Vous êtes sur la page 1sur 11

A COLPOSCOPIA

Unidade de Colposcopia (Instrumental). Técnica


Colposcopia: Coleta de material para a
Colpocitologia Oncológica, Uso do Ácido
Acético, Teste de Schiller e Teste de azul de
toluidina. Achados Colposcópicos: Zona de
transformação normal, Zona de transformação
atípica, Processos inflamatórios, Pólipos e
Colposcopia insatisfatória. Biópsias de colo
uterino

O colposcopio e um microscópio binocular com magnificação


baixa, usado para a direta visualização do colo. Mesmo a
colposcopia não pode substituir outros métodos de diagnostico
utilizados em ginecologia, ela constitua uma ferramenta
importante.
As pacientes que mais beneficiam de colposcopia são aquelas
que apresentam problemas de citologia Papanicolau (manchas
Papanicolau anormais).
A colposcopia esta usada, também para as mulheres que forma
expostas ao dietilstilbestrol intrauterino e, também para avaliar a
evolução dos cânceres ginecológicos. Não tem utilidade em
descobrir neoplasias ocultas, no entanto, o exame tem que ser
usado nas mulheres com citologia anormal.

Unidade de Colposcopia (Instrumental)


O exame é realizado no próprio consultório médico com a
paciente na mesa de exame. Após colocar o espéculo vaginal o
médico examina o colo do útero com o colposcópio.
Um filtro esverdeado ajuda para descobrir as mudanças
vasculares (que acompanham frequentemente as mudanças
patologicas).
Uma solução de acido acético 3% e usada para afastar o muco e
oferecer, desse jeito um accesso melhor.

Tem muito agentes que são


usados para aumentar a
acuracia da colposcopia.
Uma câmera que acompanha
o colposcopio pode ajudar a
aumentar e melhorar a
visualização. A biopsia
guiada pela colposcopia
abaixa o numero de
resultados falsos negativos e
pode ate evitar a conização
do colo.
O exame de colposcopia tem
que ser feito examinando a
região de junção entre o
epitélio exo- e endocólico
(veja a figura). A região e
mais visível durante o
período que coincide com
alguns dias antes de
ovulação. Se a mulher esta
na menopausa, essa região
de junção esta retirada dentro do canal cervical – por isso, um
tratamento com estrogênio local pode expor a região bastante
para ser examinada.
A colposcopia esta realisada por as seguintes razoes:

o Esfregaços cervico-vaginais que necessitam um


exame mais detalhado do colo uterino e relizar,
eventualmente a biopsia guiada
o As vezes somente para examinar o colo, direto
o Para avaliar a evolução das lesões já existentes,
tratadas ou somente em observação

Coleta de material para a Colpocitologia Oncológica

O exame colposcopico tem 3-4 etapas:


A colposcopia sem preparação – antes e depois enxugar o colo
com um chumaço de algodão
O exame pode mostrar um colo normal – diferente ao multíparas
e nuliparas :

As vezes, tem que usar especulos especiais (como e aquele de


Koogan), para explorar a junção exo-endocervical:

O exame de colo uterino pode ser melhorado usando filtros de luz


específicos. Um filtro esverdeado ajuda para descobrir as
mudanças vasculares (que acompanham freqüentemente as
mudanças patológicas).

Uso do Ácido Acético


O exame depois a aplicação de acido acético (concentração 2%,
alguns usam ate 3%) melhora a visualização produzindo a
coagulação das proteínas – resulta uma região esbranquiçada,
pavimentosa.

Teste de Schiller
Esta baseado em uso de lugol que se fixa sobre o revestimento
do exocolo (rico em glicogênio) resultando uma coloração
marrom. Se existir lesões do revestimento do colo a solução de
Lugol não vai reagir .

Teste de azul de toluidina


O teste do azul de toluidina se baseia na afinidade deste corante
por estruturas nucleotídicas – quando o azul de toluidina é
passado no colo uterino e resulta em coloração azulada o exame
é normal; se o azul for intenso em algumas regiões, entende-se
como sendo um colo suspeito. Esta suspeita ocorre por serem as
neoplasias abundantes em DNA.
Achados Colposcópicos:

o Zona de transformação normal,


o Zona de transformação atípica,
o Processos inflamatórios
o Pólipos

Terminologia colposcopica da Federação Internacional de


Colposcopia " IFCPC "(1990)
1 – Aspectos colposcopicos normais (ACN) :

 Epitélio malpigiano (original)


 Epitélio malpigiano na zona de
transformação (ectropion)
 Epitélio cilindrico

2 - Aspectos colposcopicos anormais (ACA) :


ao nível da zona de transformação ou fora dela :

 Epitélio acidófilo (precisar : leve ou


intensa)
 Pavimentação (precisar: regular ou
irregular)
 Pontuação (precisar: regular ou irregular)
 Leucoplasia (precisar: fina ou espessa)
 Zonas iodo-negativas
 Vasos atípicos

3 - Suspeita colposcopica de câncer invasivo

 Hemorragias,
 Erosões,
 Ulcerações,
 Inchaço atípico

4 - Exame não satisfatório

 Junção não visível


 Inflamação ou atrofia severa
 Colo não visível
5 – Varias lesoes:

 Condiloma exofitica
 Condiloma chata ou micropapilar
 Inflamação
 Atrofia
 Ulcération
 Autres

Simbolos da colposcopia

Biopsias de colo uterino:


A biopsia guiada do colo uterino – o medico pode achar
necessário realisar a biopsia au nível do região atípica. Ele vai
usar algumas pinças fabricadas por isto:
Finalmente, quando a junção entre as duas áreas não esta visível
e não vira visível nem depois a administração do estrogênio, o
medico vai ter que usar uma cureta:

ou uma cânula Novack:

CONCLUSOES:
1. A colposcopia e um exame que não
pode substituir outras investigações
do colo uterino, mas ela e uma
ferramenta importante que vem
completar a citologia do esfregaço
vaginal (o teste Papanicolau).
2. A principal categoria de pacientes
que vão beneficiar de exame
colposcopico e aquela que não teve
resultados concludentes ao teste
Papanicolau
3. A colposcopia e um exame barato e
fácil de fazer, os resultados sendo
bastante orientáveis, especialmente
se o medico sabe usar os métodos
que ampliam a sensibilidade do teste
(teste com acido acético, com Lugol,
com azul de toluidina), mas ele não
pode ser usado como screening para
câncer. A colposcopia precisa de
uma boa experiência do examinador,
especialmente se o exame for usado
na avaliação de uma lesão já
descoberta
4. O principio básico da colposcopia e o
exame da região de transição entre o
epitélio malpigiano do exocolo e
aquele cilíndrico do endocolo, aonde
as transformações podem ser vistas
e avaliadas. Qualquer displasia ou
processo tumoral ou inflamatório
começa, normalmente, nesta área.
5. Os resultados da colposcopia não
tem que ser nem exagerados (alarme
falsa), nem supraavaliados. Uma
simples substituição epitelial não
constitua sinal de alarme, mas
quando a lesão parece ulcerada,
inchada ou excessivamente
vascularizada, o passo próximo tem
que ser a biopsia, parta esclarecer a
patologia.
6. A estadialização dos achados
colposcopicos respeita convenções
internacionais, a mais usada em
presente, sendo a estadialização da
Bethesda.

BIBLIOGRAFIA:

1. Colposcopy - Cervical Pathology: Textbook and Atlas


3rd edition. Burghardt E, Pickel H, Girardi F. Theime
New York 1998
Ferris DG, Willner WA, Ho JJ. Colposcopes: A critical
review. J Fam Pract 1991; 33:506-15.
2. Stafl A, Wilbanks GD. An international terminology of
colposcopy: Report of the nomenclature committee of
the International Federation of Cervical Pathology and
Colposcopy. Obstet Gynecol 1991; 77:313-4.
Ferris DG, Willner WA, Ho JJ. Colpophotography
systems: A review. J Fam Pract 1991; 33:633-9.
3. Ferris D, Payne P, Frisch L, et al. Cervicography:
Adjunctive cervical cancer screening by primary care
clinicians. J Fam Pract 1993;37:158-64.
Nuovo J, Melnikow J, Hutchison B, Paliescheskey M.
Is cervicography a useful diagnostic test? A
systematic overview of the literature. J Am Board Fam
Pract 1997;10:390-7.
4. Greimel ER, Gappmayer-Locker E, Girardi FL, Huber
HP. Increasing women's knowledge and satisfaction
with cervical cancer screening. J Psychosomatic
Obstet Gynecol 1997; 18(4):273-9.
Etherington IJ, Dunn J, Shafi MI, Smith T, Luesley DM.
Video colpography: A new technique for secondary
cervical screening. Br J Obstet Gynaecol 1997;
104(2):150-3.
5. Shafi MI, Luesley DM. Modern image capture and data
collection technology. Clin Obstet Gynechol 1995;
38:640-3.
6. Mikhail M, Anyaegbunam A, Romney SL.
Computerized colposcopy and conservative
management of cervical intraepithelial neoplasia in
pregnancy. Acta Obstet Gynecol Scand 1995; 74:376-8.
7. Cristoforoni PM, Geraldo D, Perino A, Piccoli R, Montz
FJ, Capitanio GL. Computerized colposcopy: Results
of a pilot study and analysis of its clinical relevance.
Obstet Gynecol 1995; 85:1011-6.
8. Cox JT. ASCCP practice guidelines: Endocervical
curettage. J Lower Genital Tract Disease 1997; 1:251-
6.
Hoffman MS, Sterghos S Jr, Gordy LW, Gunasekaran
S, Cavanagh D. Evaluation of the cervical canal with
the endocervical brush. Obstet Gynecol 1993; 82:573-
7.