Vous êtes sur la page 1sur 16

104

ARTIGO

Escavações no
Sítio LII-29,
Sambaqui de
Sereia do Mar
Gustavo Peretti Wagner1
1- Arqueólogo, Dr STRATA - Consultoria em Arqueologia e Patrimônio Cultural.
arqueologia.strata@gmail.com
105

Resumo:
As escavações no Sambaqui de Sereia do
Mar caracterizam uma tentativa de reconhe-
cer as estruturas arqueológicas internas des- Abstract:
te tipo de sítio arqueológico na Barreira da Excavations at Sambaqui (shell-mound)
Itapeva, litoral norte do Rio Grande do Sul. Sereia do Mar featuring an attempt to recog-
O método de escavação empregado ocorreu nize the internal structures of this type of ar-
através de níveis artificiais com 5cm em uma chaeological site on the Itapeva barrier, nor-
área total de 18m2. O sítio é basicamente for- thern coast of Rio Grande do Sul. The
mado por valvas de Mesodesma mactroides excavation method was applied by artificial
(Deshayes, 1854). Não foram identificadas levels of 5cm in an area of 18m2. The site is
evidências de estruturas de habitação nem basically made ​​up of valves of Mesodesma
sepultamentos. Os artefatos encontrados mactroides (Deshayes, 1854). None evidence
caracterizam-se por contas de colares e pin- of housing structures or burials was detected.
gentes em ossos e conchas, bem como per- The artifacts found are characterized by bea-
cutores, lâminas de machados semi-polidas, ds and pendants collar made of bones and
bigornas e placas polidas líticas. Ocorreram shells, as well as hammerstones, semi-poli-
também lascas térmicas e lascas de prepara- shed axe blades, anvilstones and polished li-
ção de instrumentos. As matérias primas lí- thic-slabs. Were also found flakes and ther-
ticas selecionadas compõe-se de basalto, mal flakes. The lithic raw-material selected is
diorito e o diabásio. composed of basalt, diorite and diabase.

Palavras-chave: Sambaqui, Barrei- Keywords: Sambaqui (shell-mound),


ra da Itapeva, Escavação. Itapeva barrier, excavation.

REVISTA DE ARQUEOLOGIA Volume 21 - N.2: 104-119 - 2012


106

Introdução lado, a proximidade da malha urbana condi-


As atividades de pesquisa realizadas nos cionou a progressiva destruição, seja pela
sambaquis do litoral norte do Estado do Rio retirada das camadas conquiológicas para
Grande do Sul foram desenvolvidas no âm- pavimentação urbana, seja pela retirada das
bito do Projeto “Memória, Paisagem e de- camadas húmicas para floricultura e jardi-
senvolvimento Regional, Pesquisas Arqueo- nagem locais. Neste sentido, considera-se
lógicas, Históricas e Educação Patrimonial aqui que toda a arqueologia acadêmica a ser
no Litoral Norte, RS” ao qual este autor este- desenvolvida em áreas em urbanização deve
ve vinculado entre os anos de 2009 e 2011 na ser empreendida sob a ótica da arqueologia
qualidade de pós-doutorando CAPES- de salvamento (no sentido dado por Adkins;
-PNPD, sob orientação do prof. Dr. Klaus Adkins, 1982; Barker, 1982). A situação to-
Peter Kristian Hilbert. pográfica do Sereia do Mar difere dos sítios
O presente trabalho se caracteriza como do entorno, pois encontra-se em terreno
uma síntese das escavações realizadas no sí- plano, não configurando uma elevação em
tio LII-29 Sambaqui de Sereia do Mar, no forma de domo. Presumiu-se que seu soter-
qual buscou-se a identificação das estruturas ramento por processos eólicos poderia indi-
arqueológicas que compõem suas camadas car maior preservação das estruturas inter-
em uma perspectiva sincrônica, uma vez que nas às camadas, bem como maior
a composição estratigráfica e a sequência antiguidade, presunção, esta última, não
cronológica dos sambaquis da Barreira da confirmada, pois o Sambaqui de Sereia do
Itapeva já haviam sido satisfatoriamente elu- Mar revelou-se, para surpresa da equipe, o
cidadas em Wagner (2009a). O objetivo mais mais recente de todos os sambaquis da Bar-
específico das escavações neste sítio consis- reira da Itapeva.
tiu na evidenciação de possíveis unidades
habitacionais. A tentativa foi impulsionada ARQUEOLOGIA DOS SAMBAQUIS NO
pelos trabalhos no Sambaqui de Xangri-Lá RIO GRANDE DO SUL
(Kern, 1985) onde marcas de estacas no for- Os sambaquis foram alvo de interesse das
mato de trempes circundavam fogueiras, no primeiras pesquisas arqueológicas desenvol-
Sambaqui de Itapeva (Kern, 1984; Kern; La- vidas no País, empreendidas por naturalistas
Salvia; Naue, 1985; Thaddeu, 1995), onde com formação no exterior, ou eruditos brasi-
inúmeras marcas de postes estavam distribu- leiros e estrangeiros encorajados por iniciati-
ídas aleatoriamente, impedindo a compreen- vas e financiamento Imperiais (Souza, 1991).
são clara da morfologia das habitações e, por Como reflexo do contexto histórico da pes-
fim, no Sambaqui do Recreio (Wagner, quisa científica brasileira, a pré-história do
2009a), onde fogueiras foram identificadas, sul do País passou a ser alvo de interesses já
mas nenhuma marca de estaca ou poste nas décadas finais do século XIX.
acompanhava estas estruturas. As primeiras intervenções conduzidas
A escolha do Sambaqui de Sereia do Mar em sambaquis no litoral do atual Estado do
para escavação deu-se em razão da logística Rio Grande do Sul são creditadas a Ladisláu
de campo, pelo risco de sua eminente des- Netto, que escavou os sambaquis da antiga
truição e por sua situação topográfica. A Vila de Torres antes de meados da década de
proximidade da malha urbana permitiu a 1870.
fácil acomodação das equipes durante as Ao longo de mais de um século de pes-
três campanhas de escavação. Por outro quisas, o ritmo e intensidade das atividades

Escavações no Sítio LII-29, Sambaqui de Sereia do Mar Gustavo Peretti Wagner


107

foram extremamente variados. Contudo, as cílio Barbedo, a qual correspondia diversos


temáticas estudadas não acompanharam objetos coletados nos sambaquis de Torres,
esta variabilidade, concentrando-se intensa- incluindo três objetos zoomorfos, sendo
mente na origem dos depósitos, em suas re- dois líticos e um ósseo (estampa IV, figs. 8, 9
lações com as transformações no ambiente e e 13, no original).
nas foras de exploração do meio. De forma Ihering (1904) faz referência a um ca-
ampla, é possível estabelecer quatro perío- chimbo tubular da coleção dos irmãos Bar-
dos em que se desenvolveram as pesquisas: bedo procedente do sambaqui das Pombas,
1- entre 1884 e 1937, 2- década de 1950 ao nas proximidades de Tramandaí. Ao descre-
ano de 1970, 3- década de 1980 e 4- década ver as lagoas do Estado, Roquette-Pinto
inicial de 2000. (1970[1906]) menciona a Lagoa, situando-a
A década de 1880 pode ser considerada nas proximidades da Lagoa do Armazém.
precursora nos estudos, momento em que Em 1906 Edgard Roquette-Pinto, como
os eruditos Theodor Bischoff e Karl von Ko- emissário do Museu Nacional, realizou o re-
seritz publicaram trabalhos pioneiros. Kose- conhecimento e escavação dos sambaquis
ritz (1884a, 1884b) localizou e estudou di- da região das lagoas do litoral norte, estabe-
versos sítios litorâneos, reunindo uma lecendo uma primeira distinção entre os
coleção reconhecida nacionalmente pela sambaquis propriamente ditos e os Kjo-
diversidade de objetos. Os sambaquis men- ekkenmoeddings. As pesquisas concentra-
cionados pelo autor correspondem à antiga ram-se nas margens do Arroio do Sal e na
Conceição do Arroio e Tramandaí (Kose- antiga Vila de Torres. Noticia a existência de
ritz, 1884b). um concheiro fluvial no Capão do Quirino,
Em 1887 Theodor Bischoff publicou, em “...onde existe um sambaqui em pequenas
língua alemã, suas pesquisas sobre os sam- colinas arenosas, cobertas de mato alto. Só
baquis do Estado, tendo sido traduzidas à encontrei conchas gênero Bulimus; nada
língua portuguesa três décadas mais tarde mais.” (Roquette-Pinto, 1970[1906]: 26).
(Bischoff, 1928). Informa sobre a existência Rudolf Gliesch (1925) realizou estudo
de grandes sambaquis em Torres, mas não sistemático a respeito da fauna de Torres,
desenvolve o tema, concentrando suas esca- onde publicou esparsas considerações sobre
vações na região dos lagos dos atuais muni- os sambaquis, apresentando, contudo, o
cípios de Cidreira e Tramandaí. Naqueles único registro fotográfico de um sepulta-
sítios foram encontradas grandes concen- mento em sambaquis no Estado. Gliesch
trações de artefatos cerâmicos e, inclusive, (1932) posicionou-se quanto à intensa dis-
objetos do período histórico. cussão sobre a origem dos sambaquis que se
Ihering (1895) identifica diversos tipos desenvolvia em âmbito nacional desde o sé-
de objetos vinculados aos sambaquis do lito- culo anterior, considerando-os naturais.
ral de Torres, Cidreira e Tramandaí, desta- A contribuição do arqueólogo argentino
cando lâminas de machado bolas de bolea- Antonio Serrano marca o final de um pri-
deira e itaizás, enfocando o crescimento da meiro período de intensas pesquisas nos
porção emersa do litoral distanciando os sambaquis do Estado. Serrano (1937) sinte-
sambaquis do oceano. tizou os dados disponíveis, consultou e des-
Paldaof (1900) limita-se à descrição de creveu as principais coleções existentes pro-
uma grande coleção reconhecida nacional- pondo um quadro geral explicativo para o
mente, reunida pelos irmãos Alfredo e Ota- povoamento indígena da região. Brochado

REVISTA DE ARQUEOLOGIA Volume 21 - N.2: 104-119 - 2012


108

(1969) dá destaque à contribuição de Serra- (1966[2003]). Como marco final deste perí-
no e atribui a ele o papel de redirecionar as odo coloca-se o primeiro trabalho de Arno
pesquisas arqueológicas, deslocando o foco Kern no litoral norte, que retomou o estudo
das atenções de forma pioneira para as con- das coleções tornando pública a existência
tribuições etnográficas, redirecionando a de zoólitos e diversos instrumentos de ele-
Arqueologia da região meridional do Brasil. vado apreço estético da coleção Max Ode-
O litoral norte tornou a ser alvo do inte- rish (Kern, 1970).
resse arqueológico apenas com as atividades A década de 1970 foi marcada pelo com-
de Ascânio Ilo Frediani (1952) que escavou pleto abandono das pesquisas arqueológicas
três sambaquis em Torres, os quais conside- na região de Torres-Tramandaí e, por conse-
rou Kjoekkenmoeddings (no sentido dado quência, em sambaquis. Foi apenas na pri-
por Roquette-Pinto, 1970[1906]; Serrano, meira metade dos anos 1980 que escavações
1937) Presenciou a definitiva destruição dos sistemáticas foram empreendidas nos Sam-
sítios pela ampliação da malha urbana do baquis de Itapeva e Xangri-lá (Kern, 1984,
município. 1985, 1997; Kern; Lasalvia; Naue, 1985; San-
No final dos anos 1950 Pedro Ignácio tos, 1985; Tocchetto, 1987; Jacobus; Gil,
Schmitz (1958) relata a presença de acúmu- 1987; Vietta, 1988; Gazzaneo; Jacobus;
los de conchas em sítios situados às margens Momberger, 1989; Thaddeu, 1995; Rosa,
do rosário de lagoas do litoral norte, asso- 1996; Jacubus, 1996, 1997).
ciados à grande multiplicidade de artefatos, Ocorreram ainda levantamentos ao lon-
incluindo objetos Guarani, Taquara, Umbú go das lagoas do litoral norte, realizados por
e coloniais. Jussara Becker, cujos resultados foram par-
A primeira tentativa de síntese sobre a cialmente publicados até o momento (Be-
formação geológica da planície costeira do cker, 2007, 2008). Ainda na década de 1970,
Rio Grande do Sul deve-se a Delaney (1965), Pedro Ribeiro registrou três sítios arqueoló-
momento em que diversos sítios arqueológi- gicos na região de Balneário Atlântico, re-
cos foram mapeados. Na área de ocorrência gião norte do município de Arroio do Sal,
dos sambaquis, os sítios encontrados con- bem como noticiou a existência de um zoó-
centraram-se nas imediações do Rio Mam- lito no Sambaqui de Xangri-lá (Ribeiro,
pituba. 1982).
Com a implantação do Programa Nacio- A década inicial dos anos 2000 é caracte-
nal de Pesquisas Arqueológicas (PRONA- rizada como o estágio atual de desenvolvi-
PA), entre 1965 e 1970, intensificaram-se os mento da arqueologia dos sambaquis no li-
levantamentos e prospecções em todo o Es- toral do Rio Grande do Sul. Os trabalhos
tado, principalmente na região nordeste e desenvolvidos por Wagner (2004) permiti-
no litoral norte. Naquele período Eurico ram a re-localização de sítios descobertos
Miller localizou uma dezena de sambaquis nos anos 1960. O ano de 2006 é marcado
na margem leste das lagoas dos Quadros, do pelo início do projeto “Arroio do Sal: a ocu-
Passo e Itapeva, nos atuais municípios de pação indígena pré-histórica no litoral norte
Osório, Xangri-lá, Capão da Canoa e Ma- do Rio Grande do Sul” desenvolvido pela
quiné (Miller, 1967, 1969, 1974). equipe do IAP/UNISINOS (Rogge; Schmitz;
Enquadram-se ainda neste período as Rosa, 2007; Rogge; Schmitz, 2010). O muni-
tentativas de sínteses realizadas por Miguel cípio destaca-se pela iniciativa preservacio-
Bombim (1964-1965) e Ruy Ruben Ruschel nista que o caracteriza como uma reserva de

Escavações no Sítio LII-29, Sambaqui de Sereia do Mar Gustavo Peretti Wagner


109

pesquisa científica, salvaguardando os prin- O SÍTIO E AS CAMPANHAS DE ESCA-


cipais sambaquis atualmente existentes na VAÇÃO
região. O LII-29 está localizado na porção central
Entretanto, foi apenas com o desenvolvi- da Barreira da Itapeva, Balneário Sereia do
mento posterior de atividades conjuntas de Mar, município de Arroio do Sal (ver figura
campo e gabinete que foi disponibilizada a 01). Dista apenas 750m da atual linha de cos-
sistematização completa das informações ta, situada a leste do sítio, possuindo uma ex-
acerca dos sambaquis do litoral norte do Es- tensa área alagada, na forma de um banhado,
tado (2009a, 2009b). Estas pesquisas estão 200m a oeste do sambaqui. Inicialmente
correlacionadas ao projeto “Arqueologia do imaginou-se tratar de uma paleolagoa, atual-
Litoral Norte do Rio Grande do Sul”, desen- mente colmatada, em estágio final do proces-
volvido em conjunto com a equipe do so evolutivo “laguna-lagoa-pântano-turfa” já
CEPA/PUCRS. descrito em Tomazelli; Willwock, (1991).
Contudo, o con-
Sambaqui 14
Datação C Procedência Coordenada Coordenada Município Fonte tato com os mo-
Estratigráfica Oeste Sul
radores locais
Itapeva 3.130 ± 40 Base 620357 6748814 Torres Wagner
(2009a) possibilitou a in-
Recreio 3.350 ± 50 Camada I 617757 6745799 Torres Wagner formação de que
(2009a)
o referido acú-
Recreio 3.540 ± 50 Camada IV - - Torres Hilbert
(2010) mulo de água é
Dorva 1.110 ± 40 73cm - Base 608725 6744413 Três Cachoeiras Wagner decorrente da
(2009a)
Arroio Seco 3.310 ± 40 Base 614713 6741510 Arroio do Sal Rogge;
abertura de ca-
Schmitz nais para drena-
(2010)
Figueira 3.660 ± 40 Base 612317 6738438 Arroio do Sal Rogge;
gem dos campos
Schmitz
(2010) de criação animal
Marambaia 3.050 ± 40 Camada 13- 605629 6728013 Arroio do Sal Rogge; situados às mar-
Base Schmitz
(2010) gens da Lagoa da
Sereia do Mar 2.360 ± 60 35cm - ? 605650 6727518 Arroio do Sal - Itapeva.
Camping 3.420 ± 60 Camadas III 601446 6721581 Arroio do Sal Wagner
e IV (2009a)
Topografica-
mente o sítio não
Tabela 1- Cronologia dos sambaquis do litoral norte do Rio Grande do Sul.
apresenta a habi-
tual feição cupu-
As pesquisas daquelas instituições per- liforme configurando, superficialmente,
mitiram a construção de um quadro crono- uma plataforma de valvas de moluscos abso-
lógico (ver tabela 01), permitindo a avalia- lutamente plana. Em contraste aos demais
ção do processo de povoamento das sambaquis da região que situam-se em meio
populações pescadoras-coletoras na Barrei- a campos de dunas eólicas ativas ou em pro-
ra da Itapeva. cesso de fixação e, em especial, ao Sambaqui
Atualmente as pesquisas em sambaquis da Marambaia, distante apenas 500m para
da região setentrional da costa sul-rio-gran- nordeste, o Sereia do Mar encontra-se meio
dense são marcadas pelas atuações conco- a um manto de dispersão eólica. A camada
mitantes do CEPA/PUCRS e IAP/UNISI- arqueológica em Sereia do Mar encontra-se
NOS, dando continuidade aos projetos a 2.80m abaixo da camada do sítio de Ma-
iniciados há cerca de meia década. rambaia e, a associação das condições refe-

REVISTA DE ARQUEOLOGIA Volume 21 - N.2: 104-119 - 2012


110

Figura 1 - Mapa do litoral norte do Rio Grande do Sul apresentando as localizações dos sambaquis
datados na Barreira da Itapeva. Base cartográfica: CNPM-EMBRAPA, SH-22-X-C-V (1:100.000).

ridas, conduziu a equipe a atribuir maior sa intensiva. A camada arqueológica atingiu


antiguidade ao LII-29, hipótese não confir- 75cm de profundidade média, quando fo-
mada pelo posterior resultado da datação ram interrompidas e apenas sondagens rea-
radiocarbônica. lizadas nas extremidades noroeste e sudeste
A área total de dispersão das valvas de ultrapassaram esta profundidade.
moluscos e artefatos arqueológicos mede O método de escavação empregado ba-
65m no sentido noroeste-sudeste e 55m no seou-se no estabelecimento de níveis artifi-
sentido nordeste-sudoeste, embora a área de ciais de 5cm de espessura em unidade de 1m2
maior concentração resuma-se a 20m x dispostas em grid. As unidades métricas e
20m. No interior desta área foi estabelecida centimétricas foram utilizadas para o registro
a escavação em uma superfície de 6m no das secções verticais e horizontais sendo as
sentido noroeste-sudeste e 3m no sentido escalas 1:10cm aplicadas às plotagens hori-
nordeste-sudoeste. Foram realizadas três zontais de artefatos e feições de todos os ní-
campanhas de escavações no sítio empreen- veis em todas as unidades de escavação (qua-
didas entre 5 e 20 de Dezembro de 2010, 16 drículas) e 1:20cm utilizadas no registro dos
e 30 de Janeiro de 2011 e 10 e 25 de Julho de perfis verticais de toda a área de escavação.
2011. Os trabalhos de campo totalizaram 47 Toda a metodologia de escavação e registro
dias, somando mais de 370 horas de pesqui- de campo foi baseada em Barker (1982).

Escavações no Sítio LII-29, Sambaqui de Sereia do Mar Gustavo Peretti Wagner


111

Todo o material arqueológico, conquioló- das por estratos arenosos estéreis arqueolo-
gico e sedimento escavados foi peneirado em gicamente (cf. Kern, 1984; Wagner, 2009a).
peneiras de malha 3mm com ajuda de tan- O sambaqui de Sereia do Mar, a exemplo
ques de decantação, onde as peneiras eram dos demais sítios da região, apresenta uma
descansadas para a precipitação do sedimen- camada arqueológica com 75cm de espessu-
to e permanência dos demais componentes ra máxima. A observação em campo dos
da estratigrafia do sítio. Todo o material foi perfis sudoeste e nordeste indica a remoção
triado em campo e acondicionado preservan- da parte superior do sítio, uma vez que há
do cada nível artificial de cada uma das qua- estreitas camadas de conchas que inclinam-
drículas. a numeração e catalogação foi ini- -se em direção à superfície e são abrupta-
ciada apenas em laboratório. mente interrompidas (ver figura 02), não
apresentando o princípio básico da conti-
COMPOSIÇÃO ESTRATIGRÁFICA E nuidade lateral (no sentido dado por Harris,
CONTEÚDO CULTURAL 1991). A perturbação recente do sítio está
A despeito do caráter monumental con- igualmente representada nas seções verti-
ferido a alguns sítios dos estados de Santa cais do vértice nordeste-noroeste, onde uma
perturbação (abertura de um
buraco para enterro de lixo –
sacola plástica) encontra-se
sotoposta a um fino pacote de
areia eólica clara na qual um
estrato de 2cm de material
conquiológico a 8cm da super-
fície selou a perturbação an-
trópica, indicando a dispersão
eólica extremamente recente
do material aflorante do sítio.
A mesma composição foi
identificada em uma sonda-
gem de 16m2 realizada no inte-
rior da área demarcada (40m x
Figura 2 - Área de escavação: à esquerda, secção nordeste onde pode ser per- 40m) situada a 15m para sudo-
cebida a perda da continuidade lateral das camadas de topo do sítio, ao fundo
secção sudeste. Fotografia: do autor. este da área de escavação, onde
o mesmo estrato centimétrico
Catarina e Paraná, onde chegam a atingir de conchas, a 4cm de profundidade, no inte-
30m de altura, aspecto já destacado em Wie- rior de um pacote de areias eólicas sobre-
ner (1876) e retomado em DeBlasis et al., põe-se a fragmentos de telhas esmaltadas
(1998), os sambaquis do Rio Grande do Sul (segunda metade do século XX), situadas a
não ultrapassam 2m. Os sítios da barreira da 44cm de profundidade.
Itapeva situam-se sobre dunas, e suas altitu- As secções verticais de Sereia do Mar in-
des não correspondem à espessura da cama- dicam três pontos de perturbações na estra-
da arqueológica que, invariavelmente, com- tigrafia do sítio: 1) vértice noroeste onde
põe-se de unidades estratigráficas de uma cavidade de 30cm de diâmetro foi feita
proporções não superiores a 1m intercala- para enterrar uma sacola plástica com lixo a

REVISTA DE ARQUEOLOGIA Volume 21 - N.2: 104-119 - 2012


112

35cm de profundidade, 2) perfil sudoeste, se fazem presentes e concentram as ativida-


próximo ao perfil sudeste onde um buraco des de descarte e construção da camada de
de 120cm foi aberto até a base da camada de conchas propriamente dita.
conchas, a 55m de profundidade, dentro do No setor sudeste a estratigrafia apresenta
qual um fragmento de “argola de pedra” foi uma sucessão de três camadas de coloração
enterrado e, 3) no perfil nordeste, em frente castanho-escuras enegrecidas pela concen-
ao anterior, outro buraco com 65cm de lar- tração de cinzas e carvão intercaladas por
gura foi encontrado, desta vez, com profun- apenas duas camadas conquiológicas alcan-
didade de 40cm. A primeira vista parece çando, todas elas, apenas 38cm de espessura
evidente tratarem-se estes dois últimos uma (ver figuras 02 e 03). No topo do perfil há a
mesma perturbação que teria atravessado presença tênue do paleosolo, indicando, tal-
toda a área de escavação na forma de uma vez, que nesta extremidade do sítio não tenha

Figura 3 - Porção sul da secção sudeste, proximidade do vértice sudeste-sudoeste da área escavada.

trincheira. Contudo, a escavação demons- ocorrido a remoção das camadas. Nesta a to-
trou tratarem-se de duas intervenções loca- nalidade enegrecida se faz bem mais sutil
lizadas e diferentes. quando comparadas às inferiores. Contudo,
Estratigraficamente o sítio parece ter duas o paleosolo presente na extremidade noroes-
áreas de composições bastante diversas: 1) te do sítio é estéril arqueologicamente o que
setor sudeste onde as camadas de conchas coloca em dúvida a integridade do topo do
são estreitas e a concentração de carvões em setor acima descrito. A datação radiocarbô-
unidades estratigráficas terrígenas forma ca- nica realizada (ver tabela 01) corresponde a
madas que intercalam-se às conquiológicas carvões coletados em uma fogueira com es-
sucessivamente no perfil e, 2) setor noroeste pessura de 10cm, presente entre os níveis 25-
onde as camadas de sedimentos escuros não 30cm e 30-35cm situada na base deste perfil,

Escavações no Sítio LII-29, Sambaqui de Sereia do Mar Gustavo Peretti Wagner


113

no vértice dos perfis sudeste e nordeste. Na encontradas ainda algumas poucas carapa-
base do perfil, separada do pacote de cama- ças do gênero Megalobulimus sp. queima-
das superiores por um estrato de areia estéril das e parcialmente fragmentadas indicando
com 20cm de espessura, ocorre uma camada claramente seu consumo. Pingentes de co-
centimétrica de tonalidade castanha clara lar foram confeccionados em conchas das
sem a presença de valvas ou carapaças de espécies Olivancillaria urseus (Röding,
moluscos, contendo apenas ossos de peque- 1798) e Olivancillaria vesica (Gmelin, 1791)
nos peixes (muito decompostos), um chifre e, para surpresa da equipe, em carapaças de
de cervídeo, seixos e blocos tabulares de ba- um molusco terrestre Drymaeus henselii
salto. Esta camada, infelizmente, não foi da- (Bulimulidae) pela primeira vez encontra-
tada por C14. do nos sambaquis da Barreira da Itapeva.
Destaca-se que as estruturas de cocção Os ossos de peixes queimados caracteri-
de alimentos presentes apenas neste setor zam-se basicamente como vértebras, otóli-
são evidenciadas pela presença de moluscos tos, pré-maxilares, placas de neurocrânios e
calcinados, ossos de peixes e artefatos líti- nadadeiras caudais, indicando que os pei-
cos. Os moluscos correspondem a carapa- xes eram assados inteiros. Os ossos apre-
ças de gastrópodes calcinados de propor- sentam pequenas proporções sugerindo a
ções médias Olivancillaria urseus (Röding, preferência por pesca com rede. Ossos de
1798), Olivancillaria auricularia (Lamarck, mamíferos foram encontrados apenas neste
1811) e Olivancillaria vesica (Gmelin, setor e compõem-se de cetáceos, inclusive
1791), mas, sobretudo espécies gastrópodes estruturados no entorno de uma mancha de
de pequenas proporções como Olivancilla- carvões e cinzas, delimitando-a, e uma epí-
ria carcellesi (Klappenbach, 1965) e Olivan- fise fragmentada da perna de um cervídeo
cillaria contortuplicata (Reeve, 1850) estas, (nível 15-20cm).
raramente foram encontradas no concheiro Junto às estruturas de combustão con-
propriamente dito (setor noroeste). Foram centram-se os objetos líticos do LII-29. Ca-
racterizam-se como lascas de
preparação de instrumentos,
lascas de destacamentos tér-
micos, lascas polidas, núcleos,
percutores, bigornas, placas
polidas, um fragmento de
“itaizá” e lâminas de machado
parcialmente polidas sem en-
talhes para encabamento. As
matérias primas seguem os pa-
drões encontrados em samba-
quis do sul do Brasil, sendo
utilizados o basalto, o diorito e
o diabásio. Não há, até o mo-
mento das pesquisas, indícios
Figura 4 - Setor noroeste da área de escavação apresentando a concentração do uso de quartzo ou calcedô-
de conchas e, ao fundo, perfil noroeste evidenciando a presença do paleosolo
sobre o concheiro.
nia nos sambaquis da Barreira
da Itapeva.

REVISTA DE ARQUEOLOGIA Volume 21 - N.2: 104-119 - 2012


114

Junto às estruturas de combustão e coc- todo o perfil a partir de 20cm de profundida


ção foram por vezes encontradas manchas e, por consequência, estimulou a abertura
de tonalidades vermelhas interpretadas de uma sondagem para testar a extensão e
como concentrações de óxido de ferro. Da profundidade do solo fora da área do sítio.
mesma forma, foram encontradas em todas Neste setor do sítio concentraram-se as
as quadrículas da área escavada, concreções atividades de descarte das carapaças e valvas
ferruginosas em nódulos. Imaginou-se ini- de moluscos bem como a construção da ca-
cialmente que poderiam tratar-se de estru- mada conquiológica em si. O pacote relati-
turas mortuárias (nunca escavadas nos sam- vamente homogêneo compõe-se de conchas
baquis do Estado), mas o prosseguimento muito trituradas de Mesodesma mactroides
da escavação não confirmou a hipótese. O (Deshayes, 1854), com ocorrência bastante
fato de nenhuma concreção apresentar mar- diminuta (e melhor preservadas) de outras
cas de raspagem, acrescido de sua dissemi- espécies como Donax hanleyanus (Philippi,
nação em todas as áreas do sítio, em con- 1847), Pachycymbiola brasiliana (Lamarck,
traste com as manchas, sugere tratar-se de 1811), Mactra isabelleana (d’Orbigny, 1846),
um fenômeno pós-deposicional, associado à Amiantis purpurata (Lamarck, 1818) e Ton-
tafonomia da camada arqueológica. Corro- na galea (Linaeus, 1758) além das demais
borando esta interpretação há a presença de espécies já descritas para o perfil sudeste.
manchas ferruginosas recapeando concen- Esta camada estende-se até a profundidade
trações de cinzas e aglutinando-se sobre de 75cm e possui camadas centimétricas de
conchas e ossos, cimentando grânulos de sedimentos mais escurecidos com carvões,
areia sobre estes materiais carbonáticos. sugerindo atividades pontuais e episódicas
Sugere-se que os horizontes de cinzas te- de queimadas que teriam recoberto toda a
nham atuado na retenção da unidade que área do concheiro. Neste setor do sítio não
migra por percolação através dos sedimen- há estruturas de combustão como as descri-
tos arenosos em períodos de pluviosidade, tas para o setor sudeste, há apenas o acúmu-
condicionando a oxidação do Fe2 e posterior lo de conchas variadas estando, por vezes
fixação. Tendo em vista a existência de um articuladas e fechadas (para os casos dos
paleosolo húmico sobre o sítio (horizonte bivalves). Também não há objetos líticos,
pedológico A) torna-se provável que o paco- salvo raras exceções. Encontram-se ossos de
te arqueológico como um todo tenha, em peixes, principalmente as vértebras e neuro-
algum momento do passado, se constituído crânios, pouquíssimos otólitos. De caráter
em horizonte B e, sendo característico deste excepcional foi a documentação de uma
horizonte a retenção de minerais transpor- “couraça” inteira de uma corvina (Micropo-
tados verticalmente de A, é plausível o cará- gonias furnieri) não assada, que foi encon-
ter tafonômico das ocorrências tanto das trada ainda com as escamas e otólito, mas
manchas quanto dos nódulos. sem qualquer outro osso.
No setor noroeste a estratigrafia apresen- A abertura da sondagem de 16m2 referi-
ta dois pacotes básicos: 1) o paleosolo e 2) o da anteriormente foi motivada pela avalia-
concheiro em si (ver figura 04). ção de um estrato de sedimentos arenosos
Foi no limite noroeste da área de escava- de tonalidade castanha, interpretada pela
ção onde o paleosolo anteriormente men- equipe como um paleosolo, que se fez pre-
cionado se fez presente de forma mais didá- sente no perfil noroeste. Estas mesmas ca-
tica estendendo-se longitudinalmente por madas encontram-se em outros sambaquis

Escavações no Sítio LII-29, Sambaqui de Sereia do Mar Gustavo Peretti Wagner


115

indica a formação bastante


posterior desta camada, suge-
rindo diversos episódios de
edafisação ao longo do Holo-
ceno Recente.
Tendo em vista que o pelo-
solo fez-se presente na seção
noroeste do sítio, sobre a ca-
mada de conchas propriamen-
te dita, a equipe passou a deca-
par a camada (em uma área de
6m2), até a exposição da super-
fície do Sereia do Mar pois, se
esta corresponderia a um solo
Figura 5 - Exposição da camada arqueológica de topo do Sambaqui de Sereia do passado, selado pela ação
do Mar demonstrando a horizontalidade do paleosolo, demonstrando incomple- eólica, seria possível a localiza-
tude dos estratos superiores.
ção de estruturas arqueológi-
cas contemporâneas ao térmi-
da Barreira da Itapeva (cf. Wagner, 2009a) e no da ocupação do sítio, preservadas das
as atividades de escavação em Sereia do Mar ações destrutivas recentes. Para surpresa da
consistiram em boa oportunidade para uma equipe, a camada de conchas mergulhava
compreensão mais clara dessa ocorrência no abruptamente sob o paleosolo, enquanto
litoral norte do Estado. No Sambaqui do Re- este possuía, no topo, orientação horizontal
creio o paleosolo encontrava-se no topo do (ver figura 05). Nenhuma estrutura foi en-
sítio, associado à datação de 3.350 ± 50 A.P. contrada no interior do paleosolo e, no con-
No Sambaqui da Figueira, o mesmo solo foi tato deste com a superfície do sambaqui fo-
encontrado no topo, sendo a base do sítio ram evidenciadas diversas irregularidades
datada em 3.660 ± 40 A.P. Em Itapeva o pa- na topografia (buracos), o que comprova a
leosolo aparece na base do sítio, sotoposta à hipótese do solo corresponder à edafisação
camada de ocupação e estende-se vertical- do campo de dunas, uma vez que tais irregu-
mente para o interior da camada arqueoló- laridades são características de sítios situa-
gica datada em 3.130 ± 40 A.P. Imaginou-se dos junto a horizontes “A” de solos (cf. já
então que o paleosolo pudesse corresponder observado por Harris, 1991 e Waters, 1992).
a um estrato-guia oriundo de um episódio Na sondagem o paleosolo apresentou es-
paleoclimático específico dentro do Holoce- pessura superior a 1,40m e estendeu-se para
no Recente, o qual teria possibilitado a eda- o interior do lençol freático. A presença de
fisação da camada e o desenvolvimento de duas linhas horizontais com 1cm a 2cm de
vegetação psamófila característica da Res- espessura e coloração vermelha-alaranjada
tinga (vegetação Pioneira cf. RADAM-BRA- na proximidade da base da sondagem foi in-
SIL, 1986). Este episódio estaria diretamente terpretada como limites da migração do fre-
relacionado ao povoamento dos pescadores- ático dentro do campo de dunas. Supõe-se
-coletores dos sambaquis na Barreira da Ita- que a variação da lâmina d’água correspon-
peva. Contudo, a datação de 2.360 ± 60 A.P. da a episódios de intensa pluviosidade, con-
obtida para a ocupação em Sereia do Mar dicionando a verticalização do nível de base.

REVISTA DE ARQUEOLOGIA Volume 21 - N.2: 104-119 - 2012


116

Destaca-se, contudo, que Villwock et al., Quanto à ocorrência de uma camada ba-
(1986), Tomazelli; Villwock, (1989) e Toma- sal em Sereia do Mar onde praticamente
zelli; Villwock (2005) propuseram que a re- inexistem valvas ou carapaças de moluscos,
gressão marinha forçada por queda glácio- é necessário destacar que estes fatos são re-
-eustática que sucedeu ao máximo correntes em outras regiões da América do
transgressivo de 5.100 A.P. teria se dado “aos Sul. Em trabalho síntese sobre o povoamen-
saltos”, caracterizados por pequenas inver- to sul americano Lavallée (2000) observou
sões no sentido da migração das águas oce- que, na costa venezuelana, os sítios de adap-
ânicas, interrompendo momentaneamente a tação marítima possuem cronologias análo-
tendência regressiva e, por consequência, gas às brasileiras (não superiores ao sétimo
pressionando o nível de base a uma migra- milênio). Os vestígios de caça de mamífe-
ção vertical. Entretanto, é impossível no atu- ros, especialmente cervídeos, se fazem pre-
al estágio das pesquisas nos sambaquis da sentes nas camadas basais, sugerindo uma
Barreira da Itapeva propor uma interpreta- origem continental para os sítios litorâneos
ção mais segura para a ocorrência das fei- da área. Na região do arquipélago Fogo-
ções identificadas na base da secção sudeste -Patagônico a sucessão de rápidos episódios
da sondagem. de ocupação caçadora coletora terrestre, so-
topostos a adaptações marítimas, têm mar-
CONSIDERAÇÕES FINAIS cado a tônica das sequências culturais, su-
Embora marcas de estacas no formato gerindo a mesma origem (Mena, 1997). No
de trempes circundavam fogueiras tenham Rio Grande do Sul Miller (1969: 102), já
sido encontradas no Sambaqui de Xangri- asseverou que as indústrias líticas dos sam-
-Lá, diversas marcas aleatórias de postes baquis “encaixam-se quase totalmente no
tenham sido descobertas em Itapeva e es- acervo do Cerrito Dalpiaz, porém, o acervo
truturas de fogueiras tenham sido caracte- dêste, muito mais complexo, só parcialmen-
rizadas no Sambaqui do Recreio, nenhuma te, se encontra naqueles. Essas diferenças
estrutura de habitação foi documentada contextuais, consideramos, estão condicio-
nos 18m2 escavados em Sereia do Mar. A nadas a condições ecológicas e suas impli-
figura 03 apresenta uma feição de tonalida- cações no ‘modus vivendi’”.
de enegrecida que se projeta de uma cama- Do ponto de vista do método de escava-
da de mesma coloração em direção à base ção, a utilização de níveis artificiais permitiu
do perfil, parecendo tratar-se de um negati- o controle estratigráfico dos objetos encon-
vo de estaca. Feições análogas foram já ob- trados e a respectiva documentação. Contu-
servadas em DeBlasis et al., (1998). O pre- do, manchas centimétricas no sentimento,
enchimento terrígeno, com o mesmo de tonalidades diferentes, foram percebidas
sedimento da camada de origem acrescido no interior das unidades de escavação e, por
de fragmentos de conchas indica, na inter- vezes, as mesmas repetiam-se nas quadrícu-
pretação assumida aqui, um preenchimento las circundantes. Quando observadas nos
gradual de uma cavidade subsequentemen- perfis verticais, algumas destas manchas
te ao apodrecimento (ou retirada) de uma acabaram configurando estreitas camadas
estaca e formação de uma cavidade. Desta- presentes em todo o sítio com difícil detec-
ca-se ainda o colapso da base da camada ção em razão do método escolhido para es-
superior, preenchendo parcialmente o topo cavação. Em outras palavras, algumas uni-
da feição. dades estratigráficas presentes na secção

Escavações no Sítio LII-29, Sambaqui de Sereia do Mar Gustavo Peretti Wagner


117

vertical não foram registradas nas secções


horizontais (ver figura 04). Referência bibliográficas
Finalmente, reitera-se aqui a necessida-
ADKINS, L.; ADKINS, R. 1982 An Introduction to Archaeolo-
de da intensificação das escavações em gy. London, Apple Press, 128.
sambaquis do Rio Grande do Sul. A des- BARKER, P. 1982 Techniques of Archaeological Excavation.
truição gradativa destes sítios foi denuncia- New York, Universe Books, 285p.
da já em Koseritz (1884a) e o processo vem BECKER, J. 2007 O homem pré-histórico no litoral norte, RS,

se intensificando na área de pesquisas como Brasil - de Torres a Tramandaí. v.1. Três Cachoeiras, Editora TC.
93pp.
um todo. Nos 47 dias de trabalho de campo
BECKER, J. 2008 O homem pré-histórico no litoral norte, RS,
a equipe presenciou a reiterada utilização Brasil - de Torres a Tramandaí. v.3. Três Cachoeiras, Editora TC.
do Sambaqui da Marambaia como rampa 112pp.
para saltos com motocicletas e buggys. A BISCHOFF, T. 1928[1887] Sobre os Sambaquis do Estado do
abertura de uma nova rua no balneário co- Rio Grande do Sul. Revista do Arquivo Público e Museu Júlio de

locou a descoberto e destruiu um pequeno Castilhos, Porto Alegre, 21:11-42.


BOMBIM, M. 1964-1965 O quê resta dos “sambaquis de Tôr-
sítio concheiro a 100m para sudoeste do Se-
res” e algumas conclusões. Anais do I e II Seminários de Arqueo-
reia do Mar e a escavação no aqui tornada logia Sul-Riograndense, Porto Alegre, Organização para Estudos
pública demonstra uma sequência de per- Científicos, 17-24pp.
turbações na estratigrafia, demonstrando a BROCHADO, J. 1969 Histórico das pesquisas arqueológicas no
paulatina perda dos registros da pré-histó- Estado do Rio Grande do Sul. Iheringia, Antropologia, Porto Ale-

ria regional. A Arqueologia a ser desenvol- gre, 1:3-42.


COSTA, A. 1934 Introdução á arqueologia brasileira etnografia
vida na área precisa ser orientada no senti-
e história. São Paulo, Companhia Editora Nacional. 348pp.
do de promover o salvamento das DEBLASIS, P.; FISH, S.; GASPAR, M.; FISH, P. 1998 Some refe-
informações seja através da coleta dos obje- rences for the discussion of complexity among the sambaqui
tos, seja através da documentação das es- moundbuilders from the southern shores of Brazil. Revista de Ar-
truturas arqueológicas, mas é mais possível queologia Americana, México, 15:75-106.

distinguir o interesse acadêmico do com- DELANEY, P. 1965 Fisiografia e geologia de superfície da planí-
cie costeira do Rio Grande do Sul. (Publicação especial n.º 6). Por-
promisso de salvar, pois antes de mais nada,
to Alegre, Ed. da Universidade. 211pp.
o interesse é social. EMPERAIRE, J.; LAMING, A. 1958 Sambaquis Brésiliens et
Amas de Coquilles Fuégiens. XXXI Congresso Internacional de
Agradecimentos: Os agradecimen- Americanistas, México, 2:165-178.
tos aqui expressos são dirigidos à Coorde- FREDIANI, A. 1952 Os sambaquis e o litoral de Torres. Revista

nação de Aperfeiçoamento de Pessoal de do Museu Julio de Castilhos e Arquivo Histórico do Rio Grande do
Sul, Porto Alegre, 2:243-249
Nível Superior (CAPES) pelo financiamento
GAZZANEO M.; JACOBUS, A.; MOMBERGER, S. 1989 O uso
dos estudos através de bolsa de Pós-douto- da fauna pelos ocupantes do sítio de Itapeva (Torres, RS). Pesqui-
rado (modalidade PNPD), tornando possí- sas, Documentos, série Antropologia, São Leopoldo, 3:123-144.
veis as atividades de campo. Às etapas de GLIESCH, R. 1925 A fauna de Torres. Porto Alegre, Officinas
laboratório foram desenvolvidas junto à Graphicas da Escola de Engenharia de Porto Alegre. 74pp.

PUCRS, sob importante orientação do Prof. GLIESCH, R. 1932 Sobre a origem dos sambaquis. Egatea, Por-
to Alegre, 17(4-5):199-208.
Dr. Klaus Hilbert e a etapa final de gabinete
HARRIS, E. 1991 Princípios de estratigrafia arqueológica. Bar-
e redação foi desenvolvida junto ao MAE/ celona, Crítica. 227pp.
UFBA, a quem expressa-se igual agradeci- HARTT, C. 1885 Contribuições para a ethnologia do valle do
mento. Amazonas. Archivos do Museu Nacional do Rio de Janeiro, Rio de
Janeiro, 6:1-174.
HILBERT, L. 2010 Análise Ictioarqueológica dos Sítios: Samba-

REVISTA DE ARQUEOLOGIA Volume 21 - N.2: 104-119 - 2012


118

qui do Recreio, Itapeva e Dorva, Municípios de Torres e Três Ca- MILLER, E. 1967 Pesquisas arqueológicas efetuadas no nor-
choeiras, Rio Grande do Sul, Brasil. Dissertação de Mestrado. deste do Rio Grande do Sul. In: Programa nacional de pesquisas
Porto Alegre, PUCRS, 140pp. arqueológicas resultados preliminares do primeiro ano 1965-
IHERING, H. 1895 Civilização Pré-Histórica do Brasil Meri- 1966. Belém, Museu Paraense Emílio Goeldi, (Publicações Avul-
dional. Revista do Museu Paulista, São Paulo, 1:33-161. sas n. 6), pp. 15-38.
IHERING, H. 1903 A Origem dos Sambaquis. Revista do Insti- MILLER, E. 1969 Resultados Preliminares das Escavações no
tuto Histórico e Geográfico de São Paulo, São Paulo, 8:446-457. Sítio Pré-Cerâmico RS-LN-1: Cerrito Dalpiaz (abrigo-sob-ro-
IHERING, H. 1904 Archeologia Comparativa do Brasil. Revista cha). Iheringia, Porto Alegre, 1:3-42.
do Museu Paulista, São Paulo, 6:519-583. MILLER, E. 1974 Pesquisas Arqueológicas em Abrigos-sob-
IHERING, H. 1969[1885] A Lagoa dos Patos. Organon, Porto rocha no Nordeste do Rio Grande do Sul. Programa nacional de
Alegre, 15(14):101-142. pesquisas arqueológicas resultados preliminares do quinto ano
JACOBUS, A.; GIL, R. 1987 Primeira comunicação sobre os 1969-1970. Belém, Museu Paraense Emílio Goeldi, (Publicações
vestígios faunísticos recuperados no sítio de Itapeva (Torres, RS). Avulsas n. 26), pp. 11-24.
Veritas, Porto Alegre, 32(125):115-120. NETTO, L. 1885 Investigações sobre a Archeologia Brazilei-
JACOBUS, A. 1996 Pesquisas arqueológico município de Tor- ra. Archivos do Museu Nacional do Rio de Janeiro, Rio de Ja-
res, RS. In: BARROSO, V. (Org.) Raízes de Torres, Porto Alegre, neiro, 6:257- 514.
EST, pp. 42-44. PALDAOF, J. 1900 Archeologia Rio Grandense. Revista do
JACOBUS, A. 1997 A utilização de animais e vegetais na pré- Museu Paulista, São Paulo, 4:339-348.
-história do RS. In: KERN, A. (Org.) Arqueologia pré-histórica do POUPEAU, G.; SOLIANI JR., E.; RIVERA, A. et al. 1988
Rio Grande do Sul. 2º Ed. Porto Alegre, Mercado Aberto, pp. 63- Datações por termoluminescência de alguns depósitos arenosos
88. costeiros do último ciclo climático, no nordeste do Rio Grande
KERN, A. 1970 Escavações em sambaquis do Rio Grande do do Sul. Pesquisas CECO-UFRGS, Porto Alegre, 21:25-47.
Sul. Estudos Leopoldenses, São Leopoldo, 15:203-215. RADAM-BRASIL. 1986 Projeto Radam, Folha SH. 22 Lagoa
KERN, A. 1984 Aplicação dos métodos estratigráficos e de de- Mirim: geologia, geomorfologia, pedologia, vegetação, uso po-
capagem no sítio litorâneo de Itapeva, (Torres, RS). Revista de pré- tencial da terra. Porto Alegre e parte das Folhas SH.21 Uru-
-história, São Paulo, 6:163-166. guaiana e SH. Rio de Janeiro, IBGE-MME. 796pp.
KERN, 1985 A.Sondagens no sítio arqueológico de Xangri-lá: RIBEIRO, P. 1982 Breve notícia sobra a ocorrência de um
uma experiência didática em arqueologia de salvamento. Revista zoólito no Sambaqui de Xangri-lá, RGS. Revista do CEPA, Santa
da UFRGS, Porto Alegre, 13:84-110. Cruz do Sul, 24(26):35-44.
KERN, A. 1995 Origens pré-históricas do povoamento de Tor- RODRIGUES, J. 1940[1605] A missão dos carijós – 1605-
res. VII Congresso da sociedade de arqueologia brasileira, Porto 1607. In: LEITE, S. Novas cartas jesuíticas (de Nóbrega a Vieira).
Alegre, EDIPUCRS, pp. 121-140. São Paulo, Brasiliana 194, 196-246pp.
KERN, A. (Org). 1997 Pescadores-coletores pré-históricos do ROGGE, J.; SCHMITZ, P.; ROSA, A. 2007 Projeto Arroio do
litoral norte. In: Arqueologia pré-histórica do Rio Grande do Sul. Sal: a ocupação indígena pré-histórica no litoral norte do Rio
2º Ed. Porto Alegre, Mercado Aberto, pp. 167-190. Grande do Sul. História – UNISINOS, São Leopoldo, 11(2):274-
KERN, A.; LASALVIA, F.; NAUE, G. 1985 Projeto arqueológico 277.
do litoral setentrional do Rio Grande do Sul: o sítio arqueológico ROGGE, J.; SCHMITZ, P. 2010 Projeto Arroio do Sal: a ocu-
de Itapeva, Torres. Veritas, Porto Alegre, 30(120):571-586. pação indígena pré-histórica no litoral norte do RS. Pesquisas,
KOSERITZ, K. 1884a Bosquejos ethnologicos. Porto Alegre, São Leopoldo, 68:167-225.
Typographia de Gundlach e Companhia. 83pp. ROQUETTE-PINTO, E. 1970[1906] Relatório de excursão
KOSERITZ, K. 1884b Sambaquis de Conceição do Arroio. Re- ao litoral e à região das lagoas do Rio Grande do Sul. Porto
vista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Rio de Janeiro, Alegre, Editora da Universidade. 80pp.
47:179-182. ROSA, A. 1996 Análise dos restos faunísticos do sítio arque-
LEONARDOS. O. 1938 Concheiros naturais e sambaquis. Rio ológico de Itapeva, (RS-LA-201), município de Torres, RS: se-
de Janeiro, Ministério da Agricultura. 92pp. gunda etapa de escavação. Documentos, São Leopoldo, 6:157-
LAVALLÉE, D. 2000 The First South Americans. University of 164.
Utah Press, Utah. 292pp. RUSCHEL R. 1966[2003] Sítios Arqueológicos de Torres. Re-
MENA, F. 1997 Middle to Late Holocene Adaptations in Pata- vista do CEPA, Santa Cruz do Sul, 27(38):69-110.
gonia. In: MCEVAN, C.; BORRERO, L.; PRIETO, A. Patagonia. SANTOS, M. 1985 Análise do Material Lítico do Sítio de
New Jersey, Princeton University Press. pp. 46-59. Itapeva. 1ª Campanha de Escavações de 1982. Monografia. Por-

Escavações no Sítio LII-29, Sambaqui de Sereia do Mar Gustavo Peretti Wagner


119

to Alegre, PUCRS, 102pp. Perspectiva Geoarqueológica. Tese de Doutorado. Porto Alegre,


SCHMITZ, P. 1958 Paradeiros guaranis em Osório (Rio PUCRS, 241p.
grande do Sul). Pesquisas, São Leopoldo, 2:113-143. WAGNER, G. 2009b A Evolução Paleogeográfica e a Ocupa-
SCHMITZ, P. 2006 Considerações sobre a ocupação pré- ção dos Sambaquis no Litoral Norte do Rio Grande do Sul, Bra-
histórica do litoral meridional do Brasil. Pesquisas, Série Antro- sil. In: RIBEIRO, A.; BAUERMANN, S.; SCHERER, C. (Org.).
pologia, São Leopoldo, 63:355-362. Quaternário do Rio Grande do Sul Integrando Conhecimentos.
SERRANO, A. 1937 Subsídios para a Arqueologia do Brasil Porto Alegre, Sociedade Brasileira de Paleontologia, 1:243-254.
Meridional. Revista do Arquivo Municipal, São Paulo, 2(36):5- WATERS, M. 1992 Principles of geoarchaeology: a north
42. american perspective. Tucson, London, University of Arizona
SERRANO, A. 1946 The Sambaquís of the Brazilian Coast. In: Press, 398pp.
STEWAD, J. Handbook of South American Indians V.1, Wash- WIENER, C.  1876. Estudos sobre os sambaquis do sul do
ington, United States Government Printing Office, pp. 401-408. Brazil. Archivos do Museu Nacional do Rio de Janeiro, Rio de
SOUZA, A. 1991 História da arqueologia brasileira. Pesqui- Janeiro, 1-3:1-20.
sas, Série Antropologia, São Leopoldo, 46:157.
THADDEU, V. 1995. Inferências sobre o início do povoa-
mento no litoral norte do Rio Grande do Sul: Um estudo do Sitio
da Itapeva (RS-201). Dissertação de Mestrado. Porto Alegre,
PUCRS, 160pp.
THOMÉ, J.; GIL, G.; BERGONCI, P.; TARASCONI, J. 2010
As Conchas das Nossas Praias. 2ª Ed. Porto Alegre, Redes Edi-
tora. 223pp.
TOCCHETTO, F. 1987 O meio ambiente e os grupos pré-
históricos do norte da planície costeira do RS: o sítio arqueológi-
co de Itapeva. Veritas, Porto Alegre, 32(126):217-230.
TOMAZELLI, L.; VILLWOCK, J. 1989 Processos erosivos na
costa do Rio Grande do Sul, Brasil: evidências de uma provável
tendência contemporânea de elevação do nível relativo do mar.
Congresso da ABEQUA , Rio de Janeiro. 2:16.
TOMAZELLI, L.; VILLWOCK, J. 1991 Geologia do sistema
lagunar holocênico do litoral norte do Rio Grande do Sul, Brasil.
Pesquisas, Porto Alegre, 18(1):13-24.
TOMAZELLI, L.; VILLWOCK, J. 2005 Mapeamento geológi-
co de planícies costeiras: o exemplo da costa do Rio Grande do
Sul. Gravel, Porto Alegre, 3:109-115.
VIETTA K. 1988 Sítio Arqueológico de Itapeva (Município
de Torres, RS): Análise dos resultados da Segunda campanha de
escavação (1982). Monografia. Porto Alegre, PUCRS. 103pp.
VILLWCK, J.; TOMAZELLI, L.; LOSS, E. et al. 1986 Geology
of the Rio Grande do Sul Coastal province. Quaternary of South
America and Antartic Peninsula, Rotterdam, 4:79-97.
VILLWCK, J. 1987 Os paleoambientes da Província Costeira
do Rio Grande do Sul e a Possível Ocorrência de Antigos
Manguesais na Costa Sul do Brasil. Simpósio sobre Ecossistemas
da Costa Sul e Sudeste Brasileira: síntese dos conhecimentos,
Cananéia, Academia de Ciências do Estado de São Paulo, 1:132-
137.
WAGNER, G. 2004 Ceramistas pré-coloniais do litoral norte.
Dissertação de Mestrado. Dissertação de Mestrado. Porto
Alegre, PUCRS, 321pp.
WAGNER, G. 2009a Sambaquis da Barreira da Itapeva, uma

REVISTA DE ARQUEOLOGIA Volume 21 - N.2: 104-119 - 2012