi-
tiva (redobrada pelo pinheiro, árvore mais vertical). O castigo consis-
te em infligir a verticalidade negativa: a vítima fica vertical, mas
suspensa no ar (às vezes com a cabeça para baixo), posição dolorosa e
humilhante que expõe a todas as sevícias sem proteção e que reproduz
o desamparo inicial do recém-nascido não ou mal cuidado por sua mãe.
Segundo mitema: A vítima pendurada nua tem sua pele cortada
ou furada por golpes de lâmina, a fim de que se esvazie de seu sangue
(seja para fertilizar a terra, seja para atrair os vampiros desviando-os
do ataque aos próximos etc.). Esse mitema, ausente do mito de
Marsias, é universalmente disseminado junto com o precedente: Édi-
po, recém-nascido, tem os tornozelos perfurados e é suspenso hori-
zontalmente a um bastão; Edipo-Rei fura os olhos à visão do cadáver
de Jocasta, que pende estrangulada de uma corda; o Cristo foi crava-
do a uma cruz; São Sebastião, amarrado a uma árvore, é cravado por
flechas; outra santa, na mesma posição, teve os seios cortados; os
prisioneiros dos astecas eram colocados de costas contra uma pedra
grande e seus corações arrancados etc.
Esse mitema me parece relacionado com a capacidade da pele
de conter o corpo e o sangue, e o suplício consiste em destruir a
continuidade da superfície continente crivando-a de orifícios artifi-
ciais. Esta capacidade continente é então respeitada pelo deus gre-
go em Marsias.
Terceiro mitema: Marsias é inteiramente esfolado vivo por Apolo
e sua pele vazia fica pendurada ou presa no pinheiro. O proprietário
do prisioneiro, sacrificado pelos sacerdotes astecas, cobria-se duran-
te vinte dias com a pele do prisioneiro. São Bartolomeu foi esfolado
vivo, mas sua pele não foi conservada. Octave Mirbeau descreveu
no “Le Jardin des supplices" (1899) um homem esfolado arrastando
atrás de si sua pele como uma sombra etc.
No meu ponto de vista, a pele arrancada do corpo, se sua inte-
gridade é conservada, simboliza o envelope protetor, a pára-excita-
ção, que é preciso fantasmaticamente tomar de um outro para tê-lo
sobre si ou para redobrar e reforçar o seu próprio, ainda que com o
risco de uma retaliação.
74 Descoberta

Esta pele pára-excitação é preciosa. Assim é o Tosão de Ouro


guardado por um temível dragão e que Jasão tem como missão con-
quistar, pele de ouro de um carneiro sagrado e alado outrora oferecido
por Zeus a duas crianças ameaçadas de morte por sua madrasta; Medéia,
a bruxa, protege seu amante dando-lhe um bálsamo com o qual ele
unta todo o corpo e que o mantém por vinte e quatro horas ao abrigo
das chamas e dos ferimentos. E ainda a pele de Aquiles que se toma
invulnerável por sua mãe, uma deusa, que suspende a criança por um
calcanhar (primeiro mitema) e o mergulha na água infernal do Styx.
Com esse mitema o destino, até então maléfico, de Marsias se
torna benéfico, graças à conservação da integridade de sua pele.
Quarto mitema: A pele intacta de Marsias estava conservada,
ainda no período histórico, aos pés da cidadela de Celena; ela pendia
dentro de uma gruta onde aflorava o rio Marsias, um afluente do
Meandro. Os frígios viam nisso o sinal da ressurreição de seu deus
pendurado e esfolado. Existe aí, sem dúvida, a intuição de que uma
alma pessoal - um Self psíquico - subsiste enquanto um envelope
corporal garante sua individualidade.
A égide de Zeus concentra os mitemas um, três, quatro, cinco,
seis. Salvo de ser devorado pelo pai por uma astúcia de sua mãe, Zeus
é amamentado pela cabra Amaltéia, que o esconde pendurando-o a
uma árvore e que, ao morrer, lhe lega sua pele para que dela faça uma
armadura. Protegida, por sua vez, por esta égide, sua filha Atenas
vence o gigante Palas e lhe toma a pele. A égide não apenas se toma
um escudo perfeito nos combates, como permite à força de Zeus se
propagar, fazendo-o realizar seu singular destino que é o de se tornar
o senhor do Olimpo.
Quinto mitema: Frequente nos ritos e lendas de diversas cultu-
ras, parece, numa primeira leitura, ausente do mito de Marsias. E de
alguma forma o complemento negativo do quarto mitema. A cabeça
da vítima é separada do resto do corpo (que pode ser queimado, co-
mido, enterrado); a cabeça é preciosamente conservada, seja para
assustar os inimigos, seja para atrair os favores do espírito do morto
multiplicando os cuidados a esse ou àquele órgão desta cabeça: boca,
nariz, olhos, orelhas...
Esse quinto mitema me parece construído sobre a seguinte
antinomia: ou a cabeça sozinha é conservada depois de ter sido
O Mito Grego de Marsias 75

separada do corpo, ou a pele inteira é conservada, inclusive o rosto


e o crânio. Não é somente o elo entre a periferia (a pele) e o centro
(o cérebro) que é destruído ou reconhecido; antes de tudo é o elo
entre a sensibilidade tátil, espalhada sobre toda a superfície do cor-
po, e os quatro outros sentidos externos localizados no rosto. A
individualidade da pessoa, anunciada pelo mitema quatro que enfatiza
sua ressurreição (isto é, por exemplo, a volta regular da consciência de
si ao acordar), requer a relação entre as diferentes qualidades sensoriais
sobre esse “continuum” de fundo fornecido pela representação da
pele global.
Se a cabeça cortada é conservada prisioneira, enquanto o resto
do corpo é jogado ou destruído, o espírito do morto perde toda a
vontade própria; ele é alienado à vontade do proprietário de sua cabe-
ça. Ser si mesmo é, em primeiro lugar, ter uma pele própria e, em
segundo lugar, servir-se dela como de um espaço onde se colocam as
sensações no lugar.
A égide de Zeus não somente o protegia dos inimigos, mas tam-
bém a horrível cabeça da Górgona, sobre ela fixada, assombrava os
inimigos. Guiado por um escudo de bronze polido que Atenas colo-
cava em cima de sua cabeça, Perseu pode vencer a horrorosa Górgona
e decapitá-la; ele tinha dado a cabeça em agradecimento para Ate-
nas, que a tinha utilizado para reforçar o poder da égide.
Sexto mitema: Sob o símbolo desta pele suspensa e imortal do
deus flautista Marsias, jorrou, impetuoso e barulhento, o rio Marsias
com águas abundantes, promessas de vida para a região e cujos es-
trondos repercutidos pelas paredes da caverna produzem uma músi-
ca que encanta os frígios.
A metáfora é clara. De uma parte, o rio representa as pulsões de
vida, com sua força e seus encantos. De outra parte, a energia pul-
sional só aparece disponível a quem preservou a integridade de seu Eu-
pele, apoiado ao mesmo tempo sobre o envelope sonoro e sobre a
superfície cutânea.
Sétimo mitema: O rio Marsias é também uma fonte de fecundi-
dade para a região: assegura a germinação das plantas, a reprodução
dos animais, a fecundação das mulheres.
Aí também a metáfora é explícita: a realização sexual requer a
aquisição de uma segurança narcísica de base, de um sentimento de
bem estar na sua pele.
76 Descoberta

O mito de Marsias permanece mudo sobre as qualidades da pele


que estimulam o desejo sexual. Outros mitos, contos ou relatos de
ficção nos esclarecem: a pele da mãe desejável para o menino é vivi-
da como “Vénus à la fourrure” (Sacher-Masoch); a pele do pai que
tem projeções incestuosas é vivida pela filha como "Peau d'Ane”
(Perrault).
O excesso de desejo sexual é tão perigoso para a fecundidade
como a sua carência. Édipo, que teve a impropriedade de fazer qua-
tro filhos em sua mãe, mergulha Tebas na esterilidade.
Oitavo mitema: A pele de Marsias, suspensa na gruta de Celena,
era sensível à música do rio e aos cantos dos fiéis, ela tremulava ao
som das melodias frígias, mas era surda e imóvel às árias tocadas em
honra a Apolo.
Esse mitema ilustra o fato de que a comunicação original entre o
bebê e o ambiente materno e familiar é um espelho ao mesmo tempo
tátil e sonoro. Comunicar é primeiro entrar em ressonância, vibrar
em harmonia com o outro.
O mito de Marsias pára aí, mas outros mitos me levam a propor
um último mitema:
Nono mitema: A pele se destrói por si só ou é destruída por uma
outra pele. O primeiro caso tem por alegoria "La Peau dé chagrin”
(Balzac): a pele individual se encolhe simbolicamente de uma ma-
neira proporcional à energia que ela permite despender para viver e
paradoxalmente seu bom funcionamento se aproxima e nos aproxi-
ma da morte por um fenômeno de auto-usura. O segundo caso é o da
pele que mata, ilustrada por dois célebres mitos gregos: a roupa e as
jóias, intencionalmente envenenadas, que Medéia envia a sua rival,
queimam-na no momento em que ela as veste, assim como seu pai,
que acorreu em seu socorro, e todo o palácio real; a túnica, involunta-
riamente envenenada por Dejanira no sangue e esperma do pérfido
centauro Nessos (que dela abusou física e moralmente), cola na pele
de seu infiel marido Héracles e o veneno assim aquecido penetra na
epiderme do herói e o corrói; tentando arrancar esta segunda pele
corrosiva, Héracles arranca pedaços de sua própria carne; louco de
dor, não tem outra solução para se livrar deste envelope auto-destrui-
dor senão a de se imolar no fogo, sobre uma pira que seu amigo
Filoctetes aceita de acender por misericórdia.
O Mito Grego de Marsias 77

Qual é o correspondente psicológico desse mitema? Aos ataques


fantasmáticos eventualmente acompanhados de passagem à ação contra
os conteúdos do corpo e do pensamento, convém acrescentar as no-
ções de ataques contra o continente, do retomo sobre o continente
dos ataques contra o conteúdo, e mesmo de retorno do continente
contra ele próprio, noções sem as quais a problemática masoquista não
pode ser explicada. Os oito primeiros mitemas, cujo encadeamento
constitui o mito particular de Marsias, são, cada um a seu modo, o
lugar de um combate análogo, de um conflito interno do qual a com-
petição entre Apolo e Marsias oferece uma representação.
Este retorno destruidor parece ter por analogia um retorno cria-
dor que consiste, como mostrou Guillaumin (1980), em imaginar a
pele como uma luva, fazendo do conteúdo um continente, do espaço
interno uma chave para estruturar o externo, do sentir intemamen-
te uma realidade que se pode conhecer.
Voltemos ao romance de Sacher-Masoch: o episódio final da
“Vénus à la fourrure" apresenta uma variante do primeiro mitema de
Marsias. Sévérin assistiu, escondido, ao intercurso sexual de sua
amante, Wanda, e o amante, o Grego: assim, é o desejo “voyeurista”
que vai ser punido em Sévérin como o desejo exibicionista o foi em
Marsias. Wanda abandona então Sévérin, firmemente preso a uma
coluna, às chicotadas do Grego, assim como Atenas, por sua maldi-
ção, enviou Marsias ao escorchamento de Apolo. É subentendido
nos textos gregos que ela assiste ao suplício. A analogia é reforçada
por outros dois detalhes: Sacher-Masoch descreve a beleza do Grego
comparando-o a uma estátua de efebo antiga; é uma maneira indire-
ta de dizer que ele é bonito como Apolo. As últimas frases do roman-
ce deixam claro a renúncia de Sévérin ao seu sonho masoquista: ser
chicoteado por uma mulher, mesmo fantasiada de homem, ainda
passa; mas “ser esfolado por Apolo” (como na penúltima linha do
texto), por um grego robusto sob uma aparência ambígua de mulher
travestida, por um grego que bate forte, não passa. O prazer atingiu
seu ponto de horror insustentável.
Os nove mitemas do mito grego de Marsias trazem uma confir-
mação indireta à teoria (que exponho no capítulo 7) das nove fun-
ções do Eu-pele.
5
Psicogênese do eu-
pele

O duplo “feedback”: no sistema


diádico mãe-filho
Desde os anos 70, um considerável interesse científico tem
se voltado para os recém-nascidos. Sobretudo as pesquisas do pe-
diatra Berry Brazelton (1981), desenvolvidas na Inglaterra e de-
pois nos Estados Unidos, paralelamente às minhas próprias refle-
xões sobre o Eu-pele e independentemente delas, trazem interes-
sante confirmação e detalhes complementares. A fim de estudar
o mais cedo e o mais sistematicamente possível a díade bebê-cír-
culo maternante (que eu prefiro chamar “maternante” em vez de
materno para não limitar o círculo maternante à mãe biológica),
Brazelton apresentou em 1973 uma Escala de avaliação do compor-
tamento do recém-nascido, em seguida amplamente aplicada nos
Estados Unidos. Ele obteve os seguintes resultados:
1. No nascimento e nos dias que se seguem, a criança apresenta
um esboço do Eu, em virtude das experiências sensoriais já realiza-
das no fim de sua vida intra-uterina, e também sem dúvida do código
genético que predeterminaria seu desenvolvimento nesse sentido.
Para sobreviver, o recém-nascido tem necessidade não somente de
receber os cuidados repetidos e ajustados de um círculo maternante,
mas também: a) de emitir em relação ao círculo sinais suscetíveis de
desencadear e refinar esses cuidados; b) de explorar o ambiente físi-
80 Descoberta

co à procura das estimulações necessárias para exercer suas potencia-


lidades e ativar seu desenvolvimento sensório-motor.
2. O bebê na situação de díade é um parceiro não passivo, mas
ativo (cf. M. Pinol-Douriez, 1984); ele interage constantemente com
o ambiente em geral, com o círculo maternante em particular, desde
que este último esteja presente; o bebê logo desenvolve técnicas para
tomar esse círculo presente quando sente necessidade.
3. O bebê solicita os adultos que o rodeiam (e em primeiro lugar
sua mãe) do mesmo modo que o adulto solicita o bebê. Esta dupla
solicitação (que corresponderia a determinismos epigenéticos previs-
tos ou preparados pelo código genético) se desenvolve de acordo
com um encadeamento que Brazelton compara ao fenômeno físico
do “feedback”, isto é, em cibernética, ao circuito de auto-regulação
próprio dos sistemas assistidos. A solicitação mútua permite ao bebê
agir sobre o círculo humano (e, através dele, sobre o ambiente físi-
co) , adquirir a diferenciação fundamental do animado e do inanima-
do, imitar as imitações de alguns de seus gestos que os adultos lhe
devolvem e assim se preparar para a aquisição da palavra. Isto pres-
supõe - o que discutirei mais adiante - considerar a díade mãe-bebê
como único sistema formado de elementos interdependentes trocando
informações entre eles e no qual o “feedback” funciona nos dois sen­
tidos, da mãe para o bebê e do bebê para a mãe.
4. Se o círculo maternante não entra nesse jogo de solicitação
recíproca e não alimenta esse duplo “feedback” ou se uma deficiên­
cia do sistema nervoso priva o bebê da capacidade de tomar iniciati-
vas sensório-motoras em relação às pessoas que o cercam e/ou de
responder aos sinais emitidos por sua causa, o bebê apresenta rea-
ções de retraimento ou de cólera, passageiras se a frieza, a indiferen-
ça, a falta de círculo maternante são elas próprias passageiras (como
Brazelton observou experimentalmente, pedindo a mães habitual-
mente comunicativas que mantivessem um rosto impassível e se abs-
tivessem voluntariamente durante vários minutos de qualquer ma-
nifestação em relação a seu bebê). Essas reações tendem a permane-
cer duráveis, intensas e patológicas se a não-resposta do círculo
maternante persistir.
5. Os pais sensíveis ao “feedback” devolvido pelo bebê se guiam
por ele para agir, para mudar eventualmente de atitude, para se sen-
Psicogênese do Eu-pele 81

tirem seguros no exercício de sua função parental. Um bebê passivo


e indiferente (em consequência de um traumatismo intra-uterino ou
de uma falha no código genético) mergulha na incerteza e no deses-
pero àqueles que se ocupam dele; pode acontecer até, como notou M.
Soulé (1978), de deixar sua mãe louca, pois nunca teve proble- mas
desse tipo com seus outros filhos.
6. Modelos de comportamento psicomotor se instalam preco-
cemente no bebê por ocasião dessas interações; se bem-sucedidos,
repetidos e apreendidos, tomam-se comportamentos preferidos e
precursores dos modelos cognitivos posteriores. Asseguram o desen-
volvimento de um estilo e de um temperamento próprios ao bebê, os
quais fornecem, por sua vez, um referencial que se torna para as pes-
soas que o cercam um meio de prever as reações do bebê (por exem-
plo, seus períodos de alimentação, de sono, de atividade de qualquer
tipo) e que determina o nível de alerta daqueles que o cuidam (cf.
Ajuriaguerra: a criança é “criador de mãe”). As pessoas que o cer­
cam começam então a considerá-lo como uma pessoa, isto é, como
tendo um Eu individual. Eles o cercam do que Brazelton chama um
“envelope de maternagem” constituído por um conjunto de reações
adaptadas à sua personalidade única. Brazelton fala também de um
“envelope de controle”, recíproco do precedente: as reações do bebê
cercam com um envelope de controle seu círculo humano que ele
obriga a dar atenção às suas reações. Brazelton fala igualmente do
sistema de duplo “feedback” como um “envelope” que engloba a mãe
e o bebê (o que corresponde ao que chamo o Eu-pele).
7. O estudo experimental com bebês determinou a natureza de
alguns dos circuitos de “feedback" específicos, possíveis pelas suces­
sivas etapas da maturação nervosa e que o bebê experiencia se lhe
possibilitam:
— o prolongado olhar do bebê fixando o olhar da mãe, “olhos
nos olhos”, entre 6 semanas e 4 meses aproximadamente (antes de 3-
4 meses o bebê atrai a atenção do adulto pelo olhar; depois de 3-4
meses, pelos contatos corporais e depois as vocalizações);
— a identificação precoce pelo bebê (de alguns dias ou de algu-
mas semanas) da melodia habitual da voz materna, com efeitos
tranquilizadores da agitação e de estimulação de certas atividades;
82 Descoberta

— os mesmos efeitos quando da apresentação de um tecido im-


pregnado pelo odor materno ao bebê;
— a distinção reflexa pelo bebê, seis horas depois do nascimen-
to, de um sabor bom (açucarado), de um sabor neutro (água insípi-
da) e de um sabor mau (com três graus crescentes, o salgado, o áci-
do, o amargo), e as modulações progressivas dessas distinções refle-
xas nos meses que se seguem, de acordo com os encorajamentos, as
proibições, as exortações do círculo maternante, o bebê aprendendo
a ler sobre a mímica da mãe aquilo que ela considera como bom ou
como mau para ele e que não corresponde sempre exatamente (e
mesmo nada) ao esquema reflexo originário do bebê (Chiva, 1984);
— a percepção dos sons verbais como distintos dos outros sons,
e sua diferenciação segundo as mesmas categorias que os adultos a
partir de dois meses.
8. O sucesso do bebê, em interação com o círculo maternante,
em estabelecer esses circuitos de “feedback” sucessivos, acrescenta a
suas capacidades de discriminação sensorial, de realização motora e
de emissão significante uma força que o estimula a experimentar
outros circuitos, a tentar novas aprendizagens. O bebê adquire um
poder de domínio endógeno que vai de um sentimento de confiança
nas suas conquistas a um sentimento euforizante de poder ilimitado;
à medida que domina cada etapa conquistada, a energia, longe de se
dissipar pelo desgaste na ação, é, ao contrário, aumentada pelo su-
cesso (fenômeno de recarga libidinal, de acordo com a psicanálise) e
é investida na antecipação da etapa seguinte; esse sentimento de
uma força interior é indispensável ao bebê para realizar as reorgani-
zações de seus esquemas sensório-motores e afetivos, necessários a
partir de sua maturação e suas experiências.
O sucesso do bebê nas suas conquistas sobre o meio psíquico e
sobre o círculo humano suscita da parte desse círculo não apenas
uma aprovação, mas também marcas complementares gratificantes
das quais o bebê procura provocar o retorno para seu prazer: à força
do desejo de se lançar em novas conquistas se acresce a força do
desejo de se antecipar às expectativas dos adultos.
Psicogênese do Eu-pele 83

Divergências entre os pontos de vista


cognitivo e psicanalítico
A psicologia experimental e a psicanálise concordam quanto à
existência de um pré-Eu corporal no recém-nascido, dotado de um
“élan” integrador dos diversos dados sensoriais, de uma tendência a
ir ao encontro dos objetos, a acionar estratégias em relação aos obje-
tos, estabelecer com as pessoas do círculo maternante relações de
objeto (sendo o apego um caso particular), dotado de uma capacida-
de de regulação pela experiência das funções corporais e psíquicas
que o código genético e o desenvolvimento intra-uterino colocaram
à sua disposição, entre elas, aquela de discernir os ruídos e sons não-
verbais e de reconhecer, no interior destes últimos, as distinções fono-
lógicas pertinentes na língua falada ao seu redor, dotado da capa-
cidade de emitir sinais dirigidos para o círculo humano (primeiro,
mímica e choro e talvez emissão de odores; depois, olhar e postura, e,
em seguida, gestos e vocalizações). Este pré-Eu corporal é um pre-
cursor do sentimento de identidade pessoal e do senso de realidade
que caracterizam o Eu psíquico propriamente dito. Ele explica dois
fatos objetiva e subjetivamente constatáveis: por um lado, logo após
o nascimento, o ser humano é um indivíduo que possui seu estilo
particular e verdadeiramente o sentimento de ser um Self único; por
outro lado, seu sucesso nas experiências já mencionadas preenche
seu pré-Eu de um dinamismo que o leva a tentar novas experiências
e que se acompanha de um sentimento verdadeiro de júbilo.
Não existem diferenças importantes entre uma teoria do tipo
cognitivista e uma teoria do tipo psicanalítico. A primeira acentua a
simetria entre o círculo maternante e o bebê, considerados parceiros
tendendo para um sistema homeostático. Não me surpreende que o
estudo dos bebês mobilize no observador ilusões como se os visse
através de vidro deformante, dos quais ele efetua suas observações.
Revela-se então ultrapassada a ilusão de um bebê passivo, com psi-
quismo tábula rasa ou caráter maleável. Ela é substituída pela ilusão
de um bebê competente, dinâmico, parceiro quase em igualdade na
interação, formando com sua mãe, se ela própria é uma parceria com-
petente e dinâmica, uma dupla perfeitamente adaptada e feliz, mais
84 Descoberta

próxima do par de gêmeos do que da díade complementar, porém


assimétrica, composta de um adulto com desenvolvimento supos-
tamente terminado e de um ser, senão prematuro, pelo menos inaca-
bado. A mesma ilusão gemelar é igualmente reavivada no adulto
enamorado: Berenstein e Puget (1984) mostraram que a ilusão fun-
de o casal amoroso. Ora, só pode haver simetria em relação a um
plano (ou a um eixo). Constato que esse plano é fornecido por uma
fantasia - desprezada pelos experimentalistas - de uma pele comum
à mãe e ao filho; essa fantasia tem uma estrutura de interface; trata-
se de uma interface particular, que separa duas regiões do espaço
tendo o mesmo regime e entre as quais se instala uma simetria (se os
regimes são diferentes, ou se eles são mais do que dois, a estrutura da
interface se modifica, ela se enriquece, por exemplo, de bolsões ou
de pontos de fraturas).
Os psicanalistas insistem (cf. notadamente Piera Aulagnier, 1979)
sobre a assimetria entre o paciente e o psicanalista, entre o bebê e o
círculo humano, sobre a dependência primeira e o desamparo originá-
rio (denominado como tal por Freud, 1895), aos quais, sob o efeito do
processo psicanalítico, o paciente regride. Winnicott constatou que ao
lado dos estados de integração do Eu físico e do Eu corporal, o bebê
experimenta estados de não-integração que não são necessariamente
dolorosos e que podem ser acompanhados do sentimento eufórico de
ser um Self psíquico ilimitado; ou, ainda, que o bebê pode desejar não
se comunicar, por se achar muito bem ou muito mal. O pequenino
adquire, pouco a pouco, um esboço de compreensão da linguagem
humana, mas que se limita à segunda articulação e sem ter a possibili-
dade dela se servir para emitir mensagens; a primeira articulação lhe
escapa; ele sente esse mistério sonoro e sua impossibilidade semiótica
entre dor e cólera como uma violência psíquica fundamental exercida
sobre ele - o que Piera Castoriadis-Aulagnier (1975) chamou de “vio­
lência de interpretação” - sem contar a brutalidade das agressões físi-
cas e químicas às quais seu corpo é exposto, sem falar da “violência
fundamental” (Bergeret, 1984), da cólera, da rejeição, da indiferença,
dos maus tratos e das agressões provenientes do círculo humano. Esta
dependência cada vez mais mal tolerada por uma mãe que é o “porta-
voz” (Piera Castoriadis-Aulagnier, 1975), necessária às suas necessi-
dades, e esta violência atualizam em seu nascente Eu psíquico o imago
Psicogênese do Eu-pele 85

da mãe persecutória que desperta fantasias atemorizantes e o obriga a


mobilizar mecanismos de defesa inconscientes que vão freiar, parar ou
destruir o feliz desenvolvimento acima esboçado: o desmantelamento
interrompe o dinamismo integrador das sensações; a identificação
projetiva impede o “feedback” de se constituir em circuito; a múlti-
pla divagem dispersa num espaço nebuloso, que não é nem interno
nem externo, aglomerados de partes do Self e de partes do objeto;
um cinturão de rigidez muscular ou de agitação motora ou de sofri-
mento físico vem constituir uma segunda pele psicótica ou uma ca-
rapaça autista ou um envelope masoquista que supre o Eu-pele en-
fraquecido, mascarando-o.
Uma segunda divergência decorre do fato que Brazelton traba-
lha sobre comportamentos e de acordo com o esquema estímulo-
resposta, enquanto o psicanalista trabalha sobre fantasias, correlaci-
onadas a conflitos inconscientes e a organizações particulares do es-
paço psíquico. Brazelton chega até a considerar, com razão, que os
múltiplos “feedback” seqüenciais que intervém na relação bebê-cír-
culo maternante constituem um sistema dinâmico, e mesmo econô-
mico, e criam uma realidade psíquica nova de natureza topográfica
que ele chama “envelope”, sem precisar do que se trata. Envelope é
uma noção abstrata que exprime o ponto de vista de um observador
minucioso, mas de fora. Ora, o bebê tem uma representação con-
creta deste envelope, que lhe é fornecida por aquilo que ele com
freqüência experiencia sensorialmente, a pele, uma experiência sen-
sorial permeada de fantasias. São essas fantasias cutâneas que ves-
tem seu Eu nascente com uma representação, certamente imaginá-
ria, mas que mobiliza, retomando uma expressão de Paul Valéry 1,
aquilo que há de mais profundo em nós e que é nossa superfície.
São eles que marcam os níveis de estruturação do Eu e que tradu-
zem as falhas. O desenvolvimento dos outros sentidos é relaciona-
do à pele, superfície fantasmática “originária" (no sentido como P.
Castoriadis-Aulagnier, 1975, entende o originário, como precursor
e base do funcionamento psíquico primário).

1. A idéia fixa: “O que há de mais profundo no homem é a pele." “Depois medula, cérebro, tudo
o que é necessário para sentir, sofrer, pensar... .ser profundo (...), são as invenções da pele!...
Nós nos esforçamos em vão de nos aprofundar, doutor, nós somos... ectoderma." (E Valéry,
La Pléiade, tomo 2, pp. 215-216.)
86 Descoberta

Encontro, como psicanalista, uma terceira divergência na inter-


pretação dos resultados experimentais. Segundo os psicólogos
cognitivistas, o sentido do tato não estaria entre os primeiros a se de-
senvolver. As sensibilidades gustativa, olfativa, auditiva, cuja existência
é comprovada desde o nascimento, permitiriam ao bebê a identifica-
ção de sua mãe (e a identificação consecutiva à sua mãe), como tam-
bém um esboço de diferenciação entre o que lhe é bom e o que lhe é
mau. Conseqüentemente, quando o pequenino entra no universo das
comunicações intencionais, as ecopraxias, as ecolalias, as ecorritmias
desempenhariam um papel mais decisivo do que o que eu propus cha-
mar os ecotactilismos, ou trocas significantes de contatos táteis.
Tenho várias objeções contra esta minimização do papel da pele
no desenvolvimento do psiquismo. No embrião, ou no recém-nasci-
do, a sensibilidade tátil é a primeira que aparece (cf. p. 27) e está aí
sem dúvida a conseqüência do desenvolvimento do ectoderma, ori-
gem neurológica comum da pele e do cérebro. O acontecimento do
nascer traz para a criança no momento de seu nascimento uma expe-
riência de massagem em todo o corpo e de fricção generalizada da
pele durante as contrações maternas e durante a expulsão para fora
do envelope vaginal dilatado para as dimensões do bebê. Sabe-se
que esses contatos táteis naturais estimulam o desencadeamento das
funções respiratórias e digestivas; em caso de insuficiência, são subs-
tituídos por contatos artificiais (sacudidelas, banhos, compressas
quentes, massagens manuais). O desenvolvimento das atividades e
das comunicações sensoriais peta audição, pela visão, pelo olfato,
pelo paladar é por sua vez favorecido pela maneira como as pessoas
do círculo maternante carregam a criança, acalmam-na apertando
seu corpo contra o delas, amparam sua cabeça ou sua coluna verte-
bral. Como a linguagem corrente mostra, falando de “contato” para
todos os sentidos (contata-se ao telefone com alguém que se escuta
à distância sem o ver; tem-se bom contato com alguém que se vê,
mas que não se toca), a pele é a referência de base à qual espontane-
amente são relacionados os diversos dados sensoriais. A pele, supon-
do-se que ela não tenha a anterioridade cronológica, possui uma pri-
oridade estrutural sobre todos os outros sentidos pelo menos por três
razões. Ela é o único sentido que recobre todo o corpo. Ela própria
contém vários sentidos distintos (calor, dor, contato, pressão...) cuja
Psicogênese do Eu-pele 87

proximidade física leva a uma contigüidade psíquica. Enfim, como


Freud (1923) assinala alusivamente, o tocar é o único dos cinco sen-
tidos externos que possui uma estrutura reflexiva: a criança que toca
com o dedo as partes de seu corpo experimenta as duas sensações
complementares de ser um pedaço de pele que toca, ao mesmo tem-
po de ser um pedaço de pele que é tocado. Sobre este modelo da
reflexividade tátil se constroem as outras reflexividades sensoriais
(escutar, emitir sons, aspirar seu próprio odor, se olhar no espelho) e
a reflexividade do pensamento.

Particularidades do Eu-pele considerado


como interface
Posso agora precisar minha concepção do Eu-pele. O círculo
maternante é assim chamado porque ele “circunda” o bebê com
um envelope externo feito de mensagens e que se ajusta com uma
certa flexibilidade deixando um espaço disponível ao envelope in-
terno, à superfície do corpo do bebê, lugar e instrumento de emis-
são de mensagens: ser um Eu é sentir a capacidade de emitir sinais
ouvidos pelos outros.
Este envelope sob medida acaba por individualizar o bebê pelo
reconhecimento que lhe traz a confirmação de sua individualidade:
ele tem seu estilo, seu temperamento próprio, diferente dos outros
sobre um fundo de semelhança. Ser um Eu é sentir-se único.
O espaço entre o folheto externo e o folheto interno deixa ao
Eu, quando mais tarde se desenvolver, a possibilidade de não se fazer
compreender, de não comunicar (Winnicott). Ter um Eu, e poder se
voltar sobre si mesmo. Se o folheto externo se cola muito à pele da
criança (cf. o tema da túnica envenenada na mitologia grega), o Eu
da criança é sufocado no seu desenvolvimento, ele é invadido por
um dos Eu do meio que o cerca; é uma das técnicas, assinalada por
Searles (1965), de deixar o outro louco.
Se o folheto externo é muito frouxo, o Eu fica sem consistência.
O folheto interno tende a formar um envelope liso, contínuo, fecha-
do, enquanto o folheto externo tem uma estrutura em rede (cf. a
88 Descoberta

“peneira” das barreiras de contato segundo Freud, que eu exporei


mais adiante - p. 98). Uma das patologias do envelope consiste em
uma inversão das estruturas: o folheto externo proposto/imposto pelo
círculo humano se torna rígido, resistente, enclausurante (segunda
pele muscular) e é o folheto interno que se revela furado, poroso (Eu-
pele escorredor).
O duplo “feedback” observado por Brazelton leva, na minha
opinião, a constituir uma interface representada sob a forma de uma
pele comum à mãe e ao filho, interface tendo de um lado a mãe e, de
outro, o filho. A pele comum os mantém ligados, mas com uma sime-
tria que esboça sua separação futura. Esta pele comum, os abarcando
um ao outro, assegura entre os dois parceiros uma comunicação sem
intermediário, uma empatia recíproca, uma identificação adesiva: tela
única que entra em ressonância com as sensações, os afetos, as ima-
gens mentais, os ritmos vitais dos dois.
Antes da constituição da fantasia da pele comum, o psiquismo
do recém-nascido é dominado por uma fantasia intra-uterina, que
nega o nascimento e que exprime o desejo próprio ao narcisismo
primário de um retomo ao seio materno - fantasia de inclusão recí-
proca, de fusão narcísica primária na qual ele de certa forma arrasta
sua mãe, mesmo ela estando esvaziada pelo nascimento do feto que
carregava; fantasia reavivada mais tarde pela experiência amorosa,
segundo a qual cada um dos dois, tomando-o nos seus braços, envol-
vería o outro, estando por ele envolvido. Os envelopes autistas (cf.
p.288) traduzem a fixação na fantasia intra-uterina e o fracasso em
se aproximar da fantasia de uma pele comum. Mais precisamente,
em razão desse fracasso (seja ele devido a uma falha de seu programa
genético, a um “feedback” deficiente do círculo humano, a uma in­
capacidade de fantasmatização), o bebê, por uma reação prematura
e patológica de auto-organização negativa, escapa ao funcionamen-
to em sistema aberto, se protege num envelope autista e se retira
num sistema fechado, aquele de um ovo que não se rompe.
A interface transforma o funcionamento psíquico em sistema
cada vez mais aberto, o que encaminha a mãe e o filho para funcio-
namentos cada vez mais separados. Porém a interface mantém os
dois parceiros numa mútua dependência simbiótica. A etapa seguin-
te requer o desaparecimento desta pele comum e o reconhecimento
Psicogênese do Eu-pele 89

de que cada um tem sua própria pele e seu próprio Eu, o que não
acontece sem resistência nem dor. São agora as fantasias da pele ar-
rançada, da pele roubada, da pele assassinada ou assassina que estão
agindo (cf. D. Anzieu, 1984).
Se as angústias ligadas a essas fantasias chegam a ser superadas,
a criança adquire um Eu-pele que lhe é próprio de acordo com um
processo de dupla interiorização:
a) Da interface, que se toma um envelope psíquico continente dos
conteúdos psíquicos (de onde a constituição, segundo Bion, de
um aparelho para pensar os pensamentos).
b) Do círculo maternante, que se toma o mundo interior dos pen-
samentos, das imagens, dos afetos.

Esta interiorização tem por condição o que eu chamei de duplo


interdito do tocar (cf. cap.10). A fantasia em jogo, típica do narcisismo
secundário, é aquela de uma pele invulnerável, imortal, heróica.
A fixação a uma ou a outra dessas fantasias, particularmente à
da pele arrancada, os mecanismos de defesa acionados para reprimi-
las, projetá-las, invertê-las, superinvesti-las eroticamente,
desempenham um papel particularmente evidente nos dois domíni-
os das afecções dermatológicas e do masoquismo.
Resumindo os trabalhos pós-kleinianos, D. Houzel (1985 a) des-
creve as fases cada vez mais complexas da organização do espaço
psíquico que convergem com a evolução do Eu-pele que acabo de
esboçar. Na primeira fase (que Houzel de maneira discutível chama
de amorfa e que é de fato marcada pela mamada do seio-leite e pela
fermentação intestinal), o bebê vive sua substância psíquica como
líquida (de onde a angústia do esvaziamento) ou como gasosa (de
onde a angústia de explosão); a frustração provoca, na pára-excita-
ção que se esboça, fissuras abrindo a porta ao esvaziamento ou à
explosão; a falta de consistência interna do Self deve ser relacionada
com a não-constituição da primeira função do Eu-pele (sustentação
por apoio sobre um objeto-suporte).
Na segunda fase, a aparição dos primeiros pensamentos (que
são os pensamentos de ausência, de falta) torna tolerável as deiscên-
cias abertas no envelope pelas frustrações. “O pensamento é como
90 Descoberta

uma carpintaria interna.” Mas - acrescento - são pensamentos cujo


exercício requer a segurança de uma continuidade de contato com o
objeto-suporte, tornado cada vez mais um objeto continente (cf.
minha noção do seio-pele), continuidade de contato que encontra
sua representação na fantasia de uma pele comum. A relação de ob-
jeto se baseia na identificação adesiva (Meltzer, 1975). O Self ainda
mal diferenciado do Eu é sentido como superfície sensível que per-
mite a constituição de um espaço interno diferente do espaço exter-
no. O espaço psíquico é bidimensional. “A significação dos objetos é
então experimentada como inseparável das qualidades sensuais que
se pode perceber na sua superfície.” (Meltzer, ibid.)
Na terceira fase, com o acesso à tridimensionalidade e à identifi-
cação projetiva, aparece o espaço interno dos objetos, semelhante po-
rém distinto do espaço interno do Self, espaços nos quais os pensa-
mentos podem ser projetados ou introjetados; o mundo interior come-
ça a se organizar graças às fantasias de exploração do interior do corpo
da mãe; constitui-se o aparelho de pensar os pensamentos; “produz-se
o nascimento psíquico” (M. Mahler, in F. Tustin, 1972). Mas a simbiose
persiste; o tempo fica cristalizado, repetitivo ou oscilante, cíclico.
Na fase seguinte, a identificação introjetiva aos bons pais com-
binados na cena primária e fantasiados fecundos e criadores conduz à
aquisição do tempo psíquico. Existe agora um sujeito que tem uma
história interior e que pode passar da relação narcísica a uma relação
objetal. As seis outras funções positivas que atribuo ao Eu-pele (depois
da manutenção e da continência) podem se desenvolver; a função
negativa de autodestruição do continente se toma menos temível.

Dois exemplos clínicos

Observação de Juanito
Uma colega latino-americana, que escutou uma das minhas
conferências sobre o Eu-pele, conta esse caso. Juanito,
portador de uma malformação congênita, precisou ser operado
logo após o nascimento nos Estados Unidos. Sua mãe tinha
interrompido suas atividades familiares e profissionais para
Psicogênese do Eu-pele 91

acompanhá-lo, mas, durante muitas semanas, ela só pôde vê-


lo através de um vidro, sem tocá-lo nem com ele falar. A
operação foi bem-sucedida. A convalescença, graças às
condições draconianas, foi bem desenvolvida. Depois do
retorno ao país de origem, a aquisição da palavra foi efetuada
normalmente e até mesmo precocemente. O garotinho,
espantosamente, conservou seqüelas psíquicas importantes
que motivatam uma psicoterapia ao redor dos 5-6 anos.

O momento decisivo da psicoterapia é uma sessão na qual


Juanito descola da parede uma grande placa ainda virgem de
papel adesivo lavável, específico para que as crianças pudessem
pintar livremente sobre a parede. Ele pica essa placa em
pedacinhos, se despe por inteiro e pede à sua psicoterapeuta
para colar esses pedaços sobre todo o seu corpo, com exceção
dos olhos, insistindo sobre a dupla necessidade de por um
lado utilizar todos os pedaços e, por outro, recobrir a totalidade
de seu corpo sem deixar interstícios (com exceção do olhar).
Nas sessões seguintes, ele repete este jogo de envolvimento
integral de sua pele pela sua psicoterapeuta e faz o mesmo a
um boneco pelado de celulóide.

Juanito procurou assim reparar as falhas de seu Eu-pele, devidas à


carência, inevitável numa hospitalização, de contatos táteis e sonoros
e de manipulações corporais por parte da mãe e do círculo maternante.
A manutenção do elo visual quotidiano com a mãe permitiu a salva-
guarda do Eu nascente: de onde a necessidade, no jogo de colagem
com sua psicoterapeuta, de preservar seus olhos abertos. Esse menini-
nho inteligente, e tendo um bom domínio da linguagem, soube
verbalizar para sua psicoterapeuta as duas necessidades de seu Eu cor-
poral: a necessidade de sentir sua pele como uma superfície contínua,
a necessidade de registrar todas as estimulações recebidas ao exterior e
de integrá-las em um sensorium commune (um senso comum).
92 Descoberta

Observação de Eleonora

Colette Destombes, que sabe do meu interesse pelo Eu-pele,


comunica uma sequência da psicoterapia psicanalítica desta
garota de aproximadamente 9 anos, cujo fracasso escolar é
patente. A criança, de inteligência aparentemente normal,
compreende de momento as explicações da professora, mas
é incapaz de retê-las de um dia para outro. Ela aprende suas
lições e as esquece em seguida. O sintoma se repete na cura,
tornando-a cada vez mais difícil: a garota não se lembra do
que disse ou desenhou na sessão precedente. Ela se mostra
sinceramente desolada: “Veja que não se pode fazer nada
comigo.” Sua psicoterapeuta está no ponto de abandonar,
pensando existir uma debilidade subjacente.

Numa sessão onde o sintoma é mais do que nunca flagrante,


ela tenta seu último recurso e diz à garota: “Em suma, você
tem uma cabeça-escorredor." A criança muda de expressão
e de tom: “Como você adivinhou?” Pela primeira vez, ao
invés de reprovações explícitas ou implícitas de seu meio,
Eleonora recebe de volta uma formulação justa da imagem
que ela tem de si mesma e de seu funcionamento psíquico.
Ela explica que se sente exatamente assim, tem medo que
os outros percebam isso e faz tudo para esconder o fato,
consumindo sua energia mental nessa dissimulação. A partir
desse reconhecimento e dessa confissão, ela se lembra de
suas sessões. No encontro seguinte, é ela que propõe espon-
taneamente, à sua psicoterapeuta, desenhar. Desenha uma
bolsa. No interior da bolsa, um canivete fechado, que ela
abrirá nos próximos desenhos feitos nas sessões seguintes.

Assim, Eleonora pode revelar a alguém que ela finalmente en-


controu alguém disposto a compreendê-la, a pulsão que lhe trazia
problema. A bolsa é o envelope a partir de então contínuo de seu Eu-
pele e que lhe garante o sentimento de continuidade do Self. O
canivete é sua agressividade, inconsciente, negada, inclusa, voltada
sobre ela própria, e que perfura seu envelope psíquico de um lado a
Psicogênese do Eu-pele 93

outro. Pelos múltiplos furos, sua inveja irada e destruidora pode se


escoar sem muito perigo estando clivada, fragmentada e projetada
em numerosos pedaços. Ao mesmo tempo, pelos mesmos furos, sua
energia psíquica se esvazia, sua memória se perde, a continuidade de
seu Self se esfacela, seu pensamento nada pode conter.
A partir daí, a psicoterapia se desenrolou normalmente, o que
não quer dizer sem dificuldades. A menina liberou uma agressivida-
de cada vez mais aberta e violenta, atacando e ameaçando sua
psicoterapeuta, mas de uma maneira passível de interpretação e que
representava um progresso em relação à fase precedente de reação
terapêutica negativa, onde ela destruía em silêncio sua psicoterapia
e seu aparelho de pensar os pensamentos. Esta observação de Eleonora
coloca em evidência uma configuração freqüente do Eu-pele que re-
sulta em ataques irados inconscientes contra o envelope psíquico
continente: o Eu-pele escorredor.
Segunda Parte

Estrutura, Funções,
Superação
6
Dois precursores do Eu -pele:
Freud , Federn

Freud e a estrutura topográfica do Eu


Relendo Freud, fiquei impressionado, como a maior parte dos seus
sucessores, ao ver quanto as inovações por eles propostas se encon-
tram freqüentemente em germe na obra de Freud, sob a forma de pen-
samentos ainda figurativos ou de conceitos prematuramente esboça-
dos e depois abandonados. Vou tentar mostrar como a primeira descri-
ção dada em 1895 por S. Freud do que ele em 1896 chama de "apare-
lho psíquico"1 propõe uma antecipação do Eu-pele, graças à noção não
retomada posteriormente por ele e inédita durante sua vida, das “bar­
reiras de contato”. Seguirei a evolução de Freud até uma de suas der-
radeiras descrições do aparelho psíquico, a da “Notice sur le Bloc magi­
que” (1925),e me esforçarei em aí colocar em evidência a passagem para
um modelo topográfico, cada vez mais despojado de referências
anatômicas e neurológicas e que requer uma sustentação implícita e
talvez originária do Eu sobre as experiências e funções da pele.
Sem dúvida, em razão de sua cultura e de seu espírito científi-
cos, Freud pensa em termos de aparelho, palavra que, em alemão
como em francês, designa tanto um conjunto natural como um con-
junto fabricado de peças ou de órgãos destinado para um uso prático
ou uma função biológica. Nos dois casos, o aparelho em questão
(enquanto realidade material) é organizado por um sistema
subjacente, realidade abstrata que preside a organização das partes, que

1. Carta a Fliess de 06-XII-1896, em Freud, S., 1887-1902, tr. fr., p, 157.


98 Estrutura, funções, superação

comanda o funcionamento do conjunto e que permite a produção dos


efeitos pesquisados.
Tais são, retomando a Freud os exemplos sobre os quais ele se
apóia plenamente, um aparelho elétrico ou um aparelho óptico (no
caso de aparelhos concebidos pelo homem), o aparelho digestivo ou
o aparelho urogenital (no caso de aparelhos pertencentes ao organis-
mo vivo). Uma das idéias novas de Freud foi estudar o psiquismo
como um aparelho e conceber este aparelho articulando sistemas
diferentes (isto é, como um sistema de subsistemas).

O aparelho da linguagem
Em 1891, na sua primeira obra publicada, “Contribution a la
conception des aphasies", Freud elabora a idéia e a expressão “aparelho
da linguagem”2. Criticando a teoria das localizações cerebrais então
reinante, ele se inspira explicitamente nas idéias evolucionistas de
Hughlings Jackson: o sistema nervoso é um “aparelho” altamente or­
ganizado que, em estado normal, integra “modos de reações” corres­
pondentes a “etapas anteriores de seu desenvolvimento funcional” e
que, sob certas condições patológicas, libera modos de reação de acor-
do com uma “involução funcional” (trad. fr., p. 137). O aparelho da
linguagem liga dois sistemas (Freud fala de “complexos”, não de siste­
mas), o da representação de palavra e o que ele denomina, a partir de
1915, de representação de coisas e que ele chama, em 1819, as “asso­
ciações do objeto" ou a “representação do objeto”. O primeiro desses
“complexos” é fechado, enquanto o segundo é aberto.
Reproduzo, a seguir, a figura 8 do livro com o comentário de
Freud (ibid., p. 127):

2. Sprache apparatus. "Appareil à langage" é a tradução de J. Nassif (Freud, "I'Inconscient",


edições Galilée, 1977, p. 266 et sq. O capítulo III é inteiramente dedicado ao comentário do
livro de Freud sobre a afasia). M. Vincent e G. Diatkine propõem “appareil de langage”
(tradução, mimeografada, Instituto de Psicanálise, Paris). C. Van Reeth se atém a “appareil
du langage" cm sua tradução francesa (de 1983) da obra de Freud sobre a afasia; minhas
citações seguem esta tradução.
Dois precursores do Eu-pele : Freud, Federn 99

ASSOCIAÇÕES DO OBJETO

Imagem acústica

Imagem tátil

Imagem visual

Imagem lida

Imagem motora escrita

[REPRESENTAÇÃO DE] PALAVRA


Imagem sonora

Imagem motora falada

Fig. 8 - Esquema psicológico da representação de palavra.

“A representação de palavra aparece como um complexo repre­


sentativo fechado; a representação de objeto, ao contrário, aparece
como um complexo aberto. A representação de palavra não está li-
gada à representação de objeto por todas as suas constituintes, mas
somente pela imagem sonora. Entre as associações de objeto, são as
visuais que representam o objeto da mesma forma que a imagem so-
nora representa a palavra. As ligações da imagem sonora verbal com
as outras associações de objeto não são indicadas3 .”
O aparelho da linguagem tem por suporte evidentemente um
esquema neurológico. “Para que representemos a construção do apa­
relho da linguagem, nós nos baseamos na observação de que os cha-
mados centros da linguagem são contíguos, em direção ao exterior
(marginalmente), a outros centros corticais importantes para a fun-
ção da linguagem, uma vez que delimitam, em direção ao interior

3. As associações (acústicas, visuais, táteis...) do objeto constituem a representação de objeto.


Em 1915, na última parte de seu artigo sobre “O inconsciente", Freud modifica sua terminologia
e fala então de representação de coisa, sempre por oposição à representação da palavra,
reservando a expressão representação de objeto ao conjunto que combina representação de
coisa e representação de palavra.
100 Estrutura, funções, superação

(nuclearmente), uma região de localização não confirmada e que é


provavelmente também um campo da linguagem. O aparelho da
linguagem revela-se como uma parte contínua do córtex no hemisfé-
rio esquerdo, entre as terminações corticais dos nervos acústicos e
ópticos, e a terminação dos feixes motores da linguagem e do braço.
As partes do campo da linguagem contíguas a estas áreas corticais
adquirem - com uma limitação necessariamente indeterminada - a
significação de centros da linguagem, no sentido da anatomia patoló-
gica e não no sentido da função” (ibid., p. 153).
As lesões situadas nesta periferia separam um dos elementos as-
sociados à palavra de suas conexões com os outros, o que não acon-
tece no caso de lesões situadas no centro.
E o esquema psicológico que permite a Freud ver claramente o
esquema neurológico e classificar as afasias em três tipos:
— A afasia verbal, onde somente são perturbadas as associações
entre os elementos da representação de palavra (é o caso de lesões
periféricas com destruição completa de um dos supostos centros da
linguagem).
— A afasia assimbólica, que separa a representação de palavra
da representação de objeto (a lesão periférica acarreta uma destrui-
ção incompleta).
— A afasia agnóstica, que atinge o reconhecimento dos objetos
e onde a agnosia perturba conseqüentemente o estímulo para falar
(é um distúrbio puramente funcional do aparelho da linguagem decor-
rente de uma lesão situada no centro).
Do trabalho teórico de Freud sobre o aparelho da linguagem,
destaco três traços importantes de sua linha de pensamento: o esfor-
ço para separar o estudo da linguagem de uma íntima correlação
termo a termo com os dados anatômicos e neurofisiológicos e para
buscar a especificidade do pensamento verbal e do funcionamento
psíquico em geral; a necessidade de classificação ternária (os três
tipos de afasia antecedem a três etapas do aparelho psíquico); e uma
intuição topográfica original e promissora: o que funciona como “su­
posto centro” se encontra situado na “periferia”.
Dois precursores do Eu-pele : Freud, Federn 101

O aparelho psíquico
Em 1895, nos “Etudes sur 1’hystérie", escritos em colaboração
com Breuer, Freud utiliza ainda os termos correntes “organismo”
e “sistema nervoso4. No "Esquisse d’une psychologie scientifique”,
em 1895, ele diferencia o “sistema nervoso”5 em três sistemas cor-
respondentes a três tipos fictícios de neurônios, os “sistemas” ϕ, ψ, e ϖ
com o papel-chave das “barreiras de contato” entre os sistemas ϕ e ψ; o
conjunto forma o “aparelho ϕ, ψ, e ϖ”, protegido do exterior por uma
tela pára-quantidades constituída pelos “aparelhos das terminações
nervosas”.
Em “L’Interprétation de rêves", obra publicada em 1899 e
datada de 1900, Freud introduz a expressão original “aparelho psíqui­
co”6. Freud já comunicara essa expressão a Fliess no dia 6 de de-
zembro de 1896, relacionando-a explicitamente a seu trabalho
anterior sobre a afasia, mais precisamente à idéia de que a memó-
ria se origina de um sistema psíquico diferente da percepção e
que ela possui não um mas muitos registros dos acontecimentos
(o “rearranjo” dos traços que constituem uma “retranscrição”).
Esse aparelho psíquico é composto de três sistemas que Freud
chama genericamente instâncias7 (Instanz): o consciente, o pré-
consciente e o inconsciente, cujas interações particulares decor-
rem de um fato topográfico, ou seja, eles são separados pelas duas
censuras, e de uma diferença de finalidade, isto é, eles obedecem a
distintos princípios de funcionamento.
A propriedade essencial desse aparelho - aparelho da lingua-
gem; aparelho ϕ, ψ, e ϖ; aparelho psíquico - é estabelecer associações,
conexões, ligações. O termo “associação” está presente frequentemente
na monografia sobre a afasia, texto complexo onde nem sempre é fácil
distinguir entre seu emprego no sentido de conexões nervosas e aquele,
4. Na última frase desse livro, trinta anos mais tarde, na reedição em 1925, ele substitui
significativamente Nervensystem por Seelenleben (vida psíquica).
5. A tradução francesa publicada indica “sistema neurônico",
6. Freud escreve indiferentememe psychischer ou seelischer Apparat (aparelho psíquico ou
mental).
7. A Standard Edition escolheu para a tradução inglesa o termo agency (agência) por
razões que são expostas depois do Prefácio Geral (SE, I XXIII-XXIV).
102

mais utilizado pela psicologia empirista inglesa, das associações de


idéias8.
A evolução teórica de Freud é concomitante não somente à evo-
lução de seus interesses clínicos, mas também à evolução de suas téc-
nicas terapêuticas em relação a seus pacientes neuróticos. Na época
do aparelho de linguagem, ele pratica a eletroterapia e a contra-suges-
tão hipnótica. O aparelho ϕ, ψ, e ϖ é contemporâneo da passagem do
método catártico (exposto nos "Études sur l’hystérie”) ao método da
concentração mental com imposição eventual das mãos sobre a fronte
do paciente acordado. O aparelho psíquico é concebido mais ou me-
nos ao mesmo tempo que a palavra - e a noção - de “psico-análise”
que instaura o método das associações livres e que introduz como uma
das fontes da cura a interpretação dos sonhos e as formações in-
conscientes análogas. Fiquei impressionado de ver quanto a dupla
arborescência desenhada pelo esquema psicológico da representação
de palavra de 1891 poderia servir para representar a rede das associa-
ções livres verbais no pré-consciente e a manifestação destas nas duas
direções, da consciência (onde elas se tomam um sistema aberto) e do
inconsciente (onde elas compõem um sistema fechado).
Durante trinta anos, esse esquema de uma dupla arborescência
assimétrica se toma para Freud um dos modelos implícitos de suas
conceitualizações e de sua prática. “Au-delà do principe du plaisir”
(1920), “Le Moi et le Ça" (1923) marcam a ruptura com esse esque-
ma: para representar o aparelho psíquico, a dupla arborescência cede
lugar à imagem e à noção de uma vesícula, de um envelope. A ênfase
é deslocada dos conteúdos psíquicos conscientes e inconscientes para
o psiquismo como continente. A “Notice sur le Bloc magique” (1925)
termina de precisar a estrutura topográfica deste envelope e de confir-
mar implicitamente o apoio do Eu sobre a pele. No intervalo, o manus-
crito enviado a Fliess em 1895 prosseguiu no retomo epistemológico
esboçado por Freud na sua monografia sobre a Aphasie: o aparelho
psíquico (próximo de ser assim chamado) é somente um sistema de
transformação de forças; a disposição relativa dos subsistemas que o
compõe define um espaço psíquico, cujas configurações particulares

8. Que eu saiba, não existe na obra de Freud qualquer estudo consistente sobre a noção de
associação. Tal estudo poderia mostrar como Freud passou das concepções neurológica e
psicológica do termo à noção propriamente psicanalítica das associações livres.
Dois precursores do Eu-pele : Freud , Federn 103

estão ainda, no espírito e na imaginação de Freud, muito dependen-


tes dos esquemas anatômicos e neurológicos, antes de achar sua base
topográfica na projeção da superfície do corpo, sobre o fundo da qual
as experiências sensoriais emergem como figuras significantes.

As barreiras de contato
Na obra “Esquisse d’une psychologie scientifique”, enviada a Fliess
no dia 8 de outubro de 1895, obra inédita até sua morte, Freud ela-
bora uma noção nova, a de “barreira de contato” (Kontaktschrank),
que ele não utiliza em nenhum de seus textos publicados em seguida
e que, até o momento, somente Bion entre os psicanalistas retomou
com notáveis modificações9. O conceito é surpreendente: é o parado-
xo de uma barreira que fecha a passagem por estar em contato e que,
por este mesmo motivo, permite em parte a passagem. Apesar de
Freud não o explicitar, ele parece se inspirar no modelo da resistên-
cia elétrica. Esse conceito pertence à especulação neurofisiológica
que lhe era cara durante seu período de juventude científica e que
ele abandona quase definitivamente com a descoberta do complexo
de Édipo em outubro de 1897. Desde 1884, Freud afirmou que a
célula e as fibras nervosas constituem uma unidade anatômica e fisi-
ológica, revelando-se assim um precursor da teoria do neurônio, ela-
borada em 1891 por Waldeyer. Do mesmo modo, a noção de barreira
de contato, em 1895, antecipa a de sinapse, enunciada em 1897 por
Sherrington. Foi inventada para responder a necessidades teóricas.
A psicologia científica, tal como Freud a concebe, seguindo o mo-
delo das ciências físico-químicas, parte das duas noções fundamentais
de quantidade e de neurônio. Ela é a ciência das quantidades psíquicas
e dos processos que as afetam, por exemplo, a conversão histérica, as
representações hiperintensas das neuroses obsessivas. Quanto aos

9. No capítulo 8 de "Aux sources de 1'expérience" (1962), Bion designa por barreira de contato a
fronteira entre o inconsciente e o consciente. O sonho é o protótipo da barreira, mas ela se produz
também no estado de vigília. Ela está em processo perpétuo de formação. Consiste de um
agrupamento e uma multiplicação de elementos alfa. Esses podem ser simplesmente aglomerados,
ou ter uma coesão, ou estar ordenados cronológica, lógica, geometricamente. A tela beta
constitui a contrapartida patológica.
104

neurônios, eles obedecem ao princípio de inércia, isto é, tendem a se


livrar das quantidades. A crise histérica é um exemplo de ab-reação
quase reflexa de uma quantidade importante de excitações de origem
sexual não descarregadas de outra forma. “O processo de descarga cons­
titui a função primária do sistema neurônico” (Freud, S., 1895 a; SE , I,
p. 297; tr. ff., p. 317)10. Mas o organismo elabora atividades:
— que são mais complexas que as simples respostas reflexas às
estimulações exteriores;
— que respondem às grandes necessidades vitais internas (fome,
respiração, sexualidade);
— e cujo desencadear requer uma armazenagem prévia de cer-
tas quantidades.
Esta complexidade crescente necessária para a satisfação das
necessidades vitais chama-se vida psíquica. Ela se apóia sobre a fun-
ção secundária do sistema nervoso que é de “suportar uma quantida­
de armazenada”. Como esse sistema o faz?"
“Enquanto os neurônios ϕ são permeáveis (transmitem as quanti-
dades recebidas do mundo exterior, e deixam passar a corrente), os
neurônios ψ são impermeáveis; podem estar vazios ou cheios; a extre-
midade que os contata uns com os outros é dotada de uma barreira
de contato que inibe a descarga, retém a quantidade ou permite
somente uma ‘passagem parcial ou difícil’: são estes os pontos de
contato que então recebem o valor de barreiras” (SE, I, p, 298; tr. fr.,
p. 318). As propriedades das barreiras de contato são numerosas e
essenciais para o funcionamento psíquico.
1. São retentores de quantidade. Ou, para empregar um termo de
Bion, “contentores” de energia, a qual se torna assim disponível
para o sujeito.
2. São órgãos plásticos e maleáveis; as barreiras de contato aceitam
uma facilitação que permite que uma menor excitação possa
atravessá-las na vez seguinte, tomando-se assim cada vez mais
permeáveis.

10. Na sequência desse capítulo as referências à tradução francesa se aplicam a “La Naissance de la
psychanalyse", Paris, KU.E, 1956.
11. Agradeço Jean-Michel Petot que, através de um estudo minucioso dos textos, me ajudou
a redigir a passagem seguinte sobre as barreiras de contato.
Dois precursores do Eu-pele: Freud, Federn 105

3. Elas restabelecem a resistência após a passagem da corrente; mes-


mo quando uma facilitação total se estabelece, persiste uma cer-
ta resistência, idêntica em todas as barreiras de contato; e toda a
quantidade presente não circula; uma parte permanece retida;
são elas detentoras de energia.
4. Em conseqüência, as barreiras de contato podem repartir a quan-
tidade controlada de acordo com diferentes vias de condução:
são repartidores de energia: “Uma excitação forte emprega vias
diferentes de uma excitação fraca... Assim, cada via ϕ será alivi-
ada de sua carga e a quantidade maior em ϕ se manifestará pelo
fato de vários neurônios, em vez de um só, se acharem investi-
dos em ψ. Assim, a quantidade em ϕ se manifesta por uma
complicação em ψ” (SE, I, 314-315; tr. fr., pp. 333-334). E Freud
evoca alusivamente, como caso particular desta propriedade
geral, a lei de Fechner (que estabelece que a sensação varia de
acordo com o logaritmo da excitação). Um crescimento quanti-
tativo se traduz por mudanças qualitativas que amortecem os
aumentos da intensidade primitiva e que produzem qualidades
sensíveis cada vez mais complexas.
5. Sua resistência tem um limite. São temporariamente abolidas ou
até mesmo por muito tempo pela irrupção de quantidades
elevadas. É o caso da dor que, em seguida de uma excitação
sensorial de quantidade elevada, impulsiona o sistema ϕ e se
transmite sem obstáculo algum ao sistema ψ. Esta dor, “à maneira
de um raio (blitz)”, deixa atrás de si facilitações permanentes, e
chega mesmo a suprimir definitivamente a resistência das bar-
reiras de contato (SE, I, 307; tr. fr., p. 327).
6. Mas “uma dor pode então sobrevir quando os estímulos exterio­
res são fracos. Se isso acontece, é porque ela se encontra regu-
larmente associada a uma solução de continuidade. Quero di-
zer que uma dor se produz quando uma certa quantidade (Q)
externa vem agir diretamente sobre as extremidades dos
neurônios ϕ e não por atravessar os aparelhos das terminações
nervosas” (ibid.). As barreiras de contato são então proteções de
segunda linha que, para funcionar, supõem a intervenção em
primeira linha, pelo menos em relação ao exterior, de um “pára-
106 Estrutura, funções, superação

quantidades” (Quantitätsschirme) cuja ruptura abre a via ao trans-


bordamento quantitativo das barreiras de contato. Com efeito:
“Os neurônios ϕ não terminam livremente na
periferia, mas em estruturas celulares. São essas
últimas e não os neurônios ϕ que recebem os
estímulos exógenos. Esses “aparelhos de terminações
nervosas” (para empregar este termo no seu sentido
mais geral) poderíam servir para impedir as quanti-
dades exógenas (Q) de agir na plenitude de sua força
sobre ϕ, desempenhando assim o papel de telas em
relação a certas quantidades (Q) e só deixando
passar frações de quantidades exógenas (Q).”
“Tudo isso concordaria com o fato de que o outro
tipo de terminação nervosa - a espécie livre,
desprovida de qualquer órgão terminal - e de longe
a mais comum, na periferia interna do corpo.
Nenhuma tela opondo-se às quantidades (Q) seria
aqui necessária, provavelmente porque as quanti-
dades a receber (Q ή) não exigem ser levadas ao
nível intercelular visto que elas já estão, à primeira
vista, nesse nível” (SE, I, 306; tr., fr., pp. 325-326).
Trata-se de uma estrutura assimétrica. Apesar de Freud não
falar ainda de envelope psíquico, este é pressentido e descrito
como um encaixe de duas camadas, uma camada externa
(“pára-quantidades"; cf. a membrana celulósica dos vegetais,
o couro e a capa de pêlo dos animais), uma camada interna
(a rede das “barreiras de contato”; cf. os órgãos sensoriais
da epiderme, ou a coifa cortical). A camada interna é
protegida das quantidades exógenas, mas não das endógenas.

7. A pára-quantidades (que Freud denomina “pára-excitação”


(Reizschutz) a partir de “Au-delà du príncipe du plaisir” em 1920)
protege o aparelho nervoso (que Freud logo chamará de psí-
quico) da intensidade das excitações de origem extrema; ele
continua como uma tela. As barreiras de contato recebem de
um lado o que esta tela deixou passar das excitações externas
Dois precursores do Eu-pele: Freud , Federn 107

e, de outro, elas recebem diretamente as excitações de origem


interna (ligadas às necessidades fundamentais). Sua função não
é de proteção quantitativa, mas de fracionamento da quanti-
dade e de filtragem da qualidade. Sua estrutura não é a de uma
tela mas a de uma “peneira” (Sieb). A articulação entre a tela e
a peneira oferece a configuração, recorrendo a uma terminolo-
gia mais moderna, de uma rede de malhas. A figura 13, dese-
nhada por Freud no manuscrito de “Esquisse dune psychologie
scientifique”, esboça esta configuração, que Freud designa ex-
plicitamente como uma estrutura de ramificação e que se apre-
senta como uma variante da parte direita do esquema da re-
presentação de palavra de 1891.
Eis a passagem do texto de Freud que se relaciona a esta figura:

“Um arranjo particular parece existir aqui de ma­


neira a manter a quantidade (Q) longe de ϕ. As vias
de condução sensoriais em ϕ têm uma estrutura
particular: elas se ramificam sem cessar e oferecem
vias mais grossas ou mais finas que têm numerosas
terminações. A figura abaixo (fig. 13) irá pro-
vavelmente permitir a sua compreensão.

Figura 1.3
108 Estrutura, funções, superação

“Uma excitação forte emprega diferentes vias de uma


excitação mais fraca. Por exemplo, Q ήI passa apenas
pela via I e transmite uma fração para ψ num ponto
terminal a. Qή2 (isto é, uma quantidade duas vezes
mais forte que Q ήI) não vai transferir uma fração
dupla para a, mas será capaz de percorrer a via II,
mais estreita que a I, e a partir dai abrir uma segunda
terminação ψ (em b). Q ή3 abrirá a via mais estreita
de todas e transmitirá através da terminação γ (ver
figura). Assim, cada via ϕ será aliviada de sua carga e
a quantidade maior em ϕ se manifestará pelo fato de
vários neurônios, em vez de um só, se acharem in-
vestidos em ψ (SE, I, 314-315; tr. fr., pp. 333-354).

Tudo isso se refere ao tratamento da quantidade, mas as barrei-


ras de contato têm igualmente por função tratar a qualidade, o
que equivale falar de sua função de filtragem. As estimulações
externas possuem, além da quantidade, um período característi-
co (SE, I, 313, nota 2, tr. fr., p. 332, nota I), que atravessa os
aparelhos das terminações nervosas, que é veiculado pelos in-
vestimentos em ϕ e ψ e que, chegando em ϖ (terceiro tipo de
neurônios com os quais Freud cria a ficção que serve de suporte
aos processos de percepção-consciência), se torna qualidade. Esta
noção de período é por sua vez uma homenagem a Fliess (que
distinguia a masculidade e a feminilidade ou que marcava os
momentos críticos da existência de acordo com seus períodos),
uma transposição para a psicologia de um fenômeno familiar aos
físicos e a preocupação de uma variável temporal do aparelho
psíquico. (Acrescento que é uma intuição do papel da ressonân-
cia ou da dissonância rítmica na instalação do Eu-pele ou na de
suas falhas.) A quantidade, que forma um “continuum” com o
exterior, é “primeiro reduzida, depois limitada pelo corte”. As
qualidades são ao contrário descontínuas, “de tal sorte que cer-
tos períodos nunca agem como estímulos" (SE, I, 313, tr. fr., pp.
332-333). “A quantidade de excitações ϕ se manifesta em ψ por
uma complicação e a qualidade, pela topografia, pois, segundo
os relatos anatômicos, os diferentes órgãos sensoriais só se co-
Dois precursores do Eu-pele: Freud , Federn 109

municam por neurônios ψ bem determinados” (SE, I, 315; tr. fr.,


p. 334). Esta sétima função das barreiras de contato podería ser
resumida dizendo-se que elas servem para separar a quantidade
da qualidade e para trazer à consciência a percepção das quali-
dades sensíveis, principalmente o prazer e a dor.

8. De suas propriedades relativas à quantidade, decorre que o con-


junto dos neurônios ψ, ao contrário dos neurônios ϕ, pode re-
gistrar as modificações e servir de apoio à memória. É a altera-
ção pela passagem que “fornece uma possibilidade de se repre­
sentar a memória” (SE, I, 299; tr. fr., p. 319). “A memória é re-
presentada pelas diferenças de facilitação existentes entre os
neurônios ψ” (SE, I, 300; tr. fr., p. 320). “Existe uma lei funda­
mental de associação por simultaneidade e esta lei (...) dá o fun-
damento de todas as conexões entre neurônios ϕ. Achamos que o
consciente (isto é, a carga quantitativa) passa de um neurônio
α a um neurônio β quando α e β receberam simultaneamente uma
carga vinda de ϕ (ou de outros lugares), assim a carga simultânea α
- β provocou a facilitação de uma barreira de contato" (SE, I, 319;
tr. fr., p. 337).

À parte do caso particular da experiência de satisfação, existe


uma separação entre a memória e a percepção. Freud postulou,
para fundamentar esta separação, dois tipos de neurônios, uns
alteráveis continuadamente, isto é, facilitantes (os neurônios ψ), e
outros inalteráveis, sempre prontos a receber novas excitações, ou
melhor, temporariamente alteráveis, pois eles se deixam
atravessar pelas quantidades, mas voltam a seu estado anterior
após a passagem da excitação (os neurônios ϕ). Esta separação da
memória e da percepção, sem se referir integralmente à ação das
barreiras de contato, é no entanto impossível sem elas.

A rede malhada das barreiras de contato constitui assim o que


eu proponho chamar uma superfície de inscrição, diferente da
tela pára-quantidades à qual ela é acoplada para sua proteção.

Em resumo, as barreiras de contato têm uma função de separa-


ção tripla do inconsciente e do consciente, da memória e da
percepção, da quantidade e da qualidade.
110 Estrutura, funções, superação

Sua topografia é de um envelope com duas faces, assimétrico


(mas a noção de envelope não é ainda afirmada por Freud), uma
face voltada para as excitações do mundo exterior, transmitidas
pelos neurônios ϕ, e que está protegida por uma tela pára-quan-
tidades; uma face interna voltada para a Körperinnerperipherie (a
periferia interna do corpo). As excitações endógenas só podem
ser reconhecidas se ligadas ao caso precedente, isto é, projetadas
no mundo exterior, associadas a representações visuais, auditi-
vas, táteis etc. (cf. os “restos diurnos” do sonho), e enfim
registradas pela rede das barreiras de contato. Decorre daí que
as pulsões só podem ser identificadas através de seus represen-
tantes psíquicos.

O sistema psíquico não é entretanto autônomo, Freud bem o


observa: ele é destinado no primeiro momento ao Hilflosigkeit
(desamparo originário) e necessita de intervenção da mãe como
fonte da vida psíquica.

O Eu como interface
Em 1923, no capítulo 2 de “Le Moi et le Ça” (capítulo ele mes-
mo intitulado “Le Moi ei le Ça”), Freud redefiniu a noção do Eu
para dela fazer uma das peças mestras de sua nova concepção do
aparelho psíquico.
Esta definição é ilustrada por um esquema, muito tempo negli-
genciado pelos tradutores franceses e pelos comentadores de Freud,
e ela se apóia sobre uma comparação de natureza geométrica. Dese-
nho do diagrama e texto da comparação vão no mesmo sentido: o
aparelho psíquico não é mais essencialmente pensado em uma pers-
pectiva econômica (isto é, de transformação de quantidades de ener-
gia psíquica); a perspectiva topográfica ganha em importância; o
tópico antigo (consciente, pré-consciente, inconsciente) é conser-
vado, porém profundamente renovado pelo acréscimo do Eu e do
Id, representados no esquema em negrito. O aparelho psíquico é
representável de um ponto de vista topográfico e conceituável em
termos de tópico subjetivo.
Dois precursores do Eu-pele: Freud , Federn 111

Pct. Cs.

As abreviações utilizadas acima são traduções das de Freud:

Pcpt.-Cs: Percepção-Consciência (W-BW) (Wahrnehmung-Bewusstsein)


Pcs.: Pré-consciente (Vbw) (Vorbewusste)
Acust.: (Percepções) acústicas (Akust) (Akustischen Wahrnehmung)
Eu (Ich)
Id (Es)
Recalcado (Vdgt) (verdraängte)

Esse esquema é apresentado por Freud em “Le Moi et le Ça" (GW, 13, 252; SE, 19,
24-25; nouv. tr. fr., p. 237).

“Nós logo nos apercebemos que quase todas as distinções


que a patologia nos levou a descrever se referem às camadas
superficiais do aparelho psíquico, as únicas que nos são
conhecidas. Poderíamos esboçar um desenho mostrando
essas relações, desenho cujos contornos certamente só estão
lá para permitir a representação, sem poder pretender uma
interpretação particular12. Poderiamos talvez acrescentar que
o Eu traz uma ‘calota acústica' (Hörkappe) e, como o con-
firma a anatomia do cérebro, de um só lado? Ela é colocada
sobre ele, poderiamos dizer, obliquamente.”

12. Os comentadores erraram, na minha opinião, ao tomar ao pé da letra esta declaração de


prudência. Freud sublinhou muito o papel mediador dos pictogramas entre os representantes
de coisa e o pensamento verbal se apoiando na escrita alfabética (seria somente a fim de
decifrar o simbolismo do sonho) para não “ver" nesse esquema pré-concepções que ele não
pode ainda verbalizar e que permanecem no estado do pensamento figurativo. De minha
parte, pude testar a validade desse esquema mostrando-o no espaço do psicodrama em grupo
grande e facilitando assim a construção de um aparelho psíquico grupal (D. Anzieu, 1982 a).
112 Estrutura, funções, superação

A comparação de natureza topográfica retoma diversas vezes


no texto de Freud que precede e que segue esse esquema:

“Já sabemos a que nos ater. Dissemos 13 que a consciência é


a superfície do aparelho psíquico, isto é, nós a consideramos
como função de um sistema que, espacialmente, é o
primeiro a partir do mundo exterior. Espacialmente não
apenas no sentido da função, mas aqui no sentido também
do corte anatômico. Nossa pesquisa deve considerar esta
superfície como ponto de partida" (GW, 13, 246; SE, 19, 19;
nouv. tr. ff., p. 230).

Depois dessa descrição da consciência como interface vem a ar-


ticulação da “casca” e do “núcleo”; o Eu é explicitamente designado
como “envelope” psíquico. Este envelope não é somente uma bolsa con­
tinente; desempenha um papel ativo de colocar em contato o psiquismo
como o mundo exterior e de recolher e transmitir informação.

“Um indivíduo é então um Id psíquico, desconhecido e in-


consciente, à superfície do qual é colocado o Eu que é
desenvolvido a partir do sistema Pc como de seu núcleo. Se
procurarmos representar as coisas graficamente, acrescenta-
remos que o Eu não envolve completamente o Id, mas
somente nos limites onde o sistema Pc constitui sua super-
fície, portanto, aproximadamente como o disco germinativo
é colocado sobre o ovo. O Eu não é claramente separado do
Id, com ele se funde em sua parte inferior 14”. (GW, 13, 251;
SE, 19, 243; nouv. tr. fr., p. 236).

13. Freud retoma a 'Au delà du príncipe du plaisir" (1920), capítulo 4, onde ele introduz a
comparação decisiva do aparelho psíquico com a vesícula protoplasmática. O sistema Pcpt.-
Cs, análogo ao ectoderma cerebral, aí é descrito como sendo a casca. Sua posição "no limite
que separa o de fora do de dentro” lhe permite “receber as excitações dos dois lados"’ (GW,
13, 29; SE, 18, 28-29; nouv. tr, fir., p. 65), A “casca” consciente do psiquismo aparece então
como aquilo que os matemáticos chamam hoje de uma “interface”.
14. Freud diz em outros lugares que o Ego é uma diferenciação interna do Id. A clínica
confirma a idéia freudiana de um espaço fusional intermediário entre o Eu e o Id (cf. a área
transicional de Wirmicott).
Dois precursores do Eu-pele: Freud , Federn 113

Freud não tem necessidade de trazer aqui um dos princípios fun-


damentais da psicanálise, segundo o qual tudo o que é psíquico se
desenvolve em constante referência à experiência corporal. Indo di-
reto ao resultado de uma maneira tão condensada que pode parecer
elíptica, ele determina de qual experiência corporal provém especifi-
camente o Eu: o envelope psíquico se origina por apoio do envelope
corporal. O “tato” é designado diretamente por ele e a pele o é indi-
retamente sob a expressão de “superfície” do “próprio corpo”:

“Na aparição do Eu e em sua separação com o Id, um outro


fator além da influência do sistema Pc parece ter desem-
penhado um papel. O próprio corpo, e antes de tudo sua
superfície, é um lugar do qual podem resultar simultanea-
mente percepções externas e internas. E visto como um
objeto estranho, mas ao mesmo tempo ele permite ao tato
sensações de dois tipos, podendo uma delas ser assimilada
a uma percepção interna15” (GW, 13,253; SE, 19,25; nouv.
tr., fr-, p. 238).

O Eu, em seu estado originário, corresponde então na obra de


Freud ao que propus chamar de Eu-pele. Um exame mais acurado da
experiência corporal sobre a qual o Eu se apóia para se constituir
levaria a considerar pelo menos dois outros fatores negligenciados
por Freud: as sensações de calor e de frio, que são igualmente for-
necidas pela pele; e as trocas respiratórias, que são concomitantes às
trocas epidérmicas e talvez uma variante particular. Em relação a
todos os outros registros sensoriais, o tátil possui uma característica
distinta que o coloca não somente à origem do psiquismo, mas tam-
bém que lhe permite fornecer ao psiquismo permanentemente algu-
ma coisa que pode ser chamada de fundo mental, a tela de fundo
sobre a qual os conteúdos psíquicos se inscrevem como figuras, ou
ainda o envelope continente que faz o aparelho psíquico se tornar
suscetível de ter conteúdos (nesta segunda perspectiva, para falar
como Bion (1967), eu diria que existe primariamente pensamentos e
em seguida um “aparelho de pensar os pensamentos”: acrescentaria
a Bion que a passagem dos pensamentos ao pensar, isto é, à consti-

15. Freud sublinha visto e tato, detalhe que foi omitido na nova tradução francesa.
114 Estrutura, funções, superação

tuição do Eu, se opera por um duplo apoio, sobre a relação continen-


te-conteúdo que a mãe exerce em relação ao pequenino, como este
autor observou, e sobre a relação, decisiva a meu ver, de contenção
em relação às excitações exógenas, relação que sua própria pele -
estimulada certamente em primeiro lugar por sua mãe - traz a expe-
riência à criança). O tátil fornece com efeito uma percepção “exter­
na" e uma percepção “interna". Freud faz alusão ao fato de que eu
sinto o objeto que toca minha pele ao mesmo tempo em que sinto
minha pele tocada pelo objeto. Rapidamente - isto é sabido e claro -
esta bipolaridade do tátil torna-se objeto de uma exploração ativa
por parte da criança: com seu dedo, ela toca voluntariamente as par-
tes de seu corpo, ela leva o polegar ou dedão do pé à boca, experi-
mentando simultaneamente as posições complementares do objeto e
do sujeito. Pode-se pensar que esse desdobramento inerente às sen-
sações táteis prepara o desdobramento reflexivo do Eu consciente
que vem se apoiar sobre a experiência tátil.
Freud salta esse elo que eu acabo de estabelecer para enunciar a
conclusão que se impõe: “O Eu é antes de tudo um Eu corporal
(Körperliches), ele não somente um ser de superfície (Oberflä-
chenwesen), mas é ele mesmo a projeção de uma superfície” (GW, 13,
253; SE, 19, 26; nouv. tr. fr., p. 238). É nesta passagem que se encon-
tra acrescentada a nota seguinte, com a autorização de Freud, a par-
tir de 1927, na edição inglesa, da qual reproduzo entre parênteses os
termos ingleses importantes com uma tradução pessoal:

“Dito de outra maneira, o Eu deriva em última instância


das sensações corporais, principalmente daquelas que têm
sua origem na superfície do corpo. Pode ser considerado
como a projeção mental da superfície (surface) do corpo,
além de considerá-lo, como já vimos anteriormente, repre-
sentando a superfície (superfícies) do aparelho psíquico" (SE,
19, 26, nota I; nouv. tr. fr., p. 238, nota 5).

A última linha do capítulo II de “Le Moi et le Ça” repete o mes-


mo enunciado fundamental: “O Eu consciente é antes de tudo um Eu-
corpo (Körper-Ich)" (GW, 13, 255; SE, 19, 27; nouv. tr. fr., p. 239).
Comentemos: assim a consciência aparece na superfície do aparelho
psíquico; melhor ainda, ela é esta superfície.
Dois precursores do Eu-pele: Freud , Federn 115

Aperfeiçoamentos do esquema topográfico do


aparelho psíquico
O esquema de 1923 é retomado com algumas modificações em
1932-1933 na 31a edição das “Nouvelles Conférences d’introduction à la
psychanalyse" (GW, 15,85; SE, 22,78; nouv, tr. fr., “La decomposition
de la personnalité psychique", p. 108).

Percepção-Consciência

As duas principais modificações que aparecem têm conseqüências


importantes. A primeira é a introdução do Superego, que é colocado
no interior do Eu, no lugar da “calota acústica” que era situada em
1923 no mesmo lugar, mas no exterior. O Superego está nos dois casos
adjacentes à periferia do Eu, porém ora na face externa, ora na face
interna. Ainda que a idéia permaneça implícita na obra de Freud, e
sugerida pelo texto e pelo esquema, a exterritorialidade do Superego
ou sua interiorização periférica correspondem a diferentes fases de evo-
lução do aparelho psíquico e também a formas psicopatológicas distin-
tas; comandam na cura psicanalítica formas diversificadas de interpre-
tação. Notamos também um outro aspecto do estatuto topográfico do
Superego, que é o de ocupar somente um arco de círculo do aparelho
psíquico; donde a possibilidade (e a necessidade), prolongando a in-
116 Estrutura, funções, superação

tuição de Freud, de descrever um tipo diferente de organização


psicopatológica, na qual o Superego tende a se fazer coextensivo a
toda a superfície do Eu e a substituí-lo como envelope psíquico.
A segunda modificação visível nesse novo esquema é a abertura
na parte inferior do envelope que cercava completamente o apare-
lho psíquico em 1923. Esta abertura materializa a continuidade do Id
e de suas pulsões com o corpo e com as necessidades biológicas, à
custa, porém de uma descontinuidade na superfície. Ela confirma o
fracasso do Eu em se constituir como envelope total do psiquismo
(fracasso já notado em 1923), o que implica uma tendência antago-
nista e, sem dúvida mais arcaica, por parte do Id em se propor ele
próprio como envelope global. Esta dupla tensão (entre a continui-
dade e a descontinuidade da superfície psíquica, entre as propensões
respectivas do Superego, do Eu e do Id a constituir esta superfície) se
resolve em uma pluralidade de configurações clínicas e requer estra-
tégias interpretativas apropriadas ao excesso ou à falta de continui-
dade ou de descontinuidade e à expansividade de uma ou outra instân-
cia. Essas considerações não constam explicitamente no texto de
Freud, mas me parecem contidas em potência nesse novo esquema.
Prosseguindo, indiquei várias características do aparelho psíqui-
co que o modelo de uma invenção técnica material - o bloco ou
ardósia mágica - permite a Freud notar em 1925. Resumindo essas
características:
• A estrutura em dois folhetos do Eu; o folheto superficial em
celulóide representando a pára-excitação (cf. a carapaça, o cou-
ro, a capa de pêlo); o folheto de baixo, em papel encerado, re-
presentando a recepção sensorial das excitações exógenas e a
inscrição de seus traços sobre o quadro de cera.
• A diferenciação, interna ao Eu, da percepção (consciente) como
superfície vigilante e sensível (o folheto de celulóide), mas que
não conserva as inscrições, e da memória (pré-consciente) que
registra e conserva as inscrições (o quadro de cera).
• O investimento endógeno, isto é, pulsional, do sistema do Eu pelo
Id; este investimento que é “periódico", “acende e apaga” a
consciência, destina esta última à descontinuidade e fornece ao
Eu uma representação primária do tempo.
Dois precursores do Eu-pele: Freud , Federn 117

Proponho completar esta última intuição de Freud sugerindo


que o Eu adquire o sentimento de sua continuidade temporal à me-
dida que o Eu-pele se constitui como um envelope suficientemente
flexível às interações com o círculo humano e suficientemente con-
tinente do que se toma então conteúdos psíquicos. Os casos chama-
dos de estados-limite sofrem essencialmente de perturbações no sen-
timento da continuidade do Self, enquanto os psicóticos são afeta-
dos no sentimento da unidade do Self e os neuróticos se sentem
preferencialmente ameaçados na sua identidade sexual. As configu-
rações topográficas correspondentes precisam ser delimitadas e
explicitadas, partindo do esquema freudiano fornecido pelo “Le Moi
et le Ça” e por “Notice sur le Bloc magique” e trazendo-lhes os desenvol-
vimentos e também os remanejamentos necessários pela clínica.

Federn: sentimentos do Eu, sentimentos de


flutuação das fronteiras do Eu

Originalidade de Federn
Cada psicanalista tem um ou dois domínios privilegiados para o
exercício de sua auto-análise. Para Sigmund Freud, eram seus so-
nhos noturnos, ou antes, os relatos que deles fazia para si mesmo ou
para Fliess durante o dia e por escrito: ele os reconstruía assim e
depois, através de suas associações de idéias, ele os desconstruía. O
sonho é a via real que conduz ao conhecimento do inconsciente:
Freud o afirmou porque era verdade particularmente para ele. Em
Viena, 30 anos aproximadamente depois que Freud se lançou, Paul
Federn (1871-1952) impulsiona o encadeamento de suas descobertas
interessando-se pelos estados de passagem em si mesmo: não mais
pelos sonhos que acontecem dormindo ou pelos lapsos, pelos atos
falhos que se cometem em vigília, mas pelas transições entre a vigília
e o sono, entre o sono e a vigília e principalmente entre os níveis de
vigilância do Eu. Que imagens do corpo então se formam ou se de-
formam no aparelho psíquico? Que sentimento de si mesmo experi-
menta o Eu psíquico? Como ele se distingue ou se confunde com o
118 Estrutura, funções, superação

Eu corporal? A observação de suas próprias alucinações hipnagógicas


durante o adormecimento e o acordar quotidianos, ou por ocasião de
suas próprias experiências excepcionais, como uma anestesia pré-
operatória, ou ainda (apesar de não se basear explicitamente nisso)
uma regressão criativa, a comparação com o material relatado por
pacientes em situações análogas e também durante hipnose ou em
momentos críticos de despersonalização e de alienação, progressi-
vamente abriu a Federn uma outra via, talvez menos “real”, para
uma compreensão e um tratamento psicanalíticos das psicoses.
Esta última realização era considerada impossível por Freud: e
Federn só pôde se dedicar a ela depois da morte do mestre e da emi-
gração aos Estados Unidos. O esforço de Freud consistira em compa-
rar o sonho e a neurose. Ora, o sonho noturno é uma alucinação,
isto é, um momento psicótico. Como esta alucinação se prepara e se
instala gradativamente no sono, que dissociação ela supõe no interi-
or do Eu e entre o Self e o mundo exterior, por quais etapas o sujeito
dela emerge ao despertar? Eis aqui o campo singular de experiência
de si mesmo que Fedem se propôs entre 1925 e 1935 16. Ele pressen-
tiu como um ser humano pode se tomar psicótico se aquilo que Bion
chamará de a parte psicótica da pessoa se torna dominante em seu
funcionamento psíquico; como igualmente ele pode voltar a ser nor-
mal, se a parte não-psicótica for restabelecida e consolidada. Nessa
época, ainda em Viena, Victor Tausk manifestara um vivo interesse
por uma extensão da teoria psicanalítica sobre as psicoses. No seu
estudo intitulado "De la genèse de ‘l’appareil à influencer’ au cours de
la schizophrénie”, Tausk (1919) pressentira a distinção capital entre o
Eu psíquico e o Eu corporal.

16. Federn publica seu artigo sobre o sentimento do Eu simultaneamente em inglês e em


alemão em 1926. Seus artigos sobre o narcisismo, sobre as variações do sentimento do Eu
nos sonhos e no despertar aparecem entre 1927 e 1935. Foram reunidos em 1952 a seus artigos
posteriores sobre o tratamento da psicose em uma obra traduzida em francês em 1979, sob o
título “La Psychologie do Moi et íes psychoses”, de onde foram extraídas as citações seguintes.
Federn se interessa por uma forma muito particular de afetos, os sentimentos do Eu (antes
estados psíquicos que afetos). Paralelamente, um outto psiquiatra vienense, vindo mais
tardiamence à psicanálise, Paul Schilder (1886-1940), se interessa pelas perturbações da
consciência do Self (1913), pela noção neurológica de esquema corporal (1923) e, após sua
rápida emigração aos Estados Unidos em 1930, publica em 1933 seu conhecido artigo “L’lmage do
corps" (cf. R Schilder, 1950). Essas duas pesquisas ao mesmo tempo se ignoram e se completam:
Schilder coloca em evidência representações inconscientes: Federn, sentimentos prê-
conscientes.
Dois precursores do Eu-Pele: Freud, Federn 119

Mas o delírio o preocupava mais que a alucinação, e a entrada


na psicose o interessava mais que os processos de uma eventual libe-
ração. Este interesse enraizava-se sem dúvida em razões pessoais que
o levaram finalmente a um horrível suicídio em 1919, alguns meses
depois da publicação do artigo em questão.
Paul Federn é um pensador dos limites. Ele pensa o limite não
como um obstáculo, uma barreira, mas como a condição que permite
ao aparelho psíquico estabelecer diferenciações no interior de si mes-
mo, assim como entre o que é psíquico e o que não o é, entre o que
decorre do Self e o que provém dos outros. Federn antecipa a noção
físico-matemática de interface. A separação devida a esta interface é
necessária para que os regimes locais permaneçam distintos. De acordo
com o número dessas regiões e com a natureza desses regimes, a for-
ma da interface muda. Algumas mudanças podem ser “catástrofes”
(das quais René Thom definiu sete tipos matemáticos). A partir des-
ses efeitos de interface, uma ciência geral da origem, do desenvolvi-
mento e das transformações das formas - uma morfogênese - se tor-
na (sempre segundo Thom) possível. Federn antecipou esse modelo
epistemológico no que concerne à estrutura do Eu e do Self, e este,
segundo Freud, como acabamos de ver, em 1913 dá ao Eu uma estru-
tura de superfície com duas faces e o promove ao nível de uma ins-
tância dotada de princípios específicos de funcionamento. A segun-
da tópica freudiana dá a Federn o quadro no qual ele pode efetuar
suas próprias descobertas, um quadro que lhe serve de apoio, ainda
que suas fronteiras sejam por ele questionadas. Sua fidelidade a Freud
17
se resume aí: ele conserva, mas completa. Freud se interessava so-
bretudo pelo núcleo, pelo inconsciente como núcleo do psiquismo,
pelo complexo de Édipo como núcleo da educação, da cultura, da
neurose. Paralelamente a Paul Schilder, que elaborava ao mesmo tem-

17. Federn faz parte do pequeno grupo inicial que se reúne à volta de Freud a partir de 1902,
a "Societé psychologique du mercredi soir", que se tornou em 1908 a Sociedade Psicanalítica de
Viena. Federn é, juntamente com Hitschamann e Sadger, um dos raros membros fundadores
que permanecem nesta sociedade até sua dissolução em 1938 pelos nazistas, quando do
Anschluss. Quando Freud é acometido pelo câncer, é em Fedem que ele confia a vice-
presidência da Sociedade Psicanalítica de Viena. Quando chegou o momento da emigração,
é para Federn que ele envia o original das Minutas da Sociedade Psicanalítica de Viena.
Federn leva o manuscrito para seu exílio americano e o preserva visando uma publicação
posterior, realizada depois por seu filho Ernst em colaboração com H. Nunberg.
120 Estrutura, funções, superação

po a noção de imagem do corpo, Federn se interessou pela casca,


pelos fenômenos de limite.
Freud inventariava os processos psíquicos primários e secundá-
rios; Federn estuda, ao lado dos processos, os estados do Eu sem o
conhecimento e a interpretação dos quais a cura psicanalítica das
personalidades narcísicas fica incompleta ou impotente. Mas ele o
faz segundo o esquema definido por Freud (1914) no seu artigo “Pour
introduire le narcissisme”.
Segundo Federn, as fronteiras do Eu “estão perpetuamente em
mudança”. Elas variam com os indivíduos e, no mesmo indivíduo, se­
gundo os momentos do dia ou da noite, segundo as fases de sua vida, e
elas encenam conteúdos diferentes. Esta afirmação pode ser compre-
endida, penso, em relação à cura psicanalítica: o psicanalista deve es-
tar atento na sessão não somente ao conteúdo e ao estilo das associa-
ções livres, mas também às flutuações do Eu do paciente; ele deve
marcar os momentos onde as flutuações sobrevêm e desenvolver, no
Eu do paciente, uma consciência suficiente (e capaz de sobreviver ao
fim da psicanálise) das modificações de suas próprias fronteiras. A opor-
tunidade e a eficácia da interpretação decorrem disso: a palavra, se-
gundo Federn, age relacionando duas fronteiras do Eu, o que por sua
vez produz modificações da economia libidinal: investimentos “mó­
veis" podem substituir os investimentos pulsionais “estáticos”.

Os sentimentos do Eu
O sentimento do Eu, segundo Federn, está presente desde o
começo da existência, mas sob uma forma vaga e pobre em conteú-
do. Acrescentaria que o sentimento dos limites do Eu é ainda mais
incerto, e haveria um sentimento primário de um Eu ilimitado que
seria reexperimentado na despersonalização ou em certos estados
místicos. Descrevi igualmente esse sentimento de incerteza dos limi-
tes na regressão-dissociação individual do arrebatamento criador
(primeira fase do trabalho de elaboração de uma obra) ou na regres-
são-fusão coletiva da ilusão grupal (D. Anzieu, 1980 a). A investiga-
ção psicanalítica do casal enamorado mostrou por outro lado que os
Dois precursores do Eu-pele: Freud , Federn 121

dois parceiros se apegam um ao outro, onde suas fronteiras psíquicas


são incertas, insuficientes ou enfraquecidas.
Existe então um sentimento do Eu, do qual o sujeito não está
consciente no seu estado de funcionamento normal, mas que se re-
vela por ocasião das falhas desse último. O sentimento do Eu é um
sentimento primário, constante e variável. O Eu, do qual Freud fez
uma entidade, existe: o ser humano tem dele uma sensação subjeti-
va, sensação e não ilusão, pois ela corresponde a uma realidade que
é, ela mesma, de natureza subjetiva. O Eu é ao mesmo tempo sujeito
(designa-se pelo pronome “Eu”) e objeto (chama-se “Self"): “O Eu é
ao mesmo tempo o veículo e o objeto da consciência. Falamos do Eu
na sua capacidade de veículo da consciência como eu-mesmo" (P
Federn, 1952, tr. fr., p. 101).
Esse sentimento do Eu compreende três elementos constitutivos:
o sentimento de uma unidade no tempo (portanto de uma conti-
nuidade), o sentimento de uma unidade no espaço no momento pre-
sente (mais precisamente de uma proximidade) e enfim o de uma
causalidade. Federn concede ao Eu um dinamismo e uma flexibilida-
de que Freud não lhe concedera, mas, como Freud, ele dá uma repre-
sentação topográfica do Eu: o sentimento do Eu constitui o núcleo
do Eu, e ele é (exceto em patologia grave) constante. O sentimento
das fronteiras do Eu constitui seu órgão periférico: diferente do que
ocorre com o núcleo, esse segundo sentimento é, em estado normal,
o de uma flutuação permanente das fronteiras.
Quanto ao sistema inconsciente, o tempo não existe (daí o sen-
timento de um Eu sem começo nem fim, de um Eu imortal). O siste-
ma consciente tem em compensação o sentimento de uma unidade
do Eu no tempo, o que lhe permite sobretudo considerar que os
acontecimentos que nos chegam seguem uma ordem cronológica (daí
o sentimento de um decorrer de um antes para um presente; daí a
ordem tradicional de um relato narrativo). No funcionamento pré-
consciente, o sentimento de unidade do Eu no tempo é muito variá-
vel; ele pode ser conservado pelo menos parcialmente; o sentimento
de uma ordem cronológica dos acontecimentos do sonho é mantido,
com exceção de um sonho que se reduz a um “flash” sobre uma ima­
gem (isso explica que a multiplicidade dos personagens reflete diver-
sas partes do Self do sujeito, e que o sonho seja utilizado por criado-
122 Estrutura, funções, superação

res como um instrumento de descoberta pela desconstrução dos co-


nhecimentos prévios e dos estados conscientes). Se o sentimento de
unidade do Eu no tempo desaparece da vida em vigília, produzem-se
fenômenos de despersonalização e de “déjà vu”.
Em relação a seu conteúdo, o sentimento do Eu compreende um
sentimento mental e um sentimento corporal. Não se nota esta dua-
lidade na vida normal onde eles estão presentes juntos; também não
se pode distinguí-los se não se presta atenção aos processos, como o
despertar ou o adormecer, onde eles estão separados (a dificuldade é a
de conservar uma atenção suficiente nos estados psíquicos marcados
pela redução da vigilância). Existe também um terceiro sentimento, o
das fronteiras flutuantes entre o Eu psíquico e o Eu corporal. Em esta-
do de vigília, sente-se o Eu psíquico como situado no interior do Eu
corporal. O Eu corporal, apoiando-se sobre a periodicidade dos pro-
cessos corporais, adquire uma avaliação objetiva do tempo (consciente
e pré-conscíente que nos permite despertar na hora certa); em com-
pensação, a intensidade do Eu psíquico nos sonhos, unida à ausência
de experiência do tempo no inconsciente, explica a experiência anor-
mal da velocidade e da duração vivida do tempo do sonho. O senti-
mento mental do Eu (ou sentimento do Eu psíquico) tem por formula-
ção racional o “eu penso, logo existo”. Ele assegura a conservação e o
sentimento de sua própria identidade no sujeito. Está frequentemente
associada ao Superego e permanece puramente mental (pois o Superego,
que não tem acesso à mobilidade, pode agir sobre a atenção, mas não
sobre a vontade). Por exemplo, os impulsos e idéias obsessivas vêm do
Superego e são acompanhados do sentimento (variável com a quanti-
dade de investimento inconsciente) de que eles estão prestes a atingir
uma descarga motora que jamais conseguem na realidade (daí o senti-
mento do Eu mental tão agudo no obsessivo). O sentimento mental
do Eu é o sentimento de um “Eu interior”. Esse sentimento é flutuan­
te: os processos mentais podem deixar de ser atribuídos ao Eu psíquico
interno, isto é, deixar de ser reconhecidos como mentais; na neurose
histérica, eles são convertidos em fenômenos corporais; na psicose,
são projetados na realidade exterior.
O sentimento corporal do Eu é “um sentimento unificado
dos investimentos libidinais dos aparelhos motores e sensoriais” (ibid.,
p. 33).
Dois precursores do Eu-pele: Freud , Federn 123

Ele é “compósito”: inclui diversos sentimentos sem ser idêntico


a nenhum deles; por exemplo, as lembranças sensoriais e motoras
referentes a nossa própria pessoa; a unidade de percepção de nosso
próprio corpo em relação à organização somática.

Os sentimentos das fronteiras do Eu


O ser humano tem o sentimento inconsciente de uma fronteira
entre o Eu psíquico e o Eu corporal. Por outro lado, ele tem o senti-
mento inconsciente de uma fronteira entre o Eu e o Superego. Veja-
mos, com Federn, como os sentimentos dessas fronteiras intervém
nos estados de passagem. O adormerimento dissocia por um lado o
sentimento mental e o sentimento corporal do Eu e, por outro, o Eu
e o Superego:
“Na retração dos investimentos que acompanham o adorme-
cimento súbito, o sentimento corporal do Eu desaparece antes do
sentimento mental do Eu ou do sentimento mental do Superego. O
Eu corporal pode desaparecer completamente durante o sono e ser
reinvestido e despertado pelo Eu mental que permaneceu acordado.
Desta maneira, conseguimos retardar voluntariamente o sono. E pro-
vável que, na maioria das pessoas que adormece subitamente, o
Superego perca seu investimento antes do Eu” (ibid., p. 34).
No caso de um processo normal de despertar: 1) o Eu corporal e
o Eu mental despertam simultaneamente, com um ligeiro avanço do
sentimento mental do Eu, mas sem nenhum sentimento de estra-
nheza: nós nos descobrimos com prazer no começo de um novo dia;
2) o Superego só desperta depois do Eu. Por outro lado, quando se
desperta saindo de um sonho, o Eu mental desperta primeiro; o Eu
corporal se encontra dissociado do mental; o próprio corpo pode fi-
car alucinado como uma presença estranha.
É com o desmaio que a dissociação dos dois sentimentos cul-
mina; dissociação que cria a ilusão de uma existência separada da
alma e do corpo.
Os sonhos normais, rememorados como completos e vivazes, são
de dois tipos:
124 Estrutura, funções, superação

a. A maioria deles manifesta uma falta de todo o sentimento cor-


poral; o Eu do sonho se reduz ao Eu mental; a libido foi retirada
do corpo, voltou para o Id, ela não foi redirecionada para o Eu
corporal; durante a regressão, o Eu encontra as representações
de objetos e o investimento libidinal as ativa a ponto de criar a
ilusão da realidade; apesar de seu sonho ser vivaz, o sonhador
nada sente de seu próprio corpo.
b. Por vezes, ao contrário, o sentimento mental do Eu falha, as
sensações vivazes são corporais; são os sonhos “típicos” de rou­
bo, de natação, de nudez; o sonhador nele se representa e ape-
nas objetos fragmentários figuram eventualmente no seu sonho;
são os detalhes do ambiente, da paisagem, dos personagens que
são vivazes (cor, claridade), isto é, a realidade externa.

Observação de Edgar18
No sonho, o investimento libidinal é insuficiente para que haja
representação ao mesmo tempo do objeto desejado e do corpo; se os
dois sentimentos, mental e corporal do Eu, estivessem investidos, o
sonhador acordaria.

“Um paciente que não sofria de despersonalização na vida


em vigília me contou um exemplo notável de distinção entre
o Eu mental e o Eu corporal. Ele tivera um sonho sexual
extraordinariamente completo e vivaz, com apresentação
de objetos muito vivazes e sentimento do Eu de caráter se-
xual agradável. O sonho se passava no seu quarto mas não
na sua cama. Ele acordou de repente e se encontrou na sua
cama num estado de despersonalização completa; tinha o
sentimento que seu corpo estava estendido ao lado dele e
não lhe pertencia. Seu Ego mental acordara primeiro. O
sentimento corporal do Eu não tinha acordado com o Eu
mental porque a libido utilizável para fins narcísicos é essen-
cial para o despertar do sentimento corporal do Eu e, no
sonho precedente, toda a libido estivera investida na apre-
sentação objetal muito vivaz. Este acontecimento incomum
18. Estou dando esse nome ao paciente anônimo de Federn.
Dois precursores do Eu-pele: Freud , Federn 125

mostra claramente que o investimento do Eu está em relação


de compensação com o investimento de um objeto sexual”
(ibid., p. 38).

Os sentimentos de flutuação
das fronteiras do Eu
Abordemos agora as variações do investimento libidinal do senti-
mento das fronteiras do Eu e suas conseqüências, os sentimentos de
estranheza ou de êxtase.
“Cada vez que há uma mudança de investimento do senti­
mento do Eu, temos o sentimento das “fronteiras” de nosso
Eu. Cada vez que uma impressão somática ou psíquica entra
em colisão, ela se choca com uma fronteira do Eu que é
normalmente investida de sentimento do Eu. Se não existir
nenhum sentimento do Eu nesta fronteira, temos o sentimento
que a impressão em questão nos é estranha. Não havendo
colisão entre uma impressão e as fronteiras do sentimento
do Eu, ficamos sem consciência dos limites do Eu. O
sentimento psíquico e o sentimento corporal do Eu podem
ser ambos ativos ou passivos" (ibid., p. 70).

O sentimento do Eu é o investimento narcísico original do Eu.


No começo não há nenhum objeto. Mais tarde, quando os inves-
timentos libidinais de objeto alcançaram a fronteira do Eu com o
mundo exterior ou a investiram e foram retirados, aparece o narci-
sismo secundário.

“A extensão do estado de investimento que constitui o Eu


varia; sua fronteira num dado momento é a fronteira do Eu,
e como tal penetra na consciência. Quando uma fronteira
do Eu vem carregada de sentimento libidinal intenso, mas
não é apreendida em seu conteúdo, o resultado é um senti-
mento de êxtase; quando, por outro lado, o sentimento é
apenas apreendido e não sentido, sobrevêm um sentimento
de estranheza” (ibid., p. 102).
126 Estrutura, funções, superação

Quando a fronteira exterior do Eu perde seu investimento, os


objetos exteriores, mesmo continuando a serem percebidos claramente
pelo sujeito, e até a interessá-lo, são sentidos como estranhos, não
familiares, e mesmo irreais (o que pode levar à perda do senso da rea-
lidade). Durante a cura, o aumento do investimento libidinal na fron-
teira toma a percepção dos objetos mais calorosa, dotada de uma mai-
or intensidade. Sente-se um objeto como real, sem a ajuda de nenhum
teste de realidade, quando: a) ele é excluído do Eu; b) e as impressões
feitas por ele ultrapassam uma fronteira bem investida do Eu.

Recalque dos estados do Eu


O recalque não age somente sobre as representações fantasmá-
ticas. Ele se exerce também sobre os estados do Eu. A parte incons-
ciente do Eu seria assim formada por camadas estratificadas dos esta-
dos do Eu, que a hipnose, por exemplo, ou o sonho (ou ainda, penso,
a regressão criativa) pode despertar, com sua legião de experiências,
de lembranças, de disposições que estão aí ligadas.
Quando há deficiência de investimento do Eu, um Eu muito
desenvolvido e organizado não pode manter um investimento conve-
niente de todas as suas fronteiras e fica suscetível de ser invadido
pelo inconsciente e suas falsas realidades. A volta para um estado
anterior do Eu exigindo menor gasto de investimento do Eu pode ser
um meio de defesa. As fronteiras do Eu são então reconduzidas às
deste estado. Daí a invasão do espírito por falsas realidades e a perda
da faculdade de pensar, traços essenciais da esquizofrenia.
Tratar um psicótico, segundo Federn, é ajudá-lo a não desperdi-
çar sua energia mental e sim conservá-la. É não lhe retirar seus
recalques, mas criá-los. É não fazer uma anamnese, pois a lembrança
de episódios psicóticos anteriores pode ocasionar uma recaída. É
revigorar a fronteira enfraquecida do Eu entre a realidade psíquica e
a realidade exterior. É corrigir as falsas realidades e levar o paciente a
utilizar corretamente a experiência de realidade. É levá-lo a se dar
conta do estatuto triplo de seu corpo, como parte do Eu, como parte
do mundo exterior e como fronteira entre o Eu e o mundo.
7
Funções do Eu -pele

Baseio-me em dois princípios gerais. Um é especificamente


freudiano; toda função psíquica se desenvolve com o apoio de uma
função corporal cujo funcionamento ela transpõe para o plano men-
tal. Apesar da recomendação de Jean Laplanche (1970) de reservar
o conceito de sustentação ao apoio das pulsões sexuais sobre os funcio-
namentos orgânicos de autoconservação, sou partidário de um senti-
do mais amplo, pois o desenvolvimento do aparelho psíquico se efe-
tua através de sucessivas etapas de ruptura com sua base biológica,
rupturas que, por um lado, lhe tornam possível escapar das leis bioló-
gicas e, por outro, lhe tornam necessário buscar uma sustentação de
todas as funções psíquicas sobre as funções do corpo. O segundo
princípio, conhecido igualmente por Freud, é jacksoniano: o desen-
volvimento do sistema nervoso durante a evolução apresenta uma
particularidade que não se encontra nos outros sistemas orgânicos,
ou seja, o órgão mais recente e mais próximo da superfície - o córtex
- tende a comandar o sistema, integrando os outros subsistemas neu-
rológicos. Assim se passa no Eu consciente, que tende a ocupar no
aparelho psíquico a superfície em contato com o mundo exterior e
controlar o funcionamento desse aparelho. Sabe-se igualmente que
a pele (superfície do corpo) e o cérebro (superfície do sistema nervo-
so) se originam da mesma estrutura embrionária, o ectoderma.
Para o psicanalista, a pele tem uma importância capital: ela for-
nece ao aparelho psíquico as representações constitutivas do Eu e de
suas principais funções. Esta constatação está presente no quadro da
teoria geral da evolução. Dos mamíferos ao homem, não há somente
128 Estrutura, funções, superação

aumento e maior complexidade do cérebro. A pele perde sua dureza


e sua capa de pêlo. Os pêlos só subsistem no crânio, onde redobram
o papel protetor do cérebro, e ao redor dos orifícios corporais da face
e do tronco, onde reforçam a sensibilidade, e mesmo a sensualidade.
Como Imre Hermann o demonstrou (1930), a pulsão de agarramen-
to do pequenino a sua mãe se toma mais difícil de satisfazer na espé-
cie humana, destinando os representantes da espécie humana a an-
gústias intensas, precoces e prolongadas por perda da proteção, por
falta de um objeto-suporte, e a um desamparo que foi qualificado de
originário. Por outro lado, a pulsão de apego assume, na criança, uma
importância tão acentuada fazendo com que a infância humana seja
proporcionalmente mais longa do que em outras espécies. Esta pulsão
tem por objetos o referencial, primeiro em relação à mãe, depois em
relação ao grupo familiar que a substitui, os sinais - sorriso, delicade-
za de contato, calor físico do abraço, variedades das emissões sono-
ras, firmeza no carregar, embalo, disponibilidade em dar o alimento,
os cuidados, o atendimento - que fornecem os índices sobre a reali-
dade externa e sua manipulação e também sobre os afetos experi-
mentados pela parceira, em resposta principalmente aos afetos do
bebê. Falamos então não mais no registro da satisfação das necessi-
dades vitais de auto-conservação (alimentação, respiração, sono)
sobre as quais os desejos sexuais e agressivos vão se constituir por
sustentação, mas no registro da comunicação (pré-verbal e
infralingüística) sobre a qual a troca de linguagem encontra o momen-
to propício para se estabelecer.
Os dois registros funcionam freqüentemente de maneira simul-
tânea: a mamada, por exemplo, oferece oportunidade de comunicações
táteis, visuais, sonoras, olfativas. Mas sabe-se que uma satisfação ma-
terial das necessidades vitais, sistematicamente desprovida dessas tro-
cas sensoriais e afetivas, pode conduzir ao hospitalismo ou ao autismo.
Constata-se igualmente que, com o crescimento do bebê, a parte con-
sagrada por ele e por seu círculo humano a comunicar por comunicar,
independentemente das atividades de autoconservação, vai aumen-
tando. A comunicação originária é, na realidade e mais ainda na fan-
tasia, uma comunicação direta, não mediada, de pele a pele.
Freud no “Le Moi et le Ça ” (1923) demonstrou que não apenas
os mecanismos de defesa e os traços de caráter se originam, por apoio
Funções do Eu-pele 129
e

e por transformação, em atividades corporais, como também as ins-


tâncias psíquicas: as pulsões psíquicas que constituem o Id derivam
dos instintos biológicos; o que ele vai chamar de Superego “tem raízes
acústicas”; e o Eu se constitui primeiro a partir da experiência tátil.
Parece-me necessário acrescentar que um tópico mais arcaico
preexiste, talvez originário, com o sentimento de existência do Self:
Self que corresponde ao envelope sonoro e olfativo, Self ao redor do
qual um Eu se diferencia a partir da experiência tátil, Self ao exterior
do qual são projetadas as estimulações endógenas e exógenas. O tó-
pico secundário (Id, Eu, com seu apêndice, o Eu ideal, Superego
formando dupla com o Ideal do Eu) se organiza quando o envelope
visual principalmente sob o efeito do interdito primário do tocar é
substituído pelo envelope tátil para fornecer ao Eu a sustentação
essencial, quando os representantes de coisas (principalmente visu-
ais) se associam, no pré-consciente que então se desenvolve, em re-
presentantes de palavras (fornecidos pela aquisição da palavra) e que
as diferenciações do Eu e do Superego são adquiridas por um lado
pela estimulação externa e, por outro, pela extração pulsional.
Em 1974, no meu primeiro artigo sobre o Eu-pele, assinalava
três funções ao Eu-pele: uma função de envelope continente e
unificador do Self, uma função de barreira protetora do psiquismo,
uma função de filtro das trocas e de inscrição dos primeiros traços,
função que torna possível a representação. Três representações
correspondem a essas três funções: a bolsa, a tela, a peneira. O traba-
lho de Pasche (1971) sobre “Le Bouclier de Persée" me levou a consi-
derar uma quarta função, aquela de espelho da realidade.

As nove funções do Eu-pele

Proponho agora estabelecer um paralelo mais sistemático en-


tre as funções da pele e as funções do Eu, procurando precisar para
cada uma o modo de correspondência entre o orgânico e o psíqui-
co, os tipos de angústia ligados à patologia desta função e as represen-
tações de distúrbio do Eu-pele que a clínica nos traz. A ordem que
130 Estrutura, funções, superação

vou seguir não obedece a nenhum princípio classificatório rigoro-


so. Não pretendo ser exaustivo quanto ao inventário dessas fim-
ções, que fica em aberto,
1) Assim como a pele desempenha uma função de sustentação
do esqueleto e dos músculos, o Eu-pele desempenha uma função de
manutenção do psiquismo. A função biológica é exercida pelo que
Winnicott (1962, pp. 12-13) chamou de holding, isto é, pela maneira
como a mãe segura o corpo do bebê. A função psíquica se desenvolve por
interiorização do holding maternal. O Eu-pele é uma parte da mãe -
particularmente suas mãos - que foi interiorizada e que mantém o
psiquismo em estado de funcionar ao menos durante a vigília, tal
como a mãe mantém nesse mesmo tempo o corpo do bebê num estado
de unidade e de solidez. A capacidade do bebê de se manter fisicamente
por ele mesmo condiciona o acesso à posição de sentar, depois de
ficar em pé e de andar. O apoio externo sobre o corpo materno conduz o
bebê a adquirir o apoio interno sobre sua coluna vertebral, como aresta
sólida que lhe permite se manter ereto. Um dos núcleos antecipadores
do Eu consiste na sensação-imagem de um falo interno materno ou
mais frequentemente parental que assegura ao espaço mental em vias
de se constituir um primeiro eixo, da ordem da verticalidade e da luta
contra a gravidade, e que prepara a experiência de ter uma vida psíquica
própria. É se apoiando neste eixo que o Eu pode recorrer aos
mecanismos de defesa mais arcaicos, como a clivagem e a
identificação projetiva. Mas o Eu só pode se apoiar nesse suporte com
toda segurança se estiver seguro de ter por seu corpo zonas de
contato estreito e estável com a pele, os músculos e as palmas da mãe (e
das pessoas de seu ambiente primário) e, na periferia de seu psiquismo,
um envoltório recíproco pelo psiquismo da mãe (o que Sami-Ali (1974)
denominou “inclusão mútua”).
Blaise Pascal, órfão precoce de mãe, teorizou muito bem na física
e depois na psicologia e na apologética religiosa este horror do vazio
interior muito tempo atribuído à Natureza, essa falta de objeto-supor-
te necessário ao psiquismo para que ele encontre seu centro de gravi-
dade. Francis Bacon, nos seus quadros, pinta corpos deliqüescentes,
nos quais a pele e as roupas asseguram uma unidade superficial, mas
Funções do Eu-pele 131
e

desprovidos desta aresta dorsal que mantém o corpo e o pensamento:


peles preenchidas com substâncias mais líquidas do que sólidas, o que
corresponde bem à imagem do corpo do alcoólatra.1
O que está em jogo aqui não é a incorporação fantasmática do
seio nutritivo, mas a identificação primária de um objeto-suporte
contra o qual a criança se aperta e que a mantém; é mais a pulsão de
agarramento ou de apego que encontra satisfação do que a libido. A
união face a face do corpo da criança ao corpo da mãe é ligada à
pulsão sexual que encontra satisfação ao nível oral na mamada e
nesta manifestação de amor que é o abraço. Os adultos que se amam
reencontram geralmente este tipo de união para dar satisfação às
suas pulsões sexuais ao nível genital. Ao contrário, a identificação
primária ao objeto-suporte supõe um outro dispositivo espacial que
se apresenta sob duas variantes complementares: Grotstein (1981),
discípulo californiano de Bion, foi o primeiro a precisá-los: dorso da
criança contra ventre da pessoa objeto-suporte (background object),
ventre da criança contra dorso desta pessoa.
Na primeira variante, a criança está encostada ao objeto-supor-
te que se molda, abarcando-a. Ela se sente protegida na sua retaguar-
da, o dorso sendo a única parte de seu corpo que não se pode tocar
nem ver. O pesadelo, comum nas crianças com febre, de uma super-
fície que se dobra, se curva, se rasga, cheia de saliências e de buracos,
traduz em forma figurada o alcance da representação tranqüilizadora
de uma pele comum com o objeto-suporte sustentador. Esta superfí-
cie que falha pode ser interpretada pelo sonhador como uma ondula-
ção de serpentes, mas seria um erro de interpretação entendê-la unica-
mente como um símbolo fálico. A presença de várias serpentes em
ondulação não tem o mesmo sentido que a de uma serpente só que
se levanta. Grotstein cita tal sonho em uma menininha, levada pela
mãe para fazer análise com ele.

“Sua filha acordou no meio da noite vendo serpentes em


todos os lugares, mesmo sobre o chão onde ela andava. Ela
correu para o quarto de sua mãe e pulou sobre ela, colocando

1. Cf. minhas duas monografias “De l’horreur du vide à sa pensée: Pascal” e “La peau, la mere
et le miroir dans les tableaux de Francis Bacon” reproduzidas no “Le Corps de l’oeuvre” (D.
Anzieu, 1981a).
132 Estrutura , funções , superação

suas costas contra a barriga da mãe. Era o único lugar onde


ela podia encontrar um alívio. Apesar de a mãe ser a
paciente, e não a criança, suas associações a este aconte-
cimento logo estabeleceram que ela estava se identificando
com sua filha. Ela era a garotinha que desejava se deitar
sobre mim para buscar o “suporte” ( backing), a proteção e a
“retaguarda” (rearing) de que ela se sentia privada por seus
próprios pais2.”

A segunda posição, da criança estendida unindo a frente de seu


corpo às costas da pessoa que cumpre a função de seu objeto-supor-
te, traz ao interessado a sensação-sentimento de que a parte mais
preciosa e mais frágil de seu corpo, isto é, seu ventre, está protegida
atrás de uma tela protetora, a pára-excitação originária, que é o cor-
po deste outro mantenedor. Esta experiência começa geralmente com
um ou com outro dos pais (e mesmo com um e outro); ela pode
prosseguir bastante tempo com um irmão ou uma irmã com o/a qual
a criança divide a cama. (Até a sua psicanálise com Bion, Samuel
Beckett somente podia vencer a angústia da insônia dormindo bem
junto de seu irmão mais velho.) Uma de minhas pacientes, criada
por um casal de pais violentos e desunidos, encontrava sua seguran-
ça interior até a pré-puberdade dormindo desta maneira contra sua
irmã menor com a qual dividia a cama. A que tinha mais medo “se
fazia de cadeira” (na expressão delas) para acolher e apertar contra si
o corpo tranqüilizador da outra. Durante uma fase de sua análise,
sua transferência me convidava implicitamente a “me fazer de cadei­
ra”: ela me cobrava a alternância das minhas associações livres com
as suas, a confissão de meus pensamentos e de meus sentimentos, de
minhas angústias; me propunha a aproximação de seu corpo, não
compreendia a minha recusa de que ela viesse se sentar sobre meus
joelhos. Tive que analisar primeiro como uma sexualização defensi-
va, a sedução, histérica com a qual ela encobria seu desejo; depois
pudemos elaborar sua angústia da perda do objeto-suporte.
Grotstein relata um outro tipo de exemplo significativo: “Pacien­
tes em análise frequentemente me contaram sonhos nos quais eles

2. Agradeço Annick Maufras du Chatellier por me apresentar este texto, fornecendo-me a


tradução francesa.
Funções do Eu-pele 133

dirigiam um carro do assento traseiro”. As associações a esses sonhos


conduziam quase que invariavelmente à noção de ter um “suporte”
(backing) defeituoso e, em consequência, uma dificuldade de auto-
nomia. Grotstein propõe um jogo de palavras, intraduzível em fran-
cês: porque o objeto-suporte se coloca “atrás” ou “em baixo” (he under
stands), ele fornece o paradigma da “compreensão” (understandmg).
2) À pele que recobre a superfície inteira do corpo e na qual
estão inseridos todos os órgãos dos sentidos externos responde a fun-
ção continente do Eu-pele. Esta função é exercida principalmente pelo
handling maternal. A sensação-imagem da pele como bolsa é desper-
tada, no bebê, pelos cuidados do corpo, apropriados às suas necessi-
dades, dispensados pela mãe. O Eu-pele, como representação psíqui-
ca, emerge dos jogos entre o corpo da mãe e o corpo da criança e
também das respostas da mãe às sensações e emoções do bebê, res-
postas gestuais e vocais, pois o envelope sonoro redobra então o en-
velope tátil, respostas de caráter circular onde as ecolalias e as
ecopraxias de um imitam as do outro, respostas que permitem ao
bebê experimentar progressivamente essas sensações e emoções por
sua própria conta sem se sentir destruído. R. Kaës (1979) distingue
dois aspectos desta função. O “continente” propriamente dito, está­
vel, imóvel, se apresenta como receptáculo passivo para o depósito
das sensações-imagens-afetos do bebê, assim neutralizados e conserva-
dos. O “contentor” corresponde ao aspecto ativo, segundo Bion à
“rêverie” maternal, à identificação projetiva, ao exercício da função
alfa que elabora, transforma e restitui ao interessado suas sensações-
imagens-afetos que se tomam representáveis.
Assim como a pele envolve todo o corpo, o Eu-pele visa envolver
todo o aparelho psíquico, pretensão que então se revela abusiva, mas
necessária no princípio. O Eu-pele é agora representado como casca, o
Id pulsional como núcleo, cada um dos dois termos tendo necessidade
do outro. O Eu-pele só é continente se houver pulsões para serem
contidas e localizadas em fontes corporais, mais tarde diferenciadas. A
pulsão só é sentida como tensão geradora, como força motriz, se ela
encontra limites e pontos específicos de inserção no espaço mental
onde ela se mostra e se sua origem é projetada em regiões do corpo
dotadas de uma excitabilidade particular. Esta complementaridade da
casca e do núcleo fundamenta o sentido da continuidade do Self.
134 Estrutura, funções, superação

Duas formas de angústia respondem à carência dessa função


contentora do Eu-pele. A angústia de uma excitação pulsional difusa,
permanente, esparsa, não localizável, não identificável, não tranqui-
lizante, traduz uma topografia psíquica constituída por um núcleo sem
casca; o indivíduo procura uma casca substitutiva na dor física ou na
angústia psíquica: ele se envolve no sofrimento. No segundo caso, o
envelope existe, mas sua continuidade está interrompida por buracos.
É o Eu-pele escorredor; os pensamentos, as lembranças, são dificil-
mente conservados; eles fogem (ver a observação de Eleonora, p. 69).
A angústia é passível de ter um interior que se esvazia, particularmen-
te da agressividade necessária a toda afirmação de si. Esses buracos
psíquicos podem se sustentar sobre os poros da pele: a observação feita
em Gethsêmani (p. 225) mostra um paciente que transpira durante as
sessões, liberando assim sobre seu psicanalista uma agressividade nau-
seante que ele nem pode reter nem elaborar, tanto que sua representa-
ção inconsciente de um Eu-pele escorredor não foi interpretada.
3) A camada superficial da epiderme protege a sua camada
sensível (aquela onde se encontram as terminações livres dos nervos e
os corpúsculos do tato) e o organismo em geral contra as agressões
físicas, as radiações, o excesso de estimulações. Desde "Esquisse d’une
psychologie scientifique" de 1895, Freud reconhecera ao Eu uma
função de pára-excitação. Na "Notice sur le Bloc magique" (1925), ele
especifica que o Eu (assim como a epiderme, se bem que Freud não
tenha chegado a esta precisão) apresenta uma estrutura em folheto
duplo. No “Esquisse” de 1895, Freud deixa entender que a mãe serve
de pára-excitação auxiliar do bebê, e isto - o acréscimo é meu - até que
seu Eu em crescimento encontre sobre sua própria pele um apoio
suficiente para assumir esta função. De uma maneira geral, o Eu-pele é,
na época do nascimento, uma estrutura virtual, e ele se atualiza durante
a relação entre o bebê e o ambiente primário; a origem primeira desta
estrutura remontaria até mesmo à aparição dos organismos vivos.
Os excessos e os déficits da pára-excitação oferecem representa-
ções muito variadas. Francês Tustin (1972) descreveu as duas ima-
gens do corpo que pertencem respectivamente ao autismo primário
e secundário: o Eu-polvo (quando nenhuma das funções do Eu-pele
é adquirida, nem as do suporte, nem de continente, nem de pára-
excitação, e quando o folheto duplo não é esboçado) e o Eu-crustá-
Funções do Eu-pele 135

ceo, com uma carapaça rígida que substitui o contentor ausente e


que impede as funções seguintes do Eu-pele de se engrenarem.
A angústia paranóide de intrusão psíquica se apresenta sob duas
formas: a) roubam-me os pensamentos (perseguição); b) dão-me
pensamentos (máquina de influenciar). As funções pára-excitação e
contentora existem aí distintamente, porém insuficientes.
A angústia da perda do objeto substituindo o papel de pára-
excitação auxiliar é maximizada quando a criança foi dada pela mãe
para ser criada por sua própria mãe (isto é, pela avó materna da cri-
ança) e esta última se ocupou da criança com tal perfeição qualita-
tiva e quantitativa que a criança não conheceu a possibilidade nem a
necessidade de chegar a uma auto-sustentação. A toxicomania pode
aparecer então como uma solução para constituir uma barreira de
névoa ou de fumaça entre o Eu e as estimulações externas.
A pára-excitação pode ser buscada como apoio sobre a derme
em detrimento da epiderme: é a segunda pele muscular (E. Bick), a
couraça do caráter (W. Reich).
4) A membrana das células orgânicas protege a individualidade
da célula diferenciando os corpos estranhos aos quais recusa o aces-
so, das substâncias similares ou complementares às quais ela permite
a admissão ou a associação. Pela sua granulação, sua cor, sua textura,
seu odor, a pele humana apresenta diferenças individuais considerá-
veis. Elas podem narcisicamente ou mesmo socialmente ser superin-
vestidas. Permitem diferenciar no outro os objetos de apego e de
amor e a afirmação de si mesmo como um indivíduo que tem sua
pele pessoal. Por sua vez, o Eu-pele assegura uma função de indivi-
duação do Self, que lhe traz o sentimento de ser um ser único. A
angústia, descrita por Freud (1919), da “estranheza inquietante", está
ligada a uma ameaça visando a individualidade do Self por enfraque-
cimento do sentimento das fronteiras do Self.
Na esquizofrenia, toda a realidade exterior (mal diferenciada da
interior) é considerada como perigosa de assimilar e a perda do senti-
do da realidade permite a manutenção a qualquer preço do senti-
mento de unicidade do Self.
5) A pele é uma superfície portadora de bolsos, de cavidades
onde estão alojados os órgãos dos sentidos com exceção dos do tato
(os quais estão inseridos na epiderme). O Eu-pele é uma superfície
136 Estrutura, funções, superação

psíquica que liga as sensações de diversas naturezas entre si e que as


faz destacar como figuras sobre esse fundo originário que é o envelo-
pe tátil: é a função de intersensorialidade do Eu-pele que leva à forma-
ção de um “senso comum" (o sensorium commune da filosofia medie-
val), cuja referência de base se faz sempre ao tato. A carência desta
função responde a angústia de fragmentação do corpo, mais precisa-
mente a de desmantelamento (Meltzer, 1975), isto é, de um funcio-
namento independente, anárquico, dos diversos órgãos dos senti-
dos. Mostro adiante o papel decisivo do interdito do tocar na passa-
gem do envelope tátil continente ao espaço intersensorial que pre-
para a simbolização. Na realidade neurofisiológica, é no encéfalo que
se efetua a integração das informações provenientes dos diversos ór-
gãos dos sentidos; a intersensorialidade é então uma função do siste-
ma nervoso central, ou, mais amplamente, do ectoderma (donde se
originam simultaneamente a pele e o sistema nervoso central). Na
realidade psíquica, ao contrário, esse papel é ignorado e existe uma
representação imaginária da pele como tela de fundo, como superfí-
cie originária sobre a qual se estendem as interconexões sensoriais.
6) A pele do bebê faz da mãe o objeto de um investimento
libidinal. A alimentação e os cuidados são acompanhados de conta-
tos pele a pele geralmente agradáveis, que preparam o auto-erotismo
e situam os prazeres de pele como tela de fundo habitual dos prazeres
sexuais. Estes se localizam em certas zonas erécteis ou em certos ori-
fícios (excrescências e bolsos) onde a camada superficial da epider-
me está adelgaçada e onde o contato direto com a mucosa produz
uma superexcitação. O Eu-pele exerce a função de superfície de sus-
tentação da excitação sexual, superfície sobre a qual, em caso de
desenvolvimento normal, zonas erógenas podem ser localizadas, a
diferença dos sexos reconhecida e sua complementaridade desejada.
O exercício desta função pode se bastar a ela mesma: o Eu-pele capta
sobre toda sua superfície o investimento libidinal e se toma um enve-
lope de excitação sexual global. Esta configuração fundamenta a te-
oria sexual infantil mais arcaica, segundo a qual a sexualidade se
resume nos prazeres do contato pele contra pele e a gravidez resulta
do simples abraço corporal e do beijo. Na falta de uma descarga satis-
fatória, este envelope de excitação erógeno pode se transformar em
envelope de angústia (ver adiante a observação de Zenóbia, p. 256).
Funções do Eu-pele 137

Se o investimento da pele é mais narcísico que libidinal, o envelope


de excitação pode ser substituído por um envelope narcísico brilhante,
passível de tomar seu possessor invulnerável, imortal e heróico.
Se a sustentação da excitação sexual não é assegurada, o indiví-
duo ao se tornar adulto não se sente suficientemente seguro para se
envolver numa relação sexual completa, culminando em uma satis-
fação genital mútua.
Se as excrescências e os orifícios sexuais são o lugar de expe-
riências algógenas mais do que erógenas, a representação de um Eu-
pele perfurado se acha reforçada, a angústia persecutória aumenta-
da, a predisposição acrescida às perversões sexuais visando inverter
a dor em prazer.
7) A pele como superfície de estimulação permanente do tônus
sensório-motor pelas excitações externas responde a função do Eu-
pele de recarga libidinal do funcionamento psíquico, de manuten-
ção da tensão energética interna e de sua repartição desigual entre
os subsistemas psíquicos (cf. as “barreiras de contato” do “Esquisse”
freudiano de 1895). As falhas desta função produzem dois tipos
antagônicos de angústia: a angústia de explosão do aparelho psí-
quico sob o efeito da sobrecarga de excitação (a crise epilética, por
exemplo, cf. H. Beauchesne, 1980); a angústia do Nirvana, isto é, a
angústia diante daquilo que seria a satisfação do desejo por uma
redução da tensão a zero.
8) A pele, com os órgãos dos sentidos táteis que ela contém
(tato, dor, calor/frio, sensibilidade dermatotópica), fornece informa-
ções diretas sobre o mundo exterior (que são em seguida reescalonadas
pelo “senso comum” com as informações sonoras, visuais etc.). O Eu-
pele exerce uma função de inscrição dos traços sensoriais táteis, função
de pictograma de acordo com Piera Castoriadis-Aulagnier (1975), de
escudo de Perseu enviando, segundo E Pashe (1971), uma imagem da
realidade em espelho. Esta função é reforçada pelo ambiente materno à
medida que ele exerce seu papel de “apresentação de objeto”
(Winnicott, 1962) junto do bebê. Esta função do Eu-pele se desenvolve
através de um apoio duplo, biológico e social. Biológico: um primeiro
desenho da realidade se imprime sobre a pele. Social: o fazer parte de
um grupo social é marcado por incisões, escarificações, pinturas,
tatuagens, maquilagens, penteados e seus dubles que são as
138 Estrutura, funções, superação

roupas. O Eu-pele é o pergaminho originário que conserva à maneira


de um palimpsesto os rascunhos rasurados, riscados, reescritos de
uma escrita “originária” pré-verbal feita de traços cutâneos.
Uma primeira forma de angústia relacionada a esta função é ser
marcado na superfície do corpo e do Eu por inscrições infamantes e
indeléveis vindas do Superego (os rubores, o eczema, as feridas sim-
bólicas de acordo com Bettelheim (1954), a máquina infernal da
Colônia Penitenciária de Kafka (1914-1919) que grava sobre a pele do
condenado, em letras góticas, até que a morte sobrevenha, o artigo
do código que ele transgrediu). A angústia inversa se apóia sobre o
perigo do apagar das inscrições sob o efeito de sua sobre-inscrição,
ou sobre a perda da capacidade de fixar os traços, como no sono, por
exemplo. A película que permite o desenrolar dos sonhos vem então
propor ao aparelho psíquico a imagem visual de um Eu-pele restituí-
do em sua função de superfície sensível.
9) Todas as funções precedentes estão a serviço da pulsão de
apego, e depois da pulsão libidinal. Não existiría uma função negati-
va do Eu-pele, um tipo de antifunção a serviço de Tanatos, e visando
à autodestruição da pele e do Eu? Os progressos da imunologia desen-
cadeados pelo estudo das resistências do organismo aos implantes de
órgãos nos dão indicações sobre o organismo vivo. As incompa-
tibilidades entre doador e receptor de órgãos, confirmando que não
existe dois humanos idênticos sobre a Terra (exceto o caso dos gê-
meos verdadeiros), permitiram por outro lado captar a importância
dos marcadores moleculares da “personalidade biológica”; quanto mais
esses marcadores são semelhantes entre o doador e o receptor, mais
chances tem o implante de dar certo (Jean Hamburger); e essas se-
melhanças decorrem da existência de uma pluralidade de grupos di-
ferentes de glóbulos brancos, aparentemente grupos marcadores não
somente de glóbulos, mas da personalidade inteira (Jean Dausset).
Os biólogos foram levados a recorrer, sem o saber, a noções aná-
logas àquelas - o Self, o não-Eu - que certos sucessores de Freud
tinham criado para completar a segunda concepção tópica do apare-
lho psíquico. Em numerosas doenças, o sistema de defesa imunológico
pode ser ativado, não especificamente, para atacar tal órgão do pró-
prio corpo como se ele fosse um enxerto. São esses os fenômenos auto-
imunes, o que quer dizer, etimologicamente, que o organismo
Funções do Eu-pele 139

vivo dirige contra si próprio a reação imunológica ou imune. O exér-


cito celular é formado para rejeitar os tecidos estranhos - o não-Self,
dizem os biólogos -, mas ele é às vezes suficientemente cego para
atacar o Self, já que ele o respeita completamente em estado de saú-
de: daí as doenças auto-imunes freqüentemente graves.
Como analista, fiquei surpreso pela analogia entre a reação auto-
imune por um lado e, por outro, o voltar sobre si da pulsão, a reação
terapêutica negativa e os ataques contra as interconexões em geral, e
contra os continentes psíquicos em particular. Noto igualmente que a
distinção do familiar e do estranho (Spitz) ou do Eu e do não-Eu (me
and not me, segundo Winnicott) tem raízes biológicas ao nível celular e
formulo a hipótese de que a pele como envelope do corpo constitui a
realidade intermediária entre a membrana celular (que recolhe, cria e
transmite a informação quanto ao caráter estranho ou não dos íons) e
a interface psíquica que é o sistema percepção-consciência do Eu.
Os médicos psicossomáticos descreveram, na estrutura alérgica,
uma inversão dos sinais de segurança e de perigo: a familiaridade, ao
invés de ser protetora e tranqüilizadora, é evitada como má, e a es-
tranheza, ao invés de ser inquietante, se revela atraente: daí a reação
paradoxal do alérgico e também do toxicômano que evita o que lhe
pode fazer bem e que é fascinado pelo que lhe é nocivo. O fato da
estrutura alérgica se apresentar frequentemente sob forma de uma
alternância asma-eczema permite precisar a configuração do Eu-pele
em jogo. Originariamente, trata-se de remediar as insuficiências do Eu-
pele-bolsa em delimitar uma esfera psíquica interna pelo volume, isto
é, a passar de uma representação bidimensional a uma representação
tridimensional do aparelho psíquico (cf. D. Houzel, 1984 a). As duas
afecções correspondem aos dois modos possíveis de abordagem da
superfície desta esfera: pelo interior, pelo exterior. A asma é uma
tentativa de sentir por dentro o envelope constitutivo do Eu corporal: o
doente se infla de ar até sentir de dentro as fronteiras de seu corpo e se
assegurar dos limites alargados de seu Self; para preservar esta sensação
de um Self-bolsa inflada, ele fica em apnéia, com o risco de bloquear
o ritmo da troca respiratória com o meio e de sufocar. A observação de
Pandora o ilustra (cf. p. 152). O eczema é uma tentativa de sentir de
fora esta superfície corporal do Self, em suas rupturas dolorosas, seu
contato áspero, sua visão vexatória e também como envelope de calor e
de difusas excitações erógenas.
140 Estrutura, funções, superação

Na psicose, especialmente na esquizofrenia, o paradoxo que


aparece com a alergia chega ao paroxismo. O funcionamento psí-
quico é dominado pelo que Paul Wiener (1983) chamou a reação
antifisiológica. A confiança no funcionamento natural do organis-
mo é destruída ou não é adquirida. O que é natural é vivido como
artificial; o vivo é assimilado como mecânico; o que é bom para a
vida e na vida é sentido como um perigo mortal. Tal funcionamen-
to psíquico paradoxal, por uma reação circular, altera a percepção
do funcionamento corporal e se toma reforçado nos seus parado-
xos. Aqui a configuração paradoxal subjacente do Eu-pele leva à não-
aquisição das distinções fundamentais: vigília-sono, sonho-realidade,
animado-inanimado. A observação de Eurídice (D. Anzieu, 1982 b)
fornece um exemplo limitado de uma paciente não psicótica, mas que
se sente ameaçada de confusão mental. O restabelecimento da
confiança em um funcionamento natural e feliz do organismo (desde
que o organismo encontre no meio um eco suficiente para suas
necessidades) é uma das tarefas essenciais do psicanalista em relação a
tais pacientes, uma tarefa árdua e repetitiva em razão das tentativas
inconscientes do paciente de paralisar o psicanalista pego na armadilha
da transferência paradoxal (cf. D. Anzieu, 1975 b) e de arrastá-lo
em seu próprio fracasso.
Os ataques inconscientes contra o continente psíquico, e que se
apoiam, talvez sobre os fenômenos orgânicos auto-imunes, parecem
se originar de partes do Self fundidas a representantes da pulsão de
auto-destruição inerente ao Id, expulsas para a periferia do Self, encis-
tadas na camada superficial que é o Eu-pele, corroendo sua conti-
nuidade, destruindo a coesão, alterando as funções pela inversão de
seus propósitos. A pele imaginária com a qual o Eu se recobre se
torna uma túnica envenenada, asfixiante, ardente, desagregadora.
Poder-se-ia, então, falar de uma função tóxica do Eu-pele.
Esta lista de nove funções psíquicas do Eu, semelhante às fun-
ções biológicas da pele, não é, a meu ver, imutável ou exaustiva. Ela
fornece uma grade para pôr à prova fatos, grade aberta e passível de
ser melhorada, mas que deveria facilitar a observação clínica, o
diagnóstico psicopatológico, a conduta das psicoterapias e a técnica
da interpretação psicanalítica.
Funções do Eu-pele 141

Em relação às funções da pele não ainda citadas 3, seria possível,


avançando mais ainda no espírito do sistema, propor outras funções
do Eu para lhes corresponder:
— Função de armazenamento (gorduras, por exemplo): em corre-
lação com a função mnésica; mas esta última se origina da zona pré-
consciente do aparelho psíquico e não pertence, Freud insiste, à
"superfície" do aparelho, caracterizada pelo sistema percepção-cons-
ciência.
— Função de produção (pêlos e unhas, por exemplo): em corre-
lação com a produção dos mecanismos de defesa pela zona (também
pré-consciente, e mesmo inconsciente) do Eu.
— Função de emissão (suores, feromônios, por exemplo): em
correlação com a precedente, constituindo a projeção um dos mais
arcaicos mecanismos de defesa do Eu; mas convém articulá-lo a uma
configuração tópica particular, que descreví como Eu-pele escorredor
(cf. as observações de Eleonora e de Gethsêmani).
Seria possível igualmente correlacionar, senão certas funções,
pelo menos certas tendências do Eu-pele com características estru-
turais (e não mais funcionais) da pele. Por exemplo, ao fato de a
pele ter a maior superfície e o maior peso de todos os órgãos do
corpo correspondería a pretensão do Eu de envolver a totalidade
do aparelho psíquico e de ter maior peso sobre seu funcionamento.
Da mesma maneira, a tendência ao encaixe dos folhetos externo e
interno do Eu-pele e dos envelopes psíquicos (sensoriais, muscula-
res, rítmicos) só aparece em relação ao emaranhado (descrito na p.
29) das camadas que compõem a epiderme, a derme, a hipoderme.
A complexidade do Eu e a multiplicidade de suas funções poderí-
am igualmente ser correlacionadas à existência de numerosas e
importantes diferenças de estrutura e de função de um ponto da
pele a outro (por exemplo, a densidade dos diferentes tipos de glân-
dulas, de corpúsculos sensoriais etc.).

3. Agradeço meu colega François Vincent, psicofisiologista, por ter chamado minha atenção
sobre elas.
142 Estrutura, funções, superação

Um caso de masoquismo perverso

Observação do Sr. M.
O caso bastante excepcional do Sr. M., relatado por Michel de
M’Uzan (1972 e 1977) anterior ao meu primeiro artigo sobre o Eu-
pele (1974), não corresponde a uma indicação de cura psicanalítica
e somente foi objeto de duas entrevistas com esse colega. Minha
perspectiva das nove funções do Eu-pele permite reinterpretá-lo de
imediato colocando em evidência a alteração da quase totalidade das
funções do Eu-pele (de que meu inventário se acha indiretamente
validado) nos casos graves de masoquismo e a necessidade de recorrer a
práticas perversas para restabelecer essas funções.
Para o Sr. M., que não era por acaso um radioeletricista, a função
de sustentação está artificialmente assegurada pela introdução de
pedaços de metal e de vidro sob toda a pele (trata-se de uma segunda
pele, não muscular, mas metálica), principalmente de agulhas nos
testículos e no pênis, por dois anéis de aço colocados respectivamente
na extremidade do pênis e no início das bolsas escrotais, por lâminas
encravadas na pele do dorso, a fim de permitir a suspensão do Sr. M. a
ganchos de açougueiro enquanto um sádico o sodomiza (atualização do
mitema do deus suspenso, citado anteriormente, p. 72, a propósito do
mito grego de Marsias).
Os enfraquecimentos da função continente do Eu-pele são ma-
terializados não somente pelas inúmeras cicatrizes de queimaduras e
de cortes espalhados sobre toda a superfície do corpo, mas pelo
nivelamento de certas excrescências (seio direito arrancado, pequeno
artelho do pé direito cortado por serra de metal), pelo preenchimento
de certas cavidades (umbigo cheio de chumbo fundido), pelo
alargamento artificial de certos orifícios (ânus, fenda da glande). Esta
função continente é restabelecida pela instauração repetitiva de um
envelope de sofrimento, graças à grande diversidade, engenhosidade e
crueldade dos instrumentos e das técnicas de tortura: a fantasia da pele
arrancada deve ser reavivada permanentemente no masoquista
perverso para que ele se reaproprie de um Eu-pele.
Funções do Eu-pele 143

A função de pára-excitação é desprezada até o ponto-Iimite


irreversível onde o perigo se torna mortal para o organismo. O Sr. M.
sempre retorna intacto deste limite (não sofreu de nenhuma doença
grave nem de loucura), mas sua jovem esposa, com quem ele fez a
descoberta mútua das perversões masoquistas, morreu de exaustão
conseqüente às sevícias sofridas. O Sr. M. sobe os lances progres-
sivamente, jogando com a morte.
A função de individuação do Self só se realiza no sofrimento
físico (as torturas) e moral (as humilhações); a introdução sistemáti-
ca de substâncias não-orgânicas embaixo da pele e a ingestão de subs-
tâncias repugnantes (urina, excrementos do parceiro) mostram a fra-
gilidade desta função; a distinção do próprio corpo e dos corpos es-
tranhos é questionada sem cessar.
A função de intersensorialidade é, sem dúvida, a mais respeitada
(o que explica a excelente adaptação profissional e social do Sr. M.).
As funções de sustentação da excitação sexual e de recarga
libidinal do Eu-pele são igualmente preservadas e ativadas à custa
de sofrimentos-limite que acabam de ser descritos. O Sr. M. sai de
suas sessões de práticas perversas sem estar abatido, nem deprimi-
do, nem mesmo cansado; elas o revigoram. Ele atinge o prazer se-
xual não pela penetração ou sendo penetrado, mas a princípio pela
masturbação e depois pelo simples espetáculo de cenas perversas
(por exemplo, aquela de sua mulher sofrendo a crueldade de um
sádico), acompanhado de uma excitação de toda a sua pele subme-
tida também às sevícias. “Toda a superfície de meu corpo era
excitável por meio da dor.” “A ejaculação vinha no momento em
que a dor era mais forte... Depois da ejaculação, eu sofria, boba-
mente" (ibid., 1977, pp. 133-134).
A função de inscrição de sinais é superativada. Numerosas ta-
tuagens cobrem o corpo inteiro, com exceção do rosto: por exem-
plo, sobre as nádegas: “Ao encontro de belos rabos"; sobre as coxas
e o ventre: “Viva o masoquismo”, “Eu sou uma cadela viva”, “Sirva-se
de mim como de uma fêmea, gozará muito” etc. (ibid., p. 127). Todas
essas inscrições testemunham uma identificação particular com a
anatomia feminina, com "erogeneização” da superfície global da pele
e convite a fazer o parceiro gozar através de diversos orifícios (boca,
ânus) pelos quais ele próprio não gozava.
144 Estrutura, funções, superação

Enfim, a função que eu denominei tóxica do Eu-pele (isto é, auto-


destrutiva) alcança um paroxismo. A pele se torna a fonte e o objeto
dos processos destruidores. Mas a divagem das pulsões de vida e das
pulsões de morte é passageira, diferentemente das psicoses onde ela é
definitiva. No momento em que o jogo com a morte se toma suicida, o
parceiro interrompe suas sevícias, a libido opera um recrudescimento
“selvagem” e Senhor M. pode gozar.
Pelo menos, ele tem tido suficiente discernimento psicológico
para escolher os parceiros: “O sádico se acovarda sempre no último
momento” ele confessa (ibid., p. 137). Desejo de ser todo poderoso,
comenta Michel de M’Uzan. Eu diria: a busca de ser todo poderoso
na destruição é, para o masoquista perverso, a condição de acesso a
uma fantasia de domínio erótico, necessária para desencadear o pra-
zer: não, a pele não é completamente arrancada, as funções do Eu-
pele não são irreversivelmente destruídas, sua recuperação operada
“in extremis” no momento de sua perda produz uma “assunção de
júbilo” muito mais intensa (por ser ao mesmo tempo corporal e psí­
quica) que aquela descrita por Lacan no estado de espelho, mas cuja
economia narcísica é também evidente.
Espero ter demonstrado que esses mecanismos de defesa bem
conhecidos (clivagem da pulsão, retorno sobre si, retorno do clivado,
superinvestimento narcísico de funções psíquicas e orgânicas lesa-
das) apenas funcionam com uma tal eficácia em um Eu-pele particu-
lar que adquiriu provisoriamente as nove funções fundamentais, que
reviveu repetitivamente uma fantasia de pele arrancada e o drama
da perda da quase totalidade dessas funções, para gozar com mais
intensidade a exaltação de suas recuperações. A fantasia (necessária
à evolução em direção à autonomia psíquica) de ter uma pele própria
fica profundamente culpabilizada pela fantasia prévia que, para tê-
la, é preciso tomá-la de outro e que é melhor ainda deixar que ela
seja tomada pelo outro para lhe dar prazer, alcançando ele mesmo
finalmente o prazer.
Funções do Eu-pele 145

O envelopamento úmido: o “pack”; as cavernas

O “pack ”
O “pack” é uma técnica de cuidados para enfermos psicóticos
graves derivada do envelopamento úmido praticado pela psiquiatria
francesa no século XIX e que apresenta as analogias com o ritual
africano de amortalhamento terapêutico ou com o banho gelado dos
monges tibetanos. O “pack" foi introduzido na França por volta de
1960, pelo psiquiatra americano Woodbury, que acrescentou ao enve-
lopamento físico propriamente dito por lençóis um círculo estreito
formado de atendentes em volta do enfermo. Esse acréscimo traz
uma confirmação não premeditada para a hipótese, levantada desde
o início desta obra, do duplo apoio do Eu-pele: biológica, sobre a
superfície do corpo, e social, sobre a presença de um círculo unido e
atento à experiência que o interessado está para viver.
O doente, em roupas de baixo ou nu, à sua escolha, é enrolado
em lençóis úmidos e frios pelos atendentes. Estes enrolam primeiro
separadamente cada um de seus quatro membros, depois o corpo
inteiro, com exceção da cabeça. O doente é logo depois envolvido
por uma coberta, o que lhe permite se aquecer mais ou menos rápi-
do. Permanece deitado 3/4 de hora, livre para verbalizar ou não o
que sente (de qualquer maneira, segundo os atendentes que se sub-
meteram a esta experiência, as sensações-afetos experimentadas são
tão fortes e extraordinárias que as palavras não conseguem traduzi-
las). Os atendentes tocam com suas mãos a pessoa envelopada, o
interrogam pelo olhar, lhe respondem; eles ficam ávidos e ansiosos
para saber o que se passa com o paciente. A prática do “pack” forma
entre eles um espírito de grupo tão forte que pode ocasionar inveja
entre o resto do pessoal. Encontro aí uma confirmação de outra hi-
pótese na qual o envelope corporal é um dos organizadores psíquicos
inconscientes dos grupos (D. Anzieu, 1981 b).
Depois de uma fase relativamente breve de angústia ligada à
impressão de um ambiente global pelo frio, o envelopado experimen-
ta um sentimento de onipotência, de completitude física e psíquica.
Entendo isso como uma regressão a esse Self psíquico originário ili-
146 Estrutura, função, superação

mitado do qual alguns psicanalistas fizeram a hipótese e que corres-


pondería a uma experiência de dissociação do Eu psíquico e do Eu
corporal, como acontece entre os participantes de um grupo, ou mís-
ticos, ou ainda os criadores (cf. D. Anzieu, 1980 a). Esse bem-estar
não persiste, mas se toma mais durável com a repetição dos “packs”
(a cura completa, sobre o modelo da psicanálise, pode levar anos no
ritmo de três envelopamentos semanais).
O “pack” dá ao paciente a sensação de um duplo envelope cor­
poral: um envelope térmico (frio e depois quente por causa da
vasodilatação periférica reativa ao frio), envelope que comanda a
termo-regulação interna; um envelope tátil (os lençóis molhados e
apertados que colam na pele inteira). Isto reconstitui temporaria-
mente seu Eu como separado dos outros ainda que em continuidade
com eles, o que é uma das características topográficas do Eu-pele.
Uma praticante do “pack”, Claudie Cachard (1981), referiu-se a
“membranas de vida” (cf. igualmente D. de Loisy, 1981).
O “pack” é usado igualmente com crianças psicóticas e com crian­
ças surdas-cegas para quem o único acesso possível a uma co-
municação significante com o ambiente é o registro tátil. O “pack”
lhes oferece “envelopes de ajuda” estruturantes que substituem, por
algum tempo, seus envelopes patológicos e graças aos quais as crian-
ças podem abandonar uma parte de suas defesas de agitação motora
e sonora e se sentirem unos e imóveis. Mas existe primeiro uma resis-
tência ao envelopamento: querer imobilizá-las completamente pro-
voca nas crianças um pânico mortal e uma extrema violência.

Três observações
A experiência do “pack” e das grutas me leva a três observações.
Primeiro, o corpo do bebê é, parece, programado para fazer a experi-
ência de um envelope continente; se lhe faltam os materiais sensori-
ais adequados, ele faz esta experiência com o que está a sua disposi-
ção: daí envelopes patológicos constituídos por uma barreira de ruí-
dos incoerentes e de agitação motora; esses envelopes asseguram a
adaptação do organismo para sobreviver e não a descarga controlada
da pulsão. Em segundo lugar, as resistências paradoxais dos educa-
dores decorrem da diferença dos níveis de estruturação do Eu corpo-
ral entre os educadores e as crianças, e do perigo, para os educadores,
Funções do Eu-pele 147

de uma regressão anulando esta diferença e instaurando a confusão


mental. Em terceiro lugar, a terapêutica dos “envelopes de ajuda”
(“pack”, cavernas, e também massagens, bioenergia, grupos de
encontro) só tem um efeito provisório. É aí que se acentua um fenô-
meno constatável em pessoas normais, que precisam reconfirmar
periodicamente, através de experiências concretas, seus sentimen-
tos de base de um Eu-pele. Serve também de ilustração da necessida-
de, nos casos graves de carência, de desenvolver configurações
substitutivas e compensatórias.
8
Distúrbios das distinções
sensório-motoras de base

Examinarei nesse capítulo uma só distinção sensório-motora de


base, a do pleno e do vazio respiratório. Outras oposições serão estu-
dadas na terceira parte do livro. Recomendo ao leitor meu artigo
"Sur la confusion primaire de l’animé et de l’inanimé. Un cas de triple
méprise" (D. Anzieu, 1982 b).

Sobre a confusão respiratória do


pleno e do vazio
Prometeu roubara o fogo do céu para beneficiar os humanos. Para
se vingar, os deuses do Olimpo enviam Pandora para desposar seu ir-
mão, Epimeteu; Pandora era mulher notável por sua beleza, seu en-
canto, sua palavra sedutora e sua habilidade manual, criada à imagem
das deusas, portadora de todos os dons e astúcias. Epimeteu confia à
sua companheira, com a proibição de abri-la, caixa cheia de ar onde
estavam guardados todos os males. Pandora, curiosa, levanta a tampa,
os males escapam e seus sopros desde então se espalham sobre a terra.
Esse mito, com o qual denomino a paciente cujo caso vou relatar, não
nos informaria sobre a necessidade de certos pacientes de reter em
seus pulmões o sopro de um ódio destruidor em relação aos que o
cercam? Este ódio visa em sua origem uma mãe deprimida e muda com
a qual, quando bebês, não puderam fazer nem a troca respiratória vital
nem a circulação da palavra, cujo suporte é o ar.
150 Estrutura, funções, superação

Por outro lado, sabe-se que o desencadear do reflexo respirató-


rio no nascimento resulta de massagem global do corpo da criança
pelas contrações uterinas e pelo envelopamento vaginal; a conserva-
ção desse reflexo requer a repetição das estimulações corporais glo-
bais por ocasião da mamada e dos cuidados. A troca respiratória com
o meio físico está sob a dependência da troca tátil com o meio huma-
no. Esta dependência se transforma com a troca sonora que utiliza o
ar como suporte da palavra. Um conceito de “introjeção respirató­
ria” foi desenvolvido, em sentidos diferentes que não vou examinar
aqui, por Otto Fenichel em 1931 e depois pelo kleiniano Clifford
Scott. Sobre a função de autoconservação da respiração se estabele-
ce uma função de comunicação originária, concomitante aos inícios
de constituição do Eu-pele. Citemos um dos resultados obtidos por
Margaret Ribble (1944) através da observação de 600 recém-nas-
cidos: “A respiração de um recém-nascido é muito leve, instável e
insuficiente nas semanas que se sucedem ao nascimento. Ora, a respi-
ração é estimulada automaticamente e de maneira definitiva pela
sucção e pelo contato físico com a mãe. Os bebês que não mamam
vigorosamente não respirarão profundamente e aqueles que não são
suficientemente seguros nos braços, em particular se são alimenta-
dos com mamadeira, apresentam freqüentemente problemas respira-
tórios e distúrbios gastrointestinais. Eles engolem ar e sofrem do que
comumente se chama de cólicas. Têm problemas de eliminação e
podem vomitar”.
Uma revisão detalhada, embora antiga, dos trabalhos dos médi-
cos psicossomáticos e dos psicanalistas sobre os distúrbios respira-
tórios encontra-se no artigo de J.A. Gendrot e RC. Racamier (1951):
"Fonction respiratoire et oralité”. Sem dúvida, por razões de ortodoxia
psicanalítica, esses dois autores enfatizam a ligação entre a regulação
nervosa da respiração e da digestão; eles privilegiam a relação oral
em detrimento das trocas táteis e negligenciam as falhas precoces do
pré-Eu corporal (que eu prefiro chamar de Eu-pele) no estabeleci-
mento dos distúrbios respiratórios. Em troca, distinguem especifica-
mente os distúrbios da absorção e os da expulsão respiratória. Eles
indicam que o bloqueio da expiração está relacionado com um obje-
to ruim interiorizado: “o asmático é condenado a não poder rejeitar
o que ele absorveu agressivamente” (p. 470). Assinalam, em todos
Distúrbios das distinções sensório-motoras de base 151

os casos de retenção respiratória, a necessidade de ficar pleno e angústia


do esvaziamento.
Em sua obra mais teórica que clínica, “Le Stade du respir”, J.L,
Tristani (1978) critica em Freud seu desconhecimento da respiração
em suas elaborações teóricas enquanto as manifestações respiratórias
são bem notadas nas suas observações clínicas (tosse nervosa de Dora;
cena primária entendida ao mesmo tempo como arfar e como “aleita­
mento”1; referência ao choro como primeiro elo inter-humano no
“Esquisse” (1895). Tristani emite várias hipóteses interessantes:
— O respirar faz parte, com a nutrição, das pulsões de
autoconservação, logo das pulsões do Eu sobre as quais se apoiam em
seguida as pulsões sexuais (falta porém em Tristani uma descrição da
mucosa nasal como zona erógena).
— O choramingar está para o respirar, assim como o chupar está
para a oralidade nutritiva.
— O dilema vital: ou eu ou o outro mantém certos distúrbios
respiratórios graves (Tristani cita uma paciente psicótica de F.
Roustang: “Eu tomo o mínimo de ar para não tirá-lo de meus pais. E
necessário que eu sufoque para lhes permitir respirar”).
— Existem dois tipos de confusão entre os sistemas respiratório
e digestivo. A inspiração corresponde à ingestão oral e a expiração à
expulsão anal, mas inspiração e expiração se efetuam pelo mesmo
orifício, que serve alternadamente de entrada e de saída (o funciona-
mento respiratório é circular, do tipo vai-e-vem, enquanto o funciona-
mento digestivo é linear, a entrada e a saída estão em duas extremi-
dades opostas). O primeiro tipo de confusão é o vômito: o sistema
digestivo funciona sobre o modelo respiratório: a boca ingere e de-
pois rejeita os alimentos, como se ela respirasse a alimentação. O
segundo tipo de confusão é a aerofagia: o sistema respiratório funci-
ona sobre o modelo digestivo: ele come o ar, o engole, o digere (daí
os males de estômago, as cólicas). Na verdade, existem dois orifícios
respiratórios, o nariz e a boca: pode-se respirar por um dos dois, ou
fazer o ar circular por um, entrada, e pelo outro, na saída (por exem-
plo, nos fumantes inveterados).

1. Em francês, o arfar “halètement” e o aleitamento “allaitement” tem o mesmo som.


152 Estrutura, funções, superação

Obsevação de Pandora

Pandora me envia uma carta que é um pedido de socorro.


Está desesperada: se a psicanálise nada fizer por ela, está sem
saída. Ela se sente estranha em sua própria vida. Tem muito
medo de seus acessos de tentação suicida. Tem sonhos de
angústia aterrorizantes, onde ela sabe que vai ser assassinada
e nada faz para impedir, onde é violentada, sufocada, afogada.

Na primeira visita, me deparo com uma alta e bela mulher.


Ela examina meu consultório, cercado de estantes de livros,
entulhado de pastas, com pé-direito baixo. Diz que não se
sente cômoda, que “falta volume”, embora haja nesse lugar,
em outro sentido, excesso de volumes: assim ela demonstra
prontamente seu distúrbio de oposição distintiva funda-
mental do vazio e do pleno. Conclui que “isto não vai dar
certo” comigo. Ela sente falta de ar claramente, mas não o
diz. Respondo, através de uma interpretação imediata
bastante longa, que é uma construção: ela revive em meu
consultório seu primeiro encontro decepcionante com uma
pessoa de quem antigamente ela esperou tudo; se ela se sente
comprimida é porque a pessoa que se ocupava dela quando
pequena ou não lhe deixava suficiente campo livre ou
deixava de lado seus desejos, seus pensamentos, suas
angústias; também ela mesma está há muito à procura de
limites dentro dos quais ela poderia se reconhecer e se achar.
Com minhas palavras, sua respiração se relaxa. Ela confirma
minha interpretação: as duas atitudes que descrevi são
verdadeiras; a primeira era de sua avó, a segunda de sua
mãe. No final, ela decide se tratar comigo. Proponho uma
psicoterapia psicanalítica de uma vez por semana com dura-
ção de uma hora, face a face, e ela aceita.

Durante as sessões, Pandora permanece por muito tempo


muda e estática, o olhar desviado, mas sempre verificando
se meus olhos estão lhe fixando e se eu presto atenção a ela.
Se eu relaxo, se me calo, parando de lhe comunicar hipó-
teses sobre o que não vai bem com ela (sonhos de angústia,
Distúrbios das distinções sensório-motoras de base 153

atritos profissionais, fracassos amorosos acontecidos durante


a semana), se não mais a olho e não penso nela, ela se levanta
bruscamente e parte, batendo a porta. Deduzo então que
sua mãe deveria ser indiferente a ela, sem olhar nem falar
com ela. Ela confirma que a mãe a alimentava e cuidava
convenientemente mas com a ajuda de sua própria mãe (a
avó materna de Pandora) e que o resto do tempo esta mãe
não se comunicava com ela, dando-lhe as costas e passando
horas em silêncio no terraço do apartamento, olhando o
vazio. Parecia que o medo atual de Pandora, nos momentos
em que ela é atraída por um forte desejo de se destruir (por
medicamentos, pelo revólver de seu tio, pelo ataque de seus
órgãos sexuais com pedaços de vidro cortante), reproduz
seu terror de que sua mãe a arraste com ela no vazio: “terror
sem nome” como o chama Bion (1967), identificação com
a “mãe morta”, como o precisa André Green (1984, cap. 6)
e busca de uma união com ela numa realização mútua, não
das pulsões de vida, mas do princípio de Nirvana.

Pandora me desafia a compreendê-la e tenta me cercar num


dilema: se me calo, esperando que ela traga material que
me mostre o caminho, é porque sou incapaz de adivinhar o
que é evidente para ela; se falo, ela me critica por estar
sempre desviado do caminho. A aliança de trabalho se
estabelece mesmo assim, à medida que ela adquire a certeza
dupla de que podemos respirar e falar juntos.

Quando Pandora não pode falar em uma sessão, ela me


escreve ou me telefona em seguida para se explicar.
Compreenderei mais tarde que, para ela, o ar transporta as
partes más do Self clivadas e projetadas: ela pode então
escrever mais fácil que falar. Respondo sempre às suas cartas,
seja por carta, seja verbalmente na sessão seguinte. De minha
parte, pouco a pouco, por aproximações e sondagens,
conservo muitas interpretações, com as quais me parece vital
que ela seja envolvida; e deu certo. Logo ela reconhece e,
através de uma lembrança, de um sonho, do relato de uma
decepção recente, ela desfila a série cumulativa dos
154 Estrutura, funções, superação

traumatismos que marcaram sua infância e que a conduziram


a criar um mundo imaginário completamente feliz e a olhar
com ódio o mundo real como se fosse através de um vidro,
com o risco de nele intervir pela provocação ou sarcasmo.
Cada vez mais ela apresenta em sessão momentos de
dificuldades respiratórias.

Os fisiologistas consideram o riso, o soluço e os vômitos


movimentos respiratórios modificados. A observação dos pa-
cientes em psicoterapia confirma a importância dessas
reações como três modalidades diferentes de identificação
respiratória. A cura de Pandora me colocou em presença
das duas primeiras, embora eu suspeite que ela me escondeu
a terceira (os vômitos). Comecemos pelo riso. Freqüente-
mente, no final de uma sessão onde Pandora, com a ajuda
de minhas interpretações, pode superar sucessivamente um
bloqueio respiratório de tipo asmático e um bloqueio da
palavra, ela começa a rir, dizendo, por exemplo, que ela se
sente bem viva, que todos os bloqueios não a impedem de
gozar de seu corpo, de suas amizades, de seus lazeres artísti-
cos, que me deixei impressionar etc. - riso que geralmente
compartilho, no alívio de uma regularidade respiratória reen-
contrada. Trata-se aqui de uma identificação do paciente
com o outro que lhe devolve uma imagem de um funcio-
namento psicofisiológico “natural”; o paciente pode assim
ter confiança na sua própria possibilidade de ter um funcio-
namento natural. Chegamos agora ao soluço.

Durante uma sessão onde conduzi meu trabalho psicanalí-


tico para suas defesas pelo retraimento da comunicação, pela
imobilização muscular, pelo aprisionamento de seus afetos,
Pandora descreve uma cena de conflito com seu pai, relatada
anteriormente de forma sucinta e com indiferença. Faço com
que ela perceba que conta apenas os fatos e não as emoções
que sentiu. De repente, chora, a ponto de soluçar. Ela
reencontra os dois afetos em jogo: a intensa humilhação
que a invadira naquele momento e o sentimento de ser uma
criminosa, devido à moção pulsional parricida que claramente
Distúrbios das distinções sensório-motoras de base 155

se impusera à sua consciência. Esta rememoração afetiva se


acompanha de uma intensificação da transferência. Pandora
me acusa, ao lhe fazer reviver estas emoções insuportáveis, de
maltratá-la, de levá-la a transgredir uma interdição familiar
fundamental: era proibido às crianças chorar. Nada mais
perigoso então do que as associações livres recomendadas pela
psicanálise, pois elas podem levar as pulsões criminais ao ar
livre onde elas poderiam, tal o conteúdo da “caixa” aberta por
Pandora, se espalhar e realizar seus malefícios sobre o meio.
Outros pacientes chegam aos soluços. Na minha experiência,
esta reação está ligada à mobilização da dupla fantasia
segundo a qual a psicanálise pode apenas lhes fazer mal, e o ar
é um meio apropriado para a propagação dos desejos
assassinos.

Pouco a pouco a cura de Pandora evolui. Um processo


psicoterapêutico se instala. Mas as sessões permanecem difí-
ceis. Eis o exemplo de uma “sessão” excepcional tanto pela
sua intensidade dramática como pelo afastamento que tive
que assumir em relação ao quadro psicanalítico clássico. Um
domingo de manhã, Pandora me chama ao telefone de seu
lugar de repouso. Sua voz é quase inaudível. Dissera antes de
partir que ela iniciava uma gravidez, desejada por ela e por
seu marido (os progressos de sua cura lhe possibilitaram o
casamento e a maternidade). Fatigada pelo seu estado, ela
obteve quinze dias de licença de trabalho com a recomendação
de uma estada ao ar livre e ao sol. Ora, desde a véspera, ela
sofria de uma crise de asma que piorava. A angústia
respiratória aumentava com uma angústia em relação à
decisão a tomar: os remédios que ela utilizava eram, nesse
caso, desaconselhados por constituírem um risco para a saúde
e mesmo para a vida do bebê; e se ela não os tomasse, sua
própria vida estaria ameaçada; ela sufocava. O médico a
deixara nesse dilema, porém pressionando-a a se hospitalizar
e indo ao ponto de lhe propor uma interrupção da gravidez.
Ela estava desesperada. Tive que fazê-la repetir as frases pois
mal a compreendia. Interpretava a estrutura do dilema: “ou a
156 Estrutura, funções, superação

mãe, ou a criança”, “ou ela sobrevive e a outra morre, ou a


outra vive e ela morre”, como remontando à sua relação de
criança com a mãe: “Se eu vivo, provoco a morte de minha
mãe”. Pandora retifica: “Era o contrário. Durante anos, fiz
voto de desaparecer em lugar da minha mãe que falava
constantemente em morrer. Eu pensava que, se havia alguém
que devia morrer, era eu e que eu tinha que morrer para que
ela pudesse viver”. Assim, não respirar era deixar o ar para
sua mãe. Estávamos tendo uma sessão por telefone. Eu lhe
comunico isto, indicando que me encontro disponível para
ela (ao contrário de sua mãe, que não o era). Lembrando-me
de quanto seu próprio nascimento foi difícil, e relacionando
com o futuro nascimento de seu bebê, comunico-lhe a
hipótese de uma compulsão a repetir, enquanto mãe em
relação a esta criança desejada, a resistência de sua mãe em
colocar no mundo uma criança que ela não desejava. Pandora
responde: “É verdade. À noite, penso que não chegarei mesmo
a fazer tão bem quanto minha mãe e que serei incapaz de dar
à luz a uma criança”. Eu a convido então para me relatar
detalhadamente o que ela sabe de seu nascimento. Ela se
declara incapaz de poder falar mais longamente. Encorajando-
a, eu a faço ver que, logo após me falar de sua incapacidade
de gestação em relação a sua mãe, ela me declara sua
incapacidade de comunicação em relação a mim. Pandora,
com uma voz mais audível, diz: “Eu vou tentar”.

Ela começa um relato circunstancial, contrário a seus hábi-


tos, e me dá detalhes novos sobre esse acontecimento até
então abordado obscuramente por ela. Ela nasceu com nó
de cordão e temeu-se por ela, pois estava se tomando arro-
xeada e foi necessário multiplicar as sacudidas bruscas e as
palmadas para fazê-la respirar. Este relato é na verdade um
diálogo onde rebato cada uma de suas frases e onde a persigo
com sacudidelas e estimulações, que constituem os equiva-
lentes verbais das estimulações táteis que lhe fizeram preco-
cemente falta (mas não lhe comunico essa ligação). Faço-a
ver que seu aparelho respiratório só precisava, para funcio-
Distúrbios das distinções sensório-motoras de base 157

nar, da impulsão adequada, e que o fato de ela ter sobrevivido


é prova de que da sempre foi e é capaz de respirar, agora
como antigamente.

A medida que nossa conversa progride, eu me tranqüilizo


(seria preciso dizer que seu telefonema me inquietara forte-
mente?) e sinto que ela também se tranquiliza. Faço uma
análise, continuando a desenrolar em voz alta o fio das inter-
pretações, e eu fantasio que sou uma mãe que coloca no
mundo seu bebê menina e que lhe dá o ar para respirar.

Depois de uma hora, pergunto a Pandora como está sua


respiração (“Eu respiro melhor”), se podemos parar (“Sim”)
e o que ela vai fazer (“Acabo de tomar minha decisão. Por
prudência, eu vou me hospitalizar, mas não tomarei remédios
que poderíam fazer mal a meu bebê”).

Sua gravidez passa ainda por dois ou três episódios agudos


quando Pandora acreditou não poder levá-la a termo, mas
eu dispunha de elementos suficientes para retomar,
desenvolver e completar minhas interpretações nos seguin-
tes sentidos: ela obedecia à maldição materna que lhe proibia
de ser mulher e mãe; ela cometia um crime de lesa-majestade
querendo igualar-se à mãe e lhe roubar a fecundidade; ela
tinha medo de ser abandonada sem proteção, ao impulso de
rejeitar sua criança como sua mãe tivera a impulsão de
rejeitá-la, ela criança. Esses episódios persecutórios eram
desencadeados por sonhos dos quais logo pressenti a
existência, solicitando o relato e interpretando o conteúdo.

O parto foi facil. Pandora viveu com seu bebê, que ela ama-
mentava, uma verdadeira lua-de-mel entremeada por bruscas
tempestades que lhe anunciavam catástrofes ainda piores e
que a perseverança no trabalho psicoterapêutico permite
sempre dissipar. Acessos de asma se reproduziram igualmente,
menos intensos e menos graves pelo que eles representavam.
Eu já dispunha em relação a eles de uma grade interpretativa.
A transferência evoluiu da desconfiança paranóica e do
158 Estrutura, funções, superação

retraimento esquizóide para uma sedução meio-narcísica,


meio edipiana e para o estabelecimento progressivo e
contrastante de um amor de transferência visando através de
mim a imagem paterna.

Esse fragmento de cura ilustra um ponto de psicogênese: a insu-


ficiência do investimento libidinal e narcísico do recém-nascido pela
mãe, quando ele se traduz por uma recusa dos contatos físicos, o
predispõe a distúrbios respiratórios: o sistema respiratório não foi
suficientemente estimulado no nascimento e durante as primeiras
semanas, por excitações da pele do bebê. A observação de Pandora
ilustra igualmente um ponto de técnica. O psicanalista se abstém de
tocar seus pacientes e de se deixar tocar fisicamente por eles2, com
exceção do aperto de mãos tradicional. Mas ele deve encontrar pala-
vras que sejam equivalentes simbólicos do tocar e que exerçam as
funções do Eu corporal e do Eu psíquico que não receberam no pas-
sado as estimulações suficientes a seus desenvolvimentos. Esse
restabelecimento, sob forma simbólica, da comunicação tátil primá-
ria permite ao paciente reencontrar a confiança na possível existên-
cia de uma comunicação, não com todo o mundo, o que seria uma
ilusão de onipotência e de intercomunicabilidade, mas com
interlocutores cuidadosamente escolhidos e solicitados convenien-
temente. Na verdade, a compulsão de repetição conduz frequente-
mente os indivíduos frágeis a se apegar a parceiros que reproduzam,
em respeito a eles, as carências, os traumatismos, os paradoxos exer-
cidos pelo primeiro ambiente, e que prorrogam assim as situações
primitivamente patogênicas. Cabe ao psicanalista desenvolver no
paciente uma consciência suficiente de si e dos outros para que ele
saiba buscar, encontrar e conservar, fora da análise, os protagonistas
capazes de satisfazer suas necessidades corporais e seus desejos psí-
quicos, sem preencher as falhas narcísicas nem fornecer um objeto
real de amor. A saúde mental, dizia Bowlby, é escolher viver com
pessoas que não nos tornem doentes...

2. Em certos casos-limite, um mínimo de tocar pode ser excepcionalmente admitido a título


transitório, para reconstruir o apoio do Eu sobre a pele, o paciente apoiando, por exemplo,
sua cabeça sobre o ombro do psicanalista durante um instante no momento de partir (cf. a cura
da Sra. Oggi descrita por R. Kaspi, 1979).
9
Alterações da estrutura do
Eu-Pele nas personalidades
narcísicas e nos estados-limite

Diferença estrutural entre personalidade


narcísica e estado-limite
Uma dificuldade encontrada pela nosologia, pela clínica e pela
técnica psicanalíticas desde os anos sessenta concerne a oportuni-
dade de diferenciar ou não os “distúrbios narcísicos da personalida-
de” (mais ou menos confundidos com as “neuroses de caráter”) dos
“estados-limite” (às vezes confundidos com as organizações “pré-
psicóticas”). Nos Estados Unidos, o debate foi acirrado entre Kohut
(1971) e Kernberg (1975), respectivamente partidário e adversário
dessa distinção.
Resumindo, o debate parece ser o seguinte 1. Os estados-limite
estão expostos a regressões análogas aos episódios psicóticos transi-
tórios cuja recuperação, sempre possível, mas frequentemente difí-
cil, requer o encontro na vida e/ou nas sessões psicanalíticas de um
Eu auxiliar. Esse último mantém um exercício normal das funções psí-

1. Na França, um relato detalhado do debate se encontra nas duas obras de Bergeret (1974,
pp. 52-59 e pp. 76; 1975, pp. 283-285). Bergeret é mais próximo de Kohut do que de Kernberg.
Ele mostra que um estado-limite não pode ser considerado como uma “neurose” (mesmo
narcísica) e que o nível de carência narcísica vai aumentando da personalidade narcísica ao estado-
litnite, e até a organização pré-psicótica (esta última encobrindo de fato uma estrutura psicótica não
ainda descompensada). Para Bergeret, a verdadeira doença do narcisismo primário é a psicose; a
verdadeira doença do narcisismo secundário (relacional) é o estado-limite; a neurose compreende
certamente deficiências narcísicas, mas ela não é em si uma “doença do narcisismo”. Agradeço
Jacques Palaci pela ajuda em esclarecer essas questões.
160 Estrutura, funções , superação

quicas perturbadas ou mesmo momentaneamente destruídas pelos


ataques inconscientes originados das próprias partes iradas do paciente,
mas que ele considera estranhas a seu Self. O sentimento da
continuidade do Self é, nos estados-Iimite, facilmente perdido.
Os distúrbios narcísicos da personalidade afetam um sentimento
mais evoluído, o da coesão do Self. Este se relaciona com um desen-
volvimento insuficiente do Self. Para Kernberg, o Self provém da
interiorização das relações precoces de objeto. Para Kohut, ele resulta
das vicissitudes internas do narcisismo, que segue uma linha de evolu-
ção relativamente separada daquela da relação de objeto e que passa
por uma estrutura particular, a das relações com “Self-objetos”, onde a
diferenciação do Self e do objeto é insuficiente; essas relações são
investidas narcisicamente (enquanto as relações de objeto são investidas
libidinalmente); elas são analisáveis graças ao reconhecimento dos dois
tipos de transferência especificamente narcísica, a transferência em
espelho e a transferência idealizante. Esses pacientes que sofrem de
distúrbios narcísicos conservam um funcionamento psíquico relativa-
mente autônomo, com as capacidades - perdidas nos momentos de
feridas narcísicas, mas recuperáveis, sobretudo se o outro demonstra
empatia a respeito deles - de tolerar um atraso na satisfação do desejo,
de suportar a dor moral, de se identificar ao objeto.
Kernberg, ao contrário, distingue uma grande variedade de esta-
dos-limite, de acordo com a seriedade da patologia do caráter. Esses
diversos graus de estados-limite comportam ainda distúrbios narcísicos
associados e variados, que vão do narcisismo normal até a personalida-
de narcísica, às neuroses narcísicas de caráter e às estruturas narcísicas
patológicas definidas pelo investimento libidinal de um Self patológi-
co, por exemplo, o Self grandioso, fusão do Self ideal com o objeto
ideal e com as imagens atuais do Self. A função do Self grandioso é
defensiva contra as imagens arcaicas de uma fragmentação interna de
um Self destruidor e de um objeto persecutório em jogo nas relações
de objetos precoces, investidas libidinal e agressivamente.
A perspectiva topográfica na qual se inscreve meu conceito do Eu-
pele poderia trazer um argumento suplementar para distinguir as
personalidades narcísicas dos estados-Iimite. O Eu-pele “normal” não
envolve a totalidade do aparelho psíquico e apresenta uma dupla face,
externa e interna, com uma separação entre essas duas faces que deixa
Alterações da Estrutura do Eu-pele nas personalidades narcísicas ... 161

lugar livre para um certo jogo. Essa limitação e essa separação tendem
a desaparecer nas personalidades narcísicas. O paciente tem necessi-
dade de se bastar com seu próprio envelope psíquico, e não conservar
com o outro uma pele comum que marca e provoca sua dependência
em relação ao outro. Mas ele não possui totalmente os meios de sua
ambição: seu Eu-pele, que começou a se estruturar, é frágil. É preciso
reforçá-lo. Para tal, duas operações. Uma consiste em abolir a separa-
ção entre as duas faces do Eu-pele, entre as estimulações externas e a
excitação interna, entre a imagem que ele dá de si e aquela que lhe é
devolvida; seu envelope se solidifica tornando-se um centro, e mesmo
um duplo centro de interesse: para ele mesmo e para os outros, e ele
tende a envolver a totalidade do psiquismo. Assim estendido e solidi-
ficado, este envelope lhe traz certezas, mas carece de flexibilidade, e o
menor ferimento narcísico o rompe. A outra operação visa duplicar
exteriormente esse Eu-pele pessoal assim cimentado com uma pele
maternal simbólica análoga à égide de Zeus ou a esses ouropéis ofus-
cantes com os quais as jovens manequins se cobrem, muitas vezes
anoréxicas, cujo esplendor as renarcisa provisoriamente, em face de
uma ameaça inconsciente de desagregação do continente psíquico.
Na fantasia narcísica, a mãe não conserva a pele comum com a crian-
ça; ela lhe dá, e a criança a veste triunfante; essa generosa dádiva
materna (ela se despoja de sua pele para lhe assegurar proteção e força
na vida) possui uma potencialidade benéfica: a criança se imagina cha-
mada a um destino heróico (o que pode efetivamente levá-la a tal).
Este envelope duplo (o seu próprio unido ao de sua mãe) é brilhante,
ideal; ele abastece a personalidade narcísica com ilusão de
invulnerabilidade e imortalidade. O duplo envelope é representado
no aparelho psíquico pelo fenômeno - que vou ilustrar - da “parede
dupla”. Na fantasia masoquista, a mãe cruel apenas finge dar sua pele
à criança. É um presente envenenado, cuja intenção, maléfica, é de
retomar o Eu-pele singular da criança que será colado a esta pele, ar-
rancando-a dolorosamente do interessado para restabelecer a fantasia
de uma pele comum com ele. Isto com a decorrente dependência, com
o amor reencontrado à custa da independência perdida e, em
contrapartida aos ferimentos morais e psíquicos consentidos.
Nas personalidades narcisícas, graças à organização do Eu-pele em
parede dupla, a relação continente-conteúdo está preservada, o
162 Estrutura, funções, superação

Eu psíquico permanece integrado no Eu corporal. A atividade do


pensamento,e mesmo do trabalho psíquico criador, permanece possível.
Por outro lado, nos estados-limite, o ataque não se limita à peri-
feria; é a estrutura do conjunto do Eu-pele que é alterada. As duas
faces do Eu-pele são uma, e esta face única é torcida conforme o anel
descrito pelo matemático Moebius; foi Lacan2 o primeiro a comparar
o Eu com o anel de Moebius: daí os distúrbios da distinção entre o
que vem de dentro e o que vem de fora. Uma parte do sistema per-
cepção-consciência, normalmente localizada na interface entre o
mundo exterior e a realidade interna, é deslocada deste local e colo-
cada em posição de observadora externa (o paciente estado-limite
assiste de fora ao funcionamento do seu corpo e de seu espírito, como
espectador desinteressado de sua própria vida). Mas a parte do sistema
percepção-consciência que subsiste como interface assegura ao
indivíduo uma adaptação suficiente à realidade para que ele não seja
psicótico. A produção fantasmática e sua circulação no ambiente
próximo ficam diminuídas. Quanto aos afetos que constituem o nú-
cleo existencial da pessoa, a dificuldade de os conter (devido ao ca-
ráter distorcido do Eu-pele) os faz emigrar do centro para a periferia
onde eles vêm ocupar cada um dos lugares deixados livre, pela trans-
ferência para fora, de uma parte do sistema percepção-consciência e
onde, inconscientes, eles se encistam e se fragmentam em pedaços
de Self escondido cujo retorno brusco à consciência é temido como
uma aparição de fantasmas. Daí um segundo paradoxo obedecendo
à mesma estrutura em anel de Moebius: o de fora se torna o de den-
tro, que se torna o de fora, e assim sucessivamente, o conteúdo mal
contido se torna um continente, que contém mal. Enfim, o lugar
central do Self, abandonado por esses afetos primários muito violen-
tos (desamparo, terror, ódio), se torna um lugar vazio e a angústia
desse vazio interior central constitui a queixa essencial desses paci-
entes, a menos que consigam preencher esse vazio com a presença
imaginária de um objeto ou de um ser ideal (uma causa, um mestre,
um amor-paixão impossível, uma ideologia etc.).

2. Para Lacan, o Eu tem normalmente esta estrutura, que o perverte e o aliena. De acordo com
minha experiência, esta configuração em anel de Moebius é específica dos estados-limite.
Alterações da Estrutura do Eu-pele nas personalidades narcísicas ... 163

Um exemplo literário de
personalidade narcísica
Como ilustração da personalidade narcísica, tomarei uma alego-
ria literária, e não um caso clínico, formada pela novela “L’Invention
de Morei” (1940), de um escritor argentino, amigo e colaborador de
Borges, Bioy Casares3. O narrador, refugiado numa ilha deserta, es-
creve no seu diário o que ele escutou dizer: “Ela é o santuário de uma
doença, ainda misteriosa, que mata da superfície para o interior. As
unhas e os cabelos caem, a pele e a camada córnea morrem, depois o
corpo, em torno de oito a quinze dias. Os membros da tripulação de
um navio que tinha ancorado na frente da ilha estavam esfolados,
carecas, sem unhas - todos mortos quando o cruzador japonês Namura
os encontrou” (p. 12). Esta doença de envelope corporal alcança por
fim - em todos os sentidos desse termo - o narrador. Ele a documen-
ta na penúltima página de seu diário: “Eu perco a visão. O tato me é
impraticável; minha pele cai; as sensações são ambíguas, dolorosas;
eu me esforço para evitá-las. Diante do anteparo de espelhos, cons-
tatei que estou glabro, careca, sem unhas, ligeiramente rosado” (p.
120). A corrosão se efetua em dois tempos: primeiro, epidérmica, em
seguida ela afeta a derme.
Isto confirma minha idéia da existência de uma dupla pele psí-
quica - uma pele externa, e outra interna, cujas relações vão ser
esclarecidas no decorrer do texto. Este ataque cada vez mais profun-
do sobre a pele fornece o “leitmotiv” em tomo do qual a novela de
Bioy Casares compõe uma série de variações. Primeira variação: víti-
ma de um erro judiciário, o narrador escapou da detenção procuran-
do refúgio nesta pequena ilha abandonada, que lhe serve então de
prisão perpétua. Ele se apresenta como um perseguido, como um
esfolado vivo permanente. As frustrações e os traumatismos que se
acumulam sobre ele nesse lugar inóspito se apropriam sem cessar de
seu frágil Eu-pele. A própria ilha, segunda variação, é descrita como
uma fracassada pele simbólica que falha no envolver, no conter, no
proteger seu habitante: as marés o submergem, os pântanos o engo-
3. As referências dizem respeito à reedição na coleção 10/18 (U.G.E., 1976) da tradução
francesa de “L’Invention de Morel”, editada primeiramente por Robert Laffont em 1973.
164 Estrutura, funções, superação

lem, os mosquitos o exasperam, as árvores apodrecem, a piscina pu-


lula de víboras, de batráquios, de insetos aquáticos, a vegetação se
destrói por sua própria profusão, os alimentos, encontrados no que
ele chama o museu (que na realidade era um hotel), estão estraga-
dos. Um terceiro desdobramento desta decomposição cutânea, que
ameaça progressivamente a vida no interior do corpo e do espírito,
toma uma forma filosófico-teológica. O problema que ocupa os pensa-
mentos do narrador, quando não são absorvidos com a luta pela so-
brevivência imediata, é de uma sobrevida eterna: A consciência, que
é a vida interior do corpo, pode subsistir depois da morte, sem uma
sobrevida ao menos parcial da superfície desse corpo? Como limitar
a decomposição da consciência?
Este ataque do Eu-pele externo e depois do Eu-pele interno é
relacionado, na novela de Bioy Casares, com uma experiência de
inquietante familiaridade, um erro da percepção e um distúrbio da
crença do narrador. Este acreditava estar a salvo na ilha deserta. Desde
a primeira página de seu diário, e é por isso que ele se decide a ter um
diário, ele passa de surpresas a temores. A ilha ecoava de repente
velhas ladainhas emitidas por um fonógrafo invisível. O “museu” se
povoa de serviçais e de veranistas insólitos e esnobes vestidos à moda
de vinte anos atrás. A piscina aparentemente inutilizável se anima
com suas brincadeiras. A parte alta da ilha é percorrida em seus pas-
seios. Escondendo-se deles, ele escuta e observa pedaços de suas
conversações. Esses homens e mulheres, que aí se comportam com
naturalidade e segurança, contrastam com esta ilha inóspita ao
narrador e suas estranhas construções. Seu primeiro temor é de ser
percebido por eles, capturado e denunciado à justiça. Mas aparente-
mente ninguém se preocupa com isso. Uma inquietude bem mais
profunda o toma: apesar de seus disparates, que deveríam fazê-lo
notado, apesar de suas tentativas de entrar em contato com uma
mulher com jeito boêmio apartada do grupo e por quem ele se ena-
mora, essas aparições, ainda que vivas na realidade, apenas testemu-
nham indiferença em relação a ele. “Seu olhar passava através de
mim, como se eu fosse invisível” (p. 32). Quanto mais eles se torna­
vam familiares, mais lhe eram estranhos. Ele acredita na existência
deles. Mas esses “fantasmas” não acreditam na sua existência, a pon­
to de ele temer se sentir acuado ao crime ou à loucura.
Alterações da Estrutura do Eu-pele nas personalidades narcísicas ... 165

O narrador acaba por compreender que essa perturbação da cren-


ça é sua. “Parece agora que a situação verdadeira não é aquela des­
crita nas páginas precedentes; a situação que eu vivo não é aquela
que eu creio viver” (p. 68). Ele assiste, na realidade, a uma cena
onde, na véspera de reembarcar, Morel explica aos outros sua inven-
ção. Morel os filmou e os gravou, sem o conhecimento deles, nesta
ilha onde colocou três tipos de aparelhos, para captar as suas ima-
gens, para as conservar, para as projetar, - não somente suas imagens
visuais e auditivas, como acontece no cinema ou na televisão, mas
também suas imagens táteis, térmicas, olfativas e gustativas. Se, como
pretendem os filósofos empiristas ingleses, a consciência é apenas a
soma de nossas sensações (postulado que me parece pressuposto no
raciocínio de Morel), essas imagens que reproduzirão a totalidade
sensorial de um indivíduo adquirirão uma alma. Não somente o
expectador que assistirá a projeção delas sentirá o indivíduo em ques-
tão como real, mas os atores assim filmados se sentirão mutuamente
vivos e conscientes durante essas projeções. Morel, a mulher que ele
amou em vão e os companheiros da semana passada na ilha viverão
assim até a eternidade. Cada grande maré recarregará os motores
abrigados nos subterrâneos do museu e desencadeará a projeção do
filme da permanência em dimensões naturais. Assim, as aparições
que tanto inquietaram o narrador eram apenas imagens, fantasmas
de seres reais, as assombrações de pessoas que existiram sem dúvida
na época de sua infância, há vinte anos, os ídolos4. A invenção de
Morel é duplamente alegórica. Alegoria literária: um romance não é
também uma máquina de fabricar personagens, dotando-os de quali-
dades sensíveis tais que o leitor os toma por seres vivos? Alegoria
metapsicológica: a máquina de Morel com seus três tipos de apare-
lhos para a percepção, para a gravação e para a projeção é uma vari-
ante metafórica do aparelho psíquico freudiano: o sistema percepção-
consciência é desdobrado, a gravação corresponde ao pré-consciente e
o inconsciente é... esquecido. Em oposição à pele humana frágil,
corrosível, perfurada, a máquina de Morel representa a utopia de uma

4. Os antigos gregos explicavam a visão dos objetos pelo fato de uma película invisível se
destacar deles e transportar sua forma ate o olho, que assim recebia a impressão. O ídolo (do
verbo idein, ver) é esse duplo imaterial do objeto que permite vê-lo.
166 Estrutura, funções, superação

pele incorruptível. Fascinado pela idealidade desta película, o


narrador de Eu-pele tão frágil prefere adorar seus ídolos - o que se
chama propriamente idolatria - a amar seres reais.
A máquina de Morel filmou Morel e seus companheiros durante
uma semana da qual ela reprojetará indefinidamente os episódios.
Mas para transferidos a suas imagens projetadas, esta gravação toma
das pessoas reais suas características vivas e conscientes. “Lembrei-
me que o horror de certos povos em ser representados em imagens se
baseia na crença segundo a qual, quando a imagem de uma pessoa se
forma, sua alma passa para a imagem, e a pessoa morre: (...) a hipóte-
se que as imagens possuem uma alma parece exigir como base que os
emissores a percam no momento em que são captados pelos apare-
lhos” (pp. 111-112). Por “imprudência” diz ele (p. 110), mas ainda mais
por uma necessidade lógica inerente à sua crença, o narrador procede a
uma investigação sobre si mesmo.
Coloca sua mão esquerda na frente do aparelho gravador, e sua
mão real pouco depois se descarna, enquanto a imagem de sua mão
intacta se conserva nos arquivos do museu onde ele vai ocasional-
mente projetá-la. Ele compreende, assim, como Morel e seus amigos
morreram: por terem sido gravados eternamente. O cinismo de Morel
fez com que fosse o único de seu grupo a sabê-lo e a querê-lo: “Lá está
uma monstruosidade que parece bem em harmonia com o homem
que, perseguindo sua idéia, organiza uma morte coletiva e decide por
sua própria conta tornar todos seus amigos solidários” (p. 112). O que
não me surpreende é que a ilusão de imortalidade seja acompanhada
por uma ilusão grupal: graças à invenção de Morel, “o homem elegerá
um local retirado e agradável, reunirá ao seu redor as pessoas que mais
ama e se perpetuará no seio de um paraíso íntimo. O mesmo jardim, se
as cenas a serem perpetuadas são tomadas em momentos diferentes,
abrigará um grande número de paraísos individuais, os quais as socie-
dades, ignorando-se entre si, preencherão simultaneamente suas fun-
ções, sem atritos, quase nos mesmos lugares” (pp. 97-98).
O narrador - que é um dublê de Morel - leva a lógica de sua inven-
ção e desta ilusão até seu extremo. Ele está enamorado de uma Faustina
imortal mas que não pode mais percebê-lo. Então, com grandes
esforços, ele aprende a dominar o funcionamento da máquina. Ele
projeta as cenas onde Faustina está presente e as grava interca-
Alterações da Estrutura do Eu-pele nas personalidades narcísicas ... 167

lando-se com elas como se ele a acompanhasse e mantivesse com ela


um diálogo amoroso. Ele só poderá morrer, e sua pele já começa a
cair. Mas ele introduz na máquina de projeção, em lugar da antiga,
esta nova gravação que será a partir de então projetada eternamente.
Seu diário e sua vida se interrompem no desejo de que alguém in-
vente uma máquina mais aperfeiçoada que o fará entrar na consci-
ência de Faustina - uma máquina que terminará de suprimir toda
diferença entre a percepção e a fantasia, entre a representação de
origem externa e a representação de origem interna.

A fantasia de uma parede dupla


Ilusão de imortalidade, ilusão grupal, ilusão amorosa, ilusão de
realidade das personagens romanescas: nós estamos bem dentro da
problemática narcísica. E a necessidade de superinvestir assim o en-
velope narcísico aparece como a contrapartida defensiva de uma fan-
tasia de pele descarnada: perante um perigo permanente de ataques
externos-internos, é preciso redourar o brasão de um Eu-pele mal
aparelhado em suas funções de pára-excitação e de continente psíqui-
co. A solução topográfica consiste então em abolir a separação entre
as duas faces, externa e interna, do Eu-pele e em imaginar a interface
como uma parede dupla. Enquanto esta solução permanecer “imagi­
nária” no sentido forte (isto é, produtora de uma imagem de si enga­
nosa mas tranqüilizadora), o paciente se inscreve no registro da neu-
rose, mas, se esta solução consiste em uma transformação real do Eu-
pele, é o autismo, ou o mutismo psicogênico, como Annie Anzieu,
em “De la chair au verbe” (1978, p. 129), tentou explicar: “O envelo­
pe cutâneo externo do corpo está realmente ‘perfurado’ pelos órgãos
dos sentidos, pelo ânus e pelo orifício uretral. Pode-se fazer a hipóte-
se de que a sensibilidade desses orifícios, orientada para o exterior do
corpo pelo objeto que passa por eles, provoca no bebê uma confusão:
o contato interno do corpo e de seu conteúdo contra a parede cutânea
que lhe dá seus limites não é diferenciado do contato cutâneo exter-
no contra os objetos ambientais. O que equivale a dizer que a crian-
ça é penetrada pelas imagens visuais,pelos sons, pelos odores, tornando-
168 Estrutura, funções, superação

se o continente e o lugar de passagem como acontece com as fezes, com


a urina, com o leite ou com seu próprio choro. O envelope interno
pode assim ser atacado e perfurado pelas percepções-objetos. Algumas
situações de angústia transformam esse fenômeno fantasmático em uma
perseguição permanente, que violenta e agita o interior corporal do
bebê, e contra o que se toma necessário fechar de qualquer maneira
todos os orifícios controláveis”.
Ora, é curioso constatar que o narrador de “L’Invention de Morel",
por um defeito de diferenciação da superfície externa e da superfície
interna, vive uma ilusão de parede dupla. Conseguindo localizar, gra-
ças a um respiradouro, o subterrâneo das máquinas, hermeticamente
fechado, ele pode penetrá-lo por uma brecha cavada com golpes de
barra de ferro. Mais do que pela visão das máquinas paradas, “ele
ficou maravilhado e admirado: as paredes, o teto, o chão eram de
porcelana azulada e tudo, até mesmo o ar (...), possuía esta
diafaneidade celeste e profunda que se encontra na espuma das ca-
taratas” (p. 20). Uma vez descoberta qual a intenção de Morel, ele
retorna às máquinas para tentar compreendê-las e dominar seu fun-
cionamento. Quando elas entram em funcionamento, ele as examina:
em vão, seu mecanismo lhe é inacessível. Ele olha em volta pela sala
e se sente subitamente desorientado. “Eu procurava a fenda que fize-
ra. Ela não mais existia (...). Dei um passo de lado para ver se a ilusão
persistia (...). Toquei todas as paredes. Juntei os pedaços de porcela-
na, de tijolo que eu derrubara quando da abertura. Toquei a muralha
no mesmo lugar por muito tempo. Fui obrigado a admitir que ela se
reconstruira” (pp. 103-104). Ele se utiliza novamente da barra de
ferro, mas os pedaços de parede que se soltavam logo se reconstituem.
“Em uma visão tão lúcida que parecia efêmera e sobrenatural, meus
olhos reencontraram a continuidade celeste da porcelana, a parede
ilesa e inteira, a peça fechada" (p. 105). Não há saída possível, ele se
sente acuado, vítima de um encantamento, ele se perturba. Então
ele compreende: “Essas paredes (...) são projeções das máquinas.
Coincidem com as paredes construídas pelos pedreiros (são as mes-
mas paredes gravadas pelas máquinas, e projetadas sobre elas mes-
mas), No lugar onde eu quebrei ou suprimi a primeira parede, per-
manece a parede projetada. Como se trata de uma projeção, nenhum
poder é capaz de atravessá-la ou suprimi-la (enquanto os motores
Alterações da Estrutura do Eu-pele nas personalidades narcísicas ... 169

funcionais) (...). Morel deve ter imaginado esta proteção em parede


dupla para que ninguém pudesse chegar às máquinas que mantêm
sua imortalidade” (p. 106).
Para um estudo mais profundo do envelope narcísico e seu papel
no aviador, no herói, no criador, recomendo ao leitor o trabalho de
André Missenard (1979) “Narcissisme et rupture”.

Distúrbios da crença e estado-limite


A crença é uma necessidade humana vital. Não se pode viver
sem acreditar que se vive. Não se pode perceber o mundo exterior
sem acreditar em sua realidade. Não se é uma pessoa se não se crê na
identidade e na continuidade de si. Não se permanece em estado de
vigília sem acreditar que se está acordado. Naturalmente estas cren-
ças, que nos fazem aderir a nosso ser e nos permitem habitar nossa
vida, não são conhecimentos. Quando são examinadas sob o ângulo
do verdadeiro e do falso, elas aparecem contestáveis e a filosofia, a
literatura, as religiões, a ciência psicológica não se saíram bem nem
para justificá-las, nem para mostrar sua inutilidade.
O ser humano que possui essas crenças tem certamente que
colocá-las em dúvida. Mas aquele que não as possui deve adquiri-las
para se sentir “ser”, e bem. Sem elas, ele sofre e lamenta sua falta. A
clínica, não mais das personalidades narcísicas, mas dos estados-li-
mite, das depressões, de certas desorganizações psicossomáticas (isto
é, de estados marcados pela ausência frequente ou durável do conti-
nente psíquico), é ilustrativa desse fato. Um dos dados teóricos que
permite compreender essa falta de crença foi fornecido por Winnicott
(1969). O Eu psíquico se desenvolve por apoio mas também por di-
ferenciação e clivagem a partir do Eu corporal. Existe no ser humano
uma tendência para a integração, para “realizar uma unidade da psi­
que e do soma, identidade baseada sobre a experiência vivida entre o
espírito ou psique e a totalidade do funcionamento psíquico”. Esta
tendência, latente desde o início do desenvolvimento do bebê, é
fortalecida ou contrariada pela interação com o meio. A um estado
primário não integrado no bebê sucede uma integração: a psique se
170 Estrutura, funções, separação

acomoda então no soma, desfrutando de uma unidade psicossomática


que corresponde ao que Winnicott chama o Self. Acrescentemos
nesse momento a instauração no pequenino da crença tripla em sua
existência contínua, em sua identidade consciente e no funciona-
mento natural de seu corpo. Esta crença, que fundamenta o prazer
primeiro de viver, obedece ao princípio do prazer. Mas uma das ca-
racterística desse princípio é que a tendência para evitar o desprazer
se toma mais forte (como demonstrou Bion) que a procura do prazer
em certas condições: de fraqueza da bagagem inata, de ambiente in-
suficientemente bom, de traumatismos precoces excessivos ou cu-
mulativos. O indivíduo institui então uma dissociação defensiva con-
tra a dor da impotência, da frustração ou do desamparo, com o risco
de ter suas crenças de base alteradas e de perder total ou parcialmen-
te seu prazer primeiro de viver. Assim, segundo Winnicott, a
dissociação psicossomática é no adulto um fenômeno regressivo que
utiliza os resíduos de clivagem precoce entre psique e soma. A
clivagem do psíquico e do somático protege contra o perigo de destrui-
ção total que representaria para o doente psicossomático a crença de
ser uma pessoa unificada integrando o corpo e a vida mental, pois, se
um desses dois aspectos fosse atacado, a integralidade de sua pessoa
seria então destruída. A clivagem representa o fogo, sacrificando um
aspecto para preservar o outro. Se esta defesa, num primeiro tempo,
é suficientemente respeitada pelos atendentes, o doente psicos-
somático poderá se sentir suficientemente tranquilizado em seu in-
terior para que nele a tendência à integração emerja e opere. Onde,
em consequência dessa clivagem, a crença vem a faltar, a angústia do
vazio se instala.

Observação de Sebastiana
Sebastiana, diferente da personalidade narcísica descrita na no-
vela de Bioy Casares, constitui uma organização-limite, que uma se-
gunda análise face a face comigo pode melhorar, depois de uma infe-
liz primeira análise prolongada, conduzida por um “psicanalista” po­
bre em interpretações e adepto de sessões muito curtas. Ela se apre-
sentou num estado de depressão importante, provocada por esta cura
que ela acaba de interromper e redobrada pela desidealização brutal
Alterações da Estrutura do Eu-pele nas personalidades narcísicas ... 171

de seu psicanalista. Eis os extratos de sua última sessão antes da te-


mida interrupção das férias, que aumenta sua angústia de uma rup-
tura na continuidade do Self.

“Alguma coisa se passa, começa e... pluf! Justo quando eu


começo a acreditar nisso e como por acaso, as férias... A
questão se coloca também a propósito de ‘justo quando eu
começo a acreditar nisso’ precisamente no momento das
férias. Eu tenho medo. Com quem eu estou falando? O que
se passa? O que vão fazer comigo? A última vez quando
você me falou sobre este episódio de minha infância (tratava-
se de jogos sexuais angustiantes aos quais ela se submetia
por parte de um meio-irmão mais velho, onde ela se abstinha
de sentir prazer e se ausentava de seu corpo), eu tive a
impressão de uma enorme mentira. Você me fazia dizer
alguma coisa que eu não sabia, onde eu não estava (eu tinha
evocado sua vertigem diante de sensações que ela devia
então sentir nascer nela). E, no entanto, há pior. Dizendo-
lhe aquilo, eu o digo sem o dizer, eu me detesto, eu detesto
você. Eu estou cheia (...). Por que eu permaneço? Por
necessidade sem dúvida de que você esteja em outro lugar
onde eu projeto você com força nesse momento. Para poder
falar com você mesmo assim. Para que você me responda
mesmo assim e que eu possa viver.”

Seus sentimentos de culpa são superficiais, sua vergonha é pro-


funda, ligada a um Eu-pele que não preenche suficientemente sua
função de pára-excitação e por cujas falhas as sensações, as emoções
e as pulsões que ela gostaria de esconder correm o risco de se tornar
visíveis aos outros. A queda no vazio interior é uma maneira de desa-
parecer perante possíveis olhares. A excitação não está associada a
fantasias edipianas; não somente seu sentido sexual não é reconhe-
cido, mas a excitação é vivida como puramente mecânica e radical-
mente desprovida de todo sentido. As tentativas de a descarregar,
isto é, de lhe fornecer uma resolução quantitativa, terminam em fra-
cassos: a masturbação da adolescência e o coito atual lhe proporcio-
nam orgasmos, mas que não aliviam a tensão sempre difusa no seu
corpo. É que a sensação sofreu uma transformação qualitativa; a qua-
172 Estrutura, funções, separação

lidade agradável das sensações foi delas dissociada sofrendo uma


clivagem em múltiplos pedaços disseminados, destruindo esta quali-
dade agradável. Sebastiana atribui a preeminência ao princípio do
evitamento, a todo custo, do desagradável sobre o princípio da pro-
cura do prazer, procura que ela prefere renunciar a fim de desviar sua
libido do investimento em objetos e de a colocar a serviço dos alvos
narcísicos do Eu e da proteção do Self. Esta preeminência é própria,
segundo Bion, da parte psicótica do aparelho psíquico, aquela que
não é contida pelo ambiente ou pelo pensamento. Esvaziar qualida-
des sensíveis é uma maneira se não de evacuar o desagradável (pois
um sentimento de mal-estar persiste) pelo menos de mantê-lo no
exterior do sistema percepção-consciência. É um vazio sanitário, que
o aparelho psíquico substitui como “ersatz” ao envelope continente
e compreensivo que um Eu-pele enfraquecido não assegura. Efetua-
do esse vazio das qualidades sensíveis (enquanto as outras funções
corporais e intelectuais permanecem geralmente intactas), Sebastiana
vive, mas sem acreditar que ela vive, sem acreditar na possibilidade
de um funcionamento natural. Sua vida passa a seu lado. Ela assiste
a distância ao funcionamento maquinal de seu corpo e de seu espíri-
to, que três anos de psicanálise comigo restabeleceram no essencial.
Ela exprime em relação a mim um ódio crescente por três razões:
porque ela está descontente com esta melhora que a destina a um
funcionamento automático sem prazer e que diminui suas capacida-
des intuitivas antigamente importantes; porque sua libido, reavivada
pela cura, se reorienta para os objetos e reinveste suas zonas erógenas,
o que ameaça o equilíbrio obtido pelo vazio e ao qual ela permanece
apegada; e finalmente porque a evolução da transferência cessa de
lhe fazer procurar em mim a sustentação anaclítica de um ambiente
suficientemente compreensivo e a coloca diante da imagem ameaça-
dora do pênis masculino sedutor e persecutório. Ao mesmo tempo,
de maneira contraditória, a esperança de um outro modelo de funcio-
namento baseado no princípio do prazer e suscetível de torná-la feliz
é despertada: as férias acontecem justo quando ela começava “a acre­
ditar nisso”. Falta-me interpretar a compulsão de repetição, isto é, a
espera, ou mesmo a antecipação provocadora, do retorno da decep-
ção produzida anteriormente pelas usurpações precoces e exigências
paradoxais de sua mãe: esta, generosa e superestimulante nos seus
Alterações da Estrutura do Eu-pele nas personalidades narcísicas ... 173

cuidados corporais e no seu amor intenso pela filha, adotava de re-


pente uma atitude rígida, moralizadora e de rejeição diante das neces-
sidades do Eu que a criança expressava.

Mas não houve só isso. A mãe, leiga praticante, se assim


posso dizer, se dedicava a obras sociais. Durante suas ausên-
cias freqüentes, ela confiava a guarda de Sebastiana a uma
vizinha, robusta camponesa, simples e dedicada que se
ocupava ativamente das lides domésticas com seu braço
direito enquanto seu braço esquerdo carregava a garotinha
mais ou menos apertada contra seu corpo. Além disso, esta
mulher usava um enorme avental de couro cheio de gordura,
nunca lavado, sobre o qual os pés do bebê envoltos com
meias de lã escorregavam. Assim, a angústia da perda da
mãe se encontrava agravada pela busca desesperada de um
apoio físico, de uma sustentação primordial, e pela angústia
da falta de objeto-suporte. Demorei um certo tempo para
fazer uma ligação com a repetição transferencial desta falha
que prejudicava a primeira função do Eu-pele: eu tinha, na
verdade, a desagradável impressão de que quaisquer que
fossem meu devotamento e minha engenhosidade em inter-
pretar, a paciente me escorregava entre os dedos.

Durante muito tempo, a postura corporal de Sebastiana me


intrigou: ela se sentava sobre a poltrona em frente à minha,
mas seu corpo não estava em frente ao meu corpo; ela se
virava sobre seu lado direito, fazendo um ângulo de mais ou
menos vinte graus em relação a mim e mantinha esta posição
durante toda a sessão; quando ela me falava ou me escutava,
somente seu olho esquerdo me olhava. Para mim, ela
estabeleceu comigo uma comunicação “oblíqua”; aliás, ela
compreendia freqüentemente minhas interpretações de
forma distorcida; tinha a impressão, quando lhe falava, de
ser um jogador de bilhar que deve mirar a bola vermelha
não diretamente, mas de lado. Esta postura tinha de fato
várias explicações: do ponto de vista edipiano, a postura a
protegia de reviver um face a face sexual com seu meio-
irmão mais velho; do ponto de vista narcísico, exprimia com
174 Estrutura, funções, superação

seu corpo esta torção de seu Eu-pele à maneira do anel de


Moebius, já citada anteriormente como típica dos estados-
limite. Esta torção da interface constituída pelo sistema
percepção-consciência a levava a erros na percepção dos
sinais emocionais e gestuais emitidos pelos que a cercavam,
seguidos de um agravamento do mal-entendido e da frustra-
ção e, enfim, a uma explosão de raiva, desgastante para ela
própria e para os seus.

Sebastiana considerou por si própria que sua psicanálise


terminara no dia em que ela se sentou em minha frente, o
rosto de frente e não de perfil, para me dizer na cara as duas
coisas que ela tinha para me dizer: por um lado, era neces-
sário para ela romper esta psicanálise que lhe tomava muito
tempo e dinheiro, a mergulhava em muito sofrimento e
cólera, trazia muito do seu passado no presente e contribuía
para impedi-la de viver; por outro, ela não mais tinha o
espírito retorcido, um estalo recente lhe tinha colocado a
coluna vertebral no lugar, e agora se sentia capaz de lidar
com suas reações de decepção e de cólera, levando-as à justa
proporção e delas se desembaraçando sozinha.

Outros pacientes me confirmaram o possível aparecimento de


uma brusca reestruturação do Eu e do Self sob o efeito do restabe-
lecimento, na transferência, de uma comunicação não distorcida com
o outro. A reconstituição da função contentora do Eu-pele é geral-
mente suficiente para a cura das personalidades narcísicas. Como
mostra o exemplo de Sebastiana, a cura dos estados-limite requer,
além disso, a reconstituição das funções de manutenção, de pára-
excitação e de recarga libidinal do Eu-pele.
10
O duplo interdito do tocar, condição
de superação do Eu-Pele

Quatro razões me impõem a hipótese de um interdito do tocar.


Uma razão histórica e epistemológica: Freud descobriu a psicanálise
(o dispositivo da cura, a organização edipiana das neuroses) somente
depois de ter implicitamente estabelecido na sua prática tal interdito
(sem entretanto produzir uma teoria).
Uma razão psicogenética: as primeiras interdições emitidas pelo
ambiente familiar em relação à criança, quando ela entra no mundo
do deslocamento (locomotor) e da comunicação (infraverbal e pré-
lingüística), referem-se essencialmente aos contatos táteis, e no apoio
sobre essas interdições exógenas, variáveis, múltiplas, vai se cons-
tituir um interdito de natureza interna, relativamente permanente e
autônomo, do qual vou precisar a natureza, não uma, mas dupla.
Uma razão estrutural: se o Eu é fundamentalmente, de acordo
com a expressão de Freud, uma superfície (do aparelho psíquico) e a
projeção de uma superfície (do corpo), se ele funciona primeiramen-
te de acordo com uma estruturação em Eu-pele, como ele pode pas-
sar para um outro sistema de funcionamento (do pensamento, pró-
prio a um Eu psíquico diferenciado do Eu corporal e, por outro, arti-
culado com ele), senão renunciando, sob o efeito do duplo interdito
do tocar, à prioridade dos prazeres de pele e em seguida de mão,
transformando a experiência tátil concreta em representações de base
sobre o fundo das quais sistemas de correspondências intersensoriais
podem se estabelecer (a um nível, primeiramente figurativo, que
mantém uma referência simbólica ao contato e ao toque, e depois a
um nível puramente abstrato, independente desta referência)?
176 Estrutura, funções, superação

Enfim, uma razão polêmica: a proliferação das psicoterapias di-


tas “humanistas" ou “emocionais”, a concorrência de “grupos de en­
contros” favorecendo e mesmo impondo os contatos corporais entre
participantes, a ameaça exercida nas últimas décadas contra o rigor
da técnica psicanalítica e sua norma de abstinência do tocar provo-
cam por parte dos psicanalistas outras respostas que não a indiferen-
ça surda e cega, ou o desprezo indignado, ou uma conversão passional
aos métodos “novos" (que são freqüentemente composições e varian-
tes dos métodos pré-psicanalíticos de “sugestão”).
Quais são, de acordo com os modelos de organização da econo-
mia psíquica, os efeitos das estimulações táteis: restauração narcísica,
excitação erógena, violência traumática? Em que consiste o jogo das
interações táteis na comunicação primária? Com quais tipos de casos
o recomeço de um jogo semelhante é desejável e mesmo necessário,
ou inútil e prejudicial? Quais as consequências estimuladoras ou
inibidoras da vida sexual posterior que decorrem do sucesso ou dos
fracassos do aparelho psíquico em se constituir num Eu-pele, su-
perando-o em um Eu pensante? Por que a reflexão psicanalítica con-
temporânea tende a perder de vista frequentemente a afirmação
freudiana (e clínica) segundo a qual a vida psíquica tem por base as
qualidades sensíveis? São estas as questões análogas em jogo nesta
necessidade de um reconhecimento de um interdito do tocar.

Um interdito do tocar implícito em Freud1


No magnetismo animal, Mesmer entra em “relação” com o paci-
ente tocando-o com a mão, o olhar, a voz, até que ele induza um esta-
do de dependência afetiva, de anestesia da consciência e de disponibi-
lidade para a excitação onde, sob o efeito de um contato direto da mão
sobre o corpo ou do contato indireto de uma bateria magnetizada tocada
por um bastão, se produz um tremor catártico. Em seguida, a mão do
hipnotizador imita somente o toque efetuando passes na frente dos
olhos do doente, sentado ou deitado, que cai em um sono artificial.

1. Na presente redação desse subcapítulo, considerei várias observações feitas por G. Bonnet (1985)
a propósito de meu artigo editado em 1984 sobre “Le double interdit du toucher”.
O duplo interdito do tocar, condição de superação do Eu-pele 177

Para melhor aplicar sua técnica de contra-sugestão dos sintomas histé-


ricos, Charcot pede aos pacientes submetidos a hipnose para fechar os
olhos. E a voz do hipnotizador que, por seu calor, sua insistência, sua
firmeza, exige o adormecimento e interdita o sintoma, mas a mão de
Charcot permanece medicinal apalpando as zonas histerógenas e se
mostra experimental, desencadeando, assim, na frente de um público
a crise histérica. Substituída pela voz e eventualmente pelo olho - um
olho que não apenas contempla, uma voz que apenas fala, mas um
olhar, um discurso que envolvem, seguram, acariciam, isto é, um olho,
uma voz dotados de poderes táteis a mão do hipnotizador (que ge-
ralmente é masculino) exerce uma função real ou simbólica de suges-
tão e, sobre os adultos, mais especialmente as moças e mais ainda as
histéricas, ela exerce uma função complementar de sedução: benefício
(ou melhor malefício) secundário da operação.
Durante os dez a doze anos que antecedem a auto-análise de
seus sonhos e a descoberta da psicanálise, Freud hipnoterapeuta é
mais um homem de visão e de mão do que um homem da palavra.
Um incidente, que o esclarece retrospectivamente sobre a desventu-
ra de Breuer com Ana O., o alerta sobre os riscos de sedução especifi-
camente. Uma enfermeira do serviço que Freud curara de seus sinto-
mas pela hipnose lhe salta ao pescoço para abraçá-lo e se precipita
em seus braços. Freud não cede nem se assusta: descobre - confessa
- o fenômeno da transferência. O que ele não confessa, porque não
precisa, é que convém ao psicoterapeuta se proibir de todo relaciona-
mento corporal com seus pacientes. Todavia, se o corpo a corpo se
toma proibido, devido ao risco de erotização, a mão continua a auscul-
tar os pontos dolorosos - os ovários de Frau Emmy von N., a coxa de
Fraulein Elizabeth von R. - onde a excitação se acumula por não
poder se descarregar no prazer. Depois, quando Freud abandona o
sono hipnótico pela análise psíquica, sua mão sobe das zonas histeró-
genas, onde se realiza a conversão somática, para a cabeça, onde
atuam as lembranças patogênicas inconscientes. Ele convida seus
pacientes a se deitar, a fechar os olhos, a concentrar sua atenção
sobre essas recordações (visuais certamente, mas também auditivas
quando se trata de frases que a simbolização inscreve literalmente no
corpo) e sobre as emoções correspondentes que sobrevêm em res-
posta à questão de origem de seus sintomas. No caso de resistências
178 Estrutura, funções, superação

(quando nada vem ao espírito do paciente), Freud procede à imposi-


ção de sua mão sobre a fronte anunciando que a retirada de sua mão
provocará a aparição das imagens desejadas e reprimidas. O que o
paciente vê e escuta então só lhe resta, para seu alívio, dizê-lo. A
sugestão foi sempre restrita e localizada. E sempre a mesma carga
sexual latente. O sonho relatado por um de meus pacientes o teste-
munha. Esse jovem sonhou que eu o recebo para a sessão não em
meu consultório, mas em um lugar, supostamente minha casa de cam-
po, e que eu adoto em relação a ele uma atitude muito amigável. Eu
me instalo numa grande poltrona e o convido a se sentar nos meus
joelhos. Os acontecimentos se precipitam, eu o beijo na boca e o fixo
direto nos olhos, coloco minha mão na sua fronte e murmuro em seu
ouvido: “Diga-me tudo que isso lhe faz pensar”. O paciente acordou
furioso com minha conduta ou melhor, com minha má conduta, des-
cartando o fato de ser ele o autor do sonho.
A paciente de quem Freud, hipnoterapeuta, melhor aprendeu as
características essenciais do futuro quadro analítico foi, sem dúvida,
Frau Emmy von N. Desde 1º de maio de 1889, ela lhe roga: “Não se
mexa! Não diga nada! Não me toque!”, súplicas que ela repete fre­
quentemente em seguida (S. Freud, A. Breuer, “Études sur l’hystérie”,
1895, tr. fr., p. 36). Uma outra paciente, Irma, que Freud tem em co-
mum com Fliess, o induz, no dia 24 de julho de 1895, ao primeiro
sonho que ele auto-analisa. No sonho, ele ausculta sua garganta, seu
tórax, sua vagina e ele constata que a recaída de seus sintomas está
relacionada a uma “injeção”, feita “levemente”, de um produto cuja
composição ternária se relaciona à “química” sexual. A auscultação
médica do corpo enfermo e de suas zonas dolorosas e histerógenas é
necessariamente física. A auscultação psicanalítica das zonas erógenas
só pode ser mental e simbólica. Freud (1900) compreende o aviso. Ele
renuncia à concentração mental, inventa o termo de psicanálise, esta-
belece o dispositivo da cura sobre as duas regras de não-omissão e de
abstinência, suspende toda troca tátil com o paciente em benefício da
única troca de linguagem - troca todavia assimétrica, pois o paciente
deve falar livremente enquanto o analista deve falar apenas oportuna-
mente. A assimetria é maior ainda sobre o plano do olhar: o analista vê
o paciente, que não pode nem deve vê-lo (mesmo quando Freud não
mais lhe impõe que mantenha os olhos fechados).
O duplo interdito do tocar, condição de superação do Eu-pele 179

Nesta situação, seus pacientes - e Freud a eles faz eco - se põem


cada vez mais a sonhar. A análise metódica desses sonhos - os seus e
os deles - o conduz, em outubro de 1897, à descoberta capital do com-
plexo de Édipo. Assim, o papel estruturante do interdito do incesto só
pôde ser explicitado depois que o interdito do tocar, foi implicitamente
reconhecido. A história pessoal da descoberta freudiana recapitula nesse
ponto a história infantil universal. O interdito do tocar, enquanto ato
de violência física ou de sedução sexual, precede, antecipa, toma pos-
sível o interdito edipiano, que proíbe o incesto e o parricídio.
A troca verbal que delimita o campo da cura é eficaz apenas
porque retoma sobre um plano novo, simbólico, o que foi trocado
anteriormente nos registros visual e tátil. Isto fica demonstrado na
nota 79 de Freud nos “Trois essais sur la théorie de la sexualité" (1905,
p. 186): um menino de três anos num quarto sem iluminação se quei-
xava de ter medo do escuro e pedia à sua tia para lhe dizer alguma
coisa; esta respondia que isto de nada adiantaria já que ele não a
podia ver; a criança respondera: “No momento em que alguém fala,
fica claro”. E Freud, em outra passagem relativa aos diversos tipos de
preliminares sexuais envolvendo o tato e a visão, precisa: “As im­
pressões visuais, em última análise, podem ser levadas às impressões
táteis” (ibid., p. 41). O tátil só é criador quando se encontra, no mo-
mento necessário, interditado. A prescrição de tudo dizer tem por
complemento inseparável a proscrição não apenas do agir mas mais
especificamente do tocar. O interdito tátil - válido para o paciente e
para o analista - é desdobrado em um interdito visual, especifica-
mente imposto ao paciente: ele não procurará “ver” o psicanalista
fora das sessões nem ter “contatos” com ele.
O quadro psicanalítico dissocia a pulsão escoptofílica de sua sus-
tentação corporal, a visão (trata-se de saber, renunciando ao ver); a
pulsão de dominação está dissociada de seu apoio corporal, a mão
(trata-se de tocar com o dedo a verdade e não mais o corpo, isto é,
passar da dimensão prazer-dor à dimensão verdadeiro-falso). Isso
permite a essas duas pulsões, acrescentando a pulsão epistemofílica,
de constituir, de acordo com a expressão de Gibello (1984), os “obje­
tos epistêmicos”, distintos dos objetos libidinais.
Tal interdito se encontrava tão justificado por parte de Freud, que
sua clientela era constituída sobretudo por moças e mulheres histéri-
180 Estrutura, funções, superação

cas, que erotizavam a visão (se expondo e colocando em cena as fanta-


sias sexuais) e que procuravam a aproximação física (serem tocadas,
acariciadas, abraçadas). Era necessário com elas, pois, introduzir a dis-
tância necessária para que se instaurasse uma relação de pensamento,
um espaço psíquico, um desdobramento do Eu em uma parte auto-
observante. Freud encontra outras dificuldades com os neuróticos ob-
sessivos, nos quais o dispositivo psicanalítico favorece a relação de
objeto a distância (segundo a expressão posterior de Bouvet), a
clivagem do Eu psíquico e do Eu corporal, a erotização do pensamento,
a fobia do contato, o medo do contágio, o horror de ser tocado.
A dificuldade nos aparece ainda maior com aqueles colocados
nas categorias dos estados-limite e das personalidades narcísicas. Suas
experiências são mais algógenas que erógenas; o evitamento do
desprazer os mobiliza mais que a procura do prazer; eles adotam a
posição esquizóide, que maximiza o distanciamento do objeto, a
retração do Eu, o ódio da realidade, a fuga para o imaginário. Freud
os declarava não analisáveis porque eles não entravam num proces-
so psicanalítico dominado pela neurose de transferência e pelos
progressos da simbolização. Com eles, arranjos do dispositivo psica-
nalítico são muitas vezes necessários. O paciente pode ser recebido
em face a face, o que estabelece com ele um diálogo visual, tônico-
postural, mímico, respiratório: o interdito de ver é suspenso; o inter-
dito do tocar é mantido. O trabalho psicanalítico se inscreve não
mais sobre a interpretação das fantasias, mas sobre a reconstrução
dos traumatismos, sobre o exercício das funções psíquicas que sofre-
ram carências; tais pacientes têm necessidade de introjetar um Eu-
pele suficientemente continente, superfície global sobre fundo da qual
as zonas erógenas podem emergir em seguida como figuras. A técni-
ca psicanalítica a que eu recorro consiste em restabelecer o envelope
sonoro que, ele próprio, duplica o envelope tátil primário; em mos-
trar ao paciente que ele pode tne “tocar” emocionalmente; em reali­
zar equivalentes simbólicos dos contatos táteis enfraquecidos, “to­
cando-o” através de palavras verdadeiras e plenas, e mesmo de ges­
tos significativos da ordem do simulacro. O interdito de se despir, de se
exibir nu, de tocar o corpo do psicanalista, de ser tocado por sua mão
ou outra parte de seu corpo é mantido: é o mínimo requisito
psicanalítico. Ninguém é obrigado a praticar a psicanálise e existe
O duplo interdito do tocar, condição de superação do Eu -pele 181

espaço de procurar para cada caso o tipo de terapia que melhor lhe
convém. Mas se a psicanálise é indicada, e se é para ser posta em
prática, convém respeitá-la no espírito e na teoria - no caso, o inter-
dito do tocar. É um abuso da parte de certos terapeutas corporais se
prevalecerem da psicanálise para avalizar seus métodos, quando eles
deixam de observar uma regra essencial da psicanálise.

O interdito explícito de Cristo


Os interditos “inventados” por Freud (no sentido de inventor
de um tesouro dissimulado num esconderijo) eram anteriormente
conhecidos; a consciência coletiva, em muitas culturas, notara sua
existência: Sófocles e Shakespeare se serviram do interdito edipiano
como tema dramático. Diderot o descreveu. Freud deu-lhe o nome,
baseando-se nesta “obscura percepção” da realidade psíquica conti-
da nos mitos, nas religiões, nas grandes obras literárias e artísticas. O
mesmo para o interdito do tocar. Na verdade é encontrado em graus
diferentes de acordo com as culturas, mas presente em quase todos
os lugares. Não existiría uma circunstância lendária onde ele seria
anunciado de maneira explícita?
Durante uma visita ao museu do Prado em Madrid, paro intriga-
do, perturbado, em frente a uma tela de Courrège, pintada pelo artis-
ta com trinta anos, entre 1522-1523. Um ritmo ondulado se impon-
do aos dois corpos, às suas roupas, às árvores, às nuvens, à luz do dia
que está nascendo no plano de fundo, assegura uma composição ori-
ginal ao quadro. Todas as cores fundamentais, com exceção do viole-
ta, estão presentes: brancura do metal dos utensílios de jardim, ne-
grura da sombra, cabeleira castanha e toga azul do homem, deixando
bastante desnudo um busto branco e pálido - mas será que é um
homem? - a mulher, loira, pele descorada, com ampla veste dourada,
uma capa vermelha apenas vislumbrada, jogada para trás, enquanto
o céu e a vegetação oferecem todas as nuances do amarelo e do ver-
de. Não é mais um homem, não é ainda um Deus. É o Cristo, vitori-
oso sobre a morte, que se ergue no dia de sua ressurreição, no jardim
do Gólgota, e se prepara para subir em direção ao Pai, o indicador da
182 Estrutura, funções, superação

mão esquerda apontado para o céu, a mão direita abaixada, dedos


esticados e separados, em sinal de interdição, mas com uma nuance
de carinho e compreensão, reforçada pela harmonia dos ritmos dos
corpos e pela harmonia dos tons da paisagem. Ajoelhada a seus pés,
está Madalena, o rosto suplicante, batido pela emoção, a mão direi-
ta, que o Cristo por seu gesto repeliu, se dobrando em recuo para a
cintura, a mão esquerda segurando doutro lado um pedaço de sua
capa ou talvez se segurando a esta dobra. A atenção do visitante se
concentra sobre a tripla troca do olhar, do gesto e das palavras adivi-
nhadas pelo movimento dos lábios; troca intensa admiravelmente
expressa pelo quadro. O título dado pelo pintor a sua tela é a frase
pronunciada por Cristo: “Noli me tangere”.
E uma citação do Evangelho segundo João (XX, 17). Dois dias
depois da Páscoa, após o repouso do Sabá, à aurora, entra em ação
Maria de Magdala, nome da vila ao redor do lago de Tiberíade, onde
ela nasceu e que lhe valeu o segundo nome de Madalena. Sozinha,
segundo João, acompanhada por outra Maria, a mãe de Tiago e de
José, segundo Mateus (XXVIII, 1), por uma terceira mulher, Salomé,
segundo Marcos (XVI, 1), por todo o grupo de mulheres santas, se-
gundo Lucas (XXIV, 1-12), “ela vai ao túmulo e vê que a pedra foi
retirada”. Ela teme que o cadáver tenha sido roubado. Alerta Simão
Pedro e João, que lá constatam que o túmulo está vazio e percebem
que o Cristo ressuscitou. Os dois homens voltam, deixando-a sozi-
nha e aos prantos no jardim funerário. Ela percebe dois anjos que a
interrogam, depois uma silhueta que ela toma pelo guardião do jar-
dim e que repete: “Mulher, por que choras? Que procuras?” Ela per-
gunta a este suposto jardineiro onde ele guardou o corpo. “Jesus lhe
diz: - Maria. Ela o reconheceu e lhe disse em hebreu Rabbouni (isto
é, Mestre).” Nesse momento, Jesus pronuncia a palavra que nos in-
teressa: “Noli me tangere”, depois ele encarrega Maria de Magdala,
primeira pessoa a quem ele aparece depois de sua ressuneição, de
anunciar a boa notícia a seus discípulos.
A tradução francesa do enunciado de Cristo, em latim na Vulgata,
é ao mesmo tempo simples e difícil. Simples porque, tomada ao pé da
letra, significa: “Não me toque". Difícil, se se quer entender segundo o
espírito: “Não me retenha” é a fórmula encontrada pelos responsáveis
da tradução dita ecumênica da Bíblia, publicada nas edições
O duplo interdito do tocar, condição de superação do Eu-pele 183
185

do “Cerf”, com a seguinte nota: “Jesus faz ver a Maria que a mudan­
ça que se opera nele em função de sua passagem para junto do Pai vai
levar a um novo tipo de relação”. Constato, pois, que o interdito do
tocar, na sua formulação cristã inicial, é ora relacionado com a separa-
ção do objeto amado (“Não me retenha”), ora com o abandono da
linguagem gestual para uma comunicação espiritual baseada sobre a
única palavra (“Não me toque”, subentendido: “Somente escute e
fale”). Jesus ressuscitado não é mais um ser humano cujo corpo pode
ser apalpado: ele retoma ao que era antes de sua encarnação: Verbo
puro. Bonnet (1984) observa que o Novo Testamento, anunciando o
interdito do tocar, se opõe ao Antigo Testamento, que privilegia o
interdito da representação.
Tangere em latim tem a mesma diversidade de sentidos corporais
e afetivos que o verbo francês “toucher” (tocar), desde “colocar a
mão sobre” até “emocionar”. Além disso, se todos os evangelistas
fazem alusão ao encontro de Maria de Magdala com o Cristo ressus-
citado, João é o único a relatar a injunção proibitória de Jesus. Não é
sem dúvida por acaso que o interdito do tocar é colocado para uma
mulher - não para um homem. Interdito sexual certamente, levando
uma libido ao final inibida e a “sublimação” do amor sexual para um
parceiro em um amor dessexualizado para o próximo em geral. Igual-
mente tabu do tocar: a citação evangélica que comento confirmaria
a analogia proposta por Freud entre religião e neurose obsessiva.
Entretanto, o interdito de Cristo do tocar não é uma questão
simples. Há muitas contradições; a que se segue não é a menor: ape-
nas anunciado, ele é transgredido, como se constata na referência à
passagem imediata do texto de João. O Cristo aparece na mesma
noite de sua ressurreição a seus discípulos masculinos reunidos em
segredo. Mas Tomé Dídimo, ausente, recusa a crer no Cristo ressus-
citado, enquanto não o tenha visto com seus olhos nem tocado suas
chagas com seus dedos. “Ora, oito dias mais tarde, os discípulos esta­
vam novamente reunidos na casa e Tomé estava com eles.” Jesus
reaparece e se dirige a Tomé: “Traga teu dedo aqui e olhe minhas
mãos; traga tua mão e ponha-a ao meu lado (...)” (João XX, 27).
Assim, Tomé, um homem, é convidado a tocar o que uma mulher,
Maria Madalena, devia se contentar em vislumbrar. Uma vez con-
vencido Tomé, Jesus acrescenta: “Porque tu me viste, tu acreditaste.
184 Estrutura, funções, superação

Bem-aventurados aqueles que, sem terem visto, acreditaram”. Os


exegetas se calam diante do fato de que esta conclusão confunde o
tocar e a visão. Ao contrário, eles são formais a esse respeito: “A fé de
agora em diante repousa não sobre a visão, mas sobre o testemunho
daqueles que viram”. O problema epistemológico subjacente poderia
ser colocado nesses termos: a verdade é visível ou tangível ou audí-
vel? Eu coloco de passagem uma questão que não tenho competên-
cia para tratar: o interdito do tocar seria mais específico das civiliza-
ções cristãs do que das outras? Em todo caso, é fato que a prática
psicanalítica se tenha sobretudo desenvolvido nos países de cultura
cristã: ela tem em comum com esta cultura a convicção da superio-
ridade espiritual da comunicação pela palavra sobre as comunicações
de corpo a corpo.

Três problemáticas do tocar


A tradição confundiu sob o nome de Maria Madalena três mulhe-
res diferentes do Novo Testamento,
Maria de Magdala é uma velha doente, acometida por possessões,
que Jesus curou fazendo sair dela “sete demônios” (Lucas VIII, 2;
Marcos XVI, 9); ela o acompanha em todos os lugares desde então,
com o grupo das mulheres santas e o dos doze apóstolos masculinos.
Maria de Betânia unta com um perfume caro os pés e os cabelos
de Jesus quando da refeição oferecida por ela e por sua irmã Marta em
honra da ressurreição de seu irmão Lázaro. Judas deplora o desperdício
e Marta lamenta que sua irmã lhe deixe todo o serviço e Jesus respon-
de que Maria, ao ungir seu corpo, antecipa sua morte (e, subenten-
dido, sua ressurreição) e que, sentando-se a seus pés para ouvir sua
palavra, tenha escolhido a melhor parte (João XII, 3; Lucas X, 38-42).
Uma pecadora anônima, igualmente de Betânia, se introduz na
sala do banquete oferecido por Simão, um fariseu, em honra de Je-
sus, que o curou de lepra; ela banha de lágrimas os pés de Jesus, seca-
os com seus cabelos, cobre-os de beijos, perfuma-os; o anfitrião se
surpreende que Jesus não tenha percebido que “esta mulher que o
toca” é uma prostituta; Jesus replica que ela o honrou melhor, que
O duplo interdito do tocar, condição de superação do Eu-pele 185

ela demonstra muito amor e por esta razão ele perdoa seus pecados
(Lucas, VII, 37-47). Ao identificar, sem qualquer razão filológica ou
teológica válida, esta cortesã arrependida com Maria de Magdala, a
tradição seguiu a crença popular, segundo a qual uma atividade de
tocar entre duas pessoas de sexo diferente tem necessariamente uma
conotação sexual.
De fato, três problemáticas do tocar são representadas pelas
três mulheres dos Evangelhos: a problemática da sedução sexual
pela pecadora; a problemática dos cuidados dados ao corpo como
constitutivos do Eu-pele e do auto-erotismo, por Maria de Betânia;
a problemática do tocar como prova da existência do objeto toca-
do, por Maria de Magdala.
O interdito edipiano (não desposarás tua mãe, não matarás teu
pai) se constrói por derivação metonímica do interdito do tocar. O
interdito do tocar prepara e toma possível o interdito edipiano, fome-
cendo-lhe seu fundamento pré-sexual. A cura psicanalítica permite
compreender muito particularmente com quais dificuldades, com
quais falhas, com quais contra-investimentos ou supra-investimen-
tos esta derivação influiu em cada caso.

Os interditos e suas quatro dualidades

Todo interdito é duplo por natureza. É um sistema de tensões


entre pólos opostos; essas tensões desenvolvem no aparelho psíquico
campos de forças que inibem certos funcionamentos e obrigam ou-
tros a se modificar.
Primeira dualidade: o interdito atinge ao mesmo tempo as pul-
sões sexuais e as pulsões agressivas. Ele canaliza a força das pulsões;
ele delimita suas origens corporais; ele reorganiza seus objetos e seus
alvos; estrutura as relações entre as duas grandes famílias de pulsões.
É evidente para o interdito edipiano. O interdito do tocar diz respei-
to igualmente às duas pulsões fundamentais: não toque os objetos
inanimados que você poderia quebrar ou que poderiam lhe fazer mal;
não exerça uma força excessiva sobre as partes do corpo das outras
pessoas (este interdito visa proteger a criança da agressividade, sua e
186 Estrutura, funções, superação

dos outros). Não toque com insistência seu corpo, o corpo dos ou-
tros, as zonas sensíveis ao prazer, porque você seria invadido por uma
excitação que não é capaz de compreender e de satisfazer (este inter-
dito visa proteger a criança da sexualidade, a sua e a dos outros). Nos
dois casos, o interdito do tocar protege do excesso de excitação e sua
consequência, a irrupção da pulsão.
Para o interdito do tocar, sexualidade e agressividade não são
estruturalmente diferenciadas; elas são assimiladas como expres-
são da violência pulsional em geral. O interdito do incesto, ao con-
trário, as diferencia e as situa numa relação de simetria inversa,
não mais de semelhança.
Segunda dualidade: todo interdito tem duas faces, uma face vol-
tada para fora (que recebe, acolhe, filtra as interdições significantes
pelo meio social), uma face voltada para a realidade interna (que lida
com os representantes representativos e afetivos das moções pul-
sionais). O interdito intrapsíquico se apoia nas proscrições externas
que são circunstanciais e não causa de sua instauração. A causa é
endógena: é a necessidade do aparelho psíquico se diferenciar. O
interdito do tocar contribui para o estabelecimento de uma frontei-
ra, de uma interface entre o Eu e o Id. O interdito edipiano completa
o estabelecimento de uma fronteira, de uma interface entre o Eu e o
Superego. As duas censuras focalizadas por Freud em sua primeira
teoria (uma entre o inconsciente e o pré-consciente, outra entre o pré-
consciente e a consciência) poderiam, parece-me, ser satisfatoria-
mente retomadas nesse sentido.
As primeiras interdições do tocar formuladas pelo meio social
estão a serviço do princípio de autoconservação: não ponha sua mão
no fogo, nas facas, no lixo, nos remédios; você vai pôr em perigo a
integridade de seu corpo e, ainda, de sua vida. Elas têm por corolários
prescrições de contato: não solte a mão ao se pendurar na janela, ao
atravessar a rua. As interdições definem os perigos externos, os inter-
ditos assinalam os perigos internos. Nos dois casos a distinção do de
fora e do de dentro é supostamente adquirida (o interdito não tem
nenhum sentido sem isso) e esta distinção se encontra reforçada pelo
interdito. Todo interdito é uma interface que separa duas regiões do
espaço psíquico dotadas de qualidades psíquicas diferentes. O inter-
O duplo interdito do tocar, condição de superação do Eu-pele 187

dito do tocar separa a região do familiar2, região protegida e proteto-


ra, e a região do estranho, inquietante, perigoso. Este interdito é, na
minha opinião, o verdadeiro organizador desta mutação que aparece
no nono mês e que Spitz reduziu à simples distinção do rosto familiar
e do rosto estranho. Não fique agarrado no corpo de seus pais signi-
fica ter um corpo separado para explorar o mundo exterior: assim
parece ser a forma mais primitiva do interdito tátil. Mas também - e
é uma forma mais evoluída - não toque sem cuidado com as mãos as
coisas desconhecidas, você não sabe o mal que pode lhe acontecer.
O interdito convida a tocar outras coisas além do familiar e do familial
e a tocá-las para conhecê-las. A interdição previne contra os riscos
da ignorância e da impulsividade: não se toca qualquer coisa de qual-
quer jeito. Segurar um objeto se justifica quando é para verificar como
ele se comporta - não para levá-lo à boca e engoli-lo porque se gosta
dele, nem para quebrá-lo em pedaços, o que é imaginado odioso em
seu ventre. O interdito do tocar contribui para diferenciar as ordens
de realidades que ficam confusas na experiência tátil primária do
corpo a corpo: seu corpo é distinto dos outros corpos; o espaço é
independente dos objetos que o preenchem; os objetos animados se
comportam diferentemente dos objetos inanimados.
O interdito edipiano inverte os dados do interdito do tocar: o
que é familial se torna perigoso em relação ao duplo investimento
pulsional de amor e de ódio; o perigo é o incesto ao lado do parricídio
(ou do fratricídio); o preço a pagar é uma angústia de castração. Por
outro lado, quando crescer, o garoto terá o direito em algumas con-
dições e mesmo o dever de lutar contra os homens estranhos à famí-
lia, ao clã, à nação, e de escolher uma mulher estranha à sua família.
Terceira dualidade: todo interdito se constrói em dois tempos. O
interdito edipiano, tal como Freud o focalizou, centrado sobre a ame-
aça de castração genital, limita as relações amorosas de acordo com a
ordem dos sexos e das gerações. Um estado edipiano precoce, pré-
genital, estudado por Melanie Klein, o precede e o prepara: daí um
interdito anti-canibalesco de comer o seio desejável e a fantasia de
destruir as crianças-fezes rivais e o pênis do pai no ventre da mãe, e

2. Usamos o termo familiar(“familier”) como relativo ao já conhecido, e familial (“familial”)


como relativo à família. (N. da X)
188 Estrutura, funções, superação

também o desmame vivido como castigo dos desejos de devorar. O


interdito do tocar também é de dois tempos. Pode-se distinguir duas
estruturas da experiência tátil: a) o contato por estreitamento corpo-
ral, envolvendo uma grande parte da pele, englobando pressão, calor
ou frio, bem-estar ou dor, sensações cinestésicas e vestibulares, conta-
to que implica a fantasia de uma pele comum; b) o tocar manual, que
sustenta o corpo do bebê e que em seguida tende a se reduzir quando
a criança adquire o domínio dos gestos de designação e de preensão
dos objetos e quando, pela educação, o contato pele a pele, conside-
rado muito infantil ou muito erógeno ou muito brutal, se encontra
limitado a manifestações de carinho ou de força muscular que devem
ser controladas. Existiria então, encaixados um no outro, um primeiro
interdito do contato global, isto é, da união, da fusão e da confusão dos
corpos, e um segundo interdito relativo ao tocar manual: não tocar os
órgãos genitais e principalmente as zonas erógenas e seus produtos;
não tocar as pessoas, os objetos de maneira violenta, o tocar estando
limitado às modalidades operatórias de adaptação ao mundo exterior;
os prazeres que ele proporciona só são conservados quando subordina-
dos ao princípio da realidade. De acordo com as culturas, um ou outro
dos dois interditos do tocar se encontra reforçado ou atenuado. São
muito variáveis tanto a idade da criança em que cada um interfere
quanto seu campo de extensão, mas não existe sociedade onde eles
estejam ausentes. As sanções em caso de transgressão são igualmente
variáveis. Vão dos castigos físicos à ameaça, e mesmo à simples repro-
vação moral, manifestada pelo tom da voz.
O interdito primário do tocar transpõe no plano psíquico o que o
nascimento biológico operou. Ele impõe uma existência separada ao
ser vivo em vias de se tomar um indivíduo. Ele proíbe o retomo ao seio
materno, retorno que só pode ser fantasiado (este interdito não se
forma no autista, que continua a viver psiquicamente no seio mater-
no). A interdição é implicitamente transmitida à criança pela mãe sob a
forma ativa de um distanciamento físico: ela se afasta da criança, ela
afasta a criança dela, retirando-lhe o seio, desviando seu rosto que a
criança procura pegar, colocando-a no seu berço. Quando a mãe falha
em acionar a interdição, sempre há alguém por perto para se fazer, em
nível verbal, de porta-voz do interdito. O pai, a sogra, a vizinha, o
pediatra lembram a mãe de seu dever de se separar corporalmente do
O duplo interdito do tocar, condição de superação do Eu-pele 189

bebê, para que ele durma, para que ele não seja muito estimulado, para
que ele não assimile maus hábitos, para que aprenda a brincar sozinho,
para que ande ao invés de ser carregado, para que cresça, para que
deixe um tempo e um espaço às pessoas que o cercam, onde ele possa
viver por si próprio. O interdito primário do tocar se opõe especifica-
mente à pulsão de apego ou de agarramento. A ameaça do castigo
físico correspondente é eventualmente fantasiada sob a forma de uma
extirpação que expõe a superfície de pele comum ao bebê e à sua mãe
(ou à sua substituta que pode ser o pai 3), extirpação da qual - como já
o vimos - as mitologias e as religiões fazem eco.
O interdito secundário do tocar se aplica à pulsão de dominação:
não se pode tocar em tudo, tudo dominar, ser o senhor de tudo. A
interdição é formulada pela linguagem gestual ou verbal. O ambiente
familial/familiar opõe um “não” à criança pronta a tocar, palavra pro-
ferida como tal ou através de um movimento da cabeça ou da mão. O
sentido implícito é o seguinte: não se pega, primeiro se pergunta e se
deve aceitar o risco de uma recusa ou de uma espera. Esse sentido fica
explícito ao mesmo tempo que a criança adquire um domínio suficien-
te da linguagem, domínio que é adquirido justamente através deste
interdito: não se aponta com os dedos os objetos que interessam; eles
devem ser designados por seus nomes. A ameaça do castigo físico cor-
respondente ao interdito secundário do tocar é eventualmente expressa
pelo discurso familial e social sob a seguinte forma: a mão que rouba,
que bate, que masturba será amarrada ou cortada.
Quarta dualidade: todo interdito é caracterizado pela sua bilate-
ralidade. Aplica-se ao emitente das interdições tanto quanto ao desti-
natário. Qualquer que seja a vivacidade dos desejos edipianos inces-
tuosos e hostis despertados nos genitores por ocasião da maturação
sexual de seus filhos, eles não devem neles realizá-los. Da mesma ma-
neira, o interdito do tocar, por exercer seu efeito de reestruturação do
funcionamento psíquico, exige ser respeitado pelos pais e educadores.
Faltas graves e repetidas constituem um traumatismo cumulativo que
produz por sua vez importantes conseqüências psicopatológicas.

3. Os pais “jovens” que, há uma geração na cultura ocidental, assumem espontaneamente,em


igualdade com a mãe, a alimentação e os cuidados do bebê (com exceção da gravidez e da
amamentação) ajudam muito a mãe e se comprazem com isso, mas complicam a tarefa do
bebê. que deve se desobrigar de duas relações duais e não de uma só, e no qual a constituição
de um inderdito endógeno se encontra retardada ou enfraquecida.
190 Estrutura, funções, superação

Observação de Janete

Foi esse o caso de Janete, acompanhada por mim, em psica-


nálise e em psicoterapia por mais de quinze anos. Durante
anos, tive de enfrentar sua intensa angústia persecutória.
Ela não se sentia segura nem dentro do seu corpo nem dentro
de sua casa. Ela invadia minha casa através de chamadas
telefônicas a qualquer hora do dia ou da noite, semana ou
fim de semana, com pedidos de encontros imediatos, através
de recusas em deixar meu consultório no fim de algumas
sessões. O estabelecimento progressivo de um quadro psico-
terápico regular e a reconstrução dos principais traumatismos
de sua infância e de sua adolescência lhe permitiram
constituir aos poucos um Eu-pele, encontrar uma atividade
profissional que a tornava independente de seus pais e
dedicar seu lazer à composição de textos literários que
completavam a elaboração simbólica de seus conflitos. Trans-
pondo em um personagem de ficção a experiência das trocas
verbais que ela adquirira comigo, ela descreve as palavras
desse personagem como mãos que a tinham segurado, retido,
contido, que lhe tinham dado um rosto e permitido
reconhecer sua dor; uma mão estendida para ela de muito,
muito longe sobre o abismo, uma mão que acaba por
conseguir se prender à dela como uma ponte além do tempo
(pois na realidade, nós não tivemos contatos corporais,
exceto o aperto de mãos tradicional), uma mão que aquece
as dela, uma mão que em seguida se afasta, ao mesmo tempo
que a voz do personagem explica baixinho que é preciso
partir, que ele voltará e, olhando-o se afastar, ela pode, pela
primeira vez depois de muito tempo, soluçar longamente.
Uma outra passagem significativa diz respeito ao desenlace
de uma novela onde a heroína, voltando para casa à noite,
é jogada sobre a estrada por um carro. Enquanto ela agoniza,
uma voz a seu lado a prende ainda à vida por algum tempo,
uma voz que diz quatro vezes e de quatro maneiras: “Não a
toque”. Ela entra então no sol - sol da morte representando
a morte psíquica de minha paciente produzida em conse-
O duplo interdito do tocar, condição de superação do Eu-pele 191

qüência a tantas violências, mas também sol da verdade. O


que ela, sem defesa, só pode exprimir indiretamente por
sinais de loucura - isto é, não ser tocada - é enfim anunciado
clara, calma e fortemente, como uma lei indestrutível do
universo psíquico que carências podem ocasionalmente
ocultar, sem alterar, a realidade fundamental estruturante.

Do Eu-pele ao Eu-pensante
Duas precisões devem ser lembradas: o interdito do tocar favo-
rece a reestruturação do Eu apenas se o Eu-pele for suficientemente
adquirido; e esse último subsiste, depois da reestruturação como tela
de fundo do funcionamento do pensamento. O resumo de um relato
de ficção científica introduzirá minha proposta sobre esses dois pon-
tos: “Les yeux de la nuit”, de John Varley4. Um marginal americano,
cansado da civilização industrial, perambula pelos Estados do Sul.
Ele entra por acaso em uma comunidade surpreendente, composta
quase exclusivamente de surdos-cegos. Seus membros se casam e se
reproduzem entre si; cultivam e fabricam o que precisam para viver,
limitando os contatos com o exterior a algumas trocas de primeira
necessidade. O viajante é acolhido por uma jovem de quatorze anos,
nua como todos os habitantes desse território que tem um clima quen-
te. Ela é uma das raras crianças nascidas ouvintes e não cegas e apren-
deu a falar antes da vinda a esse lugar de seus pais, deficientes senso-
riais. Ela serve ao jovem de intérprete entre a língua inglesa deste e a
língua tátil usada na coletividade. O território é cortado por vias de
circulação marcadas com sinais táteis. A troca de informação se faz
pelo tocar e a grande sensibilidade dos autóctones às vibrações do
meio humano lhes permite detectar a distância a chegada de pessoas
estranhas ou de acontecimentos insólitos. As refeições, feitas num
mesmo refeitório onde todos ficam muito juntos,são a ocasião de reunir

4. É a última novela de uma coletânea intitulada “Persistance de la vision" (1979), tr. fr. Denoël,
“Présence du Futur", 1979. Agradeço Françoise Lugassy por ter chamado minha atenção sobre
esse texto.
192 Estrutura, funções, superação

e de trocar informações. Depois, vem o serão num vasto salão-


dormitório quando, antes que cada família se recolha em sua área
particular, outras comunicações não verbais, mais intensas, mais
pessoais, mais afetivas acontecem. Cada um se junta, corpo contra
corpo, a um parceiro, ou mesmo a vários, para questioná-lo, respon-
der-lhe, transmitir-lhe suas impressões e sentimentos, de uma ma-
neira direta e imediatamente compreensível. Daí a nudez necessária
dos habitantes. Daí sua filosofia implícita: se sua sensibilidade foi
precocemente cultivada e se nem vestimentas ou preconceitos mo-
rais impedem seu desenvolvimento, a superfície do corpo possui um
poder considerável de sugerir diretamente aos outros seus próprios
afetos, pensamentos, desejos, projetos. Naturalmente, se um tercei-
ro quer saber o que dois comunicantes se dizem, ele se interpõe pela
imposição de sua mão ou de uma parte de seu corpo. Se incomodar,
pode ser provisoriamente afastado. Naturalmente também, se o que
dois comunicantes têm a se dizer é do registro do amor, eles termi-
nam naturalmente por fazê-lo, em uma união íntima e alegre, à qual
a jovem bilingüe de quatorze anos, longe de ser ingênua, atrai o estra-
nho. A liberdade e a reciprocidade com as quais, desde a puberdade,
cada um se dá, não deixam assim - pelo menos é a teoria desta co-
munidade - nenhum lugar para a frustração ou os ciúmes. O amor
entre dois indivíduos está portanto apenas a um grau do amor supre-
mo, aquele que a comunidade dirige a si própria. Uma vez por ano,
no final do verão, uma pradaria preparada para este fim acolhe toda
a assembléia, homens, mulheres, crianças, que se estreitam todos
juntos para construir um só corpo e para partilhar - aqui é difícil
dizer, pois o narrador, admitido somente como hóspede, não pode
tomar parte - os mesmos ideais ou crenças ou sensações, de uma
maneira tangível e paroxística.
Cada vez mais seduzido por esta sociedade, o narrador aprende,
graças às lições de sua preceptora, a linguagem tátil, mas ele se choca
aos limites de sua educação anterior. O que ele pensa verbalmente, ele
pode transmitir pelo tato, e o que se lhe comunica pelo tato, ele pode
formular verbalmente. Para certos afetos comuns, a ternura, o medo e o
descontentamento chegam a experimentá-los e compreendê-los di-
retamente, mas os graus seguintes da linguagem tátil e que, na medida
em que sua jovem instrutora os pode explicar, correspondem a entida-
O duplo interdito do tocar, condição de superação do Eu-pele 193

des abstratas e estados psíquicos de base, permanecem inassimiláveis.


Seu hábito de linguagem verbal constitui uma deficiência mental, o
que não acontece com os deficientes sensoriais da comunidade. As-
sim, o mais deficiente dos dois não é aquele que se imagina... A afiliação
lhe é finalmente recusada. Sua parceira, culpada por falar uma lingua-
gem dupla, decide se comunicar com ele somente pelo tato. Mesmo
que ele furasse os olhos e os tímpanos, seria muito tarde: ele jamais
chegaria à simplicidade e à plenitude da comunicação tátil originária
exclusiva. Ele deixa esta coletividade, carregando no seu coração a
nostalgia inesquecível.
Pouco importam as reservas “científicas” trazidas por esse relato
“legendário": o universo olfativo é omitido; a cólera clivada do amor
é negada; uma linguagem tátil usada pelos surdos-cegos só pode ser
inventada pelos que vêem e escutam, tendo adquirido um certo do-
mínio da dimensão simbólica etc... O interesse da ficção científica
deriva do fato de ela isolar quase experimentalmente uma variável
da qual ela tira o máximo de conseqüências lógicas ou psicológicas.
Aqui, a variável é a seguinte: existe uma comunicação precoce de
pele a pele; a pele é o primeiro órgão de troca significante; ecopraxias
e ecolalias apenas se desenvolvem sobre um fundo originário de ecor-
ritmias, ecotermias, ecotactilismos. Naturalmente, a novela de Varley
descreve uma construção fantasmática defensiva, um romance das
origens da comunicação, elaborado tardiamente num movimento
contra-edipiano, quando o acesso a sistemas semióticos mais evoluí-
dos foi investido. Nesse meio tempo, este investimento foi possível e
necessário pela repressão das comunicações táteis primárias, repres-
são acionada pelo interdito do tocar,
O que acontece quando este interdito falha? Que preço se paga
pela sua transgressão? O relato de Varley parece demonstrativo desses
dois pontos. Por um lado, onde o interdito primário do tocar, aquele
que proíbe o corpo a corpo, não foi estabelecido, o interdito edipiano,
organizador da sexualidade genital e da ordem social, não se instala.
Por outro lado, a ameaça de uma castração fálica, que dá sua carga de
carne e de angústia à transgressão eventual do interdito do incesto,
tem por corolário a angústia de uma castração sensorial em caso de
falta do interdito do tocar, O conteúdo manifesto da novela de Varley
diz que os habitantes se livram do interdito do tocar porque são surdos
194 Estrutura, funções, superação

e cegos. O conteúdo latente deve ser entendido ao contrário: por se


livrarem do interdito do tocar, são acometidos de surdez, de cegueira.
Um permanente estado de fusão amorosa para o indivíduo e um per-
manente estado de ilusão grupal para a coletividade tendem a se insta-
lar onde faltam os dois interditos, o do tocar e o do incesto.
É evidente que as comunicações primárias táteis reprimidas
não são destruídas (com exceção de caso patológico); elas são
registradas como tela de fundo sobre a qual se inscrevem os siste-
mas de correspondências intersensoriais; constituem um primeiro
espaço psíquico no qual outros espaços sensoriais e motores podem
se encaixar; fornecem uma superfície imaginária onde os produtos
das operações posteriores do pensamento se depositam. A comuni-
cação a distância por gestos e depois por palavras requer não so-
mente a aquisição de códigos específicos, mas também a conserva-
ção desse fundo originário ecotátil da comunicação e sua
reatualização, sua revivescência mais ou menos freqüente. O con-
ceito hegeliano de Aufhebung se adapta particularmente, no meu
entender, para descrever o estatuto desses traços ecotáteis que são
ao mesmo tempo negados, ultrapassados e conservados.
Assim como o interdito do incesto, prematuro ou violento, pode
exceder seu alvo, que é o de desviar o desejo amoroso e sexual para
os estranhos à família e produzir uma inibição de toda realização
heterossexual genital com qualquer parceiro, o interdito do tocar, se
proibir muito cedo ou rigorosamente os contatos íntimos, em lugar
de desencadear uma repressão relativamente fácil de suprimir em
certas circunstâncias, sexuais, lúdicas, esportivas etc. codificadas
socialmente, pode provocar uma inibição grave de relacionamento
físico, o que complica muito a vida amorosa, o contato com as crian-
ças, a capacidade de se defender contra as agressões...
Por outro lado, nos casos de distúrbios graves da comunicação,
associados a uma deficiência importante, mental (autismo) ou física
(surdos-cegos de nascimento), a função semiótica requer que seja
exercida a partir de sua forma originária: o contato corpo a corpo e as
trocas ecotáteis. É o caso, já o vimos (p. 145), da técnica do “pack”.
O interdito do tocar, diferentemente do interdito edipiano, não
exige uma renúncia definitiva a um objeto de amor, mas uma renún-
cia à comunicação ecotátil como modelo principal de comunicação
O duplo interdito do tocar, condição de superação do Eu-pele 195

com os outros. Esta comunicação ecotátil subsiste como origem


semiótica originária. Ela toma-se ativa na empatia, no trabalho cria-
dor, na alergia, no amor.

O acesso à intersensorialidade e a
constituição do senso comum
Depois de ter adquirido sua organização de base como Eu-pele,
o Eu só pode em seguida chegar a uma nova estruturação rompen-
do com o primado da experiência tátil e se constituindo em espaço
de inscrição intersensorial, em sensorium commune (o “senso co­
mum” dos filósofos empiristas). Esta reestruturação não é suficien-
temente explicada por um “élan” integrativo do Eu (Luquet, 1962),
nem por um desejo de crescer e de se adaptar, correlativo dos pro-
gressos da maturação nervosa. A intervenção operante de um in-
terdito do tocar, precursor e anunciador do complexo de Édipo,
deve ser postulada por uma tripla razão de coerência teórica, de
constatação clínica e de rigor técnico.
Depois de uma revisão bastante completa da literatura psicanalí-
tica referente ao papel das experiências corporais precoces na gênese
dos distúrbios cognitivos no esquizofrênico, Stanley Grand (1982),
de Nova Iorque, concluiu que a disfunção do pensamento na esquizo-
frenia abriga uma alteração profunda na organização (articulation)
do Eu corporal. Esta alteração resulta de um fracasso precoce para
“articular” adequadamente os dados sensoriais múltiplos (portanto
para constituir este espaço multi-sensorial que acabo de citar, com os
encaixes necessários aos diversos envelopes sensoriais particulares)
e para os integrar em experiências cenestésicas e de equilibração que
formam a base do sentido de orientação e o núcleo da experiência da
realidade (trata-se aqui na origem de uma carência da primeira fun-
ção do Eu-pele, aquela de holding ou manutenção). Na falta de um
sentimento organizado da coesão e das fronteiras do corpo, a distin-
ção dara entre a experiência interna e a experiência externa, entre o
Self e as representações de objeto, não pode emergir. O núcleo da
experiência de si e da identidade pessoal não chega a se diferenciar
196 Estrutura, funções, superação

plenamente da unidade dual do elo mãe-filho. O esquizofrênico é


incapaz de se beneficiar plenamente das experiências autocorretivas
fornecidas pelo “feedback” que lhe é enviado durante suas ações so­
bre o mundo exterior, pois um tal benefício só pode ser obtido por
alguém que se sente iniciador de suas próprias ações. Ter um Eu é
dispor de um poder de iniciativa não sobre um acontecimento sim-
ples, mas sobre uma série de acontecimentos que se desenvolvem
tanto em cadeias como em círculos. Mecanismos de compensação
podem atenuar em parte a integração enfraquecida do Eu corporal,
principalmente nos domínios da experiência sensorial cenestésica e
térmica: eles sustentam a coesão do aparelho psíquico e impedem
sua dissolução completa durante os episódios regressivos.
A psicanálise só é possível em relação ao interdito do tocar. Tudo
pode ser dito, desde que se encontre palavras que convenham à situ-
ação transferencial e que traduzam pensamentos apropriados àquilo de
que efetivamente sofre o paciente. As palavras do analista simbo-
lizam, substituem, recriam os contatos táteis sem que seja necessário
recorrer concretamente a eles: a realidade simbólica da troca é mais
operante que sua realidade física.
Terceira Parte

Principais Configurações
11
O envelope sonoro

Paralelamente ao estabelecimento das fronteiras e dos limites


do Eu como interface bidimensional estruturada sobre as sensa-
ções táteis, o Self é constituído pela introjeção do universo sonoro
(e também gustativo e olfativo) como cavidade psíquica pré-indi-
vidual dotada de um esboço de unidade e de identidade. As sensa-
ções auditivas, associadas no momento da emissão sonora às sensa-
ções respiratórias que lhe fornecem uma impressão de volume que
se esvazia e se preenche, preparam o Self para se estruturar tendo
em conta a terceira dimensão do espaço (a orientação, a distância)
e a dimensão temporal.
A literatura psicanalítica anglo-saxônica trouxe três noções
importantes ao longo das últimas décadas. W.R. Bion (1962) mos-
trou que a passagem do não-pensar ao “pensar”, ou, ainda, dos ele­
mentos beta aos elementos alfa, se baseava em uma capacidade, ne-
cessária ao desenvolvimento psíquico do bebê, dele fazer a experiên-
cia real, ou seja, a capacidade própria do seio maternal de “conter”,
num espaço psíquico delimitado, as sensações, os afetos, os traços
mnésicos que irrompem no seu psiquismo nascente; o seio-contentor
detém a retroprojeção agressivo-destruidora dos pedaços de Self ex-
pulsos e dispersos e lhes possibilita representações, ligações e
introjeções. H. Khout (1971) procurou diferenciar dois movimentos
antagônicos alternativos e complementares, aquele pelo qual o Self
se constitui por difração em objetos com os quais realiza fusões par-
celares-narcísicas (os “Self-objetos”), e aquele pelo qual o Self reali­
za com um objeto ideal uma fusão “grandiosa”. Enfim, voltando ao
200 Principais configurações

estado de espelho, como Lacan o concebeu, onde o Eu se edifica


como outro sobre o modelo da imagem especular do corpo inteiro
unificado, D.W. Winnicott (1971) descreveu uma fase anterior, aquela
onde o rosto da mãe e as reações do círculo humano fornecem o
primeiro espelho à criança, que constitui seu Self a partir do que lhe
é assim refletido. Mas, como Lacan, Winnicott acentua os sinais vi-
suais. Gostaria de evidenciar a existência, mais precoce ainda, de um
espelho sonoro, ou de uma pele auditivo-fônica, e sua função na
aquisição pelo aparelho psíquico da capacidade de significar, e de-
pois de simbolizar1.

Observação de Marsias
Vou relatar duas sessões significativas de uma cura psicanalíti-
ca. Chamarei o paciente de Marsias, em memória do sileno esfolado por
Apolo.

Marsias está em psicanálise há vários anos. Eu o recebo agora


em sessões face a face, com uma hora de duração, devido a
uma reação terapêutica negativa que se instalou com a
posição deitada. O trabalho psicanalítico prosseguiu graças
ao novo dispositivo, levando a um certo número de melhoras
na vida do paciente, mas as interrupções da cura por ocasião
das férias permanecem mal toleradas.

É a sessão de retorno após as pequenas férias da primavera.


Marsias, mais que deprimido, se diz vazio. Ele se sentiu
ausente nos contatos com os outros quando da retomada
de suas atividades profissionais. Ele me acha da mesma forma
com ar de ausente. Ele me perdeu. Depois ele observa que
os dois longos períodos de depressão vividos na sua cura
aconteceram durante as grandes férias, mesmo se uma delas
tivesse sido consecutiva a um fracasso profissional que mui-
to o afetara. Na Páscoa, ele pode se ausentar por um fim de
semana prolongado. Esteve em uma região do Sul, num hotel
confortável, à beira de um mar magnífico, com uma piscina

1. Cf, G, Rosolato, “La voix”, in “Essais sur le symbolique” (1969, pp, 287-305).
O envelope-sonoro 201

aquecida. Ele gosta muito da natação e de excursões. Ora,


as coisas não correram bem. Teve más relações com as pes-
soas do pequeno grupo com o qual ele viajava, amigos ou
colegas do trabalho dos dois sexos, companheiros freqüen-
tes de fim de semana. Ele se sentiu negligenciado, aban-
donado, rejeitado. Sua mulher tivera que ficar em casa com
seu filho convalescente. As caminhadas o fatigaram, sobre-
tudo as brincadeiras coletivas na piscina se tomaram cada
vez piores: ele perdia seu fôlego, não encontrava ritmo nos
movimentos, multiplicava os esforços descoordenados, tinha
medo de afundar, a sensação de estar molhado tornava desa-
gradável o contato com a água; apesar do sol ele tiritava;
por duas vezes caminhando na beira da piscina escorregou
sobre o pavimento úmido e bateu dolorosamente a cabeça.

Tenho a idéia que Marsias vem às sessões não tanto para


que eu o alimente, como tive a impressão de estar fazendo
desde que o recebo com nosso novo dispositivo, mas para
que eu o carregue, o aqueça, o manipule, e lhe devolva pelo
exercício as possibilidades de seu corpo e de seu pensamento.
Pela primeira vez, eu lhe falo de seu corpo como volume no
espaço, como fonte de sensações de movimento, como medo
da queda, sem obter de Marsias nada além de uma aprovação
polida. Eu me decido então lhe perguntar diretamente: como
sua mãe o carregava (não se trata da amamentação) quando
era pequeno? Ele logo traz uma lembrança, à qual já aludira
duas ou três vezes, de como esta mãe adorava falar com ele.
Pouco depois do nascimento de Marsias, já bem ocupada
por seus quatro primeiros filhos - um filho mais velho e três
filhas - ela se via dividida entre o recém-nascido e a filha
menor nascida um ano antes e que caíra gravemente doente.
Ela confiara Marsias a uma empregada mais afeita às tarefas
domésticas do que aos cuidados exigidos pelo recém-nascido,
mas fazia questão sempre de dar o seio a esse menino, cuja
chegada tanta alegria lhe trouxera. Ela dava seu seio generosa
e rapidamente, e se precipitava, terminada a mamada, e o
bebê devolvido às mãos da empregada, para a irmã de
202 Principais configurações

Marsias, cuja saúde ficou durante muitas semanas tão fraca


que houve até um momento em que se temia por sua vida.
Entre essas visitas-mamadas que Marsias absorvia
gulosamente, ele era ao mesmo tempo cuidado e
negligenciado pela criada solteira e idosa, austera, de
princípios, trabalhadora que agia por dever, não para receber
ou dar prazer, e que mantinha com a patroa uma relação
sadomasoquista. Ela se interessava pelo corpo de Marsias
apenas para as primeiras trocas ou cuidados mecânicos: ela
não brincava com ele. Marsias era relegado em um estado
passivo-apático. Ao final de alguns meses, notou-se que ele
não reagia normalmente e a empregada disse que ele
escutava mal e que tinha nascido retardado. A mãe,
aterrorizada com esta declaração, agarra Marsias, o sacode,
o movimenta, o estimula, lhe fala e o bebê olha, sorri, balbu-
cia, exulta, para a satisfação de sua mãe, tranquilizada quanto
à sua normalidade. Ela repetiu várias vezes esta verificação
e decidiu pouco depois trocar de empregada.

Este relato me leva a estabelecer vários paralelos que eu


comunico parcial e gradativamente a Marsias. Primeiro, ele
aguarda as sessões comigo como aspirava as visitas-mama-
das de sua mãe: ansiedade perante a idéia de um atraso de
minha parte, de uma sessão que eu desmarcasse, medo de que
sua mãe não viesse mais e de que ele mesmo adoecesse como
a irmã de quem se temia a morte.

O segundo paralelo me ocorrera no início da sessão e se


confirma: ele foi suficientemente nutrido; o que espera de
mim é o que não lhe dava a empregada: que eu o estimule,
que exerça seu psiquismo (havia nele momentos de pobreza
de vida interior que davam a impressão de uma morte
psíquica). Desde que o recebi face a face, temos diálogos mais
freqüentes, trocas importantes de olhares e de mímicas,
comunicação em nível de postura. Eu lhe digo que, a distân-
cia e através dessas trocas, é como se eu o sustentasse, o
segurasse, o aquecesse, o colocasse em movimento, se ne-
cessário o sacudisse, e o fizesse reagir, gesticular e falar.
O envelope-sonoro 203

Em terceiro lugar, compreendo melhor qual é a imagem do


corpo de Marsias. Para sua mãe ele era um tubo digestivo
supra-investido e erotizado nas duas extremidades (à menor
emoção, ele é tomado por uma violenta necessidade de
micção e um de seus temores é o de urinar durante suas
relações sexuais). Seu corpo, como entidade carnal, como
volume e como movimento não foi investido pela emprega-
da. Daí sua angústia do vazio.

Temos, sobre esses três temas, uma troca verbal ativa, viva,
calorosa. Na despedida, ao invés do seu aperto de mãos
habitualmente mole, ele me aparta os dedos com firmeza.
Minha contratransferência é dominada por um sentimento
de satisfação de trabalho realizado.

Minha decepção foi maior no encontro seguinte. Marsias


chega deprimido e, para minha surpresa, já se queixando do
caráter negativo da sessão anterior que me parecera, pelo
contrário, enriquecedora para ele (e que de fato o fora por
minha compreensão dele, isto é, para mim). Abandono-me
a um movimento interior de decepção paralelo ao seu mas,
evidentemente, nada lhe digo. Penso: depois de um passo à
frente, ele faz dois para trás, ele nega os progressos que faz.
Fico tentado a desistir. Depois, retomo. Compreendo que,
quando ele avança num ponto, teme perder um outro; eu
lhe digo isso e lembro a lei do tudo ou nada, de que já lhe
falara como regendo suas reações interiores. E explico:
comigo ele encontrou, na última vez, o contato “corporal”
que lhe faltara com sua babá; ele teve precocemente o sen-
timento de perder em contrapartida o outro modo de
contato, mais habitual entre nós até então, aquele da
mamada rápida e intensa com sua mãe. A eficácia da minha
proposta é imediata: o trabalho psíquico é retomado. Ele
relaciona esta perda alternada com seu longo temor - até
então nunca expresso tão claramente - de que a psicanálise
lhe retire alguma coisa - não no sentido da castração, ele
mesmo explica espontaneamente -, lhe prive de suas
204 Pr in c ipa is oo n f ig u ra ç ô ís

possibilidades mentais. O problema de Marsias se refere na


verdade ao déficit de sua libido narcísica e aos efeitos da
carência de seu ambiente primitivo em assegurar a satisfação
de suas necessidades do Eu, tais como Winnicott as
diferencia das necessidades do corpo. Mas onde situar as
necessidades do Eu na sequência que acabo de relatar?

A aliança terapêutica reencontrada entre mim e Marsias nos


permite levar adiante o trabalho de análise e fazer aparecer
uma outra dimensão de sua suscetibilidade à frustração (ou à
ferida narcísica): quando alguém lhe dá o que ele não teve de
sua mãe, isso não conta; sua mãe é que deveria lhe ter dado.
E ele mantém assim na sua cabeça um perpétuo processo
inacabado: sua mãe e o psicanalista deveriam reconhecer
enfim os erros que cometeram com ele desde o início! Marsias
não é psicótico, porque seu funcionamento mental foi no
conjunto assegurado durante sua infância: sempre houve
alguém, entre seu irmão e suas irmãs, ou as sucessivas
empregadas, e depois os padres, para preencher esse papel, e
Marsias pela primeira vez evoca uma vizinha que ele visitava
quase diariamente, desde que começou a falar e antes de ir à
escola. Ele tagarelava com ela sem parar, muito à vontade,
coisa impossível com sua mãe, muito ocupada e que só
aceitava o que era conforme a seu código moral e a seu ideal
de menino perfeito. Comigo, percebe Marsias, as coisas se
passam ora como com a vizinha, ora como com sua mãe.

E ele volta à sua relação comigo. Acha que eu lhe proporcio-


no muito, ele sente muito mais prazer em viver, não faltaria
a suas sessões por nenhum preço. Mas persiste entre nós
uma importante dificuldade: frequentemente ele não com-
preende o que lhe digo, isto foi flagrante na última vez, ele
não se lembrou de nada, nem mesmo me escutou.

Além disso, se ele pensa em seus problemas no intervalo


das sessões e lhe ocorre uma idéia interessante, ele não pode
se preocupar com isso na minha frente, ele fica mudo de
imediato, com o espírito vazio.
O envelope-sonoro 205

A princípio, fiquei desorientado diante desta resistência. De-


pois, me vem um paralelo e lhe pergunto: como sua mãe
falava com você quando você era pequeno? Ele descreve
uma situação sobre a qual, apesar de vários anos de psicaná-
lise, ele jamais dissera uma palavra e que eu, à noite, redigin-
do a observação desta sessão, resumi sob a expressão de
banho negativo de palavras.

Por um lado, sua mãe tinha entonações roucas e duras corres-


pondendo a acessos de mau humor bruscos, imprevisíveis e
frequentes: a relação de Marsias, bebê, à melodia materna,
como portadora de um sentido global, era então interrom-
pida, cortada, da mesma forma que a relação de troca cor-
poral intensa e satisfatória com a mãe durante as mamadas
era cortada pelos cuidados mecânicos da empregada. Assim,
as duas principais infra-estruturas da significação (a signifi-
cação infralingüística encontrada nos cuidados e nos jogos
de corpo, a significação pré-lingüística de escuta global dos
fonemas) se encontravam afetadas pela mesma perturbação.

Por outro lado, a mãe de Marsias não sabia exprimir bem o


que ela sentia ou desejava. Era esse, aliás, um motivo de
irritação ou de ironia para com seu meio ambiente. É prová-
vel que ela não soubesse nem imaginasse o que as pessoas à
sua volta sentiam, nem pudesse ajudá-las a expressá-lo. Ela
não soubera falar com seu último filho numa linguagem onde
ele pudesse se reconhecer. Daí a impressão de Marsias se
relacionar com sua mãe, comigo, em uma língua estranha.

A seqüência dessas duas sessões me confirmou que, em caso de


carência do ambiente primordial em relação às necessidades do Eu,
falta ao sujeito uma suficiente heteroestimulação de algumas de suas
funções psíquicas, heteroestimulação que, em caso de um ambiente
suficientemente bom, permite, ao contrário, chegar em seguida, pela
identificação introjetiva, à auto-estimulação dessas funções. O objeti-
vo da cura está nesse caso: a) fornecer esta heteroestimulação por
modificações apropriadas do dispositivo analítico, pela determinação
do psicanalista em simbolizar no lugar do paciente cada vez que este
206 Principais configurações

tenha o espírito vazio; b) fazer aparecer na transferência as falhas anti-


gas do Self e as incertezas na coerência e limites do Eu de maneira tal
que os dois parceiros possam trabalhar analiticamente em sua elabora-
ção (na verdade, o paciente carente e não neurótico ficará de qual-
quer maneira profundamente insatisfeito com o psicanalista e com a
psicanálise, mas a aliança simbiótica que terá se estabelecido entre a
parte autêntica de seu Self e o psicanalista lhe permitirá reconhecer
pouco a pouco, através de suas insatisfações, a presença de alguns
déficits precisos, específicos, que podem ser percebidos e nomeados, e
relativamente superáveis em condições novas do ambiente).

Audição e fonação no bebê


E necessário agora lembrar os fatos estabelecidos em relação à
audição e à fonação no bebê2 que convergem a esta conclusão: o
bebê está ligado a seus pais por um sistema de comunicação verdadei-
ramente audiofônico; a cavidade bucofaríngea, produzindo os ele-
mentos indispensáveis à comunicação, está, muito cedo, sob o con-
trole da vida mental embrionária, ao mesmo tempo que exerce um
papel essencial na expressão das emoções.
Além dos ruídos específicos produzidos pela tosse e pelas ativi-
dades alimentares e digestivas (que fazem do próprio corpo uma ca-
verna sonora onde esses ruídos são tão mais inquietantes por sua
origem não ser localizada pelo interessado), o choro é, desde o nasci-
mento, o som mais característico emitido pelos recém-nascidos. A
análise física dos parâmetros acústicos permitiu ao inglês Wolff, em
1963 e 1966, distinguir no bebê com menos de três semanas quatro
choros estrutural e funcionalmente distintos: o choro de fome, o choro
de cólera (por exemplo, quando ele é despido), o choro de dor de
origem externa (por exemplo, quando se tira sangue do calcanhar)
ou visceral, e o choro de resposta à frustração (por exemplo, em caso de

2. Ura resumo de trabalhos, principalmente anglo-saxônioos e também alemães e franceses,


se encontra de H. Herren, “La voix dans le development psychosomatique de l’efant” (1971). Devo
muito a ele. Os autores citados nas páginas seguintes se referem à bibliografia deste artigo. Cf.
igualmencente Oléron, “L’acquisition du langage” (1976).
O envelope-sonoro 207

retirada de um bico ativamente sugado). Esses quatro choros têm um


desenvolvimento temporal, uma duração das frequências e das
características espectográficas específicas. O choro de fome (apesar
de não estar necessariamente associado a este estado fisiológico) pa-
rece ser fundamental; ele sempre sucede aos três outros, que seriam
suas variantes. Todos esses choros são puros reflexos fisiológicos.
Esses choros induzem nas mães - que procuram logo diferenciá-
los, e com variantes decorrentes de sua experiência e temperamento,
reações específicas que visam cessar o choro. Ora, a manobra mais
eficaz de extinção é a voz materna: desde o fim da segunda semana,
ela pára o choro do bebê muito melhor do que qualquer outro som
ou presença visual do rosto humano. A partir da terceira semana,
pelo menos em meio familial normal, aparece o “falso choro de de-
samparo para chamar a atenção” (Wolff): são gemidos que terminam
em choro; a estrutura física dos quatro choros de base é muito dife-
rente. É a primeira emissão sonora intencional, considerada a pri-
meira comunicação. Com cinco semanas, o bebê distingue a voz
materna das outras vozes, enquanto não diferencia ainda o rosto
materno dos outros rostos. Assim, antes do fim do primeiro mês, o
bebê começa a ser capaz de descodificar o valor expressivo das inter-
venções acústicas do adulto. Aí está a primeira das reações circula-
res constatáveis no bebê, bem anterior àquelas relativas à visão e à
psicomotricidade, esboço e talvez protótipo das aprendizagens
discriminativas posteriores.
Entre três e seis meses, o bebê está em pleno balbuciar. Ele brin-
ca com os sons que emite. Primeiro são os “cacarejos, estalos, gras-
nados” (Ombredane). Depois ele se exercita progressivamente a di­
ferenciar, a produzir voluntariamente e a fixar, entre a gama variada
dos fonemas, aqueles que constituem o que será sua língua materna.
Adquire assim o que o lingüista Martinet designou a segunda articula-
ção da palavra (a articulação do significante em relação a sons preci-
sos ou combinações particulares de sons). Alguns autores pensam
que o bebê emite espontaneamente quase todos os sons possíveis e
que o ajustamento ao sistema ambiente leva a um estreitamento de
sua gama. Outros autores consideram, ao contrário, as emissões des-
se estágio como sendo um material imitado e que a evolução se dá
por enriquecimento progressivo. O certo é que, com aproximada-
208 Principais configurações

mente três meses, em conseqüência do amadurecimento da fóvea, a


reação circular motora-visual se instala: a mão se estende para a
mamadeira. Mas também para a voz materna! E como a criança nes-
se estágio só é capaz de reproduzir os gestos que ela se vê fazer (aque-
les das extremidades dos membros), a imitação é bem mais
diversificada no plano audiofonológico: no seu balbuciar, o bebê imi-
ta o que ele escuta do outro ao mesmo tempo que imita a si próprio;
com três meses, por exemplo, surgem os choros contagiantes.
Duas experiências são interessantes de relatar. É difícil saber o
que o bebê escuta por falta de uma reação observável provando que
ele escutou. Esse problema metodológico foi elegantemente resolvi-
do por Caffey (1967) e Moffit (1968) que registraram o eletrocardio-
grama de bebês com dez semanas, aos quais, depois de uma habitua-
ção a alguns sinais fonéticos que eles eram capazes de produzir, eram
apresentados sinais ora contraídos, ora próprios do repertório fonéti-
co do adulto. Os resultados confirmaram que o bebê possuía uma
riqueza perceptiva considerável, bem superior à sua capacidade de
emissão fonética, antecipando então esta anterioridade, bem conhe-
cida e constatada alguns meses mais tarde, da compreensão semânti-
ca em relação à elocução.
Uma outra maneira de resolver o problema deve-se a Butterfield
(1968): bebês com alguns dias sugam mais ativamente nas mamadas
um bico musical do que um bico comum. Conforme sua avidez ao
mamar, alguns sujeitos manifestariam até mesmo uma preferência para
música clássica ou popular ou por uma melodia cantada! Depois de
alguns exercícios desse gênero, esses bebês melômanos se tomam ca-
pazes, uma hora antes de sua refeição e bem despertos - isto é, inde-
pendentemente da gratificação alimentar - de controlar a velocidade
ou a parada das músicas gravadas e conectadas à mamadeira vazia
posta à sua disposição. Esses trabalhos confirmam a teoria de Bowlby
segundo a qual uma pulsão primária de apego funcionaria simultanea-
mente com a pulsão sexual oral e independentemente dela. Mas esses
trabalhos trazem também um complemento ou uma correção impor-
tante: as capacidades mentais se exerceriam primeiro sobre o material
acústico (eu acrescentaria: e sem dúvida também olfativo). Isto torna
improváveis as idéias de Henri Wallon, que predominam na França,
segundo as quais as diferenciações dos gestos e da mímica - isto é, dos
O envelope-sonoro 209

fatores tônicos e posturais - estariam na origem da comunicação social


e da representação mental. É evidente que “feedbacks” mais precoces
com o meio ambiente se formam no bebê: são de natureza
audiofonológica; eles se aplicam primeiro nos choros e depois nas
vocalizações (porém com analogias funcionais e morfológicas patentes
entre os dois) e constituem o primeiro aprendizado de condutas
semióticas. Ou seja, a aquisição da significação pré-linguística (aquela
dos choros e dos sons no balbuciar) precede aquela da significação
infralingüística (aquela das mímicas e dos gestos).
Seguramente, a sucessão cronológica não implica em uma filia-
ção estrutural: as coordenações vocal-motoras e visual-motoras pos-
suem cada uma sua autonomia relativa, e sua especificidade, as
primeiras preparando a aquisição da segunda articulação (aquela
dos significantes aos sons), as segundas preparando a aquisição da
primeira articulação (aquela dos significantes aos significados). Pode-
se mesmo pensar que o desenvolvimento da função lingüística e o
início da apropriação pela criança durante o segundo ano do código da
língua humana materna necessita tolerar as diferenças de estrutura
entre a comunicação vocal e a comunicação gestual e superá-las na
constituição de uma estrutura de simbolização mais complexa e de
nível mais abstrato. Não há dúvida que o primeiro problema colocado à
inteligência nascente é o da organização diferencial dos ruídos do
corpo, dos choros e dos fonemas, e que os fono-comportamentos
constituem, durante o primeiro ano, um fator primitivo do
desenvolvimento mental.
Um último fato o ilustra. Entre oito e onze meses, as atividades
vocais, a imitação das formas ouvidas, a freqüência do balbuciar so-
frem uma diminuição. É a idade onde a criança tem medo de pessoas
estranhas (de seu rosto e sua voz), idade também onde, com a aqui-
sição aos dez meses da oposição do polegar e do índice, ela pode, na
presença de um modelo exterior, reproduzir os gestos que ela não se
vê executar, onde ela pode igualmente se representar mentalmente
objetos ou acontecimentos fora do campo percebido. Mas, ao mes-
mo tempo, e talvez como consequência, ela analisa melhor os
fonocomportamentos dos outros do que os seus.
210 Principais configurações

O sonoro segundo Freud


A noção de banho de palavras emanando do círculo maternante
está ausente da obra de Freud. Por outro lado, em “Esquisse dfune
psychologie scientifique" de 1895 (tr. fr., pp, 336, 348 e 377), ele atri-
bui um papel importante ao choro emitido pelo bebê. O choro é
primeiro pura descarga motora da excitação interna, de acordo com
o esquema reflexo que constitui a estrutura primeira do aparelho
psíquico. Depois, ele é entendido pelo bebê e pelas pessoas que o
cercam como uma exigência e como o primeiro meio de comunica-
ção entre eles, ocasionando a passagem à segunda estrutura do apa-
relho psíquico onde intervém, em uma reação circular, o sinal, for-
ma primária da comunicação. “A via de descarga adquire assim uma
função secundária de extrema importância, a de compreensão mú-
tua”. O nível de complexidade decorrente do aparelho psíquico é,
como se sabe, o do desejo visando a imagem mnésica do objeto que
trouxe a satisfação. Esta imagem é sobretudo visual ou motora (não
se trata de registro sonoro); ela fundamenta o processo psíquico
primário que visa a realização alucinatória do desejo (é uma expe-
riência de auto-satisfação por oposição à satisfação anterior que é
dependente do meio); enfim, a associação de imagens mentais a
moções pulsionais constitui a primeira forma da simbolização (não
estamos mais no simples sinal). Esta terceira estrutura do aparelho
psíquico se toma complexa por sua vez com a articulação de traços
verbais (ou representantes de palavras) com os representantes de
coisas, o que possibilita os processos psíquicos secundários e o pen-
samento. Mas é interessante observar que Freud descreve, o que
chamarei de nível zero desta articulação, a articulação dos sons
com as percepções. “Há em primeiro lugar objetos (percepções)
que fazem chorar, porque eles provocam um sofrimento (...) A in-
formação que nos é dada por nosso próprio choro nos serve para atri-
buir uma qualidade (hostil) ao objeto, uma vez que, de outra ma-
neira, e em razão do sofrimento, nós não poderiamos ter qualquer
noção qualitativamente clara.” Decorre daí que as primeiras lem-
branças conscientes são as lembranças penosas.
O envelope-sonoro 211

Posso agora me situar precisando os limites da minha concordân-


cia com Freud3, e as complementações que poderíam ser feitas: 1º) O
Superego sádico arcaico começa a se transformar em um Superego
regulador do pensamento e da conduta com o aprendizado da pri-
meira articulação da linguagem (assimilação das regras que regem o uso
léxico, a gramática e a sintaxe). 2º) Anteriormente o Eu se constituiu
como instância relativamente autônoma, por apoio sobre a pele, com a
aquisição da segunda articulação (fixação do fluxo da emissão vocal aos
fonemas que são os formantes da língua materna), com a aquisição
igualmente do estatuto de extraterritorialidade do objeto. 3 º) Mais
anteriormente ainda, o Self se forma como um envelope sonoro na
experiência do banho de sons, concomitante com aquela do
aleitamento. Esse banho de sons prefigura o Eu-pele e sua dupla face
voltada para o interior e o exterior, pois o envelope sonoro é composto
de sons alternadamente emitidos pelo meio ambiente e pelo bebê. A
combinação desses sons produz então: a) um espaço-volume comum
permitindo a troca bilateral (já que o aleitamento e a eliminação
operam uma circulação de sentido único); b) uma primeira imagem
(espaço-auditiva) do próprio corpo; c) um elo de realização fusional real
com a mãe (sem o que a fusão imaginária com ela não seria
posteriormente possível).

A semiofonia
As novidades da tecnologia e a inventividade da mitologia e da
ficção científica me fornecerão um suplemento de provas.
A idéia de mergulhar crianças com distúrbios de linguagem
em um banho sonoro antes de qualquer reeducação foi colocada
em prática na França com o nome de semiofonia4. O sujeito é fechado

3. Os problemas da voz e da audição nunca interessaram os comentadores de Freud. Os editores


da Standard Edition nem mesmo citam os termos: voz, som, audição. Somente mantiveram as
referências ao choro e às semelhanças de sons. utilizadas pelos lapsos e jogos de palavras. Uma pes-
q u is a s o b re o s o n o ro e m F re u d a in d a e s tá p a ra s e r re a liza d a .
4. I. Beller, “La Sémiophonie” (1973). O autor partiu da experiência de Birch e Lee (1955):
estimulações auditivas binaurais de sessenta decibéis durante sessenta segundos em sujeitos
com afasia expressiva, em razão de uma inibição cortical permanente, provocam uma melhora
imediata da sua eficiência verbal que dura de cinco a dez minutos. É igualmente inspirada
na orelha eletrônica de Tomatis, reelaborando sua concepção.
212 Principais configurações

numa espaçosa cabina à prova de som e dotada de um microfone e de


um fone de ouvido, verdadeiro “ovo fantasmático” no qual ele pode
narcisicamente se interiorizar e regredir. Numa primeira fase,
puramente passiva, ele brinca livremente (desenhos, quebra-cabeças
etc.) sempre escutando durante meia hora música filtrada, rica em
harmônicos agudos, e depois durante outra meia hora uma voz
filtrada e pré-gravada. Assim, ele é submetido a um banho sonoro
reduzido ao ritmo, à melodia e à inflexão. A segunda fase da reeducação
se refere à segunda articulação; ela requer do sujeito, depois da
audição da música filtrada, a repetição ativa de significantes
igualmente pré-gravados e passados por um filtro suave que torna a
voz perfeitamente audível e distinta e favorece a escala dos harmônicos
agudos; ao mesmo tempo que repete a palavra, o sujeito se escuta
pelos fones de ouvido, ele descobre sua própria voz e faz a experiência
do “feedback” auditivo-fonatório. A fase seguinte, mais banal,
compreende o desaparecimento do banho musical anterior e dos sons
filtrados, e a repetição de frases organizadas em relatos. Se a criança
repete mal, se introduz voluntariamente variantes fantasiosas ou
grosseiras, nenhuma observação e muito menos reprimendas lhe são
feitas. Pode igualmente continuar a desenhar escutando e falando.
Para poder apreender um código, não é preciso primeiro brincar
com ele e também ser livre para transgredi-lo? “Assim, acreditando
dialogar com o outro, a criança aprende muito depressa a dialogar
consigo mesma, com esta outra parte de si mesma que ela desco-
nhece e que precisamente ela projetava sobre o outro, afastando assim
toda possibilidade de diálogo real” (ibid., p. 64).
A autora se prende a uma posição puramente didática, rejeitan-
do não somente a transferência e a interpretação, mas também a
inferência e a compreensão do papel das carências do meio nos déficits
linguísticos da criança. Na verdade, ela procura fazer funcionar uma
máquina de curar. Mas a sua intuição é fecunda.
“No primeiro período da reeducação dita passiva, onde são fil­
trados intensamente os sons exteriores que se tornam assim não-
significativos, o que é vivido pelo sujeito poderia se definir como um
agradável sentimento de estranheza... Esta emoção induz a um estado
de elação percebido na própria pessoa, isto é,na representação que o su-
O envelope-sonoro 213

jeito tem de si próprio” (ibid., p. 75). A estranheza só é inquietante


quando o meio não “contém” (no sentido de Bion) o vivido psíquico do
sujeito.

O espelho sonoro
O bebê é introduzido na melodia da ilusão ao escutar o outro,
desde que isso envolva o Self na harmonia (que outra palavra senão a
musical cabería aqui?), e depois responda, de volta, em eco à emissão
e ao estímulo. Winnicott (1951) considerou o balbuciar como fenô-
meno transicional, colocando-o porém no mesmo plano das outras
condutas desse tipo. Ora, o bebê só é auto-estimulado à emissão ao se
escutar se o meio ambiente o preparou pela qualidade, precocidade e
volume do banho sonoro no qual está mergulhado. Antes que o olhar
e o sorriso da mãe que o alimenta e cuida produzam na criança uma
imagem de si que lhe seja visualmente perceptível e que seja
interiorizada para reforçar seu Self e esboçar seu Eu, o banho melódico
(a voz da mãe, suas cantigas, a música que ela proporciona) põe à
disposição um primeiro espelho sonoro do qual ele se vale a princípio
por seus choros (que a voz materna acalma em resposta), depois por
seus balbucios e, enfim, por seus jogos de articulação fonemática.
A mitologia grega não deixou de assinalar a inter-relação do espe-
lho visual com o espelho sonoro na constituição do narcisismo. Não é
por acaso que a lenda da ninfa Eco está ligada à lenda de Narciso.
Narciso jovem provoca, por parte de inúmeras ninfas e jovens, paixões
às quais ele permanece insensível. Por sua vez, a ninfa Eco dele se
enamora sem nada receber em troca. Desesperada, ela se retira na
solidão, onde perde o apetite e emagrece, restando de sua pessoa debi-
litada apenas uma voz plangente, que repete as últimas sílabas das
palavras que lhe são ditas. Durante esse tempo, as jovens desprezadas
por Narciso conseguem vingança de Nêmesis. Depois de uma caçada
num dia muito quente, Narciso se inclina sobre uma fonte para saciar
a sede, percebe sua imagem, tão bela que por ela se apaixona. Paralela-
mente com Eco e sua imagem sonora, Narciso se desliga do mundo,
nada fazendo senão se debruçar sobre sua imagem visual, deixando-se
214 Principais configurações

depauperar. Mesmo na passagem fúnebre sobre as águas do rio Styx ele


ainda vai procurar distinguir seus próprios traços... Esta lenda marca
bem a prevalência do espelho sonoro sobre o espelho visual, assim
como o caráter primariamente feminino da voz e o elo entre a emissão
sonora e a exigência de amor. Mas ela fornece também os elementos
de uma compreensão patogênica: se o espelho - sonoro ou visual -
devolver ao sujeito apenas ele próprio, isto é, sua exigência, seu de-
samparo (Eco) ou sua procura de ideal (Narciso), o resultado é o
desequilíbrio pulsional que libera as pulsões de morte e lhes assegura
uma primazia econômica sobre as pulsões de vida.
Sabe-se que freqüentemente uma mãe do esquizofrênico é reco-
nhecida pelo mal-estar que sua voz provoca no médico consultado:
voz monocordia (mal ritmada), metálica (sem melodia), rouca (com
predominância dos graves, o que favorece no ouvinte a confusão dos
sons e o sentimento de uma intromissão por eles). Uma tal voz per-
turba a constituição do Self: o banho sonoro não mais é envolvente;
ele se torna desagradável (em termos de Eu-pele, ele seria dito rugo-
so) e vazado. Isto sem contar, quando da aquisição da primeira arti-
culação de linguagem, com a confusão feita pela mãe do pensamento
lógico da criança pela injunção paradoxal e pela desqualificação dos
enunciados emitidos pela criança sobre si mesmo (cf. D. Anzieu, 1975
b). Somente a conjunção grave das duas perturbações, fonemática e
semântica, produziría a esquizofrenia. Se as duas perturbações fossem
leves, teríamos as personalidades narcísicas. Se a primeira acontecesse
sem a segunda, a predisposição às reações psicossomáticas se
constituiría. Se a segunda se produzisse sem a primeira, reencontra-
ríamos um grande número de distúrbios de adaptação escolar, inte-
lectual e social.
As falhas do espelho sonoro patogênico são:
— sua discordância: ele intervém em detrimento do que o bebê
sente, espera ou exprime;
— sua inadequação: ele é ora insuficiente, ora excessivo, e passa
de um extremo a outro de maneira arbitrária e incompreensível para
o bebê; ele multiplica os microtraumatismos sobre a pára-excitação
nascente (depois de uma conferência que fiz sobre “o envelope so­
noro do Self ”, um ouvinte veio me falar sobre seus problemas relaci-
onados com a “violência sonora do Self ”);
O envelope-sonoro 215

— sua impersonalidade: o espelho sonoro não orienta o bebê


sobre o que o bebê sente, nem sobre o que sua mãe sente por ele. O
bebê se sentirá mal seguro de seu Self se ele for para ela uma máqui-
na de brincar, na qual se introduz um programa. Freqüentemente
também ela fala para si própria na frente dele, mas não sobre ele, seja
com voz alta ou no mutismo da palavra interior, e esse banho de
palavras ou de silêncio lhe faz sentir que ele nada é para ela. O espe-
lho sonoro e depois visual só é estruturante para o Self e depois para
o Eu se a mãe exprimir ao bebê ao mesmo tempo alguma coisa dela e
dele, e alguma coisa que diga respeito às primeiras qualidades psíqui-
cas vividas pelo então nascente Self do bebê.
O espaço sonoro é o primeiro espaço psíquico: ruídos exteriores
dolorosos quando são bruscos ou fortes, gorgolejos inquietantes do
corpo mas não localizados no interior, choros automaticamente emi-
tidos com o nascimento, depois a fome, a dor, a cólera, a privação do
objeto, mas que acompanha uma imagem motora ativa. Todos esses
ruídos compõem alguma coisa parecida com o que Xenakis sem dú-
vida quis nos dar pelas variações musicais e os jogos luminosos de
raios lazer do seu “politope”: um entrecruzamento não organizado
no espaço e no tempo de sinais das qualidades psíquicas primárias ou
como o que o filósofo Michel Serres tenta dizer do fluxo, da disper-
são, da primeira nuvem de desordem onde brilham e se movimentam
sinais de bruma. Sobre esse fundo de ruídos a melodia de uma música
mais clássica ou mais popular pode se sobressair, isto é, produzir sons
ricos em harmônicos, música propriamente dita, voz humana falada ou
cantada, com suas inflexões e invariantes logo percebidas como
características de uma individualidade. Momento e estado nos quais o
bebê experimenta uma primeira harmonia (antecipando a sua
própria unidade como Self através da diversidade de seus sentidos) e
um primeiro encantamento (ilusão de um espaço onde não existe a
diferença entre o Self e o ambiente e onde o Self pode ser forte pela
estimulação e pela tranqüilidade do meio ambiente ao qual ele está
ligado). O espaço sonoro - se for necessário recorrer a uma metáfora
para lhe atribuir uma aparência visível - tem a forma de uma caverna.
Espaço cavo como o seio e a cavidade bucofaríngea. Espaço abrigado,
porém não hermeticamente fechado. Volume dentro do qual circulam
ruídos, ecos, ressonâncias. Não é por acaso que o conceito de
216 Principais configurações

ressonância acústica deu aos cientistas o modelo de toda ressonância


física e aos psicólogos e psicanalistas de grupo o conceito da
comunicação inconsciente entre as pessoas. Os espaços posteriores da
criança, o espaço visual, o visual-tátil, o locomotor e, enfim, o gráfico a
introduzem nas diferenças entre o meu e o não- familiar, entre o Self e
o ambiente, diferenças no interior do Self, diferenças no meio. Sami-
Ali levou adiante o estudo com seu livro “L’Espace imaginaire” (1974).
Mas os déficits originários do envelope sonoro do Self prejudicam o
desenvolvimento desta série.

Observação de Marsias (fim)


A maneira pela qual tal deficiência funcionou nesse paciente pôde
ser esclarecida vários meses depois das duas sessões resumidas
anteriormente, graças às referências sólidas que estas sessões nos trou-
xeram e sobre as quais pude me apoiar mais de uma vez explicita-
mente (prova de que essas deficiências podem ser notavelmente ate-
nuadas pela psicanálise, desde que lhes sejam dados o tempo, a von-
tade, o dispositivo espaço-temporal adequado e delas se retire as in-
terpretações de uma teoria correta).

Apesar de progressos incontestáveis na sua vida interior e


exterior que lhe eram necessários, Marsias atravessou uma
nova crise não tanto de angústia depressiva, mas de ceti-
cismo: ele jamais chegaria a mudar o quanto lhe seria neces-
sário; ele se sentia muito diferente dos outros, estava desani-
mado, imaginava que eu o achava incapaz de terminar sua
psicanálise e seria melhor sem dúvida interrompê-la de
comum acordo. Marsias não diferenciava com certeza o que
se passava em seu Self e o que se passava no seu ambiente.
Muitas vezes os afetos de seus próximos o invadiam e o
desorganizavam; ele procurava deles se distanciar mas se
recusava, sempre se criticando, a todos os meios para tal; o
que ele sentia, ou guardava para si e lamentava não ser
compreendido, ou exprimia com tal vivacidade que acarre-
tava respostas violentas. E sempre a mesma conclusão: eu,
Marsias, devo mudar e não sou capaz. Pude interpretar na
transferência que ele organizava suas relações com seu meio
O envelope-sonoro 217

particular e profissional, do mesmo modo que comigo, sobre


o modelo de uma discordância inevitável entre o Self e o
ambiente. Propus uma fórmula para esta discordância basal:
a felicidade de um tem por oposição a infelicidade do outro.

Um outro paciente, apresentando analogias com Marsias quanto


à história de sua primeira infância e suas falhas no funcionamento do
Self e do Eu, adotara a conclusão simetricamente inversa: ele pensava
que cabia ao meio ambiente e ao psicanalista mudarem, e somente a
eles, mas que eles não eram capazes disso. O núcleo do problema é o
mesmo: a diferenciação entre o vivido sensorial e afetivo do sujeito e o
vivido do meio ambiente não se efetua, ou o faz inadequadamente,
quando o sujeito não pode mais viver suficientemente um período ori-
ginal onde o meio ambiente respondeu a seu prazer pelo prazer, a sua
dor pelo apaziguamento, a seu vazio pelo pleno e a sua fragmentação
pela harmonização. O psicanalista deve lhe falar disso sem ter necessi-
dade de o mergulhar numa cabina semiofônica - para criar um ambi-
ente que ecoe tanto em nível da voz como em do sentido.
Rolatid Gori, numa reflexão paralela à minha, e muitas vezes
numa interação mútua, elaborou noções convergentes de “imagem
especular sonora", de “muralhas sonoras”, de “âncora corporal do
discurso”, de “alienação da subjetividade ao código”. Devo-lhe o
conhecimento de uma novela de ficção científica de Gérard Klein,
“La Valiée Jes échos” (1966), que imagina a existência de fósseis so-
noros: “Sobre o planeta Marte, exploradores procuram no deserto o
vestígio de uma vida desaparecida. Um dia eles penetram entre as
falésias denteadas, que não se parecem em nada com paisagens
erodidas dispostas ao longo de todo o planeta de areia... e eles reen-
contram o eco: ‘Eu percebi uma voz, ou melhor, o murmúrio de um
milhão de vozes. O tumulto de um povo inteiro pronunciando pala-
vras inacreditáveis, incompreensíveis, (...) o som nos invadiu em vagas
sucessivas, turbilhonantes.’(...) Nesse vale dos Ecos, os sons de um
povo desaparecido estão reunidos; único lugar do universo onde os
fósseis não são minerais e sim massas sonoras. Um dos exploradores,
ávido do prazer de sua descoberta, avança imprudentemente e as vozes
decrescem lentamente até a agonia do silêncio, ‘porque seu corpo era
uma tela. Ele era muito pesado, muito material, para que essas vozes
leves suportassem seu contato’ ”(R. Gori, 1975, 1976).
218 Principais configurações

Bela metáfora de uma matéria sonora estranha ao corpo vivido, que se


mantém por sua própria e vã compulsão de repetição, lembrança ante-
histórica e ameaça mortal de uma mortalha audiofônica desdobrada em
farrapos, que não envolve e que não retém mais o Self nem a vida
psíquica nem o sentido.
12
O envelope térmico

O envelope de calor
Uma observação muito frequente em relaxamento é significati-
va. A pessoa que vai relaxar, chegando adiantada e se instalando
sozinha na sala, começa o exercício. Ela sente rápida e agradavel-
mente o calor em todo o seu corpo. O instrutor chega: a sensação de
calor desaparece imediatamente. O interessado comunica isso ao
instrutor, que é aliás psicanalista, e que procura, através do diálogo,
elucidar e levantar a causa deste desaparecimento: em vão. O
psicoterapeuta resolve então ficar silencioso e se relaxar, deixando o
paciente, segundo a descrição de Winnicott (1958), experienciar estar
só em presença de alguém que respeita sua solidão, protegendo a
solidão pela sua proximidade. O paciente reencontra então progres-
sivamente a sensação global de calor.
Como compreender esta observação? O paciente, sozinho em
uma sala familiar e valorizada, vive uma experiência de crescimento
e de elação do Self, com uma extensão dos limites do Eu corporal às
dimensões da sala. O bem-estar de ter um Eu-pele por um lado em
expansão, por outro lhe pertencendo, acentua a impressão primária
de um envelope de calor. A entrada do psicoterapeuta representa
uma invasão traumática nesse envelope muito grande e frágil (a bar-
reira de calor é uma pára-excitação medíocre). Quando o calor desa-
parece, o paciente procura, em interação com o psicoterapeuta, um
novo apoio sobre o qual seu Eu-pele poderia funcionar. Seria isto a
fantasia arcaica de uma pele comum aos dois parceiros? Mas o
220 Principais configurações

terapeuta fala ao invés de tocar o corpo, e o paciente resiste a uma


tal regressão. Ele reencontra a sensação envolvente de calor quando
a angústia da invasão se dissipa e seu Eu corporal volta aos limites
mais próximos daqueles do próprio corpo. A presença discretamente
protetora do terapeuta (análoga à neutralidade silenciosa acolhedo-
ra do psicanalista) deixa o paciente livre para se reapropriar de um Eu-
pele, se identificando com o terapeuta, ele mesmo seguro de seu
próprio Eu-pele. O paciente escapa ao triplo risco de roubar a pele
do outro, ou de ter sua pele roubada pelo outro, ou de ser revestido
pelo presente envenenado da pele do outro que o impediría de ace-
der a uma pele independente. A impressão de calor se estende do Eu
corporal ao Eu psíquico e envolve o Self.
O envelope de calor (evidentemente se permanecer modera-
do) testemunha uma segurança narcísica e um investimento em
pulsão de apego suficientes para iniciar a relação de troca com o
outro, com a condição de ser sobre uma base de respeito mútuo da
singularidade e da autonomia de cada um: a linguagem corrente
fala então significativamente de “contatos calorosos”. Este envelo­
pe delimita um território pacífico, com postos fronteiriços permi-
tindo a entrada e a saída de viajantes, dos quais apenas se verifica
não terem intenções e armas hostis.

O envelope de frio
A sensação física de frio sentida pelo Eu corporal e associada à
frieza, no sentido moral, oposta pelo Eu psíquico às solicitações de
contato que emanam do outro, visa constituir ou reconstituir um
envelope protetor mais hermético, mais fechado sobre ele próprio,
mais narcisicamente protetor, uma pára-excitação que mantém o
outro a distância. O Eu-pele, como já foi dito, consiste de duas ca-
madas mais ou menos separadas uma da outra, uma voltada para as
estimulações exógenas, outra para as excitações pulsionais internas.
O destino não é o mesmo, na medida em que o envelope frio diz
respeito à camada externa sozinha, à camada interna sozinha, ou às
duas, o que pode levar à catatonia.
O envelope térmico 221

Vou me limitar ao caso do escritor. A primeira fase do trabalho


psíquico criador, além de ser uma fase de regressão a uma sensação-
emoção-imagem inconsciente necessária para fornecer o tema ou o
tom diretor da obra, é também uma fase de “emoção”, metaforizada
por um mergulho no frio, uma ascensão hibernal, uma marcha desgas-
tante na neve (cf. o cisne de Mallarmé preso na superfície gelada de
um lago), com acompanhamentos de arrepios e recursos da doença
física e da febre para se reaquecer, com a sensação mortal de perda
das referências na brancura de uma neblina gelada, com o “resfria­
mento" das relações de amizade e amorosas 1. A face externa do Eu-
pele se torna um envelope frio, que interrompe as relações com a
realidade exterior, imobilizando-as. A face interna do Eu-pele, assim
abrigada e superinvestida, se encontra disponível ao máximo para
“apreender” os representantes pulsionais habitualmente reprimidos,
e não ainda simbolizados, cuja elaboração fará a originalidade da obra.
A oposição do calor e do frio é uma das distinções de base que o
Eu-pele permite adquirir e que desempenha um papel notável na
adaptação à realidade física, nas oscilações de aproximação e de afas-
tamento, na capacidade de pensar por si próprio. Lembro o caso da
transferência paradoxal (relatado no meu artigo sobre esse tema: cf. D.
Anzieu, 1975 b), onde as perturbações de equilíbrio do humor, a
obstinação masoquista em manter uma vida conjugal insatisfatória,
algumas falências do raciocínio puderam ser relacionados pelo traba-
lho psicanalítico sobretudo a uma alteração precoce da distinção do
calor e do frio.

Observação de Errônea

Trata-se de uma mulher para a qual não encontrei pseudônimo


melhor do que Errônea, dada a frequência e a intensidade
dramática com as quais, ao longo de sua infância e muitas
vezes ainda na idade adulta, lhe foi imposto que o que ela
sentia era errado. Quando criança, tomava banho antes e
não ao mesmo tempo que seu irmão, o que seria indecente.

1. Dei uma descrição mais detalhada dessa emoção congelante em meu livro “Le Corps de
l’oeuvre ” (1981 a, pp. 102-104).
222 Principais configurações

Assim, para que a água estivesse à temperatura conveniente


para o menino, preparava-se para Errônea um banho muito
quente, no qual ela era mergulhada à força. Se ela se queixava
do calor excessivo, a tia que, estando os pais trabalhando,
cuidava das crianças, a chamava de mentirosa. Se ela chorava
pelo desconforto, a mãe, chamada à propósito, a acusava de
manhosa. Quando ela saía da banheira, vermelha como um
camarão cambaleante e a ponto de desfalecer, o pai, que no
intervalo também viera, lhe culpava de não ter energia nem
caráter. Ela só foi levada a sério no dia em que sofreu uma
síncope. Ela suportou incontáveis situações análogas
provocadas pelo ciúme desta tia abusiva, pela indiferença
distante de uma mãe absorvida pelo seu trabalho e pelo
sadismo do pai. Aqui existe um traço apresentando um caráter
de dupla coerção (double bind). Ela, que desde pequena tinha
sido forçada pela tia e por sua mãe a banhos ferventes, foi, ao
crescer, proibida de se banhar por seu pai - os banhos quentes
amolecem o corpo e o caráter - e forçada a duchas frias que
era obrigada a tomar, inverno ou verão, em uma adega da
casa, sem calefação, onde o aparelho fora instalado
deliberadamente. O pai vinha controlar pessoalmente, mesmo
quando sua filha se tomou adolescente.

Errônea reviveu inúmeras vezes em suas sessões de psicaná-


lise a dificuldade de comunicar seus pensamentos e seus
afetos com medo de que eu negasse sua veracidade. Ela
sentia repentinamente, sobre o divã, uma sensação de frio
glacial. Muitas vezes ela gemia e rompia impulsivamente
em soluços. Aconteceu em muitas sessões de ela chegar a
um estado intermediário entre a alucinação e a despersona-
lização: a realidade não era mais a realidade, sua percepção
das coisas se desfazia, vacilavam as três dimensões do espaço;
ela própria continuava a existir, porém separada de seu corpo,
fora dele. Experiência que ela própria compreendeu
verbalizando-a suficientemente em detalhes, como a
revivescência de sua situação infantil no banheiro, quando
seu organismo estava no limite do desfalecimento.
O envelope térmico 223

Acreditei que poderia fazer com Errônea a economia da


transferência paradoxal: foi aí a minha vez de estar errado.
Ela me testemunhara rapidamente uma transferência posi-
tiva e pude, nela me apoiando, desmontar-lhe o sistema para-
doxal no qual seus pais a tinha colocado e sobre o que ela
não parava de falar. Esta aliança terapêutica positiva produ-
ziu efeitos benéficos na sua vida social e profissional e na
sua relação com seus filhos. Mas ela continuava hipersensí-
vel e frágil: a menor observação de sua vida feita por um
interlocutor habitual ou por mim mesmo a mergulhava nesse
profundo desespero, onde ela não estava mais segura de suas
próprias sensações, idéias e desejos, onde os limites de seu
Eu se apagavam. Bruscamente ela vacilou na transferência
paradoxal, localizando então suas dificuldades na cura
comigo, vivenciando-me como aquele que não podia
entendê-la e cujas interpretações (que ela me atribuía ou
deformava o sentido) visavam a negação sistemática dela
própria. Sua cura só recomeçou a progredir quando:

— pude plenamente aceitar ser o objeto de uma transferên-


cia paradoxal;

— ela teve a prova de poder me atingir emocionalmente ao


mesmo tempo em que eu permanecia firme nas minhas
convicções.

Negando que a criança sinta efetivamente o que ela sentia: “sua


sensação de sentir calor é falsa, isto é o que você diz, mas não é
verdade que você o sinta; os pais sabem melhor do que os filhos o
que estes sentem; nem seu corpo nem sua verdade pertencem a você”,
os pais se situavam não mais sobre o terreno moral do bem e do mal,
mas sobre o terreno, lógico, da confusão do verdadeiro e do falso e
seus paradoxos obrigavam a criança a inverter o verdadeiro e o falso.
Daí os distúrbios consecutivos na constituição dos limites do Eu e da
realidade, na comunicação de seu ponto de vista a alguém. Assim se
instala o que Arnaud Lévy descreveu, numa comunicação inédita,
como uma subversão da lógica, como uma perversidade do pensa-
mento, nova forma da patologia perversa que vem se juntar às perver-
sões sexuais e à perversão moral.
13
O envelope olfativo

A secreção da agressividade pelos poros da pele

Observação de Gethsêmani
Escolhi esse pseudônimo baseando-me no nome do Jardim das
Oliveiras (Gethsêmani em aramaico), onde, segundo o terceiro evan-
gelista (o único a relatar este detalhe), Jesus suou sangue, na noite
anterior à sua prisão. Seus discípulos dormem. Ele roga em vão a Deus,
seu Pai, para poupá-lo da derradeira provação da morte. Sofre de uma
profunda “tristeza": “Encontrando-se em agonia, ele orava com mais
fervor, e seu suor se tornou gotas de sangue que tombavam sobre a
terra” (Lucas, XXII, 44).

Gethsêmani é de origem italiana. Bilíngüe, ele faz sua psica-


nálise em francês. Renunciou entrar no seminário para em-
preender estudos de engenharia e depois de direito. Tem
relações bastante conflitantes com seus colegas da empresa
multinacional onde trabalha e se sente mal na sua pele.
Se me limitar ao conteúdo manifesto das associações de
idéias e dos afetos trazidos em sessão, posso dizer que durante
os três primeiros anos de sua cura, Gethsêmani somente
exterioriza sentimentos agressivos: de início contra uma
mulher madura, professora de ciências num renomado liceu
particular, onde ele fora admitido com uma bolsa, por ser de
226 Principais configurações

origem modesta (esta mulher o ameaçava de uma dispensa


que lhe seria catastrófica); depois contra uma velha senhora
autoritária, chamada por ele de madrinha, que vivera até a
sua morte com seus pais; por fim, contra um irmão menor
que substituira Gethsêmani no amor e nos cuidados de sua
mãe, tendo sido amamentado no peito, o que não acon-
tecera com meu paciente, que guardava um profundo
sentimento de injustiça. Gethsêmani voltava a esses três
aspectos de seu passado com muita emoção. Eu seguia sua
lenta progressão na exteriorização de sua agressividade e
regressão aos objetos de cólera cada vez mais arcaicos.
Intervinha através de correlações. Acolhia este enorme res-
sentimento como se eu fosse um receptáculo onde ele tinha
necessidade de depositá-lo. Sua situação profissional melho-
rava. Seu relacionamento com uma francesa se consolidava.
Eles tiveram um filho desejado (do qual só me falara quando
nasceu). Mas estes eram efeitos mais psicoterapêuticos que
psicanalíticos. Enquanto no exterior ele continuava vingati-
vo, nas sessões ele se mostrava submisso, cheio de boa
vontade, solicitando com consideração minhas interpreta-
ções e as aprovando de imediato, sem reservas e sem perder
tempo em reflexão. O que me parecia então ser a realidade
do aqui e agora de sua psicanálise era uma transferência
positiva, idealizante e dependente, mas não uma verdadeira
neurose de transferência. Existia uma outra manifestação
muito presente quanto à sua vivacidade sensorial da qual
eu não sabia o que fazer de um ponto de vista psicanalítico:
Gethsêmani, em certos momentos, cheirava mal e este odor
era mais desagradável por se misturar ao perfume de colônia
com o qual ele embebia seus cabelos, sem dúvida - suponho
- para contrabalançar os efeitos de uma forte transpiração.
Atribuí esta particularidade de meu paciente à sua consti-
tuição biológica e ao seu meio social de origem. Esta foi
minha primeira resistência contratransferencial: considerar
que o material mais presente nas sessões não decorria da
psicanálise, pois não era verbalizado nem tinha valor apa-
rente de comunicação.
O envelope olfativo 227

Minha segunda resistência contratransferencial foi o mal-estar.


Gethsêmani cheirava cada vez pior, sempre repetindo as
mesmas estórias sobre os perseguidores de sua infância. Meu
espírito se paralisava, invadido por seu discurso e por seu odor.
Nenhuma interpretação nova me ocorria. Ao mesmo tempo,
eu me sentia culpado pela falta de atenção a ele. Tentava me
justificar dizendo que ele induzia transferencialmente a
repetição de sua situação de infância onde ele se tomou um
filho negligenciado e mal amado.

Foi a intervenção de um terceiro que despertou minha facul-


dade de pensar. Uma paciente ocasional, que recebi logo
após Gethsêmani, simulou um dia se negar a permanecer
em meu consultório. Ela me espicaçou violentamente contra
seu predecessor que envenenava a atmosfera da sala, pergun-
tando-me ironicamente se aquilo era um efeito feliz da
psicanálise. O incidente me fez refletir e percebi que essa
paciente, eu estava a ponto de não mais a poder... sentir, em
todos os sentidos da palavra. Não seria a neurose de transfe-
rência que se escondia e se exprimia através dessas emissões
mal cheirosas, dissimuladamente agressivas contra mim? De
repente, eu me interessava novamente pela conduta desta
cura. Mas como lhe falar de seu odor, sem ser eu próprio
agressivo ou vexatório? Minha formação e leituras psicana-
lfticas nada me informaram sobre as formas olfativas da
transferência, com exceção da noção de “cavidade primiti­
va” buconasal descrita por Spitz (1965) na criança pequena.

Eu encontrava uma interpretação intermediária bastante


geral, que foi a primeira a ser exclusivamente centrada no
presente e repetida durante algumas sessões sob formas va-
riadas: “Você me fala principalmente de seus sentimentos
mas não de suas sensações”; “Parece que você procura me
invadir não somente com suas emoções agressivas mas com
certas impressões sensoriais”. Gethsêmani então se lembra
de si próprio em uma circunstância do passado, até então
não mencionada. Sua madrinha tinha uma reputação de
228 Principais configurações

mal-asseada. De origem camponesa, ela raramente se lavava,


com exceção do rosto e das mãos. Ela acumulava durante
semanas, até lavá-las, suas roupas de baixo, sujas no banhei-
ro, onde meu paciente ia clandestinamente para respirar o
forte cheiro de suas roupas íntimas, operação que lhe dava
o sentimento narcisicamente tranquilizador de ser de tudo
preservado, mesmo da morte. A fantasia subjacente reve-
lava-se então ser de um contato fusional com a pele mal
cheirosa e protetora da madrinha. Ao mesmo tempo, eu
soube que sua mãe fazia questão de estar sempre muito limpa
e se perfumava abundantemente com água de colônia. Assim
- eu me reservava essa observação - os dois odores contra-
ditórios que invadiam meu consultório representavam a
tentativa fantasmática de reunir a pele de sua madrinha e a
pele de sua mãe sobre ele. Não havería então uma pele para
ele? Eu o estimulava a retornar às circunstâncias dramáticas
de seu nascimento, muitas vezes contadas a ele e repetidas
rapidamente nas sessões preliminares. O trabalho de parto
não progredia. A parteira e a madrinha se recusavam a inter-
vir, a título de um princípio cristão, pelo qual a mãe deve
parir na dor. O médico, chamado tardiamente, fez ver ao
pai que era necessário escolher entre a vida da mulher ou a
da criança, depois tentou com os ferros uma manobra deses-
perada, que foi bem-sucedida. Gethsêmani nasceu com a
pele esfolada e ensanguentada em vários lugares e ficou dias
entre a vida e a morte. A madrinha, conservando-o contra
ela na sua cama, o teria salvo. Tudo isto estimulou minha
reflexão e me encorajou a intervir mais especificamente.

Como ele falara primeiro de mau-cheiro, eu me senti à von-


tade para tocar no assunto. Os dias em que ele apresentava
novamente uma forte transpiração, eu lhe assinalava a
importância do cheiro em geral para ele. Na minha terceira
ou quarta observação nesse sentido, pela primeira vez
durante sua psicanálise, ele mudou o modo de falar (sua
palavra até então abundante, contínua e forte, me invadia
e não me deixava espaço para intervir), e com a voz baixa e
O envelope olfativo 229

entrecortada, em tom de confidência e não mais de reivindi-


cação, como se fosse um aparte, ele se diz muito incomodado
em relação a mim, quando ele transpirava em sessão, reação
que lhe acontecia toda vez que ficava emocionado; tinha
vergonha, ao partir, de me estender uma mão úmida. Assim
eu representava para ele, na neurose de transferência, a ma-
drinha, não apenas obstáculo, mas proteção, com a qual,
até sua partida da Itália, ele mantivera uma comunicação
fusional. Descobria em mim outra resistência contratrans-
ferencial: meu Eu recusava inconscientemente o papel de
uma camponesa abusiva e simbiótica e, ainda mais, nau-
seabunda. Intimamente, eu ligava seu sintoma ao passado
para melhor compreendê-lo e dele melhor me defender. Por
outro lado, Gethsêmani vivia esse sintoma no momento pre-
sente, isolando-o, mecanismo que somente mais tarde pude
lhe formular: os sentimentos experienciados por seu Eu
psíquico e as sensações experienciadas por seu Eu corporal.
Fragmentando sua experiência presente, ele me dificultava
compreendê-la em sua totalidade. O trabalho psicanalítico
que eu tinha a fazer com ele era então estabelecer os elos de
pensamento, não apenas entre passado e presente, mas
principalmente entre os fragmentos de seu presente.

Algumas sessões mais tarde, Gethsêmani me comunica que


está sob forte emoção. Eu lhe recordo o elo que ele esta-
beleceu antes entre emoção e transpiração e pergunto-lhe
qual emoção produz nele esta reação de transpiração.
Gethsêmani faz um esforço mental, coisa nova para ele, de
desdobramento e de observação de seu Eu corporal por seu
Eu psíquico e responde que, quando se sentia frustrado,
tomava-se agressivo. Completo em seguida a interpretação,
acentuando o continente psíquico: “Para não sofrer desta
agressividade, você a transpira através de sua pele”.

Por cerca de um ano trabalhamos para esclarecer as parti-


cularidades de seu Eu-pele. Parece que ele se apóia sobre a fantasia
de uma pele comum ao menino e à sua madrinha, pele que lhe sal-
vou a vida e que continua protegendo-o da morte. Geralmente, o
230 Principais configurações

Eu-pele se apóia sobre um envelope em sua origem sobretudo tátil e


sonoro. No caso de Gethsêmani, o envelope é principalmente olfati-
vo: esta pele comum reúne os odores específicos dos orifícios genitais
e anais aos odores das secreções da pele. Um colega psicofisiologista
consultado me explicou que o suor produzido pelas glândulas
sudoríparas é inodoro por si só, mas espalha sobre a pele as secreções
leitosas e odorantes das glândulas apócrinas, secreções provocadas
pela excitação sexual ou pelos estresses emocionais. Compreendo
então que, em Gethsêmani, a função de pára-excitação (térmica e
higrométrica) do suor confunde-se com a função de sinalização emo-
cional das secreções odorantes1. Tal envelope olfativo-emocional re-
aliza uma totalização indiferenciada da pele e das zonas erógenas.
Ele reúne igualmente características pulsionais opostas: o contato
com o corpo de sua madrinha é por um lado narcisicamente
tranqüilizador e libidinalmente atraente e, por outro, dominador, in-
vasor e irritante. A mesma ambivalência - porém numa menina em
relação ao pai - é descrita no conto “Peau d’Âne ”2 cuja releitura me
ajuda no esclarecimento sobre meu paciente. Esse Eu-pele principal-
mente olfativo constitui um envelope que não é contínuo nem fir-
me. Ele é vazado por uma porção de buracos, que correspondem aos
poros da pele e desprovidos de esfíncteres controláveis; esses bura-
cos deixam porejar o excesso de agressividade interior, por uma des-
carga automática reflexa que não deixa intervir o pensamento; trata-
se então de um Eu-pele escorredor. Este envelope de odores é aliás
indefinido, vago, poroso; ele não permite as diferenciações sensori-
ais, base da atividade de pensamento. Por esta descarga no nível do
Eu corporal e por esta indiferenciação no nível do Eu psíquico, o Eu
consciente de Gethsêmani permanecia isento de toda suspeita de
cumplicidade com suas pulsões agressivas. A agressividade era para
Gethsêmani uma idéia consciente da qual ele podia falar indefinida-
mente, mas permanecia ignorante da natureza do envelope, ao mesmo
1. Os psicofisiologistas classificaram quatro tipos de sinais olfativos: o desejo amoroso, o medo,
a raiva e o odor de morte das pessoas que se sabem condenadas. Não consegui diferenciar esses
quatro sinais em Gethsêmani, ou porque o mundo olfativo é fortemente reprimido em mim ou
porque a comunicação fusional global entre Gethsêmani e sua madrinha não permitia a meu
paciente diferenciá-los. Pode ser que a intuição e a empatia do psicanalista repousem
principalmente sobre uma base olfativa, difícil de estudar.
2. Pele de Asno. (N. da T.)
O envelope olfativo 231

mo tempo corporal e psíquico, que falhava em conter a força agressi-


va. Daí o seguinte paradoxo: ele estava ciente do que agia em pro-
fundidade (a pulsão) e inconsciente do que agia na superfície (um
continente psíquico vazado). A emissão de odores desagradáveis du-
rante as sessões tinha um caráter diretamente agressivo, e também
sedutor, sem nenhuma transformação simbólica: ele me provocava,
me solicitava, me aviltava, mas, como era “involuntário”, isto lhe
poupava por um lado um esforço de pensamento, por outro, senti-
mentos muito fortes de culpa.

Durante a evolução posterior desta cura, a transpiração


malcheirosa se atenuou. Somente reapareceu em circuns-
tância dolorosas de sua vida às quais pude interpretar como
repetições de certos traumatismos antigos relembrados por
ele à custa de um considerável esforço de atenção, de
memória e de julgamento. Ele teve efetivamente que
apreender a exercer os processos psíquicos secundários,
dos quais a atividade de descarga automática das pulsões
o dispensava até então; a partir de então, a estruturação
progressiva de seu Eu-pele como contentor psíquico mais
flexível e mais sólido era possível. Teve igualmente que
agüentar experienciar sentimentos de culpa e de cólera
mortal, primeiro por sua mãe, depois por seu pai, à custa
de uma angústia intensa que se manifestou sob forma de
dores cardíacas. Ele superou gradativamente a divagem
do Eu psíquico e do Eu corporal que paralisara o processo
analítico no início de seu tratamento.

Freud e Bion publicaram algumas observações sumárias de pa-


cientes que atacavam a continuidade de sua própria pele espremen-
do as espinhas ou extirpando os cravos: manifestações, de acordo
com eles, de um complexo de castração arcaico que ameaça a inte-
gridade da pele em geral, e não especificamente a pele dos órgãos
genitais. O envelope olfativo com inúmeras perfurações de
Gethsêmani é diferente. Ele representa primeiro uma falha funda-
mental do continente. Em segundo lugar, ele serve para reforçar o
complexo de castração, como a sequência da cura irá evidenciar.
232 Principais configurações

O trabalho de elaboração de seu Eu-pele olfativo, ao qual


Gethsêmani e eu participamos ativamente, ocupa várias
semanas. Retomei o interesse nas sessões. Gethsêmani
transpira com menos freqüência e intensidade. Quando isto
está para acontecer, ou acontece, ele me comunica e procura-
mos juntos qual emoção interferiu.

De minha parte, reflito sobre a contratransferência e creio po-


der destacar:
1º) uma resistência pessoal, relacionada com intervenções médicas
no nariz durante minha infância em que atenuaram minha sen-
sibilidade olfativa, desinvestindo-a;
2º) uma resistência epistemológica em razão da ausência de uma
teoria psicanalítica do universo olfativo sobre a qual eu pudesse
me apoiar;
3º) uma resistência contra uma forma de transferência que visava
me incluir num envelope de odor, comum ao paciente e a mim,
como ele incluira a si próprio num envelope olfativo comum à
sua madrinha e a ele.

Como pude me desvincular dessa contratransferência? Primei-


ro, reconhecendo que se tratava de uma contratransferência. De-
pois, construindo o fragmento de teoria psicanalítica que me faltava,
ou seja, esta concepção de um envelope olfativo contínuo, invasor,
poroso, secretor, ambivalente, como caso particular desta noção de Eu-
pele que eu já criara em resposta a problemas igualmente contra-
transferenciais encontrados nos chamados casos-limite.

No verão seguinte, Gethsêmani viaja de carro para passar


as férias de verão na Itália junto a sua família de origem. Foi
tomado por uma intensa angústia durante todo o trajeto:
ele é dominado pelo temor de provocar um acidente que
levaria à morte ele mesmo, sua mulher e seu filho. Na volta,
recomeça o mesmo calvário. Entretanto, a angústia diminui
depois da passagem pela fronteira e ele finalmente fica
contente de conseguir superar tal provação. E esse seu relato
na nossa sessão de reencontro.
O envelope olfativo 233

Um paralelo se impõe. Quando ele tinha mais ou menos 18


meses, sua mãe grávida teve um acidente do qual ele me
falara muitas vezes. Ela descia uma escada de pedra que ía
do apartamento para a rua; carregava Gethsêmani nos braços
e escorregou. Tinha duas escolhas: deixar cair a criança,
com o risco de a criança morrer batendo a cabeça sobre a
pedra, ou então cair sobre as costas para proteger o bebê
com o seu corpo mas arriscando sua própria saúde e podendo
provocar um aborto.

De pronto, escolheu a segunda solução. Gethsêmani sobre-


viveu com o sentimento reforçado pela repetição do relato
materno de ser apenas um sobrevivente circunstancial. A
mãe realmente sofreu um aborto e ficou manca. Somente
alguns anos depois é que teve um menino, rival odiado por
Gethsêmani. A angústia de Gethsêmani na estrada - ou se
mata ou mata sua mulher e seu filho - reproduzia o dilema
materno no acidente da escada; ou ela mata seu filho nascido
ou se machuca e mata a criança por nascer. Gethsêmani se
sentia culpado de ter sobrevivido: ele tomou sua vida de
outra; a outra viveria no seu lugar. O nascimento posterior
do irmão e os ciúmes reativaram o dilema e o sobrecarre-
garam com uma intensidade insustentável. Era ele então
que poderia matar o outro e que fantasmaticamente devia
fazê-lo se quisesse sobreviver. Situação cruel à qual
Gethsêmani já escapara uma vez, decidindo acompanhar
sua madrinha ao campo para estadas prolongadas. Tal dilema
está na base do que Jean Bergeret (1984) estudou sob o
nome de violência fundamental.

Longe de acalmar a angústia de Gethsêmani, esse paralelo


que lhe comunico a reaviva. Ele se apavora de estar numa
situação onde só pode viver em detrimento de um outro e
onde o outro só pode viver em detrimento dele. Sua reação
me confunde. Não sei mais o que interpretar. Penso que ele
vai recomeçar a suar e a se sentir mal. De repente, com esta
associação me vem uma luz. Eu pergunto se ele transpirou
durante as férias. Ele fica surpreso. Na verdade, ele não
234 Principais configurações

transpirou nada durante o verão. Não se dera conta até antes


de minha observação. O que era ainda mais surpreendente,
por ter feito o trajeto na estrada sob um sol tórrido. Posso
então lhe comunicar a explicação que me ocorre. Antes do
verão, elucidamos sua reação de excreção inconsciente de
sua agressividade pela superfície de sua pele. Ele não pode
mais recorrer a isso para se livrar de seus movimentos agres-
sivos que, por isso, não desapareceram. Ao contrário, eles
se tornaram angustiantes para sua consciência, que deve
então enfrentá-los sozinha ao invés de recorrer a um meca-
nismo de escape corporal automático. Assim, ele teme não
mais conter tais sentimentos, pois seu pensamento não foi
suficientemente exercitado para fazê-lo. Seria o caso de per-
guntar se seu pensamento não o faria melhor, já que sua
pele os deixa porejar. Ao invés de descarregar o excesso quan-
titativo de agressividade que o sobrecarrega, ele, a partir de
então, deve pensar qualitativamente esta agressividade, deve
reconhecer a sua parte e deve separá-la do que era problema
de sua mãe, de sua madrinha ou de seu irmão caçula. Esta
longa intervenção de minha parte traz a Gethsêmani um
alívio imediato. O material seguinte mostra que Gethsêmani
pode se exercitar na atividade de pensar seus pensamentos,
apoiando-se na imagem paterna: de todos os membros da
família, era realmente seu pai quem melhor suportava as
cóleras e as provocações de Gethsêmani.

Essa transferência da manipulação da agressividade da pele para


o Eu me permitiu definir o processo de gênese do Eu-pele que se
efetua ao mesmo tempo por apoio e por transformação. Em face das
pulsões agressivas, o Eu de Gethsêmani permanecia tão estreitamen-
te fundido à sua pele que ele funcionava como puro Eu-corpo, sem
intervenção do sistema percepção-consciência. Separando seu Eu
de sua pele, o trabalho psicanalítico permitiu a Gethsêmani apoiar
sobre a pele a função de contentor psíquico, condição de funciona-
mento do sistema percepção-consciência. Mas essa separação do Eu
em sua capacidade de perder consciência, de reter, de diferenciar, de
compreender (e ao mesmo tempo de tolerar a angústia aferente na
O envelope olfativo 235

presença de representações agressivas) só podia se realizar à custa de


uma mudança de princípio de funcionamento, de uma renúncia ao
princípio de descarga automática da tensão pulsional em benefício
de um princípio de ligação da pressão pulsional a representantes psí-
quicos e de ligação entre os afetos e as representações.

Gethsêmani percebeu, com o apoio de minhas interpre-


tações, a divagem entre seu Eu psíquico e seu Eu corporal:
o que se passava em nível de sua pele, e mais genericamente
no seu corpo, lhe escapava e lhe era necessário um esforço
contínuo de atenção para percebê-lo, esforço que ele
decidira empreender mas que lhe exigia um aprendizado
(relacionar com o enunciado freudiano segundo o qual os
processos psíquicos secundários, isto é, os pensamentos,
começam com a atenção).

Seria o primeiro passo para que ele começasse a representar


sua agressividade, e a refletir sobre ela, ao invés de livrar-se
dela pelo suor.

Segue-se um período durante o qual Gethsêmani se interroga


sobre sua transferência. Ele descobre pouco a pouco sua
transferência negativa sobre a análise e não só sobre o analis-
ta: ele não espera, diz ele, nada de bom de sua psicanálise;
os sentimentos que ele traz à tona em relação a seus pais são
perigosos; aliás, ele pressente desde o início que a análise
lhe fará mal. Eu lhe dou a seguinte interpretação: ele tem o
pensamento inconsciente que a análise vai matá-lo. Esta
interpretação provoca nele uma agitação emocional
considerável, mas que não mais tem necessidade de extrava-
sar, nem por suores, nem por lágrimas, nem por sintomas
cardíacos. O mal-estar fica então todo em seus pensamentos.
Durante várias semanas, Gethsêmani vive este temor de
uma análise que lhe poderia ser mortal. Admite, depois,
como conseqüência de minhas observações, que é uma
fantasia. Ele pode então reencontrar a origem disso. Seus
pais eram muito hostis às considerações psicológicas.
236 Principais configurações

“Nem todas as verdades devem ser ditas”, eles repetiam. E


eles não gostaram da decisão de Gethsêmani de começar
uma psicanálise: “Isto nada lhe trará de bom”. Desde então
a psicanálise de Gethsêmani estava inconscientemente ins-
crita sob o signo da realização imaginária desta ameaça: ele
ia descobrir verdades que lhe fariam mal, que o matariam.

Vê-se como funcionou a articulação de origem externa e inter-


na de sua neurose de transferência. A origem interna reside no retor-
no sobre si próprio de seu desejo de morte, em relação à sua mãe e
aos filhos que ela pode gerar. A origem externa, ou seja, o discurso
antipsicológico dos pais, forneceu o texto manifesto (o equivalente
dos restos diurnos para o sonho noturno), permitindo ao pensamen-
to latente achar uma saída. Enquanto esta articulação específica para
a história individual do paciente não for apreendida e desmontada, a
neurose de transferência permanece silenciosamente atuante e a
análise não progride de maneira decisiva. Desta forma, a cura analí-
tica de Gethsêmani estava totalmente cercada por uma reação tera-
pêutica negativa.
Compreendo melhor então uma das particularidades de minha
contratransferência. A idéia de que a psicanálise em geral possa ser
nociva e em particular possa matar Gethsêmani me feria tão profunda-
mente em minha identidade e meu ideal de analista que a repeli
durante semanas antes de admitir que isso era uma das fantasias dire-
trizes de meu paciente.

Alguns meses mais tarde, a análise de Gethsêmani, à custa


de uma grande angústia e fortes sentimentos de culpa, que se
alternavam com acessos episódicos de suores malcheirosos,
se concentra sobre as fantasias sexuais desenvolvidas na
puberdade. Nessas fantasias, ele não procurava mais imaginar,
como quando era mais jovem, o que se passava na cama entre
sua mãe e seu pai. Ele deixava agora a seu pai a posse de sua
mulher. Por outro lado, ele imaginava ser iniciado por sua
madrinha numa espécie de pacto implícito com o pai: eu lhe
entrego minha mãe mas, em troca, você me deixa usar minha
madrinha (esta mulher era, a princípio, a madrinha do pai,
mas toda a família a chamava de “madrinha”). Essa fantasia
O envelope olfativo 237

conhecera esboços de atuação. Quando um sonho mau o


despertava e ele não conseguia mais dormir, Gethsêmani ia
para cama de sua madrinha, terminando a noite perto dela,
com algumas aproximações cuidadosas. Mas eram impedidos
de ir mais longe por uma outra fantasia revelada através de
um sonho recente, contado em análise: o sexo feminino lhe
aparecia perigoso como uma boca ávida e devoradora. Foi
sozinho, adolescente, que ele se colocou um dia o interdito
do incesto e deixou de frequentar a cama de sua madrinha,
lamentando que seu pai não tivesse assumido com mais firmeza
esta iniciativa.

Assim, me invadindo com seu odor, Gethsêmani não somente


me mostrava atenção, perigo de estresse em relação à agressividade,
mas também ele me envolvia com o mesmo odor de sedução sexual
que atribuía às roupas íntimas de sua madrinha e que ele exalava ao
se juntar com ela em sua cama. Compreendi que a contratransferência
não terminava e que ao fechar o nariz e a inteligência para esse sinal
sensorial bem concreto, eu resistia em deixar penetrar na minha cons-
ciência a representação - que me repugnava - de um adolescente
procurando se juntar a mim num banho de odores duvidosos e me
fazendo representar um papel de uma velha lúbrica. Isto até que com-
preendesse estar aí a erotização secundária do contado com objeto-
suporte primordial, garantia originária da certeza de poder viver.
Devo a Gethsêmani, além de me ter feito descobrir as parti-
cularidades do Eu-pele olfativo, esta lição sobre o caráter proteiforme
da contratransferência e suas infinitas artimanhas.
14
A confusão das
qualidades gustativas

O amor da amargura e a confusão dos tubos


digestivo e respiratório

Observação de Rodolfo

Rodolfo, com a postura de um nobre e o espírito temendo


uma ameaça mortal, está em análise comigo pela segunda
vez. Sua primeira análise tratou sobretudo seus problemas
edipianos. Ele me traz suas falhas narcísicas, algumas das
quais se manifestam através de sintomas psicossomáticos.
Náuseas e vômitos podem ser ligados a uma relação para-
doxal com o casal parental: o amargo era imposto como bom
e engolido até o desencadear de uma rejeição reflexa pelo
organismo; o vinho, o sangue, o vômito eram mal-dife-
renciados, e o predispunham contra o doce, considerado
nocivo. Por isso Rodolfo possui uma desqualificação preco-
ce e repetida das qualidades gustativas naturais ao organismo
(cf. p. 77). Rodolfo sofre de consecutivas confusões no
pensamento e na comunicação. Seus sonhos representam
muitas vezes cenas que se desenrolam na nebulosidade. Em
seu trabalho, ficam nebulosas as questões que lhe são
colocadas: nebulosidade, fumaça envolvem os problemas.
Além disso, ele fuma muito. Parece que fumar, para ele, é
240 Principais configurações

uma maneira de produzir nebulosidade em relação às injun-


ções paradoxais que seus pais lhe impunham, particular-
mente nos momentos das refeições, na cozinha, invadida
pelo vapor nebuloso da roupa posta a ferver e pela comida
que fumegava lentamente.

Numa sessão ele me relata um incidente profissional de tipo


nebuloso, incidente que pode ser relacionado com a trans-
ferência. Na sessão anterior, Rodolfo, na verdade, contou
um sonho onde ele associou todos os ângulos, sem me deixar
o menor intervalo para intervir, nem mesmo para pensar.
Eu interpreto que ele me deixou a visão nebulosa, produ-
zindo uma barreira de nebulosidade entre mim e ele. Ele
acrescenta que assim se aborreceu1 comigo. Mas ao invés
de tomar consciência disso ele se aborreceu com um colega
no dia seguinte. A sessão continua. Ele se sente menos
nebuloso, mais seguro, mais capaz de pensar. Mas ele precisa
fumar um cigano antes de vir à sessão. Ele explica seu dilema:
ou pensa e é tomado por uma forte angústia, ou se distrai
(um cigarro, um tranquilizante) e não pensa mais. É o que
aconteceu na sua primeira psicanálise.

Interpreto que não há fumaça sem fogo, que fumar (com os


distúrbios respiratórios e digestivos dos quais ele se queixa,
principalmente uma sensação dolorosa de queimação dos
pulmões) consiste para ele em fazer o papel do fogo. Para
que o resto vá bem, ele acha que é necessário sacrificar um
órgão, controlar uma ameaça mortal localizando-a em um
lugar preciso do corpo.

Algumas sessões depois, Rodolfo volta a esse sintoma tabagista


que ele relaciona com seus sintomas alimentares. Ele explica
como fuma: enche os pulmões de fumaça segurando a
respiração. É uma alternativa cujo outro lado consiste em
não conseguir segurar o alimento, rejeitando-o ao expirar o

1. Em francês, brouiller/brouillard significam ficar nebuloso, confundir/nebulosidade,


confusão; se brouiller = aborrecer-se. (N. da T.)
A confusão das qualidades gustativas 241

ar. Daí os vômitos com soluços. Sua descrição dos episódios


de vômitos é tão realista e viva que tenho que lutar contra a
náusea. Faço um esforço para relacionar esse sintoma, que
ele me induziu, com as circunstâncias em que esse sintoma
nele se produzia: seu pai levantava-se da mesa para ir vomitar
ou urinar na pia; a televisão esgoelava, os odores da cozinha
envolviam Rodolfo como um envelope nauseabundo,
reforçado pelos “entuchamentos” freqüentes a que ele era
submetido. Interpreto sua identificação ao pai vomitando e
sua tentativa de me contagiar com o que ele sofrerá.

A propósito de um prato de espaguete com tomate, que ele


comera recentemente e que lhe causou indigestão, Rodolfo
toma consciência de um erro que cometia na infância: acre-
ditava que seu pai vomitava sangue, o que de fato era tomate.
Assinalo o excesso de acidez do tomate e a incerteza dos limites
entre si e o outro simbolizada na forma dos espaguetes.

Rodolfo retorna à primeira sessão aqui relatada. Ele preen-


che de tal modo o volume das sessões que eu não posso ter
um pensamento nem “colocar um pensamento”, quando ele
tem tanta sede de minhas palavras. Ele se enche de ar e
regurjita o alimento.

Interpreto sua confusão entre o tubo respiratório e o tubo


digestivo e explico sua imagem de corpo: achatada, atraves-
sada por esse único tubo, com a necessidade de se encher
de ar e de fumaça para adquirir espessura, volume, para
passar da bidimensionalidade à tridimensionalidade.

Rodolfo associa ao fato de que, quando criança, engolia ar


ao comer, de que seus pais o ameaçavam pela aerofagia, o
que ainda lhe ocorre. Ele assinala a qualidade erógena da
fumaça nos pulmões: a queimação que ele sente é, para sua
inteligência, o sinal de uma ameaça de doença dos pulmões
(e a indicação de que ele deveria parar de fumar), mas, para
seus sentidos, é uma sensação agradável: “Isto lhe mantém
quente o interior”.
242 Principais configurações

Interpreto por um lado o deslocamento do prazer de absorção


do estômago (onde esse prazer é insatisfatório) aos pulmões
(onde ele pode controlá-lo e provocá-lo sozinho), e, por outro,
o paradoxo que lhe faz sentir como bom alguma coisa que é
ruim para seu organismo; enfim, sugiro uma relação entre
esses dois dados: quando sua mãe o alimentava abundante-
mente porém mal, a imagem da mãe que ele absorvia com a
alimentação não aquecia suficientemente seu corpo.

Rodolfo acrescenta que isto se refere também a seu pai e


que compreende por que ele sente náuseas: seu pai o forçava
a comer espinafre cujo amargor lhe repugnava, afirmando
que era bom para a saúde, continha ferro e o fortificaria.

Eu: - O que seu corpo sentia como mal espontaneamente,


ou seja, o amargor desse prato, se apresentava ao seu espírito
como bom. Daí sua tendência em procurar prazer contra as
condições naturais. Para as crianças, o açúcar é bom; o
amargo é ruim. E o salgado é intermediário: no início, elas o
acham ruim, depois aprendem a gostar do salgado dentro
de uma certa proporção.

Rodolfo responde que para ele a oposição fundamental em


matéria de sabores é a do açúcar e do sal; detesta a mistura
deles na cozinha. Por outro lado, come ainda atualmente
muitas coisas amargas de que gosta e agora percebe que lhe
fazem mal: daí suas crises de náuseas, indigestão e vômitos
nos transportes públicos, em casa de amigos ou mesmo certas
vezes em sessão comigo.

Nas sessões seguintes, Rodolfo retoma o tema da nebulo-


sidade. Ele tem não apenas a digestão embrulhada
(“brouillée”), mas também um núcleo de nebulosidade que
ele me aponta como seu núcleo louco. Esse núcleo se revela
em relação a uma fantasia de cena primária: Rodolfo evoca,
por ocasião de um sonho, a lembrança (lembrança-tela?)
de uma cena freqüente onde seu pai, homem idoso e ciumen-
to, controla sua jovem esposa que ele suspeita flertar com
A confusão das qualidades gustativas 243

um vizinho pela janela. Rodolfo assiste à cena como


testemunha desejosa de defender sua mãe. O pai espia
através do vidro opaco da porta da cozinha ou através de
uma cortina de fumaça ou de vapor de água provocado pela
mãe ao cozinhar ou ao passar a ferro. O pai está louco, ele
pegou uma faca de cozinha: é desse modo que o olhar de
Rodolfo o surpreende através da nebulosidade do sonho,
nebulosidade que faz tela aos dois sentidos do termo: que
interpõe uma barreira e que fornece uma superfície de
projeção. Assinalo a junção entre os dois sentidos de
“nebuloso” ("brouiller”) os quais ele revivera sucessivamente
na transferência: ele me deixa a visão nebulosa (“me
brouillait”), ele se aborrece (“se brouillait") comigo. Esta
junção se faz pela elaboração de uma fantasia edipiana: seu
pai “via” através da nebulosidade a infidelidade de sua mu­
lher e também os desejos incestuosos de Rodolfo que imagi-
nariamente se ligava a ela contra ele, pai; por sua vez, Rodol-
fo “via” através da nebulosidade a ameaça mortal que ema­
nava de seu pai: o pai podería matá-la (conteúdo manifesto);
podería matá-lo (conteúdo latente).

Várias sessões são, a partir de então, dedicadas à análise do


núcleo “louco” de Rodolfo: louco, pois lá se reuniam, con-
fundiam e enevoavam uma problemática narcísica e uma
problemática edipiana, cada uma com a sua “lógica” ou sua
“loucura” própria.

Os paradoxos gustativos e respiratórios aos quais Rodolfo fora


precocemente submetido foram redobrados na segunda infância por
paradoxos semânticos que ele continuava a escutar sem ter cons-
ciência de sua origem (confirmação da hipótese freudiana de uma
raiz acústica do Superego). Esses paradoxos acústicos intrincados aos
paradoxos gustativos e respiratórios reforçaram a nebulosidade de
seu pensamento lógico e estenderam essa nebulosidade do pensa-
mento perceptivo primário ao pensamento verbal secundário. Em
Rodolfo, o duplo superinvestimento narcísico do pensamento lógico
e da imagem discursiva e problemática que ele dava aos outros veio
na adolescência solidificar, com um sucesso relativo, uma inseguran-
244 Principais configurações

ça narcísica, uma incerteza sobre as fronteiras do Eu e do Superego


por um lado, e do Eu psíquico e do Eu corporal por outro.
Quando teve que abordar no intervalo a problemática edipiana
(Rodolfo enfrentou-a e superou-a em grande parte com a ajuda de
sua primeira cura), suas falhas narcísicas (representadas pela nebulo-
sidade) alteraram e obscureceram este confronto. A percepção de
uma excessiva violência pulsional - sexual e agressiva - em seus pais
prejudicou nele o reconhecimento e o emprego das forças pulsionais.
Dispunha para se proteger apenas de um envelope de nebulosidade
na falta de um Eu-pele suficientemente continente para delas se apro-
priar. Daí seu terror diante das forças pulsionais sentidas como uma
ameaça de loucura. Ao invés de reconhecer seus próprios desejos,
respectivamente incestuosos e parricidas em relação à mãe e seu pai,
Rodolfo vê, na nebulosidade (isto é, em um Self mal-delimitado), a
loucura amorosa de sua mãe e a loucura assassina de seu pai (isto é,
as pulsões dos outros; não as suas).
Esse fragmento da cura de Rodolfo me leva a três comentários.
1) Analisar é sempre analisar o complexo de Edipo, mas não
apenas ele. Toda problemática edipiana está intrincada, enevoada
(“embroullée”) em uma problemática narcísica. É necessário, cedo
ou tarde, desenredá-las (“débrouiller”). De acordo com os casos, isto se
faz por um trabalho de interpretação em alternância flexível (quando o
essencial das identificações pós-edipianas foi adquirido) ou em fases
separadas (quando as falhas narcísicas foram e continuam importantes).
No último caso, é necessário dar tempo para a regressão do paciente a
essas falhas, para a investigação delas, para sua perlaboração, antes que
o paciente passe de uma transferência em espelho (nas personalidades
narcísicas) ou de uma transferência idealizante (nos estados-limite)
para uma transferência edipiana. O dogmatismo de certos psicanalistas
que querem concentrar tudo em problemas edipianos seria o mesmo
que colocar a carroça na frente dos bois. Interpretar a transferência
narcísica de seu paciente como uma resistência em abordar o
complexo de Edipo (o que também ela o é, e que convém interpretar,
mas somente no momento oportuno) é sua própria resistência em
trabalhar sobre o que Rosolato (1978) chamou o eixo narcísico das
depressões que eles projetam sobre o paciente. Uma reviravolta nesta
segunda cura de Rodolfo ocorreu
A confusão das qualidades gustativas 245
243

com sua tomada de consciência favorecida pelas minhas interpreta-


ções topográficas (e não apenas econômicas e genéticas), da confi-
guração particular de seu Eu-pele: um envelope de nebulosidade,
um espaço interno achatado, esmagado, uma indistinção do tubo
digestivo e das vias respiratórias.
2) Rodolfo teve bons contatos pele a pele e trocas táteis signifi-
cantes com sua mãe e adquiriu a estrutura de base do Eu-pele. O que
foi deficiente decorre dos maus encaixes do envelope tátil com os
envelopes gustativo e sonoro. Um dos efeitos mais importantes da
segunda psicanálise foi restabelecer encaixes melhor ajustados.
3) Os cenários edipianos, como a grande maioria das fantasias,
são visuais. Passar da problemática narcísica à problemática edipiana
é passar do tátil, do gustativo, do olfativo, do respiratório ao visual (o
sonoro fazendo parte dos dois níveis sob duas formas diferentes): esta
passagem requer que seja acionado o que eu chamei anteriormente de o
duplo interdito do tocar.
15
A segunda pele muscular

A descoberta de Esther Bick


Graças a observações sistemáticas dos bebês, sobre as quais ela
estabeleceu uma metodologia, a psicanalista inglesa, discípula de Klein
e de Bion, Esther Bick, formulou a hipótese de uma “segunda pele
muscular” em um breve artigo publicado em 1968. Ela mostra que as
partes do psiquismo sob a forma mais primitiva ainda não são dife-
renciadas das partes do corpo, faltando-lhes uma força coesiva (binding
force) capaz de assegurar uma ligação entre elas. Devem ser mantidas
coesas de uma forma passiva, graças à pele funcionando como uma
limitação periférica. A função interna de conter as partes do Self
resulta da introjeção de um objeto externo capaz de conter as partes
do corpo. Este objeto continente se constitui normalmente durante
a mamada, através da experiência dupla que o bebê faz, simulta-
neamente, do mamilo materno contido na sua boca e de sua própria
pele contida pela pele da mãe que segura seu corpo, por seu calor, por
sua voz, por seu cheiro familiar. O objeto continente é vivido con-
cretamente como uma pele. Se a função continente é introjetada, o
bebê pode adquirir a noção de um interior do Self e alcançar a
divagem do Self e do objeto, cada um sendo contido por sua respec-
tiva pele. Se a função continente não é preenchida de maneira ade-
quada pela mãe, ou se a função é prejudicada pelos ataques famas-
máticos destruidores do bebê, ela não é introjetada pelo bebê: uma
identificação projetiva patológica contínua substitui a introjeção nor-
mal, provocando confusões de identidade. Os estados de não-inte-
248 Principais configurações

gração persistem. O bebê procura freneticamente um objeto - luz,


voz, odor etc. - que mantenha uma atenção unificadora sobre as
partes de seu corpo e lhe permita, ao menos momentaneamente, fa-
zer a experiência de manter juntas as partes do Self. O mau funcio-
namento da “primeira pele” pode conduzir o bebê à formação de
uma “segunda pele”, prótese substitutiva, “ersatz” muscular, que subs­
titui a dependência normal “vis-à-vis” do objeto continente por uma
pseudo-independência.
Esta “segunda pele” lembra a couraça muscular do caráter, im­
portante a W. Reich. Quanto à “primeira pele" de Bick, ela corres­
ponde a meu próprio conceito de Eu-pele. Eu o formulei em 1974,
depois dela portanto, mas somente tomei conhecimento de seu artigo
depois do meu ter sido publicado: prova da exatidão de um mesmo fato
descrito por dois pesquisadores trabalhando separadamente. Resumo
algumas observações relatadas por Bick.

Observação de Alice
Alice é a primeira recém-nascida de uma jovem mãe imatura
e desajeitada que estimula a vitalidade do bebê a todo mo-
mento, mas que consegue exercer progressivamente durante
os três primeiros meses a função de primeira pele continente,
ocasionando na filha uma diminuição dos estados de não-
integração e consequentes tremores, espirros e movimentos
desordenados. Ao final do primeiro trimestre, a mãe se muda
para uma casa ainda não terminada. Ela reage com uma
diminuição de sua capacidade de manutenção ( holding) e com
um afastamento em relação ao bebê. Ela obriga Alice a um
domínio muscular precoce (beber sozinha numa caneca com
tampa, saltitar em um andador) e a uma pseudo-inde-
pendência (a mãe reprime duramente choros e gritos notur-
nos). A mãe volta à sua primeira atitude de hiperestimulação,
encorajando e admirando a hiperatividade e a agressividade
de Alice, apelidando-a de “boxeur” em razão do seu hábito
de bater no rosto das pessoas. Ao invés de encontrar na sua
mãe uma verdadeira pele continente, Alice encontra na sua
própria musculatura um continente de substituição.
A segunda pele muscular 249

Observação de Mary

Mary é uma pequena esquizofrênica, cuja análise, desde a idade


de três anos e meio, revela uma grave intolerância à separação
relacionada às perturbações de sua história infantil: nascimento
difícil, preguiça para sugar o seio, eczema aos quatro meses
com arranhaduras até sangrar, agarramento ao extremo à mãe,
impaciência na espera de ser alimentada, atraso generalizado
do desenvolvimento. Ela chega às sessões encolhida, as
articulações tensas com a postura grotesca de “um saco de
batatas” (“pomme de terre”), como ela própria verbalizou. Esse
saco estava em constante perigo de perder seus conteúdos:
identificação projetiva a um objeto materno que mal lhe
permitia conter suas próprias partes e representação de sua
própria pele como continuamente perfurada. Mary conseguiu
ter uma independência relativa e a capacidade de ficar ereta,
aproveitando ao máximo sua segunda pele muscular, mais sólida
e mais flexível pelo tratamento.

Em relação a um paciente adulto neurótico, Bick descreve duas


representações alternantes e complementares da segunda pele mus-
cular. O analisando se descreve ora no estado de “hipopótamo” (é a
segunda pele vista do exterior: ele é agressivo, tirânico, cáustico, ego-
cêntrico), ora no estado de “saco de maçãs” (“pommes”) (trata-se de
frutos cuja pele é fina e frágil e que simbolizam normalmente o seio;
esse saco representa o interior do Self tal como é protegido e escon-
dido pela segunda pele; esta contém as partes psíquicas destruídas,
sequelas de um período arcaico de distúrbios da alimentação; nesse
estado, o paciente fica suscetível, inquieto, reclamando atenção e
elogios, temendo catástrofes e aniquilamento).
Essas observações muito densas e às vezes elípticas de Esther Bick
me incitam a vários comentários adicionais:
1) A segunda pele muscular é anormalmente
superdesenvolvida quando ela vem compensar uma grave insuficiência
do Eu-pele e preencher as falhas, fissuras e buracos da primeira pele
continente. Mas todo o mundo tem necessidade de uma segunda pele
muscular como pára-excitação ativa que vem dobrar a pára-excitação
250 Principais configurações

passiva, constituída pela camada externa de um Eu-pele normalmente


constituído. O papel dos esportes e das roupas têm muitas vezes esse
sentido. Pacientes se protegem da regressão psicanalítica e da revelação
das partes destruídas e/ou mal-ligadas entre si, do Self antecedendo
ou seguindo suas sessões de psicanálise por uma sessão de cultura física,
ou conservando seu casaco, e mesmo se envolvendo com uma coberta
quando eles se estendem no divã.
2) O investimento pulsional específico do aparelho muscular, e
portanto da segunda pele, é fornecido pela agressividade (visto que o
Eu-pele tátil primário é investido pela pulsão de apego ou de agarra-
mento, ou de autoconservação): atacar é um meio eficaz de se defen-
der; é tomar a dianteira, preservar-se mantendo o perigo a distância.
3) A anormalidade psíquica própria à segunda pele muscular se
liga à confusão do envelope pára-excitação com o envelope superfí-
cie de inscrição: daí os distúrbios da comunicação e do pensamento.
A explicação é a seguinte: se os estímulos de uma mãe hipertônica e/
ou do ambiente primário foram muito intensos, incoerentes, brus-
cos, o aparelho psíquico procura se proteger mais quantitativamente
do que filtrá-los qualitativamente. Se os estímulos exógenos foram
muito fracos por virem de uma mãe deprimida, voltada sobre si mes-
ma, pouco há para filtrar e a procura de estímulos endógenos se tor-
na primordial. Nos dois casos, a segunda pele é útil, seja para reforçar
a proteção externa ou a ativação interna.

Duas novelas de Sheckley

O fenômeno da segunda pele muscular como prótese protetora


que substitui um Eu-pele insuficientemente desenvolvido para exercer
sua função de estabelecer contatos, filtrar as trocas e registrar as
comunicações, é ilustrado em uma novela de ficção científica de Robert
Sheckley: “Modèle expérimental ” (1956)1. Bentley, o principal persona-
gem, é um astronauta enviado pelas autoridades terrestres para entrar
em contato amistoso com os habitantes do planeta Tels IV. A sátira da

1. Esta novela apareceu na revista americana Galaxy. Agradeço Roland Gori por me tê-la indicado.
Cf. M. Thaon (1975).
A segunda pele muscular 251

política comercial e tecnológica americana é evidente: esse contato


amigável esconde objetivos de interesse: assinar acordos financeiros
vantajosos com os autóctones; testar o material de proteção levado
por Bentley. O professor Shiggert inventou o Protect, aparelho desti-
nado a proteger exploradores do espaço de todos os perigos possíveis:
ao menor alerta, ele estabelece automaticamente um campo de forças
impenetrável ao redor daquele que o carrega nas costas e que se toma
assim invulnerável. Por ser pesado (40 kg) e incômodo, o aparelho dá
a Bentley, quando desembarca, uma postura estranha, parecida com
as descrições da segunda pele muscular observadas por Esther Bick
nas crianças que apresentam uma aparência de hipopótamo ou de saco
de maçãs. Sheckley descreve na verdade seu herói, ora como uma
fortaleza, ora como um homem com um macaco pendurado nas cos-
tas, ora como um “elefante muito velho que usa sapatos muito aperta-
dos”. Diante desse personagem desajeitado e disforme em sua ridícula
vestimenta, que o torna difícil de ser identificado, os telianos, apesar
de sua natureza franca e amistosa, ficam desconfiados. O Protect re-
gistra os sinais dessa desconfiança e entra em ação. Ele repele automa-
ticamente as aproximações e os esforços de conciliação tentados, no
entanto, pelos telianos, que estendem as mãos, oferecem suas lanças
sagradas e alimentação. O Protect pressente possíveis perigos por trás
desses presentes desconhecidos. Estreita sua proteção sobre Bentley,
que se vê incapaz do menor contato físico com os autóctones. Esses,
cada vez mais surpresos com o estranho comportamento do astronau-
ta terrestre, concluem que se trata de um demônio. Organizam uma
cerimônia de exorcismo e cercam o Protect com uma cortina de cha-
mas, e assim, constantemente ativado, o Protect renova cada vez mais
seu campo de forças sobre seu portador. Bentley fica aprisionado num
círculo que não deixa passar nem luz nem oxigênio. Ele se debate,
cego, meio asfixiado. Suplica em vão ao implacável professor Shiggert,
com o qual está em constante comunicação pelo rádio, através de um
micro implantado na orelha (materialização do Superego acústico de
que fala Freud) para que o liberte do Protect. A voz insiste para que
prossiga sua missão no interesse da ciência, sem modificação do proto-
colo experimental: “não há discussão; deve-se confiar (...) com um
equipamento de um milhão nas costas”. Num último esforço (e por
necessidade de um “happy end”), Bentley consegue serrar as amarras
252 Principais configurações

que o prendem ao Protect e se livrar dele. Ele pode aceitar a amizade


dos telianos, compreendendo que eles queriam não o homem, mas a
máquina-demônio, que se compunha com ele sem verdadeiramente
ser parte dele; os telianos lhe oferecem amizade vendo um primeiro
gesto de humanidade de sua parte: livre do Protect, Bentley faz um
recuo voluntário para não esmagar um pequeno animal.
Esse tema da pele falsa já fora tratado em outra novela de
Sheckley, “Hunting problem” (Um problema de caça) (1935).
Extraterrestres partem para caçar e juram trazer uma pele de terráqueo
para seu chefe. Eles localizam um terráqueo sobre um asteróide, apos-
sando-se dele, escorcham-no e retornam triunfalmente. Mas a víti-
ma fica sã e salva, pois é apenas seu escafandro que eles lhe toma-
ram. Retornando ao “Modèle experimental” pode-se inventariar os
seguintes temas subjacentes que são significativos dos pacientes do-
tados dessa pele falsa substitutiva de um Eu-pele enfraquecido: uma
fantasia de invulnerabilidade; um comportamento automático de
homem-máquina; uma postura meio-humana, meio-animal, o recuo
protetor em uma carapaça hermética; a desconfiança em relação ao
que os outros propõem como bom e que pode ser mau; a clivagem do
Eu corporal e do Eu psíquico; um banho de palavras que não cria um
envelope sonoro de compreensão, mas se reduz à voz repetitiva de
um Superego que implanta suas injunções no ouvido; a fraqueza em
qualidade e em quantidade das comunicações emitidas; a dificulda-
de para os outros de entrar em contato com tais sujeitos.

Observação de Gérard
Gérard é um assistente social de uns trinta anos. O momento
decisivo de sua psicanálise comigo é um sonho de angústia
onde, levado por uma torrente, ele consegue, no último
momento, se agarrar ao pilar de uma ponte. Ele se queixava,
até aquele momento e com razão, de meu silêncio que o
deixava confuso, e também de minhas interpretações muito
vagas, muito gerais para ajudá-lo. Gérard relaciona ele
próprio a torrente do sonho com o seio generoso, transbor-
dante, excessivo de sua mãe na amamentação quando bebê.
Lembro que, crescido e não mais alimentado no seio, esta
A segunda pele muscular 253

mãe que tanto lhe dera quanto aos desejos de boca (ele
estava submerso pelo prazer oral e pelas ondas de avidez
que ela superestimulava nele) não mais lhe dava o suficiente
quanto às necessidades de pele, ela dele lhe falava de maneira
vaga, geral (como estava se repetindo na relação transferên-
cia-contratransferência); ela lhe comprava sempre roupas
muito grandes por medo que não durassem muito. Assim,
nem o Eu corporal nem o Eu psíquico estavam contidos na
justa medida. Gérard se lembra que, pouco depois da
adolescência, ele começara a comprar calças compridas de
um tamanho bem pequeno para ele: para equilibrar o
tamanho muito grande das roupas (e portanto da pele
continente) fornecidas pela mãe. O pai, um bom técnico
porém taciturno, lhe ensinara a dominar os materiais
inanimados, mas não como se comunicar com seres
animados: na primeira parte de sua análise, ele transferira
esta imagem de um pai com sólida técnica e mudo para mim,
até o momento do sonho da torrente, onde a transferência
desviou para o registro materno. Quanto mais explorava
esse registro nas sessões, mais sentia a necessidade de se
exercitar fisicamente fora das sessões, para desenvolver seu
fôlego (ameaçado por uma mamada muito ávida) e para
estreitar seus quadris (ao invés de estar apertado em roupas
muito estreitas). Ele chegou até a se exercitar nas sessões
com halteres cada vez mais pesados, deitado de costas. Por
muito tempo, me perguntei o que ele queria me dizer com
sua posição estendida sobre meu divã, considerando que
meu embaraço aumentava pela minha falta de gosto pessoal
por esse gênero de exploração física. Gérard acabou por fazer
a ligação com a mais antiga lembrança angustiante que lhe
ficara de sua infância, da qual ele já me falara de maneira
muito vaga e geral, para que juntos chegássemos a um
sentido. Deitado em seu berço, ele demorava um tempo
interminável para dormir, pois via no aparador em frente
uma maçã que desejava que lhe dessem, porém sem dizer
que a queria. Sua mãe não se mexia, nada entendendo de
seus choros, deixando-os persistir até que ele adormecesse
254 Principais configurações

de cansaço. Bom exemplo onde o interdito do tocar ficou


muito confuso e a função continente da mãe muito imprecisa
para que o psiquismo da criança, assegurado no seu Eu-pele,
renuncie facilmente e com eficácia à comunicação tátil para
uma troca de linguagem-suporte de uma compreensão
mútua. Exercitar-se com halteres era fortalecer e fazer
crescer suficientemente seus braços para que consiga pegar
por si próprio a maçã: era esse o cenário inconsciente
subjacente a esse desenvolvimento (localizado em uma parte
do corpo) da segunda pele muscular.

Certo ou errado, não achei conveniente interpretar-lhe o


agarramento ao pilar em seu sonho. Eu não queria que uma
sobrecarga interpretativa transformasse minha palavra em
torrente, nem que Gérard fosse privado prematuramente
da sustentação do pilar que ele transferia sobre mim. Talvez
esta discrição de minha parte o tenha tacitamente
encorajado a reforçar sua segunda pele muscular. A angústia
de não poder se agarrar ao objeto de apego (ou ainda ao seio-
pele-continente) se manifesta tão intensamente quanto a
pulsão libidinal é intensamente satisfeita, por contraste, na
relação de objeto ao seio-boca. Pensei que meu trabalho
interpretativo, constante e importante sobre os outros
pontos, fosse suficiente para restabelecer em Gérard a
capacidade de introjetar um seio-pele-continente. Na
medida em que se possa julgar os resultados de uma análise,
este efeito parece ter sido alcançado mais tarde, por uma
mutação espontânea do Eu, análoga à descrita antes com
Sebastiana (cf. pp. 170-171).
16
O envelope de sofrimento

A psicanálise e a dor1
A dor física retém minha atenção aqui por duas razões. A pri-
meira foi assinalada por Freud em “Esquisse d’une psychologie scientifique”
(1895). Como cada um de nós pode vivê-la, uma dor intensa e durável
desorganiza o aparelho psíquico, ameaça a integração do psiquismo no
corpo, afeta a capacidade de desejar e a atividade de pensar. A dor não é o
contrário ou o inverso do prazer: sua relação é assimétrica. A satisfação é
uma “experiência”, o sofrimento é uma “provação”. O prazer indica a
liberação de uma tensão, o restabelecimento do equilíbrio econômico. A dor
força a rede das barreiras de contato, destrói a facilitação que canaliza a
circulação da excitação, conecta os relés que transformam a quantidade em
qualidade, suspende as diferenciações, abaixa os desnivelamentos entre os
subsistemas psíquicos e tende a se espalhar em todas as direções. O prazer
denota um processo econômico que deixa o Eu ao mesmo tempo intacto nas
suas funções e aumentado nos seus limites por fusão com o objeto: - tenho
prazer, e tanto o tenho quanto o dou. A dor provoca uma perturbação
tópica e, por uma reação circular, a consciência de um apagar das distinções
fundamentais e estruturantes entre Eu psíquico e Eu corporal, entre Id, Eu,
Superego, torna o estado mais doloroso ainda. A dor não se partilha, ex-

1. A dor é pouco abordada pela literatura psicanalítica. Além dos trabalhos citados nesse capítulo,
indicamos as obras de Pontalis (1977) e de Mac Dougall (1978), que nelas consagraram cada um, um
capítulo.
256 Principais configurações

ceto quando erotizada numa relação sadomasoquista. Cada um está só


perante a dor. Ela ocupa todos os lugares e eu não existo mais como Eu:
a dor é. O prazer é a experiência da complementaridade das dife-
renças, uma experiência regida pelo princípio de constância e que visa
a manutenção de um nível energético estável por oscilação em torno
desse nível. A dor é a provação da não-diferenciação: ela mobiliza o
princípio de Nirvana, de redução das tensões - e das diferenças - no
nível zero: melhor morrer que continuar a sofrer. Abandonar-se ao
prazer supõe a segurança de um envelope narcísico, a aquisição prévia
de um Eu-pele. A dor, se não se consegue curá-la e/ou erotizá-la, ame-
aça destruir a própria estrutura do Eu-pele, isto é, a separação entre
sua face externa e sua face interna, assim como a diferença entre sua
função de pára-excitação e a de inscrição de traços significantes.
Minha segunda razão de interesse é que, com exceção dos casos
de mães mentalmente doentes ou repetindo um destino genealógico
de várias crianças mortas de geração em geração 2 - onde a criança tem
poucas chances de sobreviver - é o sofrimento físico do bebê o mais
geralmente e o mais exatamente percebido pela mãe, mesmo que ela
seja desatenta ou erre no localizar e decifrar os sinais das outras quali-
dades sensíveis. Não apenas a mãe toma a iniciativa dos cuidados,
fazer curativos, mas também ela segura nos seus braços a criança que
grita, que chora, que perde a respiração, ela a aperta contra seu corpo,
a aquece, a embala, fala com ela, sorri para ela, a tranquiliza; em resu-
mo, ela satisfaz no bebê a necessidade de apego, de proteção, de agar-
ramento; ela maximiza as funções de pele mantenedora e continente;
para que a criança a reintrojete suficientemente como objeto-suporte,
restabeleça seu Eu-pele, reforce sua pára-excitação, tolere a dor trazida
a um grau suportável e tenha esperança na possibilidade de cura. O
que é compartilhável não é a dor, é a defesa contra a dor: o exemplo da
dor nos queimados graves ilustra isso. Se a mãe, por indiferença, igno-
rância, depressão, não se comunica habitualmente com a criança, a
dor pode ser a última chance da qual a criança se utiliza para obter sua
atenção, para ser envolvida por seus cuidados e manifestações de seu
amor. Esses pacientes, tão logo deitados sobre nosso divã, desencadeiam

2. Cf. a pesquisa de Odile Bourguignon sobre as famílias que tiveram muitos filhos mortos,
“Morts des enfants et structures familiales” (1984).
O envelope de sofrimento 257

uma litania de queixas hipocondríacas ou se põem a sentir com uma


grande acuidade toda uma série de males corporais. Uma tentativa de
restituir a função de pele continente não exercida pela mãe ou pelo
círculo humano está, em último caso, em se auto-infringir um envelope
de sofrimento, o que iremos ver: sofro, logo existo. Nesse caso, como
observa Piera Aulagnier (1979), a relação entre corpo e objeto real se
faz pelo sofrimento.

Os grandes queimados
Os grandes queimados apresentam uma grave agressão à pele;
se mais de um sétimo da superfície for destruída, o risco de morte é
considerável e subsiste por três semanas a um mês; o bloqueio da
função imunológica pode conduzir a uma septicemia. Com o progresso
atual da terapêutica, feridos graves sobrevivem, mas a evolução de
toda queimadura é complexa, imprevisível e reserva dolorosas sur-
presas. Os cuidados são dolorosos, difíceis em dar e receber. Uma vez
em dias alternados - ou todo dia em certos períodos delicados e em
melhores serviços - o ferido é mergulhado nu em um banho forte-
mente esterilizado, para a desinfecção da ferida. Esse banho provoca
um estado de choque, sobretudo quando é feito sob anestesia parci-
al, que pode ser necessária. Os atendentes retiram os pedaços de
pele deteriorados para permitir uma regeneração completa, incons-
cientemente recriando o ciclo do mito grego de Marsias. Eles devem,
cada vez que entram nas superaquecidas salas de tratamento, mes-
mo que seja por alguns minutos, se despir e colocar um avental este-
rilizado sob o qual geralmente estão quase nus. A regressão do doen-
te à nudez sem proteção do recém-nascido, à exposição às agressões
do mundo exterior e à violência eventual do adulto é difícil de supor-
tar não apenas pelos queimados, mas também pelos atendentes, cujo
mecanismo de defesa consiste em erotizar as relações entre eles. Um
outro mecanismo é a recusa a se identificar a doentes privados de
quase toda possibilidade de prazer.
A queimadura realiza um equivalente de situação experimental
onde certas funções da pele são suspensas ou alteradas e onde é pos-
sível observar as repercussões correspondentes sobre certas funções
psíquicas. O Eu-pele, privado de seu apoio corporal, apresenta então
258 Principais configurações

um certo número de falhas as quais é possível, no entanto, remediar em


parte por meios psíquicos.
Uma das minhas alunas de doutorado de terceiro ciclo, Emma-
nuelle Moutin, foi admitida por um determinado período como psi-
cóloga clínica de um serviço de queimados. O que tem a fazer uma
psicóloga, alegavam, num lugar de males e cuidados puramente físi-
cos? Ela era objeto de uma desvalorização sistemática por parte do
pessoal médico e de enfermagem, que nela concentravam uma agres-
sividade latente para com os doentes e que reagiam persecutoriamente
pelo fato de ter o funcionamento do serviço observado por um estra-
nho. Por outro lado, ela desfrutava de uma liberdade total quanto
aos contatos psicológicos com os feridos. Ela pôde manter entrevis-
tas seguidas, longas e eventualmente repetidas com vários dos quei-
mados e ajudar os agonizantes. O interdito significante se referia aos
contatos com o pessoal de atendimento, que não podia ser “pertur­
bado” nas suas atividades: os cuidados “psíquicos” deviam se anular
diante da prioridade dos cuidados físicos. Interdito difícil de respei-
tar, pois as tensões dramáticas que afetavam os doentes e colocavam
em perigo o bom andamento de seu tratamento ocorriam sempre
durante esses cuidados físicos, em razão de uma relação psicológica
inadequada do médico ou da enfermeira com o paciente.
Apresento uma primeira observação; agradeço a Emmanuelle
Moutin por tê-la colocado à minha disposição:

Observação de Armand

“Encontrei-me um dia no quarto de um doente com o qual


eu tinha uma relação boa e continuada. Esse homem maduro
era um preso que tentara se matar com o fogo. Mediana-
mente queimado, não mais em perigo de vida, atravessava
uma fase dolorosa. Logo que o vi, começou a se queixar de
seus intensos sofrimentos físicos que não lhe davam trégua.
Chamou a enfermeira e suplicou-lhe uma dose suplementar
de calmantes, pois o efeito dos anteriores passara. Como
esse doente tinha motivos para se queixar, a enfermeira
concordou, mas, ocupada por uma urgência, só pôde retomar
depois de meia hora. Durante esse tempo, permaneci a seu
O envelope de sofrimento 259

lado e a conversa espontânea e calorosa que mantivemos


foi sobre sua vida passada e problemas pessoais que o afli-
giam. Quando enfim a enfermeira voltou com os analgési-
cos, ele os recusou dizendo com um grande sorriso: ‘Não
adianta mais, não tenho mais dores’. Ficou surpreso consigo
mesmo. A conversa continuou; depois ele adormeceu cal-
mamente e sem ajuda de medicamentos.”

A presença a seu lado de uma jovem que não rejeitava seu cor-
po, mas que se ocupava unicamente de suas necessidades psíquicas,
o diálogo animado e longo que se estabeleceu entre ambos, o restabele-
cimento da capacidade de comunicar com o outro (e consigo pró-
prio) permitiram a esse doente reconstituir um Eu-pele suficiente
para que sua pele, apesar da agressão física, pudesse exercer suas
funções de pára-excitação em relação às agressões exteriores e de
contenção das afecções dolorosas. O Eu-pele perdera seu apoio bio-
lógico sobre a pele. No seu lugar, ele encontrou, pela conversa, pela
palavra interior e sucessivas simbolizações, um outro apoio de tipo
sociocultural (o Eu-pele funciona na verdade por apoio múltiplo). A
pele de palavras tem sua origem num banho de palavras do bebê para
quem falam as pessoas que o cercam ou para quem ele cantarola.
Depois, com o desenvolvimento do pensamento verbal, ela fornece
equivalentes simbólicos da doçura, da suavidade e da pertinência do
contato, quando foi preciso renunciar ao tocar, se impossibilitado,
proibido ou doloroso.
O estabelecimento de uma pele de palavras capaz de acalmar a
dor de um grande queimado independe da idade e do sexo do paci-
ente. Uma segunda observação, ainda de Emmanuelle Moutin,
concerne a uma jovem.

Observação de Paulette

“Eu presenciava o banho de uma adolescente, pouco inju­


riada, porém muito sensível. O banho, que era doloroso, se
processava num ambiente tranqüilo. Éramos três, a doente,
a enfermeira e eu. A atitude da enfermeira, enérgica mas
segura e afetuosa, deveria normalmente facilitar os cuidados.
260 Principais configurações

Procurei pouco interferir, preocupada em não perturbar seu


trabalho de atendente, em quem confiava e a quem parti-
cularmente estimava. Entretanto, Paulette reagia mal, au-
mentando sua dor por um grande nervosismo. De repente,
ela me jogou, quase agressivamente: ‘Você não vê que eu
estou sofrendo! Diga alguma coisa, eu te suplico, fale!’. Eu
já conhecia por experiência a relação entre um banho de
palavras e a cessação da dor. Impondo silêncio à enfermeira
através de um discreto gesto, eu procurei fazer então com
que a jovem falasse de si própria, levando-a ao que pudesse
reconfortá-Ia: sua família, seu ambiente, seus vínculos afeti-
vos. Este esforço um pouco tardio teve êxito em parte, mas
permitiu pelo menos que o banho se fizesse sem problemas
e quase sem dor.”

Um serviço de grandes queimados só pode funcionar psicologi-


camente com o estabelecimento de mecanismos de defesa coletivos
contra a fantasia da pele arrancada, irremediavelmente evocada em
cada um pela situação. É, na verdade, muito tênue a margem entre
arrancar os pedaços de pele morta de alguém para seu bem e esfolar
a pele viva por pura crueldade. O superinvestimento sexualizado das
relações entre atendentes visa manter, para o pessoal do serviço, a
distinção entre a fantasia e a realidade, uma realidade perigosa pois
ela se parece muito à fantasia. Quanto aos doentes, é ouvindo suas
histórias, seus problemas, é por um diálogo animado com eles que a
separação entre a fantasia de um escorchamento infligido com uma
intenção cruel e a representação de um arrancar terapêutico da pele
pode ser garantida. A fantasia que lhes é imposta sobrecarrega sua
dor física, já muito importante, com um sofrimento psíquico; o resul-
tado desta soma fica tão insuportável que a função continente psí-
quico dos afetos não consegue mais se apoiar sobre a função conti-
nente de uma pele intacta. Entretanto, a pele de palavras que se tece
entre o queimado e um interlocutor compreensivo pode restabelecer
simbolicamente uma pele psíquica continente, capaz de tornar mais
tolerável a dor de uma agressão da pele real.
O envelope de sofrimento 261

Do corpo em sofrimento ao
corpo de sofrimento
As duas características principais do envelope masoquista fo-
ram definidas por Micheline Enriquez3 de quem eu retirei a expres-
são envelope de sofrimento:
1) O fracasso identificatório: pela falta de um suficiente prazer
identificatório encontrado nas trocas precoces com a mãe, o afeto
que mantém vivo o psiquismo do bebê é uma “experiência de sofri-
mento”: seu corpo só se sente bem como corpo “de sofrimento”.
2) A insuficiência da pele comum: “Nenhum sujeito pode viver
sem o investimento de um mínimo de referências confirmadas e va-
lorizadas por um outro, em uma língua comum. Poderá, no máximo,
sobreviver, vegetar, e permanecer em sofrimento. Ele não poderá se
auto-investir e se encontrará à espera de proprietário”. Seu corpo é
um corpo “em sofrimento, incapaz de sentir prazer e de ter atividade
representativa, sem afetos, vazio, cujo sentido para o outro (mais
frequentemente a mãe ou seu substituto) lhe será (...) mais do que
enigmático”. Daí a flutuação incessante de seus processos identifi-
catórios; daí a utilização de singulares procedimentos de iniciação, e
o sofrimento do corpo (Op. cit., p. 179).
O corpo em sofrimento aparece na cura de certos estados-limite. O
corpo invade todo o espaço, não tem proprietário: se possível, o psica-
nalista lhe dá vida e o devolve ao paciente. A cura evidencia uma mãe
que se ocupou do bebê por necessidade, não por prazer, o corpo é
desprovido de afetos, reduzido a um funcionamento mecânico que se
basta, sem trazer satisfação. O outro é provedor de poder e de abuso,
jamais de prazer. O paciente é apenas um corpo de necessidade, e de
uma necessidade mal conduzida. Conseqüência: o funcionamento cor-
poral não é apropriado como seu, isto é, como objeto possível de co-
nhecimento e de gozo; a distinção entre o que é meu e o que vem do
meio não é adquirida, ele pode apenas ter uma queixa, nem mesmo
uma acusação dirigida a uma causa, a um responsável denunciando

3. “Du corpus en souffrance au corps de souffrance", em Aux carrefours de la haine, 2a parte, capítulo 4
(1984).
262 Principais configurações

um perseguidor; o paciente não pode se abandonar a qualquer ativida-


de representativa e fantasmática de desejos e de prazeres que lhe se-
jam próprios, à custa de vivenciar um insuperável conflito
identificatório.
Ao mesmo tempo, o paciente busca no outro o menor sinal de
reconhecimento, com o risco de usar, para obtê-lo, as vias da violên-
cia e da escravidão: daí os cenários perversos masoquistas na sua
vida sexual. As marcas das violências exercidas sobre seu corpo lhe
provocam não somente um gozo seguro, mas também o sentimento
de uma apropriação de si mesmo; ele só pode possuir o domínio de
seu corpo mascarando esta apropriação atrás de uma posição de víti-
ma aparentemente desprovida de meios de defesa. O masoquismo
secundário lhe permite realimentar seu corpo pela experiência de um
sofrimento próprio que ele pode gozar e fazer gozar um parceiro, isto é,
investir seu corpo dolorido em libido de objeto. Mas o masoquismo
primário subjacente persiste: acidentes, doenças graves, cirurgias
praticadas de emergência deixam seqüelas deformantes e dolorosas e
cicatrizes visíveis. O paciente se apropria desta dor e de suas marcas
com avidez para delas fazer um emblema narcísico. Aqui o
investimento do corpo doloroso consiste em libido narcísica.
Para compreender a passagem do corpo em sofrimento ao corpo
de sofrimento é conveniente, assinala Micheline Enriquez, acentuar
que o corpo em perdição de afeição e de identidade é submetido não
somente a leis (aquelas do desejo e do prazer), mas também à arbitra-
riedade do poder de um outro em sua relação. Esse corpo em sofri-
mento carrega duas potencialidades:
— Uma “potencialidade persecutória" (P. Aulagnier) de nature-
za paradoxal: o investimento de um objeto persecutório, sua presen-
ça e o elo que os une são necessários ao sujeito para que ele se perce-
ba vivo; ao mesmo tempo, o sujeito lhe atribui um poder e um querer
de morte em sua relação.
— Uma aptidão excessiva para a atuação, para a representação
e para a encarnação do sofrimento. Esta encarnação é um calvário, um
sacrifício, uma paixão. Mas é também viver essa experiência em seu
próprio nome.
O envelope de sofrimento 263

Observação de Fanchon
Resumo a longa observação desse caso publicada por Micheline
Enriquez.

Fanchon, abandonada ao nascer e criada por pais adotivos, é


submetida às repetições de um romance de família grandioso
e inquietante sobre suas origens e aos cuidados corporais
passionais e exclusivos de sua mãe adotiva: o corpo ideal deve
ser sempre limpo, daí os rituais de lavagem e de purificação
que deixam pouco espaço ao prazer (e, acrescento, à
segurança de ter enfim sua pele limpa e sua própria pele) 4.
Este espaço materno fechado (que eu relaciono ao claustrum
descrito por Meltzer) não favorecia a fantasia, exceto a via
traçada pelo romance das origens. Fanchon permanecia assim
em sofrimento de corpo e de identidade, porém sem sofrer;
sua passividade, sua inércia lhe poupavam os conflitos e as
angústias de morte e de separação, exceto por alguns acessos
de raiva destrutiva. A puberdade a levou à psicose, com
sintomas dolorosos que a transformam em sujeito de um
grande sofrimento e que rompem o confortável vínculo de
alienação com sua mãe: distúrbios alimentares com variações
de peso que a tomam irreconhecível, mas que esboçam o
domínio do corpo e o prazer oral; mutilação do seio;
alucinações auditivas que a chamam de “ordinária”, “saída da
sarjeta”.
Depois (como na lenda de Marsias) ela cria um mito de
renascimento. Ela adota um novo nome (associo este ato
ao trabalho do criador que cria um código organizador da
obra e vive a criação de sua obra como a recriação de si
mesmo por autogênese). Fanchon aperfeiçoa um ritual de
lavagem de todo objeto ou roupa que estivesse em contato
sujo com sua pele, a fim de apagar a sujeira de sua origem e
o pecado original de sua verdadeira mãe. Ela se lava e se
esfrega até arrancar a pele e sangrar; estraga seus cabelos
friccionando-os com loções e xampus e arrancando-os.

4. N.T Em francês: “propre peau”.


264 Principais configurações

Aos 16-17 anos, o ritual da escrita representativa a salva. Toda


manhã ao acordar, para lutar contra o delírio e o suicídio, ela alter-
na sobre o papel frases fixas, relatando fatos concretos relativos ao
exercício atual de suas funções corporais (alimentação, higiene...)
e frases variadas, do gênero diário íntimo, contendo julgamentos,
interpretações, significações. “Mas esse último (o diário íntimo) só
podia se manter e se realizar graças ao esqueleto do corpo imutável
do texto que ordenava o espaço e o tempo, estabelecendo um limi-
te entre o Self e o fora do Self.” Assim, um lugar para a atividade
representativa e o pensamento foi delimitado “pela criação de tra­
ços escritos se posicionando ao redor de um corpo de texto” (con-
tinuo meu paralelo: o corpo do texto muitas vezes traz ao criador
um substituto do próprio corpo que lhe falta). Essas “frases" cons­
tituem o antídoto de que ela pode se utilizar contra suas vozes
persecutórias. (Explico que tais enunciados corporais afirmam a
existência de um Eu-pele e confirmam sua continuidade, estabili-
dade e constância; é sobre o fundo desse Eu-pele corporal limitado
à sensorialidade primária que um Eu psíquico pode emergir como
sujeito dizendo “eu” e acionar as funções mentais: é necessário que
ele habite esse corpo e sua continuidade para que ele possa se en-
contrar e se reconhecer como uma identidade.)
Em relação aos cuidados excessivos de purificação da pele, acres-
centarei: 1) uma observação qualitativa: seu excesso no sentido da
destruição repete em sentido contrário, isto é, anula, contrabalança o
excesso dos cuidados recebidos no sentido da paixão materna; 2) uma
observação qualitativa: Fanchon carrega uma pele que não é a sua, a
pele de uma outra, pele ideal desejada, oferecida, imposta pela segun-
da mãe; é preciso esfregá-la até arrancar por completo esta túnica,
presente envenenado de uma abusiva mãe adotiva que a cerca e a
isola. No seu lugar, ela pode encontrar uma pele de sofrimento, de
feiura, de ignomínia, que é uma pele comum com sua primeira mãe e
que sozinha pode ser a origem de um Eu-pele próprio de Fanchon.

A cura psicanalítica, face a face, relatada por Micheline Enri-


quez, passa pela dramatização e repetição na transferência
do episódio psicótico da adolescente: uma noite, Fanchon
arranca a metade dos cabelos e desenvolve uma doença de
O envelope de sofrimento 265

pele sobre o rosto com espinhas purulentas que ela arranha


e que a desfiguram; suas vozes retornam, lhe dizendo: “Sua
maldade é tão grande que se vê em seu rosto. Ela tem lepra
(...). Virão procurá-la para isolá-la e interná-la... Fanchon não
pertence à espécie humana. Ela é um monstro, é preciso
destruí-la”.

Fanchon orienta, no entanto, sua psicanalista, que ficou atur-


dida pelos acontecimentos; ela está expiando o pecado de
sua primeira mãe, mulher condenável e odiosa, de má
conduta, um monstro não-humano, escondido atrás da ficção
apresentada pelos pais adotivos, que faziam dela um ser
superior. Em lugar de esperar sua volta como num conto de
fadas (bela, inteligente, brilhante, e que levaria um dia
Fanchon para seu meio de origem). Fanchon pode dar corpo
e vida a esta primeira mãe, inventar uma história possível
com muitas versões verossímeis, e imaginar que esta mãe tives-
se sofrido pela concepção, nascimento e abandono da criança.

A medida que esta nova primeira mãe toma forma, Fanchon


se refaz: escolhe um cabeleireiro que lhe aconselha uma
peruca apropriada e um dermatologista, discreto e afetuoso,
que trata de suas feridas com simplicidade. Fanchon persiste
por todo um ano a um trabalho psicanalítico doloroso. Reen-
contrando uma aparência humana, ela viaja no verão seguin-
te para rever amigos de infância. Volta, literalmente de pele
nova, “a pele de seu rosto tinha descarnado totalmente e
havia no lugar uma pele lisa e fresca, como de uma criança”.
Chegara à conclusão de que acabara de expiar a culpa de
sua primeira mãe podendo julgá-la e aceitar sua perda. Volta
a se sentir “normal”.

O trabalho psicanalítico girou, segundo Micheline Enriquez, em


tomo de três temas: 1) o abandono da teoria sexual delirante primá-
ria, proposta pelo discurso dos pais adotivos e a ascensão às fantasias
originárias comuns; 2) a resistência à agressão da voz materna, discor-
ante em nível do sentido e do som, desqualificante das sensações e
dos desejos da criança, não qualificando os afetos, incapaz de criar o
266 Principais configurações

que eu chamo de envelope sonoro do Self; 3) a elaboração de um Eu-


pele, primeiro por tentativas de domínio irrisório do corpo e de seus
conteúdos (atividades de esvaziamento-preenchimento; anorexia,
bulimia, constipação, diarréia: isto é, elaboração do que eu chamo um
Eu-pele bolsa, uma pele continente); em seguida, pela inscrição de seu
sofrimento sobre seu envelope corporal (o Eu-pele adquirindo assim a
função que descrevi como superfície de inscrição das qualidades
sensíveis).
Este sofrimento, exposto ao olhar e solicitando do outro fasci-
nação e horror, lhe permite se desligar da dominação materna, for-
mar um envelope intocável, adquirir um sentimento de segurança
de base dentro de sua própria pele. Esta pode então ser investida auto-
eroticamente e conhecer os prazeres do tocar. Fanchon vai à piscina e
nada com prazer; ela compra roupas e as tira de uma grande bolsa para
mostrá-las à psicanalista; antes de se sentar, toca a poltrona, os objetos
do consultório; ela aspira as flores, observa as roupas e os perfumes da
psicanalista, ela chora: “é doce sentir as lágrimas quentes e salgadas
escorrerem sobre meu rosto...’’; (tudo isso confirma que o Eu se
constitui por um apoio tátil). Esse Eu-pele permite a Fanchon dar e
receber uma informação sensorial (favorecida pelo face a face), sob o
duplo signo da atividade de conhecimento e da experiência de
satisfação.
A passagem do corpo em sofrimento para o corpo de sofrimento,
conclui Micheline Enriquez, é o “preço a pagar por ser para um outro
e por dever a si mesmo”: é a primeira posição identificatória, sobre a
polaridade inclusão-exclusão, e que condiciona as identificações
posteriores (especular, narcísica, edipiana). O relato da observação
de Zenóbia (p. 273) vai mostrar como a película de sonhos pode se
tomar uma porta de saída para o envelope de sofrimento.
17
A película do sono

O sonho e sua película


No primeiro sentido do termo, uma película é uma fina mem-
brana que protege e envolve certas partes dos organismos vegetais
ou animais e, por extensão, a palavra designa uma camada, sempre
fina, de uma matéria sólida na superfície de um líquido ou na face
exterior de um outro sólido. No segundo sentido, a película utilizada
em fotografia é um fino folheto que serve de suporte à camada sensí-
vel destinada a ser impressionada. O sonho é uma película nos dois
sentidos. Constitui uma pára-excitação que envolve o psiquismo de
quem dorme e o protege da atividade latente dos restos diurnos (os
desejos insatisfeitos da véspera, fundidos aos desejos insatisfeitos da
infância) e da excitação do que Jean Guillaumin (1979) chamou os
“restos noturnos” (sensações luminosas, sonoras, térmicas, táteis,
cinestésicas, necessidades orgânicas etc., ativos durante o sono). Esta
pára-excitação é uma membrana fina que coloca no mesmo plano os
estímulos externos e as forças pulsionais internas, nivelando suas di-
ferenças (não é, pois, uma interface capaz de separar o de dentro e o
de fora como faz o Eu-pele). É uma membrana frágil, pronta a se
romper e a se dissipar (daí o acordar angustiado), uma membrana
efêmera (ela só dura enquanto dura o sonho, ainda que se possa su-
por que a presença desta membrana tranqüilize suficientemente quem
dorme para que, tendo-a inconscientemente introjetada, ele nela se
desdobre, regresse ao estado de narcisismo primário onde beatitude,
268 Principais configurações

redução a zero das tensões e morte se confundem e mergulhe num sono


profundo sem sonho) (cf. A. Green, 1984).
Por outro lado, o sonho é uma película impressionável, que regis-
tra imagens mentais geralmente visuais, eventualmente com letreiros
ou faladas, às vezes fixas como na fotografia, mais frequentemente
seguindo um desenvolvimento animado como nos filmes cinemato-
gráficos ou, esta comparação mais modema é melhor, como em um
videoclipe. É uma função de Eu-pele que foi ativada, a função de
superfície sensível e de registro de traços e inscrições. Se não for o Eu-
pele, pelo menos a imagem do corpo não-real e achatada fornece a tela
do sonho, sobre o fundo do qual emergem as representações que
simbolizam ou personificam as forças e as instâncias psíquicas em
conflito. A película pode ser má, a bobina ficar bloqueada ou exposta à
luz e o sonho se apaga. Se tudo vai bem, pode-se revelar o filme ao
acordar, visualizá-lo, refazer sua montagem e projetá-lo sob forma de
relato, que se faz a outra pessoa.
O sonho pressupõe, para acontecer, que um Eu-pele se constitua
(os bebês, os psicóticos não sonham no sentido estrito do termo; eles
não adquiriram uma distinção exata entre a vigília e o sono, entre a
percepção da realidade e a alucinação). Reciprocamente, o sonho tem,
entre outras funções, a de tentar reparar o Eu-pele não somente porque
o Eu-pele pode se desfazer durante o sono, mas sobretudo por ter sido
de certa forma crivado de buracos produzidos pelas violências sofridas
durante a vigília. Esta função vital do sonho, de reconstrução
quotidiana do envelope psíquico, explica, na minha opinião, por que
todo mundo (ou quase) sonha todas as noites (ou quase). Ignorada
necessariamente pela primeira teoria freudiana do aparelho psíquico,
ela está implícita na segunda teoria: vou procurar explicá-la.

Retorno à teoria freudiana do sonho


Freud, entre 1895 e 1899, fascinado por sua amizade passional por
Fliess, exaltado pela descoberta da psicanálise, interpreta os sonhos
noturnos como realizações imaginárias de desejos. Ele desmonta o
A película do sonho 269

trabalho psíquico efetuado pelo sonho nos três níveis que, segundo ele,
formam o aparelho psíquico. Associa uma atividade inconsciente a
representantes de coisa e afetos, moções pulsionais que ela assim torna
representáveis. Articula uma atividade pré-consciente a representantes
de palavras e a mecanismos de defesa, representantes representativos e
emocionais que se encontram assim elaborados em representações
simbólicas e em formações de compromisso. Enfim, o sistema
percepção-consciência que, durante o sono, desloca seu fun-
cionamento do pólo progressivo da descarga motora para o pólo re-
gressivo da percepção, alucina essas representações com uma vivaci-
dade sensorial e afetiva que lhes dá a ilusão de realidade. O trabalho do
sonho é bem-sucedido quando rompe o obstáculo sucessivo das duas
censuras, primeiro entre o inconsciente e o pré-consciente e depois
entre o pré-consciente e a consciência. Há também dois tipos de
fracassos. Se o disfarce sob o qual se apresenta o desejo interdito não
engana a segunda censura, é o despertar na angústia. Se os re-
presentantes inconscientes desviam do pré-consciente, passando di-
retamente à consciência, acontece o terror noturno, o pesadelo.
Quando Freud elaborou sua segunda concepção do aparelho psí-
quico, ele não retomou toda a teoria do sonho em sua nova perspec-
tiva, contentando-se em revisões de alguns pontos. Estas revisões,
porém, demandam uma sistematização mais completa.
O sonho realiza os desejos do Id, entendendo-se que se trata de
toda a gama pulsional ampliada ao mesmo tempo por Freud: desejos
sexuais, auto-eróticos, agressivos, autodestruidores; o sonho os realiza
de acordo com o princípio do prazer, que rege o funcionamento
psíquico do Id e que exige a satisfação imediata e incondicional das
demandas pulsionais; e de acordo também com a tendência do recal-
cado a vir à tona. O sonho realiza as exigências do Superego: nesse
sentido, se certos sonhos aparecem mais como realizações de desejo,
outros sonhos são realizações de uma ameaça. O sonho realiza o desejo
do Eu, que é dormir, e o realiza como servo de dois senhores: trazen-
do satisfações imaginárias ao mesmo tempo ao Id e ao Superego. O
sonho realiza igualmente o desejo, próprio ao que alguns sucessores
de Freud chamaram Eu Ideal, de restabelecer a fusão primitiva do Eu
e do objeto e de reencontrar o estado feliz de simbiose orgânica intra-
uterina do bebê com sua mãe. Enquanto o aparelho psíquico em vi-
270 Principais configurações

gília obedece ao princípio de realidade, mantendo limites entre o Self


e o não-Self, entre o corpo e a psique, admitindo a limitação de suas
possibilidades, afirmando sua pretensão à autonomia individual, no
sonho, ao contrário, o aparelho psíquico reivindica a onipotência,
exprime sua aspiração ao ilimitado. Em um de seus contos onde
descreve a “Cité des immortels’’, Borges mostra os imortais passando
seu tempo a sonhar. Sonhar é negar na verdade que se seja mortal. Sem
esta crença noturna na imortalidade de pelo menos uma parte do Self,
seria a vida diurna tolerável?
Nos sonhos pós-traumáticos estudados por Freud (1920), intro-
duzindo sua segunda tópica psíquica, o sonhador revive repetida-
mente as circunstâncias que precederam o acidente. São sonhos de
angústia que sempre param antes da representação do acidente, como
se este pudesse de repente ser interrompido e evitado no último
momento. Tais sonhos preenchem em relação aos precedentes qua-
tro novas funções:
— Reparar a ferida narcísica infringida pelo fato de ter sofrido
um traumatismo.
— Restaurar o envelope psíquico rasgado pela agressão trau-
mática.
— Controlar retroativamente as circunstâncias desencadeantes
do traumatismo.
— Restabelecer o princípio de prazer no funcionamento do apare-
lho psíquico, regredido pelo traumatismo à compulsão de repetição.
E eu me pergunto: o que ocorre com os sonhos que acompa-
nham a neurose traumática não seria um caso particular? Ou então -
pelo menos é minha convicção - se o traumatismo funciona como
um vidro deformante, não estaríamos diante de um fenômeno mais
geral que está na raiz de todos os sonhos? A pulsão enquanto força
(independentemente de seu alvo e de seu objeto) irrompe no enve-
lope psíquico de maneira repetitiva tanto durante a vigília quanto
durante o sono, provocando microtraumatismos cuja diversidade
qualitativa e acumulação quantitativa constituem, ultrapassado um
certo limiar, o que Masud Khan (1974) chamou um traumatismo
cumulativo. O aparelho psíquico precisa, por um lado, se aliviar des-
ta sobrecarga e, por outro, procurar restabelecer a integridade do
envelope psíquico.
A película do sonho 271

A formação de um envelope de angústia e a de uma película de


sonho estão entre os mais imediatos meios possíveis, e vêm frequen-
temente juntos. O aparelho psíquico foi surpreendido, quando do
traumatismo, pelo surgimento de excitações externas que fizeram
pressão através da pára-excitação, não só por serem muito fortes mas
também, e Freud (1920) insiste, em razão do estado de despreparo do
aparelho psíquico que não esperava tal surgimento. A dor é o sinal
desta pressão repentina. Para que haja traumatismo, é preciso que haja
desnivelamento entre o estado da energia interna e o estado da energia
externa. Certamente existem choques que tornam irremediáveis o
distúrbio orgânico e a ruptura do Eu-pele, qualquer que seja a atitude
do sujeito em relação a eles. Mas em geral, a dor é menor se o choque
não aconteceu de surpresa ou se se encontra o mais rapidamente
possível alguém que, por suas palavras, por seus cuidados, funcione
como Eu-pele auxiliar ou substituto em relação ao injuriado (estou
considerando aqui tanto o fato de ser vítima de uma ferida narcísica
quanto de uma ferida física). Freud, em “Au-delà du príncipe du
plaisir” (1920), descreve esta defesa contra o traumatismo por contra-
investimentos energéticos de intensidade correspondente e que tem o
objetivo de igualar o investimento de energia interna à quantidade de
energia externa trazida pelas excitações que surgem. Esta operação
acarreta certo número de conseqüências; as três primeiras são
econômicas e eram particularmente caras a Freud; a quarta é tópica e
topográfica: foi apenas pressentida por Freud e convém desenvolvê-la.
a) Estes contra-investimentos têm em contrapartida um empo-
brecimento do resto da atividade psíquica, particularmente da vida
amorosa e/ou intelectual.
b) No caso de uma lesão que persiste em decorrência de um
traumatismo físico, os riscos de neurose traumática ficam diminuídos já
que a lesão provoca um superinvestimento narcísico do órgão atingido,
o que controla o excesso de excitação.
c) Quanto mais um sistema tem um investimento elevado e uma
energia ligada (isto é, quiescente), mais forte é sua capacidade de
ligação e, consequentemente, de resistência ao traumatismo; daí a
formação do que chamo de um envelope de angústia, derradeira linha
de defesa da pára-excitação: a angústia prepara o psiquismo,
272 Principais configurações

pelo superinvestimento dos sistemas receptores, para antecipar o surgi-


mento possível do traumatismo, mobilizando uma energia interna
igualável tanto quanto possível à excitação externa.
d) De um ponto de vista topográfico agora, envolvida e
preenchida por um contra-investimento permanente, a dor da agressão
subsiste sob forma de sofrimento psíquico inconsciente, localizado e
incrustado na periferia do Self (pode ser relacionado ao fenômeno
da “cripta” descrito por Nicolas Abraham, 1978, ou ainda da noção
winnicotiana de um “Self escondido”).
O envelope de angústia (primeira defesa, e que é uma defesa
pelo afeto) prepara o aparecimento da película do sonho (segunda
defesa, que é uma defesa pela representação). Os orifícios do Eu-
pele, sejam eles produzidos por um traumatismo importante ou pela
acumulação dos microtraumatismos residuais da vigília ou contem-
porâneos ao sono, são transpostos pelo trabalho da representação a
lugares cênicos onde podem então se desenrolar os cenários do so-
nho. Os orifícios são assim preenchidos por uma película de ima-
gens, essencialmente visuais. O Eu-pele é originariamente um enve-
lope tátil, desdobrado em um envelope sonoro e em envelope
gustativo-olfativo. Os envelopes muscular e visual são posteriores. A
película do sonho é uma tentativa de substituir o envelope tátil
enfraquecido por um envelope visual mais fino, mais frágil, mas tam-
bém mais sensível: a função de pára-excitação é restabelecida a mí-
nima; a função de inscrição dos traços e de sua transformação em signos
é, em contrapartida, aumentada. Penélope desfazia a cada noite, para
fugir do apetite sexual dos pretendentes, a tapeçaria na qual trabalhava
durante o dia. O sonho noturno funciona de maneira inversa: torna a
tecer à noite aquilo que se desfez do Eu-pele durante o dia, sob o
impacto dos estímulos exógenos e endógenos.
Minha concepção da película do sonho vem de encontro à ob-
servação publicada por Sami-Ali (1969) sobre um caso de urticária:
constatando em uma paciente a alternância de períodos de crises de
urticária sem sonho e períodos com sonho sem crises de urticária,
Sami-Ali coloca a hipótese de que o sonho dissimula uma imagem do
corpo desagradável. Transcreverei assim sua intuição: a pele ilusória
do sonho mascara um Eu-pele irritado e exposto.
A película do sono 273

Tais considerações me levam a repensar também as relações en-


tre o conteúdo latente e o conteúdo manifesto do sonho. Como no-
taram, cada um a seu modo, Nicolas Abraham, (1978) e Annie Anzieu
(1974), o aparelho psíquico tem uma estrutura em encaixes. Na ver-
dade, para que haja conteúdos, é preciso um continente e o que é um
continente em certo nível pode se tomar um conteúdo em outro nível.
O conteúdo latente do sonho visa ser um continente das forças
pulsionais associando-as a representantes inconscientes de coisas. O
conteúdo manifesto visa ser um continente visual do conteúdo latente.
O relato do sonho ao despertar visa ser um continente verbal do
conteúdo manifesto. A interpretação eventualmente dada pelo
psicanalista ao relato do sonho do paciente desmonta em partes os
encaixes (como se retira as sucessivas peles de uma cebola) e também
restabelece o Eu desdobrado e consciente em sua função de contentor
dos representantes representativos e afetivos das forças pulsionais e das
pressões traumáticas.

Observação de Zenóbia
Dou a esta paciente, irmã mais velha marcada pela perda dolorosa
de sua posição de filha única, o pseudônimo de Zenóbia em memória
da brilhante rainha da antiga Falmira, destronada pelos romanos.

Uma primeira análise com um colega parece ter girado es-


sencialmente sobre seus sentimentos edipianos, sobre sua
organização histérica, sobre as consequentes complicações de
sua vida amorosa, sobre sua frigidez que diminuiu sem
contudo desaparecer. Ela me vem consultar por causa de um
estado de angústia quase permanente e que, depois dessa
primeira análise, não pode mais reprimir e também por causa
dessa frigidez persistente que procura ao mesmo tempo curar
e negar, lançando-se a ligações cada vez mais complicadas.

As primeiras semanas de sua segunda psicanálise são domi-


nadas por uma intensa transferência amorosa, mais exata-
mente pela transferência na cura de suas habituais investidas
de sedução em relação a homens mais velhos do que ela.
Reconheço aí, sem lhe dizer, a artimanha histérica subja-
274 Principais configurações

cente a esta sedução, bastante manifesta: reter a atenção e o


interesse de um parceiro eventual propondo-lhe satisfações
sexuais para, na verdade, dele obter a satisfação das neces-
sidades do Eu, pouco apreciadas por seu antigo círculo.
Mostro aos poucos a Zenóbia que seus mecanismos histé-
ricos de defesa a protegem - mal - de falhas em sua segurança
narcísica de base, falhas em relação a uma forte angústia de
perda do amor da mãe e às múltiplas frustrações precoces de
suas necessidades psíquicas. Zenóbia era marcada por um
contraste quase traumático entre essas frustrações e a
generosidade e o prazer com que sua mãe satisfizera as ne-
cessidades de seu corpo até o nascimento de um irmão rival.

A transferência de sedução desaparece quando Zenóbia se


assegura que o psicanalista se dispõe a se ocupar de suas
necessidades do Eu sem exigir, em troca, uma recompensa
em prazer erótico. Ao mesmo tempo, modifica-se a qualida-
de de angústia: a angústia depressiva, ligada às experiências
de perda ou de ameaça de perda do amor materno, dá lugar a
uma angústia persecutória, ainda mais antiga e mais temível.

Ao retornar de estada no estrangeiro no verão, ela me conta


ter tido então uma experiência muito agradável que foi a de
viver em um apartamento maior, melhor situado, melhor
iluminado do que ela ocupa em Paris. Considero todos estes
detalhes, sem nada lhe falar, como refletindo a evolução de
sua imagem do corpo e de seu Eu-pele: ela se sente mais à
vontade em sua pele, tem uma intensa necessidade de
comunicar, mas este Eu-pele esboçado não lhe oferece nem
uma pára-excitação suficiente nem um filtro que lhe
permitam discernir a origem e a natureza das excitações. Na
verdade, esse apartamento de sonho diurno tornava-se, à
noite, um verdadeiro pesadelo. Não só ela não sonhava como
ainda não conseguia dormir; imaginava que assaltantes pudes-
sem entrar. Tal angústia persiste desde que voltou a Paris:
ainda não recuperou o sono.
A película do sonho 275

Interpreto seu temor da agressão como tendo uma dupla face:


por um lado, uma agressão de origem externa, a de um
homem desconhecido sobre as partes íntimas de seu corpo
(angústia de estupro), e também a do psicanalista sobre as
partes íntimas de seu psiquismo; por outro, uma agressão
interna, a de suas próprias pulsões que ignora serem suas,
sobretudo um violento ressentimento pelas frustrações
exercidas pelo seu círculo antigo e atual. Eu lhe explico que
a intensidade de sua angústia decorre da acumulação e da
confusão da agressão de origem externa com a agressão de
origem interna e também da confusão da penetração sexual
com a penetração psíquica. Esta interpretação visa con-
solidar seu Eu-pele como interface que separa a excitação
externa da excitação interna e como o encaixe de envelopes
que diferenciam o Eu psíquico do Eu corporal no seio de
um mesmo Self. O efeito é imediato e bastante durável: ela
recupera o sono. Mas a angústia que ela experimentava até
então em sua vida tende a se transferir para sua psicanálise.

As sessões seguintes são marcadas por uma transferência em


espelho. Exigência repetitiva de Zenóbia para que seja eu
quem fale, quem diga o que penso, como vivo, para que eu
faça eco ao que ela diz, para que eu diga o que penso do que
ela disse. Minha contratransferência é posta à prova por esta
pressão insistente e sempre renascente que me oprime quase
fisicamente e me priva de minha liberdade de pensar. Nem
posso ficar calado, o que ela sente como uma rejeição agressiva
que pode ser destrutiva para seu Eu-pele, em vias de se
constituir; nem posso entrar em seu jogo histérico de inversão
da situação, eu me tomando o paciente e ela o analista. Por
aproximações sucessivas, chego a um procedimento de
interpretação com duas possibilidades. Uma, levando-a a uma
interpretação dada anteriormente, suscetível de responder em
parte ao que ela exige e que mostra o que eu penso enquanto
analista e como ecoa em mim o que ela diz. Por outro lado,
procuro elucidar o sentido de seu pedido: explico que o fato de
verificar que o que ela diz repercute em mim exprime sua ne-
276 Principais configurações

cessidade de receber do outro uma imagem dela mesma para


que possa, por sua vez, fazer sua própria imagem; explico
também que saber em que pensava sua mãe, como vivia ela
com seu marido, que relações mantinha com um primo, seu
suposto amante, e por que tivera ela outros filhos,
permanecera para ela uma interrogação dolorosa e sem
resposta; e lhe faço ver ainda que, ao me submeter a um
bombardeio de perguntas, ela reproduzia, procurando
controlá-la, uma situação em que ela mesma, quando
pequena, era submetida a um bombardeio de estimulações
muito intensas ou muito precoces para serem pensadas.

Um trabalho psicanalítico persistente lhe permite um certo


alívio em relação à posição persecutória. Reencontra comigo a
segurança do primeiro elo com o bom seio materno, se-
gurança destruída pelas desilusões dos sucessivos nascimen-
tos procriados por este seio.

As férias de verão são por ela passadas sem dificuldades e


sem passagens pelo ato perturbador. Na volta às sessões, ela
se entrega a uma regressão importante. Experimenta du-
rante os quarenta e cinco minutos da sessão um afeto inten-
so de desamparo. Revive toda a sua dor pelo abandono ma-
terno. Os detalhes que é então capaz de localizar e formular
com respeito à qualidade desse sofrimento revelam uma
progressão de seu Eu-pele: ela adquiriu o envelope, que lhe
permite conter seus estados psíquicos, e o desdobramento do
Eu consciente, que lhe permite a auto-observação e a
simbolização das suas partes doentes. Ela traz três tipos de
detalhes que eu reuni cada vez em uma interpretação. Em
primeiro lugar, eu lhe explico ter ela sofrido pelo abandono
materno ao ser destronada de sua situação de filha única:
nós jã o sabíamos intelectualmente, mas lhe era necessário
reencontrar o afeto de intenso sofrimento que então conhe-
cera e descartara. Em segundo lugar, proponho uma cons-
trução que o período precedente de transferência em espelho
me permitia fazer: mesmo durante a fase em que fora filha
A película do sonho 277

única, a comunicação entre ela e sua mãe fora fraca; a mãe


alimentara e mimara abundantemente Zenóbia, mas não
considerara suficientemente o sentimento interior do bebê.
Em resposta, Zenóbia esclarece que sua mãe chorava por
qualquer motivo (o que relaciono ao seu temor da agressão
pelos ruídos); Zenóbia não pode diferenciar, de maneira
segura, no que sentia, o que vinha de sua mãe e o que vinha
dela mesma; o ruído exprimia a fúria por não saber quem.
Em terceiro Lugar, sugiro que este não considerar suas
sensações-afetos-fantasias primárias fora sem dúvida acen-
tuado pelo pai, cujo caráter ciumento e violento pode agora
ser evocado claramente por minha paciente.

Essa sessão é de uma intensidade emocional forte e


prolongada. Zenóbia soluça, à beira do colapso. Aviso-lhe em
tempo o fim da sessão, para que ela possa se preparar
interiormente para a interrupção. Afirmo que eu acolho seu
sofrimento, que ela está vivendo então talvez pela primeira
vez um afeto tão temível que até então não se permitira
experimentá-lo, tendo-o abafado, transportado e enquistado
em sua própria periferia. Ela pára de chorar, mas titubeia em
partir. Seu Eu encontra nesse sofrimento, enfim dela mesma,
um envelope que consolida seus sentimentos de unidade e de
continuidade do Self.

Na semana seguinte, Zenóbia retomou seus mecanismos de


defesa habituais: não quer mais, declara, refazer na psicanálise
uma experiência tão dolorosa. Faz então alusão ao fato de
sonhar muito, sem cessar, todas as noites, desde seu retomo
das férias. Não pensava em me falar sobre isso. Na sessão
seguinte, diz que decidiu me falar de seus sonhos mas, como
são muitos, classificou-os em três categorias: a categoria
“rainha de beleza”, a categoria “bola”. Esqueci qual a terceira
categoria, já que não pude no momento tudo anotar pelo
volume do material. Ela me conta seus sonhos em detalhe e
desordenadamente durante sessões e sessões. Eu me sinto
submergir, ou melhor, desisto de tudo reter, compreender e
interpretar, deixando-me levar pela enxurrada.
278 Principais configurações

Nos sonhos da primeira categoria, ela é ou ela vê uma jovem


muito bonita que vai ser desnudada por homens sob pretexto
de ter sua beleza examinada.

Ela mesma interpreta seus sonhos de “bolas” em relação com


o seio ou com os testículos. Retoma e completa: a bola é um
seio-testículo-cabeça. Evoca a expressão corrente “perder a
pelota" por “perder a cabeça” (“perdre la boule” pour "perdre
la tête”).

Os sonhos de Zenóbia lhe tecem uma pele psíquica em subs-


tituição de sua pára-excitação enfraquecida. Começou a reconstituir
seu Eu-pele a partir do momento em que interpretei sua perseguição
sonora, acentuando a confusão entre os ruídos de fora e o ruído que
em sua cabeça faz sua raiva interior, clivada, fragmentada e projetada.
Seu relato faz então desfilar para mim seus sonhos sem se deter em
nenhum, sem me dar nem tempo nem elementos pata uma
interpretação possível. É um sobrevôo. Para ser mais exato, tenho a
impressão que os sonhos a sobrevoam e ao seu redor com uma treliça
de imagens. O envelope de sofrimento é substituído por uma pelícu-
la de sonhos pela qual seu Eu-pele toma mais consistência. Seu apa-
relho psíquico pode até simbolizar esta renascente atividade de
simbolização pela metáfora da pelota, que condensa várias represen-
tações: a de um envelope psíquico em vias de completamento e de
unificação; a da cabeça, isto é, retomando uma expressão de Bion,
de um aparelho de pensar seus próprios pensamentos; a de um seio
materno todo poderoso e perdido em cujo interior ela tem até agora
vivido regressiva e fantasmaticamente; a dos órgãos masculinos da
fecundação de cuja falta ela sofreu quando foi desalojada, pelo nasci-
mento de um irmão, de sua posição de objeto privilegiado do amor
materno. Assim, aí se entremeiam as duas dimensões, narcísica e
objetal, de sua psicopatologia, prefiguração das interpretações cruza-
das que eu lhe deveria dar durante as semanas seguintes e que vão
alternar a consideração de sua fantasia sexual, pré-genital e edipiana,
e a das falhas e dos superinvestimentos (por exemplo, sobre o modo
da sedução) de seu envelope narcísico. Na verdade, a aquisição pelo
sujeito de sua identidade sexual depende de duas condições. Uma
condição necessária, isto é, que tenha para contê-la uma pele dele,
A película do sonho 279

dentro da qual ele se sente precisamente sujeito. Uma condição sufi-


ciente, isto é, que faça, em relação com as fantasias perversas poli-
morfas e edipianas, a experiência sobre esta pele, de zonas erógenas e
de fruições que podem aí ser experimentadas.

Algumas sessões mais tarde aparece enfim um sonho sobre


o qual nos é possível trabalhar: “Ela sai de sua casa, a calçada
está desfeita. Vê-se as fundações do imóvel. Seu irmão chega,
com toda a sua família. Ela está deitada sobre um acolchoado.

Todos a olham com calma. Quanto a ela, ela se sente revolta-


da, tem vontade de gritar. Ela é submetida a uma prova
horrorosa: deve fazer amor com seu irmão diante de todos
os outros”. Ela acorda esgotada.

Suas associações a levam a retomar um sonho recente de


bestialidade e que muito a perturbara, evocando o caráter
desagradável da sexualidade por ela vivida, em sua infância
e quando de suas primeiras relações heterossexuais na ado-
lescência, como uma provação revoltante. “Os jogos amoro­
sos de meus pais eram como de animais... (tempo). Temo
sobretudo que a confiança que tenho em você seja ques-
tionada.”

Eu: “Seria a calçada desfeita, as fundações ameaçadas. Você


espera de mim que eu a ajude a conter o volume de excitação
sexual que há em você desde a sua infância e do qual sua
psicanálise lhe dá uma consciência cada vez mais vivida”.
A palavra sexualidade se encontra assim pronunciada pela
primeira vez em sua cura, e por mim mesmo.

Ela revela ter vivido, durante toda a sua infância e adolescên-


cia, em um desagradável estado de permanente e confusa
excitação de que ela não conseguia se libertar.

Eu: “Era a excitação sexual, mas você não conseguia identi-


ficá-la como sexual, já que ninguém a sua volta lhe dera
qualquer explicação sobre este assunto. Você também não
sabia localizar em quais lugares de seu corpo sentia essa
280 Principais configurações

excitação pois você não tinha uma representação de sua


anatomia feminina suficientemente clara para fazê-lo”. Ela
parte tranqüilizada.

Na sessão seguinte, ela retoma este abundante material de


sonhos com os quais ela me inunda: ela teme que este ma-
terial, fluindo por todos os lados, ultrapasse minha capacida-
de de controlá-la.

Eu: “Você me coloca na mesma situação de me ver ultrapas­


sado por seus sonhos como você mesma o é pela excitação
sexual”.

Zenóbia pode formular sua pergunta, refreada desde o co-


meço da sessão: O que penso de seus sonhos?

Digo-lhe concordar em lhe responder aqui e agora sobre seus


sonhos, já que as pessoas a sua volta não haviam respondido
outrora às questões que ela se fazia sobre a sexualidade e que a
levaram a uma incontrolável necessidade de interrogar os
outros sobre o que sentem em relação a isso e o que pensam
que ela própria sente. Mas esclareço que nenhuma opinião
tenho, nem sobre seus sonhos, nem sobre seus atos. Não me
cabe decidir, por exemplo, se o incesto ou a bestialidade é um
bem ou um mal. Comunico-lhe em seguida duas
interpretações. A primeira visa diferenciar o objeto de apego e
o objeto de sedução. Com o cão, que se junta a ela no sonho
mais antigo, ela tem a experiência de um objeto com o qual
ela se comunica em um nível vital primitivo e essencial, pelo
contato tátil, a suavidade do pêlo, o calor do corpo, a carícia
do lamber. Essas sensações de bem-estar pelas quais ela se
deixa envolver lhe permitem sentir-se suficientemente bem
em sua pele de modo a experimentar um desejo propriamente
sexual e feminino, porém inquietante, de ser penetrada. Com
seu irmão, no último sonho, a sexualidade é bestial em um
outro sentido, pois ele é brutal, ela o odiou quando de seu
nascimento, ele podería se vingar possuindo-a, o que seria
consumar com ele um incesto monstruoso,animal. É o amante
A película do sonho 281

temível com quem, jovenzinha, imaginou que podetia ter sua


iniciação sexual.

Em segundo lugar, destaco a interferência, embaraçosa para


ela, entre a necessidade sexual do corpo cuja satisfação per-
manece ainda incompleta e a necessidade psíquica de ser
compreendida. Ela se abandona ao brutal desejo sexual do
homem como vítima, o que pensa ser necessário para atrair a
atenção dele e para conseguir, à custa do prazer físico que ela
lhe dá, a satisfação de suas necessidades do Eu, satisfação ora
hipotética, ora insaciável (faço aí alusão aos dois tipos de
experiência que se sucederam na história de sua vida sexual).
Daí a alegada sedução em seus relacionamentos com os
homens e o jogo de sedução em que ela mesma se enreda; eu a
faço lembrar que os primeiros meses de sua psicanálise
comigo tinham sido dedicados a refazer e a desfazer este jogo.

O trabalho psicanalítico reunido durante esta série de sessões


continuou durante meses. Acomodou notáveis modificações, por gol-
pes sucessivos (conforme o tipo de evolução por ruptura e por brusca
reorganização própria a esta paciente), em sua vida amorosa e em
sua vida profissional. E muito mais tarde que o salto direto da orali-
dade à genitalidade e o curto-circuito da analidade puderam ser anali-
sados em Zenóbia.

O envelope de excitação, fundo histérico


de toda neurose
Esta sequência ilustra a necessidade de aquisição de um Eu-pele e
dos sentimentos correlativos de unidade e de continuidade do Self não
apenas para aceder à identidade sexual e para abordar a problemática
edipiana, mas principalmente para localizar corretamente a excitação
erógena, para lhe dar ao mesmo tempo limites e vias de descarga
satisfatórios, para liberar o desejo sexual de seu papel de contra-investi-
282 Principais configurações

mento das frustações precoces sofridas pelas necessidades do Eu


psíquico e pela pulsão de apego.
Este caso ilustra igualmente a sequência: envelope de sofrimento,
película de sonhos, pele de palavras, necessária à construção de um Eu-
pele suficientemente continente, filtrando e simbolizando, em pa-
cientes que sofreram carências antigas na satisfação das necessidades
do Eu, e apresentando por esta razão importantes falhas narcísicas. A
agressividade inconsciente de Zenóbia em relação aos homens pode
ser relacionada às sucessivas frustrações exercidas pela mãe, depois pelo
pai, enfim pelo irmão. Com a evolução de seu Eu-pele em uma
interface contínua, flexível e sólida, a pulsão (sexual e agressiva) tor-
na-se para eta uma força disponível a partir de zonas corporais especí-
ficas em direção de objetos escolhidos mais adequadamente e com
objetivos portadores de prazer tanto físicos como psíquicos.
Para ser reconhecida, isto é, representada, a pulsão deve estar
contida em um espaço psíquico tridimensional, localizado em certos
pontos da superfície do corpo, e emergir como figura sobre esta tela
de fundo que constitui o Eu-pele. Por ser a pulsão delimitada e cir-
cunscrita é que sua pressão alcança sua plena força, uma força susce-
tível de se encontrar um objeto e um fim e de alcançar uma franca e
viva satisfação.
Zenóbia apresenta muitos traços da personalidade histérica. Sua
cura evidencia “o envelope de excitação”, expressão que devo a Annie
Anzieu. Em vez de buscar seu envelope psíquico a partir dos sinais
sensoriais que lhe enviava sua mãe (havia claramente uma discordân-
cia grave entre as manifestações táteis calorosas e as emissões sonoras
brutais desta mãe), Zenóbia procurou um Eu-pele substituto em um
envelope de excitação permanente, investido de maneira difusa e total
tanto pelas pulsões agressivas como pelas pulsões sexuais. Esse envelo-
pe é o resultado de um processo de introjecção de uma mãe amante e
excitante na época da amamentação e dos cuidados corporais. Envolve
o Self de Zenóbia com um círculo de excitações que perpetua em seu
funcionamento psíquico a dupla presença de uma mãe atenta a suas
necessidades corporais e de uma estimulação pulsional contínua que
permite a Zenóbia se sentir existir em permanência. Mas essa mãe
excitante com relação ao corpo é duplamente decepcionante, pois res-
ponde mal às necessidades psíquicas da filha e põe fim bruscamente à
A película do sonho 283

excitação física que provocou quando a percebe muito duradoura ou


muito agradável, ou muito equívoca ou muito onerosa: a mãe se irrita
paradoxalmente com o que induz; por causa disso pune sua filha que
se sente cheia de vergonha. A sequência excitação-decepção ocorre
simultaneamente no plano da pulsão, o qual é superativado sem poder
chegar a uma descarga plenamente satisfatória.
Annie Anzieu considera que um tal envelope psíquico de exci-
tação física caracteriza não apenas o Eu-pele da histeria, mas também
constitui o fundo histérico comum a toda neurose. Em vez de trocar
também estes sinais que constituem as comunicações sensoriais
originárias e que fundamentam a possibilidade de uma compreensão
recíproca, a mãe e o filho trocam apenas estimulações, através de um
processo ascendente que termina sempre mal. A mãe se decepciona
porque a criança não lhe traz todo o prazer que esperava. A criança se
decepciona duplamente, por ser decepcionante para a mãe e por
conservar em si a sobrecarga de uma excitação insatisfeita.
Acrescento que este envelope histérico perverte, ao invertê-la, a
terceira função do Eu-pele: em vez de se abrigar narcisicamente em um
envelope de pára-excitação, o histérico se compraz em viver em um
envelope de excitação, erógeno e agressivo, a ponto de por isso sofrer,
acusar os outros, ter-lhes rancor, procurando arrastá-los na encenação
desse jogo circular onde a excitação engendra a decepção que reaviva a
necessidade de excitação. Em seu artigo “La Rancune de l’hystérique”,
Masud Khan (1974 b), analisou essa dialética.
18
Complementos

As configurações do Eu-pele que acabo de estudar não são nem


exaustivas (sua relação deve ser complementada), nem fixas (são mais
ou menos estáveis segundo as pessoas e as circunstâncias), nem sempre
presentes em estado puro (procurei diferenciar formas
topograficamente simples, mas estas são suscetíveis de encaixes
complexos e variados).
A principal configuração que não foi tratada separadamente e em
maior profundidade é o envelope visual e sua variante, ou talvez seu
complemento, o envelope cromático. Por não ter tido ocasião de ana-
lisar pintores, não me senti qualificado para falar deste último. Quanto
ao envelope visual, presente com pouca expressão em muitas de mi-
nhas observações, sua teoria parece ter sido já bem elaborada por Sami-
Ali, em “Corps réel, Corps imaginaire” (1977), que trata das etapas de
sua formação, e em “Le Visuel et le Taccile. Essai sur l’allergie et la
psychose” (1984), que analisa a instalação do universo visual pela
ruptura com o envelope tátil (ver também a obra de G. Bonnet, 1981,
“Voir-Étre vu ”, sobre os investimentos inconscientes do visual).
O envelope sonoro ao qual consagrei um capítulo precisaria
de complementos. A pele de palavras, por exemplo, não tem a mesma
estrutura na pele sonora própria à poesia (como também ao
poema em prosa ou à prosa poética) e no romance, onde predomina a
pele do que chamei de “o corpo da obra” (D. Anzieu, 1981, pp. 118-
121). O envelope sonoro específico da música começou a ser estudado
por Michel Imberty, em “Les Ecritures du temps” (1981, pp. 114-224).
286 Principais configurações

O papel das sensações cenestésicas e vestibulares na constituição


do Eu-pele precisaria ser estudado1.

Configurações mistas
Em uma mesma pessoa, uma parte do Self pode funcionar con-
forme uma configuração particular do Eu-pele ao mesmo tempo que
uma outra parte do Self funciona conforme uma outra configuração.
Vejamos um exemplo de uma tal configuração mista.

Observação de Estéfano
Estéfano sonha muito depois que deita em suas sessões e faz
muito esforço para compreender seus sonhos pois
desenvolveu comigo, depois de uma análise frente a frente
difícil em seus primeiros momentos, uma sólida aliança de
trabalho. Chegamos, pouco a pouco, a localizar os pontos
sobre os quais sua compreensão acaba normalmente por
esbarrar: quando diz que esta aliança não poderá durar eter-
namente e que ele corre o risco de ter que experimentar e
exprimir sentimentos hostis em relação a mim; e também
por ter sido tanta a violência verbal e mesmo física de seu
pai durante sua infância e adolescência que ele foi privado
da liberdade de viver, por sua vez, as emoções agressivas em
relação a este pai.
Um fenômeno novo aparece durante as sessões, cada vez mais
frequente, cada vez mais forte: sua barriga faz ruídos. Fica
ainda mais furioso e mortificado por isso não lhe acontecer
em qualquer outro lugar. A sessão a que me refiro foi
invadida por esses ruídos, cujo significado escapa a Estéfano.
De minha parte, não tenho explicações, procuro pensar a
respeito e percebo uma relação com a problemática das
sessões precedentes.
1. O trabalho “L’Aube des sens” (Herbinet, Busnel et coll., 1981) reúne os dados relativos ao
desenvolvimento dos cinco sentidos e da equilibração nos bebês.
Complementos 287

Eu: O que gorgoleja em você é a agressividade e você não sabe


se é a sua ou a de seu pai.

Estéfano confirma: Teve por aqueles dias a imagem de golpes


de faca no ventre.

Neste momento, meu ventre por sua vez gorgula. Faço um


esforço para não me culpar, tentando esconder isso, mas
procuro compreendê-lo como um efeito sobre mim da
transferência de Estéfano. Proponho-lhe a seguinte inter-
pretação:

Eu: Seu pai depositava em você a agressividade que lhe era


desagradável para dela se desembaraçar; da mesma maneira,
você me comunica esse gorgulejar, desagradável para você, a
fim de que se torne meu e deixe de ser seu.

Estéfano: Sinto muito, eu o retomo.

Na verdade, meu ventre não gorguleja mais e o dele reco-


meça. Meu Eu psíquico, não mais invadido por seu Eu
corporal, reencontra sua liberdade de pensamento e observo
em silêncio que basta interpretar a pulsão subjacente (a
agressividade) e o mecanismo de defesa (a identificação
projetiva) se não procuro também o sentido específico ine-
rente ao lugar do corpo afetado por esse sintoma (perspectiva
topográfica).

Eu: Este gorgulejar se produz no ventre. A mãe e seu filho


comunicam diretamente suas emoções pelo ventre.

Esta interpretação de caráter geral e exploratório oferece a


Estéfano o quadro que lhe permite formular enfim a con-
figuração híbrida de seu Eu-pele (meio Eu-pele couraça, meio
Eu-pele escorredor).

Estéfano: Sou como as tartarugas. Trago uma carapaça nas


costas e o ventre mole. Se deito de costas, meu ventre, cheio
de buracos, é invadido pela agressividade dos outros e não
posso me desvirar para a posição ativa.
288 Principais configurações

Na situação analítica, quando fica deitado de costas diante de


mim, é na verdade seu ventre que se encontra fantasma-
ticamente exposto. E então na transferência que pode acon-
tecer a tomada de consciência por parte de Estéfano da confi-
guração específica de seu Eu-pele.

Os envelopes psíquicos no autismo2


“O envelope de agitação” foi descrito no autismo secundário de
carapaça, que aparece entre seis e dezoito meses e onde, em oposição ao
autismo primário, a excitação substitui a inibição.
Essas crianças autistas secundárias têm uma armadura, uma pele
espessa (relacionar à segunda pele muscular de E. Bick, 1968), um Eu-
crustáceo, portanto uma pára-excitação voltada para fora, mas eles não
têm uma pele interna. O envelope corporal e de relacionamento é
buscado por eles na agitação psicomotora: caminham, correm,
vocalizam continuadamente, introduzem desordem nos objetos
ordenados pelos adultos, se impõem às suas mães de maneira parasi-
tária, urrando logo que ela faz menção de se afastar, giram em torno
de si mesmos, dilaceram suas roupas; recusam a comunicação, indi-
ferentes aos olhares, às palavras. A angústia aparece quando essa defesa
psicomotora é impedida pelos neurolépticos ou quando são presos à
cama. A angústia se manifesta por automutilações: eles se escalpelam,
fraturam seus crânios, rasgam a pele: a pele como órgão passível de
inscrições e de trocas dos sinais é arrancada.
A criança autista secundária cria um ar de segurança projetando
para fora dela uma barreira de agitação intransponível. Adquiriu a
diferenciação animado/inanimado, fora/dentro. Tem uma barreira
protetora mas não uma superfície envolvente, nem uma interface.
Funciona conforme a posição esquizo-paranóide mas com mecanis-
mos de defesa que permanecem corporais e que não são ainda aqueles,

2. Retomo aqui as descrições de Frances Tustin (1972. 1981) e de Donald Meltzer e col. (1975),
tais como foram resumidas e completadas por Claudine e Pierre Geissmann, “L’Enfant et sa
psychose” (1984).
Complementos 289

psíquicos, da divagem, da projeção, da negação etc. O Eu-pele tátil é


recusado. É pela instalação de um envelope sonoro que se pode
entrar em contato com a criança: pela voz cantada, pela música, pela
devolução em eco de seus gritos (fossem eles perfurantes e
perturbadores) e de suas vocalizações.
No autismo secundário regressivo, a criança adquiriu uma pele
psíquica e fina: daí uma hipersensibilidade que esconde sob a confu-
são e o distúrbio.
Na esquizofrenia infantil, mãe e filho são envelopados um no ou-
tro conforme uma relação de inclusão recíproca: há aí, então, um
envelope psíquico, construído porém sob o modelo de uma fantasia
intra-uterina e que não é ainda essa interface comum, separando e
ligando a mãe e o filho.
Chegamos à mais grave e arcaica das patologias (suas manifes-
tações são anteriores à idade de seis meses). No autismo primário
anormal, o corpo é mole, flácido, amebóide, hipotônico. Vira um Eu-
polvo. Nem a pele nem o Eu preenchem a função de sustenta- ção ou
de conservação. A criança fica calma, imóvel por horas, indiferente,
passiva, ausente; evita as trocas de olhar, mas observa “com o canto dos
olhos” sem que pareça olhar. Se é muito solicitada, ou se há uma leve
mudança da situação e dos hábitos, reage pela raiva ou pela angústia em
pânico. Sentada, ela se balança para frente e para trás por horas em um
ritmo lento. Não reage aos sinais sonoros. Fica indiferente às
manipulações corporais e às dores. Mas um leve ruído, inesperado, um
simples roçar tátil, pode provocar reações de agitação e de gritos.
Ela não possui nem envelope tátil nem sonoro. O envelope visu-
al está apenas esboçado. A pára-excitação é encontrada no isola-
mento e no retraimento. O autobalanceio rítmico fornece talvez um
envelope postural auto-erótico. Tais crianças conservam a posição
fetal; ficam imóveis e exigem a imutabilidade do meio; seu corpo
parece se afundar no regaço materno. É todo o corpo (e todo o
psiquismo) que está dobrado sobre si mesmo para formar uma pele e
prorrogar o envelope intra-uterino. Quem o atende é envolvido nes-
se universo, se sente transparente, manipulado como um objeto ina-
nimado, mergulhado na embriaguez do impenetrável. A separação
do atendente provoca o colapso da criança.
290 Principais configurações

Seu desespero é profundo. Manifesta-se pelo furor, pela auto-


mutilação, que atinge a cabeça, os olhos, a pele: tudo sobre o que se
podería estruturar um Eu-pele é atacado.
A ausência de Eu-pele leva a perturbações de todas as funções:
higiene, alimentação (às vezes ausência de busca do bico do seio ou
mamadeira), sono. Não é adquirida a distinção entre o animado e o
inanimado. Os autistas primários “brincam” de maneira estereotipa-
da, mas sem dúvida por prazer auto-erótico, com suas mãos, pés,
roupas, com cordões ou galhinhos, com pedaços de tecido áspero,
chupam a língua, a cavidade da boca guardam as secreções, fazem
bolas com a saliva, manipulam a água, a lama, a areia, escutam inter-
minavelmente o mesmo disco. Não conseguem chegar ao objeto
transicional, nem à separação exterior-interior. Tocam seus órgãos
sexuais e os das pessoas a sua volta.
Resumindo, trata-se de:
— prorrogar artificialmente o envelope intra-uterino e, portan-
to, negar o nascimento;
— recusar todos os envelopes oferecidos pela mãe e pelo meio
(tátil, visual, sonoro, cinestésico);
— não exercitar as funções da pele e dos órgãos dos sentidos e
não adquirir a configuração de uma interface;
— deixar o corpo indiferenciado dos objetos e dividido em ele-
mentos separados, dotados de um valor auto-erótico;
— encontrar a pára-excitação no isolamento, na imobilidade do
corpo, na imutabilidade do meio, na inibição das funções.
Seria o autismo sempre patológico ou havería, nas primeiras se-
manas de vida, fenômenos autistas “normais” (segundo F. Tustin e D.
Meltzer), que corresponderíam a uma “posição autista” (D. Marcelli,
1983) anterior à posição esquizo-paranóide? Por não ter experiência
clínica nesse campo, não tomarei partido. Com respeito a essa ques-
tão, retomarei uma das raras observações kleinianas concernentes à
patologia do envelope psíquico, a descrição de uma fantasia autista do
corpo materno vazio e negro: “Dick se protegeu da realidade e pôs sua
vida fantasmática em ferros refugiando-se na fantasia do corpo mater-
no vazio e negro. Conseguiu dessa maneira afastar sua atenção dos
diversos objetos do mundo exterior e que representavam os conteúdos
do corpo materno: o pênis do pai, as fezes, as crianças”. Esses conteú-
Complementos 291

dos nos quais Dick projetava seu sadismo eram perigosos; daí sua in-
tensa angústia inconsciente e sua inibição da simbolização (“ Essais de
psychanalise”, 1948, tr. fr., p. 272). Essa descrição kleiniana me parece
antecipar a noção de “claustrum” proposta por Meltzer. F. Tustin ob-
servou que o envelope autista normal comporta saliências (que
correspondem sem dúvidas às excrescências sensíveis da pele e aos
órgãos dos sentidos), enquanto o envelope autista patológico é “des-
montado” (para retomar a expressão de Meltzer) e apresenta “buracos
negros” (que correspondem à angústia de se esvaziar de sua substância
vital interna e à vertigem de ser aspirado pelo vazio, não tendo sido
preenchida a função primeira de sustentação, por falta de um Eu-pele).
A fascinação do autista pelos movimentos circulares ou de redemoi-
nho que ocorrem no mundo exterior, seus próprios movimentos gira-
tórios estereotipados evocam o risco de desaparecer nesses buracos
negros e uma tentativa desesperada de se agarrar (D. Houzel, 1985 b).
D. Marcelli caracteriza a “posição autista” por um pensamento
por contigüidade não simbólica (metonímica), por um objeto parcial
situado em um plano bidimensional, por uma relação de objeto autista
(nos casos patológicos) e narcísica (nos casos normais), pelo apoio
do Eu sobre a pele e os órgãos sensoriais próximos (tato, cheiro, gos-
to). Os dois mecanismos de defesa são:
— A identificação adesiva: D. Marcelli descreve uma nova for-
ma: “pegar a mão do adulto para usá-la como um prolongamento de
seu próprio membro superior”, isto é, incluir o outro em um Eu sem
limites; “pegar a mão do adulto ou se colar a ele corpo a corpo (...)”
significa utilizar o sentido do tato em uma relação de contigüidade
onde nenhum limite existe; o mesmo processo pode ser encontrado
com o faro e o gosto (os sentidos próximos); os sentidos distantes são
utilizados ao anular toda separação entre o Eu e o não-Eu: o autista
“ouve” a música da frase e reproduz, exagerada, a melopéia; da mes­
ma maneira, ele “prende” o objeto do olhar.
— O desmantelamento: impede a constituição da intersen-
sorialidade e da pele como “continuum” interligando os órgãos dos
sentidos: “eles desmantelam seu Eu em capacidades perceptivas se­
paradas” (Meltzer), eles reduzem o objeto de tipo “senso comum” a
uma multiplicidade de fenômenos unissensorias, nos quais animado
e inanimado se tornam indiscerníveis.
292 Principais configurações

O autista rejeita a comunicação pelo olhar e pela palavra, pois


rejeita a separação do corpo da mãe, o limite: caso contrário, é o pânico,
e a violência. A criança normal, diferentemente, utiliza o “pointing”
(Vigotski): ela estende a mão para pegar o objeto desejado; a mão fica
no ar se o objeto está muito longe, esse gesto adquire um valor
semiótico para os que estão a sua volta, e de volta a criança o utiliza
para se comunicar (cf. “a ilusão antecipadora” segundo Diatkine).
O Eu-pele é um envelope que emite e recebe sinais em interação
com o meio, ele “vibra” em ressonância; é animado, vivo em seu
interior, claro e luminoso. O autista tem a noção - sem dúvida geneti-
camente pré-programada - de um tal envelope, mas este, por falta de
experiências concretas que o atualizem, permanece vazio, negro, ina-
nimado, mudo. Os envelopes autistas oferecem assim uma verificação
pela negativa da estrutura e das funções do Eu-pele.

Da pele ao pensamento
Expus neste trabalho como as qualidades sensíveis se organizam
em um espaço interno, o espaço do Self, delimitado por uma interface
com os objetos exteriores que constituem o Eu (depois por outras
interfaces: entre o Eu psíquico e o Eu corporal, entre o Eu e o Supe-
rego, entre os diversos objetos internos etc). Por sua vez, a diferen-
ciação topográfica do espaço psíquico leva a transformações das qua-
lidades sensíveis em elementos de fantasias, de símbolos, de pensa-
mentos. Apenas pude deixar entrever o que dá início a essas trans-
formações: estudá-las em detalhe seria para outro livro. Diversos
autores, aliás, propuseram teorias que diziam respeito às etapas des-
sas transformações: Winnicott, Hanna Segal (1957) com a “equação
simbólica”, Bion com os oito níveis de sua “grade” até o pensamento
abstrato formalizado etc. De minha parte, espero mostrar um dia como
cada uma das nove funções do Eu-pele fornece um dos quadros ou um
dos processos do pensamento.
Complementos 293

Para terminar
A palavra do outro, se oportuna, viva e verdadeira, permite ao
destinatário reconstituir seu envelope psíquico continente, e ela o faz
na medida em que as palavras ouvidas tecem uma pele simbólica que
seja um equivalente, no plano fonológico e no plano semântico, dos
ecotactilismos originários entre o bebê e seu meio materno e familial.
Isto assim funciona na amizade, na cura psicanalítica, na leitura
literária. Da mesma forma, a escrita pode ser uma palavra a si próprio e
só para si, e que preencha desde a adolescência essa mesma função
reconstituidora, depois de uma viva emoção, de uma tensão nos
relacionamentos com as pessoas em volta, de uma crise interior. Isto
acontece não apenas com muitos escritores (ainda que essa neces-
sidade de restabelecer um Eu-pele provisoriamente enfraquecido fi-
que muitas vezes ocultado do interessado e escondido sob os mais
banais motivos: sentir prazer, se proteger da morte, rivalizar com a
fecundidade feminina etc.), mas é ainda mais verdadeiro com a mai-
or parte dos escritores (aqueles que escrevem sem preocupação esté-
tica e sem se importar com um público). Micheline Enriquez (1984)
descreveu sob a expressão “escrita representativa” uma atividade na
qual o paciente afirma sua presença para o mundo e para si mesmo (isto
é, mantem seu Eu na posição que qualifiquei de interface), anotando
palavra por palavra sobre o papel o quadro espaço-temporal em que se
encontra, suas atuais percepções, os gestos materiais que acaba de
realizar. É o caso de sua paciente Fanchon (cuja observação foi relatada
antes, p. 263). Fanchon comenta assim esse episódio que foi uma etapa
importante de sua cura: “É como se essa escrita me tivesse permitido a
recuperação de uma pele” (ibid. p. 263). É esse também o caso de Doris
Lessing que, no “Carnet d’or” (1962), assinala ter recorrido ao diário
azul para lutar contra a depressão:3

“Eu me encontro em um ponto onde a forma, a expressão


desaparecem; então não sou mais nada, minha inteligência
está a ponto de se desfazer, estou cada vez mais aterroriza-
da... (...) Foi então que decidi usar o diário azul, apenas pa-

3. Trad. fr. Albin Michel, 1976, p. 427. Citado e comentado por M. Enrique: (1984, p. 208).
294 Principais configurações

para anotar os acontecimentos. Eu me sentava a cada noite


sobre minha banqueta de música e anotava o meu dia como
se eu, Anna, prendesse Anna na página..."

“A cada dia, eu modelava Anna, dizia: hoje. Levantei às sete


horas. Preparei o café de Janet, mandei-a à escola etc-, e
ficava com a impressão de ter salvo meu dia do caos...”

Esta auto-observação de uma escritora coloca em evidência o


tronco comum a partir do qual se diferenciam a escrita do intelectual
(ensaísta, crítico etc.) e a escrita do criador de uma obra de ficção. Em
"Pour um portrait psychanalitique de l’intellectuel'" (D. Anzieu, 1984),
descrevo uma configuração do Eu-pele próprio do intelectual, onde a
pele é a superfície do cérebro projetada no contato com as coisas,
segundo um processo recíproco onde as coisas (o visto, o ouvido, o
tocado, o sentido, o degustado) são transpostas diretamente para idéias
que, por sua vez, filtram a percepção das coisas.
A palavra oral e também escrita tem um poder de pele. Meus
pacientes me convenceram disso. A convivência com algumas grandes
obras literárias também me confirmou. Foi a princípio uma intuição
pessoal e foi preciso tempo para transformá-la em idéia. Se escrevi este
livro, foi também para defender pela escrita meu Eu-pele. Por este ato
de reconhecimento, posso considerar a presente obra como terminada.
Índice de Observações

Os casos cujos pseudônimos não vêm acompanhados por um


nome de autor são extraídos de minha prática pessoal. Para os de-
mais, indico entre parênteses o nome da pessoa a quem devo ou de
quem empresto a observação.

Alice (E. Bick).............................. ........248


Armand (E. Moutin).................. . ........258
Edgar (P Fedem) ....................... ........124
Eleonora (C. Destombes)............ . ..........92
Errônea........................................ . ......221
Esté fano...... ............................... ........286
Fanchon (M. Enriquez)................ . 263,264
Frau Emmy von N. (S. Freud)., ........177
Gérard.......................................... . ........252
Gethsêmani................................. . .225-237
Irma (S. Freud) ............................ ........178
Janette..................... ........190
Juanito (colega anônimo)............. ..........90
Marsias.................. ....................... 200, 216
Mary (E. Bick)............................. . ........249
Sr. M. (M. de M’Uzan)................. ........142
Pandora................................. ...... . ........152
Paulette (E. Moutin) ........... ........ ........259
Rodolfo........ ................................. ........239
Sebastiana ................................. ........170
Zenóbia......................................... ........273
Bibliografia

Este livro é composto aproximadamente metade por textos iné-


ditos e metade por artigos anteriormente publicados e que aqui fo-
ram de alguma forma remanejados, recompostos ou reunidos. Agra-
deço os editores das revistas que me autorizaram reutilizar todo ou
parte de meus artigos.

Na primeira parte, “Descoberta”, os capítulos 2 (“Quatro séries


de dados”) e 3 (“A noção de Eu-pele”) foram utilizados, completando-
os, os seguintes textos:
- Meu artigo “princeps”, Le Moi-Peau (Nouv. Rev. Psychanal.,
1974, nº9, 195-208).
- De Ia mythologie particulière à chaque type de masochisme
(Bulletin de 1’Association Psychanalitique de France, junho de 1968, nº
4, 84-9).
- La peau: du plaisir à la pensée (in D. Anzieu, R. Zazzo e col,
llaitachement, Delachaux et Niestlé, 1974).
A segunda parte, “Estrutura, Funções, Superação”, contém uma
reprodução mais ou menos completa dos seguintes textos:
- Quelques précurseurs du Moi-Peau chez Freud (Rev. Franç.
Psychanal., 1981, XLV, nº5, 1.163-1.185): retomado no capítulo 6.
- Actualidad de FEDERN (in P. FEDERN: La psicologia del yo y
las psicosis, Amorrortu, Buenos Aires, 1984): retomado e desenvol-
vido no capítulo 6.
- Fonctions du Moi-Peau (Linformatím psychiatrique, 1984, n-8,
pp. 869-875): retomado e completo no capítulo 7.
- Altérations des fonctions du Moi-Peau dans le masochisme
pervers (Revue de médecine psychosomatique, 1985, nº 2): retomado
no capítulo 7.
298 O Eu -pel e

- A observação de Pandora (capítulo 8) é extraído (com acréscimos)


da L’échange respiratoire comme processus psychique primaire. A propos
d’une psychothérapie dun symptôme asthmatique (Psycho-thérapies, 1982,
n9 1, 3-8).
- Machine à décroite: sur um trouble de la croyance dans les états
limites (Nouv. Rev. Psychanal., 1978, n9 18, 151-167): esse artigo foi
inteiramente repensado para chegar ao capítulo 9.

O capítulo 10 combina três artigos:


- Le corps de la pulsion (in Actes du Colloque: La pulsion, pour quoi
faire? Association Psychanalytique de France, 1984).
- Le double interdit du toucher (Nouv. Rev. Psychanal., 1984, nº 29,
173-187).
- Au fond du Soi, le toucher (Rev. Franç. Psychanal., 1984, nº 6, 1.385-
1.398)

Na terceira parte, “Principais Configurações”, o capítulo 11 re­


toma L’enveloppe sonore du Soi (Nouv. Rev. Psychanal., 1976, nº 13,
161-179).

ABRAHAM, N., 1978, L’Écorce et le noyau, Paris, Aubier-Montaigne.

ANGELERGUES, R., 1975, Réflexions critiques sur la notion de


schéma corporel, in Psychologie de la cmnaissance de soi. Actes
du symposium de Paris (septembre 1973), EU.F.

ANZIEU, A., 1974, Emboítements, Nouv. Rev. Psychanal., nc 9, pp.


57-7 1.

, 1978, De la chair au verbe, in D. ANZIEU et coll.,


Psychanalyse et langage, 2e édit., Paris, Dunod.

ANZIEU, D. 1970, Freud et la mythologie, Nouv. Rev. Psychanal., n9 1,


pp. 114-145.
Bibl iog ra f ia 199
299

, 1975 a, LAnto-analyse de Freud, 2 vol., nouv., édit., Paris,


EU.F.

, 1975 b, Le Transferi paradoxal, Nouv. Rev. Psychanal., n2


12, pp. 49-72.

, 1979, La Démarche de 1’analyse transitionnelle en


psychanalyse individuelle, in KAÈS, R. et coll., Crise, rupture
et dépassement, Paris, Dunod.

, 1980 a, Du corps et du code mystiques et de leu rs paradoxes,


Nouv. Rev. Psychanal., n° 22, pp. 159-177.

, 1980 b, Les Antinomies du narcissisme dans la création


littéraire, in Guillaumin, J., Corps Création, Entre lettres et
Psychanalyse, 2* partie, ch. 1, Presses Univ. de Lyon.

,1981 a. Le Corps de 1’oeuvre, Paris, Gallimard.

, 1981b, Le Groupe ei 1’tnconscient. Uimaginaire grotipal, nouv.


édit., Paris, Dunod.

, 1982 a, Le Psychodrame en groupe large, in KAES, R. et


coll-, Le travail psychanalytique dans les groupes, tome 2, Les
Voies de 1’élaboration, Paris, Dunod.

, 1982 b. Sur la confusion primaire de 1’animé et de 1’inanimé.Un


cas de triple méprise, N.R.E, ri* 25, pp. 215-222.

, 1983 a, Le Soi disjoint, une voix liante: 1’écriture narrativede


Samuel Beckett, Nouv. Rev. Psychanal., ri* 28, pp. 71-85.

, 1983 b, A la recherche d’une nouvelle définition clinique


et théorique du contre-transfert, in SZTULMAN, H. et coll.,
Le Psychanalyste et son patient, Toulouse, Privat.

, 1984, La Peau de 1’autre, marque du destin, Nouv. Rev.


Psychanal., n° 30, pp. 55-68.

, 1985, Du fonctionnement psychique particulier à


rintellectuel, Topique, n" 34, pp. 75-88.
300 O Eu -pel e

AULAGNIER, E (Voir aussi CASTORIADIS-AULAGNIER)

, 1979, Les Destins du plaisir, Paris, EU.F.

, 1984, LApprenti-historien et le maitre sorcier, Paris, RU.E

ATLAN, H., 1979, Entre le cristal et la fumée. Essai sur 1'orgarúsation


du vivant, Paris, Seuil.
BALINT, M, 1965, Amowr primaire et technique psychanalytique, tr. fr.
Paris, Payot, 1972.

, 1968, Le Défaut fmdamental, tr. fr. Paris, Payot, 1971.

BEAUCHESNE, H., 1980, LÉpileptique, Paris, Dunod.

BELLER, I., 1973, La Sémiophonie, Paris, Maloine.

BERENSTEIN, I., PUGET, J., 1984, Considérations sur la


psychothérapie du couple: de 1’engagement amoureux au
reproche, in A. E1GUER et coll., La Thérapie psychanalytique
du couple, Paris, Dunod.

BERGERET, J., 1974, La Personnalité normale et pathologique, Paris,


Dunod.

, 1975, La Dépression et les états limices, Paris, Payot.

, 1984, La Vtolence fondamentale, Paris, Dunod.

BETTELHEIM, B., 1954, Les Blessures symboliques, tr. fr. Paris,


Gallimard, 1971.

, 1967, La Forteresse vide, tr. fir. Paris, Gallimard, 1970.

BICK, E., 1968, UExpérience de la peau dans les relations dobjet


précoces, tr. fr. in MELTZER, D. et coll., 1975, pp. 240-244.

BlON, W.R., 1962, Aux sources de 1’expérience, tr. fr. Paris, EU.F, 1979.

, 1967, Réflexion faite, tr. fr. Paris, PU.F., 1982.


Bibl iog ra f ia 301

BIVEN, B.M., 1982, The role of skin in normal and abnormal


development with a note on the poet Sylvia Plath, Intemat.
Rev. Psycho-Aml., 9, 205-228.

BLEGER, J., 1966, Psychanalyse du cadre psychanalytique, tr. fir. in


KAÊS, R. et coll., 1979 a.

BONNET G., 1981, Voir-Être w, 2 vol, Paris, RU.F.

, 1985, De 1’interdit du toucher à Pinterdit de voir, P sychaml.


Univ. 10, nu37, pp. 111-119.

BOULERY, L., MARTIN, A., PUAUD, A., 1981, Des enfants sourds-
aveugles... et des grottes, UEvol. Psychiat., 46, n° 4, pp. 873-
892.

BOURGUIGNON, O., 1984, Mort des enfants et structures familiales ,


Paris, RU.F.

BOWLBY, J-, 1958, The nature of the child’s tie to mother, Intemat.
J. Psycho-Anal., 39, 350-373.

, 1961, EEthologie et 1‘évolution des relations objectales, tr.


fr. Rev. Fr. Psychanal., 24, n"s 4-5-6, pp. 623-631.

, 1969, Attachement et perte, tome 1: UAttachement, tr. ff.


Paris, RU.F., 1978.

, 1973, Attachemenc et perte, tome 2: La Séparation, tr. fr.


Paris, RU.F., 1978.

, 1975, Attachement et perte, tome 3: La perte, eristesse et


dépression, tr. fr. Paris, EU.F., 1982.

BRAZELTON, T.B., 1981, Le Bébé: partenaire dans 1’interaction, tr.


fr. in BRAZELTON et coll., La Dynamique du nourrisson, Pa-
ris, E.S.F., 1982, pp. 11-27. Cet article contient une
bibliographie détaillée des publications anglaises de Brazelton.

CACHARD, C., 1981, Enveloppes de corps membranes de rêve,


LEvol. Psychiat., 46, n“4, pp. 847-856.
302 O Eu -pel e

CAST ORI ADIS - AULAGNIER, E, 1975, La Viole nce de Vinterpre-


tation, Paris, EU.F.

CHAUVIN, R. et coll., 1970, Modèles animaux du comportment


humain, éditions du C.N.R.S.

CHIVA, M., 1984, Le Douxet l'amer, Paris, RU.F.

CORRAZE, J., 1976, De 1‘hystérie aux pathominies, Paris, Dunod.

DUYCKAERTS, F., 1972, LlObjet d’attachement: médiateur entre


1’enfant et le milieu, in Miíieu et développment, Actes du
symposiumde Lille (septembre 1970), Paris, RU.F.

ENR1QUEZ, M., 1984, Aux carrefours de la haine, Paris, CEpi.

FEDERN, R, 1952, La Psychologie du Mot et les psychoses, tr. fr. Paris,


RU.F., 1979.

F1SCHER, S., CLEVELAND, S.E., 1958, Body images and personalityt


Princeton, New York, Van Nostrand.

FRAZER, J.G., 1890-1915, Le Rameau d’or, tr. fir., réduite en 4 vol.,


Paris, R. Laffont, 1981-1984.

FREUD, S., 1887-1902, La Naissance de la psychanalyse. Lettres à


Wilhelm Fliess: notes etplans, édition orig. all. 1950; tr. fr. Paris,
RU.F., 1956.

, 1891, Contribution à la conception des aphasies, tr. fir. Paris,


RU.F., 1983.

, 1895 a, Esquisse d’ime psychologie scientifique, édition.


orig. all. 1950; tr. fr. in la Naissance de la psychanalyse, RU.F.,
1956.

, 1895 b (avec BREUER, J.), Études sur 1’hystene, tr. fr. Paris,
RU.F., 1955.

, 1900, Ulmerprétationdes rêves, nouv. tr. fr. Paris, RU.F., 1967.


Bibl iog ra f ia 303

, 1905» Trois essais sur la théorie de la sexualité, nouv. tr. fr.


Paris, Gallimard, 1968.

, 1914, Pour introduire le narcissisme, tr. fr. in La Vie sexuetle,


Paris, E U.F., 1969.

, 1915, LÜnconscienc, nouv. tr. fr. in Mécapsychologie, Paris,


Gallimard, 1968.

, 1919, Elnquiétante étrangeté, tr. ff. in Essais de Psychanalyse


appliquée, Paris, Gallimard, 1933.

, 1920, Au-delà du príncipe du plaisir, nouv. tr. fir. in Essais


de Psychanalyse, Payot, 1981.

, 1923, Le Moi et le Ça, nouv. tr. fr. in Essais de Psychanalyse,


Paris, Payot, 1981.

, 1925, Notice sur !e Bloc magique, tr. fr. Rev. Franç.


PsycFumal., 1981, 45, n° 5, pp. 1.107-1.110.

, 1933, Nouvelles conférences d’introdaction à la psychanalyse,


nouv. tr. fr. Paris, Gallimard, 1984.

GANTHERET, F., 1984, fncertitudes d'Éros, Paris, Gallimard.

GEISSMANN, R et GEISSMANN, C., 1984, LEnfant et sa psychose,


Paris, Dunod.

GENDROT, J.A., RACAMIER, PC., 1951, Fonction respiratoire et


oralité, LÉvoL Psychiat, 16, n°3, pp. 457-478.

GIBELLO, B., 1984, UEnfant à 1’intelligence troublée. Paris, Le


Centurion.

GOR1, R., 1972, Wolfson ou la parole comme objet, Mouvemem


Psychiatr., n" 3, pp. 19-27.

, 1975, Les Murailles sonores, IlEvol Psychiatr., ri" 4, pp. 779-


803.
J04
304 O Eu -pe l e

, 1976, Essai sur le savoir préalable d a tis les groupes de


formation, in KAES, R. et coll., Désir de former et formation du
savoir, Paris, Dunod.

GORI, R., THAON, M., 1975, Plaidayer pour une critique littéraire
psychanaiytiqm, Connexions, n° 15, pp. 69-86.

GRAND, S., 1982, The body and its boundaries: a psychoanalytic


study of cognitive process disturbances in schizophrenia,
Intemat. Reu Psycho-AmL, 9, pp. 327-342.

GRAVES, R., 1958, Les Mythes grecs, tr. fr. Paris, Fayard, 1967.

GREEN, A., 1984, Narcisswne de vie, narcissisme de mort, Paris, Ed.


de Minuit.

GROTSTE1N, J.S., 198 1, Splitting and projecuve Identification, New


York, Londres, Jason Aronson.

GRUNBERGER, B., 1971, Le Narcissisme, Paris, Payot.

GUILLAUM1N, J., 1979, Le Rêve et le Moi, Paris, PUF.

, 1980, La Peau du certame, ou le retournement projectif


de 1’intérieur du corps dans la création littéraire, in
GU1LLAUMIN, J. et coll., Corps Création Entre Lettres et
Psychanalyse, 2C partie, chap. 7, Presses Univ. de Lyon.
HARLOW, H.F., 1958, The nature of love, Americ-Psychol, 13, 673-
685.

HERB1NET E., BUSNEL, M.L. et coll., 1981, UAube des sens, Les
Cahiers du nouveau-né, 5, Stock.

HERMANN, L, 1930, Unsúnct fdial, tr. fr. Paris, Denoél, 1973.

HERREN, H., 1971, La Voix dans le développement psychosomatique


de 1'enfant, ]. franç. otorhino-laryngol., 20, n° 2, pp. 429-435.

HOUZEL, D., 1985 a, LÉvolution du concept d’espace psychique


dans Tcieuvre de Mélanie Klein et de ses successeurs, in collectif
Mélanie Klein aujourd’hui, Lyon, Editions Césura.
Bibl iog ra f ia 305

, 1985 b, Le Monde tourbillonnaire de 1’autiste, Lieiix de


1'enfance, n° 3, pp. 169-183.

IMBERTY, M., 1981, Les Ecritures du temps. Sémanticfue psychologique


de la musique, tome 2, Paris, Dunod.

KAÉS, R., 1976, LAppareil psychique groupal, Paris, Dunod.

, 1979 a, Introductíon à Panalyse transitionnelle, in KAÉS,


R. et coll., Crise, rupture et dépassement, Paris, Dunod.

, 1979 b, Trois repères théoriques pour le travail


psychanalytique groupal: 1’étayage multiple, 1'appareil
psychique groupal, la transitionalité, Perspectives Psychiatr., n"
71, pp. 145-157.

, 1982, La catégorie de Pintermédiaire chez Freud; un concept


pour la psychanalyse? (inédit).

, 1983, Identification multiple, personne conglomérat, Moi


groupal. Aspects de la pensée freudienne sur les groupes inter-
nes, Bull. Psychol., 37, n° 363, pp. 113-120.

, 1984, Etayage et structuration du psychisme, Cormexiom,


n" 44, pp. 11-46.

KAFKA, E, 1914-1919, La Colonie pénitentiaire, tr. fr. La Pléiade,


Paris, Gallimard, tome 2,1980, p. 304 (écrit en 1914, plublicat.
orig. all. en 1919).

KASPI, R-, 1979, UHistoire de la cure psychanalytique de Madame


OGGI, in KAÉS, R. et coll., Crise, rupture et dépassement, Pa-
ris, Dunod.

KAUFMAN, I.C., 1961, Quelques implications théoriques tirées de


1 etude du fonctionnement des animaux et pouvant fácilliter
la conception de 1’instinct, de 1’énergie et de la pulsion, Rev.
Fr. PsychanaL, 24, nc* 4, 5, 6, pp. 633-649.
306 OEu-pele

KERNBERG,Q, 1975, Borderline canditions and pathoiogical narássism,


tr. fr. tome 1, Les Troubles limites de la persomuilité, 1979; tome
2, Les Personnalités narcissüjues, 1981, Toulouse, Privat.

KLEIN, M-, 1948, Essais de psychanalyse, tr. fr. Paris, Payot, 1968.

KOHUT, H,( 1971, Le Soi. La psycharudyse, des fransférts narcissiques,


tr. fr. Paris, PUE, 1974.

LACOMBE, E, 1959, Du rôle de la peau dans l’attachement mère-


enfant, Rev. Fr. Psychanal., 23, n" 1, pp. 83-102.

LAPLANCHE, J., 1970, Vieetmortenpsychanalyse, Paris, Flammarion.

LAPLANCHE, L, PONTALIS, J.B., 1968, Vocabulaire de la


psychanalyse, Paris, EU.F.

LOISY, D., 1981, Enveloppes pathologiques, enveloppements


thérapeutiques (le packing, thérapie somato-psychique), LEvol.
Psychiac., 46, n° 4, pp. 857-872.

LORENZ, K.Z., 1949, II parlait avec les mammifères, les oiseaux et les
poissons, tr. fr Paris, Flammarion, 1968.

LUQUET, E, 1962, Les Identifications precoces dans la structuration


et la restructuration du Moi, Rev. Franç. Psychanal, 26, n°
spécial, pp. 197-301.

MAC DOUGALL, J., 1978, Plaidoyer pour tme certfrne anormalité,


Paris, Gallimard.

MARCELLI, D., 1983, La position autistique. Hypothèses


psychopathologiques et ontogénétiques, Psychiatr. enfant, 24,
n° 1, pp. 5-55.

MASUD KHAN, 1974 a, Le Soi cachê, tr. fr Paris, Gallimard, 1976.

, 1974 b, La Rancune de 1’Kystérique, Notiv. Rev. Psychanal.,


n° 10, pp. 151-158
Bibl iog ra f ia 307

MELTZER, D. et coll., 1975, Explorations dam le monde de lautisme,


tr. fir. Paris, Payot, 1980.

MISSENARD, A. 1979, Narcissisme et rupture, in R. KAÉS et coll.,


Crise, rupture et dépassement, Paris, Dunod.

MONTAGU, A., 1971, La Peau et le toucher, tr. fr. Paris, Seuil, 1979.

M’UZAN, M., 1972, Uncas de masochisme pervers, in ouvr. collectif


La Sexualité perverse, Paris, Payot; repris in De 1’art à la mort.
Paris, Gallimard, 1977.

NASSIF, J. 1977, Freud, Lincomcient, Galilée.

OLERON, R 1976, LAcquisition du langage, Traité de Psychologie de


1’ênfant, tome 6, Paris, PU.F.

PASCHE, F-, 1971, Le Bouclier de Persée, Rev. Fr Psychanal, 35, ri” 5-


6, pp. 859-870.

PINOL-DOURIEZ, M., 1974, Les Fondements de la sémiotique


spatiale chez 1’enfant, Nouv. Rev. Psychanal., ri’ 9, pp. 171-194.

, 1984, Bébé agi, bébé actif, Paris, RU.F.

POMEY-REY, D., 1979, Pour mourir guérie, Cutis, 3, 2 février, pp.


151-157.

PONTALIS, J.B., 1977, Entre le rêve et la douleur, Paris, Gallimard.

RIBBLE, M., 1944, Infantile expériences in relation to personality


development, in HUNT, J. Mc V., Persomjíity and the behavior
in disorders, New York, Ronald Press, tome 2.

ROSOLATO, G., 1969, Essais sur le symbolique, Paris, Gallimard.

, 1978, La Relation d'inconnu, Paris, Gallimard.

RUFFIOT, A., 1981, Le groupe-famille en analyse. Lappareil


psychique familial, in RUFFIOT, A. et coll., La Thérapie
familiale psychanalitique, Paris, Dunod.
308 OEu-pele

SAMI-ALI, M., 1969, Étude de I’image du corps dans Purticaire,


Rev. Fr. Psychanal. 33, n° 2, pp. 201-242.

, 1974, LEspace imaginaire, Paris, Gallimard.

, 1977, Corps réel, corps imaginaire, Paris, Dunod.

, 1984, Le Visuel et le tactile. Essai sur l’allergie el la psychose,


Paris, Dunod.

SEARLES, H., 1965, LEffort pour rendre Vautre fou, tr. fr. Paris,
Gallimard, 1977.

, 1979, Le Contre-transfert, tr. fr. Paris, Gallimard, 1981.

SCHILDER, E, 1950, Llmage du corps, tr. Fr. Paris, Gallimard, 1968

SEGAL, H., 1957, Notes sur la formation du symbole, tr. fr. Rev. Fr.
Psychanal., 1970, 34, n” 4, pp. 685-696.

SOULE, M., 1978, LEnfant qui venait du froid. Mécanismes défensifs


et processus pathogènes chez la mère de Penfant autiste, in Le
Devenir de lapsychose de Penfant, Paris, RU.F., pp. 179-212.

SPITZ, R., 1965, De la naissance à la parole. La première année de la


vie, tr. fr. Paris, RU.F., 1968.

TAUSK, V, 1919, De la genèse de "Pappareil à influencer” au cours


de la schizophrénie, tr. ff. in oeuvres psychanalitiques, Paris, Payot,
1976.

TINBERGEN, N., 1951, LÉtude de Pinstinct, tr. fr. Paris, Payot, 1971.

THEVOZ, M., 1984, Le Corps peint, Genève, SKIRA.

TRISTANI, J.L., 1978, Le Stade du respir Paris, Ed. de Minuit.

TURQUET, PM., 1974, Menaces à 1'identité personnelle dans le


groupe large, Buíí. PsychoL, n° spécial "Groupes: Psychologie
sociale et psychanalyse", pp, 135-158.
Bibl iog ra f ia 309

TUSTIN, F., 1972, Auttsme ei psychose de 1'enfant, tr. fr. Paris, Seuil,
1977.

,1981, Amsc íso c States in children, Londres, Routledge and


Kegan.

VINCENT, F., 1972, Réflexions sur le tégument des Primates, Ann.


Fac. Sciences Cameroun, n° 10, pp. 143-146.

WIENER, P, 1983, Structure et processus dans la psychose, Paris, P U.


F.

WINNICOTT, D., 1951, Objets transitionnels et phénomènes


transitionnels, tr. fr. in Jeuet réalité, Paris, Gallimard, 1975, ch. 1.

, 1958, La Capacité d’être seul, tr. fir. in De la pédiatrie à la


psychanalyse, Paris, Payot, 1969, chap. 16.

, 1962 a, LIntégration du Moi au cours du développement


de 1'enfant, in Processus de maturation chez 1’enfant, tr. fr. Paris,
Payot, 1970, chap. I.

, 1962 b, LEnfant en bonne santé et l'enfant en période de


crise. Quelques propos sur les soins requis, in Processus de
maturation chez 1’enfant, tr. fr Payot, 1970.

, 1969, Les Aspects positifs et négatifs de la maladie


psychosomatique, tr. ft. Reu Méd. Psychosomatique, 11, n° 2,
pp. 205-216.

, 1971, Le Rôle du miroir de la mère et de la famille dans le


développement de 1’enfant, tr. fr. in Jeu et réalité, Paris,
Gallimard, 1975, ch. 9.

ZAZZO, R., 1972, LAttachement. Une nouvelle théorie sur les ori-
gines de 1’affectivité, in LOrientation scolaire et professionnelle,
pp. 101-128.

, 1974 (en collab.}, LAttachement, Neuchâtel, Delachaux et


Niestlé.