Vous êtes sur la page 1sur 91

CENTRO DE TREINAMENTO

STEMAC

MÓDULO 5 ELÉTRICO
MÓDULO 5 ELÉTRICO
USCA S21

ÍNDICE Seção

Blocos S21....... ...........................................................01


Arvore Micro ..................................................................02
Manual S20....................................................................03
Operação Telas IHM......................................................04
Bateria do CLP (troca) ..................................................05
Diagrama 2111...............................................................06
DIAGRAMA EM BLOCOS DA USCA S21
SERIAL

MOD BUS
ALIMENTAÇÃO

COMUNICAÇÃO PCC - CLP


CLP IHM

SERIAL
SUPERVISÃO COMANDO

SUPERVISÃO COMANDO UNITEL WAY

REF. TENSÃO
DA BARRA
CONTROLE DE
SG2D

TENSÃO
SUPERVISÃO
REF. COMANDO
CONTROLE DE

TENSÃO
VELOCIDADE

ENT.
REDE

FASES
CORRENTE
CORRENTE
TENSÃO
TENSÃO

CARGA
CLIENTE

MOD BUS
CONFIGURAÇÃO DA ESTRUTURA DA USCA SÉRIE S20
USCA SÉRIE S20

S21 - ONAN

S2113 Componente Referência Quantidade Fabricante Código STEMAC Aplicação


01 GMG e até CLP MICRO
03 Transferências CPU TSX 3722 101 V2.00 1 Schneider Electric 66.01.015
MÓD. E/S DIGITAIS TSX DMZ 64 DTK 1 “ 66.05.090
CART. PCMCIA TSX SCP 114 1 “ 66.15.010
SEM COMUNICAÇÃO CLP CARTÃO MEMÓRIA TSX MRP 064P 1 “ 66.20.010
MICRO BATERIA TSX PLP01 1 “ 66.20.030

CABOS
CABO PCMCIA TSX SCP CM 4030 1 Schneider Electric 66.25.045
CABOS MÓDULOS DIG. TSX CDP 301 4 “ 66.25.150

Componente Referência Quantidade Fabricante Código STEMAC Aplicação


CLP PREMIUM
CPU TSX 57202 V3.0 1 Schneider Electric 66.01.100
FONTE (Padrão) TSX PSY 1610 25W 1 “ 66.18.010
RACK NÃO EXT.8 SLOTS TSX RKY 8 1 “ 66.02.125
MÓD. ENTR. ANALÓGIC. TSX AEY 810 1 “ 66.10.095 Sistema c/ STR/PPR
MÓD. SAÍDAS ANALÓGIC. TSX ASY 410 1 “ 66.10.080 Sistema c/ STR/PPR e + que 1 GMG
MÓD. ENTR. DIGITAIS TSX DEY 64 D2K 1 “ 66.05.100
COM COMUNICAÇÃO CLP MÓD. SAÍDAS DIGITAIS TSX DSY 32 T2K 1 “ 66.05.085
PREMIUM CARTÃO PCMCIA TSX SCP 114 1 “ 66.15.010
CARTÃO MEMÓRIA TSX MRP 0128P 1 “ 66.20.020
BLOCO TERMINAL TSX BLY 01 1 “ 66.20.090
BATERIA TSXPLP01 1 “ 66.20.030
MÓDULO COMUNICAÇÃO TSX SCY21601 1 “ 66.15.040 Comunicação Modbus
MÓDULO ETHERNET TSX ETY 410 1 “ 66.16.210 Comunicação Ethernet

CABOS
CABO MÓDULOS DIGITAIS TSX CDP 301 6 Schneider Electric 66.25.150
CABO PCMCIA TSX SCP CM 4030 1 “ 66.25.045
CABO DB25 X2CLP57A 1 MTC 66.25.173

S2133 Componente Referência Quantidade Fabricante Código STEMAC Aplicação


De 2 a 3 GMGs até CLP MICRO
3 Transferências CPU TSX 3722 101 V2.00 1 Schneider Electric 66.01.015
MÓD. E/S DIGITAIS TSX DMZ 64 DTK 1 “ 66.05.090
MÓD. E/S DIGITAIS TSX DMZ 28 DTK 1 “ 66.05.080
MOD. ENTR. ANALÓGIC. TSX AEZ 801 1 “ 66.10.015
SEM COMUNICAÇÃO CLP MOD. SAÍDAS ANALÓGIC. TSX ASZ 401 1 “ 66.10.010
MICRO CARTÃO PCMCIA TSX SCP 114 1 “ 66.15.010
CARTÃO MEMÓRIA TSX MRP 064P 1 “ 66.20.010
BATERIA TSX PLP01 1 “ 66.20.030

CABOS
CABO PCMCIA TSX SCP CM 4030 1 Schneider Electric 66.25.045
CABOS MÓDULOS DIG. TSX CDP 301 6 “ 66.25.150

Componente Referência Quantidade Fabricante Código STEMAC Aplicação


CLP PREMIUM
CPU TSX 57202 V3.0 1 Schneider Electric 66.01.100
FONTE (Padrão) TSX PSY 1610 25W 1 “ 66.18.010
RACK NÃO EXT.8 SLOTS TSX RKY 8 1 “ 66.02.125
MÓD. ENTR. ANALÓGIC. TSX AEY 810 1 “ 66.10.095 Sistema c/ STR/PPR
MÓD. SAÍDAS ANALÓGIC. TSX ASY 410 1 “ 66.10.080 Sistema c/ STR/PPR e + que 1 GMG
MÓD. ENTR. DIGITAIS TSX DEY 64 D2K 1 “ 66.05.100
MÓD. SAÍDAS DIGITAIS TSX DSY 32 T2K 1 “ 66.05.085
COM COMUNICAÇÃO CLP CARTÃO PCMCIA TSX SCP 114 1 “ 66.15.010
PREMIUM CARTÃO MEMÓRIA TSX MRP 0128P 1 “ 66.20.020
BLOCO TERMINAL TSX BLY 01 1 “ 66.20.090
BATERIA TSXPLP01 1 “ 66.20.030
MÓDULO COMUNICAÇÃO TSX SCY21601 1 “ 66.15.040 Comunicação Modbus
MÓDULO ETHERNET TSX ETY 410 1 “ 66.16.210 Comunicação Ethernet

CABOS
CABO MÓDULOS DIGITAIS TSX CDP 301 6 Schneider Electric 66.25.150
CABO PCMCIA TSX SCP CM 4030 1 “ 66.25.045
CABO DB25 X2CLP57A 1 MTC 66.25.173

Componente Referência Quantidade Fabricante Código STEMAC Aplicação


CLP PREMIUM
CPU TSX 57202 V3.0 1 Schneider Electric 66.01.100
FONTE (Padrão) TSX PSY 1610 25W 1 “ 66.18.010
S2188 RACK NÃO EXT.8 SLOTS TSX RKY 8 1 “ 66.02.125
Até 8 GMGs e MÓD. ENTR. ANALÓGIC. TSX AEY 810 1 “ 66.10.095 Sistema c/ STR/PPR
8 Transferências MÓD. SAÍDAS ANALÓGIC. TSX ASY 410 1 “ 66.10.080 Sistema c/ STR/PPR e + que 1 GMG
MÓD. ENTR. DIGITAIS TSX DEY 64 D2K 1 “ 66.05.100
MÓD. SAÍDAS DIGITAIS TSX DSY 32 T2K 1 “ 66.05.085
COM COMUNICAÇÃO CLP CARTÃO PCMCIA TSX SCP 114 1 “ 66.15.010
PREMIUM CARTÃO MEMÓRIA TSX MRP 0128P 1 “ 66.20.020
BLOCO TERMINAL TSX BLY 01 1 “ 66.20.090
BATERIA TSXPLP01 1 “ 66.20.030
MÓDULO COMUNICAÇÃO TSX SCY21601 1 “ 66.15.040 Comunicação Modbus
MÓDULO ETHERNET TSX ETY 410 1 “ 66.16.210 Comunicação Ethernet

CABOS
CABO MÓDULOS DIGITAIS TSX CDP 301 6 Schneider Electric 66.25.150
CABO PCMCIA TSX SCP CM 4030 1 “ 66.25.045
CABO DB25 X2CLP57A 1 MTC 66.25.173

S25-ST2000C

Componente Referência Quantidade Fabricante Código STEMAC Aplicação


S2533 CLP MICRO
Até 3 GMG's e CPU TSX 3722 101 V2.00 1 Schneider Electric 66.01.015
3 Transferências MÓD. E/S DIGITAIS TSX DMZ 64 DTK 1 “ 66.05.090
MÓD. E/S DIGITAIS TSX DMZ 28 DTK 1 “ 66.05.080
MOD. ENTR. ANALÓGIC. TSX AEZ 801 1 “ 66.10.015
SEM SUPERVISÓRIO MOD. SAÍDAS ANALÓGIC. TSX ASZ 401 1 “ 66.10.010
CLP MICRO CARTÃO PCMCIA TSX SCP 114 1 “ 66.15.010
CARTÃO MEMÓRIA TSX MRP 064P 1 “ 66.20.010
BATERIA TSX PLP01 1 “ 66.20.030

CABOS
CABO PCMCIA TSX SCP CM 4030 1 Schneider Electric 66.25.045
CABOS MÓDULOS TSX CDP 301 6 “ 66.25.150

Componente Referência Quantidade Fabricante Código STEMAC Aplicação


CLP PREMIUM
CPU TSX 57202 V3.0 1 Schneider Electric 66.01.100
FONTE (Padrão) TSX PSY 1610 25W 1 “ 66.18.010
RACK NÃO EXT.8 SLOTS TSX RKY 8 1 “ 66.02.125
MÓD. ENTR. ANALÓGIC. TSX AEY 810 1 “ 66.10.095 Sistema c/ STR/PPR
MÓD. ENTR. DIGITAIS TSX DEY 64 D2K 1 “ 66.05.100
COM COMUNICAÇÃO CLP MÓD. SAÍDAS DIGITAIS TSX DSY 32 T2K 1 “ 66.05.085
PREMIUM CARTÃO PCMCIA TSX SCP 114 1 “ 66.15.010
CARTÃO MEMÓRIA TSX MRP 0128P 1 “ 66.20.020
BLOCO TERMINAL TSX BLY 01 1 “ 66.20.090
BATERIA TSXPLP01 1 “ 66.20.030
MÓDULO COMUNICAÇÃO TSX SCY21601 1 “ 66.15.040 Comunicação Modbus
MÓDULO ETHERNET TSX ETY 410 1 “ 66.16.210 Comunicação Ethernet

CABOS
CABO MÓDULOS DIGITAIS TSX CDP 301 6 Schneider Electric 66.25.150
CABO PCMCIA TSX SCP CM 4030 1 “ 66.25.045
CABO DB25 X2CLP57A 1 MTC 66.25.173

Componente Referência Quantidade Fabricante Código STEMAC Aplicação


CLP PREMIUM
CPU TSX 57202 V3.0 1 Schneider Electric 66.01.100
(P2) S2588 FONTE TSX PSY 3610 36W 1 “ 66.18.010
Até 8 GMGs e RACK NÃO EXT. 8 SLOTS TSX RKY 8 1 “ 66.02.125
8 Transferências MÓD. ENTR. ANALÓGIC. TSX AEY 810 1 “ 66.10.095 Sistema c/ STR/PPR
MÓD. ENTR. DIGITAIS TSX DEY 64 D2K 1 “ 66.05.100
COM COMUNICAÇÃO CLP MÓD. SAÍDAS DIGITAIS TSX DSY 32 T2K 1 “ 66.05.085
PREMIUM CARTÃO PCMCIA TSX SCP 114 1 “ 66.15.010
CARTÃO MEMÓRIA TSX MRP 0128P 1 “ 66.20.020
BLOCO TERMINAL TSX BLY 01 1 “ 66.20.090
BATERIA TSXPLP01 1 “ 66.20.030
MÓDULO COMUNICAÇÃO TSX SCY21601 1 “ 66.15.040 Comunicação Modbus
MÓDULO ETHERNET TSX ETY 410 1 “ 66.16.210 Comunicação Ethernet

CABOS
CABO MÓDULOS DIGITAIS TSX CDP 301 6 Schneider Electric 66.25.150
CABO PCMCIA TSX SCP CM 4030 1 “ 66.25.045
CABO DB25 X2CLP57A 1 MTC 66.25.173
CONFIGURAÇÃO DA ESTRUTURA DA USCA SÉRIE S20
USCA SÉRIE S20

ÍTENS
COMUNS

IHM
INTERFACE
HOMEM/MÁQUINA

IHM MAGELIS Componente Referência Quantidade Fabricante Código STEMAC Aplicação


IHM MAGELIS XBT F011110 1 Schneider Electric 66.40.080
CABO CLP/IHM XBT Z968 1 “ 66.25.005

MÓDULO MULTI- Componente Referência Quantidade Fabricante Código STEMAC Aplicação


TRANSDUTOR
MULTI-TRANSDUTOR
2 elem - 3 fios 1 Stop Bit MKM 01 - E10 2 p/ Transferência KRON 52.68.570 MMT na Unidade Remota
2 elem - 3 fios 2 Stop Bit MKM 01 - E10 2 p/ Transferência KRON 52.68.580 MMT na USCA
3 elem - 4 fios 1 Stop Bit MKM 01 - E10 2 p/ Transferência KRON 52.68.575 MMT na Unidade Remota
3 elem - 4 fios 2 Stop Bit MKM 01 - E10 2 p/ Transferência KRON 52.68.585 MMT na USCA

COMUNICAÇÃO RS485 Componente Referência Quantidade Fabricante Código STEMAC Aplicação


MODBUS FIBRA OPTICA
CONVERSOR Quando a distância da Transferência ou
RS485 p/ Fibra Optica MODELO 276 2 TELEBYTE 64.02.005
do supervisório for superior a 400 metros
e/ou quando a Instalação de Comando e
CARTÕES ELETRÔNIC.
força estiver no mesmo meio físico
MDA (Mód. de Diodos Alim) MDA02 2 STEMAC 92.29.015
alojados em dutos não aterrados.
MCC (Mód. Comp. Conv.) MCC01 2 “ 92.23.005
MCO (Mód. Conv Óptico) MCO01 2 “ 92.25.005

COMUNICAÇÃO RS232 Componente Referência Quantidade Fabricante Código STEMAC Aplicação


MODBUS FIBRA OPTICA
CONVERSOR
RS232 p/ Fibra Optica PSM-EG-RS 232/FO 2 Phoenix Contact 66.02.020 Quando a distância da Transferência ou
do supervisório for superior a 400 metros
e/ou quando a Instalação de Comando e
força estiver no mesmo meio físico
alojados em dutos não aterrados.

HUBS P/ COMUNICAÇÃO Componente Referência Quantidade Fabricante Código STEMAC Aplicação


ETHERNET
HUBs
4 Portas 10 baseT com Unidades Remotas ou Supervisório com
499 NEH 00410 Schneider Electric 66.16.100
conector RJ45 até 100m c/ rede Ethernet

3 Portas 10 baseT com


Unidades Remotas ou Supervisório acima
conector RJ45 + 2 portas 10 499 NEH 00510 Schneider Electric 66.16.110
de 100m c/ rede Ethernet
base FL com Fibra Óptica

TRANSCEIVER P/ COM. Componente Referência Quantidade Fabricante Código STEMAC Aplicação


ETHERNET
TRANSCEIVER
1 Portas 10 baseT com Quando a distância da Transferência ou
conector RJ45 + 1 portas 10 499 NTR 00010 Schneider Electric 66.16.410 do supervisório for superior a 400 metros
base FL com Fibra Óptica e/ou quando a Instalação de Comando e
força estiver no mesmo meio físico
alojados em dutos não aterrados.

CLP MOMENTUM Componente Referência Quantidade Fabricante Código STEMAC Aplicação

CPU MOMENTUM
CPU Ethernet 171 CCC 98030 1 Schneider Electric 66.16.010

REMOTA MOMENTUM
Remota Ethernet 170 ENT 11000 1 66.16.030
Utilizado para aplicações com Unidades
Remotas
BASE MOMENTUM
Base 16E / 16S 170 ADM 35010 1 66.01.200
Base 10E / 8S 170 ADM 39030 66.01.205

CABO
CABO DB9 X1CLPMOMENTUM 1 MTC 66.25.250

SUPERVISÓRIO STEMAC Componente Referência Quantidade Fabricante Código STEMAC Aplicação


VIEW
SUPERVISÓRIO STEMACVIEW
ELIPSE SOFTWARE SOFTWARE RUNTIME MMI 1 ELIPSE 64.50.010 Quando controle for via computador cliente
DRIVER DRIVER ModBus 1 ELIPSE 64.50.020

CONVERSOR RS232/485 I-7520 1 p/ RS232/MODEM AXION TECHNOLOGY 64.05.005 Quando cliente disponibiliza somente RS232

JUNCTION BOX TSX PACC01 1 Telemecanique 66.15.050 Comunicação Uni-Telway

CABOS COMUNICAÇÃO Componente Referência Quantidade Fabricante Código STEMAC Aplicação

CABO PAR TRANÇADO P/ RS-485


Cabo 24 AWG 1 par Furukawa
trançado KMP

CABO DE REDE STP


Utilizado para aplicações com Unidades
Cabo 24 AWG 4 pares Furukawa
Remotas ou Supervisórios
blindado multilan STP

FIBRA ÓPTICA
Fibra multimodo (2 vias)
62.5/125 micron com
conectores tipo ST
USCA SÉRIE S20

SEÇÃO I

MANUAL DE OPERAÇÃO

Padrão
CONTEÚDOS

SEÇÃO I 1
FUNÇÃO 4
COMPOSIÇÃO 5
CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS 5
DESCRIÇÃO DO CLP 5
MÓDULOS DIGITAIS 5
Entradas 5
Saídas 6
MÓDULOS ANALÓGICOS 6
Entradas 6
Saídas 6
MÓDULO PCMCIA DE COMUNICAÇÃO 6
DESCRIÇÃO DE FUNCIONAMENTO DO PROGRAMA DO CLP 6
FUNCIONAMENTO MANUAL 6
Partida dos GMG’s 7
Conexão dos GMG’s ao Barramento de Paralelismo 7
Desconexão dos GMG’s do Barramento de Paralelismo 8
Conexão dos GMG’s ao Barramento de Carga 8
Desconexão dos GMG’s do Barramento de Carga 8
Conexão da Rede 9
Desconexão da Rede 9
Comandos dos GMG’s desde os Controladores dos GMG’s 9
Reposição de Alarmes e LED’s da IHM 10
FUNCIONAMENTO EM EMERGÊNCIA 10
FUNCIONAMENTO EM AUTOMÁTICO 11
Condição de Repouso 12
Falha de Rede 14
Falha em algum GMG (opção de GMG Reserva) 15
Ativação dos GMG’s em Horário de Ponta 16
Comandos externos de ativação 17
Retorno da Rede à Normalidade 18
TELAS DE SET-UP 19
DESCRITIVO DE PROTEÇÕES 23
PROTEÇÕES NO PCC 23
PROTEÇÕES NA USCA 23
PROTEÇÕES NOS DISJUNTORES 24
SINALIZAÇÕES 25
Sinalizações de Anormalidades 25
Sinalizações na CPU do CLP Micro 27
MODELO

S25: ST2000C S21: PCC S20: PCC


MODELO DA USCA: S2121
BT
BT MT Supervisório
Supervisório S2121

Selecionar Modelo: Confirm ar Atualizar

Caminho: x: \Documentos\Descritivos\
MANUAL DE OPERAÇÃO

MANUAL DE OPERAÇÃO

FUNÇÃO
A função do Sistema de Controle da USCA se confunde com a da própria USCA, uma vez que a
maioria das atribuições desta são executadas pelo Sistema de Controle, sendo este o controlador da
USCA, cujos demais componentes informam, executam comandos e comunicam sinalizações ao/do
Sistema de Controle.

SEÇÃO I 4
MANUAL DE OPERAÇÃO

COMPOSIÇÃO
Os dispositivos que compõem o Sistema de Controle são :

• Módulos principais do Controlador Lógico Programável (CLP):


TSX 3722 101 Processador/Fonte Central (CPU)
TSX DSZ 28DR 16 entr. 24Vcc, 12 saídas relés
TSX AEZ 801 8 entr. ±10V (mais de 1 GMG)

TSX ASZ 401 4 saídas ±10V (mais de 1 GMG)

TSX SCP 114 Cartão PCMCIA comunicação RS485

• Acessórios internos ao Módulo de Comando da USCA :


IHM Interface Homem-Máquina,
T CCX 1730 LW

MMT Módulos Multi-Transdutores, MKM01

CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS
A Interface Homem-Máquina (IHM) se encontra na porta do painel de comando da USCA,
comunicando-se serialmente com o CLP. Os Módulos Multi-Transdutores (MMT) geralmente
localizam-se na chapa de montagem da USCA, podendo também localizar-se no QTA (Quadro de
Transferência Automática), local ou remoto, comunicando-se sempre serialmente com o CLP.
Os módulos eletrônicos que compõem CLP são todos montados no bastidor da CPU
(Processador/Fonte Central) que se encontra na chapa de montagem da USCA. Os módulos são
inseridos no bastidor, e uma vez encaixados nos conectores da placa-mãe do CLP, são fixos no lugar
por meio de parafusos.
Esta placa-mãe é responsável pela interconexão entre os módulos eletrônicos acima citados e a CPU.

DESCRIÇÃO DO CLP

MÓDULOS DIGITAIS

Entradas
Recebem os sinais provenientes dos PCC’s, das Chaves de Potência, bem como de sinais externos à
USCA, sinais estes provenientes de outros sistemas do cliente.

SEÇÃO I 5
DESCRIÇÃO DO CLP

Saídas
Envia os sinais destinados aos PCC’s, às Chaves de Potência, bem como sinais externos à USCA,
sinais estes destinados a outros sistemas do cliente.

MÓDULOS ANALÓGICOS

Entradas
Recebem os sinais provenientes dos transdutores de Diferença de Fase, bem como de sinais
provenientes das linhas de divisão de ativos e reativos dos PCC’s.

Saídas
Envia os sinais analógicos destinados aos PCC’s, para atuar nas linhas de divisão de ativos e
reativos controle de nível de potência.

MÓDULO PCMCIA DE COMUNICAÇÃO


Responsável pela comunicação entre o CLP e os Multi-transdutores (MMT), os quais convertem as
leituras elétricas como tensões, potências e frequências em leituras digitais em rede RS-485,
protocolo ModBus.

DESCRIÇÃO DE FUNCIONAMENTO DO PROGRAMA DO CLP


Os descritivos a seguir contém figuras que mostram a ENTRADA OU SAÍDA DE
frontal da IHM com as telas mencionadas ao longo do ROTINA
descritivo para facilitar a assimilação do texto. Nessas
figuras são mostradas as teclas de função variável de Decisão entre
acordo com o contexto do programa, referidas como alternativas?
botoeiras Cb11i a Cb42i.
Os descritivos contém também fluxogramas destinados a Comando ou Cálculo
simplificar a compreensão da lógica básica de
Mensagem de Alarme:texto
funcionamento da USCA S20, o que para ser descrito que aparece na tela da IHM
verbalmente geraria um texto complexo e de difícil
assimilação. Ao lado a legenda dos símbolos utilizados nos Comando de apresentação
de uma Tela da IHM
referidos fluxogramas.

FUNCIONAMENTO MANUAL
Estando a USCA em modo AUTO (ver item FUNCIONAMENTO EM AUTOMÁTICO, telas de
Repouso e de AUTOMÁTICO), esta passa a modo MANUAL sempre que for pressionada a
botoeira "Man" (Cb11i) na IHM em uma das telas do modo AUTO.
Caso algum PCC tenha sua chave de operação retirada da posição “AUTO”, a USCA passará a
modo MANUAL (ver item "Comandos dos GMG’s desde os PCC’s" abaixo).
A USCA passa também a modo MANUAL se for desalimentada e alimentada novamente, ou se for
causado um reset ou um ciclo stop/run no CLP. Todas as operações passam então a ser manuais.

SEÇÃO I 6
DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DO CLP

A USCA é desalimentada em caso de:


• desconexão da alimentação das baterias do(s) GMG(s)
• trip nos disjuntores de proteção da entrada de alimentação proveniente das baterias de cada
GMG
• botoeiras soco de emergência todas pressionadas
IMPORTANTE! Caso a USCA tenha sido prevista para um determinado número de GMG’s,
porém nem todos estejam instalados (previsão para instalação futura), para que
a USCA opere normalmente é necessário que seja mantida pressionada a(s)
botoeira soco de emergência correspondente ao(s) GMG(s) ainda não
instalados. Isto também vale para a eventualidade de um ou mais GMG’s
serem retirados ou desativados para manutenção.

Tela de Modo MANUAL

Partida dos GMG’s


Pressionando-se a botoeira “Sel” (Cb12i) seleciona-se com qual GMG se deseja proceder a partida,
o que é feito pressionando-se a botoeira "Gn" (Cb22i), onde n se refere ao GMG selecionado.

Conexão dos GMG’s ao Barramento de Paralelismo


Da mesma forma como para a partida, seleciona-se pela botoeira “Sel” (Cb12i) qual o GMG a ser
conectado, o que é feito pressionando-se a botoeira "CGn" (Cb32i), onde n se refere ao GMG
selecionado. A conexão não se dá instantaneamente, uma vez que o PCC checa se a Barra de
Paralelismo está desenergizada, somente então executando a conexão. Caso a Barra esteja
energizada (por outro GMG), o PCC procede à sincronização (o símbolo do GMG na IHM mostra
"S" dentro) de seu GMG, após o que o conecta e faz com que adquira carga (se houver) linearmente.
Consequentemente o operador não necessita preocupar-se com a conexão do GMG ao Barramento
de Paralelismo, visto que o CLP se encarrega da segurança.

SEÇÃO I 7
DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DO CLP

Caso o GMG selecionado para conexão esteja parado ("P" dentro do símbolo de GMG na IHM), ao
comandarmos a conexão deste, será primeiramente comandada a partida do GMG e, posteriormente
sua conexão.
Se for pressionada a botoeira “Sel” (Cb12i) primeiramente e, ao mesmo tempo pressionarmos a
botoeira "CGn" (Cb32i), será comandada a conexão de todos os GMG’s já em funcionamento. Esta
conexão não será simultânea, visto que os PCC’s conectarão um primeiro GMG à Barra e assim por
diante os demais serão conectados após sua sincronização.

Desconexão dos GMG’s do Barramento de Paralelismo


Da mesma forma como para a conexão, seleciona-se pela botoeira “Sel” (Cb12i) qual o GMG a ser
desconectado, o que também é feito pressionando-se a botoeira "CGn" (Cb32i), onde n se refere ao
GMG selecionado. Se for pressionada a botoeira “Sel” (Cb12i) primeiramente e, ao mesmo tempo
pressionarmos a botoeira "CGn" (Cb32i), será comandada a desconexão de todos os GMG’s, a qual
será simultânea.
É importante observar, antes de desconectar um dos GMG’s, que a potência demandada pela Carga
não seja superior à potência disponível de GMG’s conectados, caso contrário, haverá o trip geral
destes devido a sobrecarga. Neste caso é preferível desconectar a Carga, abrindo a(s) chave(s) de Tie
ou então utilizar a função descrita no parágrafo acima, a fim de desconectar todos GMG’s
simultaneamente.

Conexão dos GMG’s ao Barramento de Carga


Uma vez os GMG’s conectados ao Barramento de Paralelismo, comanda-se o fechamento das
Chaves de Tie. Caso seja uma única Tie, a conexão será pela botoeira Cb41i, que apresentará o
indicativo "CT1". Caso sejam várias Tie, pode-se conectá-las uma após a outra, selecionando-se
pela botoeira “Sel” (Cb12i) qual chave a ser comandada. O indicativo da botoeira Cb41i apresentará
"CTn", onde n se refere à Tie selecionada. Caso o operador deseje comandá-las simultaneamente,
basta primeiramente manter pressionada a botoeira “Sel” (Cb12i) e então pressionar a botoeira
Cb41i.
Quando do comando de conexão das Chaves de Tie, o operador não necessita preocupar-se com uma
possível operação indevida. Estando a Rede desconectada, a conexão se dá imediatamente. Caso a
Rede esteja conectada à Carga, o CLP procede na sincronização dos GMG’s ("S" dentro do símbolo
de GMG na IHM) à Rede e, uma vez obtido o sincronismo, o CLP comanda o fechamento da Chave
de Tie selecionada ou de CT1 em caso único. Uma vez fechada a Tie, o CLP comanda que os PCC
executem a rampa linear de carregamento. Ao final desta rampa o CLP comanda a abertura da
respectiva chave de Rede. É importante observar que haja suficientes GMG’s conectados a fim
destes suportarem a carga atual.
Caso a USCA esteja configurada para Transferência com Interrupção (sem rampa), para a conexão
dos GMG’s à Carga é basta pressionar o botão de conexão da chave de Tie. Neste momento o CLP
irá abrir a chave de Rede para somente depois fechar a chave de Tie, havendo neste caso
interrupção na alimentação da carga.

Desconexão dos GMG’s do Barramento de Carga


Caso seja uma única Tie, a desconexão será pela botoeira Cb42i, que apresentará o indicativo
"CT1". Caso sejam várias Tie, pode-se desconectá-las uma após a outra, selecionando-se pela
botoeira “Sel” (Cb12i) qual chave a ser comandada. O indicativo da botoeira Cb42i apresentará
"CTn", onde n se refere à Tie selecionada. Caso o operador deseje comandá-las simultaneamente,

SEÇÃO I 8
DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DO CLP

basta primeiramente manter pressionada a botoeira “Sel” (Cb12i) e então pressionar a botoeira
Cb41i.

Conexão da Rede
Caso seja uma única Rede, a conexão será pela botoeira Cb42i, que apresentará o indicativo "CR1".
Caso sejam várias Redes, pode-se conectá-las uma após a outra, selecionando-se pela botoeira “Sel”
(Cb12i) qual chave a ser comandada. O indicativo da botoeira Cb31i apresentará "CRn", onde n se
refere à Rede selecionada. Caso o operador deseje comandá-las simultaneamente, basta
primeiramente manter pressionada a botoeira “Sel” (Cb12i) e então pressionar a botoeira Cb31i.
Quando do comando de conexão das Chaves de Rede, o operador não necessita preocupar-se com
uma possível operação indevida. Estando os GMG’s desconectados, a conexão se dá imediatamente.
Caso os GMG’s estejam conectados à Carga, o CLP procede na sincronização destes ("S" dentro do
símbolo de GMG na IHM) à Rede e, uma vez obtido o sincronismo, o CLP comanda o fechamento
da Chave de Rede selecionada ou de CR1 em caso único. Uma vez fechada a Chave de Rede, o CLP
comanda que os PCC’s executem a rampa linear de descarregamento. Ao final desta rampa o CLP
comanda a abertura da respectiva chave de Rede.
Caso a USCA esteja configurada para Transferência com Interrupção (sem rampa), para a conexão
das Redes à Carga basta pressionar o botão de conexão da chave de Rede. Neste momento o CLP irá
abrir a chave de Tie para somente depois fechar a chave de Rede, havendo neste caso interrupção na
alimentação da carga.

Desconexão da Rede
Caso seja uma única Rede, a desconexão será pela botoeira Cb31i, que apresentará o indicativo
"CR1". Caso sejam várias Redes, pode-se desconectá-las uma após a outra, selecionando-se pela
botoeira “Sel” (Cb12i) qual chave a ser comandada. O indicativo da botoeira Cb31i apresentará
"CRn", onde n se refere à Rede selecionada. Caso o operador deseje comandá-las simultaneamente,
basta primeiramente manter pressionada a botoeira “Sel” (Cb12i) e então pressionar a botoeira
Cb31i.

Comandos dos GMG’s desde os Controladores dos GMG’s


Se retirarmos os PCC de Automático (retirando sua chave de modo
de operação da posição RUN/MARCHA), imediatamente a USCA
passa para modo MANUAL, porém inibindo a atuação do operador
via IHM. Esta passa a piscar seu LED amarelo, indicando a inibição.
A partir daí o operador pode comandar a partida dos GMG’s
colocando a chave de modo de cada PCC em RUN (MARCHA). Para
parar o GMG basta retorná-la à posição OFF (APAGADA).

Para conectar o GMG ao barramento deve-se pressionar a tecla "CERRADO" I e para desconectar,
a tecla "ABIERTO" . Para os demais disjuntores deve-se utilizar seus próprios botões mecânicos
de fechamento I e abertura  localizados em seus painéis frontais.
O CLP continuará a mostrar o status das fontes e suas Chaves de Potência ainda supervisionará
alguns tipos de falhas relacionadas às chaves, porém a supervisão dos GMG’s estará totalmente a
cargo dos PCC’s.

SEÇÃO I 9
DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DO CLP

Reposição de Alarmes e LED’s da IHM


Sempre na ocorrência de alarmes,
a IHM apresenta uma tela
contendo as mensagens referentes
aos pro-blemas memorizados no
CLP, provenientes dos
Controladores dos GMG’s, dos
disjuntores de potên-cia ou
detectados pelo próprio CLP. Para
eliminar a mensagem e retornar à
tela anterior, é necessário
pressionar-se "ACK" (2, acknow-
ledge = reconhecimento) tantas
vezes quantas mensagens tenham
sido memorizadas. O Alarme
Sono-ro continuará acionado até
que sejam reconhecidas todas as
mensagens armazenadas na IHM,
o que é feito pressionando-se Vista frontal da IHM
"ALT+ACK" (3 e 2) e então per- mensagens.
correndo-se toda a lista de A IHM dispõe de quatro LED’s (7 e 8) no canto inferior
mensagens com as teclas  e ↵ esquerdo de seu painel. O LED vermelho mais de baixo (8)
(4) e, pressionando-se a tecla somente é acionado quando da inicialização da IHM.
"ACK", dar-se o conhecimento
das
Os demais LED’s (7) são controlados pelo programa do CLP significando:

LED LIGADO  PISCANDO  DESLIGADO 


Vermelho Falhas informadas por dispositivos externos ao CLP, tais Falhas detectadas pelo CLP Sem Alarmes
como o Controlador do GMG ou disjuntores. Para poder
repor estes alarmes é necessário primeiramente eliminar
a causa da falha.
Amarelo USCA em MANUAL USCA inibida por algum sinal USCA em AUTO
externo, tal como PCC não em
automático (em RUN ou OFF)
Verde Alguma botoeira de Cb11i a Cb42i pressionada _ Nenhuma botoeira
pressionada

A reposição das falhas memorizadas só e possível em MANUAL. Na tela MANUAL, pressiona-se a


botoeira “Sel” (Cb12i) para obter-se "Rp" na Cb42i, a qual deve ser então pressionada. Se, ao
pressioná-la o LED vermelho não apaga ou não para de piscar, isto indica que a causa da falha não
foi solucionada, voltando a IHM a apresentar novamente a mesma mensagem de alarme anterior,
porém com novo horário.

FUNCIONAMENTO EM EMERGÊNCIA
Em caso de pane ou desalimentação do CLP a USCA entra em seu modo EMERGÊNCIA de
funcionamento. A pane interna no CLP pode ser tanto em sua fonte de alimentação quando em seu
processador ou barramento de dados. A desalimentação do CLP pode dar-se pela desconexão das
SEÇÃO I 10
DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DO CLP

baterias dos GMG’s ou por algum curto-circuito acidental dentro da USCA que cause a abertura dos
disjuntores de proteção da alimentação CC.
Os comandos tais como partida, parada, conexão e desconexão do(s) GMG(s) ao Barramento de
Paralelismo passam a ser executados pelo operador diretamente no painel dos Controladores dos
GMG’s e disjuntores, tal como descrito no parágrafo "Comandos dos GMG’s desde os
Controladores dos GMG’s" acima. A diferença é que tanto o CLP quanto a IHM estarão
totalmente fora de operação. A situação das chaves de potência deve ser averiguada na frontal das
mesmas, assim como a dos GMG’s nos painéis dos PCC’s.
O PCC se encarrega da sincronização, equalização e divisão de carga, liberando o operador destas
tarefas. Toda a supervisão de defeitos, sobrecarga e potência inversa de GMG continua sendo
executada pelo PCC, permanecendo todo o sistema protegido.
Quanto à operação dos disjuntores de transferência, esta será diretamente nos botões de acionamento
mecânico de abertura e fechamento na frontal dos mesmos, ficando porém o operador sem as
facilidades de sincronização e transferência gradual de carga. Os disjuntores são intertravados
eletricamente, impedindo o paralelismo entre os mesmos neste modo de emergência.

FUNCIONAMENTO EM AUTOMÁTICO
IMPORTANTE! Caso a USCA tenha sido prevista para um determinado número de GMG’s,
porém nem todos estejam instalados (previsão para instalação futura), para que
a USCA opere normalmente, mesmo em AUTO, é necessário que seja mantida
pressionada a(s) botoeira soco de emergência correspondente ao(s) GMG(s)
ainda não instalados. Isto também vale para a eventualidade de um ou mais
GMG’s serem retirados ou desativados para manutenção. Os demais poderão
ainda operar em AUTOMÁTICO.

SEÇÃO I 11
DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DO CLP

Condição de Repouso
Nesta situação os GMG’s estão normalmente parados e a Rede alimentando, estando as chaves CRn
fechadas. A IHM apresenta a tela de Repouso, mostrando hora e dia, bem como as medições de
potência e as três fases da(s) Rede(s).

Tela de Repouso
A tecla "Man" passa a USCA para modo MANUAL, passando a IHM a mostrar a Tela de Modo
MANUAL. A tecla "Unifilar" faz com que a IHM passe a mostrar a Tela de Modo AUTOMÁTICO,
voltando após 10s à Tela de Repouso.
OBS.: opcionalmente o CLP pode ser configurado para que, ao ser pressionada a tecla "Man",
apareça a tela de senha abaixo. Somente esta senha permite a passagem da USCA para
MANUAL, independentemente de estar a IHM na tela de Repouso ou na de modo
AUTOMÁTICO.

A botoeira “Sel” (Cb12i) seleciona a Rede (caso sejam mais de uma) a ter suas leituras de potência
e tensões trifásicas mostradas na tela. Em caso de uma única Rede, a tela não apresentará esta
indicação de tecla.
SEÇÃO I 12
DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DO CLP

As leituras das tensões das três fases são indicadas por ∅A, ∅B e ∅C quando a medição for entre
fase-neutro e ∅AB, ∅BC e ∅CA quando for entre fase-fase.

Tela de Modo não sim


AUTO (0) AUTOMÁTICO
MAN?

1a Tentativa não Tela de Modo


Fechamento AUTO?
MANUAL
MANUAL
chave(s) sim
Rede(s)
Rede(s) não Tela de Modo ATIVAÇÃO
não normal(is)? AUTOMÁTICO GMG(s) (30)

já1a sim sim


sim
tentativa?

Hor.Ponta
não Chave(s) sim não Parar
ou Com.
Fechada(s)? GMG(s)
Externo?

Tela de sim GMG(s) não


Repouso parado(s)?

Fluxograma da Condição de Repouso

Tela de Modo AUTOMÁTICO

SEÇÃO I 13
DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DO CLP

Falha de Rede

ATIVAÇÃO AUTO (0) Parar GMG(s)


GMG(s) (30) não

sim
Partir GMG Reserva GMG reserva?

Comando Partida GMG(s) (-Reserva)


não
Algum GMG partiu?
não
time-out?
sim Alarme: GMG(s) não
partiu(ram)

sim
Comando Conexão 1o GMG

não
Algum GMG não
time-out?
sim Alarme: GMG(s) não
conectou? conectou(aram)

sim
Sincronização/Conexão demaisGMG's

não
Todos GMG's não
time-out?
sim Alarme: GMG's não
conectados? sincronizaram/conectaram

sim

Rede anormal ou não


TRANSFERÊNCIA (50)
Transf.s/Rampa?

sim Comando Desconexão Rede Anormal


não
Chave Rede abriu?
não
time-out?
sim Alarme: Chave Rede não
abriu

sim
Comando Conexão Tie

não
Chave Tie fechou?
não
time-out?
sim Alarme: Chave Tie não
fechou

sim
sim Hor.Ponta ou não
Rede normal?
Com. Externo?
não
não
sim
Transf.c/Rampa?

sim
n1 TRANSFERÊNCIA (50) RETRANSFERÊNCIA (70)

Fluxograma da Rotina de Ativação do(s) GMG(s)

SEÇÃO I 14
DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DO CLP

Uma vez tendo o CLP confirmado a saída da tensão da (ou uma das) Rede(s) da faixa operacional,
após o tempo Tcra de confirmação (definido na Tela de Ajustes de Tempos do Setup) de
anormalidade, o CLP comanda a abertura da respectiva Chave de Rede. A IHM muda da Tela de
Repouso para a de Modo AUTOMÁTICO, iniciando o CLP o procedimento de partida e conexão
dos GMG’s à Carga. Somente partirão os GMG’s que não estiverem inibidos por falhas
memorizadas ou com Botoeira de Emergência pressionada. No caso opcional do sistema ser
configurado para dispor de um GMG como Reserva (stand-by), no momento da ordem de partida é
escolhido o GMG com mais horas de funcionamento, o qual permanecerá parado (mostrando "B"
dentro do respectivo símbolo de GMG na IHM).
O primeiro GMG a confirmar seus parâmetros normais é conectado pelo PCC à Barra de
Paralelismo e os demais passam neste momento a ser sincronizados pelos respectivos PCC’s à Barra,
sendo por estes conectados assim que obtido o sincronismo de fase e equalização de tensão. Em caso
de um único GMG disponível, este será conectado à Carga imediatamente após a normalização de
seus parâmetros.
Uma vez conectados todos os GMG’s disponíveis (exceto o Reserva) à barra de paralelismo, o CLP
comanda o fechamento da(s) Chave(s) de Tie correspondentes, permanecendo os GMG’s em regime,
aguardando a normalização da(s) Rede(s).

Falha em algum GMG (opção de GMG Reserva)


Em caso de falha em algum dos GMG’s já conectados à Carga, será comandada a imediata partida
do GMG Reserva, o qual após ter seus parâmetros normalizados, sincronizará com os demais
GMG’s. Uma vez sincronizado, será conectado e dividirá gradualmente a Carga com os demais,
desde que estes não tenham parado por sobrecarga. Em caso de o sistema dispor de somente dois
GMG’s, sendo um Reserva, este assumirá a Carga imediatamente após normalizar seus parâmetros,
visto não haver outro GMG com que sincronizar.

SEÇÃO I 15
DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DO CLP

Ativação dos GMG’s em Horário de Ponta

* Somente c/opção de
TRANSFERÊNCIA* (50) Transf.c/Rampa selecionada AUTO (0)
no Setup

Comando sincronização GMG(s) Parar GMG(s)

não
GMG(s)<>Rede não
time-out?
sim Alarme: GMG(s) não
sincronizados? sincronizou(aram) na transf.

sim
Comando Conexão Chave Tie

não
Chave Tie conectou?
não
time-out?
sim Alarme: Chave Tienão
conectou

sim
Comando Carga linearGMG(s)

não

Rede: kW<5% ?
não
time-out?
sim Alarme: GMG(s) não
carregou(aram) em rampa

sim
Comando Desconexão Chave Rede

não
Chave Rede abriu?
não
time-out?
sim Alarme: Chave Rede não
abriu

sim

Fim Hor.Ponta/ sim não


Rede normal?
Com. Externo?
sim

não

ATIVAÇÃO
RETRANSFERÊNCIA (70)
n1 GMG(s) (30)

Estando os GMG’s em repouso e a USCA em AUTO, quando o relógio interno do CLP atingir o
horário de ativação ajustado na Tela de Setup de Horário de Ponta, será comandada a ativação dos
GMG’s. A IHM muda da Tela de Repouso para a de Modo AUTOMÁTICO, aparecendo o ícone de
relógio.
O CLP inicia o procedimento de partida e conexão dos GMG’s à Carga. Somente partirão os GMG’s
que não estiverem inibidos por falhas memorizadas ou com Botoeira de Emergência pressionada. No
caso opcional do sistema ser configurado para dispor de um GMG como Reserva (stand-by), no
momento da ordem de partida é escolhido o GMG com mais horas de funcionamento, o qual
permanecerá parado (mostrando "B" dentro do respectivo símbolo de GMG na IHM).
O primeiro GMG a confirmar seus parâmetros normais é conectado pelo PCC à Barra de
Paralelismo e os demais passam neste momento a serem sincronizados pelos respectivos PCC’s

SEÇÃO I 16
DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DO CLP

àquela Barra, sendo por estes conectados assim que obtido o sincronismo de fase e equalização de
tensão.
Uma vez conectados todos os GMG’s disponíveis (exceto o Reserva) à barra de paralelismo, o CLP
procede na sincronização dos GMG’s conectados em relação a cada uma das Redes presentes e
normais, comandando o fechamento da Chave de Tie respectiva quando obtido o sincronismo. Uma
vez conectados os GMG’s em paralelo com uma das Redes, o CLP comanda que os PCC’s
carreguem linearmente seus respectivos GMG’s. O CLP aguarda até que a potência na respectiva
Rede atinja o nível de transferência (geralmente cerca de 5% da potência nominal daquele ramal de
Rede), quando comanda a abertura da respectiva chave de Rede, terminando o paralelismo entre
GMG’s e Rede. Este processo se repete em “cascata” para cada uma das transferências, em
sequência, caso aplicável. Uma vez concluídas todas as transferências, permanecem os GMG’s em
regime, aguardando o término do comando de ativação.
O término do comando de ativação se dá quando o relógio interno do CLP atingir o horário de
desativação ajustado na Tela de Setup de Horário de Ponta. Caso durante o Horário de Ponta alguma
das Redes falhar, mesmo quando acontecer o término do Horário de Ponta os GMG’s permanecerão
em funcionamento até que todas as Redes estejam normalizadas.

Comandos externos de ativação


A USCA pode receber comandos externos de ativação dos GMG’s. Estes comandos podem ser tanto
por meio de um contato seco conectado à borneira da USCA quanto por um sinal enviado via
supervisório, caso a USCA esteja opcionalmente preparada para comunicação entre o CLP e um
supervisório.
Uma vez recebido este comando, seja por meio elétrico ou por comunicação, o CLP ativa o
procedimento da mesma maneira como descrito no ítem “Ativação dos GMG’s em Horário de
Ponta” acima.
Igualmente, caso ao cessar o comando externo de ativação alguma das Redes esteja anormal, os
GMG’s permanecerão em funcionamento até a normalização de todas as Redes.

SEÇÃO I 17
DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DO CLP

Retorno da Rede à Normalidade

RETRANSFERÊNCIA (70)

Comando sincronização GMG(s)

não
GMG(s)<>Rede não
time-out?
sim Alarme: GMG(s) não
sincronizados? sincronizou(aram) na retransf.

sim
Comando Conexão Chave Rede

não
Chave Rede não
time-out?
sim Alarme: Chave Redenão
conectou? conectou

sim
Comando Descarga linearGMG(s)

não
Tie: kW<5% ?
não
time-out?
sim Alarme: GMG(s) não
descarregou(aram) em rampa

sim
Comando Desconexão Chave Tie

não
não sim
Chave Tie abriu? time-out? Alarme: Chave Tie não abriu

sim

Parar GMG(s) não


time-out?
sim Alarme: GMG(s) não
parou(aram)
não
não
GMG(s) parou(aram)?
Hor.Ponta/
sim
Com.Ext.ativo ou
sim
Rede Anormal?

n1 AUTO (0) ATIVAÇÃO GMG(s) (30)

Uma vez tendo o CLP confirmado o retorno da tensão da(s) Rede(s) à normalidade, após o tempo
Tcrn de confirmação (definido na Tela de Ajustes de Tempos do Setup) do retorno:
• No caso de apenas uma única Rede, após obter a sincronização dos GMG’s à Rede, o CLP
comanda o fechamento da chave de Rede e que o PCC execute a rampa linear de
descarregamento. Ao final desta (GMG’s com menos de 5% de sua potência nominal), o CLP
comanda a abertura da Chave de Tie.
• No caso da USCA estar configurada para transferência sem rampa, após obter a sincronização
dos GMG’s à Rede, o CLP comanda o fechamento da chave de Rede e uma vez confirmado este
paralelismo, a desconexão dos GMG’s, evitando assim a interrupção de alimentação das Cargas.

SEÇÃO I 18
DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DO CLP

• No caso da USCA estar configurada para transferência com interrupção, o CLP comanda a
desconexão dos GMG’s das Cargas e após alguns segundos comanda a conexão destas às Redes.
• No caso de mais de uma Tie, o CLP executa as retransferências em “cascata”, isto é, uma após a
outra, em sequência. Assim, para cada retransferência, o CLP repete o procedimento descrito
nos itens anteriores.
Uma vez totalmente desconectados os GMG’s da Carga, o CLP deixa de enviar o comando de
funcionamento aos PCC’s, os quais procedem na desconexão do barramento de paralelismo,
resfriamento e parada. Após pararem todos os GMG’s, não tendo ocorrido nenhuma anormalidade, o
CLP retorna a IHM à Tela de Repouso.

TELAS DE SET-UP
Na tela MANUAL, pressiona-se a botoeira "Setup" (Cb21i). A IHM apresenta então a Tela de
Medições, onde deve-se pressionar então "Setup" (Cb42i). Aparece então a tela principal de Setup.

Tela principal de Setup


No caso específico desta tela, a única escolha que apresenta parâmetros a serem ajustados pelo
operador é "HOR. PONTA", pela botoeira Cb42i, levando à tela de Setup de Horário de Ponta. As
demais telas são irrelevantes ou apresentam ajustes que só devem ser alterados por pessoal técnico
da STEMAC ou sob sua orientação. Pressionando-se “Próx. Tela” segue-se para a tela secundária
de Setup.

SEÇÃO I 19
DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DO CLP

Tela de Setup de Horário de Ponta


O primeiro item “Def.GMG no H.Ponta: Carga Rede? 0/1: _” define se, em caso de falha nos
GMG’s durante o Horário de Ponta, a Carga é desalimentada (0) ou permanece/é devolvida (1)
para/na Rede.
O dois ítens seguintes definem respectivamente o início e o fim do Horário de Ponta. Se forem
colocados valores iguais, ou o horário de término menor que o de início, os GMG’s não serão
ativados a não ser em caso de falha da Rede.

Tela secundária de Setup


Na tela secundária de Setup os ítens de interesse para o operador são “RELÓGIO” (Cb21i) e
“TEMPOS” (Cb31i). Os demais ítens são de uso por parte dos técnicos da STEMAC ou sob sua
orientação.

SEÇÃO I 20
DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DO CLP

Tela de Setup do Relógio do CLP


A botoeira Cb11i "Voltar" retorna à tela principal do Setup. A botoeira Cb41i "Mudar para
Horário ______" alterna entre horário de Verão e normal. Esta mudança de horário também corrige
o Horário de Ponta, não sendo necessário que o operador se encarregue deste acerto.
O campo "Hora atual: ____" mostra a hora interna do processador do CLP, que é o horário seguido
pelo programa do CLP. É normal que, ao operador retornar a IHM para a tela do unifilar ou
Repouso, a hora mostrada pela IHM seja diferente daquela ajustada no Setup. Após alguns minutos
a IHM deverá alinhar-se ao relógio do CLP.

Tela de Tempos
Na Tela de Tempos, são os seguintes os ajustes de interesse do operador:
• O Tempo de Confirmação de Rede Normal (Tcrn) pode ser ajustado na faixa 1-999s e se refere
ao retardo após o recebimento de algum dos sinais de normalidade da Rede.
SEÇÃO I 21
DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DO CLP

• O Tempo de Confirmação de Rede Anormal (Tcra) pode ser ajustado na faixa 1-999s e se refere
ao retardo após saírem ambos os sinais de normalidade de Rede.
• O Tempo de Retardo de Partida (Trpt) pode ser ajustado na faixa 1-999s e se refere ao retardo
após o tempo Tcra de confirmação de anormalidade de Rede até o comando de partida dos
GMG's.
• As Horas de Funcionamento de Gn (Tfgr) devem ser colocadas as horas de funcionamento para
cada GMG. Seleciona-se pela botoeira “Sel” (Cb12i) o GMG a ser ajustado e digita-se a
quantidade de horas lida na tela do respectivo PCC (ENGINE ⇒ >> ⇒ HOURS). Para zerar o
número de horas basta pressionar “Zera Horas” (Cb42i).
A botoeira Cb11i "Voltar" retorna à tela principal do Setup.

SEÇÃO I 22
DESCRITIVO DE PROTEÇÕES

DESCRITIVO DE PROTEÇÕES

PROTEÇÕES NO PCC

As proteções de cada GMG relacionadas à transferência são:


Cód. Cód.
Falha Descrição Ação
Onan ANSI
Falha 226 - O PCC comanda o fechamento de seu respectivo disjuntor e este Parada imediata
Fechamento não fecha
Rotação de Fase 270 ≈47 Descasamento entre relação de fases entre GMG e Bus Parada imediata

Alta Tensão CA 301 59 Tensão alta (130% inst. ou 110% por 10s) na saída do GMG Desconexão e parada
durante sincronização ou paralelismo com Bus imediatos
Baixa Tensão 303 27 Tensão baixa (85% por 10s) na saída do GMG durante Desconexão e parada
CA sincronização ou paralelismo com Bus imediatos
Sub-frequência 313 81 Frequência caiu abaixo de 90% por 10s Desconexão e parada
imediatos
Sobrecorrente 321 51 Corrente de saída do GMG excedeu 110%, Segundo um cálculo Desconexão e parada
tempo/corrente do PCC imediatos
Curto-circuito 322 50 Corrente de saída do GMG excedeu 175% Desconexão e parada
imediatos
Sobrecarga 330 32 Potência trifásica do GMG excedeu 105% da Potência Intermitente Desconexão e parada
ou 115% da Potência Prime, após 5s imediatos
Potência Inversa 335 32 Gerador sendo motorizado Desconexão e parada
imediatos
Perda Excitação 337 40 Problemas no sistema de excitação do GMG Desconexão e parada
imediatos
Cheque de - 78 GMG a vazio sincronizado à Rede quando ângulo < ±20° Conexão ao Bus
Sincronismo

PROTEÇÕES NA USCA

Cada uma das fontes é dotada de um Multi-transdutor que informa ao CLP os respectivos valores de
potência ativa, tensão (cada uma das três fases) e frequência, bem como um transdutor de diferença
de fase entre as tensões dos GMG’s e das Redes.

Durante os períodos em que o(s) GMG(s) se encontra(m) em paralelo com a(s) Rede(s), ou seja,
quando da transferência e da retransferência em rampa, tanto em Automático quanto em Manual o
CLP supervisiona contínuamente potência inversa e sobrecarga de ambas as fontes, mas
principalmente a frequência no Barramento de Paralelismo, a qual deve manter-se dentro de uma
faixa bem estreita (±0,5% tip.), visto que como a Rede representa um barramento infinito, ela é
quem define a frequência do paralelo, de forma que, se houver uma variação de frequência maior do
que esta ESTREITA faixa, isto indica que houve uma falha da Rede e que o(s) GMG(s) está(ão)
enviando energia de volta para a Rede. Neste caso o CLP comanda a imediata desconexão do
disjuntor da Rede. Em caso de não abertura da respectiva Chave de Rede quando comandado pelo
CLP, este comandará então a abertura do disjuntor do(s) GMG(s), evitando o prolongamento do
paralelismo com a Rede.

SEÇÃO I 23
DESCRITIVO DE PROTEÇÕES

Em caso extremo de pane no CLP (ver item FUNCIONAMENTO EM EMERGÊNCIA), o operador


poderá proceder na operação do(s) GMG(s) mesmo sem o CLP. Partida, parada, conexão e
desconexão do GMG ao Barramento de Paralelismo são executados diretamente no painel do PCC
em cada GMG. O PCC se encarrega da sincronização, equalização e divisão de carga, liberando o
operador destas tarefas. Toda a supervisão de defeitos, sobrecarga e potência inversa de GMG
continua sendo executada pelo PCC, permanecendo todo o sistema protegido.
Quanto à operação dos disjuntores de transferência, esta será diretamente nos mesmos, ficando
porém o operador sem as facilidades de sincronização e transferência gradual de carga. Os
disjuntores são intertravados eletricamente, impedindo o paralelismo entre os mesmos.

Cód.
Função Fonte Descrição Valor Ação
ANSI
Alta Tensão Rede 59 Tensão alta 5 a 15%, ajustável na Após tempo ajustável de confirmação,
CA IHM. Típico 10% desconexão de CRn e partida dos
GMG’s
Baixa Rede 27 Tensão baixa -5 a –30%, ajustável Após tempo ajustável de confirmação,
Tensão CA na IHM. Típico -10% desconexão de CRn e partida GMG’s
Sub/sobre- Rede/ 81 Durante paralelismo ±0,1 a ±0,9%, em 0,2 Desconexão imediata de CRn
frequência GMG’s Rede/GMG’s, frequência variou a 2s, ajustados na
acima do valor e tempo IHM. Típico ±0,5%,
ajustados 1s
Sobrecarga Rede 32 Potência trifásica da Rede 60 a 500%, ajustável Desconexão de CRn, sem partida
excedeu valor ajustado na IHM na IHM GMG’s
Potência Rede 32 Geradores enviando potência -5 a –40%, ajustável Desconexão temporizada de CRn
Inversa ativa de volta para a Rede, na IHM. Típico -10%
acima de valor ajustado na IHM
Sobrecarga GMG’s 32 Potência trifásica da Rede 60 a 120%, ajustável Desconexão de CTn, com parada dos
excedeu valor ajustado na IHM na IHM GMG’s após resfriamento
Potência GMG’s 32 Rede motorizando GMG’s, -5 a –30%, ajust na Desconexão de CTn, com parada dos
Inversa acima de valor ajustado na IHM IHM. Típico –10% GMG’s após resfriamento
Cheque de Rede/ 78 GMG’s em carga sincronizado à ±15° Conexão de CRn, estabelecendo
Sincronismo GMG’s Rede quando ângulo menor paralelismo

PROTEÇÕES NOS DISJUNTORES


Cód.
Função Fonte Descrição Valor Ação
ANSI
Sobrecorrent Rede 51 Corrente na entrada da Rede excedeu 0 a 15%, ajustável no Desconexão de CRn, sem partida
e valor ajustado no disjuntor, segundo disj. Típico 10% dos GMG’s
curva tempo/corrente do disjuntor
Curto- Rede 50 Corrente na entrada da Rede excedeu 0 a –15%, ajustável na Após tempo ajustável de
circuito valor ajustado no disjuntor IHM. Típico -10% confirmação, desconexão de CRn
e partida dos GMG’s
Sobrecorrent GMG’s 51 Corrente de saída do GMG’s excedeu 0 a 15%, ajustável no Desconexão de CTn e parada dos
e valor ajustado no disjuntor, segundo disj. Típico 10% GMG’s após resfriamento, caso
curva tempo/corrente do disjuntor não detectado pelos PCC’s
Curto- GMG’s 50 Corrente de saída do GMG’s excedeu 0 a -15%, ajustável na Desconexão de CTn e parada dos
circuito valor ajustado no disjuntor IHM. Típico -10% GMG’s após resfriamento, caso
não detectado pelos PCC’s

SEÇÃO I 24
SINALIZAÇÕES

SINALIZAÇÕES

Sinalizações de Anormalidades
As sinalizações de anormalidades distinguem-se entre as informadas por sinais provenientes de
dispositivos externos à USCA, os quais chegam ao CLP (LED vermelho da IHM aceso), e as
sinalizações detectadas pelo próprio CLP (LED vermelho da IHM piscante). Estas sinalizações
podem ainda dividir-se entre Rede, Tie e GMG's. A tabela abaixo relaciona as possíveis mensagens
de alarme e seu respectivo código.

SEÇÃO I 25
SINALIZAÇÕES

No Mensagem na Tela 066 Rede 1 Potência Inversa!


067 CR1 não fechou/abriu indevidamente!
001 G1 não confirmou funcionamento!
068 CR1 não abriu!
002 G1 a vazio não sincronizou!
069 CR1 abriu p/trip de Sobrecorrente!
003 CG1 não fechou/abriu indevidamente!
070 CT1 não fechou/abriu indevidamnte!
004 G1 não assumiu carga em rampa!
071 CT1 não abriu!
005 GMG’s não descarreg em rampa c/ R1!
072 CT1 abriu p/trip de Sobrecorrente!
006 G1: Sobrecarga (CLP)!
073 Rede 2 com Sobrecarga!
007 G1: Potência Inversa (CLP)!
074 Rede 2 Potência Inversa!
008 CG1 não abriu!
075 CR2 não fechou/abriu indevidamente!
009 G1 não parou!
076 CR2 não abriu!
010 CG1: Sobrecorrente!
077 CR2 abriu p/trip de Sobrecorrente!
011 PCC G1 informou Defeito!
078 CT2 não fechou/abriu indevidamnte!
012 PCC G1 informou Sobrecarga/Subfreq!
079 CT2 não abriu!
013 PCC G1 foi retirado de AUTOMATICO!
080 CT2 abriu p/trip de Sobrecorrente!
014 ??
081 G4 não confirmou funcionamento!
015 Nível Muito Baixo de Combustível!
082 G4 a vazio não sincronizou!
016 RET defeito geral!
083 CG4 não fechou/abriu indevidamente!
017 G2 não confirmou funcionamento!
084 G4 não assumiu carga em rampa!
018 G2 a vazio não sincronizou!
085 GMGs não descarreg em rampa c/ R4!
019 CG2 não fechou/abriu indevidamente!
086 G4: Sobrecarga (CLP)!
020 G2 não assumiu carga em rampa!
087 G4: Potência Inversa (CLP)!
021 GMG’s não descarreg em rampa c/ R2!
088 CG4 não abriu!
022 G2: Sobrecarga (CLP)!
089 G4 não parou!
023 G2: Potência Inversa (CLP)!
090 CG4: Sobrecorrente!
024 CG2 não abriu!
091 PCC G4 informou Defeito!
025 G2 não parou!
092 PCC G4 informou Sobrecarga/Subfreq!
026 CG2: Sobrecorrente!
093 PCC G4 foi retirado de AUTOMATICO!
027 PCC G2 informou Defeito!
094 GMG's não assum. Carga em rp c/R1!
028 PCC G2 informou Sobrecarga/Subfreq!
095 GMG's não assum. Carga em rp c/R2!
029 PCC G2 foi retirado de AUTOMATICO!
096 GMG's não assum. Carga em rp c/R3!
030 GMG's a vazio não sincr. c/Rede 1!
097 Alta Temp. Oleo Transf. 1!
031 GMG's a vazio não sincr. c/Rede 2!
098 Detetor de Gás Transf. 1!
032 Defeito Geral nos GMG's!
099 Nível Baixo de Oleo Transf. 1!
033 GMG's a vazio não sincr. c/Rede 3!
100 Alta Temp. Oleo Transf. 2!
034 GMG's a vazio não sincr. c/Rede 4!
101 Detetor de Gás Transf. 2!
035 GMG's em carga não sincr. c/Rede 1!
102 Nível Baixo de Oleo Transf. 2!
036 Rede 1 falhou em paralelo c/GMG's!
103 Alta Temp. Oleo Transf. 3!
037 Rede 2 falhou em paralelo c/GMG's!
104 Detetor de Gás Transf. 3!
038 Rede 3 falhou em paralelo c/GMG's!
105 Nível Baixo de Oleo Transf. 3!
039 Rede 4 falhou em paralelo c/GMG's!
106 Alta Temp. Oleo Transf. 4!
040 GMG's em carga não sincr. c/Rede 2!
107 Detetor de Gás Transf. 4!
041 GMG's não descarreg.em rampa c/R1!
108 Nível Baixo de Oleo Transf. 4!
042 GMG's não descarreg.em rampa c/R2!
109 Falha Comunic. Multitransdutor 1!
043 Falha Com. Disj.Rede: não fecharam!
110 Falha Comunic. Multitransdutor 2!
044 Falha Com. Disj.Rede: não abriram!
111 Falha Comunic. Multitransdutor 3!
045 GMG's em carga não sincr. c/Rede 3!
112 Falha Comunic. Multitransdutor 4!
046 GMG's em carga não sincr. c/Rede 4!
113 Rede 3 com Sobrecarga!
047 GMG's não descarreg.em rampa c/R3!
114 Rede 3 Potência Inversa!
048 GMG's não descarreg.em rampa c/R4!
115 CR3 não fechou/abriu indevidamente!
049 G3 não confirmou funcionamento!
116 CR3 não abriu!
050 G3 a vazio não sincronizou!
117 CR3 abriu p/trip de Sobrecorrente!
051 CG3 não fechou/abriu indevidamente!
118 CT3 não fechou/abriu indevidamnte!
052 G3 não assumiu carga em rampa!
119 CT3 não abriu!
053 GMG’s não descarreg em rampa c/ R3!
120 CT3 abriu p/trip de Sobrecorrente!
054 G3: Sobrecarga (CLP)!
121 Rede 4 com Sobrecarga!
055 G3: Potência Inversa (CLP)!
122 Rede 4 Potência Inversa!
056 CG3 não abriu!
123 CR4 não fechou/abriu indevidamente!
057 G3 não parou!
124 CR4 não abriu!
058 CG3: Sobrecorrente!
125 CR4 abriu p/trip de Sobrecorrente!
059 PCC G3 informou Defeito!
126 CT4 não fechou/abriu indevidamnte!
060 PCC G3 informou Sobrecarga/Subfreq!
127 CT4 não abriu!
061 PCC G3 foi retirado de AUTOMATICO!
128 CT4 abriu p/trip de Sobrecorrente!
062 ??
063 Falha Comun. Multitransdutor 5!
064 Falha Comun. Multitransdutor 6!
065 Rede 1 com Sobrecarga!

SEÇÃO I 26
SINALIZAÇÕES

Falhas detectadas no PCC são especificadas em sua própria tela, apresentando também um código
específico de cada alarme, o qual auxilia na sua localização no manual do PCC. Na ocorrência
destas falhas, além da mensagem na tela do PCC, na IHM aparecerá uma ou mais das mensagens
códigos 11, 27, 59, 91 ou 107 respectivamente para G1, G2 ou G3.
Sinalizações na CPU do CLP Micro
A CPU do CLP dispõe de um display de LED's de dupla função, normalmente indicando o status de
cada uma das entradas e saídas dos módulos digitais e, opcionalmente, indicando eventuais falhas
em entradas e/ou saídas ou mesmo de módulos inteiros. Além dos LED's de status de I/O
(Entradas/Saídas), o display dispõe ainda de cinco LED's de status:

LED COR LIGADO  PISCANDO  DESLIGADO 

RUN Verde CLP em atividade, programa rodando CLP em atividade, programa parado CLP em falha ou
programa ausente ou
inválido

TER Amarelo Comunicação em progresso _ Não comunicando

I/O Vermelho Falha de I/O ou de Configuração; _ Normal


deve-se pressionar o botão DIAG (>1s)
⇒ LED's de status de Entradas/Saídas
passam a indicar status de defeito de
cada canal de Entrada e/ou Saída

ERR Vermelho Bloqueio: falha no Mód.Process., no Falha: programa ausente, inválido ou Normal
Sistema ou na Fonte incorreto; Memória PCMCIA falhou

BAT Vermelho Falha de Bateria: ausente, gasta, mal _ Operação Normal


colocada ou incompatível

SEÇÃO I 27
SINALIZAÇÕES

Os LED's superiores do display:


• BASE: indica que os LED's de canal de Entrada/Saída se referem aos módulos do corpo base
do CLP.
• EXT: indica que os LED's de canal de Entrada/Saída se referem aos módulos do rack de
extensão do CLP.
• DIAG: aceso indica que os LED's de canal de Entrada/Saída se referem ao status de falha
módulos do corpo base do CLP, apagado indica que os LED's se referem ao status propriamente
ditos daqueles canais.
Os LED's de canal de Entrada/Saída estão agrupados em três colunas, sendo cada coluna divida em
duas seções: a seção superior contém os LED's dos canais de entrada, de 0 a 15. Na seção inferior
estão os LED's dos canais de Saída, de 0 a 15. As duas primeiras colunas se referem aos cartões
digitais do corpo da base do CLP (estando aceso o LED "BASE") e, estando aceso o LED "EXT", a
um dos dois cartões do rack de extensão (caso existam). Cada cartão digital destes, embora sendo
uma unidade, na prática ocupa dois módulos, as entradas ocupando os módulos de número ímpar e
as saídas os módulos pares. A CPU é considerada módulo 0 (zero) e, desta forma, da esquerda para a
direita, o primeiro cartão ocupa os módulos 1 (entradas) e 2 (saídas) e assim por diante até o último
cartão (no rack de extensão), o qual ocupa os módulos 9 e 10. No diagrama elétrico há uma folha
para cada cartão, o qual é representado por um retângulo horizontal, em cujo lado superior, no canto
esquerdo, está representado o número do módulo, dentro de um quadrado. Neste lado superior, estão
representados os canais de entrada utilizados. No lado inferior, também no canto esquerdo, está o
número do módulo, sendo representados neste lado os canais de saída.
No caso dos cartões analógicos (caso existam), cada cartão ocupa um módulo (par ou ímpar). O
cartão de entradas analógicas fica no módulos 5 e o de saídas no 6.

SEÇÃO I 28
1

USCA S21
OPERAÇÃO

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

CARTÃO DE MEMÓRIA

CONCTOR PARA
CONCTOR PARA CONCTOR PARA ALIMENTAÇÃO
PROGRAMAÇÃO COMUNICAÇÃO COM CLP

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

1
4

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

2
7

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

3
10

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

11

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

12

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

4
13

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

14

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

15

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

5
16

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

17

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

18

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

6
19

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

20

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

21

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

7
22

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

23

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

24

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

8
25

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

26

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

27

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

9
28

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

29

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

30

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

10
31

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

32

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

33

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

11
34

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

35

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

36

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

12
37

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

38

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

39

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

13
40

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

41

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

42

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

14
43

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

44

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

45

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

15
46

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

47

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

48

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

16
49

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

50

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

51

A SUA SOLUÇÃO EM ENERGIA

17
Informamos que a bateria do CLP (TSX PLP01 - 3,3V) deve ser substituída a cada 2 (dois) anos,
conforme recomendação do fabricante. Para tanto, devemos estar atentos a este caso, visto que
existem fornecimentos de S20 com mais de 2 anos. Recomendamos que, quando ocorrer algum
atendimento desta ordem, sempre levar uma bateria reserva e substituí-la imediatamente.
Localizada na base inferior do CLP (vista frontal) a sua substituição é simples e rápida, tendo-se o
devido cuidado quanto a polaridade da mesma.

Para saber se um determinado cliente está neste universo, a SSAT deverá efetuar a busca da
data de saída do referido fornecimento e decidir se existe, ou não, a necessidade de
substituição desta bateria.

Referente a bateria do cartão de memória - TSX BATM 01- referência Telemecanique ou


Panasonic 3V - BR2325 ou similar, o fabricante informa que a mesma deve também ser
substituída a cada 2 anos, observando o mesmo procedimento acima descrito.

Substituindo a bateria do cartão de memória (extraído do manual técnico - Changing the


battery):

Remova o Cartão de Memória, extraindo-o do seu slot, frontal ao CLP;

Separe o puxador do Cartão de Memória (puxando-os em cada extremidade);

Verifique que o slot da bateria do Cartão de Memória está situado no lado oposto da
conexão elétrica do mesmo;

Destrave o alojamento da bateria. Para isto, pressione o clip do slot em sentido contrário ao
micro-switch write protection, puxando-o para trás;

Remova a bateria com a base do respectivo slot;

Substitua a bateria vencida por uma de 3V idêntica (conforme referência acima). A


polaridade deve ser respeitada ao recoloca-la na base. Nesta, existe o sinal (+) gravado,
que deve necessariamente coincidir com o positivo da bateria. A reposição da nova
bateria deve ser feita sem manuseio direto com as mãos sob pena de comprometer o
tempo de vida útil da mesma;

Repor o conjunto bateria e base encaixando-o no respectivo slot, com procedimento de


forma oposta ao de retirada do mesmo.

Fixar o puxador no cartão de memória, de modo a coincidir a seta existente na superfície do


cartão com a seta na superfície do puxador;

Recolocar o conjunto montado no respectivo slot do CLP;