Vous êtes sur la page 1sur 30

Projeto GreenVitis, um desafio para uma

melhor produtividade e sustentabilidade


do sistema vitivinícola duriense

Afonso Martins
UTAD/CITAB

Avaliação ambiental no sector Vitivinícola - Régua, 2 Set 2013 1


Motivações para o projeto

Avaliação ambiental no sector Vitivinícola - Régua, 2 Set 2013 2


Práticas de gestão do solo na
vinha e efeitos associados
1. Mobilização na vinha para controlo de
infestantes, prática tradicional, mais
comum, e efeitos resultantes
 Mineralização de MO e emissão de CO2
 Diminuição da atividade biológica e da
biodiversidade
 Maiores riscos de erosão, com perda de solo e de
nutrientes e efeitos negativos nas águas de
escorrência
 Aumento de riscos de compactação e de
degradação da estrutura do solo
 Mais de 50% dos impactes ambientais na produção
de vinho são imputados às técnicas de viticultura
em que a gestão do solo tem um peso
determinante (Neto et al. 2012)

Avaliação ambiental no sector Vitivinícola - Régua, 2 Set 2013 3


A utilização de práticas culturais
de conservação do solo

 Área com mobilização reduzida – 20 % das terras aráveis

 Área com sementeira direta – 4% das terras aráveis

 Área com enrelvamento na entrelinha – 10% das


explorações com culturas permanentes

As práticas de enrelvamento, de mobilização reduzida e de sementeira


direta continuam a ser utilizadas por um baixo número de produtores

Recenseamento Agrícola 2009, INE, 2011

Avaliação ambiental no sector Vitivinícola - Régua, 2 Set 2013 4


Práticas de gestão do solo na
vinha e efeitos associados (cont)

2. Vinha com relvamento e efeitos


reportados
 Conservação e aumento da MO e sequestro
de Carbono
 Aumento da atividade biológica e da
biodiversidade
 Diminuição dos riscos de erosão, com
conservação do solo e dos nutrientes e da
qualidade das águas de escorrência
 Melhoria das condições de estrutura do solo
 Maior garantia de sustentabilidade do sistema
e benefícios na qualidade ambiental

Avaliação ambiental no sector Vitivinícola - Régua, 2 Set 2013 5


Questões que permanecem???

 Que tipo de cobertura – natural ou semeada


 Competição hídrica entre o coberto herbáceo e videira
 Efeitos no comportamento fisiológico da videira
 Efeitos no microclima e consequências no desenvolvimento da
vinha
 Efeitos nos aspetos sanitários
 Saldo de carbono e implicações nas emissões de CO2 e de
outros gases
 Efeitos na qualidade do produto final
 Efeitos na rentabilidade e sustentabilidade do sistema

Avaliação ambiental no sector Vitivinícola - Régua, 2 Set 2013 6


O Projeto

Efeitos da gestão do solo na produtividade e


sustentabilidade do sistema vitivinícola duriense
(GreenVitis) (Financiado pelo PRODER – Inovação)

Situações a ensaiar
1- Prática convencional de mobilização do solo para
controlo de infestantes
2. Manutenção de cobertura herbácea com espécies
espontâneas
3. Manutenção de cobertura herbácea com uma mistura de
gramíneas e leguminosas, adaptada às condições
climáticas do local

Avaliação ambiental no sector Vitivinícola - Régua, 2 Set 2013 7


Objetivos pretendidos
 Relações hídricas solo-vinha e consequências no comportamento
fisiológico da videira
 Comportamento da vinha nomeadamente quanto ao vigor e
qualidade do fruto
 Eficácia no uso dos nutrientes, nomeadamente a disponibilidade de
N
 Balanço de carbono e vantagens que daí possam advir para o
viticultor

 Estimativa da pegada de carbono no sistema desde a vinha até à


adega e sua contextualização no âmbito das alterações climáticas
 Biodiversidade e efeitos na sanidade da vinha
 Perdas de solo e de nutrientes por erosão hídrica e qualidade das
águas de escorrência
 Produtividade global do sistema para as 3 práticas de gestão

Avaliação ambiental no sector Vitivinícola - Régua, 2 Set 2013 8


Parceiros e respetivas tarefas

Quinta do Vallado, Sociedade Agrícola Lda


Responsável – Engº António Pinto
Promotor do projeto
Cedência da área experimental
Execução de algumas tarefas no campo experimental e
apoio na execução de outras

Avaliação ambiental no sector Vitivinícola - Régua, 2 Set 2013 9


Parceiros e respetivas tarefas (cont)

UTAD/CITAB – Responsável – Prof. Afonso Martins


 Instalação do campo experimental e caracterização dos solos
 Monitorização das variáveis microclimáticas associadas às três práticas
de gestão do solo e efeitos no comportamento do sistema
 Relações hídricas solo-vinha e comportamento fisiológico da videira
 Caraterização vitícola e enológica
 Eficácia no uso e reciclagem de nutrientes e consequências no
desenvolvimento da videira, em particular o ciclo de N
 Avaliação de saldos e pegadas de carbono nos três tratamentos,
impactes económicos e contextualização no âmbito das alterações
climáticas
 Efeitos das três práticas na sanidade da vinha

Envolve 8 equipas e um total de 20 investigadores e auxiliares

Avaliação ambiental no sector Vitivinícola - Régua, 2 Set 2013 10


Parceiros e respetivas tarefas (cont)

ESAB (IPB) – Responsável – Prof. Tomás Figueiredo


 Perdas de solo e de nutrientes por erosão e implicações na
qualidade das águas de escorrência

ADVID – Responsável – Engª Rosa Amador


 Acompanhamento do projeto
 Avaliação económica das três práticas ensaiadas na
rentabilidade do sistema
 Divulgação dos resultados obtidos junto dos associados e
vitivinicultores

Avaliação ambiental no sector Vitivinícola - Régua, 2 Set 2013 11


Orçamento por parceiro e total

Parceiro Orçamento aprovado


Qta do Vallado 33,934.94 €
UTAD 413,397.29 €
ESAB 62,201.34 €
ADVID 15,306.43 €
TOTAL 524,840.00 €

Avaliação ambiental no sector Vitivinícola - Régua, 2 Set 2013 12


Situação da área experimental na Qta do Vallado

Área experimental
Casta – Touriga Franca

Centro de lavoura da
Qta do Vallado

Avaliação ambiental no sector Vitivinícola - Régua, 2 Set 2013 13


Terraços de uma linha onde se situa a
área experimental

Avaliação ambiental no sector Vitivinícola - Régua, 2 Set 2013 14


Esquema previsto para o campo experimental

caminho
10 m Talhões
repetidos para
medições
Terraços de 1 linha

microclimáticas
T1 T3 T2
5m

T2 T1 T3

T1 – Talhão com a prática convencional com mobilização


T2 – Talhão com manutenção de cobertura herbácea espontânea, controlado com cortes
T3 – Talhão com manutenção de cobertura herbácea semeada, controlado com cortes
Avaliação ambiental no sector Vitivinícola - Régua, 2 Set 2013 15
Pontos Fortes
1. Abordagem holística contemplada na proposta
2. Multidisciplinaridade da equipa envolvida, garantindo a cobertura
de uma ampla gama de aspetos importantes na gestão do sistema
vitivinícola
3. Relação estreita da equipa com a região vinhateira duriense
4. Contribuição dos estudos a desenvolver para a melhoria da
qualidade ambiental

5. Possibilidade de se conseguirem índices sobre o sequestro de


carbono que permitam definir com maior rigor os apoios
financeiros a produtores que utilizem as novas práticas propostas
6. Possibilidade da transferência dos resultados obtidos e,
tecnologias associadas, a outras regiões vinhateiras e a outros
sistemas

Avaliação ambiental no sector Vitivinícola - Régua, 2 Set 2013 16


Pontos Fracos

 Existência de pequeno número de produtores que utilizam as


práticas propostas. As práticas maioritariamente em uso na
atualidade fragilizam o sistema vitivinícola e têm efeitos
ambientais nocivos, conforme já mencionado
 Dificuldade de aceitação das práticas propostas face à inércia
e pouca recetividade à inovação por muitos produtores
 Curto período de duração do projeto, que não permite retirar
resultados conclusivos sobre os objetivos propostos,
esperando-se a sua continuidade integrada em outro
programa

Avaliação ambiental no sector Vitivinícola - Régua, 2 Set 2013 17


A Matéria orgânica e o Carbono, como
parâmetros chave na qualidade do solo e
do ambiente
Necessidade de aperfeiçoar metodologias
para detetar mudanças nas reservas e
fluxos de Carbono motivadas por
alterações nos sistemas de gestão

Avaliação ambiental no sector Vitivinícola - Régua, 2 Set 2013 18


O ciclo do carbono desempenha
um papel relevante na natureza

 Relação com o fluxo de matéria orgânica

 Relação com os ciclos de bioelementos


fundamentais na nutrição vegetal (N, P, S)

 Relação com a libertação de CO2, um dos


gases com maiores implicações no efeito
de estufa

Avaliação ambiental no sector Vitivinícola - Régua, 2 Set 2013


Proporção relativa dos gases com
efeito de estufa (GEE) (1)

1 t de CO2 = 1 crédito
1 t de CH4 = 21 créditos
1 t de N2O = 310 créditos

(1) http://www.suapesquisa.com/efeitoestufa/gases_do_efeito_estufa.htm
Avaliação ambiental no sector Vitivinícola - Régua, 2 Set 2013 20
Fontes emissores de GEE e peso
da agricultura e uso do solo (1)

 Queima de combustíveis fósseis (transportes


e indústria) – 70,8%
 Lixo – 3,2%
 Agricultura – 13,8%
 Alterações no uso do Solo – 12,2%

Agricultura e alterações do uso do solo (26%)


 Desflorestação
 Queima de biomassa
 Conversão de sistemas florestais em agrícolas
 Cultivo do solo
(1) http://www.suapesquisa.com/efeitoestufa/gases_do_efeito_estufa.htm

Avaliação ambiental no sector Vitivinícola - Régua, 2 Set 2013 21


Dois exemplos de efeitos do cultivo do solo
sobre as perdas de MO e de C e
dificuldades de deteção desses efeitos no C
total do solo

Avaliação ambiental no sector Vitivinícola - Régua, 2 Set 2013 22


Balanço de C (t C ha-1), em 2 sistemas florestais, 14 anos
após a plantação, relativamente à área de referência
(vegetação espontânea - mato). Efeito das mobilizações

Componentes RP CL
Biomassa aérea 6.121 28.037
Folhada 0.007 3.427
Raízes -0.899 2.946
Solo (0-30 cm) -14.344 -3.866
Total -9.115 30.544

Emissões inerentes às operações de plantação: 0.3-0.5 t ha-1


Avaliação ambiental no sector Vitivinícola - Régua, 2 Set 2013 23
Comentários

 Comparativamente com a situação de referência, observa-se


uma elevada perda de C no solo em RP (-14,3 t/ha) pela
mineralização da MO durante as operações de preparação do
terreno e pela baixa biomassa produzida
 Também no povoamento de CL e passados 14 anos, se observa
um teor mais baixo de C no solo, com uma diferença muito
menor do que em RP, (- 3,9 t/ha), pela razão apontada, aqui
compensado pela maior produção de biomassa e MO que
origina

Avaliação ambiental no sector Vitivinícola - Régua, 2 Set 2013 24


Efeito das operações de preparação do terreno
na mineralização de MO e perda de C

É visível a diminuição de C no solo mobilizado na camada superficial, em


resultado da mineralização da MO após a mobilização, observando-se também
uma redistribuição de C no perfil do solo devido ao efeito de reviramento

Avaliação ambiental no sector Vitivinícola - Régua, 2 Set 2013 25


Efeitos da gestão do solo em soutos, na
dinâmica do C orgânico
Depth (cm)
C fraction Practice
0-10 10-20 0-20
NT 15.31  0.95 Aa 10.32  0.67 Ba 12.82  0.73 a
-1
OC (g kg )
CT 14.41  0.63 Aa 10.89  0.46 Ba 12.65  0.49 a

-1
NT 22.54  1.44 Aa 11.62  0.72 Ba 34.16  1.62 a
TOC (Mg ha )
CT 12.17  0.52 Ab 10.42  0.45 Ba 22.60  0.72 b

Valores médios de C ± erro padrão (n = 16); Letras maiúsculas na mesma linha ou minúsculas na
mesma coluna, indicam a significância estatística (P<0.05); OC - Carbono orgânico nos horizontes
minerais; TOC - C orgânico total; NT - Não mobilizado há 17 anos; CT – Mobilização convencional

 Não se observam diferenças significativas entre tratamentos no C total dos


horizontes minerais ao fim de 17 anos sem mobilização com cobertura herbácea
 Contrariamente na massa de C total dos horizontes minerais mais o da camada
orgânica (TOC), observam-se diferenças significativas entre tratamentos
Avaliação ambiental no sector Vitivinícola - Régua, 2 Set 2013 26
As frações lábeis de C (AC, POC e HWC),
como indicadores da dinâmica da MO, por
efeito da gestão do solo em soutos
Depth (cm)
C fraction Practice
0-10 10-20 0-20
NT 0.34  0.02 Aa 0.16  0.01 Ba 0.25  0.02 a
-1
AC (g kg )
CT 0.25  0.01 Ab 0.15  0.01 Ba 0.20  0,01 b

NT 4.57  0.37 Aa 1.78  0.32 Ba 3.17  0.35 a


-1
POC (g kg )
CT 3.22  0.23 Ab 1.55  0.13 Ba 2.39  0.20 a

-1
NT 0.66  0.05 Aa 0.33  0.01 Ba 0.49  0.04 a
HWC (g kg )
CT 0.50 ± 0.03 Ab 0.33 ± 0.02 Ba 0.41 ± 0.02 a
Valores médios de C ± erro padrão (n = 16); Letras maiúsculas na mesma linha ou minúsculas na mesma coluna,
indicam a significância estatística (P<0.05); AC: Carbono ativo; POC – C particulado; - HWC – C solúvel em H2O a
quente; NT - Não mobilizado há 17 anos; CT – Mobilização convencional

Conforme é visível nos resultados obtidos, as frações lábeis de C são indicadores


sensíveis a alterações no uso do solo, principalmente o C particulado
Avaliação ambiental no sector Vitivinícola - Régua, 2 Set 2013 27
Síntese de metodologias a aplicar para a
medição de emissões e do balanço de C

 Efeito dos diferentes tratamentos nas emissões de gases com efeito de


estufa (CH4, N2O e CO2) e NO2 e NO, a partir do solo
 Relações entre estas emissões, as condições climáticas e as
caraterísticas do solo
 Emissões resultantes da utilização de equipamento nas práticas
culturais nas 3 modalidades
 Quantificação do sequestro de CO2 na vinha e no coberto vegetal
 Quantificação do sequestro de CO2 no solo
 Cálculo das emissões e sumidouros e do balanço global por tratamento

Da responsabilidade dos colegas Profs. Henrique Trindade, João Coutinho,


João Santos, Fernando Santos, Afonso Martins e Fernando Raimundo

Avaliação ambiental no sector Vitivinícola - Régua, 2 Set 2013 28


Síntese de metodologias a aplicar para balanço de
C e medição de emissões de gases (cont)

 Para a medição dos GEE (CO2, CH4 e N2O) e do NO2 e NO será utilizado
um sistema baseado na técnica de câmaras estáticas (30 cm de diâmetro),
4 câmaras por parcela experimental. Os fluxos serão calculados com base
na alteração das concentrações dos gases na atmosfera interior das
câmaras em intervalos de tempo curtos (0, 20, 40 e 60 minutos).

 As concentrações de GEE serão medidas utilizando IRGA foto-acústico


(INNOVA) ou um cromatógrafo gasoso equipado com 3 detetores: de
captura de eletrões para o N2O, de ionização por chama para o CH4 e de
condutividade térmica para o CO2. O NO e o NO2 serão medidos por
analisador de quimioluminescência.
 As medições de emissões serão diárias ou com intervalos muito curtos (3
vezes por semana), sempre que se verifiquem condições que estimulem as
perdas de compostos gasosos de N e C (precipitação, adubações,
mobilizações, etc.).

Avaliação ambiental no sector Vitivinícola - Régua, 2 Set 2013 29


Benefícios ambientais esperados
 Redução das emissões de CO2 pelo abandono da prática
convencional de mobilização do solo e menor utilização de
máquinas
 Aumento de matéria orgânica do solo (MOS) e sequestro de
carbono associado pela cobertura herbácea instalada
 Melhoria das propriedades físicas e hídricas do solo através do
efeito benéfico da cobertura herbácea na estrutura do solo
 Melhoria da eficiência na utilização de nutrientes e redução da
utilização de fertilizantes
 Diminuição dos riscos de erosão e perdas de solo associadas, face
à proteção do solo pela cobertura, com efeitos benéficos na
qualidade das águas de escorrência
 Aumento da biodiversidade associada à presença da cobertura, com
benefícios no controlo de patogénicos e no modo de produção
biológico
Avaliação ambiental no sector Vitivinícola - Régua, 2 Set 2013 30