Vous êtes sur la page 1sur 10

Cuidados para os Pés

Para o andarilho, nada mais importante quanto o seu veículo principal de condução: Os
pés. Assim sendo, é de suma importância saber um pouco deste veículo tão nobre.

Cada pé é constituído de 29 ossos, e toda uma anatomia músculo-ligamentar que


possibilita o a ação mecânica do equilíbrio. Como está situado na porção mais inferior
do corpo humano, suportando todo o peso e impactos oriundos do solo, o pé está
predisposto as maiores pressões vasculares e hidrostáticas dos fluídos corporais.

As partes mais críticas dos pés são o calcanhar ( formado pelo osso calcâneo), peito do
pé ( formado pelas epífises - cabeça- dos ossos metatornianos), e tornozelo ( junção dos
ossos da perna tíbia fíbula, com os ossos do pé talus e calcâneo).

O Inchaço
O tipo mais comum de inchaço nos pés é o chamado Edema Hipostático. Este tipo de
inchaço nada mais é que acúmulo de liquido nos tecidos (músculos, tecido conjuntivo
em geral). Líquido este que extravasa dos vasos sanguíneos( tal líquido chama-se Linfa)
devido a dificuldade de circulação do sangue (diminuição da velocidade de circulação),
elevação da pressão osmótica das veias e artérias, bem como drenagem do sangue
dificultada pela própria gravidade terrestre (já imaginou como é difícil para a veias
drenarem o sangue dos pés e fazê-lo subir pelas pernas até o coração, isso tudo contra a
gravidade...?)

Portanto, ao praticar alguma atividade, onde se exija algum tempo em pé, como por
exemplo, correr, ou caminhar, ou mesmo ficar sentado muito tempo, parte do líquido
que compõem o sangue, sai das veias e se acumula nos tecidos, formando assim inchaço

Em caminhadas que exceda 30 minutos os pés sofrem variações em cerca de 5 a 8% do


seu volume, ou seja, elas ‘’incham’’ um pouco. Quando em caminhadas acima de 3
horas, esta variação pode ser um pouco maior, cerca de 5 a 10%. O mesmo ocorre ao se
permanecer muito tempo sentado. ( como em viagens demoradas de ônibus).

Verdade que tais inchaços variam muito de pessoa para pessoa, dependendo ainda do
estado de saúde vascular e cardíaca. Pessoas com alterações cárdio-vasculares como
hipertensão arterial (pressão alta), hipotensão (pressão baixa), fragilidade vascular, e
varizes, podem apresentar maior facilidade de aparecimento de inchaço nos pés após
atividade física ou longo tempo sentado.

Algumas dicas para prevenir tais inchaços são válidas:

Em longas caminhadas:
Indica-se ao menos duas vezes ao dia, tirar os pés dos calçados, massageá-los um
pouco, procurando apertá-los no sentido dos dedos ao tornozelo. No final do dia, ao
deitar-se, procurar elevar os pés acima de 45 graus em relação ao corpo (com os joelhos
levemente flexionados), e tentar manter esta posição por ao menos 30 segundos, Isso
alivia um pouco a pressão dos vasos sanguíneos e vasos linfáticos (conjunto de vasos,
semelhantes aos vasos sanguíneos, por onde circula a linfa – fluidos dos tecidos).

Dormir com meias também é um bom método para evitar que os pés inchem. (tome
cuidado com meias que apertem demais os pés, ou meias que possuem estreita linha de
elástico no cano destas.)

Alongamentos também são importantes, prevenindo lesões nas articulações e


ligamentos.

Longo tempo sentado.


Quando possível, ( de duas em duas horas ao menos), levanta-se e caminhe um pouco
pelo corredor do ônibus ( ou pare o carro e caminhe). A ação de caminhar faz com que
ative a circulação dos pés e o inchaço seja prevenido. Tentar manter os pés fora dos
calçados, ou ao menos procurar afrouxá-los um pouco. Contudo, permanecer com as
meias (meias não apertadas, de faixa de elástico larga no cano.)

Alongamento para os Pés


Flexores Superiores dos Dedos dos Pés (Extensores)
M. extensor longo dos dedos, m. extensor longo do hdlux, m. extensor cu dos dedos, m.
extensor curto do hálux, m. tibial anterior. Função: Flexionar para cima (estender) as
articulações dos dedos dos pés.

A. Tensionar

Sentado, coloque uma perna, em ângulo, sobre a coxa da outra perna o pé um pouco
para dentro. Segure a parte de cima dos dedo pressione-os para cima, com a maior força
possível, por 20 a 30 segundos, usando a mão como elemento de resistência.

B. Alongar
Com a mão, flexione os dedos dos pés para baixo, o mais que puder. Desta forma o
tornozelo também será alongado. Fique nesta posição por 20 a 30 segundos.
Os Flexores Inferiores dos Dedos dos Pés
M. flexor longo & curto dos dedos, m. flexor longo & curto do hálux, mm. lumbricais.
Função: Flexionar (para baixo) as articulações do metatarso, as articulações básicas dos
dedos dos pés (MTP) e as articulações dos dedos dos pés (PJP, DIP).

A. Tensionar

Sente-se, com uma perna em angulo sobre a coxa da outra perna. Pressione os dedos do
pé para baixo o mais fortemente possível, usando a mio do mesmo lado como elemento
de resistência. O tornozelo fica no ângulo para cima. Fique nesta posição por 20 a 30
segundos.

B. Alongar

Mova os dedos do pé, passivamente, para cima, o mais que puder, puxando todos os
dedos para cima, com a mão. O tornozelo também ficará em ângulo a cima. Fique nesta
posição por 20 a 30 segundos.

Outros cuidados
Não ir fazer grandes caminhadas com calçados nunca antes usado. Estes tem que ser
amaciados antes.

As botas adaptadas ao tamanho e forma dos pés, (não muito folgada, nem muito
apertada, o ideal que esta seja um número acima do tamanho do pé).
Usar sistema duplo de meias ( Meia do tipo Liner, e outra Por cima)

*Meias Liner: São meias finas feito de material de alta absorção de suor, transportando-
os para fora dos pés, feitas na maioria das vezes de tecido especial conhecido como
coolmax.

As Bolhas

Bolhas, ou calos (chamadas também de flictemas ou vesículas), ocorrem devido ao


processo de fricção contínua de parte da pele do pé com o tecido interno do calçado. Tal
fricção faz romper pequenos vasos linfáticos, fibras conjuntivas, soltando assim parte da
epiderme, onde os líquidos oriundos dos vasos linfáticos (semelhantes as veias,
responsáveis por drenar a linfa dos tecidos) ficam acumulados.

Para tratamento, e prevenção ver:

http://www.mochileiros.com/bolhas-no-pe-o-que-fazer-t31566.html

As Bolhas infeccionadas
Costumam produzir pus, e apresentar intensa área vermelha e quente ao seu redor( sinal
que algum micro-organismo invasor contaminou a bolha). Pode provocar também
ínguas nos gânglios linfáticos da virilha e face interna da coxa( inchaços dolorosos, nos
gânglios linfáticos da região sacral – virilha- e face interna das coxas).
O tratamento consiste esperar que o pus forme um ponto natural de drenagem (chamado
vulgarmente de ‘’olho’’, e tecnicamente, conhecido como fístula).

Esta é uma tentativa natural do corpo de expulsar o pus e suas toxinas de dentro da
bolha. Então, vamos dar uma ajudinha ao corpo.

Com agulha estéril (seja de sutura, ou de costura), perfure o ‘’olho’’ da bolha com pus, e
esprema com delicadeza. Em seguida coloque anti-séptico ou pomada antibiótica
(pomada furacinada, rifocina spray, pomada neomicina).
Infelizmente, quando aparece uma bolha infeccionada, é extremamente recomendado
interromper por de 12 a 24 horas a caminhada, deixando os pés descalçados durante este
período.

Quando ocorrerem múltiplas bolhas infeccionadas, antibióticos devem ser usados


( como por ex.: dicloxacilina 500mg, 01 cápsula de 06/06hrs por 5 ou 7 dias). Contudo
recomenda-se avaliação e médica prévia (RISCO DE ALERGIA, DEVIRADO DA
PENICILINA)

As Calosidades

Quando um calçado provoca irritação crônica dos pés, em lugares específicos, o corpo
para se proteger, produz mais queratina e fibras conjuntivas, que vão se acumulando na
pele, provocando um espessamento da epiderme, conhecido como calosidade, ou calos
secos.
Estes são uma proteção natural que os pés a duras penas teve que produzir.
Portanto, não devem ser removidos por inteiro, apenas ‘’aparados’’, tirando-se os
excessos. Para tal, basta desixar os pés cerca de 10 min mergulhados em água morna,
em seguida, com auxílio de uma lixa para pés, procurar remover apenas o excesso da
calosidade, nunca remover por completo.

As Unhas
Com duas semanas antes de uma grande caminhada, procurar aparar as unhas dos pés.
Preferindo cortes retos aos curvos. Evitar remover grandes excessos da cutícula ( pele
que se adere nas laterais da unha) pois isso pode favorecer a unha encravar. Calçados
muito apertados favorecem a curvatura acentuada da unha, e portanto, pode encravar
com facilidade.

Casos graves de unha encravada, devem ser tratados por podólogo ou médico, os quais
fazem a remoção da porção encravada da unha. (NÃO SE DEVE TENTAR CORTAR
SOZINHO EM CASA, POIS PODE AGRAVAR O PROBLEMA)
Quando for só a pontinha (aresta) da unha a encravar, pode-se colocar uma pequenina
pelota de algodão embaixo desta parte, durante um dia, é o suficiente para que esta se
eleve e evite crescer para dentro do dedo novamente. Neste mesmo caso, uma gota de
cola do tipo superbond, faz com que a unha desidrate excessivamente, devido ao
polímero acrílico da cola, fazendo o canto da unha elevar-se. (NOTA: estes dois
métodos devem ser usados APENAS se for uma pequena porção da unha a encravar, e
em casos onde não haja infecção)

Um pouco mais de anatomia.


Procure saber sua pisada. Cada pessoa tem um jeito de pisar.
As pisadas podem ser do tipo: Pronada, supinada e NoRmal. Observar a sola da bota e
ver em que lado ocorre maior desgaste pode também auxiliar na identificação do tipo de
pisada.

Pisada Pronada

Quando se pisa com a parte mais interna do pé. É o famoso pé chato, ou seja, o arco do
pé é inexistente ou bastante baixo, costuma provocar compressão no lado interno do
ternozelo e distensão no lado externo.

Pisada Supinada

Quando se pisa com a parte mais externa do pé. Quase não se produz pegada ao pisar
descalço na areia. O arco do pé é bastante alto, côncavo.Costuma provocar compressão
do lado externo do tornozelo e distensão do lado interno.
Em caso de pisadas pronada leve ou supinada leve, pode-se caminhar grandes distâncias
sem maiores preocupações. Mas se for pisadas pronada severa ou supinada severa, é
indicado o uso de palmilhas ortopédicas corretivas.

A maioria das botas tem desenho adequado a pisadas supinada leve, pronada leve, e
pisada normal( evidentemente).

Terreno x Pés
Em terrenos acidentados, com muitas pedras e ou cascalho, indica-se botas de cano alto.
Estas estabilizam a pisada evitando torção no tornozelo. Botas com proteção no bico
(bico rígido), protegem a ponta dos dedos de topadas.

Em terrenos arenosos, como em praias, ( ou Região dos Lençóis MA), indica-se uso de
papete e liner. O liner evitará que a areia (em ação com o movimento do calçado)
arranhe os pés.

Lugares com neve, ou muito frios, atenção especial ao sistema de meias, ou botas mais
indicadas ao frio.

Terrenos alagadiços, charcos ou pântanos, onde se tenha previsão de caminhadas em


que o pé ficarás por mais de 3 horas encharcado, indica-se o uso de botinas protetoras,
ou meias impermeáveis de neoprene.
Observações Finais

Em caso de dor freqüente ou inchaços que se formam com facilidade, procure um


ortopedista, pode ser caso de lesões ligamentares mais complexas.

Para cuidar das calosidades ou unhas, há um profissional especializado nisso, o


podologista, ou ainda uma boa pedicure.

Mantenha os pés sempre secos e limpos durante a caminhada.

Evitar sujeira acumulada embaixo das unhas dos pés.

Alongue os músculos dos pés e dedos sempre que possível.

Evite que o interior do calçado fique sujo por lama, areia, pequenas pedrinhas ou
galhos. Os mesmos podem ferir e ou contaminar os pés.

Pés molhados, abafados dentro do calçado por muito tempo, é RISCO de aparecimento
de bolhas e ou micoses.

Cuide bem dos seus pés, e ele cuidará de suas pernas, joelhos, coluna e de você.