Vous êtes sur la page 1sur 13

5

MTC – Profª. Me. Sandra Villarinho – Aula: 3 - SEMANA: 13-19/02


DATA: / /

2 O QUE É UMA MONOGRAFIA?

A Monografia é uma exposição escrita sobre um determinado assunto situado no âmbito de


uma ciência que poderá ser um trabalho de conclusão de curso (TCC), trabalho de graduação
ou pós-graduação (Lato Sensu). Do ponto de vista metodológico, a monografia científica
pode ser definida com um trabalho que trata de um único tema (mono), apresentado por
escrito (grafia), contemplando um assunto de natureza científica representando o resultado de
um estudo que deve expressar conhecimento do assunto. Com base nesta definição, o termo
“monografia” poderia ser usado para os trabalhos de grau de qualquer nível – graduação,
especialização, mestrado ou doutorado. Formalmente, no entanto, esta denominação refere-se apenas aos trabalhos de
graduação e especialização, usando se os termos “dissertação” e “tese” para os trabalhos de mestrado e doutorado
(programas Stricto Sensu), respectivamente.
A monografia exige do autor um prévio conhecimento do assunto e seu valor reside no fato de apresentar um
trabalho com reflexões encontradas sobre o tema. Outras características:
I. estudo sobre tema específico ou particular com suficiente valor representativo;
II. obedece a rigorosa metodologia;
III. investiga determinado assunto não só em profundidade, mas também em todos os seus ângulos;
IV. sua característica essencial não é a extensão, mas o tratamento de um tema delimitado.

Deve ser um trabalho sistemático, que seja organizado em etapas, começando com o PROJETO, e que siga
determinadas regras de execução. E deve ser completo, com qualidade, para que, apesar de apresentar um único
problema, se possa compreender o todo do tema, integralmente.

2.1 Quanto ao nível de escolaridade

AS MONOGRAFIAS DIFERENCIAM-SE quanto ao nível de escolaridade, quanto ao conteúdo, nível da pesquisa,


profundidade e finalidade do estudo, metodologia utilizada, originalidade do tema e das conclusões, que obedecem a esta
ordem ascendente, em relação à originalidade, profundidade e extensão.

Vejamos as definições específicas para esses trabalhos, segundo as diretrizes da Associação Brasileira de Normas
Técnicas (ABNT):
Conforme publicado nas normas NBR 14724, de 2002*, os trabalhos de conclusão de curso de graduação (TCCs) e
os de curso de especialização (monografias) devem “expressar conhecimento do assunto escolhido, que deve ser
obrigatoriamente emanado da disciplina, módulo, estudo independente, curso, programa e outros ministrados” (p. 4).
6

 Cursos de GRADUAÇÃO: O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) – Pode ser considerado um requisito
fundamental na conclusão de graduação realizado pelo universitário, para articular os conhecimentos teóricos adquiridos ao
longo do curso com o processo de investigação e reflexão acerca de um TEMA de seu interesse.
Sendo uma atividade acadêmica obrigatória que sistematiza o conhecimento sobre um objeto de estudo
relacionado ao curso. Esse é desenvolvido sob orientação e avaliação docente em forma de monografia, artigo científico
ou relatório final de estágio, a critério dos professores, orientadores e coordenação do curso de graduação da instituição.

O Artigo científico é definido pela ABNT O Relatório Final de Estágio


como “parte de uma publicação com supervisionado é uma descrição objetiva
autoria declarada, que apresenta e dos fatos observados e das atividades
discute ideias, métodos, técnicas, desenvolvidas, seguidas de uma análise
processos e resultados”. (NBR 6022, crítica e conclusiva, além da indicação
maio 2003). Refere-se a uma área das prováveis soluções. Tudo que o
específica do conhecimento e pode ser estagiário vivenciou durante o estágio
original (relato de pesquisa, estudo de deve ser analisado de forma criteriosa,
caso etc.) ou de revisão. Algumas em que, além de relatar sua experiência,
instituições de ensino superior admitem deve demonstrar o conhecimento
esta modalidade de trabalho como adquirido durante a graduação, traçando
Trabalho de Curso (TC) para outorga do conclusões e, se necessário,
grau de bacharel ou especialista. O recomendações. Algumas instituições de
artigo tem as mesmas características da ensino superior admitem esta
monografia, porém difere desta por ser modalidade de trabalho como Trabalho
menos exaustivo, tendo em vista que se de Curso (TC) para outorga do grau de
trata, a princípio, de um trabalho bacharel ou especialista.
destinado à publicação em periódicos
científicos, estando, por isso, sujeito as
limitações de espaço.

 Cursos de PÓS-GRADUAÇÃO NÍVEL ESPECIALIZAÇÃO: MONOGRAFIA: trabalho baseado, geralmente em


fontes bibliográficas, que não precisa ser extenso nem muito específico para a obtenção do título de BACHAREL em algum
curso de Graduação ou Pós-Graduação. O trabalho é feito sob a orientação de um pesquisador experiente, denominado
orientador. A monografia é escrita de uma forma padrão institucional e impressa em formato padrão. Depois é submetida a
uma comissão julgadora e defendida publicamente (Trabalhos acadêmicos - NBR 14724).
 Cursos de PÓS-GRADUAÇÃO NÍVEL MESTRADO: DISSERTAÇÃO: trabalho com maior embasamento teórico,
mais reflexão, amplitude e criatividade. Destina-se à obtenção do grau acadêmico de mestre consoante defesa pública de uma
dissertação monográfica e deve revelar capacidade de sistematização e domínio do tema escolhido. Deve evidenciar o
conhecimento de literatura existente sobre o assunto e a capacidade de sistematização do candidato. É feito sob a orientação
de um orientador com título de Doutor.
 Cursos de PÓS-GRADUAÇÃO NÍVEL DOUTORADO: TESE: A tese tem como objetivo versar sobre um tema
novo e claramente delimitado, contribuição inédita para o conhecimento e visa à obtenção do grau acadêmico de doutor e dos
títulos universitários de livre-docente e professor titular. Deve ser elaborado com base em investigação original, constituindo-se
em real contribuição para a especialidade em questão. É feito sob a orientação de um orientador com título de Doutor.
7

É por meio da defesa do trabalho perante uma banca, que cada componente desta (comissão julgadora, ou banca
examinadora), faz objeções ao trabalho do candidato, que então se defende através de argumentos. Então a banca avalia a
atuação do aluno e informa o resultado, ou seja, se a MONOGRAFIA, DISSERTAÇÃO e/ou TESE está ou não aprovada.
 LIVRO: publicação de conteúdo científico, literário ou artístico. Monografias, dissertações e teses, se
publicadas, podem transformar-se em livros.

2.2 O que é um trabalho de conclusão de curso?

Pode ser considerado um requisito fundamental na conclusão de graduação o trabalho deve ser escrito sobre um
determinado TEMA para cumprir os requisitos de disciplinas do curso superior. A base para esse trabalho é sempre uma
pesquisa que pode ser:
- bibliográfica: feita a partir de livros, revistas, periódicos, publicações eletrônicas etc.;

- documental: feita a partir de consulta e análise de leis, arquivos, registros etc.;

- de campo: envolvendo questionários, entrevistas, observações diretas etc.

O trabalho de conclusão de curso deve ser sempre bem planejado e o plano do trabalho deve conter todas as
etapas a serem seguidas para chegar à sua finalização. devem ser escritos de forma ordenada, simples e concatenada,
respeitando uma estrutura lógica no desenvolvimento das ideias.

O primeiro passo para a elaboração de um trabalho de conclusão de curso é a definição do seu TEMA (assunto
sobre o qual o trabalho será desenvolvido). Esse tema, independente de ser escolhido pelo aluno ou determinado pelo
professor orientador, deverá ser sempre delimitado no tempo e no espaço para que o trabalho seja viável. O título do trabalho é
derivado do TEMA e nele deve estar contido o objeto de estudo, ou seja, o tópico sobre o qual o estudante vai se aprofundar.
Esse título deve conter apenas as informações essenciais para a identificação do trabalho.

As orientações aqui apresentadas, embora não sejam exaustivas, fornecem os principais parâmetros para a
preparação e apresentação do trabalho acadêmico. Sua utilização não dispensa, obviamente, a consulta a
outras publicações na área. Para sua elaboração foram consideradas as normas publicadas pela ABNT em
2002 sobre trabalhos acadêmicos, citações e referências bibliográficas que estão atualmente em vigor e cuja
referência completa pode ser encontrada na lista de referências apresentadas na ementa da disciplina de
METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA apresentada pela professora no início do semestre.

O desenvolvimento da disciplina baseia-se nas normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), mais
precisamente, NBR 6023 – Referências (Agosto/2002); NBR 6024 – Numeração progressiva (Março/2012); NBR 6027 –
Sumários (Maio/2012); NBR 6028 – Resumos (Novembro/2003); NBR 10520 – Citações (Agosto/2002); NBR 14724 –
Apresentação de trabalhos (Dezembro/ 2011).
8

2.3 Quanto a FORMA OU ESTRUTURA EM GERAL do TRABALHO MONOGRÁFICO

A forma ou estrutura do Trabalho Monográfico apresenta em geral as exigências recomendas pela ABNT (NBR
14724, 2011): INTRODUÇÃO, DESENVOLVIMENTO e CONCLUSÃO.

INTRODUÇÃO. Formulação clara e simples do tema da investigação; apresentação sintética da questão ou


problema de pesquisa, importância da metodologia e rápida referência a trabalhos anteriores, realizados sobre o mesmo
assunto.

DESENVOLVIMENTO. Fundamentação lógica do trabalho de pesquisa, cuja finalidade é expor e demonstrar.


Coleta, apresentação e análise dos dados.

CONCLUSÃO. A Conclusão deve fornecer um resumo avaliativo das principais implicações da pesquisa
elaborada. Isso é feito mediante a apresentação da síntese da ideia central (tese) do trabalho e dos principais argumentos
ou raciocínios que demonstram a correção e a veracidade das conclusões, bem como das principais implicações para
futuras pesquisas sobre o tema e, quando for aplicável, para as práticas a ele relativas.

2.4 Qual o tempo necessário para escrever uma monografia?

Pode-se dizer que é necessário um mínimo de seis meses, e pode-se dizer um máximo de um ano. Se o tempo vai
além, é melhor avaliar o seguinte:
a) você sabe fixar limites razoáveis para seu próprio trabalho?
b) você tem boa redação?
c) você tem gosto e aptidão para o trabalho acadêmico?

É necessário:
1) acesso a uma boa biblioteca;
2) domínio do idioma em que estão publicados os principais trabalhos sobre o tema;
3) redação fácil;
4) conhecimentos básicos de METODOLOGIA DA PESQUISA;
5) boa vontade do orientador.

2.5 Padrões de linguagem e formatos

Toda comunidade naturalmente estabelece, para seu desenvolvimento, um padrão adequado de linguagem entre as
pessoas que dela fazem parte. A comunidade científica não é exceção; o PADRÃO CULTO ou a NORMA CULTA é o padrão
de linguagem adotado.
9

O trabalho monográfico tem o foco na comunidade científica; para ela é preparado, ainda que por vezes os efeitos
práticos de uma pesquisa monográfica venham a estender-se por toda a sociedade. Todas as regras preconizadas pelas
normas da linguagem, em seu PADRÃO CULTO, devem ser observadas para se escrever uma monografia.

A monografia necessitará ainda ser FORMATADA CONFORME AS REGRAS DA ABNT - Associação Brasileira de
Normas Técnicas, que especifica os princípios para publicações acadêmicas no Brasil. (NBR 15287, 2011).

2.6 Como iniciar uma pesquisa?

Para pesquisar é preciso ter uma pergunta a ser, respondida, e para fazer as “perguntas certas” é preciso que se
tenha um pressuposto do que seja CIÊNCIA. Isto é, o trabalho de pesquisa não é um recomeçar constante, mas sim a
retomada de questões a partir do conhecimento acumulado sobre o tema de interesse.
Além da pergunta bem elaborada, é preciso ter a clareza PARA QUE PESQUISAR e COMO PESQUISAR. Ou seja,
existem três perguntas fundamentais para quem quer pesquisar:

Etapas da investigação científica O QUE PESQUISAR?


Problema.
1. Escolha do tema Redação do projeto
PARA QUE PESQUISAR?
2. Planejamento da investigação de pesquisa
Objetivos.
COMO PESQUISAR?
Método e técnicas.
3. Coleta de dados - pesquisa de campo e/ou
bibliográfica;
4. Análise dos dados;
5. Relatório da pesquisa.
10

2.7 ESTRUTURA GRÁFICA da ABNT do Trabalho de Conclusão de Curso/Monografia

LISTA DE SÍMBOLOS
(0PCIONAL)

RESUMO LÍNGUA
ESTRANGEIRA (OBRIGAT.).
11

2.8 Conceituando a ESTRUTURA GRÁFICA do Trabalho de Conclusão de Curso/Monografia


ESTRUTURA DISPOSIÇÃO DE ELEMENTOS DO TCC
CAPA (OBRIGATÓRIO) – É a cobertura que reveste o trabalho.
PARTE EXTERNA LOMBADA (OPCIONAL) - Parte da capa do trabalho que reúne as margens
internas das folhas, sejam elas costuradas, grampeadas, coladas ou mantidas
juntas de outra maneira.
FOLHA DE ROSTO (OBRIGATÓRIO) – Deve ser colocada após a capa.
PARTE INTERNA:
* FICHA CATÁLOGRAFICA – O verso da folha de rosto deve conter a ficha
catalográfica conforme CÓDIGO de CATÁLOGAÇÃO ANGLO AMERICANO VIGENTE.
Para elaboração da mesma, os alunos devem recorrer aos serviços das
Bibliotecas da sua unidade.
** ERRATA (OPCIONAL) – É apresentada geralmente em papel avulso ou
encartado, acrescido ao trabalho depois de impresso apo a FOLHA DE ROSTO.
FOLHA DE APROVAÇÃO (OBRIGATÓRIO) – Também chamada de “termo de
aprovação”. Esta só será assinada na versão final, após as devidas correções
que forem solicitadas pela banca.
DEDICATÓRIA (OPCIONAL) – Oferecimento do trabalho a determinada pessoa
PRÉ-TEXTUAIS ou pessoas.
AGRADECIMENTO(S) (OPCIONAL) – Agradecimentos a pessoas que contribuíram
para o desenvolvimento do trabalho.
EPÍGRAFE (OPCIONAL) – Pensamentos retirados de um livro, uma música, um
poema, seguida de indicação de autoria.
RESUMO DE LÍNGUA VERNÁCULA (OBRIGATÓRIO) – Apresentação concisa dos
pontos relevantes do texto.
RESUMO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA (OBRIGATÓRIO) – Apresentação concisa dos
pontos relevantes do texto.
LISTA DE ILUSTRAÇÕES (OPCIONAL) – Sumário de ilustrações (quadros,
gráficos, figuras, etc.) que aparecem no texto, seguido de sua localização
(página).
LISTA DE TABELAS (OPCIONAL) – Sumário das tabelas que aparecem no texto,
seguido de sua localização (página).
LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS (OPCIONAL) – Consiste na relação alfabética
das abreviaturas utilizadas no texto, seguidas de seu correspondente por
extenso.
LISTA DE SÍMBOLOS (OPCIONAL) – Consiste na relação de símbolos
apresentados no texto, com o devido significado.
SUMÁRIO (OBRIGATÓRIO) – Enumeração dos capítulos, seções e partes que
compõem o trabalho, seguido de sua localização dentro do texto. Os elementos
que antecedem ao SUMÁRIO (dedicatória, agradecimento, resumo,etc.) não
devem ser descritos no mesmo.

INTRODUÇÃO (OBRIGATÓRIO) – Deve constar os objetivos, o tema proposto e


outros elementos para situar o trabalho.
TEXTUAIS
DESENVOLVIMENTO (OBRIGATÓRIO) – Revisão da literatura, metodologia e
(CORPO DO exposição da pesquisa.
TEXTO)
CONCLUSÃO (OBRIGATÓRIO) – Apresentação dos resultados da pesquisa.

REFERÊNCIAS (OBRIGATÓRIO) – Conjunto de elementos que identificam as


obras consultadas e/ou citadas.
GLOSSÁRIO (OPCIONAL) – lista em ordem alfabética de palavras especiais,
pouco conhecidas, obscuras ou de uso restrito.
PÓS-TEXTUAIS APÊNDICE(S) (OPCIONAL) – Textos ou documentos que servem de
comprovação de sua argumentação.
ANEXO(S) (OPCIONAL) - Inclusão de textos que pertencem a terceiros, mas que
tem ligação direta ao tema abordado, enriquecendo-o.

ÍNDICE (OPCIONAL) – É elaborado conforme a NBR 6034 da ABNT. E composto


por uma relação de palavras ou frases que remetem e localizam informações
abordadas no texto do trabalho.
12

2.8.1 O que é lombada?


Elemento opcional, parte da capa do trabalho que
reúne as margens internas das folhas, sejam elas
costuradas, grampeadas, coladas ou mantidas juntas de
outra maneira. As informações, devem ser impressas
conforme a NBR 12.225:

A. Nome do autor, impresso longitudinalmente e


legível do alto para o pé da lombada. Esta forma
possibilita a leitura quando o trabalho está no
sentido horizontal, com a face voltada para cima;

B. Título do trabalho, impresso da mesma forma que


o nome do autor.

2.8.2 O que é Ficha Catalográfica?

O verso da folha de rosto deve conter a FICHA CATALOGRÁFICA conforme Código de


Catalogação Anglo-Americano vigente. Para a elaboração da mesma, os alunos devem recorrer aos
serviços da Biblioteca da faculdade.

Dados Internacionais de Catalogação-na-Publicação (CIP)

V697d VILLARINHO, Sandra Maciel Ramos.


Discutindo o processo de formação de professores
no Programa Acelera Brasil: a prática para o sucesso
escolar. Santos, 2003.
369.f.
Dissertação (Mestrado) – Centro Universitário Monte
Serrat, 2003.
Área: Educação
Orientadora Profª. Drª. Vera Lúcia Anselmi Melis Paulillo
1.Educação 2.Educação Superior 3.Formação
Continuada 4. Programa Acelera Brasil . I.
VILLARINHO, Sandra Maciel Ramos.
13

2.8.3 O que é Errata?

Elemento opcional, a errata é apresentada geralmente em papel avulso ou encartado,


acrescido ao trabalho depois de impresso. Deve ser inserido após a folha de rosto. Consiste em
uma lista das páginas e linhas em que ocorram os erros e as devidas correções.

ERRATA

Página/Folha Linha/Ilustração Onde se lê Leia-se

13 8 educaçao educação

17 2 escola pública escola particular

2.8.4 Ilustrações ou figuras

Elemento opcional, toda ilustração (quadros, gráficos, figuras etc.) que já tenha sido publicada
anteriormente deve conter abaixo da legenda, dados sobre a fonte (autor, data e página) de onde foi extraída. Como
nas demais citações, a referência completa, relativa à fonte da ilustração, deve figurar na listagem bibliográfica final.
Quando necessário, recomenda-se a elaboração de listas próprias para cada tipo de ilustração (quadros, lâminas,
plantas, fotografias, gráficos, fluxogramas, esquemas, desenhos e outros).

a) Tabelas

As tabelas são confeccionadas com objetivos de apresentar resultados numéricos e valores comparativos,
principalmente quando em grande quantidade. A diferença do quadro para tabela é abertura nas laterais e pouca
inclusão de dados, devendo-se reunir estatisticamente resultados individuais apresentando apenas a média.
14

Exemplo:
Tabela 1: Distribuição do número de vagas de cursos de educação de jovens e adultos de acordo com
regiões pouco desenvolvidas no Brasil.

UF Município Censo Escolar 2001 Censo Escolar 2001


vagas em sala de aula vagas em sala de aula
CE Tamboril 875 2.682
MA Araioses 1.416 2.982
BA Ipirá 0 1.284
PE Cabo de Santo Agostinho 2.315 3.534
MA São Mateus do Maranhão 229 1.395
MA São Domingos do Maranhão 124 1.228
MA Chapadinha 901 1.995
MA Santa Quitéria do Maranhão 0 1.074
AL Traipu 175 1.229
CE Uruoca 221 1.258
Fonte: Programa de Alfabetização Solidária (2003).

b) Quadros

Os quadros são considerados um dos mais úteis instrumentos de trabalho em todos os campos da investigação.
Quando confeccionados, não esgotam, evidentemente, a tarefa do pesquisador. A investigação vai muito além da coleta de
dados e sua codificação. Na fase de análise e interpretação a codificação é de grande valia, permitindo:
(A) A concentração do maior número possível de informação no mesmo espaço;
(B) A visualização dos fenômenos por meio da representação material figurada;
(C) Facilitar, por meio da aproximação, a comparação de cifras.

Exemplo:
Quadro 1: Leitura.

LEITURA

O texto do balão

Sem os balões, tudo ficaria longe demais para o som poder alcançar o lugar certo. Se a janela

estivesse fechada, também atrapalharia a entrada do som, já que os prédios costumam ser bem vedados.

Como tudo depende de uma corrente contínua de energia, uma ruptura do fio também causaria problemas

sérios. Em ultimo caso, o cara poderia tentar gritar, mas certamente sua voz não chegaria à altura certa.

Ainda outro problema em potencial seria a quebra de uma das cordas do instrumento. Infelizmente, neste

caso, a mensagem ficaria sem acompanhamento. É claro que a situação ideal implicaria menos distância,

e portanto menos problemas possíveis. Um contato pessoal estaria sujeito ao mínimo de dificuldades.

Fonte: KLEIMAN, Ângela. Oficina de Leitura: teoria e prática, 1997, p. 60.


15

c) Gráficos

Os gráficos são desenhos constituídos de traços e pontos, numerados com algarismos arábicos. Seu título é
precedido da palavra gráfico, em letra com iniciais maiúscula. A citação no texto será pela indicação Gráfica, acompanhada
do número de ordem a que se refere.
Os gráficos apresentam as mais variadas formas: colunas, barras, círculos, figuras e curvas.
Exemplos:
Tabela 1: Distribuição dos professores segundo a faixa etária.

FAIXA ETÁRIA NÚMERO PORCENTAGEM


De 20 a 30 4 12%
De 31 a 40 8 24%
De 41 a 50 17 52%
De 51 a 60 4 12%
Total 33 100%
Fonte: Programa Acelera Brasil.

Gráfico 1: Distribuição dos professores segundo a faixa etária.

35
30 Total
PORCENTAGEM
25 De 20 a 30 De 51 a 60
20 De 31 a 40 De 41 a 50
NÚMERO
15 De 41 a 50 De 31 a 40
10 De 51 a 60 De 20 a 30
0 10 20 30 40
5 Total
0
NÚMERO

Modelo: colunas Modelo: barras

1 2 ,1 0 % 1 2 ,1 0 %

2 7 ,3 0 %
Modelo: círculo (pizza)

4 8 ,5 0 %

20 a 30 31 a 40 41 a 50 51 a 60

Fonte: programa acelera Brasil


16

d) Figuras

As ilustrações (com exceção de tabelas e gráficos) são designadas e mencionadas


no texto, sempre como Figuras. A numeração das ilustrações no decorrer do texto deve ser
com algarismo arábico, em uma sequência própria, independente da numeração progressiva
ou das páginas da publicação.
Exemplo:
Figura 1: Fonte da Biquinha.

Fonte: Acervo de Osmar e Enyde Apparecida Domingos Moretti.

d) Abreviaturas, Siglas e Símbolos

Relação alfabética das abreviaturas, siglas e siglas utilizadas no texto, seguidas de


seu correspondente por extenso.

LISTA DE ABREVIATURAS LISTA DE SIGLAS

Cit –Citado PNUD – Programa das Nações Unidas


para o Desenvolvimento
Obs. – Observação

Rev. – Revisado CEP – Código de Endereçamento


Postal
Conf. – Conferir
CEASA – Central de Abastecimento
Rel. Nom. – Relação de nomes S/A

N.T. – Nota do tradutor Senac – Serviço Nacional do Comércio

Sabesp – Saneamento Básico do


Estado de São Paulo
17

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DESTE TÓPICO

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023: informação e documentação:


referências: elaboração. Rio de Janeiro, 2002.

______. NBR 14724: informação e documentação: trabalhos acadêmicos: apresentação. Rio de Janeiro,
2002.

______. NBR 14724: informação e documentação: trabalhos acadêmicos: apresentação. Rio de Janeiro,
2011.

______. NBR 12225: Informação e documentação – lombada – apresentação. Rio de Janeiro, 2004.

______. NBR 15287: Informação e documentação – projeto de pesquisa – apresentação. Rio de Janeiro,
2011.

______. NBR 6027: informação e documentação: sumário: apresentação. Rio de Janeiro, 2012.

CARMO-NETO, Dionísio. Metodologia para principiantes. Salvador, BA: Editora Universitária, 1992. p.
406.

SEVERINO, Antonio Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico. 23ª ed. São Paulo: Cortez, 2002.