Vous êtes sur la page 1sur 1

Mecanismos Alternativos de Resolução de Cibflitos (Alternative Dispute Resolution-A.D.R.

)


a) Reconhecimento e aceitar que se vive uma situação de
conflito.
b) Ter vontade e disposição para realizar um processo de
resolução de conflito.
Premissas básicas para c) Reconhecer o direito e a legitimidade de ambas partes
intervir num conflito para formular suas necessidades e interesses.
d) Estar disposto(a) a salvaguardar os interesses
fundamentais ou integridade de ambas partes.
e) Estar disposto a iniciar(a) a iniciar um intercâmbio de
mutual dependência, que inclua os grupos implicados

Modos de entender, analisar e enfocar a resolução de conflitos

Sistema frustrante. A resolução de conflitos está Sistema efetivo. Estabelece como fundamental para
relacionada com o poder que tenham as partes que se entender, analisar e resolver o conflito, a partir de uma
enfrentam. relação entre as pessoas envolvidas donde levam-se em conta
os seus direitos.

Sistema não-adversativo. São comunicação, Sistema Adversativo. São a arbitragem e o litígio.


facilitação, mediação, conciliação, processos Alguns autores colocam também os processos
colaborativos ou construção de consensos e eleitorais ou os que usam votação como
planificação colaborativa mecanismo de decisão

Negociação. Mecanismo de resolução de conflitos entre duas ou mais partes,


mediante o qual, a partir de um processo de comunicação efetiva entre as partes
envolvidas, modificam-se suas demandas originais até chegar a um compromisso
aceitável.

Mediação. Participação voluntária de um agente externo, imparcial (mais ou


menos neutro), que mediante um processo estruturado ajuda aos e os negociadores
Formas alternativas de num conflito a identificar seus interesses e resolver as diferenças, para chegar a
resolução de conflitos um acordo mutuamente aceitado.

Conciliação, forma de intervenção ativa. Mecanismo através do qual as pessoas


ou partes envolvidas num conflito podem resolve-lo mediante um acordo
satisfatório, apoiados pela intervenção de uma pessoa externa (conciliador), que
atua com o consentimento das partes ou por mandato de lei, para lograr um
acordo que beneficie as pessoas em confronto, e complemente o sistema
tradicional de justice mediante um processo breve. Sempre é regulada por
ordenamentos jurídicos.

Fonte: Comisión de Derechos Humanos del Districto Federal, 2011: 30