Vous êtes sur la page 1sur 2
‘SOCIOS FUNDADORES: Irstitulo da Potassa © do Fostato (euA) Instiuto bternaclonal de Potasse (suica) Enge Agre Ts YAMADA, area MTHS AGRONOMICAS DEP ERG) PRODUTIVIDADE MAXIMA E PRODUTIVIDADE MAXIMA ECONOMICA CCausou grande repercussBo entre 08 leltores o arte 0 do Lister Fernandes Bornardes sobre a produtividade mé= xima do muitho (Informagoes Agrontmicas n, 48), 0 que nos fez retornar 20 assunto, prineipalmente devido 3s diividas entre 0§ conceitos de prodgutividade maxima e produtividade ‘maxima econdmica A pesquisa de produtividade méxima conduzida por ele, através do estudo dos fatores de produgao e suas in- ferajdes, num sistema multidisciplinar, tem por objetivo fobter © potencia! de produtividade da cultura do milho nas condigdes de solo e cima do sew campo experimental (5 ha), sem considerar 0s aspectos eeonSmicos, Ji a produtividade econdmica méxima & 0 resul- tado da andlise econdmica dos dados obtidos na pesquisa de produtividade mixima. E ¢ isto que interessa a0 agricutor, 8 buses do nivel de produtividade que proporcione © maior Iucro, ov seja, produzir mais unidades (quilas, toneladas) por hectare com menores eustos de produgdo por unidade. ‘Uma cultura, para ser Iucrativa, requer condigoos {que a sstisiaga. E importante saber qual a tecnologia agricola 4 apliear que proporcione © maximo de lucratividade. Para tal, todos 5 futores dover ser manejados no lel ideale in teprados dentro do pacote tecnoldgico envolvendo sementes rmelhorudas, correeo do solo e adubacio, época e técnicas de plantio, populagdo, espagamento, controle de progas e doen 28, conttole de ervas daninhas, irigagdo, entre outros, A contribwigio dos adubos no aumento. di produtividade ¢ muito significativa, sendo da ordem de 30.6 50% , enquanto ‘os demas fatores de produedo conteibuem com os $0.3 70% restantes, A Figura I mostra que a produgio méxima econd- mica ¢ ligoiramente menor que a produgso maxima, podendo variar de ano para ano e entre 05 produtores, Para fertilizan tes, por exemplo, diversos autores tm adotado 0 critério que © rendimento que proporciona 0 lucto méximo se situa ge ralmente entre 80 e 95% do rendimento maximo. Tater te Figur 1. Progutwidade fica maxima (PEM) eprodutiidede mina connie (PME) ‘A pesquisa de produtividade maxima permite iden- tiffcar os fatores de produgio que podem ser adotados na {rea de plantio comercial, de urna forma econsmica, Assim, Lister conseguiu, ano apos ano, aurmentar sua produtividade rea de plantio comercial, passando de $.3Q0 kg/ha em 1984 para os niveis atuais de 8.650 kg/ha, que é 4.5 vezesa ‘media nacional (Tabela 1). ‘Tubels 1. Bvohgio das podutivdades mixima ¢ mdnima evonsuics icdteas de pesquis ¢comercins, espectvamente Ano ds Produtwidade (kaha) rea devour colhets “mixin miQimd eons Sonica thal cpesquiay "teomercal) ee = 5.300 as 12870 $00 8 1016 B 13265 BS Yess 89 POTAFOS — ASSOCIACAO BRASILEIRA PARA PESQUISA DA POTASSA E DO FOSFATO Fua Aledo Guedes, 1948 - Ed, Rér Center» salas, 701/708 = Tel: (0194) 33-3284 « Calta Postal, 400 = Cep 19.400 = Piacieaba SE (© estudo econdmico apresentado na Tabela 2, gue toma como base 0 ano de 1984 e considera somente o custo adicional com fertlizantes, mostra a evolugdo do Lister no manejo da cultura do milho. De uma pequena huerativida- de adicional om 1985 4 tum prejuizo em 1986, a adoga0 de novas tecnologias de adubagzo flzeram com que sua Tucrati dade adicional subisse para 143% em 1989, ou seja, para cada NC2$_ 1,00 aplicado na adubaczo adicional obteve NCz8 2,43 em produgfo adicional ‘Apesar de parecer acudémica para muitos, o exem- plo de Lister mostra que 2 pesquisa sobre produtividade md- ‘ima € de fundamental importincis no. aumento da produti vidade e da competitivdade da agriculture brasileira [Ano Asmento da Cavioadiioval Aumentods Luero,adiconsl produtnelnde daadubicie —receta/ha ssh “ 2 ry NEXS de 01/01/89 — ° 6 0 400 3291 309 250 son “781 500 sets cause 2.600 ost 13809 3380, 2016 v7.4 (1) Phe N= NCES 037. 1 Rede #0, = NCIS UMD, [AE AER;O™ News a2 Gy Lig ae mato = News 003. (en cure da audio senting 2A) heb de'P305 © K30) O FOSFORO NA PLANTA FOSFORO- UM NUTRIENTE ESSENCIAL © fésforo (P)é urn dos 16 nutrientes essencias pa 1 0 erescimento das plantas, Isso significa que suas fungdes into podem ser desempenhadas por qualquer outro nutriente f¢ que sem um suprimento adequago do elemento 2 planta ‘ndo pode alcangar seu potencial méximo de produgéo, nem ‘completar um processo reprodutivo normal. ‘ABSORCAO DO FOSFORO 0 fésforo ¢ absorvido do solo na forms de fon pri= frig ortofosfato (H2PO% ) ou como ortofosfato secundirio (HPOg" ”), dependendo do pH do solo, Dentro da planta, © Fésfora inorginico ¢ armazenado nas raizes ou transportado pea as partes superiores onde, através de viriasreagDes quit micas, ¢ incorporado nos compostos orgsnicos FUNGOES DESEMPENHADAS © Fésforo desemperha fungao vital em todos os processos que envolvem transferéncia de energia. O fosfato de alta energie mantido como parte da estrutura quimics da adenosina tsfostato (ATP) é a fonte de energia que impuisio. ha a5 diversas reagoes quimicas dentro da planta, tals como: germinagdo: 0 fosforo ¢ um componente chave a fitina, substancia da semente essencial para induzir 3 perminagéo, O suprimento de f6sforo para a planta tem pou 0 ofeito no conteddo de P da semente produzida, mas de ficigncia do elemento pode reduzir © tamanho, numero © siabilidade das sementes: trabalho mecinico: a penctragdo das ralzes no solo 6 Sada da parte aérea da terra em directo luz sto pro- cess que nesessitam da energi fornecida pelo ATP; ~absoreo e transporte iGnico: 0 fornecimento de cenergis por parte do ATP & indispensivel para 0 provesso ati vo de absorgf0 e para o transporte de nutrientes através das, céiulas; —fotassintese: € 9 reagio qurimica mais importante rie natureza, onde a energia da luz, na presenga de clorofila, € capturada a forma quiiica como fosfatos de alte eneig do ATP. O ATP fica, entso, dispontvel como fonte de ener ia para outras reagies, e 0s aciares assim formados sfo ut lhzados na sintese de outros componentes celulares, tals como amido, proteinase dleos; genética: 0 fbsforo um componente vital do DNA, substincia que conteola todas as reagSes bioguimiess {que ocorrem nas plantas e responsivel pela transferéncia do ‘codigo genético de uma geragao 8 outra, SINTOMAS DE DEFICIENCIA Sem um fomecimento adequado de fésloro os processos deseritos acima so prejudicados e 0 erescimento e desenvolvimento da planta nda podem continar a ams taxa ‘normal. Na falta de f6sforo a fotossintese continua ocorrer, resultando na acumulagfo de carboidcatos que nfo sfo ut zados para o erescimento da planta, As folhas tornam-se ver de escuras e, em algumas plancas, o acimulo de apicaves ca sado pela deficiénela de fsforo provoca 0 acdmulo de pig mentos antocianinicos, responsivel pela coloragio pirpura das folhas deficientes. FOSFORO E A QUALIDADE DOS PRODUTOS Por outro lado, as plantas bem supridas em fosforo apresentam alta qualidade dos produtos. 0 fésfor0 melhors ‘8 qualidade da cultura de muitas maneiras: menores perdas no seeamento dos gros, alto contetido de agicar, maior resistencia & doeng2s, a0 frioe & seca e maior valor nutitivo, THFORMAGOES AGRONOMICAS © N ry