Vous êtes sur la page 1sur 2

O filme relata a história de um pintor Diogo Alves que foi degradado do seu país,

nessa viagem acaba em um naufrágio e acaba chegando a terras brasileiras. No filme podemos
notar várias características que o escritor Darcy Ribeiro fala no seu livro ‘’ Povo Brasileiro’’.
O nome do filme é ‘’ Caramuru a invenção do Brasil’’, fica claro com esse nome a visão
europeia da época em relação às terras brasileiras.
Nisso o Diogo Alves foi recebido pelos índios Tupinambás, iniciando assim um
estranhamento com as diferentes culturas, Diogo conhece Paraguaçu e começa a ter um
romance com ela, sua irmã também Moema se interessa por ele também, porém de início ele
tem certa resistência, pois relata que na sua cultura não se permite ter duas mulheres e que
Moema seria sua cunhada, mas Paraguaçu fala que cunhada não é parente, sendo assim
surgindo o primeiro triângulo amoroso do Brasil. Darcy Ribeiro também cita o cunhadismo, a
instituição social que possibilitou a formação do povo brasileiro, velho uso indígena de
incorporar estranhos a sua comunidade.
O naufrago não sabia que estava sendo prisioneiro e que seria comido pelos índios, os
nativos tinham o ritual de antropofagismo, eles acreditavam que quando comia seus inimigos,
adquiriam suas habilidades, no filme Diogo acaba se livrando do ritual e acaba se tornando
chefe dos Tupinambás essas características são mencionadas no livro povo brasileiro. O
estranhamento acontece tanto da parte do indígena quanto a do europeu, fica bem nítido no
filme esse aspecto.
Essa adaptação cinematográfica é extremamente importante, pois ajuda a entender
como foi o processo de formação/colonização do Brasil, alguns aspectos não são
aprofundados, entretanto a cultura do índio e europeia e suas características são representadas
no filme. O interesse dos portugueses sobre a terra ‘’ Eldorada’’ é bem relembrado, e que de
fato aconteceu mesmo na história, os portugueses queriam se beneficiar das riquezas que o
Brasil possuía, observamos isso na cena em que Diogo sugere a venda de mercadorias o ‘’
escambo’’ para os estrangeiros e quando Vasco Athayde fica interessado no ouro. Já no final
da obra cinematográfica Diogo e Paraguaçu se casam e voltam para o Brasil, isso não é
mostrando, mas possivelmente teriam filhos e eles seriam mamelucos, porque o pai é
português e a mãe índia, portanto historicamente essa mistura de povos ( português, índio e
negro) foi de extrema importância para a formação da nação brasileira.
O processo de sacralização de acordo com Zilá Bernd serve para fazer emergir os
mitos fundadores de uma comunidade e de recuperar sua memória coletiva, passa a exercer
somente a função sacralizante, unificadora, tendendo ao mesmo monologismo, ou seja, a
construção de uma do tipo etnocêntrica, e podemos notar essa função sacralizadora dentro da
própria narrativa, no momento que o índio é considerado ser sagrado, puro, vivendo em um
paraíso chamado Brasil com a sua natureza bela, poucas roupas e portadores de arcos e
flechas.
Com o deslocamento de Diogo Alves para outra cultura, já conseguimos perceber a
visão eurocêntrica do português, a idealização que eles tinham sobre os índios, colocando as
índias com característica puramente europeia, Paraguaçu sabia falar perfeitamente o português
e a sexualização das índias é extremante exagerada na obra.
Diogo Alves a todo o momento fala de como sua cultura, alguns exemplos disso é nas
seguintes falas das cenas: na minha cultura as pessoas vestem roupas, não se pode ter duas
mulheres, nisso podemos notar uma crítica a igreja católica religião predominante na época,
porque ao mesmo tempo que ele fala isso se contradiz quando fala que lá é normal ter amante,
a questão do antropofagia que Diogo vê isso como canibalismo, os europeus achavam que
sua cultura era superior a do índio. E mesmo com essa visão grotesca que eles tinham sobre o
Brasil, tem uma certa ambiguidade pois eles ficam deslumbrado com a fauna e a flora
brasileira.
A função dessacralizadora é totalmente oposta a da sacralização, Zilá Bernd afirma
que essa função serve como desmontagem das engrenagens de um sistema dado, de pôr a nu
os mecanismos escondidos de desmitificar. Na dessacralização predomina a quebra dos
estereótipos criados pelo europeu e em algumas cenas do filme conseguimos perceber esses
detalhes.
A parte mais importante do filme que apresenta essas características é quando o Vasco
Athayde aparece com sua esquadrilha em terras brasileiras e apresenta propostas bastantes
tendenciosas, querendo que os índios trabalhem parar ele e nisso o índio é retratado como
uma pessoa preguiçosa e que não gosta de trabalho pesado.
Paraguaçu ocupa também um papel central na obra, vimos também em terra
estrangeira, mostrando que sabe negociar em prol de seus interesses, isso fica bastante
explícito na cena em que a índia convence a Duquesa Isabelle de que ser amante é melhor do
que ser esposa, e acaba comprando-a através de promessas de ouro no Brasil e no final
Paraguaçu termina enganando a Duquesa, invertendo assim o papel do colonizador e
colonizado.

Centres d'intérêt liés