Vous êtes sur la page 1sur 5

Esquadrias de Madeira

Só são admitidas peças bem aparelhadas, rigorosamente planas e lixadas, com arestas vivas
(exceto quando é especificado diferente). As peças com sinais de empenamento,
descolamento, rachaduras, lascas, diferenciação em relação à qualidade e espessuras entre
outros.
A fabricação de folhas de porta pode ser:

 Lisa: constituída de um núcleo e capeada nas duas fases;


 Almofadada: confeccionada com madeira maciça, com duplo rebaixo;
 Calha ou mexicana: feita com sarrafo do tipo macho – fêmea, presos por travessas
respectivamente sobrepostas ou embutidas ou parafusadas.

Figura 1 Folhas de porta fina, almofadada e mexicana, respectivamente.

As folhas devem se movimentar perfeitamente. As portas de entrada das moradias assim


como as da cozinha, não devem ter largura inferior a 80 cm. As sambladuras (junções com
entalhe) são do tipo mechas e encaixe, havendo cunha de dilatação, garantindo maior rigidez
na união. O núcleo das portar e outros elementos serão dos tipos:

 Núcleo semi – oco, de colmeia de papel Kraft, deve ser utilizada apenas quando a porta não
está sujeita a umidade;
 Núcleo de raspas de madeira selecionada, aglutinadas com cola sintética e secas em estufa.
Não deve ser usado quando as portas estão sujeitas a molhaduras constantes.
 Núcleo de sarrafos, compensados, aglutinados com cola à prova. Podem ser utilizadas em
portas que estão em locais sujeitos a molhaduras.
 Núcleo de lâminas, compensadas. É aplicada em portas e elementos afins instalados em
locais que não sofreram com molhaduras.

O enquadramento dos núcleos das portas é constituído por peças montantes e travessas. Os
montantes de enquadramento do núcleo, em madeira maciça, devem ter largura que permita,
de um lado o embutimento das fechaduras, e, do outro, a fixação dos parafusos das
dobradiças.

CONTRAMARCOS PARA ESQUADRIAS DE MADEIRA

O contramarco é um contorno de madeira, especialmente preparado para ser instalado no


vão onde futuramente será instalada a esquadria. Tem o formato e as medidas compatíveis
com a esquadria que será instalada. A esquadria será instalada por dentro do contramarco.
Tem como finalidades:

 Auxiliar o construtor no correto preparo do vão para receber a esquadria.


 Proteger a esquadria dos danos que podem ser causados pelas demais atividades da
construção.
 Permitir ao construtor dar o acabamento em redor do vão, sem provocar danos na
esquadria, uma vez que esta ainda não está instalada.
 Em muitos casos, somente após os contramarcos instalados, é que o cliente tem uma visão
clara da construção. Começar a fabricar as esquadrias somente após todos os contramarcos
estarem instalados é uma alternativa que evita grandes prejuízos como modificações de
projeto durante a construção.

O contramarco não é indispensável, mas é importante. Cabe ao construtor (ou ao


proprietário da obra) decidir se quer ou não utilizar contramarcos. Mas não existe quem tenha
se arrependido de empregar contramarcos em suas obras. Porém, existe muita gente
arrependida de não ter usado.
Como o contramarco tem grande responsabilidade, é recomendado que seja produzido e de
preferência também instalado pelo próprio fabricante das esquadrias da obra.
Cada tipo de contra marco exige alguns tipos de madeira:

 Contramarcos internos (são os contramarcos das esquadrias internas) - como estes não
aparecem, pois serão cobertos pelas guarnições e pelo marco, qualquer madeira serve,
desde que não apresente defeitos que possam no futuro comprometer a construção, como
por exemplo, cupins.
 Contramarcos externos (são os contramarcos das janelas e portas externas) - normalmente
não existirá guarnição na face externa da esquadria, de modo que uma parte do
contramarco vai ficar aparente, e em contato com as intempéries. Esta parte tem que ser
de madeira de qualidade igual a que é utilizada para fabricar a esquadria. Já a parte que fica
escondida pode ser considerada como contramarco interno.
Figura 2 Contramarcos pré-moldados

Os contramarcos são fixados com a mesma técnica e os mesmos cuidados que são
empregados na instalação das esquadrias.
Geralmente o contramarco tem 2,0 cm de espessura, e deixa-se uma folga de 0,5 cm entre o
marco e o contramarco. Como a esquadria tem duas laterais, o contramarco representaria
uma redução de 5,0 cm na largura do vão. No entanto, a esquadria não precisa perder estes
5,0 cm. O vão de alvenaria é que deve ser aumentado em 5,0 cm para receber o contramarco,
e com isso a esquadria não fica menor que o projetado.

COLOCAÇÃO DE BATENTE E PORTA – PROCESSO DE EXECUÇÃO E SERVIÇO

Documentos de referência

Projetos de arquitetura, de esquadria e de alvenaria, quando houver.

Materiais e equipamentos

Além daqueles existentes no canteiro de obras, deve- se ter:

 EPCs e EPIs;
 Água limpa;
 Cimento Portland CP-II;
 Areia média lavada;
 Colher de pedreiro 8”;
 Linha de náilon;
 Lápis de carpinteiro;
 Trenas de aço;
 Régua de alumínio;
 Mangueira de nível;
 Prumo de face de cordel;
 Martelo tipo unha;
 Serrote;
 Jogo de chaves de fenda;
 Guincho;
 Batentes;
 Guarnições;
 Folhas de portas de madeira;
 Dobradiças;
 Conjuntos de dobradiças com fechaduras;
 Cola branca para madeira;
 Formão;
 Pregos;
 Parafusos;
 Estilete;
 Parafusos com bucha de náilon;
 Espuma de poliuretano
 Grapas.

Figura 3 Alguns instrumentos necessários: Prumo de face, batentes, guarnições e formões, respectivamente.

Condições para o início dos serviços

A alvenaria deve estar concluída, com vãos prontos para o recebimento dos batentes,
estando as faces planas e vão com 10mm a 15mm de folga de cada lado.
O batente pode ser fixado por meio de grapas ou parafusos com bucha de náilon. Quando a
fixação do batente é feita por parafusos em blocos cerâmicos vazados, os que estiverem na
altura em que será parafusado o batente têm de estar preenchido com argamassa. Quando a
fixação é feita com espuma de poliuretano, os blocos precisam estar chapiscados. Os níveis
finais do piso acabado precisam estar definidos. Quando for preciso, os batentes de madeira
devem estar montados no esquadro, travados com sarrafo e com os furos abertos para os
parafusos de sua fixação.

Execução do serviço

Posicionar o batente no prumo, deixando os pés das ombreiras no nível da base do vão em
bruto e mantendo a folga igualmente espeçada para ambos os lados. Posicionar, no caso de
batente de madeira, uma régua de alumínio estre mestras ou taliscas das paredes do vão e
alinhar o batente com elas. Verificar o prumo e o nível das ombreiras usando um prumo de
face e nível de bolhas. Qualquer diferença deve ser ajustada usando cunhas de madeira. Fixar
as ombreiras com cunhas de madeira pressionadas contra as faces da alvenaria do vão, para
travar o conjunto, afastando cerca de 10 cm dos pontos de fixação (por parafusos ou espuma).
No caso de batentes fixados com parafusos, assentá – lo na alvenaria usando furadeira, broca,
parafusos, buchas e, no caso de batente de madeira, colar, após a fixação, as cavilhas dos furos
de parafuso de fixação com cola branca, cortando-as rente a face do batente com utilização de
formão. Logo após a fixação, preencher o vão entre o batente e a parede com argamassa de
cimento e areia. No caso de batente ou conjunto porta pronta fixados com espuma de
poliuretano, é preciso aplicar a espuma em uma faixa de 25 cm, em três partes de cada
ombreira, sendo um próximo ao pé, outro no centro e o terceiro junto a travessa.
Transcorridas 24 horas, retirar o excedente de espuma endurecida com estilete. Encostar
(sobrepor) a folha de porta no batente para nelas riscar as tiras que serão serradas. O ajuste
deve ser feito deixando uma folga de 3 mm em relação ao rebaixo do batente ou de 8 mm em
relação ao nível final do piso. Os cortes, se necessários, têm de ser feitos com plainas e
formão. Marcar a posição das dobradiças e da fechadura na da folha de porta, abrir o rebaixo
para embutimento da fechadura com uma broca de aço e um formão, devendo estar a porta
provisoriamente reforçada na região de trabalho, ou seja, prensada por dois sarrafos com
grampos. Marcar, com auxílio de graminho, a profundidade de rebaixo para embutimento da
dobradiça. Cortar a espessura necessária com o formão. Em seguida, parafusar as dobradiças
nas folhas de porta. Posicionar a folha de porta corretamente no vão, parafusando as
dobradiças no batente de madeira. Colocar a fechadura e/ou trinco. Abrir os furos no batente
de madeira para o encaixe da lingueta ou o tricô quando for o caso, utilizando furadeira e
formão. Serrar a meia esquadria as guarnições (no caso de batente de madeira) e fixá – las
com pregos sem cabeça.