Vous êtes sur la page 1sur 16

CAPÍTULO III – DA PERICLITAÇÃO DA VIDA E DA SAÚDE

Perigo de contágio venéreo

Art. 130 - Expor alguém, por meio de relações sexuais ou qualquer ato libidinoso, a contágio
de moléstia venérea, de que sabe ou deve saber que está contaminado:

Pena - detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, ou multa.

§ 1º - Se é intenção do agente transmitir a moléstia:

Pena - reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos, e multa.

§ 2º - Somente se procede mediante representação.

1- Objeto jurídico: Proteger a pessoa de contagio de moléstia venérea

2- Sujeito ativo: Qualquer pessoa contaminada por moléstia venérea.

3- Sujeito passivo: Qualquer pessoa, com exceção e quem for imune ou já possuir a doença.

4- Elementos subjetivos: Dolo de perigo e dolo de dano.

5- Consumação: O crime se consuma com a relação sexual ou o ato libidinoso.

6- Tentativa: É cabível tentativa.

7- Espécie de ação penal: Ação penal pública condicionada à representação.

Perigo de contágio de moléstia grave

Art. 131 - Praticar, com o fim de transmitir a outrem moléstia grave de que está
contaminado, ato capaz de produzir o contágio:

Pena - reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos, e multa.


1- Objeto jurídico: Resguardar a vida e a saúde do ser humano.

2- Sujeito ativo: Pessoa contaminada por moléstia grave.

3- Sujeito passivo: Qualquer pessoa, até mesmo a portadora de moléstia grave, pois pode
ocorrer agravamento da doença ou nova contaminação.

4- Elementos subjetivos: Dolo direto por expor a vítima ao perigo de contágio de moléstia
grave.

5- Consumação: Consuma-se com a prática do ato capaz de produzir o contágio.

6- Tentativa: É possível, desde que a conduta seja composta por diversos atos (crime
plurissubsistente).

7- Espécie de ação penal: Ação penal pública incondicionada

Perigo para a vida ou saúde de outrem

Art. 132 - Expor a vida ou a saúde de outrem a perigo direto e iminente:

Pena - detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, se o fato não constitui crime mais
grave.

Parágrafo único - A pena é aumentada de 1/6 (um sexto) a 1/3 (um terço) se a
exposição da vida ou da saúde de outrem a perigo decorre do transporte de pessoas
para a prestação de serviços em estabelecimentos de qualquer natureza, em
desacordo com as normas legais.

1- Objeto jurídico: Proteger a vida e a saúde da pessoa humana.

2- Sujeito ativo: Qualquer pessoa.

3- Sujeito passivo: Qualquer pessoa.

4- Elementos subjetivos: É o dolo de perigo.


5- Consumação: Dá-se no momento em que ocorre a produção do perigo concreto para a
vítima.

6- Tentativa: É possível na modalidade comissiva.

7- Espécie de ação penal: Ação penal pública incondicionada

Abandono de incapaz

Art. 133 - Abandonar pessoa que está sob seu cuidado, guarda, vigilância ou autoridade, e,
por qualquer motivo, incapaz de defender-se dos riscos resultantes do abandono:

Pena - detenção, de 6 (seis) meses a 3 (três) anos.

§ 1º - Se do abandono resulta lesão corporal de natureza grave:

Pena - reclusão, de 1 (um) a 5 (cinco) anos.

§ 2º - Se resulta a morte:

Pena - reclusão, de 4 (quatro) a 12 (doze) anos.

Aumento de pena

§ 3º - As penas cominadas neste artigo aumentam-se de um terço:

I - se o abandono ocorre em lugar ermo;

II - se o agente é ascendente ou descendente, cônjuge, irmão, tutor ou curador da vítima.

III – se a vítima é maior de 60 (sessenta) anos.

1- Objeto jurídico: Tutelar a vida, a saúde e a segurança da pessoa humana.

2- Sujeito ativo: Pessoa que possui o dever de zelar pela vida, saúde e segurança da vítima.

3- Sujeito passivo: O incapaz de defender-se dos riscos resultantes do abandono e que estava
sob a guarda, cuidado, vigilância ou autoridade do sujeito ativo.

4- Elementos subjetivos: Dolo de perigo, não se admitindo a modalidade culposa.


5- Consumação: Ocorre no momento do abandono, desde que este tenha resultado em perigo
concreto.

6- Tentativa: Só é possível na modalidade comissiva.

7- Espécie de ação penal: Ação penal pública incondicionada.

Exposição ou abandono de recém-nascido

Art. 134 - Expor ou abandonar recém-nascido, para ocultar desonra própria:

Pena - detenção, de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos.

§ 1º - Se do fato resulta lesão corporal de natureza grave:

Pena - detenção, de 1 (um) a 3 (três) anos.

§ 2º - Se resulta a morte:

Pena - detenção, de 2 (dois) a 6 (seis) anos.

1- Objeto jurídico: Proteger a vida e a saúde do recém-nascido.

2- Sujeito ativo: A mãe ou o pai do recém-nascido.

3- Sujeito passivo: O recém-nascido.

4- Elementos subjetivos: Dolo direto, com o fim de ocultar desonra própria.

5- Consumação: Dá-se no instante em que a vítima é submetida a perigo concreto.

6- Tentativa: É possível nos casos de crime comissivo.

7- Espécie de ação penal: Ação penal pública incondicionada.

Omissão de socorro
Art. 135 - Deixar de prestar assistência, quando possível fazê-lo sem risco pessoal, à criança
abandonada ou extraviada, ou à pessoa inválida ou ferida, ao desamparo ou em grave e
iminente perigo; ou não pedir, nesses casos, o socorro da autoridade pública:

Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.

Parágrafo único - A pena é aumentada de metade, se da omissão resulta lesão


corporal de natureza grave, e triplicada, se resulta a morte.

1- Objeto jurídico: Tutelar a solidariedade humana, protegendo a vida e a saúde.

2- Sujeito ativo: Pode ser cometido por qualquer pessoa.

3- Sujeito passivo: Criança abandonada ou extraviada, pessoa inválida, ou ferida,


desamparada ou em grave e iminente perigo.

4- Elementos subjetivos: Dolo de perigo

5- Consumação: Consuma-se no momento da omissão, do qual advém o perigo.

6- Tentativa: Não se admite tentativa, pois é necessária que haja a omissão.

7- Espécie de ação penal: Pública incondicionada.

Condicionamento de atendimento médico-hospitalar emergencial

Art. 135-A. Exigir cheque-caução, nota promissória ou qualquer garantia, bem como o
preenchimento prévio de formulários administrativos, como condição para o atendimento
médico-hospitalar emergencial:

Pena - detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, e multa.

Parágrafo único. A pena é aumentada até o dobro se da negativa de atendimento


resulta lesão corporal de natureza grave, e até o triplo se resulta a morte.

1- Objeto jurídico: Tutela-se a vida e a saúde humana.


2- Sujeito ativo: Qualquer funcionário, médico ou administrador do estabelecimento de saúde
que realize atendimento médico hospitalar emergencial.

3- Sujeito passivo: Qualquer pessoa acometida de saúde fragilizada, pela qual necessite de
atendimento médico-hospitalar emergencial.

4- Elementos subjetivos: Dolo.

5- Consumação: Consuma-se com a exigência de cheque-caução, nota promissória ou


preenchimento prévio de formulários administrativos no atendimento médico-hospitalar
emergencial.

6- Tentativa: É possível.

7- Espécie de ação penal: Pública incondicionada.

Maus-tratos

Art. 136 - Expor a perigo a vida ou a saúde de pessoa sob sua autoridade, guarda ou
vigilância, para fim de educação, ensino, tratamento ou custódia, quer privando-a de
alimentação ou cuidados indispensáveis, quer sujeitando-a a trabalho excessivo ou
inadequado, quer abusando de meios de correção ou disciplina:

Pena - detenção, de 2 (dois) meses a 1 (um) ano, ou multa.

§ 1º - Se do fato resulta lesão corporal de natureza grave:

Pena - reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos.

§ 2º - Se resulta a morte:

Pena - reclusão, de 4 (quatro) a 12 (doze) anos.

§ 3º - Aumenta-se a pena de um terço, se o crime é praticado contra pessoa menor de 14


(catorze) anos.

1- Objeto jurídico: Vida e saúde da pessoa humana.


2- Sujeito ativo: Pessoa que possui a autoridade, guarda ou vigilância do ofendido.

3- Sujeito passivo: Pessoa subordinada ao responsável pela conduta criminosa.

4- Elementos subjetivos: Dolo

5- Consumação: Ocorre com a exposição da vítima ao perigo.

6- Tentativa: É possível na modalidade comissiva.

7- Espécie de ação penal: Pública incondicionada

CAPÍTULO IV – DA RIXA

Rixa

Art. 137 - Participar de rixa, salvo para separar os contendores:

Pena - detenção, de 15 (quinze) dias a 2 (dois) meses, ou multa.

Parágrafo único - Se ocorre morte ou lesão corporal de natureza grave, aplica-se,


pelo fato da participação na rixa, a pena de detenção, de 6 (seis) meses a 2 (dois)
anos.

1- Objeto jurídico: A vida e a saúde das pessoas envolvidas na rixa.

2- Sujeito ativo: Participantes da rixa

3- Sujeito passivo: Participantes da rixa.

4- Elementos subjetivos: Dolo de perigo.

5- Consumação: Ocorre com a prática da rixa.

6- Tentativa: Não é possível.

7- Espécie de ação penal: Pública incondicionada.

CAPÍTULO V DOS CRIMES CONTRA A HONRA


Calúnia

Art. 138 - Caluniar alguém, imputando-lhe falsamente fato definido como crime:

Pena - detenção, de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos, e multa.

§ 1º - Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga.

§ 2º - É punível a calúnia contra os mortos.

Exceção da verdade

§ 3º - Admite-se a prova da verdade, salvo:

I - se, constituindo o fato imputado crime de ação privada, o ofendido não foi condenado por
sentença irrecorrível;

II - se o fato é imputado a qualquer das pessoas indicadas no nº I do art. 141;

III - se do crime imputado, embora de ação pública, o ofendido foi absolvido por sentença
irrecorrível.

1- Objeto jurídico: Proteger a honra, repudiando a calúnia.

2- Sujeito ativo: Qualquer pessoa de má-fé

3- Sujeito passivo: Qualquer pessoa que não tenha cometido o crime que lhe foi imputado por
calúnia.

4- Elementos subjetivos: Dolo.

5- Consumação: Se consuma quando terceiro toma conhecimento da ofensa dirigida à vítima.

6- Tentativa: Pode haver tentativa quando o fim desejado não for atingido.

7- Espécie de ação penal: Pública condicionada.

Difamação

Art. 139 - Difamar alguém, imputando-lhe fato ofensivo à sua reputação:


Pena - detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, e multa.

Exceção da verdade

Parágrafo único - A exceção da verdade somente se admite se o ofendido é


funcionário público e a ofensa é relativa ao exercício de suas funções.

1- Objeto jurídico: Proteger a honra objetiva.

2- Sujeito ativo: Qualquer pessoa que pratique difamação.

3- Sujeito passivo: Qualquer pessoa.

4- Elementos subjetivos: Dolo.

5- Consumação: Se consuma quando terceiro toma conhecimento da ofensa dirigida à vítima.

6- Tentativa: Pode haver tentativa quando o fim desejado não for atingido.

7- Espécie de ação penal: Pública condicionada.

Injúria

Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro:

Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.

§ 1º - O juiz pode deixar de aplicar a pena:

I - quando o ofendido, de forma reprovável, provocou diretamente a injúria;

II - no caso de retorsão imediata, que consista em outra injúria.

§ 2º - Se a injúria consiste em violência ou vias de fato, que, por sua natureza ou pelo meio
empregado, se considerem aviltantes:

Pena - detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, e multa, além da pena


correspondente à violência.
§ 3º Se a injúria consiste na utilização de elementos referentes a raça, cor, etnia, religião,
origem ou a condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência:

Pena - reclusão de 1 (um) a 3 (três) anos e multa.

1- Objeto jurídico: Tutelar a honra objetiva.

2- Sujeito ativo: Qualquer pessoa.

3- Sujeito passivo: Qualquer pessoa.

4- Elementos subjetivos: Dolo.

5- Consumação: Dá-se no momento que a ofensa chegar ao conhecimento da vítima.

6- Tentativa: Pode haver tentativa quando o fim desejado não for atingido. Por exemplo,
injuriar por escrito e este não chegar a seu fim destinado, perdendo o efeito.

7- Espécie de ação penal: Pública condicionada.

Disposições comuns

Art. 141 - As penas cominadas neste Capítulo aumentam-se de um terço, se qualquer dos
crimes é cometido:

I - contra o Presidente da República, ou contra chefe de governo estrangeiro;

II - contra funcionário público, em razão de suas funções;

III - na presença de várias pessoas, ou por meio que facilite a divulgação da calúnia, da
difamação ou da injúria.

IV – contra pessoa maior de 60 (sessenta) anos ou portadora de deficiência, exceto no caso


de injúria.

Parágrafo único - Se o crime é cometido mediante paga ou promessa de recompensa,


aplica-se a pena em dobro.
Objeto jurídico: Estabelecer algumas causas de aumento de pena para os dispositivos acima
analisados.

Núcleo do tipo: O núcleo deste tipo é verbo conjugado “aumentam-se”. É o aumento da pena.

Exclusão do crime

Art. 142 - Não constituem injúria ou difamação punível:

I - a ofensa irrogada em juízo, na discussão da causa, pela parte ou por seu procurador;

II - a opinião desfavorável da crítica literária, artística ou científica, salvo quando


inequívoca a intenção de injuriar ou difamar;

III - o conceito desfavorável emitido por funcionário público, em apreciação ou informação


que preste no cumprimento de dever do ofício.

Parágrafo único - Nos casos dos ns. I e III, responde pela injúria ou pela difamação
quem lhe dá publicidade.

1- Objeto jurídico: Expor os casos que não constituem injúria ou difamação, os quais não são
puníveis.

Retratação

Art. 143 - O querelado que, antes da sentença, se retrata cabalmente da calúnia ou da


difamação, fica isento de pena.

1- Objeto jurídico: Estabelecer que, antes da sentença, o querelado que se retrata se torna
isento da pena.

2- Sujeito: O querelado.
Art. 144 - Se, de referências, alusões ou frases, se infere calúnia, difamação ou injúria, quem
se julga ofendido pode pedir explicações em juízo. Aquele que se recusa a dá-las ou, a
critério do juiz, não as dá satisfatórias, responde pela ofensa.

1- Objeto jurídico: O ofendido pode pedir explicações sobre as difamações que recebeu, para
resguardar sua honra.

2- Sujeito ativo: O ofendido

3- Sujeito passivo: O ofensor.

4- Consumação: Consuma-se quando o ofensor é chamado em juízo para se explicar e assim o


faz.

Art. 145 - Nos crimes previstos neste Capítulo somente se procede mediante queixa, salvo
quando, no caso do art. 140, § 2 º, da violência resulta lesão corporal.

Parágrafo único. Procede-se mediante requisição do Ministro da Justiça, no caso do


inciso I do caput do art. 141 deste Código, e mediante representação do ofendido, no
caso do inciso II do mesmo artigo, bem como no caso do § 3o do art. 140 deste
Código.

1- Objeto jurídico: Estabelecer exceções para o capítulo analisado, nos casos de queixa.

CAPÍTULO VI DOS CRIMES CONTRA A LIBERDADE INDIVIDUAL

SEÇÃO I DOS CRIMES CONTRA A LIBERDADE PESSOAL

Constrangimento ilegal
Art. 146 - Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, ou depois de lhe haver
reduzido, por qualquer outro meio, a capacidade de resistência, a não fazer o que a lei
permite, ou a fazer o que ela não manda:

Pena - detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, ou multa.

Aumento de pena

§ 1º - As penas aplicam-se cumulativamente e em dobro, quando, para a execução do crime,


se reúnem mais de três pessoas, ou há emprego de armas.

§ 2º - Além das penas cominadas, aplicam-se as correspondentes à violência.

§ 3º - Não se compreendem na disposição deste artigo:

I - a intervenção médica ou cirúrgica, sem o consentimento do paciente ou de seu


representante legal, se justificada por iminente perigo de vida;

II - a coação exercida para impedir suicídio.

1- Objeto jurídico: A liberdade do ser humano para agir dentro dos limites legalmente
previstos.

2- Sujeito ativo: Qualquer pessoa.

3- Sujeito passivo: Qualquer pessoa dotada de autodeterminação.

4- Elementos subjetivos: Dolo.

5- Consumação: Dá-se no instante em que a vítima faz ou deixa de fazer algo, devido a grave
ameaça ou violência utilizada pelo agente.

6- Tentativa: É possível.

7- Espécie de ação penal: Pública incondicionada.

Ameaça
Art. 147 - Ameaçar alguém, por palavra, escrito ou gesto, ou qualquer outro meio simbólico,
de causar-lhe mal injusto e grave:

Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.

Parágrafo único - Somente se procede mediante representação.

1- Objeto jurídico: A liberdade da pessoa humana.

2- Sujeito ativo: Qualquer pessoa.

3- Sujeito passivo: Qualquer pessoa certa e determinada que compreenda o caráter


intimidatório.

4- Elementos subjetivos: Dolo.

5- Consumação: Ocorre no momento em que a vítima toma conhecimento do conteúdo da


ameaça.

6- Tentativa: É possível nas hipóteses de ameaça escrita, gestual ou simbólica. Apenas não
sendo válido em ameaças verbais.

7- Espécie de ação penal: Ação penal pública condicionada à representação.

Sequestro e cárcere privado

Art. 148 - Privar alguém de sua liberdade, mediante sequestro ou cárcere privado:

Pena - reclusão, de 1 (um) a 3 (três) anos.

§ 1º - A pena é de reclusão, de 2 (dois) a 5 (cinco) anos:

I - se a vítima é ascendente, descendente, cônjuge ou companheiro do agente ou maior de 60


(sessenta) anos;

1- Objeto jurídico: Liberdade de locomoção.


2- Sujeito ativo: Qualquer pessoa, pois trata-se de crime comum.

3- Sujeito passivo: Qualquer pessoa

4- Elementos subjetivos: Dolo

5- Consumação: Esta se prolonga no tempo. A prisão em flagrante pode ocorrer a qualquer


momento, enquanto a vítima estiver privada de sua liberdade.

6- Tentativa: É possível, seja em cárcere privado ou sequestro.

7- Espécie de ação penal: Pública Incondicionada.

Art. 149 – Reduzir alguém a condição análoga à de escravo, quer submetendo-o a trabalhos
forçados ou a jornada exaustiva, quer sujeitando-o a condições degradantes de trabalho,
quer restringindo, por qualquer meio, sua locomoção em razão de dívida contraída com o
empregador ou preposto:

Pena – reclusão, de dois a oito anos, e multa, além da pena correspondente à


violência.

§ 1º - Nas mesmas penas incorre quem:

I – cerceia o uso de qualquer meio de transporte por parte do trabalhador, com o fim de retê-
lo no local de trabalho;

II – mantém vigilância ostensiva no local de trabalho ou se apodera de documentos ou


objetos pessoais do trabalhador, com o fim de retê-lo no local de trabalho.

§ 2º - A pena é aumentada de metade, se o crime é cometido:

I – contra criança ou adolescente;

II – por motivo de preconceito de raça, cor, etnia, religião ou origem.

1- Objeto jurídico: O direito à liberdade.

2- Sujeito ativo: Qualquer pessoa.


3- Sujeito passivo: Qualquer ser humano.

4- Elementos subjetivos: É o dolo.

5- Consumação: Dá-se quando o agente reduz a vítima à condição análoga à de escravo.

6- Tentativa: É possível.

7- Espécie de ação penal: Pública incondicionada.

Introdução

O presente trabalho faz analises de determinados elementos em cada um dos artigos nele
presentes. O capítulo III trata da saúde e da vida da pessoa humana, protegendo e
resguardando-as, através da proteção à incolumidade física da pessoa e da promoção da
solidariedade e da segurança social. Já o capítulo IV, trata de rixas. O capítulo V dispõe sobre
os crimes contra a honra (calúnia, difamação e injuria) e o VI trata da garantia da liberdade
individual.

Conclusão

A análise dos artigos expostos, proporciona um estudo mais completo e adequado para a
interpretação jurídica. Dos artigos III ao VI, o Código Penal tratou da vida, da saúde, da
liberdade e da segurança da pessoa humana, o qual foi esmiuçado detalhadamente no trabalho
exposto.