Vous êtes sur la page 1sur 21

MERCADO DE TRABALHO NO

ESTADO DO RIO DE JANEIRO


r

ABRIL 2019
MERCADO DE TRABALHO

Desemprego
• Piora do mercado de
Evolução da taxa de desemprego (%), Brasil e ERJ - 2012/1T
a 2018/4T trabalho, em especial a partir
de 2015.
15,0
14,8
13,0
• A taxa de desemprego
fluminense é superior à média
11,0 11,6 brasileira, crescendo de forma
9,0 mais acelerada.
8,5
7,9
7,0
• No ERJ, são cerca de 1,3
5,0 milhão de pessoas
1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T
2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018
desocupadas, entre as quais
Brasil Estado do Rio de Janeiro 55% são mulheres
Fonte: IETS. Estimativas produzidas com base nos microdados da (2018/4T).
Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios Contínua (Pnad-C).
MERCADO DE TRABALHO

Desemprego entre homens e mulheres


Evolução da taxa de desemprego (%) por sexo, Estado do Rio • As mulheres são mais
de Janeiro - 2012/1T a 2018/4T vulneráveis ao desemprego.
20,0

18,0 17,6 • No período analisado, as


16,0

14,0
14,8 trajetórias ao desemprego
12,0 12,4 foram ascendentes e similares
10,6
10,0
entre homens e mulheres.
8,0 8,5
6,8
6,0

4,0 • Porém, maior para as


2,0 mulheres fluminenses, sobre
0,0
1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T
as quais recai o desemprego
2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 mais fortemente: 17,6%, no
Total Homem Mulher último trimestre de 2018.
Fonte: IETS. Estimativas produzidas com base nos microdados da
Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios Contínua (Pnad-C).
MERCADO DE TRABALHO

Desemprego entre homens e mulheres


Probabilidade (%) de estar desempregado por sexo, Brasil • No ERJ, as diferenças são
e ERJ - 2018/4T ainda maiores. As mulheres
15,9 apresentam15,9% de
probabilidade de estar
11,9 desempregada, enquanto
10,1 entre os homens, 10,1%.
8,0

Brasil Rio de Janeiro

Mulher Homem

Fonte: IETS. Estimativas produzidas com base nos microdados da


Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios Contínua (Pnad-C).
MERCADO DE TRABALHO

Desemprego por cor/raça


Taxa de desemprego (%) por sexo e raça/cor, Estado do Rio de • Quando consideradas as
Janeiro - 2018/4T características raciais, a
situação é ainda mais
20,7
alarmante.

14,2 13,9 • No ERJ, as mulheres negras


10,1 apresentam taxa de
desemprego de 20,7%, mais
do dobro da taxa dos
homens brancos, 10,1%.

Branco Negro Branca Negra


Homem Mulher
Fonte: IETS. Estimativas produzidas com base nos microdados da Pesquisa Nacional
de Amostra de Domicílios Contínua (Pnad-C). Nota: Considera-se “negro” o
somatório das populações pretas e pardas.
MERCADO DE TRABALHO

Desemprego por faixa etária


• O desemprego tem um viés
Taxa de desemprego (%) por faixa etária, Brasil e ERJ - juvenil. Quanto menor a
2018/4T
idade, maiores as taxas de
60,5 desemprego.

• É um problema ainda mais


40,3
profundo no ERJ quando
33,4
comparado à média nacional.
25,2
19,4
14,2 13,3
10,1 • O alto desemprego juvenil
9,2 7,5 9,3
6,0 4,0 5,3 pode ter relação com baixo
nível educacional e rara
14 a 17 18 a 24 25 a 29 30 a 39 40 a 49 50 a 59 60 e mais
experiência profissional, em
Brasil Rio de Janeiro
função da menor idade.
Fonte: IETS. Estimativas produzidas com base nos microdados da
Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios Contínua (Pnad-C).
MERCADO DE TRABALHO

Desemprego juvenil
• Entre 2012/1T e 2018/4T, o
Evolução da taxa de desemprego juvenil (%), Estado do Rio
de Janeiro - 2012/1T a 2018/4T desemprego juvenil cresceu
70,0 de forma muito mais
60,5
60,0 acelerada que a média,
50,0 especialmente entre os
40,0 menores de idade (14 a 17
33,4
30,0
34,7 anos), alcançando 60%, 4
20,0
18,8 vezes a média fluminense, no
14,8
último trimestre da série.
10,0 8,5
0,0
1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T • Válido lembrar que ao menor
2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 de 16 anos de idade é vedado
Total (todas as idades) 14 a 17 anos 18 a 24 anos qualquer trabalho, exceto na
Fonte: IETS. Estimativas produzidas com base nos microdados da condição de aprendiz a partir
Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios Contínua (Pnad-C).
de 14 anos.
MERCADO DE TRABALHO

Desemprego por nível educacional


Evolução da probabilidade de estar desempregado por • Quanto menor o nível
nível educacional, Estado do Rio de Janeiro - 2012/1T a
2018/4T
educacional, maior a
18,0 probabilidade de estar
16,0
15,3
desempregado.
14,0

12,0
• No período analisado, o
10,0

8,0 desemprego cresceu de


7,3
6,0 forma menos acentuada entre
4,0
as pessoas com superior
2,0
2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 completo, cuja probabilidade
Sem instrução e menos de 1 ano de estudo é de 7,3% - menos da metade
Fundamental completo
da daqueles sem instrução,
Médio completo
Superior completo 15,3%.
Fonte: IETS. Estimativas produzidas com base nos microdados da
Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios Contínua (Pnad-C).
MERCADO DE TRABALHO

Desalento
• O desalento cresce de forma
Evolução do percentual de pessoas desalentadas, Brasil e
ERJ - 2012/1T a 2018/4T rápida no Brasil e contribui
4,5 para subutilização da força de
4,2
4,0 trabalho.
3,5

3,0
• Pessoas desalentadas são
2,5

2,0
aquelas que não realizaram
1,5 busca efetiva por trabalho,
1,0 1,0 mas gostariam de ter um
0,5
trabalho e estavam
0,0
1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T disponíveis para trabalhar na
2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 semana de referência.
Brasil Rio de Janeiro

Fonte: IETS. Estimativas produzidas com base nos microdados da


Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios Contínua (Pnad-C).
MERCADO DE TRABALHO

Subutilização da força de trabalho


Taxa composta de subutilização da força de trabalho das • No ERJ, 19,6% da força de
pessoas de 14 anos ou mais de idade (%), Brasil e ERJ - trabalho encontra-se
2012/1T a 2018/4T subutilizada - o que
25,0 representa 1,7 milhão de
23,0
21,0
23,9
pessoas.
20,9
19,0
19,6
17,0 16,6 • A subutilização da força de
15,0
13,0 trabalho é definida como o
11,0
conjunto de subocupados por
9,0
7,0
insuficiência de horas
1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T
trabalhadas, os desocupados,
2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

Brasil Rio de Janeiro


além da força de trabalho
potencial (desalentados e não
Fonte: IETS. Estimativas produzidas com base nos microdados da Pesquisa Nacional
de Amostra de Domicílios Contínua (Pnad-C). Nota: Numerador =Subocupados desalentados).
por insuficiência de horas + desocupados + força de trabalho potencial.
Denominador = Força de trabalho ampliada.
MERCADO DE TRABALHO

Medidas da subutilização da força de trabalho


Distribuição percentual da força de trabalho subutilizada por • No Brasil e no ERJ, a força de
medida, Brasil e ERJ - 2018/4T trabalho subutilizada é
74,1%
distribuída de forma distinta.

45,2%
• No ERJ, a subutilização se dá
majoritariamente pela
25,6% população desocupada, cerca
14,9% 17,4%
11,7%
de 75%. No estado, os
4,9% 6,0% desalentados têm menor
expressão.
Desocupada Subocupada por Desalentada Não desalentada
Insuficiência de Horas
Trabalhadas

Brasil Rio de Janeiro


Fonte: IETS. Estimativas produzidas com base nos microdados da Pesquisa
Nacional de Amostra de Domicílios Contínua (Pnad-C).
MERCADO DE TRABALHO

Informalidade
Evolução do percentual de pessoas ocupadas na
• Das pessoas de 14 anos ou
informalidade, Brasil e ERJ - 2016/3T a 2018/4T
43,0
mais ocupadas, 38,1%
42,0
42,5
trabalham informalmente, no
41,0 estado do Rio de Janeiro.
40,0

39,0
• O Brasil encerrou 2018 com
38,0 38,1
nível recorde de
37,0
informalidade: 42,5%.
36,0

35,0

34,0 • São considerados na


3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T
informalidade: empregados
2016 2017 2018

Brasil Rio de Janeiro


sem carteira, empregadores e
conta-própria sem CNPJ.
Fonte: IETS. Estimativas produzidas com base nos microdados da Pesquisa Nacional
de Amostra de Domicílios Contínua (Pnad-C). Informações de CNPJ disponíveis
somente a partir do 3º trimestre de 2016.
MERCADO DE TRABALHO

Informalidade: outra definição • Outro conceito de informalidade,


mais usual, considera os
empregados sem carteira e todos
Evolução do percentual de ocupados informais, Brasil e ERJ - 2012/1T
os trabalhadores por conta-
a 2018/4T
48,0% própria.
46,0%
45,5%
44,0%
• Na análise de 2012/1T a 2018/4T,
42,9%
o crescimento do contingente
42,0% 42,5%
informal fluminense é similar ao
40,0%
brasileiro: 13% contra 12%.
38,3%
38,0%

36,0% • Revela-se que a informalidade


34,0% cresceu de forma mais acelerada
32,0%
no Rio de Janeiro a partir de
Brasil Rio de Janeiro
2015.
30,0%
1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T
2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 • Sob essa definição, há 42 milhões
Fonte: IETS. Estimativas produzidas com base nos microdados da Pesquisa Nacional de informais no Brasil; 3 milhões,
de Amostra de Domicílios Contínua (Pnad-C). Nota: Foram considerados ocupados no ERJ.
informais os empregados sem carteira e o total de trabalhadores por conta-própria.
MERCADO DE TRABALHO

Informalidade por posição na ocupação


Percentual de ocupados informais por posição na ocupação, Brasil e • A informalidade é mais
ERJ - 2018/4T
prevalente entre os
81,2%
80,3%
trabalhadores por conta-
própria do que entre os
empregados e empregadores.

• No ERJ, cerca de 53% dos


29,6%
21,9%
informais são trabalhadores
20,0%
16,4% por conta-própria sem CNPJ.
No Brasil, estes respondem
por 45% da informalidade
Empregado sem carteira Conta-própria sem CNPJ Empregador sem CNPJ

Brasil Rio de Janeiro


(2018/4T).

Fonte: IETS. Estimativas produzidas com base nos microdados da Pesquisa Nacional
de Amostra de Domicílios Contínua (Pnad-C).
MERCADO DE TRABALHO

Informalidade entre homens e mulheres


Evolução da probabilidade (%) de estar ocupado
• A informalidade é mais
informalmente por sexo, Brasil e ERJ - 2012/1T a 2018/4T
55,0
prevalente entre as mulheres,
tanto no Brasil quanto no
50,0 49,9
ERJ.
45,0 44,1

40,0
• No Brasil, uma mulher tem
39,3
cerca de 50% de chances de
35,0
estar ocupada informalmente.
30,0 No ERJ, 44,1%.

25,0
1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T • Válido notar que a
2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018
informalidade esperada entre
Brasil Mulher Brasil Homem Rio de Janeiro Mulher Rio de Janeiro Homem
os homens cresceu de forma
Fonte: IETS. Estimativas produzidas com base nos microdados da Pesquisa Nacional
de Amostra de Domicílios Contínua (Pnad-C). Nota: Foram considerados ocupados
mais acelerada no ERJ.
informais os empregados sem carteira e o total de trabalhadores por conta-própria.
MERCADO DE TRABALHO

Informalidade por setor de atividade


Percentual de trabalhadores informais por setor de • Agricultura e Construção
atividade, Brasil e ERJ - 2018/4T Civil são os setores com
80,5
maiores níveis de
75,5
69,9
75,3
informalidade, tanto no Brasil
quanto no ERJ.

42,5
38,1
41,2 38,8 • No ERJ, 38,8% dos ocupados
36,1
33,5
29,2 29,1 em Serviços estão informais.
No Comércio, são 33,5%.

Total Agricultura Indústria Construção Comércio Serviços

Brasil Rio de Janeiro

Fonte: IETS. Estimativas produzidas com base nos microdados da Pesquisa Nacional
de Amostra de Domicílios Contínua (Pnad-C).
MERCADO DE TRABALHO

Rendimento do trabalho por sexo e cor/raça


Rendimento médio mensal por sexo e raça/cor, Brasil e ERJ - • O rendimento médio
2018/4T mensal no ERJ é R$ 2.525
3.568,08 ligeiramente superior à
3.215,95 média nacional, R$ 2.181.
2.773,39
2.370,82
2.187,36 • No ERJ e no Brasil, as
1.767,07
1.624,58 mulheres recebem, em
1.412,41
média, 22% a menos que
os homens.

• As mulheres negras, por


Homem branco Homem negro Mulher branca Mulher negra sua vez, recebem menos
Brasil Rio de Janeiro
da metade do rendimento
Fonte: IETS. Estimativas produzidas com base nos microdados da Pesquisa Nacional de
Amostra de Domicílios Contínua (Pnad-C). Nota: Considera-se “negro” o somatório das dos homens brancos.
populações pretas e pardas.
MERCADO DE TRABALHO

Rendimento do trabalho por posição na ocupação


• Os trabalhadores
Rendimento do trabalho por posição na ocupação, Estado do Rio
de Janeiro - 2018/4T
informais recebem menos
em qualquer posição.
6.268,09
5.924,19

4.811,87 • Os trabalhadores
3.799,01
domésticos obtêm os
3.588,55
piores rendimentos,
2.288,74
2.041,72 formalizados ou não.
1.619,15 1.617,29
1.244,98
969,01
• Entre os
empreendedores, uma
Com Sem Com Sem Com Sem Militar e Com CNPJ Sem CNPJ Com CNPJ Sem CNPJ
carteira carteira carteira carteira carteira carteira servidor
estatuário
questão: “Recebem menos
Empregado no setor Trabalhador Funcionário público Empregador Conta-própria porque são informais ou
privado doméstico
são formais porque
Fonte: IETS. Estimativas produzidas com base nos microdados da Pesquisa Nacional de
Amostra de Domicílios Contínua (Pnad-C). ganham mais?”.
MERCADO DE TRABALHO

Rendimento do trabalho por setor de atividade


Evolução do rendimento real mensal do trabalho da Administração
• Entre 2012/1T e
Pública e Demais Setores, Estado do Rio de Janeiro - 2012/1T a
2018/4T 2018/4T, Administração
5.000,00 4.860,63 Pública foi o setor com
4.500,00
maior crescimento do
rendimento real: +26%.
4.000,00

3.500,00 • No mesmo período, a
variação média dos
3.000,00
rendimentos dos
2.500,00
2.337,47 demais setores foi de
2.159,43
2.000,00 8,2%.
1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T
2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

Adm Pública Demais setores

Fonte: IETS. Estimativas produzidas com base nos microdados da Pesquisa Nacional de
Amostra de Domicílios Contínua (Pnad-C).
MERCADO DE TRABALHO

Rendimento do trabalho por setor de atividade


• Além de mais informal,
Variação do rendimento real mensal do trabalho, por setor de
Agricultura detém
atividade entre 2012/1T e 2018/4T – Estado do Rio de Janeiro 26,0%
menores rendimentos.
17,2% Entre 2012/1T e
11,0%
6,4%
9,0% 7,4% 2018/4T, houve
contração de 28,6%.

-28,6%

Total Agricultura Indústria Construção Comércio Serviços Adm


Pública

Fonte: IETS. Estimativas produzidas com base nos microdados da Pesquisa Nacional de
Amostra de Domicílios Contínua (Pnad-C).
Obrigado