Vous êtes sur la page 1sur 11

Introducao .......................................................................................Error! Bookmark not defined.

Classificação das ciências segundo Augusto comte ........................Error! Bookmark not defined.
O Positivismo ..............................................................................Error! Bookmark not defined.
Resumo:.......................................................................................Error! Bookmark not defined.
A questão da verdade ..................................................................Error! Bookmark not defined.
A ignorância ................................................................................Error! Bookmark not defined.
A duvida ......................................................................................Error! Bookmark not defined.
A opinião .....................................................................................Error! Bookmark not defined.
A certeza......................................................................................Error! Bookmark not defined.
Criterios da verdade ........................................................................Error! Bookmark not defined.
A evidencia..................................................................................Error! Bookmark not defined.
Encontramos exemplos de evidencia; .........................................Error! Bookmark not defined.
Resumo;...........................................................................................Error! Bookmark not defined.
A verdade ....................................................................................Error! Bookmark not defined.
O erro;Causas e remédios ............................................................Error! Bookmark not defined.
A ignorância ................................................................................Error! Bookmark not defined.
As causas do erro ........................................................................Error! Bookmark not defined.
São causas psicológicas...............................................................Error! Bookmark not defined.
São causas morais .......................................................................Error! Bookmark not defined.
Epistemologia Contemporanea .......................................................Error! Bookmark not defined.
Ciencia ou Ciencia‫ ؟‬.....................................................................Error! Bookmark not defined.
Duas prespectivas sobre a evolução da ciência continuísmo e descontinuismo... Error! Bookmark
not defined.
O continuísmo .................................................................................Error! Bookmark not defined.
O continuísmo moderado ................................................................Error! Bookmark not defined.
O descontinuismo ............................................................................Error! Bookmark not defined.
A teoria de Karl Popper..................................................................Error! Bookmark not defined.
Conclusao; .......................................................................................Error! Bookmark not defined.
Bibliografia; ....................................................................................Error! Bookmark not defined.
Introducao

Neste presente no âmbito da cadeira de disciplina de filosofia individual que foi me


proposto a abordar por seguintes temas; Classificação das ciências segundo august
comte,A questão da verdade, e tendo inclusivamente de tal o tema seguintes como o
critério de verdade, o erro, causas e remédios ,algumas causas morais e psicológicas,
abordando a Epistemologia contemporânea , Ciencia ou ciência ;

Com os mais seguintes as prespectivas sobre a evolução da ciência ; continuísmo e


descontinuismo. Teoria de karlppoper.

3
Classificação das ciências segundo Augusto comte

Augusto comte [ 1798-1857], filósofo francês que veio também a ser fundador da
sociologia, sofreu várias influências ideológicas. Dentre estas, destaca-se a de
Condorcet ( 1743 – 1794 ) a quem ele chama predecessor mediato. A outra influencia
importante foi o Historicismo Alemão ( Hegelialismo).

Comte, inspirado pelos ideais do século XVIII, fundou a chamada Lei dos Três Estados,
comparando o desenvolvimento do psiquismo humano, atrevessa três estados físico,
metafisico e positivo, que correspondem a fases da infância, juventude e maturidade,
respectivamente.

No Estado não se admite a justificação nem teológica ( própria do primeiro Estado )


nem metafisica da realidade ( própria do segundo Estado ) mas sim a cientifica.

O Positivismo

não se preocupa com o problema da casualidade, quer somente estabelecer os


procedimentos metodológicos para a produção de proposições válidos de acordo com o
seu próprio sistema. Ele não se preocupa, por exemplo, com o problema da casualidade
dos factos. Quer perceber como acontece fenômeno sem interessar pelas suas crenças (
esta é a última característica da filosofia ).

Resumo:

Existem vários tipos de conhecimento: o conhecimento do senso comum que resulta da


experiência quotidiana do ser humano e é superficial, sensitivo, subjetivo, assistemático
e acrítico. O conhecimento científico, que é verdadeiro, universal e susceptível de sofrer
experimentações e o conhecimento filosófico, que é valorativo, racional, sistemático e
não verificável.

A questão da verdade

A verdade é a correspondência entre o conceito e a realidade,seja ela empírica ou meta-


impirica.

São quatro os principais estados do espitito perante a verdade; a ignorância a duvida, a


opinião e certeza.

A ignorância

é a ausência de todo o conhecimento relativamente a um enunciado para um espirito em


estado de ignorância, a verdade de um determinado enunciado é como se não existesse;
não há juízo. A ignorância pode ser; vencível ou invecivel dependendo da possibilidade
ou impossibilidade de fazela desaparecer; culpável ou inculpável. Conformo tivermos
ou não o dever de a dominar.

4
A duvida

é um estado de equilíbrio entre a afirmação e a negação. No estado de duvida o espirito


não adere, ou porque os motivos para afirmar e negar se equilibram ainda duvida
positiva, ou não se equilibram mas não tem razão alguma nem para afirmar nem para
negar duvida negativa,que equivale a ignorância. A duvida pode ser;

-metidica ou cartesiana~´ suipensao vpluntaria, fitica, ou real mas sempre provisória


na aceitação de uma verdade tida por certa, com o fim de verificar o seu valor. Esta é
necessária a constituição de qualquer ciência. É também conhecida por duvida
cartesiana por ter sido Descartes o primeiro a estabelece-lo como método.

-ceptica ou sistemática- estado definido do espirito relativamente a toda a verdade


relativamente a toda a verdade é impossível legitimar as nossas as verdades espontâneas
que devemos ter sempre como incertas. Enquanto a duvida ceptica é um fim.

A opinião

é a adesão rceosa do espirito a afirmação ou negação de um enunciado. O espirito


adere, porque as razaoes mais graves pensam para uma parte; no entanto, não exclui o
temor de o oposto ser verdadeiro; é um estado intermediário entre a duvida e a certeza
em que já emitido o juízo mas inseguro.

O valor da opinião depende do grau de probabilidade e, portanto dos motivos em que se


baseia.

A certeza

é adesão firme e inabalável do espirito a uma verdade conhecida, sem receio de criar. A
certeza supõe,pois a manisfestacao completa da verdade, isto, é da comformidade do
enuciado com a realidade, combinado um juízo seguro. Esta manisfestacao faz-se
medianta evidencia, que é o motivo eo fundamento da clareza como a probabilidade e o
motivo da opinião.

Criterios da verdade

O que é um critério ‫ ؟‬da-se o nome de critério ao sinal pelo qual distinguimos uma coisa
de outra. É a norma pela qual distinguimos o conhecimento verdadeiro do falso; o sinal
que nos permite distinguir a verdade da falsidade critérios de verdade. Assim,o critério
do conhecimento, e a evidencia.

A evidencia

é a clareza com que a verdade se impõe a nosso espirito; é uma espécie de luz que,
ilumina a realidade e nos permite ver que aquilo que temos no espirito esta conforme a
5
essa mesma realidade,o que nos leva a concluir que ela é verdadeira a sua verdade que
vemos como evidente.

Assim como a luz ilumina os corpos, a evidencia,ilumina a verdadade.

Encontramos exemplos de evidencia;

-no fideismo,quando este considere que é a fe é o único critério de verdade-valido


apenas para as verdades religiosas;

-ao senso comum,quando este entende que os conhecimentos comuns a todos os homens
são verdadeiros;

-no pragmatismo,quando este surge que a acao é um. Critério de verdade.

A verdade identifica-se.

No grande simples trabalho de filosofia teremos como fonte do desenvolvimento do


trabalho inclusivamente- o resumo.

Resumo;

A verdade

é a correspondência entre o conceito e a realidade, seja da empírica ou meta-empiricas.

-o espirito pode encontrar-se em diferentes estados em relação a verdade;


ignorância,duvida,opinião, e certeza.

-as causas do erro podem ser psicológicas, ou morais .

-a reflexão profunda sobre as coisas é o único remédio do erro.

O erro; Causas e remédios

Em que consiste o erro‫ ؟‬se a verdade consiste em dizer que é o que não é, o que é.

Por isso, o erro pode ser definido como a não conformidade do espirito com a realidade
ou com a coisa. É a adesão firme aquilo que objectivamente é falso, mas que do ponto
de vista subjectivo ,nos parece verdadeiro. O erro distingui-se da ignorância, pois
enquanto esta consiste em nada saber e nada afirmar,aquile consiste em não saber mas
afirmar,julgando saber.

A ignorância

é uma limitação da verdade, pois o ignorante não sabe; o erro é a negação da


verdade,dai que quem erra não sabe,mas julga saber.

As causas do erro

6
podem ser de duas naturezas; psicológicas e morais.

São causas psicológicas

-a falta de compenetração ou atenção do espirito,que interpreta mal os dados dos


sentidos estendendo a adesão além daquilo que foi aprendido. É o caso daquele homem
que ve no bronze o ouro;

-a paixão,que nos impede de rasciocinar correctamente. A paixão deixamos, muitas


vezes obcecados, impossibilitando-nos, desse modo, de reflectir.

São causas morais

-a verdade,que resulta de um excesso de confiança em nos próprios;

-o interesse econômico social,politico,etc.pelo qual preferimos aquilo que nos é


favorável e que se harmoniza com os nossos objetivos.

-a preguica intelectual, que não nos deixa questionar o valor dos nossos motivos e por
isso, nos leva a aceitar sem reflexão determinadas assencoes formuladas de forma
ligeira.

Todo o erro é combatido nas suas causas procedendo-se metodicamente e refletindo-se


sobre as coisas; acautelando-se contra sugestão da paixão e da imaginação suspendendo
o juízo e duvidando-se for necessário;não aceitando nada como verdadeiro ou falsos
senão o que conhece como tal,através dos meios legítimos.

7
Epistemologia Contemporanea

Ciencia ou Ciencia‫؟‬

Embora habitualmente se fale de ciência ou de conhencimento cientifico em geral,a


pratica mostra que a ciência se densenvolve e se manisfesta em diversos domínios
autônomos, de tal forma que cada um destes domínios constitui uma ciência.

Assim,podemos falar da física, biologia,historia, matemática,etc. como sendo ciências


autônomas,e ao mesmo tempo. Interdependentes. Portanto, não há uma so ciência mas
diversas ciências que apresentam aspectos comuns, os quais nos permitem classifica-las
e agrupalas.

Duas prespectivas sobre a evolução da ciência continuísmo e descontinuismo

Nesta parte, vamos ver os pontos de vista de alguns autores sobre o denselvovimento da
ciência.

Enquanto uns acreditam que o densenvolvimento da ciência é linear e cumulativo,há


outros que defendem o contrario a ciência é revolucionaria.

O continuísmo

Dentro desta corrente de pensamento é possível encontrar duas linhas. O continuísmo


radical.

Defende que a ciência evolui de forma linear e acumulativa; linear,por que evolui
sempre na mesma direção o que significa que os conhecimentos, uma estabelecidos já
mas serão postos em causa; acumulativa pelo facto de os novos conhecimentos se
juntarem ao anteriores, como se trata de seleiro.

Esta concepção da ciência é o fruto de alguns pressupostos gnosiológicos, de entr eles;

-a associação do conhecimento com o método da verificação,um método que se acha


infalível,capaz de discenir a veracidade e a falsidade das hipóteses;

-o conhecimento é tomado como fruto de uma entidade fidedigna,; a razão humana,; que
acumula o conhecimento adquirido ao longo do tempo;

-a ciência obedece a um processo evolitivo;cujas descobertas se interligam entre si,ou


seja,há ligação entre uma descoberta recente e anterior;

-o Homem aprende a ciência de forma graduada começando pelas coisas mas simples e
evoluindo para o conhencimento cada vez mas complexos criando uma imagem de um
conhecimento historicamente linear;

8
-no acto de transmissão da ciência, dos seus pontos fracos erros,hipóteses caducadas não
são reveladas transparecendo ser há ciência produto de uma gradual evolução , num
hitenerario sempre seguro e sem erro algum.

O continuísmo moderado

considera que esta visão da ciência e realista ingênua. O factos inerentes ao próprio
processo de construção da ciência desmudaram la dando origem há uma visão
continuísta Duhem , historiador e filosofo da ciência , por exemplo não nega que há
ciência seja construída de forma continuísta , porem reconhece que ao longo do
processo da sua construção ouvem erros e correções do mesmo . ele defende que as
descobertas cientificas de uma época bazeim si nas investigações e debates de época
precedentes , em que os erros registados são examinados e corrigidos constituindo uma
época e outra

O descontinuismo

Alguns filósofos da ciência como Bachelard, A.Koyre,K.Popper e T.khum , defendem


que o deselvolvimento da ciência conhece momentos de descontinuidade , ou seja ,
ropturas que semparam , de forma clara , uma fase da outra. Trata se de momentos
suprendentes que afectam há legitimidade dos princípios gerais . o que nos podemos
perguntar ; quando é que si diz que os princípios gerais perdem legitimidade ‫؟‬

Para responder esta pergunta tem di assimilar o funcionamento da ciência; na ciuencia


um teoria e o conjunto de teorias funciona sempre ligada há um principio geral- o
paradigma . escapam dos seus carris relevando contradições ou lacunas irreparáveis a
comunidade cientifica é forcada a abadonar o antigo paradigma e a conceber um novo
que enquadre as novas descobertas e abra caminhos para novas pesquisas .

Vamos no entanto analisar as reflexões epistemológicas feitas por Karl Popper e


Thomas Khun.

A teoria de Karl Popper

Popper 1902-1994 , filosofo austríaco das ciências exactas e humanas , nega o progresso
cientifico considerado como acumulação de conhecimentos . aqui reside a sua posição
descontinua. Ele e da opinião de que a ciência analisa e critica as teorias anteriores ,
corrigindo-as ou ate substitui-las . portanto , a ciência não progride por acumulação de
teorias , mas sim através de critica as teorias e a inovação das mesmas ou ate banindo
as anteriores para dar lugar as novas teoria capazes , e que entram em consonância com
a nova realidade cientifica.

9
Por isso , é legitimo de acordo com popper , afirmar que o progresso da ciência não é
acumulativo , pois é feito através de revoluções intelectuais e cientificad . popper
acredita que a sucessão de teorias tende a aproximar se fe cada vez mais a verdade , uma
meta por si condiderada inalcançável. Para ele , as teorias outra coisa não é senão
pontos de vista do senso comum submetidos a procedimentos críticos e , por isso ,
esclarecidos.

Na ciência nos procuramos a vedade , e a verdade não é dada pelos factos mas pelas
teorias que correspondem aos factos . entretanto , essa é uma definição de verdade mas
nos não temos um critério de verdade , já que formemos uma teoria verdadeira jamais
poderemos sabe los pois as consequências de uma teoria são infinitas e nos não a
podemos verficar todas . sendo assim segundo popper a verdade é um ideal regulador .
eliminado os erros das teorias anteriores e subistituindo as por teorias mais verdadeiras ,
copernico a galileu , de galileu a Keppler a Newton e Einsten.

Com isso porem , não devemos pensar que exista uma lei do progresso da ciência , pois
a ciência também pode estagnar . o progresso da ciência conheceu obstáculos (
epistemológicos,ideológicos,econômicos,etc) e talvez venha a conhece-los.

Não existem lei do progresso na ciência . este faz-se por meio de revoluções intelectuais
e cientificas , estas são introduzidas a partir de falsificações bem sucedidas . as teorias
são resultado directo das refutações ; foram realizações do pensamento criativo , do
homem pensate . ainda mais o filosofo popper diz que temos um critério de progresso ;
uma teoria pode aproximar –se mais da verdade do que outra.

Salienta-se que a ideia de aproximação a verdade nada tem em como com a ideia de
acrecemo graduado por menores a teoria, que a deixaram, o essencial,igual a se mesma.
As teorias refutadas integram o processo da aproximação a verdade por terem
provacado acriacao de teorias menores;

A afirmação de que a terra esta em repouso e que os céus giram avolta dela esta mas
longe da verdade do que a firmação de que a terra gira em torno do seu próprio eicho de
é o sol que esta em repouso e os outros planetas se movem em orbitas circulares a volta
do sol, tal como foi avançada por corpeloco e galileu. A afirmação se deve a klepper de
que as planetas não se movem em círculos mas sim em lipcios não muito alongados,
com o sol no seu foco comum, ;;e com o sol em repouso ou em rotação a volta do seu
eicho é mas uma aproximação a verdade;; a afirmação que se deve a newton de que
enxiste um espaço em repouso, mas que excluindo a rotação não se pode encontrar
através da observação das estrela sou dos efeitos mecânicos, é mas um paco a direção a
verdade.

10
Conclusao;

No presente trabalho conclui que o Augusto Comte foi um filosofo francês e tornouse
fundador da sociologia, Comte era inspirado pelos ideias do secXVIII e também ele
fundou a chamada lei dos três estados comparando o densenvolvimento do
psiquismohumano.conclui que o positivismo não se preocupa com o problema da
causalidade.

Conclui que a verdade é a correspondência entre o conceito e a realidade,seja da


empírica ou meta-empirica, e ainda mas foi concluído neste presente trabalho individual
escrito por mim mesmo que o espirito pode se encontrar em diferentes estados em
relação a verdade; ignorância,duvida,opinião, e certeza. E que as causas do erro podem
ser psicológicas ou morais, e a reflexão profunda sobre as coisas é o único remédio do
erro.e por ultimo foi concluído o seguinte tema a prespetiva da evolução das ciências.

11
Bibliografia;

Biriate; Manuel,Geque; Eduardo, pre-universitaria-filosofia 11, S e, Maputo, longman


Mocambique,2010.

12