Vous êtes sur la page 1sur 7

PALCO

Mateus Oliveira SILVA¹


Matheus Maia MORAES²
Matheus Alves Lopes MINUNCIO³
Rafael Henrique Gobi CARNEIRO4
Sara Oliveira Camelo Costa MORAIS5
TuilaTachikawa de JESUS6
Vanessa GIANOTTI7
Diva SILVA8
Universidade de Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG

RESUMO

Trabalho produzido por alunos da nona turma do curso de Jornalismo da


Universidade Federal de Uberlândia, como atividade da matéria obrigatória:
Comunicação e Educação. Com orientação da docente Diva Silva, a construção do
projeto se deu por meio de vivências dentro do espaço do teatro na universidade,
localizado no bloco 3M, após trabalho elaborado para a disciplina de Projeto
Interdisciplinar de Comunicação (PIC I). Notamos que os alunos o curso, em especial
os alunos do teatro são muitas das vezes vítimas de preconceito e retaliação dentro e
fora da universidade. Por isso, após conversarmos com os alunos, decidimos criar um
minidocumentário acerca de suas visões, para poder levar as pessoas a sua visão, e
consequentemente combater os tabus que tais sofrem.

PALAVRAS-CHAVE: Teatro; preconceito; retaliação; alunos; visões; combater;


tabus.

1. INTRODUÇÃO
Nem sempre o curso de Teatro é visto com “bons olhos”, isso acontece na
Universidade Federal de Uberlândia (UFU). O preconceito arraigado na sociedade, o
estigma de que as intervenções propostas por tais são na verdade badernas fica nítido nas
rodas de conversas do campus. Muitos não se atentam para a real mensagem que o curso,
e principalmente os alunos querem passar, o de a partir da arte fazer denúncias a respeitos
de assuntos que muitas das vezes são deixados de lado, falar sobre tabus sociais e trazer

1 Estudante do 1º. Semestre do Curso de Jornalismo, e-mail: mateus-oli@hotmail.com


2 Estudante do 1º. Semestre do Curso de Jornalismo, e-mail: matheus_maia4350@hotmail.com
3 Estudante do 1º. Semestre do Curso de Jornalismo, e-mail: matheusminuncio@gmail.com
4 Estudante do 1º. Semestre do Curso de Jornalismo, e-mail: rafaelcarneiro_7@hotmail.com
5 Estudante do 1º. Semestre do Curso de Jornalismo, e-mail: sara.picasso_@hotmail..com
6 Estudante do 1º. Semestre do Curso de Jornalismo, e-mail: tutachik@hotmail.com
7
Estudante do 1º. Semestre do Curso de Jornalismo, e-mail: vanessaxravena@hotmail.com
8 Orientadora do trabalho. Professora do Curso de Jornalismo, e-mail: diva@faced.ufu.br
para o contexto real debates virtuais, que em alguns momentos são retaliados pelas mídias
ou pela população, colocando os estudantes de teatro a margem da sociedade.
O intuito do minidocumentário PALCO, é mostrar este outro lado da história, mostrar
como é ser um estudante de teatro, suas ambições e motivação com a futura profissão, o
que os levou a seguir este caminho, e principalmente mostrar a partir dos olhos deles o
que é ser um estudante de teatro, principalmente neste contexto de repressão. Nós, alunos
de jornalismo, por meio de conversas com os alunos teatro, optamos em trazer em versão
de vídeo, fotos e áudio a sua visão. Como trabalhado no primeiro período de Jornalismo,
percebemos a importância do uso de mídias no cotidiano das pessoas, e principalmente a
necessidade de se construir algo em conjunto com a comunidade, e não apenas um
produto para ela, em específico nas disciplinas de Comunicação e Educação e Projeto
Interdisciplinar de Comunicação (PIC I).
Assim criamos um canal no Youtube, e uma página do Facebook, onde nós fizemos
postagens sobre o tema que abordaremos no produto final, teasers, produções textuais,
fotos entre outros conteúdos informativo. Nós acreditamos que estas plataformas são as
de maior alcance e acesso, por isso a escolha de tais.
A escolha das mídias finais foi uma decisão entre nós e os alunos do teatro. E ficou a
nossa cardo a edição final do trabalho, assim como a postagem, e as divulgações foram
feitas por ambas as partes. Salientamos que as escolhas das plataformas foram feitas a
fim de levar informações da forma mais didática possível, para assim cumprirmos com o
objetivo do trabalho.

2. OBJETIVO
A escolha do teatro, como comunidade do nosso trabalho, vem após convívio com
graduandos do teatro dentro e fora da universidade. Mesmo que nosso objetivo em
questão seja especificamente os internos da Universidade Federal de Uberlândia (UFU).
Buscamos com o trabalho utilizar das tecnologias de comunicação e a educação como
instrumento de conscientização para as pessoas, visto que os estudantes deste curso
passam por diversos episódios de preconceitos, desvalorização e estigmas sociais, que
por consequência acabam por gerar uma marginalização. O intuito do trabalho é dar voz,
representatividade e ajudar a divulgar esta arte, que muitas das vezes não é valorizada de
forma devida.
O minidocumentário tem como proposta mostrar para as pessoas qual a realidade dos
graduandos de teatro, quais são seus medos, suas projeções futuras e o que os levou a
seguir este caminho. Tendo o intuito de quebrar paradigmas e desconstruir ideias
socialmente construídas de maneira errada. Partimos do pressuposto de utilizar
plataformas de maior alcance e de mais fácil acesso, a fim de chamar atenção da
população de forma lúdica, onde se tem uma compreensão mais fácil da ideia.
Temos como objetivo alcançar, por meio dos processos educomunicativos, maior
visibilidade e aproximação com a comunidade tanto interna, quanto externa ao teatro, se
utilizando de métodos trabalhados pelo pedagogo Paulo Freire, em sua obra “Extensão
ou Comunicação”, de 1969. Entende-se a importância de dialogar não só com a
comunidade, mas também com nosso público alvo para que assim as informações sejam
entendidas de maneira efetiva, sem que deixemos dúvidas na mensagem na qual queremos
passar. E ao utilizamos de mídias de conversação e não de informação, estamos
possibilitando maior interação entre comunidade e os externos a ela.
Queremos levar uma reflexão a comunidade, buscar uma valorização e
reconhecimento do trabalho destes graduandos, que a todo momento em suas
intervenções e trabalhos, buscam pela valorização, não só da família, mas também de toda
a comunidade a sua volta. E que o conceito de arte deve ser revisto pelas pessoas, até
mesmo porque o teatro tem um papel fundamental na formação cultural das pessoas, visto
que ele possibilita o conhecimento sobre a nossa própria cultura, a qual sofre também
com a desvalorização.

3. JUSTIFICATIVA

O teatro, assim como toda forma de expressão artística, busca constantemente uma
reafirmação na sociedade. Muitas vezes, não são dadas a devida importância a tal arte,
que é por meio de uma variedade de peças, que o teatro encontra seu espaço na
sociedade. Abordando temas sociais e de extrema relevância, os que integram o teatro
se sentem no dever de propagar todo e qualquer tipo de manifestação cultural.

Tomando posse nosso projeto, que se dá junto ao curso de teatro da Universidade


Federal de Uberlândia (UFU), objetiva retratar a perspectiva do cotidiano dos
discentes do curso, tentando junto a eles levar uma melhor relação entre a construção
social do indivíduo e a visibilidade que se faz necessário. Desse modo, o grupo
observou um sentimento de “não-realização”, no que tange a falta de evidência por
parte da sociedade, sendo o teatro, uma peça chave nas discussões sociais (suicídio,
fome, pobreza, desigualdade social, depressão).
Portanto, fica claro que a utilização de dispositivos de multimídia, no nosso caso
um curta, que correlacionam educação e comunicação, e que trará ao teatro, acessos
a espaços antes não explorados, podendo assim, despertar o público sobre o que
precisa ser problematizado e resolvido.

4. MÉTODOS E TÉCNICAS UTILIZADOS

A metodologia utilizada para nos inserirmos na comunidade se deu por meio da


observação da reação dos jovens quando o assunto é como eles se inserem no curso de
Teatro da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), a partir de entrevistas informais e
formais, conversas para saber qual seria a melhor forma de retratar suas falas. Houve uma
aproximação, na medida em que foi possível, para tentar acompanhar os participantes do
projeto em seus ambientes de socialização. E por se tratar de seres humanos como objeto
pesquisado, respeitamos as resoluções colocadas pelos comitês de ética, para dar às
entrevistas maior legitimidade e coerência.
O método utilizado para retratar a visão e perspectivas dos alunos do teatro foi o de
gravação de áudio e vídeos, por meio de uma entrevista com os alunos do teatro, a qual
foi gravada na sala de encenação do bloco 3M, que por fim gerou um minidocumentário.
A opção pelo formato de minidocumentário para web foi escolhida através das conversas
feitas entre nós – alunos do jornalismo – e os alunos do teatro, onde chegamos ao
consenso, junto à comunidade, de que esta seria a melhor forma de retratar suas
perspectivas dentro do projeto, por causa do dinamismo e pelo fato de agregar
depoimentos, sem com que haja interferências, tornando o produto algo de fácil acesso e
memorável, buscando sem a identificação do espectador com o tema.
Foi apresentado um esquema de perguntas onde, a primeira é “Em uma palavra, defina
teatro. ”, as respostas deste questionamento vão estar no começo do minidocumentário, e
optamos, em conjunto com a comunidade que o máximo de alunos pudessem falar, assim,
levaríamos de alguma forma a representação e diversidade de tais, contudo não foi
possível devido fato dos alunos estarem em fase de entrega de trabalhos finais. Com isso,
selecionamos 6 alunos para serem os protagonistas da do minidocumentário, este número
tanto quanto as pessoas escolhidas foram escolhidas pela própria comunidade e
apresentado a nós.
A ideia é mostrar a diversidade dentro do curso, então buscamos selecionar alunos de
diferentes períodos para serem os protagonistas, contudo em sua maioria estão cursando
o 4º período. Após escolha passamos uma lista de cinco perguntas, onde começava com
uma breve apresentação dos protagonistas, seguidos das perguntas: “ De todos os cursos,
porque teatro? ”; “Como as pessoas encararam sua decisão? ”; “O teatro tem
correspondido as suas expectativas? ”; “Quais são suas projeções futuras para a profissão?
” e por fim, foi pedido que eles dissessem em poucas palavras o que o teatro significava
para eles.
Pedimos para que eles nos respondessem da forma e ordem que achassem mais
coerente. Eles marcaram uma data e horário para a elaboração das gravações, visto que
estavam com pouco tempo, então nós tivemos que nos adequar a comunidade afim de não
prejudicar nenhumas das partes.
Feito a gravação começamos o processo de estruturação e edição do documentário
por meio do programa Sony Vegas Pro 11.0, por fim postamos na plataforma YouTube,
como o nome PALCO, já que é uma plataforma de fácil acesso e possibilita a divulgação
mais prática.
Criamos uma página do Facebook, como o nome PALCO para então assim
começarmos a divulgações e prévias do documentário, onde postamos fotos e um
pequeno teaser do produto, juntamente com link do canal do YouTube, que foi lançado
pós apresentação para turma.

5. DESCRIÇÃO DO PRODUTO OU PROCESSO.


Ao concluirmos o trabalho, tivemos como produto final uma minidocumentário, de
20 minutos, intitulado PALCO e uma página no Facebook como do nome do produto,
onde fizemos a divulgação, prévias de como seria o produto, divulgação de fotos e por
fim o lançamento do produto final. Os produtos dos projetos estão todos veiculados em
mídias digitais, visto que foi um pedido da comunidade, já que tal acreditava que assim
haveria maior proximidade entre eles e o público. Buscamos retratar as visões e
perspectivas dos alunos de teatro, quanto ao curso e seus futuros, quebrando paradigmas
e preconceitos que a sociedade, tanto interna quanto externa a universidade têm. O uso
de plataformas hospedas nas ferramentas da internet, sendo ela uma Tecnologia de
Acesso, ou seja, os espaços virtuais, que segundo a estudiosa Lucia Santaella na obra
Linguagens líquidas na era da mobilidade, vão ganhar forças a partir da tecnologia da
telecomunicação, facilitando a divulgação de produtos, alcançando um público maior do
que os das outras mídias e tendo maior abrangência social.
A nome PALCO, surgiu por se tratar do local onde na maior parte das vezes os
artistas se apresentam. E a ideia é que ao se assistir ao documentário, as pessoas imaginem
que é mais uma expressão artística, contudo, o roteiro é baseado na vida dos protagonistas.
O produto final, o minidocumentário tem cerca de 20 minutos, onde os alunos do curso
de teatro Sara Stéfanni, Carla Luz, Kássio Rodrigues, Vitor Matsuo, Alessandro Emílio e
Margareth Louise, apresentam sua trajetória antes e durante o curso de teatro, além de
nos dizer quais são as suas projeções futuras para a profissão. Além disso, existem cenas
gravadas da apresentação da peça PULSE, que aconteceu no dia 19 de julho, no bloco
3M, juntamente com imagens do aluno Vitor se maquiando.
O processo de gravação se deu em dois dias com os protagonistas, além de
filmagens e fotografia feitas nos backstages e apresentação da peça PULSE. A ideia foi
buscar uma maior proximidade com a comunidade, a fim de levar a mensagem de forma
verídica, e com maior autonomia do processo. A integração entre nós – aluno do
jornalismo – e a equipe do teatro foi de extrema importância para que os produtos finais
levassem uma imagem fidedigna do que vivenciamos.
Para facilitar a divulgação do produto, optamos em criar duas semanas antes da
entrega uma página no facebook, com mesmo nome do minidocumentário PALCO
(https://www.facebook.com/PalcoDoc/) para facilitar a busca. Entendemos que esta
plataforma seja a de maior alcance para nosso público alvo e com maior facilidade de
acesso. Antes das postagens de teasers e cenas do minidocumentário, optamos por fazer
uma contextualização da temática, colocando informações sobre o teatro, curiosidades da
profissão e sobre o curso da UFU. Aos cinco dias para entrega do PALCO, começamos a
contagem regressiva, com imagens dos participantes protagonistas do minidocumentário.

6. CONSIDERAÇÕES
7. REFERÊNCIAS
FREIRE, Paulo. Extensão ou comunicação? 8ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.
LEMOS, André e LEVY, Pierre. O futuro da internet: em direção a ciberdemocracia
planetária. São Paulo: Paulus, 2010.
SANTAELLA, LÚCIA. Linguagens líquidas na era da mobilidade. São Paulo: Paulus,
2007