Vous êtes sur la page 1sur 4

Pensamentos sobre o Salmo 22

Por: Edward Acomb De: E. Acomb De: Pensamentos sobre o Salmo 22


Este belo salmo nos abre imediatamente uma cena que para todo cristão deve ser
especialmente preciosa, isto é, "a cruz". Mas então, é a cruz em conexão com a terrível questão
do pecado, e a consequente renúncia de Cristo por parte de Deus. Existem várias maneiras pelas
quais podemos olhar para a cruz e para o Abençoado que ficou pendurado ali - formas que
revelam a plenitude da cena que nunca pode ser esquecida no tempo ou na eternidade.

Existem pelo menos cinco maneiras de ver essa cena. Em primeiro lugar, vemos a expressão da
culpa humana na crucificação do Senhor Jesus Cristo. Do ponto de vista do homem, vemos que é
apenas o desdobramento do coração humano - terrível e desesperada maldade!

Vendo a cruz dessa maneira, vemos o verdadeiro estado de nós mesmos naturalmente. Diz-me o
que eu sou como parte daquela velha criação que falhou em apreciar o Santo Filho de Deus
quando Ele desceu aqui em perfeita graça e amor. O homem mostrou seu desprezo do Cristo de
Deus, colocando-o na cruz como um malfeitor. Oh! Quão terrível é essa revelação do homem -
essa expressão do estado de seu coração. É aqui que vemos que não apenas o fruto da árvore é
corrupto, mas a própria árvore. O homem é essa árvore; uma árvore corrupta não pode dar bons
frutos.

Quando os representantes da família humana levantaram o Filho de Deus sobre a cruz, dizendo:
"Não teremos este homem para reinar sobre nós", o julgamento do homem foi concluído, e o
veredicto do céu foi devolvido - "o todo o mundo permanece culpado diante de Deus ". Ele
agora vê a primeira criação de Adão como algo totalmente arruinado, sob condenação. O Senhor
em vista da cruz havia decidido isso quando Ele disse: "Agora é o julgamento deste mundo" João
12:31 .

Em segundo lugar, podemos ver a cruz como a expressão do ódio e do aparente triunfo de
Satanás. Foi lá que ele feriu o calcanhar da semente da mulher, mas seu aparente triunfo foi
voltar sobre sua própria cabeça na derrota eterna. O julgamento da primeira raça de Adão foi
expresso lá e o fundamento da derrota de Satanás (e seu banimento dos domínios de Deus para
sempre) também foi encontrado lá. Cristo havia dito em vista da cruz, a cena de Seu conflito com
a morte, e Aquele que tinha o poder da morte: "Agora o príncipe deste mundo será expulso"
João 12:31 . A cabeça da serpente estava machucada mesmo no momento de seu aparente
triunfo.Bendito seja Deus, todos os poderes das trevas foram frustrados; cada inimigo de Deus e
homem foi conquistado quando aquele Santo deu a sua testa para os espinhos, suas mãos para
os pregos, e inclinou a cabeça e morreu! No terceiro dia Ele permanece em ressurreição - a
prova de ter vencido a todos. Todo louvor seja ao seu nome inigualável!

Em terceiro lugar, em Cristo indo para a cruz, vemos Seu perfeito amor e obediência expressos
ao Pai. Isso é narrado nas duas escrituras seguintes: "Daqui em diante não falarei muito com
você: porque o príncipe deste mundo vem e nada tem em mim. Mas para que o mundo saiba
que eu amo o Pai e como o Pai me deu o mandamento, assim como eu. Levanta-te, deixa-nos ir
daqui. João 14:30, 31 . "Portanto, quando Ele veio ao mundo, Ele disse: Sacrifício e oferta não
queres, mas um corpo Me preparaste: em holocaustos e sacrifícios pelo pecado não tens
nenhum prazer. Então disse: Eu, eu venho ( no volume do livro está escrito de mim) para fazer
Tua vontade, 0 Deus ". Hebr. 10: 5-7. Desde a manjedoura até a cruz, vemos no bendito Senhor
Jesus uma demonstração contínua de amor e obediência perfeitos ao Pai. Ele era em vida toda
uma "oferta de comida" (Levítico 2), e na morte - aquela morte vista como a expressão de Seu
amor e obediência a Deus - um holocausto perfeito, "uma oferenda ... de um aroma doce até o
Senhor "(Lev. 1). Perfumado com incenso era esse sacrifício, e apreciado por Deus o Pai com
uma apreciação infinita. A cruz, vista desta maneira, foi o ponto culminante do amor e
obediência de Cristo a Deus. Ele não poderia ir mais longe no caminho da auto-rendição - Ele
alcançou o ponto mais baixo possível - a menor profundidade possível! E tudo isso foi por amor
e obediência, para que o mundo soubesse que amava o Pai, e que o coração do Pai pode ser
satisfeito e revigorado por tal expressão de amor e obediência no homem. O primeiro Adão
falhou em amor e obediência; aqui foi uma recompensa por tudo isso, no último Adão. Deus
está satisfeito. "Por isso também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é
sobre todo nome; para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho dos que estão nos céus, e na
terra, e debaixo da terra; e que cada um língua deve confessar que Jesus Cristo é o Senhor, para
a glória de Deus Pai ". para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho das coisas do céu, e da
terra, e debaixo da terra; e que toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor para a glória de
Deus Pai. " para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho das coisas do céu, e da terra, e
debaixo da terra; e que toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor para a glória de Deus
Pai. "Phil 2: 9-11 . Esta é a gloriosa resposta de Deus ao amor e obediência do Seu querido Filho.
Ele desceu para a profundidade mais baixa; agora ele é levantado para a maior altura possível.
Não serão nossos corações exclamar, Ele é digno! Ele é digno!

Em quarto lugar, vemos a cruz como a expressão infinita do amor de Deus para um mundo
culpado. Como está escrito: "Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito,
para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna." João 3:16 . Aqui Deus dá a
conhecer a um mundo culpado o fato de que Ele o ama. Ele mostra-lhes o seu coração! Preciosa
exibição de Deus! Abençoado fazendo conhecer o amor do seu coração! Não foi solicitado, e não
foi merecido, ainda que seu coração seja visto exibindo-se - fluindo no dom de Seu Filho. O
homem indigno é o objeto para o qual este amor é mostrado e para o qual fluiu em toda a sua
plenitude poderosa.

A criação pode mostrar o Seu poder e sabedoria, e a Providência, o Seu beneficio para com as
Suas criaturas, mas é no dom do Seu Filho unigênito que aprendemos a plenitude do Seu amor
para com o homem culpado, perdido e desfeito. Deus, de pé na altura elevada de Seu trono, viu
o homem em sua ruína e miséria, e o amou. Seu querido Filho foi entregue para expressar esse
amor, tão infinito e tão ilimitado. O prazer de Deus desde toda a eternidade foi abandonado
como prova desse amor. O Pai daria aquele companheiro de peito que os pobres pecadores
pudessem saber que Ele os amava. Oh! Quão esmagadora é a idéia de tudo isso - essa
demonstração de amor puro, infinito e imerecido por parte de um Deus ofendido. Que saibamos
o seu poder de ativação abençoado em nossas almas; pode nos obrigar a nos entregar sem
reservas àquele que nos amou até a morte!

A quinta maneira pela qual podemos ver a cruz é como o lugar onde a grande questão do
pecado foi estabelecida entre Deus e Cristo, o substituto do pecador. É vendo a cruz naquela luz
que somos trazidos de volta ao Salmo 22, onde vemos o abençoado Senhor nas circunstâncias
de um portador do pecado.Quão solenes são as palavras iniciais: "Meu Deus, meu Deus, por que
me desamparaste? Por que estás longe de Me ajudar, e das palavras do Meu rugido? 0 Meu
Deus, clamo de dia, mas ouves não, e na estação da noite, e não estou em silêncio ". Poderia
alguma coisa ser mais solene? De toda a eternidade até este momento, não havia nem um
pouco de distância entre Deus e Seu amado Filho, mas aqui tudo foi mudado. Foi: "Por que me
abandonaste?" e não me ouves. Por que essa mudança? O filho tinha vacilado? A alegria do Pai
em Seu Filho diminuiu? Nem. O que então? O pecado estava em questão. Cristo tomou o lugar
do pecador; pecados e iniqüidades foram colocados sobre ele; Ele deve ser tratado como o
pecador (substitucional), e até que Deus foi glorificado com respeito ao pecado,

Que nenhum por um momento suponha que o deleite de Deus em Seu Filho tenha diminuído no
menor grau; isso nunca poderia ser. Mas antes, enquanto o pecado estava em Seu Filho, a
própria santidade de Sua natureza exigia uma suspensão da comunhão e uma distância entre
eles. É aqui que aprendemos a verdadeira natureza e os desertos do pecado - o que é em si
mesmo e o que era necessário para guardá-lo.

Quando falamos em distância entre Deus e o bendito Senhor na cruz, não era que houvesse algo
nele para causar essa distância. Não, ele era enfaticamente "o Santo e o Justo". Ele não conhecia
pecado pessoalmente. Foi o pecado que foi imputado a Ele, e as iniquidades foram colocadas
sobre Ele, o que causou a distância. Ele tomou voluntariamente o lugar da infinita distância
moral que pertencia ao pecador, e ficou sujeito à ira e julgamento de Deus.

Esse é o assunto do Salmo 22 - não que o homem não seja visto, mas Deus é mencionado em
todo lugar - tudo é recebido como Dele. Os touros podem assombrá-lo, e os cães podem
envolvê-lo, mas ele recebe a morte nas mãos de Deus: "E tu me trouxeste ao pó da morte." O
homem fez o seu pior com o Cordeiro de Deus, mas quanto à expiação, o homem não estava na
cena exceto como um espectador sem poder para compreender o que estava acontecendo.
Nessas três horas de escuridão, ninguém a não ser Deus e Aquele que sofreu pode dizer o que
foi suportado.

Era isso que o Abençoado estava contemplando enquanto se prostrava no jardim do Getsêmani.
Ele estava antecipando o que Ele aqui é visto como duradouro. Lá, a sombra escura da cruz e os
contornos daquela taça passaram diante Dele, que O trouxeram em profunda agonia de alma;
aqui, no entanto, Ele está sobrecarregado nos horrores do julgamento e da ira encontrados
naquela amarga taça. Sozinho, a uma distância infinita de Deus, e envolto em trevas
impenetráveis, experimentou as desgraças indescritíveis do poço mais baixo, sua escuridão, sua
profundidade. A ira de Deus caiu sobre ele. Ele foi afligido com todas as Suas ondas. A ira feroz
de um Deus que odeia o pecado passou por ele. Seus terrores o cortaram. (Salmo 88.) Foi então
que se cumpriram as palavras que diziam: "Profundo clama ao ruído de Tuas bicas: todas as tuas
ondas e tuas vagas se foram sobre mim.Salmo 42: 7 . Tal era a santidade de Deus, e tal era o ódio
de Deus pelo pecado, que nada menos que isso pudesse pôr de lado e abrir caminho para a
bênção da salvação fluir para longe e para perto. Reivindicações infinitas precisavam de um
sacrifício infinito para enfrentá-las. Isso foi feito quando o humilde Senhor Jesus Cristo se
colocou no altar da oferta pelo pecado do Calvário. Lá o pecado foi perfeitamente expiado e
posto de lado; a maldição de uma lei quebrada foi suportada; a justiça de Deus foi satisfeita; o
trono, majestade e glória de Deus foram todos vindicados. Lá Deus foi infinitamente glorificado
com relação ao pecado, a necessidade do homem perfeitamente satisfeita e a base estabelecida
para o justo realizar todos os propósitos de Deus.

Centres d'intérêt liés