Vous êtes sur la page 1sur 7

Departamento de Ciências Farmacêuticas

Centro de Ciências da Saúde

Administração Farmacêutica

Farmácia de Manipulação de Nutrição Parenteral

Recife
2018
Introdução

Manipulação de nutrição parenteral é uma área exclusiva do profissional


farmacêutico, As for​mu​lações de Nutrição Par​enteral são soluções ou emul​sões
extem​porâneas, com com​posições que podem variar de acordo com a neces​si​dade
diária de cada paciente. Com​postas por nutri​entes que são mis​tu​ra​dos de maneira a
sat​is​fazer a condição da pre​scrição indi​vid​u​al​izada. As for​mu​lações são preparadas
de forma autom​a​ti​zada com téc​ni​cas assép​ti​cas, o que ajuda a garan​tir a alta
pre​cisão da mis​tura, preser​vando a sua ester​il​i​dade. Essas fórmulas são produtos
que devem tem um perfil de segurança alto para evitar problemas e contaminações
de pessoas que já estão muito fragilizadas por conta de diversos problemas de
saúde.
Desenvolvimento

Para abrir uma farmácia de manipulação parenteral é necessário ter uma


série de documentos disponíveis no portal da anvisa, tais como:

1. Formulário de Petição preenchido no que couber, em 02 (duas) vias (original e


cópia).
2. Cópia da Licença de Funcionamento, atualizada, emitida pela Autoridade
Sanitária do Estado, Município e do Distrito Federal.
3. Guia de Recolhimento da Anvisa/MS via original, excetuados os casos de isenção
previstos em regulamentos específicos.
4. Declaração à Anvisa/MS, registrada em Cartório de Títulos e Documentos ou
cópia autenticada, pleiteando usufruir descontos, no tocante ao recolhimento de
Taxa de Fiscalização de Vigilância Sanitária, se for o caso.
5. Cópia do Contrato Social ou Ato constitutivo registrado na Junta Comercial e suas
alterações, se houve ( nesses documentos deverão estar claramente explícitos os
objetivos das atividades que forem requeridas.
6. Cópia do documento de inscrição no Cadastro Geral de Contribuintes-CGC ou
Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica - CNPJ.
7. Cópia autenticada com firma reconhecida em cartório, de instrumentos de
mandato outorgado pelo representante legal da empresa com poderes para requerer
a concessão de Autorização Especial, quando houver ou couber;
8. Declaração contendo dados gerais da empresa: Razão Social, Representante
Legal, Responsável Técnico com Inscrição no respectivo Conselho Regional,
Endereço completo, Telefone, FAX, e-mail;
9. Cópia do Registro Geral ( R.G.) e do Cartão de Identificação do Contribuinte (CIC)
dos diretores;
10. Cópia do Certificado de Regularidade ou Termo de Responsabilidade emitido
pelo Conselho Regional respectivo do Responsável Técnico do estabelecimento;
11. Lista das substâncias e/ou medicamento objeto da atividade a ser autorizada e
da estimativa das quantidades a serem inicialmente utilizadas, assinada pelo
Responsável Técnico;
12. Cópia do Manual de Boas Práticas de Manipulação específicos para a atividade
requerida com assinatura do Responsável Técnico;
13. Cópia da Carteira de Identidade Profissional expedida pelo Conselho Regional
de Farmácia.

É importante que os ambientes de armazenamento, manipulação e do controle de


qualidade sejam protegidos contra a entrada de aves, insetos, roedores ou outros
animais e poeira. A farmácia deve dispor de “Programa de Controle Integrado de
Pragas e Vetores”, com os respectivos registros, devendo a aplicação dos produtos
ser realizada por empresa licenciada para este fim perante os órgãos competentes.
Os ambientes devem possuir superfícies internas (pisos, paredes e teto) lisas e
impermeáveis, sem rachaduras, resistentes aos agentes sanitizantes e facilmente
laváveis As áreas e instalações devem ser adequadas e suficientes ao
desenvolvimento das operações, dispondo de todos os equipamentos e materiais de
forma organizada e racional, evitando os riscos de contaminação, misturas de
componentes e garantindo a seqüência das operações. Os ralos devem ser
sifonados e com tampas escamoteáveis. A iluminação e ventilação devem ser
compatíveis com as operações e com os materiais manuseados. As salas de
descanso e refeitório, quando existentes, devem estar separadas dos demais
ambientes. Devem existir sistemas / equipamentos para combate a incêndio,
conforme legislação específica
Deve ser localizada, projetada e construída de forma a se adequar às
operações desenvolvidas e de assegurar a qualidade das preparações, possuindo,
no mínimo os seguintes ambientes:
● Área de manipulação;
● Sala de limpeza e higienização dos produtos farmacêuticos e correlatos;
● Sala de manipulação;
● Vestiários (Dois – um vestiário para retirada da roupa da rua e outro vestiário
para colocação do uniforme, de sala limpa, utilizado dentro da sala de
manipulação da NP);
● Área de armazenamento;
● Área de dispensação.
● Balança(s) de precisão, devidamente calibrada, com registros e instalada em
local que ofereça segurança e estabilidade;
● Pesos padrão rastreáveis;
● Vidraria verificada contra um padrão calibrado ou adquirida de fornecedores
credenciados pelos Laboratórios da Rede Brasileira de Calibração, quando
for o caso;
● Sistema de purificação de água;
● Refrigerador para a conservação de produtos termolábeis;
● Termômetros e higrômetros;
● Bancadas revestidas de material liso, resistente e de fácil limpeza;
● Lixeiras com tampa, pedal e saco plástico, devidamente identificadas;
● Armário fechado, de material liso, resistente e de fácil limpeza, ou outro
dispositivo equivalente para guarda de matérias-primas e produtos fotolábeis
e/ou sensíveis à umidade.
O suporte nutricional via parenteral está indicado sempre que o paciente está
impossibilitado de usar a via enteral por um tempo predefinido. Um outro fator a ser
considerado é se o seu uso vai beneficiar o paciente. Assim, por exemplo, dentro do
contingente de pacientes desnutridos, internados, nem sempre os pacientes
terminais vão se beneficiar dessa terapêutica.
A distinção do paciente que vai se beneficiar envolve aspectos relacionados
com a doença de base e a experiência clínica da equipe de suporte nutricional. Nem
sempre esta é uma decisão fácil de ser tomada. O primeiro passo a ser considerado
é se o processo mórbido em si vai ser influenciado pelo suporte nutricional
parenteral, se a doença ou o tratamento vai piorar o apetite, alterar a
digestão/absorção e qual a sua duração.
Desde que a prevenção da desnutrição é um procedimento considerado
mais fácil do que o tratamento em si, sempre que possível deve-se prevenir o
aparecimento da desnutrição intra hospitalar. Em geral, pacientes com perda de
massa corporal superior a 20 % são considerados de alto risco nutricional. Por outro
lado, a presença de trauma metabólico (estresse), com produção aumentada de
hormônios considerados, nestas situações, hipercatabólicos, também deve ser
considerada. Uma vez considerado o estado geral do paciente, incluindo risco
nutricional, a doença de base e estado hipercatabólico, deve ser iniciado o suporte
nutricional.
Nessas condições, a via parenteral deve ser utilizada sempre que for
impossível se utilizar a via oral, fisiológica
Indicações da nutrição parenteral
• Impossibilidade do uso das vias oral/enteral
• Interferência de doença de base em ingestão, digestão ou a absorção dos
alimentos
• Desnutrição com perda de massa corporal > 20%
• Estados hipermetabólicos - Grandes queimados - Pacientes sépticos - Poli
traumatismo extenso - pancreatite aguda - fístulas intestinais de alto débit

Também há possibilidade de atendimento domiciliar que traz bastantes


benefícios entre eles encontram-se a diminuição das internações e custos
hospitalares, ausência do risco de infecção hospitalar, manutenção do paciente no
núcleo familiar e o aumento da qualidade de vida deles e de seus familiares.
O uso desse tipo de terapia nutricional tem aumentado em todo o mundo,
mas é preciso um cuidado especial para um bom acompanhamento. Por isso, é
necessário que os familiares e cuidadores recebam treinamento adequado pela
equipe multiprofissional para o adequado manuseio da dieta e higienização dos
equipamentos. Esses cuidados devem ser tomados para evitar as complicações que
podem ocorrer com a NPD, como sepse de catéter, anormalidades metabólicas,
disfunção de órgãos, dentre outras.
Conclusão

Farmacêutico tem total responsabilidade sobre todas as etapas da produção da


NP, dentre elas o controle de qualidade da matéria prima realizado antes do início da
manipulação. avaliando também os dados do paciente e dos volumes prescritos, o
cadastro da prescrição (quantidade, qualidade, compatibilidade, interações e
estabilidade entre os elementos da formulação), tudo visando a qualidade