Vous êtes sur la page 1sur 12

INVENTÁRIO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS

MOTOSSERRA
Inventário de máquinas e equipamentos

Segundo SHERIQUE (2014), o inventário das máquinas e equipamentos da


empresa é o primeiro passo a ser realizado para que se possa conhecer a amplitude e
abrangência do parque industrial onde as máquinas e equipamentos estarão sendo ava-
liadas para a sua adaptação às exigências de segurança da NR-12.Inicialmente devemos
relacionar todas as máquinas e equipamentos existentes na empresa que serão objeto da
nossa avaliação, para em seguida preenchermos uma ficha individual para cada uma
delas.

Ficha Individual de Inventário das Máquinas e Equipamentos

1. Inventário de máquinas

Denominação do Fabricante/Fornecedor Modelo


equipamento/instrumento
Motosserra Solo Motosserra 646
Motosserra Husqvarna T435
Extrusora Próprio Próprio
Balancim Hidráulico Klein BHV22
Prensa Excêntrica Metalúrgica Jamara PEK 8 TON

2. Prontuário de cada máquina:


 Código: XXXXX
 Tipo: Motosserra646
 Fabricante: Solo
 Ano de fabricação: 2008
 Capacidade: 1,9 Litros
 Croqui de localização, com identificação dos pontos de maior risco
(partes móveis):
Os pontos de maior risco são:

1 - Corrente
2- Guia
14 - Proteção da corrente
19 - Tampão do depósito de combustível
27- Escape

 Movimentos em geral, zona de operação: A motosserra deve ser


utilizada exclusivamente para serrar madeira e objetos de madeira.
Objetos de madeira soltos têm que ser devidamente seguros.
 Sistemas de transmissão de força: A transmissão da motosserra é a
parte responsável por transmitir a força do motor para o conjunto de
corte. Constitui-se de uma embreagem, um tambor ou pinhão. A
embreagem é centrífuga, sistema direto que aciona a rotação do conjunto
de corte somente em alta rotação, permitindo que, em marcha lenta, a
corrente não gire. O tambor ou pinhão é um acoplamento que cobre a
embreagem e transmite a rotação da embreagem para a corrente.

 Perigos: ruídos vibração, temperaturas extremas, riscos de incêndio


e explosão, emissão de poeiras e gases, ergonomia, elétricos,
radiações, riscos químicos, biológicos, etc.

A exposição frequente a vibrações de pessoas com problemas


circulatórios pode provocar danos em vasos sanguíneos ou no sistema
nervoso. Podem surgir os seguintes sintomas provocados por vibrações
em dedos, mãos ou pulsos: adormecimento de partes do corpo,
formigueiro, dor, picadas, alteração da pele ou alteração da cor pele.

O ruído é um dos problemas principais que causa problema para o


operador, produzindo uma redução de capacidade auditiva.

Enquanto o motor ainda estiver quente não é permitido o abastecimento,


perigo de incêndio.

As posturas inadequadas, pausa no trabalho mal definidas, repetitividade


na operação, resultante de movimentos para controlar o joystick, em que
a operação pode provocar desordens musculoesqueléticas e desgaste aos
ligamentos e tendões prejudicam a ergonomia.

Os riscos químicos podem ocorrer quando o operador de motosserra


entra em contato com a poeira da madeira oriunda no momento do corte.

3. Limites da máquina: Após um período de aquecimento de aproximadamente 5


horas de operação é necessário verificar o ajuste firme de todos os parafusos e porcas
acessíveis (exceto os parafusos de ajuste do carburador) e, se necessário, aperte.

4. Identificação de perigos: podem ocorrer ferimentos com a lâmina, ruídos e


vibrações, corte e queda da árvore. Pode ocorrer aquecimento da motosserra
ocasionando queimadura e há grandes chances de uma fuga de fogo devido às faíscas
criadas na partida do motor.
5. Avaliação de riscos:
A probabilidade de ocorrência (LO) de estar em contato com o risco (LO) = 15
Certeza/Sem dúvida

A frequência de exposição ao risco (FE) = 4 Em termos de horas

O grau de severidade do dano (DPH) = 8 Amputação de perna/ mão, perda


parcial da audição ou visão.

Número de pessoas exposta ao risco (NP) = 1 1-2 pessoas

HRN = LO*FE*DPH*NP
HRN = 15*4*8*1
HRN = 480

Grau de Risco Calculado: Alto. Apresenta riscos que necessitam de medidas de


segurança no prazo máximo de um dia. Inaceitável - Mitigação Exigida.

6. Análise de Riscos:

APP – Análise Preliminar de Perigos

Perigo Causas possíveis Efeitos Métodos de


proteção
Ferimentos com Falta de Ferimentos, cortes, Treinamento e
a lâmina treinamento, falha perdas dos dedos e uso de luvas
instrumental membros
Ruídos Falha Problemas na Uso de protetores
instrumental audição auriculares
Vibração Falha Causa lesões no Manutenção
instrumental corpo podendo ser periódica da
permanentes máquina
Poeiras Contato com Problemas nos olhos Uso de óculos
madeira
Risco Falta de rodízio e Desordens Rodízio de
ergonômico treinamento musculoesqueléticas atividades
adequado e desgaste aos
ligamentos e tendões
Aquecimento Falha Queimaduras Uso de luvas
instrumental

De acordo com Rodrigues (2004) os riscos para quem opera motosserra são:
 Riscos Físicos:
Na extração florestal com o uso de motosserra, o ruído é apontado como um dos
principais problemas para o operador de motosserra. Nem sempre considerado
com o respeito que merece, produz uma redução de capacidade auditiva no
operador. A exposição intensa e prolongada ao ruído atua desfavoravelmente
sobre o estado emocional do operador, com consequências imprevisíveis sobre o
equilíbrio psicossomático.
Já, a exposição ocupacional à vibração não é tão estudada quanto os outros
agentes, porém sua ocorrência é frequente na operação de motosserra.
Exposições prolongadas e contínuas à vibração podem produzir diversas
doenças ocupacionais aos operadores. A vibração gerada pela motosserra pode
aumentar consideravelmente à medida que se aumenta o tempo de uso.
 Riscos Químicos:
os riscos químicos podem ocorrer quando o operador de motosserra entra em
contato com a poeira da madeira oriunda no momento do corte, sendo que
quanto mais seca estiver a madeira maior a quantidade de poeira gerada. Ainda,
alguns operadores podem apresentar problemas de irritação se em contato com
resinas presentes em determinados tipos de madeira o que leva a causar alergias.
Além disso, as poeiras provenientes da madeira podem causar asma ocupacional.
 Riscos Ergonômicos:
a ergonomia é o conjunto de conhecimentos científicos relativos ao homem e
necessários à concepção de instrumentos, máquinas e dispositivos que possam
ser utilizados com o máximo de conforto e eficácia. Os agentes ergonômicos são
aqueles relacionados com os fatores fisiológicos e psicológicos inerentes à
execução das atividades laborais. Estes fatores podem produzir alterações no
organismo e estado emocional dos trabalhadores, comprometendo a sua saúde,
segurança e produtividade. Entre os principais fatores incluem-se monotonia, a
posição e o ritmo de trabalho, a fadiga, a preocupação, trabalhos repetitivos, etc.
Um dos problemas mais comuns no trabalho com motosserra está na ergonomia,
o levantamento e transporte manual de pesos e ritmos excessivos necessita de
intervenções ergonômicas em quase todos os postos de trabalho. Além dos pesos
e ritmos excessivos, existem agravantes, como os controles rígidos da
produtividade, jornadas de trabalho prolongadas, monotonia e repetitividade,
estresse físico e/ou psíquico. As lombalgias por excesso de peso e má postura
são comuns nessa atividade.
 Riscos de acidentes:
são os riscos por ataque de animais, sendo mais frequentes os ataques por
animais peçonhentos e não peçonhentos (cobras, aranhas, escorpiões, abelhas,
mosquitos, etc.), bastante comuns nas diferentes regiões, podendo constituir-se
tanto em transmissores biológicos de diversas doenças, como responsáveis por
ataques diretos ao homem.

Metodologia para seleção da categoria de segurança da máquina (NBR 14153)


ISO 13849-1:1999
Símbolo Detalhes Parâmetros Curta explanação sobre as
feridas
S Severidade da S2 Lesão séria (normalmente
ferida (gravidade) irreversível), incluindo morte
F Frequência ou F2 Frequente a exposição contínua
tempo de e/ou tempo de exposição é
exposição ao longo
perigo
P Possibilidade de P1 Possível
evitar o perigo

Categoria Resumo dos requisitos Comportamento Princípios para


do sistema atingir a
segurança
4 Os requisitos de B e a utilização - Quando os Principalmente
de princípios de segurança defeitos caracterizado
comprovados se aplicam às ocorrem, a pela estrutura
partes relacionadas à segurança função de
devem ser projetadas de tal segurança é
sempre
forma que:
cumprida
- Um defeito isolado em
- Os defeitos
qualquer dessas partes não leve à
serão detectados
perda da função de segurança
a tempo de
- O defeito isolado seja
impedir a perda
detectado durante, ou antes, da
das funções de
próxima demanda da função de
segurança
segurança. Se isso não for
possível, o acúmulo de defeitos
não pode levar à perda das
funções de segurança.

7. Medidas mitigadoras

As medidas de seguranças que devem ser tomadas são:

- usar equipamento de proteção individual;

- manutenção periódica;

- fazer rodízio

- conforme a NR 12:

 os fabricantes e importadores de motosserras e similares instalados no


País devem disponibilizar, por meio de seus revendedores, treinamento e
material didático para os usuários, conforme conteúdo programático
relativo à utilização constante do manual de instruções;
 o empregador deve oferecer treinamento para utilização segura da
motosserra com carga horária mínima de 8 horas e conteúdo
programático relativo à utilização constante do manual de instruções;
 os certificados de garantia das máquinas devem ter campo específico, a
ser assinado pelo consumidor, confirmando a disponibilidade do
treinamento ou responsabilizando-se pelo treinamento dos trabalhadores
que utilizarão a máquina.

8. Cronograma

É necessário a realização da manutenção periodicamente das motosserras, de


preferência entregando o aparelho numa oficina especializada se não conseguir realizar
todos os trabalhos. Abaixo segue o plano de manutenção da motosserra solo 646.
Uma vez após 5 Diariamente, Semanalmente. A cada 50 horas A cada 100 Quando Anualmente,
horas de antes ou depois de operação. horas de necessário. antes ou depois
operação. do trabalho e operação. da estação.
entre
intervalos.
Toda a Inspeção visual X
máquina do estado
limpar (incl. X X X
entrada de ar,
aletas de
refrigeração do
cilindro)
Guia Inspecção visual X
do estado

Virar a lâmina X

Lubrificar o X
pinhão

Limpar a X
ranhura da
corrente /
orifício de óleo
Limpar a parte X
interior da
cobertura da
guia

Corrente Inspecção visual X


do estado,
verificar o
estado de
afiação
Corrigir a X X
afiação
Substituira roda X
da corrente e
lubrificar o
apoio da roda da
corrente
Travão da Verificação de X
corrente funcionamento,
verificar a
facilidade de
funcionamento
limpar, X X
lubrificar as
articulações
Lubrificação verificar X
da corrente
Silenciador Inspecção visual X
do estado -
assento firme
dos parafusos
Carburador Controlador o X
ralenti
Ajustar o ralenti X

Filtro de ar Limpar X

Substituir X

Vela de ignição Verificar a X X


distância entre
eléctrodos e, se
necessário,
ajustar
Substituir X X

Depósito de limpar X X
combustível,
depósito de
óleo
Filtro de substituir X
combustível
todos os reapertar X X X
parafusos
acessíveis
(excepto os
parafusos de
ajuste)
Outros Verificação do X
Elementos de funcionamento
comando
interruptor de
paragem,
acelerador,
bloqueio do
acelerador,
bloqueio de
meia
aceleração do
estrangulador,
manípulo
de arranque
Referências Bibliográficas

Manual original. Motosserra solo 646/652. Manual de instruções. 2008. Disponível


em: < http://www.bombeiros.pt/wp-content/uploads/2014/10/motosserras-SOLO.pdf>.

RODRIGUES, P. M. C. Levantamento dos riscos dos operadores de motosserra na


exploração de uma floresta nativa. 2004. 82 f. Monografia (Especialização em
Engenharia de Segurança do Trabalho) – Universidade Federal de Mato Grosso, 2004.
Disponível em: <http://www.docfoc.com/1026levantamento-dos-riscos-dos-operadores-
de-motosserra-na-exploracao-de>.

SHERIQUE, J. NR-12: passo a passo para a implantação. São Paulo. LTr, 2014.
Disponível em: <http://www.ltr.com.br/loja/folheie/5053.pdf>.