Vous êtes sur la page 1sur 6

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA


EMC 5407 - MECÂNICA DOS FLUIDOS I
Turmas 439B, 544B, 12/04/2011, Prof. Amir A. M. Oliveira Jr.
Nome:

PROVA 1 - SOLUÇÃO

Problema #1 (35 %):


Um separador de água com diâmetro DT (m) contém água até um nível h1 (m) e óleo em uma
camada com espessura h2 (m). A água deixa o tanque na vazão mássica ṁ1 (kg/s) e o óleo entra
no tanque em uma vazão mássica ṁ2 (kg/s). (a) Determine a pressão no fundo do tanque. (b)
Determine a velocidade do escoamento de ar no orifício com diâmetro D3 (m) e a direção deste
escoamento de ar. Considere os fluidos incompressíveis.
Dados: ṁ1 = 0, 2 kg/s, ṁ2 = 0, 1 kg/s, DT = 1 m, D1 = 0, 08 m, D2 = 0, 1 m, D3 = 0, 01 m,
h1,o = 0, 5 m, h2,o = 2 m, ρl = 1000 kg/m3 (água), ρo = 800 kg/m3 (óleo), ρa = 1, 17 kg/m3 (ar),
g = 9, 8 m/s2 , patm = 101325 Pa.
Problema #2 (35%):
Uma comporta rígida contendo uma articulação (pino) no ponto O mantém a água represada
dentro de um reservatório, conforme a figura abaixo. O topo da comporta é ligado a uma massa
M(kg) através de uma roldana sem atrito. Negligencie a massa da comporta e determine o valor
do nível h(m) de água no reservatório que faria a comporta abrir.
Dados: M = 1500 kg, ρ = 1000 kg/m3 (água), g = 9, 8 m/s2 , patm = 101325 Pa, L = 4 m,
w = 1 m, θ = 60o .
Problema #3 (30%):
Um jato de água plano, horizontal, aberto para a atmosfera, com altura h1 (m) e velocidade
V (m) atinge um defletor com ângulo θ(graus) acoplado a um carro (a largura do jato é w). No
defletor o jato é separado em duas partes: O jato defletido tem espessura h2 (m) e o jato que
atravessa o defletor tem espessura h3 (m). A abertura h3 é controlada de forma a obter-se a força
desejada sobre o carro. (a) Considerando que o carro está estacionário, determine o valor de
h3 (m) necessário para que a força resultante na direção x sobre o carro seja Fx = 300 N. (b) Se o
carro é libertado para movimentar-se livremente, formule as equações que permitiriam determinar
a velocidade de regime permanente do carro U(m/s) quando a força de arraste sobre o carro é
dada por FD = K U 2 (N).
Não esqueça de listar as hipóteses que você utilizar.
Dados: V = 2 m/s, θ = 60o , ρ = 1000 kg/m3 , h1 = 0, 1 m, w = 1 m.
Formulário:
Equação da estática dos fluidos (g = g k):

−∇p + ρg = 0

Equação da conservação da massa:


 

ρdV + (ρv · n) dA = 0
∂t VC SC

Equação da conservação da quantidade de movimento linear:


  

ρvdV + v (ρv · n) dA = Fext
∂t VC SC

1
Figure 1: Figuras para os problemas.

Para um VC movendo-se com velocidade U constante, as equações são as mesmas somente sub-
stituindo v por vrel = v − U.
Boa sorte!

2
SOLUÇÃO

Problema #1:
Hipóteses:

1. Os fluidos são incompressíveis com massa específica ρl (água), ρo (óleo) e ρa (ar).

2. O tanque tem diâmetro muito maior que os diâmetros das tubulações.

(a) (1,0) A pressão no fundo do tanque, assumindo, da hipótese (2) que o campo de velocidade
no tanque seja aproximadamente zero, depende apenas da profundidade de cada camada de fluido:

p = patm + ρa gh1 + ρo gh2

Substituindo os valores,

p = 101325 + 1000 × 9, 8 × 0, 5 + 800 × 9, 8 × 2 = 121, 905 kPa (absoluta).

(b) (2,5) A equação da conservação da massa aplicada ao escoamento de água fornece

dh1
AT ρl + ṁ1 = 0
dt
dh1 ṁ1
=−
dt AT ρl
A conservação da massa aplicada ao escoamento de óleo fornece

dh1 d (h1 + h2 )
−AT ρo − ṁ2 + AT ρo =0
dt dt
dh2 ṁ2
=
dt AT ρo
A conservação da massa aplicada ao escoamento de ar fornece

d(h1 + h2 )
−AT ρa + ṁ3 = 0
dt
 
dh1 dh2
ṁ3 = AT ρa +
dt dt
Substituindo as expressões para dh1 /dt e dh2 /dt na expressão para ṁ3 , resulta em
 
dh1 dh2
ṁ3 = AT ρa +
dt dt
 
ṁ1 ṁ2
= AT ρa − +
AT ρl AT ρo
ρa ρ
= − ṁ1 + a ṁ2
ρl ρo

Nota-se que a resposta final, como os fluidos são incompressíveis, corresponde a um balanço
de variação de volumes. A vazão ṁ3 é positiva (para fora) quando o volume de ar diminui com

3
o tempo (ar é expulso para fora). Por outro lado, o volume de ar diminui quando a soma dos
volumes de água e óleo (combinados) aumenta. Assim,
     
dVa dVl dVo ṁ1 ṁ2
ṁ3 = ρa − = ρa + = ρa − +
dt dt dt ρl ρo
que é a mesma resposta anterior.
Substituindo os valores,
 
ṁ1 ṁ2
ṁ3 = ρa − +
ρl ρo
 
0, 2 0, 1
= 1, 17 × − + = −8, 78 × 10−5 kg/s
1000 800
O valor negativo indica que o escoamento de ar está entrando, ou seja, d(Vl + Vo )/dt < 0.
A velocidade do ar é dada por (D3 = 1 cm),
ṁ3 4 × 8, 78 × 10−5
u3 = πD32
= = 0, 96 m/s.
ρa 1, 17 × 3, 14 × 0, 012
4

apontada para dentro do tanque.


Problema #2:
Momento em relação ao ponto O causado pela massa M :

Mm = MgL

Momento causado pelo fluido sobre a comporta: Eixo y começa no ponto O e acompanha a
comporta ao longo da superfície tocada pela água:
  y2
Mo = p(y) y dA = p(y) y w dy
A y1

Pressão ao longo da comporta: Eixo z começa na superfície da água no reservsatório e aponta


para baixo, ao longo de g:
p(z) = patm + ρgz
Relação entre y e z:

z = h − y senθ

Assim,
p(y) = patm + ρg (h − y senθ)
Portanto,
 h/senθ
Mo = [patm + ρg (h − y senθ)] y w dy
0
Como o momento resultante exclui o efeito da pressão atmosférica,
 h/senθ
Mo,R = ρgw (h − y senθ) y dy
0
 h/senθ
y2 y3
= ρgw h − senθ
2 3 0
ρgwh3
=
6sen2 θ

4
Finalmente, o equilíbro de momentos fornece

Mm = Mo,R
ρgwh3
MgL =
6sen2 θ
 1/3
6MLsen2 θ
h =
ρw

Substituindo os valores (M = 100 kg),


 1/3  1/3
6MLsen2 θ 6 × 1500 × 4 × [sen (60o )]2
h= = = 3, 0 m.
ρw 1000 × 1

Problema #3:
Hipóteses:

1. Fluido incompressível,

2. Regime permanente,
3. Negligencia-se as forças viscosas,

4. Negligencia-se os efeitos da gravidade.

(a) (2,0) Para o carro estacionário, U = 0, a conservação da massa fornece

−ṁ1 + ṁ3 + ṁ2 = 0

Assumindo que a dimensão saindo da folha é w = 1 m, as vazões são

ṁ1 = ρV h1 , ṁ3 = ρV h3

Resolvendo para ṁ2 , tem-se

ṁ2 = ρV (h1 − h3 ) = ρV h2

Portanto,
h2 = h1 − h3
A conservação da quantidade de movimento linear na direção x fornece

(V ) (−ṁ1 ) + (V ) (ṁ3 ) + (−V cos θ) (ṁ2 ) = −Fx

Utilizando as expressões para as vazões,

V (−ρV h1 ) + V (ρV h3 ) + (−V cos θ) (ρV h2 ) = −Fx

Usando h2 = h1 − h3 , tem-se
 
2 h3
Fx = ρV h1 (1 + cos θ) 1 −
h1
Resolvendo para h3 ,
Fx
h3 = h1 − 2
ρV (1 + cos θ)

5
A partir dos dados fornecidos,
300
h3 = 0, 1 − = 0, 05 m.
1000 × 22 × (1 + cos 60o )
Comentário:
Note que o aumento da força Fx requer uma diminuição do valor de h3 . A máxima força que
pode ser exercida pelo jato sobre o carro ocorre quando h3 = 0, h2 = h, e possue módulo

Fx = ρV 2 h1 (1 + cos θ) = 600 N

(b) (1,0) A conservação da massa em relação ao volume de controle que se desloca com velocidade
constante U fornece
−ṁ1 + ṁ3 + ṁ2 = 0
onde
ṁ1 = ρ (V − U) h1 , ṁ3 = ρ (V − U) h3
Resolvendo para ṁ2 , tem-se

ṁ2 = ρ (V − U) (h1 − h3 ) = ρ (V − U) h2

A conservação da quantidade de movimento linear na direção x em relação ao volume de controle


que se desloca com velocidade constante U fornece

(V − U) (−ṁ1 ) + (V − U) (ṁ3 ) − (V − U) cos θ (ṁ2 ) = −Fx

Lembrando que da conservação da massa,

ṁ2 = ṁ1 − ṁ3

tem-se
Fx = (1 + cos θ) (V − U) (ṁ1 − ṁ3 )
Utilizando as expressões para as vazões, tem-se
 
h3
Fx = ρ (1 + cos θ) (V − U)2 h1 1 −
h1
Dado que a força de arraste FD = K U 2 se opõe ao movimento, tem-se

Fx = K U 2

Estas duas equações devem ser resolvidas simultaneamente para obter-se a resposta do prob-
lema.
Comentário:
Quando U = 0, recupera-se a solução do item (a). A máxima velocidade que pode ser criada
pelo jato ocorre quando h3 = 0, h2 = h1 , e é dada pela solução de

K U 2 = ρh1 (1 + cos θ) (V − U)2

Quando θ = 0, tem-se a máxima velocidade U possível, dada pela solução de,

K U 2 = 2ρh1 (V − U)2 .