Vous êtes sur la page 1sur 19

Planejamento da

Mineração no Estado de
São Paulo

Secretaria de Energia
e Mineração

José Jaime Sznelwar


Subsecretário de Mineração
Campinas, 22 de Novembro de 2018
Planejamento

• O Planejamento da Mineração só faz sentido se


ligado a um objetivo mais amplo o Planejamento
do Desenvolvimento Econômico e Social.

• O Atividade de Mineração é exercida em regime de


concessão exclusivamente por agentes econômicos
privados, e envolve riscos.

• O regime de concessão demanda regulação,


estímulos a investimentos e atração de capitais.
Planejando o Desenvolvimento

• Que país desejamos ?


• O ser humano como centro da preocupação
• Trabalho, renda, qualidade de vida,
• Municípios e regiões.
• Qual o desenvolvimento é possível?
• A passagem do atual para o moderno no futuro.
• A Industria 4.0, a Mineração 4.0 e a Ges Publica 4.0
• A solução das questões atuais
• Etapas
• Estímulos e eliminação de gargalos
Mineração Responsável

• Cumprimento de normas legais, regulatórias,


ambientais e fiscais.
• Promoção da segurança e bem estar dos
trabalhadores
• Adoção das melhores técnicas para otimização do
aproveitamento dos recursos minerais e a
minimização de impactos ambientais.
• Implementação de ações para o desenvolvimento
econômico e social das comunidades
• Remunerar do capital investido
O Mineronegócio

• Está presente na habitação, nas cidades, na


mobilidade
agregados, areia e brita, o cimento, o aço, a
cerâmica, os metais e o vidro
• Na agricultura e na pecuária:
calcário, gesso, os fertilizantes, o aço e metais
• Na energia e comunicações
ferro, manganês, cobre, alumínio, níquel, lítio,
chumbo.
• Em diversos produtos utilizados em nossa vida.
Cenário Futuro

• Em 2050 o Brasil será a 6ª economia do mundo, com


uma população de 238 milhões e PIB de US$ 6,5
trilhões. ( PWC)

• O déficit habitacional e a fome terão que ser


eliminados e estima-se que este grande desafio
exigirá aumento substancial do consumo de
insumos minerais por habitante.
Mercado Mineral Produtor e
Consumidor

• O estado de São Paulo é 4º maior produtor nacional.


• 120 milhões de toneladas de areia e brita em 2.017 .
• E quatro bilhões e meio de litros de água mineral,
para um mercado consumidor em constante
crescimento na casa dos 7% ao ano.
• Consumo de calcário agrícola para correção de solo
no estado foi de 4,3 milhões de toneladas;
• O estado abriga o maior mercado consumidor de
todos os tipos de bens minerais produzidos em
território nacional.
Tamanho do Mineronegócio Em SP

Títulos do Estado de São Paulo


Títulos Água Areia Argila Brita Calcário Total
Alvará de Pesquisa 557 2.525 2.441 6 225 5.499
Licenciamento - 693 315 4 2 1.051
Portaria de Lavra 318 747 507 289 225 2.073
Requerimento de Lavra 117 1.016 582 12 86 2.000
Requerimento de Licenciamento - 491 350 1 6 880
Requerimento de Pesquisa 191 770 729 3 64 1.646
Total 1.183 6.242 4.924 315 608 13.149
Fonte:http://dados.gov.br/dataset/sistema-de-cadastro-mineiro

Licenciamento 624
Portaria de Lavra 958
Consumo de agregados
Arrecadação do CFEM – 2017 no Estado

Maiores Arrecadores
Arrecadação do CFEM – 2017 no Estado

Principais Substancias
V alor
Arrec adador (Subs. Agrupadora) Qtde Títulos Rec olhimento % Rec olhimento
Operaç ão
CFEM CFEM
1 ÁGUA MINERAL 156 629.077.896,66 6.649.466,12 1,05%
2 AREIA 765 561.381.187,18 7.597.494,19 1,35%
3 GRANITO 75 455.944.121,91 4.406.901,71 0,96%
4 BASALTO 67 253.572.562,27 2.726.368,65 1,07%
5 CALCÁRIO DOLOMÍTICO 42 207.800.806,59 4.802.539,67 2,31%
6 FOSFATO 2 194.957.311,15 3.923.807,98 2,01%
7 ARGILA 296 100.333.289,87 2.013.074,28 2,00%
8 DIABÁSIO 19 91.173.071,33 1.149.532,27 1,26%
9 DOLOMITO 10 79.664.205,26 1.343.788,94 1,68%
10 GNAISSE 11 60.265.050,77 664.308,28 1,10%
11 CAULIM 11 48.008.528,52 856.251,29 1,78%
12 CALCITA 1 23.255.057,56 380.467,42 1,63%
13 MINÉRIO DE ALUMÍNIO 9 14.814.304,28 419.754,60 2,83%
14 FILITO 20 13.512.006,78 235.567,87 1,74%
15 ARGILITO 10 10.027.202,74 146.374,09 1,45%

Geral 1494 2.743.786.602,87 37.315.697,36 1,36%


Minerais Produzidos em São Paulo
CFEM – Distribuição
FNDCT Ibama
Cetem 1,0 % 0,2 %
1,8 %
ANM
7%

Municípios
Afetados
15%

Municípios
Estados
Produtores
Produtores
60%
15%

Lei n°13.540 de 18 de dezembro de 2017 .


Gargalos

• Prazos
– Licenciamento ambiental ( prazos e exigências)
– Concessão e licenciamento mineral. ( prazos)
– Autorizações municipais.
• Logística.
• Fiscalização de impostos e balanças rodoviárias.
• Preparo empresarial e disponilibilidade de recursos
• Responsabilidade Técnica
• Disponibilidade de Tecnologia
• Disponibilidade de MO Operacional Qualificada
Alavancas

• Comunicação e percepção
• Formação profissional e operacional em novos níveis
• Inovação cultural e empresarial
• Inovação operacional e tecnológica.
• Conhecimento geológico – integração e qualidade da
informação e disponibilização da informação
• Colaboração produtiva – APL, consórcios e
cooperativas, compartilhamento de instalações,
equipamentos.
• Simplificação da gestão
• Descentralização da gestão
• Envolvimento Regional
Integração de Bases de Dados

ANM

CPRM SIMIN SEFAZ

SMA
Vale do Paraíba

Petróleo e
Derivados
33,2%
1

2
3

Conceito de reabilitação da várzea ocupada pela atividade de mineração


Curitiba - PR , Teatro de Arame

Petróleo e
Derivados
33,2%
Obrigado!

José Jaime Sznelwar


Subsecretário de Mineração
11981766677