Vous êtes sur la page 1sur 87

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIFAFIBE

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

(DE ACORDO COM AS NORMAS DA ABNT: NBR 14724, NBR 10520 e NBR 6023)

6ª edição

BEBEDOURO
2012
SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO ........................................................................................................ 6
2 DEFINIÇÕES DAS DIFERENTES ESPÉCIES DE TRABALHOS ACADÊMICOS .. 7
2.1 Monografia (TCC) ............................................................................................... 7
2.2 Dissertação ......................................................................................................... 7
2.3 Tese ..................................................................................................................... 7
3 ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE MONOGRAFIA .................... 8
3.1 Delimitação do tema .......................................................................................... 8
3.2 Problematização do tema .................................................................................. 8
3.3 Hipóteses ............................................................................................................ 8
3.4 Levantamento da bibliografia ............................................................................ 8
3.5 Etapas do trabalho ............................................................................................. 8
3.6 Leitura e documentação .................................................................................... 9
4 ESTRUTURA ........................................................................................................ 10
4.1 Elementos pré-textuais .................................................................................... 11
4.1.1 Capa ................................................................................................................ 11
4.1.2 Lombada ......................................................................................................... 11
4.1.3 Folha de rosto ................................................................................................. 12
4.1.3.1 Frente da folha de rosto ............................................................................... 12
4.1.3.2 Verso da folha de rosto ................................................................................ 12
4.1.4 Errata............................................................................................................... 13
4.1.5 Folha de aprovação ......................................................................................... 13
4.1.6 Dedicatória ...................................................................................................... 13
4.1.7 Agradecimento ................................................................................................ 14
4.1.8 Epígrafe ........................................................................................................... 14
4.1.9 Resumo na língua vernácula ........................................................................... 14
4.1.10 Resumo em língua estrangeira ..................................................................... 14
4.1.11 Lista de figuras .............................................................................................. 14
4.1.12 Lista de tabelas ............................................................................................. 15
4.1.13 Lista de abreviaturas e siglas ........................................................................ 15
4.1.14 Lista de símbolos .......................................................................................... 15
4.1.15 Sumário ......................................................................................................... 15
4.2 Elementos textuais .......................................................................................... 16
4.2.1 Introdução ....................................................................................................... 16
4.2.2 Desenvolvimento ............................................................................................. 16
4.2.3 Conclusão ....................................................................................................... 17
4.3 Apresentação de figuras, gráficos, tabelas e quadros ................................. 17
4.3.1 Figuras ............................................................................................................ 17
4.3.2 Gráficos ........................................................................................................... 18
4.3.3 Tabelas............................................................................................................ 18
4.3.4 Quadros........................................................................................................... 19
4.4 Elementos pós-textuais ................................................................................... 20
4.4.1 Referências ..................................................................................................... 20
4.4.2 Glossário ......................................................................................................... 20
4.4.3 Apêndice(s) ..................................................................................................... 20
4.4.4 Anexo(s) .......................................................................................................... 20
4.4.5 Índice(s)........................................................................................................... 21
5 REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO ............................................................ 22
5.1 Formato ............................................................................................................. 22
5.2 Margem ............................................................................................................. 22
5.3 Espaço............................................................................................................... 22
5.3.1 Indicativos de seção ........................................................................................ 23
5.4 Paginação ......................................................................................................... 23
5.5 Numeração progressiva .................................................................................. 23
5.5.1 Alíneas ............................................................................................................ 24
5.5.1.1 Subalíneas ................................................................................................... 24
5.6 Siglas ................................................................................................................. 25
6 CITAÇÕES NOS TRABALHOS ACADÊMICOS .................................................... 26
6.1 Citação direta.................................................................................................... 26
6.1.1 Citação direta com até três linhas ................................................................... 26
6.1.2 Citação direta com mais de três linhas ............................................................ 26
6.2 Citação indireta ................................................................................................ 27
6.3 Citação de citação ........................................................................................... 27
6.4 Omissões em citações .................................................................................... 27
6.5 Acréscimos ou comentários em citação ........................................................ 27
6.6 Ênfase ou destaque em citação ...................................................................... 28
6.7 Entrada de autores ........................................................................................... 28
6.8 Notas de rodapé ............................................................................................... 28
6.8.1 Notas de referência ......................................................................................... 29
6.8.2 Notas explicativas ........................................................................................... 30
7 ELABORAÇÃO DE REFERÊNCIAS ..................................................................... 31
7.1 Localização ....................................................................................................... 31
7.2 Apresentação das referências ........................................................................ 31
7.3 Modelos de referências.................................................................................... 32
7.3.1 Monografias consideradas no todo ................................................................. 32
7.3.1.1 Livros ............................................................................................................ 32
7.3.1.2 Dicionários.................................................................................................... 32
7.3.1.3 Bibliografias .................................................................................................. 32
7.3.1.4 Biografias ..................................................................................................... 32
7.3.1.5 Enciclopédias ............................................................................................... 33
7.3.1.6 Teses, dissertações e trabalhos acadêmicos ............................................... 33
7.3.2 Parte de monografia (capítulo) ........................................................................ 33
7.3.3 Publicação periódica ....................................................................................... 33
7.3.3.1 Publicação periódica considerada no todo ................................................... 34
7.3.3.2 Partes de revista, boletim, etc ...................................................................... 34
7.3.3.3 Artigo de revista ........................................................................................... 35
7.3.3.4 Artigo de jornal ............................................................................................. 35
7.3.4 Evento considerado no todo ............................................................................ 35
7.3.5 Trabalho apresentado em evento .................................................................... 36
7.3.6 Patente ............................................................................................................ 36
7.3.7 Documento jurídico ......................................................................................... 37
7.3.7.1 Legislação .................................................................................................... 37
7.3.7.2 Jurisprudência (decisões judiciais) ............................................................... 37
7.3.7.3 Doutrina ........................................................................................................ 38
7.3.8 Imagem em movimento ................................................................................... 38
7.3.9 Documento iconográfico .................................................................................. 38
7.3.10 Documento cartográfico ................................................................................ 39
7.3.11 Documento sonoro ........................................................................................ 39
7.3.12 Partitura ......................................................................................................... 39
7.3.13 Documento tridimensional ............................................................................. 39
7.3.14 Documentos eletrônicos ................................................................................ 40
7.3.14.1 Livros e folhetos em meio eletrônico .......................................................... 40
7.3.14.2 Parte de monografia em meio eletrônico .................................................... 40
7.3.14.3 Eventos em meio eletrônico ....................................................................... 41
7.3.14.4 Correio eletrônico ....................................................................................... 41
7.3.14.5 Base de dados ........................................................................................... 41
7.3.14.6 Arquivo em disquete ................................................................................... 41
7.3.14.7 Artigos de publicações periódicas eletrônicas (revistas) ............................ 41
7.3.14.8 Artigo de jornal eletrônico ........................................................................... 42
7.4 Ordenação das referências ............................................................................. 42
7.4.1 Sistema alfabético ........................................................................................... 42
7.4.1.1 Autor repetido ............................................................................................... 42
7.4.2 Sistema numérico ............................................................................................ 43
7.5 Autoria ............................................................................................................... 43
7.5.1 Autor pessoal .................................................................................................. 43
7.5.1.1 Mais de três autores .................................................................................... 44
7.5.1.2 Indicação de parentesco ............................................................................. 44
7.5.1.3 Organizador, compilador, editor, coordenador, etc ...................................... 44
7.5.1.4 Pseudônimo ................................................................................................ 45
7.5.1.5 Tradutor, revisor, ilustrador, etc .................................................................... 45
7.5.2 Autor entidade ................................................................................................. 45
7.5.2.1 Entidade com denominação genérica .......................................................... 45
7.5.2.2 Entidade com denominação específica ....................................................... 46
7.5.3 Autor desconhecido ......................................................................................... 46
7.6 Título e subtítulo .............................................................................................. 46
7.7 Edição ............................................................................................................... 46
7.8 Local .................................................................................................................. 47
7.9 Editora .............................................................................................................. 47
7.10 Data.................................................................................................................. 48
7.11 Descrição física .............................................................................................. 48
7.12 Séries e coleções .......................................................................................... 49
7.13 Notas ............................................................................................................... 49
REFERÊNCIAS ........................................................................................................ 50
APÊNDICES............................................................................................................. 51
APÊNDICE A - Margem ........................................................................................... 52
APÊNDICE B - Capa ................................................................................................ 54
APÊNDICE C - Lombada ......................................................................................... 56
APÊNDICE D - Folha de rosto (frente e verso) ........................................................ 58
APÊNDICE E - Folha de aprovação ........................................................................ 60
APÊNDICE F - Dedicatória....................................................................................... 62
APÊNDICE G - Agradecimentos .............................................................................. 64
APÊNDICE H - Epígrafe ........................................................................................... 66
APÊNDICE I – Resumo em língua vernácula........................................................... 68
APÊNDICE J - Resumo em língua estrangeira ........................................................ 70
APÊNDICE L - Lista de Figuras ............................................................................... 72
APÊNDICE M - Lista de tabelas ............................................................................... 74
APÊNDICE N - Lista de abreviaturas e siglas .......................................................... 76
APÊNDICE O - Lista de símbolos ............................................................................ 78
APÊNDICE P - Sumário ........................................................................................... 80
APÊNDICE Q – Referências .................................................................................... 82
APÊNDICE R - Glossário ......................................................................................... 84
6

1 INTRODUÇÃO

Como citar um autor? Como organizar uma monografia? Dúvidas como


essas perseguem grande parte dos alunos que freqüentam cursos do Ensino
Superior. Conscientes de tais dificuldades, alguns professores do Centro
Universitário UNIFAFIBE e a Biblioteca trabalharam para organizar este Manual, que
tem como principal intenção orientar e normalizar os trabalhos desenvolvidos na
Instituição.
O conteúdo é apresentado de forma clara e objetiva, havendo, inclusive, a
preocupação de demonstrar graficamente como devem ser montadas a capa, a folha
de rosto, a folha de aprovação, a dedicatória, os agradecimentos entre outros.
Todo esse cuidado pretende favorecer o melhor desempenho do aluno e
facilitar o trabalho do professor.
A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é, no Brasil, o órgão
que regulamenta as normas e procedimentos para apresentação de trabalhos
técnicos e científicos.
Você encontra diferentes formatações de trabalhos científicos, utilizadas por
diversas instituições brasileiras.
Neste manual, seguimos as diretrizes da ABNT, por ser o órgão que
representa o Brasil nacional e internacionalmente, utilizando procedimentos
homogêneos na elaboração de trabalhos acadêmicos.
7

2 DEFINIÇÕES DAS DIFERENTES ESPÉCIES DE TRABALHOS ACADÊMICOS

Os principais tipos de trabalhos acadêmicos são: TCC (Trabalho de


Conclusão de Curso), dissertações e teses.

2.1 Monografia (TCC/TGI)

Documento que representa o resultado de um estudo devendo expressar


conhecimento do assunto escolhido, que deve ser obrigatoriamente vinculado à
disciplina do curso. Deve ser feito sob a coordenação de um docente.
Na monografia exige-se uma limitação do tema, devendo-se obedecer à
rigorosa metodologia e investigar um determinado assunto não só em profundidade,
mas em todos os seus ângulos e aspectos.

2.2 Dissertação

Documento que representa o resultado de um trabalho experimental ou


exposição de um estudo científico retrospectivo, de tema único e bem delimitado em
sua extensão, com o objetivo de reunir, analisar e interpretar informações. Deve
evidenciar o conhecimento da literatura existente sobre o assunto e a capacidade de
sistematização do candidato. É feito sobre a coordenação de um orientador (doutor),
visando a obtenção do título de mestre.

2.3 Tese

Documento que representa o resultado de um trabalho experimental ou


exposição de um estudo científico de tema único e bem delimitado. Deve ser
elaborado com base em investigação original, oferecendo real contribuição à
especialidade em questão. É feito sob a coordenação de um orientador (doutor) e
visa à obtenção do título de doutor, ou similar.
8

3 ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE MONOGRAFIA

Segue abaixo um breve roteiro para elaboração de seu trabalho acadêmico.

3.1 Delimitação do tema

Delimitar com precisão o tema é defini-lo sob a perspectiva da qual será


tratado. Geralmente o tema se define a partir de pesquisas, consulta de documentos
e/ou de temas já abordados por outras pessoas.

3.2 Problematização do tema

O trabalho é desenvolvido a partir do estabelecimento de um problema, com


apresentações de proposta para solucioná-lo ou minimizá-lo.

3.3 Hipóteses

A colocação clara do problema desencadeia a formulação de onde emerge


hipóteses de geral a ser comprovada. Ao definir a solução que pretende demonstrar,
o autor define a idéia central de seu trabalho.
Nota: Há trabalhos científicos que, por sua natureza, não apresentam uma hipótese
claramente definida.

3.4 Levantamento da bibliografia

Refere-se ao levantamento da documentação e obras existentes sobre o


assunto (referencial teórico)

3.5 Etapas do trabalho

a) formulação das hipóteses;


b) justificativa;
c) objetivos;
d) metodologia;
9

e) desenvolvimento da pesquisa (teórica; teórica-analítica; experimental; de


campo);
f) elaboração do trabalho.

3.6 Leitura e documentação

Pressupõe a elaboração de um roteiro, tomando-se nota de todos os


elementos que serão utilizados no trabalho.
10

4 ESTRUTURA

A estrutura da tese, dissertação ou de um trabalho acadêmico compreende:


elementos pré-textuais, elementos textuais e elementos pós-textuais.

QUADRO 1 – Disposição de Elementos


Estrutura Elemento Seção
Capa (obrigatório) 4.1.1
Lombada (opcional) 4.1.2
Folha de rosto (obrigatório) 4.1.3
Frente da folha de rosto 4.1.3.1
Verso da folha de rosto 4.1.3.2
Errata (opcional) 4.1.4
Folha de aprovação (obrigatório) 4.1.5
Dedicatória(s) (opcional) 4.1.6
Pré-textuais Agradecimento(s) (opcional) 4.1.7
Epígrafe (opcional) 4.1.8
Resumo na língua vernácula (obrigatório) 4.1.9
Resumo em língua estrangeira (obrigatório) 4.1.10
Lista de ilustrações (opcional) 4.1.11
Lista de tabelas (opcional) 4.1.12
Lista de abreviaturas e siglas (opcional) 4.1.13
Lista de símbolos (opcional) 4.1.14
Sumário (obrigatório) 4.1.15
Introdução (obrigatório) 4.2.1
Textuais Desenvolvimento (obrigatório) 4.2.2
Conclusão (obrigatório) 4.2.3
Referências (obrigatório) 4.4.1
Glossário (opcional) 4.4.2
Pós-textuais Apêndice(s) (opcional) 4.4.3
Anexo(s) (opcional) 4.4.4
Índice(s) (opcional) 4.4.5
Fonte: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, 2002, p.3
11

4.1 Elementos pré-textuais

São elementos que antecedem o texto oferecendo informações que auxiliam


o leitor na identificação e utilização do trabalho.
São apresentados conforme 5.1.1 a 5.1.15.

4.1.1 Capa

Elemento obrigatório para proteção externa do trabalho, onde são expressas


as informações indispensáveis à sua identificação, respeitando-se a seguinte ordem:
a) nome da instituição (opcional);
b) nome do curso (opcional);
c) nome do autor;
d) título;
e) subtítulo, se houver;
f) número de volumes (se houver mais de um, deve constar em cada capa a
especificação do respectivo volume);
g) local (cidade) da instituição onde deve ser apresentado;
h) ano de entrega.
Recomenda-se o uso de capa dura e encadernação de percalux. As letras
da capa devem ser impressas em tinta dourada (Ver APÊNDICE B).

4.1.2 Lombada

É a parte dorsal, ou seja, as costas da obra que seguram a parte interna das
folhas. É optativa. Quando utilizada, nela deverá aparecer:
a) nome do autor, impresso longitudinalmente do alto para o pé da lombada;
b) título da obra, impresso da mesma forma que o nome autor;
c) elementos alfanuméricos de identificação, por exemplo: v.1.
Nota: recomenda-se a reserva de um espaço, se possível de 30 mm, na borda
inferior da lombada, sem comprometer as informações ali contidas para a colocação
de elementos de identificação que possibilitem a localização do documento,
conforme ABNT NBR 12225. (Ver APÊNDICE C).
12

FIGURA 1 – Lombada

Autor
Título
v. 2

4.1.3 Folha de rosto

Elemento obrigatório, composto de frente e verso. Contém os elementos


essenciais à identificação do trabalho. (Ver APÊNDICE D).

4.1.3.1 Frente da folha de rosto

Os elementos devem figurar na seguinte ordem:


a) nome do autor: responsável intelectual do trabalho;
b) título principal do trabalho;
c) subtítulo: se houver, deve ser evidenciada a sua subordinação ao título
principal, precedido de dois pontos(:);
d) número de volumes (se houver mais de um, deve constar em cada um a
folha de rosto a especificação do respectivo volume);
e) natureza (tese, dissertação e outros) e objetivos (aprovação em disciplina,
grau pretendido e outros; nome da instituição a que é submetida; área de
concentração;
f) nome do orientador e, se houver, do co-orientador;
g) local (cidade) da instituição onde deve ser apresentado;
h) ano de entrega (depósito).

4.1.3.2 Verso da folha de rosto

Deve conter a ficha catalográfica. Elemento obrigatório.


13

Recomenda-se que a digitação seja em espaço simples, tamanho 12. Ela é


elaborada de acordo com o Código de Catalogação Anglo-Americano. (Ver
APÊNDICE D).

4.1.4 Errata

Elemento opcional, que consiste em uma lista das folhas e linhas em que
ocorrem erros, seguidos das devidas correções, precedida da referência do trabalho.
Apresenta-se quase sempre em papel avulso ou encartado, acrescido ao trabalho
depois de impresso. A errata, se houver, deve ser inserida logo após a folha de
rosto. O texto deve estar disposto da seguinte maneira:

ERRATA

SANTOS, F. J. M. Uso de sistemas de georreferenciamento em dispositivos


moveis. 2011. 85 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Sistemas de
Informação) – Centro Universitário UNIFAFIBE, Bebedouro, 2011.

Folha Linha Onde se lê Leia-se


32 3 publicao publicação

4.1.5 Folha de aprovação

Elemento obrigatório, que deve conter.


a) autor;
b) título por extenso;
c) subtítulo se houver;
d) natureza do trabalho, objetivo, nome da instituição e área de concentrção;
e) local e data;
f) identificação dos componentes da banca examinadora (nome, titulação,
assinatura e instituição a que pertencem). (Ver APÊNDICE E).

4.1.6 Dedicatória(s)

Elemento opcional, onde o autor presta homenagem ou dedica seu trabalho


a alguma pessoa em especial. (Ver APÊNDICE F).
14

4.1.7 Agradecimento(s)

Elemento opcional, dirigido àqueles que contribuíram de maneira relevante à


elaboração do trabalho. (Ver APÊNDICE G).

4.1.8 Epígrafe

Elemento opcional, onde o autor apresenta uma citação relacionada com a


matéria tratada no trabalho, constando sua referência. (Ver APÊNDICE H).
Podem também constar epígrafes nas folhas ou páginas de abertura das
seções primárias.

4.1.9 Resumo em língua vernácula

Elemento obrigatório, que consiste na apresentação concisa dos pontos


relevantes de um texto. O resumo deve dar uma visão rápida e clara do conteúdo e
das conclusões do trabalho. Constitui-se de uma seqüência de frases, concisas e
objetivas e não tópicos. Para trabalhos acadêmicos utiliza-se de 150 a 500 palavras.
As palavras-chave devem aparecer logo abaixo do resumo, antecedidas da
expressão Palavras-chave:, separadas entre si por ponto.
Recomenda-se o uso de parágrafo único. (Ver APÊNDICE I).

4.1.10 Resumo em língua estrangeira

Elemento obrigatório, que consiste em uma versão do resumo em idioma de


divulgação internacional (em inglês Abstract, em castelhano Resumen, em francês
Résumé, por exemplo). Deve também ser seguido das palavras-chave, na lingua.
(Ver APÊNDICE J).

4.1.11 Lista de figuras

Elemento opcional composto de quadros, lâminas, plantas, fotografias,


gráficos, organogramas, fluxogramas, esquemas, desenhos e outros, elaborada de
acordo com a ordem apresentada no texto, com seu título e respectivo número de
15

página. Quando necessário, elaborar lista própria para cada tipo de ilustração
(mapas, desenhos, fotografias, etc). (Ver APÊNDICE L).

4.1.12 Lista de tabelas

Elemento opcional, elaborado de acordo com a ordem apresentada no texto.


Cada item deve ser designado por seu nome específico seguido do número
da página. Recomenda-se utilizar a lista de tabelas, somente quando estas forem
várias dentro do trabalho. (Ver APÊNDICE M).

4.1.13 Lista de abreviaturas e siglas

Elemento opcional que consiste na relação alfabética das abreviaturas e


siglas utilizadas no texto.
Devem ser acompanhadas das palavras ou expressões citadas por extenso.
Recomenda-se utilizar a lista de abreviaturas, somente quando estas forem várias
dentro do trabalho. (Ver APÊNDICE N).

4.1.14 Lista de símbolos

Elemento opcional, elaborado de acordo com a ordem em que os símbolos


aparecem no texto, com o respectivo significado. Recomenda-se utilizar a lista de
símbolos, somente quando estes forem vários dentro do trabalho. (Ver APÊNDICE
O).

4.1.15 Sumário

Elemento obrigatório, que consiste na enumeração das divisões, seções e


outras partes do trabalho, na mesma ordem e grafia em que a matéria nele se
apresenta, acompanhado do respectivo número da página. Havendo mais de um
volume, em cada um deve constar o sumário completo do trabalho.
Os títulos das seções e subseções do sumário deverão ser destacados
através de maiúsculas para as seções primárias, negrito para as secundárias,
sublinhado para as terciárias, itálico para as quaternárias e sem destaque para as
16

quinárias. São empregados somente algarismos arábicos na numeração. Não se usa


ponto (.) entre o número e o texto. Entre o número e o texto, usa-se espaço (Ver
APÊNDICE P).

Exemplo:
3 O TRABALHO ACADÊMICO NA ERA MODERNA
3.1 Estrutura do trabalho acadêmico
3.1.1 Folha de rosto
3.1.1.1 Verso da folha de rosto
3.1.1.1.1 Ficha catalográfica

4.2 Elementos textuais

Consiste da parte do trabalho em que é exposta a matéria. Compõe-se de


três partes fundamentais: introdução, desenvolvimento e conclusão.

4.2.1 Introdução

Momento em que o autor levanta o estado geral da questão e mostra o que


já foi escrito a respeito do tema, destacando a importância, as intenções e os
objetivos do trabalho. Na introdução o autor anuncia o tema, o problema e os
procedimentos adotados para seu desenvolvimento (procedimentos de coleta de
dados, análise de informações e roteiro da pesquisa). O teor da problematização do
trabalho deve ficar claro para o leitor. O uso de citações não é recomendado.

4.2.2 Desenvolvimento

O autor analisa o tema, subdividindo-o em seções e subseções, de maneira


lógica e clara. Os títulos devem dar a idéia do conteúdo a ser tratado. Os elementos
básicos que estruturam o desenvolvimento são: fundamentação teórica, exposição e
discussão de hipóteses, descrição, explicação, classificação e definição do tema
proposto; demonstração de teses; apresentação e discussão dos resultados obtidos.
17

4.2.3 Conclusão

O autor retoma e reafirma as idéias principais, sintetizando os resultados da


pesquisa. A conclusão deve indicar as perspectivas que se abrem a partir da
pesquisa realizada. Não é permitida a inclusão de dados novos neste item.
Recomenda-se não utilizar citações na conclusão.

4.3 Apresentação de figuras, gráficos, tabelas e quadros

Especificaremos a seguir as formas de apresentação de figuras, gráficos,


tabelas e quadros.

4.3.1 Figuras

Deve-se numerar as figuras no decorrer do texto com algarismos arábicos.


Utiliza-se na parte superior a expressão FIGURA seguida do respectivo
número, um travessão e o título correspondente. Deve ser indicada a fonte, na parte
inferior, mesmo que seja produção do próprio autor. A letra da sua identificação deve
ser no tamanho 10.

FIGURA 1 - Licurana FIGURA 2 - Centro Universitário UNIFAFIBE

Fonte: LORENZI, 2002, v.1, p. 120 Fonte: Elaboração própria


18

4.3.2 Gráficos

Segundo Alvarenga e Rosa (2003) os gráficos são desenhos constituídos de


traços e pontos, numerados com algarismos arábicos.
Seu título é precedido da palavra GRÁFICO, em letras maiúsculas. Assim
como nas figuras, sua identificação deve ser no tamanho 10.

GRÁFICO 1 – Rebanho suíno do Sudeste do Brasil

Minas Gerais
Espirito Santo
Rio de Janeiro
São Paulo

GRÁFICO 1 – Rebanho Suíno do Sudeste do Brasil


Fonte: CRESPO, 2001, p. 44

4.3.3 Tabelas

As tabelas apresentam informações tratadas estatisticamente, das quais o


dado numérico se destaca como informação central.
Deve ter seu título, inscrito no topo, antecedido pela palavra TABELA
seguida de seu número, em algarismo arábico, de modo crescente.
Abaixo da tabela, deve-se indicar a fonte, ou seja, o(s) responsável(is) pelos
dados numéricos.
A identificação deve ser com letra tamanho 10.
As tabelas não são fechadas nas laterais, e devem ser feitas com, no
mínimo, três traços horizontais paralelos. O primeiro para separar o topo. O segundo
para separar o espaço do cabeçalho. O terceiro para separar o rodapé.

TABELA 1 – Pessoas residentes em domicílios particulares. Brasil – 1980

Situação do domicílio Total Mulheres Homens

Total 117 960 301 59 595 332 58 364 969


Urbana 79 972 931 41 115 439 38 857 492
Rural 37 987 370 18 479 893 19 507 477
Fonte: IBGE, 1993, p. 45
19

Nota: Quando, em uma tabela, houver necessidade de se destacar parte do


cabeçalho ou parte dos dados numéricos, estes devem ser estruturados com um ou
mais traços verticais paralelos adicionais.

TABELA 2 – População de 0 a 11 meses de idade, por aleitamento materno, grupo de idade e classe
de rendimento mensal familiar per capita
Brasil – 1989
População de 0 a 11 meses de idade
Classe de Amamentada
rendimento mensal
Grupos de idade
familiar per capita Total
(salário mínimo) Total Menos de 1 1a4 5a8 9 a 11
mês meses meses meses

Total 3 198 239 1 703 592 224 277 720 276 395 003 364 036

Até 1/4 406 012 261 275 23 848 95 133 55 332 86 962
Mais de 1/4 a 1/2 615 162 358 192 42 964 138 560 101 122 75 546
Mais de 1/2 a 1 727 327 397 544 51 269 174 628 86 585 85 062
Mais de 1 a 2 622 383 291 112 37 710 127 929 49 185 76 288
Mais de 2 560 765 256 331 31 494 128 274 67 031 29 532
Sem rendimento 266 590 139 138 36 992 55 752 35 748 10 646

Fonte: IBGE, 1993, p. 56

4.3.4 Quadros

Os quadros contêm informações textuais agrupadas em colunas.

QUADRO 1 – Síntese das respostas dos participantes e não participantes: quinta pergunta do
questionário de avaliação final

Participantes Não-participantes
Os alunos sentem-se mais seguros ao Os alunos sentem-se mais à vontade
discutir o texto com o colega trabalhando com o colega
Os alunos podem aprender com os Os alunos podem aprender com os
erros erros
Os alunos sentem-se importantes Os alunos sentem-se importantes
quando reconhecem que sabem algo quando reconhecem que sabem algo
Os alunos têm a chance de Os alunos podem desenvolver o seu
compartilhar conhecimentos lado crítico
Há uma maior interação entre os Os alunos podem ajudar-se a superar
alunos dificuldades
Fonte: FRANÇA, 2001, p. 95
20

4.4 Elementos pós-textuais

Os elementos pós-textuais complementam o trabalho.

4.4.1 Referências

Elemento obrigatório, que se refere a um conjunto de informações


descritivas retiradas de um documento, permitindo sua identificação no todo ou em
parte conforme a NBR 6023. (Ver APÊNDICE Q)

4.4.2 Glossário

Elemento opcional, que consiste em uma lista organizada em ordem


alfabética de palavras ou expressões técnicas de uso restrito ou de sentido obscuro,
utilizado no texto, acompanhado das respectivas definições. (Ver APÊNDICE R)

4.4.3 Apêndice(s)

Elemento opcional, que consiste em um texto ou documento elaborado pelo


autor, a fim de complementar sua argumentação, sem prejuízo da unidade nuclear
do trabalho.
Os apêndices são identificados por letras maiúsculas consecutivas,
travessão e respectivos títulos.
Exemplo:
APÊNDICE A - Avaliação numérica de células inflamatórias totais aos quatro dias de
evolução.
APÊNDICE B - Avaliação de células musculares presentes nas caudas em
regeneração

4.4.4 Anexo(s)

Elemento opcional refere-se a um texto ou documento não elaborado pelo


autor, que serve de fundamentação, comprovação e ilustração. Os anexos são
21

identificados por letras maiúsculas consecutivas, travessão e respectivos títulos.


Exemplos:
ANEXO A - Representação gráfica de contagem de células inflamatórias presentes
nas caudas em regeneração -Grupo de controle I (Temperatura)
ANEXO B - Representação gráfica de contagem de células inflamatórias presentes
nas caudas em regeneração -Grupo de controle II (Temperatura)

4.4.5 Índice(s)

É opcional e deverá ser elaborado conforme a NBR 6034.


22

5 REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO

A apresentação de trabalhos acadêmicos deve seguir as normas de


padronização da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

5.1 Formato

O texto, se impresso, deve ser apresentado em papel branco ou reciclado,


no formato A4 (21 cm x 29,7 cm), digitado ou datilografado na cor preta, podendo
utilizar outras cores somente para as ilustrações.
Os elementos pré-textuais devem iniciar na frente da folha, com exceção da
ficha catalográfica que deve vir no verso da folha de rosto.
Recomenda-se que os elementos textuais e pós-textuais sejam digitados na
frente e verso das folhas.
Recomenda-se para digitação, a utilização de fonte arial tamanho 12 para
todo o trabalho, inclusive capa e tamanho 10 para citações de mais de três linhas,
notas de rodapé, paginação, ficha catalográfica, legendas e fontes das ilustrações e
tabelas. Utilizar parágrafo de 1,25 cm para o texto (1 tab).

5.2 Margem

As folhas devem apresentar margem esquerda e superior de 3 cm e direita e


inferior de 2 cm (Ver APÊNDICE A).

5.3 Espaço

Todo o texto deve ser digitado ou datilografado com espaço 1,5 entre as
linhas, enquanto que as citações de mais de três linhas, as notas, as referências e a
ficha catalográfica devem ser digitadas ou datilografadas em espaço simples. As
referências, no final do trabalho, devem ser separadas entre si por um espaço
simples em branco.
Os títulos das seções e subseções devem ser separados do texto que os
precede e que os sucede por um espaço entre as linhas de 1,5.
23

5.3.1 Indicativos de seção

O número da seção precede seu titulo, alinhado à esquerda.


Os títulos sem indicativo numérico – errata, agradecimentos, lista de
ilustrações, lista de abreviaturas e siglas, lista de símbolos, resumos, sumário,
referências, glossário, apêndice(s), anexo(s) e índice(s) – devem ser centralizados e
em letras maiúsculas.
A folha de aprovação, a dedicatória e a epígrafe não têm título.

5.4 Paginação

Todas as folhas do trabalho, a partir da folha de rosto, devem ser contadas


seqüencialmente, mas não numeradas. A numeração é colocada, a partir da
introdução, em algarismos arábicos, no canto superior direito da folha, a 2 cm da
borda superior, ficando o último algarismo a 2 cm da borda direita da folha. Se o
trabalho tiver mais de um volume, deve ser mantida uma única seqüência de
numeração das folhas, do primeiro ao último volume. Havendo apêndice e anexo, as
folhas devem ser numeradas de maneira contínua e sua paginação deve dar
seguimento à do texto principal.

5.5 Numeração progressiva

Deve-se adotar a numeração progressiva para as seções e subseções do


texto, limitando-a até a seção quinária. Os títulos das seções primárias devem iniciar
em folha distinta. Os títulos das seções e subseções deverão ser destacados através
de maiúsculas para as seções primárias, negrito para as secundárias, sublinhado
para as terciárias, itálico para as quaternárias e sem destaque para as quinárias. Os
mesmos destaques devem ser obedecidos no sumário. São empregados somente
algarismos arábicos na numeração. Não se usa ponto (.) entre o número e o texto.
Entre o número e o texto, usa-se espaço.
Quando houverem títulos com mais de uma linha, a segunda e
subsequentes devem ser alinhadas abaixo da primeira letra da primeira palavra do
título.
24

Exemplo:
3 O TRABALHO ACADÊMICO NA ERA MODERNA: TRABALHOS DE
CONCLUSÃO DE CURSO (TCC), TESES E DISSERTAÇÕES
3.1 Estrutura do trabalho acadêmica
3.1.1 Folha de rosto
3.1.1.1 Verso da folha de rosto
3.1.1.1.1 Ficha catalográfica
Nota: Na leitura oral não se pronunciam os pontos, por exemplo: 3.1.2, lê-se
três um dois.

5.5.1 Alíneas

Quando for necessário enumerar diversos assuntos de uma seção que não
possua título, esta deve ser subdividida em alíneas. O trecho final do texto
correspondente, anterior às alíneas, termina em dois pontos. Elas são ordenadas
alfabeticamente e reentradas em relação à margem esquerda. O texto começa por
letra minúscula e termina em ponto-e-vírgula, exceto a última que termina em ponto.
A segunda e as seguintes linhas do texto da alínea começam sob a primeira letra do
texto da própria alínea.
Exemplo:
As citações podem aparecer:
a) no texto;
b) em notas de rodapé.

5.5.1.1 Subalíneas

São subdivisões de uma alínea. Devem começar por um hífen, colocado


sobre a primeira letra do texto da alínea correspondente, dele separadas por
um espaço. As linhas seguintes do texto da subalínea começam sob a primeira letra
do próprio texto.
Exemplo:
As citações podem aparecer:
a) no texto;
b) em notas de rodapé:
- notas de referência;
- notas explicativas.
25

5.6 Siglas

Quando aparecem pela primeira vez no texto, usa-se o nome completo


seguido pela sigla entre parênteses.
Exemplo:
Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).
26

6 CITAÇÕES NOS TRABALHOS ACADÊMICOS

Citação é mencionar uma informação extraída de outra fonte.


Ela pode aparecer no texto ou notas de rodapé. A citação pode ser direta,
indireta e citação de citação (apud).

6.1 Citação direta

Citação direta é transcrição textual de parte da obra do autor consultado. A


citação direta pode ser com até três linhas ou com mais de três linhas.
No final desta citação coloca-se entre parênteses o sobrenome do autor com
letras maiúsculas, ano de publicação, página

6.1.1 Citação direta com até três linhas

Devem ser apresentadas entre aspas duplas.


Exemplo:
“Apesar das aparências, a desconstrução do logocentrismo não é uma
psicanálise da filosofia.” (DERRIDA, 1967, p. 293).

6.1.2 Citação direta com mais de três linhas

Devem ser apresentadas com recuo de quatro centímetros da margem


esquerda com letra tamanho 10 e sem as aspas
Exemplo:
A teleconferência permite ao individuo participar de um encontro nacional
ou regional sem a necessidade de deixar seu local de origem. Tipos
comuns de teleconferência incluem o uso da televisão, telefone e
computador. Através de áudio-conferência, utilizando a companhia local de
telefone, um sinal de áudio pode ser emitido em um salão de qualquer
dimensão. (NICHOLS, 1993, p. 181).
27

6.2 Citação indireta

É um texto baseado na obra de outro autor. As chamadas pelo sobrenome


do autor, instituição ou título devem ser em letras minúsculas. Exemplo:
A ironia seria assim uma forma implícita de heterogeneidade mostrada,
conforme a classificação proposta por Authier-Reiriz (1982).
Nas citações indiretas, a indicação da(s) página(s) consultada é opcional.

6.3 Citação de citação

É a citação de um texto em que não se teve acesso ao original.


“[...] o viés organicista da burocracia estatal e antiliberalismo da cultura política de
1937, preservado de modo encapuçado na Carta de 1946.” (VIANNA, 1986, p. 172
apud SEGATTO, 1995, p. 214-215).
No modelo serial de Gough (1972 apud NARDI, 1993), o ato de ler envolve um
processamento serial que começa com uma fixação ocular sobre o texto,
prosseguindo da esquerda para a direita de forma linear.
Nota: a expressão apud significa citado por, conforme, segundo.

6.4 Omissões em citações

São permitidas desde que não altere o sentido do texto.Indica-se a omissão


de parte do texto utilizando reticências entre colchetes.
Exemplo:
Segundo Sá (1995, p.27): “[...] por meio da mesma ‘arte de conversação’
que abrange tão extensa e significativa parte da nossa existência cotidiana [...]”
Nota: As aspas simples são utilizadas para indicar citação no interior da citação.

6.5 Acréscimos ou comentários em citação

Os acréscimos ou comentários em citações devem ser apresentados entre


colchetes.
“Outro critério que pode nortear a seleção do tema [de pesquisa] é a sua
aplicabilidade”. (PÁDUA, 2002, p. 38).
28

6.6 Ênfase ou destaque em citação

Para enfatizar trechos da citação deve-se destacá-los indicando esta


alteração com a expressão grifo nosso entre parênteses, após a chamada da
citação, ou grifo do autor, caso o destaque já faça parte da obra consultada.
“[...] para que não tenha lugar a producção de degenerados, quer physicos quer
moraes, misérias, verdadeiras ameaças à sociedade.” (SOUTO, 1916, p. 46, grifo
nosso).
“[...] b) desejo de criar uma literatura independente, diversa, de vez que
aparecendo o classicismo como manifestação de passado colonial [...]” (CANDIDO,
1993, v.2, p.12, grifo do autor).

6.7 Entrada de autores

a) manter a indicação de parentesco na entrada.


(SILVA NETO, 1999, p. 20).
(OLIVEIRA SOBRINHO, 1986, p. 101);
b) manter o sobrenome composto na entrada
(CASTELO BRANCO, 2003, p. 50);
c) manter o sobrenome composto para sobrenome em língua espanhola
(GARCIA LOPEZ, 2000, p. 60);
d) nas obras sem indicação de autoria ou responsabilidade, a entrada dá-se
pela primeira palavra do título seguida de reticências.
(ANTEPROJETO..., 1987, p. 55);
e) obras com mais de um autor:
- citar até três autores
(SILVA; SOUZA; ANTUNES, 2004, p. 225).
- mais de três autores, citar o primeiro seguido da expressão et al.
(FERNANDEZ et al., 2005, p. 118).

6.8 Notas de rodapé

Notas de rodapé são indicações, observações ou aditamentos ao texto feitos


pelo autor, tradutor ou editor.
29

As notas de rodapé podem ser de referência ou explicativas.


Elas são escritas com espaço simples e fonte tamanho 10, devendo ser
separadas do texto por filete de 3 cm a partir da margem esquerda. O travessão
deve iniciar no mesmo alinhamento da margem esquerda (pode ter,
aproximadamente, 20 espaços).
A nota de rodapé é colocada dentro da margem. Sua numeração é
seqüencial e em algarismos arábicos.

____________________
1
Veja-se como exemplo desse tipo de abordagem o estudo de Netzer (1976).
2
Encontramos esse tipo de perspectiva na 2ª parte do verbete referido na nota anterior, em grande
parte do estudo de Rahner (1962).

6.8.1 Notas de referência

Indicam as fontes consultadas. As citações subseqüentes da mesma obra


podem ser referenciadas de forma abreviada utilizando expressões latinas tais
como:
a) Idem - mesmo autor - Id;
b) ibidem - na mesma obra - Ibid. ;
c) opus citatum, opere citato - obra citada - op. cit. ;
d) passim - aqui e ali, em diversas passagens - passim ;
e) loco citato - no lugar citado - loc. cit. ;
f) confira, confronte - Cf.;
g) sequentia - seguinte ou que se segue - et seq.
h) apud - citado por, conforme, segundo

____________________
8
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, 1989, p. 9.
9
Id., 2000, p. 19.

___________________
3
DURKHEIM, 1925, p. 176.
4
Ibid., p. 190.
30

6.8.2 Notas explicativas

Utilizadas para esclarecimentos, comentários, explanações ou traduções


que não podem ser incluídos no texto para não interromper as idéias do autor.
No texto:
Os pais estão sempre confrontados diante das duas alternativas: vinculação
escolar ou vinculação profissional. 4
No rodapé da página:

____________________
2 Sobre essa opção dramática, ver também Morice (1996, p. 269-290).

Nota: As situações mais comuns no uso de citações foram expostas acima. Para
maiores detalhes consultar a NBR 10520/2002.
31

7 ELABORAÇÃO DE REFERÊNCIAS

“Referência é um conjunto padronizado de elementos descritivos, retirados


de um documento, que permite sua identificação individual.” (ASSOCIAÇÃO, 2002,
p. 2)
Até pouco tempo era comum a expressão referências bibliográficas, mas
desde 2000 quando a ABNT atualizou a NBR 6023, foi adotado apenas o termo
referências. Atualmente, a coleta de dados da pesquisa não se limita apenas às
informações provenientes das bibliotecas, mas atinge os meios eletrônicos.
A referência é constituída de elementos essenciais e, quando necessário,
acrescida de elementos complementares. Os essenciais são indispensáveis à
identificação do documento e os complementares são informações que,
acrescentadas aos elementos essenciais, permitem melhor caracterizar os
documentos

7.1 Localização

A referência pode aparecer:


a) no rodapé;
b) no fim de texto ou de capítulo;
c) em lista de referências;
d) antecedendo resumos, resenhas, etc.

7.2 Apresentação das referências

Na lista, as referências são alinhadas junto à margem esquerda, em espaço


simples entre linhas e separadas entre si por dois espaços simples. Não devem ser
justificadas como o resto do trabalho. Os títulos podem ser destacados em negrito,
grifo ou itálico, mas a forma escolhida deve ser seguida em toda a lista. No caso de
obra sem indicação de autoria, cuja entrada é o próprio título, este virá em letras
maiúsculas na primeira palavra, não se usando assim negrito, grifo ou itálico. A
pontuação segue padrões internacionais e deve ser uniforme para todas as
referências.
32

7.3 Modelos de referências

Segue abaixo os diferentes modelos de referências

7.3.1 Monografias consideradas no todo (livros, folhetos, dicionários, trabalhos


acadêmicos, enciclopédias, entre outros)

“Monografia é um estudo minucioso que se propõe a esgotar determinado


tema relativamente restrito.” (FERREIRA, 1999, p. 1360)
Seus elementos essenciais são: autor(es), título, edição, local, editora e data
de publicação. Os elementos complementares são: série ou coleção, notas
especiais, ISBN.

7.3.1.1 Livros

SOBRENOME DO AUTOR, Prenomes. Título da obra: subtítulo. Número da edição.


Local de Publicação: Editor, ano de publicação. Número de páginas ou volume.
(Série). Notas.

DINA, Antonio. A fábrica automática e a organização do trabalho. 2. ed.


Petrópolis: Vozes, 1987. 132 p.

7.3.1.2 Dicionários

AULETE, Caldas. Dicionário contemporâneo da língua portuguesa. 3.ed. Rio de


Janeiro: Delta, 1980. 5 v.

7.3.1.3 Bibliografias

INSTITUTO BRASILEIRO DE INFORMAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA.


Bibliografia brasileira de ciência da informação: 1984/1986. Brasília: IBICT,
1987.

7.3.1.4 Biografias

SZPERKOWICZ, Jerzy. Nicolás Copérnico: 1473-1973. Tradução Victor M.


Ferreras Tascón e Carlos H. de León Aragón. Varsóvia: Editorial Científica Polaca,
1972. 82 p.
33

7.3.1.5 Enciclopédias

THE NEW Encyclopaedia Britannica: micropaedia. Chicago: Encyclopaedia


Britannica, 1986.30 v.

ENCICLOPEDIA Universal Ilustrada: europeo-americana. Madrid: Espasa-Calpe,


1958. t. 23.

ENCICLOPÉDIA Mirador Internacional. São Paulo: Encyclopaedia Britannica do


Brasil, 1995. v. 4.

7.3.1.6 Teses, dissertações e trabalhos acadêmicos

AUTOR. Título: subtítulo. Ano de apresentação. Número de folhas ou volumes.


Categoria (Grau e área de concentração) - Instituição, local.

ARAUJO, U. A. M. Máscaras inteiriças Tukúna: possibilidades de estudo de


artefatos de museu para o conhecimento do universo indígena. 1985. 102f.
Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais)–Fundação Escola de Sociologia e
Política de São Paulo, São Paulo, 1986.

7.3.2 Parte de monografia (capítulo)

Os elementos essenciais são: autor(es), título da parte, seguidos da


expressão In:, a referência completa da monografia no todo e a localização da parte
referenciada (número do capítulo ou páginas inicial e final)
Os elementos complementares são: série, notas especiais e ISBN.

SOBRENOME DO AUTOR, Prenome. Título da parte. Seguidos da expressão In:


SOBRENOME DO AUTOR da obra, Prenome. Título. Edição. Local de Publicação:
Editora, data de publicação. Deve ser indicado a paginação ou capítulo referenciado.

ROMANO, Giovanni. Imagens da juventude na era moderna. In: LEVI, G. ;


SCHMIDT, J. (Org.). História dos jovens 2. São Paulo: Companhia das Letras,
1996. p.7-16.

7.3.3 Publicação periódica

É a publicação em qualquer tipo de suporte, edita em unidades físicas


sucessivas, com designações numéricas e/ou cronológicas e destinadas a ser
34

continuada indefinidamente.

7.3.3.1 Publicação periódica considerada no todo

Quando é considerada toda a coleção de um título de periódico


Os elementos essenciais são: título, local de publicação, editora, datas de
início e encerramento da publicação.
Os elementos complementares são: periodicidade, notas especiais
(mudanças de título ou incorporações de outros títulos, indicação de índices) e ISSN.

TITULO DO PERIODICO. Local: Editora, ano de início-término da publicação.


Periodicidade. ISSN (quando houver).

TRANSINFORMAÇÃO. Campinas: PUCCAMP, 1989-1997. Quadrimestral. ISSN:


0103-3786.

Obs: Quando o periódico está em curso de publicação, indicar somente o ano de


início, seguido de hífen.

REVISTA HISPECI & LEMA. Bebedouro: Faculdades Integradas Fafibe, 1996-

REVISTA BRASILEIRA DE GEOGRAFIA. Rio de Janeiro: IBGE, 1939- . Trimestral.


Absorveu Boletim Geográfico, do IBGE. Índice acumulado, 1939-1983. ISSN 0034-
723X.

7.3.3.2 Partes de revista, boletim etc.

Inclui volume, fascículo, números especiais e suplementos, entre outros.


Os elementos essenciais são: título, local de publicação, editora, númer do
ano e/ou volume, número do fascículo, períodos e datas de sua publicação.
Os elementos complementares são: nota indicativa do tipo do fascículo
quando houver (por exemplo: edição especial) e notas especiais.

TITULO DO PERIODICO. Local (cidade): Editora, volume, número, mês e ano.

VEJA. São Paulo: Editora Abril, v. 31, n. 1, jan. 1998.

DINHEIRO: revista semanal de negócios. São Paulo: Ed. Três, n. 148, 28 jun. 2000.
Edição especial.
35

7.3.3.3 Artigo de revista

Os elementos essenciais são: autor(es), título do artigo, título da revista,


local de publicação, indicação do volume e/ou ano fascículo ou número, páginas
inicial e final e período e ano de publicação.
Os elementos complementares são: nota indicativa do tipo de fascículo
quando houver (por exemplo: edição especial) e notas especiais

AUTOR DO ARTIGO. Título do artigo. Título da revista, Local de publicação,


volume, número, página inicial e final do artigo, mês e ano de publicação.

GURGEL, C. Reforma do Estado e segurança pública. Política e Administração,


Rio de Janeiro, v.3, n.2, p.15-21, set. 1997.

MÃO-DE-OBRA e previdência. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios,


Rio de Janeiro, v.7, 1983. Suplemento.

7.3.3.4 Artigo de jornal

Os elementos essenciais são: autor(es), título, título do jornal, local de


publicação, data de publicação, seção, caderno ou parte do jornal e a página.
Quando não houver seção, caderno ou parte, a paginação do artigo precede a data.
Quando necessário, acrescentam-se elementos complementares à
referência para melhor identificar o documento.

AUTOR DO ARTIGO. Título do artigo. Título do jornal, local de publicação, data da


publicação, seção, caderno ou parte do jornal e a paginação correspondente.

NAVES, P. Lagos andinos dão banho de beleza. Folha de São Paulo, São Paulo,
28 jun. 1999. Folha Turismo, Caderno 8, p.13.

7.3.4 Evento considerado no todo

Os elementos essenciais são: nome do evento, numeração (se houver), ano


e local (cidade) de realização, título do documento (anais, atas, etc.), seguido do
local de publicação, editora e data da publicação.
NOME DO EVENTO, número, ano, cidade onde se realizou o evento. Título... Local
de publicação: Editora, data de publicação. Número de páginas ou volume.
36

Nota: Quando se tratar de mais de um evento, realizados simultaneamente, deve-se


seguir as mesmas regras aplicadas a autores pessoais.

CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UFPe, 4., 1996, Recife. Anais...


Recife: UFPe, 1996.

REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE QUÍMICA, 20., 1997, Poços


de Caldas. Química: academia, industria, sociedade: livro de resumos. São Paulo:
Sociedade Brasileira de Química, 1997.

CONFERÊNCIA NACIONAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, 2., 1986,


Belém. Anais...[S.I.]: OAB, [1986?].924 p.

WORKSHOP DE DISSERTAÇÕES EM ANDAMENTO, 1., 1995, São Paulo. Anais...


São Paulo: ICRS, USP, 1995. 39 p.

7.3.5 Trabalho apresentado em evento

Os elementos essenciais são: autor(es), título do trabalho apresentado,


seguido da expressão In:, nome do evento, numeração do evento (se houver), ano e
local de realização, título do documento (anais, atas, etc.), local, editora, data de
publicação e página inicial e final.

BRAYNER, A. R. A.; MEDEIROS, C. B. Incorporação do tempo em SGBD orientado


a objetos. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE BANCO DE DADOS, 9., 1994, São
Paulo. Anais... São Paulo: USP, 1994. p. 16-29.

MARTIN NETO, L.; BAYER, C.; MIELNICZUK, J. Alterações qualitativas da matéria


orgânica e os fatores determinantes da sua estabilidade num solo podzólico,
vermelho-escuro em diferentes sistemas de manejo. In: CONGRESSO BRASILEIRO
DE CIÊNCIA DO SOLO, 26., 1997, Rio de Janeiro. Resumos... Rio de Janeiro:
Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 1997. p. 443.

SOUZA, L. S.; BORGES, A. L.; REZENDE, J. O. Influência da correção e do preparo


do solo sobre algumas propriedades químicas do solo cultivado com bananeiras. In:
REUNIÃO BRASILEIRA DE FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DE PLANTAS,
21., 1994, Petrolina. Anais... Petrolina: EMBRAPA, CPATSA, 1994. p. 3-4.

7.3.6 Patente

Os elementos essenciais são: entidade responsável e/ou autor, título,


número da patente e datas (do período de registro).
37

EMBRAPA. Unidade de Apoio, Pesquisa e Desenvolvimento de Instrumentação


Agropecuária (São Carlos, SP). Paulo E. Cruvinel. Medidor digital multissensor de
temperatura para solos. BR n. PI 8903105-9, 26 jun. 1989, 30 maio 1995.

7.3.7 Documento jurídico

Documento jurídico inclui legislação, jurisprudência (decisões judiciais) e


doutrina (interpretação dos textos legais)

7.3.7.1 Legislação

Os elementos essenciais são: jurisdição (ou cabeçalho da entidade no caso


de se tratar de normas), título, numeração, data e dados da publicação.
No caso de Constituições e suas emendas, entre o nome da jurisdição e o
título, acrescenta-se a palavra Constituição, seguida do ano de promulgação, entre
parênteses.

BRASIL. Medida provisória nº 1.569-9, de 11 de dezembro de 1997. Diário Oficial


[da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília , DF, 14 dez. 1997.
Seção 1, p. 29514.

SÃO PAULO (Estado). Decreto nº 42.822, de 20 de janeiro de 1998. Lex: coletânea


de legislação e jurisprudência, São Paulo, v.62, n.3, p.217-220, 1998.

7.3.7.2 Jurisprudência (decisões judiciais)

Os elementos essenciais são: jurisdição e órgão judiciário competente, título


(natureza da decisão ou ementa) e número, partes envolvidas, relator, local, data e
dados da publicação.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Súmula nº 14. In:______. Súmulas. São Paulo:
Associação dos Advogados do Brasil, 1994. p. 16.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Processual Penal. Habeas-corpus


Constrangimento ilegal. Habeas-corpus nº 181.636-1, da 6º Câmara Cível do
Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, Brasília, DF, 6 de dezembro de 1994.
Lex: jurisprudência do STJ e Tribunais Regionais Federais, São Paulo, v. 10, n. 103,
p. 236-240, mar. 1998.
38

7.3.7.3 Doutrina

BARROS, Raimundo Gomes de. Ministério Público: sua legitimação frente ao Código
do Consumidor. Revista Trimestral de Jurisprudência dos Estados. São Paulo, v.
19, n. 139, p. 53-72, ago. 1995.

7.3.8 Imagem em movimento

Inclui filmes, videocassetes, DVD, entre outros.


Os elementos essenciais são: título, diretor, produtor, local, produtora, data e
especificação do suporte unidades física.

OS PERIGOS do uso de tóxicos. Produção de Jorge Ramos de Andrade.


Coordenação de Maria Izabel Azevedo. São Paulo: CERAVI, 1983. 1 videocassete
(30 min.), VHS, son. , color.

CENTRAL do Brasil. Direção: Walter Salles Junior. Produção: Martire de Clermont-


Tonnerre e Arthur Cohn. Interpretes: Fernanda Montenegro; Marília Pêra; Vinícius de
Oliveira; Sonia Lira; Othon Bastos; Matheus Nachtergaele e outros. Roteiro: Marcos
Bersnstein, João Emanuel Carneiro e Walter Salles Junior. [S.l.]: Le Studio Canal;
Riofilme; MACT Productions, 1998. 1 bobina cinematográfica (106 min.), son., color.,
35 mm.

7.3.9 Documento iconográfico

Inclui pintura, gravura, ilustração, fotografia, desenho técnico, diapositivo,


diafilme, material estereográfico, transparência, cartaz entre outros.
Os elementos essenciais são: autor, título (quando não existir, deve-se
atribuir uma denominação ou a indicação Sem título, entre colchetes), data e
especificação do suporte.

KOBAYASHI, K. Doença dos xavantes. 1998. 1 fotografia, color. , 16 cm x 56 cm.


O DESCOBRIMENTO do Brasil. Fotografia de Carmem Souza. Gravação de Marcos
Lourenço. São Paulo: CERAVI, 1985. 31 diapositivos, color. + 1 cassete sonoro (15
min.), mono.

MATTOS, M. D. Paisagem-Quatro Barras. 1987. 1 original de arte, óleo sobre tela,


40 cm x 50 cm. Coleção particular
39

7.3.10 Documento cartográfico

Inclui mapas, atlas, globo, fotografia aérea entre outros.


Os elementos essenciais são: autor(es), título, local, editora, data de
publicação, designação específica e escala.

ATLAS Mirador Internacional. Rio de Janeiro: Enciclopédia Britânica do Brasil, 1981.


1 atlas. Escalas variam.

INSTITUTO GEOGRÁFICO E CARTOGRÁFICO (São Paulo, SP). Regiões de


governo do Estado de São Paulo. São Paulo, 1994. 1 atlas. Escala 1:2000.

7.3.11 Documento sonoro

Inclui disco, CD (compact disc), cassete, rolo entre outros.


Os elementos essenciais são compositor(es) ou intérprete(s), título, local,
gravadora (ou equivalente), data e especificação do suporte.

ALCIONE. Ouro e cobre. Direção artística: Miguel Propschi. São Paulo: RCA Victor,
p1988. 1 disco sonoro (45 min.), 33 1/3 rpm, estereo., 12 pol.

GINO, A. Toque macio. Intérprete: Alcione. In: ALCIONE. Ouro e cobre. São Paulo:
RCA Victor, p1988. 1 disco sonoro. Lado A, faixa 1.
FAGNER, R. Revelação. Rio de Janeiro: CBS, 1988. 1 cassete sonoro (60 min), 3 ¾
pps, estereo.

7.3.12 Partitura

Inclui partituras impressas.


Os elementos essenciais são: autor(es), título, local, editora, data,
designação específica e instrumento a que se destina.

GALLET, Luciano (Org.). Canções populares brasileiras. Rio de Janeiro: Carlos


Wehns, 1851. 1 partitura (23p.). Piano.

7.3.13 Documento tridimensional

Inclui esculturas, maquetes, objetos e suas representações (fósseis,


40

esqueletos, objetos de museu, animais empalhados, monumentos entre outros).


Os elementos essenciais são: autor(es), quando for possível identificar o
criador artístico do objeto, título (quando não existir, deve-se atribuir uma
denominação ou a indicação Sem título, entre colchetes), data e especificação do
objeto.

BULE de porcelana: família rosa, decorado com buquês e guirlandas de flores sobre
fundo branco, pegador de tampa em formato de fruto. [China: Companhia das Índias,
18--]. 1 bule.

DUCHAMP, Marcel. Escultura para viajar. 1918. 1 escultura variável, borracha


colorida e cordel. Original destruído. Cópia por Richard Hamilton, feita por ocasião
da retrospectiva de Duchamp na Tate Gallery (Londres) em 1966. Coleção de Arturo
Schwarz. Tradução de: Sculpture for travelling.

7.3.14 Documentos eletrônicos

Documentos eletrônicos são aqueles que podem ser acessados por


computador, compreendendo base de dados, publicações seriadas, monografias,
programas de computador, entre outros pontos. Eles podem se apresentar em vários
suportes: on-line, quando acessados diretamente na internet, CD-ROM, fita
magnética, disquete.

7.3.14.1 Livros e folhetos em meio eletrônico

SOBRENOME DO AUTOR, Prenome. Título. Local: Editora, data. Disponibilidade e


Acesso.

ALVES, Castro. Navio negreiro. [S.l]: Virtual Books, 2000. Disponível em:
<http://www.terra.com.br/virtualbooks/freebook/port/Lport2/navionegreiro.htm>.
Acesso em: 10 jan. 2002, 16:30:30.

KOOGAN, André ; HOUAISS, Antonio (Ed.). Enciclopédia e dicionário digital 98.


Direção geral de André Koogan Breikmam. São Paulo: Delta: Estadão, 1998. 5 CD-
ROM.

7.3.14.2 Parte de monografia em meio eletrônico

POLÍTICA. In: DICIONÁRIO da língua portuguesa. Lisboa: Priberam Informática,


1998. Disponível em: <http://www.priberam.pt/dlDLPO>. Acesso em: 8 mar. 1999.
41

MORFOLOGIA dos artrópodes. In: ENCICLOPÉDIA multimídia dos seres vivos.


[S.l.]: Planeta DeAgostini, c1998. CD-ROM 9.

7.3.14.3 Eventos em meio eletrônico

NOME DO CONGRESSO (anais, resumos, etc), número, ano, local de realização.


Título do documento...Local de publicação: Editora, data. Disponibilidade e Acesso.

CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTIFICA DA UFPe, 4., 1996, Recife. Anais


eletrônicos...Recife: UFPe, 1996. Disponível em: <http://www.propesq.fpe.br/anais
/anais.htm>. Acesso em: 21 jan. 1997

7.3.14.4 Correio eletrônico

Remetente (endereço eletrônico do remetente). Assunto da mensagem.


Destinatário (endereço eletrônico do destinatário). Data da mensagem.

ALMEIDA, M. P. S. Fichas para MARC [mensagem pessoal]. Mensagem recebida


por <mtmendes@uol.com.br> em 12 jan. 2002.

CARVALHO, M. A. G. Manual para apresentação de trabalhos acadêmicos


[mensagem pessoal] Mensagem recebida por <fabianojms@fafibe.br> em 15 set.
2005.

7.3.14.5 Base de dados

ÁCAROS no Estado de São Paulo. In: FUNDAÇÃO TROPICAL DE PESQUISAS E


TECNOLOGIA “ ANDRE TOSSELLO”. Base de Dados Tropical. 1985. Disponível
em: <http://www.bdt.fat.org.br/acaro/sp/>. Acesso em: 30 maio 2002.

7.3.14.6 Arquivos em disquete

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Biblioteca Central. Normas. doc: normas


para apresentação de trabalhos. Curitiba, 1998. 5 disquetes, 3 ½ pol. Word for
Windows 7.0.

7.3.14.7 Artigos de publicações periódicas eletrônicas (revistas)

SOBRENOME DO AUTOR, Prenome. Título do artigo. Título da revista, Local,


volume, número, ano. Disponibilidade e Acesso.
42

BORGES, M. A. A compreensão da sociedade da informação. Ciência da


Informação, Brasília, v.29, n.3, set./dez. 2000. Disponível em: <http://www.scielo.br>
Acesso em: 25 fev. 2001.

WINDOWS 98: o melhor caminho para atualização. PC Word, São Paulo, n.75, set.
1998. Disponível em: <http://www.idg.com.br/abre.htm>. Acesso em : 10 set. 1998.

7.3.14.8 Artigo de jornal eletrônico

SOBRENOME DO AUTOR, Prenome. Título do artigo. Título do Jornal, Local, data,


(dia, mês e ano). Disponibilidade e acesso.

SILVA, Ives Gandra da. Pena de morte para o nascituro. O Estado de S. Paulo, São
Paulo, 19 set.1998. Disponível em: <http://www.providafamilia.org/pena_morte_
nascituro.htm.> Acesso em: 19 set. 1998.

ARRANJO tributário. Diário do Nordeste Online, Fortaleza, 27 nov. 1998.


Disponível em: <http://www.diariodonordeste.com.br>. Acesso em: 28 nov. 1998.

7.4 Ordenação das referências

Os sistemas mais adotados para ordenação das referências são o sistema


alfabético, em que se obedece à ordem alfabética de entrada e o numérico, no
qual a lista é organizada de acordo com a ordem de citação no texto. Este manual
segue o sistema alfabético.

7.4.1 Sistema alfabético

Neste sistema, as referências devem ser reunidas no final do trabalho, do


artigo ou do capítulo, em uma única ordem alfabética.

7.4.1.1 Autor repetido

Quando se referencia várias obras do mesmo autor, na mesma página,


substitui-se o nome do autor das referências seguintes por um traço (equivalente a
seis espaços) e ponto.
43

ALENCAR, José de. Cinco minutos. São Paulo: Ática, 2001.

______. Iracema. São Paulo: Ática, 2002.

GUYTON, A. C. Fisiologia humana. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,


1988.

______. Tratado de fisiologia médica. 10. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,
2002

Além do autor, o título de várias edições de uma obra referenciada


sucessivamente, na mesma página, também pode ser substituído por um traço nas
referências seguintes.

SARAMAGO, José. Memorial do convento. 14. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil,
1995.
______.______. 25.ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000

7.4.2 Sistema numérico

Quando for utilizado o sistema numérico no texto, a lista de referências deve


seguir a mesma ordem numérica crescente.

7.5 Autoria

Para a entrada de nomes, pessoais ou de entidades, deve ser consultado o


Código de Catalogação Anglo-Americano.

7.5.1 Autor Pessoal

Indicar o(s) autor(es), pelo último sobrenome, em maiúsculas, seguido do(s)


prenome(s) e outros sobrenomes, abreviado(s) ou não, desde que haja
padronização neste procedimento. Os nomes devem ser separados por ponto-e-
vírgula, seguido de espaço.

ALVES, Roque de Brito. Ciência criminal. Rio de Janeiro: Forense, 1995.

DAMIÃO, Regina Toledo; HENRIQUES, Antonio. Curso de direito jurídico. São


Paulo: Atlas, 1995.
44

PASSOS, L. M. M.; FONSECA, A.; CHAVES, M. Alegria de saber: matemática,


segunda série, 2, primeiro grau: livro do professor. São Paulo: Scipione, 1995. 136p.

7.5.1.1 Mais de três autores

Quando existirem mais de três autores, indica-se apenas o primeiro,


acrescentando-se a expressão et al.

URANI, A. et al. Constituição de uma matriz de contabilidade social para o


Brasil. Brasília, DF: IPEA, 1994.

JANEWAY JR, C. A. et al. Imunobiologia: o sistema imune na saúde e na doença.


5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2002.

Nota: Em casos específicos (projetos de pesquisa científica, indicação de produção


científica em relatórios para órgãos de financiamento etc.), nos quais a menção dos
nomes for indispensável para certificar a autoria, é facultado indicar todos os nomes.

7.5.1.2 Indicação de parentesco

Após o último sobrenome inclui indicação de parentesco como Júnior, Filho,


Neto, Sobrinho.

SILVA JÚNIOR, J. Os paises do 3º mundo. 3. ed. São Paulo: Moderna, 1989. 159
p.

7.5.1.3 Organizador, compilador, editor, coordenador etc.

Quando houver indicação explícita de responsabilidade pelo conjunto da


obra, em coletâneas de vários autores, a entrada deve ser feita pelo nome do
responsável, seguida da abreviação, no singular, do tipo de participação
(organizador, compilador, editor, coordenador etc.), entre parênteses.

FERREIRA, Léslie Piccolotto (Org.). O fonoaudiólogo e a escola. São Paulo:


Summus, 1991.

LUJAN, Roger Patron (Comp.). Um presente especial. Tradução Sonia da Silva. 3.


ed. São Paulo: Aquariana, 1993. 167p.
45

7.5.1.4 Pseudônimo

No caso da obra publicada sob pseudônimo, este deve ser adotado na


referência, desde que seja a forma adotada pelo autor.

DINIZ, Júlio. As pupilas do senhor reitor. 15. ed. São Paulo: Ática, 1994. 263p.
(Série Bom livro).

7.5.1.5 Tradutor, revisor, ilustrador e outros

Outros tipos de responsabilidade (tradutor, revisor, ilustrador e outros)


podem ser acrescentados após o título, conforme aparecem no documento.

DANTE ALIGHIERI. A divina comédia. Tradução, prefácio e notas: Hernâni Donato.


São Paulo: Círculo do Livro, [1983]. 344 p.

ALBERGARIA, Lino de. Cinco anos sem chover: história de Lino de Albergaria.
Ilustrações de Paulo Lyra. 12. ed. São Paulo: FTD, 1994. 63 p.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de símbolos. Tradução Vera


da Costa e Silva et al. 3. ed. rev. e aum. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1990.

7.5.2 Autor entidade

As obras de responsabilidade de entidade (orgãos governamentais,


empresas, associações, congressos, seminários etc.) têm entrada pelo seu próprio
nome, por extenso.

ASSOCIÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10520: informação e


documentação: citações em documentos: apresentação. Rio de Janeiro, 2002.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Catálogo de teses da Universidade de São


Paulo, 1992. São Paulo, 1993. 467 p.

7.5.2.1 Entidade com denominação genérica

Quando a entidade tem uma denominação genérica, seu nome é precedido


pelo nome do órgão superior, ou pelo nome da jurisdição geográfica a qual pertence.
46

SÃO PAULO (Estado). Secretaria do Meio Ambiente. Diretrizes para política


ambiental do Estado de São Paulo. São Paulo, 1993. 35 p.

BRASIL. Ministério da Justiça. Relatório de atividades. Brasília, DF, 1993. 28 p.

7.5.2.2 Entidade com denominação específica

Quando a entidade, vinculada a um órgão maior, tem uma denominação


específica que a identifica, a entrada é feita diretamente pelo seu nome. Em caso de
duplicidade de nomes, deve-se acrescentar no final a unidade geográfica que
identifica a jurisdição, entre parênteses.

BIBLIOTECA NACIONAL (Brasil). Relatório da Diretoria-Geral:1984. Rio de


Janeiro, 1985. 40 p.

7.5.3 Autor desconhecido

Em caso de autoria desconhecida, a entrada é feita pelo título.


ALMANAQUE Abril 2002. São Paulo: Abril, 2001

7.6 Título e subtítulo

O título e o subtítulo (quando houver) devem ser reproduzidos tal como


figuram no documento, separados por dois pontos.

PASTRO, Cláudio. Arte sacra: espaço sagrado hoje. São Paulo: Loyola, 1993. 343
p.

7.7 Edição

Quando houver uma indicação de edição, esta deve ser transcrita logo após
o título e subtítulo, utilizando-se abreviaturas dos numerais ordinais e da
palavra edição, ambas na forma adotada na língua do documento.

PEDROSA, Israel. Da cor a cor inexistente. 6.ed. Rio de Janeiro: L. Cristiano,


1995. 219 p.
47

SCHAUM, Daniel. Schaum’s outline of theory and problems. 5th ed. New York:
Schaum Publishing, 1956. 204 p.

7.8 Local

O nome do local (cidade) de publicação deve ser indicado tal como aparece
no documento.

ZANI, R. Beleza, saúde e bem-estar. São Paulo: Saraiva, 1995. 173 p.

Quando a cidade não aparece no documento, mas pode ser identificada,


indica-se entre colchetes.

LAZZARINI NETO, Sylvio. Cria e recria. [São Paulo]: SDF Editores, 1994 108 p.

Não sendo possível determinar o local, utiliza-se a expressão sine loco,


abreviada, entre colchetes[S.l.].

OS GRANDES clássicos das poesias líricas. [S.l.]: Ex Libris, 1991. 60 f.

7.9 Editora

O nome da editora deve ser indicado tal como aparece no documento,


abreviando-se os prenomes e suprimindo-se palavras que designam a natureza
jurídica ou comercial, desde que sejam dispensáveis para identificação.

LIMA, M. Tem encontro com Deus: teologia para leigos. Rio de Janeiro: J. Olympio,
1985.
Nota: Na publicação: Livraria José Olympio Editora

Quando a editora não puder ser identificada, deve-se indicar a expressão


sine nomine, abreviada, entre colchetes[s.n.].

FRANCO, I. Discursos: de outubro de 1992 a agosto de 1993. Brasília, DF: [s.n.],


1993. 107 p.
48

Quando o local e o editor não puderem ser identificados na publicação,


utilizam-se ambas as expressões, abreviadas e entre colchetes [S.l.: s.n.].

GONÇALVES, F. B. A história de Mirador. [S.l.: s.n.], 1993.

Quando a editora é a mesma instituição ou pessoa responsável pela autoria


e já tiver sido mencionada, não é indicada.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA. Catálogo de graduação, 1994-1995.


Viçosa, MG, 1994. 385 p.

7.10 Data

A data de publicação deve ser indicada em algarismos arábicos.

LEITE, C.B. O século do desempenho. São Paulo: LTr, 1994. 160 p.

Se nenhuma data de publicação, distribuição, copirraite, impressão etc.


puder ser determinada, registra-se uma data aproximada entre colchetes.
[1971 ou 1972] Um ano ou outro
[197-] Década certa
[18--] Século certo
[18--?] Século provável
FLORENZANO, Everton. Dicionário de idéias semelhantes. Rio de Janeiro:
Ediouro, [1993]. 383 p.

7.11 Descrição física

Quando o documento for constituído de apenas um volume, indica-se o


número total de páginas ou folhas, seguido da abreviatura p. ou f.
Nota: a folha é composta de duas páginas: anverso e verso. Alguns trabalhos, como
teses e dissertações, são impressos apenas no anverso e, neste caso, indica-se f.

TABAK, F. A lei como instrumento de mudança social. Fortaleza: Fundação


Waldemar Alcantra, 1993. 17 f.
49

Quando o documento for publicado em mais de um volume, indica-se a


quantidade de volumes seguida da abreviatura v.

TOURINHO FILHO, F. C. Processo penal. 16. ed. rev. e atual. São Paulo: Saraiva,
1994. 4 v.

Quando se referenciarem partes de publicações, mencionam-se os números


das folhas ou páginas inicial e final, precedidos da abreviatura f. ou p., ou indica-se o
número do volume, precedido da abreviatura v., ou outra forma de individualizar a
parte referenciada.

REGO, L. L. B. O desenvolvimento cognitivo e a prontidão para a alfabetização. In:


CARRARO, T. N. (Org.). Aprender pensando. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 1991. p. 31-
40.

7.12 Séries e coleções

Indicam-se, entre parênteses, os títulos das séries e coleções, separados,


por vírgula, da numeração, em algarismos arábicos, se houver.

CARVALHO, Marlene. Guia prático do alfabetizador. São Paulo: Ática, 1994. 95 p.


(Princípios, 243).

7.13 Notas

Sempre que necessário, devem ser incluídas notas com informações


complementares, ao final da referência.

LAURENTI, R. Mortalidade pré-natal. São Paulo: Centro Brasileiro de Classificação


de Doenças, 1978. Mimeografado.

HOLANDA, S. B. Caminhos e fronteiras. 3. ed. São Paulo: Companhia das Letras,


1994. 301 p., il. Inclui índice. ISBN 85-7164-411-x.

CARRUTH, Jane. A nova casa do Bebeto. Desenhos de Tony Hutchings. Tradução


Ruth Rocha. São Paulo: Círculo do Livro, 1993. 21 p. Tradução de: Moving house
50

REFERÊNCIAS

ALVARENGA, M. A. F. P.; ROSA, M. V. F. P. C. Apontamentos de metodologia


para a ciência e técnicas de redação científica: (monografias, dissertações e
teses). 3. ed. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Ed., 2003.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023: Informação e


documentação: referências-elaboração. Rio de Janeiro, 2002.

______. NBR 6024: Informação e documentação: numeração progressiva das


seções de um documento escrito - apresentação. Rio de Janeiro, 2003.

______. NBR 6027: Informação e documentação: sumário - apresentação. Rio de


Janeiro, 2003.

______. NBR 6028: Informação e documentação: resumo - apresentação. Rio de


Janeiro, 2003.

______. NBR 10520: Informação e documentação: citações em documentos -


apresentação. Rio de Janeiro, 2002.

______. NBR 12225: Informação e documentação: lombada - apresentação. Rio de


Janeiro, 2004.

______. NBR 14724: Informação e documentação: trabalhos acadêmicos -


apresentação. Rio de Janeiro, 2002.

CRESPO, A. A. Estatística fácil. 17. ed. São Paulo: Saraiva, 2001.

FRANÇA, J. L. Manual para normalização de publicações técnico-científicas. 5.


ed. Belo Horizonte: UFMG, 2001.

IBGE. Normas de apresentação tabular. 3. ed. Rio de Janeiro, 1993

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas


arbóreas nativas no Brasil. 4. ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum de Estudos da
Flora, 2000, v.1.
51

APÊNDICES
52

APÊNDICE A – Margem
53
54

APÊNDICE B – Capa
55

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIFAFIBE

CURSO DE NOME DO CURSO

NOME DO ALUNO

TÍTULO e SUBTÍTULO (se houver)

BEBEDOURO
2011
56

APÊNDICE C – Lombada
57

v. 2
AUTOR TÍTULO
58

APÊNDICE D – Folha de rosto (frente e verso)


59

NOME DO ALUNO

TÍTULO e SUBTÍTULO (se houver)

Trabalho de Conclusão do Curso de


(nome do curso) apresentado ao
Centro Universitário UNIFAFIBE, sob a
orientação do Professor (nome do
professor) para obtenção do título de ...

BEBEDOURO
2011
59

12,50 cm

Costa, Adelaide Martins.


Informática aplicada à pequenas empresas / Adelaide
Martins Costa. -- Bebedouro: UNIFAFIBE, 2011.
84f. : il. ; 29,7cm
7,50 cm

Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação)-Centro


Universitário UNIFAFIBE, Bebedouro, 2009.
Bibliografia: f. 70-73

1. Administração. 2. Pequenas empresas. 3.


Informática. I. Título.

VERSO DA FOLHA DE ROSTO


(fonte 12 espaçamento simples)
60

APÊNDICE E – Folha de aprovação


61

NOME DO ALUNO

TÍTULO e SUBTÍTULO (se houver)

Trabalho de Conclusão do Curso de


(nome do curso) apresentado ao
Centro Universitário UNIFAFIBE, para
obtenção do título de...

Banca examinadora

__________________________________________________
Orientador(a): – Titulação e Instituição a que pertence

__________________________________________________
Nome do examinador – Titulação e Instituição a que pertence

__________________________________________________
Nome do examinador – Titulação e Instituição a que pertence

Bebedouro,___de ____________ de 2011


62

APÊNDICE F – Dedicatória
63

Aos meus pais pelo exemplo de vida, dedicação, compreensão e incentivo.

Ao meu esposo pela paciência.

Aos meus queridos filhos, razão do meu viver


64

APÊNDICE G – Agradecimentos
65

AGRADECIMENTOS

Agradeço a Deus pela minha existência, alegria e saúde.


Agradeço a meus orientadores pelo incentivo.

Agradeço aos funcionários da Fafibe.

Enfim, agradeço a todos que colaboraram para a elaboração deste trabalho.


66

APÊNDICE H – Epígrafe
67

“Tudo que faço ou medito.


Fica sempre na metade.
Querendo, quero o infinito.
Fazendo, nada é verdade.”
(PESSOA, 1969, p. 32)
68

APÊNDICE I – Resumo em língua vernácula


69

RESUMO

Este estudo teve como objetivo refletir sobre as possibilidades de


transformação do ensino de saúde coletiva na enfermagem, analisando as
concepções e percepções de docentes, alunos e egressos de um Curso de
Graduação em Enfermagem de uma Universidade do interior paulista. Partiu-se da
historicidade do ensino na sua relação com os diferentes modelos de atenção à
saúde propostos no país: Saúde Pública, Medicina Preventiva, Saúde Comunitária e
Saúde Coletiva. Entende-se Saúde Coletiva como um campo de conhecimento e
práticas em construção, constituído por um vasto conjunto de saberes e
experiências, direcionadas a um novo modo de compreender e fazer saúde na
viabilização do SUS. Nesta perspectiva, a educação em saúde coletiva busca a
formação de sujeitos comprometidos com a transformação de suas práticas e com a
melhoria das condições sócias e de saúde. O material empírico foi obtido a partir de
catorze entrevistas com docentes, alunos e egressos, e de um grupo focal com
docentes. A análise realizada permitiu identificar uma concepção de Saúde Coletiva
como campo amplo, composto por vários conhecimentos, com pouca definição de
limites, evidenciando certa inespecificidade e complexidade no seu entendimento.

Palavras-chave: Enfermagem em saúde coletiva. Enfermagem em saúde pública.


Educação em enfermagem. Recursos humanos em enfermagem.
70

APÊNDICE J – Resumo em língua estrangeira


71

ABSTRACT

The aim of this study was to ponder on the transformation possibilities of the
collective health nursing education. Thus evaluating the concepts and perceptions of
teachers, students and alumni in a university undergraduate nursing course in the
interior of the state of São Paulo. It originated from the authentic facts of teaching in
relation to the different observation models of health tendered in the country (Brazil):
Public Health, Preventive Medicine, Community Health and Collective Health.
Collective Health is understood as an area of knowledge and practices still under
construction, and made up of a vast succession of data and experiences aimed at a
new way of comprehending and generating health, thus constituting SUS. Within this
panorama, collective health education aspires to educate people committed to
transforming their practices and bettering social and health conditions. The empirical
material was obtained from fourteen interviews with teachers, students and alumni
and also with a focal group of teachers. The accomplishment of the analyses allowed
to identify Collective Health conception as an ample area composed of much
Knowledge, undefined limits, attesting to a certain non-specificity and complexity in
what is understood.

Key-words: Public health nursing, Collective health nursing, Nursing education,


Human resourses in nursing.
72

APÊNDICE L – Lista de figuras


73

LISTA DE FIGURAS

FIGURA 1 – Criança prematura ............................................................................ 12


FIGURA 2 – Reanimador manual com manômetro ............................................... 15
FIGURA 3 – Incubadora e material de transporte ................................................. 21
FIGURA 4 – Tenda plástica com umidificação aquecida ..................................... 30
FIGURA 5 – Raio X torácico indicando pneumotórax ........................................... 45
FIGURA 6 – Bomba de extração de leite materno ................................................ 69
FIGURA 7 – Berço protegido da luz parcialmente................................................. 76
74

APÊNDICE M – Lista de tabelas


75

LISTA DE TABELAS

TABELA 1 – Proporção dos domicílios por condição de ocupação....................... 60


TABELA 2 – Produção brasileira de petróleo bruto ............................................... 79
TABELA 3 – Área terrestre brasileira por regiões ................................................. 80
TABELA 4 – Balança comercial do Brasil 2003-2004 ........................................... 81
76

APÊNDICE N – Lista de abreviaturas e siglas


77

LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS

ABEn - Associação Brasileira de Enfermagem


AIS - Ações Integradas de Saúde
LDB - Lei de Diretrizes e Bases da Educação
OMS - Organização Mundial da Saúde
OPAS - Organização Pan-Americana da Saúde
SUS - Sistema Único de Saúde
UBS - Unidade Básica de Saúde
UFSCar - Universidade Federal de São Carlos
78

APÊNDICE O – Lista de símbolos


79

LISTA DE SÍMBOLOS

@ - Arroba
ºC - Graus Celsius
Ω - Ohm
§ - Parágrafo
% - Porcentagem
∑ - Somatória
80

APÊNDICE P – Sumário
81

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO ........................................................................................................ 9
2 A SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO ....................................................................... 11
3 O TRABALHO ACADÊMICO NA ERA MODERNA .............................................. 15
3.1 Estrutura do trabalho acadêmico ................................................................... 20
3.1.1 Capa ................................................................................................................ 23
3.1.2 Folha de Rosto ................................................................................................ 24
3.1.2.1 Frente da Folha de Rosto ............................................................................. 25
3.1.2.2 Verso da folha de rosto ................................................................................ 26
3.1.2.2.1 Ficha catalográfica .................................................................................... 27
3.1.3 Folha de aprovação ......................................................................................... 28
3.1.4 Dedicatória ...................................................................................................... 29
3.1.5 Epígrafe ........................................................................................................... 30
3.1.6 Resumo em língua vernácula .......................................................................... 31
3.1.7 Resumo em língua estrangeira ....................................................................... 32
3.1.8 Lista de figuras ................................................................................................ 33
3.1.9 Lista de tabelas ............................................................................................... 34
3.1.10 Lista de abreviaturas e siglas ........................................................................ 35
3.1.11 Lista de símbolos .......................................................................................... 36
82

APÊNDICE Q – Referências
83

REFERÊNCIAS

HICKMAN JR., C. P. ; ROBERTS, L. S. ; LARSON, A. Princípios integrados de


zoologia. Tradução Antonio Carlos Marques et al. 11. ed. Rio de Janeiro:
Guanabara Koogan, 2004. 846 p.

JANEWAY JR., C. A. et al. Imunobiologia: o sistema imune na saúde e na doença.


5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2002. 777 p.

LEWIN, R. Evolução humana. São Paulo: Atheneu, 1999. 526 p.

NEVES, D. P. Parasitologia humana. 10. ed. São Paulo: Atheneu, 2003. 428 p.

RUPPERT, E. E. ; BARNES, R. D. Zoologia dos invertebrados. 6. ed. São Paulo:


Roca, 1996. 1029, 28 p.
84

APÊNDICE R – Glossário
85

GLOSSÁRIO

Abissal: refere-se a região do fundo das bacias oceânicas


Atol: recife que repousa no cume de um vulcão submerso
Coxa: o item basal de um apêndice de artrópodo
Gânglio: uma agregação de células corporais neuronais
Hidroteca: uma cutícula que envove o hidranto
Mastigonema: um dos muitos ramos laterais finos de alguns flagelos
Nicho: refere-se ao modo de existência ou aos hábitos de vida de um animal
Peniforme: que tem ramos laterais, como uma pena
Subumbrela: superfície oral inferior de uma medusa
Vaso: um pequeno canal sangüíneo tubular