Vous êtes sur la page 1sur 23

THE ANTHROPOLOGY OF EMOTIONS

Catherine Lutz
Department of Anthropology, State University of New York, Binghamton, New York
13901
GeofSrey M. White
Institute of Culture and Communication, East-West Center, Honolulu, Hawaii 96848

INTRODUÇÃO

O interesse pelo "emocional" floresceu na última década, não só na antropologia, mas na


psicologia (por exemplo, 5, 77, 113, 141), sociologia (por exemplo, 72,81), filosofia (por
exemplo, 153, 177), história (por exemplo, 180) e estudos feministas (por exemplo, 176).
Uma preocupação em compreender o papel do emocional na vida pessoal e social
desenvolveu-se em resposta a vários fatores, incluindo a insatisfação com a visão
cognitiva dominante dos seres humanos como "processadores de informação" mecânicos,
preocupação renovada com a compreensão da experiência sociocultural do ponto de vista
as pessoas que a vivem, e o surgimento de abordagens interpretativas para as ciências
sociais que são mais aptas a examinar o que considerado um fenômeno incipiente. O
relegar passado de emoções à margem da teoria da cultura é um artefato da visão de que
eles ocupam as províncias mais naturais e biológicas da experiência humana e, portanto,
são vistos como relativamente uniformes, desinteressantes e inacessíveis aos métodos de
análise cultural. Ao ir além de seu arcabouço psicobiológico original para incluir a
preocupação com os aspectos sociais relacionais, comunicativos e culturais da emoção, a
teoria da emoção assumiu nova importância para a teoria sociocultural. apropriado. Essas
abordagens culturais tornaram possível para uma ampla gama de antropólogos, incluindo
aqueles tradicionalmente hostis ao "psicológico", sustentar um interesse pela emoção
assim interpretada.
Esta revisão examina aproximadamente a última década de antropologia
pesquisa sobre emoções. Enquanto algum trabalho transcultural de psicólogos é
incluídos, assim como algumas pesquisas antropológicas não americanas, a ênfase
está na antropologia americana. Embora a pesquisa esteja sendo conduzida em todos
áreas geográficas, uma quantidade desproporcional foi feita no Pacífico, refletindo tanto
um foco indígena em expressões emocionais e Oceanic ênfases psicoculturais tradicionais
da etnografia. Começamos por examinar algumas das tensões teóricas e epistemológicas
que, muitas vezes implicitamente, servem para estruturar tanto os debates quanto os
silêncios sobre a relação entre emoção e cultura. Uma dessas tensões é entre universalista,
positivista abordagens e relativistas, interpretativas; e serve para organizar o revisão que
segue. Aqueles preocupados com regularidades interculturais na emoção trazer com eles
um interesse no etológico e evolutivo, o naturalismo psicodinâmico, de senso comum, e
em universais de linguagem. Essa preocupado principalmente com a construção social e
cultural de empate emoção em um número de diferentes tradições, incluindo o
etnopsicológico, o estrutural social, lingüística e desenvolvimentista. Como qualquer
esquema esquemático organização de um conjunto diversificado de idéias, este não pode
fazer justiça à complexidade de cada abordagem individual, mas achamos que
conjunto de dimensões que orienta os pesquisadores para o problema da emoção. Em
conclusão, as descrições etnográficas existentes das emoções são organizadas um quadro
comparativo sugerido para olhar para as emoções como uma cultura linguagem para lidar
com os problemas persistentes do relacionamento social.

TENSÕES NO ESTUDO DA EMOÇÃO

Várias tensões teóricas ou epistemológicas clássicas são encontradas na literatura de


emoção. Estas incluem divergências sobre as questões do materialismo e idealismo,
positivismo e interpretativismo, universalismo e relativismo, individualismo e cultura e
romantismo e racionalismo.
Enquanto muitos destes podem ser rejeitadas como dicotomias falsas ou improdutivas,
elas continuam a estrutura muito discurso antropológico sobre emoção. As posições de
cada observador assumiram estas questões são cruciais para a forma como a emoção é
conceituados e avaliados e pelos métodos utilizados em sua investigação. Embora
algumas dessas questões tenham sido debatidas explicitamente como elas se relacionam
emoção, a maioria tem permanecido posições implícitas, impedindo a comunicação entre
os pesquisadores da emoção. Materialismo e idealismo, natureza e cultura, mente e corpo,
e até mesmo estrutura e agência pode ser visto tanto como dicotomias e como os fins de
um continuum de posições (60) relacionadas entre si e centrais para a emoção teoria. O
paradigma dominante no estudo da emoção nas ciências sociais tem sido materialista.
Emoções são tratadas como coisas materiais; eles são constituído biologicamente como
movimentos musculares faciais, aumento da pressão arterial, processos hormonais e
neuroquímicos, e como instintos "hard-wired" fazendo uma psique humana genérica.
Essa perspectiva é encontrada tanto na evolução e parte da literatura antropológica de
orientação psicodinâmica sobre emoção (por exemplo, 40, 105). Embora a cultura seja
frequentemente conceituada como influenciadora estas forças materiais, indivíduos e
sociedades são primariamente vistos como "lidar com" a materialidade da emoção.
A visão de que as emoções podem ser entendidas como ideias tanto quanto ou mais do
que fatos psicobiológicos é evidente em algumas pesquisas recentes sobre conhecimento
cultural sobre pessoa e emoção. Emoções são tratadas como "julgamentos" avaliativos
(106,129,155,156; depois de 177), e mais ênfase é dada à sua aspectos volitivos e
cognitivos. A relação entre o corpo e emoções é frequentemente ignorada ou tratada
como uma conexão metafórica com ramificações (por exemplo, 181). Para muitos que se
concentram na emoção como juízo, no entanto, o aspecto ideal da emoção é incorporado
firmemente no real pela virtude do fato de que julgamentos emocionais são vistos como
requerendo validação social ou negociação para a sua realização, ligando assim a emoção
ao poder e estrutura social. As emoções são vistas como ideológicas em pelo menos um
dos sentidos marxistas do termo, isto é, como aspectos da consciência ligados à classe e
a dominação de forma mais geral.
A dochtomy mente-corpo é particularmente evidente no que pode ser denominado
abordagem "duas camadas". Neste, é feita uma distinção entre natural, corporal, emoção
pré-cultural e sentimento ideal, cognitivo, cultural ou de segunda ordem
emoção (85, 103, 131). A estratigrafia do corpo e da mente no estudo da emoção
sobrepõe-se significativamente às camadas do indivíduo e da sociedade (ver abaixo). Um
segundo contraste no estudo da emoção é encontrado entre as abordagens de positivismo
e interpretativismo. Embora o positivismo seja supostamente em antropologia, permanece
forte em psicologia, a disciplina mais identificada com o estudo da emoção. A perspectiva
da psicologia acadêmica (que tanto incorporou como reformulou as visões ocidentais
populares de emoção) foram substancialmente importados para o estudo cultural da
emoção. O positivista enfatiza a descoberta das causas emocionais (ou motivacionais) por
comportamento. A epistemologia experiencial do positivismo significou que o processo
de descoberta é visto como relativamente sem problemas, se através da empatia com os
informantes ou através da observação do comportamento geralmente mais. Verdade
supracultural sobre a relação entre emoção e cultura pode ser conhecida e é acessível
através de observação cuidadosa e registro de comportamento.
A recente tendência para o interpretativismo também teve um impacto sobre a
antropologia da emoção. A emoção é tratada como um aspecto central da cultura, ou seja,
com um interesse correspondente na variação histórica e transcultural em sentido
emocional. Porque as emoções são vistas como incorporadas categorias socialmente
construídas, a verdade sobre a emoção torna-se problemática. Epistemologia social do
interpreta- cismo, na qual o conhecimento é construído por pessoas em relação uns com
os outros, tem implicado uma nova ênfase na linguagem da emoção e a negociação do
significado emocional. Esta negociação ocorre não só entre as pessoas observadas, mas
também entre as pessoas antropólogo e informante (por exemplo, 21, 26, 134). Fortes e
fracos versões do construcionismo estão representadas, incluindo a visão de que
a experiência é quase infinitamente mediada pela linguagem e cultura (144) e a visão
alternativa de que a psicologia é um domínio interno privilegiado que pode, em teoria,
permanecer intacto pela cultura (por exemplo, 46).
A tensão entre universalismo e relativismo é evidente em quão frequentemente e com que
precisão surge a questão de saber se ou de que forma emoções podem ser ditas como
universais. Geralmente positivista em epistemologia orientação, o universalista se
concentra na emoção como uma habilidade pan-humana ou processo que é invariante em
sua essência (tipicamente definido como um sentimento interno estado) e distribuição.
Qualquer fenômeno reconhecido como culturalmente variável (por exemplo, a linguagem
disponível para falar sobre emoção) é tratada como epifenômeno1 à essência da emoção
(por exemplo, 157, 179). Os interessados com as maneiras pelas quais as emoções variam
culturalmente tendem a definir emoções mais como um julgamento socialmente validado
do que um estado interno e, portanto, centrar a sua investigação em grande parte na
tradução de conceitos emoção e dos processos sociais que envolvem o seu uso (por
exemplo, 109, 144). Relativistas variam no grau de construcionismo ao qual se inscrevem,
e muitos observam universais em alguns aspectos da emoção como, por exemplo, nos
tipos de situações associado a eles. O debate sobre a universalidade da emoção é paralelo,
em muitos aspectos, discussões sobre a variação transcultural na cognição. Ambos
descem para lutas sobre definições de conceitos e sobre o que diferenças importam, isto
é, sobre quais diferenças cognitivas ou emocionais são cruciais ou interessantes.
A maioria concorda, no entanto, sobre os truísmos que todos os seres humanos têm o
potencial viver vidas emocionalmente semelhantes e que, pelo menos, as superfícies
emocionais a vida de outras pessoas pode parecer diferente do observador externo.
O antagonismo de longa data entre abordagens individuais e sociais para compreender a
pessoa foi tanto ponte e continuou em recente pesquisa sobre emoção e cultura. O
indivíduo continua a ser a última sede emoção em ambas as abordagens evolutiva e
psicodinâmica (por exemplo, 105), confrontando um padrão social e cultural em ou contra
o qual as emoções são colocou. Esta mesma cisma, que também é mantido pela
antropologia social britânica culturologia simbólica, faz necessária a distinção entre
emoção, definida como sentimentos privados que normalmente não são culturalmente
motivados ou socialmente articulado, e sentimento, definido como símbolos socialmente
articulados e expectativas comportamentais (46). Nesta perspectiva, visões culturais
sobre emoções apropriadas "não controlam os sentimentos do indivíduo, que são
soberano "(73, p. 197). Outros minimizam a importância ou a utilidade de uma distinção
entre uma análise psicológica e uma análise social da emoção (por exemplo, 2,
155).
Romantismo e racionalismo representam duas tensões de pensamento que podem ser
detectados nos tratamentos antropológicos das emoções. Para o racionalista que faz uso
da equação geral ocidental de irracionalidade com emoção, o emoções são, se não
sintomas do animal no humano (por exemplo, 49), pelo menos desordenado e
problemático; eles são "vagos e irracionais" (73, p. 34), "o resultados . . . do . . . a
impotência da mente "(99, p. 71). A antipatia entre ciência e emoção que esta posição
postula pode até levar à exclusão da emoção como objeto de estudo adequado.
Na visão romântica, a emoção é implicitamente avaliada positivamente aspecto da
"humanidade natural"; é (ou pode ser) o site de não corrompido, puro ou percepção
honesta em contraste com a racionalidade artificial da civilização. A capacidade de sentir
define o humano e cria o significado em indivíduo e vida social (por exemplo, 81, 157,
177). Uma posição híbrida é representada por aqueles que elevaria as emoções a um
importante lugar de ordenação na sociedade ligando-os à lógica cultural (144), ou
definindo-os como sendo ocasionais ou fontes potenciais de conhecimento correto sobre
o mundo social (103). Cada uma dessas posturas básicas tem implicações para o modo
como a emoção é investigado. Como resultado deles, a emoção pode ser tratada como
algo a ser explicado por outras variáveis (como o corpo, a estrutura social ou a infância
experiência), como algo que pode explicar as instituições culturais (como hospitalidade,
costumes de evasão ou participação individual em rituais religiosos), ou como parte
inseparável do significado cultural e dos sistemas sociais. Estas tensões determinar se um
investigador afirma estudar emoções diretamente tanto como afeta ou ideias sobre
emoção, ou ambos. E eles influenciam os tipos de métodos que são usados, incluindo
observação de comportamento, empatia, introspecção, ou análise cultural. As várias
posições que acabamos de descrever ajudam a determinar se o foco da investigação é
sobre o desenvolvimento emocional (seja para observar a aprendizagem de normas
culturais sobre a emoção ou o desenvolvimento de uma processo universal), sobre a
incidência de patologia emocional (como depressão), nos paralelos entre a estrutura da
sociedade e a estrutura de emoção, na linguagem da emoção (seja como rótulos potenciais
de sentimentos ou como constituindo emoção como um processo social e comunicativo),
no ritual (seja como produto da emoção ou de seu gerador), seja no contexto social do
estudo científico social da emoção.
UNIVERSOS CROSS-CULTURAIS EM EMOÇÃO

Abordagens Etológicas e Evolutivas Pesquisas sobre a relação entre emoção e cultura têm
freqüentemente usado paradigma evolutivo inicialmente esboçado por Darwin em The
Expression of the Emoções no homem e nos animais. O interesse de Darwin na
universalidade e taxonomia das emoções foi replicada como tem a sua opinião de que
emoção e expressão contribuem para as chances de sobrevivência do organismo. As
emoções são retratadas como adaptativos na medida em que funcionam para organizar o
comportamento humano em formas adequadas às exigências ambientais. Expressões
emocionais (particularmente expressões faciais) são vistos como funcionando
principalmente para sinalizar intenções, informando assim os outros sobre o provável
futuro ações. Diversas tradições do trabalho transcultural sobre emoção atraem o
darwinismo insights, incluindo etologia (39), psicologia transcultural (41,42, 165),
sociobiologia (187), e antropologia biológica (88), assim como a psicanálise antropologia
(98, 105), que se baseia nas teorias evolucionistas de Bowlby (19).
O mais ambicioso e amplamente citado programa de pesquisa transcultural sobre a
emoção é liderada por Ekrnan, um programa que ele denomina "neurocultural" (40-42).
Dele estudos de expressões faciais de emoção (ver 41 para um resumo) incluídos
pedindo ao Fore of New Guinea para identificar o estado emocional das pessoas
fotografado exibindo padrões particulares de movimentos musculares faciais.
Eles também foram solicitados a colocar a expressão facial de uma pessoa em
número de experiências, como a morte de uma criança ou ver um porco em decomposição
carcaça. Com base nos resultados, Ekman e seus colegas concluíram que felicidade,
surpresa, medo, raiva, desgosto e tristeza são emoções universais, expressa com a mesma
configuração distinta de movimentos musculares faciais. Embora Ekman use termos
emocionais como raiva, medo e tristeza para referem-se a um complexo de expressões
faciais, eliciadores, comportamento interpessoal e mudanças fisiológicas, a essência da
emoção permanece para ele o "efeito programa ", ou sistema biológico que armazena os
padrões para cada emoção, incluindo os músculos, facial, vocal, comportamental,
autonômico e respostas do sistema nervoso central. Estes programas para os seis
programas universais emoções (mais talvez interesse, vergonha e desprezo) são
automaticamente desencadeada por seus eliciadores, alguns dos quais adquiridos
culturalmente. Ekman postula três áreas centrais nas quais a cultura influencia a emoção.
Primeiro são regras de exibição cultural, ou convenções, normas ou hábitos adquiridos
que ditar que emoção pode ser mostrada para quem e em quais contextos (ver também
6, 81); algumas regras são seguidas automaticamente e fora de consciência, enquanto
outros existem simplesmente como ideais. Estas regras de exibição "interferem com o
emocional resposta que são ditadas pelo programa de efeitos inatos. A cultura é vista
como ter uma forte influência no enfrentamento individual, ou cognitivo e
comportamental tenta lidar com a emoção e suas causas. Embora a evolução tenha
resultou em algumas predisposições, como lidar com a raiva atacando seus
fonte, estas podem ser substituídas por aprendizado cultural. A situação situacional
específica os eliciadores da emoção também são culturalmente variáveis. Embora Ekrnan
tenha afirmado que "não há emoção para a qual existe um elicitor universal, uniforme em
sua detalhes específicos "(40, p. 85), ele postula universalidade em elicitores de emoção
quando os últimos são definidos de maneira abstrata (cf. 16).
O etólogo Eibl-Eibesfeldt (39) concentrou-se em filmar e analisar um gama de
comportamentos não-verbais expressivos em emoção em um grande número de
sociedades. O objetivo é examinar cadeias de eventos comportamentais nos quais funções
de expressões para controlar e comunicar com os outros. Universalidade tem sido
reivindicado por algumas seqüências (como quando fazendo beicinho no agressivo o ato
de outro resulta na eliminação do último comportamento). Muitos expressivos
movimentos (por exemplo, sorrindo, baixou olhar) são vistos como motor inato padrões
que agem como sinais que normalmente "disparam" uma resposta particular no receptor;
a expressão facial é um sinal incontrolável e inconsciente de as intenções do remetente às
quais os outros estão programados para participar. Assim, não apenas seqüências de
interação, mas o significado de alguns sinais expressivos e seus contextos de elicitação
são considerados universais.
Vários antropólogos se basearam tanto na ética quanto na psicanálise perspectivas sobre
emoção em postular universais de necessidade emocional. Lindholm (105) propõe, depois
de Bowlby, que as emoções que cercam o apego à outros representam necessidades
universais que surgem da evolução do instinto para a proximidade de cuidadores. Essas
emoções incluem ansiedade, ciúme, medo e agressão na separação e amor quando o apego
é alcançado. Seguindo muitos teóricos anteriores, uma estrutura emocional pan-humana
baseada nesta dialética de amor e ódio é visto como a força motriz por trás muito
comportamento humano, e como necessidades constitutivas que cada cultura pode ou
pode não satisfazer particularmente bem, mas que cultura deve permitir ser expressa.
Diversos aspectos dessas linhas de pesquisa evolutiva se destacam, incluindo uma
preocupação compartilhada com o papel da expressão emocional na manutenção das
posições. A ênfase na maneira como as expressões emocionais mantêm a hierarquia de
dominância faz esses modelos primariamente de equilíbrio. Além do que, além do mais,
a maioria se concentrou na expressão emocional involuntária, talvez implicando que é
mais adaptativo que o controle expressivo voluntário. E finalmente, muitos desses
teóricos da emoção (por exemplo, 39, 88, 187) têm se esforçado descrever ou pelo menos
mencionar os fins socialmente úteis ou morais aos quais seus ideias sobre a natureza
biológica e inata da emoção podem contribuir. 1 pergunta que tem sido negligenciada é
como os padrões de expressão facial são incorporados em sistemas de sinalização cultural
e linguística maiores.

Perspectivas Psicodinâmicas e Psiquiátricas

Abordagens psicológicas da emoção entre culturas estão dentro de duas rubricas


disciplinares: antropológicas (tradicionalmente, "cultura e personalidade") e psicológico
/ psiquiátrico. Estes campos, diversos como são em alvos e métodos, compartilham uma
suposição importante na "unidade psíquica" da experiência emocional, como os
complexos de hostilidade, ansiedade, e depressão da tristeza. Considerando que o
antropólogo pode encontrar unidade emocional em dilemas recorrentes da experiência
psicossocial, como (105, 173), luto (89, 96, 157) e conflito ou agressão edípica (70, 179),
é provável que o psicólogo / psiquiatra o encontre em psicobiologia (41) ou em
evocando situações (16). Em ambos os casos, o resultado é o tipo de "duas camadas"
teoria mencionada anteriormente em que as emoções universais estão localizadas em um
camada subjacente de afeto. Muito parecido com o processo primário e secundário
freudiano pensando, os aspectos uniformes ou universais da emoção são variadamente
"moldados" moldes "filtrados", "canalizados", "distorcidos" ou "mascarados por
culturais", "" filtros, "" lentes "," regras de exibição "ou" mecanismos de defesa ".
perspectiva, as formas culturais e as instituições são analisadas em termos funcionais
pelo trabalho que fazem ao isolar o sujeito vivente das vicissitudes de emoção (veja
abaixo no ritual).
Os tipos de problemas tratados por antropologia psicanalítica são muitas vezes lançados
em termos do ajuste entre o vida emocional dos indivíduos e a forma das instituições
culturais que funcionam regular ou transformar a experiência individual (70, 89, 98, 100,
133, 134, 179). O trabalho recente nesta área afastou-se do estritamente positivista
abordagens para explicar formas culturais em termos de função emocional (179)
em direção a preocupações hermenêuticas com interpretar significados emocionais (26,
56,133,134).
Curiosamente, o subcampo antropológico que mais preocupou com as relações entre
emoção e cultura geralmente não atendeu emoções em si como um problema para a
pesquisa. Teóricos da "cultura e personalidade" geralmente assumem que as emoções são
a base para construções motivacionais tais como necessidades, desejos e desejos, ligando-
os à ação e ao símbolo sistemas. Seu papel no pensamento e no comportamento é
articulado em teorias de personalidade, geralmente psicanalítica na persuasão, que são
usadas em antropologia análise, mas que não são em si um objeto de investigação. De
acordo com o influente conceito de "ethos" de Bateson (7) como um sistema organizado
de emoções, numerosos estudos descreveram a operação de certas emoções "centrais"
[geralmente postuladas como universais, mas veja (34)] em culturas ou regiões
particulares, criando assim elos emotivos entre uma variedade de comportamentos ou
instituições (44, 93, 170).
Estudos antropológicos da pessoa têm visto frequentemente as emoções como
principal fonte de evidências sobre inobservável e muitas vezes não reconhecido
(inconsciente ou pré-consciente) motivos. Como a contraparte pública e observável de
experiência pessoal, expressões de emoção têm figurado de forma importante
esforços para desenvolver uma etnografia centrada na pessoa (2 1, 89, 98, 100, 133, 134).
Como nos estudos anteriores de cultura e personalidade, trabalhos recentes analisaram
como expressões de padrões emocionais não resolvidos e culturalmente padronizados.
conflitos, mas com padrões mais rigorosos de evidência etnográfica e descrição. Veja,
por exemplo, o estudo de Hutchins (74) sobre proposições codificadas em um mito
Trobriand.
O estudo do ritual tem sido um foco importante para a pesquisa sobre a cultura
transformação da experiência pessoal. A relação entre emoção e ritual tem sido uma
preocupação antropológica com ancestrais acadêmicos tão variados como Durkheim e
Freud, e mais recentemente Radcliffe-Brown (146) e Turner (1 83; veja também 25, 64,
68, 79, 133, 167, 186). Um dos debates centrais diz respeito a até que ponto a forma e o
processo ritual podem ser explicados emoções, particularmente quando são definidas
como propensões universais para responder de maneiras específicas a eventos como a
morte.
Usando ritual funerário como caso paradigmático, alguns argumentaram que o ritual
permite a expressão ou controle de certos sentimentos universais (por exemplo, 89, 96,
158, 163). Aqueles de um Durkheimian (por exemplo, 73), que rejeitaram tal abordagem
como reducionista por sua vez, tem sido criticado por ignorar a emoção espontânea
através de um exagerar com a ordem no ritual (157). O ritual foi examinado como
culturalmente método constituído para distanciar os indivíduos da experiência emocional,
particularmente de emoções que expressam interesses proibidos (1 12). Por exemplo,
Scheff (1963), modificando o conceito de catarse de Freud, postula que o ritual
funções para regular a experiência do indivíduo dos principais afetos do luto,
medo, constrangimento e raiva. Outros vêem o ritual como apenas ocasionalmente
ajudando pessoas em seu "trabalho emocional" (73, 157). Alguns etnógrafos tentaram
distinguir a expressão emocional "genuína" da "convencional" no ritual (por exemplo, 73,
79), embora a ênfase nesta dicotomia possa emergir preocupações locais com
"sinceridade" e a conjunção entre interior e exterior vidas (cf. 50) e pode ser simples
demais para fazer justiça à variedade de maneiras que pensamento e ritual cultural agem
juntos para construir uma experiência emocional.
O ritual também foi examinado pelo que revela sobre os indígenas conceituação de
emoção, pessoa e moralidade (64); para a disjunção e conjunção entre símbolos
carregados de emoção pessoal e cultural (133); por sua relação com os cenários culturais
cotidianos mais gerais do emocional interação (167); e como uma narrativa que articula
entendimentos emocionais do eu e do outro (96).
Em contraste com as abordagens de cultura e personalidade, a psicologia transcultural e
psiquiatria freqüentemente se concentraram em afetos particulares como problemas para
investigação. O interesse psiquiátrico psicológico deriva do quadro clínico definição de
distúrbio emocional como doença, incluindo os "distúrbios afetivos" de depressão,
ansiedade e uma série de "síndromes ligadas à cultura". O foco em determinados tipos de
experiência emocional cross-culturalmente abriu possibilidades de colaboração
interdisciplinar, revelando, ao mesmo tempo, diferenças de teoria e método, e aguçando
debates sobre a universalidade de experiência emocional (58,60,86, 115, 1 17). Como
críticos apontaram (86), o típico estudo psiquiátrico transcultural aplica padrões
ocidentais técnicas de diagnóstico em duas ou mais culturas, sacrificando a relevância e
validade para confiabilidade e replicabilidade. Esforços para salvar este gênero de
"checklist" (por exemplo, 10, 24) envolveram a construção de perguntas, escalas e
inventários com significados específicos da cultura em vez de ingleses de segunda ordem
(1 14, 115). Apesar dessas tentativas, os críticos antropológicos chamaram a totalidade
empresa em questão por motivos mais fundamentais do que a insensibilidade significados
indígenas. Por exemplo, Obeyesekere (135) argumenta que tentativas para
operacionalizar medições abstratas de depressão entre culturas são condenados a impor
interpretações medico-centradas em descontextualizados observações. Essas
divergências metodológicas derivam, em última análise, de divergentes epistemologias
ou teorias da linguagem e interpretação (9, 56). A ênfase no significado socialmente
construído em visões antropológicas de linguagem leva os pesquisadores a duvidar da
validade de palavras isoladas ou sentenças como representações invariáveis de
conhecimento ou experiência.
Em outras áreas, antropólogos e psiquiatras têm se preocupado com o papel da emoção
em eventos de crise como a migração (57), perturbações mentais episódicas, como as
"síndromes ligadas à cultura" (por exemplo, 175), e suicídio (14, 49, 159). Uma
preocupação antropológica contínua tem sido a problema de interpretação, de determinar
o que conta como um problema e como é construído na experiência dos atores. Por
exemplo, uma investigação de epidemias taxas de suicídio entre adolescentes do sexo
masculino na Micronésia (159) mostra que dinâmica esperada de raiva e depressão que
figura em suicídios ocidentais não aparecem de nenhuma maneira óbvia. Em vez disso,
uma compreensão dos atores motivos requer articulação dos conceitos indígenas de
emoção no contexto de conflitos familiares. Outros estudos examinaram o papel da
emoção como uma idiomática para pensar e falar sobre angústia pessoal (86, 132),
observando marcadas diferenças entre culturas. Por exemplo, a descoberta de que os
chineses falam relativamente menos sobre emoções do que os americanos na
contabilidade psicossocial problemas (87) reflete um contraste na retórica de queixa
culturalmente constituída, tal que os chineses usam um idioma somático onde os
americanos falam em termos da psicologia. Naturalismo de senso comum uma visão da
emoção que pode ser denominada "naturalismo de senso comum" é pelo menos implícito
em muitos tratamentos antropológicos da emoção. As suposições fazem, no entanto, pode
impedir que ele seja fortemente representado nesta literatura como uma abordagem
explicitamente esposada. O naturalismo de senso comum é com base na visão de que as
emoções devem ser entendidas principalmente como sentimentos, e que esses
sentimentos são universais em sua natureza e distribuição essenciais, se não na atenção
cultural e nos significados subsidiários que os acompanham.
Sentimentos tristes ou raivosos, por exemplo, são em todos os lugares iguais, e aqueles
sentimentos são a essência da emoção. O naturalismo de senso comum toma como
parceiro conversacional implícitos aqueles que defendem a opinião de que a compreensão
emoções entre as culturas são insignificantes ou imensamente difíceis. Dois métodos
foram usados para explorar a vida emocional nesse sentido, incluindo empatia (por
exemplo, 14, 21, 89) e a noção de posicionamento social (157). O primeiro é o mais
comum dos dois e baseia-se na ideia de que todos os seres humanos têm a capacidade de
entender o estado emocional do outro que compreensão é efetuada através dos canais
especiais de empatia (e geralmente não-verbal) e é conceituado como uma intelectual
compreensão ou um emocional mais direto.
No último caso particularmente, as emoções das pessoas são vistas como passadas, às
vezes em um contágio processo, para aqueles ao seu redor. O antropólogo, portanto, deve
simplesmente estar em proximidade atenta e intensiva para a vida cotidiana dos outros
a fim de apreender suas emoções.
O paradoxo e problema nessa visão, foi apontado (178), reside no fato de que o conceito
de empatia presume o que muitas vezes é usado para provar, que é o universal e
transparente natureza de uma experiência emocional interpretada como interna (para
outras críticas ver 21, 51). Em sua "etnografia introspectiva" dos Fulani, Riesman (147)
historiciza a questão da empatia emocional no campo, observando as formas em que a
alienação no Ocidente e a natureza do campo se encontram tornar a empatia problemática
(ver também 145). R. Rosaldo (157) aplicou recentemente a noção de Bourdieu (17) sobre
a "sujeito posicionado" para a questão metodológica de como a cultura transcultural o
estudo da emoção deve prosseguir. Cada pessoa é vista como ocupando um
posição na sociedade que proporciona uma visão particular dos acontecimentos. Esta
posição é estruturada por fatores como idade, gênero e status, e tipicamente
indivíduo um conjunto de experiências de vida, experiências que "naturalmente" e
universalmente produzir certos tipos de sentimentos. Para entender as emoções do outro,
portanto, exige que o etnógrafo tenha compartilhado as experiências básicas de vida
que evocam esses sentimentos (como a morte do filho ou uma ameaça constante
para a vida de alguém). A partir dessa perspectiva, compreender adequadamente o
emocional vida são impossíveis através de meios cognitivos; descrição verbal ou
"meras palavras" não podem dar acesso à essência da emoção à qual se está
admitido apenas pela experiência pessoal vivida. Essa visão se baseia no senso comum
noções de que a emoção é inefável e que a compreensão exige "andando nos sapatos da
outra pessoa." O sentido talvez incomum que promove é que a juventude do etnógrafo
típico é um passivo na investigação transcultural da emoção na medida em que a
experiência de vida limitada faz ela ou ele despreparados para entender algumas coisas
sobre as emoções de aqueles que se conheceram. Universais de linguagem Investigações
da representação da emoção na linguagem carregam significativamente em debates
epistemológicos sobre a universalidade da experiência emocional. A maioria dos
pesquisadores que postulam universais emocionais também esperam que eles sejam
refletidos transculturalmente nos códigos lingüísticos e culturais. Pesquisa de termos de
cor iniciada por Berlin & Kay (11) tem sido um modelo sedutor para muitos hipótese de
que lexicons emoção será moldada de formas sistemáticas pelo restrições biológicas do
núcleo universal afeta. Por exemplo, vários escritores emprestaram a noção de categorias
de "protótipo" para sugerir que a central ou significados "focais" de termos emocionais
se sobreporão transculturalmente, embora possa haver variação em toda a gama de sua
cultura específica significados (28; 54, p. 142; 103, p. 229). Até onde sabemos, ninguém
ainda tem propôs uma ordenação evolutiva de palavras de emoção análogas ao tipo
demonstrado para léxicos de cores.
A maioria das especulações sobre universais na linguagem da emoção foram baseadas
em estudos lexicais. As reivindicações mais fortes são feitas por psicólogos que têm
técnicas formais aplicadas à análise de lexicons emocionais transculturalmente.
Boucher (15) relata que a análise de cluster dos vocabulários de emoção de oito
As línguas asiáticas, europeias e do Pacífico mostram agrupamentos semânticos
cada língua correspondente às seis emoções encontradas por Ekman no facial expressões.
Esta descoberta até agora não foi replicada por estudos lexicais com outras línguas (53,
106). Em outro trabalho comparativo (160), multidimensional escala de palavras emoção
em várias línguas produz semelhante configurações lexicais estruturadas por duas
dimensões: "prazer-desprazer" e "excitação-sono". A relevância cultural desses achados
não é clara luz do procedimento do estudo de começar com um conjunto de emoção Inglês
palavras e, em seguida, traduzi-los em cada um dos idiomas de destino.
Talvez a pesquisa transcultural mais conhecida por ter produzido evidência de dimensões
universais de "significado afetivo" é a de Osgood e seus associados (139). Pesquisa com
a técnica do "diferencial semântico" não enfoca tanto os aspectos significativos da
emoção como os derivados, características conotacionais da linguagem - principalmente
os três "efeitos afetivos dimensões "de avaliação, potência e atividade que têm sido
relacionadas palavras descritivas em um grande número de idiomas. Essas descobertas
não falam diretamente para o sentido de palavras emoção, mas fornecem pistas sobre a
base por similaridades altamente confiáveis em associações metafóricas entre culturas.
Assim, foi demonstrado (29) que tanto os índios maias quanto os falantes de língua
inglesa os americanos fazem julgamentos semelhantes sobre as cores associadas à
emoção.
Estudos que examinaram as propriedades culturalmente relevantes da emoção palavras
concluem que tais palavras derivam seus significados de uma ampla gama de
entendimentos e práticas, especialmente aquelas que dizem respeito às relações sociais e
interações (veja seções abaixo). Tanto a teoria lingüística (por exemplo, 9) como
estudos etnográficos indicam que as palavras de emoção não funcionam apenas, ou
mesmo principalmente, como rótulos para estados de sentimento ou expressões faciais.
Por isso é não é provável que estudos semânticos forneçam evidências diretas para
dimensões da experiência afetiva. Consistente com isso, outros sugeriu que as palavras
de emoção podem refletir universais na relação social matriz de emoção (81, 189).

A CONSTRUÇÃO CULTURAL E SOCIAL DE EMOÇÃO


Emoção e Compreensão Etnopsicológica

Em contraste com a visão tradicional das emoções como forças irracionais, algumas
trabalho recente se concentrou na formulação da emoção na compreensão consciente e no
discurso interativo. Análises detalhadas de conceitos para e falar sobre a emoção tem
enfatizado a importância primordial da cultura significando sistemas na experiência
emocional, desafiando em alguns casos tais oposições básicas em nosso vocabulário
teórico como reasonlemotion, culture / personalidade e público / privado. Enquanto
algumas pesquisas etnopsicológicas são principalmente preocupado com as funções
psicológicas da compreensão emocional (54, loo), a maioria se concentra em problemas
de interpretação e "tradução" de mundos emocionais.
Um conceito teórico fundamental em grande parte deste trabalho sobre entendimentos
culturais de emoção é a do eu culturalmente constituído, posicionado no nexo de
mundos pessoal e social (ver 66, 94, 116, 174, 192). Conceitos de emoção emergir como
um tipo de linguagem do auto-um código para declarações sobre intenções, ações e
relações sociais. Assim, Levy, que deu um dos primeiros e mais completos relatos de
entendimentos emocionais no contexto social (loo), ressalta o papel das emoções em
formar o sentido do ator de seu relação a um mundo social. Consistente com este ponto
de vista, numerosos estudos etnográficos notaram que as emoções são um idioma
primário para definir e negociar as relações sociais do eu em uma ordem moral (2, 6, 76,
11 1, 127, 154, 191).
Nestes estudos, as emoções emergem como socialmente moldando-se socialmente de
maneiras importantes (veja a próxima seção). Talvez a diferença mais fundamental entre
os estudos recentes sobre compreensão é na medida em que as emoções são concedidas a
priori status panccultural em oposição a ser visto como culturalmente criado. Diferenças
na postura teórica sobre esta questão traduzem-se em claras diferenças metodológicas
estratégia. Compare o argumento de Gerber (54, p. 159) que "porque esses efeitos básicos
são pan-humanos, eles fornecerão uma base para comparação e tradução entre sistemas
de emoção em diferentes sociedades "com M. O argumento de Rosaldo (155, p. 136, n.
4) de que "antropólogos interessados afetam, podemos fazer bem em trabalhar a partir de
[emoções que envolvem componentes culturais], onde a relevância da cultura é clara, para
os casos onde é mais problemático, em vez de começar (a la Ekman ...) com supostos
universais fisiológicos e, em seguida, "adicionando cultura em" "(ênfases no original).
Essas abordagens contrastivas estão associadas a diferentes visões sobre o status de
compreensão emocional e experiência na consciência dos atores. Para aqueles que
começam com um "teclado" universal emocional (173) composto de os afetos básicos, as
múltiplas discrepâncias entre o modelo panc- entendimentos específicos da cultura
colocam a questão de como os efeitos universais são variavelmente silenciado,
amplificado ou distorcido na consciência dos atores. Assim, por Gerber (54) existem
"experiências interiores" deixadas implícitas e não codificadas; e para Levy (102), os
entendimentos culturais da emoção são precedidos por sentimentos "que são eles próprios
informados por um tipo de sabendo. "Levy (100, 102) cunhou os termos" hipocognized e
"hypercognized" para se referir às tendências das culturas para alterar ou elaborar
reconhecimento consciente de emoções particulares. Então, por exemplo, os taitianos
falam pouca tristeza em situações em que esperávamos, e mostrar preocupação
aumentada com raiva, marcando inúmeras variedades com especial termos. O modelo de
tristeza "hipocognizada" taitiana permite ao observador postular interpretações erradas da
emoção, como no exemplo de Levy de uma pessoa que sofre tristeza após uma perda, mas
se queixa de "doença". Para a maioria dos estudos de compreensões indígenas de emoção,
a avaliação de efeitos ocultos ou transformados foi menos em causa do que o problema
de tradução, de explicar os significados sociais da emoção (21, 38, 103, 11 1, 127, 147,
154, 190). Dentro deste campo mais amplo de investigação, várias abordagens são
evidentes. Pesquisadores localizaram vários sentidos emocionais dentro do tecido moral
das relações sociais (6, 80, 127), dentro das atividades institucionalizadas tais como
headhunting (154) ou luto cerimonial (167), dentro ideológica global estruturas da pessoa
(46, 83, 84) e gênero (2), ou dentro do folclore teorias usadas para interpretar eventos
como mudanças no desenvolvimento (21, 142), situações de crise (14, 159) e conflito
interpessoal (76, 190). Marcação teoria tem sido mostrada especialmente útil por Fajans
(47) na contabilização de um ênfases e significados emocionais da cultura, com
sentimentos surgindo em momentos culturalmente marcado como desviante. Embora a
maioria dos pesquisadores tenha tendido a olhar para uma gama de discurso cotidiano ou
mundano para obter evidências sobre a padronização etnopsicológica da emoção, outros
se concentraram na cultura estética como eles se relacionam com o afeto. Isso inclui
estudos das emoções evocado e invocado em poesia indígena (2), música, música e
simbolismo sonoro (48, 167), dança (61) e as artes plásticas (4).
Uma linha de pesquisa sobre compreensão emocional investigou o conhecimento
estruturas ou esquemas usados para conceituar emoções específicas. A preocupação
aqui tem sido com a representação do conhecimento cultural da pessoa e
situações sociais subjacentes ao significado das palavras de emoção. Baseado no
percepção de que palavras e conceitos de emoção codificam informações sociais
significativas, estudos da linguagem da emoção têm procurado identificar os inferenciais
estrutura de compreensão emocional (1 10, 191). Estes estudos observam que o
inferências que falam sobre a emoção se referem simultaneamente a ambos
situações evocativas e respostas apropriadas. A análise mais completa de um A palavra
de emoção inglesa é a discussão de Lakoff & Kovecses (90) sobre a conceituação de
"raiva" evidente em metáforas comuns e expressões idiomáticas. Ao descrever imagens
que os falantes de inglês utilizam rotineiramente pensar em "raiva" como, por exemplo,
fluido quente em um recipiente (fervendo, vapor, estourando, etc), os autores traçam
formas culturais de pensar sobre (e, argumentaríamos, experimentando) "raiva", que tem
um comportamento significativo implicações. Além disso, essa visão do senso comum de
raiva pode ser vista como um exemplo da "metáfora hidráulica" que influenciou gerações
das teorias acadêmicas da emoção (177). Esta abordagem cognitiva e a visão ideológica
das emoções analisam compreensão emocional como pertencente a situações sociais.
Onde cognitivistas falar de "seqüências de eventos prototípicos" (144), a abordagem mais
interpretativa vê "cenários" culturais de ação situada (156, 167, 168). Essas abordagens
diferem em grande parte na ênfase dada ao conceptual em oposição ao social e
processos interativos na formação do significado emocional. Em ambos os pontos de
vista, no entanto, os atores entendem as emoções como mediadoras da ação social: elas
surgem situações sociais e carregam implicações para o pensamento e ação futuros.
Emocional entendimentos, portanto, não são vistos como formulações abstratas e
simbólicas "pensar em sentir" tanto quanto pensamentos que estão necessariamente
ligados com situações sociais e metas valorizadas que lhes dão força moral e
direção.
A um nível mais global, podem ser levantadas questões sobre o papel geral das
conceitos de emoção no raciocínio e discurso etnopsicológico. Como é que a noção
cultural de sentimento ou emoção figura em entendimentos sobre percepção, intenção,
motivação, comportamento intencional e afins? Respostas a estas questões são
susceptíveis de suportar as formas em que a compreensão emocional cria restrições e
contexto para ação social. Por exemplo, em o "modelo popular da mente" americano (28),
sentimentos vinculam percepções e crenças com desejos e intenções em uma cadeia
causal de raciocínio aplicada muito geralmente na ordenação da experiência social. Nós
também podemos perguntar sobre o fontes socioculturais de variação etnopsicológica,
perguntando, por exemplo, por que a observação de Ochs (137) de que em Samoa "não
parece haver muita conversa sobre sentimentos como origens do comportamento "parece
interessante para o Ocidente observadores. O fato de que as emoções são, em muitas
sociedades, um elo crítico na interpretações culturais da ação implica que os conceitos de
emoção são susceptíveis de ser usado ativamente na negociação da realidade social.
Taussig (182) descreve um das formas mais perniciosas isso leva em demonstrar como
histórico e formas contemporâneas de tortura prosperam em uma "cultura de terror", ou
uma e matriz ideológica em que a vítima é experimentada e continuamente recriado no
discurso como um ser aterrorizante e desprezível. Atenção a retórica e o discurso
emocionais, então, devem ser um foco frutífero para investigações etnográficas da vida
social como um processo ativo e criativo (por exemplo, 6, 12, 20, 91, 110, 137, 185, 191).
Emoção e Estrutura social

A pesquisa sobre as relações entre significado cultural e emoção é apenas


começando a se expandir em um exame dos correlatos estruturais sociais de
cada (por exemplo, 2, 35), e baseia-se em uma variedade de tradições, incluindo o
estruturalismo (47), teoria da troca (3) e materialismo histórico (1 12). Emoção é vista
como relacionado à estrutura social de várias maneiras. Em primeiro lugar, emoção
pode ser definido como sendo "sobre" relações sociais; sistemas de significado emocional
refletirão essas relações e, através da constituição da emoção do comportamento,
estruturá-los. Além disso, as estruturas sociais e econômicas são relacionadas à maneira
como pessoas ou eus são construídos de maneira mais geral. Coisas como o grau de
individualismo, noções de privacidade e autonomia, multiplicidade de eus, ou senso de
responsabilidade moral que resultam conseqüências importantes para o modo como a
emoção é conceituada, experiente e socialmente articulado.
Mais especificamente, os princípios gerais da organização social constroem
tamanho, estabilidade e características de status das audiências habituais para o emocional
desempenhos de indivíduos (por exemplo, 93, 194). Essas características do
grupo social também pode ser visto como constituindo um ambiente de criação de no
debate sobre se o "afeto difuso" é promovido em grandes famílias (124, 172). A emoção
pode ser vista como uma estratégia para defender um grupo tipo preferido de organização
social (35). Quando definido como um modo de ação, a emoção é apresentada como um
constituinte ativo das estruturas sociais. Appadurai (3), por exemplo, examina as maneiras
pelas quais as formas particulares que gratidão leva no sul da Índia ajuda para apoiar a
hierarquia de castas e o explícito código de reciprocidade não comercial. Keeler (80)
descreve como o status "fluido" sistema de Java, que associa status com o self ao invés
de um social papel, torna a identidade de alguém crucialmente dependente de
demonstrações emocionais que reconhecer apropriadamente a posição hierárquica dos
outros. O relativo a ausência de estrutura social também foi notado como tendo
consequências emocionais em forçar tipos particulares de sentimentos (por exemplo,
aqueles que se centram na expansão e contração das fronteiras do eu, e aqueles que
motivam a não-violência) à proeminência cultural (32, 47).
Myers (129) e outros observaram as maneiras pelas quais a distribuição
do poder em uma sociedade (por exemplo, por gênero, idade ou cargo político) e a
estruturação ideológica da emoção está relacionada. Maher (112) apresenta uma variante
de tal quadro: emoções ideologicamente prescritas podem ser vistas como uma forma de
falsa consciência, com emoções reprimidas sendo sintomas dos verdadeiros interesses
materiais de um grupo. Abu-Lughod (2) mostra como indivíduos beduínos egípcios
afirmam sua aceitação ou desafio de o sistema de hierarquia social através de discursos
sobre emoção que estão ligados à ideologia de honra e modéstia. As relações entre nobres
e ex-escravos na sociedade Fulani são demonstrados por Riesman (148) para
corresponder com diferenças no comportamento emocional nos dois grupos. Trabalhos
neste sentido, muitas vezes olhou para o gênero (por exemplo, 2, 111, 112), com classe a
tópico relativamente negligenciado. Scheper-Hughes (164),, no entanto, tem
eloquentemente demonstrou como as emoções de uma mãe para seus filhos em um
brasileiro favela responder a sua posição de classe desfavorecida. Quando
a classe foi examinada, o status de classe inferior às vezes é visto como
ou menos emocionalidade, definida como subjetividade pessoal (71), ou mais
emocionalidade definida como afeto caótico ao invés de sentimentalismo refinado
(118).
Outros observaram como instituições particulares, como tribunais (91), movimentos (33,
ou uxorilocalidade (126) são apoiados por visões culturais de emoção e emoções. Quando
emoção é definida como uma declaração sobre uma relação da pessoa com o mundo, e
particularmente os problemas em que relacionamento, as emoções mais comuns em uma
sociedade podem ser vistas como marcadores dos pontos de tensão (ou preenchimento)
gerados por sua estrutura. De uma perspectiva psicodinâmica, uma estrutura emocional
humana universal confronta e pode entrar em conflito com determinadas estruturas
sociais. Lindholm (105), por exemplo, argumenta que a combinação de um sistema de
linhagem segmentar e a escassez de terras para o Swat Pukhtun resultou em um sistema
social que promove competição individualista e hostilidade; a extensa elaboração
de normas de hospitalidade é visto como o local em que o mais geralmente negado
aspectos da estrutura emocional (isto é, apego) aparecem.
A relação entre a emoção e a família tem sido uma das mais estudou aspectos das emoções
na sociedade, com uma ampla gama de abordagens utilizado. Algumas descrições
etnográficas notaram que o parentesco é o domínio em que apelo emocional é apropriado
em oposição a qualquer pragmática ou movimentos jural (64, 129). O mais comum tem
sido uma preocupação com o caminho quais sistemas de parentesco locais constroem o
tom emocional de cada díade a famlia (por exemplo, 2, 21, 53, 64, 147). Em uma veia
relacionada, Harris (64) descreve como as crenças culturais de Taita sobre a raiva são
usadas para regular o comportamento adequado entre várias categorias de parentesco.
Particularmente preocupante tem sido o caminho que os padrões de casamento e
residência, bem como os direitos de propriedade e outros as forças materiais influenciam
e são afetadas pelas relações de autoridade dentro da família e o teor emocional de cada
tipo de relação de parentesco (126). Muitos têm tentou identificar o "centro emocional"
(1 18) e as margens da família em ambos os seus aspectos oficiais e mais encobertos.
Também tratado tem sido o caminho em quais papéis de parentesco individuais são
socialmente articulados e emocionalmente compreendidos. Maher (1 12), por exemplo,
demonstra como as mulheres marroquinas sentimentos fundamentalmente ambivalentes
sobre a maternidade são condicionados contradição entre a sua posição como
proprietários e eles próprios como a propriedade de seus maridos. O trabalho seminal de
Elias (43) sobre a relação entre a mudança histórica estrutura social e emoção só
recentemente foi seguido por novas pesquisas por historiadores e antropólogos (78, 1 18,
180). A emoção é tratada como recurso que é tanto estruturado pela mudança de
condições e estruturação de suas significado. Esta pesquisa cultural histórica concentrou-
se particularmente em economia e gênero como eles se relacionam com a mudança
emocional, como quando Hausen (65) olha como a ameaça à ordem patriarcal tradicional
na Europa Ocidental representado pelo trabalho de mudança das mulheres e os padrões
de gravidez levou à encenação do Dia das Mães com sua construção ideológica e
intensificação das emoções apropriadas de e para as mães. Antropólogos podem seguir o
exemplo dos historiadores e outros (por exemplo, 67, 92, 161) que examinou as
implicações, particularmente no que se refere aos papéis de género, da separação do local
de trabalho e do lar sob o capitalismo e a concomitante separação ideológica entre as
noções de emoção e interesse, expressividade e instrumentalidade. Isso incluiria uma
crítica à noção de que as famílias podem ser analisado exclusivamente como unidades
econômicas ou emocionais (18).
Várias implicações da estrutura social para a emoção (muitas das sugeridas pelo trabalho
de M. Rosaldo) parecem ter amplo aplicabilidade transcultural. Estes incluem a relação
entre estruturas políticas e jurídicas de origem atípica ea elaboração de modos de manejo
de conflitos que dependem fortemente do idioma da emoção (127, 150, 154, 186), e
particularmente em uma noção elaborada e extensivamente usada da vergonha (por
exemplo, 44, 130, 155). Há, por outro lado, pouco para sustentar a noção comumente
expressa (por exemplo, 95) de que sistemas sociais complexos geram número maior e
mais diversificado de emoções em seus membros (ao contrário 147, p. 153). Uma relação
foi identificada entre os grupos sociais igualitários estrutura, eus autônomos, e a
configuração de emoções individuais na medida em que tal emoção implica uma atitude
particular em relação aos direitos e deveres de compatriotas (155, 168). O que M. Rosaldo
chama de "sociedades de brideservice" manter uma visão da vergonha como gerada pelo
conflito e como mitigar a raiva (21, 127, 155). Ela também observou que as sociedades
hierárquicas aparecem muito mais preocupado do que outros com o problema de como a
sociedade controla um interior eu emocional (156).
Emoção, Linguagem e Comunicação

Datado pelo menos do estudo clássico de Darwin (30), a emoção tem sido estudada em
a base de comportamentos e exibições que são essencialmente comunicativos natureza,
embora suas funções semióticas e contextos geralmente não sejam analisados. Onde a
comunicação emocional foi estudada, isso tem sido principalmente sob a rubrica de
comunicação não verbal (13, 39, 40-42), um ênfase que está em consonância com a
associação tradicional de emoções com o corpo. Estudos da comunicação verbal da
emoção só recentemente começou a surgir (75). Aqueles que lidaram sistematicamente
com a emoção e a linguagem se divide em duas áreas gerais: 1. análises semânticas,
geralmente léxicas, e 2. estudos sobre a comunicação da emoção em situações sociais.
Dada a medida em que palavras de emoção inglesas foram usadas para pesquisa, é um
pouco surpreendente que eles não tenham vindo para mais atenção como objetos de
pesquisa. O trabalho de Davitz (31) e Averill (5) como os estudos descritivos mais
abrangentes sobre as intuições dos falantes de inglês sobre o significado emocional,
baseado em grande parte em formalmente eliciado e entrevista dados (ver também 162).
Wallace & Carson (184) estavam entre os primeiros a examinar
Palavras inglesas da emoção, mostrando variação considerável no índice e estrutura dos
vocabulários de leigos e psiquiatras individuais, incluindo diferenças que afetam as
avaliações clínicas. Estudos transculturais de palavras de emoção estão mais preocupados
com problemas de tradução e concentram-se em apenas alguns termos-chave (52, 100,
142, 154) ou inventoried todo o domínio da emoção (1 5,2 1, 53, 127).
Para Rosaldo (154), quem faz da emoção um dos principais focos de sua etnografia ainda
na vida social, a tarefa de interpretar o termo liget ("raiva") de Ilongot é virtualmente
indistinguível da própria etnografia, requerendo um mapeamento vários usos em vários
contextos sociais. Em contraste, alguns que tomam uma visão de todo o domínio das
palavras emoção examinar as relações de contraste e semelhança entre um conjunto de
palavras salientes (por exemplo, 53, 106). Além dos estudos semânticos ou cognitivos,
existe um interesse renovado entre sociolinguistas e etnógrafos da comunicação na
pragmática funções da linguagem da emoção. Beeman (9), por exemplo, examina
fenômeno da depressão a partir de uma perspectiva sociolinguística e observa avaliações
psicológicas da emoção podem errar mal por causa de uma teoria ingênua de linguagem
que pressupõe uma correspondência direta entre palavras de emoção e experiência
emocional (por exemplo, 95, 123). Abordagens sociolinguísticas à emoção observe seu
papel em todos os aspectos da linguagem como um código de comunicação: fonológico,
sintática e pragmática, bem como semântica. Irvine (75) lista uma ampla gama de
dispositivos linguísticos que codificam Wolof afetam, como Besnier (12) para um sessão
de fofoca única Nukulaelae. Os dados apresentados apenas para esses casos sugerem não
só que todas as frases têm um componente afetivo, mas que nenhuma o aspecto da
linguagem é imune à apropriação pela semiótica da emoção.
B. Schieffelin (166) estuda a aquisição de entendimentos emocionais em crianças Kaluli
tem sido influente em focar a pesquisa em emoção comunicação na socialização e
aquisição da linguagem (ver abaixo). Dela o trabalho e o dos outros (121, 137, 185)
mostram que a emoção é um tema frequente em conversas de crianças-cuidadoras e uma
estratégia frequente em suas interações. Ochs (137) sugere que a produção e compreensão
de sentimentos em linguagem são fundamentais para a aquisição da gramática e, além
disso, estabelecer a "base" para a aquisição de valores e crenças culturais. o
perspectiva de desenvolvimento implica hipóteses importantes sobre sequências em
a aquisição de códigos emocionais, tais como as formas que pressupõem o afeto são
adquiridos antes daqueles predicados afetam na forma de uma afirmação (137).
Reconhecendo sua dívida com abordagens sociolinguísticas, Bailey (6) analisa
usos situados de exibição emocional para seus efeitos no gerenciamento de impressões
e manipulando a interação de pequenos grupos (cf 71, 72). Tomando dados de um
variedade de grupos de língua inglesa, desde comitês universitários até
o parlamento indiano, ele identifica tipos específicos de retórica emocional que
funcionam como estratégias políticas ou persuasivas nesses contextos. O interesse de
Bailey no uso de códigos comunicativos no gerenciamento de situações, identidades e
impressões assemelha-se ao expresso por Irvine (75) e outros que abordaram
a política da emoção (12, 18, 91). Problemas comuns neste trabalho
incluem o problema da sinceridade, das habilidades dos atores em expressar emoções
através de múltiplos canais e para manipular ambos os entendimentos abertos e
disfarçados de eventos. Em alguns aspectos, os antropólogos linguísticos, políticos e
psicológicos convergem no uso de métodos naturalistas e centrados na situação para
descobrir os significados sociais e efeitos da linguagem da emoção. Pesquisas futuras
neste área parece estar indo além da tarefa simplesmente descritiva de catalogação
códigos comunicativos para: (a) especificação de relações entre códigos (tais como
fala verbal e não verbal, aberta e encoberta, estereotipada e comum) (por ex.
I) e (b) articulação das funções pragmáticas dos significados emocionais
dentro de sistemas mais amplos de valor (121, 137), identidade (79, e etnopsicológico
compreensão.
Socialização e Aquisição de Competência Emocional

Aqueles de tendência construcionista universalista e social estão interessados na questão


de como a criança se torna emocionalmente madura. Para o universalista, os processos de
socialização funcionam em um conjunto de sentimentos internos, bem como em uma
emotividade mais geral (52, 173); a criança aprende a silenciar ou aumentar a expressão
(e talvez também o subjetivo experiência) de cada um, tanto quanto se ajusta o volume
em um rádio. Socialização processos também estruturam o ambiente da criança de forma
a tornar a experiência de algumas emoções mais provável. Para o construcionista,
emocional socialização é o processo pelo qual a criança é introduzida em um emocional
vida constituída pelo discurso dos adultos entre si e com os jovens. Embora alguns tenham
postulado uma capacidade de excitação indiferenciada como matéria-prima sobre a qual
as experiências de socialização funcionam (151), a maioria dos construcionistas
permanecer descompromissado ou desinteressado neste problema. Além desta distinção
geral, existem pelo menos três correntes de pesquisa na emoção e na criança: social
comportamental, etnopsicológico e lingüístico. Seguindo a tradição materialista,
ecológica e behaviorista do Whitings (193), uma grande quantidade de pesquisas tem
focado as maneiras pelas quais aspectos gerais da economia e da organização social
estruturam as configurações qual socialização emocional ocorre (por exemplo, 125, 172,
188). Essas configurações presumem-se que tenha um impacto relativamente não
mediado no emocional da criança comportamento (embora veja 62). Os métodos de
campo utilizados incluem observações de comportamento que se concentram em atos
com acompanhamentos emocionais inferidos por observadores como sorrir, provocar,
olhar mútuo e agressão. Emoção discreta conceitos como raiva ou medo geralmente não
são usados na interpretação comportamentos. Em vez disso, conceitos globais (e
questionáveis) como "baixo efeito" "efeito positivo" ou "calor materno são
frequentemente aplicados (por exemplo, 55, 82). A ênfase tem sido na "quantidade" de
emoção (caracterizada como positiva e / ou negativos) cuidadores direcionados para as
crianças, e sobre a estrutura social causas e conseqüências da personalidade dessa "massa"
afetiva. No máximo em última análise, essa preocupação levou a simplificações tão
exageradas quanto a de Rohner (152). classificação transcultural das sociedades como
emocionalmente "aceitáveis" ou "rejeitando" seus filhos. No extremo oposto, o de LeVine
(97), psicodinamicamente abordagem orientada para o desenvolvimento emocional usa
um gama de dados etnográficos e clínicos para interpretar o significado emocional e
impacto do comportamento do cuidador. Estudos de socialização etnopsicológica (por
exemplo, 21, 32, 53, 107, 142, 15 1) muitas vezes fazem referência ao artigo seminal de
H. Geertz (52) sobre o emocional javanês socialização que ela apresenta como um
exemplo do processo de "socialmente especialização emocional guiada "em que os
adultos definem, interpretam ou conceituam situações e sentimentos pela criança. Como
o mais centralmente abordagens linguísticas à socialização emocional (ver abaixo),
etnopsicológica estudos dão um lugar central em sua análise ao discurso cultural sobre
emoções que é visto como a organização dos entendimentos do cuidador e socialização
do comportamento emocional de seus filhos. Alguns estudos combinam descrições
etnopsicológicas da criança e emoção com psicodinâmicas hipóteses sobre
desenvolvimento emocional (22, 97, 100-102), como quando Briggs (23) examina o papel
da contradição e do conflito no emocional e na socialização de valor.
Os antropólogos analisaram como as etnopsicologias descrevem os estágios
desenvolvimento emocional e moldar os tipos de comportamento emocional apropriado
para e da criança em diferentes idades (62, 63; cf 104; para exemplos específicos ver 21,
32, 64, 80, 84, 142, 154). Também examinado tem sido o significado emocional das
crianças em geral, e mais especificamente adoção (45, 53, 59, 169); os valores e objetivos
culturais nos quais a aquisição de significado emocional é integrado, como a delicadeza
interpessoal (23, 107, 122), autoproteção (121), ou submissão (53); o desenvolvimento
no filho de entendimentos culturais particulares de conceitos de emoção, e
particularmente das situações em que uma emoção é apropriadamente encenada (108,
136); e o uso de rituais de ciclo de vida para criar conceitos de self e emoção (64,68). Esta
pesquisa fez uma série de perguntas sobre atitudes culturais em direção à mudança de
estado per se. Alguma coisa como emoção existe como uma organização conceito de
atendimento a crianças? Se assim for, é visto como algo que deveria ser autorregulado ou
gerenciado por outras pessoas? Deve ser explicitamente endereçado ou ignorado? É algo
que se torna mais ou menos proeminente com a maturidade? Os sistemas descritos variam
entre as famílias "pró-naturais" da Califórnia, que acredito em promover tanto a
expressividade emocional quanto a autorregulação emocional pelo bebê e pela criança
(188), aos Kipsigis do Quênia, que combinar a noção de que os outros devem gerenciar o
estado do bebê com desatenção para indicar a mudança na criança mais velha (62), para
o Semai da Malásia, que definem toda resposta emocional como perigosa ou temível
(151). Em cada Nesse caso, estudos etnopsicológicos demonstram que as visões culturais
da emoção e as visões culturais da criança se sobrepõem de maneiras cruciais, dando
significado e motivação para as relações entre crianças e adultos. Finalmente, abordagens
lingüísticas para a socialização da emoção têm as maneiras pelas quais as crianças
adquirem habilidades culturais para comunicar seus estados emocionais para outros (por
exemplo, 63, 121, 136, 137, 166, 166a). O metodológico o foco está nos atos de fala que
ocorrem nos contextos nos quais crianças estão envolvidas, e mais geralmente no não-
verbal, paralinguístico, e expressões verbais cuja aquisição pela criança é vista como
crucial para desenvolvimento emocional.
Várias análises linguísticas analisaram a criança aquisição de pistas de contextualização
que indicam quão seriamente uma exposição deve ser feita (121), incluindo declarações
diretas, vinculadas à emoção construções gramaticais, gestos, rostos, posição social do
falante e escopo do público visualizando a exibição (136). Embora pesquisas sobre a
relação entre sociedade, cultura e desenvolvimento tem geralmente ultrapassado o foco
no individual (62), o foco esmagador (particularmente no behaviorista e tradições
lingüísticas) permanece na díade mãe-filho, um foco que, em alguns casos podem refletir
pressupostos normativos implícitos sobre a fonte putativa de emocionalidade no
doméstico e no feminino. Mais promissor tem sido uma expansão na gama de contextos
de aprendizagem considerados relevantes para a aquisição de um perfil emocional
culturalmente distinto na criança, desde ouvir narrativas parentais sobre a emoção (121)
para a experiência cinestésica do bebê das emoções do adulto (151). Pesquisa sobre
desenvolvimento emocional em cultura contexto raramente olhou, no entanto, para a
resposta desse desenvolvimento alguns dos fatos mais cruéis e mais comuns dos mundos
infantis, incluindo desigualdade de gênero, classe (mas veja 71, 121, 164) e guerra.
Pesquisa futura pode iluminar as maneiras pelas quais moralidade, cognição, linguagem
e contexto constituem a "essência" da emoção, demonstrando as formas precisas
em que o desenvolvimento da complexidade das relações sociais da criança,
entendimentos e habilidades cognitivas e lingüísticas tornam o desenvolvimento
emocional possível.

UM QUADRO COMPARATIVO PARA O ESTUDO DE EMOÇÕES

O núcleo da tentativa de entender a relação entre emoção e cultura encontra-se na


descrição etnográfica da vida emocional das pessoas em seus contextos sociais. Embora
esta tarefa etnográfica tenha sido recentemente assumida, o número de descrições é agora
impressionante e aumenta a possibilidade de comparação transcultural. Em vez de usar
assumido universal critérios biopsicológicos ou estados como base para essas
comparações, seria parece útil começar com um conjunto de problemas de
relacionamento social ou existencial significando que os sistemas culturais
freqüentemente parecem apresentar em termos emocionais, é apresentar como problemas
com os quais a pessoa é impelida a lidar. Enquanto a força que move as pessoas a lidar
com esses problemas pode ser conceituada como puramente somática, como tradição,
como obrigação moral, ou em quaisquer outras maneiras, o idioma da emoção é muitas
vezes o central. Esses problemas incluem: 1. a violação do outro dos códigos culturais ou
do ego expectativas pessoais (ou conflito mais geralmente) (ver 21, 64, 90, 96, 120, 121,
136, 149, 150, 157, 159, 168, 191); 2. própria violação do ego daqueles códigos sociais,
incluindo incompetência social ou inadequação pessoal, e da possibilidade de tal falha (2,
18, 52, 69, 103, 127, 181, 194); 3 perigo para o próprio eu físico e psicológico e outros
significativos (8, 23,32, 35, 96, 15 1, 167, 17 1, 182); 4. a perda real ou ameaça de perda
significativa relacionamentos (1,47, 86, 96, 127, 157, 158); e os "problemas positivos" de
5. O recebimento de recursos (23, 127) e 6. foco na recompensa de títulos com outros (34,
38, 83, 105, 143); para tratamentos de toda a gama de problemas, ver também (21, 53,
100, 106, 11 1, 147, 154). Um único evento do mundo real ou raramente o problema é
caracterizado simplesmente por meio dessa tipologia, ou por um observador externo. A
morte, por exemplo, pode representar ao mesmo tempo perigo, perda e uma violação do
senso do que deveria acontecer. A ambivalência, ambigüidade e complexidade de muita
experiência emocional e interação é causada por essa multiplicidade de perspectivas sobre
eventos, bem como por contradições dentro de sistemas ideológicos ou de valores, pela
incompletude de as informações que as pessoas têm sobre um evento, e pelo fato de que
muito emoção é sobre a antecipação de eventos futuros e, portanto, desconhecidos ou
consequências.
É importante ressaltar que estas caracterizações abstratas de os problemas servem para
servir como pontos de referência comparativos iniciais como declarações a priori ou finais
sobre causas situacionais universais de experiência. A ênfase é desviada da questão de
saber se de alguma forma experiência emocional descontextualizada é "o mesmo" ou
"diferente" através de culturas para que de como as pessoas fazem sentido dos eventos da
vida. O que precisa a serem exploradas são as formas particulares em que o significado
cultural e social estrutura referem-se a estas caracterizações gerais. Existem várias
possibilidades.
Primeiro, cada cultura enfatizará um aspecto particular do problema geral, como quando,
em problemas do tipo 2 acima, os japoneses se concentram no audiência por seus erros
(93), enquanto o adolescente de Ilongot inadequação como um desafio a ser superado
(155) e o americano poderia para se concentrar no dano causado pelo erro ou no que o
erro diz sobre o personagem. Além disso, há variação cultural em quanto ênfase é dada
globalmente para cada tipo de problema. Em segundo lugar, a natureza exata do
problema, como é tipicamente encontrado em a vida cotidiana será afetada por
interpretações culturais, bem como diferenças e semelhanças nas condições materiais.
Esta questão é frequentemente tratada como um "mero" questão de conteúdo, mas deve
ser central para qualquer tentativa de entender impacto da emoção no comportamento
cotidiano e na organização social. Saber o que é considerado perigoso, uma coisa que vale
a pena ter, ou uma perda é crucial para compreender a base motivacional para todos os
aspectos da participação em vida. Muitas crianças são um recurso ou um dreno? É o apego
aos outros no centro da vida ou ilusão da vida (135)? Sistemas culturais vão além da
definição coisas como a natureza do perigo, além disso, descrever quais são os riscos
vale a pena, quem deve levá-los, o que causa ou pode ser responsabilizado para eles (33,
e se um perigo específico é ou não controlável [um distinção Parkin (140) se liga àquela
entre o medo "cru" e "respeitoso". Também gostaríamos de considerar coisas como as
taxas de mortalidade que apresentar as condições objetivas de perda em qualquer
sociedade (por exemplo, 164), tais práticas como a adoção de crianças com pais vivos e
as sociais condições estruturais que tornam tênues ligações com outras (por exemplo,
105). Terceiro, as pessoas desenvolvem conhecimento sobre as relações entre alguns
esses tipos de problemas. Assim, muitas vezes há uma ligação intrínseca entre o outro
violação de código e outras respostas, um link que se liga, em importantes e maneiras
complexas, "raiva justificável" e "medo" entre os Ifaluk, "raiva" e "vergonha" entre os
ilongôs e os taitianos (100, 155), e "raiva" e "admiração" entre os Kaluli (168). Como
outro exemplo, o próprio impropriedades (tipo de problema 2) são frequentemente, mas
nem sempre, vistas de forma enfática perigoso (tipo de problema 3) por várias razões.
Emoção em particular ligações (cf 77) podem então ser enfatizadas como o resultado de
uma variedade de fatores socioculturais, e às vezes serão explicitamente codificados
como outros conceitos de emoção. Esses links refletem tanto o fato de que os problemas
de vida se desdobrarem e se desenvolverem ao longo do tempo e a profunda imersão da
emoção em sistemas simbólicos. Quarto, cada problema pode ser roteirizado para um tipo
particular de comportamento solução. As lágrimas pela perda e o ataque físico ou
simbólico das outras violações de código podem ser ligadas às suas funções na
preservação ou erosão integridade psicossocial como podem variações nesses scripts,
como quando o Utku se afastar da violação do outro (21) e do Kaluli abertamente e
dramaticamente chamar a atenção para isso (167). Embora um número de outros pontos
comparativos sugerem-se (incluindo tratamento cultural divergente de um problema
quando encontradas em contextos especiais como a infância ou a bebida), a tarefa é
contextualizar cada abordagem psicocultural para problemas emocionais estruturas
etnopsicógicas e sociais mais amplas - dentro do contexto de o que significa ser uma
pessoa e dos contornos da ecologia e poder dentro que a pessoa assim interpretada deve
viver.
CONCLUSÃO

No início desta revisão, esboçamos uma série de oposições (material / ideal, individual /
social, etc) que fundamentam as definições populares e acadêmicas de emoção. O
alinhamento da emoção com um lado desses dicotômicos oposições tem consistentemente
moldado e, argumentaríamos, estreitaram teorias da emoção e da vida social. A visão da
emoção que dá primazia para experiências corporais internas tem dominado na maioria
dos psicológicos teorias em parte porque é solidamente consistente com o nosso altamente
individuado conceitos de pessoa e motivação. O resultado, no entanto, tem sido uma
parente negligência dos aspectos fenomenológicos e comunicativos da emoção em
investigações de ciências sociais. Sugerimos que algumas das abordagens delineado
acima, que se concentram explicitamente nas formulações culturais da emoção contexto
social, segure as sementes de uma reconceituação básica que dará ênfase renovada para
as dimensões públicas, sociais e cognitivas das experiências. Embora essa ênfase pareça
um corretivo necessário para a identificação tradicional de emoções com o irracional,
tenta definir e explicar emoção apenas em termos do mercado público de risco de idéias
seu próprio empobrecimento a menos que as ligações podem ser forjadas entre os
frequentemente mundos dicotomizados do indivíduo racional e irracional, público e
privado e social.
As oposições afetam o reconhecimento e a personalidade / cultura são centrais para
maneiras de pensar. No entanto, a visão de que a experiência afetiva e motivacional força
são analiticamente andlor ontologicamente distinta da cognição é agora sendo
questionada com base em pesquisa etnopsicológica mostrando que esquemas culturais
têm muitas das diretrizes e moralmente persuasivas qualidades antes associadas
principalmente ao afeto (27). Desafiando teórico divisões que dividem o cultural e
ideacional do indivíduo e afetivo, M. Rosaldo argumenta que as emoções não são coisas
opostas ao pensamento tanto como "pensamentos incorporados, pensamentos se infiltrou
com a apreensão de que" eu Estou envolvido '"(156, p. 143). Uma análise das bases
culturais para o nosso contraste familiar de "pensamento" e "sentimento" (1 11) mostra
como uma ampla gama de oposições, tais como informação, energia, racionalização,
controlada / não controlada, a cultura, o valor real e o apoio feminino sustentam e
sustentam visão, mesmo que se mostre inadequada para a explicação da experiência
humana como vivia. O ponto dessas críticas é que a desconstrução de noções familiares
pode nos levam a insights significativos sobre as maneiras pelas quais as ideias são
infundidas de valor, afeto e direção, assim como os sentimentos são usados para entender
e comunicar sobre eventos sociais. A empresa, sugerimos, é eminentemente cultural e
comparativo.
A título de conclusão final, observamos duas contribuições que o comparativo O estudo
das emoções pode contribuir para a etnografia em geral. Primeiro, pode ajudar
no desenvolvimento da abordagem interpretativa da cultura, dando novas
relevância metodológica para a resposta emocional do etnógrafo ao trabalho de campo.
Isso envolveria colmatar a divisão do produto cognitivo de trabalho de campo (a
etnografia) a partir de seu produto emocional (o diário, "pessoal" trabalho de campo, e
talvez poesia), como Briggs (21) fez em um projeto inovador caminho, fazendo
problemas na interação emocional entre etnógrafo e abriga o centro de investigação e o
caminho para a cultura compreensão. Enquanto esta ponte foi realizada em diferentes
graus por algumas monografias recentes (26, 36, 37, 145, 147, 154) e artigos (89, 157),
pode haver uma tentativa mais geral e sistemática de examinar o as ansiedades do
observador que Devereux vê como "dados básicos e característicos de ciência
comportamental [e como] mais válida e mais produtiva de insight do que qualquer outro
tipo de dado "(33, p. xvii). Seria importante explorar 1. essas ansiedades como sinais de
potencial distorção do observador (33), 2. o distanciamento técnicas envolvidas na
metodologia (33), e nas metodologias literatura (como a noção de "criação de rapport"),
3. o próprio do etnógrafo suposições pessoais e culturais sobre o eu e a emoção, e 4. o
especial características das relações sociais do antropólogo (tanto no campo quanto e em
casa), incluindo coisas como a sua impermanência; as possibilidades de perda, perigo e
alienação que eles apresentam; e suas desigualdades de poder e competência social. A
interpretação emocional culturalmente auxiliada desses condições é crucial para o modo
como a descrição etnográfica procede, tornando este e os outros aspectos do
relacionamento de campo importantes entradas para melhor compreensão intercultural.
Em segundo lugar, uma das promessas do novo interesse pela emoção é que ela pode
reanimar a imagem às vezes robótica dos seres humanos que a ciência social tem
fornecido. O tomador de decisões agrícolas raramente é visto como sofrendo
uma escolha entre alternativas às vezes terríveis; o sistema de saúde de um
a sociedade é frequentemente apresentada como se fosse povoada por atores em vez de
família membros confrontando a possível morte um do outro. Incorporando emoção em
etnografia implicará apresentar uma visão mais completa do que está em jogo para as
pessoas na vida cotidiana. Ao reintroduzir dor e prazer em todas as suas formas complexas
em nossa imagem da vida cotidiana das pessoas em outras sociedades, poderíamos
humanizar esses outros para o público ocidental. Esse público encontra emoção
no núcleo de ser por razões culturais e político de origem econômica,
razões que devem ser submetidas simultaneamente ao escrutínio antropológico. No
questão não é apenas a humanidade das nossas imagens, mas a adequação de nossos
compreensão de formas culturais e sociais.