Vous êtes sur la page 1sur 41

Animalidade, Idioma e Verdade

Nietzsche é muitas vezes percebida como sendo mais radical quando ele articula sua
opinião sobre a verdade. Nessas ocasiões, ele é visto como o anti-metafísico, o
"negador da verdade". 1 Interpretações oscilam entre atribuindo a ele um autorrefutável,
a doutrina relativista da verdade e afirmando que a idéia de Nietzsche de verdade
permanece o tradicional de correspondência com fatos. 2 Tais leituras divergentes e
muitas vezes mutuamente exclusivas não reconhecem que seus escritos sobre a
verdade não pode ser reduzido a um único discurso, homogênea que assume que a
verdade é um conceito elementar, um cate predi irredutível que se aplica da mesma
forma a cada proposição. Devo argumentar, por contraste, que Nietzsche articula seu
tratamento de verdade em três gêneros ou tipos de discursos distintos e
incomensuráveis.

O primeiro discurso sobre a verdade é teórico e pertence ao gênero de uma crítica da


metafísica. Através deste género, Nietzsche aborda a questão da verdade a partir dos
pontos de vista da ontologia e cosmologia, buscando a pergunta "o que existe". Mas cedo (e
também mais tarde) ontologia de Nietzsche acaba por ser um me-ontologia, uma ontologia
de falta de estar.3 em outras palavras, a investigação de "o que existe", revela o mundo para
ser falta de realidade metafísica, ou seja, um mundo sem um "mais alto" ser ou uma "real
mais" ser que funciona como o " chão" dos seres em sua totality.4 tratamento teórico de
Nietzsche da verdade cor responde a esta perspectiva de 'o mundo bem perdido.' 5

111
Este capítulo aborda o tratamento da verdade dentro do gênero de uma crítica da metafísica de
Nietzsche através de uma leitura de "Sobre Verdade e Mentiras no Sentido Extra-Moral." Minha
leitura desse texto é centrado na noção de Anschauungsmetapher ( metáfora intuited). 6 procuro
mostrar que através desta noção Nietzsche não só avança uma crítica da metafísica, mas também
oferece uma nova concepção de filosofia entendida como uma arte em busca da verdade singular.
Nas leituras existentes de tratamento de Nietzsche da verdade, "Sobre Verdade e Mentiras no
Sentido Extra-Moral" é considerado em uma das duas maneiras. A primeira sustenta que este texto
adiantada por Nietzsche repre senta um "confuso", mesmo "auto-contraditório" negação da verdade,
que un dergoes uma mudança radical em seus últimos escritos, quando ele se instala em uma teoria
consistente e coerente de verdade.? A segunda posição mantém a centralidade da "Sobre Verdade
e Mentiras no Sentido Extra-Moral" para uma sub posição de início, meio de Nietzsche, e
tratamentos tardios de verdade. 8

Eu ofereço uma leitura de "Sobre Verdade e Mentiras no Sentido Extra-Moral", que procura
estabelecer a validade da segunda posição. Defendo que Anschau ungsmetapher é o nome
Nietzsche dá uma idéia de verdade como singularidade. A possibilidade da verdade singular evoca
a "negação" de Nietzsche de física meta verdade, embora isso não significa que Nietzsche está
negando todos os tipos de verdade. A ideia de verdade singular introduz uma nova ideia, positivo
da verdade, bem como uma nova maneira de entender a busca da verdade. Anschau
ungsmetapher são trazido por que Nietzsche refere-se a pensar como pictórica ( Bilderdenken), pensando
em fotos ao invés de conceitos. 9

Bilderdenken, ou pensamento pictórico, forma isa dos seres humanos de pensamento compartilhar
com outros tipos de vida animal. Este retorno de e para a forma de pensamento do animal (de e para Anschauu
e Bilderdenken) é cial essen à tentativa de Nietzsche para renovar a filosofia como uma forma de
afirmação da vida de pensamento. Defendo que este retorno permite que a filosofia para superar sua
sob pé de si mesmo como metafísica e abraçar o pensamento "pós-metafísico", que é, em vez de
asceta de afirmação da vida, produtiva, em vez de niilista.

Esta leitura de "Sobre Verdade e Mentiras no Sentido Extra-Moral" comple mentos a leitura de
"Sobre o Uso e desvantagem da história para a vida", previsto no capítulo anterior. Enquanto que
o capítulo mostrou que um retorno de e para o esquecimento do animal é essencial para o futuro
de sua tory, o objetivo deste capítulo é mostrar que um retorno de e um schauungsmetapher é
essencial para o futuro da filosofia entendida como uma "unidade pura e honesta da verdade" ( TL
1). A apropriação do esquecimento animais e pensamento pictórico permite filosofia para superar
sua un derstanding de si mesmo como uma ciência, totalmente motivada pela unidade para
adquirir conhecimento e, em vez disso, se mover em direção a afirmação de si mesmo como uma
arte

112 • Animalidade, Idioma e Verdade


motivada pela unidade de ilusão. Enquanto um retorno de e animalidade permite história para se
tornar uma arte da interpretação, o mesmo retorno permite que a filosofia para se tornar uma arte de
transfiguração.
Uma falha comum dessas interpretações que simplesmente ver Nietz sche como um
"denier" da verdade é a sua incapacidade de distinguir o seu curso dis prático sobre a verdade
de seu tratamento teórico da verdade. tratamento prático de Nietzsche da verdade pertence ao
gênero de crítica social, ou o que veio a ser chamado de 'teoria crítica' da sociedade. Aqui
"verdade" se refere a um pressuposto básico, normativa de todos os seres sociais que vivem
ao gether e toda ação comunicativa entre os seres humanos. "Verdade" neste sentido prático,
portanto, precisa ser distinguido de ambos meta verdade física e singular. Começando com
uma avaliação da "Sobre Verdade e Mentiras no Sentido Extra-Moral," I demonstrar que
Nietzsche' s cri tique da metafísica é se juntou com o que me refiro ao longo deste livro como
sua crítica da civilização. Através de crítica social, Nietz sche investiga o funcionamento de
uma "vontade de verdade" na constituição da ordem social e poder político. Com este tipo de
discurso sobre a verdade, Nietzsche se assemelha a um Iluminismo ( Aufklarung) pensador,
procurando desmascarar power-formações e construções ideológicas, expondo como a
dominação e exploração da animalidade do ser humano é fundamental para o estabelecimento
de uma "verdade" que pode funcionar como a base da sociedade civil e é entendido como a
maior conquista de abstrata e conceitual pensar. 10

Finalmente, este capítulo tematiza o que me refiro como tratamento cal biopoliti de Nietzsche
da verdade. Este gênero é guiada pela questão do que a verdade valor (em seus vários sentidos)
é válida para a vida. Em outras palavras, o tipo de verdade, se cultivada, conduz a uma forma
ascendente da vida, e que tipo de verdade, se perseguido, traz formas decadentes de vida?
Defendo que o tratamento biopolítico da Nietz sche da verdade tem como objetivo a renovação
de um "drive pura e honesta da verdade" ( TL 1). Nietzsche retorna ao ideal pré-socrático de vida
filosófica como um exemplo de como repensar o papel que a verdade tem na vida da mente que
supera não só a dominação e exploração da animalidade encontrado na base da "verdade" na
civilização, mas também os "erros" inerentes a uma visão de mundo metafísico. Defendo que tal
superação exige um retorno de e para a animalidade do ser humano. Aqui, esquecimento animais
e pensamento pictórico são entendidas não só como fonte de pluralização de formas
inerentemente singulares de vida, mas também como fonte de honestidade ( Redlichkeit) e
veracidade ( Wahrhaf tigkeit). As idéias de honestidade ( Redlichkeit) e veracidade ( Wahrhaftig
keit) estão agora exemplificada pelos embaraços irredutivelmente singulares da vida com o
pensamento que caracterizam uma vida filosófica. Esses conceitos,

Animalidade, Idioma e Verdade • 113


honestidade e veracidade, superar a dominação e exploração da vida animal ocasionado pela
metafísica, epistemológica e requisitos lógicos psico de uma "vontade de verdade" que se
esforça para fornecer unques fundações tionable para a ordem social e poder político. Neste
capítulo, argumentam que a superação da "vontade de verdade" em nome de veracidade
filosófica e honestidade é o que Nietzsche se refere em seu trabalho posterior como "grande
política", uma tarefa que recai sobre o "filósofo do futuro."

O encontro com o silencioso Verdade do animal

Em "Sobre o Uso e Desvantagem de História para a Vida", Nietzsche afirma que os animais vivem na
verdade, porque a sua vida é inerentemente anti-histórica:

Assim, as vidas de animais -historicamente: por isso está contido! g eht aufl
na presente, como um número sem qualquer incómodo [ wunderlicher]
fracção sobra; ele não sabe como dissimular [ verstellen],
ele esconde [ verbirgt] nada e a cada instante aparece [ erscheint]
totalmente como o que é; ele pode, portanto, nunca ser qualquer coisa, mas honesto.

(HL 1)

O unhistoricity da vida animal, como discutido no capítulo anterior, é devido ao seu


esquecimento. Esquecimento atrai o animal para o momento; ele absorve o animal no instante
singular de tempo. Como tal, os animais sempre viver na verdade do momento. A forma como
eles aparecem ( Erscheinen)
sempre reflete verdadeiramente a forma como eles são ( Sein). Como resultado de sua esquecer
plenitude, os animais nunca pode enganar a si mesmos ou aos outros. O oposto é o caso para os seres
humanos. Eles não vivem na verdade, porque a sua vida é inher cantes histórico. Sua existência é um
"imperfeito", "uma ininterrupta tem-se, uma coisa que vive negando, consumindo e contradizendo a si
próprio" ( HL 1). Como tais, os seres humanos não vivem na verdade do momento, mas sempre em sua
falsificação.

Os seres humanos experimentam sua historicidade, sua memória do passado, como um


fardo ( HL 1). Nietzsche observa que, como consequência, os seres humanos gostam de enganar
a si mesmos e os outros com respeito ao seu passado. Eles inveja o animal que não sabe a
"era", a "senha que dá con flict, do sofrimento e da saciedade" ( HL 1). Nietzsche imagina que um
ser humano pode pedir um animal:

"Por que você não me falar de sua felicidade, mas apenas se levantar e olhar para
mim?" O animal gostaria de responder, e dizer: "A razão é que eu sempre esqueço o que
eu ia dizer", mas então ele para tenho essa resposta também, e ficou em silêncio:
perguntando para que o ser humano foi deixado [ verwundert]. (HL 1)

114 • Animalidade, Idioma e Verdade


animais de Nietzsche imaginário apresenta uma fissura, uma ruptura em relação às
principais metafísica tradição ofWestern segundo os quais a capacidade do ser humano
para a verdade é inseparável de sua capacidade para a linguagem. U Verdade, nesta
tradição, é algo que pertence exclusivamente ao ser humano na medida em que os
seres humanos são animais que possuem logotipos. 1 2 Em con traste para os seres
humanos, os animais possuem apenas uma voz (p afiar). Animais fazem sons, mas
porque lhes falta logotipos, estes sons não comunicar nada mais do que sentimentos de
prazer e dor, encerrando o dade possibili de representar a realidade como ela é. 1 3 Em
contraposição ao longa tradição de humanismo na filosofia, Nietzsche separa a verdade
de lan calibre e, alinhando a primeira com o silêncio, associa-o com os animais. Ao
identificar os animais como pensamento, mas os seres silenciosos, Nietzsche não
significa para silenciá-los. 1 4 Em vez disso, o silêncio dos animais significa a
manifestação de uma alteridade que não se expressa em conceitual calibre lan. 1 5 A
presença silenciosa do animal não só oferece, como argumentarei abaixo, outro
paradigma da verdade (conotando a ideia de verdade singular em vez de verdade
metafísica),

No encontro imaginário entre o humano eo animal, o animal não responder ao


questionamento do ser humano com uma resposta com forting. Em vez disso, ele permanece em
silêncio e deixa o ser humano dering ganhou. O silêncio do animal provoca perguntas na mente
do ser humano. Confrontado com olhar silencioso do animal, o ser humano expe riências um
estado de constrangimento ( Verwunderung), que ele não pode expressar plenamente em sua
linguagem. 16 O silêncio do animal implica uma verdade inacessível e inexprimível em linguagem
humana. Comparado a proximidade silenciosa do animal com a verdade, a linguagem humana
agora parece inadequada e falsa, por haps constituído por nada, mas inverdades e mentiras ( TL
1).

Metáforas intuited (A nschauungsmetapher) e Verdades


Singulares

Em "Sobre o Uso e Desvantagem de História para a Vida", verdade, silêncio e esquecimento


animais estão em clara oposição às mentiras, linguagem e memória humana. Esta oposição
compartilha uma forte afinidade com a distinção encontrada em "Sobre Verdade e Mentiras no
Sentido Extra-Moral" entre metáforas intuído ( Anschauungsmetapher) e pensamento pictórico ( Bilderdenke

por um lado, e a linguagem conceitual e pensamento abstrato ( Begri.ffi denken) no outro.


Um estudo da metáfora intuitiva e pensamento pictórico

Animalidade, Idioma e Verdade • 115


é de particular interesse para uma investigação da relação entre mality ani e verdade,
pois fornece insights sobre o que Nietzsche chama da verdade silenciosa do animal em
"Sobre o Uso e desvantagem da história para a vida" ( HL 1).

Eu n "Sobre Verdade e Mentiras no Sentido Extra-Moral", Nietzsche contrastes metáforas


intuído (Anschauungsmetapher), As fotos ( Bilder), e
sonhos ( Traum) com conceitos ( Begrijfe), metáforas ( Metapher), e esquemas ( Esquemas). Enquanto
o primeiro usa o pensamento pictórico ( Bilderde nken) para gerar um mundo das primeiras
impressões ( anschauliche Welt der ers dez Eindriicke), desde que este utilize o pensamento
conceitual ( Begriffi denken) para

criar um mundo abstrato de regulação e leis imperativas (linguísticas)


(TL 1; 2). Neste texto, o pensamento conceitual separa o humano do animal, assim como a
memória estabelece uma distinção entre as formas humanas e animais de vida em "Sobre o Uso
e Desvantagem de história para a vida." O mundo abstrato de regulação e leis imperativas
(linguísticas) constituído por pensamento conceitual é um mundo distintamente humana: "[e] v
erything que distingue [ abhebt] os seres humanos dos animais de pende sobre essa capacidade [ Fiihigkei
para deslocar [ verfliichtigen] metáforas intuitivas [ anschauliche Metapher] em um esquema, em
outras palavras, para dis resolver uma imagem [ Bild] em um conceito [ Begrijf] "(TL 1). Em
contraste, pensando em termos de imagens confirma a continuidade entre a vida humana e
animal bem como o esquecimento confirma a continuidade entre a vida humana e animal. O
mundo intuitivo das primeiras impressões trazido pelo pensamento pictórico é um mundo das
ações humanas em animais com outros animais na medida em que pertence o pensamento
pictóricas, em geral, para os olhos:. "Não existe nenhuma forma na natureza porque não existe
nenhuma interior e exterior Todos arte repousa sobre o espelho dos olhos"( KSA 7: 1 9 [1 44]) _17

Nietzsche considera a unidade primordial ( Fundamentaltrieb) para trazer intuído


metáforas e imagens mais essenciais à vida do que a unidade de deslocar metáforas
intuído em conceitos e esquemas ( TL 2), assim como ele considera o esquecimento do
animal mais essencial do que a memória do ser humano ( HL 1).

pensamento pictórico constitui um "mundo primitivo de metáforas [p Rimi tiva


Metapherwelt] ", que surge a partir do "poder primordial da imaginação humana [ Urvermiigen
menschlicher Phantasie] " e sua "transbordando
[Hervorstriimende] " de uma "massa de imagens [ Bildermassen] "(TL 1). Estes intuído metáforas e
imagens de captura "únicos, totalmente individualizados, experiências primárias [ einmalige, Ganz
und gar individualisierte Urerlebnis] "(TL 1). Através de metáforas intuído seres humanos acesso
"o que é individual
[Individuelle] e real [ Wirkliche] ", para cada metáfora intuído é em si

116 • Animalidade, Idioma e Verdade


"Individual e incomparável [ ohne ihres Gleichen] "(TL 1). aphors conheci intuído não contêm o
conhecimento das "qualidades essenciais [ wesenhaften Qua litiit] ", mas de "numerosos
[individualizado individualisierten] e, portanto, não equivalente [ ungleichen] ações" ( TL 1). Como tal,
intuiu metáforas expressar o que eu chamo de "verdade singular" na medida em que cada aphor
conheceu intuído é singular e única em sentido absoluto, um produto do animal humano é
experiência irredutivelmente singular e visão da forma antiga é por isso que a verdade no singular é
inerentemente plural. O mundo intuído das primeiras impressões não é composta de uma verdade
universal, mas de uma Rality plu infinito de verdades singulares. 1 9

O que distingue metáforas intuído, imagens e sonhos a partir de conceitos,


metáforas e esquemas é o imediatismo com que transpor a singular e distinto, sem,
consequentemente, destruindo-o. Como o esquecimento do animal, intuiu metáforas
desenhar o ser humano para o momento, no instante singular de tempo. Como tal, eles
podem ser entendidas em termos de esquecimento do animal, que, da mesma forma,
chama-los para o momento, no instante singular de tempo. Nas imediações da intuição,
o ser humano recupera a verdade silenciosa do animal.

Em contraste, os conceitos ( Begriffe ), metáforas ( Metapher), e


esquemas ( schemata) não pode ser entendida em termos do animal 's esquecer verdade plenitude ou
silenciosa. Eles não são portadores de verdades singulares, do individual indi
(Individuelle) eo real (Wirkliche), mas são sim
deslocamentos ( Veifluchtigung) de intuído, turas pic incomparavelmente singulares para abstrair
conceitos, universais.
Conceitos ( Begrijfe), metáforas ( Metapher), e esquemas ( schemata) em homenagem um
generalidade enganando ( Allgemeine) e igualdade ( gleiche) para aquilo que é inerentemente
desigual ( ungleich). Assim, enquanto no mundo intuído das primeiras impressões se encontra a
verdade silenciosa do animal, no mundo abstrato de leis imperativas (linguísticas) que regulamenta e
um ters encoun apenas erros e mentiras:

Vamos considerar, em particular, como os conceitos são formados; cada palavra torna-se
imediatamente um conceito, não em virtude do fato de que ele se destina a servir a memória
da experiência única, totalmente individualizada, principal a que deve sua existência [ Entstehen],
mas porque, ao mesmo tempo que deve caber inúmeros outros casos, mais ou menos
semelhantes, i .e. , Casos que estritamente falando, não são equivalentes

[Gleiche], e, portanto, nada mais do que as não-equivalentes [ ungleiche]


casos. Todo conceito nasce, fazendo equivalente aquilo que é não equivalente [ Gleichsetzten
des Nicht-Gleichen]. (TL 1) 20

No processo de formação de conceitos, a igualdade ( Gleichheit) é atribuído ao que é


meramente similares ( das Ahnliche) e, a rigor, nonequal

Animalidade, Idioma e Verdade • 117


(Nicht Gleich). 2 1 Considerando metáforas intuído expressar, como o ness esquecido do
animal, uma experiência e visão do singular e do real, conceitos estabelecer uma igualdade
infiel e generalidade, com base em esquecer o singular e real. Enquanto cada conceito
significa a perda e esquecimento das experiências irredutivelmente singulares e únicos que
un derlie sua formação, toda metáfora intuído serve como uma "memória da experiência
única, totalmente individualizada, primário" ( TL 1). Em outras palavras, enquanto a formação
de conceitos exemplifica civilizacional esquecer plenitude, a formação de metáforas intuído
constitui uma memory.22 cultural

Na medida em que as metáforas intuído traçar a experiência do singular eo real, eles


próprios são inerentemente "individual e incomparável
[Ohne ihres Gleichen] "(TL 1). É por isso que as metáforas e imagens intuído não
compõem uma linguagem (conceitual). O que distingue a linguagem é, precisamente, o
deslocamento ( Verjluchtigung) de intuições e imagens do singular e que o real gerais,
comuns, e transmissíveis con ceitos: "uma transposição metafórica para uma língua
diferente e esfera que é infiel por completo" ( PTA 3). Isso calibre lan conceitual é
estruturado por significando ou deslocamentos de produção de sentido altas luzes do fato
de que seus símbolos têm sempre já perdeu o singular eo real. 23 Em contraposição à
linguagem e fala, privilégios Nietzsche as formas nobres de silêncio para preservar a
singularidade irredutível de cada experiência. Em comparação com linguagem conceitual,
metáforas intuído são nobres e refinadas. Eles distinguem o silêncio único, excepcional, e
distinta mas sempre à distância e em. 24

metáforas intuído oferecer imagens que expressam o singular eo real, de tal forma que
seus restos secretos protegida à distância:

No modo regular leva a partir dessas intuições [ Intuitionen] para a terra dos esquemas
fantasmagórica e abstrações; palavras não são feitas a partir deles; o ser humano fica
mudo quando ele vê-los, ou ele vai falar somente em metáforas proibido e inédito de
Combina ções de conceitos de modo a que, pelo menos, demolição e ridicularizando as
velhas barreiras conceituais que ele pode fazer justiça criativa para a impressão

[Eindruck] fez com ele pelo poderoso [ miichtigen], presente [g por exemplo enwiirtigen] intuição
[ Intuição]. (TL 2)

Quando o pensamento pictórico se parte em expressão linguística, ela produz um


counterlanguage que as perguntas e, finalmente, destrói a ordem reguladora e imperativo
estabelecido pelo pensamento abstrato. Neste sentido, picto pensamento rial é honesto como o
animal: Ele não pode deixar de ser fiel à sua

118 • Animalidade, Idioma e Verdade


visão e experiência do singular e do real. Por isso, não podemos deixar de desfazer e dissolver
as construções de pensamento abstrato:

Ela [a unidade para formar metáforas intuído] constantemente confunde as células e


as classificações de conceitos através da criação de novas ções translação, metáforas,
metonímias; -lo constantemente manifesta o desejo de moldar o mundo dado do ser
humano acordar de maneiras que são tão multiforme, irregular, inconseqüente,
incoerente, ing encanto, e sempre nova, como as coisas estão no mundo de sonho. Na
verdade o ser humano acordar só é clara sobre o fato de que ele está acordado, graças à
web rígida e regular de conceitos, e por isso às vezes ele passa a acreditar que ele está
sonhando se uma vez que a teia de conceitos é dilacerado pelo art. ( TL 2)

A diferença entre o mundo intuído das primeiras impressões trazido pelo pensamento
pictórico eo mundo abstrato de regulação e ative imper (linguísticas) leis reflete a distinção
entre sonhar e WAK ing vida apresentado no Capítulo 1. privilégios Nietzsche pensamento
pictórico sobre o pensamento abstrato porque afirma a continuidade do ser humano com a
totalidade da vida. Ele reconecta estar com unidade mentais funda de vida para trazer
imagens oníricas e ilusões do humano. pensamento pictórico não só mostra que a vida
humana está profundamente envolvido e dissolvido em sonhos e ilusões, mas também que
os sonhos e ilusões são a única condição sob a qual a vida pode se esforçar e prosperar.

Em Nietzsche, a capacidade de sonho se manifesta na capacidade de cre comeu. A vida é


um sonho que vive imaginando e reimaginar, criando e recriando em si. Como tal, a criação de
metáforas intuído, imagens oníricas e ilusões é inerentemente ligada à possibilidade de vida
futura. Em contraste com conceitos, metáforas e esquemas, que são sempre já "velho" ( TL 2), metáfora
intuído, imagens e sonhos são rejuvenescimento e "sempre nova" ( TL 2). Quando a vida é
entendida como um processo artístico inerentemente, intuiu metáforas e pensamento pictórico
são de maior valor do que conceitos universais e pensamento abstrato. Considerando que o
ex-são, como o esquecimento do animal, portadores da pluralização e singu larization de vida,
os últimos são, como a memória do ser humano, portadores de sua equalização e
uniformização. metáforas intuído e estouro de pensamento pictórico com vida, enquanto
conceitos universais e pensamento abstrato exercício de restrição e controle sobre a
expressão artística da vida animal.

A questão da verdade metafísica

Apesar das diferenças entre o mundo intuído das primeiras impressões eo mundo
abstrato de regulação e leis imperativas (linguísticas), é

Animalidade, Idioma e Verdade • 119


importante ressaltar que esses mundos não são inteiramente desconectada porque ambos
resultado da movimentação artística do animal humano para formar metáforas. Enquanto o
primeiro é constituído pela transposição ( Uber tragung) de estímulos nervosos em imagens,
que Nietzsche também se refere como "primeiro metáfora" ( TL 1), este último é gerado
quando sons e palavras imitar imagens, que Nietzsche também se refere como "segunda
metáfora": "A estimulação de um nervo é primeiro traduzido [ ubertragen] em uma imagem:
primeira metáfora! A imagem é então imitado [ nachgeformt] por um som: seg ond metáfora "(! TL
1). No entanto, o que distingue a transposição de estímulos nervosos em imagens de imitação
do som de fotos é que, enquanto o último é inerentemente antropocêntrica e antropomórfico,
pois reflete uma projeção do humano para o mundo, a primeira é livre de tal antropocentrismo
e antropomorfismo. O mundo intuited das primeiras impressões é, neste sentido, um mundo
que vem para o ser humano em vez de um que é projectada pelo humano ou concebida de
acordo com a medida humano.

Uma vez que, para Nietzsche, linguagem conceitual é humano, subjetiva, em vez de objetivo,
ele afirma que ele pode nos ensinar nada sobre o mundo como ele é "em si": "As palavras são
apenas símbolos para a relação das coisas entre si e das coisas a nós e toque em nenhuma parte
uma verdade absoluta"( PTA 1 1). linguagem conceitual constitui um todo auto-referencial, um
sistema simbólico fechado em si mesmo, deixando de levar para um mundo sob manteve-se como
a "coisa em si", "pura verdade", "verdade sem consequências", a "essência da coisas ", uma qualitas
occulta ( propriedade oculta), o "misterioso X da coisa-em-si ", e assim por diante ( TL 1). Nietzsche
repetição insiste endentemente que:

Através de palavras e conceitos que nunca vai chegar por trás da parede das relações
algum tipo de origem mítica primordial das coisas [fa bel Haften Urgrund der Dinge], e até
mesmo através das formas puras de sen sibilidade e compreensão, através do espaço,
tempo e causalidade, não ganhamos nada que se assemelham a um aeterna veritas. (PTA 1
1)

A crítica de Nietzsche da verdade ( "verdade absoluta" metafísica ou Veritas ae terna) não se


destina apenas a negar que a linguagem conceitual pode "ponde corre" para o mundo entendido
como "coisa em si", "pura verdade", a "essência das coisas", o "misterioso X da coisa-em-si ",
mas também nega que existam tais entidades, em primeiro lugar. chamada negação de
Nietzsche (metafísica) verdade, então, de modo algum, pressupõe sua crença na meta realismo
físico. 25

120 • Animalidade, Idioma e Verdade


Que o mundo abstrato de regulação e leis imperativas (linguísticas) é um mundo constituído por
projeções antropomórficas é melhor ilustrado por uma análise da formação da linguagem humana ( Sprachbild
Por exemplo, o conceito de "ser" ( sein) pode ser etimologicamente rastreada até a respiração
humana, que os seres humanos, em seguida, transferir metaforicamente para todas as outras
coisas:

O conceito de ser! Como se a origem meramente empírica deste conceito não seriam
já revelado por sua etimologia! Para Esse es sentially significa "respirar": se os humanos se
aplicam esta palavra para outras coisas, então tudo que eles fazem é a transferência por
meio de metáfora, que é por meio de algo ilógico, o fato de que eles estão respirando e
vivo, para outras coisas e compreender a sua existência como uma respiração análogo ao
deles. ( ll PTA)

Desde todo o conhecimento objetiva ou científica do mundo depende de concep linguagem tual e
é, portanto, com base em projeções antropomórficas, Nietzsche nega que o conhecimento
científico os seres humanos possuem é " 'verdadeiro em si' e independente da humanidade" ( TL
1).

Qualquer um [ Forscher] que procura por verdades desse tipo é, basicamente, buscando
apenas a metamorfose do mundo em seres humanos; ele se esforça para a compreensão do
mundo como algo que é sim Ilar em espécie para a humanidade [ als der Welt eines
menschenartigen Dinges]. . . .
Seu procedimento é medir todas as coisas contra o ser humano, e ao fazer isso ele
toma como ponto de partida a crença errônea de que ele tem essas coisas diretamente
diante dele, como objetos puros. Assim, esquecendo que o original intuited metáforas [ Anschauung
apher] eram de fato metáforas, ele leva-los para as coisas neles mesmos. ( TL 1)

O antropomorfismo da linguagem conceitual humana depende de mis tomando as metáforas


intuído por representações de "coisas neles mesmos." A ideia de que um mundo objetivo
existe para além do pensamento humano e pode ser representado através de conceitos só
se torna possível por esquecer rígido do animal humano para a criação de metáfora. 26

Para Nietzsche, a possibilidade de uma "unidade pura e honesta da verdade" deve


começar com uma negação da verdade metafísica ou, em outras palavras, com o
reconhecimento de que a linguagem conceitual é inerentemente metafórico e criado e,
portanto, não corresponde às coisas e deles selves.27 Considerando verdade metafísica
exemplifica o esquecimento do

Animalidade, Idioma e Verdade • 121


metáforas intuído originais, uma "unidade pura e honesta para verdade" exemplifica fies a
memória de metáforas intuído. Ele afirma que conceitual calibre lan é metafórico e, portanto, o
próprio conceito de verdade é nada mais que uma metáfora:

O que então é a verdade? Um exército móvel de metáforas, metonímias,


antropomorfismos, enfim uma soma de relações humanas que foram submetidos a
intensificação poética e retórica, tradução e decoração, e que, depois de terem sido usado
por um longo tempo, atingir pessoas tão firmemente estabelecido, canónica, e de ligação;
as verdades são ilusões de que nos esquecemos que eles são sões Illu, metáforas que se
tornaram desgastadas pelo uso freqüente e perderam todo o vigor sensual, moedas, que,
depois de ter perdido o seu selo, são agora considerados como metal e não mais como
moedas. ( TL 1)

Nietzsche concebe a linguagem conceitual como um reino de ção metáfora forma onde as
palavras e seus significados refletir transposições metafóricas, primeiro e segundo
metáforas em vez de representações verdadeiras do mundo como ele é "em si mesmo."
Linguagem conceptual é constituído por um jogo infinito de interpretações, em que os
significados de palavras nunca são absolutas ou fixo, mas sempre provisória e aberto a
novas posições trans metafóricas. 28 Em vez de tentar estabilizar linguagem conceptual em
significados fixos e absolutos, defensores Nietzsche quebrando língua concep tual aberto e
libertando os seus "fixas" e significados "absolutos" para o fluxo da formação e
transformação de metáforas intuídas contínua.

Isso não quer dizer que Nietzsche dá-se na ciência ou na busca tific scien do
conhecimento. Ao contrário, ele afirma que, se a busca da borda Knowl é ser científica, então
deve começar por desistir da ideia de verdade metafísica e reconhecer que suas ferramentas
conceituais são compostas de "metáforas que se tornaram desgastadas pelo uso freqüente e
perderam tudo vigor sensual, moedas, que, depois de ter perdido o seu selo, são agora
considerados como metal e não mais como moedas"( TL 1). A ciência deve abandonar a noção
de representar o mundo "como é em si mesmo" e, em vez perseguir experimentais, tentativas
experimentais ( Versuch) a transpor as "moedas" de meta phors e imagens intuído que foram
"carimbadas" nas visões e ências experi do singular e do real. A partir desta perspectiva, a
função da ciência é primariamente uma crítica. Ao invés de ser investido no dis busca honesta
da verdade metafísica, a ciência precisa investir em si na busca "pura e honesta" de
"inverdade" [ Falschheit]. Ciência, seja filosófica ou natural, tem seus melhores momentos
quando ques criticamente cionamento a busca da verdade metafísica.

122 • Animalidade, Idioma e Verdade


A idéia da busca da verdade como um hesitante, indeterminado, e em tradução
completa de metáforas intuído em linguagem conceitual nates reso com visão posterior de
Nietzsche dos "filósofos do futuro", como attempters:

Uma nova espécie [ Gattung] de filósofos está chegando: Atrevo-me a batizá-los com
um nome que não está livre de perigo. Como eu decifrar-los, na medida Como eles se
permitem ser decifrado-para ele ser anseia por sua natureza quer permanecer enigmas
em algum ponto-esses filósofos do futuro pode ter o direito [ Recht], ele também pode ser
um [errado Unrecht], a ser chamado attempters [ Versucher]. Este nome é em si mesmo,
no final de uma mera tentativa e, se quiserem, uma tentação

[Versuchung]. (BGE 42)

O duplo sentido da tentativa ( Versuch) -como experiência e ção como SEDUC / tentação ( Versuchung)
-Indica que a filosofia como Nietzsche en Visages-lo no futuro é uma tentativa experimental de
abordar a verdade com a consciência de que nunca irá compreender completamente ou possuí-la:
"A novidade dos nossos pontos de vista atuais sobre filosofia é a convicção de que nenhuma outra
idade tinha diante de nós: que não possuem a verdade"(KSA 12: 9 [9 1]). A busca da verdade
como um jogo experimental de sedução e tentação requer o filósofo para se tornar um sedutor ( Versucher)
e experimentador; alguém que não revelar a verdade, mas esconde isso.

A questão da percepção sensorial correta

Embora metáforas intuído, ao contrário de linguagem conceitual, proporcionar o acesso ao


singular eo real, o singular eo real como eles são metáfora camente transposta no pensamento
pictórico não correspondem a uma "origem mítica primordial das coisas rJabelhafter Urgrund
der Dinge]"(PTA 1 1).
Quando Nietzsche insiste que a natureza é inacessível e indefinível ( TL 1)
ele não sugere que Kant estava certo ao pressupor a existência de uma "misteriosa X da
coisa-em-si" por trás do mundo da 'aparência'
(TL 1). Desde o início, Nietzsche rejeita tanto a noção de "misterioso X da coisa-em-si"
e que de 'aparência':

A palavra aparência [ Erscheinung] contém muitas seduções, e por esta razão Eu evite
usá-lo na medida do possível; pois não é verdade que a essência das coisas aparece
no mundo empírico. ( TL 1)

Assim, a crítica de Nietzsche da verdade metafísica em "Sobre Verdade e Mentiras no


Sentido Extra-Moral" não deve ser confundido com um Schopen radicalização
influenciado-hauer de uma crítica kantiana da metafísica.

Animalidade, Idioma e Verdade • 123


Em vez disso, as quebras de crítica de Nietzsche com os pressupostos fundamentais da crítica
kantiana porque rejeita não apenas a noção da "coisa em si", mas também um "mundo da
aparência [ Fenômenos]. "29 Nietzsche re lugares este par de conceitos, e o dualismo de
mundos que eles evocam, com a noção de metáfora intuído. A prioridade de metáfora significa
que não pode haver nenhuma representação verdadeira ( Vorstellung) do mundo mas sempre
uma dissimulação ilusória ( Verstellung). A noção de meta dissimulação Phoric ( Verstellung) priva
a idéia de representação ( Vor Stellung) de qualquer "realidade" [ Gegenstände], se este último
ser entendida como numênico ou fenomenal. 30 Como consequência do shi & de Vorstel
pulmão para Verstellung, a questão de saber se poderia haver correta ou OB sentido subjetivo
percepção-se nossas percepções podem ser arregimentada (a priori ou a posteriori) de modo
a proporcionar uma representação da "mente objetos dente indepen" (de um "mundo objetivo")
- torna-se sem significado . Em outras palavras, a ideia de metáfora intuído, da transposição
do singular e do real em imagens, põe em causa a própria idéia de "correta percepção" ( TL 1).

Mais uma vez, Nietzsche usa as perspectivas de outros animais como pontos de vantagem a partir do
qual a existência de critérios para a correta percepção se tornam questionável:

Ele [o ser humano] ainda tem que fazer um esforço para admitir para si mesmo que
os insetos ou pássaros perceber um mundo completamente diferente daquela dos seres
humanos, e que a questão de saber qual destas duas percepções do mundo é o mais
correto é bastante o que significa menos, pois isso obrigá-los a ser medido pelo critério
da percepção correta, Eu . e. , Por um inexistente critério. ( TL 1)

Eu t não faz sentido falar de percepção do ser humano do mundo como a maneira correta ou
objetivo de perceber o mundo por causa de sua relação com o mundo não é fundamentalmente
representationalY
Nietzsche aqui faz mais uma quebra da tradição principal ofWest metafísica ERN.
Enquanto isso a tradição diz que a percepção correta pro vides uma base sólida para uma
epistemológico, relação cognitiva com o mundo, Nietzsche afirma relação do animal humano
para o mundo não é primariamente epistemológica, mas estético:

Mas, geralmente, parece-me que a percepção correta [ Percepção richtige]


-que significaria a expressão completo e adequado
[Adaquate Ausdruck] de um objeto no assunto-é algo con contraditória e impossível [ ein
widerspruchsvolles INANCIAMENTO]; para ser tween duas esferas absolutamente
diferentes, tais como o sujeito e o objeto

124 • Animalidade, Idioma e Verdade


são, não há causalidade, sem correcção, sem expressão, mas, no máximo, uma estético maneira
de se relacionar [ ein iisthetisches Verhalten], pelo que I significa uma transferência alusivas
[ andeutende Uebertragung], um stam mering tradução [ eine nachstammelnde
Uebersetzung] em uma linguagem bem diferente (fr Emde Sprache]. Para o que uma esfera
média e força mediadora é certamente necessário que podem livremente inventar e criar
livremente poesia. ( TL 1) 32

A partir desta perspectiva, percepção pertence a uma "meia esfera," a "força ating medi" que "inventa
livremente e cria livremente poesia", assim, exclui ing a possibilidade de representação correcta
entendida como "a expressão completo e adequado de um obj ect em o assunto"(ibid.). Os seres
humanos são "profundamente imersos em ilusões e as imagens oníricas, seus olhos simplesmente
deslizar sobre a superfície das coisas e ver 'formas'; em nenhum lugar a sua percepção

[Empfindungen] levar a verdade; em vez disso, é o conteúdo de receber estímulos e, por assim dizer, para
brincar com seus dedos na parte de trás das coisas"(ibid.).
De um modo geral, a transposição de estímulos nervosos em imagens (em metáforas
tuited) e a imitação de fotos por sons (conceitos) refletem uma relação estética ", uma
transferência alusiva [ andeutende Ub ertragung], tradução stammering [ eine
nachstammelnde übersetzung]
em uma linguagem bem diferente ( fremde Sprache] "( ibid. ). Ainda assim, é tant impor notar que,
enquanto as transposições reflete em metáforas intuído são caracterizados pelo esquecimento
do animal, as transposições está flected em conceitos são caracterizadas por aquilo que se
referem ao esquecimento como civilizacional. Por conseguinte, embora as imitações refletida nos
conceitos são constituídos por generalizações enganadores, as traduções refletida na INTU ited
metáforas são irredutivelmente expressões singulares do singular e do real. Eles revelam a
verdade singular de uma visão ou experiência do mundo em uma imagem sem dissolver, perder,
e, finalmente, destruir sua singularity.33

No final, no entanto, as traduções reflectida em metáforas intuídas são sempre apenas


tentativas experimentais ( Versuche). Eles são, por definição, inde terminar e incompleta, pois
em cada experiência (do mundo exterior) algo retira-se da fase de transposição e traduzido
para uma outra esfera, seja de quadros ou de conceitos. Ele resiste a ser capturado em uma
imagem ou imitado por um conceito, e, portanto, sempre permanece secreta e silenciosa,
certamente retirado do conceito, mas talvez também escondido em algum lugar na imagem.

Filosofia e tragédia

As noções de metáfora intuído e pensamento pictórico não só permitem que Nietzsche


para redetermine o status da filosofia em relação à arte e

Animalidade, Idioma e Verdade • 125


ciência, mas também oferecer-lhe uma nova base para questionar lação rela filosofia' s para o
'drive honesto e pura da verdade'(ibid.). Nietzsche afirma que quando intuições filosóficas são
traduzidas em reflexões abstratas, sua visão de verdades singulares está perdido. Uma
passagem Filosofia na Idade Trágica dos Gregos ilustra esta ideia:

E como para o dramaturgo palavras e versos são apenas gaguejando em uma


língua estranha que ele emprega para dizer o que ele viveu e viu, de modo a
expressão de cada intuição filosófica profunda em tiques dialec e reflexão científica
são, por um lado, o único meio para se comunicar o que é visto, mas um meio
pobre, no fundo, uma transposição phorical meta em um idioma diferente e esfera
que é un fiel por completo. ( PTA 3)

Nietzsche entende intuição filosófica como um "ing aperto raio-like e iluminando de


semelhanças [ Ahnlichkeiten] "( ibid. ). intuições filosóficas compartilhar esses recursos com
metáforas intuído e a verdade silêncio do esquecimento do animal: eles compreender e
iluminar as verdades singulares sem reduzi-los a mesmice e igualdade. Em contraste, flexão
abstrato re substitui a posteriori por meio da linguagem conceitual "dade semelhante [ Ahnlichkeiten]
" por "mesmice [ Gleichheiten] ", uma "visão de um lado-a cada-outro [ Nebeneinander-Geschaute]
" por causalidade (ibid.).

intuições filosóficas, como metáforas intuído, são caracterizados pela sua sensibilidade para
o singular eo real. Deste ponto de vista, philos ophy não está preocupado com o conhecimento
objetivo ou verdade metafísica, mas com sabedoria e bom gosto:

A palavra grega que designa o "sábio" pertence etymologi camente para Sapio ( Eu
provo) , sapiens ( aquele que tem um gosto), Sisyphos ( o ser humano com o sabor
mais acentuado); um discriminatória gosto e ca pacidade para distinções significativas
caracteriza, de acordo com o senso comum das pessoas, a arte rara do filósofo.
. . .

É uma seleção e distinção do incomum, surpreendente, difícil, divina, que separa


a filosofia da ciência, assim como a ênfase do inútil separa de inteligência [ Klugheit].
( ibid. )

Em seus primeiros escritos, Nietzsche contrasta think pictórica do filósofo ing com o pensamento
conceitual do cientista. Considerando que os cientistas, devido à sua falta de gosto e senso de
distinção, chega-se apenas com ções abstrac gerais, os filósofos intuitivos distinguir uma
pluralidade infinita de IRRE verdades ducibly singulares. Sua sensibilidade para verdades
singulares é reveladora de sua nobreza e pathos da distância. Eles não querem compartilhar sua

126 • Animalidade, Idioma e Verdade


experiência e visão da verdade porque isso iria prejudicar a sua gularidade pecado. É por isso
que eles não são dogmáticos que procuram impor a sua verdade sobre os outros. A citação
de Além do bem e do mal mostra que a figura do filósofo intuitivo no início de escrita de
Nietzsche está em continuidade com a sua concepção depois do filósofo do futuro:

Que é bastante provável, para todos os filósofos até agora vos amei suas
verdades. Mas eles certamente não vai ser dogmáticos. Deve de defender o seu
orgulho, também seu gosto, se a sua verdade é suposto ser uma verdade para todos,
que tem sido até agora o desejo secreto e escondeu den significado de toda
aspiração dogmática. "Meu julgamento é minha Jz ment": ninguém é facilmente direito
a ele, isto é o que tal filósofo do futuro pode talvez dizer para si mesmo É preciso
lançar o mau gosto de querer concordar com muitos.. 'Good' já não é bom quando um
de vizinho bocas-lo e como deve haver um "bem comum" o termo se contradiz:.! o
que quer que pode ser comum sempre tem pouco valor no final, deve ser como é e
sempre foi:. grandes coisas permanecem para a grande, abismos para os profundos,
nuances e tremores para o refinado, e, em breve, tudo o que é raro para os raros. ( BGE
43)

filósofos intuitivos, como Nietzsche imagina-los, não vejo metaphysi cal verdade como o objeto
final (incluído) da filosofia. Em vez disso eles entendem a filosofia como uma arte, uma
continuação da unidade mítica:

Grande dilema: é a filosofia de uma arte ou uma ciência? Tanto em suas poses pur e
seus resultados é uma arte. Mas ele usa os mesmos meios que sci representação
ence-conceitual. A filosofia é uma forma de invenção artística [ Dichtkunst].
. . . Ele sabe em que ele inventa, e ele
inventa em que ele conhece [ er erkennt in dem er dichtet dichtet und er in dem er
erkennt]. A filosofia é invenção para além dos limites da ex periência; é a continuação
da unidade mítica. Assim, é essen cialmente pictórica [ em Bildern, Bilderdenken]. expressão
matemática não é uma parte da essência da filosofia. A superação do conhecimento
por meio dos poderes que mito da moda. ( P 53)

Respondendo ao dilema de se filosofia é a arte ou ciência, Nietzsche afirma que a filosofia é uma
arte na medida em que dá-se em uma idéia física meta da realidade e da verdade, reconhecendo a
prioridade de dissimulação em relação a uma linguagem conceitual que sempre diz " representar"
dade real 'como é em si mesmo.' na sequência da sua 'unidade pura e honesta da verdade,' a
filosofia deve não só afirmar a 'realidade' como uma ilusão (um mundo intuído das primeiras
impressões trazido pelo pensamento pictórico), mas também vai isto

Animalidade, Idioma e Verdade • 127


ilusão, criando e continuar a criar novas ilusões (intuído meta phors). A vontade de ilusão
define a dimensão trágica da visão de Nietzsche da filosofia como uma arte, para o querer
honestidade e veracidade agora significa o querer ilusão e deception.34

Para Nietzsche, é essencial que a filosofia operar um retorno à INTU metáforas ITED, "a
superação do conhecimento", ou a idéia de um "cional Representa" o acesso ao mundo "por meio
dos poderes que o mito da moda", isto é, recuperando o contato duração com o mundo dado throu gh
Intu metáforas ITED e thinking.35 pictórica Na verdade, o futuro da filosofia depende da sua
capacidade de demitir-se como uma ciência em busca de metaphysi cal verdade e, em vez disso,
a abraçar-se como um "drive pura e honesta" para verdades singulares. Assim como a história
tem de superar-se como uma ciência e ser vir uma arte de interpretação, de modo a filosofia deve
tornar-se uma arte da figuração trans no serviço da vida.

Em termos mais gerais, Nietzsche 'distinção s entre a filosofia tão intuitiva, pensamento
pictórica e filosofia como abstrato, ing think conceitual reflete a distinção entre a filosofia' papel
s na época trágica da cultura grega e seu papel na cultura científica pós-socrático em O
nascimento da tragédia. Considerando que a cultura grega na época trágica entende phy
philoso como uma arte guiados por intuições e uma sensibilidade refinada pela verdade
singular, Sócrates é acusado de introduzir uma idéia científica de cultura que prevê a filosofia
como uma ciência guiada por abstrações e uma busca da verdade metafísica. De acordo com
a análise de Nietzsche, sob o domínio da cultura científica, filosofia assume formas que são
nitidamente hostil à vida. Para superar essas forças-negação da vida, Nietzsche defende um
retorno a uma concepção trágica da cultura e filosofia ( EH " Livros" BT:

4).

O filósofo do conhecimento trágico. Ele domina a unidade conhecimento


descontrolada [ entfesselten Wissenstrieb], embora não por meio de uma nova metafísica.
Ele estabelece nenhuma nova fé. Ele considera
trágico que o terreno da metafísica tenha sido retirado, e ele nunca irá permitir-se
satisfeito com o jogo girando heterogéneo das ciências. Ele cultiva um novo lifo; ele
retorna arte para os seus direitos.
. . . Quando levada aos seus limites a unidade conhecimento se volta contra
si mesma, a fim de proceder à crítica de saber. borda Knowl no serviço da melhor vida.
É preciso ainda vontade ilusão, que
é o que é trágico. ( P 3 7)

O filósofo trágico não oferece nova metafísica: ela persegue verdade fol lowing ela Wissenstrieb,
sua "unidade pura e honesta da verdade", mas é

128 • Animalidade, Idioma e Verdade


ciente de que tal busca é "trágico", porque não há mais qualquer meta física "realidade"
que poderia dar sentido a verdade metafísica. Em outras palavras, não há mais um
terreno para a metafísica: sua terra foi retirada pela idéia de metáfora intuído como a
principal maneira de estar em contato com o mundo. Da mesma forma, a ciência é
nenhum conforto para o filósofo trágico. Porque não há em si, também não existe a
aparência que pode ser arregimentada em conhecimento objetivo. 36 filósofos Tragic
afirmar o caráter metafórico da verdade: Sua unidade da verdade é uma unidade para
sion.37 illu Como tal, o filósofo trágico supera a distância entre a verdade silenciosa do
animal e as mentiras inerentes à bitola lan conceitual humano. Quando a filosofia
recupera a verdade silenciosa do animal,

A relação íntima entre o "drive para formar [intuído] conheceu aphors" ea "unidade
honesto e pura da verdade" revela que "na verdade e Mentiras no Sentido Extra-Moral"
não é simplesmente preocupado com uma crítica da verdade metafísica, mas com a forma
de dar significado novo e positivo para o "drive honesto e pura da verdade." Aqui, a
questão norteadora não é "o que é a verdade?", mas "Quais são os usos e tages disadvan
da verdade em relação à vida?" Em outras palavras, a questão não é se metáforas,
imagens oníricas intuído e ilusões são mais verdadeiras do que metáforas, conceitos e
esquemas, ou se eles refletem uma percepção mais correta da palavra, mas se eles estão
aumentando mais a vida ou a vida diminuindo. 38

Dada a importância desta questão, não é de surpreender que Nietzsche não apenas
distingue entre imagens oníricas, intuiu conheceu aphors e ilusões e conceitos,
metáforas e esquemas, mas entre duas formas correspondentes de vida (e cultura), a
saber, o da ser intuitiva humano (cultura trágica ou dionisíaco) e que do ser humano
abstrato (cultura científica ou socrático):

Há épocas em que o ser humano racional e em tuitive lado estar estande


humana a lado, o medo da intuição, o outro cheio de desprezo por abstração, este
último como razoável como o primeiro é unartistic. Ambos desejam [ begehren] governar
[ schen herr] Sobre a vida; esse por seu conhecimento de como lidar com as
principais calamidades da vida, fornecendo para o futuro, pela prudência e
regularidade, o outro por ser um "exuberante herói [ ubnfroher HeldJ "

que não vê essas calamidades e que reconhece a vida como real quando se está
disfarçado como beleza e aparência. Onde o ser humano intuitivo, como já foi o caso
na Grécia antiga, empunha suas armas mais poderosamente e vitoriosamente que o
seu contrário, uma cultura

Animalidade, Idioma e Verdade • 129


pode tomar forma, dadas as condições favoráveis, e do Estado [ Herrschaft]
da arte sobre a vida pode se tornar estabelecido; todas as expressões de uma vida vivida
são acompanhados por fingimento, pela negação de carência, pelo brilho de intuição
metafórica [ metaphorischen Anschauung],
e de fato geralmente pelo imediatismo de engano. . . . Enquanto que

o ser humano que é guiada por conceitos e abstrações só consegue, assim, para
afastar o infortúnio, é incapaz de obrigar as abstrações-se a render-lhe felicidade,
e se esforça apenas para ser tão livre quanto possível da dor, o ser humano
intuitiva, stand ING no meio de uma cultura, colhe diretamente de suas intuições
não apenas proteção contra danos, mas também um fluxo constante de brilho, um
alívio do espírito, redenção e libertação. ( TL 2)

Considerando que o ser humano abstrato reflete uma forma de vida que precisa de acreditar
na ilusão do conhecimento científico e verdade metafísica que é, de fato, a única ilusão de
verdade com que se pode lidar ( GS
1 2 1) -a ser humano intuitiva reflete uma forma de vida que persegue o aumento pluralizar
de vida através da busca de verdades singulares. Nietzsche reconhece as conquistas da
ciência e da civilização inso longe Como eles resolvem o problema da necessidade do animal
'humano s para a segurança e estabilidade. Ainda assim, ele considera uma cultura
exclusivamente com base em ciência e racionalidade a ser perigoso, porque prejudica o
singular em nome do universal, o animal em nome da (muito) humana, e o esquecimento
da cultura em nome da memória da civilização.

A fim de abordar adequadamente a questão de saber se meta phors intuído, imagens


oníricas e ilusões são mais vida reforço do que meta phors, conceitos e esquemas, é
necessário distinguir um terceiro sentido, biopolítica em tratamentos de verdade de
Nietzsche. No centro deste terceiro gênero é a representação da vida do filósofo e pensado
como um exemplo da verdade singular: "O desafio é trazer à luz o que devemos sempre amor
e admirar e que nenhum conhecimento posterior pode roubar de nós, ou seja, o grande ser
humano"( PTA " Prefácio"). Mas, antes de passar para uma discussão do discurso biopolítico
de Nietzsche sobre a verdade, é necessário aprofundar nossa compreensão de como a
mudança de Vorstellung

para Verstellung afeta concepção do intelecto de Nietzsche. Ao invés de ver o intelecto como
um instrumento de conhecimento a serviço da "verdade vai para", Nietzsche vê o intelecto como
um instrumento de dissimula ção ( Verstellung) a serviço da vida. Mas se o intelecto age a
serviço da vida, então ela deve também ser investigada a partir da perspectiva de vida. crítica
da metafísica 's Nietz sche, portanto, deve ser considerado dentro do seu maior concepção da
vida. Uma das grandes novidades do "Sobre Verdade e Mentiras

130 • Animalidade, Idioma e Verdade


no Sentido Extra-Moral" é que ele investiga o intelecto humano como uma força artística e
criativa, que é então analisado como uma força de vida. O que está em jogo na 'Sobre Verdade e
Mentiras no Sentido Extra-Moral' é um ção investiga de conhecimento (ciência) a partir da
perspectiva da arte e da arte a partir da perspectiva de vida. Em "Uma Tentativa de autocrítica,"
Nietzsche afirma ter permanecido fiel a essa tarefa ao longo de sua carreira de escritor ( "Uma
tentativa de auto -Crítica" 2).

As dissimulações do intelecto

"Sobre Verdade e Mentiras no Sentido Extra-Moral" começa com a afirmação provocadora de que,
quando considerado do ponto de vista da totalidade da vida, o intelecto é um "lamentável [ klaglich]
"," insubstancial [ schattenhaft] "" transitório
(Fliichtig] "" sem propósito," e 'entidade arbitrária' ( TL 1). 39 Nietzsche ferro camente contrasta essa
perspectiva com a visão tradicional do intelecto como um emblema de distinção do ser humano a
partir de e superioridade para outras formas de vida por causa de sua capacidade suposta
representar a realidade cor rectamente. Nietzsche lança dúvidas sobre estas alegações, adotando a
perspectiva de outros animais, se perguntando se o orgulho sentimental do ser humano em suas
capacidades intelectuais pode ser comparado ao de um mosquito:

Se pudéssemos comunicar com um midge ouviríamos que também flutua


através do ar com o mesmo pathos, sentindo que também contém em si o centro
voando deste mundo. ( TL 1)

Ele desenha uma caricatura cruel dos seres humanos inflar-se como balões, explodindo
de orgulho em suas realizações intelectuais. A fim de esvaziar a sua auto-imagem, ele
narra a seguinte fábula desencantar, o que sugere que o intelecto humano não é senão
um fenômeno contingente e efêmero, insignificante para além dos limites da vida
humana:

Em algum canto remoto do universo humano, piscando na luz dos inúmeros sistemas
solares em que ele passou a ser derramado, houve uma vez um planeta em que animais
inteligentes inventaram cognição [ Erkennen]. Foi o minuto cious mais arrogante e mais
menda na "história do mundo"; mas um minuto era tudo o que era. Após a natureza havia
atraído apenas mais algumas respirações do planeta congelou e os animais inteligentes
tiveram que morrer. ( TL 1) 40

Longe de marcação a superioridade estar' s humana sobre outras formas de vida, sua dependência do
intelecto é revelador da sua inferioridade e ness fraca relativa com respeito a outras formas de vida.
De fato, a partir da perspectiva de vida, o intelecto cumpre primariamente uma função de preservação
da vida. É a "ajuda

Animalidade, Idioma e Verdade • 131


fornecida para os seres mais infelizes, mais delicadas e mais transitórios, a fim de detê-los
por um minuto dentro de existência"( TL 1).
Eu n acordo com esta consideração inicial do intelecto Nietzsche argumenta, em A Gaia
Ciência, que, contrariamente à crença de que a consciência denota a superioridade do ser
humano em relação a outras formas de vida, a consciência no animal humano é relativamente
jovem, órgão veloped insuficientemente de que, como tal, pode até ser perigoso ( GS 1 1; 354)
0,4 1 Nietzsche estima inconsciência acima consciência pela simples razão de que a maioria
das funções vitais do animal humano operar sem a consciência. Inconsciência é mais
essencial à vida do que ness consciente porque os animais humanos têm, até agora,-se
preservados devido à sua inconsciência, em vez de sua consciência. Em uma passagem do Nachlass,
Nietzsche afirma que o que é comumente referido como mem ória é apenas a superfície de
muitos processos sciOus fisiológicas, nervosas, e inteiramente não contestados:

Não existe nenhum órgão apropriado de "memória": todos os nervos, por exem
plo na perna lembrar experiências anteriores. Cada palavra, cada núm ero é o
resultado de um processo físico e em algum lugar fixo nos nervos. Tudo o que foi
organizado nos nervos continua a viver neles. Há ondas de estimulação, onde a
vida se torne consciência, nós lembramos. ( KSA 9: 2 [68])

Em comparação com a memória inconsciente da vida, o que é comumente re ferred como


memória reflete apenas uma parte insignificante e efêmera do que é lembrado
inconscientemente. A extensão da memória scious não contestados da vida orgânica
sinaliza que a distância entre o que o animal humano sabe eo que ele ignora sobre si é
infinito. 42
Em "Sobre Verdade e Mentiras no Sentido Extra-Moral", Nietzsche afirma que o intelecto
não é apenas um instrumento para a preservação da vida animal humano, mas, mais
radicalmente, que gera dissimulações ilusórios
(Verstellungen) em vez de representações verdadeiras ( Vorstellungen) do mundo.

Como meios para a conservação do indivíduo, do intelecto mostra a sua maior força na
dissimulação [ Verstellung], uma vez que este é o meio de preservar esses, indivíduos
menos robustos mais fracos, chifres, que, por natureza, são negados ou os dentes afiados
de um animal de rapina com o qual a travar a luta pela existência. ( TL I)

O que distingue o ser humano dos outros animais não é a dade capac de seu intelecto para produzir
uma representação correta do mundo como ele é "em si", ou, como Rorty se refere a ele, um "espelho
da natureza." Em vez disso, o que marcas

132 • Animalidade, Idioma e Verdade


o animal humano único é a sua capacidade de inventar dissimulações enganadores
(Verstellung) 0,43 Este talento tem a forma de uma arte do que uma ciência, uma "arte da
dissimulação [ Verstellungskunst] " que atinge o seu pico em hu humanidade ( TL 1):

Deception, bajulação, mentir e enganar, falando por trás das costas dos outros,
manter as aparências [ Repriisentieren], vivendo em bor remou elegância, usando
máscaras, o panejamento da convenção, jogo-agindo em benefício dos outros e de si
mesmo, em suma, o ing mais plana constante de seres humanos em todo o chama de
vaidade é tanta a regra e da lei que há há praticamente nada que desafia a entender ing
tanto como o fato de que uma unidade honesto e puro para a verdade deve sempre
surgiram neles. ( TL 1)

Nietzsche não rejeitar o intelecto, devido à sua incapacidade de fornecer qualquer coisa
"substancial", tais como verdade metafísica. Pelo contrário, ele elogia o talento do intelecto
para a dissimulação, pois preserva a vida do indivíduo. Visto a partir da perspectiva de vida,
intelecto do animal humano é uma força inerentemente artístico, uma unidade para levar
adiante distorcidas idades im, ilusões e dissimulações do mundo que estão vida de reforço. 44

Portanto, o animal humano deve ser concebida como um "sujeito artisticamente criativa" ( TL
1), um animal que dissimula ( verstellen) ao invés representa ( vorstellen) tudo que encontra. E,
portanto, o ser humano é um animal que não é cortado da totalidade da vida, devido às suas
chamadas capacidades intelectuais, mas, pelo contrário, está em nuité conti com outras
formas de vida na medida em que eles também são "artisticamente ECTS SUBJ criativas":

Um [mais avançado Höhere] fisiologia certamente irá confirmar que a força artística
inerente a nossa tornando-se, não só no que do ser humano, mas também no do animal:
ele vai dizer que o artística começa
com o orgânico. (KSA 7: 1 9 [50]) 45

É importante notar que a mudança de Vorstellung para Verstellung no tratamento da verdade de


Nietzsche sinaliza mais do que apenas uma mudança de debaixo do pé do intelecto como um
instrumento de conhecimento e de verdade metafísica a serviço da ciência para entendê-lo como
uma força artística a serviço da transfiguração criativa da vida. Mais importante, ele sinaliza uma
mudança de gênero de crítica da metafísica para o gênero do CISM criti social. Por conseguinte,
não se deve ser levados a pensar que phy philoso em Nietzsche está a ser reduzida para uma
actividade estética praticado na margem da sociedade. Pelo contrário, eu defendo que a
transformação da losophy phi em uma arte anda de mãos dadas com a atribuição de um novo
papel do social,

Animalidade, Idioma e Verdade • 133


e significado político à "unidade pura e honesta da verdade." Ao priorizar a arte sobre a
ciência, Nietzsche não obedece ideal da 'vida como literatura' s Nehamas mas, em vez disso,
renova a tradição do Iluminismo, recuperando a capacidade do intelecto para criticar
sociedade.
A afinidade entre o intelecto como uma força artístico de dissimulação e o intelecto como
uma força de avaliação crítica é mostrado quando se leva em conta a forma como Nietzsche
distingue entre os dois tipos diferentes de dissimulações do intelecto. Por um lado, há aqueles
ulations dissim que preservam a forma de vida do grupo e, por outro lado, há aqueles que
promovem o cultivo da singularidade irredutível da vida e pensamento de cada indivíduo. No
primeiro caso ções intelecto func como uma ferramenta para a preservação da sociedade: Nesta
função do intelecto é inerentemente não-livre e capturado pela regra da civilização. Neste último
caso, as dissimulações do intelecto se tornar veículos de pensamento crítico (ou seja, a
liberdade de pensamento). Esta liberdade de pensamento titui principalmente Consti uma força
contrária à regra da civilização, mas, além da crítica, ele também se manifesta como uma fonte
para a singularização pluralizar de formas de vida e pensamento. Para entender melhor como
artístico e cre talento ative do intelecto para a dissimulação ( Verstellung) está relacionada com a
preservação da vida humana como um todo, é necessário, em primeiro lugar, abordar a relação
Nietzsche vê entre a memória humana, linguagem conceitual e raciocínio abstracto, e, segundo,
para examinar como essa relação se encaixa com Nietz sche' s tratamento de verdade no
gênero de crítica da civilização.

Linguagem conceitual e Pensamento Abstrato

A relação que estabeleço entre metáfora intuído e para getfulness do animal também se
aplica à relação entre linguagem concep tual e memória humana na medida em que
Nietzsche concebe o processo de formação de conceitos, da mesma forma que ele
concebe o processo de formação da memória:

Temos de rever nossos pontos de vista sobre a memória: é a quantidade de todas as

experiências de toda a vida orgânica, viva, auto-ordenação, mutuamente formando entre si,

competindo uns com os outros, simplificando, condensação e se transformando em muitas

unidades diferentes. Deve existir um interior

processo, que prossegue como a formação de conceitos [ Begriffibil esterco] dentre muitos
casos singulares [ Einzelfii llen]: a enfatizar e
novo sublinhado contínuo de esquemas básicos ea omissão de características marginais [ Wegktssen
der Nebenzuge]. (KSA 1 1: 26 [94]) 46

134 • Animalidade, Idioma e Verdade


A formação da linguagem e memória são ambos os processos de estabelecimento de enganar
simplificações, generalizações e universalizações Consti ída por movimentos de "ver como
iguais [ Gleichsehen] " e "tomando como igual [ Gleichnehmen] " o que é inerentemente "desigual
[ ungleich] ":

Nosso memória se baseia em uma visão como igual e uma tomada como igual: ele depende,
assim, em um impreciso vendo; originalmente, é da maior
grosseria e vê quase tudo como igual.- Isso ções REPRESENTA [ Vorstellungen] agir
como estimulante impulsos é devido ao fato de que nós sempre imaginar e sentir
muitas representações [ Vorstellungen]
como sendo o mesmo, ou seja, devido à nossa memória grosseiro que vê como igual e
devido a imaginação, que, por preguiça, poetizes como igual o que na verdade é diferente.
( KSA 9: 1 1 [1 38])

Memória estabelece uniformidade e identidade entre o que é singular e distinto. Como tal, de
memória baseia-se na mesma imprecisão como o processo de formação de conceito. Ambos
subsumir o singular eo real sob uma unidade mais geral de acordo com o critério de
semelhança ou igualdade
(Gleichheit). Futthermore, ambas as formações de memória e conceito é DE multado pelo
esquecimento civilizacional: conceitos são formados "largando essas diferenças individuais
arbitrariamente, por esquecer as características que diferenciam uma coisa da outra" ( TL 1). Considerand
meta phors intuído são definidos pelo esquecimento do animal como um portador da verdade
em silêncio, o esquecimento civilizacional inerente à formação de memória e conceitos é
inseparável de uma perda de verdade singular, ou, em outras palavras, de uma transposição
dissimulada ( Übertragung) de uma metáfora intuído em uma palavra.

Falando em termos mais gerais, os processos de conceito e formação da memória são


um reflexo dos processos civilizatórios de socializa ção. O que distingue a socialização, como
argumentei no capítulo 2, é um "ver como iguais [ Gleichsehen] " e um "tomando como igual [ Gleichne
" do que é irredutivelmente singular e distinto. 47 Nos processos de civilização e de
socialização, o singular e distinto são "esquecidos", excluídos, e deixou mais por causa da
formação de maiores unidades, mais gerais em que eles podem ser incluídos. O singular e
distinto permanecem mais à margem da sociedade justa Como eles permanecem mais na
margem do conceito. De acordo com a crítica da civilização de Nietzsche, assim como o
igualitarismo moderno precisa ser feita sensível aos valores de tute cul aristocrática, assim
também não precisam ser feitas sensível ao retratar silenciosa do singular e distinta
linguagem conceitual.

Nietzsche reconhece que "ver como iguais [ Gleichsehen] " e "tomando como igual [ Gleichnehmen] " desempenha
papéis importantes na preservação do ser humano

Animalidade, Idioma e Verdade • 135


vida animal e, portanto, precisam ser reconhecidos como praiseworthy.48 Em "Sobre Verdade e
Mentiras no Sentido Extra-moral", ele afirma que o pensamento abstrato (ou seja, a substituição da
semelhança entre os singulares por igualdade e uniformidade) é de preservação da vida. O
pensamento abstrato protege o animal humano de ser varridos por "impressões súbitas [p! OTZ!
iche Eindriicke] " e "intuições [ Anschauungen]"(TL 1). O pensamento abstrato produz um mundo em
que os seres humanos podem viver nutria pela ilusão de segurança e estabilidade. Este ponto de
vista está em continuidade com a tese Nietz sche defende na sua obra posterior, ou seja, que "a
falsidade de um juízo é para nós não é necessariamente uma objeção a um julgamento":

A questão é até que ponto é que promovem a vida, ing preserv-vida, espécies de
preservação, talvez até mesmo espécies que cultivam [ Art-zilch tendem]. E nós somos
fundamentalmente inclinado a afirmar que os julgamentos mais falso (que incluem os
juízos sintéticos um priort) são os mais indispensável para nós; que sem aceitar as ficções
da lógica, sem medir realidade [ Wirklichkeit] contra o mundo puramente em exalado do
incondicional e auto-idêntico [ Sich-selbst Gleichen], sem uma falsificação constante do
mundo por meio de números, o ser humano não poderia viver, -que renunciar falsos
julgamentos significaria renunciar à vida e uma negação da vida. Para rec ognize
inverdade como uma condição de vida que, certamente, significa resistir sentimentos de
valor acostumados em um caminho perigoso; e uma filosofia que corre o risco de isso
seria por esse sinal sozinho lugar próprio para além do bem e do mal. ( BGE 4) 49

De acordo com este ponto de vista, "verdade" é vital preservar não porque CR rectamente representa
a realidade (seja fenomenal ou em-si), mas porque é uma ilusão que artisticamente transforma o
mundo de tal maneira que hu homem pode viver nele . O pensamento abstrato produz uma ordem
regular e imperativo de conceitos, que impregna o animal humano com sentimentos de segurança e
estabilidade. Além disso, ele permite que os seres humanos para compreender a si mesmos e suas
ações como moral e racional: "Como criaturas [ Wesen] do razão, os seres humanos agora fazer suas
ações sujeitas à regra de abstração [ Herr schaft der Abstraktion] "(TL 1). Para o pensamento abstrato
fornece, como a memória da vontade discutido no Capítulo 2, uma base para a preservação da vida
em sociedade com outros.

Nietzsche compara o mundo abstrato de leis reguladoras e imperativas (linguísticas) a


um columbário romano, um local de enterro da intuição
(Der Begrabnisstatte der Anschauung) (TL 2). Esta metáfora arquitetônica ilustra a
crueldade e violência com que o mundo abstrato de regu lando e leis lingüísticas
imperativas se impõe e regras sobre o mundo intuído das primeiras impressões:

136 • Animalidade, Idioma e Verdade


[S] omething se torna possível no reino de esquemas que nunca poderia ser
alcançada no reino das primeiras impressões intuído, ou seja, a construção de uma
ordem piramidal com base em castas e graus, a criação de um novo mundo de leis,
privilégios, subordina ções, as definições de fronteiras, que agora confronta o outro
mundo intuído das primeiras impressões como algo mais firme, mais geral, mais
familiar, mais humano e, portanto, como algo perative regulamentar e im.
Considerando toda metáfora intuído [ Anschauungsmetapher] é individual e único e é,
portanto, sempre capaz de escapar classifi cação, o grande edifício de conceitos
apresenta a regularidade rígida de um romano columbário, enquanto a lógica respira
aquele ar de gravidade e frieza que é peculiar a matemática. ( TL 1) 5 °

Nietzsche aprecia a capacidade de dissolver fotos em conceitos, pois ele reconhece os


méritos de fundar um mundo humano de conceitos sobre o mundo intuído das primeiras
impressões. No entanto, ele permanece crítica dessa habilidade na medida em que o
mundo abstrato de regulação e imperativo (Linguis tic) leis mina e, finalmente, destrói a
visão e experiência de verdades singulares refletida em cada metáfora intuído.

O problema do pensamento abstrato é que ele exclui a possibilidade de uma experiência e


visão do singular e do real. Ele não só corta a vida humana desde a totalidade da vida, mas, mais
importante, ele perde o contato com as unidades de vida, tais como a unidade para trazer intuído
metáforas e imagens que aumentam a tornar-se da vida futura. Em contraste com a liberdade e
plenitude da característica vida de pensamento pictórico, pensamento abstrato reflecte
essencialmente uma forma impotente de vida e pensei que é incapaz de engendrar uma nova
vida, assim como o modo de vida e pensamento do estudioso científica ( Gelehrte) produz
conhecimento do passado, mas não carrega vida futura. Separado da força de engendrar vida de
pensamento pictórico, pensamento abstrato perde o encontro com a alteridade que as
experiências com animais humanos nesses visões primitivas expressa em metáforas intuído.
Neste sentido, o pensamento abstrato é auto-referencial e fechou aos itsel £ Ela produz nada além
de sombras frias da vida que refletem maneiras frutíferas un de se relacionar com a vida. É por
isso que o pensamento abstrato gera sentimentos de prisão e hostilidade para com a vida.
Quando o mal ani humana depende só pensamento abstrato torna-se prisioneiro de suas próprias
construções conceituais, assim como ele se torna um refém do passado, quando ele se baseia
apenas em suas memórias, cortando-se fora do esquecimento animal como a força que
redireciona o passado para o futuro ( HL 1). Dadas as gers dan inerentes ao pensamento abstrato,
a valorização da vida humana ea crescente pluralização de formas irredutivelmente singulares de
vida dependem da

Animalidade, Idioma e Verdade • 137


recuperação não apenas do esquecimento do animal, mas também do poder do mal ani
para trazer intuído metáforas, imagens e ilusões oníricas.

"Verdade" e Crítica da Civilização

Um dos grandes méritos de "Sobre Verdade e Mentiras no Sentido Extra-Moral" é que ele mostra como
a busca da "verdade" está inseparavelmente ligada com o projeto de civilização. No âmbito deste
projecto, a "verdade" é entendido como um conjunto de leis reguladoras e imperativas (linguísticas) que
formam a base institucional, convencional da sociedade:

Na medida em que o indivíduo deseja preservar-se em relação a outros indivíduos, no


estado de natureza, principalmente usa seu intelecto para ocultação e dissimulação [ Verstellung];
no entanto, porque a necessidade e tédio também levar os seres humanos querem viver
em sociedades e rebanhos, eles precisam de um tratado de paz, e assim eles se esforçam
para eliminar de seu mundo, pelo menos as formas mais cruas da bellum omnium omnus
Contra. Na esteira deste tratado de paz, no entanto, vem algo que se parece com o
primeiro passo para a ção acquisi dessa unidade misteriosa da verdade. Pois o que é para
contar como "verdade" a partir deste ponto agora se torna fixo, i. e. , Uma forma de
designar as coisas é inventado que tem a mesma validade e força em todos os lugares, ea
legislação da linguagem também produz as primeiras leis de verdade. ( TL 1) 5 1

No que se segue eu uso "verdade" em citações para se referir a tratamento político sócio de
Nietzsche de institucionalizado "verdade". "Verdade", entendida como a base da sociedade tem de
ser distinguida, em primeiro lugar, a partir da noção de verdade singular revelado e escondido no
intuído metáforas e, por outro, a partir da noção de verdade metafísica rejeitado por Nietzsche. Ao
contrário da verdade singular ou metafísico, "verdade" é inventado para constituir e garantir uma
ordem social e política que garante a preservação da vida humana. "Verdade" como um conceito
normativo preenche os critérios de um padrão moral e juridicamente vinculativo para o qual os
indivíduos devem submeter-se se eles querem desfrutar dos privilégios de uma vida segura na
sociedade dos outros.

Quando "a unidade da verdade [ Wahrheitstrieb ou Trieb zur Wahrheit] " con tributos para a
fundação e preservação de um conjunto de legal e moralmente regras vinculativas de vida social,
persegue um interesse político e cumpre uma função ideológica ( TL 1). " Verdade" certamente
preserva a vida do grupo:. É útil, mas não verdadeiras quando 'a unidade da verdade' refere-se ao
na intervenção de uma ordem racional e moral cujos princípios servem como diretrizes

138 • Animalidade, Idioma e Verdade


para a organização social e política da vida humana, então esta unidade não é mais uma "pura [ reine] e
honesto [ Ehrlich] dirigir para a verdade "mas sim algo que satisfaz a necessidade de estabilizar e
assegurar o Estado de ção civiliza. 'Verdade', em seguida, não é senão a" obrigação de estar em
conformidade com uma convenção firmemente estabelecida, para se deitar em massa e em um estilo
que é obrigatório para todos"( TL 1).

A relação entre a instituição da "verdade" e do Estado de lização civi em "Sobre Verdade


e Mentiras no Sentido Extra-Moral" é análoga à relação entre a memória da vontade e do
Estado de ção civiliza desenvolvido em Na Genealogia da Moral. No discurso genealógica
de Nietzsche, a base da sociedade é inseparável da instituição de uma memória da vontade.
Em ambos os textos, as noções de memória da vontade e da "verdade" determinar um
conjunto fixo de regras e normas destinadas a garanto tee o bom funcionamento da
sociedade. Ambos constituem diretrizes morais e legais que são impostas a todos os
membros da sociedade, de modo a garantir o bem-estar do grupo. Além disso, a idéia de
"verdade" como um padrão normativo ( TL 1) é análoga à idéia da memória da vontade ( GM

II: 1) porque ambos instituto normas gerais por meio de violência e inação dom. A
violência e dominação envolvidos no processo de ção civiliza e socialização são, como
defendo todo, dirigido contra a animalidade ser de humano. A instituição da "verdade",
assim como o ção institu da memória da vontade, é dependente do sucesso
"domesticação"
(Biindigen) e "derrotar" ( bezwingen) do animal 'humano s unidade artística para transpor
estímulos nervosos em fotos e intuído metáforas ( TL
2).
A vida em sociedade exige que o animal humano aprender a pensar abstratamente e utilizar
conceitos abstratos como diretrizes morais e epistemológicos. Em Na Genealogia da Moral, a
domesticação e criação do animal humano elimina intencionalmente seu esquecimento. A ideia
subjacente é que só quando o animal humano pode se lembrar (as normas morais e legais da
sociedade) é apto para viver pacificamente em sociedade com outros. Em ambos os casos, o
ective obj de reprodução e domar é imbuir ( einverleiben) o animal humano com uma sensibilidade
particular para "certo" e "errado", "erro" e "verdade", "justiça" e "injustiça" ( TL 1; GM II: 1-3). É
somente através da incorporação corporal ( Einverleibung) de uma sensibilidade tal moral que a
memória da vontade ( GM II: 1) e verdade" ( TL 1) tornar-se eficaz como normas moralmente e
juridicamente vinculativos. O projeto de criação e domesticação tem sido bem sucedida quando a
"verdade" está relacionada com um sentimento moral profundamente inato para o animal humano:

A sensação de que se é obrigado a descrever uma coisa como o vermelho, uma outra tão
frio, e um terceiro como mudo, solicita um impulso moral que

Animalidade, Idioma e Verdade • 139


pertence à verdade [ erwacht eine moralische auf Wahrheit sich Bezie hende Reg; ung]; de
seu oposto, o mentiroso quem não confia um e todos excluem, os seres humanos
demonstram a si próprios o quão hon orable, inspirador de confiança e verdade útil é. ( TL
I)

Um aspecto importante da instituição da "verdade" é sua coincidência com a instituição da


linguagem. Nietzsche mostra que as leis e regras da linguagem conceitual gramaticais
correspondem diretamente com as regras morais e legais e as normas da "verdade". O "drive
para a verdade", quando se visa proporcionar a fundação e preservação da sociedade, é
essencial para o formação de uma língua [ Sprachbildung], que seja aceite por todos que a usam
como verídico, isto é, capaz de dizer a verdade como ela parece senso comum: "a fé invencível
que isto Dom, isto janela, isto tabela é verdade em si [ Wahrheit um sich] "(TL 1). A partir desta
perspectiva, a instituição do poder político depende da instituição de um idioma. Por outro lado,
para derrubar uma língua é para derrubar a regra; para alterar significado é alterar regra. A fim
de ganhar o controle político sobre a vida é crucial para ganhar controle sobre a linguagem, ou
seja, para ganhar controle sobre movimentação do animal para trazer intuído metáforas,
imagens e ilusões oníricas.

Nietzsche compara linguagem conceitual para a estrutura arquitectónica do columbário romano, o local do

enterro da intuição. Na estrutura tural ARCHITEC da linguagem conceitual, todos os conceitos e os seus significados

são unívocas, absoluto, determinado e fixo. Seu uso e aplicação não estão sujeitos a interpretação, mas são

geralmente e universalmente vinculativo. Isso ocorre porque somente uma linguagem cujos significados são tivo

absoluto e impera pode fornecer uma estrutura estável para o ing moral, legal e política ordem da sociedade. Visto de

dentro do discurso sociopolítico na verdade, a afirmação de Nietzsche de que a linguagem conceitual e seus

significados são meramente metafórica e contingente, isto é, formado, conformável, e Transforma ble, destina-se a

desmascarar a contingência e reversibilidade da ordem social e política. Assim sendo, a afirmação da natureza

metafórica da linguagem e da "verdade" constitui uma ameaça direta ao poder político, para a estabilidade da regra.

Como conseqüência, a partir da perspectiva da civilização, é crucial que o caráter metafórico da linguagem e da

"verdade" ser para chegado. É somente quando o ser humano se esquece que é um im animais Mersed em um

mundo intuído das primeiras impressões, constituído pela formação e transformação das metáforas intuído, imagens

e ilusões oníricas contínua, que pode vir a entender-se como um racional e agente moral vivendo de acordo com

Além disso, é pré precisamente por causa dessa inconsciência e esquecendo que o mal ani humano chega ao

sentimento de verdade "verdade".: constitui uma ameaça direta ao poder político, para a estabilidade da regra. Como

conseqüência, a partir da perspectiva da civilização, é crucial que o caráter metafórico da linguagem e da "verdade"

ser para chegado. É somente quando o ser humano se esquece que é um im animais Mersed em um mundo intuído

das primeiras impressões, constituído pela formação e transformação das metáforas intuído, imagens e ilusões

oníricas contínua, que pode vir a entender-se como um racional e agente moral vivendo de acordo com Além disso, é

pré precisamente por causa dessa inconsciência e esquecendo que o mal ani humano chega ao sentimento de

verdade "verdade".: constitui uma ameaça direta ao poder político, para a estabilidade da regra. Como conseqüência,

a partir da perspectiva da civilização, é crucial que o caráter metafórico da linguagem e da "verdade" ser para chegado. É somen

140 • Animalidade, Idioma e Verdade


Só por esquecer este mundo primitivo de metáforas, apenas em virtude do fato de
que uma massa de imagens, que originalmente fluíram na corrente quente, o líquido
do poder primordial do ção imagina humana, tornou-se duro e rígido, só porque a fé
invencível naquela isto Dom, isto janela, isto tabela é verdade em si [ Wahrheit an sich]
- em suma só porque o ser humano esquece-se como um sub ject e de fato como um
sujeito artisticamente criativa, é que o ser humano viver com algum grau de paz,
segurança e consistência; se ele poderia escapar por apenas um momento a partir
dos muros da prisão desta fé, isso significaria o fim de sua "consciência de si [ Selbstbewujtts
ein]. "(TL 1)

Esquecendo o mundo primitivo de metáforas intuído significa não só para conseguir que
a vida é um sonho, que vive da formação contínua e da transformação das metáforas
intuído, imagens e ilusões oníricas, mas também que o animal humano é um
"artisticamente criativa indivuo, "um animal cuja unidade primordial é criar
continuamente meta phors intuído, imagens e ilusões oníricas.

A relação íntima que Nietzsche vê entre "verdade", a linguagem concep tual, e os


fundamentos normativos da existência social em "Sobre Verdade e Mentiras no Sentido
Extra-Moral" tem uma forte afinidade com a sua análise posterior de "consciência" e sua
relação a comunicação e os fundamentos normativos da sociedade em A Gaia Ciência. Há
Nietz sche mostra que o surgimento da consciência coincide com a dação foun da sociedade,
assim como em "Sobre Verdade e Mentiras no Sentido Extra-Moral", ele mostra que o
surgimento de "verdade" coincide com a da sociedade. Nietzsche argumenta que a consciência
deve ser entendida como uma resposta a inferioridade relativa do animal humano com respeito
a outras formas de vida. Assim, como o intelecto e pensamento abstrato em "Sobre Verdade e
Mentiras no Sentido Extra-Moral," a consciência é nada, mas um meio para a pres ervation da
vida humana. Em ambos consciência textos, intelecto e pensamento abstrato são analisados ​a
partir da maior perspectiva de vida.

A análise de consciência em A Gaia Ciência particularmente empha tamanhos necessidade do


animal humano para a comunicação. 52 A fim de preservar-se, os humanos tinham de ser capazes
de comunicar as suas respectivas necessidades um do outro. Nietzsche argumenta que a
consciência se desenvolveu apenas em resposta à necessidade de comunicar:

A consciência é realmente apenas uma rede de conexão de um ser humano com outro
somente nessa capacidade que ele teve que desenvolver; o soli ser humano tary e
predatória não teria precisava. Que nossas ações, pensamentos, sentimentos e
movimentos, pelo menos alguns dos

Animalidade, Idioma e Verdade • 141


-los, mesmo entrar em consciência é o resultado de um terrível "must" que tem
governado sobre o ser humano por um longo tempo: como o animal mais ameaçado,
ele necessário ajuda e proteção, ele precisava de seus iguais; ele tinha que expressar a
sua carência e ser capaz de se fazer entender e de fazê-lo, primeiro ele precisava
"ness consciente." ( GS 354)

Análogo a "verdade" em "Sobre Verdade e Mentiras no Sentido Extra-Moral," consciência A


Gaia Ciência é uma função do grupo, pois reflete um universal, absoluto norma que é
moralmente e juridicamente vinculativo para todos. Ambos consciência e "verdade", assim,
minar o que não pode ser compartilhado, ou seja, a verdade irredutivelmente singular (gênio)
refletido em todos e cada intuído visão e experiência do mundo:

Meu pensamento é, evidentemente, que a consciência realmente não pertence a


existência do ser humano como um indivíduo, mas sim para a comunidade e genealógicos
aspectos da sua natureza; que, por conseguinte, é finamente desenvolvido apenas em
relação a sua utilidade para a comunidade ou rebanho; e que, consequentemente, cada um
de nós, mesmo com a melhor boa vontade do mundo para Compreendo -nos como
individualmente quanto possível "para conhecer a nós mesmos," vai trazer à consciência
precisamente isso em nós mesmos que é "non-individual," o que é "médio"; . . . No fundo,
todas as nossas ações são incomparavelmente e totalmente pessoal, único e ilimitadamente
indivíduo, não há dúvida; mas assim que traduzi-los em consciência, eles já não parecem ser.

. . . Isso é o que
Eu consideram ser verdade phenomenalism e perspectivismo: que, devido à natureza do consciência
animal, o mundo do qual podemos nos tornar conscientes é meramente superficiais e
assinar o mundo se transformou em eralities geração e, assim, rebaixado ao seu menor
denominador comum que tudo que entra a consciência, assim, torna-se rasa, fina,
relativamente estúpido, em geral, um sinal, um rebanho-alvo; que todos becom ing
consciente envolve uma vasta e completa corrupção, falsificação, superficialização e
generalização. ( GS 354) 53

verdade singular não se manifesta como consciência para ele retira-se do que está
sendo comunicado: Ele permanece sempre a uma distância, secreto e silencioso,
escondido na esfera das metáforas intuído em vez de re vealed no reino da consciência.
Ele resiste a ser subsumidos entidades mais gerais e universais, tais como as
constituídas por idioma concep tual, consciência e "verdade", entendida como normas
regulativas e imperativos de vida coletiva.

Depois de ter introduzido a idéia de "verdade" como um conjunto de normas morais e legais exigidos
pela existência social humana, Nietzsche observa que, embora

142 • Animalidade, Idioma e Verdade


ele descobriu a "verdade" na origem da fundação da sociedade, "nós ainda não sabemos onde a unidade à verdade [ Trieb

zur Wahrheit] vem, pois até agora só temos ouvido falar sobre a obrigação de ser verdadeiro que a sociedade impõe

para existir"( TL 1). Na minha leitura de "Sobre Verdade e Mentiras no Sentido Extra-Moral," a instituição da "verdade"

também nates desig a origem da "unidade pura e honesta da verdade" como um meio de criticar a "verdade", isto é,

como uma força contrária para a convenção de que está de acordo com um determinado conjunto de leis reguladoras

e imperativos (Linguis tic). A "unidade pura e honesta da verdade" começa com a tarefa crítica de desvelar a

instituição da "verdade" como uma mentira e como uma ideologia. Ele mostra que a instituição da "verdade" é

inerentemente interessado em vez de pura; que nega o caráter ilusório da "verdade" por causa da preservação da

regra da civilização. Curiosamente, em Nietzsche, essa crítica so cial opera a partir da perspectiva de vida. Ele é

guiado pelo ques ção de se instituiu a "verdade" é vida de reforço ou diminuição de vida, de saber se ele gera mais

saúde e vida futura. Deve "verdade" vir a ser vida diminuindo-a tarefa do filósofo torna-se um distintamente positivo,

ou seja, para fornecer uma nova verdade, um exemplo de vida e pensamento que promete uma maior saúde. O

último cai sob o gênero do tratamento biopolítica de Nietzsche da verdade: aqui filosofia assume o desafio de grande

política. um exemplo de vida e pensamento que promete uma maior saúde. O último cai sob o gênero do tratamento

biopolítica de Nietzsche da verdade: aqui filosofia assume o desafio de grande política. um exemplo de vida e

pensamento que promete uma maior saúde. O último cai sob o gênero do tratamento biopolítica de Nietzsche da

verdade: aqui filosofia assume o desafio de grande política.

A vida filosófica

Ao longo de sua obra, Nietzsche cita a figura do filósofo como um exemplo promissor de
vida. Em seus primeiros trabalhos, o filósofo pré-socrático demonstra uma forma de vida para
a qual o intelecto não é um (metafísica) categoria abstrata ou vazio, mas o reflexo de uma
"peça de personalidade" indiscutível e irrefutável onde "estrita necessidade governa entre o
pensamento [s] e caráter"( PTA 1). Em "Schopenhauer como Educador", Nietzsche
acrescenta:

Mas este exemplo deve ser fornecido pela sua vida exterior e não apenas em seus
livros-no caminho, isto é, em que os filósofos da Grécia ensinou, através de seu
rolamento, o que eles usavam, e comeu, e sua moral [ Sitte], em vez do que eles
disseram, muito menos o que eles escreveram. ( SE 3)

Seguindo seu exemplo, Nietzsche considera a sua própria filosofia e vida a ser
inseparavelmente sobrepostas, dissolveu-se em outro tal que vida e pensamento tornam-se
indistinguíveis. Não existem lems prov puramente espirituais, para Nietzsche acredita que a
vida do filósofo é nunca AccI dental ou externo à sua filosofia. Em vez disso, ele concebe
da filosofia

Animalidade, Idioma e Verdade • 143


como uma espécie de livro de memórias inconsciente e involuntária da vida do filósofo ( BGE 6;
EH " Prefácio"). A ligação íntima entre a vida ea filosofia é, como discutido no capítulo anterior,
melhor ilustrado por aces pref de Nietzsche. Por exemplo, em 'Uma Tentativa de autocrítica,'
Nietzsche conta como e em que circunstâncias O nascimento da tragédia estava escrito: "Tudo
o que está por trás deste livro questionável, ele deve ser um ing mais stimulat e questão
extremamente importante, e além disso, um profundamente pessoal de um como atestam os
tempos em que foi escrita, e apesar de que ele foi escrito, o período turbulento da Guerra
Franco-Prussiana de 1 870/1 "(" Uma tentativa de auto-crítica" 1). As imagens da guerra indica
que a filosofia requer esforço e coragem, assunção de riscos e rifices sac, que envolve
totalmente a vida eo corpo do filósofo. Os estágios da Guerra Franco-Alemã, em que Nietzsche
participaram diretamente, pele ther descrever como suas idéias surgiu a partir da batalha,
infundido com perguntas Phil osophical uma vez levantadas pelos gregos. Após a paz foi
declarada em Versalhes e Nietzsche estava literalmente curado dos ferimentos de guerra, ele
poderia, finalmente, entregar O ofTragedy nascimento fora do espírito da música. Nietz sche
termina sua narrativa com uma referência a um canto dos Alpes, onde, para o lado e para além
de seu tempo, ele finalmente pôde completar seu livro prematura ( "Uma tentativa de
auto-crítica" 1).

A figura do filósofo significa uma verdade singular duração que rep se ressente de uma
"unidade pura e honesta da verdade", que é inseparável da luta por uma maior liberdade, uma
liberdade que conflita diretamente com o exão obj para se conformar a um determinado conjunto
de regras . 54 A passagem de "Schopenhauer como Educador" ilustra esta ideia:

Onde tem havido sociedades poderosos, governos, giões reli, opiniões


públicas, em suma, sempre que houve tirania, há o filósofo solitário foi odiado;
para a filosofia oferece um asilo para o ser humano para o qual não tirania pode
forçar seu caminho, a caverna interior, o labirinto do coração [ Brust]: e que irrita
os tiranos. ( SE 3)

Ao contrário do que a instituição de um padrão absoluto, normativo e universalmente vinculativo de


"verdade", o filósofo defende seu exemplo de uma verdade singular viveu como uma alternativa à
forma de vida determinado pelo institucionalizada "verdade". Contra a afirmação de que existe
apenas uma "verdade", ela afirma a possibilidade de uma pluralidade de verdades singulares.
verdades Singu lar não são nem universalmente vinculativo, nem de aplicação geral. No lugar, há
tantas verdades singulares, pois há exemplos de vida e pensamento. A afirmação de uma
pluralidade de verdades singulares contesta a em stituição da "verdade" como um modo de vida de
acordo com o qual todos devem viver.

144 • Animalidade, Idioma e Verdade


Como tal verdade, singular constitui uma ameaça para o tecido do grupo. Soci ety, portanto,
tem necessidade de proteger-se contra a unidade honesto e pura da verdade singular. 55

Nietzsche afirma que a verdade singular pode ser prejudicial para ele está em oposição à
"verdade" convencional estabelecida aceite por todos e, portanto, sempre chama para o conflito e
luta. verdade singular é, portanto, inerentemente antipragmatic, questionando a visão de que o
verdadeiro sempre é necessariamente o também úteis. De um modo geral, os seres humanos
preferem aquelas verdades que são reconfortante e têm agradáveis, conseqüências rentáveis,
como a ideia de verdade metafísica e a idéia de "verdade" como base para a sociedade:

Eles desejam os agradáveis ​consequências de verdade, de melhoria de vida; eles são


indiferentes ao conhecimento puro [ reine, folgenlose Erkenntnis]
se ele não tem consequências, mas eles são realmente hostil para com as verdades que podem
ser prejudiciais e destrutivos. ( TL 1)

O exemplo do artista é suposto para incentivar o filósofo não desistir da luta pela
verdade singular contra a instituição da "verdade":

Nossos artistas viver mais ousada e mais honesta; e o exemplo mais poderoso que
temos diante de nós, a de Richard Wagner, mostra como o gênio não deve ter medo de
entrar no relacionamento mais hostil com as formas e ordem existente, se ele quer
trazer à luz a ordem superior e verdade que habita dentro dele . ( SE 3)

O exemplo do artista sinaliza a ligação íntima entre um "drive honesto e pura da verdade" ea
afirmação do animal humano como um "assunto artístico e criativo", cuja criatividade está em
continuidade com a de todas as outras formas de vida. Viveu verdade singular não só permite
uma auto-compreensão diferente do ser humano, mas também para um novo sob pé da
sociedade: Isso mostra que a "verdade" não é senão um conjunto inerentemente contingente
de regras que são formable e transformável em vez de necessaty ou moralmente e
juridicamente vinculativo.

Em A Gaia Ciência, Nietzsche argumenta que a "unidade pura e honesta da verdade", emerge
somente muito tempo depois "verdade" tinha-se estabelecido como a forma mais útil e preservação
da vida. Essa ideia de que "a verdade emerge como a forma mais fraca de conhecimento [ Erkenntnis]
"(GS 1 1 0) coincide com a tese que ele defende em "Sobre Verdade e Mentiras no Sentido
Extra-Moral", ou seja, que a instituição da "verdade" precede o surgimento de uma "unidade
honesto e pura da verdade" ( TL 1). Em comparação com "verdade"

Animalidade, Idioma e Verdade • 145


a "unidade pura e honesta da verdade" parece refletir um futuro promissor forma mais fraca e
menos de vida:

Através imensos períodos de tempo, o intelecto produzido noth ing erros bur;
alguns deles acabou por ser útil e espécies de preservação; aqueles que bateu
em cima deles ou herdado deles lutou sua luta para si e seus descendentes com
maior sorte. Tais artigos rs Erro de fé, que foram repassados ​por herança mais e
mais, e, finalmente, quase se tornou parte da indenização básica da espécie.

. . . Só muito tarde fez os negadores e duvidam de


tais proposições emergem; só é muito tarde fez verdade [isto é, a "unidade pura e honesta da
verdade"] emergir como a forma mais fraca de borda Knowl [ Erkenntnis]. Parecia que era
incapaz de viver com ele; que o nosso organismo foi voltado para o seu oposto: todas as suas
funções mais elevadas, a percepção dos sentidos e, geralmente, todo o tipo de sensação,
trabalhou com esses erros básicos que haviam sido incorporados desde morial tempo Imme.

. . . Então, o força de conhecimento não está em seu grau de verdade, mas na sua

idade, sua incorporação [ Einverleibtheit], seu caráter como uma condição de vida. ( GS 1 1 0)

Do ponto de vista da vida, a questão não é como a verdade pode ser conhecida singular, mas como
pode a verdade singular ser vivida, ou, em outras palavras, "até que ponto a verdade pode estar a
ser incorporados [ Einverleibung]?"(GS 1 1 0). Esta questão está no centro do discurso biopolítico de
Nietzsche sobre a verdade:

A verdade não designar o oposto [ Gegensatz] de erro, mas a posição de


certos erros [ Irrthumer] em relação a outros erros
[Irrthumer], por exemplo, que eles são mais velhos, mais profundo, mais embod IED,
que não poderíamos viver sem eles, e similares. (KSA
1 1: 34 [247])

Ao invés de instituiu, incorporada "verdade", o filósofo do "drive pura e honesta da verdade" tem
de mostrar que sua verdade singular e exemplo irredutivelmente única de vida e de pensamento
são mais melhoria de vida de "verdade", que eles realizar "uma maior saúde" do que "verdade". o
pher philoso sucede neste empreendimento apenas se ele ou ela pode demonstrar que a
necessidade de "verdade" pode ser superada. "Superar" aqui significa, literalmente, para superar
uma forma de vida e para trazer uma nova forma, alternativa de vida, provando assim que viver
de acordo com sua verdade irredutivelmente singular (gênio) é mais melhoria de vida do que
viver de acordo com a "verdade instituiu "que se encarna ( einverleibt).

146 • Animalidade, Idioma e Verdade


A dificuldade de nova tarefa do filósofo torna-se ent ainda mais appar quando se
considera que a 'unidade pura e honesta da verdade' pro duces nada, mas outra
dissimulação ( Verstellung) e, portanto, nada "substancial" para segurar contra a
"verdade". Para resolver este problema, o filósofo deve ter fé em sua verdade singular.
Esta fé é sup posou para encorajar e fortalecer o filósofo em sua defesa da verdade
singular ( GS 347). No entanto, Nietzsche reconhece que esta fé sempre implica também
o perigo de cair de volta para uma busca dogmática da verdade (metafísica). A fim de
evitar que o filósofo de cair de volta para moldar-se como o metafísico, ela deve desistir
dessa fé na verdade singular, logo que ela ganhou força suficiente para declarar a sua
própria fé como dogmática, talvez metafísica. Nietzsche vê em tal declaração um
exemplo de honestidade genuína ( Wahrhaftigkeit) e honestidade ( Redlichkeit): o sinal de
que a "verdade" foi superada. 56

Em "Sobre Verdade e Mentiras no Sentido Extra-Moral," esta plenitude genuína verdade é


refletida na liberdade do intelecto. Sob o governo de zação civili, a capacidade do intelecto para
a dissimulação, a sua unidade artística para a criação de metáforas intuído, não é livre, não um
fim em si, mas um em strument para a realização do "mais alto", de vida e de grupo de
preservação termina. Apesar do esforço da civilização para dominar e controlar impulsos
animais artísticas do ser humano ser ING, este esforço é em vão, pois essas unidades escapar
da captação da civilização nas esferas da cultura, arte e mito:

Essa unidade para formar metáforas, essa unidade fundamental do ser humano, que não pode ser

deixado fora de consideração por um segundo sequer sem também deixando de fora os próprios seres

humanos, é, na verdade, não derrotado

[Bezwungen], na verdade, nem sequer domado [g ebandigt], pelo processo pelo qual um novo
mundo regular e rígida é construído a partir dos seus próprios dis colocados [ veifluchtigen] produtos-conceitos-
fim de aprisioná-lo em uma fortaleza [ Zwingburg]. A unidade procura ffluchtet] um canal e uma
nova área para a sua actividade, e encontra-lo em mitos e em aliado arte Gener. ( TL 2) 57

No domínio da cultura, arte e mito, o intelecto recupera sua unidade animais artístico da
opressão da civilização. Sob o governo de intuição ( Herrschaft der Anschauung), o
intelecto não é mais obrigado pelas leis reguladoras e imperativas (linguísticas) do mundo
abstrato do filho rea, mas é livre para formar artisticamente e transformar tudo o que
encontra. A libertação da animalidade, uma vez que se reflete nas dissimulações livres do
intelecto manifesta-se na recuperação do animal humano do vigor e força do animal:

Animalidade, Idioma e Verdade • 147


A arte nos faz lembrar de condições de vigor animal; às vezes é um excesso e derrame
de crescente corporalidade no mundo das imagens e desejos; em outros momentos, uma
excitação de funções animalescos através das imagens e ilusões da vida se intensificou,
uma intensificação da sensação de vida e sua estimulante. ( KSA 12: 9 [1 02])

O intelecto não precisa mais as proteções fornecidas pelo medidor de lan conceitual e
pensamento abstrato. Ele agora está livre para afirmar a vida humana não apenas como contínuo
com outras formas de vida animal, mas também como inerentemente artística e criativa, uma
forma de vida que vive a formação contínua ea transformação de metáforas intuído, imagens e
ilusões oníricas.
Livres da obrigação de obedecer a um determinado conjunto de leis reguladoras e
imperativas (linguísticas), o talento do intelecto para a dissimulação não é reduzida a um
instrumento para a preservação da vida:

A grande conjunto de vigas e tábuas para que o ser humano necessitado se apega,
poupando-se assim em sua viagem através da vida, é usado pelo intelecto liberado
como um mero quadro de escalada e jogar-coisa no qual executar seus truques mais
imprudentes, e quando ela bate neste quadro, embaralha-lo e ironicamente re-monta-lo,
o emparelhamento o mais diferente de coisas e dividindo as coisas que estão mais
próximos um do outro, revela o fato de que ele não requer essas ajudas improvisados
​de carência, e que é agora não guiada por conceitos, mas por intuições. ( TL 2)

O intelecto livre agora vê a vida como um sonho, como um poder criativo e artístico, e a
linguagem como um conjunto de metáforas com que joga. A partir desta perspectiva, "[b]
ecoming não é uma moral, mas um fenômeno artístico" (PTA 1 9).

Curiosamente, em "Sobre Verdade e Mentiras no Sentido Extra-moral", assim como em Na


Genealogia da Moral, Nietzsche postula a liberdade da intel lect como o oposto da escravidão e
dominação. Quando o lect intel livre está em sua altura, seu poder supera a necessidade de
dominar os outros:

O intelecto, que o mestre de dissimulação [ Verstellung], é gratuito e absolvido de sua


escravidão usual para Como desde que possa enganar sem
fazendo mal, e celebra suas festas Saturnalian quando ele faz isso; em nenhum momento é
mais rica, mais luxuriante, mais orgulhoso, mais forte, e em negrito. Cheio de contentamento
criativo, ele embaralha-se metáforas e desloca as pedras de contorno de abstração. . . . O
intelecto já arrematar a marca de servidão; onde como normalmente trabalha, com maçante
indústria espirituosa, para mostrar a algum pobre indivíduo que cobiça a vida na estrada e as
ferramentas que ele precisa, e passeios em busca de despojos

148 • Animalidade, Idioma e Verdade


[Raub] e presa [ Beute] por seu mestre, aqui o intelecto ser vir do próprio mestre e
é permitido para limpar a expressão de carência [ Bedurftigkeit] a partir de sua
face. ( TL 2)

A liberdade do intelecto, bem como a sua soberania e poder, são ex pressionado em


dissimulações libertadoras e elevados que encantam e seduzem os outros sem
consequentemente prejudicá-los. O intelecto livre gera sentimentos de elevação e alegria em
quem contempla seu talento para dis simulação ( Verstellung). Como tal, a regra da cultura
facilita um lação rela livre com o outro, uma relação que não está sujeito ao cálculo utilitário
que define a luta para preservar a vida sob o domínio do ção civiliza. Em vez disso, essas
relações livres com o outro formam um todo que não representam a totalização de suas
partes, mas, como uma obra de arte, é ultrapassado pela pluralidade de suas partes.

Para Nietzsche, como já afirmei antes, esta relação livre com o outro é figurado pela
idéia de uma responsabilidade para o outro, que é acumulada através deste liberdade. Daí
resulta que a possibilidade do intelecto do processo de civilização suscita um novo e maior
responsabilidade. Esta responsabilidade é nada menos que o cultivo de um tipo superior de
humanidade:

Vamos supor que o meu attentat em dois milênios de anti-natureza e a violação


da espécie humana consegue. Essa parte da vida que leva na mão a maior de
todas as tarefas, o maior cultivo de hu
manity [Hoherziichtung der Menschheit], em conjunto com o remorso menos destruição de
todos os elementos degenerados e parasitárias, vai novamente fazer possível que na terra sobre-abundância
de vida [Zuviel von Leben]
a partir do qual a condição dionisíaca deve voltar a prosseguir. ( EH
"Livros" BT: 4) 58

Essa responsabilidade corresponde ao que Nietzsche chama de "grande política", 59 a apropriação


conscientemente irônico de uma fórmula bismarckiano que ele coloca a muito anti-bismarckiano, na
verdade, anti-alemão, usa:

Os alemães com suas "guerras de libertação" privadas Europa do significado, do


milagre do significado da existência de Napo leon-se, assim, ter em sua consciência tudo
o que fol mugiam, que existe hoje, esta doença e irracionalidade do mais perigosos para a
cultura que é o nacionalismo. . . . que eternizar da situação pequeno-estado da Europa,
de mesquinho política. ( EH " Livros "CW: 2) 60 Mas que tipo de política pode alcançar o
'mais elevado cultivo de dade humana' e" a destruição impiedosa de todos os
degenerados e mentos ELE parasitas ", 6 1, evitando nacionalismo e suas doenças
associadas de

Animalidade, Idioma e Verdade • 149


racismo e imperialismo? O "grande política" não poderia ser "hostil à cultura"? Sugiro
que noção de "boa saúde" e sua carac- caractere do filósofo como médico de Nietzsche
pode dar uma resposta a esta pergunta.

mudança de Nietzsche a um tratamento biopolítico da verdade, em que o rion Crite da


verdade é "mais saúde", tem intrigado os comentaristas recentes. Ac cording para Roberto
Esposito, a tentativa de Nietzsche para "selecionar", "separado" e "destruir" o que ele chama
de "degenerados e elementos parasitas", a fim de proteger a saúde coloca em uma situação
auto-imunitário pelo qual a "saúde" que está procurando é alcançada pela própria significa que
o personagem ize doença, fraqueza, ressentimento e decadência. 62 No entanto, Nietzsche
ele mesmo indica que a tentativa de separar a saúde da doença não só é impossível, mas
também contraproducente ( GS 382). Talvez a melhor maneira de entender essa aparente
tensão no discurso de Nietzsche sobre a saúde é para prosseguir a sua leitura de Platão.
Nietzsche chama Platão o "maior" pher philoso, 63, que tinha considerado anteriormente a
busca da verdade e da saúde em relação ao problema da política e da cultura. O que levou
Platão desviado era Sócrates, que seduziu Platão em comparação a tarefa do filósofo com a
do médico, estabelecendo uma analogia entre o médico como o curador do corpo e o filósofo
como o curandeiro ou "melhorador" da alma ( TI " Sócrates" e 'Melhoradores'). Nietzsche pensa
Platão é 'melhor' do que Sócrates e, na verdade, apropria-se da analogia socrático por
ironicamente derrubando-o. Tentativa 64 de Nietzsche para desenhar Platão longe de
Sócrates, para separar o filósofo forte de seu ascético e fraco homólogo, para fazer Plato no
último dos pré-socráticos, trágicos PheRS philoso de pensamento intuitivo, indica como se
deve interpretar a afirmação de Nietzsche que o filósofo não é mais responsável pela saúde da
alma, mas para a saúde do corpo . a partir desta perspectiva, os atos pher philoso a serviço da
vida e da saúde, em vez da serviço da verdade (metafísica) e conhecimento (científico). 65

O filósofo como médico faz verdade não separada da vida em uma tentativa de ganhar uma
perspectiva objetiva sobre a vida, mas abandona-se à vida em uma tentativa de alcançar a
veracidade. Para ela, a saúde não é um estado final. De tempos em tempos, a saúde deve ser
dada até atingir uma maior saúde no futuro:

A grande saúde, a saúde que um não tem apenas, mas também adquire [ erwirbt]
continuamente e deve adquirir [ erwerben] porque um dá-lo novamente [p reisgiebt] e
de novo, e deve dar-se [p Reis geben]! (GS 382)

150 • Animalidade, Idioma e Verdade


Abandonando a si mesmo ( Selbst) a doença é uma experiência tentador ( Selbst Versuchung). A partir
dele, aprende-se que o objectivo filosofia' s não é encontrar a verdade (metafísica), mas encontrar a
saúde e vida futura.
A nova tarefa do filósofo é diagnosticar a doença ea saúde, experimentando ambos,
análogo ao modo pelo qual Platão experimentou ambas as tradições pré-socráticos e
socráticos, a fim de determinar as doses de (singular) verdade que alguém pode ser exposto a,
sem diminuir suas forças de vida ( GS " Prefácio "). O grau em que um necessidades (singular) a
verdade para ser diluído, adoçado, e falsificados é dependente de sua constituição física ( BGE
39), assim como a própria exposição ao conhecimento do passado é dependente de uma
constituição física ( HL 5). Nietzsche guishes Distin entre a filosofia (a verdade metafísica) como
uma resposta a um Estado fraco de saúde, ou seja, a filosofia como "um suporte, um sedativo,
medicina, re demption, elevação ou auto-alienação" ( GS " Prefácio" 2) e filosofia (verdade
singular) como 'apenas uma bela luxo, no melhor dos casos a tuousness VolCima de uma
gratidão triunfante' ( GS " Prefácio" 2). Embora Nietz sche reconhece que a filosofia em ambos
os casos acima serve a vida, ele privilegia o segundo sobre o primeiro na medida em que leva
para além da mera preservação da vida e para a criação de uma nova vida.

Animalidade, Idioma e Verdade • 151