Vous êtes sur la page 1sur 66

1

SUZANA CARDOSO CARVALHO

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO EM SAÚDE DO TRABALHADOR NA


ATENÇÃO BÁSICA: ESTUDO A PARTIR DE UMA UNIDADE DE
SAÚDE DA FAMILIA

JOÃO PESSOA
2010
2

SUZANA CARDOSO CARVALHO

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO EM SAÚDE DO TRABALHADOR NA


ATENÇÃO BÁSICA: ESTUDO A PARTIR DE UMA UNIDADE DE
SAÚDE DA FAMILIA

Monografia apresentada ao Centro


Universitário de João Pessoa – UNIPÊ, em
cumprimento dos requisitos necessários para a
obtenção do Grau de Bacharel em Fisioterapia
sob a orientação da professora Ms Alecsandra
Ferreira Tomaz e co-orientação do professor
Ms Dailton Alencar Lucas de Lacerda.

JOÃO PESSOA
2010
3

SUZANA CARDOSO CARVALHO

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO EM SAÚDE DO TRABALHADOR NA


ATENÇÃO BÁSICA: ESTUDO A PARTIR DE UMA UNIDADE DE
SAÚDE DA FAMILIA

Aprovado em __/ __/ __ .


João Pessoa, PB

BANCA EXAMINADORA

Presidente – Orientadora
Profª. Dtd.Alecsandra Ferreira Tomaz

Profª. Dr.Ana Cristina da Nóbrega Marinho Torres Leite


1º Membro

Prof. Ms. Christiane Kelen Lucena da Costa


2º Membro
4

C381p Carvalho, Suzana Cardoso.


Perfil epidemiológico em saúde do trabalhador
na atenção básica: Estudo a partir de uma Unidade de Saúde da
Família/ Suzana Cardoso Carvalho. -- João
Pessoa, 2010.
66f.

Monografia (Curso de Graduação em Fisioterapia) –


Centro Universitário de João Pessoa - UNIPÊ
1. Saúde do trabalhador. 2. Atenção Básica.
I. Título.

UNIPÊ / BC CDU616-036.22
5

Dedico esse estudo primeiramente a Deus,


que ao se fazer homem provou a importância
da luta e do desejo de construção de uma
sociedade mais humana e justa. A minha mãe
e minha família, que me geraram e me
entregaram a Deus para ser obra nessa
sociedade e, por fim, a Comunidade Maria de
Nazaré que me dá esperanças e fé na
humanidade e na vida.
6

AGRADECIMENTOS

Aquele que me permitiu e me permite a existência e quem me oportunizou todas as


minhas conquistas e vitórias, me guiando sempre pelo caminho da verdade e da felicidade.
Obrigada, Senhor meu Deus pai.

À mãe que amo desde o momento que me foi agraciada pelo Criador para ser sua
filha; à irmã maravilhosa que tenho e minha avó, Adelaide, as quais sempre foram para mim,
exemplos de vida, de coragem, luta e respeito. Acrescento aqui os agradecimentos ao meu
falecido e amado avô pelo caráter que tento seguir e ao meu amigo pai pela vida.

À minha família como um todo, sinto me agradecida por ter sido gerada neste berço.
Agradeço especialmente a minha tia Helenita, meus primos Francisco e Júlio, aos meus tios
Robson e Elza, e aos demais que sempre me apoiaram e auxiliaram no limite de suas
possibilidades.

Às colegas da turma que se tornaram amigas de toda uma vida e as suas famílias:
Euda, Renata, Rhayssa, Erlânia, Polliana, Janaína. Agradeço por sempre estarem comigo nos
momentos alegres e nos mais difíceis, como os verdadeiros amigos. E ao grupo C que juntos
construímos entendimentos e superamos desentendimentos: Janaína e o pequeno Gael,
Evellyn, Lucimara, Shirley, Fernanda Maria, Carleane, Kelly, Vanessa, Raissa, Samara Lígia,
Ellen e Clizaldo.

Ao grupo PEPAST e PEPASF onde me deixei envolver por pessoas que acreditavam
em sentimentos e ideais de luta, honestidade, compromisso social e educação popular, e que
permitiram acreditar na construção de um mundo melhor. Agradeço, especialmente, a quem é
quase um pai para mim, Dailton Lacerda que me ergueu a mão quando mais precisei e ao
CEREST Regional na pessoa de Kléber que me ofereceu todo apoio necessário.

À Comunidade Maria de Nazaré, uma comunidade exemplo de luta e coragem, e


àqueles que a compõe, moradores que direta e indiretamente me encharcaram de vontade e de
esperança por novos e melhores dias. À equipe de Saúde da Família Maria de Nazaré
7

especialmente às ACS que merecem a glória deste trabalho: Neide, Hosana, Nerizelda,
Michelle e Cacilda.

Aos professores e mestres que me guiaram pelo caminho do conhecimento e


particularmente àquelas que na reta final se mostraram mais que doutores do conhecimento,
Ms. Alecsandra Tomaz, Ms. Maria Mercês, Dr. Ana Cristina, Ms. Fabiana Veloso e Janayna.

Aos amigos que muito me auxiliaram direta e indiretamente na realização deste


estudo. Agradeço a todos na pessoa de Elisângela, Sebastião, Francielle, Nawdson, Nil,
Yullia, Aedla, Ronaldo, Rodrigo, Alex, Hyalle e Vera.
8

“Sonha e serás livre de Espírito, luta e serás livre na vida”


Ernesto Che Guevara
9

RESUMO

CARVALHO, S C. Perfil Epidemiológico em Saúde do Trabalhador na Atenção Básica:


Estudo a partir de uma Unidade de Saúde da Família. Monografia do Curso de Graduação
em Fisioterapia. Centro Universitário de João Pessoa, 2010.1.

O trabalho garante ao homem dignidade, no entanto, o mesmo pode ser fonte de sofrimento e
doenças. A relação estabelecida entre trabalho e saúde pode ser positiva levando ao bem estar
do trabalhador, mas pode também tornar-se danosa à medida que lesa sua saúde. Atualmente,
diversos órgãos governamentais estão se unindo para efetivação das ações em prol da saúde
do trabalhador incluindo a elaboração de perfis e relatórios epidemiológicos. Nota-se uma
maior preocupação da saúde do trabalhador no Sistema Único de Saúde em particular na rede
básica e ela que vem sendo evidenciada como eixo norteador para a efetivação das ações de
controle e vigilância da saúde dos mesmos. O estudo visa traçar o perfil epidemiológico em
trabalhadores-usuários de uma unidade de saúde da família. Este apresenta caráter descritivo e
transversal, onde foram utilizados dados da ficha A de uma Unidade de Saúde da Família em
João Pessoa- PB. Na análise estatística fez-se uso do software SPSS (versão 13.0) e os testes
de Qui quadrado e de coeficiente de contingência de Pearson. A amostra foi constituída por
356 famílias, totalizando dados de 1336 indivíduos. Constatou-se que a maioria da população
na área é do sexo feminino 54,7% e jovens-adultos, 69,8%. Quanto aos dados de escolaridade,
a taxa de analfabetismo foi alta (11,5%) e esta, estatisticamente, mostrou-se capaz de
interferir na condição de ocupação do indivíduo. A taxa de desemprego foi de 6,9% abaixo da
média do estado, contudo, observa-se um grande percentual de mulheres “inativas” de 22,4%.
Em relação à saúde dos trabalhadores, a doença mais prevalente foi hipertensão arterial
seguida das doenças associadas, diabetes unida à hipertensão arterial. O estudo identificou
altas taxas de analfabetismo e desemprego, baixa atividade econômica e prevalência de
patologias entre os indivíduos ocupados. A partir da correlação dos dados, evidenciou-se que
a condição de saúde é capaz de interferir na posição do trabalhador em ocupado ou não
ocupado no mercado trabalhista, observada predominância da faixa etária de jovens-adultos.
Sugerem-se outros estudos avaliando variáveis não abordadas a fim de ampliar o
conhecimento sobre essa classe. Os dados evidenciam necessidade de políticas e programas
públicos e foco ao instrumento de vigilância para a partir destas ações agir prioritariamente e
obter melhores condições de trabalho e saúde.

PALAVRAS-CHAVES: Saúde do Trabalhador, Atenção Básica, Epidemiologia.


10

ABSTRACT

CARVALHO, S C. Epidemiologic Profile of Occupational Health in Primary Care:


Study from a Family Health Unit. Monograph of the Undergraduate Program in Physical
Therapy.UNIPE,2010.1.

The work provides dignity to man, however, it can be a source of suffering and disease. The
relationship established between work and health can be positive leading to the well being of
the worker, but can become harmful to the extent that damages your health. Currently, several
government agencies are teaming up to accomplish the actions in favor of workers' health
including the development of epidemiological reports and profiles. The workers' health in the
Unified Health System including prioritizing the core network has been identified as a
guideline for the realization of control and health monitoring of them. This study aims to
outline an epidemiological profile in workers-users of primary care. This presents a
descriptive cross-sectional data were used where the sheet A of a Family Health Unit in Joao
Pessoa. Statistical analysis was done using SPSS software (version 13.0) and the chi square
and Pearson's correlation. The sample consisted of 356 families totaling 1336 individuals
data. It was found that the majority of the population in the area is 54.7% female and young-
adult, 69.8%. As for the data of education, the illiteracy rate was high (11.5%) and a
statistically proved capable of interfering with the employment condition of the individual.
The unemployment rate was 6.9% below the state average, however, there are a large
percentage of women "inactive" 22.4%. On the health of workers, the most prevalent disease
was hypertension followed by diseases, diabetes coupled with hypertension. The study
identified high rates of illiteracy, unemployment, low economic activity and the prevalence of
diseases including among busy. From the correlation of the data showed that the health
condition interferes with the position occupied or not occupied in the labor market, observed
prevalence of young-adult age group. It is suggested further studies to evaluate variables not
addressed in order to expand knowledge about this class. This study highlights the need for
public politics aiming to effect the surveillance action and obtain better working conditions
and health.

KEY WORDS: Occupation Health, Primary care, Epidemiology.


11

LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS

ACOMAN Associação Comunitária Maria de Nazaré


ALC Alcoolismo
AVC Acidente Vascular Cerebral
CA Câncer
CAIS Centro de Atenção Integrada a Saúde
CAT Comunicação de Acidente do Trabalho
CBO Classificação Brasileira de Ocupações
CEBES Centro de Brasileiro de Estudos em Saúde
CEREST Centro de Referência em Saúde do Trabalhador
CHA Doença de Chagas
CLT Consolidação das leis trabalhistas
CONASS Conselho Nacional dos Secretários da Saúde.
DEF Deficiência
DIA Diabetes
DME Distúrbio mental
DORT Doenças Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho
EPI Epilepsia
ESF Equipe de Saúde da família
GES Gestação
HAN Hanseníase
HA Hipertensão arterial
IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística
IDB Indicadores e dados básicos para a saúde
IR Insuficiência renal
LOS Lei Orgânica da Saúde
LER Lesão por esforço repetitivo
OPAS Organização Panamericana de Saúde
OIT Organização Internacional do Trabalho
OMS Organização Mundial de Saúde
PEA População economicamente ativa
PEPASF Projeto de Educação Popular na Saúde da Família
PEPAST Projeto de Educação Popular a Atenção a Saúde do Trabalhador
12

PETI Projeto de Erradicação do Trabalho Infantil


PIEA População em Idade Economicamente Ativa
PNSST Política Nacional Brasileira de Segurança e Saúde do Trabalhador
PROESF Projeto de Expansão e Consolidação da Saúde da Família
RENAST Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador
RIPSA Rede Interagencional de Informação para a Saúde
SESSP Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo
SMS Secretaria Municipal de Saúde
SIAB Sistema de Informação da Atenção Básica
SIH Sistema de Informações Hospitalares do SUS
SIM Sistema de Informações de Mortalidade
SINAN Sistema de Informações de Agravos Notificáveis
TB Tuberculose
USF Unidades de Saúde da Família
13

SUMÁRIO
LISTA DE TABELAS................................................................................ 14
LISTA DE FIGURAS .................................................................................. 15
1 INTRODUÇÃO........................................................................................... 16
2 REFERENCIAL TEÓRICO................................................................................. 19
2.1 O MUNDO DO TRABALHO........................................................................................ 19
2.2 A RELAÇÃO SAÚDE E TRABALHO........................................................................ 20
2.3 A SAÚDE DO TRABALHADOR: SUA DEFINIÇÃO E TRAJETÓRIA .................. 22
2.3.1 A Reforma Sanitária e a Saúde do Trabalhador.................................................... 24
2.4 A POLÍTICA DE ESTRUTURAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA ............................... 25
2.5 INDICADORES DA SAÚDE E A SAÚDE DO TRABALHADOR............................ 29
2.6 SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA ......................................... 31
2.7 O MODELO ASSISTENCIAL À SAÚDE DO TRABALHADOR EM JOÃO
34
PESSOA...............................................................................................................................
2.7.1 A Saúde do Trabalhador Na Atenção Básica: A Experiência da USF Maria de
35
Nazaré .................................................................................................................................
2.7.2 A Comunidade ou Favela Maria de Nazaré e o Bairro Funcionários III............ 37
3 METODOLOGIA ................................................................................................... 38
3.1 CARACTERIZAÇÃO DA PESQUISA........................................................................ 38
3.2 UNIVERSO E AMOSTRA............................................................................................ 39
3.3 INSTRUMENTOS E COLETA DE DADOS................................................................ 39
3.4 VARIÁVEIS DE ESTUDO .......................................................................................... 41
3.5 ANÁLISE DOS DADOS............................................................................................... 42
3.6 ÉTICA NA PESQUISA................................................................................................. 42
4 RESULTADOS E DISCUSSÕES........................................................................ 43
4.1 DADOS DEMOGRÁFICOS E SOCIOECONÔMICOS............................................... 43
4.2 CORRELAÇÕES VARIÁVEIS SOCIAS E CONDIÇÃO DE SAÚDE....................... 49
5 CONSIDERAÇÕES FINAIS................................................................................ 54
REFERÊNCIAS............................................................................................................ 57
APÊNDICE..................................................................................................................... 62
FORMULÁRIO DOS DADOS SOCIOECONOMICOS E DE SAÚDE........................... 62
ANEXOS.......................................................................................................................... 63
FICHA A.............................................................................................................................. 63
CERTIFICADO DO COMITE DE ÉTICA......................................................................... 65
ENCAMINHAMENTO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE.......................... 66
14

LISTA DE TABELAS

TABELA 1: Relação entre a época de formação dos conjuntos residenciais e favelas...... 34


TABELA 2: Distribuição do número e percentual de famílias de cada microárea dentro
41
da amostra...........................................................................................................................
TABELA 3: Distribuição do número de usuários entre a população enquadrada como
45
não ocupada.........................................................................................................................
TABELA 4: Distribuição dos usuários em grupos ocupacionais por determinada faixa
46
etária.....................................................................................................................................
TABELA 5: Distribuição do número dos usuários não ocupados segundo as patologias
48
referidas e ausentes..............................................................................................................
TABELA 6: Distribuição do número dos usuários ocupados segundo as patologias e
48
condições referidas e ausentes.............................................................................................
TABELA 7: Distribuição da condição ocupacional segundo as doenças associadas e
49
condições referidas...............................................................................................................
TABELA 8: Coeficiente de Contingência.......................................................................... 50
15

LISTA DE FIGURAS

FIGURAS 1: Divisão do Município de João Pessoa em seus Distritos Sanitários em


36
2006.......................................................................................................................................
FIGURAS 2: Distribuição do número de usuários da USF pela categoria etária.............. 42
FIGURAS 3: Distribuição da população ocupada na área de abrangência da USF Maria
44
de Nazaré segundo os grupos ocupacionais.........................................................................
FIGURAS 4 Distribuição do número de alfabetizados e não alfabetizados em relação à
47
condição ocupacional: ocupado ou não ocupado................................................................
16

1 INTRODUÇÃO
“... sem seu trabalho, o homem não tem honra. Sem a
sua honra, se morre se mata”
Gonzaguinha

O trabalho permite ao homem obter sua identidade e dignidade, no entanto, ao passo


que por meio da sua atividade laboral este adquire dignidade através da emancipação
financeira e pessoal, pode ser fonte de sofrimento e doenças quando lesa a saúde do
trabalhador. Compreende-se assim que existe uma relação entre trabalho e saúde. No Brasil
atual, essa relação já é reconhecida e à medida que novas discussões nesta área se dão,
consolida-se uma política pública institucional formulada com base nos princípios do Sistema
Público Brasileiro, o SUS, tratando dessa questão visando proteger o trabalhador e o
empregador (MENDES, 2007a; BRASIL, 2005).
O SUS foi implantado a partir da Lei Orgânica da Saúde (LOS) nº 8.080 e inclui em
sua pauta o campo da saúde do trabalhador como prioridade ao Sistema. A construção deste
campo foi resultado da reforma sanitária vivida pelo Brasil na década de 70 e 80 da qual
inclusive foi o grande pontapé da LOS e do SUS. É interessante entender que este segmento
revela-se como um corpo de articulações interdisciplinares e interinstitucionais direcionadas
às necessidades individuais e coletivas dos trabalhadores avaliando um contorno
socioeconômico, cultural e das relações saúde, doença e trabalho (GOMEZ; COSTA, 2007).
Contudo, no país apesar do campo de saúde do trabalhador ser reconhecido pela
legislação suas ações de vigilância e atenção à saúde precisam ainda ser efetivadas e neste
sentido setores devem trabalhar mais articulados. Os setores envolvidos são: as três divisões
básicas do SUS: alta complexidade (Hospitais especializados), média complexidade (Centros
de Atenção a Saúde) e baixa complexidade (Unidades de Saúde da Família), o Ministério do
Trabalho, a Previdência Social e os Centro de Referência, auxiliados inclusive pela esfera
acadêmica (BRASIL, 2004; MAEMO; CARMO, 2005).
Ao setor de baixa complexidade do SUS, a Unidade de Saúde da Família coube uma
série de ações destinadas a esse contingente populacional tais como notificar agravos à saúde
do trabalhador, acompanhar os mesmos envolvendo fundamentalmente atividades de
promoção, proteção à saúde e reabilitação como prevê a Política Nacional de Saúde do
Trabalhador e finalmente a Rede Nacional da Saúde do Trabalhador. Esta rede nada mais é do
que uma proposta do Ministério da Saúde para garantir ao trabalhador o direito de realizar seu
ofício em condições que contribuam para a melhoria de sua qualidade de vida, sem prejuízo
17

para sua saúde e integridade (BRASIL, 2004; BRASIL, 2006; FAVORETTO; CAMARGO,
2002).
Dados quantitativos sobre a classe laboral do Brasil nos fornecem uma básica visão
das condições vividas pela classe, e são estimados por meio de pesquisas tanto do instituto
IBGE, quanto do SUS e da Previdência e Seguridade Social. Através dos mesmos, podemos
conhecer melhor a divisão de mercado e entender em quais condições está essa população
trabalhadora, que em 2001 foi registrado um total acima dos 76 milhões de indivíduos o que
representa maioria da população num cenário demográfico brasileiro (IBGE, 2005).
As Unidades de Saúde da Família (USF) possuem desde sua formação um sistema de
cadastro com dados demográficos, socioeconômicos e de morbidade da população adstrita a
cada unidade. Por intermédio dos Distritos Sanitários e Secretarias de Saúde, esses dados se
organizam para constituição de relatórios periódicos. Estes documentos visam garantir a
equidade dos repasses financeiros públicos e permitir um melhor acompanhamento dos
indicadores locais como taxas de analfabetismo, taxas de desemprego, doenças prevalentes
entre outros. Permitem assim a caracterização da comunidade traduzindo suas necessidades
(BRASIL, 2000b).
Mendes (2007a), Wunsh (2006), Maemo e Carmo (2005) e Ribeiro (2004) afirmam
que vem se construindo cada vez mais relatórios e pesquisas na área de saúde do trabalhador,
o que demonstra a crescente preocupação em organizar e sistematizar esse campo, embora os
mesmos autores mencionem que muitos tópicos precisem ainda ser adequadamente tratados.
A causa para a falha dos sistemas de informação parece ser identificada como a escassez e
inconsistência de dados e ausência de maior tratamento dos mesmos. Desta forma, avalia-se
que a sociedade é privada ainda de instrumentos importantes para a melhoria das condições de
vida e trabalho.
A Política Nacional de Segurança e Saúde do Trabalhador descrita em Brasil (2004)
ressalta que a elaboração de perfis e relatórios que caracterizem a necessidade da população
trabalhadora pode contribuir na construção de bases de dados que facilitem e orientem a
elaboração de estratégias de enfrentamento e articulações para o setor.
A partir da percepção adquirida em dois anos de experiência pessoal e acadêmica
realizada na atividade de extensão do Projeto Educação Popular e Atenção à Saúde do
Trabalhador (PEPAST) da Universidade Federal da Paraíba a qual se orienta por uma
proposta interdisciplinar, interinstitucional e intersetorial onde há a participação de
acadêmicos de diversas instituições e cursos e vários parceiros como os Centros de
Referências em Saúde do Trabalhador - CEREST estadual e regional, ao Distrito Sanitário II e
18

III respectivamente através da Unidade Saúde da Família (USF) Maria de Nazaré, e da


unidade sentinela Centro de Atenção Integral em Saúde do Trabalhador de Mangabeira. O
projeto e seus participantes perceberam e se sensibilizaram pelas dificuldades de atenção ao
trabalhador no município, geradas inclusive pela escassez de informação em dados da
situação local sobre a saúde do trabalhador. Esta situação é comum e nacionalmente já
documentada em Spedo (1998), Tomas et Al.(2003); Maemo e Carmo (2005); Gomez e Lacaz
(2005), Wunsh (2006).
A realização do estudo naquela localidade se deu pelo fato desta ser uma das
parceiras do PEPAST e pela mesma ser considerada uma unidade parceira peculiar, pois, vem
sendo indicada como unidade modelo para concretização do processo qualificação da
assistência em saúde do trabalhador na atenção básica como forma de descentralizar e
multiplicar as ações, uma das propostas do Plano Municipal de Assistência à Saúde de João
Pessoa (CEREST, 2009).
O estudo vem apresentar o perfil epidemiológico em saúde do trabalhador da área de
abrangência da USF na cidade de João Pessoa a fim de caracterizar a comunidade do ponto de
vista socioeconômico e ocupacional, correlacionando variáveis sociais e condições de saúde.
Nas páginas que se seguem constam um referencial teórico onde será abordado o
conceito e divisão de mercado do trabalho, a relação trabalho e saúde, a conquista e história
da saúde do trabalhador e da atenção básica, os indicadores brasileiros sobre trabalho e saúde,
a implantação da política de saúde do trabalhador na atenção básica, o modelo assistencial em
João Pessoa e uma visão básica sobre a USF e a área onde foram coletados os dados;
prossegue a descrição da metodologia utilizada, os resultados e discussões que confrontando e
refletem os resultados observados com dados do município, regionais e nacionais. Por fim,
estão as considerações finais e são disponibilizados as referências e documentos deliberativos
para a realização da pesquisa.
19

2 REFERENCIAL TEÓRICO

2.1 O MUNDO DO TRABALHO

Desde a antiguidade, o trabalho vem sendo posicionado em dois pólos distintos:


como expressão de vida e degradação, criação e infelicidade, atividade vital e escravidão, ora
cultuado pelo seu lado positivo, ora pelos seus traços negativos (ANTUNES, 2000).
Karl Marx, um dos maiores pensadores sobre as relações de trabalho e sociedade,
avalia o lado positivo dessa relação ao resgatar a longa história da atividade humana,
observou que por meio do trabalho o homem conquistou dignidade e humanidade o que o
distinguiu dos outros animais. Assim, o trabalho passou a ser condição útil e indispensável à
existência do homem, sendo este o intercâmbio para com a natureza. O homem através dele
passou a adquirir valores de uso, maior conforto e segurança a si e aos seus próximos.
(MENDES, 2007a; MARX; ENGELS, 1999).
No entanto, ao passo que o trabalho tem essa representatividade na vida social do ser
humano, pode ser a fonte de exploração do humano sobre o humano, reduzindo o seu
potencial de emancipação, tornando-se fonte de infelicidade social. Isto foi mais notado após
a Revolução Industrial Mundial do século XVIII e XIX, quando trabalho e lucro passou a
possuir uma relação direta e estimularam a exploração intensa e inumana do trabalhador
(MARX; ENGELS, 1999)
Ianni (1994), Borges e Druck (1993) mencionam que atualmente vivemos num
avançar na dinâmica das relações de trabalho, onde é possível notar a preponderância do setor
terciário como empregador, diferente da explosão industrial dos séculos anteriores quando o
setor secundário foi o principal empregador. Uma grande agente dessa nova divisão
internacional do trabalho foi a globalização que contribuiu para envolvimento e união dos
mercados e países. Os mercados tornaram-se mais instáveis e extremamente disputados. A
situação é mais notável nos países mais desenvolvidos apesar do avançar para um
envolvimento de todo o mundo.
Atualmente, visualiza-se um mercado trabalhista segmentado não somente em
assalariados rurais e urbanos, pois a terceirização e subcontratação entre outras formas de
informalização do trabalho foram consideradas. O Brasil seguiu essa perspectiva mundial de
segmentação do trabalho dividindo, portanto, em formal e informal. Entretanto, a definição de
formalidade até hoje é um tema controverso. Compreende-se como consenso na literatura que
a linha divisória básica brasileira entre a formalidade e informalidade do trabalho é o acesso à
20

carteira de trabalho. Os empregados com carteira de trabalho correspondem ao mercado


formal, enquanto aqueles que trabalham por conta própria ou não possuem carteira de
trabalho são denominados informais (SILVA; KASSOUF, 2000, IOL/OIT, 2009, ANTUNES,
2000).
Esta nova face do mercado produtivo tem criado questões sociais agravantes como o
desemprego cíclico e estrutural, o crescimento de contingentes situados na condição de
subclasse, a superexploração da força de trabalho, a migração de indivíduos e grupos em
busca de trabalho e a redução do número de trabalhadores submetidos a vínculos
empregatícios institucionalizados e protegidos pelas regras do Estado de Bem Estar
(BORGES; DRUCK, 1993).
Neste contexto de definições, é preciso entender o que representa a classe
trabalhadora e quais são seus direitos. Desta forma, o trabalhador é conceituado como todo
homem ou mulher que exerce atividades para sustento próprio e/ou de seus dependentes,
qualquer que seja sua forma de inserção no mercado de trabalho, no setor formal ou informal
da economia. São incluídos aqueles que exercem atividades não remuneradas, participantes de
atividades econômicas na moradia, aprendizes ou estagiário e também aqueles que temporária
ou definitivamente estão afastados do mercado de trabalho por doença, aposentadoria ou
desemprego (BRASIL, 2004).
Como Carta Magna do país, a Constituição Brasileira de 1988, esta reserva ao
trabalhador, direitos que visem à melhoria de sua condição social esteja esse em território
urbano ou rural, tais como: salário mínimo, fixado em lei, unificado e digno, capaz de atender
a suas necessidades vitais básicas e às de sua família com moradia, alimentação, educação,
saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social, com reajustes periódicos;
segurança no trabalho através da redução dos riscos inerentes ao trabalho, por meio de normas
de saúde, higiene e segurança, além do fornecimento de remunerações por insalubridade; a
aposentadoria e demais benefícios como o seguro contra acidentes de trabalho, o salário-
maternidade e o auxílio-doença. Sendo, por fim, assegurada a participação dos trabalhadores e
empregadores nos colegiados dos órgãos públicos em busca de seus interesses profissionais
ou previdenciários (CONSTITUIÇÃO FEDERAL, 2010; BRASIL, 2005).

2.2 A RELAÇÃO SAÚDE E TRABALHO

Mendes (2007a) e Mendes (2007b) mencionam que o trabalho não é apenas um


teatro de investimentos subjetivo, ele é também um espaço de construção do sentido e,
21

portanto, da construção da identidade e história de cada sujeito. Revela-se que ao passo que o
homem constrói e ocupa um lugar significativo no processo de emancipação sobre a própria
natureza, luta contra a ameaça de tornar-se doente e conservar a sua normalidade. Avalia-se
assim que a relação estabelecida entre trabalho e saúde pode ser positiva levando ao bem estar
pessoal, mas pode tornar-se danosa à medida que lesa direta ou indiretamente a saúde do
sujeito trabalhador.
O pai da medicina do trabalho, Ramazzini, observou e relatou bem esses riscos a
saúde proveniente do trabalho e como causas patogênicas do mesmo incluíram as condições
de risco como a manipulação e/ou inalação de produtos que põe em perigo a saúde do
trabalhador e a exigência de posturas, movimentos, gestos e ritmos violentos que pouco a
pouco podem gerar grave enfermidade (MENDES, 2007 a; MENDES, 2007 b).
Existem trabalhos por si já insalubres e perigosos que mesmo com a utilização de
formas preventivas de proteção individual ou coletiva, ainda representam perigo para os
trabalhadores, tais como a mineração, a manipulação de asbestos e sílica, chumbo,
manipulação de material radioativo. Estes podem inclusive gerar doenças crônicas e fatais
como neoplasia, imunodeficiência entre outros. Trabalhos danosos como os executados com
máquinas inseguras, ou onde o modelo de organização é extremamente massacrante pode
gerar acidentes de trabalho e patologias como o estresse, a hipertensão arterial, o alcoolismo,
a doença mental, a insônia entre tantas. Isto se dá principalmente em ambientes de trabalho
onde o regime de demanda e o controle são rígidos, às vezes, sufocante, levando inclusive a
um alto desgaste psicológico e baixo poder de autonomia por parte do trabalhador (MENDES,
2007b).
Além das condições citadas, a alta carga de trabalho e em suma maioria repetitivo
gera a fadiga a qual pode ser muscular, psíquica, nervosa ou crônica. Esta fadiga associado às
condições de vulnerabilidade apresentada pelos indivíduos sejam de ordem genéticas ou
mesmo decorrentes de patologias pré-existentes são meios propícios para a formação das
lesões por esforço repetitivo ou doenças osteomusculares relacionadas ao trabalho (LER/
DORT) tais como a síndrome do túnel do carpo, bursites entre outras (MENDES, 2007b;
BRASIL, 2006).
Nos trabalhadores adoecidos ou acidentados quando se suspeita de que seja de
origem ocupacional, faz-se necessária à caracterização etiológica ou nexo causal entre o
saúde-trabalho-doença a qual pode ser estabelecido através da investigação das condições de
trabalho, do reconhecimento dos fatores de riscos, da constituição e progressão da doença
ocupacional e mais intensamente do relato do próprio trabalhador (BRASIL, 2001).
22

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) estabelece uma lista de doenças que


podem ter relação ocupacional. Regionalmente, o Brasil na década de 80 prosseguindo a
constituição do Sistema Único de Saúde e lei orgânica de saúde também formulou uma lista
de patologias existentes. Em ambas, para classificação foram utilizados como norteadores os
fatores de risco que se dividem em cinco grandes grupos: físicos, químicos, biológicos,
ergonômicos e mecânicos. A partir daí, organizaram-se melhor a identificação das
possibilidades e as causas de adoecimento trazido pelo ambiente de trabalho ou atividade
ocupacional exercida facilitando assim o reconhecimento do nexo causal (BRASIL, 2001;
IOL/OIT, 2009).

2.3 A SAÚDE DO TRABALHADOR: SUA DEFINIÇÃO E TRAJETÓRIA

De acordo com Mendes (2007a), a medicina do trabalho proveio da Revolução


Industrial visando o controle da força do trabalho, havendo pouco foco inicial nas relações de
trabalho e saúde. Contudo, a emergência de grandes casuísticas de empregados portadores de
“doenças profissionais” na construção de túneis e desenvolvimentos das cidades européias no
século XIX, revelou aos profissionais, pesquisadores e governos, a necessidade de haver um
fórum para a troca de experiências e de determinações mais precisas sobre a relação saúde e
trabalho, difundindo assim a idéia de migração de medicina de seguro-acidente para a
medicina do trabalho. Isto permitiu um olhar e atenção diferenciada do empregador sobre a
medicina de seguro a qual visava à reparação financeira do trabalhador acidentado para uma
medicina preventiva que evitasse possível situação. Essa medida foi reconhecida até como
mais vantajosa para ambos os lados: empregado-empregador.
A medicina do trabalho ao adquirir um olhar mais preventivo estimulou diversos
países a criarem eventos internacionais de patologia do trabalho, como o de 1906, o I
Congresso Internacional de Doenças do Trabalho na cidade de Milão. É a partir daí, que
eclodem na Europa as ações em relação ao tema, como a criação de comissões permanentes e
a criação da Organização Internacional do Trabalho (OIT) em 1919. Esta última gerou um
documento importante e decisivo no estabelecimento da relação trabalho e doença, a lista de
doenças profissionais e o foro da tripartite, ou seja, a relação e comprometimento governo -
empregadores- trabalhadores (SPEDO, 1998; MENDES, 2007a)
No Brasil, o primeiro sanitarista a se preocupar com o tema saúde e trabalho na
década de 20 e 30 foi Oswaldo Cruz motivado ao presenciar as grandes epidemias de malárias
e ancilostomose que estavam submetidos os trabalhadores da ferrovia Madeira-Mamoré. Em
23

nosso país, tal qual ocorreu na Europa, primeiramente o eixo da medicina do trabalho voltou
para uma questão de reparo financeiro caso houvesse lesão do trabalhador em serviço,
havendo assim um estreitamento da visão sobre doença do trabalho como acidente do trabalho
para depois ganhar um olhar diferenciado oferecido inclusive pela medicina social e uma
mobilização da própria sociedade. Observam-se essas mudanças a partir das discussões que
iniciaram na Escola de Medicina de Salvador e que desceram para o eixo Rio - São Paulo,
onde a Medicina do Trabalho revelou-se uma medicina de atenção a saúde do trabalhador
numa configuração de cuidado mais preventivo a saúde do trabalhador. O primeiro centro
médico brasileiro a organizar como especialidade da medicina do trabalho foi a Fundação
Nacional Centro de Segurança Higiene e Medicina do Trabalho (FUNDACENTRO)
(SPEDO, 1998).
É interessante destacar que a medicina do trabalho passou por grandes mudanças
com os anos. A política de saúde ocupacional foi o principal resultado dessas mudanças que
teve como origem a insatisfação e o questionamento da classe trabalhadora brasileira nos anos
60 e 70, incluindo a dos empregadores pelos custos diretos e indiretos representados pelos
agravos a saúde de seus funcionários. A saúde ocupacional é uma política que tem como
característica diferenciada da medicina do trabalho, a valorização da saúde do trabalhador
onde a mesma passa a ser tratada e atendida por uma equipe profissional envolvendo não
somente o médico, mas fisioterapeutas, fonoaudiólogos, advogados, assistentes sociais e entre
outros. Ela, inicialmente, se deu, sobretudo, dentro das grandes empresas (MENDES, 2007a).
A partir dessa nova concepção, planos de estratégias passaram a ser realizados no
Brasil para a construção da saúde do trabalhador como campo de teoria e práticas que
passassem a envolver não só a ciência da saúde, mas também a ciência social. Desta forma, a
saúde do trabalhador surgiu como um campo transformador superando a medicina do
trabalho, ambas existem nos dias de hoje, mas suas intenções estão portanto diferenciadas
(SPEDO, 1998).
Um conceito interessante e mais concreto para a saúde do trabalhador estipulado pela
Legislação Orgânica da Saúde, lei 8080 artigo 6, § 6:
A saúde do trabalhador é um conjunto de atividades que se destina, através das
ações de vigilância epidemiológica e vigilância sanitária, à promoção e proteção da
saúde dos trabalhadores, assim como visa à recuperação e reabilitação da saúde dos
trabalhadores submetidos aos riscos e agravos advindos das condições de Trabalho.
(BRASIL, 2005; pg. 40).

Ao explanar sobre a equipe multidisciplinar da política de saúde do trabalhador, é


preciso citar os atores envolvidos na atenção e vigilância além do SUS; são eles: a esfera
24

acadêmica, a mídia, o Ministério do Trabalho e Emprego e o Ministério da Previdência e


Assistência Social (PORTO; LACAZ; MACHADO, 2003).
Spedo (1998) ainda acrescenta agregação de outros parceiros organizados: a
Organização Panamericana de Saúde (OPAS), a Organização Internacional do Trabalho (OIT)
e a Organização Mundial de Saúde (OMS).

2.3.1 A Reforma Sanitária e a Saúde do Trabalhador

A discussão voltada aos problemas sanitários e de saúde no Brasil foi iniciada no


período entre 1937 a 1950, provinda do movimento popular de base e das 1ª e 2ª Conferências
Nacionais de Saúde. Nestas foram abordados temáticas referentes às legislações sobre higiene
e segurança no trabalho, como também a prestação de assistência médica sanitária e
preventiva para os trabalhadores e as gestantes (BRASIL, 2002c).
A partir de meados dos anos 70 e 80, houve o movimento de Reforma Sanitária
atrelada à reforma da saúde onde se buscava uma nova concepção de Saúde Pública brasileira.
A Saúde do Trabalhador passou a ser uma das vertentes, pois, os reformistas eram também
trabalhadores e seu lema de luta em movimento sindical era, inclusive, a mudança por um
modelo de saúde para todos (GOMEZ, COSTA, 2007; FLEURY, 1997).
A eclosão da saúde do trabalhador se deu nesta mesma época por volta do ano de
1986 na 1ª Conferência Nacional de Saúde do Trabalhador no Brasil, realizada a partir de
decisões tomadas na VIII Conferência Nacional de Saúde. Nesta conferencia como principal
houve a formulação de conteúdos para a Política Nacional de Saúde do Trabalhador. Já no
ano de 1992 houve a 2ª Conferência Nacional, a qual teve como tema central a Política de
Saúde do Trabalhador e as Estratégias de Avanço e implantação do plano (BRASIL, 2001 a).
Fazendo, portanto, um retrospecto da construção e implantação do SUS tem se uma
instituição história política que se encarrega além de gerir a saúde; mediar e descentralizar a
rede de atenção ao trabalhador, e para concretizar essas ações vem se apontando uma política
de qualificação e estruturação das equipes para atender às demandas de forma integral,
visando condições que contribuam para a melhoria da qualidade de vida, da realização pessoal
e social dos trabalhadores, sem prejuízo para sua saúde e integridade física e mental (SESSP;
CEREST, 2004).
Apesar das conferências de saúde; a Política Nacional de Saúde do Trabalhador e a
Política Nacional de Segurança e Saúde do Trabalhador, ônus de todo movimento pela
reforma da saúde e do movimento sindical; a política não se implantou concretamente.
25

Contudo, novas expectativas surgiram ao fim da década de 90, com a elaboração e


constituição da Rede Nacional de Atenção Integral a Saúde do Trabalhador (RENAST)
(BRASIL, 2004; BRASIL, 2006; BRASIL, 2005).
A RENAST foi firmada pelas portarias nº. 1.679/ 02 e nº 2.437/05, as quais têm
como função orientar e organizar a participação das várias esferas governamentais em ações
efetivas de atenção ao trabalhador tornando o seguimento de caráter intra-setorial e
intersetorial, exigindo uma abordagem interdisciplinar e com a gestão participativa dos
trabalhadores. A portaria nº 2.728, de 11 de novembro de 2009 ratifica as propostas das
portarias anteriores e estabeleceu que a implantação da RENAST devesse priorizar: 1) A
estruturação da rede de Centros de Referência em Saúde do Trabalhador (CEREST); 2) A
inclusão das ações em saúde do trabalhador na atenção básica, por meio da definição de
protocolos, estabelecimento de linhas de cuidado e outros instrumentos que favoreçam a
integralidade; 3) A implantação das ações de promoção e vigilância em saúde do trabalhador;
4) A instituição e indicação de serviços de Saúde do Trabalhador de retaguarda, de média e
alta complexidade chamadas de Rede de Serviços Sentinela em Saúde do Trabalhador; e por
fim a caracterização de Municípios Sentinela em Saúde do Trabalhador (BRASIL, 2004;
BRASIL, 2006; CEREST, 2009).
A intenção de ponderar a rede básica para assumir seu papel como apoio sólido ao
trabalhador é uma das propostas do RENAST e congrega-se com a conclusão estipulada por
Spedo (1998). A autora denuncia que apesar dos avanços e consistência representado pelo
modelo de atenção proposto para o SUS as limitações neste modelo que o tornam empírico-
concreto é destacado até hoje por ainda ser concentrado em serviços especializados, sem
efetivo envolvimento da rede básica de serviços e que a vigilância assumindo-se enquanto
eixo norteador.
Conforme Oliveira e Vasconcellos (1992), para se executar uma política eficiente
nesta área necessário que se faça a formação de equipes não só tecnicamente competentes,
mas principalmente comprometidos com a questão ideológica que envolve a Saúde do
Trabalhador.

2.4 A POLÍTICA DE ESTRUTURAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

O movimento pela democratização da saúde que tomou corpo no Brasil durante a


segunda metade da década 70 possibilitou a formulação do projeto da Reforma Sanitária
Brasileira, sustentado e ancorado por sanitaristas que a estruturaram a partir de uma base
26

conceitual e pela produção teórica-crítica. A crítica, a mobilização social e científica ao


questionar a concepção de saúde restrita ao modelo biológico e individual apontou diversas
relações entre as organizações dos serviços de saúde e a estrutura social para que estes fossem
mudados e reestruturados. Nessa perspectiva, o conceito ampliado de saúde e dos seus
determinantes assumido pela VIII Conferência Nacional de Saúde veio a incorporar uma
crítica à saúde oferecida à população, visando um sistema de saúde que devia considerar
princípios relativos ao direito à saúde, à cidadania, e ao cuidado que respeitasse a
universalização, a equidade, a democracia e a descentralização (PAIM, 1997).
O chamado movimento sanitário brasileiro, do qual o Centro de Estudos em Saúde
(CEBES) foi o primeiro protagonista institucionalizado, teve como características
fundamentais, por um lado, a inserção da luta pela saúde no movimento mais global de
democratização da sociedade brasileira, ainda sob a ditadura militar, e, por outro, uma
estratégia de atuação diversificada, em várias frentes, decorrente tanto do conceito “ampliado”
de saúde inspirado no movimento da Medicina Social dos anos 60 e 70 (RODRIGUES, 1997).
O autor supracitado reflete que foi a Medicina Social que introduziu novos conceitos
e abriu outros campos de intervenção além do prevenir/diagnosticar/curar como a
determinação social do fenômeno saúde/doença e a organização das práticas, serviços e
sistemas de atenção à saúde.
A partir de idéias como essas, associadas a lutas e mudanças do estado
governamental do país, indo do militarismo a república e o advento da década de 90. O
Sistema Único de saúde foi surgindo e, logo consolidando. Isto gerou novos rumos a saúde da
população brasileira
A reforma da saúde brasileira culmina com a Lei 8080 de 19 de Setembro de 1990, a
qual também é denominada Lei Orgânica da Saúde (LOS). Esta é pautada nos princípios de
construção de um Sistema Público de Saúde com equidade, integralidade e universalidade.
Juntamente com a Lei 8142/90 que inclui a participação da comunidade neste sistema de
saúde pública. Essas leis organizaram teoricamente o SUS definindo e delegando funções às
diversas esferas governamentais envolvidas. A saúde do trabalho e ambiente passou inclusive
a ser uma das competências prioritárias ao SUS (BRASIL, 2004).
Com o SUS sendo praticado em todo país e com a reestruturação da LOS, passaram a
serem os postos e unidades de saúde os alicerces fundamentais da rede básica de saúde que
veio a se encontrar regionalizada e hierarquizada de serviços de saúde, de atendimento
integral, de participação da comunidade, e de ações de promoção, proteção e recuperação da
saúde. A partir da dinâmica social local, a constância e continuidade de atuação foram
27

observando uma maior potencialização de enfretamento do quadro de adoecimento e morte e


combate inclusive às doenças (VASCONCELOS, 2008; PAIM, 1997).
As novas mudanças no modelo assistencial regionalizado do SUS foram orientadas
por dois programas: o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) e Programa de
Saúde da Família (PSF), os quais provocaram alterações tanto nas modalidades de alocação
de recursos e formas de remuneração das ações de saúde, quanto na forma de organização dos
serviços. O PSF constituiu uma estratégia jovem de reforma incremental do sistema de saúde
no Brasil, apontando para mudanças importantes na forma de remuneração das ações de saúde
(superação da exclusividade do pagamento por procedimentos), nas formas de organização
dos serviços e nas práticas assistenciais no plano local, e, portanto, no processo de
reorganização do sistema (PAIM, 2004).
Conforme Viana e Poz (2005), para diferenciar esses programas é interessante saber
que a história do Programa de Saúde da Família (PSF) tem seu início quando o Ministério da
Saúde forma o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) em 1991. Parte de uma
proposta de ação pragmática de saúde focada na cobertura da família e não do indivíduo, onde
o Ministério ao perceber a efetividade das experiências de práticas em saúde com agentes
acumulada no país principalmente pelo estado do Ceará, institucionalizou como programa
estatal.
Os autores supracitados ainda afirmam que o PACS foi formulado com o objetivo
central de contribuir para a redução da mortalidade infantil e materna, principalmente nas
regiões Norte e Nordeste, através de extensão de cobertura dos serviços de saúde para as áreas
mais pobres e desvalidas. A organização do programa que também introduziu uma visão ativa
da intervenção em saúde, de não “esperar” a demanda “chegar” para intervir, mas de agir
sobre ela preventivamente, trouxe uma nova percepção, pelo próprio Ministério da Saúde, de
que os agentes poderiam também ser peça importante para a organização do serviço básico de
saúde no município.
Pode-se afirmar, então, que o PACS é um antecessor do PSF, pois uma das variáveis
importantes que o primeiro introduziu e que se relaciona diretamente com o segundo é que
pela primeira vez há um enfoque na família e não no indivíduo, dentro das práticas de saúde.
Logo, o Programa de Saúde da Família como por meio de uma assistência descentralizada, de
atendimento e acompanhamento em um sistema de unidades na comunidade firmou com a
instalação das denominadas unidades de saúde da família (USF) pela Portaria de n° 476 de 14
de abril de 1999, onde uma equipe de profissionais, a Equipe de Saúde da família (ESF),
28

multidisciplinar e interdisciplinar trabalham para assistir adequadamente a comunidade


cadastrada (BRASIL, 2004; BRASIL, 2003; VIANA; POZ, 2005).
O programa estabelece que cada USF seja composta por uma equipe formada por
médico (a), enfermeira (o), auxiliar de enfermagem, agentes comunitários de saúde, sendo que
em 2000, através do Programa Saúde Bucal incorporou-se dentista e auxiliar de consultório
dentário. Nessa equipe, segundo a própria legislação do SUS, os Agentes Comunitários de
Saúde (ACS) devem se revelar como atores fundamentais nas relações de trocas e articulação
entre saberes populares de saúde e saberes médicos-científicos, ficando responsáveis pelo
acompanhamento de no máximo, 150 famílias ou 750 pessoas cada, desenvolvendo junto com
a equipe atividades de prevenção das doenças e promoção da saúde, através de visitas
domiciliares e de ações educativas individuais e coletivas, nos domicílios e na Comunidade
(BRASIL, 2004).
A própria legislação do SUS ressalta que a USF e a Equipe de saúde da família
também é tida como porta de entrada do Sistema Único de Saúde, tendo como objetivo
melhorar a qualidade de vida das pessoas envolvendo a relação desta com o meio
socioambiental (BRASIL, 2004).
Os ACS devem ser escolhidos enquanto residentes dos próprios bairros de atuação da
equipe de saúde da família para desempenharem o serviço. Essa característica fundamental
visa aproximar a relação trabalho e vida social e acaba gerando provocadamente ou
ingenuamente um maior comprometimento e acolhimento tanto da comunidade para com o
agente quanto do agente para com a comunidade. Nesse contexto, onde um conhece o
contexto social e cultural do outro, existe uma partilha de informações de um para com outro,
não observada, às vezes, com os outros profissionais da equipe e em outros setores do SUS.
Ferraz e Aerts (2005) e Nunes et al. (2002) Vasconcelos (2008) alegam que é a partir daí que
se nota uma maior facilitação no desenvolvimento de estratégias mais eficazes tanto da adesão
às recomendações médicas quanto maior comprometimento com a saúde e confiança com a
equipe, permitindo que a educação popular e a ciência clássica possam se confrontar e se
conciliar.
Um dos peculiares e importantes papéis do ACS está nesta orientação às famílias da
utilização e a procura dos serviços de saúde e no repasse de dados demográfico e
epidemiológico para os membros da ESF e gestores quanto à dinâmica social da comunidade
com suas disponibilidades e necessidades (NUNES ET AL., 2002).
29

2.5 INDICADORES DA SAÚDE E A SAÚDE DO TRABALHADOR

Os dados e os indicadores em saúde se destinam a produzir evidência sobre a


situação sanitária e suas tendências, possibilitando identificar grupos humanos com maiores
necessidades de saúde, estratificar o risco epidemiológico e identificar áreas críticas. Além de
facilitar o monitoramento de objetivos e metas em saúde (RIPSA, 2009).
Em 2002, pela Portaria de 1.919, o Ministério da Saúde instituiu a RIPSA, a Rede
Interagencial de Informação para a Saúde, considerando a necessidade de aperfeiçoar a
capacidade de formulação, coordenação, gestão e operacionalização de políticas e ações
públicas dirigidas à qualidade de saúde e de vida da população e propiciar a disponibilização
adequada de dados básicos, indicadores e análises sobre as condições de saúde. A articulação
interinstitucional visa gerar informações interessadas no aprofundamento das questões
relacionadas com a saúde e atender ao compromisso do País com a Organização Pan-
Americana da Saúde (OPAS) e demais organismos internacionais.
Dados quantitativos sobre a classe laboral do Brasil nos fornecem uma básica visão
das condições vividas pela classe, e são estimados por meio de pesquisas tanto do instituto
IBGE, como dados fornecidos pelo SUS, notificações repassados pelas empresas e dados da
Previdência e Seguridade Social. Podemos, por exemplo, conhecer a divisão de mercado e
entender que a população trabalhadora é ainda uma maioria no país e está concentrada no
comércio de mercadorias e prestação de serviços (34,5 milhões), nas atividades na área
agrícola (20,6 milhões de trabalhadores) e na indústria (19,9 milhões). Totalizando mais de 76
milhões de indivíduos que comporia a classe trabalhadora brasileira (IBGE, 2005).
Como menciona em Brasil (2006), é de competência do SUS no que consiste a
atenção e vigilância a saúde do trabalhador, a vigilância e notificação dos ambientes e
condições de trabalho (vigilância sanitária), da situação de saúde dos trabalhadores (vigilância
epidemiológica) e da situação ambiental (vigilância ambiental) sendo essencial a
sistematização, análise e divulgação das informações de saúde, devendo ser fornecida entre
diversas fontes inclusive o SIAB (Sistema de Informação da Atenção Básica) o qual tem
como “alimentador” do sistema dados vindo das USF e os Centros Especializados ou
Sentinelas da Saúde do Trabalhador definidos pelo município.
Entende-se que é responsabilidade de todos os envolvidos com a saúde do
trabalhador tanto no setor de saúde público como no privado realizar a notificação dos casos e
abuso, acidente de trabalho ou doença ocupacional, mediante instrumentos de coleta: Sistema
de Informações de Mortalidade – SIM; Sistema de Informações Hospitalares do SUS - SIH;
30

Sistema de Informações de Agravos Notificáveis – SINAN e Sistema de Informação da


Atenção Básica – SIAB (BRASIL, 2006).
Este sistema de informação integrado e representativo propiciou um dos grandes
avanços desenvolvidos pelo DATASUS em razão da solicitação do Ministério da Saúde para
o desenvolvimento de um sistema especial das informações e integração dos dados. O SIAB
amplia o leque de informações do SIPACS- Sistema de informação do PACS, com novos
instrumentos de coleta de dados: O cadastramento das famílias- Fichas A, acompanhamento
de gestantes, hipertensos e diabéticos- Fichas B- GES, B- HA, B- DIA; acompanhamento de
pacientes com tuberculose e hanseníase- Ficha B- TB, Ficha B- HAN; acompanhamento de
crianças- Fichas C, registros das atividades, procedimentos e notificações - Ficha D (BRASIL,
2006; BRASIL, 2000b).
A ficha A (anexo) fica em posse do ACS e deve ser preenchida nas visitas a famílias,
cada ficha deve ser preenchida uma família. Nela são retidas as informações para a
identificação da família, cadastros de cada um dos membros em relação a dados pessoais,
escolares, ocupacionais, doença e condição referida e a situação de moradia. Esta permite a
ESF conhecer as condições de vida das pessoas da área de abrangência e melhor planejar suas
intervenções (BRASIL, 2000b).
Neste contexto da atenção básica, Brasil (2003) menciona que a estratégia do novo
Programa de Expansão e Consolidação da Atenção Básica foca-se para o avanço no âmbito do
Sistema Único de Saúde valorizando os Indicadores Nacionais de Atenção Básica.
Reconhecendo assim que apesar das limitações importantes relacionadas à coleta de dados, à
sistematização e integração de processos, e o risco de subnotificações que podem interferir
direta e indiretamente nas estratégias de política pública, vem se realizando esforços ao
avanço na avaliação da saúde do brasileiro, principalmente, no que diz respeito ao campo da
Atenção Básica.
Gomez e Lacaz (2005) relatam que estamos vivendo num momento em que ao
mesmo tempo em que avançamos na maior institucionalização e sistematização das
experiências na saúde e especificamente na do trabalhador, observa-se que em função da não
priorização e organização vêm ocorrendo um processo de descontinuidade dos planejamentos
por parte dos profissionais envolvidos.
Fica assim a questão, a dificuldade do sistema em relação ao mapeamento dos dados
dos trabalhadores na atenção básica compromete ou não as estratégias de políticas públicas a
favor da efetivação da atenção a saúde mais integral voltada à classe.
31

A literatura brasileira ressalta neste contexto que existem muitos dados


subnotificado e incompletos de trabalhadores, principalmente, daqueles sem cobertura da
Previdência Social, os informais. O incentivo no desenvolvimento de ferramentas e ações que
facilitem ou auxiliem no preenchimento dos relatórios e que identifique a realidade desta
população na área de abrangência na atenção básica a qual possui a vantagem de se possuir
dados independentes da questão de formalidade ou não do trabalho, se destaca como
estratégia essencial para a organização dos indicadores e priorização na alocação e
deliberação de recursos humanos, materiais e financeiros (TOMAS ET AL. 2003; MAEMO;
CARMO, 2005; WUNSH, 2006; GOMEZ; LACAZ, 2005).

2.6 SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA

A municipalização e a distritalização, como espaços descentralizados de construção


do SUS, são considerados territórios estratégicos para estruturação das ações de saúde do
trabalhador, parte daí, a necessidade e importância que para a consolidação das ações de
atenção à saúde do trabalhador seja inclusa formalmente na agenda da rede básica de atenção
à saúde (BRASIL, 2002a).
A saúde do trabalhador é um campo que exige dos profissionais envolvidos
acompanhamento e compromisso; neste sentido, pode-se perceber que a atenção básica de
saúde é o ponto estratégico de encontro para garantia de execução dessa proposta. Tanto
devido à permanência da unidade de saúde da família na comunidade como a presença de
registros que auxiliam no acompanhamento das famílias (BRASIL, 2002a; BRASIL, 2005;
MAEMO; CARMO, 2005; PORTO; LACAZ; MACHADO, 2005).
Foi nessa linha de raciocínio que o SUS através de um corpo de articuladores passou
a considerar fundamental relacionar ambiente e trabalho e desta forma através da Política
Nacional de Saúde do Trabalhador encaminhou às Unidades de Saúde da Família a função de
identificar na área, perigos e riscos potenciais para a saúde dos trabalhadores, da população e
do meio ambiente, a divisão do trabalho (ativos do mercado formal ou informal, no domicílio,
no meio rural ou urbano e os desempregados), prevalência por sexo e faixa etária; avaliando a
existência do trabalho precoce e a ocorrência de acidentes e/ou doenças relacionadas ao
trabalho tanto no mercado formal como informal (BRASIL, 2002a).
Na USF, os profissionais realizam o cadastramento domiciliar, permitindo o
diagnóstico situacional e ações dirigidas à solução dos problemas de saúde, de maneira
pactuada com a comunidade, buscando o cuidado dos indivíduos e das famílias. As Equipes
32

de Saúde da Família, a partir das ferramentas da vigilância, podem desenvolver habilidades de


programação e planejamento, de maneira a organizar ações programadas e de atenção a
demanda espontânea, que garantam o acesso da população em diferentes atividades e ações de
saúde e, desta maneira, gradativamente impacta sobre os principais indicadores de saúde,
mudando a qualidade de vida daquela comunidade (BRASIL, 2000b).
Brasil (2005) menciona que a notificação de agravos relacionados ao trabalho
passou a ser definida pelo setor saúde como compulsória, tais agravos têm sido objeto de
atenção e de investigação pelo setor e vem passando a ocorrer, parcialmente, a partir da
inserção da Saúde do Trabalhador no SUS desde a década de 90, após a elaboração e
constituição da RENAST, a qual trouxe maior enfoque as ações de vigilância.
O mesmo autor supracitado reconhece que os estatutos que tratam da notificação
compulsória de agravos relacionados ao trabalho são de importância inequívoca para o
desencadeamento de investigações epidemiológicas e de intervenções de vigilância sanitária
nos ambientes e processos de trabalho, buscando uma linha de ação de caráter basicamente
preventivo.
Para isto, afirmam Tomas et al. (2003) e o Brasil (2003), que é de fundamental
importância o cadastramento atualizado na comunidade adscrita, pois é a partir dessa base de
dados que a construção de perfis sociodemográficos e de morbidades da área de abrangência
da UBS, pode se planejar oferecer suporte e orientação em busca da melhora do desempenho
dos serviços gestores e da equipe de saúde.
Cada integrante da ESF tem um papel na atenção à saúde do trabalhador e cabe ao
Agente Comunitário de Saúde (ACS) a mais preciosa função de informar e notificar à equipe
de saúde da existência de trabalhadores em situação de risco, trabalho precoce e trabalhadores
acidentados ou adoentados pelo trabalho, além de estar pronto para informar à família e ao
trabalhador o dia e o local onde procurar assistência, além de planejar e participar das
atividades educativas em Saúde do Trabalhador (BRASIL, 2000 a).
A equipe da USF deve então realizar a identificação e registro da população
economicamente ativa, as atividades produtivas existentes na área, bem como os perigos e os
riscos potenciais para a saúde dos trabalhadores, da população e do meio ambiente. Deve
definir os integrantes das famílias que são trabalhadores (ativos do mercado formal ou
informal, no domicílio, rural ou urbano e desempregado), por sexo e faixa etária. Observando
a existência de trabalho precoce (crianças e adolescentes menores de 16 anos, que realizam
qualquer atividade de trabalho, independentemente de remuneração, que freqüentem ou não as
escolas), a ocorrência de acidentes e/ou doenças relacionadas ao trabalho, que acometam
33

trabalhadores inseridos tanto no mercado formal como informal de trabalho, além de anotar
ramo de atividade e ocupação na ficha. E para isto a equipe deve estar capacitada para atender
corretamente essa população (BRASIL, 2002a).
A legislação da saúde do trabalhador menciona que em caso de acidente ou doença
relacionada com o trabalho, deverá ser adotada a de condução clínica dos casos (diagnóstico,
tratamento e alta) para aquelas situações de menor complexidade. Casos de maior
complexidade podem ser enviados aos denominados Centro de Atendimentos a Saúde (média
complexidade) que estão preparados para lidar com uma medicina mais especializada ao
trabalhador e são denominados de CAIS sentinelas. Além de poderem ser atendidos em casos
de urgência em hospitais de alta complexidade (BRASIL, 2004).
O autor supracitado ainda afirma que os setores devem estar articulados
estabelecendo sempre os mecanismos de referência e contra-referência para acompanhamento
dos trabalhadores inclusive nas USF. Cabe também a equipe de profissionais seja qual for a
complexidade do setor, de solicitar ou preencher a Comunicação de Acidente do Trabalho
(CAT), em se tratando de trabalhador inserido no mercado formal de trabalho ou informal,
podendo inclusive realizar uma investigação do local de trabalho, visando estabelecer relações
entre situações de risco observadas e o agravo que está sendo investigado.
O preenchimento somente da CAT não estabelece sozinho a relação de
interdependência entre o acidente ou doença e o trabalho exercido o chamado nexo causal.
Para que esse seja estabelecido Brasil (2006) recomenda que haja o acompanhamento da
equipe da USF e das instituições de referência para junto pleitear com outros órgãos como a
Previdência Social o que cabe ao trabalhador por direito.
A questão de educação em saúde é tarefa a ser realizada também na atenção básica
promovendo orientações trabalhistas e previdenciárias, de acordo com cada caso, informando
e discutindo com o trabalhador as causas de seu adoecimento visando executar ações de
vigilância nos locais de trabalho e considerar as informações colhidas em visitas com bases
em dados epidemiológicos e nas demandas da sociedade civil organizada. Pode desenvolver e
articular junto com a comunidade e instituições públicas (Centros de Referência em Saúde do
Trabalhador - CEREST, Fundacentro, Ministério Público, laboratórios de toxicologia,
universidades etc.), ações direcionadas para a solução dos problemas encontrados (BRASIL,
2006, BRASIL, 2002a).
34

2.7 O MODELO ASSISTENCIAL À SAÚDE DO TRABALHADOR DA CIDADE DE


JOÃO PESSOA

João Pessoa, capital do Estado da Paraíba, tem uma área de 210,8 km2. Esta
localizada na porção mais oriental do estado. O município tem uma população de 660.798
habitantes, 38,5% da população é formada de jovens, enquanto 8,1% os moradores da cidade
são idosos; 85% da população são alfabetizadas; 46,7% da população são do sexo masculino e
53,3% do sexo feminino (IBGE, 2005).
A população é considerada predominantemente urbana, pois o município não tem
área rural. Sua estrutura conta com 65 bairros e 99 comunidades (favelas) cadastradas pelo
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. As principais bases da economia da população
estão no comércio mais essencialmente e a indústria. A pesca e o turismo em menor escala
têm seu destaque como atividade econômica. No entanto, é o setor terciário do Município que
responde pela maior participação na formação de renda da população, seguido pelo setor
secundário. O setor agropecuário é considerado inexpressivo, devido à inexistência de área
rural. A População Economicamente Ativa - PEA representa 52,3% da população total. Os
setores da indústria de transformação e construção civil empregam 3,41% enquanto o setor
terciário de comércio e serviços responde por 62,8%. Os desempregados representam 22,5%
(SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE, 2006).
Para o atendimento e cobertura da saúde da população pessoense, a estratégia
referente à saúde da família teve como eixo norteador a organização da atenção básica de
saúde. O município implantou as sete primeiras equipes de saúde da família em 2000; já no
ano de 2004 foram registradas 180 equipes. Em 2006, a cobertura da atenção básica passou a
ser de 76,7% da população residente, o que representa o acompanhamento de 515.231
indivíduos (SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE, 2006).
No que tange a saúde do trabalhador como política do município de João Pessoa,
existem esforços no sentido de implantação e efetivação das redes de atenção a saúde do
trabalhador e maior articulação de setores dentro do Sistema de Saúde. O município desde
2005, conta com o apoio do Centro de Referencia Regional na Saúde do trabalhador.
Ao Centro de Referência Regional em Saúde do Trabalhador de João Pessoa
(CEREST JP) compete assessorar a realização de convênios de cooperação técnica,
subsidiando a formulação de políticas públicas e apoio da estruturação da assistência de média
e alta complexidade na atenção aos acidentes de trabalho e agravos contidos na listas das
doenças relacionadas ao trabalho e nas de notificação compulsória citados na Portaria 777/
35

2004/GM/MS, nos 64 municípios que compõe a I Macrorregião I (I, II e XII Gerências


Regionais de Saúde) do Estado da Paraíba (CEREST, 2008)
Atualmente o CEREST Regional encontra-se como porta de entrada para assistência
à saúde do trabalhador. Mesmo não sendo esse seu papel na rede, constata-se um aumento na
demanda atendida em 2009 perfazendo um total de 297 consultas, em relação ao ano anterior.
Vem se tentado realizar uma aproximação e priorização deste campo na atenção primária a
partir de reuniões de matriciameto nos Distritos Sanitários do Município (CEREST, 2009).
O CEREST JP é composto por uma equipe multiprofissional a qual é subdividida em
núcleos que realizam o acolhimento e assistência ao trabalhador, vigilância e informação de
riscos a saúde do mesmo e capacitação e administração articuladora intra e intersetorial em
prol da saúde do trabalhador. O quadro de funcionários é formado por assistente social,
psicólogo, fisioterapeuta, médico, enfermeiro, administrador, agente de vigilância ambiental,
auxiliar de serviços gerais, técnico de sistema de informação, técnica de enfermagem e guarda
municipal, estes profissionais em sua maioria trabalham em tempo integral de 40h (CEREST,
2009).

2.7.1 A Comunidade ou Favela Maria de Nazaré e o Bairro Funcionários III

A Comunidade Maria de Nazaré faz limite com o bairro Funcionários e Grotão no


sul da cidade de João Pessoa - Paraíba. Para compreender o perfil da mesma é importante
conhecer o processo de sua formação e desta forma analisar os fatores determinantes para a
constituição da favela, uma vez que a conjuntura brasileira no processo de concentração de
terra e renda fez com que a população da zona rural ou de pequenas cidades do interior
saturasse nas capitais, a procura de trabalho e melhores condições de vida.
Luna (1999) esclarece que a comunidade Maria de Nazaré pode ser considerada
como periferia e favela tendo em vista que se apresenta dentro do contexto da cidade como
lugar de pobreza, baixo nível econômico e com uma população marginalizada que vivencia o
processo de subdesenvolvimento e dependência em relação ao centro da cidade.
A autora supracitada ressalta que na cidade de João Pessoa, fontes documentais
registram que a concentração populacional condicionou o aumento da pobreza e expansão de
grande parte da população para as áreas denominadas favelas, principalmente na década de 70
e 80. Como contribuição para o agravamento da condição social/habitacional a zona sul, por
exemplo, onde no passado era o antigo bairro das Marés foram criados os seguintes conjuntos
residenciais: Costa e Silva, Ernani Sátyro, Geisel, Grotão, Esplanada e Funcionários II, III,
36

IV, próximo a eles foram se afixando moradores constituindo as favelas correspondentes


como possível observar na Tabela 1.

TABELA 1: Relação entre a época de formação dos conjuntos residenciais e favelas


Décadas Conjuntos residenciais Favelas
70 Costa e Silva Gauchinha e Taipa
70 Ernani Sátyro Nova Canãa
70 Ernesto Geisel Citex e Nova República
70 Grotão Bananeiras e Do Arame
80 Esplanada Boa Vista
Cidade dos Funcionários II,
80 III e IV Maria de Nazaré
Fonte: Luna, 1999.

A Favela ou Comunidade Maria de Nazaré teve sua origem no ano de 1987, havendo
um processo de ocupação quando o Conjunto Funcionário III estava prestes a ser inaugurado.
A área pertencia ao Estado e era tida como área verde, sendo ali depósito de lixo para os
habitantes dos conjuntos residenciais. A população ocupou o terreno de forma espontânea e
não planejada em busca de um teto para morar. E, atualmente, apesar de ruas estreitas, as
casas dos moradores são de tijolos e há abastecimento por água e luz elétrica. A este quadro é
somado casas de risco, que foram construídas ao lado da barreira e sobre as ladeiras,
formando um verdadeiro labirinto de difícil acesso (LUNA, 1999).
De acordo Luna (1999), Secretaria Municipal de Saúde (2006) e Silva e Kassouf
(2000) na favela em termos de atividade produtiva, poucas pessoas conseguem se engajar no
processo produtivo estável, tendo em vista a existência de barreiras como: a falta de
qualificação, a falta de escolaridade e de documentos legais. As oportunidades de se alcançar
postos de trabalho mais elevados, de modo a aumentar o rendimento são escassas, conferindo
uma maior concentração dos trabalhadores nos extratos de renda mais baixa. A área parece se
enquadrar exatamente nessas especificações observadas também em outras favelas brasileiras.
Atualmente, a comunidade se organiza em torno de sua Associação Comunitária
Maria de Nazaré (ACOMAN), que possui diretoria eleita e sede e mantém uma escola
comunitária para crianças, uma oficina de costura (geração de renda), uma rádio difusora
comunitária, atividades de grupos de mulheres, de adolescentes (rádio, dança e teatro), de
gestantes, participando também de programas de erradicação de trabalho infantil e de
37

alfabetização de adultos (ALMEIDA, 2004). É formada por cerca de 640 famílias moradoras
em área de invasão, tendo sido conhecida por sua luta pela moradia, constituindo-se como
numa comunidade combativa e organizada, que no dado ano recebeu em união dos Governos
Municipal e Federal e Universidade Federal da Paraíba, a aprovação do projeto de
reurbanização do bairro.
O Bairro Funcionários III situado ao lado da comunidade Maria de Nazaré também
se organiza em torno de sua associação, com representante eleito e junto com a Comunidade
Maria de Nazaré seus habitantes participam e apóiam as atividades desenvolvidas na
ACOMAN.
Há 12 anos, a Universidade Federal da Paraíba em conjunto com outras instituições
de ensino vem desenvolvendo atividades extensionista na área abrangida por esses dois
bairros com estudantes de diversos cursos como técnico em enfermagem, fisioterapia,
medicina, enfermagem, nutrição, engenharia de produção, engenharia civil, direito,
fonoaudiologia, psicologia, serviço social, jornalismo. Entre eles podemos citar o Projeto de
Educação Popular na Saúde da Família (PEPASF) e Projeto de Educação Popular a Atenção a
Saúde do Trabalhador (PEPAST).

2.7.2 A Saúde do Trabalhador Na Atenção Básica: A Experiência Da USF Maria De


Nazaré

A Unidade de Saúde da Família Maria de Nazaré situa-se na região sul da cidade de


João Pessoa, tem como apoiador administrativo o Distrito Sanitário II. Sua implantação se
deu desde 2003, onde existe uma equipe de saúde da família (médico, enfermeira, dentista,
auxiliares de enfermagem, auxiliar de consultório dentário), uma auxiliar de escritório e 5
agentes comunitários de saúde que se dividem em 5 microáreas. Estas possuem uma média
superior a sete anos de trabalho na comunidade onde residem e são engajadas nos projetos
presentes na comunidade e na associação comunitária.
A sede da USF está situada na divisa entre a Comunidade ou favela Maria de Nazaré
e parte do Bairro Funcionário III e por essa localização dá suporte às famílias de ambos. A
mesma compreende um total aproximado de 800 famílias e 2400 pessoas cadastradas na área
pela equipe de saúde (SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE, 2006).
38

3 METODOLOGIA

3.1 CARACTERIZAÇÃO DA PESQUISA

Trata-se de uma pesquisa descritiva, transversal de caráter quantitativo, desenvolvida


na Unidade de Saúde da Família Maria de Nazaré localizada na zona sul do município de João
Pessoa-PB, entre os dias 1ᴼ de março a 7 de abril de 2010 (GIL, 2002).
A área tem como apoiadores administrativos na área da saúde o Distrito Sanitário II,
conforme Figura 1.

Figura 1: Divisão do Município de João Pessoa em seus Distritos Sanitários em 2006


Fonte: SMS (2006)

3.2 UNIVERSO E AMOSTRA

O universo da pesquisa está formado pelos registros em fichas A (712 fichas) dos
usuários cadastrados na Unidade de Saúde da Família Maria de Nazaré, observando que o
Programa de Saúde da Família nos Bairros Funcionários e Comunidade Maria de Nazaré têm
como cobertura de 75 a 100% dos moradores, segundo estimativas da Secretária de Saúde do
Município (2006).
39

Para constituição de uma amostra significativa e representativa, realizou-se o cálculo


amostral n= z2 p (100- p) / d2, o que equivaleu a 356 fichas A, lembrando que esta representa
o número de famílias foram dessa forma totaliza dados de 1336 usuários.
Quanto aos critérios de inclusão, somente dados das fichas A atualizadas e
registradas pelos ACS entre os meses de dezembro de 2009 a fevereiro de 2010 fizeram parte
do estudo. Dados incompletos, ilegíveis ou imprecisos foram descartados da amostra.
Observa-se que antes e após a coleta era realizado um conjunto de perguntas ao ACS para
avaliação e certificação dos dados.
Para seleção das fichas foi utilizada a amostragem sistemática, que é um
procedimento parcialmente aleatório viabilizado por corresponder a um modo estatístico
representativo que exige organização dos dados em arquivos (VIEIRA, 2008).

3.3 INSTRUMENTOS E COLETA DE DADOS

A programação da coleta dos dados junto à equipe de saúde da USF Maria de Nazaré
se deu em reuniões em dezembro de 2009, sendo que todos os ACS foram previamente
comunicados individualmente em relação aos dias de coleta de seus dados. Foram gastos em
média de 6,4 dias para realização da coleta dos dados em cada arquivo de fichas A entre os
meses de março e abril de 2010, havendo 5 arquivos referentes a 5 microáreas que compõe a
amostra, totalizando 6 semanas e 3 dias como tempo gasto total.
A coleta de dados foi realizada diretamente nos registros da Unidade de Saúde da
Família Maria de Nazaré, pela própria acadêmica que, para isso, se dirigiu à USF nos horários
de funcionamento da mesma, fazendo uso de um formulário simples (APENDICE 1) no qual
constavam as seguintes variáveis que serão descritas a seguir.

3.4 VARIÁVEIS DE ESTUDO

Entre as variáveis das fichas A, foram consideradas para estudo:


 Idade
 Sexo
 Ocupação
 Escolaridade
 Condição de saúde referida
40

É importante ressaltar que estas variáveis constaram no preenchimento de todas as


fichas.
A variável idade foi medida em anos sendo divididas em grupos: <14 anos, 14-18,
19-59 e >60 anos, pois compreende respectivamente: a faixa etária definida como infância e
pré-adolescência, a faixa etária onde o indivíduo inicia-se no mercado na condição de
aprendiz e pode trabalhar compondo a população economicamente ativa que é estabelecida
dos 14-59 anos em ocupação no mercado de trabalho, a idade adulta e a terceira idade
(BRASIL, 2007 b; CLT, 2009; ILO/OIT; 2009).
A variável sexo foi classificada em feminino (F) e masculino (M). Já a variável
ocupação foi classificada de acordo o número correspondente aos 10 Grandes Grupos do
protocolo da Classificação Brasileira de Ocupações CBO/2002 (BRASIL, 2002b). Exceto o
grupo 0, pois os trabalhadores desse grupo podem se encaixar no grupo 5 de Trabalhadores
dos Serviços, vendedores do comércio em lojas e mercado na secção definida como
trabalhadores nos serviços de proteção e segurança. Os dados como donas do lar,
desempregados e/ou desocupados, aposentados e/ou pensionistas, estudantes; os quais não
podem ser classificados conforme a CBO tiveram uma classificação específica para
indivíduos não-ocupados.
Para tanto, foram estipulados 10 Grandes Grupos para classificação geral das
ocupações: Grupo 1: Membros superiores do poder público, dirigentes de organizações de
interesse público e de empresas, gerentes; Grupo 2: Profissionais das ciências e das artes;
Grupo 3: Técnicos de nível médio; Grupo 4: Trabalhadores de serviços administrativos;
Grupo 5: Trabalhadores dos serviços, vendedores do comércio em lojas e mercados; Grupo 6:
Trabalhadores agropecuários, florestais e da pesca; Grupo 7: Trabalhadores da produção de
bens e serviços industriais; Grupo 8: Trabalhadores da produção de bens e serviços
industriais; Grupo 9: Trabalhadores em serviços de reparação e manutenção; Grupo 10: Não
ocupados, os quais subdividem em: 10.1 Recém nascidos e crianças adolescentes 0 a 15 anos
não estudantes, 10.2 Aposentados; 10.4 Do lar, 10.5 Estudantes e 10.6 Desempregados.
Em relação à variável escolaridade, a ficha A fornece dados apenas se os moradores
são ou não alfabetizados. Para categorizá-los foram usadas as letras S para alfabetizados ou
em processo de alfabetização e N não alfabetizados. Ao fim, para a variável doença ou
condição referida, o dado somente era registrado pela ACS com a confirmação da condição
pela equipe de saúde ou laudo médico. A classificação utilizada foi uma referência de letras
da patologia fornecida em legenda pela própria ficha e outras condições ou doenças referidas
seguiram a mesma classificação de redução do termo.
41

3.5 ANÁLISE DOS DADOS

Inicialmente, observaram-se as especificações da área correspondente a USF,


entendendo que a mesma é dividida em cinco microáreas (01, 02, 03, 04, 49) as quais
correspondem a uma divisão regional exigida pelo SUS e PSF. Desta forma, foi necessário o
cálculo da equivalente percentagem de cada uma delas dentro da amostra total. Usou-se a
tabela de dados aleatórios quando houve a necessidade de retirar algum dado de famílias para
atender a esse valor equivalente.
Após a coleta de dados e análise da representação de cada microárea na amostra
total, os dados categorizados foram digitados em arquivo específico no software Excel 2007 e
posteriormente analisado estatísticas pelo Statistical Package for the Social Sciences-SPSS
(versão 13.0). Para as avaliação das correlações dos dados fez-se uso dos testes estatísticos:
Qui-Quadrado e o de Coeficiente de Contingência Quadrático de Pearson.
O teste Qui-quadrado é um teste de significância para dados não paramétricos
chamados assim por não exigir parâmetros populacionais como média e variância. Sua função
é avaliar se as duas variáveis são ou não independentes. Quando a partir do cálculo x2=Σ(O-
E) /E gera se níveis de significância p < 0,05, o dado é identificado como significativo o que
expressa por tanto que existe dependência entre as variáveis. O mesmo foi utilizado na tabela
condição ocupacional em relação à escolaridade (Gráfico 3) para avaliação da independência,
uma vez que a tabela atende todas as exigências do teste, ou seja, possui freqüências
esperados superiores a cinco, a amostragem é aleatória, os grupos são independentes e são
avaliados dados de uma tabela 2 x 2 (duas colunas por 2 linhas).
O coeficiente de contingência quadrático de Pearson é uma medida que objetiva
avaliar a associação entre dois conjuntos de atributos, possibilitando paralelamente medir a
intensidade desta associação, o calculo é dado pela fórmula C =√X2/X2+N.. Este teste é
aplicado para variáveis categóricas. A associação entre as variáveis é identificada quando p
apresenta valor menor ou igual ao nível de significância < 0,05. A interpretação do resultado
envolve também o valor do coeficiente de Pearson. Quando este estiver próximo de 1, é
possível afirmar que há uma forte associação entre as variáveis. Se o resultado for próximo de
-1, há uma correlação negativa. Para este estudo, o coeficiente foi aplicado para verificar se
houve alguma associação entre os grupos em idade por condição ocupacional e condição de
saúde por condição ocupacional (Tabelas 5, 6 e 7). A justificativa para o uso deste teste está
no fato das tabelas serem r x s o que não estabelece quantidade de linhas e colunas a serem
associadas e por serem variáveis categóricas.
42

As associações feitas com as variáveis foram obtidas a partir dos dados originais.
Admite-se que estes dados preservem um potencial de representação das verdadeiras relações.

3.6 ÉTICA NA PESQUISA

Em relação aos aspectos éticos do estudo baseado na Resolução nº 196/96 do


Conselho Nacional de Saúde que define os critérios da Ética em Pesquisa com Seres
Humanos, a pesquisa antes de ser realizada recebeu a aprovação pelo Comitê de Ética da
Secretária de Saúde do Estado da Paraíba para deliberação e realização da mesma (ANEXO
2).
Anteriormente, o projeto foi submetido ao parecer do Distrito II da Atenção Básica
responsável pela USF, o qual permitiu a realização da pesquisa após análise do projeto.
Atendendo a solicitação burocrática, após o parecer do Comitê de Ética, o projeto ainda foi
protocolado na Secretaria de Saúde do Município, da qual foi expedido o documento
deliberativo Processo administrativo 01885/2010, para a realização da pesquisa no município
(ANEXO 3).
43

4 RESULTADOS E DISCUSSÕES

Os resultados e discussões que se seguem apresentam dados demográficos e


socioeconômicos seguidos pelas correlações entre as variáveis sociais e condições de saúde da
amostra de usuários cadastrada na USF Maria de Nazaré.

4.1 DADOS DEMOGRÁFICOS E SOCIOECONÔMICOS

Para a composição da amostra, foram coletados dados dos arquivos das 5 microáreas,
as quais compõem a área, esta é reconhecida pelo Sistema Municipal de Saúde com a
numeração 020. A retirada de dados de cada uma delas obedece a sua representação dentro da
amostra como pode ser observado na Tabela 2.

TABELA 2: Distribuição do número e percentual de famílias de cada microárea dentro da


amostra
MICROÁREA N % N
020.01 179 25,2 89
\020.02 133 18,7 67
020.03 116 16,3 58
020.04 132 18,5 66
020.49 152 21,3 76
Total 712 100 356
Fonte: Dados da pesquisa, 2010. :

É importante destacar que as microáreas apresentam uma tendência à


homogeneidade entre si em relação às diversas variáveis do estudo.
A amostra de 356 famílias reuniu dados de 1336 indivíduos, o que permite realizar
uma média de 3,8 indivíduos/família com uma média etária de 29,27 anos, tendo como o
desvio padrão 19,08. Desta forma, o desvio padrão denuncia uma variação alta na idade, o que
é justificado pela aleatoriedade do estudo transversal realizado. Não houve por tanto
intencionalidade na amostra. A Figura 2 permite identificar o número de indivíduos, em suas
respectivas faixa etárias.
44

FIGURA 2: Distribuição do número de usuários da USF pela categoria etária


Fonte: Dados da pesquisa, 2010.

Gawryszewski, Jorge e Koizumi (2004) afirmam que o envelhecimento da população


brasileira é considerado pela demografia como um sinal de desenvolvimento. Numa
perspectiva nacional e regional, o estado da Paraíba entre os estados brasileiros se configura
como um dos maiores em crescimento de idosos, o índice de envelhecimento que é
representado pelo cálculo do n de pessoa com >= 60 anos por 100 pessoas menores de 15
anos de idade está entre a média nacional que é de 36 e a média da região nordeste que é de
32 (BRASIL, 2007b).
A população estudada apresenta um alto índice de envelhecimento de 33, no entanto,
o percentual de idosos 7,7% se encontra abaixo da média nacional. Estes dados permitem
concluir que apesar de atualmente o percentual de idosos está abaixo da média nacional, a
área apresenta condições que favorecem ao envelhecimento dos indivíduos moradores na área
de abrangência da USF.
O estudo ainda revela sobre a questão etária a qual foi categorizada priorizando a
condição ocupacional do individuo. Conforme figura 2, a mais prevalente foi a de jovens-
adultos entre 14 e 59 anos com 69,8% a idade definida onde os indivíduos em predominância
estão economicamente ativos. Comparando a dados nacionais os quais apresentam a taxa de
63,6%, a área se enquadra por tanto com grande concentração de indivíduos em plena fase
produtiva (BRASIL, 2007 b; CLT, 2009; OIL/OIT; 2009).
Ao analisar outros dados demográficos podemos identificar que o sexo feminino teve
um percentual superior de 54,7% em relação ao masculino, o que aproxima da média
municipal que é de 53,3% (SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE, 2006)
Quanto à escolaridade, se calcularmos a taxa de analfabetismo que representa o
percentual de analfabetismo somente entre os > 15 anos observamos a taxa de 11,5%, um
45

índice que supera a média nacional que é de 10%. É importante destacar que esses dados são
referidos pelos usuários e podem ainda estar subestimados, pois o analfabetismo diante da
sociedade é visto por parte da sociedade como a ausência da capacidade racional e reflexiva e
desta forma é em diversas vezes omitidos conforme Bagno (1999).
Os dados da pesquisa apresentados na Figura 3 demonstram maior percentual de
trabalhadores de 48,6%, do grupo ocupacional 5 correspondente ao grupo de trabalhadores
dos serviços e vendedores do comércio em lojas e mercados classificação estipulado por
Brasil (2002b) o qual vem sendo defendido como grupo de maior representação no mercado
informal relatam os autores Melo e Teles (2000).
Comentam Melo e Teles (2000), Cacciamali (2000) e Borges e Druck (1993), que o
trabalho informal, apesar de ser um termo de ampla aceitação e difusão, não possui uma
definição consensual exata principalmente sobre sua natureza e composição. Contudo, faz se a
conceituação do termo no Brasil pelo trabalho onde o empregado não possui registro ou
carteira de trabalho como vínculo ao empregador e os exemplos mais presentes no Brasil são
trabalhadores em microempresas, no domicílio e ambulantes. Assim, este grupo vem sendo
encarado como parcela expressiva dos trabalhadores mais pobres, à margem da legislação
trabalhista e do respaldo da mesma.
Diante da toda discussão, ainda se faz perceber que o alto índice do grupo 5 pode
sugerir que a atividade econômica predominante dentre os trabalhadores da área é o comércio
e serviços, sugerindo ainda baixo nível econômico da população devido os menores lucros e
benefícios serem apontados como os do mercado informal relatado por Cacciamali (2000) e
Borges e Druck (1993).
Ao grupo ocupacional (G7) e (G8) representado pelos trabalhadores de bens e
serviços industriais. Observa-se uma taxa muito superior a média nacional que é de 9,0%
conforme Brasil (2000 b). O índice na área o qual pode ser observado na Figura 3 também
muito difere do município de João Pessoa revelando uma percentagem de 19,6 p.p. acima da
média municipal para este grupo de trabalhadores, conforme Secretária Municipal de Saúde
(2006) e Brasil (2007a). A justificativa pode estar associada com a localização da
comunidade, a qual faz limite com a área industrial da cidade. Além disso, pode-se sugerir
baixa escolaridade da população trabalhadora a partir do dado, pois, para o exercício dessa
ocupação, a escolaridade não é fator essencial representando assim uma oportunidade de
entrada no mercado de trabalho aos providos de menor escolaridade segundo Oliveira e Rios
(2007) e Camargo e Reis (2008).
46

É interessante destacar que estudos científicos alegam que este o grupo de


trabalhadores industriais são apontados entre os de mais alto risco ocupacional para patologias
cardiovasculares como hipertensão arterial e diabetes justificadas pelas extenuantes jornadas
de trabalho, e de doenças ou distúrbios mentais e neoplasias, além de outras patologias
relacionadas diretamente a exposições a produtos lesivos a saúde como, por exemplo, ferro,
cimento, amianto e tinta (MENDES, 2007a).

FIGURA 3: Distribuição da população ocupada na área de abrangência da USF Maria de


Nazaré segundo os grupos ocupacionais
Fonte: Dados da pesquisa, 2010.

Os não ocupados compõe o décimo grupo, G10; representados pelas crianças e


jovens de 0 a 15 anos não estudantes (G10.1), pensionista e/ou aposentados (G10.2), donas do
lar (G10.4), estudantes (G10.5) e desempregados (G10.6). Este décimo grupo possui o maior
percentual sobre a amostra populacional, revelando um total de 881 indivíduos (66%),
enquanto os ocupados definidos pela reunião de G1 a G9 são de 455 indivíduos (34%). Entre
o grupo de não ocupados se situam os desempregados, os quais representam a quantia de 65
de freqüência (7,4%).
Relatado em IOL/OIT (2009) e em Brasil (2007a), os principais indicadores
utilizados para analisar as oportunidades de emprego, são as taxas de participação, o nível de
ocupação e a taxa de desemprego. A taxa de desemprego é definida pela freqüência de
desempregados pela população entre 14 e 59 anos estipulada como em idade economicamente
ativa é de 6,9%, um valor abaixo da média do estado da Paraíba que é de 8%.
47

Embora, se analisarmos entre os não ocupados são encontrados altos índices de


mulheres “inativas” que referiram na ficha A como donas do lar, percebe-se assim um
percentual de 22,4% e em união com a freqüência percentual de usuários-desempregados
soma-se 29,8 % conforme Tabela 3.
TABELA 3: Distribuição do número de usuários entre a população enquadrada como não
ocupada
GRUPO DOS NÃO OCUPADOS N %
G10.1 111 12,6
G10.2 75 8,5
G10.4 197 22,4
G10.5 433 49,1
G 10.6 65 7,4
TOTAL 881 100,0
Fonte: Dados da pesquisa, 2010.

Esses dados remetem a uma grande discussão sobre o desemprego e o mercado para
o gênero feminino. Vem se observando e refletindo a partir da década de 90, o que
tradicionalmente era aceito como comum, a escassa participação da mulher em relação ao
homem no mercado de trabalho. Apesar de nos dias atuais as mesmas representarem 25%,
como provedoras do lar ou mantedoras financeiras, ainda muitas mulheres vivem questões
culturais impeditivas de entrada no mercado de trabalho, entre estas, a definição do lar como
posse e inteira responsabilidade da mulher. Estes dados são mais visíveis principalmente em
comunidades menos desenvolvidas e com baixa escolaridade, onde a união estável e/ou os
filhos geralmente ocorrem na adolescência impedindo inclusive o estudo e uma atividade
produtiva (NAZARETH, 2003; AQUILINI; COSTA, 2003).
Quando se relaciona as variáveis: grupo ocupacional e idade, sobrevém uma
concentração dos trabalhadores na faixa de 19 a 59 anos ou fase adulta, dado esperado; não
obstante, os autores Cruz e Moreira (1998) mencionam que cada dia vem crescendo o número
de crianças e adolescentes que trabalham, uns fazendo trabalhos leves, acompanhados e
protegidos pela família, e outros, por se constituírem, às vezes, na única fonte de renda
familiar, trabalhos danosos que prejudicam o desenvolvimento e engajamento escolar. Os
dados da área não ratificam a situação apresentada acima, pois a freqüência de trabalho
infantil para indivíduos de <14 anos é quase insignificante, 0,1% (1) o que sugere que a
comunidade e as políticas públicas têm sido atuantes e eficientes na redução dessa taxa na
área. É importante destacar que nesses últimos anos, vem se utilizando a USF como ponto de
cadastro e acompanhamento para o programa Bolsa Família, um auxílio onde para o
recebimento é exigido à freqüência de crianças e adolescentes < 15 anos às aulas, além disso,
48

sugere se que os projetos sociais da localidade podem ter contribuído para este positivo
resultado (NOBRE, 2003; BRASIL, 2003).
Existe nessa circunstância uma situação paradoxal entre a definição de trabalho
infantil haja vista que Brasil (2002) publicou uma alerta para que se considere trabalho
infantil em menores de 16 anos, enquanto o Estatuto da Criança e do Adolescente no artigo
62, CLT (2009) e IOL/OIT (2009) partilham das ressalvas para a permissão da atividade
laboral a partir dos 14 anos na condição de aprendiz. A RIPSA (2008) e o BRASIL (2007 b)
utilizam a faixa etária entre 14 e 59 anos como a da população em idade economicamente
ativa, avaliando esta faixa etária como a maior produtividade da população.
O grupo de não ocupados se estabelece como maioria em todas as faixas etárias
conforme tabela 4. Entretanto, entre os jovens de 14 a 18 anos, notou-se um baixo índice de
ocupação, um dos principais traços estruturais do mercado laboral juvenil no Brasil o qual é
mais observado em área urbana. São sugeridos diversos fatores explicativos para a condição,
entre eles: baixa capacitação e aceitação do jovem no trabalho e a realização de serviços
ilegais não aceitos na sociedade como ocupação como, por exemplo, a comercialização de
drogas (IOL/OIT, 2009).

TABELA 4: Distribuição dos usuários em grupos ocupacionais por determinada faixa etária
GRUPOS IDADE EM CATEGORIAS
TOTAL
OCUPACIONAIS < 14 % 14- 19 % 19 – 59 % 59+ %
Grupo 1 0 0,0 1 0,1 5 0,4 1 0,1 7 0,5
Grupo 2 0 0,0 0 0,0 26 1,9 1 0,1 27 2,0
Grupo 3 0 0,0 0 0,0 29 2,2 1 0,1 30 2,2
Grupo 4 1 0,1 0 0,0 44 3,3 0 0,0 45 3,4
Grupo 5 0 0,0 2 0,1 203 15,2 16 1,2 221 16,5
Grupo 6 0 0,0 1 0,1 2 0,1 0 0,0 3 0,2
Grupo 7 0 0,0 0 0,0 91 6,8 5 0,4 96 7,2
Grupo 8 0 0,0 0 0,0 13 1,0 0 0,0 13 1,0
Grupo 9 0 0,0 0 0,0 13 1,0 0 0,0 13 1,0
Grupo 10 302 22,6 135 10,1 362 27,1 82 6,1 881 65,9
TOTAL 303 22,7 139 10,4 788 59,0 106 7,9 1336 100,0
Fonte: Dados da pesquisa, 2010.

Ao correlacionar escolaridade com situação ocupacional, observa-se um alto


índice de indivíduos não alfabetizados fora do mercado de trabalho na faixa etária entre 14 e
59 anos de 42,2 %. De acordo com o teste qui-quadrado, ao nível de significância de 5% e
p_valor =0,000, pode-se afirmar que a escolaridade está atrelada a situação ocupacional. Este
49

resultado é de se esperar, já que o mercado de trabalho está cada vez mais exigente com o
requisito escolaridade a figura 4 ilustra a comparação da escolaridade e situação ocupacional.

FIGURA 4 : Distribuição do número de alfabetizados e não alfabetizados em relação à


condição ocupacional: ocupado ou não ocupado.
Fonte: Dados da pesquisa, 2010.

4.2 CORRELAÇÕES VARIÁVEIS SOCIAS E CONDIÇÃO DE SAÚDE

Quando se correlaciona a condição ocupacional, na faixa etária dividida em


economicamente ativa (14 e 59 anos) e não ativa (<14 anos e >59 anos) e a presença ou não
de condição de saúde referida; o estudo comprovou haver associação entre essas variáveis, ou
seja, a presença de doenças ou condições interfere na condição de ocupado ou não ocupado
visualizar tabela 5 e 6. Percebe-se a partir da tabela 8 a qual traz o coeficiente de contingência
médio quadrado que tem como resultado em 0,115 e o p_valor = 0,008 para usuários não
ocupados e 0,259 e o p_valor = 0,00 para usuários ocupados, que há significativa associação
entre a presença de doenças ou condição referida e a condição ocupacional. É importante
ressaltar que há uma fraca associação devido o coeficiente não se aproximar de 1 em ambos
os casos, o que pode ser explicado pela existência de outros fatores como capazes de interferir
na condição ocupacional, como a baixa escolaridade e capacitação apresentada pelos
trabalhadores, além da ausência de oportunidades de emprego, entre outros como mencionam
Oliveira e Rios (2003), Camargo e Reis (2008) e Mendes (2007b).
50

A presença de deficiência no trabalhador interfere na condição de ocupado, isto se


mostra como dado interessante, ratificando a idéia de Anach (1994) que revela que o mercado
é mais difícil para o indivíduo que possui deficiência do que para aquele que não possui. Isto
se mostra mesmo diante da atual situação brasileira onde há um sistema de cotas defendido
por lei que obriga a inclusão deste trabalhador. Neste contexto, visualiza-se ainda uma
necessidade de mais esforços para a inclusão desses indivíduos no mercado de trabalho. Não
obstante, a partir do coeficiente de contingência, observou-se estatisticamente que a condição
de deficiência interfere no fato de estar ou não trabalhando, mas não é fator único; sugerindo
que outros fatores como o preconceito da sociedade brasileira no que diz ao encaixe desse
trabalhador no mercado e a ausência de capacitação e/ou adaptação para realização das
diversas atividades empregatícias podem promovem esse resultado respaldado pelo estudo de
Anach (1994).

TABELA 5: Distribuição do número dos usuários não ocupados segundo as patologias e


condições referidas e ausentes
CONDIÇÕES ID ECON ATIVA ID ECON NÃO ATIVA Total
OU DOENÇAS
REFERIDAS N % N % N %
Nenhuma 423 84,6 317 83,2 740 84,0
Deficiente 6 1,20 1 0,3 7 0,8
Gestante 9 1,80 0 0,0 9 1,0
Diversas
62 12,4 63 16,5 125 14,2
doenças*
TOTAL 500 100,0 381 100,0 881 100,0
Fonte: Dados da pesquisa, 2010.

A tabela 5 também permite concluir que a condição de gestante favorece a condição


de não ocupado no mercado, esse índice como comentado na tabela 3 no qual foi comentado a
grande freqüência de mulheres “inativas” ou donas do lar na área pode estar ligado à opção
das mesmas assumirem as atividades da casa e de cuidados com os filhos, isto é mais
evidenciado entre mulheres com baixa escolaridade e condições econômicas. É nesta situação
que adolescentes trocam os estudos para assumir a condição de mães e esposas conforme
IOL/OIT (2009) e Aquilini e Costa (2003).
51

TABELA 6: Distribuição do número dos usuários ocupados segundo as patologias e


condições referidas e ausentes
CONDIÇÕES OU
DOENÇA ID ECON ATIVA ID ECON NÃO ATIVA TOTAL
REFERIDA N % N % N %
Nenhuma 352 81,5 8 34,8 360 79,1
Deficiente 4 0,93 0 0,0 4 0,9
Gestante 3 0,69 0 0,0 3 0,7
Diversas Doenças 73 16,9 15 65,2 88 19,3
TOTAL 432 100,0 23 100,0 455 100,0
Fonte: Dados da pesquisa, 2010.
Entre as patologias definidas como diversas doenças na tabela 6 se encontram:
Alcoolismo (ALC), Câncer (CA), Diabetes (DIA), Distúrbio mental (DME), Epilepsia (EPI),
Hanseníase (HAN), Hipertensão arterial (HA), Tuberculose (TB), Doença de Chagas1 (CHA),
Insuficiência renal1(IR), Acidente Vascular Cerebral1 (AVC), Indivíduos com duas ou mais
patologias referenciadas acima1 (Doenças associadas). O termo nenhuma substitui ausência de
doença ou condição referida (N). Entre as condições referidas pode ser encontrada na tabela a
Gestação (GES) e a Deficiência (DEF).
Pode se constatar pela Tabela 7 que a doença mais prevalente entre os trabalhadores
é a hipertensão arterial, seguido pelas doenças associadas entre as quais está a associação de
diabetes e hipertensão arterial num percentual de 75%. Este dado é confirmado pelos estudos
de Cordeiro et al. (1993), Lessa (2001) e Loilo et al. (1993) estes ainda ressaltam que as doenças
cardiovasculares como a hipertensão arterial e o diabetes são as mais prevalente em classe
trabalhadoras braçais do em áreas administrativas.
Foi observada incidência de alcoolismo ainda que baixa (4,2%) entre os trabalhadores
ocupados conforme tabela 7. O alcoolismo é entendido como problema de saúde pública,
cerca de 7% da população mundial sofre com ele, destes, 70 % são trabalhadores, trata-se
também da terceira causa de absenteísmo ao trabalho e a oitava em auxílio doença,
aumentando em cinco vezes a incidência de acidente de trabalho (MENDES, 2007b).

1
Essas patologias apesar de encontradas entre os usuários foram encontradas associadas a outras como
Hipertensão arterial e Diabetes e estão encaixadas no grupo de doenças associadas.
52

TABELA 7: Distribuição da condição ocupacional segundo as doenças associadas e


condições referidas
DOENÇAS OU CONDIÇÃO OCUPACIONAL TOTAL
CONDIÇÕES
NÃO OCUPADOS % OCUPADOS % N %
REFERIDAS
HA 78 33,1 60 25,4 138 58,5
ALC 0 0,0 10 4,2 10 4,2
DIA 5 2,1 5 2,1 10 4,2
CA 3 1,3 1 0,4 4 1,7
DEF 7 3,0 4 1,7 11 4,7
DME 11 4,7 0 0,0 11 4,7
DOENÇAS ASSOCIADAS 25 10,6 12 5,1 37 15,7
EPI 1 0,4 0 0,0 1 0,4
GES 9 3,8 3 1,3 12 5,1
HAN 1 0,4 0 0,0 1 0,4
TB 1 0,4 0 0,0 1 0,4
TOTAL 141 59,7 95 40,3 236 100,0
Fonte: Dados da pesquisa, 2010.

A presença desse hábito insalubre, o alcoolismo, deve ser combatida ainda que
minimamente observada nos dados. Para isso, grandes esforços pela sociedade civil e
empresarial devem ser realizados, pois, esta se revela como fator de alto custo para a empresa
o que prejudica o trabalhador tanto na obtenção de uma vaga ou permanência na mesma,
principalmente no mercado formal. Além disso, traz complicações ainda mais sérias,
sobretudo, contribuindo para a morbidade do trabalhador e a violência doméstica (MENDES,
2007b).

TABELA 8: Coeficiente de Contingência


COEFICIENTE DE CONTINGÊNCIA Valor N P_valor
Condição ocupacional X Doenças referidas 0,325 236 0,002
Idade X Condições referidas (não ocupados) 0,115 881 0,008
Idade X Condições referidas (ocupados) 0,259 455 0,000
Fonte: Dados da pesquisa, 2010.

De acordo com a tabela 8, o coeficiente de contingência médio quadrado resultou em


0,325 e o p_valor = 0,02. Isso significa que existe uma associação entre a condição
ocupacional do indivíduo e as doenças que neles desenvolvem, ou seja, as doenças
investigadas no estudo, as cardiovasculares (a hipertensão arterial e o diabetes), o alcoolismo,
os distúrbios mentais entre outras definidas na tabela 7 podem ser o motivo que levam esses
indivíduos a estarem fora do mercado de trabalho. Entretanto, ao observar que esse
53

coeficiente não se aproxima de 1 permite concluir que existem outras variáveis ou situações
de empecilho a esses trabalhadores de se ocuparem, como a dinâmica do mercado de
emprego; a baixa capacitação do trabalhador, a aceitação, o apoio de políticas públicas e o
preconceito entre outras confirmado por Anach (1993),Camargo e Reis (2008) e Fonseca
(2003).
Por exemplo, ao observar os indivíduos da amostra com distúrbios mentais nota-se que
todos estes estão fora do mercado, o que pode sugerir duas situações, tanto que essas
patologias dificultem a entrada destes indivíduos no mercado quanto que essas patologias
possam ter sido trazidas pelo próprio trabalho, pois já foi apontado por Kalimo (1980) e
Anach (1993) que as doenças e deficiências mentais são entre as doenças ocupacionais as
mais freqüentes e que quando diagnosticadas se encontram em estágios avançados o que
denota mais tempo para recuperação e readaptação a atividade empregatícia anterior, além de
promoverem preconceitos sociais envolvidos. Um estudo com dados de aidético e o mercado
de trabalho, devido a doença ser marcada pelo preconceito revelou o preconceito trazido por
ela é a principal dificuldade no engajamento no mercado de trabalho dos indivíduos
portadores. É possível compreender a repercussão que estas doenças podem trazer para
trabalhador desde dificultar sua entrada no mercado como lesá-los e torná-los a margem da
sociedade tirando direitos humanos tendo em vista que a ocupação traduz status, sustento e
dignidade ao homem (FONSECA, 2003).
54

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS

A partir do estudo foi possível obter um perfil socioeconômico e epidemiológico em


saúde do trabalhador na USF Maria de Nazaré e correlacionar variáveis sociais e de trabalho
com as condições de saúde.
Desta forma, identifica-se que a área possui uma população onde as mulheres são
maioria (54,7%) assim como a classe de jovens-adultos (69,8%). Não obstante, observa-se
que existe um crescimento da faixa etária idosa >59 anos, evidenciado pelo alto índice de
envelhecimento (33). Avalia-se também que taxa de analfabetismo é alta (11,5%) e a
condição de não alfabetizado interfere na situação de estar trabalhando ou não, o que pode ser
confirmado pelos estudos de Oliveira e Rios (2007) e Camargo e Reis (2008), os quais
mencionam que existem maiores dificuldades de entrar no mercado de trabalho,
principalmente, no formal quando se possui baixo nível de escolaridade e informação.
A classe em idade economicamente ativa (14 a 59 anos) apresenta-se com 69,8% de
toda população. A taxa de desemprego calculada foi de 6,9%, um valor abaixo da média do
estado da Paraíba que é de 8%, embora entre os indivíduos não ocupados, ao considerarmos
os dados das mulheres “inativas” ou donas do lar, tenha sido obtido uma soma com os
desempregados de 29,8 %. Destes, a maioria se encontravam entre os jovens de 14 a 18 anos,
sugerindo ausência de oportunidade do primeiro trabalho e/ou emprego ou mesmo
desinteresse desses indivíduos por um espaço no mercado de trabalho (IOL/OIT, 2009).
É interessante destacar que não foi observado valor significativo de trabalho infantil
diferente do que é encontrado em regiões de periferia, conforme IOL/OIT (2009). Pode-se
inferir que nesta comunidade existem ações de cuidado a crianças e adolescentes.
Entre os trabalhadores ocupados, a atividade economicamente prevalente na área foi
a de trabalhadores dos serviços e vendedores do comércio em lojas e mercados (G5) (48,6%)
seguido pelos trabalhadores de bens e serviços industriais (24,0%). Estes dados se enquadram
com predominância de trabalhos categorizados como informais e ao se considerar a
informalidade como o setor de menores salários e condições. Supõe-se que a população tenha
baixo nível econômico e alto risco ocupacional segundo afirmam Cacciamali (2000) e Borges
e Druck (1993).
Diante desse contexto, Cordeiro et al (1993), Lessa (2001) e Loilo et al. (1993)
mencionam sobre os riscos de trabalho informal, os quais, em sua maioria, exigem baixo grau
intelectual. Estes são responsáveis por sujeitar o trabalhador a maiores riscos de doenças
55

cardiovasculares, tais como, hipertensão arterial e diabetes. Essas patologias são justificadas pela
jornada extenuante e ausência de estímulo de crescimento profissional e nessa população pelo
estudo em questão onde entre os indivíduos ocupados estas foram predominantes, num percentual
superior a 58%.
O estudo ainda revela que os indivíduos acometidos por doenças ou condições
parcialmente limitantes como a diabetes, a gestação e a deficiência, podem ter mais
dificuldades na entrada e permanência no mercado de trabalho como ocupado, afirmação já
realizada por Anach (1994). No entanto, não somente esses fatores são empecilhos, existem
outros tais como o preconceito da sociedade para com esses indivíduos, avaliando-os como
alto custo à empresa, a baixa capacitação do trabalhador e a ausência de oportunidade de
trabalho por motivos econômicos nacionais (CAMARGO; REIS 2008; MENDES, 2007b).
Em relação ao alcoolismo, observou-se uma incidência relativamente baixa entre os
trabalhadores ocupados, dado contraditório a Mendes (2007b) o qual relata uma incidência
mundial de 7%. Este autor avalia a doença como um problema de saúde pública por
desfavorecer ao empregador e ao trabalhador, conduzindo a um comprometimento na
atividade produtiva dos trabalhadores, sendo uma das principais causas de auxílio doença e
acidentes no trabalho e mesmo de violência dentro e fora do trabalho.
O estudo aponta, por fim, que mais pesquisas com dados da atenção básica na área de
saúde do trabalhador sejam realizadas, inclusive, associando variáveis não abordadas pelo
estudo. Constatou-se, a partir do mesmo, que há uma escassez de estudos utilizando a rica
base de dados fornecida pelo SIAB, justificado pela não confirmação da confiabilidade gerada
pelo sistema. Pode haver, assim, insegurança devido o sistema ser recente e ainda apresentar
lacunas e termos divergentes ocasionados pela inabilidade dos ACS com o instrumento de
registro e a falta de compromisso ou treinamento tanto dos mesmos quanto dos responsáveis
pela análise municipal desses dados. Esta afirmação foi realizada por Ribeiro et al (2004) que,
ao realizar um estudo piloto utilizando o SIAB em um município nacional concluiu este ser o
motivo para a presença de lacunas no sistema.
Entretanto, a experiência realizada com a ESF Maria de Nazaré demonstrou, ainda
que necessite de maior aprimoramento e homogeneidade dos conceitos sobre o preenchimento
da ficha A e mudanças em sua própria estrutura, que a equipe se mostra interessada com o uso
instrumento dando atenção a atualização e modificação dos dados quando é necessário são
bastante receptiva e flexível a mudança.
A partir da análise do perfil, sugere-se que haja ações articuladas nos mais diversos
âmbitos – político, social, governamental, empresarial e individual – afim de que se possam
56

reduzir as taxas de analfabetismo, as taxas de desemprego e igualdade no mundo do trabalho,


assim como uma maior vigilância em saúde desses trabalhadores que devido à atividade
econômica que exercem estão mais sujeitos a serem acometidos por patologias ocupacionais e
acidentes de trabalho. Esta vigilância é de responsabilidade de todos os atores envolvidos na
saúde do trabalhador inclusive dentro do Sistema Único de Saúde como fisioterapeutas,
enfermeiros, médicos, psicólogos, assistentes sociais, advogados entre outros, os quais
precisam de um olhar diferenciado que envolva saúde e condições sociais.
Os dados apresentados e as correlações entre trabalho e saúde descritas no estudo
podem contribuir aos órgãos e instituições municipais e estaduais, como instrumento de
acompanhamento e a avaliação das condições demográficas e em saúde do trabalhador em
áreas com mais baixo índices de desenvolvimento, alertando gestores tanto da questão
socioeconômica e trabalhista daquela população quanto da importância de que valorizem
eficientes sistemas de informação e discussão de dados na atenção básica, uma vez que ao
Ministério da Saúde indica à unidade de saúde da família no ponderamento dessa vigilância e
assistência ao trabalhador sendo capazes de apresentar dados que descrevem o ambiente e o
convívio social da classe.
57

REFERÊNCIAS

ALMEIDA, A. B. Fisioterapia na Comunidade. Resumo. In: 2º Congresso Brasileiro de


Extensão Universitária. Belo Horizonte, 2004.

ALVES, V.S. Um modelo de educação em saúde para o Programa de Saúde da Família: pela
integralidade da atenção e reorientação do modelo assistencial. Interface, v 9, n°16, p 39-52,
set 2004 / fev 2005.

ANACH, A. A. O deficiente no mercado de trabalho: Definição ou conquista?. Revis


Brasileir Educ especial, s/n, 119-128, 1994.

ANTUNES, R. O caracol e a concha: Ensaio sobre a nova morfologia do Trabalho. Ensaio,


Unicamp, 2000.

AQUILINI, G H e COSTA, P L. O sobre-desemprego e a inatividade das mulheres na


metrópole paulista. Estudos Avançados, São Paulo, 17 (49), 2003

BAGNO, Marcos. Preconceito Lingüístico: o que é e como se faz. São Paulo: Loyola, 1999

BORGES, M G ; DRUCK, A. Crise global,terceirização e a exclusão no mundo do trabalho.


Caderno CRH, Salvador, 1993.

BRASIL, Ministério da Saúde. Saúde da Família: Uma Estratégia para a Reorientação do


Modelo Assistencial. Brasília, 1998.

_______, Ministério da Saúde, Legislação do SUS, 20 ed. Brasília, 2000a.

_______, Ministério da Saúde. Manual do SIAB- Manual do Sistema de Informação da


Atenção Básica, 3. ed. Brasília, 2000 b.

_______, Ministério da Saúde. Doenças Relacionadas ao Trabalho: Manual de


Procedimentos para os Serviços de Saúde. Brasília, 2001a.

_______, Ministério da Saúde. Cenário da Saúde do Trabalhador de 1986 a 1993 e


Perspectivas. Painel. In: Anais da II Conferência Nacional de Saúde do Trabalhador: Brasília
2001b.

_______, Ministério da Saúde. Saúde do Trabalhador- Caderno Nᴼ 5 da Atenção Básica.


Brasília, 2002a.

_______, Ministério do Trabalho e Emprego. Classificação Brasileira de Ocupações.


Brasília, 2002b (Caderno 1, 2, 3).

BRASIL, Ministério da Saúde. Conferências Nacionais de Saúde. Disponível em:


<http://www.portalmedico.org.br/biblioteca_virtual/cinaem/Pag101_102_103.htm).> Acesso
em 19 de agosto de 2002 (c).

_______, Ministério da Saúde. Projeto de Expansão e Consolidação da Saúde da Família


(PROESF). Brasília, 2003.
58

_______, Ministério da Saúde. Política Nacional de Segurança e Saúde do Trabalhador


(PNSST). Brasília, 2004.

_______, Ministério da Saúde. Legislação em Saúde do Trabalhador, 2.ed.. Brasília, 2005.

_______, Ministério da Saúde. Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do


Trabalhador (RENAST). Manual de Gestão e Gerenciamento. São Paulo, 2006.

_______, Ministério da Saúde. Indicadores Dados Básico em Saúde. Brasília, 2007a.

_______, Ministério do Trabalho e Emprego. Anuário dos Trabalhadores. Brasília, 2007b.

CACCIAMALI, M C .Globalização e processo de informalidade.Economia e Sociedade,


Campinas, (14): 153-154 174, jun. 2000.

CAMARGO, J M, REIS, M C. Aposentadoria, Pressão Salarial e Desemprego por Nível de


Qualificação. RBE, Rio de Janeiro, 62 (3), 299–331, Jul-Set, 2008.

CEREST, Secretaria Municipal de João Pessoa. Relatório de Gestão 2006-2008. João


Pessoa, 2008.

_______, Secretaria Municipal de João Pessoa. Relatório de Gestão 2009. João Pessoa,
2009.

CLT. Disponível em <www.legislaçãotrabalhista.com.br>. Acesso em 20/03/2010.

CONSTITUIÇÃO FEDERAL. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Consti-


tuicao/Constitui%C3%A7ao.htm > Acesso em 19/04/2010.

CRUZ, O.N.; MOREIRA, M R. Trabalho infanto-juvenil: motivações, aspectos legais e


repercussão social. Cad. Saúde Pública. Rio de Janeiro, 14 (2), 1998.

FAVORETO, C A ; CAMARGO, K.R. Alguns desafios conceituais e técnicos operacionais


para o desenvolvimento do Programa de Saúde da família como proposta transformadora do
Modelo Assistencial. Rev. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 12(1) : 59-75, 2002.

FLEURY, S. A questão democrática na saúde. In : FLEURY, S. Saúde e Democracia. A


Luta do Cebes, São Paulo: Lemos Editorial, 1997.

FERRAZ, L; AERTS, D R G C. O cotidiano de trabalho do agente comunitário de saúde no


PSF em Porto Alegre Ciênc. saúde coletiva, 10(2),2005.

FONSECA, M. G P. Distribuição social da AIDS no Brasil, segundo participação no mercado


de trabalho, ocupação e status sócio-econômico dos casos de 1987 a 1998. Cad. Saúde
Pública, Rio de Janeiro, 19(5):1351-1363, set-out 2003.

GAWRYSZEWSKI, V P; JORGE, M H P M; KOIZUMI, M. S. Mortes e internações por


causas externas entre os idosos no Brasil: o desafio de integrar a saúde coletiva e atenção
individual. Rev Assoc. Med. Bras. São Paulo, 50 (1), 2004.
59

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GOMEZ, C. M.; COSTA, S.M.F.T. A construção do campo da saúde do trabalhador:


percursos e dilemas. Cad. Saúde Públ. Rio de Janeiro, 13 (Supl 2): 21-32, 1997.

GOMEZ, C. M.; O LACAZ, F.A. C. Saúde do trabalhador: novas - velhas questões. Ciências
& Saúde Coletiva. 10 (4): 797-807, 2005.

IANNI, O. O mundo do trabalho. São Paulo em Perspectiva, 8 (1): 2-12, 1994.

IBGE, 2005. Disponível em : <www.ibge.com.br>. Acesso em 20/2/2010.

INTERNATIONAL LABOUR OFFICE, OIT. Decent work country profile Brazil. Genebra
and Brasília, 2009.

KALIMO, R., 1980. Stress in work: Conceptual analysis and a study on prison personnel.
Scandinavian Journal of Work, Environment & Health, 6(Sup. 3):1-148.

LESSA, I Epidemiologia da hipertensão arterial sistêmica e da insuficiência cardíaca no


Brasil. Rev Bras Hipertens 8: 383-92, 2001.

LOLIO,C A et al. Hipertensão arterial e possíveis fatores de risco. Rev. Saúde Pública, São
Paulo, 27 (5), out.1993.

LUNA, M.G. Hegemonia e Contra hegemonia no desenvolvimento da favela Maria de


Nazaré. Dissertação mestrado em Educação. João Pessoa, UFPB, 1999.

MAEMO, M & CARMO, J.C. Saúde do Trabalhador no SUS. São Paulo, Hucitec, 2005.

MARX, K; ENGELS, F. Manifesto Comunista. versão digital, Rocket Edition, 1999.

MENDES, R. Patologia do Trabalho- Atualizada e Ampliada, 2 ed, vol. 1. São Paulo,


Atheneu, 2007a .

________, R. Patologia do Trabalho- Atualizada e Ampliada, 2 ed, vol. 2. São Paulo,


Atheneu, 2007b.

MEC, Ministério da Educação. Disponível em< www.mec.gov.br> . Acesso em 15 /04/ 2010.

MELO, H P, TELES, J L. Serviços e Informalidade: o comércio ambulante no Rio de


Janeiro. Rio de Janeiro, Instituto De Pesquisa Aplicada, 2000.

NAZARETH, J S C. “Na hora que tá em sufoco, um ajuda o outro”:Um estudo sobre famílias
chefiadas por mulheres urbanas de baixa renda. Dissertação de Mestrado. Rio de Janeiro,
UFRJ , 2003

NUNES, M O et al..O agente comunitário de saúde: construção da identidade desse


personagem híbrido e polifônico.Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 18(6):1639-1646,
2002.
60

OLIVEIRA, A M H C, RIOS, E L G N. Uma Avaliação Experimental dos Impactos da


Política de Qualificação Profissional no Brasil .RBE Rio de Janeiro ,61 (3),353–378, jul-set
2007.

PAIM, J S. Bases Conceituais da Reforma Sanitária. In : FLEURY, S. Saúde e Democracia.


A Luta do CEBES, São Paulo: Lemos Editorial, 1997.

_____, J S. Atenção a saúde no Brasil. . In : BRASIL, Ministério da Saúde. Saúde no Brasil:


Contribuições para a Agenda de Prioridades de Pesquisa . Brasília, 2004.

PORTO, M F S P; LACAZ, F A C.; MACHADO, J M H. Promoção da Saúde e


Intersetorialidade: Contribuições e limites da Vigilância em Saúde do Trabalhador no Sistema
Único de Saúde (SUS). Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 27, n. 65, p. 192-206, 2003.

RIBEIRO, L. C. et al. Avaliação dos dados do SIAB: uma aplicação da técnica de


amostragem de controle de qualidade para garantia de lotes. Resumo expandido. XIV
Encontro Nacional de Estudos Populacionais, ABEP. Caxambu- MG, set 2004.

RIPSA. Indicadores Básicos para a Saúde no Brasil- IDB: Conceitos e aplicações.


Brasília, 2008.

RODRIGUES, E A .Via Do Parlamento. In : FLEURY, S. Saúde e Democracia: A Luta do


CEBES, São Paulo: Lemos Editorial, 1997.

SESSP e CEREST . Processo de implantação da saúde do trabalhador. Rev Saúde Pública,


38 (3): 471 4, 2004.

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE (SMS). Plano Municipal de Saúde- 2006-2009.


João Pessoa, 2006.

SIEGEL, S. Estatística não-paramétrica: Para ciências do comportamento. McGraw-Hill,


Brasil, 1975.

SILVA, N.D.V. E KASSOUF, A.N. Mercado de Trabalho Formal e Informal uma análise da
discriminação e da Segmentação. Nova economia, Belo Horizonte, 10 (1), 2000.

SOUZA, M M C. O Analfabetismo no Brasil sob o Enfoque Demográfico. Brasília, IPEA


1999 .

SPEDO, S M. Saúde do Trabalhador no Brasil: Análise do Modelo de Atenção proposto para


o Sistema Único de Saúde. Dissertação de Mestrado Saúde Coletiva. Campinas,
UNICAMP, 1998.

TOMAS, E et al.. Aplicativo para sistematizar informações no planejamento de ações de


saúde pública Rev Saúde Pública;37(6), 2003.

VASCONCELOS, E M. Educação Popular e Atenção à Saúde da Família, 4 ed. São Paulo,


Hucitec, 2008.
61

VIANA, A L A; POZ, M R D A.Reforma do Sistema de Saúde no Brasil e o Programa de


Saúde da Família. Rev. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 15(Suplemento): 225- 264, 2005.

VIEIRA, S. Introdução à Bioestatística, 4 ed. Rio de Janeiro, Elsiever, 2008.

______, S. Tópicos Avançados de Bioestatística, 4 ed. Rio de Janeiro, Elsiever, 2008.

WUNSH, V.F. Perfil epidemiológico dos trabalhadores. Rev. Bras. Med. Trab., Belo
Horizonte, 2, (2), 103-117, 2006.
62

APÊNDICE

Apêndice 1- Tabela dos dados socioeconômicos e de saúde dos usuários da USF


Nᴼda Cadastro Microárea Sexo Idade Ocupação Escolaridade Doença
Familia referida
63

ANEXOS

Anexo 1-Fichas A do Sistema de Informação da Atenção Básica ( frente e verso)


64
65

Anexo 2- Certificado provisório do Comitê de Ética em Pesquisa


66

Anexo 3- Encaminhamento da Secretaria de Saúde Municipal