Vous êtes sur la page 1sur 4

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA BAHIA

2ª TURMA RECURSAL DOS JUIZADOS ESPECIAIS


Num. Processo : 0000589-35.2015.8.05.0039

Classe : RECURSO INOMINADO


Recorrente(s) : CARGILL AGRICOLA S A
Recorrido(s) : CLAUDIO JOSE DE CARVALHO

Origem :
2ª VARA DO SISTEMA DOS JUIZADOS - CAMAÇARI
Relatora Juíza : MARIA AUXILIADORA SOBRAL LEITE

VOTO-E M E N T A

RECURSO INOMINADO. CONSUMIDOR. AÇÃO INDENIZATÓRIA POR


DANOS MORAIS. CORPO ESTRANHO EM PRODUTO ALIMENTÍCIO.
ART.12 DO CDC. DEFEITO DO PRODUTO. RISCO À SAÚDE E
SEGURANÇA DA PARTE AUTORA. RÉU QUE NÃO COMPROVA A
INEXISTÊNCIA DE IRREGULARIDADES. LAUDOS TÉCNICOS
GENÉRICOS. . DANOS MORAIS CONFIGURADOS NO CASO
CONCRETO. QUANTUM ARBITRADO DEACORDO COM OS
PARÂMETROS DA RAZOABILIDADE E PROPORCIONALIDADE.
SENTENÇA MANTIDA.

1. Trata-se de recurso inominado interposto por CARGILL AGRÍCOLA


S.A. contra sentença que julgou parcialmente procedente a ação, nestes
termos: “Ante o exposto, JULGO PARCIALMENTE PROCEDENTE o pedido contido
na inicial para CONDENAR A ACIONADA CARGILL AGRÍCOLA S.A. A PAGAR
DANOS MORAIS A PARTE AUTORA NO VALOR DE R$ R$ 2.500,00 (dois mil e
quinhentos reais), observando que os juros moratórios e a correção monetária devem

.
fluir a partir da sentença, utilizando-se do índice do INPC ”.

2. Alega a parte autora que adquiriu junto às empresas demandadas


produto consistente em extrato de tomate, e que , dois dias após a compra,
ao abri-lo, constatou a presença de corpo estranho. Segue aduzindo que
buscou a substituição do produto junto às demandadas, sem êxito, pelo
quê requereu indenização pelos danos morais sofridos.
3. A recorrente busca a reforma da sentença, aduzindo, em síntese, que
não há provas acerca do quanto alegado pela parte autora, bem como
inexiste nexo de causalidade entre o dano que alega ter sofrido e a conduta
imputada, inexistindo, por conseguinte, dever de indenizar. Impugna, de
igual modo, a existência de danos morais.

4. Em que pese o quanto alegado pela parte demandada, esta não faz
prova de fato impeditivo, modificativo ou extintivo do direito da parte autora.
Com efeito. Os laudos técnicos juntados pela ré não especificam a qual
produto individualmente considerado se refere, mas tão somente analisa
determinado lote de produto da mesma espécie, sendo incabível como
meio d prova acerca da inexistência do corpo estranho. Ademais, a parte
autora colaciona as fotos, sendo a sua narrativa dotada de
verossimilhança, sendo hipótese de inversão do ônus da prova, nos termos
do art.6o, inciso VIII do CDC.
5. O conjunto probatório demonstrou cabalmente a ocorrência do dano
moral que muito mais que aborrecimento e contratempo, resultou em
situação que por certo lhe trouxe intranqüilidade e sofrimento. máxime
levando em conta a jsuta expectativa da parte autora de usufruir do produto
adquirido, que fora frustrada no caso em comento, sendo ademais, clara a
responsabilidade pelas empresas que fornecem os seus produtos no
mercado de consumo. Patente, ademais., o potencial lesivo e risco à saúde
e segurança advindos à parte autora, sendo portanto imperioso o
reconhecimento dos danos morais na espécie.
6. No particular, o prudente arbítrio do magistrado exige não deva ser
considerada, apenas, a situação econômica do causador do dano, porque,
se tal for o critério, resvalar-se-á para o extremo oposto, com amplas
possibilidades de propiciar ao ofendido o enriquecimento sem causa. Há
que se atender, porém, e também com moderação, ao efeito inibidor da
atitude repugnada.
7. O valor da indenização fixado pelo juiz sentenciante, a título de
danos morais, guarda compatibilidade com o comportamento do recorrente
e com a repercussão do fato na esfera pessoal da vítima e, ainda, está em
harmonia com os princípios da razoabilidade e proporcionalidade, devendo
ser mantido.
8. ISTO POSTO, voto no sentido de CONHECER DO RECURSO E
NEGARLHE PROVIMENTO, para manter a sentença objurgada pelos
próprios fundamentos. Custas processuais e hnorários advocatícios
pelo recorrente, que arbitro em 20% sobre o valor da condenação.
Salvador, Sala das Sessões, 21 de Julho de 2016.
BELA. MARIA AUXILIADORA SOBRAL LEITE
Juíza Relatora
BELA. ISABELA KRUSCHEWSKY PEDREIRA DA SILVA
Juíza Presidente
PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA BAHIA
2ª TURMA RECURSAL DOS JUIZADOS ESPECIAIS

Num. Processo : 0000589-35.2015.8.05.0039

Classe : RECURSO INOMINADO


Recorrente(s) : CARGILL AGRICOLA S A
Recorrido(s) : CLAUDIO JOSE DE CARVALHO

Origem :
2ª VARA DO SISTEMA DOS JUIZADOS - CAMAÇARI
Relatora Juíza : MARIA AUXILIADORA SOBRAL LEITE

ACÓRDÃO

Acordam as Senhoras Juízas da 2ª Turma Recursal dos Juizados Especiais Cíveis e


Criminais do Tribunal de Justiça do Estado da Bahia, MARIA AUXILIADORA
SOBRAL LEITE – Relatora , CÉLIA MARIA CARDOZO DOS REIS QUEIROZ e
ISABELA KRUSCHEWSKY PEDREIRA DA SILVA, Presidente, em proferir a seguinte
decisão: RECURSO CONHECIDO E IMPROVIDO. de acordo com a ata do julgamento.
Custas processuais e honorários advocatícios pelo recorrente, que arbitro em 20% sobre
o valor da condenação. .
Salvador, Sala das Sessões, 21 de Julho de 2016

Bela. MARIA AUXILIADORA SOBRAL LEITE


Juíza Relatora
Bela. ISABELA KRUSCHEWSKY PEDREIRA DA SILVA
Juíza Relatora