Vous êtes sur la page 1sur 38

Luis Carlos da Costa Gomes

Marciel José Müller


Silvia Raquel Nyland
Virlene Penz

ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICA PARA IMPLANTAÇÃO DE EMPRESA

Trabalho apresentado para a disciplina de


Gestão Contábil e Fiscal para Pequena
Empresa.

Orientador: Prof. Gilmar Vicenti Lazzari

Santa Cruz do Sul, abril de 2005.


2

SUMÁRIO

INTRODUÇÃO...............................................................................................................4

RESUMO DO PROJETO...............................................................................................5

ENUNCIADO DO PROJETO.........................................................................................6

1 A EMPRESA...............................................................................................................7
1.1 Missão, Visão, Valores e Objetivos..........................................................................7
1.2 Localização..............................................................................................................8
1.3 Aspectos legais........................................................................................................8
1.4 Relação de sócios e montantes do capital...............................................................9
1.5 Representação legal..............................................................................................10
1.6 A empresa atual.....................................................................................................10
1.7 Horário de expediente............................................................................................11

2 O MERCADO............................................................................................................12
2.1 Oportunidades e ameaças.....................................................................................12
2.2 Pesquisa mercadológica........................................................................................13
2.3 Administração mercadológica................................................................................14
2.4 Engenharia do projeto............................................................................................14

3 INVESTIMENTOS INICIAIS......................................................................................15
3.1Taxas para abertura da empresa............................................................................16
3

3.2 Custos de instalação..............................................................................................16


3.3 Custos estimados de funcionamento.....................................................................20
3.4 Projeção de despesas financeiras.........................................................................22
3.5 Custos fixos e variáveis.........................................................................................24
3.6 Projeção de faturamento........................................................................................25
3.7 Orçamento de Compras.........................................................................................26
3.8 Cálculo dos tributos sobre a compra......................................................................28
3.9 Cálculo estimado do preço de venda – ponto de equilíbrio...................................31

4 PROJEÇÃO DA DEMOSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO- DRE.........34

5 PROJEÇÃO DO FLUXO DE CAIXA.........................................................................35

6 BALANÇO PATRIMONIAL........................................................................................36

CONCLUSÃO..............................................................................................................37
BIBLIOGRAFIA............................................................................................................38

ANEXO 1 Planta baixa.................................................................................................39


ANEXO 2 Cálculo do Seguro.......................................................................................41
ANEXO 3 Orçamento de central telefônica..................................................................42
ANEXO 4 Orçamento de sistema de segurança..........................................................43
ANEXO 5 Orçamento de informatização.....................................................................44
ANEXO 6 Balancete.....................................................................................................49
ANEXO 7 DRE.............................................................................................................54
ANEXO 8 Fluxo de caixa.............................................................................................55
Anexo 9 Balanço..........................................................................................................60
ANEXO 10 DRE...........................................................................................................61
4

INTRODUÇÃO

Diante de uma economia globalizada, na qual há amplo acesso à informação,


maior rapidez das tecnologias, exigências por diversificação a qualidade dos
produtos, clientes mais exigentes e concorrência acirrada, uma atualização contínua
é necessária para as organizações, abrangendo não só a esfera tecnológica, como a
estrutura organizacional, bem como a criação de programas de qualidade total.

Então, sabedores de todas estas exigências, é prudente que ao tentar abrir nosso
próprio empreendimento, primeiro façamos um estudo de viabilidade econômica, pois
o sucesso depende de criteriosa auto análise, de um plano de negócios, do
conhecimento sobre o segmento de mercado em que se pretende atuar, sem
esquecer que devemos escolher um negócio compatível com nossas características
pessoais, com nossos valores de vida, com nossas maiores habilidades.

O desafio das empresas diante dessas mudanças no cenário da economia


mundial é obter um maior controle e aproveitamento das informações, pois se
reconhece que fatores externos como a economia, a política e a crescente
concorrência de preços e qualidade, são ameaças ou oportunidades, dependendo da
menor ou maior competência estabelecida na organização.
5

RESUMO DO PROJETO

Levando-se em consideração o atual crescimento da população, e com isto


acarretando um aumento do consumo de gêneros alimentícios, abrem-se novas
oportunidades para o ramo de supermercados. Cria-se a necessidade de melhor
atender o cliente, proporcionando várias opções de compra. Com base nisto, é que
será fundado o Supermercado Real Ltda, que estará comprometido com a sua
comunidade no que há de melhor para servir, proporcionando conforto e bem estar
na hora de comprar.

O Supermercado Real Ltda, será constituído por quatro sócios, e sua sede será
em Venâncio Aires. A empresa visa o comércio de gêneros alimentícios em geral,
atendendo primeiramente a comunidade venancioairense.

Com o objetivo de satisfazer cada vez mais os clientes, a empresa sempre terá
um estoque mínimo de produtos para entrega imediata, mas produtos de qualidade
e preços competitivos.
6

ENUNCIADO DO PROJETO

Este projeto tem como objetivo apresentar o estudo e análise de viabilidade


econômica da implantação de um supermercado, que comercializará gêneros
alimentícios, assim como bebidas em geral. Para a comprovação da viabilidade, foi
elaborado uma pesquisa com um universo de clientes (consumidores finais e até
pequenas empresas), identificando um mercado que estará sempre em pleno
desenvolvimento e inovação.
7

1 - A EMPRESA

A empresa terá como razão social o nome: Supermercado Real Ltda e como
nome fantasia Supermercado Real.

1.1- Missão, Visão, Valores e Objetivos:

-Missão

“Fornecer produtos que atendam as necessidades dos clientes, proporcionando


retorno satisfatório para a continuidade e crescimento da organização, melhoria da
qualidade de vida dos colaboradores, desenvolvimento da comunidade, e sermos
éticos, justos e honestos com todas as pessoas, sem distinção”.

-Visão

“Ser uma opção preferencial de supermercado na cidade, contribuindo para o


crescimento social e cultivando o respeito aos valores históricos e culturais, que
fazem parte desta comunidade”.

-Valores

a) Compromisso com o cliente;


b) Honestidade, integridade e credibilidade;
c) Qualidade e preço justo.
8

-Objetivos

a) Ter 5% (cinco) de participação no mercado que compõe a cidade de


Venâncio Aires.
b) Ampliar a área ocupada para 1000 m² no ano de 2010, afim de
atendermos por atacado a outras regiões do Vale do Rio Pardo;
c) Evolução e inovações tecnológicas, conjugadas à qualificação e
valorização dos recursos humanos do grupo.

1.2 - Localização

A empresa estará localizada em Venâncio Aires - RS, na Rua 15 de Novembro,


n° 1000, bairro centro, CEP 95800-000.

A cidade de Venâncio Aires é um pólo regional com potencial de


desenvolvimento. Acreditamos firmemente no desenvolvimento das empresas
movidas pela força da ação empreendedora, do trabalho e da seriedade, e na
continuidade do crescimento permanente e sustentável, em bases sólidas, e por
sermos assim acreditamos ficar à frente dos demais concorrentes.

A escolha da localização do empreendimento deve-se a alguns fatores:


a) Possibilidade de ampliação da empresa
b) Instalações modernas
c) Proximidade de um grande número de clientes
d) Ser um ponto central da cidade.

1.3 - Aspectos Legais

Data de constituição: 01/04/2005

Abaixo segue os cadastros e registros obrigatórios e seus respectivos


números:
9

- Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica CNPJ: nº 01.001.001/0001-01


- Registro na Secretaria da Fazenda Estadual 155/0077123
- Cadastro na Junta Comercial RS sob n° 43132564841 de 01/04/2005
- Alvará de Localização e Sanitário - CCM nº 20384/0005
- Alvará de Prevenção e Proteção contra Incêndios nº 963/2005

1.4 - Relação de Sócios e montantes do Capital

A empresa é formada por 4 (quatro) sócios, sendo um diretor de RH e


Contabilidade, um diretor de Compras, um diretor Financeiro e Administrativo e um
diretor Supervisor de Mercado.

Diretor Financeiro e Administrativo:


Luis Carlos da Costa Gomes, brasileiro, casado, contador, portador do CPF
nº 371.232.970-91 e CI nº 5010943362 expedida pela SSP/RS, residente e
domiciliado na Rua Othildes Costa da Rosa, n° 2663, bairro Bela Vista, na cidade de
Venâncio Aires/RS.

Diretor de Compras:
Marciel José Müller, brasileiro, solteiro, contador, portador do CPF nº
965.207.600-72 e CI nº 3069475931 expedida pela SSP/RS, residente e domiciliado
na Rua Armando Ruschel, n° 741, bairro Gressler, na cidade de Venâncio Aires/RS.

Diretor de RH e Contabilidade:
Silvia Raquel Nyland, brasileira, solteira, contadora, portadora do CPF nº
963.156.374-85 e da CI nº 1057864959 expedida pela SSP/RS, residente e
domiciliada na Rua Berlim da Cruz, n° 903, bairro C entro, na cidade de Venâncio
Aires/RS.

Supervisor de Mercado:
Virlene Penz, brasileira, solteira, contadora, portadora do CPF nº 985.586.250-
34 e CI nº 1069465361 expedida pela SSP/RS, residente e domiciliada na Rua
Coronel Agra, nº 1225, bairro Centro, na cidade de Venâncio Aires/RS.
10

O capital social está dividido em 25% de participação para cada sócio,


conforme o Contrato Social.

1.5 - Representação Legal

Luis Carlos da Costa Gomes, brasileiro, solteiro, residente e domiciliado na


Rua Othildes Costa da Rosa n° 2663, bairro Bela Vis ta em Venâncio Aires/RS
portador do CPF n° 371.232.970-91 e Carteira de Ide ntidade sob nº 5010943362,
expedida pela SSP/RS será o representante legal possuindo autonomia para assinar
em nome do Supermercado Real Ltda.

1.6 - A Empresa Atual

O organograma proposto inicialmente trará menor custo de funcionamento


nos primeiros anos de atuação, podendo ser modificado de acordo com a demanda
existente. O quadro funcional conta com 29 pessoas: 1 diretor RH e Contabilidade, 1
diretor de Compras, 1 diretor Financeiro e Administrativo, 1 Supervisor de Mercado,
4 caixas, 4 repositores, 4 empacotadores, 1 recebimento, 1 limpeza, 1 telefonista, 1
recepcionista, 1 motorista, 1 fiscal de caixa, 2 atendentes de fruteira, 2 açougueiros,
1 padeiro, 2 atendentes de padaria. Os serviços de contabilidade e questões fiscais
serão efetuados pela sócia diretora de RH e Contabilidade que possui registro no
CRC.
“O organograma é o gráfico que representa a estrutura formal da empresa, ou
seja, a disposição e a hierarquia dos órgãos.” (Chiavenato, 1998, p. 105)
11

Organograma atual

DIRETOR
FINANC/ADM

DIRETOR SUPERVISOR DIRETOR


COMPRAS MERCADO RH/CONTAB

RECEBIMENTO TELEFONISTA

MOTORIS- RECEP- LIMPEZA FISCAL REPOSI- AÇOU- PADA- FRUTEI-


TA CIONISTA CAIXA TORES GUE RIA RA

CAIXAS ENPACO- ATEND.


TADORES PADARIA

1.7 - Horário de Expediente

O horário de funcionamento do Supermercado Real Ltda, será de segundas a

sábados das 08:00 às 20:00.


12

2 - O MERCADO

2.1 - Oportunidades e Ameaças

No mercado em que se pretende ingressar, são identificadas as seguintes


oportunidades e ameaças.

Oportunidades

As principais oportunidades da empresa são:

a) Oportunidade de crescimento da empresa;


b) Crescimento do mercado potencial por causa do aumento de renda;
c) Entregas de ranchos sem custo algum para o cliente; e
d) Estoques mínimos, por haver uma proximidade de fornecedor.

Ameaças

A empresa identificou como principais ameaças:

a) Influência dos órgãos da vigilância sanitária com rigorosos controles;


b) O número total de supermercados na cidade;
c) Os atacados que vendem os produtos a um custo inferior; e
d) A entrada de novos concorrentes externos.
13

2.2 - Pesquisa Mercadológica

Foi realizado em um supermercado na cidade de Venâncio Aires um


levantamento superficial para:

a) Verificar quais as produtos que vendem mais;


b) Identificar a quantidade mensal de mercadorias vendidas;
c) Identificar a quantidade mensal de mercadorias compradas dos
fornecedores;
d) Conhecer o preço médio de venda das mercadorias vendidas para o
consumidor final;
e) Conhecer o preço médio de compra da mercadoria;
f) Identificar os prazos de pagamento de compra (fornecedores); e
g) Analisar a quantidade de fornecedores que eles trabalham.

Relatório da pesquisa com o Supermercado.

Constatou-se que a quantidade média vendida mês de mercadorias, varia entre


250.000 a 350.000. Constatou-se também que a empresa entrevistada não possui
muitos fornecedores, ficando em média de 3 a 4 fornecedores mais fortes para o
fornecimento de mercadorias.

O preço de compra das mercadorias pela empresa apurados através da


pesquisa variam conforme o segmento e a quantidade adquiridos, sendo impossível
listá-los.

O preço de venda na empresa entrevistada também varia conforme a


mercadoria, são muitos segmentos.

O prazo médio de entrega é de 2 a 3 dias após o pedido e o prazo de


pagamento praticado pelo nosso concorrente é: a vista, 15 dias e 30 dias.
14

2.3 - Administração Mercadológica

O Supermercado Real Ltda fará uso constante do marketing, pois como atua
no setor de varejo, é imprescindível que ele faça com que seus clientes sejam
informados sobre os produtos e serviços que tem a oferecer.

“Marketing é um processo social por meio do qual pessoas e grupos de


pessoas obtêm aquilo de que necessitam e o que desejam com a criação, oferta e
livre negociação de produtos e serviços de valor com outros.” (Kotler, 2000, p. 30)

Para atrair seus clientes, o Supermercado Real Ltda realizará promoções,


como produtos com preços realmente baixos, sorteio de prêmios com a aquisição de
determinado produto, irá utilizar-se de alguns canais de
comunicação/propaganda/publicidade, tais como: jornal, rádio, televisão, mas a
empresa considera que a maior propaganda que ela espera fazer é a feita pelo
próprio cliente, a propaganda boca a boca.

2.4 – Engenharia do Projeto

Os fatores relevantes para a escolha do prédio o qual optamos por alugar são
os seguintes:

a) Tamanho do prédio: o prédio a ser escolhido adapta-se a atividade da


empresa em relação as dimensões;
b) Condições do prédio: o prédio está em boas condições de uso;
c) Custo do aluguel: considerado também um fator de peso, devido a
estrutura financeira inicial da empresa;
d) Localização do prédio: o prédio está localizado em ponto central da
cidade.

A área total construída usada para a instalação da empresa é de 680m2,


sendo que 600m2 serão destinados para a área de vendas e depósito, e 80m2 serão
reservados para o escritório administrativo. Vide planta em anexo (ANEXO 1).
15

3- INVESTIMENTOS INICIAIS

Para que se possa montar uma empresa e iniciar as atividades serão feitos
investimentos iniciais que se constituem em despesas pré-operacionais,
investimentos fixos e capital de giro inicial.

“Despesas pré-operacionais – gastos que o empreendedor efetua antes de sua


empresa começar a funcionar, ou seja, antes de entrar em operação. Investimentos
fixos – são os gastos com aquisição e instalação de máquinas e equipamentos,
obras e reformas, móveis e utensílios, veículos, centrais telefônicas, aparelhos
eletrônicos, de informática, imóveis, salas, casas, lotes, galpões. Capital de giro
inicial – são os gastos operacionais necessários para iniciar as atividades da
empresa, colocá-la em funcionamento. Referem-se ao aluguel do imóvel, pró-labore,
salários e encargos, aluguel de telefone, depreciações, luz, honorários do contador,
materiais de limpeza, etc.” (Dolabela, 1999, p. 223)

Como o nosso ramo obtêm um número bastante elevado de produtos, vamos


separá-los por segmentos, afim de simplificarmos o nosso cálculo. São eles: padaria,
açougue, fruteira, cereais/enlatados, limpeza, perfumaria/higiene, bebidas,
doces/biscoitos e os outros. Iremos usar o Custeio por Absorção para a apropriação
dos custos ao segmento e a base de rateio será pelo faturamento total de cada um
deles, sendo que a área administrativa será dividida por todos os segmentos. “O
Custeio por Absorção atribui aos produtos todos os custos da área de fabricação,
sejam esses definidos como custos diretos ou indiretos, ou como custos fixos ou
variáveis. Utiliza-se, então, o procedimento de fazer com que cada produto absorva
16

parcela dos custos diretos e indiretos relacionados à fabricação. (Wernke, 2001, p.


21). Iremos apropriar todos os custos fixos e variáveis às mercadorias.

3.1 - Taxas para abertura da empresa

A tabela abaixo mostra todas as taxas necessárias para a abertura do


Supermercado Real Ltda.

TABELA DE TAXAS PARA ABERTURA DA EMPRESA


Descrição Valor Total- R$
Custos de Constituição e Registros 432,00
Alvará de Licença e Localização 450,11
Alvará Sanitário 109,55
Taxa encaminhamento de Alvará 7,53
Alvará Prevenção contra Incêndios 300,00
TOTAL GERAL 1299,19
Tabela 1

3.2 - Custos de Instalação

Para poder instalar um supermercado é preciso muitas máquinas e


equipamentos que farão parte do imobilizado da empresa. “ As aplicações que
tenham por objetivo bens destinados à manutenção da atividade operacional da
empresa, tais como imóvel, instalações, móveis e utensílios, veículos, máquinas e
equipamentos, marcas e patentes etc” ( Iudícibus, 1995, p. 33). Na tabela a seguir
estão descritos todos os bens necessários para o início das atividades da empresa
bem como todos os seus custos e depreciação, e para qual segmento pertence:

DESCRIÇÃO DO BEM VALOR DE SETOR A QUE VIDA TAXA DEPRECIA-


AQUISIÇÃO PERTENCE ÚTIL ANUAL ÇÃO MENS
ANOS (%)
Computador - adm 1.620,00 Administrativo 5 20
27,00
Computador - loja 1.620,00 Caixa 5 20
27,00
Computador - loja 1.620,00 Caixa 5 20 27,00
17

Computador - loja 1.620,00 Caixa 5 20


27,00
Computador - loja 1.620,00 Caixa 5 20
27,00
Leitor de código de barras - 1.645,00 Caixa 5 20
loja 27,42
Leitor de código de barras - 1.645,00 Caixa 5 20
loja 27,42
Leitor de código de barras 1.645,00 Caixa 5 20 27,42
Leitor de código de barras - 1.645,00 Caixa 5 20
loja 27,42
Impressora matricial - adm 1.130,00 Financeiro 5 20
18,83
Impressora hp - adm 249,00 Administrativo 5 20
4,15
Impressora Fiscal - loja 1.452,00 Caixa 5 20
24,20
Impressora Fiscal - loja 1.452,00 Caixa 5 20
24,20
Impressora Fiscal - loja 1.452,00 Caixa 5 20
24,20
Impressora Fiscal - loja 1.452,00 Caixa 5 20
24,20
Guiche c/ 2mt (check out) - 1.274,00 Caixa 10 10
loja 10,62
Guiche c/ 2mt (check out) - 1.274,00 Caixa 10 10
loja 10,62
Guiche c/ 2mt (check out) - 1.274,00 Caixa 10 10
loja 10,62
Guiche c/ 2mt (check out) - 1.274,00 Caixa 10 10
loja 10,62
Mesas p/escritório -adm 414,00 Administrativo 10 10
3,45
Mesas p/escritório -adm 414,00 Administrativo 10 10
3,45
Mesas p/escritório -adm 414,00 Administrativo 10 10
3,45
Mesas p/escritório -adm 414,00 Administrativo 10 10
3,45
Mesas p/escritório - adm 414,00 Telefonista 10 10
3,45
Mesas p/escritório - loja 414,00 Recebimento 10 10
3,45
Mesas p/escritório - loja 414,00 Fiscal de Caixa 10 10
3,45
Cadeiras - adm 196,00 Administrativo 10 10
1,63
Cadeiras - adm 196,00 Administrativo 10 10
1,63
Cadeiras - adm 196,00 Administrativo 10 10
1,63
Cadeiras - adm 196,00 Administrativo 10 10
1,63
18

Cadeiras – adm 196,00 Telefonista 10 10 1,63


Cadeiras – loja 196,00 Recebimento 10 10
1,63
Cadeiras - loja 196,00 Fiscal de Caixa 10 10
1,63
Cadeira p/caixas - loja 140,00 Caixa 10 10
1,17
Cadeira p/caixas - loja 140,00 Caixa 10 10
1,17
Cadeira p/caixas - loja 140,00 Caixa 10 10
1,17
Cadeira p/caixas - loja 140,00 Caixa 10 10
1,17
Conjunto c/ 3 cadeiras fixas - 532,00 Recepção 10 10
loja 4,43
Cadeira de aproximação - adm 215,00 Administrativo 10 10
1,79
Cadeira de aproximação - adm 215,00 Administrativo 10 10
1,79
Cadeira de aproximação - adm 215,00 Administrativo 10 10
1,79
Arquivo de aço c/4 gavetas - 535,00 Administrativo 10 10
adm 4,46
Arquivo de aço c/2 gavetas - 267,00 Administrativo 10 10
adm 2,23
Arquivo de aço - adm 340,00 Administrativo 10 10
2,83
Balão recepção - loja 900,00 Loja 10 10
7,50
Aparelho de fax - adm 300,00 Administrativo 5 20
5,00
Central telefônica c/6 ramais - 1.426,00 Administrativo 10 10
adm 11,88
Calculadora - R$ 52,00 -
-
Calculadora -
-
Calculadora -
-
Calculadora -
-
Caminhão (Iveco) - loja 60.000,00 Loja 4 25
1.250,00
Câmara fria (frios/iogurte) - 4.566,00 Loja 10 10
loja 38,05
Balcão p/pão - loja 1.758,00 Loja 10 10
14,65
Fogão a gás - loja 279,00 Copa 5 20
4,65
Refrigerador 240 l - loja 729,00 Copa 5 20
12,15
Refrigerador 340 l - loja 1.129,00 Copa 5 20
18,82
19

Balcão de pia c/cuba - loja 411,00 Copa 10 10


3,43
Mesa c/4 cadeiras - loja 340,00 Copa 10 10
2,83
Ilha 2.300,00 Fruteira 10 10
19,17
Expositor frio 3.000,00 Fruteira 10 10
25,00
Balança 3.500,00 Fruteira 10 10 29,17
Expositor frio 2.500,00 Fruteira 10 10
20,83
Ilha 4.000,00 Açougue 10 10
33,33
Câmara Fria 3x4 7.000,00 Açougue 10 10
58,33
Expositor frio 6.000,00 Açougue 10 10
50,00
Serra 3.000,00 Açougue 10 10
25,00
Balança 3.500,00 Açougue 10 10
29,17
Expositor auto-serviço 5.000,00 Açougue 10 10
41,67
Forno 4.000,00 Padaria 10 10
33,33
Fritadeira 1.200,00 Padaria 10 10
10,00
Expositor 1.000,00 Padaria 10 10
8,33
Câmara Fria 4.000,00 Padaria 10 10
33,33
Balança 3.500,00 Padaria 10 10
29,17
Geladeira 729,00 Padaria 10 10
6,08
Balcão Descando 3.000,00 Padaria 10 10
25,00
Batedeira 2.800,00 Padaria 10 10
23,33
Fateadeira 1.500,00 Padaria 10 10
12,50
Fogão c/4 bocas 279,00 Padaria 10 10
2,33
Máquina filme 500,00 Padaria 10 10
4,17
Expositor de frios 2.800,00 Padaria 10 10 23,33
Esteira pão 800,00 Padaria 10 10 6,67
Mesa tampo inox 800,00 Padaria 10 10 6,67
Formas - R4 1.000,00
Sistema de alarme (inst) 776,00 5 20 12,93
Sistema de Informática 9.027,50 Administrativo 5 20 150,46
182.461,50 2.554,74
20

VLR. BENS SETORES DEPRECIAÇÃO


18.589,50 Administrativo 257,63
97.164,00 Loja 1.741,21
26.908,00 Padaria 224,23
28.500,00 Açougue 237,50
11.300,00 Fruteira 94,17
182.461,50 2.554,74

LOJA
R$ 1.728,28 DIVIDIDOS POR 6 SEGMENTOS : R$ 288,05 P/SEGMENTO

CEREAIS / ENLATADOS 288,05


LIMPEZA 288,05
PERFUMARIUA / HIGIENE 288,05
BEBIDAS 288,05
DOCES / BISCOITOS 288,05
OUTROS 288,03
1.728,28
Tabela 2

3.3 - Custos Estimados de Funcionamento

Aluguel
Começando pelo aluguel que será o valor de R$ 2.500,00 mensais para a área
de 680m², portanto divididos temos o valor de R$ 3,68 o valor do m², assim
distribuídos:
1. ADMINISTRAÇÃO
1.1 RECEPÇÃO 7,80 m²
1.2 RH 6,50 m²
1.3 FINANCEIRO 11,70 m²
1.4 CONTABILIDADE 11,70 m²
1,5 GERÊNCIA/COMPRA 17,30 m²
55,00 m² R$ 202,21

2. PADARIA 15,00 m² R$ 55,15


3. AÇOUGUE 21,00 m² R$ 77,21
4. FRUTEIRA 19,25 m² R$ 70,77
5. CEREAIS/ENLATADOS 94,96 m² R$ 349,11
7. LIMPEZA 94,96 m² R$ 349,11
8. PERFUMARIA/HIGIENE 94,96 m² R$ 349,11
9. BEBIDAS 94,96 m² R$ 349,11
10 . DOCES/BISCOITOS 94,96 m² R$ 349,11
11. OUTROS 94,95 m² R$ 349,11
680,00 m² R$ 2.500,00
Tabela 3
21

Despesa de pessoal

A tabela de Custo de Pessoal mostra o salário de cada colaborador, assim


como o pró-labore retirado pelos sócios, juntamente com os encargos e as devidas
provisões com encargos. “O salário é a fonte de renda que define o padrão de vida
de cada pessoa, em função do seu poder aquisitivo.” (Chiavenato, 2000, p. 385)

N° SALÁRIO QUEBRA SALÁRIO INSS INSS FGTS

FUNC BASE DE TOTAL 28,80% 7,65% 8%


CAIXA

Telefonista 1 420,00 420,00 120,96 32,13 33,60


Fiscal de 1 550,00 55,00 605,00 174,24 46,28 48,40
Caixa
Caixa 4 400,00 40,00 1.760,00 506,88 134,64 140,80
Repositor 4 400,00 1.600,00 460,80 122,40 128,00
Empacotado 4 380,00 1.520,00 437,76 116,28 121,60
r
Recepcionist 1 400,00 400,00 115,20 30,60 32,00
a
Motorista 1 600,00 600,00 172,80 45,90 48,00
Estoquista 1 480,00 480,00 138,24 36,72 38,40
Açougueiro 1 600,00 600,00 172,80 45,90 48,00
Atendente 2 400,00 800,00 230,40 61,20 64,00
Fruteira
Padeiro 1 600,00 600,00 172,80 45,90 48,00
Atendente 2 400,00 800,00 230,40 61,20 64,00
Padaria
Faxineira 1 400,00 400,00 115,20 30,60 32,00

CUSTO 24 10.585,00 3.048,48 809,75 846,80


TOTAL

PROVISÕES
13° 1/3 S/ FGTS CONT SOC (0,5%) CONT SOC TOTAL
SALÁRIO FÉRIAS FÉRIAS PROV S/ FÉRIAS (0,5%) S/ 13º DESP PESS

35,00 35,00 11,67 6,53 0,23 0,18 663,17


50,42 50,42 16,81 9,41 0,34 0,25 955,28
146,67 146,67 48,89 27,38 0,98 0,73 2.778,99
133,33 133,33 44,44 24,89 0,89 0,67 2.526,36
126,67 126,67 42,22 23,64 0,84 0,63 2.400,04
33,33 33,33 11,11 6,22 0,22 0,17 631,59
50,00 50,00 16,67 9,33 0,33 0,25 947,38
40,00 40,00 13,33 7,47 0,27 0,20 757,91
50,00 50,00 16,67 9,33 0,33 0,25 947,38
22

66,67 66,67 22,22 12,44 0,44 0,33 1.263,18


50,00 50,00 16,67 9,33 0,33 0,25 947,38
66,67 66,67 22,22 12,44 0,44 0,33 1.263,18
33,33 33,33 11,11 6,22 0,22 0,17 631,59

882,08 882,08 294,03 164,66 5,88 4,41 16.713,42

N° PRÓ-LABORE PRO-LABORE INSS PRO-LABORE


DIRET MENSAL TOTAL 9% LÍQUIDO

DIRETORES 4 1.000,00 4.000,00 360,00 3.640,00

CUSTO TOTAL 4 1.000,00 4.000,00 360,00 3.640,00

SALÁRIOS 16.713,42
PROLABORE 4.000,00

TOTAL 20.713,42
Tabela 4

3.4- Projeção de despesas financeiras

“ Despesas Financeiras são as remunerações aos capitais de terceiros, tais


como: juros pagos ou incorridos, comissões bancárias, correção monetária prefixada
sobre empréstimos, descontos concedidos, juros de mora pagos etc” ( Iudícibus,
1995, P. 43). Foi projetado os valores da despesa com juros mensais de 7% sobre o
empréstimo obtido junto à instituição financeira BNDS no valor de R$ 184.000,00 e
condição de pagamento que prevê carência de 6 meses com pagamento de juros de
3 em 3 meses e pagamentos mensais em 54 meses seguintes conforme tabela
abaixo:

Num Vencimento Amortização Juros Total Saldo Devedor


Carên-

0 15/08/2005 0,00 7.523,64 7.523,64 185.676,53


cia

0 16/11/2005 0,00 5.998,96 5.998,96 187.020,06


0,00 0,00 0,00
1 15/12/2005 3.471,12 1.854,52 5.325,65 187.440,99
Amortização

2 16/01/2006 3.479,75 2.014,49 5.494,24 184.426,81


3 15/02/2006 3.487,85 1.856,64 5.344,49 181.368,39
4 15/03/2006 3.495,43 1.702,65 5.198,08 178.267,07
5 17/04/2006 3.504,38 1.974,06 5.478,45 175.219,33
6 15/05/2006 3.512,00 1.643,63 5.155,63 172.088,09
23

7 16/06/2006 3.520,72 1.845,93 5.366,65 168.994,81


8 17/07/2006 3.529,19 1.754,90 5.284,10 165.872,24
9 15/08/2006 3.537,13 1.609,82 5.146,96 162.708,43
10 15/09/2006 3.545,65 1.688,06 5.233,71 159.554,28
11 16/10/2006 3.554,18 1.654,52 5.208,70 156.384,01
12 16/11/2006 3.562,73 1.620,81 5.183,54 153.197,56
13 15/12/2006 3.570,75 1.483,80 5.054,56 149.971,61
14 15/01/2007 3.579,34 1.552,62 5.131,97 146.753,12
15 15/02/2007 3.587,95 1.518,40 5.106,36 143.518,28
16 15/03/2007 3.595,75 1.339,39 4.935,15 140.234,39
17 16/04/2007 3.604,68 1.496,21 5.100,89 136.978,03
18 15/05/2007 3.612,79 1.322,55 4.935,35 133.673,53
19 15/06/2007 3.621,49 1.379,33 5.000,82 130.373,68
20 16/07/2007 3.630,20 1.344,24 4.974,45 127.057,17
21 15/08/2007 3.638,65 1.266,44 4.905,10 123.714,36
22 17/09/2007 3.647,97 1.356,27 5.004,24 120.383,29
23 15/10/2007 3.655,90 1.117,37 4.773,28 116.988,98
24 16/11/2007 3.664,98 1.241,01 4.906,00 113.614,58
25 17/12/2007 3.673,80 1.166,05 4.839,85 110.214,15
26 15/01/2008 3.682,07 1.056,47 4.738,54 106.780,13
27 15/02/2008 3.690,93 1.093,38 4.784,32 103.346,13
28 17/03/2008 3.699,81 1.056,87 4.756,69 99.894,98
29 15/04/2008 3.708,14 953,89 4.662,03 96.411,68
30 15/05/2008 3.716,77 951,20 4.667,97 92.919,39
31 16/06/2008 3.726,00 976,78 4.702,78 89.424,18
32 15/07/2008 3.734,39 849,80 4.584,19 85.891,06
33 15/08/2008 3.743,37 871,29 4.614,67 82.354,34
34 15/09/2008 3.752,38 833,69 4.586,08 78.800,11
35 15/10/2008 3.761,12 770,04 4.531,16 75.222,47
36 17/11/2008 3.770,75 807,16 4.577,92 71.644,40
37 15/12/2008 3.778,95 649,67 4.428,63 68.021,14
38 15/01/2009 3.788,04 681,30 4.469,35 64.396,76
39 16/02/2009 3.797,45 663,67 4.461,12 60.759,26
40 16/03/2009 3.805,70 545,23 4.350,93 57.085,59
41 15/04/2009 3.814,56 546,68 4.361,25 53.403,94
42 15/05/2009 3.823,44 508,82 4.332,27 49.704,84
43 15/06/2009 3.832,64 486,58 4.319,23 45.991,78
44 15/07/2009 3.841,57 432,58 4.274,15 42.257,30
45 17/08/2009 3.851,41 433,91 4.285,32 38.514,13
46 15/09/2009 3.860,08 343,72 4.203,80 34.740,74
47 15/10/2009 3.869,07 316,85 4.185,92 30.952,56
48 16/11/2009 3.878,68 296,56 4.175,24 27.150,76
49 15/12/2009 3.887,41 230,77 4.118,18 23.324,46
50 15/01/2010 3.896,76 206,13 4.102,90 19.483,82
51 17/02/2010 3.906,74 176,05 4.082,80 15.626,98
52 15/03/2010 3.914,62 104,12 4.018,74 11.743,88
53 15/04/2010 3.924,04 83,03 4.007,07 7.848,09
54 17/05/2010 3.933,79 42,96 3.976,76 3.933,79
TOTAIS 199.675,32 69.295,78 268.971,11
Tabela 5
24

3.5 – Custos Fixos e Variáveis:

Para o ramo de supermercados os custos variáveis são basicamente os


custos das mercadorias, no entanto, os custos fixos serão todos os demais que
serão listados a seguir;

DESCRIÇÃO ANUAL MENSAL

DEPRECIAÇÃO 2.554,74
FOLHA DE PAGAMENTO C/ENCARGOS 20.713,42
ALUGUEL 2.500,00
TAXA DE ABERT DA EMPRESA 1.299,19 108,27
ÁGUA 300,00
ENERGIA ELÉTRICA 3.000,00
TELEFONE 600,00
MATERIAL DE EXPEDIENTE 250,00
MATERIAL DE LIMPEZA 300,00
COMBUSTÍVEL 1.000,00
SEGURO PRÉDIO 1.454,87 EM 3 PAR 484,96
SEGURO VEÍCULO 375,00 31,25
SERVIÇOS DE SEGURANÇA (ALARME) 55,00
PUBLICIDADE (MAFKETING) 300,00
IPTU 6.000,00 500,00
IPVA 483,13 40,26
MANUTENÇÃO SISTEMA INFORMÁTICA 322,50
JUROS S/ EMPRÉSTIMO 2.507,88
CONTRIBUIÇÃO SIND PATR 200,00 16,67
35.584,94
Tabela 6

“Custos variáveis são os que estão diretamente relacionados com o volume


de produção ou venda, quanto maior o volume de produção, maiores serão os
custos variáveis totais. Custos Fixos são aqueles gastos que tendem a se manter
constantes nas alterações de atividades operacionais, independentemente do
volume de produção.” (Wernke, 2001, p. 14)

Em anexo temos os orçamentos efetuados por empresas para o Seguro do


Prédio, Central Telefônica, Sistema de Segurança Eletrônico e Programação de
Softwares para os computadores. (Ver ANEXOS 2, 3, 4, 5).
25

3.6 – Projeção de faturamento

O faturamento foi projetado levando-se em consideração as informações


obtidas na pesquisa realizada junto ao setor de supermercado da região de
Venâncio Aires, ou seja, calculamos o preço médio de venda de cada segmento
para sabermos o valor unitário de cada um deles. Adotaremos a política de
vendermos à vista e no prazo máximo de 28 dias. Projetamos o faturamento para R$
300.000,00, e com isto mostraremos a venda média por mês para alcançarmos a
meta. “Em determinadas ocasiões, o gestor necessita saber qual o volume de
atividades é o suficiente para que a empresa não tenha prejuízo. Ou ainda, qual o
nível de produção ou vendas deve ser atingido para que a empresa alcance o lucro
desejado pelos acionistas.” (Wernke, 2001, p. 49)
cereais/enlatados limpeza
% %
venda médias de 32.189 venda médias de
unidades/mês unidades/mês 22.222
preço médio de 2,33 preço médio 1,89
venda de venda
25 14
faturamento média mensal 75.000,00 faturamento média
mensal 42.000,00

perfumaria/higiene bebidas

venda médias de 13.043 venda médias de


unidades/mês unidades/mês 13.139
preço médio de venda 2,3 preço médio de venda 1,37
10 6
faturamento média mensal 30.000,00 faturamento média
mensal 18.000,00

doces/biscoitos outros

venda médias de 30.000 venda médias de


unidades/mês unidades/mês 6.250
preço médio de venda 1,2 preço médio de venda 1,92
12 4
faturamento média mensal 36.000,00 faturamento média
mensal 12.000,00

padaria açougue

venda médias de 4.380 venda médias de


unidades/mês unidades/mês 12.329
preço médio de venda 4,11 preço médio de venda 3,65
6 15
faturamento média mensal 18.000,00 faturamento média mens 45.000,00
26

fruteira

venda médias de 17.647


unidades/mês
preço médio de venda 1,36
8
faturamento média mensal 24.000,00

faturamento bruto mensal 300.000,00


Tabela 7

Como já falamos anteriormente, usaremos como base de rateio o faturamento


de cada segmento onde a área administrativa será rateada proporcionalmente entre
as demais. “Rateio corresponde à função de relacionar um tipo de custo com
determinado produto ou centro de custos.” (Wernke, 2001, p. 16)

SETOR Percentual Proporção Proporção


s/faturamento s/faturamento s/custos

CEREAIS / ENLATADOS 25% 75.000,00 8.896,24


LIMPEZA 14% 42.000,00 4.981,89
PERFUMARIA / HIGIENE 10% 30.000,00 3.558,49
BEBIDAS 6% 18.000,00 2.135,10
DOCES / BISCOITOS 12% 36.000,00 4.270,19
OUTROS 4% 12.000,00 1.423,40
PADARIA 6% 18.000,00 2.135,10
AÇOUGUE 15% 45.000,00 5.337,74
FRUTEIRA 8% 24.000,00 2.846,80
100% 300.000,00 35.584,94
Tabela 8

3.7 - Orçamento de Compras

A partir daí podemos fazer uma projeção de compras, pois temos o preço
médio de cada segmento. Para podermos faturar R$ 300.000,00 teremos que
comprar uma quantidade de mercadorias que satisfaça este montante para termos
em estoque.
cereais/enlatados limpeza

compra média de 64.378 compra média de 44.444


unidades/mês unidades/mês
27

preço médio de compra 1,86 preço médio de compra 1,45


total compra mensal total compra mensal
119.743,08 64.443,80

perfumaria/higiene bebidas

compra média de 26.086 compra média de 26.278


unidades/mês unidades/mês
preço médio de compra 1,7 preço médio de compra 1,19
total compra mensal total compra mensal
44.346,20 31.270,82

doces/biscoitos outros

compra média de 60.000 compra média de 12.500


unidades/mês unidades/mês
preço médio de compra 0,96 preço médio de compra 1,42
total compra mensal total compra mensal
57.600,00 17.750,00

padaria açougue

compra média de 8.760 compra média de 24.658


unidades/mês unidades/mês
preço médio de compra 3,29 preço médio de compra 2,92
total compra mensal total compra mensal
28.820,40 72.001,36

fruteira

compra média de 35.294


unidades/mês
preço médio de compra 1,09
total compra mensal
38.470,46

bruto mensal 474.446,12


Tabela 9
28

3.8 - Cálculo dos tributos sobre a compra

Nossa empresa será de pequeno porte e será tributada pelo lucro real. “O
lucro calculado pela contabilidade é levado até um livro não contábil, usado
exclusivamente para fins fiscais, conhecido como Livro de Apuração do Lucro Real
(LALUR). No LALUR o lucro contábil sofrerá alguns ajustes, passando para lucro
fiscal e servindo de base para cálculo do Imposto de Renda. Este lucro ajustado
conforme regras fiscais é conhecido como Lucro Real.” (Iudícibus, 1995, p. 47). Daí
o cálculo dos impostos:

cereais / enlatados

total da margem preço de margem 25% R$


29.935,77
compra bruta (25%) venda icms -7% R$
8.382,02
pis -1,65% R$
1.975,76
119.743,08 (+ 29.935,77 (= 149.678,85 cofins -7,60% R$
9.100,47
lucro 8,75% R$
10.477,52
limpeza

total da margem preço de margem 30% R$


19.333,14
compra bruta (30%) venda icms -17% R$
10.955,45
pis -1,65% R$
1.063,32
64.443,80 + 19.333,14 = 83.776,94 cofins -7,60% R$
4.897,73
lucro 3,75% R$
2.416,64
perfumaria / higiene

total da margem preço de margem 35% R$


15.521,17
compra bruta (35%) venda icms -17% R$
7.538,85
pis -1,65% R$
731,71
44.346,20 + 15.521,17 = 59.867,37 cofins -7,60% R$
3.370,31
lucro 8,75% R$
3.880,29
29

bebidas

total da margem preço de margem 15% R$


4.690,62
compra bruta (15%) venda icms 0% R$
-
pis -1,65% R$
515,97
31.270,82 + 4.690,62 (= 35.961,44 cofins -7,60% R$
2.376,58
Lucro 5,75% R$
1.798,07
doces / biscoitos

total da margem preço de margem 25% R$


14.400,00
compra bruta (25%) venda icms -12% R$
6.912,00
pis -1,65% R$
950,40
57.600,00 (+ 14.400,00 (= 72.000,00 cofins -7,60% R$
4.377,60
lucro 3,75% R$
2.160,00
outros

total da margem preço de margem 35% R$


6.212,50
compra bruta (35%) venda icms -17% R$
3.017,50
pis -1,65% R$
292,88
17.750,00 (+ 6.212,50 (= 23.962,50 cofins -7,60% R$
1.349,00
lucro 8,75% R$
1.553,13
padaria

total da margem preço de margem 15% R$


7.205,10
compra bruta (15%) venda icms -7% R$
2.017,43
pis -1,65% R$
475,54
28.820,40 (+ 7.205,10 (= 36.025,50 cofins -7,60% R$
2.190,35
lucro -1,25% R$
2.521,79
açougue

total da margem preço de margem 25% R$


18.000,34
compra bruta (25%) venda icms -7% R$
30

5.040,10
pis -1,65% R$
1.188,02
72.001,36 (+ 18.000,34 (= 90.001,70 cofins -7,60% R$
5.472,10
lucro 8,75% R$
6.300,12
fruteira

total da margem preço de margem 25% R$


9.617,62
compra bruta (25%) venda icms -7% R$
2.692,93
pis -1,65% R$
634,76
38.470,46 (+ 9.617,62 (= 48.088,08 cofins -7,60% R$
2.923,75
lucro 8,75% R$
3.366,17

Produtos
474.446,12
Margem
124.916,26
Preço venda
599.362,38

Tributos

ICMS 46556,27
PIS 7.828,36
COFINS 36.057,91
90442,54

COMP MENSAL ICMS ICMS S/ Compras

119743,08 7% 8382,02
64443,8 17% 10955,45
44346,2 17% 7538,85
31270,82 0,00
57600 12% 6912,00
17750 17% 3017,50
28820,4 7% 2017,43
72001,36 7% 5040,10
38470,46 7% 2692,93
TOTAL ICMS 46556,27
Tabela 10
31

3.9 - Cálculo estimado do preço de venda – Ponto de Equilíbrio

Aqui podemos ver quantos produtos teremos que vender e a que preço para
podermos cobrir os custos fixos, também temos a margem que cada um contribui
para nosso faturamento, assim formando nosso estoque.
“O Ponto de Equilíbrio representa o nível de vendas em que a empresa opera
sem lucro ou prejuízo. Ou seja, o número de unidades vendidas no ponto de
equilíbrio é o suficiente para a empresa pagar seus custos fixos e variáveis, sem
gerar lucro.” (Wernke, 2001, p. 49)

cereais / enlatados

preço médio margem preço de margem 25% R$ 0,47


compra bruta (25%) venda icms -7% R$ 0,13
pis -1,65% R$ 0,03
1,86 (+ 0,47 (= 2,33 cofins -7,60% R$ 0,14
lucro 8,75% R$ 0,17

rateio dos preço venda quantidade


estoques unitário produtos
8.896,24 (/ 2,33 (= 3.818

limpeza

preço médio margem preço de margem 30% R$ 0,44


compra bruta (30%) venda icms -17% R$ 0,25
pis -1,65% R$ 0,02
1,45 (+ 0,44 (= 1,89 cofins -7,60% R$ 0,11
lucro 3,75% R$ 0,06

rateio dos preço venda quantidade


estoques unitário produtos
4.981,89 (/ 1,89 (= 2.643

perfumaria / higiene

preço médio margem preço de margem 35% R$ 0,60


compra bruta (35%) venda icms -17% R$ 0,29
pis -1,65% R$ 0,03
1,70 (+ 0,60 (= 2,30 cofins -7,60% R$ 0,13
lucro 8,75% R$ 0,15
32

rateio dos preço venda quantidade


estoques unitário produtos
3.558,49 (/ 2,30 (= 1.547

bebidas

preço médio margem preço de margem 15% R$ 0,18


compra bruta (15%) venda icms 0% R$ 0,00
pis -1,65% R$ 0,02
1,19 (+ 0,18 (= 1,37 cofins -7,60% R$ 0,09
lucro 5,75% R$ 0,07

rateio dos preço venda quantidade


estoques unitário produtos
2.135,10 (/ 1,37 (= 1.558

doces /
biscoitos

preço médio margem preço de margem 25% R$ 0,24


compra bruta (25%) venda icms -12% R$ 0,12
pis -1,65% R$ 0,02
0,96 (+ 0,24 (= 1,20 cofins -7,60% R$ 0,07
lucro 3,75% R$ 0,04

rateio dos preço venda quantidade


estoques unitário produtos
4.270,19 (/ 1,20 (= 3.558

outros

preço médio margem preço de margem 35% R$ 0,50


compra bruta (35%) venda icms -17% R$ 0,24
pis -1,65% R$ 0,02
1,42 (+ 0,50 (= 1,92 cofins -7,60% R$ 0,11
lucro 8,75% R$ 0,13

rateio dos preço venda quantidade


estoques unitário produtos
1.423,40 (/ 1,92 (= 741

padaria

preço médio margem preço de margem 15% R$ 0,82


compra bruta (15%) venda icms -7% R$ 0,23
33

pis -1,65% R$ 0,05


3,29 (+ 0,82 (= 4,11 cofins -7,60% R$ 0,25
lucro -1,25% R$ 0,29

rateio dos preço venda quantidade


estoques unitário produtos
2.135,10 (/ 4,11 (= 519

açougue

preço médio margem preço de margem 25% R$ 0,73


compra bruta (25%) venda icms -7% R$ 0,20
pis -1,65% R$ 0,05
2,92 (+ 0,73 (= 3,65 cofins -7,60% R$ 0,22
lucro 8,75% R$ 0,26

rateio dos preço venda quantidade


estoques unitário produtos
5.337,74 (/ 3,65 (= 1.462

fruteira

preço médio margem preço de margem 25% R$ 0,27


compra bruta (25%) venda icms -7% R$ 0,08
pis -1,65% R$ 0,02
1,09 (+ 0,27 (= 1,36 cofins -7,60% R$ 0,08
lucro 8,75% R$ 0,09

rateio dos preço venda quantidade


estoques unitário produtos
2.846,80 (/ 1,36 (= 2.089

Tributos sobre Vendas


SEGMENTO VENDAS ICMS ICMS S/ PIS PIS S/ COFINS COFINS S/
VENDAS VENDAS VENDAS

CER/ENL 75000,00 7% 5250 1,65% 1237,50 7,6% 5700,00


LIMPEZA 42000,00 17% 7140 1,65% 693,00 7,6% 3192,00
PERF/HIG 30000,00 17% 5100 1,65% 495,00 7,6% 2280,00
BEBIDAS 18000,00 0% 0 1,65% 297,00 7,6% 1368,00
DOCES/BIS 36000,00 12% 4320 1,65% 594,00 7,6% 2736,00
OUTROS 12000,00 17% 2040 1,65% 198,00 7,6% 912,00
PADARIA 18000,00 7% 1260 1,65% 297,00 7,6% 1368,00
AÇOUGUE 45000,00 7% 3150 1,65% 742,50 7,6% 3420,00
FRUTEIRA 24000,00 7% 1680 1,65% 396,00 7,6% 1824,00
TOTAL 29940 TOTAL 4950,00 TOTAL 22800,00
Tabela 11
34

4 - PROJEÇÃO DA DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO


DRE

Projetamos para o primeiro mês o Balancete de Verificação juntamente com o


DRE, pois sabemos que o DRE tem por objetivo mostrar de forma ordenada e
padronizada as receitas realizadas e as despesas incorridas durante o exercício.

“A Demonstração do Resultado do Exercício é a expressão máxima,


juntamente com o Balanço Patrimonial, da evidenciação contábil emanada da
aplicação criteriosa dos procedimentos de escrituração e ajuste, tudo obedecendo
aos Princípios Fundamentais de Contabilidade, prioritariamente à Competência.”
(Iudícibus, 1999, p. 195)

Podemos ver o Balancete de Verificação e o DRE projetados nos ANEXOS 6


e 7.
35

5 - PROJEÇÃO DO FLUXO DE CAIXA

A projeção do fluxo de caixa foi feita com base nos valores da Demonstração
do Resultado do Exercício. Projetamos ele para um período de cinco anos. Ali
teremos uma visão das atividades desenvolvidas, bem como das operações
financeiras que são realizadas mensalmente, no grupo do ativo circulante, dentro
das disponibilidades, e que representam o grau de liquidez da empresa.

“Denomina-se fluxo de caixa de uma empresa ao conjunto de ingressos e


desembolsos de numerário ao longo de um período determinado. O fluxo de caixa
consiste na representação dinâmica da situação financeira de uma empresa,
considerando todas as fontes de recursos e todas as aplicações em itens do ativo.
De forma mais sintética pode-se conceituar: é o instrumento de programação
financeira, que corresponde às estimativas de entradas e saídas de caixa em certo
período de tempo projetado.” (Zdanowicz, 1998, p. 40)

Projeção do Fluxo de Caixa vide ANEXO 8


36

6 – BALANÇO PATRIMONIAL

Foi elaborado um Balanço Patrimonial para o período de abril/2005 a abril/2006


com base nas demonstrações do resultado do exercício e fluxo de caixa. Com base
nele é que podemos ver a posição financeira da empresa em determinado momento,
pois é a mais importante demonstração contábil de posição das contas num
determinado momento.

“O Balanço Patrimonial é a peça contábil que retrata a posição das contas de


uma entidade após todos os lançamentos das operações de um período terem sido
feitos, após todos os provisionamentos (depreciação, devedores duvidosos etc) e
ajustes, bem como após o encerramento das contas de Receita e Despesa também
terem sido executados.” (Iudícibus, 1999, p. 183)

Junto com ele teremos o DRE final que nos mostrará se teremos lucro ou
prejuízo no exercício. “DRE é o fluxo final mais importante de todo processo de
apuração contábil e o elemento individual que apresenta a maior potencialidade
preditiva.” (Iudícibus, 1999, p. 196).

Acompanhamos o Balanço Patrimonial e DRE nos ANEXOS 9 e 10


respectivamente.
37

CONCLUSÃO

Após diversas etapas que envolveram a definição do nosso estudo de


viabilidade econômica de implantação de um Supermercado, pesquisa de mercado,
montagem da estrutura organizacional, levantamento da necessidade de
instalações, máquinas, equipamentos, custos e despesas, verifica-se que a
perspectiva de sucesso da empresa neste ramo de atuação é muito boa.

Para a equipe elaboradora do trabalho, que se dedicou durante vários dias ao


conhecimento do mercado, elaboração dos cálculos para compras, vendas, projeção
de demonstrações de resultados, projeções de fluxos de caixa este é um projeto
viável, que trará bons retornos.

Contudo podemos concluir, que com o otimismo que a empresa tem, esta
poderá ampliar suas vendas ampliando-se o espaço existente para estas sem
necessitar de maiores investimentos, alterando somente o seu quadro de pessoal e
os valores de gastos gerais, constituindo-se assim em mais um Supermercado de
Venâncio Aires que traga conforto e bem estar para a população.
38

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

CHIAVENATO, Idalberto. Recursos Humanos. 4ª edição, São Paulo: Editora


Atlas, 1997.

DOLABELA, Fernando. O Segredo de Luísa. Cultura Editores Associados, 14ª


edição, 1999.

FREZATTI, Fábio. Orçamento Empresarial. 2ª edição, São Paulo: Editora


Atlas,2000.

IUDÍCIBUS, Sérgio de; MARION, José C. Manual de Contabilidade Para Não


Contadores. 2ª edição, São Paulo: Editora Atlas, 1995.

IUDÍCIBUS, Sérgio de; MARION, José C. Introdução à Teoria da Contabilidade.


São Paulo: Editora Atlas S. A., 1999.

KOTLER, Philip. Administração de Marketing: a edição do novo milênio. 10ª


edição, São Paulo: Prentice Hall, 2000.

MARTINS, Eliseu. Contabilidade de Custos. 5ª edição, São Paulo: Editora


Atlas, 1996.

ZDANOWICZ, José E. Fluxo de Caixa. 7ª edição, Porto Alegre: Sagra Luzzatto,


1998.

WERNKE, Rodney. Gestão de Custos. São Paulo: Editora Atlas S. A., 2001.