Vous êtes sur la page 1sur 40

MEMÓRIA DE CÁLCULO

Introdução

O trabalho apresentado insere-se no âmbito da disciplina de Estruturas de Betão II e teve como


objetivo a realização de um projeto de excussão, referente a um edifício de múltiplos usos
constituído por cinco pisos, sendo a sua cobertura acessível. Como condicionalismos da
Arquitetura o edifício é constituído para além das escadas, de um núcleo de betão armado
destinado á colocação de elevadores. A conceção do edifício foi equacionada de acordo com a
Regulamentação existente e pensando num bom dimensionamento estrutural.

O presente edifício situa-se em Chimoio e ocupa uma área de construção bruta de


aproximadamente 972.84m2. No presente projeto é apresentado o dimensionamento de um painel
de lajes pertencente ao 2º piso, de uma viga pertencente ao ultimo piso, de um pilar pertencente
ao primeiro piso, e respectiva fundação.

Solução Estrutural

Em termos de solução estrutural, o edifício é constituído por lajes maciças que apoiam-se em
vigas interiores e de bordadura (laje vigada). As vigas por sua vez apoiam-se em pilares que
descarregam para as fundações. As fundações são do tipo, diretas (Sapatas rígidas).

Os recobrimentos a adotar são os seguintes:

• Lajes – 3,0 cm

• Vigas – 2,5 cm

• Escadas – 3,0 cm

• Pilares – 2.5 cm

• Fundações – 5 cm

1
Materiais

Os materiais definidos para os elementos da estrutura são do tipo Betão B30 e Aço A400.

Ações

As ações consideradas são as regulamentares para a zona de implantação da estrutura. As ações


consideradas para o pré-dimensionamento dos elementos estruturais foram a, Acão do vento,
Sobrecarga de utilização para edifícios destinado a utilização de caracter colectivo com
possibilidade de elevada concentração.

Sobrecarga:

As sobrecargas utilizadas foram quantificadas de acordo com o Artigo 34º; 35º e 37º do R.S.A.
Nestes artigos encontram-se definidos os valores característicos das sobrecargas, As sobrecargas
consideradas foram as seguintes:

- Pavimentos – 5 KN/m2

- Escadas – 5 KN/m2

Regulamentos e Normas

Os regulamentos usados para execução das verificações dos estados limites de últimos e a
obtenção de ações actantes foram nos elementos foram: RSA, REBAP.

Painel da Laje

Pré – Dimensionamento Como a espessura da laje é constante em todo o piso, para pré-
dimensionar a altura desta usamos o painel mais condicionante.

2
Materiais usados nas lajes de acordo com ( Grupo de Betão Armado e Pré-Esforçado -
1ST)

Revestimento:

Ladrilho hidráulico, incluindo argamassa de assentamento…………………………..0.90 KN/m2

Ladrilho Ceramico, incluindo argamassa de assentamento…………………………...0.70 KN/m2

Forro em estuque sobre laje de betão armado, incluindo chapinhado e esboço………0.20 KN/m2

Quantificação da Acão do vento

Para efeitos de quantificação da acção do vento, de acordo com o Artigo 20º RSA a zona a considerar é a
Zona B (rigioes situadas numa faixa com altitudes superiores a 600m). Em relação á rugosidade
aerodinâmica do solo, de acordo com o Artigo 21º, considerou-se que este possuía uma rugosidade do
tipo I.
Para a quantificação dos esforços devido á acção do vento foi utilizado um método simplificado,
supondo aplicadas às superfícies do edifício pressões estáticas obtidas multiplicando a pressão
dinâmica do vento, definida no Artigoº 24º RSA, por adequados coeficientes de forma.

Pressões dinâmicas - Artigo 24 RSA

Zona B Wk = 1.02 KN / m2

Rugosidade – Tipo I
Altura do edifício acima do solo = 21 m

-Determinação dos coeficientes de forma :

- Coeficiente de pressão exterior para paredes ƍpe

1 3
H = 21 m h/b = 21 / 24,20 = 0.87 => 2
< 0.87 ≤ 2

a= 40,20 m ( maior dimensão )

3
b = 24,20 m ( menor dimensão ) a/b = 40,20/ 24,20 = 1.66 => 2
< 1,66 ≤ 4

3
Por se tratar de um edificio de quatro fachadas de permeabilidade semelhante, porem adopta se ƍpi =
−0.3

Cálculo da variação de pressão.

Considerando a expressao de coeficiente da variacao de pressao:


ƍp = ƍpe - ƍpi Temos:

ƍpe
Direccao do A B C D
Vento (α)
0o 1 0 -0,4 -0,4
90o -0,2 -0,2 1 0,2

Para obtermos os esforços do vento nas fachadas do nosso pórtico inicialmente


faremos o produto do coeficiente de dinâmica do vento pelas ações globais das quatro
fachadas ou seja:

P = Wk* ƍpe (A,B,C e D)

4
Direccao do A B C D
vento (α)
0o 1,02 0 -0,408 -0,408
90o -0,204 -0,204 1,02 0,204

Em seguida o produto do resultado obtido das ações globais das quatro fachadas pelas
Longitudes.

Se L1=L2 e L3=L4, temos:

L1=L2=Lmenor= 12,1 m

L3=L4=Lmaior= 20,1 m

Fwk = Wk *(A,B,C,D)*Lmaior

Fwk
Direccao do A B C D
vento (α)
0o 20,91 0 -8,36 -8,36
90o -4,18 -4,18 20,91 4,18

Fwk = Wk *(A,B,C,D)*Lmenor

Fwk
Direccao do A B C D

5
vento (α)
0o 12,59 0 -5,036 -5,036
90o -2,52 -2,52 12,59 2,52
Dimensionamento das lajes

O painel de laje dimensionado pertence ao 2º piso. Apresenta-se em seguida o pré-


dimensionamento de todas as lajes do painel.

Classificação quanto a Armação

Lmaior
Lmenor

Laje Lmaior Lmenor Quociente Direção


(m) (m)

1 10,86 2 5,43 Uma


2 10,86 8,15 1,33 Duas
3 6,2 5,15 1,20 Duas
4 8,15 5,15 1,58 Duas
5 8,65 5,15 1,68 Duas
6 8,7 5,15 1,69 Duas
7 6,2 5,71 1.09 Duas
8 13,15 10 1,32 Duas
9 8,7 8,15 1,07 Duas
10 7,575 3,15 2,40 Uma
11 7,575 3,15 2,40 Uma
12 10 2 5 Uma
13 10 8,15 1,23 Duas
14 5,15 3,175 1,62 Duas
15 6,975 5,15 1,35 Duas
16 9 6,975 1,29 Duas
17 6,2 3,175 1,95 Duas
18 12,2 6,975 1,75 Duas

6
Definição do sistema estático

7
8
9
10
11
Determinação da espessura da laje

12
li αxl
hmin ≫ = (Artg102.2 / REBAP)
30 x η 30 x η

Áço A400 => η = 1.0 (Artº 89 /REBAP)


Coeficiente α = > Artº 102.2 /REBAP (Quadro XV )
Laje Lmenor (m) Coeficiente α Coeficiente η Espessura (m)
1 2 0,8 1 0,053
2 8,15 0,8 1 0,217
3 5,15 0,8 1 0,133
4 5,15 0,8 1 0,137
5 5,15 0,8 1 0,137
6 5,15 0,8 1 0,137
7 5,71 0,5 1 0,095
8 10 0,5 1 0,167
9 8,15 0,8 1 0,217
10 3,15 0,6 1 0,063
11 3,15 0,6 1 0,063
12 2 0,8 1 0,053
13 8,15 0,8 1 0,217
14 3,175 0,5 1 0,053
15 5,15 0,8 1 0,137
16 6,975 0,8 1 0,186
17 3,175 0,8 1 0,065
18 6,975 0,8 1 0,186

Por razões de simplificação usamos a laje com altura de 0,25 m.

Peso próprio da laje =0,25m*25 kN/m2= 6,25 KN/m2

Determinação das cargas actuantes nos pisos

Acções Permanentes

Peso Próprio

Ladrilho hidráulico, incluindo argamassa de assentamento…………………………..0.90 KN/m2


Ladrilho Cerâmico, incluindo argamassa de assentamento…………………………...0.70 KN/m2
Forro em estuque sobre laje de betão armado, incluindo chapinhado e esboco………0.20 KN/m2

Pp (paredes divisorias) = 0,4*5,80*2,3= 5,336 KN/m2

13
Sobrecarga

-Sobrecarga de utilização = 5.KN/m2

Ações solicitantes de dimensionamento

Qsd=1,5cp +1,5sc

Qsd=1,5 (6,25+0,90+0,70+0,20+5,336) +1,5 (5) = 27,579 KN/m2

Cálculo de Armaduras pricipais

Fórmulas usadas:

𝑀𝑠𝑑 𝑓𝑐𝑑
μ= ; ω = μ × (1+ μ); As = ω × b × d × 𝑓𝑦𝑑
𝑏×𝑑 2 ×𝑓𝑐𝑑

Para este cálculo admitimos uma secção com dimensões:

h = 0,25 m , onde h é altura da secção;

d = h – recobrimento = 0,25 – 0,03 = 0,22 m , onde d é a altura útil da secção;

b = 1 m , onde b é a largura da secção (dá-nos neste caso armaduras por metro).

Para o calculo de momento usou-se a tabela de Montoya

Laje 1:

Direção Msd(KNxm/m) μ ω As (cm2/m) Armadura


adoptada
-13,7895 0,014 0,014196 1,79 Φ8//35
X-X
7,7687 0,008 0,008964 1,13 Φ6//35

14
Laje 2:

Direção Msd(KNxm/m) μ ω As (cm2/m) Armadura


adoptada
-106,25 0,110 0,1221 15,44 Φ16//15
X-X
32,97 0,034 0,035 4,43 Φ8//15
-135,56 0,140 0,1596 20,18 Φ20//15
Y-Y
60,45 0,062 0,066 8,34 Φ12//15

Laje 3:

Direção Msd(KNxm/m) μ ω As (cm2/m) Armadura


adoptada
-50,13 0,052 0,055 6,95 Φ10//15
X-X
19,75 0,020 0,0204 2,58 Φ6//10
-64,37 0,066 0,070 8,85 Φ12//15
Y-Y
19,75 0,020 0,0204 2,58 Φ6//10

Laje 4:

Direção Msd(KNxm/m) μ ω As (cm2/m) Armadura


adoptada
-59,25 0,061 0,065 8,22 Φ12//15
X-X
16,82 0,017 0,017 2,15 Φ6//15
-74,61 0,077 0,083 10,49 Φ12//10
Y-Y
35,11 0,036 0,037 4,68 Φ10//10

Laje 5:

Direção Msd(KNxm/m) μ ω As (cm2/m) Armadura


adoptada
-59,25 0,061 0,065 8,22 Φ12//15
X-X
16,82 0,017 0,017 2,15 Φ6//15
-74,61 0,077 0,083 10,49 Φ12//10
Y-Y
35,11 0,036 0,037 4,68 Φ10//10

15
Laje 6:

Direção Msd(KNxm/m) μ ω As (cm2/m) Armadura


adoptada
-59,89 0,062 0,066 8,34 Φ12//15
X-X
14,63 0,015 0,015 1,90 Φ4//35
-81,19 0,084 0,091 11,51 Φ16//20
Y-Y
38,04 0,039 0,041 5,18 Φ10//15

Laje 7:

Direção Msd(KNxm/m) μ ω As (cm2/m) Armadura


adoptada
-49,46 0,051 0,054 6,83 Φ10//15
X-X
17,98 0,019 0,019 2,40 Φ6//15
-53,05 0,055 0,058 7,33 Φ12//15
Y-Y
22,48 0,023 0,024 3,03 Φ8//15

Laje 8:

Direção Msd(KNxm/m) μ ω As (cm2/m) Armadura


adoptada
-157,20 0,162 0,188 23,77 Φ20//15
X-X
49,64 0,051 0,054 6,83 Φ10//15
-184,78 0,191 0,227 28,70 Φ22//15
Y-Y
79,98 0,083 0,090 11,379 Φ16//20

16
Laje 9:

Direção Msd(KNxm/m) μ ω As (cm2/m) Armadura


adoptada
-124,57 0,129 0,146 18,46 Φ16//10
X-X
47,63 0,049 0,051 6,45 Φ10//15
-120,90 0,125 0,141 17,83 Φ16//10
Y-Y
47,63 0,049 0,051 6,45
Φ10//15

Laje 10:

Direção Msd(KNxm/m) μ ω As (cm2/m) Armadura


adoptada
-22,80 0,024 0,025 3,16 Φ8//15
Y-Y
11,40 0,012 0,012 1,52 Φ6//20

Laje 11:

Direção Msd(KNxm/m) μ ω As (cm2/m) Armadura


adoptada
-22,80 0,024 0,025 3,16 Φ8//15
Y-Y 11,40
0,012 0,012 1,52 Φ6//20

Laje 12:

Direção Msd(KNxm/m) μ ω As (cm2/m) Armadura


adoptada
-13,7895 -13,7895 0,014 1,79 Φ8//35
X-X
7,7687 7,7687 0,008 1,13 Φ6//35

17
Laje 13:

Direção Msd(KNxm/m) μ ω As (cm2/m) Armadura


adoptada
-104,41 0,108 0,120 15,17 Φ16//15
X-X
32,97 0,034 0,035 4,43 Φ8//15
-122,74 0,127 0,143 18,08 Φ16//10
Y-Y
53,12 0,055 0,058 7,33 Φ12//15

Laje 14:

Direção Msd(KNxm/m) μ ω As (cm2/m) Armadura


adoptada
-16,12 0,017 0,017 2,15 Φ6//15
X-X
3,61 0,0037 0,0037 0,47 Φ6//35
-22,24 0,023 0,024 3,03 Φ8//15
Y-Y
10,56 0,011 0,011 1,39 Φ6//25

Laje 15:

Direção Msd(KNxm/m) μ ω As (cm2/m) Armadura


adoptada
-42,42 0,044 0,046 5,82 Φ10//15
X-X
10,97 0,011 0,011 1,39 Φ6//25
-57,79 0,060 0,064 8,092 Φ12//12.5
Y-Y
27,06 0,028 0,029 3,67 Φ8//12.5

Laje 16:

Direção Msd(KNxm/m) μ ω As (cm2/m) Armadura


adoptada
-99,29 0,103 0,114 14,41 Φ16//12.5
X-X
36,23 0,037 0,038 4,80 Φ8//10
-118.07 0,122 0,137 17,32 Φ16//10
Y-Y
44,28 0,046 0,048 6,068 Φ10//12.5

18
Laje 17:

Direção Msd(KNxm/m) μ ω As (cm2/m) Armadura


adoptada
-15,57 0,016 0,016 2,02 Φ6//15
X-X
2,50 0,0026 0,0026 0,33 Φ6//35
-2,63 0,0027 0,0027 0,34 Φ6//35
Y-Y
11,68 0,012 0,012 1,52 Φ6//20

Laje 18:

Direção Msd(KNxm/m) μ ω As (cm2/m) Armadura


adoptada
-110,02 0,114 0,127 16,06 Φ16//12.5
X-X
26,83 0,028 0,029 3,67 Φ8//12.5
-148,93 0,154 0,178 22,51 Φ20//12.5
Y-Y
69,77 0,072 0,077 9,74 Φ12//12.5

ESCADAS

Número de espelho = 17
Espelho = 0,18 m
Piso = 0,31m
Materiais
A400
B30
Peso Próprio
Peso próprio da laje = 2,5 KN/m2
Peso do degrau = 1,92 KN/m2
Pp revestimento Ladrilho Cerâmico, incluindo argamassa de
assentamento…………………………...0.70 KN/m2

Sobrecarga 5KN/m2

19
Ações solicitantes de dimensionamento
Qsd1=1,5× 1,5cp +1,5×1,5sc
Qsd1=1,5×1,5× (2,5+0,7) +1,5×1,5× (5) =18.45 KN/m2
Qsd2=1,5× 1,5cp +1,5×1,5sc
Qsd2=1,5×1,5× (2,5+1,92+0,7) +1,5×1,5× (5) =22.77 KN/m2

Diagrama de Momento Fletor

Cálculo de Armaduras principais


Msd = 202,5 KN*m/m
b=1
d=0,22
fcd=20*103 KN/m2 fyd=348*103 KN/m2

20
𝑀𝑠𝑑
μ=
𝑏×𝑑 2 ×𝑓𝑐𝑑
202,5
μ=
1×0,222 ×20∗103

μ=0,21 ≪ 0,30
ω = μ × (1+ μ)
ω = 0,21 × (1+ 0,21)
ω = 0,25
𝑓𝑐𝑑
As = ω × b × d ×
𝑓𝑦𝑑
20
As = 0,25 × 100 × 22 × 348
As =31,61 Cm2/m → Φ22//12.5

Msd(KNxm/m) μ Ω As (cm/m) Armadura


adoptada
202,5 0,21 0,25 31,61 Φ22//12.5

Recues nas lajes

21
Portico A-A’

O dimensionamento dos elementos estruturais como as vigas e pilares serão feitas


mediante o porticos predifinidos no projecto estrutural.

Pre-dimensionamento da viga
li αxl
hmin ≥ 20 x η = 20 x η
14 ×0,8
hmin ≥ = 0,56
20 x 1

h = 0,6m
h=d+a
d=h–a
d = 0,6m–0,025
d = 0,575 m
b = 0,4d → b = 0,4 × 0,575 = 0,23 ≈0,25

22
Determinação das cargas actantes nas vigas
Peso próprio = 0,25 m ×0,575 m × 25 KN/m3 = 3,59 KN/m
Paredes = 0,20 m × 3,8 m ×14,5 KN/m3 = 11,02 KN/m
Reação na laje = 55,15 KN/m
Valor total da carga = 69,76 Kn/m

Na figura abaixo, mostra o lançamento do carregamento vertical e horizontal na estruturas do


pórtico.

DEN

23
DEC

24
DMF

25
Deformação

26
Vigas

Por Aplicacao de formulas simplificadas


𝑀𝑠𝑑
μ= 𝑏×𝑑2 ×𝑓𝑐𝑑

μ ≤ 0.31 »»ω’=0

ω = μ × (1+ μ)
𝑓𝑐𝑑
As = ω × b × d ×
𝑓𝑦𝑑
μ≥ 0.31
ω′ =
𝜇−0,31
𝑎
1−
𝑑
ω=ω’+0.41
𝑓𝑐𝑑
Asˋ = ω × b × d × 𝑓𝑦𝑑

27
b=0.25 m
h=0.60 m
d=0.575m
Msd=Mrd= 1222.2 KN*m
fcd=20 *103KN/m2
fyd=348*103 KN/m2

𝑀𝑠𝑑
μ= 𝑏×𝑑2 ×𝑓𝑐𝑑

1222,2 𝐾𝑁.𝑚
μ= 0,25×0,5752 ×20×103

μ= 0,74 >31

𝜇−0,31
ω′ = 𝑎
1−
𝑑

0,74−0,31
ω′ =
1−0,025
0,575

ω′ = 0,45
ω=ω’+0.41
ω=0,45+0.41
ω=0.86
𝑓𝑐𝑑
Asˋ = ωˋ × b × d × 𝑓𝑦𝑑
20
Asˋ = 0,45 × 25 × 57,5 × 348

Asˋ = 37,18 Cm2

𝑓𝑐𝑑
As = ω × b × d × 𝑓𝑦𝑑
20
As = 0,86 × 25 × 57,5 ×
348
2
Asˋ = 71,05 Cm

As armaduras para as vigas em geral serão de 37,18 e 71,05 Cm2, com as dimensões de 0.25 m
de base, 0.60 m de altura.

28
Pilares

O Pre-dimensionamento do Pilar foi feito com base na seguinte expressão:

Ac ≫ Nsd / ( 0.85 x fcd )

É de referir que de acordo com o Artigo 120 do REBAP, a dimensão mínima da secção
transversal não deve ser inferior a 20 cm. Para um melhor comportamento estrutural, uma melhor
optimização da mão de obra optou-se, como critério de projecto, não alterar a secção do pilar em
toda a sua extensão.
Recorrendo-se ao artigo 59º do REBAP, calculou-se o comprimento efectivo (l0 = h * l ),
em seguida a esbelteza da peça ( l = l0/ i , i – raio de giração ).
Para a Verificação da segurança dos pilares verificou-se as disposições regulamentares nos
Artigos : 61º, 62º, 63º / REBAP.
No que se refere ao cálculo da armadura utilizou-se as formulas simplificadas Esforços Normais de
Flexão ( LNEC ) e tentou-se uniformizar a armadura do pilar em toda a sua extensão.

No caso de algum pilar der percentagem mecânica negativa, adopta-se a percentagem de


armadura mínima que é 30% da secção (REBAP).

Considerando o pilar com maior momento (Nsd), deste modo temos:

Ac ≫ Nsd / ( 0.85 x fcd )


Ac ≫ 3761,9 / ( 0.85 x 20 x 103 )
Ac ≫ 0,22 m ≈ 0,25 m

Pode-se adoptar como secção mínima para os pilares secções quadradas de lado 25 cm Como temos
o Msd podemos detrminar a seccao rectangular
𝑀𝑠𝑑
μ= 𝑏×ℎ2 ×𝑓𝑐𝑑

939,5
0,25= 0,4×ℎ3 ×20 𝑥 103

h=0,77 ≈0,8 m

b=0,4h →0,4x0,8 →b=0,32 ≈0,35m

29
a) Classificação da estrutura

Com base no estipulado no Artigo 58 do REBAP procedeu-se á classificação da estrutura:

𝛴𝑁
h tot x √𝛴𝐸𝐼 ≤ η => Nós Fixos

B30 => E = 30.5 X 106 KPa

η = 0.6 => o número de andares do edifício é igual a 4

h tot = 21 m

Paraa secção de 0,80 x 0,35 temos

Ix= 0,015m4

Iy=0,0029m4

Direcção x

Σ N =33484,4 KN

𝛴𝑁
h tot x √𝛴𝐸𝐼 ≤ η

33484,4
21 x √30,5𝑋106 𝑋0,015 ≤ 0,6

5,7 ≥ 0,6 → Nós movies

Direcção y

Σ N =33484,4 KN

𝛴𝑁
h tot x √𝛴𝐸𝐼 ≤ η

33484,4
21 x √30,5𝑋106 𝑋0,0029 ≤ 0,6

30
12,9 ≥ 0,6 → Nós movies
Como a estrutura e de nos moveis implica considerarmos o efeito de segunda ordem.

Cálculo dos coeficientes α

- Direcção x

I pilar = (b x h3) / 12 = (0.35 x 0.803) / 12 =0.015 m4

I viga = (b x h3) / 12 = (0.25 x 0.63) / 12 =0.0045 m4

E I pilar = 30.5 x 106 x 0.015 = 457500

E I viga = 30.5 x 106 x 0.0045 = 137250

α 2 = (((E Ix pilar) / 3) + ((E Ix pilar) / 3)) / ((E Ix viga) / 3.3) = 7,33

α 2 ( cobertura ) = ((E Ix pilar) / 3) / ((E Ix viga) / 3.3) = 3,67

- Direcção y

I pilar = (b3 x h) / 12 = (0.353 x 0.80 ) / 12 =0,0029 m4

I viga = (b3 x h) / 12 = (0.253 x 0.6 ) / 12 =0.00078 m4

EI pilar = 30.5 x 106 x 0.0029 = 88450

EI viga = 30.5 x 106 x 0.00078 = 23790

a2 = (((E Iy pilar) / 3) + ((E Iy pilar) / 3)) / ((E I viga) / 3.3) + ((E I viga) / 6.3) = 5,37

a2 (cobertura ) = ((E Iy pilar) / 3) / (((E Iy viga) / 3.3) + ((E Iy viga) / 6.3)) = 2,68

O α1 ao nível da fundação é igual a 1.

Cálculo da esbelteza do pilar e da encurvadura

Pelas disposições do Art. 59º a esbelteza do pilar tal como o comprimento de encurvadura é

31
calculada da seguinte forma:

Direcção x:

Cálculo de (η; lo; i ; ʎ )

α1 = 1

α2 = 7,33

Considerou-se o menor dos seguintes valores :


η = 0.7 + 0.05 x (α1+ α2) = 0.7 + 0.05 x (1+7,33) = 1,12
η = 0.85 + 0.05* α min = 0.85 + 0.05 x 1 = 0.9

logo : η = 1,12

l = 5,8 m
l0x = η * l = 1,12*5,8 = 6.50 m

𝑏 𝑥 ℎ3 0.35 𝑥 0.803
Ix = = = 0,015m4 A = 0,35 x 0,80 = 0,28 m2
12 12

𝐼 0,15
i = √𝐴 = √0,28 = 0,73

𝑙𝑜𝑥 6,50
λx = = 0,73 = 8,90
𝑖

Art. 64 º / REBAP
λMÁX.= 140, como 8,90 < 140 Verifica.

32
Direcção y:

Cálculo de (η; lo; i ; ʎ )

α1 = 1

α2 = 5,37

Considerou-se o menor dos seguintes valores :


η = 0.7 + 0.05 x (α1+ α2) = 0.7 + 0.05 x (1+5,37) = 1,02
η = 0.85 + 0.05* α min = 0.85 + 0.05 x 1 = 0.9

logo : η = 1,02

l = 5,8 m
loy = η * l = 1,02*5,8 = 5,91 m

ℎ 𝑥 𝑏3 0.80 𝑥 0.353
Iy = = = 0,0029m4 A = 0,35 x 0,80 = 0,28 m2
12 12

𝐼 0,0029
i = √𝐴 = √ = 0,10
0,28

𝑙𝑜𝑥 5,90
λy = 𝑖
= 0,10 = 59,07

Art. 64 º / REBAP λMÁX.= 140, como 59,07< 140 Verifica.

Consideração da Encurvadura

Se uma das seguintes condições for verificada, pode-se dispensar a encurvadura Artigo 61.4 º
REBAP.

- 1ª condição :

Para λ ≤ 70 => Msd / Nsd ≥ 3.5* h

33
Para λ > 70 => ( Msd / Nsd) ≫ 3.5 x h x ( λ / 70 )

- 2ª condição

λ ≤ 50 – 15 x (Msd,b / Msda)

Análise
λ = 59,07

- 1ª condição :

Msd / Nsd ≥ 3.5* h

Msd / Nsd → 448,6 / 3761,9 = 0,12

3.5* h → 3.5 x 0.80 = 2.8

0,12 < 2,8 → Não verifica

- 2ª condição

λ ≤ 50 – 15 x (Msd,b / Msda)

59,07 > 50 – 15 x (443.4 / 448,6)

59,07 > 35.17 → Não verifica

Excentricidades

Efeitos de segunda ordem

5
e2 = ℎ x 10−3 𝑥 η

5
e2 = 0,80 x 10−3 𝑥 0,60

e2 = 0,00375

0,4 𝑥𝑓𝑐𝑑 𝑥 𝐴𝑐
η= 𝑁𝑠𝑑

34
0,4 𝑥20𝑥103 𝑥 0,28
η= 3761,9

η = 0,60

Esforços finais

Os esforços finais resultam do seguinte modo:


Nsd =Nsd= 3761,9 KN
M2 = Nsd x e2 → M2 = 3761,9 KN x 0,00375 m → M2 = 14.11 KN.m

Calculo de Armaduras no Pilar:

𝑀𝑠𝑑𝑥 448.6
ey = = 3761,9 = 0.12
𝑁𝑠𝑑

𝑀𝑠𝑑𝑦 14.11
ex = = 3761,9 = 0.0038
𝑁𝑠𝑑

𝑒𝑦 0.12 ℎ 0.80
= 0.0038 = 31.58 = = 2.29
𝑒𝑥 𝑏 0.35

𝑒𝑦 ℎ
Como ≥ → A orientacaoda secção foi corretamente feita.
𝑒𝑥 𝑏

𝑁𝑠𝑑
V = 𝑏𝑥ℎ𝑥 𝑓𝑐𝑑

3761.9
V = 0.35 𝑥 0.80 𝑥 20 𝑥 103

V = 0.67


eˋy = ey + β ex 𝑏

0.80
eˋy = 0.12 + 0.7x 0.0038 0.35

eˋy = 0.13 m

Mˋsdx = eˋy × Nsd → 0.13m× 3761.9 = 489.05 KN.m

Mˋsdx
μ= 𝑏×ℎ2 ×𝑓𝑐𝑑

35
489.05
μ= 0.35×0.802 ×20×103

μ= 0.11

v c= v − 0.85

v c= 0.67 − 0.85

v c= - 0.18

𝑎
λ = 0,5- ℎ

0.025
λ = 0,5- 0.80

λ = 0.47

𝜇 +055 𝑉𝑉𝑐
ω= λ𝛽

0.11 +055𝑥 0.67𝑥0.18


ω= 0.47x 0.77

ω =0.49

𝑤𝑏ℎ 𝑓𝑐𝑑
A=A ˋ= × 𝑓𝑠𝑦𝑑
2

0.49𝑥35𝑥80 20
A=A ˋ= × 348
2

A=A ˋ= 39.43 Cm2

Fundações

Considerando pilar com Nsd maior temos:

Nsd = 3761.9KN

Vsd = 158.3 KN

Msd = 448.6 KN.m

36
δ adm solo = 0,5 Mpa = 4000 Kpa

ᵠ = 35 °
Geometria :

( Pré - dimensionamento)

δ base da sapata = N / A ≤ δ adm

Área(sap) ≥ N / δ adm = 3761.9 / 500 = 7.52 m 2

Considerando a sapata quadrada tem- se que :

Área(sapata) = A × B = 7.52 m² => A = B = √7.52 = 2.74 m

Adoptando ; A = B = 3 m

Determinação da altura H da sapata rígida:

Para ser uma sapata rígida temos que ;

H ≥ L / 2 , em que:

- H é a altura da sapata

- L = (A - a) / 2

Assim temos que;

H ≥ ( A - a ) / 4 <=> H ≥ ( 3 - 0,35 ) / 4 <=> H ≥ 0,6625 m

=> Adoptou-se H= 0,7

37
Cálculo do esforços:

P.P. sapata = a × b × H × gama do betão = 3 × 3 × 0,7 × 25 = 157.5 KN

N` = Nsd + P.P. sapata = 3761.9 + 157.5= 3919.4 KN

V` = 158.3 KN

M` = Msd + V` × H = 448.6 +158.3 × 0,7 = 559.41 KN.m

Comprimento da consola: (Método da consola)

L = A / 2 - 0,35 × a = 3 / 2 - 0,35 × 0,35 = 1,3775 m

Tensão exercida sobre o solo:

δadm = Nsd / Área(sap) = 3919.4 / 9 = 435.49 KN / m²

38
Cálculo da armadura principal :

Considerou - se :
Recobrimento = 0,05 m => d = H - 0,05 = 0,7 -0,05 = 0,65 m

Esforços actuantes:

Msd = ( P × L² ) / 2 = (435.49×1,37752 ) / 2 = 413,17 KN m /m

Vsd = P × L = 435.49×1,3775 = 599.89 KN / m

Método para o cálculo da armadura:

V = 0,85 × fcd × b × d = 0,85 × 20 × 10 ³ × 1 × 0,65 = 11050 KN / m

Vd = V × d = 11050 × 0,65 = 7182.5

μ = Msd / Vd = 1,5 × 413.17 / 7182,5 = 0,086 < 0,31

( y / d ) = 1- √1 − 2𝑥0,086 = 0.090

As = (0.090 × 11050 ) / 34,8 = 28.58 cm 2 /m

Armadura mínima ( Artigo 90 REBAP )

As min = ( ρ × b × d ) / 100 = ( 0,15 ×100 × 65 ) / 100 = 9,8 cm² /m

39
40